SlideShare uma empresa Scribd logo
Recursos Hídricos e SaneamentoESGOTO SANITÁRIO E LIXOáguasAnaiza Helena Malhardes Miranda
CAPACIDADE HÍDRICA MUNDIALA superfície do PLANETA TERRA é composta de 2/3 de área alagadas.Deste volume, 97% é água salgada. Menos de 10% é água doce.Destes, menos de 2,5% são acessíveis ao consumo humano.
A Água no Planeta“A quantidade total de água existente no planeta com certeza não mudou desde as era geológicas: o que tínhamos então continuamos a ter. A água pode ser poluída, maltratada e mal utilizada, mas não é criada nem destruída ; ela apenas migra.”Marq De Villiers - Água
Ciclo Hidrológico no Planeta TerraLagos e rios se configuram em 0,26% de todo o estoque global do Planeta.O restante está na atmosfera, nas geleiras e nos subterrâneos.Essa água corre para os oceanos, através dos rios, do degelo e das chuvas.Apenas parcela das chuvas retornam aos aqüíferos acessíveis ao homem.
Águas ‘Doces’“Desta quantidade, mais da metade já tem destino e está sendo usada. Esta proporção talvez não pareça muito, porém a demanda vai dobrar em trinta anos. E muito do que se encontra disponível está   degradado por aluvião erodido, esgotos, poluição industrial, produtos químicos, excesso de nutrientes e pragas de algas.”Marq De Villiers - Água
Água Doce no BrasilDa água doce disponível no Planeta Terra, 11% se encontra no Brasil.Porém, 90% dessas águas se dividem entre a Amazônia, o Pantanal e o Aquífero Guarani.Os 10% restantes se dividem pelos demais Estados Brasileiros, com terras áridas e semiáridas, além de vários polígonos de seca (nordeste, norte do Rio Grande do Sul, norte de Minas Gerais, Goiás e Tocantins).
PROBLEMAS DE ABASTECIMENTODesmatamento das cabeceiras das nascentesDesmatamento dos topos de morroDesmatamento e uso indevidos das margens dos riosExcesso de captação de águas nos aquíferos subterrâneosPOLUIÇÃO
SANEAMENTONo Brasil 80% da população tem acesso à água canalizada, e 50% tem coleta de esgoto.Segundo o CENSO/2000:3.705.308 sem banheiro sanitários 2.958.831 domicílios recebem água canalizada10.594.752 tem fossa rudimentar1.154.910 tem vala aberta1.110.021 usam rio, lago ou mar como esgoto
Saneamento RJMenos de 2% das moradias possuem rede de esgoto ligado a algum sistema de tratamento.Menos de 50% das moradias possuem rede de esgoto RECOLHIDO.A maioria dessas redes, se valem da rede de águas pluviais.TODOS DESAGUAM NOS RIOS
Saneamento em TeresópolisSomente uma parte do 1º Distrito é atendida por abastecimento de águas.NÃO HÁ REDE PÚBLICA PARA CAPTAÇÃO DE ESGOTO – uso de rede pluvialUso de fossas ligadas a SUMIDOUROSUso proibido pela Lei Municipal 2199Sub solo incapaz de drenar efluentes sanitários
Água e Saúde“A água dita potável é de qualidade muito precária, pois, nos países pobres do chamado Terceiro Mundo, mais de 80% das doenças é mais de um terço da taxa de mortalidade são decorrência da má qualidade d’água utilizada ela população para o atendimeno de suas diversas necessidades. ”  Fonte: Paulo  de Bessa Antunes – Direito Ambiental – Lúmen Iuris – 4º edição, pág.632
SANEAMENTO = ESGOTO SANITÁRIO =Sistemas conhecidos para coleta e tratamento do esgoto domesticoFalta de preocupação dos governantes com o tema;Insalubridade extrema das cidades brasileiras
SANEAMENTO X SAÚDEA ANVISA divulgou que o consumo de água contaminada no Brasil, provocando doenças em 10.000 brasileiros entre 1999 e 2008.A OMS estima que para cada R$ 1,00 gastos com saneamento básico da população, deixaríamos de gastar R$ 4,00 no Sistema Único de Saúde.
SANEAMENTO: Sistema públicoGrandes redes de captação nas ruas públicasSistema de elevatóriasGrandes espaços para implantação:Caixa separadoraTanques aeróbios, com aeradores e batedoresCentrífugas Tanques de decantaçãoDispersão em grandes volumes de água
