SlideShare uma empresa Scribd logo
ARTE:
CONHECIMENT
OE
ENTRETENIMENT
O
  EDLEUDA M. C. SOUSA
Arte




                      Entretenimnto


Conhecimento



                                      EDLEUDA M. C. SOUSA




                        BACABAL - MA
                            2010
1.JUSTIFICATIVA

       Uma escola democrática apresenta-se
como um espaço, no qual se reflete e se
discute, sendo a prática social o ponto de
partida para as problematizações. Deve
ainda, propiciar aos alunos, leituras sobre os
signos existentes na cultura de massa para se
discutir de que forma a indústria cultural
interfere e censura as produções culturais
com as quais os sujeitos identificam-se.
É papel da escola, como espaço socializador
do conhecimento possibilitar e ampliar as
oportunidades      para  essas  experiências
estéticas. Portanto, buscamos a partir dos
conteúdos     instigarem   a   memória,    a
percepção e as possíveis associações com a
realidade/cotidiano do aluno.
Nas escolas públicas do município de
Bacabal, observa-se que, quase na
sua totalidade, não há um trabalho
voltado no sentido de promover e
divulgar a arte, esta até então tem sido
apenas mais uma disciplina curricular,
relegada ao segundo plano, um
complemento           sem         maiores
significados. Essas e outras questões
relacionada         à        arte       e
conseguintemente à nossa cultura,
será ao longo deste projeto estudada,
investigada e posta em prática.
Dessa forma pretendo juntamente com os
demais professores, promover, divulgar e
inserir a escola CE. PRESIDENTE JOSÉ
SARNEY no ápice dos movimentos culturais
estudantis e principalmente envolvendo
todos os aspectos da disciplina de arte.
Pois a educação deve estar voltada para
a pesquisa, para a autonomia, valorizando
a cultura local, procurando ampliar e
difundir os conhecimentos científicos,
históricos e culturais.
2.OBJETIVOS

  2.1GERAL:

Informar à comunidade escolar da importância
da disciplina de ARTE no processo do seu
conhecimento cultural e cotidiano.

  2.2ESPECÍFICOS:

 Identificar a ARTE, como um dos meios de
  comunicação do artista com o seu povo
 Compreender e perceber os efeitos da ARTE
  de rua na cultura bacabalense;
Discutir os benefícios que a arte
 pode nos oferecer, bem como:
 terapia para alguns tipos de
 deficiência;
Promover a cultura histórica
 bacabalense;
Perceber que a natureza
 transforma-se em arte.
3.FUNDAMENTOS TEÓRICO –
METODOLÓGICOS



