SlideShare uma empresa Scribd logo
17

AULA

Separação da equação
de Schrödinger
em coordenadas cartesianas
1. Partícula livre e caixa de
potencial tridimensional

Meta da aula

objetivos

Estudar uma partícula quântica livre e presa em uma
caixa em três dimensões.

• identificar as dificuldades para resolver a equação de Schrödinger em
três dimensões;
• reconhecer que, para alguns potenciais, chamados separáveis, a equação
de Schrödinger em três dimensões pode ser escrita na forma de três
equações de Schrödinger em uma dimensão;
• aplicar esse estudo ao caso da partícula livre em três dimensões
e de uma partícula em uma caixa.

Pré-requisito
Para melhor compreensão desta aula, é preciso que
você reveja as Aulas 4 e 7 desta disciplina.
Introdução à Mecânica Quântica | Separação da equação de Schrödinger em coordenadas
cartesianas 1. Partícula livre e caixa de potencial tridimensional

EQUAÇÃO DE SCHRÖDINGER EM TRÊS DIMENSÕES
Vimos, na Aula 4 desta disciplina, que uma partícula microscópica
(por exemplo, um elétron) tem o seu estado, em um instante de tempo t,
completamente definido por uma função complexa chamada função de
onda, indicada pelo símbolo Ψ(x, y, z, t), em que (x, y, z) são as coordenadas
espaciais cartesianas. Supondo que a partícula tenha massa m e se mova sob
a influência de uma energia potencial V(x, y, z, t), vimos que essa função
de onda satisfaz a equação de Schrödinger dependente do tempo:

ih

∂Ψ
h2  ∂ 2 Ψ ∂ 2 Ψ ∂ 2 Ψ 
+
+
=−

 + V (x, y, z, t)Ψ . (17.1)
∂t
2m  ∂ x 2 ∂ y 2 ∂ z 2 

Inicialmente, vamos generalizar esse resultado para o problema
mais geral de duas partículas, de massas m A e m B, nas posições
(xA , yA , zA) e (xB , yB , zB), respectivamente, que interagem por meio de
um potencial V(x, y, z, t) que depende apenas das coordenadas relativas,
x = xA– xB , y = yA – yB , z = zA – zB. Sabemos, do curso de Mecânica, que
esse problema se resolve por meio de uma mudança de coordenadas
para as coordenadas relativas e do centro de massa. O movimento da
coordenada do centro de massa estará sujeito à ação de forças externas.
Vamos deixá-lo de lado no momento, pois nosso foco é o estudo do
movimento da coordenada relativa.
Na coordenada relativa, o problema é equivalente ao estudo de
uma única partícula de massa µ = mA mB

( mA + mB )(a chamada massa

reduzida), que se movimenta no potencial V(x, y, z, t). Neste caso,
a Equação de Schrödinger tem a forma:

ih

∂Ψ
h2  ∂ 2 Ψ ∂ 2 Ψ ∂ 2 Ψ 
+
+ 2  + V (x, y, z, t)Ψ . (17.2)
=−

∂t
2µ  ∂ x2 ∂ y2
∂z 

Note que o caso particular de uma única partícula de massa m,
estudado pela Equação (17.1), pode também ser estudado pela Equação
(17.2). Para isso, basta fazer mA = m, mB = ∞; e, considerando que esta
última partícula está na origem de coordenadas, xB = yB = zB = 0.
No caso em que o potencial V não dependa explicitamente do tempo,
V =V(x, y, z), podemos separar a função de onda Ψ(x, y, z, t) no produto de
uma função das coordenadas ψ(x, y, z) e outra do tempo, da forma:

Ψ(x, y, z, t) = ψ(x, y, z) e− iEt / h .
84

CEDERJ

(17.3)
MÓDULO 1

17

Onde, analogamente ao caso unidimensional, E representa a energia

AULA

total do sistema. Substituindo a Equação (17.3) na Equação (17.2),
obtemos a equação de Schrödinger independente do tempo no caso
tridimensional:

−

h2
2µ

 ∂2ψ ∂2ψ ∂2ψ 
 2 + 2 + 2  + V (x, y, z) ψ (x, y, z)= E ψ (x, y, z) .
∂y
∂z 
 ∂x

(17.4)

A Equação (17.4) pode também ser escrita na forma

h2 2
∇ ψ + V (x, y, z)ψ (x, y, z) = Eψ (x, y, z) ,
2µ
em que ∇2 é o operador laplaciano.
−

ATIVIDADE
1. Verifique que a função de onda Ψ(x, y, z, t), dada pela Equação
(17.3), é solução da equação de Schrödinger dependente do
tempo, Equação (17.2), se ψ(x, y, z) for solução da equação de
Schrödinger independente do tempo, Equação (17.4).
________________________________________________________
________________________________________________________
_________________________________________________________
RESPOSTA COMENTADA

Vamos substituir a função de onda Ψ(x, y, z, t), definida pela
Equação (17.3), na Equação (17.2):

ih

∂Ψ
h2
=−
∂t
2µ

 ∂2 Ψ ∂2 Ψ ∂2 Ψ 
 2 + 2 + 2  + V (x, y, z, t)Ψ
∂y
∂z 
 ∂x

∂
h2  ∂ 2ψ ∂ 2ψ ∂ 2ψ  − iEt / h
ψ (x, y, z)e− iEt / h  = −
+ V (x, y, z, t)ψ (x, y, z)e − iEt / h
 2 + 2 + 2 e


∂t
2µ  ∂ x
∂y
∂z 
2
2
2
2
h  ∂ ψ ∂ ψ ∂ ψ  − iEt / h
Eψ (x, y, z)e − iEt / h = −
+
+
+ V (x, y, z, t)ψ (x, y, z)e − iEt / h

e
2 µ  ∂x 2 ∂y 2 ∂z 2 

ih

Eψ (x, y, z) = −

h2
2µ

 ∂ 2ψ ∂ 2ψ ∂ 2ψ 
 2 + 2 + 2  + V (x, y, z, t) ψ (x, y, z),
∂y
∂z 
 ∂x

que é precisamente a Equação (17.4), como queríamos
demonstrar.

CEDERJ

85
Introdução à Mecânica Quântica | Separação da equação de Schrödinger em coordenadas
cartesianas 1. Partícula livre e caixa de potencial tridimensional

Observamos que a equação de Schrödinger independente do
tempo, neste caso tridimensional, é uma equação em derivadas parciais de
segunda ordem, diferentemente da equação de Schrödinger independente do
tempo no caso unidimensional, que estudamos em detalhes no Módulo 2,
e que era uma equação diferencial ordinária, também de segunda ordem.
Como conseqüência disso, a solução da Equação (17.4) somente pode
ser obtida em forma explícita em alguns casos simples. Em particular, a
solução vai ser possível quando a forma do potencial permitir a utilização
do procedimento de separação de variáveis. Nesse caso, a equação de
Schrödinger tridimensional pode ser reduzida a equações mais simples em
uma dimensão. Vamos estudar, primeiramente, o caso em que a equação de
Schrödinger é separável em coordenadas cartesianas. Futuramente, veremos
casos em que essa equação é separável em coordenadas esféricas.

SEPARAÇÃO DA EQUAÇÃO DE SCHRÖDINGER EM
COORDENADAS CARTESIANAS
Vamos considerar, inicialmente, o caso em que o potencial V(x, y ,z)
pode ser escrito na seguinte forma:

V (x, y, z) = V1 (x) + V2 (y) + V3 (z) .

(17.5)

Neste caso, a equação de Schrödinger (17.4) pode ser escrita
na forma:

  h2 ∂ 2
  h2 ∂ 2
  h2 ∂ 2



−
+ V1 (x) +  −
+ V2 (y) +  −
+ V3 (z) ψ (x, y, z) =

2
2
2
2µ ∂ x
2µ ∂ y
2µ ∂ z


 
 


(17.6)

  h2 ∂ 2
  h2 ∂ 2
  h2 ∂ 2



+ V1 (x) +  −
+ V2 (y) +  −
+ V3 (z) ψ (x, y, z) = Eψ (x, y, z) .
−
2
2
2
 2µ ∂ x
  2µ ∂ y
  2µ ∂ z



A forma dessa equação sugere que procuremos soluções que sejam
produtos de três funções de uma variável,

ψ (x, y, z) = ψ 1 (x)ψ 2 (y)ψ 3 (z) .

