SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Federal de Viçosa
Departamento de Solos

Z N D MT
O A A AA

Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata

Manejando agroecossistemas

Profa Irene Maria Cardoso

ce tro d
n
e
te n lo ia
co g s
a rn tiv s
lte a a
1. Biodiversidade, solos e conhecimento.
2. A matriz agrícola e os ecossistemas.
3. Um pouco de nossa experiência.
Manejo agroecológico dos agroecossistemas
Construção
coletiva dos Saberes

Agroecologia

Biodiversidade

Solos

Água

A biodiversidade é importante para produzir os serviços
ambientais (“as bondades da natureza”), incluindo a qualidade dos
solos. Solo de qualidade é a base para o desenvolvimento dos
agroecossistemas saudáveis. A biodiversidade precisa ser
estudada e manejada, e para isto o conhecimento do agricultor
pode-se associar ao conhecimento científico.
1. Por que a biodiversidade é importante?
A
auto-regulação
e
a
sustentabilidade
agroecossistemas dependem da biodiversidade.

dos

Biodiversidade: cria interações complexas entre solos,
plantas e animais. Destas interações resultam vários
benefícios:
Cobertura do solo e proteção contra ventos: conservação
dos solo e água.
Promove a ciclagem dos nutrientes.
Melhora o uso dos recursos locais (melhor uso do P do
solo, da polinização, do controle biológico).
Produção permanente e diversificada de alimentos (para
a família, animais domésticos e selvagens e mercado).
Altieri, 2004
Biodiversidade funcional
 A biodiversidade tem um papel no funcionamento dos
agroecossistemas - serviços do ecossistemas (Costanza et al.,
1997).
 Os
grupos
funcionais
(plantas,
decompositores,
engenheiros do ecossistema, herbívoros, microsimbiontes, polinizadores, transformadores, parasitas e
predadores) estimulam os processos ecológicos e por isto
são responsáveis pelos serviços dos ecossistemas (Swift et
al., 2004).
Serviços dos ecossistemas (bondades) e agricultura
Embora a agricultura possa ser beneficiada pela
biodiversidade, a agricultura afeta negativamente a
biodiversidade mais do que se beneficia dela.
Práticas incentivadas pelas políticas agrícolas
(revolução-verde), cujo enfoque principal foi o aumento
da produção agrícola, via intensificação dos processos de
produção.
Esta intensificação levou a um crescente uso de
insumos externos ao agroecossistemas (fertilizantes e
agrotóxicos por exemplo) em substituição ao uso da
biodiversidade
como
“provedora”
dos
serviços
ambientais.
Os serviços dos agroecossistemas (as bondades)
dependem em grande parte da biodiversidade associada
(Perfecto and Vandermeer, 2008).

As
árvores,
especialmente
multifuncionalidade, favorece muito a
associada.

devido
a
biodiversidade
Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013
2. Por que o solo é importante?
Solo morto, comida morta! Solo tem que ter qualidade:
“Alimente o seu solo se você quer ter uma planta sadia!”
“Cuide do solo e as plantas serão saudáveis!”
SOLOS TROPICAIS
Como consequência de sua gênese tropical, são em geral
solos profundos;
baixa disponibilidade de nutrientes (por quilo de solo);
baixa CTC;
grande capacidade de fixação de fósforo;
ácidos e altos níveis de alumínio trocável;
friáveis, susceptíveis a erosão (devido a estrutura).
Ou seja, são solos muito intemperizados e lixiviados.

Solos ruins, fracos, pobres e mal falados!
Como lidamos e como devemos lidar com os nossos solos?
a) Profundidade dos solos e nutrientes: buscar onde está!
Os solos profundos, fruto do intemperismo, podem ser
melhor explorados no espaço e no tempo, utilizando sistemas
diversificados – imitando a natureza.