      As diferentes formas de pensar o
Ensino de Arte são consequências do
momento histórico no qual se
desenvolveram, com suas relações
socioculturais, econômicas e políticas
Da mesma forma o conceito da arte é
também influenciado por essas
relações sendo fundamental que seja
problematizado para a organização de
uma proposta.
Nessa introdução dos fundamentos
teórico-metodológicos serão abordadas
as formas de como a arte é
compreendida no cotidiano dos
estabelecimentos de ensino e como as
pessoas se defrontam com o problema
de conceituar arte. Os conceitos que
serão tratados relacionam-se com os
estudos dos conhecimentos da arte e da
estética, ou seja, a busca da
compreensão dos assuntos do cotidiano.
As concepções presentes no senso
comum identificam-se no campo
de estudos da estética no mundo
ocidental,     com      as   teorias
essencialistas de arte: a mimeses e
a representação; a arte como
expressão e o formalismo.
      A     teoria   da    mimeses,
desenvolvida na Grécia Antiga,
tem por definição que a arte é
imitação.
. Essa teoria parte das ideias do
filósofo grego Platão, que afirmava
que o mundo das ideias era o único
mundo verdadeiro, o mundo
sensível só existia enquanto
participava do mundo das ideias, do
qual era apenas sombras ou cópias
. Segundo Bosi ― a mimeses da arte é
uma ficção tão consumada que dá a
impressão (―falsa‖, adverte a moral
platônica) de realidade.‖ Para o filósofo
grego Aristóteles, discípulo de Platão, a
verdade do conhecimento humano,
reside    não     num     mundo      real
transcendente, separado das coisas da
existência, mas na forma que as coisas
contêm e que constituem o correlato
real das ideias da mente humana
Na concepção de Aristóteles, a
representação é uma outra
forma de mimeses,         é a
apresentação intencional de e
um objeto de natureza sensorial
e/ ou intelectual, resultando
numa apreensão da forma
mediante a fixação de modelos.
Na arte essas concepções vêm
desde a Antiguidade Clássica,
passando pelo Renascimento,
vindo até o século XIX, no início
da segunda fase da Revolução
industrial. São as mimeses e a
representação, as mais antigas
teorias da arte e foram ocultas
pelos próprios artistas, por muito
tempo.
Ainda      hoje   a  teoria   da
representação é referência no
cotidiano das escolas, essa ideia
da arte como representação
enfatiza o fazer técnico e
científico      de     conteúdos
reprodutivistas, com o uso de
modelos e cópias do natural.
A arte sob a perspectiva da
teoria expressionista iniciou-se
com        filósofos   e   artistas
românticos do final do século
XVIII. Essa concepção defendia
que a arte deveria liberta-se das
limitações das teorias anteriores,
e ao mesmo tempo em que
deslocava para o artista, ou
criador,      a      chave      da
compreensão da arte.
A concepção expressionista dividiu-se em
dois momentos distintos: A arte como
expressão e a arte como forma
significante ou formalismo. Na arte como
expressão, destacaram—e artistas e
filósofos como Kant, Tolstoy, Van Gogh,
Edward Munch entre outros. O artista é
considerado como um gênio em seu
processo de criação, deixa transparecer
em suas obras as impressões dos sentidos,
projeções e visões subjetivas do real, que
se caracterizam, nessa teoria, de dentro
para fora.
A    arte    nesse    movimento,      é
considerada       como       expressão
dramática, visível, que exprime
sentimentos     e    emoções.       No
movimento formalista, valoriza-se a
forma significante, ou seja, a forma é
reconhecida e é apreciada pela
própria forma.. destacam-se nesse
movimento entre os artistas e filósofos
como:       Duchamp,        Kandinsky,
malevitch, Mondrian que no decorrer
do século XX imprimiram essas
características em algumas de suas
obras
. Essas ideias de arte como
expressão e formalismo também
encontram-se       presentes       na
educação, a partir das tendências
da escola nova e da escola
tecnicista.
Na educação, o ensino de Arte
amplia o repertório cultural do aluno
a partir dos conhecimentos estético,
artístico     e     contextualizado,
aproximando-o do universo cultural
Nesse projeto pretende-se que os
alunos possam criar formas singulares
de pensamentos, aprender e expandir
suas potencialidades criativas. A partir
das concepções da arte e de seu
ensino já abordadas, estas diretrizes
consideram        alguns       campos
conceituais que contribuem para as
reflexões a respeito do objeto de
estudo desta disciplina:
O conhecimento estético;
O conhecimento artístico;
O conhecimento
 contextualizado.
A articulação dos conhecimentos
estéticos, artístico e contextualizado,
aliados à práxis no ensino de arte,
possibilita     a    apreensão      dos
conteúdos específicos da disciplina
e das possíveis relações entre seus
elementos constitutivos, balizando-
se    para     isso   nos   conteúdos
estruturantes propostos para esta
disciplina
. Esses conteúdos são selecionados a
partir de uma análise histórica, com base
num projeto de sociedade que visa a
superação das desigualdades e injustiças,
vindo a constituir-se em uma abordagem
fundamental para a compreensão desta
disciplina.
Em     arte,  a     prática   pedagógica
contemplará as Artes Visuais, a Dança, a
Música e o Teatro; tendo uma organização
semelhante entre os níveis e modalidades
da educação básica adotada como
4.            PROCEDIMENTOS
METODOLÓGICOS


No desenvolvimento do presente
projeto,  serão  utilizados os
seguintes        procedimentos
metodológicos:
Pesquisa acerca da nossa cultura;
Confecção de quadros e estatuetas
para observação do público;
Montagem de standes;
Realização e distribuição de
panfletos;
Dramatização (envolvendo festas
juninas e natalinas);
Levantamento dos artistas da terra.
5.CONTEÚDOS E ÁREAS CURRICULARES
ENVOLVIDAS

Arte: Construção e desenvolvimento do
evento;
História: história e importância da arte
greco-romana;
Geografia: dados acerca da matéria
prima;
Português: produção textual e análise
linguística;
Química: dados acerca das composições,
6. CULMINÂNCIA

As atividades aqui propostas e outras que
poderão surgir ( pois o projeto está
aberto) serão desenvolvidas durante o
processo de execução do projeto pelos
alunos       e    comunidade,       serão
apresentadas em forma de seminário,
feira de arte, apresentação de grupos
teatrais envolvendo principalmente os
artista da terra.
7. AVALIAÇÃO.

