SlideShare uma empresa Scribd logo
AS
CRUZADAS
(1096 – 1270)
CRISE DO SISTEMA FEUDAL
 Fim da Invasões Bárbaras
 Colheitas Normais
 Baixa Mortalidade
 Aumento da População
 Falta de Terras
 Aumento da Produção:
# Rotação Trienal
# Arado de ferro com rodas
# Cavalo substitui o boi
# Servos
# Energia eólica e hidráulica
# Derrubada das matas
# Drenagem dos pântanos
 Aumento da população
gera marginalização
 Nobres (Cavaleiros) X
Pobres (Ladrões)
CRUZADAS
Iluminura do Wappenbuch de Conrad Grünenberg.
Grupos/camada social Interesses
Igreja Expansão do território europeu, ocupar
os saqueadores da época e acumular
riquezas.
Nobres e ricos Ganhar novas terras e mais riqueza.
Comerciantes (burgueses) Ter novas terras para ampliar os
negócios.
Camponeses (pobres) Ganhar terras para começar uma
fortuna.
Todos Salvação divina
Os interesses de cada grupo/camada social:
FATORES DAS CRUZADAS
 Novas rotas de Comércio (reabrir o
Mediterrâneo)
Sarracenos
Magiares (Húngaros)*
Vikings
Conquista de novas terras. (Nobres)
 Diminuir população européia
(marginalizados)
 Reunificação da Igreja (Cisma 1054)
 Peregrinação Religiosa
 Salvar o Santo Sepulcro de Cristo dos
“Bárbaros” (Guerra Santa)
Iluminura Séc. XII
Mapa de Jerusalém, século 12
AS CRUZADAS
 1095: Urbano II convoca os
cristãos para combaterem
os Infiéis Muçulmanos do
Oriente.
Todo fiel que participasse teria
seus pecados perdoados.
(Concílio de Clermont)
ESTOPIM
# Peregrinação Armada
# Penitência
# Cruz vermelha sobre a
roupa
Papa Urbano II
 Igreja + Estado
(Reis e Srs. Feudais)
 Gênova e Veneza: #
financiam as
Cruzadas
# reabertura do
comércio
 Ordens Militares: #
Templários
# Hospitalários #
Teutônicos
CRUZADAS
 Pré-Cruzada: (1096) #
Pedro, o Eremita
# Guautério Sam-Haveres
# Cruzada dos Pobres (40.000)
1ª Cruzada,dos Nobres: (1096-1099),
mais poder e Promessa de salvação
# Conquista de Jerusalém
# Godofredo de Boullion
# Balduíno I (Rei de Jerusalém)
# Boemundo (Antioquia)
# Ordens Religiosas
(Hospitalários, Templários, Teotônicos)
# São João d’Acre
Prometeram terras ao Império
Bizantino
Godofredo
de Boullion
Pedro, o eremita a
caminho de Jerusalém
Cavaleiro Templário
CRUZADAS MAPAS
Mapas
CRUZADAS
 2ª Cruzada: reis e imperadores (1147-1149) papa
Eugênio III
# Luís VII ( FRA.) e Conrado III (SIRG)
# Jerusalém foi tomada pelo exército de Saladino I
# Cristãos destruídos
# Derrota terrível
 3ª Cruzada: (1189-1192) papa
Gregório III
# Cruzada dos Reis
# Frederico Barbaruiva(SIRG)
# Felipe Augusto (FRA.)
# Ricardo Coração de Leão
# Saladino I
# Não conquistam Jerusalém Ricardo Coração de Leão
Saladino I
 4ª Cruzada: (1202-1204) "papa Inocêncio III
# Motivação Econômica
# Enrique Dândolo (Dodge de Veneza)
fez o transporte dos cruzados em troca
de dinheiro
# Constantinopla (Bizâncio)
Cruzada das Crianças: (1212)
# Almas puras iriam libertar
Jerusalém
# Foi um desastre, pois a maioria
das crianças morreu de fome
ou de frio
# As que sobreviveram foram
vendidas como escravas
pelos turcos no Norte da
África.
Batalha Constantinopla
A Cruzada das Crianças
Gustave Doré
 5ª Cruzada: (1217- 1221) "papa Inocêncio III
# João de Brienne- rei de Jerusalém
# André II(Hungria) e Leopoldo VI (Duque da
Áustria)
A tática dos cristãos era conquistar primeiramente o Egito
para depois atacar Jerusalém. Uma crise na liderança egípcia
permitiu que os cristãos dominassem a região. O sultão
ofereceu o reino de Jerusalém e dinheiro para os cristãos
deixarem o Egito, mas a proposta foi recusada. Os cristãos
conquistaram a cidade de Damieta, mas conflitos entre os
cruzados fizeram com que se perdesse tempo, possibilitando o
restabelecimento do exército islâmico, que contra-atacou os
cristãos e os derrotou em 1221.
 6ª Cruzada: (1228-1229)
# Frederico II (SIRG)- excomungado
# Negociação com Muçulmanos-
# Peregrinação Livre
# Derrota em Gaza
. 
7ªCruzada: (1248-1254)
# Luís IX (São Luís) : prisioneiro – Os
franceses pagaram pela sua libertação
Ataque a Damietta
Egito
Inimigos dos Cruzados
Gustave Doré
sultão Camil,
 8ª Cruzada: (1270)
# Luís IX (morte por disenteria)
# Peste assola exércitos
# Ataque a Túnis
"Os cruzados desembarcaram em Túnis e foram
contaminados por uma peste que matou inúmeros cristãos.

