SlideShare uma empresa Scribd logo
Reinos Africanos:
Profª Isabel Aguiar
O Império de Gana: os Soninkés:
• Gana foi provavelmente fundado durante os
anos 300. Do ano 300 até 770, os governantes
eram da dinastia dos Magas, uma família
berbere, mas o povo era composto por negros
das tribos Soninqué. Em 770 os Magas foram
derrubados pelos Soninqués, e o império
aumentou muito sob o domínio de Kaya
Maghan Sisse, que foi rei aproximadamente
em 790.
• Nessa altura o Gana começou a adquirir uma
reputação de ser uma terra de ouro. Atingiu o
máximo da sua glória durante os anos 900 e
atraiu a atenção dos Árabes. No começo
viviam da criação de animais, da agricultura e
da pesca. Mas como habitavam uma região
com grandes reservas de ouro,
• extraíam o ouro para trocar por outros
produtos com os povos do deserto (bérberes).
A região de Gana, tornou-se com o tempo,
uma área de intenso comércio.
• O Antigo Império Gana teve seu apogeu entre
os anos 700 e 1200 d.C. Acredita-se que o
surgimento deste império foi no século IV. O
antigo nome desse império era Uagadu, que
ocupava uma área tão vasta quanto à da
moderna Nigéria e, incluía os territórios que
hoje constituem o Mali ocidental e o sudeste
da Mauritânia.
• Este império era comandado por reis
conhecidos como caia-maga. Os habitantes do
império deviam pagar impostos para a
nobreza, que era formada pelo caia-maga,
seus parentes e amigos.
• Um exército poderoso fazia a proteção das
terras e do comércio que era praticado na
região. Além de pagar impostos, as aldeias
deviam contribuir com soldados e lavradores,
que trabalhavam nas terras da nobreza.
• Kumbi Saleh foi uma das suas últimas capitais.
Segundo relatos históricos, o Antigo Império
de Gana era tão rico em ouro, que seu
imperador, adepto da religião tradicional
africana, tal como seus súditos, eram
denominados “o senhor de ouro”.
• Com a concorrência de outras potências no
comércio do ouro, o Antigo Império Gana
começou a declinar. Até que, por volta de
1076 d.C., em nome de uma fé islâmica
ortodoxa, os berberes da dinastia dos
almorávidas, vindos do Magrebe (norte da
África – África Branca), atacam e conquista
Kumbi Saleh, capital do Império de Gana.
• Depois de muitos anos de luta, a dinastia dos
Almorávidas berberes tomou o poder por
pouco tempo. O império entrou em declínio e
em 1240 foi destruído pelo povo de Mali.
O Império do Mali:
• O Reino de Mali, no começo, era uma região
do Império de Gana habitada pelos
mandingas. Era composto por 12 reinos
menores ligados entre si, e tinha como capital
Kangaba. Os mandingas chamavam seu
território de Manden (= terra dos mandingas).
• Após anos de guerras entre os soninqués de Gana e os
almorávidas (século XI), e depois das guerras com os
sossos (século XII), Mali conseguiu sua independência
e adotou o islamismo. E, apesar de passar por um
período de crise política e econômica, conseguiu se
restabelecer e, em 1235, os mandingas de Mali
conquistaram o território do antigo Império de Gana,
sob a liderança de Maghan Sundiata, que recebeu o
título de Mansa, que na língua mandinga significa
"imperador".
• Ao contrário do Império de Gana, que
somente se preocupava em manter os povos
dominados, a fim de controlar o comércio
regional, o Império de Mali se impôs de forma
centralista, estabelecendo fronteiras bem
definidas e formulando leis por meio de uma
assembleia chamada Gbara, composta por
diversos povos do império.
• A aplicação da justiça era implacável, tanto
que vários viajantes se referiam aos povos
negros como "os que mais odeiam as
injustiças - e seu imperador não perdoa
ninguém que seja acusado de injusto".
Acredita-se que o Império de Mali tivesse a
extensão da Europa Ocidental.
• O Império de Mali se tornou herdeiro do Império
de Gana, pois passou a controlar todo o comércio
local. O ouro extraído por Mali sustentava grande
parte do comércio no Mediterrâneo. Conta-se
que, entre 1324 e 1325, Mansa Mussa, em
peregrinação a Meca, parou para uma visita ao
Cairo e teria presenteado tantas pessoas com
ouro, que o valor desse metal se desvalorizou por
mais de 10 anos.
Mansa Mussa:
Mina de Cobre:
Minas de Ouro:
Timbuctu:
• Também sob o reinado de Mussa, a cidade de
Timbuktu se tornou uma das mais ricas e importantes
da região. Sua universidade era um dos maiores
centros de cultura muçulmana da época, e produziu
várias traduções de textos gregos que ainda circulavam
nos séculos 14 e 15. A grandiosidade de Timbuktu
atravessou os tempos e, no século 19, exploradores
europeus se embrenharam pelos caminhos africanos,
seguindo o rio Níger, em busca da lendária cidade.
• O Império de Mali entrou em decadência a
partir do final do século XIV, em função das
disputas políticas internas e das invasões dos
tuaregues ( bérberes), sendo conquistado, no
século XV, pelos songais (povo africano até
então dominado por Mali). Foi nesse mesmo
século que os portugueses, em pleno processo
