SlideShare uma empresa Scribd logo
Compreender a
estrutura e a dinâmica
da geosfera
Atividade vulcânica
Vulcanologia - ciência que estuda os
fenómenos vulcânicos, as suas
causas e os seus mecanismos.
Vulcanólogos -
cientistas que
estudam
vulcanologia.
A atividade dos vulcanólogos
Antes…
A atividade dos vulcanólogos
Agora…
Os vulcanólogos correm grandes riscos!
• Devidos às altas temperaturas podem
sofrer graves queimaduras
• Os gases e as cinzas libertadas podem
provocar graves problemas respiratórios
• Os materiais sólidos expelidos podem
atingir gravemente os vulcanólogos.
Meios de proteção
•Fatos protetores, resistentes às
altas temperaturas (ex: fatos de
amianto)
•Luvas, óculos e calçado
resistentes
•Máscaras de gás
De onde provêm os materiais expelidos pelos
vulcões?
• Os materiais provêm geralmente de magmas que se encontram em
profundidade, em reservatórios denominados câmaras magmáticas.
• Os vulcões são aberturas
naturais na crusta terrestre que
põem em comunicação com a
superfície uma grande
diversidade de materiais.
Vulcão
Caracteriza-se pela ocorrência de erupções vulcânicas.
Vulcanismo
Distribuição
geográfica vulcânica
TPC
Distribuição Mundial
Anel de Fogo
do Pacífico
DorsalMédio-
Atlântica
Cintura
Mediterrânica
As principais zonas geográficas mundiais, com atividade
vulcânica são:
Anel de Fogo do Pacífico
Dorsal Médio-Atlântica
Cintura Mediterrânica
Tipos de Vulcões de acordo com a distribuição tectónica
• Vulcões intraplacas:
• localizam-se no meio das Placas Tectónicas
(ex: vulcões hot-spot – Havai)
• Vulcões interplacas:
• localizam-se entre as Placas Tectónicas, nos seus limites
(ex: vulcões de rifte e de subducção)
• Tipos principais de
manifestações de vulcanismo
primário:
• Vulcanismo central - há
formação de um cone
vulcânico;
• Vulcanismo fissural
Vulcanismo
Manifestações de vulcanismo primário
•Vulcanismo fissural
•Vulcões dos riftes
(vulcão interplaca)
•Vulcanismo central
•Vulcões dos pontos quentes
(vulcão intraplaca)
•Vulcões das zonas de subducção
(vulcão interplaca)
Vulcanismo Fissural
•Quando os materiais
vulcânicos são
ejectados através de
fendas alongadas, que,
por vezes, atingem
quilómetros de
comprimento.
• Erupção fissural (filme)
Vulcanismo Central
• Vulcões das
zonas de
subducção
• Vulcões dos
pontos quentes
(Hot-spot)
Em Portugal…
Encontramos vestígios ou até atividade
vulcânica nos Arquipélagos dos Açores e da
Madeira
Distribuição Nacional
Vestígios da actividade vulcânica na Ilha de Porto Santo, Madeira
Distribuição Nacional
Vulcanismo Primário
Vulcanismo Central
Vulcanismo Central
Quando o
magma ascende
por uma conduta
principal, ou
chaminé dando
geralmente
origem a um
cone vulcânico.
Estrutura geral de um vulcão
Estrutura do aparelho vulcânico
Estrutura do aparelho vulcânico
• Câmara magmática
• Local onde estão
armazenados os
materiais em fusão.
Estrutura do aparelho vulcânico
• Chaminé vulcânica
• Conduta irregular
por onde ascende
o material até à
superfície.
Estrutura do aparelho vulcânico
• Cratera
• Concavidade, mais ou
menos circular, que
corresponde ao
alargamento da
chaminé vulcânica.
Estrutura do aparelho vulcânico
• Cone vulcânico
• Estrutura resultante da
acumulação de materiais
emitidos pelo vulcão.
• Esta estrutura é por vezes
atravessada por condutas
de menor dimensão que
correspondem a chaminés
vulcânicas laterais.
• Com o decorrer da atividade vulcânica pode ocorrer um
esvaziamento da câmara magmática.
• Esse esvaziamento da câmara magmática ocasiona perda de apoio
do aparelho vulcânico, com a consequente incapacidade de
suportar o próprio peso.
• Pode suceder-se o abatimento da parte central do vulcão,
originando-se, assim, uma caldeira.
• Após a formação das caldeiras, e com o passar dos anos, estas vão-
se enchendo com água proveniente das chuvas ou de ribeiros que
nela confluem, dando origem a lagoas.
Formação de uma caldeira
Formação de uma caldeira
A. Erupção
B. Diminuição da actividade
vulcânica
C. Esvaziamento da câmara
magmática
D. Abatimento da parte central
do cone principal
E. Caldeira preenchida por
águas pluviais – formação de
um lago
Caldeira
Materiais expelidos
pelos vulcões
Materiais expelidos pelos vulcões
Cinzas
Fragmentos muito finos, com
menos de 2 mm de diâmetro,
que podem ser facilmente
transportados pelo vento até
longas distâncias.
Quando estas cinzas se
misturam com água formam
autênticas correntes de lama
chamadas Lahares
Cinzas
Fragmentos muito finos, com
menos de 2 mm de diâmetro,
que podem ser facilmente
transportados pelo vento até
longas distâncias.
Quando estas cinzas se
misturam com água formam
autênticas correntes de lama
chamadas Lahares
Lapilli ou bagacina
• Fragmentos angulares arredondados com diâmetro entre 2 e 50 mm,
que podem ser expelidos em estado sólido ou plástico, isto é,
semifundido.
Bombas vulcânica
• Diâmetro superior a 50 mm. Podem pesar várias