Se dará durante o desenvolvimento
das   atividades   distribuídas por
turmas, abrangendo as áreas de
estudos acima citadas.
ATIVIDA    AGOST   SETEMBR   OUTUBR   NOVEM
DES        O       O         O        BRO
Pesquis    X
a
bibliogr
áfica
Formaç     X
ão dos
grupos
de
trabalho
Elabora            X         X
ção    e
execuç
ão dos
trabalho
s

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fund. filosóficos e sociológicos da arte nota 10,0
Fund. filosóficos e sociológicos da arte   nota 10,0Fund. filosóficos e sociológicos da arte   nota 10,0
Fund. filosóficos e sociológicos da arte nota 10,0
HENRIQUE GOMES DE LIMA
 
Arte, cultura e filosofia
Arte, cultura e filosofiaArte, cultura e filosofia
Arte, cultura e filosofia
Kelly Ariane Buás Bráz
 
O ensino de arte e educação
O ensino de arte e educaçãoO ensino de arte e educação
O ensino de arte e educação
Fladia
 
Apostila de-arte-eja
Apostila de-arte-ejaApostila de-arte-eja
Apostila de-arte-eja
F Figueiredo Habyby
 
Greice cohn o ensino da arte contemporânea possibilitando mudanças
Greice cohn   o ensino da arte contemporânea possibilitando mudançasGreice cohn   o ensino da arte contemporânea possibilitando mudanças
Greice cohn o ensino da arte contemporânea possibilitando mudanças
Priscila Macedo
 
Estetica e Filosofia da Arte - Parte I
Estetica e Filosofia da Arte - Parte IEstetica e Filosofia da Arte - Parte I
Estetica e Filosofia da Arte - Parte I
jocilaine moreira
 
A historia da_arte
A historia da_arteA historia da_arte
A historia da_arte
Ana Barreiros
 
Apostila de-artes-visuais
Apostila de-artes-visuais Apostila de-artes-visuais
Apostila de-artes-visuais
Alexandre Marques
 
Arte ierg prova
Arte ierg provaArte ierg prova
Arte ierg prova
F Figueiredo Habyby
 
Eja arte
Eja arteEja arte
Arte de nosso tempo 3º ano 2021
Arte de nosso tempo   3º ano 2021Arte de nosso tempo   3º ano 2021
Arte de nosso tempo 3º ano 2021
Edina Markis Oliveira
 
Plano de aula curso proinfo sobre O Belo na Arte
Plano de aula curso proinfo sobre O Belo na ArtePlano de aula curso proinfo sobre O Belo na Arte
Plano de aula curso proinfo sobre O Belo na Arte
rcpatricia
 
Conceito de arte
Conceito de arteConceito de arte
Conceito de arte
kardovsky
 
Arte e função da arte
Arte e função da arteArte e função da arte
Arte e função da arte
Isaias Vitor Almeida Silva
 
A educação artística na escola
A educação artística na escola A educação artística na escola
A educação artística na escola
João Lima
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
Rafael Lucas da Silva
 
O que é arte?
O que é arte?  O que é arte?
O que é arte?
anajuho1
 
3.afinal, o que é arte madre zarife
3.afinal, o que é arte   madre zarife3.afinal, o que é arte   madre zarife
3.afinal, o que é arte madre zarife
Francisco Rodrigues
 
Aula 3 arte - 2º ano
Aula 3   arte - 2º anoAula 3   arte - 2º ano
Aula 3 arte - 2º ano
VIVIAN TROMBINI
 
O universo das artes
O universo das artes   O universo das artes
O universo das artes
Milena Leite
 

Mais procurados (20)

Fund. filosóficos e sociológicos da arte nota 10,0
Fund. filosóficos e sociológicos da arte   nota 10,0Fund. filosóficos e sociológicos da arte   nota 10,0
Fund. filosóficos e sociológicos da arte nota 10,0
 
Arte, cultura e filosofia
Arte, cultura e filosofiaArte, cultura e filosofia
Arte, cultura e filosofia
 
O ensino de arte e educação
O ensino de arte e educaçãoO ensino de arte e educação
O ensino de arte e educação
 
Apostila de-arte-eja
Apostila de-arte-ejaApostila de-arte-eja
Apostila de-arte-eja
 