(17.7)

Substituindo a Equação (17.7) na Equação (17.6) e dividindo os
dois lados por ψ(x, y, z), obtemos:

86

CEDERJ
2

17

MÓDULO 1


  h2 1 d 2ψ 3
d 2ψ 2

+ V2 (y) +  −
+ V3 (z)  = E .
2
2
2 µ ψ 3 dz
dy

 


AULA

  h2 1 d 2ψ 1

  h2 1 d 2ψ 2
  h2 1 d 2ψ 3


+ V1 (x) +  −
+ V2 (y) +  −
+ V3 (z)  = E
−
2
2
2
  2 µ ψ 1 dx
  2 µ ψ 2 dy
  2 µ ψ 3 dz



(17.8)

Cada uma das expressões nos colchetes é função de apenas uma
das variáveis x, y e z. Portanto, para que a soma dessas expressões
seja igual à constante E, cada uma delas deve ser uma constante, que
denominamos E1, E2, E3, respectivamente. Obtemos, então, o sistema
de três equações diferenciais ordinárias:

−

h2 d 2ψ 1
+ V1 (x)ψ 1 (x)= E1ψ 1 (x) ,
2 µ dx 2

(17.9.a)

−

h2 d 2ψ 2
+ V2 (y)ψ 2 (y)= E2ψ 2 (y) ,
2 µ dy 2

(17.9.b)

h2 d 2ψ 3
+ V3 (z)ψ 3 (z)= E3ψ 3 (z) ,
2 µ dz 2

(17.9.c)

−

com a condição adicional

E1 + E2 + E3 = E .

(17.9.d)

Cada uma das equações (17.9.a.b.c) tem a forma da equação
de Schrödinger unidimensional, que estudamos no Módulo 2. Vemos,
portanto, que no caso do potencial ser separável (na forma indicada pela
Equação (17.5)), a solução da equação de Schrödinger tridimensional
pode ser expressa em termos dos resultados conhecidos para as soluções
da equação de Schrödinger unidimensional. A seguir, vamos considerar
os seguintes exemplos: o estudo da partícula livre em três dimensões, de
uma partícula em uma caixa de potencial em três dimensões e, finalmente,
do oscilador harmônico tridimensional. Nesta aula, consideraremos
apenas os dois primeiros desses sistemas, deixando o estudo do oscilador
harmônico para ser feito na próxima aula.

CEDERJ

87
Introdução à Mecânica Quântica | Separação da equação de Schrödinger em coordenadas
cartesianas 1. Partícula livre e caixa de potencial tridimensional

A PARTÍCULA LIVRE EM TRÊS DIMENSÕES
Como primeiro exemplo, vamos considerar o movimento de uma
partícula livre de massa µ. Neste caso, o potencial é nulo em todo o
espaço, e a equação de Schrödinger (17.4) fica na forma:

h2
−
2µ

.

 ∂ 2ψ ∂ 2ψ ∂ 2ψ 
 2 + 2 + 2  = Eψ (x, y, z) .
∂y
∂z 
 ∂x

(17.10)

Essa equação é facilmente separável em coordenadas cartesianas,
considerando V1(x) = V2(y) = V3(z) = 0. Por exemplo, a Equação (17.9.a)
vai ser escrita na forma:

−

h2 d 2ψ 1
= E1ψ 1 (x) ,
2 µ dx 2

(17.11)

que é exatamente a mesma forma da Equação (7.1) da Aula 7, para o
caso da partícula livre em uma dimensão. Lembrando o que foi discutido
naquela aula, a Equação (17.11) tem solução para todo valor de E1 > 0,
e essa solução tem a forma:

ψ 1 (x) = A1eik1x + B1e − ik1x,

(17.12.a)

onde k1 = 2µ E1 / h e A1 e B1 são constantes arbitrárias. Procedendo
da mesma forma com as Equações (17.9.b) e (17.9.c), obtemos:

ψ 2 (y) = A2 eik2 y + B2 e − ik2 y ,

(17.12.b)

ψ 3 (z) = A3eik3z + B3e − ik3z .

(17.12.c)

Portanto, a solução da equação de Schrödinger ψ(x, y, z) = ψ1(x) ψ2(y)

ψ3(z) pode ser escrita como uma combinação linear de estados na forma
rr

ψ (x, y, z) = Cei (k1x + k2 y + k3z) = Ceik.r ,

(17.13)

r

em que definimos o vetor de onda k = (k1, k2, k3), e o vetor posição da

r

partícula r = (x, y, z). Finalmente, da Equação (17.9.d) obtemos:
2 2
h2
p2
( k12 + k22 + k32 ) = h2k = 2µ , (17.14)
2µ
µ
u
r
r
onde p é o módulo do vetor momento p = hk .

E = E1 + E2 + E3 =

88

CEDERJ
MÓDULO 1

17

∂
,
∂x
r
r
∂
∂
∂
passa a ser, em três dimensões, p = −i h∇ , onde r
ˆ
ˆ
ˆ
x+
y+ z ,
∇=
∂x
∂y
∂z
Operador momento linear, que em uma dimensão era

p = −i h

AULA

!

é o operador gradiente.

ATIVIDADE

2. Mostre que a função de onda (17.13) é autofunção do
r
operador momento com autovalor hk .

RESPOSTA COMENTADA

Vamos aplicar o operador momento à função de onda
(17.13):

r
r
i (k x + k y + k z )
pψ (x, y, z) = −i h∇ Ce x y z 




 ∂
 ∂
i (k x + k y + k z ) 
i (k x + k y + k z ) 
i (k x + k y + k z )  


∂
ˆ
ˆ
ˆ
= −i h   Ce x y z  x +  Ce x y z  y +  Ce x y z  z 
∂x
∂y
∂z

 






i ( kx x + ky y + kz z )
i ( kx x + ky y + kz z )
i ( kx x + ky y + kz z )
ˆ
ˆ
ˆ
x + ikyCe
y + ikzCe
z
= −i h ikxCe
r
ˆ
ˆ
ˆ
= h ( kx x + ky y + kz z )ψ (x, y, z) = hk ψ (x, y, z) ,

{

}

como queríamos demonstrar.

Em relação à condição de normalização da função de onda da
partícula livre descrita pela Equação (17.13), temos, de maneira similar
à vista na Aula 7, que ela pode ser escrita na forma:
∞ ∞ ∞

∫∫∫

−∞ −∞ −∞

2

ψ (x, y, z) dx dy dz = 1 ⇒ C

2

∞ ∞ ∞

∫ ∫ ∫ dx dy dz = 1 .

−∞ −∞ −∞

(17.15)

CEDERJ

89
Introdução à Mecânica Quântica | Separação da equação de Schrödinger em coordenadas
cartesianas 1. Partícula livre e caixa de potencial tridimensional
∞ ∞ ∞

Novamente temos um problema, pois a integral

∫ ∫ ∫ dx dy dz

tem

−∞ −∞ −∞

valor infinito, de modo que teríamos de ter C = 0. Lembramos que essa
dificuldade surgiu porque a situação de uma partícula livre em uma
região de extensão infinita é não-física, já que os experimentos são sempre
realizados em locais com extensão finita. Em sistemas tridimensionais
como o que estamos considerando, isto pode ser conseguido, por
exemplo, impondo que a função de onda seja normalizada em uma
caixa cúbica de lado L. A condição de normalização torna-se, então
L2 L2 L2

∫ ∫ ∫

2

ψ (x, y, z) dx dy dz = 1 ⇒ C

−L 2 −L 2 −L 2
L2 L2 L2

∫ ∫ ∫

2

ψ (x, y, z) dx dy dz = 1 ⇒ C

2

L2 L2 L2

∫ ∫ ∫

dx dy dz = 1 ⇒ C =

−L 2 −L 2 −L 2
2

−L 2 −L 2 −L 2

L2 L2 L2

∫ ∫ ∫

dx dy dz = 1 ⇒ C =

−L 2 −L 2 −L 2

1

( )
L

3

. (17.16)

Chegamos, dessa maneira, ao valor de C que normaliza a função de
onda da partícula livre em três dimensões. Observamos que a escolha
da forma e do tamanho da caixa foram arbitrários, mas, como no caso
unidimensional, as propriedades da função de onda não dependem do
valor da constante C. Podemos, portanto, considerar que a função de
onda normalizada para a partícula livre movimentando-se em três

u
r

r

dimensões com momento p = hk é dada por:
rr

ψ (x, y, z) = L−3 / 2 eik.r .

