SlideShare uma empresa Scribd logo
Técnico em Informática 
Organização de Computadores 
Aula 6 –CARDINALIDADE 
Prof. Vitor Hugo Melo Araújo
CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO 
Acardinalidadeindicaquantosobjetos(instâncias)deumaentidade,podemserelacionarcomoutraentidadeatravésdeumrelacionamento. 
Nahoradefazeracardinalidadedeumrelacionamentodeumrelacionamentodeveserconsideradoascardinalidadesmínimasemáximas.
CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO 
Cardinalidademínima:éonúmeromínimodeinstânciasdeumaentidadequedevemserelacionarcomumainstânciadeoutraentidade. 
Acardinalidademínimaéusadaparaindicarotipodeparticipaçãodaentidadeemumrelacionamentoesempreocupaaprimeiraposiçãodentrodoparêntesequerepresentaacardinalidade.
CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO 
Estaparticipaçãonorelacionamentopodeser:
CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO 
ParcialouOpcional:quandoumaocorrênciadaentidadepodeounãoparticipardedeterminadorelacionamento. 
Éindicadopelacardinalidademínima=0(zero) 
Total ou Obrigatória: quando todas as ocorrências de uma entidade devem participar de determinado relacionamento. 
É indicado pela cardinalidade mínima = 1 (um)
CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO 
Nafiguraabaixo,podeexistiralgumprofessorqueédiretordaescola.Observerqueserdiretornaescolanãoéobrigatório,porissoatribuímosovalor0(zero), aorelacionamentodirige,noladoescola.Umaescolaobrigatoriamenteédirigidaporumprofessor.
CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO 
Cardinalidademáxima:éonúmeromáximodeinstânciasdeumaentidadequepodemserelacionarcomumainstânciadeoutraentidade. 
Acardinalidademáximapodeassumirvalores1eN,eocupaasegundaposiçãodentrodoparêntesequedenotaacardinalidadedeumaentidadeemrelaçãoaoutra.
CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO
CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO 
Cardinalidade1:1(UmparaUm):Ocorrequandoumainstânciadeumaentidadepodeserelacionaraapenasumobjetodeoutraentidadeevice-versa. 
Porexemplo,nafiguraabaixo,umprofessorédiretordeumaescola,eumaescolasópodeserdirigidaporumprofessor.
CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO 
Cardinalidade1:1(UmparaUm) 
Quandousartabelasumparaum(1:1)–Geralmentefazmaissentidodeixarseusdados1:1nasuatabelaprincipal,mas,àsvezes,háalgumasvantagensquevocêtemaopuxarestascolunasparaforadaprincipal. 
1.Tirarestascolunaspermitequevocêescrevaconsultasmaisrápidas.Porexemplo,senamaioriadasvezesprecisarconsultaroCPFenãomuitooutrascoisas,vocêpoderiaconsultarapenasatabelapequena.
CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO 
Cardinalidade1:1(UmparaUm) 
2.Sevocêtemumacolunacontendovaloresqueaindanãoconhece,podeisolá-laeevitarvaloresNULLnasuatabelaprincipal. 
3.Vocêpodequerertornaralgunsdadosmaisacessíveis.Isolando-os,permiteumacessorestritoatéeles.Porexemplo,vocêtemumatabeladefuncionáriosepodequererguardarainformaçãoacercadosalárioforadatabelaprincipal.
CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO 
Cardinalidade1:N(UmparaMuitos):Ocorrequandoumainstânciadeumaentidadepodeserelacionarcommaisdeumobjetodeoutraentidade,masarecíprocanãoéverdadeira. 
Porexemplo,nafiguraabaixo,emumaescolapodemlecionarváriosprofessores,porémumprofessorsópodelecionaremumaescola.
CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO 
Cardinalidade1:N(UmparaMuitos) 
Outro exemplo: 
A Profissões com meus contatos
CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO 
Cardinalidade1:N(UmparaMuitos)
CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO 
CardinalidadeN:N(MuitosparaMuitos):Ocorrequandoumainstânciadeumaentidadepodeserelacionarcommaisdeumobjetodeoutraentidadeeviceversa.Porexemplo,umprofessorpodelecionarmaisdeumadisciplina,assimcomoumadisciplinapodeserlecionadapormaisdeumprofessor.
CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO 
CardinalidadeN:N(MuitosparaMuitos): 
Outro exemplo seria mulheres com pares de sapatos
CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO 
Quandoqueremosdescobriracardinalidadedeumrelacionamentofazemosaseguintepergunta:“UmobjetodaminhaentidadeX,podeestaremumrelacionamentonomínimocomquantosobjetosdaminhaentidadeY?Enomáximo?
CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO 
Vamosverificarorelacionamentocasamentodeumaentidadehomem,emulher.Fazemosentãoaperguntacitadaanteriormente: 
Umhomempodesercasadonomínimocomquantasmulheresnaoutraentidade?Enomáximo? 
Umamulherpodesercasadanomínimocomquatnsohomensnaoutraentidade?Enomáximo?
CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO 
Exercício
CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO 
Resolução
GRAU DE UM RELACIONAMENTO 
Ograudeumrelacionamentoindicaquantasentidadesestãoenvolvidasemumrelacionamento.Epodeserclassificadoembinárioeternário.
GRAU DE UM RELACIONAMENTO 
ExemplodeBandodeDados
Relacionamentobinário:éaqueleemqueduasentidadesestãoligadasporumrelacionamento. Abaixoumexemploderelacionamentobinário,poisumprofessorestárelacionadoaumadisciplina. 
GRAU DE UM RELACIONAMENTO
Relacionamentoternário:équandoexistemtrêsentidadesenvolvidasemumrelacionamento.Digamosquequeremosacrescentarnanossamodelagemqueumprofessorlecionaumadisciplinaparaumaturma. Teríamosentãoqueassociarmaisumaentidadeaorelacionamento“leciona”. 
GRAU DE UM RELACIONAMENTO
Relacionamentoternário 
GRAU DE UM RELACIONAMENTO 
Relacionamentos maiores que ternários devem ser evitados, pois são difíceis de serem entendidos e de serem implementados tornando a relação bastante complexa.
Quandonãoépossíveldefinirumachaveprimária, nemsimplesenemcompostaparaumaentidade, temosumaentidadefraca.Aentidadefracaédependentedeoutraentidade,eorelacionamentoentreelaeoutraentidadeénormalmente1:N. Representamosumaentidadefracacomalinhaqueligaseurelacionamentoemnegrito. 
GRAU DE UM RELACIONAMENTO
Técnico em Informática 
Organização de Computadores 
Aula 6–CARDINALIDADE 
Prof. Vitor Hugo Melo Araújo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelagem de dados
Modelagem de dadosModelagem de dados
Modelagem de dados
Fabrício Lopes Sanchez
 
