SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 67
DISCIPLINA TELETRANSMITIDA
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
BEM-VINDO À DISCIPLINA TELETRANSMITIDA
METODOLOGIA CIENTÍFICA
METODOLOGIA CIENTÍFICA
Metodologia Aplicada
Profª Clara Brum
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
A LEITURA
“Leitura significa conhecer, interpretar, decifrar. A maior
parte dos conhecimentos é obtida através da leitura, que
possibilita não só a ampliação, como também o
aprofundamento do saber em determinado campo
cultural ou científico”
(LAKATOS;MARCONI, 1992, p.15)
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
ESPÉCIES DE LEITURA
• Entretenimento ou distração – divertimento, lazer,
hábito de ler;
• Cultura geral ou informativa – conhecimento, notícias,
situar-se em sua época;
• Aproveitamento ou formativa – conhecimento
especializado;
(LAKATOS;MARCONI, 1992, p. 16)
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
A LEITURA IMPLICA QUATRO
OPERAÇÕES:
• Reconhecer: entender o significado dos símbolos
utilizados no texto;
• Organizar: entrosar o significado das palavras;
• Elaborar: estabelecer significados adicionais em torno
do significado imediato;
• Valorar: cotejar dados da leitura com conceitos,
sentimentos, para aceitá-los ou não.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
A LEITURA EM PRÁTICA
• Leitura rápida: útil para pesquisa bibliográfica, apenas
para avaliar um texto (visão seletiva);
• Leitura aprofundada: é intensa, exige toda atenção ao
vocabulário e aos conceitos.
(FOLSCHEID, 2006, p. 28.)
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
A LEITURA EM PRÁTICA
Para progredir, há apenas uma regra de ouro: dedicar-
se regularmente ao exercício da leitura, ao menos várias
vezes por semana, todos os dias, se possível.(FOLSCHEID,
2006, p. 17.)
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
IDENTIFICAÇÃO DA LEITURA
1. O título: estabelece o assunto e, às vezes, a intenção
do autor;
2. A data da publicação: certificar-se da sua
atualização;
3. A ficha catalográfica: verificar as qualificações da
obra e do autor;
4. “Orelha”: uma apreciação da obra;
5. Índice ou sumário: divisão e tópicos abordados;
6. Introdução ou prefácio: metodologia e objetivos do
autor;
7. Bibliografia: as obras consultadas pelo autor.
(LAKATOS;MARCONI, 1992, p. 17)
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
IDENTIFICAÇÃO DA LEITURA
FICHA CATALOGRÁFICA: descrição bibliográfica de uma
obra.
Importância: descrição das obras.
A catalogação de uma obra torna possível:
- recuperação por autor, título, assuntos, colaboradores,
série, instituição, entre outros;
- a padronização das entradas de autor e assunto;
- a descrição de cada obra, apresentando autor, título,
edição, série, assuntos;
- a indicação da localização das obras nas estantes da
Biblioteca.Ela tem tamanho padrão: 7,5cm x 12,5cm.
Deve ser impressa no verso da folha de rosto da obra.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
Sugestão interessante!!!!!
Portal Domínio Público:
O Portal Domínio Público (http://www.dominiopublico.gov.br)
é atualmente a maior biblioteca virtual do Brasil.
Oferece acesso de graça a obras literárias, artísticas e científicas
(na forma de textos, sons, imagens e vídeos). Este portal
oferece acesso, pois conta com a devida licença por parte dos
titulares dos direitos autorais.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
ATIVIDADES ACADÊMICAS...
Estudos Exploratórios:
• Pesquisa bibliográfica
• Fichamento
• Tipos de citação
• Sistema de Chamada
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA
Umberto Eco esclarece que, na ficha bibliográfica,
devem ser registrados os livros que você pesquisar.
Deve conter, também, os dados essenciais de um
livro.
Seu objetivo é facilitar a localização de informações
sobre cada referência que será utilizada
na redação de um trabalho.
(ECO, 1994, p. 48.)
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
ELABORANDO UM FICHAMENTO
BIBLIOGRÁFICO...
1. Referência completa da obra:
SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia científica. 23 ed. São
Paulo: Cortez, 2007, 304 pp. (ISBN 978-85-249-1311-2)
Consulta feita na Biblioteca da Universidade Estácio de Sá,
Campus Tom Jobim – 20/05/2006.
(anotar o número do Tombo)
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
FICHA CATALOGRÁFICA...
Severino, Antônio Joaquim, 1941-
Metodologia do trabalho científico/ Antônio Joaquim Severino. – 23.
ed. rev. e atualizada – São Paulo: Cortez, 2007.
Bibliografia.
ISBN 978-85-249-1311-2
1. Metodologia. 2. Métodos de estudo. 3. Pesquisa
4. Trabalhos científicos. I. Título.
07-6294 CDD – 001.42
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
Modelo para TCC
Sobrenome, Nome.
Título do trabalho: subtítulo se houver / Nome Sobrenome. – Cidade: Nome da
Universidade, ano.
000p.
Trabalho de Conclusão de Curso -- Nome da Universidade, ano.
1. Palavra-chave. 2. Palavra-chave
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
FICHA CATALOGRÁFICA
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
Verso da
folha de rosto
Dados necessários
Para elaboração:
- Folha de rosto;
- Resumo com as
palavras chave;
- Nº de páginas;
- Telefone p/ possível
-Contato.
FICHA CATALOGRÁFICA
A elaboração é
de
responsabilidade
da
Bibliotecária do
seu campus
FICHA CATALOGRÁFICA
• Apresenta as informações fundamentais do documento.
• Deve ser impressa no verso da folha de rosto, abaixo da
metade inferior da página. Deve ser contida num
retângulo de aproximadamente 12,5 x 7,5 cm.
• O CDU/CDD e CUTTER serão fornecidos pelo
Bibliotecário.
• O tipo de fonte deverá ser a mesma utilizada no seu
trabalho.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
FICHA DE LEITURA
A ficha de leitura configura um aperfeiçoamento da ficha
bibliográfica, porque contém comentários pessoais
sobre a leitura e algumas citações-chave.
O resumo, ao seu turno, é uma síntese sob forma de
redação do fichamento do texto, buscando
compreender o sentido da leitura.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
FICHAMENTO DE LEITURA...
SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia científica. 23
ed. São Paulo: Cortez, 2007, 304 pp. (ISBN 978-85-249-
1311-2)
Consulta feita na Biblioteca da Universidade Estácio de Sá, Campus
Tom Jobim (anotar o número do Tombo).
Com relação a pesquisa, Severino (2007, p. 34) afirma:
(...) a pesquisa é fundamental, uma vez que é através dela que
podemos gerar o conhecimento, a ser necessariamente entendido
como construção dos objetos de que se precisa apropriar
humanamente. [Essa ideia pode servir-me como justificativa para
análise do tema escolhido]
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
FICHAMENTO
O fichamento é importante quando se está
fazendo um levantamento bibliográfico.
Finalidade: manter registrado o conteúdo e,
também, treinar os alunos para a consulta e a
utilização futura desse material.
(PATACO, 2008)
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
O QUE DEVE CONTER UM FICHAMENTO?
1ª parte: apresentação objetiva das ideias do
autor
1 - Indicação bibliográfica (indica a fonte da
leitura)
2 – Resumo (baseado no esquema)
3 – Pequenas citações (entre aspas e páginas -
transcrições significativas da obra)
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
O QUE DEVE CONTER UM FICHAMENTO?
2ª parte: elaboração pessoal sobre a leitura
1 – Comentários (expressando a compreensão do
texto)
2 – Ideação (destacar as novas ideias que
surgiram durante a leitura do texto)
(HUHNE, 2000, p.64-65)
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS
TÉCNICAS (ABNT)
 Para realização de um trabalho acadêmico, o estudante
deve observar as normas técnicas da ABNT, além dos
conhecimentos metodológicos;
 Fundada em 1940, a Associação Brasileira de
Normas Técnicas (ABNT) é o órgão responsável pela
normalização técnica no país, fornecendo a base
necessária ao desenvolvimento tecnológico brasileiro.
http://www.abnt.org.br
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
CITAÇÕES
 As citações são trechos transcritos ou informações
