SlideShare uma empresa Scribd logo
VULCANISMO
10º ano – BIOLOGIA E
GEOLOGIA
Vulcanismo é uma manifestação do
geodinamismo interno, constituindo o mecanismo
central da evolução do planeta.
A vulcanologia é a área do conhecimento
geológico que estuda os fenómenos vulcânicos.
Os contributos fornecidos por essa área têm sido
fundamentais para a elaboração de modelos de
estrutura interna da Terra, sobretudo no que diz
respeito à composição e à dinâmica da litosfera.
TIPOS DE VULCANISMO
PRIMÁRIO
Vulcanismo Central Vulcanismo Fissural
VULCANISMO CENTRAL
Existe um aparelho
vulcânico – vulcão,
constituído geralmente
por:
•Cone vulcânico
•Chaminé vulcânica
•Cratera
•Câmara magmática
VULCANISMO FISSURAL
As erupções ocorrem ao
longo de fraturas da superfície
terrestre.
Os materiais expelidos acabam
por preencher vales profundos
ou de relevo muito acidentado –
planaltos com centenas de
milhar de Km2.
Exemplos:
Planalto do Decão . Índia
Planalto da Columbia (U.S.A.)
Planalto da Rússia (Síbéria)
1
MAGMA
Material rochoso fundido, mais ou menos rico em
gases, e água (ou seja tem uma parte sólida,
liquida e gasosa) contido na câmara magmática,
constitui a bolsada magmática.
Fase gasosa: H2O, CO2, SO2..
Fase sólida: minerais que se formam no seio do
magma ou minerais (da rocha) que não
chegaram a fundir-se
A formação deste magma ocorre na crusta ou
manto superior mas pode ter origens mais
profundas
Lava – Material rochoso fundido,
com origem no magma mas com
menos riqueza em gases
 2
VULCÃO – TIPO CENTRAL
É, na maior parte das vezes,
uma estrutura de forma cónica -
cone vulcânico, que possui
uma depressão na parte
central, a cratera, que se
prolonga para o interior da Terra
por meio de um canal, a
chaminé vulcânica.
Esta permite a ascensão do
magma contido nas câmaras
magmáticas que estão
rodeadas por rochas sujeitas a
enormes pressões, as rochas
encaixantes
CONE VULCÂNICO
Os vulcões são formados pelos materiais
rochosos totalmente ou parcialmente fundidos e
providos de mobilidade que é expulso para o
exterior da Terra em locais onde existam fendas.
O Magma, que se passa a denominar LAVA, por
arrefecimento, solidifica e acumula-se nas
proximidades do ponto onde foi expulso, sendo o
grande responsável pela estrutura do cone
vulcânico (juntamente com material piroclástico –
quando este é emitido)
CONE PRINCIPAL E
ADVENTÍCIOS
Para além do cone principal, podem existir cones
mais pequenos designados por cones adventícios
ou secundários, na extremidade dos quais abrem
as chaminés vulcânicas adventícias ou secundárias.
Estas constituem canais mais pequenos que partem
da chaminé principal, pelos quais ocorre ascensão
de magma
Câmara Magmática
Local onde ocorre a acumulação
do magma, cujas profundidades
variam entre 5 a 20 quilómetros,
umas situadas na crosta terrestre
outras já no manto superior.
É a partir das câmaras
magmáticas que os magmas
ascendem à superfície originando
fenómenos vulcânicos
Chaminé Vulcânica
Canal geralmente cilíndrico por
onde são expelidos os materiais
vulcânicos (lavas, gases e cinzas)
durante as erupções vulcânicas.
Cratera Vulcânica
As crateras são, geralmente, provocadas pela
actividade dos vulcões, que provocam diversos
tipos e de alterações no relevo
CALDEIRA
O esvaziamento da câmara magmática
subjacente ao cone pode conduzir ao
abatimento do aparelho vulcânico, originando
uma depressão designada por caldeira.
Frequentemente, nestas formações ocorre
acumulação de água, originando lagoas.
FORMAÇÃO DE
CALDEIRA
O esvaziamento da
câmara magmática
subjacente ao cone pode
conduzir ao abatimento
do aparelho vulcânico,
originando uma depressão
designada por caldeira.
Frequentemente, nestas
formações ocorre
acumulação de água,
originando lagoas.
Caldeira de S. Miguel -
Açores
Tipos de Actividade
Vulcânica
EXPLOSIVA EFUSIVA
ERUPÇÃO MISTA
Quando a actividade
vulcânica alterna
erupções explosivas
com erupções efusivas.
A análise do cone
