SlideShare uma empresa Scribd logo
Unidade 2
Funcionalidades básicas de operação do sistema e de
trabalho com processos.
Aula 1:
• Título: Iniciando o sistema
• Carga horária prevista: 1h (uma hora)
• Recursos Educacionais: Aulas apresentadas em
slides.
Aula 2:
• Título: Operações com processos
• Carga horária prevista: 1,5h (uma hora e meia)
• Recursos Educacionais: Aulas apresentadas em
slides.
ACESSANDO O SISTEMA
Como fazer?
1. Digite no navegador (Mozilla Firefox ou Chrome) o endereço: sei.saude.gov.br/sei;
2. Digite seu login (e-mail, sem o @saúde.gov.br) e a senha;
3. Clique no botão “Acessar”.
BARRA DE FERRAMENTAS / TELA INICIAL
Lista de vídeos com
passo a passo
Exibe ou oculta o menu
principal (lateral)
Pesquisa rápida pelo
número ou qualquer termo
Controle de
processos
Novidades
Nome do usuário
Configurações
Sair
Barra de Ferramentas
PESQUISA
O que é?
É uma ferramenta para pesquisar informações em todo o SEI, inclusive o conteúdo de processos e documentos
(internos e externos).
Como fazer?
- Pesquisa Simples
1. Clique no campo;
2. Digite o termo a ser pesquisado;
3. Pressione a teclar ENTER.
- Pesquisa Avançada
1. No Menu, clique em “Pesquisa”;
2. Digite os campos desejados;
3. Clique em “Pesquisar”
Dicas:
- Documentos externos, para serem pesquisáveis, devem passar pelo processo de Reconhecimento Óptico de Caracteres (OCR)
após a digitalização.
- Quando o resultado da pesquisa trouxer apenas um documento, este será aberto automaticamente.
- A tela de pesquisa avançada apresenta vários campos em que podem ser inseridos parâmetros para a pesquisa. Quanto mais
parâmetros são informados ao sistema, mais refinado será o resultado.
- Clique no ícone para abrir o documento desejado.
- No caso de processos de acesso restrito, seus documentos serão exibidos somente para usuários de unidades previamente
habilitadas para visualização.
ESTATÍSTICA
O que é?
É uma ferramenta que oferece a possibilidade de visualizar Estatística da Unidade e de Desempenho de Processos.
Os resultados são gerados em tempo real, sempre atualizados, com quadros e gráficos.
Como fazer?
- Verificar Estatística dos Processos por unidade
1. No Menu, selecione Estatística > Unidade;
2. Escolha o intervalo desejado;
3. Clique em “Pesquisar”.
- Verificar Estatística por Tipo de Processo
1. No Menu, selecione Estatística > Desempenho de Processos;
2. Selecione o Órgão e o Tipo de Processo desejado;
3. Escolha o intervalo desejado;
4. Clique em “Pesquisar”.
Dicas:
- As estatísticas da Unidade são apresentadas em formatos de tabela, sempre acompanhadas de um gráfico
correspondente.
- Clique nos dados ou no gráfico para visualizar seu detalhamento.
- Para verificar mais detalhes sobre o resultado, clique nos resultados das colunas Quantidade ou Tempo
Médio, apresentados em azul.
INICIAR / AUTUAR PROCESSO
Como começa?
Todo processo é criado inicialmente sem documentos, como uma “pasta vazia”. No sei!, qualquer unidade pode
iniciar um processo. Não é mais necessário encaminhar os documentos ao setor de autuação.
Como fazer?
1. Clique em iniciar processo (menu lateral esquerdo);
2. Escolha o tipo de processo e preencha os campos;
3. Clique em “Salvar”.
Elementos identificadores do
processo. Palavra-chave
Pessoa física, pessoa jurídica
ou unidades do Ministério
Resumo do
processo
Sigiloso: Ministros de Estado
funções de direção, comando ou
chefia, nível DAS 101.5, ou superior
Restrito: motivar legalmente.
Visualizável pelos usuários por onde
o processo tramitar.
Público: Visualizável por todos os
usuários do órgão.
INCLUIR UM PROCESSO EXISTENTE
O que é?
Inclusão no sistema de um processo que já possui o Número Único de Processo (NUP). O processo deverá ser
digitalizado e incluído no SEI!
Como fazer?
1. Clique em iniciar processo (menu lateral esquerdo);
2. Escolha o tipo de processo;
3. Preencha os campos e clique em salvar (selecione a opção protocolo “informado”);
4. Após criar o processo, clique em
5. Selecione o tipo de documento “externo”;
6. Preencha os campos;
7. Insira o arquivo do processo digitalizado e confirme os dados.
Informe o número (NUP) completo do processo a
ser cadastrado (incluindo o dígito verificador).
Dicas:
- Faça um PDF para cada volume, selecionando “Volume de Processo” como tipo de documento e identifique
no campo “Número/Nome da Árvore” o número do volume.
EXCLUSÃO DE PROCESSO
O que é?
É a ação que permite a exclusão de processos abertos indevidamente pela unidade.
Como fazer?
1. Clique sobre o número do processo desejado;
2. Clique no ícone
3. Clique no botão “OK”
Dicas:
- O processo não poderá estar aberto em outra unidade, além da geradora: o simples envio impossibilita a
exclusão.
- O processo não poderá conter documentos.
- O processo possui documentos externos e/ou gerados no sistemas que podem ser excluídos: permite que
sejam efetuadas as exclusões de todos os documentos e depois a do processo.
- Processos excluídos não são recuperados pela funcionalidade de pesquisa ou pelo menu “Estatística da
Unidade”.
BARRA DE FERRAMENTAS DO PROCESSO
Incluir documento
Iniciar processo relacionado
Consultar/alterar processo
Acompanhamento especial
Ciência
Enviar processo
Atualizar andamento
Atribuir processo
Duplicar processo
Enviar correspondência eletrônica
Relacionamentos do processo
Incluir em bloco
Disponibilizações de acesso externo
Sobrestar processo
Anexar processo
Anotações
Gerar arquivo PDF
Gerar arquivo ZIP