Greice cohn o ensino da arte contemporânea possibilitando mudanças
Greice cohn   o ensino da arte contemporânea possibilitando mudançasGreice cohn   o ensino da arte contemporânea possibilitando mudanças
Greice cohn o ensino da arte contemporânea possibilitando mudanças
 
Estetica e Filosofia da Arte - Parte I
Estetica e Filosofia da Arte - Parte IEstetica e Filosofia da Arte - Parte I
Estetica e Filosofia da Arte - Parte I
 
A historia da_arte
A historia da_arteA historia da_arte
A historia da_arte
 
Apostila de-artes-visuais
Apostila de-artes-visuais Apostila de-artes-visuais
Apostila de-artes-visuais
 
Arte ierg prova
Arte ierg provaArte ierg prova
Arte ierg prova
 
Eja arte
Eja arteEja arte
Eja arte
 
Arte de nosso tempo 3º ano 2021
Arte de nosso tempo   3º ano 2021Arte de nosso tempo   3º ano 2021
Arte de nosso tempo 3º ano 2021
 
Plano de aula curso proinfo sobre O Belo na Arte
Plano de aula curso proinfo sobre O Belo na ArtePlano de aula curso proinfo sobre O Belo na Arte
Plano de aula curso proinfo sobre O Belo na Arte
 
Conceito de arte
Conceito de arteConceito de arte
Conceito de arte
 
Arte e função da arte
Arte e função da arteArte e função da arte
Arte e função da arte
 
A educação artística na escola
A educação artística na escola A educação artística na escola
A educação artística na escola
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
O que é arte?
O que é arte?  O que é arte?
O que é arte?
 
3.afinal, o que é arte madre zarife
3.afinal, o que é arte   madre zarife3.afinal, o que é arte   madre zarife
3.afinal, o que é arte madre zarife
 
Aula 3 arte - 2º ano
Aula 3   arte - 2º anoAula 3   arte - 2º ano
Aula 3 arte - 2º ano
 
O universo das artes
O universo das artes   O universo das artes
O universo das artes
 

Destaque

Notice clips2
Notice clips2Notice clips2
Notice clips2koinonia1
 
Bistrô - Imaginação alimentada
Bistrô - Imaginação alimentadaBistrô - Imaginação alimentada
Bistrô - Imaginação alimentada
Hugo Oliveira
 
2011 Portfolio
2011 Portfolio2011 Portfolio
Wda t 32_2010
Wda t 32_2010Wda t 32_2010
Wda t 32_2010aaruicwai
 
Fórum Municipal de Emprego e Renda em Cabo Frio - Grupo Poder Público
Fórum Municipal de Emprego e Renda em Cabo Frio - Grupo Poder PúblicoFórum Municipal de Emprego e Renda em Cabo Frio - Grupo Poder Público
Fórum Municipal de Emprego e Renda em Cabo Frio - Grupo Poder Público
Pedro Quintanilha
 
រៀបរៀងដោយព្រះមហាភិក្ខុ ស៊ុន ប៊ុន
រៀបរៀងដោយព្រះមហាភិក្ខុ ស៊ុន ប៊ុនរៀបរៀងដោយព្រះមហាភិក្ខុ ស៊ុន ប៊ុន
រៀបរៀងដោយព្រះមហាភិក្ខុ ស៊ុន ប៊ុនBhikhu Kholabotkhmer
 
Radio en vivo Berlín Café
Radio en vivo Berlín CaféRadio en vivo Berlín Café
Radio en vivo Berlín Café
obraendeconstruccion
 
M2M_PPT 2016
M2M_PPT 2016M2M_PPT 2016
M2M_PPT 2016
Richard van der Vegt
 

Destaque (9)

Notice clips2
Notice clips2Notice clips2
Notice clips2
 
Bistrô - Imaginação alimentada
Bistrô - Imaginação alimentadaBistrô - Imaginação alimentada
Bistrô - Imaginação alimentada
 
2011 Portfolio
2011 Portfolio2011 Portfolio
2011 Portfolio
 
Wda t 32_2010
Wda t 32_2010Wda t 32_2010
Wda t 32_2010
 
Chattanoogan essen
Chattanoogan essenChattanoogan essen
Chattanoogan essen
 
Fórum Municipal de Emprego e Renda em Cabo Frio - Grupo Poder Público
Fórum Municipal de Emprego e Renda em Cabo Frio - Grupo Poder PúblicoFórum Municipal de Emprego e Renda em Cabo Frio - Grupo Poder Público
Fórum Municipal de Emprego e Renda em Cabo Frio - Grupo Poder Público
 