(17.17)

A PARTÍCULA EM UMA CAIXA EM TRÊS DIMENSÕES
Como segundo exemplo, vamos considerar uma partícula de massa

µ que se movimenta dentro de uma caixa com forma de paralelepípedo
de lados L1, L2, L3 e de paredes impenetráveis. No interior da caixa, o
potencial V é constante, e consideramos que o valor do mesmo é zero,
enquanto nas paredes V é infinito. Esse problema é, portanto, uma
extensão para três dimensões do estudo do poço quadrado infinito
estudado na Aula 14.
A equação de Schrödinger a ser resolvida no interior da caixa é
similar ao caso da partícula livre,

−

90

CEDERJ

h2
2µ

 ∂ 2ψ ∂ 2ψ ∂ 2ψ 
 2 + 2 + 2  = Eψ (x, y, z) ,
∂y
∂z 
∂ x

(17.18)

1

( L)

3
MÓDULO 1

17

mas agora temos de acrescentar a condição de que a função de onda

AULA

ψ(x, y, z) deve ser nula nas paredes (e também no espaço exterior à
caixa). Considerando a origem de coordenadas em uma das quinas da
caixa e, lembrando que ψ (x, y, z) = ψ 1 (x)ψ 2 (y)ψ 3 (z) , temos que, para
0≤ x ≤ L1, a função de onda ψ1(x) satisfaz a equação

−

h 2 d 2 ψ1
=E1ψ1 (x)
2 µ dx 2

(17.19)

com as condições ψ1(0) = ψ1(L1) = 0. A partir dos resultados obtidos na
Aula 14, os valores possíveis para E1 são:

En1 =

h2 π2 n12
, n1 = 1, 2, 3,... .
2 µ L12

(17.20)

As autofunções correspondentes, já normalizadas, vão ter a forma:
1/ 2

 2
ψ n1 (x) =  
 L1 

πn 
sen  1 x  , n1 = 1, 2, 3,... .
 L1 

(17.21)

Efetuando o mesmo procedimento para as funções de onda ψ2(y)
e ψ3(z), obtemos que as funções de onda normalizadas para a partícula
na caixa tridimensional são dadas pela expressão:

1/ 2

 8 
ψ n1n2 n3 (x, y, z) = 

 L1L2 L3 

πn 
πn 
πn 
sen  1 x  sen  2 y  sen  3 z  . (17.22)
 L1 
 L2 
 L3 

Os valores da energia associados a esta função de onda são:

En1n2 n3 = En1 + En2 + En3 =

π 2 h2  n12 n2 2 n32 
+
+

.
2 µ  L12 L2 2 L32  .

(17.23)

Vemos que, para valores diferentes dos lados L1, L2, L3 da caixa,
temos, em geral, que cada conjunto de valores dos números quânticos
n1, n2, n3 tem associado um único valor da energia En n n . Mais precisa1 2 3

mente, isso acontece quando as relações entre os lados da caixa são
números incomensuráveis, ou seja, não são números racionais. Neste
caso, em que ao nível de energia En1n2 n3 corresponde um único estado do

CEDERJ

91
Introdução à Mecânica Quântica | Separação da equação de Schrödinger em coordenadas
cartesianas 1. Partícula livre e caixa de potencial tridimensional

sistema, caracterizado pela função de onda, temos um nível de energia
não-degenerado. Vamos ver, na próxima aula, que se dois ou mais
lados da caixa forem iguais, podemos ter mais de um estado com o
mesmo valor da energia, ou seja, níveis degenerados. Como observação
final, mencionamos que os níveis de energia da partícula livre são
infinitamente degenerados. De fato, vimos que a energia da partícula
é dada por E = h2 k2 / 2 µ e, portanto, todas as funções de onda
rr
r
ψ(x, y, z) = Cei (k1x + k2 y + k3z) = Ceik.r , associadas a vetores k = (k1, k2, k3)
com o mesmo módulo, têm o mesmo valor da energia.

ATIVIDADE
3. Considere uma partícula de massa µ em uma caixa em três
dimensões em que L1 = L2 = L e L3 = L/2. Calcule as energias e as
degenerescências dos dois níveis de energia mais baixa.

RESPOSTA COMENTADA

Partimos da expressão (17.23) para as energias permitidas:

En1n2 n3 =

2
2
2
π 2 h2  n1 n2 n3  π 2 h2 2
2
2
n + n2 + 4n3 )
 2 + 2 + 2=
2 ( 1
2 µ  L1 L2 L3  2 µ L

Vamos agora inspecionar os valores (inteiros e positivos) de n1 , n2
e n3 que fornecem as energias mais baixas. Certamente, a energia
mais baixa (estado fundamental) ocorre com n1 = n2 = n3 = 1.
Apenas essa combinação de números quânticos fornece a energia
mais baixa, que é igual a E111 =

π 2 h2
3π 2 h2
.
1 + 1 + 4) =
2 (
2µ L
µ L2

Já, para o primeiro estado excitado, um dos números quânticos será
igual a 2 e os demais permanecem sendo iguais a 1. Vemos que
tanto (n1 , n2 , n3) = (2,1,1) como (n1 , n2 , n3) = (1, 2, 1) fornecem a
mesma energia E211 = E121 =

π 2 h2
9π 2 h2
,
( 4 + 1 + 4) =
2 µ L2
2 µ L2

que, portanto, tem degenerescência igual a 2.

92

CEDERJ
MÓDULO 1
AULA

17

ATIVIDADES FINAIS
1. Obtenha a expressão para a densidade de corrente de probabilidade em três
dimensões, seguindo os mesmos passos que foram tomados em uma dimensão
na Aula 6 (Equações (6.16) a (6.20)).

RESPOSTA COMENTADA

A definição da densidade de corrente de probabilidade foi obtida, na Aula 6,
2
calculando-se a derivada temporal da densidade de probabilidade, ∂ Ψ(x, t) .
Executamos, agora, os mesmos passos, só que em três dimensões: ∂ t

r 2
∂ Ψ(r , t)
∂t

=

∂
∂Ψ
∂ Ψ*
r
r
.
 Ψ* (r , t)Ψ(r , t) = Ψ*
+Ψ


∂t
∂t
∂t

Usando a equação de Schrödinger e sua complexa conjugada:

ih

podemos escrever

r 2
∂ Ψ(r , t)
∂t

=

∂Ψ
h2 2
=−
∇ Ψ +VΨ
∂t
2m

−i h

,

∂Ψ
h
=−
∇ 2 Ψ* + V Ψ*
∂t
2m
*

2

r *
r
ih
ih r
*
 Ψ*∇ 2 Ψ − Ψ∇ 2 Ψ*  =

 2m ∇ ⋅  Ψ ∇ Ψ − Ψ ∇ Ψ  ,


2m
r r

onde, no último passo, usamos a identidade ∇ ⋅ ∇ Ψ = ∇ 2 Ψ (lembre-se:
r
r

r
r
∇ ⋅ ν significa o divergente do vetor⋅ ν ).
∇

Note que essa equação pode ser escrita da seguinte forma:

r 2
∂ Ψ(r , t)
∂t

r r
+∇⋅j = 0 ,

que é uma equação de continuidade em três dimensões. A densidade de corrente
de probabilidade é agora um vetor, dado por:

rr
ih
r
r r r
r r
 Ψ(r , t)∇ Ψ* (r , t) − Ψ* (r , t)∇ Ψ(r , t) .
j (r , t) =


2m

CEDERJ

93
Introdução à Mecânica Quântica | Separação da equação de Schrödinger em coordenadas
cartesianas 1. Partícula livre e caixa de potencial tridimensional

2. Calcule a densidade de corrente de probabilidade para uma partícula livre em
três dimensões descrita pela função de onda (17.13).

RESPOSTA COMENTADA
rr

Partimos da função de onda (17.13): ψ(x, y, z) = Ce i (k1x + k2 y + k3z ) = Ce ik.r .
Para calcularmos a densidade de corrente de probabilidade, precisamos tomar o
gradiente de ψ e de sua complexa conjugada. Como vimos na Atividade 2 desta
aula, isso é equivalente a aplicar o operador momento, e o resultado é:

r
r
r
r
∇ψ = ikψ , ∇ψ * = −ikψ *.