de expansão marítima, conheceram o já
decadente Mali.
Mina de Sal:
Catedral de Sal:
Sal:
Timbuctu:
O Grande Reino do Zimbabue:
• Este era o nome de um grande império que,
muito antes da chegada dos portugueses,
ocupava a região do atual Zimbabue e que
estendia as suas relações até às costas de
Sofala e de Moçambique. Com o
desenvolvimento do comércio costeiro, a
população autóctone começou a explorar os
depósitos de cobre e de ouro da região. A
exploração mineira tornou-se, assim, a sua
principal atividade econômica.
• A importância do ouro no comércio da costa
oriental africana constituiu, durante século
XII, um fator primordial para a fixação de
mercadores árabes vindos da região do Golfo
Pérsico. Depois, no final do século XVI, foi o
mesmo ouro que levou os portugueses para
as terras de Sofala e de Moçambique.
• As famosas ruínas do Grande Zimbábue, perto
da moderna cidade de Masvingo (que já se
chamou de Forte Vitória), simbolizam uma das
mais notáveis transformações . Elas são
famosas tanto pela excelência de sua
arquitetura quanto pelas teorias
extravagantes que cercam sua origem.
• Hoje, todos os estudiosos sérios consideram que
o Grande Zimbábue foi uma realização
essencialmente africana, construído com
material e segundo princípios arquitetônicos
desenvolvidos durante muitos séculos. Por outro
lado, porém, as causas últimas para o surgimento
da organização econômica, política e religiosa
que deu origem a este sítio, e outros análogos
existentes entre os rios Zambeze e Limpopo,
permanecem envoltas em mistério.
• Os vestígios da ocupação do Grande
Zimbábue no começo da Idade do Ferro
limitam-se aos estratos inferiores da longa
seqüência cultural que aparece na colina
chamada Acrópole (Acropolis Hill), que
domina o Grande Cercado (Great Enclosure),
certamente a mais impressionante das
construções do Grande Zimbábue, e a mais
uns restos de cerâmica espalhados pelo vale
que fica abaixo.
Torre do grande Zimbábue:
• Nas ruínas, distinguem-se três importantes construções:
um templo oval cercado por uma muralha de 2,5 km com
9m de altura e 4,5m de largura; no interior da muralha
erguem-se duas torres, a maior, com 10m de altura; e
mais, uma fortaleza e casas. A pesquisa arqueológica e
histórica também encontrou objetos de ouro, cobre,
bronze, jóias, marfim e gemas preciosas, alguns destes,
oriundos da Índia e da China, esculturas de pedra e
desenhos. Havia 58 cidades de pedra espalhadas por todo
o império. Os Monomotapa haviam alcançado uma
sofisticada técnica de construção em pedra e os objetos
de origem estrangeira indica que havia intercâmbio com
povos muito distantes
O Império Songhai:
• Também chamado Songai, ou Sonrai, é um
antigo reino da África Ocidental que se
estendia pelas margens do Níger. Foi fundado
por um chefe berbere da Líbia, Za el-Ayamen,
no século VII na região de Gao, ao fugir dos
árabes, tendo-se estabelecido em Kukia (a sul
de Gao) e impondo a sua autoridade às
populações da região, formada por
pescadores e caçadores.
• A região ocupada pelo Império Songai,
corresponde à região do antigo Império do
Mali, que foi dominada pelo povo Songai.
• A partir do século XI ( 1010), os reis que
viviam em Kukia estabeleceram-se em Gao e
converteram-se ao islamismo, ainda que a
maior parte dos súditos permanecesse pagã
até ao final do século XV.
No século XI, este reino estendia-se ao longo
do rio Níger (de Timbuctu a Niamey),
passando no final do século XIII a ser
dominado pelo Império do Mali.
• No século XV, a decadência do império Mali
permitiu o ressurgimento do reino Songhai,
que invadiram a capital capital do Mali em
1400, sob o comando do rei de Kukia, Ma
Dogo, permitindo, no final do século XV, que o
novo reino de Songhai conhecesse um grande
desenvolvimento feito por dois reis: Sonni Ali
(1464) e por Ali Ber (1492).
• Pouco adepto do islamismo, Ali Ber perseguiu os
Peules e os Tuaregues para defender a civilização
dos negros africanos contra os estrangeiros.
Apoderou-se de Timbuctu, Djenné e da região
dos Lagos e controlou as minas de ouro e a
permissão para navegar no rio Níger. Morreu em
combate, sendo seu sucessor um dos seus
generais, Mohammed Touré (1493-1528),
fundador da dinastia muçulmana dos Askias,
convertendo, finalmente desta forma, o reino
Songhai ao islamismo.
Askia:
• Em 1496 este rei organizou uma peregrinação
a Meca, onde obteve o título de califa.
Foi durante o seu reinado que o reino Songhai
alcançou o seu apogeu.
Em 1591, este reino acabou por desaparecer
nas mãos do sultão de Marrocos Ahmed el-
Mansur que se instalou em Timbuctu e
acabou com o reino Songhai.
Vila Songai:
Generais do Império Songhai:
Slide reinos africanos
Slide reinos africanos
Slide reinos africanos
Slide reinos africanos
Slide reinos africanos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
Marcos Oliveira
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas
joana71
 