TOMADA EM TEMPO SECOCAPTAÇÃO NA REDE PLUVIALOu desvio de todo o rio;Bypass para sistema de tratamentoRetorno ao rio.Tratamento em período sem chuvas;Contaminação da rede pluvial;Contra indicação para áreas de elevada pluviosidade.
Sistemas domésticos convencionaisFossa sépticaFiltro de britaSumidouros ou dispersão em sistema públicoSumidouros provocam contaminação de sub solo e águas subterrâneasAmbos os sistemas que não alcançam a eficiência exigida por lei ( entre 30 a 52%, se bem operados)
SISTEMAS ALTERNATIVOSeficiência dentro das residências BIODIGESTOR:Caixa separadoraFossa com fechamento hermético – autoclaveSistema anaeróbio3 filtros posterioresDispersão final em lagoa de decantação ou sistema públicoFormação de gás metano para uso doméstico
SISTEMAS ALTERNATIVOSeficiência dentro das residênciasFOSSA + FILTRO POR ZONA DE RAÍZES:Fossa séptica tradicional ou em fibraFiltro em zona de raízes com camadas de rocha ou conchas, areia e terra + plantas com caule úmido, talo largo e raízes em rede (papirus, copo-de-leite,etc...)Dimensionamento de 1m³ por pessoa da residência. Eficiência entre 88% a 92%
FILTRO POR ZONA DE RAÍZES
SISTEMAS ALTERNATIVOSeficiência dentro das residênciasBANHEIRO SECO:Dois vasos sanitários interligados a duas caixas revestida por zinco pintado de preto, e voltados para o sol da tarde, com duas chaminés para dispersão de odores.Banheiros são usados a cada seis meses, mantendo o outro em desuso, para permitir a  formação do esterco.Descarga líquida substituída por pó de serra.Sem formação de resíduos líquidos poluentes.
Água = Futuro da Humanidade“A escassez de água pode não levar à guerra, mas certamente levará à escassez de comida, ao aumento da pobreza e à disseminação de doenças. Ela torna as pessoas mais pobres. .... Os padrões de vida se deteriora, aumentam também a inquietude social e a violência, levando, como colocou o profeta do apocalipse Robert Kaplan, a uma ‘anarquia iminente.” ÁGUA, Marc de Villiers – Ediouro- 2002
.....................................................lixo
LIXO – resíduos sólidos urbanosLei Federal nº 12.305/2010RESÍDUOS – material reciclável;Coleta separada;Encaminhamento setor de separação;Retorno à industriaREJEITO – material não reciclável;Coleta separada;Disposição final em aterros sanitários;Aproveitamento apenas como combustível.
LOGISTICA REVERSAPrincípio do Poluidor PagadorResponsabilidade das indústria em receber os produtos obsoletos produzidos.Desmonte dos materiais.Reuso obrigatório dos resíduos.Menor necessidade matéria prima novaProteção da Natureza
fases do sistema de ColetaCOLETA SELETIVA = a coleta seletiva hoje é medida imprescindível a qualquer sistema de lixo, posto que dela dependerá a vida útil do aterro de disposição final, posto que quanto menos lixo se levar para o aterro, mais tempo se ganhará de uso da área. 	A coleta seletiva depende de três parâmetros:
COLETA SELETIVAParticipação efetiva da população na devolução dos produtos sem usodela dependerá a vida útil do aterro de disposição final (quanto menos lixo se levar para o aterro, mais tempo se ganhará de uso da área). Parâmetros da coleta seletiva: 1 - educação ambiental da população 2 - disposição de pontos de coleta de resíduos para reciclagem3 - Incentivo à empresas de manufatura de reciclagem
1 - educação ambiental da populaçãopreparo e a conscientização da populaçãodepende de cada cidadão promova a separação dos resíduos reaproveitáveis do lixo orgânico, ainda dentro da casa. Devolução dos produtos sem uso aos pontos de coletaA reunião de lixo orgânico e inorgânico haverá a contaminação do reciclável e tornará o produto imprestável à maioria dos processos de reciclagem