Substituindo esse resultado na expressão para a densidade de probabilidade
encontrada na atividade anterior, obtemos:

r
r
r r 2hk
hk 2
r *r
ψ (r )ψ (r ) =
j (r ) =
 m C .
2m 

Compare essa expressão com a que foi obtida na Atividade 3 da Aula 7, para
o caso unidimensional. A generalização é imediata. Aqui também podemos
2
fazer analogia com o caso de um fluido de densidade C , movendo-se com a

r
r
hk
velocidade de grupo da onda ν g =
.
m

94

CEDERJ
MÓDULO 1

17
AULA

RESUMO
Embora a resolução da equação de Schrödinger no caso tridimensional seja
muito mais difícil do que no unidimensional (por se tratar de uma equação
em derivadas parciais), ela pode ser desenvolvida facilmente no caso em que
o potencial seja separável. No caso de uma partícula livre em três dimensões,
são obtidos resultados semelhantes ao do unidimensional, sendo os estados

r

quânticos da partícula caracterizados pelo vetor propagação k = (k1, k2, k3),
e dados explicitamente pelas funções de onda ψ (x, y, z) = Ce

i (k1 x + k2 y + k3 z )

, com

energias E = h k / 2 µ . Se uma partícula se movimenta no interior de uma
2

2

caixa tridimensional, as funções de onda e os níveis de energia lembram os do poço
de potencial infinito, mas, neste caso, as funções de onda e os níveis de energia são
caracterizados pelos três índices (números quânticos) n1 , n2 , n3 = 1, 2, 3,... . Para
uma escolha qualquer das dimensões laterais da caixa, esses níveis são, em geral,
2 2
não-degenerados, enquanto, no caso da partícula livre com energia E = h k / 2 µ ,

eles são infinitamente degenerados.

INFORMAÇÕES SOBRE A PRÓXIMA AULA
Na próxima aula, vamos estudar o caso particular da caixa tridimensional em
que os lados são iguais (caixa cúbica), estudando o grau de degenerescência dos
níveis de energia, e também considerar a aplicação do método de separação
da equação de Schrödinger em coordenadas cartesianas ao caso do oscilador
harmônico tridimensional.

CEDERJ

95

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 11: A barreira de potencial
Aula 11: A barreira de potencialAula 11: A barreira de potencial
Aula 11: A barreira de potencial
Adriano Silva
 
Aula 16: Exercícios
Aula 16: ExercíciosAula 16: Exercícios
Aula 16: Exercícios
Adriano Silva
 
Exercicios resolvidos quantica
Exercicios resolvidos   quanticaExercicios resolvidos   quantica
Exercicios resolvidos quantica
Pedro Debossam
 
Aula 13: O poço de potencial finito
Aula 13: O poço de potencial finitoAula 13: O poço de potencial finito
Aula 13: O poço de potencial finito
Adriano Silva
 
Aula 12: Barreira de potencial: Exemples e aplicações
Aula 12: Barreira de potencial: Exemples e aplicaçõesAula 12: Barreira de potencial: Exemples e aplicações
Aula 12: Barreira de potencial: Exemples e aplicações
Adriano Silva
 
Aula 19: O operador momento angular
Aula 19: O operador momento angularAula 19: O operador momento angular
Aula 19: O operador momento angular
Adriano Silva
 
Aula 8: O degrau de potencial. Caso I: Energia menor que o degrau
Aula 8: O degrau de potencial. Caso I: Energia menor que o degrauAula 8: O degrau de potencial. Caso I: Energia menor que o degrau
Aula 8: O degrau de potencial. Caso I: Energia menor que o degrau
Adriano Silva
 
Aula11
Aula11Aula11
Cap. 1. calculo vetorial e geometria analítica
Cap. 1. calculo vetorial e geometria analíticaCap. 1. calculo vetorial e geometria analítica
Cap. 1. calculo vetorial e geometria analítica
Duke Wdealmei
 
Aula 9: O degrau de potencial. Caso II: Energia maior que o degrau
Aula 9: O degrau de potencial. Caso II: Energia maior que o degrauAula 9: O degrau de potencial. Caso II: Energia maior que o degrau
Aula 9: O degrau de potencial. Caso II: Energia maior que o degrau
Adriano Silva
 
Exercícios resolvidos
Exercícios resolvidosExercícios resolvidos
Exercícios resolvidos
Leonardo Ferreira
 
Aula 4: Função de onda e Equação de Schrödinger
Aula 4: Função de onda e Equação de SchrödingerAula 4: Função de onda e Equação de Schrödinger
Aula 4: Função de onda e Equação de Schrödinger
Adriano Silva
 
Aplicações da equação de Schrödinger independente do tempo
Aplicações da equação de Schrödinger independente do tempoAplicações da equação de Schrödinger independente do tempo
Aplicações da equação de Schrödinger independente do tempo
Lucas Guimaraes
 
Integrais multiplas
Integrais multiplasIntegrais multiplas
Integrais multiplas
Jhéssica Viana
 
Aula 18: Separação da equação de Schrödinger em coordenadas cartesianas. 2 Pa...
Aula 18: Separação da equação de Schrödinger em coordenadas cartesianas. 2 Pa...Aula 18: Separação da equação de Schrödinger em coordenadas cartesianas. 2 Pa...
Aula 18: Separação da equação de Schrödinger em coordenadas cartesianas. 2 Pa...
Adriano Silva
 
Calculo b resolvidos
Calculo b   resolvidosCalculo b   resolvidos
Calculo b resolvidos
Weber Ribeiro
 
Limite de função de duas variáveis
Limite de função de duas variáveisLimite de função de duas variáveis
Limite de função de duas variáveis
Rodrigo Thiago Passos Silva
 
Relatório Radiação de corpo negro
Relatório Radiação de corpo negro Relatório Radiação de corpo negro
Relatório Radiação de corpo negro
Marcelo Alexandre
 
Física 2 relatório Circuito RC
Física 2  relatório Circuito RCFísica 2  relatório Circuito RC
Física 2 relatório Circuito RC
Sabrina Fermano
 
Variaveis complexas
Variaveis complexasVariaveis complexas
Variaveis complexas
Brenno Fernandes
 

Mais procurados (20)

Aula 11: A barreira de potencial
Aula 11: A barreira de potencialAula 11: A barreira de potencial
Aula 11: A barreira de potencial
 
Aula 16: Exercícios
Aula 16: ExercíciosAula 16: Exercícios
Aula 16: Exercícios
 
Exercicios resolvidos quantica
Exercicios resolvidos   quanticaExercicios resolvidos   quantica
Exercicios resolvidos quantica
 
Aula 13: O poço de potencial finito
Aula 13: O poço de potencial finitoAula 13: O poço de potencial finito
Aula 13: O poço de potencial finito
 
Aula 12: Barreira de potencial: Exemples e aplicações
Aula 12: Barreira de potencial: Exemples e aplicaçõesAula 12: Barreira de potencial: Exemples e aplicações
Aula 12: Barreira de potencial: Exemples e aplicações
 
Aula 19: O operador momento angular
Aula 19: O operador momento angularAula 19: O operador momento angular
Aula 19: O operador momento angular
 
Aula 8: O degrau de potencial. Caso I: Energia menor que o degrau
Aula 8: O degrau de potencial. Caso I: Energia menor que o degrauAula 8: O degrau de potencial. Caso I: Energia menor que o degrau
Aula 8: O degrau de potencial. Caso I: Energia menor que o degrau
 
Aula11
Aula11Aula11
Aula11
 
Cap. 1. calculo vetorial e geometria analítica
Cap. 1. calculo vetorial e geometria analíticaCap. 1. calculo vetorial e geometria analítica
Cap. 1. calculo vetorial e geometria analítica
 
Aula 9: O degrau de potencial. Caso II: Energia maior que o degrau
Aula 9: O degrau de potencial. Caso II: Energia maior que o degrauAula 9: O degrau de potencial. Caso II: Energia maior que o degrau
Aula 9: O degrau de potencial. Caso II: Energia maior que o degrau
 
Exercícios resolvidos
Exercícios resolvidosExercícios resolvidos
Exercícios resolvidos
 
Aula 4: Função de onda e Equação de Schrödinger
Aula 4: Função de onda e Equação de SchrödingerAula 4: Função de onda e Equação de Schrödinger
Aula 4: Função de onda e Equação de Schrödinger
 
Aplicações da equação de Schrödinger independente do tempo
Aplicações da equação de Schrödinger independente do tempoAplicações da equação de Schrödinger independente do tempo
Aplicações da equação de Schrödinger independente do tempo
 
Integrais multiplas
Integrais multiplasIntegrais multiplas
Integrais multiplas
 
Aula 18: Separação da equação de Schrödinger em coordenadas cartesianas. 2 Pa...
Aula 18: Separação da equação de Schrödinger em coordenadas cartesianas. 2 Pa...Aula 18: Separação da equação de Schrödinger em coordenadas cartesianas. 2 Pa...
Aula 18: Separação da equação de Schrödinger em coordenadas cartesianas. 2 Pa...
 