vulcânico revela camadas
alternas de escoadas de
lava com material
piroclástico
VULCANISMO
EXPLOSIVO
As erupções são muito violentas,
devido à acumulação de gases,
Acompanhadas por grandes
explosões, com a emissão de
piroclastos (maioritariamente cinzas)
Lavas muito viscosas, com origem em
magmas ácidos , de baixa
temperatura, (ricos em sílica e em
gases). Dada a sua viscosidade, estas
lavas não formam escoada
Formação de nuvens piroclásticas,
podendo ser ardentes (nuvens de
gases e poeiras incandescentes
NOTA:
Quanto maior é a percentagem de sílica,
maior é a viscosidade (menor fluidez) dos
magmas e das lavas respectivas, mais
baixa é a sua temperatura e menor é a
tendência para formar escoadas de lavas.
Em termos de localização, diz-se que é
um magma que pode ter origem mais
superficial.
VULCANISMO
EXPLOSIVO
 3
4
VULCANISMO EXPLOSIVO – Nuvem de
cinzas
 5
6
VULCANISMO EFUSIVO
 7
Vulcanismo Efusivo
Os fenómenos vulcânicos de natureza efusiva estão associados
a lavas muito fluidas, a alta temperatura, com origem em
magmas básicos (pobres em sílica e com poucos gases).
Dada a sua fluidez, a emissão destas lavas é rápida, formando-
se grandes escoadas que podem percorrer centenas de
quilómetros com uma velocidade variável.
Praticamente não existe a libertação de piroclastos (seja
cinzas, bombas ou lapilli)
VULCANISMO MISTO
 8
VULCANISMO MISTO
Na actividade vulcânica de tipo misto
ocorrem períodos efusivos e explosivos,
isto é, períodos calmos com formação de
escoadas e períodos com explosões
violentas com libertação de piroclastos e
gases.
9
Erupção Submarina
 10
PIROCLASTOS
Os PIROCLASTOS podem ser de:
PIROCLASTOS DE QUEDA – quando
resultam de porções de lava
projectadas, solidificando no ar.
PIROCLASTOS DE FLUXO – quando
os piroclastos se movem ao longo das
vertentes envolvidos em água ou em
gases.
A presença de gases no
magma o teor de sílica e a
temperatura afecta o tipo de
lava.
Então quais os tipos de
lava?
LAVAS FLUIDAS
LAVA ENCORDOADA ou
PAHOEHOE
Lava muito fluida, que se desloca com muita facilidade, formando escoadas
muito longas, quando solidificam ficam com aspecto semelhante a cordas
Típica de que tipo de vulcanismo? Efusivo
LAVA ESCORIÁCEA ou aa –
menos fluidas – por perda rápida
de gases originam superfícies
ásperas e muito fissuradas
LAVA em ALMOFADA
Arrefecem dentro de água, ficando com aspecto de travesseiros
LAVA VISCOSA, não flui, solidificando
na chaminé
Típica de que tipo de Vulcanismo? EXPLOSIVO
Tipo de Solidificação da
lavas viscosas e fenómenos
associados
AGULHA VULCANICA – posta
em evidência após erosão do
cone
Lava solidifica na chaminé
DOMO VULCÂNICO –
acumulações de lava
consolidada na cratera com
forma arredondadda
Lava solidifica, sobre a abertura vulcânica, obstruindo a cratera
Nuvens ardentes ou escoadas piroclásticas
Massas densas de cinzas e gases incandescentes. Grande mobilidade bem
como grande capacidade destrutiva.
VULCANOLOGIA.pptx
VULCANISMO
SECUNDÁRIO
VULCANISMO
ATENUADO/SECUNDÁRIO
VULCANOLOGIA.pptx
FONTES TERMAIS
Fontes Termais
São fontes de libertação de águas quentes,
ricas em sais minerais.
1 - A água pode resultar do vapor de água do
magma que arrefece e condensa – águas
magmáticas/Juvenis.
2 - Pode resultar da infiltração de água das
chuvas, acumulação em rochas porosas e
aquecimento através de rochas quentes
(situadas perto de câmaras magmáticas)
3 - Durante a ascensão são misturadas com
águas frias e daí a sua temperatura ser inferior
ao ponto de ebulição
VULCANOLOGIA.pptx
Fumarolas
Originam-se quando a Água Termal ao
encontrar uma abertura começa a “ferver”,
por diminuição de pressão.
As Fumarolas além da emissão de vapor de
água podem conter outros gases:
Ricos em enxofre – Sulfataras
Ricos em CO e CO2 - Mofetas
FUMAROLA – Capelinhos -
Açores
VULCANOLOGIA.pptx
MOFETA Furnas
SULFATARA - Islândia
Geiser
São emissões descontínuas de água e de
vapor de água através de fracturas.
1 – a água sobreaquecida ascende a