រៀបរៀងដោយព្រះមហាភិក្ខុ ស៊ុន ប៊ុន
រៀបរៀងដោយព្រះមហាភិក្ខុ ស៊ុន ប៊ុនរៀបរៀងដោយព្រះមហាភិក្ខុ ស៊ុន ប៊ុន
រៀបរៀងដោយព្រះមហាភិក្ខុ ស៊ុន ប៊ុន
 
Radio en vivo Berlín Café
Radio en vivo Berlín CaféRadio en vivo Berlín Café
Radio en vivo Berlín Café
 
M2M_PPT 2016
M2M_PPT 2016M2M_PPT 2016
M2M_PPT 2016
 

Semelhante a Arte

PCN Ensino Fundamental - 3 e 4 ciclos
PCN Ensino Fundamental - 3 e 4 ciclosPCN Ensino Fundamental - 3 e 4 ciclos
PCN Ensino Fundamental - 3 e 4 ciclos
corescolar
 
PCN Ensino Fundamental - 1a a 4a serie
PCN Ensino Fundamental - 1a a 4a seriePCN Ensino Fundamental - 1a a 4a serie
PCN Ensino Fundamental - 1a a 4a serie
corescolar
 
Conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvasConteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Flávia Maria
 
Otm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Otm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvasOtm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Otm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
elannialins
 
Curriculo Ensino Médio -DF
Curriculo Ensino Médio -DFCurriculo Ensino Médio -DF
Curriculo Ensino Médio -DF
corescolar
 
Artes na EJA
Artes na EJAArtes na EJA
Artes na EJA
Claudio Bastos
 
Vol3 arte
Vol3 arteVol3 arte
Vol3 arte
Barto Freitas
 
A leitura de imagem na sala de aula
A leitura de imagem na sala de aulaA leitura de imagem na sala de aula
A leitura de imagem na sala de aula
Beth Kozikoski
 
Espaços culturais – arte e educação na história de todos nós.
Espaços culturais – arte e educação na história de todos nós.Espaços culturais – arte e educação na história de todos nós.
Espaços culturais – arte e educação na história de todos nós.
Roseli Sousa
 
Determinantes socioculturais
Determinantes socioculturais Determinantes socioculturais
Determinantes socioculturais
Lucas Braga
 
Determinantes socioculturais
Determinantes socioculturais Determinantes socioculturais
Determinantes socioculturais
Lucas Braga
 
pdf-propostas-metodologicas-ensino-arte-1.pdf
pdf-propostas-metodologicas-ensino-arte-1.pdfpdf-propostas-metodologicas-ensino-arte-1.pdf
pdf-propostas-metodologicas-ensino-arte-1.pdf
biancaasibo
 
história da arte educação e seus movimentos.pdf
história da arte educação e seus movimentos.pdfhistória da arte educação e seus movimentos.pdf
história da arte educação e seus movimentos.pdf
Alexandre Pereira
 
Power apresentação mestrado linda poll verde
Power apresentação mestrado linda poll verdePower apresentação mestrado linda poll verde
Power apresentação mestrado linda poll verde
Félix Caballero
 
1º aula artes na educacao
1º aula artes na educacao1º aula artes na educacao
1º aula artes na educacao
Emily Peixoto
 
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
JORGE ISSAO ZENSQUE
 
AULO 1 - METODOLOGIA DO ENSINO DE ARTE (1).pptx
AULO 1 - METODOLOGIA DO ENSINO  DE ARTE (1).pptxAULO 1 - METODOLOGIA DO ENSINO  DE ARTE (1).pptx
AULO 1 - METODOLOGIA DO ENSINO DE ARTE (1).pptx
Raquel Vasconcelos
 
Novas linguagens em educação arte
Novas linguagens em educação   arteNovas linguagens em educação   arte
Novas linguagens em educação arte
aldarsilva
 
artes.pdf na educação de infância DGE- PT
artes.pdf na educação de infância DGE- PTartes.pdf na educação de infância DGE- PT
artes.pdf na educação de infância DGE- PT
Denise Serra
 
Metodologia do ensino das artes visuais
Metodologia do ensino das artes visuais   Metodologia do ensino das artes visuais
Metodologia do ensino das artes visuais
HENRIQUE GOMES DE LIMA
 

Semelhante a Arte (20)

PCN Ensino Fundamental - 3 e 4 ciclos
PCN Ensino Fundamental - 3 e 4 ciclosPCN Ensino Fundamental - 3 e 4 ciclos
PCN Ensino Fundamental - 3 e 4 ciclos
 