Calculo b resolvidos
Calculo b   resolvidosCalculo b   resolvidos
Calculo b resolvidos
 
Limite de função de duas variáveis
Limite de função de duas variáveisLimite de função de duas variáveis
Limite de função de duas variáveis
 
Relatório Radiação de corpo negro
Relatório Radiação de corpo negro Relatório Radiação de corpo negro
Relatório Radiação de corpo negro
 
Física 2 relatório Circuito RC
Física 2  relatório Circuito RCFísica 2  relatório Circuito RC
Física 2 relatório Circuito RC
 
Variaveis complexas
Variaveis complexasVariaveis complexas
Variaveis complexas
 

Semelhante a Aula 17: Separação da equação de Schrödinger em coordenadas cartesianas. Partícula livre e caixa de potencial tridimensional

Estr mat i
Estr mat iEstr mat i
Estr mat i
Carlos Melo
 
Www.math.ist.utl.pt ~jmourao cii_exercicios_aula12. integ. de linha de um cam...
Www.math.ist.utl.pt ~jmourao cii_exercicios_aula12. integ. de linha de um cam...Www.math.ist.utl.pt ~jmourao cii_exercicios_aula12. integ. de linha de um cam...
Www.math.ist.utl.pt ~jmourao cii_exercicios_aula12. integ. de linha de um cam...
Bowman Guimaraes
 
Equações literais
Equações literaisEquações literais
Equações literais
aldaalves
 
Equações literais
Equações literaisEquações literais
Equações literais
aldaalves
 
Capitulo1
Capitulo1Capitulo1
Capitulo1
Julio F Ferreira
 
NÚMEROS COMPLEXOS
NÚMEROS COMPLEXOSNÚMEROS COMPLEXOS
NÚMEROS COMPLEXOS
Claudinei Dozorski
 
Equações literais
Equações literaisEquações literais
Equações literais
aldaalves
 
Exercsolv1
Exercsolv1Exercsolv1
Exercsolv1
Rosinalldo Santos
 
Teste Derivadas
Teste DerivadasTeste Derivadas
Teste Derivadas
Maths Tutoring
 
Equaçoes literais
Equaçoes literaisEquaçoes literais
Equaçoes literais
Laurinda Barros
 
FORMA ANALÍTICA E MÉTODOS DAS DIFERENÇAS FINITAS APLICADO AO POTENCIAL DENTRO...
FORMA ANALÍTICA E MÉTODOS DAS DIFERENÇAS FINITAS APLICADO AO POTENCIAL DENTRO...FORMA ANALÍTICA E MÉTODOS DAS DIFERENÇAS FINITAS APLICADO AO POTENCIAL DENTRO...
FORMA ANALÍTICA E MÉTODOS DAS DIFERENÇAS FINITAS APLICADO AO POTENCIAL DENTRO...
JÚLIO PEIXOTO
 
Editdocument15107902255388
Editdocument15107902255388Editdocument15107902255388
Editdocument15107902255388
Assis Nunes
 
Cesgranrio petrobras engenheiro petroleo 2018
Cesgranrio petrobras engenheiro petroleo 2018Cesgranrio petrobras engenheiro petroleo 2018
Cesgranrio petrobras engenheiro petroleo 2018
Arthur Lima
 
equações diferenciais
equações diferenciais equações diferenciais
equações diferenciais
Fisionomia
 
Apostila 2 matematica basica
Apostila 2 matematica basicaApostila 2 matematica basica
Apostila 2 matematica basica
trigono_metrico
 
Equações Exatas exercicios
Equações Exatas exerciciosEquações Exatas exercicios
Equações Exatas exercicios
Cursinho Vest. Jr.
 
Funções de várias variáveis.pptx
Funções de várias variáveis.pptxFunções de várias variáveis.pptx
Funções de várias variáveis.pptx
CristianoTaty
 
Cálculo diferencial e integral de várias variáveis unid iii
Cálculo diferencial e integral de várias variáveis   unid iiiCálculo diferencial e integral de várias variáveis   unid iii
Cálculo diferencial e integral de várias variáveis unid iii
Bruno Luz
 
Apostila 2 calculo i derivadas
Apostila 2 calculo i derivadasApostila 2 calculo i derivadas
Apostila 2 calculo i derivadas
trigono_metrico
 
matematica e midias
matematica e midiasmatematica e midias
matematica e midias
iraciva
 

Semelhante a Aula 17: Separação da equação de Schrödinger em coordenadas cartesianas. Partícula livre e caixa de potencial tridimensional (20)

Estr mat i
Estr mat iEstr mat i
Estr mat i
 
Www.math.ist.utl.pt ~jmourao cii_exercicios_aula12. integ. de linha de um cam...
Www.math.ist.utl.pt ~jmourao cii_exercicios_aula12. integ. de linha de um cam...Www.math.ist.utl.pt ~jmourao cii_exercicios_aula12. integ. de linha de um cam...
Www.math.ist.utl.pt ~jmourao cii_exercicios_aula12. integ. de linha de um cam...
 
Equações literais
Equações literaisEquações literais
Equações literais
 
Equações literais
Equações literaisEquações literais
Equações literais
 
Capitulo1
Capitulo1Capitulo1
Capitulo1
 
NÚMEROS COMPLEXOS
NÚMEROS COMPLEXOSNÚMEROS COMPLEXOS
NÚMEROS COMPLEXOS
 
Equações literais
Equações literaisEquações literais
Equações literais
 
Exercsolv1
Exercsolv1Exercsolv1
Exercsolv1
 
Teste Derivadas
Teste DerivadasTeste Derivadas
Teste Derivadas
 
Equaçoes literais
Equaçoes literaisEquaçoes literais
Equaçoes literais
 
FORMA ANALÍTICA E MÉTODOS DAS DIFERENÇAS FINITAS APLICADO AO POTENCIAL DENTRO...
FORMA ANALÍTICA E MÉTODOS DAS DIFERENÇAS FINITAS APLICADO AO POTENCIAL DENTRO...FORMA ANALÍTICA E MÉTODOS DAS DIFERENÇAS FINITAS APLICADO AO POTENCIAL DENTRO...
FORMA ANALÍTICA E MÉTODOS DAS DIFERENÇAS FINITAS APLICADO AO POTENCIAL DENTRO...
 
Editdocument15107902255388
Editdocument15107902255388Editdocument15107902255388
Editdocument15107902255388
 
Cesgranrio petrobras engenheiro petroleo 2018
Cesgranrio petrobras engenheiro petroleo 2018Cesgranrio petrobras engenheiro petroleo 2018
Cesgranrio petrobras engenheiro petroleo 2018
 
equações diferenciais
equações diferenciais equações diferenciais
equações diferenciais
 
Apostila 2 matematica basica
Apostila 2 matematica basicaApostila 2 matematica basica
Apostila 2 matematica basica
 
Equações Exatas exercicios
Equações Exatas exerciciosEquações Exatas exercicios
Equações Exatas exercicios
 
Funções de várias variáveis.pptx
Funções de várias variáveis.pptxFunções de várias variáveis.pptx
Funções de várias variáveis.pptx
 
Cálculo diferencial e integral de várias variáveis unid iii
Cálculo diferencial e integral de várias variáveis   unid iiiCálculo diferencial e integral de várias variáveis   unid iii
Cálculo diferencial e integral de várias variáveis unid iii
 
Apostila 2 calculo i derivadas
Apostila 2 calculo i derivadasApostila 2 calculo i derivadas
Apostila 2 calculo i derivadas
 
matematica e midias
matematica e midiasmatematica e midias
matematica e midias
 

Aula 17: Separação da equação de Schrödinger em coordenadas cartesianas. Partícula livre e caixa de potencial tridimensional