dezenas de quilos. Caracterizam-se pela forma
particular que adquirem durante o seu trajecto no ar.
Escória vulcânica
• Fragmentos com diâmetro
idêntico ao das bombas (<50
mm), irregulares na forma e
muito vesiculares, pelo que se
caracterizam por reduzida
densidade.
Exemplo: pedra-pomes.
LÍQUIDOS GASOSOS SÓLIDOS
Lava Gases Piroclastos
Magma emitido
por um vulcão
que consolida à
superfície à
medida que
arrefece.
São vários os gases
libertados durante
uma erupção,
predominando o
vapor de água. São
também libertados,
monóxido de
carbono, dióxido de
carbono, enxofre,
azoto.
Materiais rochosos de diferentes dimensões.
Cinzas Lapilli Bombas
Materiais rochosos de
dimensões inferiores a 2
mm.
Materiais rochosos de
dimensões compreendidas
entre 2 e 64 mm.
Materiais rochosos de
dimensões superiores a 64
mm.
Materiais expelidos pelos vulcões
Materiais expelidos pelos vulcões
Materiais expelidos pelos vulcões
Materiais expelidos pelos vulcões
Materiais expelidos pelos vulcões
Materiais expelidos pelos vulcões
MATERIAIS EXPELIDOS DURANTE UMA ERUPÇÃO VULCÂNICA
LIQUIDOS SÓLIDOS
GASOSOS
Combustíveis Incombustíveis
Lavas básicas
(pobres em
sílica – 45 a
50%)
Lavas
intermédias
(entre 50 a
60% de sílica)
Lavas ácidas
(viscosas),
ricas em
sílica (mais
de 65%)
- Blocos
- Bombas
vulcânicas
- Pedra-
pomes
- Lapilli ou
bagacina
- Cinzas
vulcânicas
- Hidrogénio
- Monóxido de
carbono
- Hidrocarbone
tos
- Azoto
- Dióxido de
carbono
- Ácido
clorídrico
- Compostos
de enxofre
Classificação da lava em função da percentagem
em SiO2
Lavas básicas
(pobres em sílica – 45 a 50%)
Lavas intermédias
(entre 50 a 60% de sílica)
Lavas ácidas
(viscosas), ricas em sílica
(mais de 65%)
Classificação da lava em função da viscosidade
Lava viscosa Lava fluida
Temperatura T = 800 0C
A lava é expelida a uma temperatura próxima
da sua temperatura de solidificação
T = 1500 0C
A lava é expelida a uma temperatura muito
superior à da sua solidificação
Sílica Rica em Sílica (ácida) Pobre em Sílica (básica)
Gases Dificuldade em libertar gases Facilidade em libertar gases
Classificação da lava em função da viscosidade
Lava viscosa Lava fluida
Temperatura T = 800 0C
A lava é expelida a uma temperatura próxima
da sua temperatura de solidificação
T = 1500 0C
A lava é expelida a uma temperatura muito
superior à da sua solidificação
Sílica Rica em Sílica (ácida) Pobre em Sílica (básica)
Gases Dificuldade em libertar gases Facilidade em libertar gases
Classificação da lava em função da viscosidade
Lava viscosa Lava fluida
Temperatura T = 800 0C
A lava é expelida a uma temperatura próxima
da sua temperatura de solidificação
T = 1500 0C
A lava é expelida a uma temperatura muito
superior à da sua solidificação
Sílica Rica em Sílica (ácida) Pobre em Sílica (básica)
Gases Dificuldade em libertar gases Facilidade em libertar gases
• Estruturas
vulcânicas que
resultam da
solidificação de
uma lava muito
viscosa no interior
da chaminé
vulcânica.
Agulhas vulcânicas
• Estruturas vulcânicas que
se formam em vulcões cuja
lava muito viscosa não
escoa a grande distância
da cratera, formando um
relevo que esconde a
chaminé.
Domos vulcânicos
• Piroclastos de diversas
dimensões, envolvidos em
gases a altíssimas
temperaturas.
• As nuvens ardentes
deslocam-se a grande
velocidade.
Nuvens ardentes
• Piroclastos de diversas
dimensões, envolvidos em
gases a altíssimas
temperaturas.
• As nuvens ardentes
deslocam-se a grande
velocidade.
Nuvens ardentes
Tipos de erupções
vulcânicas
Atividade Efusiva
Exemplo: Kilauea - Havai
Atividade
Mista
Atividade Explosiva
Exemplo: Eyjafjallajokull - Islândia Exemplo: Santiaguito - Guatemala
Tipos de atividade vulcânica
Atividade vulcânica efusiva
• Emissões calmas de lava de baixa viscosidade, baixo teor de
gases e elevado teor de água.
• Podem constituir-se pequenos repuxos de lava.
• Na cratera, formam-se lagos de lava que podem transbordar,
formando rios ou torrentes de lava.
Exemplo de Atividade Vulcânica Efusiva
Vulcão Kilauea - Havai
Tipos de erupções vulcânicas
Erupção efusiva
•lava muito fluida
•Lava muito pobre em gases
•Forma rios de lava, escoadas longas
•Não liberta piroclastos
Erupções efusivas
• As atividades efusivas caracterizam-se por erupções calmas,
formando espessos mantos de lava fluida, praticamente
horizontais.
• Alguns vulcões efusivos podem apresentar uma lava menos
fluida e expelir alguns materiais sólidos, como piroclastos,
em pequenas explosões.
Atividade vulcânica explosiva
• Emissões violentas de piroclastos.
• Formação de nuvens ardentes que se deslocam a alta
velocidade e temperatura o que torna a sua passagem
altamente destruidora.
• A lava por ser muito viscosa pode consolidar na chaminé
formando domos ou agulhas vulcânicas que impedem a
libertação de gases, o que pode provocar explosões de grande
violência.
Exemplo de Atividade Vulcânica Explosiva