Incas , astecas e maias
Incas , astecas e maiasIncas , astecas e maias
Incas , astecas e maias
Daniel Alves Bronstrup
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
Daniel Alves Bronstrup
 
6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas
Ajudar Pessoas
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
Nila Michele Bastos Santos
 
1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe 1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe
Daniel Alves Bronstrup
 
África - sístese histórica
África - sístese históricaÁfrica - sístese histórica
África - sístese histórica
Portal do Vestibulando
 
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidadePrimeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
seixasmarianas
 
Colonização da América
Colonização da AméricaColonização da América
Colonização da América
Claudenilson da Silva
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Aulas de História
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
edna2
 
História Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos AfricanosHistória Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos Africanos
Isaquel Silva
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
Alex Ferreira dos Santos
 
Os reinos africanos
Os reinos africanosOs reinos africanos
Os reinos africanos
Ranniere Cunha
 
Resumo china e índia
Resumo   china e índiaResumo   china e índia
Resumo china e índia
Claudenilson da Silva
 
As primeiras civilizações
As primeiras civilizaçõesAs primeiras civilizações
As primeiras civilizações
Marcia Fernandes
 
America espanhola
America espanholaAmerica espanhola
America espanhola
joana71
 

Mais procurados (20)

Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
Civilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-ColombianasCivilizações Pré-Colombianas
Civilizações Pré-Colombianas
 
Incas , astecas e maias
Incas , astecas e maiasIncas , astecas e maias
Incas , astecas e maias
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe 1º ano - Civilização Árabe
1º ano - Civilização Árabe
 