Concluir processo
Controle de processos
RELACIONAMENTO DE PROCESSOS
O que é?
É uma ferramenta utilizada para agrupar processos que possuam alguma ligação entre si (por exemplo, informações
complementares), porém, autônomos.
Como fazer?
1. Clique sobre o número do processo desejado;
2. Clique no ícone
3. No campo “Processo Destino”, digite o número completo do processo a ser relacionado;
4. Clique no botão “Pesquisar”;
5. Após o sistema confirmar a existência do processo, clique em “Adicionar”,
Para remover o relacionamento:
1. Clique sobre o número do processo
2. Clique no ícone
3. Clique no número do processo do qual deseja remover o relacionamento
4. Clique no botão “OK”
Dicas:
- Não há hierarquia entre processos relacionados. Um processo não passa a fazer parte do outro e o vínculo
pode ser desfeito a qualquer tempo;
- É possível relacionar vários processos em sequência, inserindo número após número.
ANEXAÇÃO DE PROCESSOS
O que é?
É uma ferramenta que permite juntar de maneira permanente processos do mesmo tipo, uma vez verificado que as
informações devem ou podem estar agregadas em um processo único.
O processo mais novo é anexado ao processo mais antigo, de modo que o mais novo passa a compor a árvore de
documentos do mais antigo.
Como fazer?
1. Clique no número do processo principal;
2. Clique no botão
3. Digite o número do processo que será anexado;
4. Clique em “Pesquisar”;
5. Após o sistema confirmar a existência do processo, clique em “Adicionar”.
Dicas:
- Uma vez anexado o processo acessório, não será mais possível inserir documentos nele.
- O processo a ser anexado deve estar aberto somente na unidade que efetuará a operação e não pode ter
processos anexos a ele.
SOBRESTAMENTO DE PROCESSOS
O que é?
É uma forma de fazer com que a contagem do tempo do processo fique suspensa, até que seja retirado o
sobrestamento. Esse procedimento deve ser utilizado apenas quando houver determinação formal para
interrupção do trâmite do processo, seja dentro do próprio processo ou a partir de outro processo.
Como fazer?
1. Clique no número do processo;
2. Clique no ícone
3. Se o motivo do sobrestamento do processo estiver no próprio processo, clique na caixa de seleção;
4. Digite o Motivo e clique em “Salvar”;
6. Se o motivo do sobrestamento estiver em outro processo, clique na caixa de seleção;
7. Digite o número completo do processo no campo “Processo para Vinculação”;
8. Clique em “Pesquisar”.
Para remover o sobrestamento
1. No Menu principal, clique em “Processos Sobrestados”
2. Clique no ícone
Dicas:
- O processo não poderá: estar aberto em outras unidades; ser enviado para outras unidades; receber
novos documentos; ser anexado a outro processo.
- Os processos sobrestados desaparecem da tela inicial de Controle de Processos.
DUPLICAÇÃO DE PROCESSOS
O que é?
É uma maneira de gerar um novo processo a partir de um processo já existente, copiando sua indexação, estrutura
e o modelo dos documentos que o compõem.
Como fazer?
1. Clique no processo a ser duplicado;
2. Clique no ícone
3. Digite o nome do interessado;
4. Clique na caixa de seleção do(s) documento(s) a ser(em) retirado(s) da lista de duplicação (quando necessário);
5. Clique no botão “Duplicar”.
Dicas:
- Todos os documentos poderão ser duplicados, exceto: e-mails enviados e documentos gerados em
outras unidades pendentes de assinatura.
ENVIO DE PROCESSO
O que é?
É uma forma de tramitar o processo para outras unidades.
Como fazer?
1. Clique no processo a ser enviado;
2. Clique no ícone
3. Preencher os campos;
4. Clique em “Enviar”.
Unidade(s) de
destino
Dicas:
- No sei! o processo pode ser enviado a várias unidades, para que cada uma delas atue
simultaneamente no processo.
- Um processo pode ser enviado para outra unidade e permanecer aberto na atual. Também pode ser
enviado para várias unidades concomitantemente. Desse modo, é possível a edição e verificação de
atualizações em mais de uma unidade ao mesmo tempo.
Sinaliza ao destinatário a data em que
processo precisa ser devolvido
RECEBIMENTO DE PROCESSO
Como ocorre?
Os processos recebidos aparecem na tela de Controle de Processos (Tela Inicial). O recebimento ocorre quando o
usuário clica sobre o registro que aparece em vermelho. O SEI registra automaticamente no andamento do
processo a hora, a unidade e o login do usuário que recebeu o processo.
O recebimento não pode ser desfeito.
Como fazer?
1. Na tela inicial, clique no registro (número do processo) em vermelho.
RETORNO PROGRAMADO
O que é?
É uma ferramenta que permite informar aos destinatários de um processo o prazo para resposta à demanda. É
muito útil para o controle de prazos para demandas urgentes, prazos legais ou regimentais sobre as demandas ou
prazos definidos por autoridades externas ao Órgão.
Como fazer?
1. No Menu, clique em Retorno Programado.
Dicas:
- O ícone fica visível para as unidades de destino do processo. Aos passar o cursor, ele mostra a data
de retorno e a unidade que o definiu.
- Se o ícone estiver amarelo, ainda está no prazo. Caso o ícone fique vermelho, indica que o prazo está
vencido.
- No calendário, há opção “Ver todo o mês” que mostra os Processos a serem devolvidos pela área e os
processos aguardando retorno de outras unidades.
- Para o cumprimento do prazo, a unidade destinatária deve enviar o processo para a unidade demandante
do retorno.
COMO GERAR PDF DE PROCESSO
O que é?