Vulcão Santiaguito - Guatemala
Erupções explosivas
• As actividades explosivas libertam muitos gases e grande
quantidade de cinzas, já que a lava é bastante viscosa, o que
origina muitas explosões.
• As erupções de alguns vulcões explosivos são extremamente
destrutivas, pois a lava é muito viscosa e não escorre,
solidifica, podendo formar um doma, que pode ser
arredondado ou em forma de agulha, que tapa a cratera.
Desta forma os gases ficam aprisionados, originando fortes
pressões que irão provocar enormes explosões.
Atividade vulcânica mista
• Ocorrência de pequenas explosões com libertação de
piroclastos que alternam com emissões de lava de
viscosidade moderada.
Exemplo de Atividade Vulcânica Mista
Vulcão Eyjafjallajokull - Islândia
CARACTERÍSTICAS DA
ATIVIDADE VULCÂNICA
ATIVIDADE
EFUSIVA MISTA EXPLOSIVA
Viscosidade da lava Baixa Moderada Alta
Teor em gases da Lava Baixo Moderado Alto
Teor em água da Lava Alto Moderado Baixo
Correntes de lava Abundantes Moderadas Raras
Piroclastos Inexistentes Lapilli, bombas e cinzas
Lapilli, bombas e cinzas.
Formação de nuvens ardentes.
Tipo de cone vulcânico
Baixo e de base larga,
constituído exclusivamente por
lava. Pode reduzir-se a uma
simples fissura.
Intermédio
Elevado, de base estreita e
constituído por lava e
piroclastos variados. Formação
de domas e agulhas.
Principais características dos diferentes tipos de
erupções vulcânicas
Natureza da erupção
Vulcanismo
Secundário
Vulcanismo Secundário
• Fumarola, ilha de S. Miguel, Açores
• Nascente termal, ilha de S. Miguel, Açores
• Géiser nos EUA
Fenómenos de vulcanismo secundário
•Vulcanismo secundário inclui fenómenos de
menor importância e podem ocorrer antes da
erupção vulcânica ou como fenómenos residuais
depois de esta ocorrer e mantêm-se, muitas vezes,
durante anos ou séculos.
•Ex: fumarolas, géiseres e nascentes termais
Fenómenos de vulcanismo secundário
•Fumarolas – emanações de pequenas nuvens
esbranquiçadas de vapor de água, muitas vezes
acompanhadas de outros gases, a temperaturas
elevadas, libertadas através de fendas do cone
vulcânico.
Fumarola
Fumarolas
•Géiseres – são jatos de água quente e vapor
projetados, com extraordinária violência, de
forma intermitente, que podem alcançar
centenas de metros acima do solo.
Géiser
Nascentes termais
•Fontes ou nascentes termais – locais de
libertação de águas subterrâneas, aquecidas
em profundidade, que acabam por submergir
à superfície a temperaturas elevadas.
Algumas delas são ricas em substâncias
minerais.
Nascentes termais
• Principais fenómenos de vulcanismo
atenuado
• Nascentes termais
• Fumarolas
• Géiseres
Nascentes termais
• Nascentes de água
rica em sais minerais,
a temperaturas
elevadas que
ascendem à
superfície.
Fumarolas
• Consistem na
libertação de
gases (dióxido
de carbono,
dióxido de
enxofre, entre
outros), através
de fendas ou
fissuras no solo.
Géiseres
• Fontes intermitentes de
água e vapor de água
sobreaquecidos, em que
colunas de água são
ejetadas em intervalos de
tempos mais ou menos
regulares, atingindo, por
vezes, alturas de 30 a 60
metros.
Riscos e
benefícios
da actividade vulcânica
Ficha de trabalho n.º5
Riscos da atividade vulcânica
• Os gases e as partículas sólidas que os vulcões
emitem para a atmosfera poderão ser tão
poluentes como a atividade industrial;
• Perda de vidas humanas;
• Destruição de habitats;
• Destruição de edifícios e de outros bens.
Benefícios da atividade vulcânica
• Turismo
• Exploração agrícola
• Exploração industrial
• Exploração mineira
• Energia geotérmica
• Exploração científica
• Saúde
Riscos
da actividade vulcânica
Vesúvio, Itália
Vesúvio, Itália
Laki, Islândia (1783)
Krakatoa, Indonésia (1883)
Monte de Santa Helena
Nevado Del Ruiz (1985)
Heimay, Islândia (1973)
Mount Pelée (1902)
Pinatubo (1991)
Kilauea, Havaí
Benefícios
da actividade vulcânica
Benefícios da actividade vulcânica
• Fonte de turismo
• Exploração de minerais como o enxofre
• Utilização de energia geotérmica
• Solos férteis
Minimização dos
riscos vulcânicos
Previsão e Prevenção
Previsão
• Estudo da história eruptiva do vulcão
• Interpretação de fenómenos vulcânicos
• Vigilância dos fenómenos secundários vulcânicos
• Detecção de sismos vulcânicos
Medidas de prevenção da atividade vulcânica
• Cartas de risco vulcânico
• Sensibilizar e educar as populações
• Registo da temperatura dos terrenos juntos ao vulcão
• Medição de variação nas medições do cone
• Registo da ocorrência de sismos por movimentos do magma na câmara magmática
• Monitorizar as águas nas áreas envolventes do vulcão
À medida que a tecnologia evolui, melhores serão os equipamentos e
sistemas que nos permitem monitorizar e prevenir as erupções vulcânicas.
http://ciencias7ano.wordpress.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tipos de erupção1
Tipos de erupção1Tipos de erupção1
Tipos de erupção1
Paulinha Sousa
 