reservatórios onde a pressão impede a
entrada em ebulição
2 – Aumento progressivo da temperatura a
água começa a ferver.
3 – O vapor formado aumenta a pressão no
reservatório provocando a subida da água
Geiser
VULCANOLOGIA.pptx
ENERGIA
GEOTÉRMIC
A
AÇORES
ENERGIA GEOTÉRMICA
A proximidade de câmaras magmáticas pode
conduzir a um baixo grau geotérmico em
regiões vulcânicas ( desce-se menos de 32
metros para a elevação da temperatura em
1º C), daí pensar-se em produzir
electricidade a partir de vapor de água com
origem geotérmica
CENTRAIS
GEOTERMICAS
VULCANOLOGIA.pptx
Localização das fontes de magma
Fronteiras divergentes de placas
Existe aqui uma grande actividade vulcânica, embora a
maior parte dos casos não seja visível (pela profundidade
dos fundos oceânicos)
– Vulcanismo de vale de rifte – 15% vulcões ativos
O afastamento das placas provoca fissuras com milhares
de Km. O que permite a ascensão do magma. Magma
pouco profundo. O vulcanismo associado é efusivo e/ou
mista
EXEMPLO: Islândia e Açores
VULCÃO dos CAPELINHOS
(1957)
FRONTEIRA CONVERGENTE DE PLACAS
Os vulcões distribuem-se ao longo de zonas de
subducção - Vulcanismo de Subdução
80% vulcões ativos deriva deste tipo de vulcanismo
EXEMPLOS: Vulcões do Alasca, Aleutas, Japão, Arco das Marianas, St Helena,
Paricutín (México) Etna, Vesúvio..
A colisão de duas placas, obriga a que a placa mais
densa “mergulhe”- origina zona subdução
A partir de certa profundidade a pressão e temperatura
induzem a fusão da placa em subdução, formando
magma. Magma pouco profundo. Erupções tipo explosivo
VULCANOLOGIA.pptx
CONVERGÊNCIA DE
PLACAS e VULCANISMO -
Etna
INTRA PLACA
explicam a formação de ilhas nas placas oceânicas e
vulcões no interior dos continentes
ex. ilhas Hawai
Estes vulcões estão muitas vezes associados às chamadas
“plumas térmicas”.
Estas são longas colunas de material quente e pouco
denso (oriundo da fronteira entre manto e núcleo) que
sobem até á base da litosfera. O material experimenta
descompressão, e origina uma fonte de magma que
alimenta fenómenos de vulcanismo
Tipo de vulcanismo associado efusivo/misto representa
5% vulcões ativos
1 - A placa litosférica desloca-se sobre o
“ponto quente” estacionário.
2 - O magma“perfura” a placa e origina o
vulcanismo.
3 - Tempos depois ocorre nova ascensão de
magma que origina um novo vulcão sobre
outro lugar da placa que continua em
deslocação.
4 - Com o tempo forma-se uma cadeia de
vulcões e de ilhas, tanto mais antigas quanto
VULCANOLOGIA.pptx
VULCANOLOGIA.pptx
NOTA:
Em certos locais perto de Rift como sucede
com os Açores e Islândia podem existir
pontos quentes.
O vulcanismo aí observado está pois
associado quer a um magmatismo de Rift,
quer a um magmatismo de Ponto Quente
“Hot Spot”
VULCANOLOGIA.pptx
Indica vantagens decorrentes de
actividade vulcânica
Como prevenir riscos
associados a actividade
vulcânica?
Lava, piroclastos, gases, sismos
vulcanicos, tsunamis, etc
MAS UM VULCÃO SERÁ
SEMPRE UM VULCÃO?
VULCÃO DE LAMA
O vulcão de lama tem uma
estrutura cónica de lama argilosa
depositada junto a um orifício de
escape de metano, gases não
combustíveis, vapor de água e de
lama com água salgada,
geralmente em região sísmica.
Eventualmente os vulcões de lama
podem emitir nitrogénio e hélio.
As rochas e magma em profundidade sofrem
alterações por soluções geralmente muito
ácidas em estado supercrítico destas
regiões vulcânicas.
Produzem-se minerais argilosos
incorporados à água fortemente aquecida
como uma lama que é forçada a sair por
condutos devido as fortes pressões de
gases, principalmente o metano.
O termo vulcão de lama ou domo de
lama é usado para se referir às
estruturas vulcânicas criadas pela
ejecção de gases, líquidos e lama,
geralmente em áreas mais frias;
portanto não são magmáticos
Os vulcões de lama possuem tamanhos
que vão de alguns centímetros de
altura até 700 metros e diâmetros de
até 10 km
VULCÕES DE LAMA
VULCANOLOGIA.pptx