Banco de Dados - Modelo Lógico, Chave primária e Chave estrangeira
Banco de Dados - Modelo Lógico, Chave primária e Chave estrangeiraBanco de Dados - Modelo Lógico, Chave primária e Chave estrangeira
Banco de Dados - Modelo Lógico, Chave primária e Chave estrangeira
Natanael Simões
 
Banco de Dados I - Aula 05 - Banco de Dados Relacional (Modelo Conceitual)
Banco de Dados I - Aula 05 - Banco de Dados Relacional (Modelo Conceitual)Banco de Dados I - Aula 05 - Banco de Dados Relacional (Modelo Conceitual)
Banco de Dados I - Aula 05 - Banco de Dados Relacional (Modelo Conceitual)
Leinylson Fontinele
 
Introdução a Banco de Dados (Parte 2)
Introdução a Banco de Dados (Parte 2)Introdução a Banco de Dados (Parte 2)
Introdução a Banco de Dados (Parte 2)
Mario Sergio
 
Banco de Dados II Aula 04 - MODELAGEM DE DADOS (Generalização e Especialização)
Banco de Dados II Aula 04 - MODELAGEM DE DADOS (Generalização e Especialização)Banco de Dados II Aula 04 - MODELAGEM DE DADOS (Generalização e Especialização)
Banco de Dados II Aula 04 - MODELAGEM DE DADOS (Generalização e Especialização)
Leinylson Fontinele
 
Normalização de Banco de Dados
Normalização de Banco de DadosNormalização de Banco de Dados
Normalização de Banco de Dados
elliando dias
 
Bases De Dados
Bases De DadosBases De Dados
Bases De Dados
arturafonsosousa
 
Modelagem De Banco De Dados
Modelagem De Banco De DadosModelagem De Banco De Dados
Modelagem De Banco De Dados
mgoberto
 
Introdução a Bancos de Dados
Introdução a Bancos de DadosIntrodução a Bancos de Dados
Introdução a Bancos de Dados
Ricardo Flores Zago, PMP, MSc
 
Modelagem de Dados
Modelagem de DadosModelagem de Dados
Modelagem de Dados
Roberto Grande
 