Vulcanismo em Portugal
Vulcanismo em PortugalVulcanismo em Portugal
Vulcanismo em Portugal
Luís Filipe Marinho
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
Cláudia Moura
 
Magma, teor em sílica, temperatura e erupções
Magma, teor em sílica, temperatura e erupçõesMagma, teor em sílica, temperatura e erupções
Magma, teor em sílica, temperatura e erupções
MINEDU
 
Geologia 10 vulcanismo
Geologia 10   vulcanismoGeologia 10   vulcanismo
Geologia 10 vulcanismo
Nuno Correia
 
8 sismologia
8   sismologia8   sismologia
8 sismologia
margaridabt
 
O tempo em geologia - datação relativa e absoluta
O tempo em geologia - datação relativa e absolutaO tempo em geologia - datação relativa e absoluta
O tempo em geologia - datação relativa e absoluta
Ana Castro
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológico
margaridabt
 
Vulcanismo Primário e Secundário
Vulcanismo Primário e SecundárioVulcanismo Primário e Secundário
Vulcanismo Primário e Secundário
Luís Reguengo
 
Rochas magmáticas
Rochas magmáticasRochas magmáticas
Rochas magmáticas
Tânia Reis
 
Ondas sísmicas e descontinuidades
Ondas sísmicas e descontinuidadesOndas sísmicas e descontinuidades
Ondas sísmicas e descontinuidades
Ana Castro
 
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º AnoResumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Vitor Perfeito
 
Estrutura interna da terra
Estrutura interna da terraEstrutura interna da terra
Estrutura interna da terra
catiacsantos
 
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
Resumo   10º ano - ciclo das rochasResumo   10º ano - ciclo das rochas
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
Hugo Martins
 
5 rochas magmáticas
5  rochas magmáticas5  rochas magmáticas
5 rochas magmáticas
margaridabt
 
Tectónica de placas
Tectónica de placasTectónica de placas
Tectónica de placas
catiacsantos
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Gijasilvelitz 2
 
6 métodos estudo interior da terra
6   métodos estudo interior da terra6   métodos estudo interior da terra
6 métodos estudo interior da terra
margaridabt
 
Exercícios de aplicação Geologia 10 ano
Exercícios de aplicação Geologia 10 anoExercícios de aplicação Geologia 10 ano
Exercícios de aplicação Geologia 10 ano
Catir
 
Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico
Bárbara Castanheira
 

Mais procurados (20)

Tipos de erupção1
Tipos de erupção1Tipos de erupção1
Tipos de erupção1
 
Vulcanismo em Portugal
Vulcanismo em PortugalVulcanismo em Portugal
Vulcanismo em Portugal
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
Magma, teor em sílica, temperatura e erupções
Magma, teor em sílica, temperatura e erupçõesMagma, teor em sílica, temperatura e erupções
Magma, teor em sílica, temperatura e erupções
 
Geologia 10 vulcanismo
Geologia 10   vulcanismoGeologia 10   vulcanismo
Geologia 10 vulcanismo
 
8 sismologia
8   sismologia8   sismologia
8 sismologia
 
O tempo em geologia - datação relativa e absoluta
O tempo em geologia - datação relativa e absolutaO tempo em geologia - datação relativa e absoluta
O tempo em geologia - datação relativa e absoluta
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológico
 
Vulcanismo Primário e Secundário
Vulcanismo Primário e SecundárioVulcanismo Primário e Secundário
Vulcanismo Primário e Secundário
 
Rochas magmáticas
Rochas magmáticasRochas magmáticas
Rochas magmáticas
 
Ondas sísmicas e descontinuidades
Ondas sísmicas e descontinuidadesOndas sísmicas e descontinuidades
Ondas sísmicas e descontinuidades
 
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º AnoResumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
 
Estrutura interna da terra
Estrutura interna da terraEstrutura interna da terra
Estrutura interna da terra
 
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
Resumo   10º ano - ciclo das rochasResumo   10º ano - ciclo das rochas
Resumo 10º ano - ciclo das rochas
 
5 rochas magmáticas
5  rochas magmáticas5  rochas magmáticas
5 rochas magmáticas
 
Tectónica de placas
Tectónica de placasTectónica de placas
Tectónica de placas
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
6 métodos estudo interior da terra
6   métodos estudo interior da terra6   métodos estudo interior da terra
6 métodos estudo interior da terra
 
Exercícios de aplicação Geologia 10 ano
Exercícios de aplicação Geologia 10 anoExercícios de aplicação Geologia 10 ano
Exercícios de aplicação Geologia 10 ano
 
Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico
 

Destaque

ErupçõEs Vulcânicas
ErupçõEs VulcânicasErupçõEs Vulcânicas
ErupçõEs Vulcânicas
dulcemarr
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
Gabriel Pereira
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Erupções vulcânicas
Erupções vulcânicas Erupções vulcânicas
Erupções vulcânicas
geocoisas
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
marcos0007
 
Formação de caldeiras
Formação de caldeirasFormação de caldeiras
Formação de caldeiras
claudiapinto7a
 
Caldeira
CaldeiraCaldeira
Caldeira
guest122c68e
 
Actividade vculcânica 7º ano
Actividade vculcânica 7º anoActividade vculcânica 7º ano
Actividade vculcânica 7º ano
Sofia Ribeiro
 
V - VULCANISMO
V - VULCANISMOV - VULCANISMO
V - VULCANISMO
sandranascimento
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
Ana Castro
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
Catir
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
Tânia Reis
 
Vulcanismo 7º
Vulcanismo 7ºVulcanismo 7º
Vulcanismo 7º
guest76d5b3
 
Riscos e benefícios da actividade vulcânica
Riscos e benefícios da actividade vulcânicaRiscos e benefícios da actividade vulcânica
Riscos e benefícios da actividade vulcânica
Catir
 

Destaque (14)

ErupçõEs Vulcânicas
ErupçõEs VulcânicasErupçõEs Vulcânicas
ErupçõEs Vulcânicas
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
Erupções vulcânicas
Erupções vulcânicas Erupções vulcânicas
Erupções vulcânicas
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
 
Formação de caldeiras
Formação de caldeirasFormação de caldeiras
Formação de caldeiras
 
Caldeira
CaldeiraCaldeira
Caldeira
 
Actividade vculcânica 7º ano
Actividade vculcânica 7º anoActividade vculcânica 7º ano
Actividade vculcânica 7º ano
 
V - VULCANISMO
V - VULCANISMOV - VULCANISMO
V - VULCANISMO
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
Vulcanismo 7º
Vulcanismo 7ºVulcanismo 7º
Vulcanismo 7º
 
Riscos e benefícios da actividade vulcânica
Riscos e benefícios da actividade vulcânicaRiscos e benefícios da actividade vulcânica
Riscos e benefícios da actividade vulcânica
 