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a VULCANOLOGIA.pptx

Vulcão
VulcãoVulcão
Vulcoes
VulcoesVulcoes
Vulcoes
turmabgranja
 
vulcanismo
 vulcanismo vulcanismo
vulcanismo
Terceiro Calhau
 
Vulcanisno
VulcanisnoVulcanisno
Vulcanisno
André Jesus
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
Pelo Siro
 
Vulcanismo1
Vulcanismo1Vulcanismo1
vulcanismo.ppt
vulcanismo.pptvulcanismo.ppt
vulcanismo.ppt
MikeMicas
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
Gabriela Bruno
 
tipos de vulcanismo 7 ano
tipos de vulcanismo 7 anotipos de vulcanismo 7 ano
tipos de vulcanismo 7 ano
David Aps
 
Ap 2 Vulcanismo
Ap 2   VulcanismoAp 2   Vulcanismo
Ap 2 Vulcanismo
essg
 
8 vulcanologia
8   vulcanologia8   vulcanologia
8 vulcanologia
margaridabt
 
Seminario de geografia vulcão 1ºb em
Seminario de geografia vulcão   1ºb emSeminario de geografia vulcão   1ºb em
Seminario de geografia vulcão 1ºb em
Vinicius Vasconcelos
 
TEMAS DE CIENCIAS PARA TRABALHOS :D
TEMAS DE CIENCIAS PARA TRABALHOS :DTEMAS DE CIENCIAS PARA TRABALHOS :D
TEMAS DE CIENCIAS PARA TRABALHOS :D
Laura Miali
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
Ana Soares
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
Catir
 
10 vulcanologia
10 vulcanologia10 vulcanologia
10 vulcanologia
Maria João Drumond
 
Introdução (Vulcanismo)
Introdução (Vulcanismo)Introdução (Vulcanismo)
Introdução (Vulcanismo)
Sasuke Sakura
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
deividcosta
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
guest52af3f
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
guestdbe434
 

Semelhante a VULCANOLOGIA.pptx (20)

Vulcão
VulcãoVulcão
Vulcão
 
Vulcoes
VulcoesVulcoes
Vulcoes
 
vulcanismo
 vulcanismo vulcanismo
vulcanismo
 
Vulcanisno
VulcanisnoVulcanisno
Vulcanisno
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
 
Vulcanismo1
Vulcanismo1Vulcanismo1
Vulcanismo1
 
vulcanismo.ppt
vulcanismo.pptvulcanismo.ppt
vulcanismo.ppt
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
tipos de vulcanismo 7 ano
tipos de vulcanismo 7 anotipos de vulcanismo 7 ano
tipos de vulcanismo 7 ano
 
Ap 2 Vulcanismo
Ap 2   VulcanismoAp 2   Vulcanismo
Ap 2 Vulcanismo
 
8 vulcanologia
8   vulcanologia8   vulcanologia
8 vulcanologia
 
Seminario de geografia vulcão 1ºb em
Seminario de geografia vulcão   1ºb emSeminario de geografia vulcão   1ºb em
Seminario de geografia vulcão 1ºb em
 
TEMAS DE CIENCIAS PARA TRABALHOS :D
TEMAS DE CIENCIAS PARA TRABALHOS :DTEMAS DE CIENCIAS PARA TRABALHOS :D
TEMAS DE CIENCIAS PARA TRABALHOS :D
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
10 vulcanologia
10 vulcanologia10 vulcanologia
10 vulcanologia
 