Banco de Dados Conceitos
Banco de Dados ConceitosBanco de Dados Conceitos
Banco de Dados Conceitos
Cleber Ramos
 
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DERBanco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
Rangel Javier
 
Banco de Dados II Aula 14 - Projeto de Banco de Dados e Estudo de Caso (Postg...
Banco de Dados II Aula 14 - Projeto de Banco de Dados e Estudo de Caso (Postg...Banco de Dados II Aula 14 - Projeto de Banco de Dados e Estudo de Caso (Postg...
Banco de Dados II Aula 14 - Projeto de Banco de Dados e Estudo de Caso (Postg...
Leinylson Fontinele
 
Orientação a Objetos em Python
Orientação a Objetos em PythonOrientação a Objetos em Python
Orientação a Objetos em Python
Luciano Ramalho
 
POO - 13 - Arrays em Java
POO - 13 - Arrays em JavaPOO - 13 - Arrays em Java
POO - 13 - Arrays em Java
Ludimila Monjardim Casagrande
 
Aula 4 banco de dados
Aula 4   banco de dados Aula 4   banco de dados
Aula 4 banco de dados
Jorge Ávila Miranda
 
Aula 1 - Introdução a POO
Aula 1 -  Introdução a POOAula 1 -  Introdução a POO
Aula 1 - Introdução a POO
Daniel Brandão
 
Conceitos básicos de programação orientada a objetos
Conceitos básicos de programação orientada a objetosConceitos básicos de programação orientada a objetos
Conceitos básicos de programação orientada a objetos
Leonardo Melo Santos
 
Modelo Relacional
Modelo RelacionalModelo Relacional
Modelo Relacional
Joel Santos
 
Estrutura de Dados - Aula 12 - Pesquisa de Dados (Sequencial e Binária)
Estrutura de Dados - Aula 12 - Pesquisa de Dados (Sequencial e Binária)Estrutura de Dados - Aula 12 - Pesquisa de Dados (Sequencial e Binária)
Estrutura de Dados - Aula 12 - Pesquisa de Dados (Sequencial e Binária)
Leinylson Fontinele
 

Mais procurados (20)

Modelagem de dados
Modelagem de dadosModelagem de dados
Modelagem de dados
 
Banco de Dados - Modelo Lógico, Chave primária e Chave estrangeira
Banco de Dados - Modelo Lógico, Chave primária e Chave estrangeiraBanco de Dados - Modelo Lógico, Chave primária e Chave estrangeira
Banco de Dados - Modelo Lógico, Chave primária e Chave estrangeira
 
Banco de Dados I - Aula 05 - Banco de Dados Relacional (Modelo Conceitual)
Banco de Dados I - Aula 05 - Banco de Dados Relacional (Modelo Conceitual)Banco de Dados I - Aula 05 - Banco de Dados Relacional (Modelo Conceitual)
Banco de Dados I - Aula 05 - Banco de Dados Relacional (Modelo Conceitual)
 
Introdução a Banco de Dados (Parte 2)
Introdução a Banco de Dados (Parte 2)Introdução a Banco de Dados (Parte 2)
Introdução a Banco de Dados (Parte 2)
 
Banco de Dados II Aula 04 - MODELAGEM DE DADOS (Generalização e Especialização)
Banco de Dados II Aula 04 - MODELAGEM DE DADOS (Generalização e Especialização)Banco de Dados II Aula 04 - MODELAGEM DE DADOS (Generalização e Especialização)
Banco de Dados II Aula 04 - MODELAGEM DE DADOS (Generalização e Especialização)
 
Normalização de Banco de Dados
Normalização de Banco de DadosNormalização de Banco de Dados
Normalização de Banco de Dados
 
Bases De Dados
Bases De DadosBases De Dados
Bases De Dados
 
Modelagem De Banco De Dados
Modelagem De Banco De DadosModelagem De Banco De Dados
Modelagem De Banco De Dados
 
Introdução a Bancos de Dados
Introdução a Bancos de DadosIntrodução a Bancos de Dados
Introdução a Bancos de Dados
 
Modelagem de Dados
Modelagem de DadosModelagem de Dados
Modelagem de Dados
 
Banco de Dados Conceitos
Banco de Dados ConceitosBanco de Dados Conceitos
Banco de Dados Conceitos
 
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DERBanco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
 
Banco de Dados II Aula 14 - Projeto de Banco de Dados e Estudo de Caso (Postg...
Banco de Dados II Aula 14 - Projeto de Banco de Dados e Estudo de Caso (Postg...Banco de Dados II Aula 14 - Projeto de Banco de Dados e Estudo de Caso (Postg...
Banco de Dados II Aula 14 - Projeto de Banco de Dados e Estudo de Caso (Postg...
 