África - sístese histórica
África - sístese históricaÁfrica - sístese histórica
África - sístese histórica
 
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidadePrimeiras civilizações   sociedades africanas da antiguidade
Primeiras civilizações sociedades africanas da antiguidade
 
Colonização da América
Colonização da AméricaColonização da América
Colonização da América
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
 
História Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos AfricanosHistória Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos Africanos
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
Os reinos africanos
Os reinos africanosOs reinos africanos
Os reinos africanos
 
Resumo china e índia
Resumo   china e índiaResumo   china e índia
Resumo china e índia
 
As primeiras civilizações
As primeiras civilizaçõesAs primeiras civilizações
As primeiras civilizações
 
America espanhola
America espanholaAmerica espanhola
America espanhola
 

Semelhante a Slide reinos africanos

Reinos africanos
Reinos africanosReinos africanos
Reinos africanos
historiando
 
Reinos africanos
Reinos africanosReinos africanos
Reinos africanos
Nelia Salles Nantes
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
Valéria Shoujofan
 
Mali
MaliMali
India história
India históriaIndia história
India história
Andrea Lemos
 
Impérios africanos Mali, banto , Riqueza , Escravidão
Impérios africanos Mali, banto , Riqueza , EscravidãoImpérios africanos Mali, banto , Riqueza , Escravidão
Impérios africanos Mali, banto , Riqueza , Escravidão
Ricardo Diniz campos
 
A África negra antes dos europeus
A África negra antes dos europeusA África negra antes dos europeus
A África negra antes dos europeus
RATHES SILVA
 
AULA - AFRICA ANTIGA - GANA E MALI.pdf
AULA - AFRICA ANTIGA - GANA E MALI.pdfAULA - AFRICA ANTIGA - GANA E MALI.pdf
AULA - AFRICA ANTIGA - GANA E MALI.pdf
Sharley Cunha
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Povos e reinos africanos (séculos VII-XVI)
Povos e reinos africanos (séculos VII-XVI)Povos e reinos africanos (séculos VII-XVI)
Povos e reinos africanos (séculos VII-XVI)
Zé Knust
 
África Medieval - 7º Ano (2016)
África Medieval - 7º Ano (2016)África Medieval - 7º Ano (2016)
África Medieval - 7º Ano (2016)
Nefer19
 
América, África e Ásia (Idade Média)
América, África e Ásia (Idade Média)América, África e Ásia (Idade Média)
América, África e Ásia (Idade Média)
isameucci
 
Reinos Africanos e Escravidão
Reinos Africanos e EscravidãoReinos Africanos e Escravidão
Reinos Africanos e Escravidão
Marcos Mamute
 
Reinos africanos
Reinos africanosReinos africanos
Reinos africanos
MargarethFranklim
 
REINOS AFRICANOS.pdf
REINOS AFRICANOS.pdfREINOS AFRICANOS.pdf
REINOS AFRICANOS.pdf
tamara369482
 
África Medieval - 7º Ano (2018)
África Medieval - 7º Ano (2018)África Medieval - 7º Ano (2018)
África Medieval - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
HISTÓRIA DA ÁFRICA.pptx
HISTÓRIA DA ÁFRICA.pptxHISTÓRIA DA ÁFRICA.pptx
HISTÓRIA DA ÁFRICA.pptx
MairaDeOliveiraPotri
 
A áfrica dos grandes reinos e impérios
A áfrica dos grandes reinos e impériosA áfrica dos grandes reinos e impérios
A áfrica dos grandes reinos e impérios
escola estadual de ensino fundamental e médio pedro poti
 
africa-antes-dos-europeus-1300156744-phpapp01.pdf
africa-antes-dos-europeus-1300156744-phpapp01.pdfafrica-antes-dos-europeus-1300156744-phpapp01.pdf
africa-antes-dos-europeus-1300156744-phpapp01.pdf
Luiz Carlos Lopes Gomes
 
Sociedades Africanas Medievais
Sociedades Africanas MedievaisSociedades Africanas Medievais
Sociedades Africanas Medievais
Jesrayne Nascimento
 

Semelhante a Slide reinos africanos (20)