Semelhante a Atividade vulcânica

Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
Pelo Siro
 
005862911.pdf
005862911.pdf005862911.pdf
005862911.pdf
rickriordan
 
Vulcanismo.pdf
Vulcanismo.pdfVulcanismo.pdf
Vulcanismo.pdf
Paulo Ricardo
 
Vulcanismo2
Vulcanismo2Vulcanismo2
Vulcanismo2
home
 
vulcanismo.ppt
vulcanismo.pptvulcanismo.ppt
vulcanismo.ppt
MikeMicas
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
Ana Soares
 
Vulcoes
VulcoesVulcoes
Vulcoes
turmabgranja
 
tipos de vulcanismo 7 ano
tipos de vulcanismo 7 anotipos de vulcanismo 7 ano
tipos de vulcanismo 7 ano
David Aps
 
10 vulcanologia
10 vulcanologia10 vulcanologia
10 vulcanologia
Maria João Drumond
 
10 vulcanologia
10 vulcanologia10 vulcanologia
10 vulcanologia
Maria João Drumond
 
Vulcanisno
VulcanisnoVulcanisno
Vulcanisno
André Jesus
 
Actividade vculcânica 7ano
Actividade vculcânica 7anoActividade vculcânica 7ano
Actividade vculcânica 7ano
Leonardo Alves
 
7 vulcanologia
7   vulcanologia7   vulcanologia
7 vulcanologia
margaridabt
 
Vulcoes(1)
Vulcoes(1)Vulcoes(1)
Vulcoes(1)
Ana Conceição
 
VULCANOLOGIA.pptx
VULCANOLOGIA.pptxVULCANOLOGIA.pptx
VULCANOLOGIA.pptx
RicardoVasconcelos65
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
Gabriela Bruno
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
Rita Pereira
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
João Monteiro
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
Leonardo Alves
 
Introdução (Vulcanismo)
Introdução (Vulcanismo)Introdução (Vulcanismo)
Introdução (Vulcanismo)
Sasuke Sakura
 

Semelhante a Atividade vulcânica (20)

Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
 
005862911.pdf
005862911.pdf005862911.pdf
005862911.pdf
 
Vulcanismo.pdf
Vulcanismo.pdfVulcanismo.pdf
Vulcanismo.pdf
 
Vulcanismo2
Vulcanismo2Vulcanismo2
Vulcanismo2
 
vulcanismo.ppt
vulcanismo.pptvulcanismo.ppt
vulcanismo.ppt
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
Vulcoes
VulcoesVulcoes
Vulcoes
 
tipos de vulcanismo 7 ano
tipos de vulcanismo 7 anotipos de vulcanismo 7 ano
tipos de vulcanismo 7 ano
 
10 vulcanologia
10 vulcanologia10 vulcanologia
10 vulcanologia
 
10 vulcanologia
10 vulcanologia10 vulcanologia
10 vulcanologia
 
Vulcanisno
VulcanisnoVulcanisno
Vulcanisno
 
Actividade vculcânica 7ano
Actividade vculcânica 7anoActividade vculcânica 7ano
Actividade vculcânica 7ano
 
7 vulcanologia
7   vulcanologia7   vulcanologia
7 vulcanologia
 
Vulcoes(1)
Vulcoes(1)Vulcoes(1)
Vulcoes(1)
 
VULCANOLOGIA.pptx
VULCANOLOGIA.pptxVULCANOLOGIA.pptx
VULCANOLOGIA.pptx
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
 
Introdução (Vulcanismo)
Introdução (Vulcanismo)Introdução (Vulcanismo)
Introdução (Vulcanismo)
 

Mais de Catir

Exercícios de Exames de Geologia de 10º ano
Exercícios de Exames de Geologia de 10º anoExercícios de Exames de Geologia de 10º ano
Exercícios de Exames de Geologia de 10º ano
Catir
 
4 ecossistemas
4 ecossistemas4 ecossistemas
4 ecossistemas
Catir
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
Catir
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
Catir
 
Dinâmica externa da Terra -1
Dinâmica externa da Terra -1Dinâmica externa da Terra -1
Dinâmica externa da Terra -1
Catir
 
Paisagens geológicas
Paisagens geológicasPaisagens geológicas
Paisagens geológicas
Catir
 
A célula
A célulaA célula
A célula
Catir
 
A Terra como um sistema
A Terra como um sistemaA Terra como um sistema
A Terra como um sistema
Catir
 
Terra - um planeta com vida
Terra - um planeta com vidaTerra - um planeta com vida
Terra - um planeta com vida
Catir
 
História das Ciências e Educação em Ciências
História das Ciências e Educação em CiênciasHistória das Ciências e Educação em Ciências
História das Ciências e Educação em Ciências
Catir
 
Sistema digestivo
Sistema digestivoSistema digestivo
Sistema digestivo
Catir
 
o sistema respiratório
o sistema respiratórioo sistema respiratório
o sistema respiratório
Catir
 
O sistema linfático
O sistema linfáticoO sistema linfático
O sistema linfático
Catir
 
Algumas perturbações do sistema circulatório
Algumas perturbações do sistema circulatórioAlgumas perturbações do sistema circulatório
Algumas perturbações do sistema circulatório
Catir
 
Tipos de circulação sanguínea
Tipos de circulação sanguíneaTipos de circulação sanguínea
Tipos de circulação sanguínea
Catir
 
O ciclo cardíaco
O ciclo cardíacoO ciclo cardíaco
O ciclo cardíaco
Catir
 
Anatomia do coração
Anatomia do coraçãoAnatomia do coração
Anatomia do coração
Catir
 
Constituição do sangue
Constituição do sangueConstituição do sangue
Constituição do sangue
Catir
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Catir
 
Sistema hormonal
Sistema hormonalSistema hormonal
Sistema hormonal
Catir
 

Mais de Catir (20)