PCN Ensino Fundamental - 1a a 4a serie
PCN Ensino Fundamental - 1a a 4a seriePCN Ensino Fundamental - 1a a 4a serie
PCN Ensino Fundamental - 1a a 4a serie
 
Conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvasConteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
 
Otm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Otm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvasOtm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
Otm. conteudos programaticos artes_ef_01_a_09_ano_curvas
 
Curriculo Ensino Médio -DF
Curriculo Ensino Médio -DFCurriculo Ensino Médio -DF
Curriculo Ensino Médio -DF
 
Artes na EJA
Artes na EJAArtes na EJA
Artes na EJA
 
Vol3 arte
Vol3 arteVol3 arte
Vol3 arte
 
A leitura de imagem na sala de aula
A leitura de imagem na sala de aulaA leitura de imagem na sala de aula
A leitura de imagem na sala de aula
 
Espaços culturais – arte e educação na história de todos nós.
Espaços culturais – arte e educação na história de todos nós.Espaços culturais – arte e educação na história de todos nós.
Espaços culturais – arte e educação na história de todos nós.
 
Determinantes socioculturais
Determinantes socioculturais Determinantes socioculturais
Determinantes socioculturais
 
Determinantes socioculturais
Determinantes socioculturais Determinantes socioculturais
Determinantes socioculturais
 
pdf-propostas-metodologicas-ensino-arte-1.pdf
pdf-propostas-metodologicas-ensino-arte-1.pdfpdf-propostas-metodologicas-ensino-arte-1.pdf
pdf-propostas-metodologicas-ensino-arte-1.pdf
 
história da arte educação e seus movimentos.pdf
história da arte educação e seus movimentos.pdfhistória da arte educação e seus movimentos.pdf
história da arte educação e seus movimentos.pdf
 
Power apresentação mestrado linda poll verde
Power apresentação mestrado linda poll verdePower apresentação mestrado linda poll verde
Power apresentação mestrado linda poll verde
 
1º aula artes na educacao
1º aula artes na educacao1º aula artes na educacao
1º aula artes na educacao
 
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
3347791 apostila-ensino-fundamental-vol3-artes
 
AULO 1 - METODOLOGIA DO ENSINO DE ARTE (1).pptx
AULO 1 - METODOLOGIA DO ENSINO  DE ARTE (1).pptxAULO 1 - METODOLOGIA DO ENSINO  DE ARTE (1).pptx
AULO 1 - METODOLOGIA DO ENSINO DE ARTE (1).pptx
 
Novas linguagens em educação arte
Novas linguagens em educação   arteNovas linguagens em educação   arte
Novas linguagens em educação arte
 
artes.pdf na educação de infância DGE- PT
artes.pdf na educação de infância DGE- PTartes.pdf na educação de infância DGE- PT
artes.pdf na educação de infância DGE- PT
 
Metodologia do ensino das artes visuais
Metodologia do ensino das artes visuais   Metodologia do ensino das artes visuais
Metodologia do ensino das artes visuais
 

Mais de Edleuda Maria Costa

Minhas montagens
Minhas montagensMinhas montagens
Minhas montagens
Edleuda Maria Costa
 
Drogas e descrimanção
Drogas e descrimançãoDrogas e descrimanção
Drogas e descrimanção
Edleuda Maria Costa
 
Família e escola
Família e escolaFamília e escola
Família e escola
Edleuda Maria Costa
 
Maravilhoso momento
Maravilhoso momentoMaravilhoso momento
Maravilhoso momento
Edleuda Maria Costa
 
Lindas imagens
Lindas imagensLindas imagens
Lindas imagens
Edleuda Maria Costa
 
A natureza
A naturezaA natureza
Dadaísmo trabalho de artes2
Dadaísmo trabalho de artes2Dadaísmo trabalho de artes2
Dadaísmo trabalho de artes2
Edleuda Maria Costa
 

Mais de Edleuda Maria Costa (8)

Minhas montagens
Minhas montagensMinhas montagens
Minhas montagens
 
Drogas e descrimanção
Drogas e descrimançãoDrogas e descrimanção
Drogas e descrimanção
 
Família e escola
Família e escolaFamília e escola
Família e escola
 
Maravilhoso momento
Maravilhoso momentoMaravilhoso momento
Maravilhoso momento
 
Lindas imagens
Lindas imagensLindas imagens
Lindas imagens
 
A natureza
A naturezaA natureza
A natureza
 
Dadaísmo trabalho de artes2
Dadaísmo trabalho de artes2Dadaísmo trabalho de artes2
Dadaísmo trabalho de artes2
 