- Por que a nossa referência de análise de solos é 20 cm?
Por que as árvores são importantes?
- Melhor uso do ambiente do solo em profundidade.
b) Atividade biológica. Baixa disponibilidade de nutrientes,
dependemos da atividade biológica para ciclar os
nutrientes, por exemplo, disponibilizando o fósforo e
fixando o nitrogênio.
Plantas com capacidades distintas de se associarem aos
microrganismos e de liberarem substâncias químicas,
criando rizosferas diferentes.
 Espécies diferentes desempenham papéis diferentes.
Algumas fixam nitrogênio da atmosfera outras exploram
melhor o solo.
Os solos tropicais podem ser considerados uma grande
reserva de fósforo do mundo (Resende, 1997).
Um hectare de solo brasileiro (20 cm de profundidade):
1.800 kg de P2O5, em sua maioria fixado
 Plantas, como o guandu (cajan cajanus) podem
disponibilizar o fósforo fixado, utilizando para isto
mecanismos especiais como a liberação de certos ácidos
orgânicos (Ae et al., 1990).
Fazer parcerias com os organismos do solo! O segredo é o
mutirão!
c) Matéria orgânica. Para isto são necessárias entradas
constantes de material orgânico no solo (alimentar os
microrganismos, complexar o alumínio, estruturar os
solos, melhorar a infiltração e retenção de água,
proteger o solo das chuvas e sol intenso).
Matéria orgânica nos trópicos
Produção

Destruição

A matéria orgânica deve ser produzida no local,
utilizando plantas com o objetivo de produção de
biomassa.
d) Resíduos
 Bagaço de cana-de-açúcar
energia/ biocombustível!
 Palha de café
 Pó de rochas: quanto perde como resíduos de pedras
ornamentais?
 Restos de comida
 Resíduos humanos
3. Por que o conhecimento do/a agricultor/a é importante?
O conhecimento local não tem sido historicamente
refletido nas pesquisas científicas.
Entretanto, complexa sabedoria sobre o manejo dos
agroecossistemas tem sido desenvolvida em vários locais
do planeta.
Esta sabedoria deve ter algum valor no manejo
sustentável da terra!!!! Podemos jogar este conhecimento
fora ????
O complexo K-C-P

(Barrera Bassols & Zinck, Geoderma 111, 2003).
Visão de mundo (Kosmos), Conhecimento (Corpus) e
práticas de manejo (Praxis).
O complexo K–C–P articula sabedoria empírica das pessoas
sobre os agro(ecossistemas).
A interação dos três domínios do complexo K–C–P funde
características sagradas e seculares, conhecimento e
experiências, fatos e valores e matéria e mente.
Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013
3.1. Qual o papel do conhecimento científico/técnico no
manejo dos agroecossistemas sustentáveis?
Ajudar a compreender os processos (laboratório, campo,
casa de vegetação....).
Sistematizar junto com os agricultores/as suas
experiências: extrair lições, generalizar informações.
Analisar e sintetizar as relações e fluxos presentes nos
agroecossistemas.
Criar modelos para permitir análises de cenários futuros.
Úteis para estudo na escala de paisagens.
Contribuir com informações para o desenho e redesenho
dos agroecossistemas.
Para quem compreende a agroecologia como ciência movimento e
prática...

P
T
T

P

T

P

P
T

Em movimento...
 Criar ambientes de interação agroecológica: confiança,
compartilhar os problemas e as soluções; surgimento das
questões de pesquisa; socialização dos resultados.
 Pesquisa ação; pesquisa participante etc.
 Pesquisa clássica.
 Publicar: divulgar os resultados (escala).
 Apoiar as instituições dos agricultores (resiliência).
 Desenvolvimento de metodologias adequadas (campesino a
campesino, análise e desenho de agroecossistemas, etc.).
Intercâmbios: ambientes de interação agroecológica –
baseado na metodologia campesino a campesino
 Identifique agricultores agroecológicos ou com potencial
agroecológico.
- indicadores: querer e ter disponibilidade para participar
dos processos coletivos.
- “gostar de ouvir o sabiá cantar e de folia de reis”.
 Promova os intercâmbios: visita coletiva à uma propriedade;
contar a história da família, visitar a propriedade, discutir
o observado.
- Nesta visita, valorize primeiro os aspectos positivos.
 Sistematize as experiências.
 Planeje os próximos passos (encontro de avaliação,
seminário, etc...
Cultura: intermedia a
relação do ser humano
com a natureza
Curso de Análise e desenho de sistemas rurais: Professor
Pablo Tittonell – Universidade de Wageningen
4. E os ecossistemas?