É a possibilidade de converter um processo em um arquivo em formato PDF. O usuário tem a opção de gerar todos
os documentos possíveis ou de selecionar os documentos que deseja converter.
Como fazer?
1. Clique no número do processo;
2. Clique no ícone
3. Selecione os documentos desejados;
4. Clique no botão “Gerar”.
Dicas:
- Todos os documentos possíveis de conversão estão com a caixa marcada.
- Documentos cancelados e minutas de documentos de outras unidades não serão convertidos.
- Acesse o arquivo gerado na pasta de Downloads do seu computador.
- O nome do arquivo PDF será formado por SEI + número do processo.
ATRIBUIÇÃO DE PROCESSO
O que é?
É a possibilidade de atribuição do processo para um usuário específico dentro da unidade, ainda que isso não
impeça a edição por outro usuário da mesma unidade.
Como fazer?
1. Clique na caixa do processo a ser atribuído;
2. Clique no ícone
3. Clique no nome do usuário a quem será atribuído;
4. Clique no Botão “Salvar”.
Dicas:
- Será exibida a relação dos usuários vinculadas à unidade.
- O(s) processo(s) atribuído(s) a uma pessoa aparece(m) com o seu login ao lado do número do processo.
- Ao clicar em “Ver processos atribuídos a mim” aparecerá apenas os processos atribuídos ao usuário
logado. Para voltar a tela anterior, clique em “Ver todos os processos”
ANOTAÇÃO EM PROCESSO
O que é?
São informações de livre preenchimento, que podem ser inseridas em um ou mais processo ao mesmo tempo.
Como fazer?
1. Clique na caixa do(s) processo(s) desejado(s) ;
2. Clique no ícone
3. Digite o texto da anotação;
4. Clique no Botão “Salvar”.
Dicas:
- Só é possível inserir uma anotação por processo.
- Caso queira inserir mais de uma informação, deverá fazer em tópicos.
CONCLUSÃO DE PROCESSO
O que é?
Equivale ao ato de encerrar o processo.
Como fazer?
1. Clique no processo;
2. Clique em
Dicas:
- Caso o processo esteja aberto em mais de uma unidade, encerra as atividades somente na unidade.
- Uma vez que todas as providências possíveis tenham sido tomadas por todas as unidades competentes e
o processo tenha atingido seus objetivos, chega o momento de encerrá-lo.
- O processo concluído não mais será exibido da tela principal de controle de processos.
REABERTURA DE PROCESSO
O que é?
É o ato de colocar o processo novamente na posse da unidade.
Como fazer?
1. Clique em
Dicas:
- Somente é possível reabrir um processo que já tenha passado pela unidade em que a operação é
efetuada.
- Após reaberto, o processo é atribuído automaticamente para o usuário que efetuou a operação.
HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES
O que é?
É uma forma de verificar o histórico de modificações e movimentações do processo no SEI. Nele é possível verificar
a natureza da modificação, a data e a hora da ocorrência, bem como a unidade e o usuário responsável por ela.
Como fazer?
1. Clique no número do processo;
2. Clique em “Consultar Andamento”;
3. Caso seja necessário, acrescentar informações no histórico, clique no botão atualizar andamento;
4. E após digitar a descrição desejada, clique em “Salvar”.
Dicas:
- Serão exibidas informações, como, por exemplo: criação e conclusão do processo, movimentações, acesso
externo e registros manuais inseridos pelo usuário.
- Este registro integrará o histórico permanentemente, porém não fará parte do conteúdo do processo na
forma de documento.
ACOMPANHAMENTO ESPECIAL
O que é?
É uma ferramenta que permite que um processo público ou restrito que já tenha tramitado pela unidade
permaneça sempre visível para a unidade, possibilitando a verificação de trâmites posteriores e atualizações.
Como fazer?
1. Clique no número do processo;
2. Clique no ícone
3. Clique em “Novo Grupo”;
4. Digite o nome do grupo a ser criado;
5. Clique em “Salvar”;
6. Se o grupo já existe, clique na caixa de seleção;
7. Seleciona o grupo desejado;
8. Clique em “Salvar”;
9. Para gerenciamento da funcionalidade, no Menu, clique em “Acompanhamento Especial”.
Dicas:
- Mesmo o processo sendo concluído na Unidade, ainda será visualizado ao se clicar no link do processo.
- Os grupos serão visualizados somente pela Unidade que o criou.
- Cada processo pode ser incluído em apenas um grupo de Acompanhamento Especial.
- O ícone ao lado do número do processo indica que ele está registrado em um grupo de acompanhamento
especial.
Teste de Conhecimento
1) Escolha o botão que representa o “incluir documento”
a) b) c) d)
2) Escolha o botão que representa o “enviar processo”:
a) b) c) d)
Questão extra
3) Assinale a alternativa incorreta:
a. Retorno programado é uma ferramenta que permite informar aos destinatários de um processo o
prazo para resposta à demanda.
b. No histórico de modificações é possível verificar a natureza da modificação, a data e a hora da
ocorrência, entretanto, não permite identificar a unidade e o usuário responsável por ela.
c. Anotações em processos são informações de livre preenchimento, que podem ser inseridas em um
ou mais processo ao mesmo tempo.
d. Acompanhamento especial é uma ferramenta que permite que um processo público ou restrito que
já tenha tramitado pela unidade permaneça sempre visível para esta, possibilitando a verificação de
trâmites posteriores e atualizações.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exercicios de computador e computação
Exercicios de computador e computaçãoExercicios de computador e computação
Exercicios de computador e computação
gastaovalle
 