2 - Disposição de pontos de coleta de resíduos para reciclagemcoleta deve ser feita por meio de caminhões fechados, especiais para a coleta, com dias diferenciados para o recebimento do material;Ou por meio da implantação de eco-pontos, até mesmo com a participação da comunidade, do condomínio ou da associação de moradores.Pontos especiais para eletrônicos
3 - Incentivo à empresas de manufatura de reciclagemEmpresas e serviços para logística reversaNecessidade de indústrias para o recebimento desses produtos. Daí das políticas públicas que:identifiquem as carências de recicladores de determinados produtos;criação de programas de atração das mesmas à região;Promoção de programa para  o encaminhamento dos produtos para as industrias, quando impossível trazer a empresa até à cidade.
COLETA DO LIXO ORGÂNICO= o lixo orgânico deve ser diferenciado em dois tipos, para o fim de uma coleta eficiente e implantação de projeto com eficiência superior, a saber: lixo orgânico contaminado elixo orgânico não contaminado.
Lixo Orgânico Não ContaminadoUm eficiente programa de coleta de lixo pode prever o reaproveitamento do lixo orgânico (lixo molhado) não contaminado:Previsão de esterqueiras para sua recepção, acondicionamento com terra;Criação de sistema de produção de adubo orgânico, que pode ser comercializado ou mesmo utilizado em projetos de reflorestamento ou hortas comunitárias.projeto de compostagem de resíduos oriundos de poda de jardim e árvores urbanas também para o projeto de adubo.
LIXO CONTAMINADOresíduos que não podem, em hipótese alguma, ser reaproveitado, posto que imerso em moléculas químicas perigosas, vetores patológicos ou metais pesados. Resíduos oriundos de unidades de saúde (hospitais, farmácias, clínicas, laboratórios, clínicas veterinárias e outros).Resíduos sanitários domésticos
LIXO COMERCIALresíduos contaminados com hidrocarbonetos oriundos de postos de gasolina e oficinas mecânicas;Resíduos de agrotóxicos, dentre outros. Esses resíduos devem receber tratamento especial, e podem ser reutilizados desde que submetidos a sistema de tratamento especialíssimo.
RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVILEsses, sempre foram utilizados como material de recobrimento do lixo nos lixões antigos, ou como material de recobrimento de estradas vicinais. sua utilização pode ser muito melhor, já que os resíduos são quase que totalmente reaproveitado.Ferros e vergalhões são totalmente reaproveitados pela siderurgia;cimento e material de alvenaria podem ser triturados e reutilizados na própria construção civil, como forma de diminuir a utilização de cimento; madeira totalmente utilizada.Canos e caixas d´água - reaproveitamento
DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOSa disposição final dos resíduos restantes devem ser disposto em sistemas previamente preparados da forma seguinte:abertura das células;cobertura do fundo da células com manta PEAD;implantação de sistema de drenagem de chorume ao fundo;cobertura do sistema de drenagem com brita;cobertura de todo o fundo da célula e da manta PEAD com argila, de forma a proteger a manta;implantação de sistema de tratamento do chorume que será coletado pelo sistema de drenagem da célula;implantação de sistema de captação de gás metano oriundo da decomposição do lixo (com ou sem reaproveitamento).
Conclusão:“Na natureza não há prêmios nem castigos:apenas consequências.”				Robert Ingersoll (1833-1899)
ANAIZA HELENA MALHARDES MIRANDAPromotor de Justiça Titular da 1ª Promotoriade Justiça de Tutela Coletiva do NúcleoTeresópolis.Atribuição por Meio Ambiente – Urbanismo ePatrimônio Cultural, em Teresópolis, Carmo,Sumidouro e Sapucaiaanaiza@mp.rj.gov.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manejo de Água na Permacultura
Manejo de Água na PermaculturaManejo de Água na Permacultura
Manejo de Água na Permacultura
Fluxus Design Ecológico
 
Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.
Carlos Elson Cunha
 
Pegada Hidrica
Pegada HidricaPegada Hidrica
Conceitos fundamentais, principais_doenças_disseminadas_-_fabricio
Conceitos fundamentais, principais_doenças_disseminadas_-_fabricioConceitos fundamentais, principais_doenças_disseminadas_-_fabricio
Conceitos fundamentais, principais_doenças_disseminadas_-_fabricio
João Siqueira da Mata
 
The Super Cans
The Super CansThe Super Cans
The Super Cans
prissabino
 
Captação de água de chuva
Captação de água de chuvaCaptação de água de chuva
Captação de água de chuva
Tiago Malta
 
Aula sobre o Destino do Lixo
Aula sobre o Destino do Lixo Aula sobre o Destino do Lixo
Aula sobre o Destino do Lixo
Cláudia Marques
 
Aterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestraAterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestra
Sergio Vinhal
 
Revolução dos Baldinhos
Revolução dos BaldinhosRevolução dos Baldinhos
Revolução dos Baldinhos
Cepagro
 
Água. manual de sobrevivencia
Água. manual de sobrevivenciaÁgua. manual de sobrevivencia
Água. manual de sobrevivencia
leonidas_zazelis
 
Aproveitando a água da chuva
Aproveitando a água da chuvaAproveitando a água da chuva
Aproveitando a água da chuva
vilmaacd
 
Fontes dispersas com_ênfase_nos_resíduos_-_lilian_martelli
Fontes dispersas com_ênfase_nos_resíduos_-_lilian_martelliFontes dispersas com_ênfase_nos_resíduos_-_lilian_martelli
Fontes dispersas com_ênfase_nos_resíduos_-_lilian_martelli
João Siqueira da Mata
 
CaptaçãO De áGua De Chuva
CaptaçãO De áGua De ChuvaCaptaçãO De áGua De Chuva
CaptaçãO De áGua De Chuva
Ionara Urrutia Moura
 
Pegada Hídrica
Pegada HídricaPegada Hídrica
Pegada Hídrica
Muni2015
 
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado   Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
saramandaia
 
Recursos hídricos semana da água
Recursos hídricos semana da águaRecursos hídricos semana da água
Recursos hídricos semana da água
Luiz Alberto Palomares
 
Águas Residuais - UNESCO
Águas Residuais - UNESCOÁguas Residuais - UNESCO
Águas Residuais - UNESCO
2016arqmiriam
 
USO RACIONAL E REUSO ÁGUA
USO RACIONAL E REUSO ÁGUAUSO RACIONAL E REUSO ÁGUA
USO RACIONAL E REUSO ÁGUA
Paula Bianchi
 
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Cepagro
 
Uso racional da água aula
Uso racional da água aulaUso racional da água aula
Uso racional da água aula
profgon
 

Mais procurados (20)

Manejo de Água na Permacultura
Manejo de Água na PermaculturaManejo de Água na Permacultura
Manejo de Água na Permacultura
 
Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.Apresentação aterro sanitário.
Apresentação aterro sanitário.
 
Pegada Hidrica
Pegada HidricaPegada Hidrica
Pegada Hidrica
 
Conceitos fundamentais, principais_doenças_disseminadas_-_fabricio
Conceitos fundamentais, principais_doenças_disseminadas_-_fabricioConceitos fundamentais, principais_doenças_disseminadas_-_fabricio
Conceitos fundamentais, principais_doenças_disseminadas_-_fabricio
 
The Super Cans
The Super CansThe Super Cans
The Super Cans
 
Captação de água de chuva
Captação de água de chuvaCaptação de água de chuva
Captação de água de chuva
 
Aula sobre o Destino do Lixo
Aula sobre o Destino do Lixo Aula sobre o Destino do Lixo
Aula sobre o Destino do Lixo
 
Aterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestraAterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestra
 
Revolução dos Baldinhos
Revolução dos BaldinhosRevolução dos Baldinhos
Revolução dos Baldinhos
 
Água. manual de sobrevivencia
Água. manual de sobrevivenciaÁgua. manual de sobrevivencia
Água. manual de sobrevivencia
 
Aproveitando a água da chuva
Aproveitando a água da chuvaAproveitando a água da chuva
Aproveitando a água da chuva
 
Fontes dispersas com_ênfase_nos_resíduos_-_lilian_martelli
Fontes dispersas com_ênfase_nos_resíduos_-_lilian_martelliFontes dispersas com_ênfase_nos_resíduos_-_lilian_martelli
Fontes dispersas com_ênfase_nos_resíduos_-_lilian_martelli
 
CaptaçãO De áGua De Chuva
CaptaçãO De áGua De ChuvaCaptaçãO De áGua De Chuva
CaptaçãO De áGua De Chuva
 
Pegada Hídrica
Pegada HídricaPegada Hídrica
Pegada Hídrica
 
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado   Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
Lixão X Aterro Sanitário X Aterro Controlado
 
Recursos hídricos semana da água
Recursos hídricos semana da águaRecursos hídricos semana da água
Recursos hídricos semana da água
 
Águas Residuais - UNESCO
Águas Residuais - UNESCOÁguas Residuais - UNESCO
Águas Residuais - UNESCO
 
USO RACIONAL E REUSO ÁGUA
USO RACIONAL E REUSO ÁGUAUSO RACIONAL E REUSO ÁGUA
USO RACIONAL E REUSO ÁGUA
 
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
Manual “Revolução dos Baldinhos – A Tecnologia Social da Gestão Comunitár...
 