Introdução (Vulcanismo)
Introdução (Vulcanismo)Introdução (Vulcanismo)
Introdução (Vulcanismo)
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
 

Último

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 

VULCANOLOGIA.pptx

  • 1. VULCANISMO 10º ano – BIOLOGIA E GEOLOGIA
  • 2. Vulcanismo é uma manifestação do geodinamismo interno, constituindo o mecanismo central da evolução do planeta. A vulcanologia é a área do conhecimento geológico que estuda os fenómenos vulcânicos. Os contributos fornecidos por essa área têm sido fundamentais para a elaboração de modelos de estrutura interna da Terra, sobretudo no que diz respeito à composição e à dinâmica da litosfera.
  • 3. TIPOS DE VULCANISMO PRIMÁRIO Vulcanismo Central Vulcanismo Fissural
  • 4. VULCANISMO CENTRAL Existe um aparelho vulcânico – vulcão, constituído geralmente por: •Cone vulcânico •Chaminé vulcânica •Cratera •Câmara magmática
  • 5. VULCANISMO FISSURAL As erupções ocorrem ao longo de fraturas da superfície terrestre. Os materiais expelidos acabam por preencher vales profundos ou de relevo muito acidentado – planaltos com centenas de milhar de Km2. Exemplos: Planalto do Decão . Índia Planalto da Columbia (U.S.A.) Planalto da Rússia (Síbéria)
  • 6. 1
  • 7. MAGMA Material rochoso fundido, mais ou menos rico em gases, e água (ou seja tem uma parte sólida, liquida e gasosa) contido na câmara magmática, constitui a bolsada magmática. Fase gasosa: H2O, CO2, SO2.. Fase sólida: minerais que se formam no seio do magma ou minerais (da rocha) que não chegaram a fundir-se A formação deste magma ocorre na crusta ou manto superior mas pode ter origens mais profundas
  • 8. Lava – Material rochoso fundido, com origem no magma mas com menos riqueza em gases  2
  • 9. VULCÃO – TIPO CENTRAL É, na maior parte das vezes, uma estrutura de forma cónica - cone vulcânico, que possui uma depressão na parte central, a cratera, que se prolonga para o interior da Terra por meio de um canal, a chaminé vulcânica. Esta permite a ascensão do magma contido nas câmaras magmáticas que estão rodeadas por rochas sujeitas a enormes pressões, as rochas encaixantes
  • 10. CONE VULCÂNICO Os vulcões são formados pelos materiais rochosos totalmente ou parcialmente fundidos e providos de mobilidade que é expulso para o exterior da Terra em locais onde existam fendas. O Magma, que se passa a denominar LAVA, por arrefecimento, solidifica e acumula-se nas proximidades do ponto onde foi expulso, sendo o grande responsável pela estrutura do cone vulcânico (juntamente com material piroclástico – quando este é emitido)
  • 11. CONE PRINCIPAL E ADVENTÍCIOS Para além do cone principal, podem existir cones mais pequenos designados por cones adventícios ou secundários, na extremidade dos quais abrem as chaminés vulcânicas adventícias ou secundárias. Estas constituem canais mais pequenos que partem da chaminé principal, pelos quais ocorre ascensão de magma
  • 12. Câmara Magmática Local onde ocorre a acumulação do magma, cujas profundidades variam entre 5 a 20 quilómetros, umas situadas na crosta terrestre outras já no manto superior. É a partir das câmaras magmáticas que os magmas ascendem à superfície originando fenómenos vulcânicos
  • 13. Chaminé Vulcânica Canal geralmente cilíndrico por onde são expelidos os materiais vulcânicos (lavas, gases e cinzas) durante as erupções vulcânicas.
  • 14. Cratera Vulcânica As crateras são, geralmente, provocadas pela actividade dos vulcões, que provocam diversos tipos e de alterações no relevo
  • 15. CALDEIRA O esvaziamento da câmara magmática subjacente ao cone pode conduzir ao abatimento do aparelho vulcânico, originando uma depressão designada por caldeira. Frequentemente, nestas formações ocorre acumulação de água, originando lagoas.
  • 16. FORMAÇÃO DE CALDEIRA O esvaziamento da câmara magmática subjacente ao cone pode conduzir ao abatimento do aparelho vulcânico, originando uma depressão designada por caldeira. Frequentemente, nestas formações ocorre acumulação de água, originando lagoas.