extraídas de publicações consultadas;
 São introduzidas no texto com o propósito de
esclarecer ou complementar as ideias;
 Em qualquer hipótese a fonte deve ser citada.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
CITAÇÕES:TIPOS
 Citação direta;
 Citação indireta;
 Citação de citação.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
CITAÇÃO DIRETA
 Segundo ABNT, entende-se por citação a “menção a
uma informação extraída de outra fonte. (NBR
10520:2002)
 Citação direta: são transcritas no texto tal como se
apresentam na fonte consultada.
 Como esclarece João Bosco Medeiros (2003, p.187),
é a referência a uma obra colhida de outra fonte “para
esclarecer, comentar, ou dar como prova uma
autoridade no assunto.”
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
CITAÇÃO DIRETA
 A citação direta só se justifica quando o pensamento
expresso é significativo, claro e necessário à
exposição.
 Excesso de citações, tabelas, gráficos, podem acarretar
prejuízo à estratégia de comunicação.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
CITAÇÃO DIRETA
A citação direta exige alguns cuidados:
 As transcrições com até três (03) linhas permanecem
no corpo do parágrafo;
 As transcrições com mais de três linhas são destacadas
com um recuo em relação à margem da esquerda;
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
CITAÇÃO DIRETA: EXEMPLOS
Citação com até três linhas:
João Medeiros (2003, p. 189) observa que “a citação
direta exige alguns cuidados elementares com o texto,
salientando-se entre outros: pontuação, maiúscula,
destaques.”
Vera Pataco (2008, p. 61) esclarece que as “citações
diretas, no texto, de até três linhas devem ser
incorporadas ao parágrafo, transcritas no texto, entre
aspas duplas.”
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
CITAÇÃO DIRETA
Trecho para citação: “Quem sabe a felicidade seja uma
medida que resume, em geral, o significado pessoal da
vida e o lugar que o indivíduo ocupa nela.” (GIELE, 1999, p.
235)
Segundo Giele (1999, p. 235), “Quem sabe a felicidade
seja uma medida que resume, em geral, o significado
pessoal da vida e o lugar que o indivíduo ocupa nela.”
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
EXEMPLO DE CITAÇÃO DIRETA
 Citação com mais de três linhas
Como diz João Medeiros (2003, p. 189),
os trechos transcritos acima de três linhas geralmente são
apresentados em parágrafo separado, com caracteres
diferentes (itálico, bold) dos utilizados no corpo do texto.
Embora não seja obrigatório o uso de tipologia diferente,
deve haver pelo menos um recuo que identifica a citação.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
CITAÇÃO COM MAIS DE TRÊS LINHAS
A Filosofia é uma atividade resultante da
inquietação cognitiva do ser humano. E por, esta
razão, a Filosofia é inerente ao Ser Humano
como ser racional, mesmo quando o filosofar
ocorre inconscientemente. Nisto consiste a razão
e não se pode ensinar a Filosofia. Só é possível
se ensinar o método filosófico de pensar, ou
seja, só é possível se ensinar a filosofar.
(SANTOS, 2000, p.13).
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
CITAÇÃO COM MAIS DE TRÊS LINHAS
Segundo Santos (2000, p. 13),
A Filosofia é uma atividade resultante da inquietação
cognitiva do ser humano. E por, esta razão, a Filosofia é
inerente ao Ser Humano como ser racional, mesmo
quando o filosofar ocorre inconscientemente. Nisto
consiste a razão e não se pode ensinar a Filosofia. Só é
possível se ensinar o método filosófico de pensar, ou seja,
só é possível se ensinar a filosofar.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
NAS DUAS HIPÓTESES COMO FICARÁ A
LISTA DE REFERÊNCIAS?
• Na lista de referências:
Livro: SOBRENOME, Prenome. Título: título. Número da
edição. ed. Cidade: Editora, ano.
Artigo de periódico: SOBRENOME, Prenome. Título do
artigo. Nome da Revista, local da publicação, dados
(volume/ano, número), páginas (inicial e final do artigo),
mês (abreviado) e ano.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
CITAÇÕES DIRETAS
Segundo Moura( 2002, p. 5), “...”
Para Carneiro (2002 p. 5), “...”
Na reportagem da revista Veja (2001, p. 5) “...”
Barros (2000, p. 15) acrescenta que “...”
Para Bento apud Barroso (2001, p. 18) “...”
Jornal do Brasil (2000, p. 5) diz que “...”
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
CITAÇÃO INDIRETA
 Trata-se de um texto baseado na obra de um autor
consultado. Nesta hipótese não é necessário o emprego
das aspas duplas;
 A citação indireta é denominada de paráfrase de um
texto;
 A citação indireta mantém o conteúdo do texto original,
mas é escrita com outras palavras;
 ABNT: “transcrição livre do texto do autor consultado”
(NBR 10520:2001).
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
CITAÇÃO INDIRETA
 João Bosco Medeiros (2003) esclarece que a citação
indireta pode configurar um resumo, comentário de uma
ideia, ou expressar o mesmo conteúdo, mas utilizando
outras palavras. Recomenda-nos que parafrasear é
preferível à citação direta. Nesta hipótese não podemos usar
aspas.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
Mantém oconteúdo do texto
original, mas são
escritas com outras
palavras!!!!!
CITAÇÃO INDIRETA
De acordo com Mazotti (2001), ...
Silva (2003) sugere que...
Ferreira (2000) enfatiza que ...
Opina Barroso (1999) que ...
Souza et al. (2001) destacam que ...
Para Carvalho apud Silva (1991), ...
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
PARÁFRASE
“Parafrasear é, pois, traduzir as palavras de um texto por
outras de sentido equivalente, mantendo, porém, as
idéias originais. A paráfrase inclui o desenvolvimento de
um texto, o comentário, a explicitação.” (MEDEIROS,
2003, p. 182, grifo nosso)
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
TIPOS DE PARÁFRASE
• A reprodução ou tradução livre;
• O comentário explicativo;
• O resumo;
• O desenvolvimento (amplificação);
• A paródia (aspectos cômicos).
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
CITAÇÃO DA CITAÇÃO
 Segundo Vera Pataco (2008, p. 63), “ocorre quando há a
referência a uma citação direta ou indireta de um texto do
qual não se teve acesso ao original.”
Usa-se a sigla apud. Exemplo:
Segundo Warde (1990 apud ALVES-MAZZOTTI, 2003, p.
35), o conceito de pesquisa se ampliou tanto que hoje tudo
cabe: “os folclores, os sensos comuns, os relatos de
experiência, para não computar os desabafos emocionais
e os cabotinismos.”
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
EXEMPLO: APUD
Fulano de Tal, citado por Beltrano (1999, p. 20),
afirma [citação direta ou indireta].
Fulano de Tal apud Beltrano (1999, p. 20) afirma
[citação direta ou indireta].
Fulano de Tal, em Título da obra ( apud Beltrano,
1989, p. 34) apresenta uma série de questões sobre x,
como: [citação com mais de três linhas]
Na bibliografia:
BELTRANO, Tal de. Título da obra. 9. ed. Rio de
Janeiro: Editora, 1983.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
REGRAS PARA COMPOR
CITAÇÕES DIRETAS E NOTAS
• Acréscimos: inserção de expressões que não constam
do original – entre colchetes – Exemplo: [casa]
• Supressões: entre colchetes/parênteses e com uso de
reticências - Exemplo: [...]
• Destaques no texto: a expressão grifo(s) nosso(s)
entre parênteses – Exemplo: (grifos nossos)
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
EXEMPLO DE SUPRESSÃO
A física moderna (...) considera a lei da inércia sua lei mais
fundamental. (Koyré, 1982, p. 182)
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
REGRAS PARA COMPOR CITAÇÕES
DIRETAS E NOTAS
• Incorreções: quando há grafia antiga ou erros no texto
original – inserir ao lado da palavra a sigla sic entre
colchetes.
• Suprimir parágrafos: linha pontilhada –
Exemplo: .....................................................................
UPS!
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
GRIFO
• Grifo do próprio autor da citação:
“Perdeu-se ontem algum momento entre o nascer e o por do
sol, duas horas douradas, cada uma adornada com
sessenta minutos diamantinos. Não se oferece nenhuma