Uso racional da água aula
Uso racional da água aulaUso racional da água aula
Uso racional da água aula
 

Semelhante a Saneamento básico dra anaíza

Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
João Boos Boos
 
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
João Boos Boos
 
Apresentação esgoto itapajé
Apresentação esgoto itapajéApresentação esgoto itapajé
Apresentação esgoto itapajé
Inácio Tabosa
 
Trabalho escrito de estatistica
Trabalho escrito de estatisticaTrabalho escrito de estatistica
Trabalho escrito de estatistica
Monique Mazarin
 
Ciclo da Água
Ciclo da ÁguaCiclo da Água
Ciclo da Água
Adminefa
 
6º ano cap 15 a água e o tratamento da água
6º ano cap 15 a água e o tratamento da água6º ano cap 15 a água e o tratamento da água
6º ano cap 15 a água e o tratamento da água
ISJ
 
Cartilha manejo bx
Cartilha manejo bxCartilha manejo bx
Cartilha manejo bx
Míriam Morata Novaes
 
Cartilha de saneamento ecologico
Cartilha de saneamento ecologicoCartilha de saneamento ecologico
Cartilha de saneamento ecologico
andregrs
 
Estudos fundamentais sobre saneamento básico, saúde pública.pptx
Estudos fundamentais sobre saneamento básico, saúde pública.pptxEstudos fundamentais sobre saneamento básico, saúde pública.pptx
Estudos fundamentais sobre saneamento básico, saúde pública.pptx
RaquelOlimpio1
 
Jmab 2012 finalmente
Jmab 2012 finalmenteJmab 2012 finalmente
Jmab 2012 finalmente
Rogerio Catanese
 
Dimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitáriosDimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitários
Carlos Elson Cunha
 
A água no ambiente e nos seres vivos
A água no ambiente e nos seres vivosA água no ambiente e nos seres vivos
A água no ambiente e nos seres vivos
ISJ
 
Unidade 3 cap 1 a água no ambiente e nos seres vivos
Unidade 3 cap 1 a água no ambiente e nos seres vivosUnidade 3 cap 1 a água no ambiente e nos seres vivos
Unidade 3 cap 1 a água no ambiente e nos seres vivos
ISJ
 
Agua
AguaAgua
Agua2
Agua2Agua2
Agua2
gigi0302
 
6º ano cap 13 a água e a vida
6º ano cap 13   a água e a vida6º ano cap 13   a água e a vida
6º ano cap 13 a água e a vida
ISJ
 
Preserve a água
Preserve a águaPreserve a água
Preserve a água
cogerh
 
Jmab2012finalmente 120726203449-phpapp02
Jmab2012finalmente 120726203449-phpapp02Jmab2012finalmente 120726203449-phpapp02
Jmab2012finalmente 120726203449-phpapp02
rcatanese
 
Saneamento básico
Saneamento básicoSaneamento básico
Saneamento básico
PhoenixSportFitness
 
SANEAMENTO_PARTE_387766555554444448.pptx
SANEAMENTO_PARTE_387766555554444448.pptxSANEAMENTO_PARTE_387766555554444448.pptx
SANEAMENTO_PARTE_387766555554444448.pptx
MatheusLimaPereira2
 

Semelhante a Saneamento básico dra anaíza (20)

Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
 
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
 
Apresentação esgoto itapajé
Apresentação esgoto itapajéApresentação esgoto itapajé
Apresentação esgoto itapajé
 
Trabalho escrito de estatistica
Trabalho escrito de estatisticaTrabalho escrito de estatistica
Trabalho escrito de estatistica
 
Ciclo da Água
Ciclo da ÁguaCiclo da Água
Ciclo da Água
 
6º ano cap 15 a água e o tratamento da água
6º ano cap 15 a água e o tratamento da água6º ano cap 15 a água e o tratamento da água
6º ano cap 15 a água e o tratamento da água
 
Cartilha manejo bx
Cartilha manejo bxCartilha manejo bx
Cartilha manejo bx
 
Cartilha de saneamento ecologico
Cartilha de saneamento ecologicoCartilha de saneamento ecologico
Cartilha de saneamento ecologico
 
Estudos fundamentais sobre saneamento básico, saúde pública.pptx
Estudos fundamentais sobre saneamento básico, saúde pública.pptxEstudos fundamentais sobre saneamento básico, saúde pública.pptx
Estudos fundamentais sobre saneamento básico, saúde pública.pptx
 
Jmab 2012 finalmente
Jmab 2012 finalmenteJmab 2012 finalmente
Jmab 2012 finalmente
 
Dimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitáriosDimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitários
 
A água no ambiente e nos seres vivos
A água no ambiente e nos seres vivosA água no ambiente e nos seres vivos
A água no ambiente e nos seres vivos
 