  • 17. Caldeira de S. Miguel - Açores
  • 19. ERUPÇÃO MISTA Quando a actividade vulcânica alterna erupções explosivas com erupções efusivas. A análise do cone vulcânico revela camadas alternas de escoadas de lava com material piroclástico
  • 20. VULCANISMO EXPLOSIVO As erupções são muito violentas, devido à acumulação de gases, Acompanhadas por grandes explosões, com a emissão de piroclastos (maioritariamente cinzas) Lavas muito viscosas, com origem em magmas ácidos , de baixa temperatura, (ricos em sílica e em gases). Dada a sua viscosidade, estas lavas não formam escoada Formação de nuvens piroclásticas, podendo ser ardentes (nuvens de gases e poeiras incandescentes
  • 21. NOTA: Quanto maior é a percentagem de sílica, maior é a viscosidade (menor fluidez) dos magmas e das lavas respectivas, mais baixa é a sua temperatura e menor é a tendência para formar escoadas de lavas. Em termos de localização, diz-se que é um magma que pode ter origem mais superficial.
  • 23. 4
  • 24. VULCANISMO EXPLOSIVO – Nuvem de cinzas  5
  • 25. 6
  • 27. Vulcanismo Efusivo Os fenómenos vulcânicos de natureza efusiva estão associados a lavas muito fluidas, a alta temperatura, com origem em magmas básicos (pobres em sílica e com poucos gases). Dada a sua fluidez, a emissão destas lavas é rápida, formando- se grandes escoadas que podem percorrer centenas de quilómetros com uma velocidade variável. Praticamente não existe a libertação de piroclastos (seja cinzas, bombas ou lapilli)
  • 29. VULCANISMO MISTO Na actividade vulcânica de tipo misto ocorrem períodos efusivos e explosivos, isto é, períodos calmos com formação de escoadas e períodos com explosões violentas com libertação de piroclastos e gases.
  • 30. 9
  • 33. Os PIROCLASTOS podem ser de: PIROCLASTOS DE QUEDA – quando resultam de porções de lava projectadas, solidificando no ar. PIROCLASTOS DE FLUXO – quando os piroclastos se movem ao longo das vertentes envolvidos em água ou em gases.
  • 34. A presença de gases no magma o teor de sílica e a temperatura afecta o tipo de lava. Então quais os tipos de lava?
  • 36. LAVA ENCORDOADA ou PAHOEHOE Lava muito fluida, que se desloca com muita facilidade, formando escoadas muito longas, quando solidificam ficam com aspecto semelhante a cordas Típica de que tipo de vulcanismo? Efusivo
  • 37. LAVA ESCORIÁCEA ou aa – menos fluidas – por perda rápida de gases originam superfícies ásperas e muito fissuradas
  • 38. LAVA em ALMOFADA Arrefecem dentro de água, ficando com aspecto de travesseiros
  • 39. LAVA VISCOSA, não flui, solidificando na chaminé Típica de que tipo de Vulcanismo? EXPLOSIVO
  • 40. Tipo de Solidificação da lavas viscosas e fenómenos associados
  • 41. AGULHA VULCANICA – posta em evidência após erosão do cone Lava solidifica na chaminé
  • 42. DOMO VULCÂNICO – acumulações de lava consolidada na cratera com forma arredondadda Lava solidifica, sobre a abertura vulcânica, obstruindo a cratera
  • 43. Nuvens ardentes ou escoadas piroclásticas Massas densas de cinzas e gases incandescentes. Grande mobilidade bem como grande capacidade destrutiva.
  • 49. Fontes Termais São fontes de libertação de águas quentes, ricas em sais minerais. 1 - A água pode resultar do vapor de água do magma que arrefece e condensa – águas magmáticas/Juvenis. 2 - Pode resultar da infiltração de água das chuvas, acumulação em rochas porosas e aquecimento através de rochas quentes (situadas perto de câmaras magmáticas) 3 - Durante a ascensão são misturadas com águas frias e daí a sua temperatura ser inferior ao ponto de ebulição
  • 51. Fumarolas Originam-se quando a Água Termal ao encontrar uma abertura começa a “ferver”, por diminuição de pressão. As Fumarolas além da emissão de vapor de água podem conter outros gases: Ricos em enxofre – Sulfataras Ricos em CO e CO2 - Mofetas