recompensa, porque se foram para sempre.” (MANN,
1992, p. 12, grifo do autor).
• Grifo do autor do trabalho:
“Com o trabalho, a pessoa pode mostrar suas
potencialidades e firmar-se como indivíduo independente
para criar novas situações de vida.” (JOURARD, 2000, p.
21, grifo nosso).
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
SISTEMA DE CHAMADA
1) Numérico: a fonte utilizada aparece em nota de
rodapé;
 A numeração das notas de rodapé deve restringir-se às
referências bibliográficas;
 Uso de asterisco (*): para explicar ou comentar uma
ideia.
 Podemos usar: (1), [1], 1
(sobrescrito)
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
NOTAS DE RODAPÉ
• São aquelas que aparecem ao pé das páginas em que
são mencionadas.;
• Servem para abordar pontos que não devem ser
incluídos no texto;
• Podem ser para:
a) notas explicativas, que evitam explicações longas dentro
do texto, prejudiciais à linha de argumentação;
b) notas de referência, que indicam as fontes consultadas
ou remetem a outras obras.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
EXEMPLO: SISTEMA NUMÉRICO
Segundo Fulano de Tal, “se Beltrano cobrava impostos
bláblá blá.”1
Segundo Fulano de Tal, “se Beltrano cobrava impostos
bláblá blá.” (1)
Segundo Fulano de Tal, “se Beltrano cobrava impostos
bláblá blá.”[1]
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
ORIENTAÇÕES
• O número da nota de rodapé fica após o espaço do
parágrafo;
• As notas obedecem uma sequência numérica e em
algarismos arábicos (1,2,3,4...);
• As notas de rodapé seguem a norma da ABNT;
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
EXEMPLO DO SISTEMA NUMÉRICO
“Blábláblá Blábláblá Blábláblá Blábláblá Blábláblá
Blábláblá Blábláblá”.8
_____
8
SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à
consciência universal. 10. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000. p.25
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
SISTEMA DE CHAMADA
2) Autor-data: consiste em indicar o sobrenome do autor ou
instituição responsável, seguido pelo ano da publicação da
obra e páginas referenciadas, separados por vírgula e
entre parênteses.
Exemplos de citação direta:
1) Afirma Beltrano (1998, p. 81): “blá bláblá blá bláblá blá blá
blá blá.”
2) “Quando se trata de bláblá blá blá” (BELTRANO, 1998,
p.81).
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
OBSERVAÇÕES
• Citação direta (autor-data):
Vieira (1990, p. 3)
 Citação indireta (autor-data):
Vieira (1990)
• Para citar um autor:
Diretas: Souza (1998, p. 59) ou (SOUZA, 1998, p. 59)
Indiretas: Souza (1998) ou (SOUZA, 1998)
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
OBSERVAÇÕES
 Para citar dois autores:
Diretas: Souza e Silva(1998, p. 59) ou (SOUZA e SILVA,
1998, p. 59)
Indiretas: Souza e Silva (1998) ou (SOUZA e SILVA,
1998)
 Documentos de mesma autoria com anos
diferentes: diferencia-se pelo ano de publicação.
Barroso (1999)
Barroso (2000)
Barroso(1999, 2000)
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
ALGUMAS EXPRESSÕES LATINAS
• As expressões latinas são usadas no sistema numérico;
• A expressão apud poderá ser usada nos dois sistemas;
• Não se deve abusar do apud.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
Apud!
Idem!!!????
Passim???
?
EXEMPLOS
• Idem id. (o mesmo autor): Quando duas obras de um
mesmo autor forem sequenciais.
_________________
SILVA, Tomaz Tadeu da. Que produz e o que reproduz em
educação: ensaios de sociologia da educação. Porto
Alegre: Artes Médicas, 1992. p.121.
Id. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do
currículo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 305.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
EXEMPLOS
• Ibidem ou ibid. (na mesma obra): quando ocorre a
citação da mesma obra do mesmo autor
seqüencialmente no texto.
________________
SILVA, Tomaz Tadeu da. Que produz e o que reproduz
em educação: ensaios de sociologia da educação.
Porto Alegre: Artes
Médicas, 1992. p.121.
Ibid., p.139.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
EXEMPLOS
• Opus citatum, opere citato ou op.cit. (obra citada): usar
quando uma mesma obra aparecer mais de uma vez no
texto, independente da sequência das citações.
______________________
1
SILVA, Tomaz Tadeu da. Que produz e o que reproduz em
educação: ensaios de sociologia da educação. Porto Alegre:
Artes Médicas, 1992. p.121.
2
NEY, João Luiz. Prontuário de Redação Oficial. 15. ed. Rio
de Janeiro: Nova Fronteira, 2000. p. 24.
3
SILVA, op.cit., p. 151.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
EXEMPLOS
• Passim (aqui e ali, em diversas passagens): usar
apenas quando há referências a passagens, sem
identificação.
_______________________
1
SILVA, Tomaz Tadeu da. Que produz e o que reproduz
em educação: ensaios de sociologia da educação.
Porto Alegre: Artes
Médicas, 1992, passim.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
Exemplos
• Cf. (confira, conforme): usa-se para recomendar a
consulta a notas do mesmo trabalho ou obra de outros
autores.
__________________
1
Cf. SILVA,1992.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO
1. Leia atentamente a citação abaixo e explique a
importância da leitura para o trabalho científico.
Ler é uma iniciação ao pensamento; ler significa retomar
por nossa própria conta o pensamento já pensado por
outros; ler um texto é repensá-lo, e repensar é pensar.
(FOLSCHEID, D. Metodologia filosófica. São Paulo:
Martins Fontes, 2006, p. 9-10.)
2. Explique o que podemos entender por fichamento
bibliográfico e como este procedimento difere do
fichamento de leitura.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO
3. Observe a citação no item “a”, do exercício anterior e
organize-a no sistema de chamada numérico. Preencha as
lacunas com as siglas corretas: passim, idem, ibidem,
op. cit. e cf.
a) Quando ocorre a citação da mesma obra, do mesmo autor,
sequencialmente no texto, devemos usar a expressão
latina ______.
a) Usamos a expressão latina _______quando duas obras de
um mesmo autor forem sequenciais nas referências.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO
c) _______ é uma expressão latina que deve ser usada
sempre que há referências a passagens, sem
identificação.
d) Quando uma mesma obra aparecer mais de uma vez no
texto, independente da sequência das citações devemos
inserir a expressão ________.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO
4. Observe atentamente um trecho do livro Discretas
Esperanças de Olgária Matos (2006, p.52) e responda:
a) Que tipo de citação a autora apresenta em seu texto?
b) Segundo as regras da ABNT, o que significa o uso do
“(...)”?
A modernidade científica, como a do mercado, não pergunta
para onde se encaminha; se persegue fins justos e
desejáveis; se dirige para emancipação ou destruição da
humanidade. Escrevem Horkheimer e Adorno:
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO
O saber que é poder não conhece
nenhuma barreira, nem na escravização
das criaturas nem em sua fácil
aquiescência aos senhores do mundo. (...)
Está a serviço de todos os fins da
economia burguesa na fábrica e no campo
de batalha. (ADORNO e HORKHEIMER,
1986, p. 8)
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
REFERÊNCIAS
ECO, Umberto. Como se faz uma tese. São Paulo:
Perspectiva, 1994.
HUHNE, L.M. Metodologia científica. 7. ed. Rio de
Janeiro: Agir, 2000.
FOLSCHEID, D. Metodologia filosófica. São Paulo:
Martins Fontes, 2006.
KOYRÉ, A. Estudos de história do pensamento
científico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.
LAKATOS, E. M. MARCONI, M. Metodologia do trabalho
científico. SP: Atlas, 1992.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3
REFERÊNCIAS
PATACO, Vera Lucia P. Metodologia para trabalhos
acadêmicos e normas de apresentação gráfica. Rio
de Janeiro: LTC, 2008.
KOYRÉ, A. Estudos de história do pensamento
científico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.
METODOLOGIA CIENTÍFICA
AULA 3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Etnografia e Observação
Etnografia e ObservaçãoEtnografia e Observação
Etnografia e ObservaçãoGe Homrich
 