Unidade 3 cap 1 a água no ambiente e nos seres vivos
Unidade 3 cap 1 a água no ambiente e nos seres vivosUnidade 3 cap 1 a água no ambiente e nos seres vivos
Unidade 3 cap 1 a água no ambiente e nos seres vivos
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
Agua2
Agua2Agua2
Agua2
 
6º ano cap 13 a água e a vida
6º ano cap 13   a água e a vida6º ano cap 13   a água e a vida
6º ano cap 13 a água e a vida
 
Preserve a água
Preserve a águaPreserve a água
Preserve a água
 
Jmab2012finalmente 120726203449-phpapp02
Jmab2012finalmente 120726203449-phpapp02Jmab2012finalmente 120726203449-phpapp02
Jmab2012finalmente 120726203449-phpapp02
 
Saneamento básico
Saneamento básicoSaneamento básico
Saneamento básico
 
SANEAMENTO_PARTE_387766555554444448.pptx
SANEAMENTO_PARTE_387766555554444448.pptxSANEAMENTO_PARTE_387766555554444448.pptx
SANEAMENTO_PARTE_387766555554444448.pptx
 

Saneamento básico dra anaíza

  • 1. Recursos Hídricos e SaneamentoESGOTO SANITÁRIO E LIXOáguasAnaiza Helena Malhardes Miranda
  • 2. CAPACIDADE HÍDRICA MUNDIALA superfície do PLANETA TERRA é composta de 2/3 de área alagadas.Deste volume, 97% é água salgada. Menos de 10% é água doce.Destes, menos de 2,5% são acessíveis ao consumo humano.
  • 3. A Água no Planeta“A quantidade total de água existente no planeta com certeza não mudou desde as era geológicas: o que tínhamos então continuamos a ter. A água pode ser poluída, maltratada e mal utilizada, mas não é criada nem destruída ; ela apenas migra.”Marq De Villiers - Água
  • 4. Ciclo Hidrológico no Planeta TerraLagos e rios se configuram em 0,26% de todo o estoque global do Planeta.O restante está na atmosfera, nas geleiras e nos subterrâneos.Essa água corre para os oceanos, através dos rios, do degelo e das chuvas.Apenas parcela das chuvas retornam aos aqüíferos acessíveis ao homem.
  • 5. Águas ‘Doces’“Desta quantidade, mais da metade já tem destino e está sendo usada. Esta proporção talvez não pareça muito, porém a demanda vai dobrar em trinta anos. E muito do que se encontra disponível está degradado por aluvião erodido, esgotos, poluição industrial, produtos químicos, excesso de nutrientes e pragas de algas.”Marq De Villiers - Água
  • 6. Água Doce no BrasilDa água doce disponível no Planeta Terra, 11% se encontra no Brasil.Porém, 90% dessas águas se dividem entre a Amazônia, o Pantanal e o Aquífero Guarani.Os 10% restantes se dividem pelos demais Estados Brasileiros, com terras áridas e semiáridas, além de vários polígonos de seca (nordeste, norte do Rio Grande do Sul, norte de Minas Gerais, Goiás e Tocantins).
  • 7. PROBLEMAS DE ABASTECIMENTODesmatamento das cabeceiras das nascentesDesmatamento dos topos de morroDesmatamento e uso indevidos das margens dos riosExcesso de captação de águas nos aquíferos subterrâneosPOLUIÇÃO
  • 8. SANEAMENTONo Brasil 80% da população tem acesso à água canalizada, e 50% tem coleta de esgoto.Segundo o CENSO/2000:3.705.308 sem banheiro sanitários 2.958.831 domicílios recebem água canalizada10.594.752 tem fossa rudimentar1.154.910 tem vala aberta1.110.021 usam rio, lago ou mar como esgoto
  • 9. Saneamento RJMenos de 2% das moradias possuem rede de esgoto ligado a algum sistema de tratamento.Menos de 50% das moradias possuem rede de esgoto RECOLHIDO.A maioria dessas redes, se valem da rede de águas pluviais.TODOS DESAGUAM NOS RIOS
  • 10. Saneamento em TeresópolisSomente uma parte do 1º Distrito é atendida por abastecimento de águas.NÃO HÁ REDE PÚBLICA PARA CAPTAÇÃO DE ESGOTO – uso de rede pluvialUso de fossas ligadas a SUMIDOUROSUso proibido pela Lei Municipal 2199Sub solo incapaz de drenar efluentes sanitários
  • 11. Água e Saúde“A água dita potável é de qualidade muito precária, pois, nos países pobres do chamado Terceiro Mundo, mais de 80% das doenças é mais de um terço da taxa de mortalidade são decorrência da má qualidade d’água utilizada ela população para o atendimeno de suas diversas necessidades. ” Fonte: Paulo de Bessa Antunes – Direito Ambiental – Lúmen Iuris – 4º edição, pág.632