Trello
TrelloTrello
PlANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL Rorainópolis-RR
PlANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL Rorainópolis-RRPlANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL Rorainópolis-RR
PlANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL Rorainópolis-RR
Daniel Mota
 
Exercícios - Tutorial ETL com Pentaho Data Integration
Exercícios - Tutorial ETL com Pentaho Data IntegrationExercícios - Tutorial ETL com Pentaho Data Integration
Exercícios - Tutorial ETL com Pentaho Data Integration
Jarley Nóbrega
 
O que DIET e o que é LIGHT?
O que DIET  e o que é  LIGHT?O que DIET  e o que é  LIGHT?
O que DIET e o que é LIGHT?
Marcelo Paiva
 
Aula 5 manipulacao de arquivos e pastas
Aula 5   manipulacao de arquivos e pastasAula 5   manipulacao de arquivos e pastas
Aula 5 manipulacao de arquivos e pastas
Alexandre Juliano da Silva
 
Ficha de excel
Ficha de excelFicha de excel
Ficha de excel
PaulaMartins927111
 
nutricao.pptx
nutricao.pptxnutricao.pptx
nutricao.pptx
Lu Galdino
 
Banco de Dados - Transações e Controle de Concorrência
Banco de Dados - Transações e Controle de ConcorrênciaBanco de Dados - Transações e Controle de Concorrência
Banco de Dados - Transações e Controle de Concorrência
Juliano Padilha
 
Atalhos de teclado gerais
Atalhos de teclado geraisAtalhos de teclado gerais
Atalhos de teclado gerais
cleitonferreiraa
 
Caracteristicas da Usabilidade
Caracteristicas da UsabilidadeCaracteristicas da Usabilidade
Caracteristicas da Usabilidade
Fernando Vargas
 
Capítulo 04 - Persistência de dados com SQLite
Capítulo 04 - Persistência de dados com SQLiteCapítulo 04 - Persistência de dados com SQLite
Capítulo 04 - Persistência de dados com SQLite
Marcio Palheta
 
Prova de Internet Básica
Prova de Internet BásicaProva de Internet Básica
Prova de Internet Básica
jjailsonsilvaaa
 

Mais procurados (13)

Exercicios de computador e computação
Exercicios de computador e computaçãoExercicios de computador e computação
Exercicios de computador e computação
 
Trello
TrelloTrello
Trello
 
PlANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL Rorainópolis-RR
PlANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL Rorainópolis-RRPlANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL Rorainópolis-RR
PlANEJAMENTO ESTRATEGICO SITUACIONAL Rorainópolis-RR
 
Exercícios - Tutorial ETL com Pentaho Data Integration
Exercícios - Tutorial ETL com Pentaho Data IntegrationExercícios - Tutorial ETL com Pentaho Data Integration
Exercícios - Tutorial ETL com Pentaho Data Integration
 
O que DIET e o que é LIGHT?
O que DIET  e o que é  LIGHT?O que DIET  e o que é  LIGHT?
O que DIET e o que é LIGHT?
 
Aula 5 manipulacao de arquivos e pastas
Aula 5   manipulacao de arquivos e pastasAula 5   manipulacao de arquivos e pastas
Aula 5 manipulacao de arquivos e pastas
 
Ficha de excel
Ficha de excelFicha de excel
Ficha de excel
 
nutricao.pptx
nutricao.pptxnutricao.pptx
nutricao.pptx
 
Banco de Dados - Transações e Controle de Concorrência
Banco de Dados - Transações e Controle de ConcorrênciaBanco de Dados - Transações e Controle de Concorrência
Banco de Dados - Transações e Controle de Concorrência
 
Atalhos de teclado gerais
Atalhos de teclado geraisAtalhos de teclado gerais
Atalhos de teclado gerais
 
Caracteristicas da Usabilidade
Caracteristicas da UsabilidadeCaracteristicas da Usabilidade
Caracteristicas da Usabilidade
 
Capítulo 04 - Persistência de dados com SQLite
Capítulo 04 - Persistência de dados com SQLiteCapítulo 04 - Persistência de dados com SQLite
Capítulo 04 - Persistência de dados com SQLite
 
Prova de Internet Básica
Prova de Internet BásicaProva de Internet Básica
Prova de Internet Básica
 

Semelhante a Aula 2

Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 5
Aula 5Aula 5
CURSO SIGADOC.pdf
CURSO SIGADOC.pdfCURSO SIGADOC.pdf
CURSO SIGADOC.pdf
TaseMariaAniczio
 
MV Soul Sistema Estratégico - Módulo de Documentos e Projetos
MV Soul Sistema Estratégico - Módulo de Documentos e ProjetosMV Soul Sistema Estratégico - Módulo de Documentos e Projetos
MV Soul Sistema Estratégico - Módulo de Documentos e Projetos
Marco Lamim
 
Desatando os nós
Desatando os nósDesatando os nós
Desatando os nós
Ademir Do Vale
 
SEI | Procedimento Operacional Padrão
SEI | Procedimento Operacional PadrãoSEI | Procedimento Operacional Padrão
SEI | Procedimento Operacional Padrão
Colaborativismo
 
Curso sei v2.6
Curso sei v2.6Curso sei v2.6
Curso sei v2.6
samyalbuquerque
 
Manual Peticionamento e-CNJ
Manual Peticionamento e-CNJ Manual Peticionamento e-CNJ
Manual Peticionamento e-CNJ
Ana Amelia Menna Barreto
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Manual de extensões do sei
Manual de extensões do seiManual de extensões do sei
Manual de extensões do sei
Colaborativismo
 
manual_sei_ufop_solicitacao_de_alteracao_projeto_convenio_acordo_e_similar_-_...
manual_sei_ufop_solicitacao_de_alteracao_projeto_convenio_acordo_e_similar_-_...manual_sei_ufop_solicitacao_de_alteracao_projeto_convenio_acordo_e_similar_-_...
manual_sei_ufop_solicitacao_de_alteracao_projeto_convenio_acordo_e_similar_-_...
thiago barbosa da silva
 
Gestão da Tecnologia da Informação (21/05/2013)
Gestão da Tecnologia da Informação (21/05/2013)Gestão da Tecnologia da Informação (21/05/2013)
Gestão da Tecnologia da Informação (21/05/2013)
Alessandro Almeida
 
Tutorial Sind-UTE MG Teófilo Otoni: Acompanhamento online de processos - TJMG
Tutorial Sind-UTE MG Teófilo Otoni: Acompanhamento online de processos - TJMGTutorial Sind-UTE MG Teófilo Otoni: Acompanhamento online de processos - TJMG
Tutorial Sind-UTE MG Teófilo Otoni: Acompanhamento online de processos - TJMG
SinduteTO
 
Fundamentos de Teste de Software - Dev in PF. por Aline Zanin
Fundamentos de Teste de Software - Dev in PF. por Aline ZaninFundamentos de Teste de Software - Dev in PF. por Aline Zanin
Fundamentos de Teste de Software - Dev in PF. por Aline Zanin
DevInPF
 
C:\Fakepath\Manual Antivirus
C:\Fakepath\Manual AntivirusC:\Fakepath\Manual Antivirus
C:\Fakepath\Manual Antivirus
Planilhao
 
Mapeamento de processos para automacao
Mapeamento de processos para automacaoMapeamento de processos para automacao
Mapeamento de processos para automacao
Maurício Ribeiro
 
Resumo para Modelagem/Mapeamento de Processos de Negócios
Resumo para Modelagem/Mapeamento de Processos de NegóciosResumo para Modelagem/Mapeamento de Processos de Negócios
Resumo para Modelagem/Mapeamento de Processos de Negócios
CompanyWeb
 
Ciclo de vida de testes implementado
Ciclo de vida de testes implementadoCiclo de vida de testes implementado
Ciclo de vida de testes implementado
TestRock!
 