9ª Cruzada: (1270)
# Eduardo I (Inglaterra)
Com a morte do rei Luís IX, o rei da Inglaterra, Eduardo, decidiu lutar
no Oriente, mas a morte de seu pai, Henrique III, fez com que Eduardo
retornasse para a Inglaterra e assumisse o trono. Para alguns, a Nona
Cruzada é considerada uma continuação da oitava. Problemas
sucessórios na Monarquia inglesa se sobrepuseram à retomada de
Jerusalém, que, à época, estava nas mãos dos islâmicos.
CONSEQUÊNCIAS DAS CRUZADAS
 Problemas das
Cruzadas:
# Implantar Sistema
Feudal no Oriente
# Ocupação Superficial
(desejo de retorno)
# Saques contra
Constantinopla
# Disputa entre os
Cruzados
# Reconquista Árabe
Resultado das Cruzadas:
 Econômicos:
# Reabertura do Comércio
# Monopólio Italiano
# Renascimento Comercial e
Urbano
 Sociais:
# Diminuição da População
# Nova classe
 Políticos:
# Enfraquecimento dos
Senhores Feudais
# Fortalecimento do Rei
(Monarquias Nacionais)
cruzadas xx.pptx
cruzadas xx.pptx
cruzadas xx.pptx

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a cruzadas xx.pptx

Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
Siqueira RJ
 
3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas
3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas
3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas
Daniel Alves Bronstrup
 
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudalCrise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Douglas Barraqui
 
A Igreja medieval
A Igreja medievalA Igreja medieval
A Igreja medieval
Professor Marcelo
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
cattonia
 
Os Templários e o descobrimento do Brasil
Os Templários e o descobrimento do BrasilOs Templários e o descobrimento do Brasil
Os Templários e o descobrimento do Brasil
Jose Renato Dos Santos
 
Aula cruzadas
Aula cruzadasAula cruzadas
Aula cruzadas
VanessaBortulucce
 
História da Igreja I: Aula 11: Cruzadas, Reformas Monásticas e Escolástica
História da Igreja I: Aula 11: Cruzadas, Reformas Monásticas e EscolásticaHistória da Igreja I: Aula 11: Cruzadas, Reformas Monásticas e Escolástica
História da Igreja I: Aula 11: Cruzadas, Reformas Monásticas e Escolástica
Andre Nascimento
 
A cruzada
A cruzadaA cruzada
A cruzada
edsonfgodoy
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
Kelly Delfino
 
PPT IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA.pptx
PPT IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA.pptxPPT IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA.pptx
PPT IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA.pptx
marciobrigeiro
 