Documento
DocumentoDocumento
Documento
 

Arte

  • 2. Arte Entretenimnto Conhecimento EDLEUDA M. C. SOUSA BACABAL - MA 2010
  • 3. 1.JUSTIFICATIVA Uma escola democrática apresenta-se como um espaço, no qual se reflete e se discute, sendo a prática social o ponto de partida para as problematizações. Deve ainda, propiciar aos alunos, leituras sobre os signos existentes na cultura de massa para se discutir de que forma a indústria cultural interfere e censura as produções culturais com as quais os sujeitos identificam-se.
  • 4. É papel da escola, como espaço socializador do conhecimento possibilitar e ampliar as oportunidades para essas experiências estéticas. Portanto, buscamos a partir dos conteúdos instigarem a memória, a percepção e as possíveis associações com a realidade/cotidiano do aluno.
  • 5. Nas escolas públicas do município de Bacabal, observa-se que, quase na sua totalidade, não há um trabalho voltado no sentido de promover e divulgar a arte, esta até então tem sido apenas mais uma disciplina curricular, relegada ao segundo plano, um complemento sem maiores significados. Essas e outras questões relacionada à arte e conseguintemente à nossa cultura, será ao longo deste projeto estudada, investigada e posta em prática.
  • 6. Dessa forma pretendo juntamente com os demais professores, promover, divulgar e inserir a escola CE. PRESIDENTE JOSÉ SARNEY no ápice dos movimentos culturais estudantis e principalmente envolvendo todos os aspectos da disciplina de arte. Pois a educação deve estar voltada para a pesquisa, para a autonomia, valorizando a cultura local, procurando ampliar e difundir os conhecimentos científicos, históricos e culturais.
  • 7. 2.OBJETIVOS 2.1GERAL: Informar à comunidade escolar da importância da disciplina de ARTE no processo do seu conhecimento cultural e cotidiano. 2.2ESPECÍFICOS:  Identificar a ARTE, como um dos meios de comunicação do artista com o seu povo  Compreender e perceber os efeitos da ARTE de rua na cultura bacabalense;
  • 8. Discutir os benefícios que a arte pode nos oferecer, bem como: terapia para alguns tipos de deficiência;
  • 9. Promover a cultura histórica bacabalense; Perceber que a natureza transforma-se em arte.
  • 10. 3.FUNDAMENTOS TEÓRICO – METODOLÓGICOS As diferentes formas de pensar o Ensino de Arte são consequências do momento histórico no qual se desenvolveram, com suas relações socioculturais, econômicas e políticas Da mesma forma o conceito da arte é também influenciado por essas relações sendo fundamental que seja problematizado para a organização de uma proposta.
  • 11. Nessa introdução dos fundamentos teórico-metodológicos serão abordadas as formas de como a arte é compreendida no cotidiano dos estabelecimentos de ensino e como as pessoas se defrontam com o problema de conceituar arte. Os conceitos que serão tratados relacionam-se com os estudos dos conhecimentos da arte e da estética, ou seja, a busca da compreensão dos assuntos do cotidiano.
  • 12. As concepções presentes no senso comum identificam-se no campo de estudos da estética no mundo ocidental, com as teorias essencialistas de arte: a mimeses e a representação; a arte como expressão e o formalismo. A teoria da mimeses, desenvolvida na Grécia Antiga, tem por definição que a arte é imitação.
  • 13. . Essa teoria parte das ideias do filósofo grego Platão, que afirmava que o mundo das ideias era o único mundo verdadeiro, o mundo sensível só existia enquanto participava do mundo das ideias, do qual era apenas sombras ou cópias
  • 14. . Segundo Bosi ― a mimeses da arte é uma ficção tão consumada que dá a impressão (―falsa‖, adverte a moral platônica) de realidade.‖ Para o filósofo grego Aristóteles, discípulo de Platão, a verdade do conhecimento humano, reside não num mundo real transcendente, separado das coisas da existência, mas na forma que as coisas contêm e que constituem o correlato real das ideias da mente humana
  • 15. Na concepção de Aristóteles, a representação é uma outra forma de mimeses, é a apresentação intencional de e um objeto de natureza sensorial e/ ou intelectual, resultando numa apreensão da forma mediante a fixação de modelos.
  • 16. Na arte essas concepções vêm desde a Antiguidade Clássica, passando pelo Renascimento, vindo até o século XIX, no início da segunda fase da Revolução industrial. São as mimeses e a representação, as mais antigas teorias da arte e foram ocultas pelos próprios artistas, por muito tempo.