  • 12. SANEAMENTO = ESGOTO SANITÁRIO =Sistemas conhecidos para coleta e tratamento do esgoto domesticoFalta de preocupação dos governantes com o tema;Insalubridade extrema das cidades brasileiras
  • 13. SANEAMENTO X SAÚDEA ANVISA divulgou que o consumo de água contaminada no Brasil, provocando doenças em 10.000 brasileiros entre 1999 e 2008.A OMS estima que para cada R$ 1,00 gastos com saneamento básico da população, deixaríamos de gastar R$ 4,00 no Sistema Único de Saúde.
  • 14. SANEAMENTO: Sistema públicoGrandes redes de captação nas ruas públicasSistema de elevatóriasGrandes espaços para implantação:Caixa separadoraTanques aeróbios, com aeradores e batedoresCentrífugas Tanques de decantaçãoDispersão em grandes volumes de água
  • 15. TOMADA EM TEMPO SECOCAPTAÇÃO NA REDE PLUVIALOu desvio de todo o rio;Bypass para sistema de tratamentoRetorno ao rio.Tratamento em período sem chuvas;Contaminação da rede pluvial;Contra indicação para áreas de elevada pluviosidade.
  • 16. Sistemas domésticos convencionaisFossa sépticaFiltro de britaSumidouros ou dispersão em sistema públicoSumidouros provocam contaminação de sub solo e águas subterrâneasAmbos os sistemas que não alcançam a eficiência exigida por lei ( entre 30 a 52%, se bem operados)
  • 17. SISTEMAS ALTERNATIVOSeficiência dentro das residências BIODIGESTOR:Caixa separadoraFossa com fechamento hermético – autoclaveSistema anaeróbio3 filtros posterioresDispersão final em lagoa de decantação ou sistema públicoFormação de gás metano para uso doméstico
  • 18. SISTEMAS ALTERNATIVOSeficiência dentro das residênciasFOSSA + FILTRO POR ZONA DE RAÍZES:Fossa séptica tradicional ou em fibraFiltro em zona de raízes com camadas de rocha ou conchas, areia e terra + plantas com caule úmido, talo largo e raízes em rede (papirus, copo-de-leite,etc...)Dimensionamento de 1m³ por pessoa da residência. Eficiência entre 88% a 92%
  • 19. FILTRO POR ZONA DE RAÍZES
  • 20. SISTEMAS ALTERNATIVOSeficiência dentro das residênciasBANHEIRO SECO:Dois vasos sanitários interligados a duas caixas revestida por zinco pintado de preto, e voltados para o sol da tarde, com duas chaminés para dispersão de odores.Banheiros são usados a cada seis meses, mantendo o outro em desuso, para permitir a formação do esterco.Descarga líquida substituída por pó de serra.Sem formação de resíduos líquidos poluentes.
  • 21. Água = Futuro da Humanidade“A escassez de água pode não levar à guerra, mas certamente levará à escassez de comida, ao aumento da pobreza e à disseminação de doenças. Ela torna as pessoas mais pobres. .... Os padrões de vida se deteriora, aumentam também a inquietude social e a violência, levando, como colocou o profeta do apocalipse Robert Kaplan, a uma ‘anarquia iminente.” ÁGUA, Marc de Villiers – Ediouro- 2002
  • 23. LIXO – resíduos sólidos urbanosLei Federal nº 12.305/2010RESÍDUOS – material reciclável;Coleta separada;Encaminhamento setor de separação;Retorno à industriaREJEITO – material não reciclável;Coleta separada;Disposição final em aterros sanitários;Aproveitamento apenas como combustível.
  • 24. LOGISTICA REVERSAPrincípio do Poluidor PagadorResponsabilidade das indústria em receber os produtos obsoletos produzidos.Desmonte dos materiais.Reuso obrigatório dos resíduos.Menor necessidade matéria prima novaProteção da Natureza
  • 25. fases do sistema de ColetaCOLETA SELETIVA = a coleta seletiva hoje é medida imprescindível a qualquer sistema de lixo, posto que dela dependerá a vida útil do aterro de disposição final, posto que quanto menos lixo se levar para o aterro, mais tempo se ganhará de uso da área. A coleta seletiva depende de três parâmetros:
  • 26. COLETA SELETIVAParticipação efetiva da população na devolução dos produtos sem usodela dependerá a vida útil do aterro de disposição final (quanto menos lixo se levar para o aterro, mais tempo se ganhará de uso da área). Parâmetros da coleta seletiva: 1 - educação ambiental da população 2 - disposição de pontos de coleta de resíduos para reciclagem3 - Incentivo à empresas de manufatura de reciclagem