Orientação a Objetos em Python
Orientação a Objetos em PythonOrientação a Objetos em Python
Orientação a Objetos em Python
 
POO - 13 - Arrays em Java
POO - 13 - Arrays em JavaPOO - 13 - Arrays em Java
POO - 13 - Arrays em Java
 
Aula 4 banco de dados
Aula 4   banco de dados Aula 4   banco de dados
Aula 4 banco de dados
 
Aula 1 - Introdução a POO
Aula 1 -  Introdução a POOAula 1 -  Introdução a POO
Aula 1 - Introdução a POO
 
Conceitos básicos de programação orientada a objetos
Conceitos básicos de programação orientada a objetosConceitos básicos de programação orientada a objetos
Conceitos básicos de programação orientada a objetos
 
Modelo Relacional
Modelo RelacionalModelo Relacional
Modelo Relacional
 
Estrutura de Dados - Aula 12 - Pesquisa de Dados (Sequencial e Binária)
Estrutura de Dados - Aula 12 - Pesquisa de Dados (Sequencial e Binária)Estrutura de Dados - Aula 12 - Pesquisa de Dados (Sequencial e Binária)
Estrutura de Dados - Aula 12 - Pesquisa de Dados (Sequencial e Binária)
 

Destaque

Aula 2 - Introdução aos conceitos básicos
Aula 2 - Introdução aos conceitos básicosAula 2 - Introdução aos conceitos básicos
Aula 2 - Introdução aos conceitos básicos
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 11 – Informação e a sua Representação
Aula 11 – Informação e a sua RepresentaçãoAula 11 – Informação e a sua Representação
Aula 11 – Informação e a sua Representação
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 14 – Portas lógicas e suas funções
Aula 14 – Portas lógicas e suas funçõesAula 14 – Portas lógicas e suas funções
Aula 14 – Portas lógicas e suas funções
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores I
Aula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores IAula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores I
Aula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores I
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 3 sistema computacional (hardware e software)
Aula 3   sistema computacional (hardware e software)Aula 3   sistema computacional (hardware e software)
Aula 3 sistema computacional (hardware e software)
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 3 - Sistemas e Modelos de Dados
Aula 3 - Sistemas e Modelos de DadosAula 3 - Sistemas e Modelos de Dados
Aula 3 - Sistemas e Modelos de Dados
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 4 - História e evolução dos Computadores
Aula 4 - História e evolução dos ComputadoresAula 4 - História e evolução dos Computadores
Aula 4 - História e evolução dos Computadores
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 6 - Montagem Básica de Microcomputadores II
Aula 6 - Montagem Básica de Microcomputadores II Aula 6 - Montagem Básica de Microcomputadores II
Aula 6 - Montagem Básica de Microcomputadores II
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 8 – Componentes de um computador
Aula 8 – Componentes de um computadorAula 8 – Componentes de um computador
Aula 8 – Componentes de um computador
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 2 - Noções Básicas de Eletricidade
Aula 2 - Noções Básicas de EletricidadeAula 2 - Noções Básicas de Eletricidade
Aula 2 - Noções Básicas de Eletricidade
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 4 - Noções Básicas de Eletricidade (continuação)
Aula 4 - Noções Básicas de Eletricidade (continuação)Aula 4 - Noções Básicas de Eletricidade (continuação)
Aula 4 - Noções Básicas de Eletricidade (continuação)
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)
Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)
Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 7 - Montagem Básica de Microcomputadores III
Aula 7 - Montagem Básica de Microcomputadores IIIAula 7 - Montagem Básica de Microcomputadores III
Aula 7 - Montagem Básica de Microcomputadores III
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 2 - Introdução a Banco de Dados
Aula 2 - Introdução a Banco de DadosAula 2 - Introdução a Banco de Dados
Aula 2 - Introdução a Banco de Dados
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Aula 4 - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados
Aula 4 - Sistemas Gerenciadores de Banco de DadosAula 4 - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados
Aula 4 - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados
Vitor Hugo Melo Araújo
 

Destaque (15)

Aula 2 - Introdução aos conceitos básicos
Aula 2 - Introdução aos conceitos básicosAula 2 - Introdução aos conceitos básicos
Aula 2 - Introdução aos conceitos básicos
 