Reinos africanos
Reinos africanosReinos africanos
Reinos africanos
 
Reinos africanos
Reinos africanosReinos africanos
Reinos africanos
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
 
Mali
MaliMali
Mali
 
India história
India históriaIndia história
India história
 
Impérios africanos Mali, banto , Riqueza , Escravidão
Impérios africanos Mali, banto , Riqueza , EscravidãoImpérios africanos Mali, banto , Riqueza , Escravidão
Impérios africanos Mali, banto , Riqueza , Escravidão
 
A África negra antes dos europeus
A África negra antes dos europeusA África negra antes dos europeus
A África negra antes dos europeus
 
AULA - AFRICA ANTIGA - GANA E MALI.pdf
AULA - AFRICA ANTIGA - GANA E MALI.pdfAULA - AFRICA ANTIGA - GANA E MALI.pdf
AULA - AFRICA ANTIGA - GANA E MALI.pdf
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Povos e reinos africanos (séculos VII-XVI)
Povos e reinos africanos (séculos VII-XVI)Povos e reinos africanos (séculos VII-XVI)
Povos e reinos africanos (séculos VII-XVI)
 
África Medieval - 7º Ano (2016)
África Medieval - 7º Ano (2016)África Medieval - 7º Ano (2016)
África Medieval - 7º Ano (2016)
 
América, África e Ásia (Idade Média)
América, África e Ásia (Idade Média)América, África e Ásia (Idade Média)
América, África e Ásia (Idade Média)
 
Reinos Africanos e Escravidão
Reinos Africanos e EscravidãoReinos Africanos e Escravidão
Reinos Africanos e Escravidão
 
Reinos africanos
Reinos africanosReinos africanos
Reinos africanos
 
REINOS AFRICANOS.pdf
REINOS AFRICANOS.pdfREINOS AFRICANOS.pdf
REINOS AFRICANOS.pdf
 
África Medieval - 7º Ano (2018)
África Medieval - 7º Ano (2018)África Medieval - 7º Ano (2018)
África Medieval - 7º Ano (2018)
 
HISTÓRIA DA ÁFRICA.pptx
HISTÓRIA DA ÁFRICA.pptxHISTÓRIA DA ÁFRICA.pptx
HISTÓRIA DA ÁFRICA.pptx
 
A áfrica dos grandes reinos e impérios
A áfrica dos grandes reinos e impériosA áfrica dos grandes reinos e impérios
A áfrica dos grandes reinos e impérios
 
africa-antes-dos-europeus-1300156744-phpapp01.pdf
africa-antes-dos-europeus-1300156744-phpapp01.pdfafrica-antes-dos-europeus-1300156744-phpapp01.pdf
africa-antes-dos-europeus-1300156744-phpapp01.pdf
 
Sociedades Africanas Medievais
Sociedades Africanas MedievaisSociedades Africanas Medievais
Sociedades Africanas Medievais
 

Mais de Isabel Aguiar

Astecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e TupisAstecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e Tupis
Isabel Aguiar
 
A GUERRA FRIA
A GUERRA FRIAA GUERRA FRIA
A GUERRA FRIA
Isabel Aguiar
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
Isabel Aguiar
 
A marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América PortuguesaA marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América Portuguesa
Isabel Aguiar
 
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO  XIXEUA E EUROPA NO SÉCULO  XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
Isabel Aguiar
 
Eua séc XIX
Eua séc XIXEua séc XIX
Eua séc XIX
Isabel Aguiar
 
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAISEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
Isabel Aguiar
 
REGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASILREGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
Quiz Historia
Quiz Historia Quiz Historia
Quiz Historia
Isabel Aguiar
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
Isabel Aguiar
 
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALSEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
Isabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
Isabel Aguiar
 
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era NapoleonicaRevolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Isabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
Isabel Aguiar
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
Isabel Aguiar
 
Slide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 anoSlide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 ano
Isabel Aguiar
 
Slide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historiaSlide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historia
Isabel Aguiar
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
Isabel Aguiar
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
Isabel Aguiar
 