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\escola antonio arroi...
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\escola antonio arroi...C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\escola antonio arroi...
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\escola antonio arroi...
Frantito
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
Clara Mendes
 
Cruzadas e o fim da idade média
Cruzadas e o fim da idade médiaCruzadas e o fim da idade média
Cruzadas e o fim da idade média
Deborah Xavier
 
Ft20 Informativa Lusiadas
Ft20 Informativa LusiadasFt20 Informativa Lusiadas
Ft20 Informativa Lusiadas
Fernanda Soares
 
A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3
Carla Teixeira
 
Baixa idade média i
Baixa idade média   iBaixa idade média   i
Baixa idade média i
Auxiliadora
 
Baixa idade média i
Baixa idade média   iBaixa idade média   i
Baixa idade média i
Auxiliadora
 
Idade média anglo - rafa noronha
Idade média   anglo - rafa noronhaIdade média   anglo - rafa noronha
Idade média anglo - rafa noronha
Rafael Noronha
 
Idade média - 3º Ano
Idade média - 3º AnoIdade média - 3º Ano
Idade média - 3º Ano
Auxiliadora
 

Semelhante a cruzadas xx.pptx (20)

Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 
3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas
3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas
3º ano - Civilização Árabe e Cruzadas
 
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudalCrise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
Crise do feudalismo: as transformações no sistema feudal
 
A Igreja medieval
A Igreja medievalA Igreja medieval
A Igreja medieval
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 
Os Templários e o descobrimento do Brasil
Os Templários e o descobrimento do BrasilOs Templários e o descobrimento do Brasil
Os Templários e o descobrimento do Brasil
 
Aula cruzadas
Aula cruzadasAula cruzadas
Aula cruzadas
 
História da Igreja I: Aula 11: Cruzadas, Reformas Monásticas e Escolástica
História da Igreja I: Aula 11: Cruzadas, Reformas Monásticas e EscolásticaHistória da Igreja I: Aula 11: Cruzadas, Reformas Monásticas e Escolástica
História da Igreja I: Aula 11: Cruzadas, Reformas Monásticas e Escolástica
 
A cruzada
A cruzadaA cruzada
A cruzada
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
PPT IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA.pptx
PPT IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA.pptxPPT IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA.pptx
PPT IDADE MÉDIA BAIXA IDADE MÉDIA.pptx
 
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\escola antonio arroi...
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\escola antonio arroi...C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\escola antonio arroi...
C:\documents and settings\francisco\ambiente de trabalho\escola antonio arroi...
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
Cruzadas e o fim da idade média
Cruzadas e o fim da idade médiaCruzadas e o fim da idade média
Cruzadas e o fim da idade média
 
Ft20 Informativa Lusiadas
Ft20 Informativa LusiadasFt20 Informativa Lusiadas
Ft20 Informativa Lusiadas
 
A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3A sociedade medieval parte 3
A sociedade medieval parte 3
 
Baixa idade média i
Baixa idade média   iBaixa idade média   i
Baixa idade média i
 
Baixa idade média i
Baixa idade média   iBaixa idade média   i
Baixa idade média i
 
Idade média anglo - rafa noronha
Idade média   anglo - rafa noronhaIdade média   anglo - rafa noronha
Idade média anglo - rafa noronha
 
Idade média - 3º Ano
Idade média - 3º AnoIdade média - 3º Ano
Idade média - 3º Ano
 

Mais de orlando343934

INCAS, MAIAS e ASTECAS.pptx
INCAS, MAIAS e ASTECAS.pptxINCAS, MAIAS e ASTECAS.pptx
INCAS, MAIAS e ASTECAS.pptx
orlando343934
 
division silabica-.pptx
division silabica-.pptxdivision silabica-.pptx
division silabica-.pptx
orlando343934
 
Atlântico Sul- Escravidão.pptx
Atlântico Sul- Escravidão.pptxAtlântico Sul- Escravidão.pptx
Atlântico Sul- Escravidão.pptx
orlando343934
 
Industria Cultural.pptx
Industria Cultural.pptxIndustria Cultural.pptx
Industria Cultural.pptx
orlando343934
 