Cópia de manual da plataforma oficial - para clientes finais
Cópia de manual da plataforma   oficial - para clientes finaisCópia de manual da plataforma   oficial - para clientes finais
Cópia de manual da plataforma oficial - para clientes finais
SimoneBrito43
 

Semelhante a Aula 2 (20)

Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Aula 4
Aula 4Aula 4
Aula 4
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
CURSO SIGADOC.pdf
CURSO SIGADOC.pdfCURSO SIGADOC.pdf
CURSO SIGADOC.pdf
 
MV Soul Sistema Estratégico - Módulo de Documentos e Projetos
MV Soul Sistema Estratégico - Módulo de Documentos e ProjetosMV Soul Sistema Estratégico - Módulo de Documentos e Projetos
MV Soul Sistema Estratégico - Módulo de Documentos e Projetos
 
Desatando os nós
Desatando os nósDesatando os nós
Desatando os nós
 
SEI | Procedimento Operacional Padrão
SEI | Procedimento Operacional PadrãoSEI | Procedimento Operacional Padrão
SEI | Procedimento Operacional Padrão
 
Curso sei v2.6
Curso sei v2.6Curso sei v2.6
Curso sei v2.6
 
Manual Peticionamento e-CNJ
Manual Peticionamento e-CNJ Manual Peticionamento e-CNJ
Manual Peticionamento e-CNJ
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Manual de extensões do sei
Manual de extensões do seiManual de extensões do sei
Manual de extensões do sei
 
manual_sei_ufop_solicitacao_de_alteracao_projeto_convenio_acordo_e_similar_-_...
manual_sei_ufop_solicitacao_de_alteracao_projeto_convenio_acordo_e_similar_-_...manual_sei_ufop_solicitacao_de_alteracao_projeto_convenio_acordo_e_similar_-_...
manual_sei_ufop_solicitacao_de_alteracao_projeto_convenio_acordo_e_similar_-_...
 
Gestão da Tecnologia da Informação (21/05/2013)
Gestão da Tecnologia da Informação (21/05/2013)Gestão da Tecnologia da Informação (21/05/2013)
Gestão da Tecnologia da Informação (21/05/2013)
 
Tutorial Sind-UTE MG Teófilo Otoni: Acompanhamento online de processos - TJMG
Tutorial Sind-UTE MG Teófilo Otoni: Acompanhamento online de processos - TJMGTutorial Sind-UTE MG Teófilo Otoni: Acompanhamento online de processos - TJMG
Tutorial Sind-UTE MG Teófilo Otoni: Acompanhamento online de processos - TJMG
 
Fundamentos de Teste de Software - Dev in PF. por Aline Zanin
Fundamentos de Teste de Software - Dev in PF. por Aline ZaninFundamentos de Teste de Software - Dev in PF. por Aline Zanin
Fundamentos de Teste de Software - Dev in PF. por Aline Zanin
 
C:\Fakepath\Manual Antivirus
C:\Fakepath\Manual AntivirusC:\Fakepath\Manual Antivirus
C:\Fakepath\Manual Antivirus
 
Mapeamento de processos para automacao
Mapeamento de processos para automacaoMapeamento de processos para automacao
Mapeamento de processos para automacao
 
Resumo para Modelagem/Mapeamento de Processos de Negócios
Resumo para Modelagem/Mapeamento de Processos de NegóciosResumo para Modelagem/Mapeamento de Processos de Negócios
Resumo para Modelagem/Mapeamento de Processos de Negócios
 
Ciclo de vida de testes implementado
Ciclo de vida de testes implementadoCiclo de vida de testes implementado
Ciclo de vida de testes implementado
 
Cópia de manual da plataforma oficial - para clientes finais
Cópia de manual da plataforma   oficial - para clientes finaisCópia de manual da plataforma   oficial - para clientes finais
Cópia de manual da plataforma oficial - para clientes finais
 

Mais de sedis-suporte

C1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinais
C1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinaisC1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinais
C1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinais
sedis-suporte
 
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicosC1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
sedis-suporte
 
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetalC1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
sedis-suporte
 
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinaisC1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
sedis-suporte
 
C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinaisC1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais
sedis-suporte
 
C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais
C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinaisC1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais
C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais
sedis-suporte
 
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografiasC1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
sedis-suporte
 
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_geneticoC1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
sedis-suporte
 
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologiaC1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
sedis-suporte
 
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
sedis-suporte
 
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
sedis-suporte
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacao
Aula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacaoAula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacao
Aula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacao
sedis-suporte
 
Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017
Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017
Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017
sedis-suporte
 
Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017
Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017
Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017
sedis-suporte
 
A dengue no organismo humano
A dengue no organismo humanoA dengue no organismo humano
A dengue no organismo humano
sedis-suporte
 
Exercer uma paternidade ativa e consciente
Exercer uma paternidade ativa e conscienteExercer uma paternidade ativa e consciente
Exercer uma paternidade ativa e consciente
sedis-suporte
 
Zika virus validacao_avasus
Zika virus validacao_avasusZika virus validacao_avasus
Zika virus validacao_avasus
sedis-suporte
 

Mais de sedis-suporte (20)

C1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinais
C1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinaisC1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinais
C1 e3 ppt_validacao_cientifica_de_plantas_medicinais
 
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicosC1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
C1 e3 ppt_producao_de_medicamentos_fitoterapicos
 
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetalC1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
C1 e3 ppt_preparacao_da_droga_vegetal
 