Mais de Isabel Aguiar (20)

Astecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e TupisAstecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e Tupis
 
A GUERRA FRIA
A GUERRA FRIAA GUERRA FRIA
A GUERRA FRIA
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
A marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América PortuguesaA marcha da colonização da América Portuguesa
A marcha da colonização da América Portuguesa
 
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO  XIXEUA E EUROPA NO SÉCULO  XIX
EUA E EUROPA NO SÉCULO XIX
 
Eua séc XIX
Eua séc XIXEua séc XIX
Eua séc XIX
 
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAISEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
SEGUNDO REINADO E GUERRA DO PARAGUAI
 
REGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASILREGÊNCIA NO BRASIL
REGÊNCIA NO BRASIL
 
Quiz Historia
Quiz Historia Quiz Historia
Quiz Historia
 
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASILEMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL
 
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIALSEGUNDA GUERRA MUNDIAL
SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
 
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLAINDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
INDEPENDÊNCIA DO HAITI E AMÉRICA ESPANHOLA
 
Revolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era NapoleonicaRevolução Francesa e Era Napoleonica
Revolução Francesa e Era Napoleonica
 
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUAINDEPENDÊNCIA DOS EUA
INDEPENDÊNCIA DOS EUA
 
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIIIILUMINISMO SÉCULO XVIII
ILUMINISMO SÉCULO XVIII
 
Slide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 anoSlide pre historia ester torres 6 ano
Slide pre historia ester torres 6 ano
 
Slide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historiaSlide pedro 6 ano pre historia
Slide pedro 6 ano pre historia
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
 
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
 

Último

Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 

Último (20)

Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 

Slide reinos africanos

  • 2.
  • 3. O Império de Gana: os Soninkés:
  • 4.
  • 5. • Gana foi provavelmente fundado durante os anos 300. Do ano 300 até 770, os governantes eram da dinastia dos Magas, uma família berbere, mas o povo era composto por negros das tribos Soninqué. Em 770 os Magas foram derrubados pelos Soninqués, e o império aumentou muito sob o domínio de Kaya Maghan Sisse, que foi rei aproximadamente em 790.
  • 6. • Nessa altura o Gana começou a adquirir uma reputação de ser uma terra de ouro. Atingiu o máximo da sua glória durante os anos 900 e atraiu a atenção dos Árabes. No começo viviam da criação de animais, da agricultura e da pesca. Mas como habitavam uma região com grandes reservas de ouro,
  • 7. • extraíam o ouro para trocar por outros produtos com os povos do deserto (bérberes). A região de Gana, tornou-se com o tempo, uma área de intenso comércio.
  • 8. • O Antigo Império Gana teve seu apogeu entre os anos 700 e 1200 d.C. Acredita-se que o surgimento deste império foi no século IV. O antigo nome desse império era Uagadu, que ocupava uma área tão vasta quanto à da moderna Nigéria e, incluía os territórios que hoje constituem o Mali ocidental e o sudeste da Mauritânia.
  • 9. • Este império era comandado por reis conhecidos como caia-maga. Os habitantes do império deviam pagar impostos para a nobreza, que era formada pelo caia-maga, seus parentes e amigos.
  • 10. • Um exército poderoso fazia a proteção das terras e do comércio que era praticado na região. Além de pagar impostos, as aldeias deviam contribuir com soldados e lavradores, que trabalhavam nas terras da nobreza.
  • 11.
  • 12. • Kumbi Saleh foi uma das suas últimas capitais. Segundo relatos históricos, o Antigo Império de Gana era tão rico em ouro, que seu imperador, adepto da religião tradicional africana, tal como seus súditos, eram denominados “o senhor de ouro”.
  • 13.
  • 14. • Com a concorrência de outras potências no comércio do ouro, o Antigo Império Gana começou a declinar. Até que, por volta de 1076 d.C., em nome de uma fé islâmica ortodoxa, os berberes da dinastia dos almorávidas, vindos do Magrebe (norte da África – África Branca), atacam e conquista Kumbi Saleh, capital do Império de Gana.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18. • Depois de muitos anos de luta, a dinastia dos Almorávidas berberes tomou o poder por pouco tempo. O império entrou em declínio e em 1240 foi destruído pelo povo de Mali.
  • 19.
  • 20.
  • 21. O Império do Mali:
  • 22.
  • 23.
  • 24. • O Reino de Mali, no começo, era uma região do Império de Gana habitada pelos mandingas. Era composto por 12 reinos menores ligados entre si, e tinha como capital Kangaba. Os mandingas chamavam seu território de Manden (= terra dos mandingas).
  • 25. • Após anos de guerras entre os soninqués de Gana e os almorávidas (século XI), e depois das guerras com os sossos (século XII), Mali conseguiu sua independência e adotou o islamismo. E, apesar de passar por um período de crise política e econômica, conseguiu se restabelecer e, em 1235, os mandingas de Mali conquistaram o território do antigo Império de Gana, sob a liderança de Maghan Sundiata, que recebeu o título de Mansa, que na língua mandinga significa "imperador".
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29. • Ao contrário do Império de Gana, que somente se preocupava em manter os povos dominados, a fim de controlar o comércio regional, o Império de Mali se impôs de forma centralista, estabelecendo fronteiras bem definidas e formulando leis por meio de uma assembleia chamada Gbara, composta por diversos povos do império.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33. • A aplicação da justiça era implacável, tanto que vários viajantes se referiam aos povos negros como "os que mais odeiam as injustiças - e seu imperador não perdoa ninguém que seja acusado de injusto". Acredita-se que o Império de Mali tivesse a extensão da Europa Ocidental.
  • 34.
  • 35.
  • 36. • O Império de Mali se tornou herdeiro do Império de Gana, pois passou a controlar todo o comércio local. O ouro extraído por Mali sustentava grande parte do comércio no Mediterrâneo. Conta-se que, entre 1324 e 1325, Mansa Mussa, em peregrinação a Meca, parou para uma visita ao Cairo e teria presenteado tantas pessoas com ouro, que o valor desse metal se desvalorizou por mais de 10 anos.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45. • Também sob o reinado de Mussa, a cidade de Timbuktu se tornou uma das mais ricas e importantes da região. Sua universidade era um dos maiores centros de cultura muçulmana da época, e produziu várias traduções de textos gregos que ainda circulavam nos séculos 14 e 15. A grandiosidade de Timbuktu atravessou os tempos e, no século 19, exploradores europeus se embrenharam pelos caminhos africanos, seguindo o rio Níger, em busca da lendária cidade.