A Revolução Chinesa.pptx
A Revolução Chinesa.pptxA Revolução Chinesa.pptx
A Revolução Chinesa.pptx
orlando343934
 
ANARQUISMO.pptx
ANARQUISMO.pptxANARQUISMO.pptx
ANARQUISMO.pptx
orlando343934
 
AÇUCAR.pptx
AÇUCAR.pptxAÇUCAR.pptx
AÇUCAR.pptx
orlando343934
 
ALFABETO.pptx
ALFABETO.pptxALFABETO.pptx
ALFABETO.pptx
orlando343934
 

Mais de orlando343934 (8)

INCAS, MAIAS e ASTECAS.pptx
INCAS, MAIAS e ASTECAS.pptxINCAS, MAIAS e ASTECAS.pptx
INCAS, MAIAS e ASTECAS.pptx
 
division silabica-.pptx
division silabica-.pptxdivision silabica-.pptx
division silabica-.pptx
 
Atlântico Sul- Escravidão.pptx
Atlântico Sul- Escravidão.pptxAtlântico Sul- Escravidão.pptx
Atlântico Sul- Escravidão.pptx
 
Industria Cultural.pptx
Industria Cultural.pptxIndustria Cultural.pptx
Industria Cultural.pptx
 
A Revolução Chinesa.pptx
A Revolução Chinesa.pptxA Revolução Chinesa.pptx
A Revolução Chinesa.pptx
 
ANARQUISMO.pptx
ANARQUISMO.pptxANARQUISMO.pptx
ANARQUISMO.pptx
 
AÇUCAR.pptx
AÇUCAR.pptxAÇUCAR.pptx
AÇUCAR.pptx
 
ALFABETO.pptx
ALFABETO.pptxALFABETO.pptx
ALFABETO.pptx
 

Último

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 

Último (20)