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinaisC1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
 
C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinaisC1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_aspectos_botanicos_de_plantas_medicinais
 
C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais
C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinaisC1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais
C1 e6 ppt_diretrizes_para_a_insercao_de_plantas_medicinais
 
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografiasC1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
C1 e6 ppt_a_renisus_e_o_processo_de_elaboracao_de_suas_monografias
 
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_geneticoC1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
C1 e5 ppt_legislacao_de_acesso_ao_patrimonio_genetico
 
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologiaC1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
C1 e4 ppt_introducao_a_farmacologia
 
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
C1 e1 ppt_emprego_de_plantas_medicinais (1)
 
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
C1 e1 ppt_introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais (3)
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacao
Aula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacaoAula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacao
Aula 2 -_modulo_3_-_caracterizacao_demografica_da_populacao
 
Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017
Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017
Ppt etapa 1 emprego_de_plantas_medicinais_nos_sistemas_medicos_v16_10042017
 
Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017
Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017
Ppt etapa 1 introducao_ao_estudo_de_plantas_medicinais_v14_10042017
 
A dengue no organismo humano
A dengue no organismo humanoA dengue no organismo humano
A dengue no organismo humano
 
Exercer uma paternidade ativa e consciente
Exercer uma paternidade ativa e conscienteExercer uma paternidade ativa e consciente
Exercer uma paternidade ativa e consciente
 
Zika virus validacao_avasus
Zika virus validacao_avasusZika virus validacao_avasus
Zika virus validacao_avasus
 

Último

Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 

Último (20)

Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 

Aula 2

  • 1. Unidade 2 Funcionalidades básicas de operação do sistema e de trabalho com processos. Aula 1: • Título: Iniciando o sistema • Carga horária prevista: 1h (uma hora) • Recursos Educacionais: Aulas apresentadas em slides. Aula 2: • Título: Operações com processos • Carga horária prevista: 1,5h (uma hora e meia) • Recursos Educacionais: Aulas apresentadas em slides.
  • 2. ACESSANDO O SISTEMA Como fazer? 1. Digite no navegador (Mozilla Firefox ou Chrome) o endereço: sei.saude.gov.br/sei; 2. Digite seu login (e-mail, sem o @saúde.gov.br) e a senha; 3. Clique no botão “Acessar”.
  • 3. BARRA DE FERRAMENTAS / TELA INICIAL Lista de vídeos com passo a passo Exibe ou oculta o menu principal (lateral) Pesquisa rápida pelo número ou qualquer termo Controle de processos Novidades Nome do usuário Configurações Sair Barra de Ferramentas
  • 4. PESQUISA O que é? É uma ferramenta para pesquisar informações em todo o SEI, inclusive o conteúdo de processos e documentos (internos e externos). Como fazer? - Pesquisa Simples 1. Clique no campo; 2. Digite o termo a ser pesquisado; 3. Pressione a teclar ENTER. - Pesquisa Avançada 1. No Menu, clique em “Pesquisa”; 2. Digite os campos desejados; 3. Clique em “Pesquisar” Dicas: - Documentos externos, para serem pesquisáveis, devem passar pelo processo de Reconhecimento Óptico de Caracteres (OCR) após a digitalização. - Quando o resultado da pesquisa trouxer apenas um documento, este será aberto automaticamente. - A tela de pesquisa avançada apresenta vários campos em que podem ser inseridos parâmetros para a pesquisa. Quanto mais parâmetros são informados ao sistema, mais refinado será o resultado. - Clique no ícone para abrir o documento desejado. - No caso de processos de acesso restrito, seus documentos serão exibidos somente para usuários de unidades previamente habilitadas para visualização.
  • 5. ESTATÍSTICA O que é? É uma ferramenta que oferece a possibilidade de visualizar Estatística da Unidade e de Desempenho de Processos. Os resultados são gerados em tempo real, sempre atualizados, com quadros e gráficos. Como fazer? - Verificar Estatística dos Processos por unidade 1. No Menu, selecione Estatística > Unidade; 2. Escolha o intervalo desejado; 3. Clique em “Pesquisar”. - Verificar Estatística por Tipo de Processo 1. No Menu, selecione Estatística > Desempenho de Processos; 2. Selecione o Órgão e o Tipo de Processo desejado; 3. Escolha o intervalo desejado; 4. Clique em “Pesquisar”. Dicas: - As estatísticas da Unidade são apresentadas em formatos de tabela, sempre acompanhadas de um gráfico correspondente. - Clique nos dados ou no gráfico para visualizar seu detalhamento. - Para verificar mais detalhes sobre o resultado, clique nos resultados das colunas Quantidade ou Tempo Médio, apresentados em azul.
  • 6. INICIAR / AUTUAR PROCESSO Como começa? Todo processo é criado inicialmente sem documentos, como uma “pasta vazia”. No sei!, qualquer unidade pode iniciar um processo. Não é mais necessário encaminhar os documentos ao setor de autuação. Como fazer? 1. Clique em iniciar processo (menu lateral esquerdo); 2. Escolha o tipo de processo e preencha os campos; 3. Clique em “Salvar”. Elementos identificadores do processo. Palavra-chave Pessoa física, pessoa jurídica ou unidades do Ministério Resumo do processo Sigiloso: Ministros de Estado funções de direção, comando ou chefia, nível DAS 101.5, ou superior Restrito: motivar legalmente. Visualizável pelos usuários por onde o processo tramitar. Público: Visualizável por todos os usuários do órgão.
  • 7. INCLUIR UM PROCESSO EXISTENTE O que é? Inclusão no sistema de um processo que já possui o Número Único de Processo (NUP). O processo deverá ser digitalizado e incluído no SEI! Como fazer? 1. Clique em iniciar processo (menu lateral esquerdo); 2. Escolha o tipo de processo; 3. Preencha os campos e clique em salvar (selecione a opção protocolo “informado”); 4. Após criar o processo, clique em 5. Selecione o tipo de documento “externo”; 6. Preencha os campos; 7. Insira o arquivo do processo digitalizado e confirme os dados. Informe o número (NUP) completo do processo a ser cadastrado (incluindo o dígito verificador). Dicas: - Faça um PDF para cada volume, selecionando “Volume de Processo” como tipo de documento e identifique no campo “Número/Nome da Árvore” o número do volume.
  • 8. EXCLUSÃO DE PROCESSO O que é? É a ação que permite a exclusão de processos abertos indevidamente pela unidade. Como fazer? 1. Clique sobre o número do processo desejado; 2. Clique no ícone 3. Clique no botão “OK” Dicas: - O processo não poderá estar aberto em outra unidade, além da geradora: o simples envio impossibilita a exclusão. - O processo não poderá conter documentos. - O processo possui documentos externos e/ou gerados no sistemas que podem ser excluídos: permite que sejam efetuadas as exclusões de todos os documentos e depois a do processo. - Processos excluídos não são recuperados pela funcionalidade de pesquisa ou pelo menu “Estatística da Unidade”.
  • 9. BARRA DE FERRAMENTAS DO PROCESSO Incluir documento Iniciar processo relacionado Consultar/alterar processo Acompanhamento especial Ciência Enviar processo Atualizar andamento Atribuir processo Duplicar processo Enviar correspondência eletrônica Relacionamentos do processo Incluir em bloco Disponibilizações de acesso externo Sobrestar processo Anexar processo Anotações Gerar arquivo PDF Gerar arquivo ZIP Concluir processo Controle de processos
  • 10. RELACIONAMENTO DE PROCESSOS O que é? É uma ferramenta utilizada para agrupar processos que possuam alguma ligação entre si (por exemplo, informações complementares), porém, autônomos. Como fazer? 1. Clique sobre o número do processo desejado; 2. Clique no ícone 3. No campo “Processo Destino”, digite o número completo do processo a ser relacionado; 4. Clique no botão “Pesquisar”; 5. Após o sistema confirmar a existência do processo, clique em “Adicionar”, Para remover o relacionamento: 1. Clique sobre o número do processo 2. Clique no ícone 3. Clique no número do processo do qual deseja remover o relacionamento 4. Clique no botão “OK” Dicas: - Não há hierarquia entre processos relacionados. Um processo não passa a fazer parte do outro e o vínculo pode ser desfeito a qualquer tempo; - É possível relacionar vários processos em sequência, inserindo número após número.
  • 11. ANEXAÇÃO DE PROCESSOS O que é? É uma ferramenta que permite juntar de maneira permanente processos do mesmo tipo, uma vez verificado que as informações devem ou podem estar agregadas em um processo único. O processo mais novo é anexado ao processo mais antigo, de modo que o mais novo passa a compor a árvore de documentos do mais antigo. Como fazer? 1. Clique no número do processo principal; 2. Clique no botão 3. Digite o número do processo que será anexado; 4. Clique em “Pesquisar”; 5. Após o sistema confirmar a existência do processo, clique em “Adicionar”. Dicas: - Uma vez anexado o processo acessório, não será mais possível inserir documentos nele. - O processo a ser anexado deve estar aberto somente na unidade que efetuará a operação e não pode ter processos anexos a ele.
  • 12. SOBRESTAMENTO DE PROCESSOS O que é? É uma forma de fazer com que a contagem do tempo do processo fique suspensa, até que seja retirado o sobrestamento. Esse procedimento deve ser utilizado apenas quando houver determinação formal para interrupção do trâmite do processo, seja dentro do próprio processo ou a partir de outro processo. Como fazer? 1. Clique no número do processo; 2. Clique no ícone 3. Se o motivo do sobrestamento do processo estiver no próprio processo, clique na caixa de seleção; 4. Digite o Motivo e clique em “Salvar”; 6. Se o motivo do sobrestamento estiver em outro processo, clique na caixa de seleção; 7. Digite o número completo do processo no campo “Processo para Vinculação”; 8. Clique em “Pesquisar”. Para remover o sobrestamento 1. No Menu principal, clique em “Processos Sobrestados” 2. Clique no ícone Dicas: - O processo não poderá: estar aberto em outras unidades; ser enviado para outras unidades; receber novos documentos; ser anexado a outro processo. - Os processos sobrestados desaparecem da tela inicial de Controle de Processos.