Aula 11 – Informação e a sua Representação
Aula 11 – Informação e a sua RepresentaçãoAula 11 – Informação e a sua Representação
Aula 11 – Informação e a sua Representação
 
Aula 14 – Portas lógicas e suas funções
Aula 14 – Portas lógicas e suas funçõesAula 14 – Portas lógicas e suas funções
Aula 14 – Portas lógicas e suas funções
 
Aula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores I
Aula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores IAula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores I
Aula 5 - Montagem Básica de Microcomputadores I
 
Aula 3 sistema computacional (hardware e software)
Aula 3   sistema computacional (hardware e software)Aula 3   sistema computacional (hardware e software)
Aula 3 sistema computacional (hardware e software)
 
Aula 3 - Sistemas e Modelos de Dados
Aula 3 - Sistemas e Modelos de DadosAula 3 - Sistemas e Modelos de Dados
Aula 3 - Sistemas e Modelos de Dados
 
Aula 4 - História e evolução dos Computadores
Aula 4 - História e evolução dos ComputadoresAula 4 - História e evolução dos Computadores
Aula 4 - História e evolução dos Computadores
 
Aula 6 - Montagem Básica de Microcomputadores II
Aula 6 - Montagem Básica de Microcomputadores II Aula 6 - Montagem Básica de Microcomputadores II
Aula 6 - Montagem Básica de Microcomputadores II
 
Aula 8 – Componentes de um computador
Aula 8 – Componentes de um computadorAula 8 – Componentes de um computador
Aula 8 – Componentes de um computador
 
Aula 2 - Noções Básicas de Eletricidade
Aula 2 - Noções Básicas de EletricidadeAula 2 - Noções Básicas de Eletricidade
Aula 2 - Noções Básicas de Eletricidade
 
Aula 4 - Noções Básicas de Eletricidade (continuação)
Aula 4 - Noções Básicas de Eletricidade (continuação)Aula 4 - Noções Básicas de Eletricidade (continuação)
Aula 4 - Noções Básicas de Eletricidade (continuação)
 
Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)
Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)
Aula 12 – Sistema de Numeração (Conversão de Bases)
 
Aula 7 - Montagem Básica de Microcomputadores III
Aula 7 - Montagem Básica de Microcomputadores IIIAula 7 - Montagem Básica de Microcomputadores III
Aula 7 - Montagem Básica de Microcomputadores III
 
Aula 2 - Introdução a Banco de Dados
Aula 2 - Introdução a Banco de DadosAula 2 - Introdução a Banco de Dados
Aula 2 - Introdução a Banco de Dados
 
Aula 4 - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados
Aula 4 - Sistemas Gerenciadores de Banco de DadosAula 4 - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados
Aula 4 - Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados
 

Último

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
reforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresssreforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresss
adequacaocontabil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Falcão Brasil
 
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdfCorreio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdfDesafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 

Último (20)

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
reforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresssreforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresss
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdfConstrução Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
Construção Aeronáutica no Brasil. Embraer.pdf
 
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdfCorreio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
Correio Aéreo Nacional (CAN) e Aviação de Transporte na FAB.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdfDesafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
Desafios Contemporâneos para o Exército Brasileiro (EB).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 