Exercícios de Exames de Geologia de 10º ano
Exercícios de Exames de Geologia de 10º anoExercícios de Exames de Geologia de 10º ano
Exercícios de Exames de Geologia de 10º ano
 
4 ecossistemas
4 ecossistemas4 ecossistemas
4 ecossistemas
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
 
Dinâmica externa da Terra -1
Dinâmica externa da Terra -1Dinâmica externa da Terra -1
Dinâmica externa da Terra -1
 
Paisagens geológicas
Paisagens geológicasPaisagens geológicas
Paisagens geológicas
 
A célula
A célulaA célula
A célula
 
A Terra como um sistema
A Terra como um sistemaA Terra como um sistema
A Terra como um sistema
 
Terra - um planeta com vida
Terra - um planeta com vidaTerra - um planeta com vida
Terra - um planeta com vida
 
História das Ciências e Educação em Ciências
História das Ciências e Educação em CiênciasHistória das Ciências e Educação em Ciências
História das Ciências e Educação em Ciências
 
Sistema digestivo
Sistema digestivoSistema digestivo
Sistema digestivo
 
o sistema respiratório
o sistema respiratórioo sistema respiratório
o sistema respiratório
 
O sistema linfático
O sistema linfáticoO sistema linfático
O sistema linfático
 
Algumas perturbações do sistema circulatório
Algumas perturbações do sistema circulatórioAlgumas perturbações do sistema circulatório
Algumas perturbações do sistema circulatório
 
Tipos de circulação sanguínea
Tipos de circulação sanguíneaTipos de circulação sanguínea
Tipos de circulação sanguínea
 
O ciclo cardíaco
O ciclo cardíacoO ciclo cardíaco
O ciclo cardíaco
 
Anatomia do coração
Anatomia do coraçãoAnatomia do coração
Anatomia do coração
 
Constituição do sangue
Constituição do sangueConstituição do sangue
Constituição do sangue
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Sistema hormonal
Sistema hormonalSistema hormonal
Sistema hormonal
 

Último

REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 

Último (20)

REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 

Atividade vulcânica

  • 1. Compreender a estrutura e a dinâmica da geosfera Atividade vulcânica
  • 2. Vulcanologia - ciência que estuda os fenómenos vulcânicos, as suas causas e os seus mecanismos. Vulcanólogos - cientistas que estudam vulcanologia.
  • 3. A atividade dos vulcanólogos Antes…
  • 4. A atividade dos vulcanólogos Agora…
  • 5. Os vulcanólogos correm grandes riscos! • Devidos às altas temperaturas podem sofrer graves queimaduras • Os gases e as cinzas libertadas podem provocar graves problemas respiratórios • Os materiais sólidos expelidos podem atingir gravemente os vulcanólogos.
  • 6. Meios de proteção •Fatos protetores, resistentes às altas temperaturas (ex: fatos de amianto) •Luvas, óculos e calçado resistentes •Máscaras de gás
  • 7. De onde provêm os materiais expelidos pelos vulcões? • Os materiais provêm geralmente de magmas que se encontram em profundidade, em reservatórios denominados câmaras magmáticas.
  • 8. • Os vulcões são aberturas naturais na crusta terrestre que põem em comunicação com a superfície uma grande diversidade de materiais. Vulcão
  • 9. Caracteriza-se pela ocorrência de erupções vulcânicas. Vulcanismo
  • 11. Distribuição Mundial Anel de Fogo do Pacífico DorsalMédio- Atlântica Cintura Mediterrânica
  • 12. As principais zonas geográficas mundiais, com atividade vulcânica são: Anel de Fogo do Pacífico Dorsal Médio-Atlântica Cintura Mediterrânica
  • 13.
  • 14.
  • 15. Tipos de Vulcões de acordo com a distribuição tectónica • Vulcões intraplacas: • localizam-se no meio das Placas Tectónicas (ex: vulcões hot-spot – Havai) • Vulcões interplacas: • localizam-se entre as Placas Tectónicas, nos seus limites (ex: vulcões de rifte e de subducção)
  • 16. • Tipos principais de manifestações de vulcanismo primário: • Vulcanismo central - há formação de um cone vulcânico; • Vulcanismo fissural Vulcanismo
  • 17. Manifestações de vulcanismo primário •Vulcanismo fissural •Vulcões dos riftes (vulcão interplaca) •Vulcanismo central •Vulcões dos pontos quentes (vulcão intraplaca) •Vulcões das zonas de subducção (vulcão interplaca)
  • 18. Vulcanismo Fissural •Quando os materiais vulcânicos são ejectados através de fendas alongadas, que, por vezes, atingem quilómetros de comprimento.
  • 20. Vulcanismo Central • Vulcões das zonas de subducção • Vulcões dos pontos quentes (Hot-spot)
  • 21. Em Portugal… Encontramos vestígios ou até atividade vulcânica nos Arquipélagos dos Açores e da Madeira
  • 22. Distribuição Nacional Vestígios da actividade vulcânica na Ilha de Porto Santo, Madeira
  • 25. Vulcanismo Central Quando o magma ascende por uma conduta principal, ou chaminé dando geralmente origem a um cone vulcânico.
  • 26. Estrutura geral de um vulcão
  • 27. Estrutura do aparelho vulcânico
  • 28. Estrutura do aparelho vulcânico • Câmara magmática • Local onde estão armazenados os materiais em fusão.
  • 29. Estrutura do aparelho vulcânico • Chaminé vulcânica • Conduta irregular por onde ascende o material até à superfície.
  • 30. Estrutura do aparelho vulcânico • Cratera • Concavidade, mais ou menos circular, que corresponde ao alargamento da chaminé vulcânica.
  • 31. Estrutura do aparelho vulcânico • Cone vulcânico • Estrutura resultante da acumulação de materiais emitidos pelo vulcão. • Esta estrutura é por vezes atravessada por condutas de menor dimensão que correspondem a chaminés vulcânicas laterais.
  • 32. • Com o decorrer da atividade vulcânica pode ocorrer um esvaziamento da câmara magmática. • Esse esvaziamento da câmara magmática ocasiona perda de apoio do aparelho vulcânico, com a consequente incapacidade de suportar o próprio peso. • Pode suceder-se o abatimento da parte central do vulcão, originando-se, assim, uma caldeira. • Após a formação das caldeiras, e com o passar dos anos, estas vão- se enchendo com água proveniente das chuvas ou de ribeiros que nela confluem, dando origem a lagoas. Formação de uma caldeira
  • 33. Formação de uma caldeira A. Erupção B. Diminuição da actividade vulcânica C. Esvaziamento da câmara magmática D. Abatimento da parte central do cone principal E. Caldeira preenchida por águas pluviais – formação de um lago
  • 37. Cinzas Fragmentos muito finos, com menos de 2 mm de diâmetro, que podem ser facilmente transportados pelo vento até longas distâncias. Quando estas cinzas se misturam com água formam autênticas correntes de lama chamadas Lahares
  • 38. Cinzas Fragmentos muito finos, com menos de 2 mm de diâmetro, que podem ser facilmente transportados pelo vento até longas distâncias. Quando estas cinzas se misturam com água formam autênticas correntes de lama chamadas Lahares
  • 39. Lapilli ou bagacina • Fragmentos angulares arredondados com diâmetro entre 2 e 50 mm, que podem ser expelidos em estado sólido ou plástico, isto é, semifundido.
  • 40. Bombas vulcânica • Diâmetro superior a 50 mm. Podem pesar várias dezenas de quilos. Caracterizam-se pela forma particular que adquirem durante o seu trajecto no ar.
  • 41. Escória vulcânica • Fragmentos com diâmetro idêntico ao das bombas (<50 mm), irregulares na forma e muito vesiculares, pelo que se caracterizam por reduzida densidade. Exemplo: pedra-pomes.
  • 42. LÍQUIDOS GASOSOS SÓLIDOS Lava Gases Piroclastos Magma emitido por um vulcão que consolida à superfície à medida que arrefece. São vários os gases libertados durante uma erupção, predominando o vapor de água. São também libertados, monóxido de carbono, dióxido de carbono, enxofre, azoto. Materiais rochosos de diferentes dimensões. Cinzas Lapilli Bombas Materiais rochosos de dimensões inferiores a 2 mm. Materiais rochosos de dimensões compreendidas entre 2 e 64 mm. Materiais rochosos de dimensões superiores a 64 mm. Materiais expelidos pelos vulcões
  • 48. MATERIAIS EXPELIDOS DURANTE UMA ERUPÇÃO VULCÂNICA LIQUIDOS SÓLIDOS GASOSOS Combustíveis Incombustíveis Lavas básicas (pobres em sílica – 45 a 50%) Lavas intermédias (entre 50 a 60% de sílica) Lavas ácidas (viscosas), ricas em sílica (mais de 65%) - Blocos - Bombas vulcânicas - Pedra- pomes - Lapilli ou bagacina - Cinzas vulcânicas - Hidrogénio - Monóxido de carbono - Hidrocarbone tos - Azoto - Dióxido de carbono - Ácido clorídrico - Compostos de enxofre
  • 49.
  • 50. Classificação da lava em função da percentagem em SiO2 Lavas básicas (pobres em sílica – 45 a 50%) Lavas intermédias (entre 50 a 60% de sílica) Lavas ácidas (viscosas), ricas em sílica (mais de 65%)
  • 51. Classificação da lava em função da viscosidade Lava viscosa Lava fluida Temperatura T = 800 0C A lava é expelida a uma temperatura próxima da sua temperatura de solidificação T = 1500 0C A lava é expelida a uma temperatura muito superior à da sua solidificação Sílica Rica em Sílica (ácida) Pobre em Sílica (básica) Gases Dificuldade em libertar gases Facilidade em libertar gases
  • 52. Classificação da lava em função da viscosidade Lava viscosa Lava fluida Temperatura T = 800 0C A lava é expelida a uma temperatura próxima da sua temperatura de solidificação T = 1500 0C A lava é expelida a uma temperatura muito superior à da sua solidificação Sílica Rica em Sílica (ácida) Pobre em Sílica (básica) Gases Dificuldade em libertar gases Facilidade em libertar gases