  • 1. 17 AULA Separação da equação de Schrödinger em coordenadas cartesianas 1. Partícula livre e caixa de potencial tridimensional Meta da aula objetivos Estudar uma partícula quântica livre e presa em uma caixa em três dimensões. • identificar as dificuldades para resolver a equação de Schrödinger em três dimensões; • reconhecer que, para alguns potenciais, chamados separáveis, a equação de Schrödinger em três dimensões pode ser escrita na forma de três equações de Schrödinger em uma dimensão; • aplicar esse estudo ao caso da partícula livre em três dimensões e de uma partícula em uma caixa. Pré-requisito Para melhor compreensão desta aula, é preciso que você reveja as Aulas 4 e 7 desta disciplina.
  • 2. Introdução à Mecânica Quântica | Separação da equação de Schrödinger em coordenadas cartesianas 1. Partícula livre e caixa de potencial tridimensional EQUAÇÃO DE SCHRÖDINGER EM TRÊS DIMENSÕES Vimos, na Aula 4 desta disciplina, que uma partícula microscópica (por exemplo, um elétron) tem o seu estado, em um instante de tempo t, completamente definido por uma função complexa chamada função de onda, indicada pelo símbolo Ψ(x, y, z, t), em que (x, y, z) são as coordenadas espaciais cartesianas. Supondo que a partícula tenha massa m e se mova sob a influência de uma energia potencial V(x, y, z, t), vimos que essa função de onda satisfaz a equação de Schrödinger dependente do tempo: ih ∂Ψ h2  ∂ 2 Ψ ∂ 2 Ψ ∂ 2 Ψ  + + =−   + V (x, y, z, t)Ψ . (17.1) ∂t 2m  ∂ x 2 ∂ y 2 ∂ z 2  Inicialmente, vamos generalizar esse resultado para o problema mais geral de duas partículas, de massas m A e m B, nas posições (xA , yA , zA) e (xB , yB , zB), respectivamente, que interagem por meio de um potencial V(x, y, z, t) que depende apenas das coordenadas relativas, x = xA– xB , y = yA – yB , z = zA – zB. Sabemos, do curso de Mecânica, que esse problema se resolve por meio de uma mudança de coordenadas para as coordenadas relativas e do centro de massa. O movimento da coordenada do centro de massa estará sujeito à ação de forças externas. Vamos deixá-lo de lado no momento, pois nosso foco é o estudo do movimento da coordenada relativa. Na coordenada relativa, o problema é equivalente ao estudo de uma única partícula de massa µ = mA mB ( mA + mB )(a chamada massa reduzida), que se movimenta no potencial V(x, y, z, t). Neste caso, a Equação de Schrödinger tem a forma: ih ∂Ψ h2  ∂ 2 Ψ ∂ 2 Ψ ∂ 2 Ψ  + + 2  + V (x, y, z, t)Ψ . (17.2) =−  ∂t 2µ  ∂ x2 ∂ y2 ∂z  Note que o caso particular de uma única partícula de massa m, estudado pela Equação (17.1), pode também ser estudado pela Equação (17.2). Para isso, basta fazer mA = m, mB = ∞; e, considerando que esta última partícula está na origem de coordenadas, xB = yB = zB = 0. No caso em que o potencial V não dependa explicitamente do tempo, V =V(x, y, z), podemos separar a função de onda Ψ(x, y, z, t) no produto de uma função das coordenadas ψ(x, y, z) e outra do tempo, da forma: Ψ(x, y, z, t) = ψ(x, y, z) e− iEt / h . 84 CEDERJ (17.3)
  • 3. MÓDULO 1 17 Onde, analogamente ao caso unidimensional, E representa a energia AULA total do sistema. Substituindo a Equação (17.3) na Equação (17.2), obtemos a equação de Schrödinger independente do tempo no caso tridimensional: − h2 2µ  ∂2ψ ∂2ψ ∂2ψ   2 + 2 + 2  + V (x, y, z) ψ (x, y, z)= E ψ (x, y, z) . ∂y ∂z   ∂x (17.4) A Equação (17.4) pode também ser escrita na forma h2 2 ∇ ψ + V (x, y, z)ψ (x, y, z) = Eψ (x, y, z) , 2µ em que ∇2 é o operador laplaciano. − ATIVIDADE 1. Verifique que a função de onda Ψ(x, y, z, t), dada pela Equação (17.3), é solução da equação de Schrödinger dependente do tempo, Equação (17.2), se ψ(x, y, z) for solução da equação de Schrödinger independente do tempo, Equação (17.4). ________________________________________________________ ________________________________________________________ _________________________________________________________ RESPOSTA COMENTADA Vamos substituir a função de onda Ψ(x, y, z, t), definida pela Equação (17.3), na Equação (17.2): ih ∂Ψ h2 =− ∂t 2µ  ∂2 Ψ ∂2 Ψ ∂2 Ψ   2 + 2 + 2  + V (x, y, z, t)Ψ ∂y ∂z   ∂x ∂ h2  ∂ 2ψ ∂ 2ψ ∂ 2ψ  − iEt / h ψ (x, y, z)e− iEt / h  = − + V (x, y, z, t)ψ (x, y, z)e − iEt / h  2 + 2 + 2 e   ∂t 2µ  ∂ x ∂y ∂z  2 2 2 2 h  ∂ ψ ∂ ψ ∂ ψ  − iEt / h Eψ (x, y, z)e − iEt / h = − + + + V (x, y, z, t)ψ (x, y, z)e − iEt / h  e 2 µ  ∂x 2 ∂y 2 ∂z 2  ih Eψ (x, y, z) = − h2 2µ  ∂ 2ψ ∂ 2ψ ∂ 2ψ   2 + 2 + 2  + V (x, y, z, t) ψ (x, y, z), ∂y ∂z   ∂x que é precisamente a Equação (17.4), como queríamos demonstrar. CEDERJ 85
  • 4. Introdução à Mecânica Quântica | Separação da equação de Schrödinger em coordenadas cartesianas 1. Partícula livre e caixa de potencial tridimensional Observamos que a equação de Schrödinger independente do tempo, neste caso tridimensional, é uma equação em derivadas parciais de segunda ordem, diferentemente da equação de Schrödinger independente do tempo no caso unidimensional, que estudamos em detalhes no Módulo 2, e que era uma equação diferencial ordinária, também de segunda ordem. Como conseqüência disso, a solução da Equação (17.4) somente pode ser obtida em forma explícita em alguns casos simples. Em particular, a solução vai ser possível quando a forma do potencial permitir a utilização do procedimento de separação de variáveis. Nesse caso, a equação de Schrödinger tridimensional pode ser reduzida a equações mais simples em uma dimensão. Vamos estudar, primeiramente, o caso em que a equação de Schrödinger é separável em coordenadas cartesianas. Futuramente, veremos casos em que essa equação é separável em coordenadas esféricas. SEPARAÇÃO DA EQUAÇÃO DE SCHRÖDINGER EM COORDENADAS CARTESIANAS Vamos considerar, inicialmente, o caso em que o potencial V(x, y ,z) pode ser escrito na seguinte forma: V (x, y, z) = V1 (x) + V2 (y) + V3 (z) . (17.5) Neste caso, a equação de Schrödinger (17.4) pode ser escrita na forma:   h2 ∂ 2   h2 ∂ 2   h2 ∂ 2    − + V1 (x) +  − + V2 (y) +  − + V3 (z) ψ (x, y, z) =  2 2 2 2µ ∂ x 2µ ∂ y 2µ ∂ z         (17.6)   h2 ∂ 2   h2 ∂ 2   h2 ∂ 2    + V1 (x) +  − + V2 (y) +  − + V3 (z) ψ (x, y, z) = Eψ (x, y, z) . − 2 2 2  2µ ∂ x   2µ ∂ y   2µ ∂ z    A forma dessa equação sugere que procuremos soluções que sejam produtos de três funções de uma variável, ψ (x, y, z) = ψ 1 (x)ψ 2 (y)ψ 3 (z) . (17.7) Substituindo a Equação (17.7) na Equação (17.6) e dividindo os dois lados por ψ(x, y, z), obtemos: 86 CEDERJ