Aula 6 - Cardinalidade

  • 1. Técnico em Informática Organização de Computadores Aula 6 –CARDINALIDADE Prof. Vitor Hugo Melo Araújo
  • 2. CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO Acardinalidadeindicaquantosobjetos(instâncias)deumaentidade,podemserelacionarcomoutraentidadeatravésdeumrelacionamento. Nahoradefazeracardinalidadedeumrelacionamentodeumrelacionamentodeveserconsideradoascardinalidadesmínimasemáximas.
  • 3. CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO Cardinalidademínima:éonúmeromínimodeinstânciasdeumaentidadequedevemserelacionarcomumainstânciadeoutraentidade. Acardinalidademínimaéusadaparaindicarotipodeparticipaçãodaentidadeemumrelacionamentoesempreocupaaprimeiraposiçãodentrodoparêntesequerepresentaacardinalidade.
  • 4. CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO Estaparticipaçãonorelacionamentopodeser:
  • 5. CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO ParcialouOpcional:quandoumaocorrênciadaentidadepodeounãoparticipardedeterminadorelacionamento. Éindicadopelacardinalidademínima=0(zero) Total ou Obrigatória: quando todas as ocorrências de uma entidade devem participar de determinado relacionamento. É indicado pela cardinalidade mínima = 1 (um)
  • 6. CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO Nafiguraabaixo,podeexistiralgumprofessorqueédiretordaescola.Observerqueserdiretornaescolanãoéobrigatório,porissoatribuímosovalor0(zero), aorelacionamentodirige,noladoescola.Umaescolaobrigatoriamenteédirigidaporumprofessor.
  • 7. CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO Cardinalidademáxima:éonúmeromáximodeinstânciasdeumaentidadequepodemserelacionarcomumainstânciadeoutraentidade. Acardinalidademáximapodeassumirvalores1eN,eocupaasegundaposiçãodentrodoparêntesequedenotaacardinalidadedeumaentidadeemrelaçãoaoutra.
  • 8. CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO
  • 9. CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO Cardinalidade1:1(UmparaUm):Ocorrequandoumainstânciadeumaentidadepodeserelacionaraapenasumobjetodeoutraentidadeevice-versa. Porexemplo,nafiguraabaixo,umprofessorédiretordeumaescola,eumaescolasópodeserdirigidaporumprofessor.
  • 10. CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO Cardinalidade1:1(UmparaUm) Quandousartabelasumparaum(1:1)–Geralmentefazmaissentidodeixarseusdados1:1nasuatabelaprincipal,mas,àsvezes,háalgumasvantagensquevocêtemaopuxarestascolunasparaforadaprincipal. 1.Tirarestascolunaspermitequevocêescrevaconsultasmaisrápidas.Porexemplo,senamaioriadasvezesprecisarconsultaroCPFenãomuitooutrascoisas,vocêpoderiaconsultarapenasatabelapequena.
  • 11. CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO Cardinalidade1:1(UmparaUm) 2.Sevocêtemumacolunacontendovaloresqueaindanãoconhece,podeisolá-laeevitarvaloresNULLnasuatabelaprincipal. 3.Vocêpodequerertornaralgunsdadosmaisacessíveis.Isolando-os,permiteumacessorestritoatéeles.Porexemplo,vocêtemumatabeladefuncionáriosepodequererguardarainformaçãoacercadosalárioforadatabelaprincipal.
  • 12. CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO Cardinalidade1:N(UmparaMuitos):Ocorrequandoumainstânciadeumaentidadepodeserelacionarcommaisdeumobjetodeoutraentidade,masarecíprocanãoéverdadeira. Porexemplo,nafiguraabaixo,emumaescolapodemlecionarváriosprofessores,porémumprofessorsópodelecionaremumaescola.
  • 13. CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO Cardinalidade1:N(UmparaMuitos) Outro exemplo: A Profissões com meus contatos
  • 14. CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO Cardinalidade1:N(UmparaMuitos)
  • 15. CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO CardinalidadeN:N(MuitosparaMuitos):Ocorrequandoumainstânciadeumaentidadepodeserelacionarcommaisdeumobjetodeoutraentidadeeviceversa.Porexemplo,umprofessorpodelecionarmaisdeumadisciplina,assimcomoumadisciplinapodeserlecionadapormaisdeumprofessor.
  • 16. CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO CardinalidadeN:N(MuitosparaMuitos): Outro exemplo seria mulheres com pares de sapatos
  • 17. CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO Quandoqueremosdescobriracardinalidadedeumrelacionamentofazemosaseguintepergunta:“UmobjetodaminhaentidadeX,podeestaremumrelacionamentonomínimocomquantosobjetosdaminhaentidadeY?Enomáximo?
  • 18. CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO Vamosverificarorelacionamentocasamentodeumaentidadehomem,emulher.Fazemosentãoaperguntacitadaanteriormente: Umhomempodesercasadonomínimocomquantasmulheresnaoutraentidade?Enomáximo? Umamulherpodesercasadanomínimocomquatnsohomensnaoutraentidade?Enomáximo?
  • 19. CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO Exercício
  • 20. CARDINALIDADE DE UM RELACIONAMENTO Resolução
  • 21. GRAU DE UM RELACIONAMENTO Ograudeumrelacionamentoindicaquantasentidadesestãoenvolvidasemumrelacionamento.Epodeserclassificadoembinárioeternário.
  • 22. GRAU DE UM RELACIONAMENTO ExemplodeBandodeDados
  • 25. Relacionamentoternário GRAU DE UM RELACIONAMENTO Relacionamentos maiores que ternários devem ser evitados, pois são difíceis de serem entendidos e de serem implementados tornando a relação bastante complexa.
  • 27. Técnico em Informática Organização de Computadores Aula 6–CARDINALIDADE Prof. Vitor Hugo Melo Araújo