Hep aula2-comunidades tribais-educacaodifusa.29-02-2012
Hep aula2-comunidades tribais-educacaodifusa.29-02-2012Hep aula2-comunidades tribais-educacaodifusa.29-02-2012
Hep aula2-comunidades tribais-educacaodifusa.29-02-2012Elisa Maria Gomide
 
metodologia de historia
metodologia de historiametodologia de historia
metodologia de historiaIus 95
 
Princípios e métodos de supervisão e orientação educacional oliveira e grispun
Princípios e métodos de supervisão e orientação educacional   oliveira e grispunPrincípios e métodos de supervisão e orientação educacional   oliveira e grispun
Princípios e métodos de supervisão e orientação educacional oliveira e grispunVanderlita Gomes B Marquetti
 
Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223Ricardo Castro
 
Eja metodologia políticas públicas de eja
Eja   metodologia políticas públicas de ejaEja   metodologia políticas públicas de eja
Eja metodologia políticas públicas de ejaPaulo Sérgio
 
Modelos de síntese
Modelos de sínteseModelos de síntese
Modelos de síntesedenisecgomes
 
CurríCulo DiferençAs E Identidades
CurríCulo DiferençAs E IdentidadesCurríCulo DiferençAs E Identidades
CurríCulo DiferençAs E IdentidadesEdneide Lima
 
Slide Tempo Integral.pdf
Slide Tempo Integral.pdfSlide Tempo Integral.pdf
Slide Tempo Integral.pdfFrancineGomes14
 
Formação continuada de professores em exercício
Formação continuada de professores em exercícioFormação continuada de professores em exercício
Formação continuada de professores em exercícioShirley Lauria
 
História da educação no brasil
História da educação no brasilHistória da educação no brasil
História da educação no brasilMari_Saracchini
 
Caderno 5 – conselho escolar, gestão democrática da educação e escolha do dir...
Caderno 5 – conselho escolar, gestão democrática da educação e escolha do dir...Caderno 5 – conselho escolar, gestão democrática da educação e escolha do dir...
Caderno 5 – conselho escolar, gestão democrática da educação e escolha do dir...Najara Nascimento
 

Mais procurados (20)

Etnografia e Observação
Etnografia e ObservaçãoEtnografia e Observação
Etnografia e Observação
 
Hep aula2-comunidades tribais-educacaodifusa.29-02-2012
Hep aula2-comunidades tribais-educacaodifusa.29-02-2012Hep aula2-comunidades tribais-educacaodifusa.29-02-2012
Hep aula2-comunidades tribais-educacaodifusa.29-02-2012
 
Fichamento
FichamentoFichamento
Fichamento
 
Curriculo
CurriculoCurriculo
Curriculo
 
Modelos de organização curricular
Modelos de organização curricularModelos de organização curricular
Modelos de organização curricular
 
metodologia de historia
metodologia de historiametodologia de historia
metodologia de historia
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Metodologia científica
 
Princípios e métodos de supervisão e orientação educacional oliveira e grispun
Princípios e métodos de supervisão e orientação educacional   oliveira e grispunPrincípios e métodos de supervisão e orientação educacional   oliveira e grispun
Princípios e métodos de supervisão e orientação educacional oliveira e grispun
 
Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223Antropologia e educação2223
Antropologia e educação2223
 
Sala de aula invertida
Sala de aula invertidaSala de aula invertida
Sala de aula invertida
 
Etapas da pesquisa científica
Etapas da pesquisa científicaEtapas da pesquisa científica
Etapas da pesquisa científica
 
Eja metodologia políticas públicas de eja
Eja   metodologia políticas públicas de ejaEja   metodologia políticas públicas de eja
Eja metodologia políticas públicas de eja
 
Modelos de síntese
Modelos de sínteseModelos de síntese
Modelos de síntese
 
CurríCulo DiferençAs E Identidades
CurríCulo DiferençAs E IdentidadesCurríCulo DiferençAs E Identidades
CurríCulo DiferençAs E Identidades
 
Slide Tempo Integral.pdf
Slide Tempo Integral.pdfSlide Tempo Integral.pdf
Slide Tempo Integral.pdf
 
Currículo
CurrículoCurrículo
Currículo
 
Formação continuada de professores em exercício
Formação continuada de professores em exercícioFormação continuada de professores em exercício
Formação continuada de professores em exercício
 
História da educação no brasil
História da educação no brasilHistória da educação no brasil
História da educação no brasil
 
Slide história da educação - pdf
Slide   história da educação - pdfSlide   história da educação - pdf
Slide história da educação - pdf
 
Caderno 5 – conselho escolar, gestão democrática da educação e escolha do dir...
Caderno 5 – conselho escolar, gestão democrática da educação e escolha do dir...Caderno 5 – conselho escolar, gestão democrática da educação e escolha do dir...
Caderno 5 – conselho escolar, gestão democrática da educação e escolha do dir...
 

Destaque

SER PAI: EXERCENDO A PATERNIDADE FRENTE AO TRABALHO DE PARTO HUMANIZADO
SER PAI: EXERCENDO A PATERNIDADE FRENTE AO TRABALHO DE PARTO HUMANIZADOSER PAI: EXERCENDO A PATERNIDADE FRENTE AO TRABALHO DE PARTO HUMANIZADO
SER PAI: EXERCENDO A PATERNIDADE FRENTE AO TRABALHO DE PARTO HUMANIZADOCamila Rios
 
Fichamento sobre Metodologia Científica
Fichamento sobre Metodologia CientíficaFichamento sobre Metodologia Científica
Fichamento sobre Metodologia CientíficaBruno Gomes Dias
 
Trabalho final fichamento case cocacola facebook 201508489351
Trabalho final   fichamento case cocacola facebook 201508489351Trabalho final   fichamento case cocacola facebook 201508489351
Trabalho final fichamento case cocacola facebook 201508489351Sérgio Mello
 
Normalização de-trabalhos-academicos-e-produção-cientifica-2015
Normalização de-trabalhos-academicos-e-produção-cientifica-2015Normalização de-trabalhos-academicos-e-produção-cientifica-2015
Normalização de-trabalhos-academicos-e-produção-cientifica-2015mkbariotto
 
Parceria CAPPE Universidade Estácio de Sá 2013 - 2014
Parceria CAPPE Universidade Estácio de Sá 2013 - 2014Parceria CAPPE Universidade Estácio de Sá 2013 - 2014
Parceria CAPPE Universidade Estácio de Sá 2013 - 2014Kelly Moreira
 
Resenha 2a.aula 16 08-11 severino cap ii-v1
Resenha 2a.aula 16 08-11 severino cap ii-v1Resenha 2a.aula 16 08-11 severino cap ii-v1
Resenha 2a.aula 16 08-11 severino cap ii-v1Thomaz Lessa
 
Normas trabalhos cientificos
Normas trabalhos cientificosNormas trabalhos cientificos
Normas trabalhos cientificosJorge Menezes
 
Fichamento.pptx
Fichamento.pptxFichamento.pptx
Fichamento.pptxrverdin3
 
Palestra 7a semana pucgo
Palestra 7a semana pucgoPalestra 7a semana pucgo
Palestra 7a semana pucgoNayron Toledo
 
Fichamento de um filme exemplo
Fichamento de um filme   exemploFichamento de um filme   exemplo
Fichamento de um filme exemploProwerewolf
 
ABNT 1063 - NORMAS PARA A PADRONIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS
ABNT 1063 - NORMAS PARA A PADRONIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOSABNT 1063 - NORMAS PARA A PADRONIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS
ABNT 1063 - NORMAS PARA A PADRONIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOSaparadoxo
 
Orientações estágio educação infantil - cópia
  Orientações estágio educação infantil - cópia  Orientações estágio educação infantil - cópia
Orientações estágio educação infantil - cópiaLarissa Soares
 
Apresentação Modelos de Negócios Digitais - FEI - São Bernardo do Campo - 08/...
Apresentação Modelos de Negócios Digitais - FEI - São Bernardo do Campo - 08/...Apresentação Modelos de Negócios Digitais - FEI - São Bernardo do Campo - 08/...
Apresentação Modelos de Negócios Digitais - FEI - São Bernardo do Campo - 08/...Fabio Souza Damasceno
 
Fichamento do livro paulo freire p. trab. roberto 7 period.
Fichamento do livro paulo freire p. trab. roberto 7 period.Fichamento do livro paulo freire p. trab. roberto 7 period.
Fichamento do livro paulo freire p. trab. roberto 7 period.Miloka2
 
Como fazer Fichamento de Texto ou Livro
Como fazer Fichamento de Texto ou LivroComo fazer Fichamento de Texto ou Livro
Como fazer Fichamento de Texto ou LivroINSTITUTO GENS
 

Destaque (20)

Fichamento de Texto
Fichamento de TextoFichamento de Texto
Fichamento de Texto
 
SER PAI: EXERCENDO A PATERNIDADE FRENTE AO TRABALHO DE PARTO HUMANIZADO
SER PAI: EXERCENDO A PATERNIDADE FRENTE AO TRABALHO DE PARTO HUMANIZADOSER PAI: EXERCENDO A PATERNIDADE FRENTE AO TRABALHO DE PARTO HUMANIZADO
SER PAI: EXERCENDO A PATERNIDADE FRENTE AO TRABALHO DE PARTO HUMANIZADO
 