  • 27. 1 - educação ambiental da populaçãopreparo e a conscientização da populaçãodepende de cada cidadão promova a separação dos resíduos reaproveitáveis do lixo orgânico, ainda dentro da casa. Devolução dos produtos sem uso aos pontos de coletaA reunião de lixo orgânico e inorgânico haverá a contaminação do reciclável e tornará o produto imprestável à maioria dos processos de reciclagem
  • 28. 2 - Disposição de pontos de coleta de resíduos para reciclagemcoleta deve ser feita por meio de caminhões fechados, especiais para a coleta, com dias diferenciados para o recebimento do material;Ou por meio da implantação de eco-pontos, até mesmo com a participação da comunidade, do condomínio ou da associação de moradores.Pontos especiais para eletrônicos
  • 29. 3 - Incentivo à empresas de manufatura de reciclagemEmpresas e serviços para logística reversaNecessidade de indústrias para o recebimento desses produtos. Daí das políticas públicas que:identifiquem as carências de recicladores de determinados produtos;criação de programas de atração das mesmas à região;Promoção de programa para o encaminhamento dos produtos para as industrias, quando impossível trazer a empresa até à cidade.
  • 30. COLETA DO LIXO ORGÂNICO= o lixo orgânico deve ser diferenciado em dois tipos, para o fim de uma coleta eficiente e implantação de projeto com eficiência superior, a saber: lixo orgânico contaminado elixo orgânico não contaminado.
  • 31. Lixo Orgânico Não ContaminadoUm eficiente programa de coleta de lixo pode prever o reaproveitamento do lixo orgânico (lixo molhado) não contaminado:Previsão de esterqueiras para sua recepção, acondicionamento com terra;Criação de sistema de produção de adubo orgânico, que pode ser comercializado ou mesmo utilizado em projetos de reflorestamento ou hortas comunitárias.projeto de compostagem de resíduos oriundos de poda de jardim e árvores urbanas também para o projeto de adubo.
  • 32. LIXO CONTAMINADOresíduos que não podem, em hipótese alguma, ser reaproveitado, posto que imerso em moléculas químicas perigosas, vetores patológicos ou metais pesados. Resíduos oriundos de unidades de saúde (hospitais, farmácias, clínicas, laboratórios, clínicas veterinárias e outros).Resíduos sanitários domésticos
  • 33. LIXO COMERCIALresíduos contaminados com hidrocarbonetos oriundos de postos de gasolina e oficinas mecânicas;Resíduos de agrotóxicos, dentre outros. Esses resíduos devem receber tratamento especial, e podem ser reutilizados desde que submetidos a sistema de tratamento especialíssimo.
  • 34. RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVILEsses, sempre foram utilizados como material de recobrimento do lixo nos lixões antigos, ou como material de recobrimento de estradas vicinais. sua utilização pode ser muito melhor, já que os resíduos são quase que totalmente reaproveitado.Ferros e vergalhões são totalmente reaproveitados pela siderurgia;cimento e material de alvenaria podem ser triturados e reutilizados na própria construção civil, como forma de diminuir a utilização de cimento; madeira totalmente utilizada.Canos e caixas d´água - reaproveitamento
  • 35. DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOSa disposição final dos resíduos restantes devem ser disposto em sistemas previamente preparados da forma seguinte:abertura das células;cobertura do fundo da células com manta PEAD;implantação de sistema de drenagem de chorume ao fundo;cobertura do sistema de drenagem com brita;cobertura de todo o fundo da célula e da manta PEAD com argila, de forma a proteger a manta;implantação de sistema de tratamento do chorume que será coletado pelo sistema de drenagem da célula;implantação de sistema de captação de gás metano oriundo da decomposição do lixo (com ou sem reaproveitamento).
  • 36. Conclusão:“Na natureza não há prêmios nem castigos:apenas consequências.” Robert Ingersoll (1833-1899)
  • 37. ANAIZA HELENA MALHARDES MIRANDAPromotor de Justiça Titular da 1ª Promotoriade Justiça de Tutela Coletiva do NúcleoTeresópolis.Atribuição por Meio Ambiente – Urbanismo ePatrimônio Cultural, em Teresópolis, Carmo,Sumidouro e Sapucaiaanaiza@mp.rj.gov.br