  • 5. 2 17 MÓDULO 1    h2 1 d 2ψ 3 d 2ψ 2  + V2 (y) +  − + V3 (z)  = E . 2 2 2 µ ψ 3 dz dy     AULA   h2 1 d 2ψ 1    h2 1 d 2ψ 2   h2 1 d 2ψ 3   + V1 (x) +  − + V2 (y) +  − + V3 (z)  = E − 2 2 2   2 µ ψ 1 dx   2 µ ψ 2 dy   2 µ ψ 3 dz    (17.8) Cada uma das expressões nos colchetes é função de apenas uma das variáveis x, y e z. Portanto, para que a soma dessas expressões seja igual à constante E, cada uma delas deve ser uma constante, que denominamos E1, E2, E3, respectivamente. Obtemos, então, o sistema de três equações diferenciais ordinárias: − h2 d 2ψ 1 + V1 (x)ψ 1 (x)= E1ψ 1 (x) , 2 µ dx 2 (17.9.a) − h2 d 2ψ 2 + V2 (y)ψ 2 (y)= E2ψ 2 (y) , 2 µ dy 2 (17.9.b) h2 d 2ψ 3 + V3 (z)ψ 3 (z)= E3ψ 3 (z) , 2 µ dz 2 (17.9.c) − com a condição adicional E1 + E2 + E3 = E . (17.9.d) Cada uma das equações (17.9.a.b.c) tem a forma da equação de Schrödinger unidimensional, que estudamos no Módulo 2. Vemos, portanto, que no caso do potencial ser separável (na forma indicada pela Equação (17.5)), a solução da equação de Schrödinger tridimensional pode ser expressa em termos dos resultados conhecidos para as soluções da equação de Schrödinger unidimensional. A seguir, vamos considerar os seguintes exemplos: o estudo da partícula livre em três dimensões, de uma partícula em uma caixa de potencial em três dimensões e, finalmente, do oscilador harmônico tridimensional. Nesta aula, consideraremos apenas os dois primeiros desses sistemas, deixando o estudo do oscilador harmônico para ser feito na próxima aula. CEDERJ 87
  • 6. Introdução à Mecânica Quântica | Separação da equação de Schrödinger em coordenadas cartesianas 1. Partícula livre e caixa de potencial tridimensional A PARTÍCULA LIVRE EM TRÊS DIMENSÕES Como primeiro exemplo, vamos considerar o movimento de uma partícula livre de massa µ. Neste caso, o potencial é nulo em todo o espaço, e a equação de Schrödinger (17.4) fica na forma: h2 − 2µ .  ∂ 2ψ ∂ 2ψ ∂ 2ψ   2 + 2 + 2  = Eψ (x, y, z) . ∂y ∂z   ∂x (17.10) Essa equação é facilmente separável em coordenadas cartesianas, considerando V1(x) = V2(y) = V3(z) = 0. Por exemplo, a Equação (17.9.a) vai ser escrita na forma: − h2 d 2ψ 1 = E1ψ 1 (x) , 2 µ dx 2 (17.11) que é exatamente a mesma forma da Equação (7.1) da Aula 7, para o caso da partícula livre em uma dimensão. Lembrando o que foi discutido naquela aula, a Equação (17.11) tem solução para todo valor de E1 > 0, e essa solução tem a forma: ψ 1 (x) = A1eik1x + B1e − ik1x, (17.12.a) onde k1 = 2µ E1 / h e A1 e B1 são constantes arbitrárias. Procedendo da mesma forma com as Equações (17.9.b) e (17.9.c), obtemos: ψ 2 (y) = A2 eik2 y + B2 e − ik2 y , (17.12.b) ψ 3 (z) = A3eik3z + B3e − ik3z . (17.12.c) Portanto, a solução da equação de Schrödinger ψ(x, y, z) = ψ1(x) ψ2(y) ψ3(z) pode ser escrita como uma combinação linear de estados na forma rr ψ (x, y, z) = Cei (k1x + k2 y + k3z) = Ceik.r , (17.13) r em que definimos o vetor de onda k = (k1, k2, k3), e o vetor posição da r partícula r = (x, y, z). Finalmente, da Equação (17.9.d) obtemos: 2 2 h2 p2 ( k12 + k22 + k32 ) = h2k = 2µ , (17.14) 2µ µ u r r onde p é o módulo do vetor momento p = hk . E = E1 + E2 + E3 = 88 CEDERJ
  • 7. MÓDULO 1 17 ∂ , ∂x r r ∂ ∂ ∂ passa a ser, em três dimensões, p = −i h∇ , onde r ˆ ˆ ˆ x+ y+ z , ∇= ∂x ∂y ∂z Operador momento linear, que em uma dimensão era p = −i h AULA ! é o operador gradiente. ATIVIDADE 2. Mostre que a função de onda (17.13) é autofunção do r operador momento com autovalor hk . RESPOSTA COMENTADA Vamos aplicar o operador momento à função de onda (17.13): r r i (k x + k y + k z ) pψ (x, y, z) = −i h∇ Ce x y z       ∂  ∂ i (k x + k y + k z )  i (k x + k y + k z )  i (k x + k y + k z )     ∂ ˆ ˆ ˆ = −i h   Ce x y z  x +  Ce x y z  y +  Ce x y z  z  ∂x ∂y ∂z          i ( kx x + ky y + kz z ) i ( kx x + ky y + kz z ) i ( kx x + ky y + kz z ) ˆ ˆ ˆ x + ikyCe y + ikzCe z = −i h ikxCe r ˆ ˆ ˆ = h ( kx x + ky y + kz z )ψ (x, y, z) = hk ψ (x, y, z) , { } como queríamos demonstrar. Em relação à condição de normalização da função de onda da partícula livre descrita pela Equação (17.13), temos, de maneira similar à vista na Aula 7, que ela pode ser escrita na forma: ∞ ∞ ∞ ∫∫∫ −∞ −∞ −∞ 2 ψ (x, y, z) dx dy dz = 1 ⇒ C 2 ∞ ∞ ∞ ∫ ∫ ∫ dx dy dz = 1 . −∞ −∞ −∞ (17.15) CEDERJ 89
  • 8. Introdução à Mecânica Quântica | Separação da equação de Schrödinger em coordenadas cartesianas 1. Partícula livre e caixa de potencial tridimensional ∞ ∞ ∞ Novamente temos um problema, pois a integral ∫ ∫ ∫ dx dy dz tem −∞ −∞ −∞ valor infinito, de modo que teríamos de ter C = 0. Lembramos que essa dificuldade surgiu porque a situação de uma partícula livre em uma região de extensão infinita é não-física, já que os experimentos são sempre realizados em locais com extensão finita. Em sistemas tridimensionais como o que estamos considerando, isto pode ser conseguido, por exemplo, impondo que a função de onda seja normalizada em uma caixa cúbica de lado L. A condição de normalização torna-se, então L2 L2 L2 ∫ ∫ ∫ 2 ψ (x, y, z) dx dy dz = 1 ⇒ C −L 2 −L 2 −L 2 L2 L2 L2 ∫ ∫ ∫ 2 ψ (x, y, z) dx dy dz = 1 ⇒ C 2 L2 L2 L2 ∫ ∫ ∫ dx dy dz = 1 ⇒ C = −L 2 −L 2 −L 2 2 −L 2 −L 2 −L 2 L2 L2 L2 ∫ ∫ ∫ dx dy dz = 1 ⇒ C = −L 2 −L 2 −L 2 1 ( ) L 3 . (17.16) Chegamos, dessa maneira, ao valor de C que normaliza a função de onda da partícula livre em três dimensões. Observamos que a escolha da forma e do tamanho da caixa foram arbitrários, mas, como no caso unidimensional, as propriedades da função de onda não dependem do valor da constante C. Podemos, portanto, considerar que a função de onda normalizada para a partícula livre movimentando-se em três u r r dimensões com momento p = hk é dada por: rr ψ (x, y, z) = L−3 / 2 eik.r . (17.17) A PARTÍCULA EM UMA CAIXA EM TRÊS DIMENSÕES Como segundo exemplo, vamos considerar uma partícula de massa µ que se movimenta dentro de uma caixa com forma de paralelepípedo de lados L1, L2, L3 e de paredes impenetráveis. No interior da caixa, o potencial V é constante, e consideramos que o valor do mesmo é zero, enquanto nas paredes V é infinito. Esse problema é, portanto, uma extensão para três dimensões do estudo do poço quadrado infinito estudado na Aula 14. A equação de Schrödinger a ser resolvida no interior da caixa é similar ao caso da partícula livre, − 90 CEDERJ h2 2µ  ∂ 2ψ ∂ 2ψ ∂ 2ψ   2 + 2 + 2  = Eψ (x, y, z) , ∂y ∂z  ∂ x (17.18) 1 ( L) 3