  • 46. • O Império de Mali entrou em decadência a partir do final do século XIV, em função das disputas políticas internas e das invasões dos tuaregues ( bérberes), sendo conquistado, no século XV, pelos songais (povo africano até então dominado por Mali). Foi nesse mesmo século que os portugueses, em pleno processo de expansão marítima, conheceram o já decadente Mali.
  • 49. Sal:
  • 50.
  • 51.
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57. O Grande Reino do Zimbabue:
  • 58.
  • 59.
  • 60. • Este era o nome de um grande império que, muito antes da chegada dos portugueses, ocupava a região do atual Zimbabue e que estendia as suas relações até às costas de Sofala e de Moçambique. Com o desenvolvimento do comércio costeiro, a população autóctone começou a explorar os depósitos de cobre e de ouro da região. A exploração mineira tornou-se, assim, a sua principal atividade econômica.
  • 61.
  • 62.
  • 63.
  • 64. • A importância do ouro no comércio da costa oriental africana constituiu, durante século XII, um fator primordial para a fixação de mercadores árabes vindos da região do Golfo Pérsico. Depois, no final do século XVI, foi o mesmo ouro que levou os portugueses para as terras de Sofala e de Moçambique.
  • 65. • As famosas ruínas do Grande Zimbábue, perto da moderna cidade de Masvingo (que já se chamou de Forte Vitória), simbolizam uma das mais notáveis transformações . Elas são famosas tanto pela excelência de sua arquitetura quanto pelas teorias extravagantes que cercam sua origem.
  • 66. • Hoje, todos os estudiosos sérios consideram que o Grande Zimbábue foi uma realização essencialmente africana, construído com material e segundo princípios arquitetônicos desenvolvidos durante muitos séculos. Por outro lado, porém, as causas últimas para o surgimento da organização econômica, política e religiosa que deu origem a este sítio, e outros análogos existentes entre os rios Zambeze e Limpopo, permanecem envoltas em mistério.
  • 67.
  • 68.
  • 69. • Os vestígios da ocupação do Grande Zimbábue no começo da Idade do Ferro limitam-se aos estratos inferiores da longa seqüência cultural que aparece na colina chamada Acrópole (Acropolis Hill), que domina o Grande Cercado (Great Enclosure), certamente a mais impressionante das construções do Grande Zimbábue, e a mais uns restos de cerâmica espalhados pelo vale que fica abaixo.
  • 70.
  • 71. Torre do grande Zimbábue:
  • 72. • Nas ruínas, distinguem-se três importantes construções: um templo oval cercado por uma muralha de 2,5 km com 9m de altura e 4,5m de largura; no interior da muralha erguem-se duas torres, a maior, com 10m de altura; e mais, uma fortaleza e casas. A pesquisa arqueológica e histórica também encontrou objetos de ouro, cobre, bronze, jóias, marfim e gemas preciosas, alguns destes, oriundos da Índia e da China, esculturas de pedra e desenhos. Havia 58 cidades de pedra espalhadas por todo o império. Os Monomotapa haviam alcançado uma sofisticada técnica de construção em pedra e os objetos de origem estrangeira indica que havia intercâmbio com povos muito distantes
  • 73.
  • 74.
  • 75.
  • 76.
  • 77.
  • 78.
  • 80.
  • 81. • Também chamado Songai, ou Sonrai, é um antigo reino da África Ocidental que se estendia pelas margens do Níger. Foi fundado por um chefe berbere da Líbia, Za el-Ayamen, no século VII na região de Gao, ao fugir dos árabes, tendo-se estabelecido em Kukia (a sul de Gao) e impondo a sua autoridade às populações da região, formada por pescadores e caçadores.
  • 82. • A região ocupada pelo Império Songai, corresponde à região do antigo Império do Mali, que foi dominada pelo povo Songai.
  • 83.
  • 84.
  • 85.
  • 86.
  • 87. • A partir do século XI ( 1010), os reis que viviam em Kukia estabeleceram-se em Gao e converteram-se ao islamismo, ainda que a maior parte dos súditos permanecesse pagã até ao final do século XV. No século XI, este reino estendia-se ao longo do rio Níger (de Timbuctu a Niamey), passando no final do século XIII a ser dominado pelo Império do Mali.
  • 88.
  • 89.
  • 90.
  • 91.
  • 92. • No século XV, a decadência do império Mali permitiu o ressurgimento do reino Songhai, que invadiram a capital capital do Mali em 1400, sob o comando do rei de Kukia, Ma Dogo, permitindo, no final do século XV, que o novo reino de Songhai conhecesse um grande desenvolvimento feito por dois reis: Sonni Ali (1464) e por Ali Ber (1492).
  • 93.
  • 94.
  • 95. • Pouco adepto do islamismo, Ali Ber perseguiu os Peules e os Tuaregues para defender a civilização dos negros africanos contra os estrangeiros. Apoderou-se de Timbuctu, Djenné e da região dos Lagos e controlou as minas de ouro e a permissão para navegar no rio Níger. Morreu em combate, sendo seu sucessor um dos seus generais, Mohammed Touré (1493-1528), fundador da dinastia muçulmana dos Askias, convertendo, finalmente desta forma, o reino Songhai ao islamismo.
  • 97. • Em 1496 este rei organizou uma peregrinação a Meca, onde obteve o título de califa. Foi durante o seu reinado que o reino Songhai alcançou o seu apogeu. Em 1591, este reino acabou por desaparecer nas mãos do sultão de Marrocos Ahmed el- Mansur que se instalou em Timbuctu e acabou com o reino Songhai.