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 

cruzadas xx.pptx

  • 2. CRISE DO SISTEMA FEUDAL  Fim da Invasões Bárbaras  Colheitas Normais  Baixa Mortalidade  Aumento da População  Falta de Terras  Aumento da Produção: # Rotação Trienal # Arado de ferro com rodas # Cavalo substitui o boi # Servos # Energia eólica e hidráulica # Derrubada das matas # Drenagem dos pântanos  Aumento da população gera marginalização  Nobres (Cavaleiros) X Pobres (Ladrões)
  • 3. CRUZADAS Iluminura do Wappenbuch de Conrad Grünenberg.
  • 4. Grupos/camada social Interesses Igreja Expansão do território europeu, ocupar os saqueadores da época e acumular riquezas. Nobres e ricos Ganhar novas terras e mais riqueza. Comerciantes (burgueses) Ter novas terras para ampliar os negócios. Camponeses (pobres) Ganhar terras para começar uma fortuna. Todos Salvação divina Os interesses de cada grupo/camada social:
  • 5. FATORES DAS CRUZADAS  Novas rotas de Comércio (reabrir o Mediterrâneo) Sarracenos Magiares (Húngaros)* Vikings Conquista de novas terras. (Nobres)  Diminuir população européia (marginalizados)  Reunificação da Igreja (Cisma 1054)  Peregrinação Religiosa  Salvar o Santo Sepulcro de Cristo dos “Bárbaros” (Guerra Santa) Iluminura Séc. XII Mapa de Jerusalém, século 12
  • 6. AS CRUZADAS  1095: Urbano II convoca os cristãos para combaterem os Infiéis Muçulmanos do Oriente. Todo fiel que participasse teria seus pecados perdoados. (Concílio de Clermont) ESTOPIM # Peregrinação Armada # Penitência # Cruz vermelha sobre a roupa Papa Urbano II
  • 7.  Igreja + Estado (Reis e Srs. Feudais)  Gênova e Veneza: # financiam as Cruzadas # reabertura do comércio  Ordens Militares: # Templários # Hospitalários # Teutônicos
  • 8. CRUZADAS  Pré-Cruzada: (1096) # Pedro, o Eremita # Guautério Sam-Haveres # Cruzada dos Pobres (40.000) 1ª Cruzada,dos Nobres: (1096-1099), mais poder e Promessa de salvação # Conquista de Jerusalém # Godofredo de Boullion # Balduíno I (Rei de Jerusalém) # Boemundo (Antioquia) # Ordens Religiosas (Hospitalários, Templários, Teotônicos) # São João d’Acre Prometeram terras ao Império Bizantino Godofredo de Boullion Pedro, o eremita a caminho de Jerusalém Cavaleiro Templário
  • 10.
  • 11. CRUZADAS  2ª Cruzada: reis e imperadores (1147-1149) papa Eugênio III # Luís VII ( FRA.) e Conrado III (SIRG) # Jerusalém foi tomada pelo exército de Saladino I # Cristãos destruídos # Derrota terrível  3ª Cruzada: (1189-1192) papa Gregório III # Cruzada dos Reis # Frederico Barbaruiva(SIRG) # Felipe Augusto (FRA.) # Ricardo Coração de Leão # Saladino I # Não conquistam Jerusalém Ricardo Coração de Leão Saladino I
  • 12.  4ª Cruzada: (1202-1204) "papa Inocêncio III # Motivação Econômica # Enrique Dândolo (Dodge de Veneza) fez o transporte dos cruzados em troca de dinheiro # Constantinopla (Bizâncio) Cruzada das Crianças: (1212) # Almas puras iriam libertar Jerusalém # Foi um desastre, pois a maioria das crianças morreu de fome ou de frio # As que sobreviveram foram vendidas como escravas pelos turcos no Norte da África. Batalha Constantinopla A Cruzada das Crianças Gustave Doré
  • 13.  5ª Cruzada: (1217- 1221) "papa Inocêncio III # João de Brienne- rei de Jerusalém # André II(Hungria) e Leopoldo VI (Duque da Áustria) A tática dos cristãos era conquistar primeiramente o Egito para depois atacar Jerusalém. Uma crise na liderança egípcia permitiu que os cristãos dominassem a região. O sultão ofereceu o reino de Jerusalém e dinheiro para os cristãos deixarem o Egito, mas a proposta foi recusada. Os cristãos conquistaram a cidade de Damieta, mas conflitos entre os cruzados fizeram com que se perdesse tempo, possibilitando o restabelecimento do exército islâmico, que contra-atacou os cristãos e os derrotou em 1221.
  • 14.  6ª Cruzada: (1228-1229) # Frederico II (SIRG)- excomungado # Negociação com Muçulmanos- # Peregrinação Livre # Derrota em Gaza .  7ªCruzada: (1248-1254) # Luís IX (São Luís) : prisioneiro – Os franceses pagaram pela sua libertação Ataque a Damietta Egito Inimigos dos Cruzados Gustave Doré sultão Camil,
  • 15.  8ª Cruzada: (1270) # Luís IX (morte por disenteria) # Peste assola exércitos # Ataque a Túnis "Os cruzados desembarcaram em Túnis e foram contaminados por uma peste que matou inúmeros cristãos.  9ª Cruzada: (1270) # Eduardo I (Inglaterra) Com a morte do rei Luís IX, o rei da Inglaterra, Eduardo, decidiu lutar no Oriente, mas a morte de seu pai, Henrique III, fez com que Eduardo retornasse para a Inglaterra e assumisse o trono. Para alguns, a Nona Cruzada é considerada uma continuação da oitava. Problemas sucessórios na Monarquia inglesa se sobrepuseram à retomada de Jerusalém, que, à época, estava nas mãos dos islâmicos.
  • 16. CONSEQUÊNCIAS DAS CRUZADAS  Problemas das Cruzadas: # Implantar Sistema Feudal no Oriente # Ocupação Superficial (desejo de retorno) # Saques contra Constantinopla # Disputa entre os Cruzados # Reconquista Árabe Resultado das Cruzadas:  Econômicos: # Reabertura do Comércio # Monopólio Italiano # Renascimento Comercial e Urbano  Sociais: # Diminuição da População # Nova classe  Políticos: # Enfraquecimento dos Senhores Feudais # Fortalecimento do Rei (Monarquias Nacionais)