  • 17. Ainda hoje a teoria da representação é referência no cotidiano das escolas, essa ideia da arte como representação enfatiza o fazer técnico e científico de conteúdos reprodutivistas, com o uso de modelos e cópias do natural.
  • 18. A arte sob a perspectiva da teoria expressionista iniciou-se com filósofos e artistas românticos do final do século XVIII. Essa concepção defendia que a arte deveria liberta-se das limitações das teorias anteriores, e ao mesmo tempo em que deslocava para o artista, ou criador, a chave da compreensão da arte.
  • 19. A concepção expressionista dividiu-se em dois momentos distintos: A arte como expressão e a arte como forma significante ou formalismo. Na arte como expressão, destacaram—e artistas e filósofos como Kant, Tolstoy, Van Gogh, Edward Munch entre outros. O artista é considerado como um gênio em seu processo de criação, deixa transparecer em suas obras as impressões dos sentidos, projeções e visões subjetivas do real, que se caracterizam, nessa teoria, de dentro para fora.
  • 20. A arte nesse movimento, é considerada como expressão dramática, visível, que exprime sentimentos e emoções. No movimento formalista, valoriza-se a forma significante, ou seja, a forma é reconhecida e é apreciada pela própria forma.. destacam-se nesse movimento entre os artistas e filósofos como: Duchamp, Kandinsky, malevitch, Mondrian que no decorrer do século XX imprimiram essas características em algumas de suas obras
  • 21. . Essas ideias de arte como expressão e formalismo também encontram-se presentes na educação, a partir das tendências da escola nova e da escola tecnicista. Na educação, o ensino de Arte amplia o repertório cultural do aluno a partir dos conhecimentos estético, artístico e contextualizado, aproximando-o do universo cultural
  • 22. Nesse projeto pretende-se que os alunos possam criar formas singulares de pensamentos, aprender e expandir suas potencialidades criativas. A partir das concepções da arte e de seu ensino já abordadas, estas diretrizes consideram alguns campos conceituais que contribuem para as reflexões a respeito do objeto de estudo desta disciplina:
  • 23. O conhecimento estético; O conhecimento artístico; O conhecimento contextualizado.
  • 24. A articulação dos conhecimentos estéticos, artístico e contextualizado, aliados à práxis no ensino de arte, possibilita a apreensão dos conteúdos específicos da disciplina e das possíveis relações entre seus elementos constitutivos, balizando- se para isso nos conteúdos estruturantes propostos para esta disciplina
  • 25. . Esses conteúdos são selecionados a partir de uma análise histórica, com base num projeto de sociedade que visa a superação das desigualdades e injustiças, vindo a constituir-se em uma abordagem fundamental para a compreensão desta disciplina. Em arte, a prática pedagógica contemplará as Artes Visuais, a Dança, a Música e o Teatro; tendo uma organização semelhante entre os níveis e modalidades da educação básica adotada como
  • 26. 4. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS No desenvolvimento do presente projeto, serão utilizados os seguintes procedimentos metodológicos:
  • 27. Pesquisa acerca da nossa cultura; Confecção de quadros e estatuetas para observação do público; Montagem de standes; Realização e distribuição de panfletos; Dramatização (envolvendo festas juninas e natalinas); Levantamento dos artistas da terra.
  • 28. 5.CONTEÚDOS E ÁREAS CURRICULARES ENVOLVIDAS Arte: Construção e desenvolvimento do evento; História: história e importância da arte greco-romana; Geografia: dados acerca da matéria prima; Português: produção textual e análise linguística; Química: dados acerca das composições,
  • 29. 6. CULMINÂNCIA As atividades aqui propostas e outras que poderão surgir ( pois o projeto está aberto) serão desenvolvidas durante o processo de execução do projeto pelos alunos e comunidade, serão apresentadas em forma de seminário, feira de arte, apresentação de grupos teatrais envolvendo principalmente os artista da terra.
  • 30. 7. AVALIAÇÃO. Se dará durante o desenvolvimento das atividades distribuídas por turmas, abrangendo as áreas de estudos acima citadas.
  • 31. ATIVIDA AGOST SETEMBR OUTUBR NOVEM DES O O O BRO Pesquis X a bibliogr áfica Formaç X ão dos grupos de trabalho Elabora X X ção e execuç ão dos trabalho s