Fichamento sobre Metodologia Científica
Fichamento sobre Metodologia CientíficaFichamento sobre Metodologia Científica
Fichamento sobre Metodologia Científica
 
Trabalho final fichamento case cocacola facebook 201508489351
Trabalho final   fichamento case cocacola facebook 201508489351Trabalho final   fichamento case cocacola facebook 201508489351
Trabalho final fichamento case cocacola facebook 201508489351
 
Normalização de-trabalhos-academicos-e-produção-cientifica-2015
Normalização de-trabalhos-academicos-e-produção-cientifica-2015Normalização de-trabalhos-academicos-e-produção-cientifica-2015
Normalização de-trabalhos-academicos-e-produção-cientifica-2015
 
Parceria CAPPE Universidade Estácio de Sá 2013 - 2014
Parceria CAPPE Universidade Estácio de Sá 2013 - 2014Parceria CAPPE Universidade Estácio de Sá 2013 - 2014
Parceria CAPPE Universidade Estácio de Sá 2013 - 2014
 
Resenha 2a.aula 16 08-11 severino cap ii-v1
Resenha 2a.aula 16 08-11 severino cap ii-v1Resenha 2a.aula 16 08-11 severino cap ii-v1
Resenha 2a.aula 16 08-11 severino cap ii-v1
 
Fichamento
FichamentoFichamento
Fichamento
 
Normas trabalhos cientificos
Normas trabalhos cientificosNormas trabalhos cientificos
Normas trabalhos cientificos
 
Fichamento.pptx
Fichamento.pptxFichamento.pptx
Fichamento.pptx
 
Palestra 7a semana pucgo
Palestra 7a semana pucgoPalestra 7a semana pucgo
Palestra 7a semana pucgo
 
Fichamento de um filme exemplo
Fichamento de um filme   exemploFichamento de um filme   exemplo
Fichamento de um filme exemplo
 
Fichamento de Transcrição
Fichamento de TranscriçãoFichamento de Transcrição
Fichamento de Transcrição
 
ABNT 1063 - NORMAS PARA A PADRONIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS
ABNT 1063 - NORMAS PARA A PADRONIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOSABNT 1063 - NORMAS PARA A PADRONIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS
ABNT 1063 - NORMAS PARA A PADRONIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS
 
Orientações estágio educação infantil - cópia
  Orientações estágio educação infantil - cópia  Orientações estágio educação infantil - cópia
Orientações estágio educação infantil - cópia
 
Apresentação Modelos de Negócios Digitais - FEI - São Bernardo do Campo - 08/...
Apresentação Modelos de Negócios Digitais - FEI - São Bernardo do Campo - 08/...Apresentação Modelos de Negócios Digitais - FEI - São Bernardo do Campo - 08/...
Apresentação Modelos de Negócios Digitais - FEI - São Bernardo do Campo - 08/...
 
Marketing 3.0 - Aplicação
Marketing 3.0 - AplicaçãoMarketing 3.0 - Aplicação
Marketing 3.0 - Aplicação
 
Fichamento do livro paulo freire p. trab. roberto 7 period.
Fichamento do livro paulo freire p. trab. roberto 7 period.Fichamento do livro paulo freire p. trab. roberto 7 period.
Fichamento do livro paulo freire p. trab. roberto 7 period.
 
Guia para produção de fichamento 2010
Guia para produção de fichamento 2010Guia para produção de fichamento 2010
Guia para produção de fichamento 2010
 
Como fazer Fichamento de Texto ou Livro
Como fazer Fichamento de Texto ou LivroComo fazer Fichamento de Texto ou Livro
Como fazer Fichamento de Texto ou Livro
 

Semelhante a Aula 3

Modelo pronto-fichamento-4
Modelo pronto-fichamento-4Modelo pronto-fichamento-4
Modelo pronto-fichamento-4Samuel Robaert
 
Normas técnicas para apresentação de trabalhos escoares 97 2003 definitivo
Normas técnicas para apresentação de trabalhos escoares  97   2003 definitivoNormas técnicas para apresentação de trabalhos escoares  97   2003 definitivo
Normas técnicas para apresentação de trabalhos escoares 97 2003 definitivoInacio Montanha
 
MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA_090952.pdf
MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA_090952.pdfMÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA_090952.pdf
MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA_090952.pdfMarquesDaDeolinda
 
APRESENTAÇÃO E TIPOS DE TRABALHOS ACADÊMICOS.pdf
APRESENTAÇÃO E TIPOS DE TRABALHOS ACADÊMICOS.pdfAPRESENTAÇÃO E TIPOS DE TRABALHOS ACADÊMICOS.pdf
APRESENTAÇÃO E TIPOS DE TRABALHOS ACADÊMICOS.pdfTHELMA RAMOS
 
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UABApresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UABRenata Aquino
 
Citações e referências
Citações e referênciasCitações e referências
Citações e referênciasTânia Stoffel
 
Apresentação Trabalhos Acadêmicos- Ilane Ferreira.pdf
Apresentação  Trabalhos Acadêmicos- Ilane Ferreira.pdfApresentação  Trabalhos Acadêmicos- Ilane Ferreira.pdf
Apresentação Trabalhos Acadêmicos- Ilane Ferreira.pdfJorgeErnandesGomes
 
Como nao escrever um artigo engenharia
Como nao escrever um artigo engenhariaComo nao escrever um artigo engenharia
Como nao escrever um artigo engenhariaDionísio Carmo-Neto
 
Artigo científico e técnico
Artigo científico e técnicoArtigo científico e técnico
Artigo científico e técnicoFernanda Monteiro
 
TEXTO DE DIVULGAÇÃO CIENTIFICA.pptx
TEXTO DE DIVULGAÇÃO CIENTIFICA.pptxTEXTO DE DIVULGAÇÃO CIENTIFICA.pptx
TEXTO DE DIVULGAÇÃO CIENTIFICA.pptxMarcela Apolonio
 
Roteiro basico para_elaboracao_de_projeto_de_pesquisa
Roteiro basico para_elaboracao_de_projeto_de_pesquisaRoteiro basico para_elaboracao_de_projeto_de_pesquisa
Roteiro basico para_elaboracao_de_projeto_de_pesquisarmpatron
 
Artigo científico e técnico
Artigo científico e técnicoArtigo científico e técnico
Artigo científico e técnicoHelena Coutinho
 

Semelhante a Aula 3 (20)

projetopesquisamodulo.pdf
projetopesquisamodulo.pdfprojetopesquisamodulo.pdf
projetopesquisamodulo.pdf
 
Modelo pronto-fichamento-4
Modelo pronto-fichamento-4Modelo pronto-fichamento-4
Modelo pronto-fichamento-4
 
Bibliobeiriz mini-trabalhos-dicas-profs
Bibliobeiriz mini-trabalhos-dicas-profsBibliobeiriz mini-trabalhos-dicas-profs
Bibliobeiriz mini-trabalhos-dicas-profs
 
Fichamento
Fichamento Fichamento
Fichamento
 
Normas técnicas para apresentação de trabalhos escoares 97 2003 definitivo
Normas técnicas para apresentação de trabalhos escoares  97   2003 definitivoNormas técnicas para apresentação de trabalhos escoares  97   2003 definitivo
Normas técnicas para apresentação de trabalhos escoares 97 2003 definitivo
 
MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA_090952.pdf
MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA_090952.pdfMÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA_090952.pdf
MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA_090952.pdf
 
APRESENTAÇÃO E TIPOS DE TRABALHOS ACADÊMICOS.pdf
APRESENTAÇÃO E TIPOS DE TRABALHOS ACADÊMICOS.pdfAPRESENTAÇÃO E TIPOS DE TRABALHOS ACADÊMICOS.pdf
APRESENTAÇÃO E TIPOS DE TRABALHOS ACADÊMICOS.pdf
 
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UABApresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
Apresentacao Siderly Almeida CEAD UFOP UAB
 
ElaboracaoTrabalhos-2014 (1).pptx
ElaboracaoTrabalhos-2014 (1).pptxElaboracaoTrabalhos-2014 (1).pptx
ElaboracaoTrabalhos-2014 (1).pptx
 
Citações e referências
Citações e referênciasCitações e referências
Citações e referências
 
Apresentação Trabalhos Acadêmicos- Ilane Ferreira.pdf
Apresentação  Trabalhos Acadêmicos- Ilane Ferreira.pdfApresentação  Trabalhos Acadêmicos- Ilane Ferreira.pdf
Apresentação Trabalhos Acadêmicos- Ilane Ferreira.pdf
 