  • 9. MÓDULO 1 17 mas agora temos de acrescentar a condição de que a função de onda AULA ψ(x, y, z) deve ser nula nas paredes (e também no espaço exterior à caixa). Considerando a origem de coordenadas em uma das quinas da caixa e, lembrando que ψ (x, y, z) = ψ 1 (x)ψ 2 (y)ψ 3 (z) , temos que, para 0≤ x ≤ L1, a função de onda ψ1(x) satisfaz a equação − h 2 d 2 ψ1 =E1ψ1 (x) 2 µ dx 2 (17.19) com as condições ψ1(0) = ψ1(L1) = 0. A partir dos resultados obtidos na Aula 14, os valores possíveis para E1 são: En1 = h2 π2 n12 , n1 = 1, 2, 3,... . 2 µ L12 (17.20) As autofunções correspondentes, já normalizadas, vão ter a forma: 1/ 2  2 ψ n1 (x) =    L1  πn  sen  1 x  , n1 = 1, 2, 3,... .  L1  (17.21) Efetuando o mesmo procedimento para as funções de onda ψ2(y) e ψ3(z), obtemos que as funções de onda normalizadas para a partícula na caixa tridimensional são dadas pela expressão: 1/ 2  8  ψ n1n2 n3 (x, y, z) =    L1L2 L3  πn  πn  πn  sen  1 x  sen  2 y  sen  3 z  . (17.22)  L1   L2   L3  Os valores da energia associados a esta função de onda são: En1n2 n3 = En1 + En2 + En3 = π 2 h2  n12 n2 2 n32  + +  . 2 µ  L12 L2 2 L32  . (17.23) Vemos que, para valores diferentes dos lados L1, L2, L3 da caixa, temos, em geral, que cada conjunto de valores dos números quânticos n1, n2, n3 tem associado um único valor da energia En n n . Mais precisa1 2 3 mente, isso acontece quando as relações entre os lados da caixa são números incomensuráveis, ou seja, não são números racionais. Neste caso, em que ao nível de energia En1n2 n3 corresponde um único estado do CEDERJ 91
  • 10. Introdução à Mecânica Quântica | Separação da equação de Schrödinger em coordenadas cartesianas 1. Partícula livre e caixa de potencial tridimensional sistema, caracterizado pela função de onda, temos um nível de energia não-degenerado. Vamos ver, na próxima aula, que se dois ou mais lados da caixa forem iguais, podemos ter mais de um estado com o mesmo valor da energia, ou seja, níveis degenerados. Como observação final, mencionamos que os níveis de energia da partícula livre são infinitamente degenerados. De fato, vimos que a energia da partícula é dada por E = h2 k2 / 2 µ e, portanto, todas as funções de onda rr r ψ(x, y, z) = Cei (k1x + k2 y + k3z) = Ceik.r , associadas a vetores k = (k1, k2, k3) com o mesmo módulo, têm o mesmo valor da energia. ATIVIDADE 3. Considere uma partícula de massa µ em uma caixa em três dimensões em que L1 = L2 = L e L3 = L/2. Calcule as energias e as degenerescências dos dois níveis de energia mais baixa. RESPOSTA COMENTADA Partimos da expressão (17.23) para as energias permitidas: En1n2 n3 = 2 2 2 π 2 h2  n1 n2 n3  π 2 h2 2 2 2 n + n2 + 4n3 )  2 + 2 + 2= 2 ( 1 2 µ  L1 L2 L3  2 µ L Vamos agora inspecionar os valores (inteiros e positivos) de n1 , n2 e n3 que fornecem as energias mais baixas. Certamente, a energia mais baixa (estado fundamental) ocorre com n1 = n2 = n3 = 1. Apenas essa combinação de números quânticos fornece a energia mais baixa, que é igual a E111 = π 2 h2 3π 2 h2 . 1 + 1 + 4) = 2 ( 2µ L µ L2 Já, para o primeiro estado excitado, um dos números quânticos será igual a 2 e os demais permanecem sendo iguais a 1. Vemos que tanto (n1 , n2 , n3) = (2,1,1) como (n1 , n2 , n3) = (1, 2, 1) fornecem a mesma energia E211 = E121 = π 2 h2 9π 2 h2 , ( 4 + 1 + 4) = 2 µ L2 2 µ L2 que, portanto, tem degenerescência igual a 2. 92 CEDERJ
  • 11. MÓDULO 1 AULA 17 ATIVIDADES FINAIS 1. Obtenha a expressão para a densidade de corrente de probabilidade em três dimensões, seguindo os mesmos passos que foram tomados em uma dimensão na Aula 6 (Equações (6.16) a (6.20)). RESPOSTA COMENTADA A definição da densidade de corrente de probabilidade foi obtida, na Aula 6, 2 calculando-se a derivada temporal da densidade de probabilidade, ∂ Ψ(x, t) . Executamos, agora, os mesmos passos, só que em três dimensões: ∂ t r 2 ∂ Ψ(r , t) ∂t = ∂ ∂Ψ ∂ Ψ* r r .  Ψ* (r , t)Ψ(r , t) = Ψ* +Ψ   ∂t ∂t ∂t Usando a equação de Schrödinger e sua complexa conjugada: ih podemos escrever r 2 ∂ Ψ(r , t) ∂t = ∂Ψ h2 2 =− ∇ Ψ +VΨ ∂t 2m −i h , ∂Ψ h =− ∇ 2 Ψ* + V Ψ* ∂t 2m * 2 r * r ih ih r *  Ψ*∇ 2 Ψ − Ψ∇ 2 Ψ*  =   2m ∇ ⋅  Ψ ∇ Ψ − Ψ ∇ Ψ  ,   2m r r onde, no último passo, usamos a identidade ∇ ⋅ ∇ Ψ = ∇ 2 Ψ (lembre-se: r r r r ∇ ⋅ ν significa o divergente do vetor⋅ ν ). ∇ Note que essa equação pode ser escrita da seguinte forma: r 2 ∂ Ψ(r , t) ∂t r r +∇⋅j = 0 , que é uma equação de continuidade em três dimensões. A densidade de corrente de probabilidade é agora um vetor, dado por: rr ih r r r r r r  Ψ(r , t)∇ Ψ* (r , t) − Ψ* (r , t)∇ Ψ(r , t) . j (r , t) =   2m CEDERJ 93
  • 12. Introdução à Mecânica Quântica | Separação da equação de Schrödinger em coordenadas cartesianas 1. Partícula livre e caixa de potencial tridimensional 2. Calcule a densidade de corrente de probabilidade para uma partícula livre em três dimensões descrita pela função de onda (17.13). RESPOSTA COMENTADA rr Partimos da função de onda (17.13): ψ(x, y, z) = Ce i (k1x + k2 y + k3z ) = Ce ik.r . Para calcularmos a densidade de corrente de probabilidade, precisamos tomar o gradiente de ψ e de sua complexa conjugada. Como vimos na Atividade 2 desta aula, isso é equivalente a aplicar o operador momento, e o resultado é: r r r r ∇ψ = ikψ , ∇ψ * = −ikψ *. Substituindo esse resultado na expressão para a densidade de probabilidade encontrada na atividade anterior, obtemos: r r r r 2hk hk 2 r *r ψ (r )ψ (r ) = j (r ) =  m C . 2m  Compare essa expressão com a que foi obtida na Atividade 3 da Aula 7, para o caso unidimensional. A generalização é imediata. Aqui também podemos 2 fazer analogia com o caso de um fluido de densidade C , movendo-se com a r r hk velocidade de grupo da onda ν g = . m 94 CEDERJ
  • 13. MÓDULO 1 17 AULA RESUMO Embora a resolução da equação de Schrödinger no caso tridimensional seja muito mais difícil do que no unidimensional (por se tratar de uma equação em derivadas parciais), ela pode ser desenvolvida facilmente no caso em que o potencial seja separável. No caso de uma partícula livre em três dimensões, são obtidos resultados semelhantes ao do unidimensional, sendo os estados r quânticos da partícula caracterizados pelo vetor propagação k = (k1, k2, k3), e dados explicitamente pelas funções de onda ψ (x, y, z) = Ce i (k1 x + k2 y + k3 z ) , com energias E = h k / 2 µ . Se uma partícula se movimenta no interior de uma 2 2 caixa tridimensional, as funções de onda e os níveis de energia lembram os do poço de potencial infinito, mas, neste caso, as funções de onda e os níveis de energia são caracterizados pelos três índices (números quânticos) n1 , n2 , n3 = 1, 2, 3,... . Para uma escolha qualquer das dimensões laterais da caixa, esses níveis são, em geral, 2 2 não-degenerados, enquanto, no caso da partícula livre com energia E = h k / 2 µ , eles são infinitamente degenerados. INFORMAÇÕES SOBRE A PRÓXIMA AULA Na próxima aula, vamos estudar o caso particular da caixa tridimensional em que os lados são iguais (caixa cúbica), estudando o grau de degenerescência dos níveis de energia, e também considerar a aplicação do método de separação da equação de Schrödinger em coordenadas cartesianas ao caso do oscilador harmônico tridimensional. CEDERJ 95