  • 13. DUPLICAÇÃO DE PROCESSOS O que é? É uma maneira de gerar um novo processo a partir de um processo já existente, copiando sua indexação, estrutura e o modelo dos documentos que o compõem. Como fazer? 1. Clique no processo a ser duplicado; 2. Clique no ícone 3. Digite o nome do interessado; 4. Clique na caixa de seleção do(s) documento(s) a ser(em) retirado(s) da lista de duplicação (quando necessário); 5. Clique no botão “Duplicar”. Dicas: - Todos os documentos poderão ser duplicados, exceto: e-mails enviados e documentos gerados em outras unidades pendentes de assinatura.
  • 14. ENVIO DE PROCESSO O que é? É uma forma de tramitar o processo para outras unidades. Como fazer? 1. Clique no processo a ser enviado; 2. Clique no ícone 3. Preencher os campos; 4. Clique em “Enviar”. Unidade(s) de destino Dicas: - No sei! o processo pode ser enviado a várias unidades, para que cada uma delas atue simultaneamente no processo. - Um processo pode ser enviado para outra unidade e permanecer aberto na atual. Também pode ser enviado para várias unidades concomitantemente. Desse modo, é possível a edição e verificação de atualizações em mais de uma unidade ao mesmo tempo. Sinaliza ao destinatário a data em que processo precisa ser devolvido
  • 15. RECEBIMENTO DE PROCESSO Como ocorre? Os processos recebidos aparecem na tela de Controle de Processos (Tela Inicial). O recebimento ocorre quando o usuário clica sobre o registro que aparece em vermelho. O SEI registra automaticamente no andamento do processo a hora, a unidade e o login do usuário que recebeu o processo. O recebimento não pode ser desfeito. Como fazer? 1. Na tela inicial, clique no registro (número do processo) em vermelho.
  • 16. RETORNO PROGRAMADO O que é? É uma ferramenta que permite informar aos destinatários de um processo o prazo para resposta à demanda. É muito útil para o controle de prazos para demandas urgentes, prazos legais ou regimentais sobre as demandas ou prazos definidos por autoridades externas ao Órgão. Como fazer? 1. No Menu, clique em Retorno Programado. Dicas: - O ícone fica visível para as unidades de destino do processo. Aos passar o cursor, ele mostra a data de retorno e a unidade que o definiu. - Se o ícone estiver amarelo, ainda está no prazo. Caso o ícone fique vermelho, indica que o prazo está vencido. - No calendário, há opção “Ver todo o mês” que mostra os Processos a serem devolvidos pela área e os processos aguardando retorno de outras unidades. - Para o cumprimento do prazo, a unidade destinatária deve enviar o processo para a unidade demandante do retorno.
  • 17. COMO GERAR PDF DE PROCESSO O que é? É a possibilidade de converter um processo em um arquivo em formato PDF. O usuário tem a opção de gerar todos os documentos possíveis ou de selecionar os documentos que deseja converter. Como fazer? 1. Clique no número do processo; 2. Clique no ícone 3. Selecione os documentos desejados; 4. Clique no botão “Gerar”. Dicas: - Todos os documentos possíveis de conversão estão com a caixa marcada. - Documentos cancelados e minutas de documentos de outras unidades não serão convertidos. - Acesse o arquivo gerado na pasta de Downloads do seu computador. - O nome do arquivo PDF será formado por SEI + número do processo.
  • 18. ATRIBUIÇÃO DE PROCESSO O que é? É a possibilidade de atribuição do processo para um usuário específico dentro da unidade, ainda que isso não impeça a edição por outro usuário da mesma unidade. Como fazer? 1. Clique na caixa do processo a ser atribuído; 2. Clique no ícone 3. Clique no nome do usuário a quem será atribuído; 4. Clique no Botão “Salvar”. Dicas: - Será exibida a relação dos usuários vinculadas à unidade. - O(s) processo(s) atribuído(s) a uma pessoa aparece(m) com o seu login ao lado do número do processo. - Ao clicar em “Ver processos atribuídos a mim” aparecerá apenas os processos atribuídos ao usuário logado. Para voltar a tela anterior, clique em “Ver todos os processos”
  • 19. ANOTAÇÃO EM PROCESSO O que é? São informações de livre preenchimento, que podem ser inseridas em um ou mais processo ao mesmo tempo. Como fazer? 1. Clique na caixa do(s) processo(s) desejado(s) ; 2. Clique no ícone 3. Digite o texto da anotação; 4. Clique no Botão “Salvar”. Dicas: - Só é possível inserir uma anotação por processo. - Caso queira inserir mais de uma informação, deverá fazer em tópicos.
  • 20. CONCLUSÃO DE PROCESSO O que é? Equivale ao ato de encerrar o processo. Como fazer? 1. Clique no processo; 2. Clique em Dicas: - Caso o processo esteja aberto em mais de uma unidade, encerra as atividades somente na unidade. - Uma vez que todas as providências possíveis tenham sido tomadas por todas as unidades competentes e o processo tenha atingido seus objetivos, chega o momento de encerrá-lo. - O processo concluído não mais será exibido da tela principal de controle de processos.
  • 21. REABERTURA DE PROCESSO O que é? É o ato de colocar o processo novamente na posse da unidade. Como fazer? 1. Clique em Dicas: - Somente é possível reabrir um processo que já tenha passado pela unidade em que a operação é efetuada. - Após reaberto, o processo é atribuído automaticamente para o usuário que efetuou a operação.
  • 22. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES O que é? É uma forma de verificar o histórico de modificações e movimentações do processo no SEI. Nele é possível verificar a natureza da modificação, a data e a hora da ocorrência, bem como a unidade e o usuário responsável por ela. Como fazer? 1. Clique no número do processo; 2. Clique em “Consultar Andamento”; 3. Caso seja necessário, acrescentar informações no histórico, clique no botão atualizar andamento; 4. E após digitar a descrição desejada, clique em “Salvar”. Dicas: - Serão exibidas informações, como, por exemplo: criação e conclusão do processo, movimentações, acesso externo e registros manuais inseridos pelo usuário. - Este registro integrará o histórico permanentemente, porém não fará parte do conteúdo do processo na forma de documento.
  • 23. ACOMPANHAMENTO ESPECIAL O que é? É uma ferramenta que permite que um processo público ou restrito que já tenha tramitado pela unidade permaneça sempre visível para a unidade, possibilitando a verificação de trâmites posteriores e atualizações. Como fazer? 1. Clique no número do processo; 2. Clique no ícone 3. Clique em “Novo Grupo”; 4. Digite o nome do grupo a ser criado; 5. Clique em “Salvar”; 6. Se o grupo já existe, clique na caixa de seleção; 7. Seleciona o grupo desejado; 8. Clique em “Salvar”; 9. Para gerenciamento da funcionalidade, no Menu, clique em “Acompanhamento Especial”. Dicas: - Mesmo o processo sendo concluído na Unidade, ainda será visualizado ao se clicar no link do processo. - Os grupos serão visualizados somente pela Unidade que o criou. - Cada processo pode ser incluído em apenas um grupo de Acompanhamento Especial. - O ícone ao lado do número do processo indica que ele está registrado em um grupo de acompanhamento especial.
  • 24. Teste de Conhecimento 1) Escolha o botão que representa o “incluir documento” a) b) c) d) 2) Escolha o botão que representa o “enviar processo”: a) b) c) d) Questão extra 3) Assinale a alternativa incorreta: a. Retorno programado é uma ferramenta que permite informar aos destinatários de um processo o prazo para resposta à demanda. b. No histórico de modificações é possível verificar a natureza da modificação, a data e a hora da ocorrência, entretanto, não permite identificar a unidade e o usuário responsável por ela. c. Anotações em processos são informações de livre preenchimento, que podem ser inseridas em um ou mais processo ao mesmo tempo. d. Acompanhamento especial é uma ferramenta que permite que um processo público ou restrito que já tenha tramitado pela unidade permaneça sempre visível para esta, possibilitando a verificação de trâmites posteriores e atualizações.