Orientações trabalho final LB4
Orientações trabalho final LB4Orientações trabalho final LB4
Orientações trabalho final LB4
 
Como nao escrever um artigo engenharia
Como nao escrever um artigo engenhariaComo nao escrever um artigo engenharia
Como nao escrever um artigo engenharia
 
Elaboracao trabalhos 2014
Elaboracao trabalhos 2014Elaboracao trabalhos 2014
Elaboracao trabalhos 2014
 
Artigo científico e técnico
Artigo científico e técnicoArtigo científico e técnico
Artigo científico e técnico
 
TEXTO DE DIVULGAÇÃO CIENTIFICA.pptx
TEXTO DE DIVULGAÇÃO CIENTIFICA.pptxTEXTO DE DIVULGAÇÃO CIENTIFICA.pptx
TEXTO DE DIVULGAÇÃO CIENTIFICA.pptx
 
Aula Pesquisa PóS2
Aula Pesquisa PóS2Aula Pesquisa PóS2
Aula Pesquisa PóS2
 
Métodos e técnicas de Pesquisa
Métodos e técnicas de PesquisaMétodos e técnicas de Pesquisa
Métodos e técnicas de Pesquisa
 
Roteiro basico para_elaboracao_de_projeto_de_pesquisa
Roteiro basico para_elaboracao_de_projeto_de_pesquisaRoteiro basico para_elaboracao_de_projeto_de_pesquisa
Roteiro basico para_elaboracao_de_projeto_de_pesquisa
 
Artigo científico e técnico
Artigo científico e técnicoArtigo científico e técnico
Artigo científico e técnico
 

Último

Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptParticular
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 

Último (20)

Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 

Aula 3

  • 1. DISCIPLINA TELETRANSMITIDA METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3 BEM-VINDO À DISCIPLINA TELETRANSMITIDA METODOLOGIA CIENTÍFICA
  • 2. METODOLOGIA CIENTÍFICA Metodologia Aplicada Profª Clara Brum METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 3. A LEITURA “Leitura significa conhecer, interpretar, decifrar. A maior parte dos conhecimentos é obtida através da leitura, que possibilita não só a ampliação, como também o aprofundamento do saber em determinado campo cultural ou científico” (LAKATOS;MARCONI, 1992, p.15) METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 4. ESPÉCIES DE LEITURA • Entretenimento ou distração – divertimento, lazer, hábito de ler; • Cultura geral ou informativa – conhecimento, notícias, situar-se em sua época; • Aproveitamento ou formativa – conhecimento especializado; (LAKATOS;MARCONI, 1992, p. 16) METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 5. A LEITURA IMPLICA QUATRO OPERAÇÕES: • Reconhecer: entender o significado dos símbolos utilizados no texto; • Organizar: entrosar o significado das palavras; • Elaborar: estabelecer significados adicionais em torno do significado imediato; • Valorar: cotejar dados da leitura com conceitos, sentimentos, para aceitá-los ou não. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 6. A LEITURA EM PRÁTICA • Leitura rápida: útil para pesquisa bibliográfica, apenas para avaliar um texto (visão seletiva); • Leitura aprofundada: é intensa, exige toda atenção ao vocabulário e aos conceitos. (FOLSCHEID, 2006, p. 28.) METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 7. A LEITURA EM PRÁTICA Para progredir, há apenas uma regra de ouro: dedicar- se regularmente ao exercício da leitura, ao menos várias vezes por semana, todos os dias, se possível.(FOLSCHEID, 2006, p. 17.) METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 8. IDENTIFICAÇÃO DA LEITURA 1. O título: estabelece o assunto e, às vezes, a intenção do autor; 2. A data da publicação: certificar-se da sua atualização; 3. A ficha catalográfica: verificar as qualificações da obra e do autor; 4. “Orelha”: uma apreciação da obra; 5. Índice ou sumário: divisão e tópicos abordados; 6. Introdução ou prefácio: metodologia e objetivos do autor; 7. Bibliografia: as obras consultadas pelo autor. (LAKATOS;MARCONI, 1992, p. 17) METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 9. IDENTIFICAÇÃO DA LEITURA FICHA CATALOGRÁFICA: descrição bibliográfica de uma obra. Importância: descrição das obras. A catalogação de uma obra torna possível: - recuperação por autor, título, assuntos, colaboradores, série, instituição, entre outros; - a padronização das entradas de autor e assunto; - a descrição de cada obra, apresentando autor, título, edição, série, assuntos; - a indicação da localização das obras nas estantes da Biblioteca.Ela tem tamanho padrão: 7,5cm x 12,5cm. Deve ser impressa no verso da folha de rosto da obra. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 10. Sugestão interessante!!!!! Portal Domínio Público: O Portal Domínio Público (http://www.dominiopublico.gov.br) é atualmente a maior biblioteca virtual do Brasil. Oferece acesso de graça a obras literárias, artísticas e científicas (na forma de textos, sons, imagens e vídeos). Este portal oferece acesso, pois conta com a devida licença por parte dos titulares dos direitos autorais. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 11. ATIVIDADES ACADÊMICAS... Estudos Exploratórios: • Pesquisa bibliográfica • Fichamento • Tipos de citação • Sistema de Chamada METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 12. PESQUISA BIBLIOGRÁFICA Umberto Eco esclarece que, na ficha bibliográfica, devem ser registrados os livros que você pesquisar. Deve conter, também, os dados essenciais de um livro. Seu objetivo é facilitar a localização de informações sobre cada referência que será utilizada na redação de um trabalho. (ECO, 1994, p. 48.) METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 13. ELABORANDO UM FICHAMENTO BIBLIOGRÁFICO... 1. Referência completa da obra: SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia científica. 23 ed. São Paulo: Cortez, 2007, 304 pp. (ISBN 978-85-249-1311-2) Consulta feita na Biblioteca da Universidade Estácio de Sá, Campus Tom Jobim – 20/05/2006. (anotar o número do Tombo) METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 14. FICHA CATALOGRÁFICA... Severino, Antônio Joaquim, 1941- Metodologia do trabalho científico/ Antônio Joaquim Severino. – 23. ed. rev. e atualizada – São Paulo: Cortez, 2007. Bibliografia. ISBN 978-85-249-1311-2 1. Metodologia. 2. Métodos de estudo. 3. Pesquisa 4. Trabalhos científicos. I. Título. 07-6294 CDD – 001.42 METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 15. Modelo para TCC Sobrenome, Nome. Título do trabalho: subtítulo se houver / Nome Sobrenome. – Cidade: Nome da Universidade, ano. 000p. Trabalho de Conclusão de Curso -- Nome da Universidade, ano. 1. Palavra-chave. 2. Palavra-chave METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 16. FICHA CATALOGRÁFICA METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3 Verso da folha de rosto Dados necessários Para elaboração: - Folha de rosto; - Resumo com as palavras chave; - Nº de páginas; - Telefone p/ possível -Contato. FICHA CATALOGRÁFICA A elaboração é de responsabilidade da Bibliotecária do seu campus
  • 17. FICHA CATALOGRÁFICA • Apresenta as informações fundamentais do documento. • Deve ser impressa no verso da folha de rosto, abaixo da metade inferior da página. Deve ser contida num retângulo de aproximadamente 12,5 x 7,5 cm. • O CDU/CDD e CUTTER serão fornecidos pelo Bibliotecário. • O tipo de fonte deverá ser a mesma utilizada no seu trabalho. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 18. FICHA DE LEITURA A ficha de leitura configura um aperfeiçoamento da ficha bibliográfica, porque contém comentários pessoais sobre a leitura e algumas citações-chave. O resumo, ao seu turno, é uma síntese sob forma de redação do fichamento do texto, buscando compreender o sentido da leitura. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 19. FICHAMENTO DE LEITURA... SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia científica. 23 ed. São Paulo: Cortez, 2007, 304 pp. (ISBN 978-85-249- 1311-2) Consulta feita na Biblioteca da Universidade Estácio de Sá, Campus Tom Jobim (anotar o número do Tombo). Com relação a pesquisa, Severino (2007, p. 34) afirma: (...) a pesquisa é fundamental, uma vez que é através dela que podemos gerar o conhecimento, a ser necessariamente entendido como construção dos objetos de que se precisa apropriar humanamente. [Essa ideia pode servir-me como justificativa para análise do tema escolhido] METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 20. FICHAMENTO O fichamento é importante quando se está fazendo um levantamento bibliográfico. Finalidade: manter registrado o conteúdo e, também, treinar os alunos para a consulta e a utilização futura desse material. (PATACO, 2008) METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 21. O QUE DEVE CONTER UM FICHAMENTO? 1ª parte: apresentação objetiva das ideias do autor 1 - Indicação bibliográfica (indica a fonte da leitura) 2 – Resumo (baseado no esquema) 3 – Pequenas citações (entre aspas e páginas - transcrições significativas da obra) METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 22. O QUE DEVE CONTER UM FICHAMENTO? 2ª parte: elaboração pessoal sobre a leitura 1 – Comentários (expressando a compreensão do texto) 2 – Ideação (destacar as novas ideias que surgiram durante a leitura do texto) (HUHNE, 2000, p.64-65) METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 23. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT)  Para realização de um trabalho acadêmico, o estudante deve observar as normas técnicas da ABNT, além dos conhecimentos metodológicos;  Fundada em 1940, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o órgão responsável pela normalização técnica no país, fornecendo a base necessária ao desenvolvimento tecnológico brasileiro. http://www.abnt.org.br METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 24. CITAÇÕES  As citações são trechos transcritos ou informações extraídas de publicações consultadas;  São introduzidas no texto com o propósito de esclarecer ou complementar as ideias;  Em qualquer hipótese a fonte deve ser citada. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 25. CITAÇÕES:TIPOS  Citação direta;  Citação indireta;  Citação de citação. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 26. CITAÇÃO DIRETA  Segundo ABNT, entende-se por citação a “menção a uma informação extraída de outra fonte. (NBR 10520:2002)  Citação direta: são transcritas no texto tal como se apresentam na fonte consultada.  Como esclarece João Bosco Medeiros (2003, p.187), é a referência a uma obra colhida de outra fonte “para esclarecer, comentar, ou dar como prova uma autoridade no assunto.” METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 27. CITAÇÃO DIRETA  A citação direta só se justifica quando o pensamento expresso é significativo, claro e necessário à exposição.  Excesso de citações, tabelas, gráficos, podem acarretar prejuízo à estratégia de comunicação. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 28. CITAÇÃO DIRETA A citação direta exige alguns cuidados:  As transcrições com até três (03) linhas permanecem no corpo do parágrafo;  As transcrições com mais de três linhas são destacadas com um recuo em relação à margem da esquerda; METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 29. CITAÇÃO DIRETA: EXEMPLOS Citação com até três linhas: João Medeiros (2003, p. 189) observa que “a citação direta exige alguns cuidados elementares com o texto, salientando-se entre outros: pontuação, maiúscula, destaques.” Vera Pataco (2008, p. 61) esclarece que as “citações diretas, no texto, de até três linhas devem ser incorporadas ao parágrafo, transcritas no texto, entre aspas duplas.” METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 30. CITAÇÃO DIRETA Trecho para citação: “Quem sabe a felicidade seja uma medida que resume, em geral, o significado pessoal da vida e o lugar que o indivíduo ocupa nela.” (GIELE, 1999, p. 235) Segundo Giele (1999, p. 235), “Quem sabe a felicidade seja uma medida que resume, em geral, o significado pessoal da vida e o lugar que o indivíduo ocupa nela.” METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 31. EXEMPLO DE CITAÇÃO DIRETA  Citação com mais de três linhas Como diz João Medeiros (2003, p. 189), os trechos transcritos acima de três linhas geralmente são apresentados em parágrafo separado, com caracteres diferentes (itálico, bold) dos utilizados no corpo do texto. Embora não seja obrigatório o uso de tipologia diferente, deve haver pelo menos um recuo que identifica a citação. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 32. CITAÇÃO COM MAIS DE TRÊS LINHAS A Filosofia é uma atividade resultante da inquietação cognitiva do ser humano. E por, esta razão, a Filosofia é inerente ao Ser Humano como ser racional, mesmo quando o filosofar ocorre inconscientemente. Nisto consiste a razão e não se pode ensinar a Filosofia. Só é possível se ensinar o método filosófico de pensar, ou seja, só é possível se ensinar a filosofar. (SANTOS, 2000, p.13). METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 33. CITAÇÃO COM MAIS DE TRÊS LINHAS Segundo Santos (2000, p. 13), A Filosofia é uma atividade resultante da inquietação cognitiva do ser humano. E por, esta razão, a Filosofia é inerente ao Ser Humano como ser racional, mesmo quando o filosofar ocorre inconscientemente. Nisto consiste a razão e não se pode ensinar a Filosofia. Só é possível se ensinar o método filosófico de pensar, ou seja, só é possível se ensinar a filosofar. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 34. NAS DUAS HIPÓTESES COMO FICARÁ A LISTA DE REFERÊNCIAS? • Na lista de referências: Livro: SOBRENOME, Prenome. Título: título. Número da edição. ed. Cidade: Editora, ano. Artigo de periódico: SOBRENOME, Prenome. Título do artigo. Nome da Revista, local da publicação, dados (volume/ano, número), páginas (inicial e final do artigo), mês (abreviado) e ano. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 35. CITAÇÕES DIRETAS Segundo Moura( 2002, p. 5), “...” Para Carneiro (2002 p. 5), “...” Na reportagem da revista Veja (2001, p. 5) “...” Barros (2000, p. 15) acrescenta que “...” Para Bento apud Barroso (2001, p. 18) “...” Jornal do Brasil (2000, p. 5) diz que “...” METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 36. CITAÇÃO INDIRETA  Trata-se de um texto baseado na obra de um autor consultado. Nesta hipótese não é necessário o emprego das aspas duplas;  A citação indireta é denominada de paráfrase de um texto;  A citação indireta mantém o conteúdo do texto original, mas é escrita com outras palavras;  ABNT: “transcrição livre do texto do autor consultado” (NBR 10520:2001). METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 37. CITAÇÃO INDIRETA  João Bosco Medeiros (2003) esclarece que a citação indireta pode configurar um resumo, comentário de uma ideia, ou expressar o mesmo conteúdo, mas utilizando outras palavras. Recomenda-nos que parafrasear é preferível à citação direta. Nesta hipótese não podemos usar aspas. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3 Mantém oconteúdo do texto original, mas são escritas com outras palavras!!!!!