  • 56. Geiser São emissões descontínuas de água e de vapor de água através de fracturas. 1 – a água sobreaquecida ascende a reservatórios onde a pressão impede a entrada em ebulição 2 – Aumento progressivo da temperatura a água começa a ferver. 3 – O vapor formado aumenta a pressão no reservatório provocando a subida da água
  • 60. ENERGIA GEOTÉRMICA A proximidade de câmaras magmáticas pode conduzir a um baixo grau geotérmico em regiões vulcânicas ( desce-se menos de 32 metros para a elevação da temperatura em 1º C), daí pensar-se em produzir electricidade a partir de vapor de água com origem geotérmica
  • 64. Fronteiras divergentes de placas Existe aqui uma grande actividade vulcânica, embora a maior parte dos casos não seja visível (pela profundidade dos fundos oceânicos) – Vulcanismo de vale de rifte – 15% vulcões ativos O afastamento das placas provoca fissuras com milhares de Km. O que permite a ascensão do magma. Magma pouco profundo. O vulcanismo associado é efusivo e/ou mista EXEMPLO: Islândia e Açores
  • 66. FRONTEIRA CONVERGENTE DE PLACAS Os vulcões distribuem-se ao longo de zonas de subducção - Vulcanismo de Subdução 80% vulcões ativos deriva deste tipo de vulcanismo EXEMPLOS: Vulcões do Alasca, Aleutas, Japão, Arco das Marianas, St Helena, Paricutín (México) Etna, Vesúvio.. A colisão de duas placas, obriga a que a placa mais densa “mergulhe”- origina zona subdução A partir de certa profundidade a pressão e temperatura induzem a fusão da placa em subdução, formando magma. Magma pouco profundo. Erupções tipo explosivo
  • 68. CONVERGÊNCIA DE PLACAS e VULCANISMO - Etna
  • 69. INTRA PLACA explicam a formação de ilhas nas placas oceânicas e vulcões no interior dos continentes ex. ilhas Hawai Estes vulcões estão muitas vezes associados às chamadas “plumas térmicas”. Estas são longas colunas de material quente e pouco denso (oriundo da fronteira entre manto e núcleo) que sobem até á base da litosfera. O material experimenta descompressão, e origina uma fonte de magma que alimenta fenómenos de vulcanismo Tipo de vulcanismo associado efusivo/misto representa 5% vulcões ativos
  • 70. 1 - A placa litosférica desloca-se sobre o “ponto quente” estacionário. 2 - O magma“perfura” a placa e origina o vulcanismo. 3 - Tempos depois ocorre nova ascensão de magma que origina um novo vulcão sobre outro lugar da placa que continua em deslocação. 4 - Com o tempo forma-se uma cadeia de vulcões e de ilhas, tanto mais antigas quanto
  • 73. NOTA: Em certos locais perto de Rift como sucede com os Açores e Islândia podem existir pontos quentes. O vulcanismo aí observado está pois associado quer a um magmatismo de Rift, quer a um magmatismo de Ponto Quente “Hot Spot”
  • 75. Indica vantagens decorrentes de actividade vulcânica Como prevenir riscos associados a actividade vulcânica? Lava, piroclastos, gases, sismos vulcanicos, tsunamis, etc
  • 76. MAS UM VULCÃO SERÁ SEMPRE UM VULCÃO?
  • 78. O vulcão de lama tem uma estrutura cónica de lama argilosa depositada junto a um orifício de escape de metano, gases não combustíveis, vapor de água e de lama com água salgada, geralmente em região sísmica. Eventualmente os vulcões de lama podem emitir nitrogénio e hélio.
  • 79. As rochas e magma em profundidade sofrem alterações por soluções geralmente muito ácidas em estado supercrítico destas regiões vulcânicas. Produzem-se minerais argilosos incorporados à água fortemente aquecida como uma lama que é forçada a sair por condutos devido as fortes pressões de gases, principalmente o metano.
  • 80. O termo vulcão de lama ou domo de lama é usado para se referir às estruturas vulcânicas criadas pela ejecção de gases, líquidos e lama, geralmente em áreas mais frias; portanto não são magmáticos Os vulcões de lama possuem tamanhos que vão de alguns centímetros de altura até 700 metros e diâmetros de até 10 km