  • 53. Classificação da lava em função da viscosidade Lava viscosa Lava fluida Temperatura T = 800 0C A lava é expelida a uma temperatura próxima da sua temperatura de solidificação T = 1500 0C A lava é expelida a uma temperatura muito superior à da sua solidificação Sílica Rica em Sílica (ácida) Pobre em Sílica (básica) Gases Dificuldade em libertar gases Facilidade em libertar gases
  • 54.
  • 55. • Estruturas vulcânicas que resultam da solidificação de uma lava muito viscosa no interior da chaminé vulcânica. Agulhas vulcânicas
  • 56. • Estruturas vulcânicas que se formam em vulcões cuja lava muito viscosa não escoa a grande distância da cratera, formando um relevo que esconde a chaminé. Domos vulcânicos
  • 57. • Piroclastos de diversas dimensões, envolvidos em gases a altíssimas temperaturas. • As nuvens ardentes deslocam-se a grande velocidade. Nuvens ardentes
  • 58. • Piroclastos de diversas dimensões, envolvidos em gases a altíssimas temperaturas. • As nuvens ardentes deslocam-se a grande velocidade. Nuvens ardentes
  • 59.
  • 61. Atividade Efusiva Exemplo: Kilauea - Havai Atividade Mista Atividade Explosiva Exemplo: Eyjafjallajokull - Islândia Exemplo: Santiaguito - Guatemala Tipos de atividade vulcânica
  • 62. Atividade vulcânica efusiva • Emissões calmas de lava de baixa viscosidade, baixo teor de gases e elevado teor de água. • Podem constituir-se pequenos repuxos de lava. • Na cratera, formam-se lagos de lava que podem transbordar, formando rios ou torrentes de lava. Exemplo de Atividade Vulcânica Efusiva Vulcão Kilauea - Havai
  • 63.
  • 64. Tipos de erupções vulcânicas Erupção efusiva •lava muito fluida •Lava muito pobre em gases •Forma rios de lava, escoadas longas •Não liberta piroclastos
  • 65. Erupções efusivas • As atividades efusivas caracterizam-se por erupções calmas, formando espessos mantos de lava fluida, praticamente horizontais. • Alguns vulcões efusivos podem apresentar uma lava menos fluida e expelir alguns materiais sólidos, como piroclastos, em pequenas explosões.
  • 66. Atividade vulcânica explosiva • Emissões violentas de piroclastos. • Formação de nuvens ardentes que se deslocam a alta velocidade e temperatura o que torna a sua passagem altamente destruidora. • A lava por ser muito viscosa pode consolidar na chaminé formando domos ou agulhas vulcânicas que impedem a libertação de gases, o que pode provocar explosões de grande violência. Exemplo de Atividade Vulcânica Explosiva Vulcão Santiaguito - Guatemala
  • 67.
  • 68. Erupções explosivas • As actividades explosivas libertam muitos gases e grande quantidade de cinzas, já que a lava é bastante viscosa, o que origina muitas explosões. • As erupções de alguns vulcões explosivos são extremamente destrutivas, pois a lava é muito viscosa e não escorre, solidifica, podendo formar um doma, que pode ser arredondado ou em forma de agulha, que tapa a cratera. Desta forma os gases ficam aprisionados, originando fortes pressões que irão provocar enormes explosões.
  • 69. Atividade vulcânica mista • Ocorrência de pequenas explosões com libertação de piroclastos que alternam com emissões de lava de viscosidade moderada. Exemplo de Atividade Vulcânica Mista Vulcão Eyjafjallajokull - Islândia
  • 70.
  • 71. CARACTERÍSTICAS DA ATIVIDADE VULCÂNICA ATIVIDADE EFUSIVA MISTA EXPLOSIVA Viscosidade da lava Baixa Moderada Alta Teor em gases da Lava Baixo Moderado Alto Teor em água da Lava Alto Moderado Baixo Correntes de lava Abundantes Moderadas Raras Piroclastos Inexistentes Lapilli, bombas e cinzas Lapilli, bombas e cinzas. Formação de nuvens ardentes. Tipo de cone vulcânico Baixo e de base larga, constituído exclusivamente por lava. Pode reduzir-se a uma simples fissura. Intermédio Elevado, de base estreita e constituído por lava e piroclastos variados. Formação de domas e agulhas. Principais características dos diferentes tipos de erupções vulcânicas
  • 73.
  • 74.
  • 75.
  • 76.
  • 78. Vulcanismo Secundário • Fumarola, ilha de S. Miguel, Açores • Nascente termal, ilha de S. Miguel, Açores • Géiser nos EUA
  • 79. Fenómenos de vulcanismo secundário •Vulcanismo secundário inclui fenómenos de menor importância e podem ocorrer antes da erupção vulcânica ou como fenómenos residuais depois de esta ocorrer e mantêm-se, muitas vezes, durante anos ou séculos. •Ex: fumarolas, géiseres e nascentes termais
  • 80. Fenómenos de vulcanismo secundário •Fumarolas – emanações de pequenas nuvens esbranquiçadas de vapor de água, muitas vezes acompanhadas de outros gases, a temperaturas elevadas, libertadas através de fendas do cone vulcânico.
  • 83. •Géiseres – são jatos de água quente e vapor projetados, com extraordinária violência, de forma intermitente, que podem alcançar centenas de metros acima do solo.
  • 86. •Fontes ou nascentes termais – locais de libertação de águas subterrâneas, aquecidas em profundidade, que acabam por submergir à superfície a temperaturas elevadas. Algumas delas são ricas em substâncias minerais.
  • 88.
  • 89. • Principais fenómenos de vulcanismo atenuado • Nascentes termais • Fumarolas • Géiseres
  • 90. Nascentes termais • Nascentes de água rica em sais minerais, a temperaturas elevadas que ascendem à superfície.
  • 91. Fumarolas • Consistem na libertação de gases (dióxido de carbono, dióxido de enxofre, entre outros), através de fendas ou fissuras no solo.
  • 92. Géiseres • Fontes intermitentes de água e vapor de água sobreaquecidos, em que colunas de água são ejetadas em intervalos de tempos mais ou menos regulares, atingindo, por vezes, alturas de 30 a 60 metros.
  • 93. Riscos e benefícios da actividade vulcânica Ficha de trabalho n.º5
  • 94. Riscos da atividade vulcânica • Os gases e as partículas sólidas que os vulcões emitem para a atmosfera poderão ser tão poluentes como a atividade industrial; • Perda de vidas humanas; • Destruição de habitats; • Destruição de edifícios e de outros bens.
  • 95. Benefícios da atividade vulcânica • Turismo • Exploração agrícola • Exploração industrial • Exploração mineira • Energia geotérmica • Exploração científica • Saúde
  • 97.
  • 102. Monte de Santa Helena
  • 103. Nevado Del Ruiz (1985)
  • 105.
  • 109.
  • 111. Benefícios da actividade vulcânica • Fonte de turismo • Exploração de minerais como o enxofre • Utilização de energia geotérmica • Solos férteis
  • 112.
  • 113.
  • 114.
  • 115.
  • 117. Previsão • Estudo da história eruptiva do vulcão • Interpretação de fenómenos vulcânicos • Vigilância dos fenómenos secundários vulcânicos • Detecção de sismos vulcânicos
  • 118. Medidas de prevenção da atividade vulcânica • Cartas de risco vulcânico • Sensibilizar e educar as populações • Registo da temperatura dos terrenos juntos ao vulcão • Medição de variação nas medições do cone • Registo da ocorrência de sismos por movimentos do magma na câmara magmática • Monitorizar as águas nas áreas envolventes do vulcão À medida que a tecnologia evolui, melhores serão os equipamentos e sistemas que nos permitem monitorizar e prevenir as erupções vulcânicas.