  • 38. CITAÇÃO INDIRETA De acordo com Mazotti (2001), ... Silva (2003) sugere que... Ferreira (2000) enfatiza que ... Opina Barroso (1999) que ... Souza et al. (2001) destacam que ... Para Carvalho apud Silva (1991), ... METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 39. PARÁFRASE “Parafrasear é, pois, traduzir as palavras de um texto por outras de sentido equivalente, mantendo, porém, as idéias originais. A paráfrase inclui o desenvolvimento de um texto, o comentário, a explicitação.” (MEDEIROS, 2003, p. 182, grifo nosso) METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 40. TIPOS DE PARÁFRASE • A reprodução ou tradução livre; • O comentário explicativo; • O resumo; • O desenvolvimento (amplificação); • A paródia (aspectos cômicos). METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 41. CITAÇÃO DA CITAÇÃO  Segundo Vera Pataco (2008, p. 63), “ocorre quando há a referência a uma citação direta ou indireta de um texto do qual não se teve acesso ao original.” Usa-se a sigla apud. Exemplo: Segundo Warde (1990 apud ALVES-MAZZOTTI, 2003, p. 35), o conceito de pesquisa se ampliou tanto que hoje tudo cabe: “os folclores, os sensos comuns, os relatos de experiência, para não computar os desabafos emocionais e os cabotinismos.” METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 42. EXEMPLO: APUD Fulano de Tal, citado por Beltrano (1999, p. 20), afirma [citação direta ou indireta]. Fulano de Tal apud Beltrano (1999, p. 20) afirma [citação direta ou indireta]. Fulano de Tal, em Título da obra ( apud Beltrano, 1989, p. 34) apresenta uma série de questões sobre x, como: [citação com mais de três linhas] Na bibliografia: BELTRANO, Tal de. Título da obra. 9. ed. Rio de Janeiro: Editora, 1983. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 43. REGRAS PARA COMPOR CITAÇÕES DIRETAS E NOTAS • Acréscimos: inserção de expressões que não constam do original – entre colchetes – Exemplo: [casa] • Supressões: entre colchetes/parênteses e com uso de reticências - Exemplo: [...] • Destaques no texto: a expressão grifo(s) nosso(s) entre parênteses – Exemplo: (grifos nossos) METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 44. EXEMPLO DE SUPRESSÃO A física moderna (...) considera a lei da inércia sua lei mais fundamental. (Koyré, 1982, p. 182) METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 45. REGRAS PARA COMPOR CITAÇÕES DIRETAS E NOTAS • Incorreções: quando há grafia antiga ou erros no texto original – inserir ao lado da palavra a sigla sic entre colchetes. • Suprimir parágrafos: linha pontilhada – Exemplo: ..................................................................... UPS! METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 46. GRIFO • Grifo do próprio autor da citação: “Perdeu-se ontem algum momento entre o nascer e o por do sol, duas horas douradas, cada uma adornada com sessenta minutos diamantinos. Não se oferece nenhuma recompensa, porque se foram para sempre.” (MANN, 1992, p. 12, grifo do autor). • Grifo do autor do trabalho: “Com o trabalho, a pessoa pode mostrar suas potencialidades e firmar-se como indivíduo independente para criar novas situações de vida.” (JOURARD, 2000, p. 21, grifo nosso). METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 47. SISTEMA DE CHAMADA 1) Numérico: a fonte utilizada aparece em nota de rodapé;  A numeração das notas de rodapé deve restringir-se às referências bibliográficas;  Uso de asterisco (*): para explicar ou comentar uma ideia.  Podemos usar: (1), [1], 1 (sobrescrito) METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 48. NOTAS DE RODAPÉ • São aquelas que aparecem ao pé das páginas em que são mencionadas.; • Servem para abordar pontos que não devem ser incluídos no texto; • Podem ser para: a) notas explicativas, que evitam explicações longas dentro do texto, prejudiciais à linha de argumentação; b) notas de referência, que indicam as fontes consultadas ou remetem a outras obras. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 49. EXEMPLO: SISTEMA NUMÉRICO Segundo Fulano de Tal, “se Beltrano cobrava impostos bláblá blá.”1 Segundo Fulano de Tal, “se Beltrano cobrava impostos bláblá blá.” (1) Segundo Fulano de Tal, “se Beltrano cobrava impostos bláblá blá.”[1] METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 50. ORIENTAÇÕES • O número da nota de rodapé fica após o espaço do parágrafo; • As notas obedecem uma sequência numérica e em algarismos arábicos (1,2,3,4...); • As notas de rodapé seguem a norma da ABNT; METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 51. EXEMPLO DO SISTEMA NUMÉRICO “Blábláblá Blábláblá Blábláblá Blábláblá Blábláblá Blábláblá Blábláblá”.8 _____ 8 SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 10. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000. p.25 METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 52. SISTEMA DE CHAMADA 2) Autor-data: consiste em indicar o sobrenome do autor ou instituição responsável, seguido pelo ano da publicação da obra e páginas referenciadas, separados por vírgula e entre parênteses. Exemplos de citação direta: 1) Afirma Beltrano (1998, p. 81): “blá bláblá blá bláblá blá blá blá blá.” 2) “Quando se trata de bláblá blá blá” (BELTRANO, 1998, p.81). METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 53. OBSERVAÇÕES • Citação direta (autor-data): Vieira (1990, p. 3)  Citação indireta (autor-data): Vieira (1990) • Para citar um autor: Diretas: Souza (1998, p. 59) ou (SOUZA, 1998, p. 59) Indiretas: Souza (1998) ou (SOUZA, 1998) METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 54. OBSERVAÇÕES  Para citar dois autores: Diretas: Souza e Silva(1998, p. 59) ou (SOUZA e SILVA, 1998, p. 59) Indiretas: Souza e Silva (1998) ou (SOUZA e SILVA, 1998)  Documentos de mesma autoria com anos diferentes: diferencia-se pelo ano de publicação. Barroso (1999) Barroso (2000) Barroso(1999, 2000) METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 55. ALGUMAS EXPRESSÕES LATINAS • As expressões latinas são usadas no sistema numérico; • A expressão apud poderá ser usada nos dois sistemas; • Não se deve abusar do apud. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3 Apud! Idem!!!???? Passim??? ?
  • 56. EXEMPLOS • Idem id. (o mesmo autor): Quando duas obras de um mesmo autor forem sequenciais. _________________ SILVA, Tomaz Tadeu da. Que produz e o que reproduz em educação: ensaios de sociologia da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992. p.121. Id. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 305. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 57. EXEMPLOS • Ibidem ou ibid. (na mesma obra): quando ocorre a citação da mesma obra do mesmo autor seqüencialmente no texto. ________________ SILVA, Tomaz Tadeu da. Que produz e o que reproduz em educação: ensaios de sociologia da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992. p.121. Ibid., p.139. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 58. EXEMPLOS • Opus citatum, opere citato ou op.cit. (obra citada): usar quando uma mesma obra aparecer mais de uma vez no texto, independente da sequência das citações. ______________________ 1 SILVA, Tomaz Tadeu da. Que produz e o que reproduz em educação: ensaios de sociologia da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992. p.121. 2 NEY, João Luiz. Prontuário de Redação Oficial. 15. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000. p. 24. 3 SILVA, op.cit., p. 151. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 59. EXEMPLOS • Passim (aqui e ali, em diversas passagens): usar apenas quando há referências a passagens, sem identificação. _______________________ 1 SILVA, Tomaz Tadeu da. Que produz e o que reproduz em educação: ensaios de sociologia da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992, passim. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 60. Exemplos • Cf. (confira, conforme): usa-se para recomendar a consulta a notas do mesmo trabalho ou obra de outros autores. __________________ 1 Cf. SILVA,1992. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 61. EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1. Leia atentamente a citação abaixo e explique a importância da leitura para o trabalho científico. Ler é uma iniciação ao pensamento; ler significa retomar por nossa própria conta o pensamento já pensado por outros; ler um texto é repensá-lo, e repensar é pensar. (FOLSCHEID, D. Metodologia filosófica. São Paulo: Martins Fontes, 2006, p. 9-10.) 2. Explique o que podemos entender por fichamento bibliográfico e como este procedimento difere do fichamento de leitura. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 62. EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 3. Observe a citação no item “a”, do exercício anterior e organize-a no sistema de chamada numérico. Preencha as lacunas com as siglas corretas: passim, idem, ibidem, op. cit. e cf. a) Quando ocorre a citação da mesma obra, do mesmo autor, sequencialmente no texto, devemos usar a expressão latina ______. a) Usamos a expressão latina _______quando duas obras de um mesmo autor forem sequenciais nas referências. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 63. EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO c) _______ é uma expressão latina que deve ser usada sempre que há referências a passagens, sem identificação. d) Quando uma mesma obra aparecer mais de uma vez no texto, independente da sequência das citações devemos inserir a expressão ________. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 64. EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 4. Observe atentamente um trecho do livro Discretas Esperanças de Olgária Matos (2006, p.52) e responda: a) Que tipo de citação a autora apresenta em seu texto? b) Segundo as regras da ABNT, o que significa o uso do “(...)”? A modernidade científica, como a do mercado, não pergunta para onde se encaminha; se persegue fins justos e desejáveis; se dirige para emancipação ou destruição da humanidade. Escrevem Horkheimer e Adorno: METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 65. EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO O saber que é poder não conhece nenhuma barreira, nem na escravização das criaturas nem em sua fácil aquiescência aos senhores do mundo. (...) Está a serviço de todos os fins da economia burguesa na fábrica e no campo de batalha. (ADORNO e HORKHEIMER, 1986, p. 8) METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 66. REFERÊNCIAS ECO, Umberto. Como se faz uma tese. São Paulo: Perspectiva, 1994. HUHNE, L.M. Metodologia científica. 7. ed. Rio de Janeiro: Agir, 2000. FOLSCHEID, D. Metodologia filosófica. São Paulo: Martins Fontes, 2006. KOYRÉ, A. Estudos de história do pensamento científico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982. LAKATOS, E. M. MARCONI, M. Metodologia do trabalho científico. SP: Atlas, 1992. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3
  • 67. REFERÊNCIAS PATACO, Vera Lucia P. Metodologia para trabalhos acadêmicos e normas de apresentação gráfica. Rio de Janeiro: LTC, 2008. KOYRÉ, A. Estudos de história do pensamento científico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982. METODOLOGIA CIENTÍFICA AULA 3