pastagem
Café

Fragmentos de mata…

Fragmentos envoltos por uma matriz agrícola de monocultura.
Está é a realidade da Floresta Atlântica – ponto quente
(hotspot) de biodiversidade. Perfecto et al. 2009 (Nature´s
Matrix: Linking Agriculture, Conservation and Food Sovereignty).
Agroecologia não combina com monocultura
Área Cultivada
Arroz (5%)
Café (4%)

Outros (13%)

Feijão (7%)

Cana-de-açúcar (12%)
Monocultura

Milho (24%)

Soja (35%)
IBGE (2007)

Monocultura
5. Um pouco de nossa experiência
DRP – Diagnóstico Rural Participativo (1993)
Um
dos
principais
problemas: enfraquecimento
dos solos – erosão e
nutrientes.
 Uma das prioridades:
recuperação das terras.
 Criação da comissão
“terra forte” (agricultores,
UFV e CTA).
Uma
das
sugestões:
sistemas agroflorestais;
Implantação participativa
Monitoramento participativo (1996-1999)
Sistematização (participativa) das experiências – 2003/
2004 (Souza, 2006)
Critérios para a definição de espécies nos SAFs

Compatibilidade
com o Café

Biomassa
- solo coberto
(herbáceas)
- quantidade de resíduos

Mão-de-obra
-

- aspectos fitossanitários
- sistema radicular

Diversidade de
produção
humano

caducifolismo
- alimento
criação animal
fauna
facilidade de poda
arquitetura dos ramos - madeira/lenha
aquisição de mudas
(quantidade e qualidade)

Z N D MT
O A A AA

DPS/UFV

ce tro d
n
e
te n lo ia
co g s
a rn tiv s
lte a a
Comparação entre café convencional (pleno sol) e
agroflorestal (Souza et al. 2010)
Indicadores
População de café (árvores/ha)

Convencional

Agrofloresta

2.650

2.050

Produtividade (kg/árvore)

0,79

0,62

Preço (R$ saco – 60kg)

120

120

Total (R$/ha)

4.187,00

2.542,00

Custo (R$/ha)

2.300,0

750,00

Lucro (R$/ha)

1.887,00

1.792,001

54,93

29,50

R$

R$

Mamão (150 árvores)

-

112,5

Banana (40 árvores)

-

200

Citrus (123 árvores)

-

110

Manga, abacate, goiaba, jaca (51 árvores)

-

135

Palmito, figo, ameixa (162 árvores)

-

144

Custos/lucro (%)
Produtos da agrofloresta

Outras frutas não comercializadas (114 árvores)

-

Maderia não comercializada (51 árvores)

-

-

Sub-total

-

701,502

Total

1.887,00

2.493,503
Joao do santos
Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013
Muito obrigada!

“Agroecologia: é preciso ter sabedoria para trabalhar e paciência para
esperar” Dadinho – agricultor agroecológico – Pedra Dourada, MG

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Métodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do soloMétodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do solo
Girleno Oliveira
 
Apostila Do Educador Agroflorestal Arboreto
Apostila Do Educador Agroflorestal ArboretoApostila Do Educador Agroflorestal Arboreto
Apostila Do Educador Agroflorestal Arboreto
Flávia Cremonesi
 
Sistemas agroflorestais
Sistemas agroflorestaisSistemas agroflorestais
AGROECOLOGIA
AGROECOLOGIAAGROECOLOGIA
AGROECOLOGIA
Karlla Costa
 
Sistema agroflorestal andré rocha
Sistema agroflorestal andré rochaSistema agroflorestal andré rocha
Sistema agroflorestal andré rocha
MESTRADOAMBIENTAL
 
Conservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio diretoConservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio direto
Josimar Oliveira
 
Apostila agroflorestas
Apostila agroflorestasApostila agroflorestas
Apostila agroflorestas
Temistocles Jaques
 
Conceitos de agroecologia e transicao agroecologica jose antonio costabeber
Conceitos de agroecologia e transicao agroecologica   jose antonio costabeberConceitos de agroecologia e transicao agroecologica   jose antonio costabeber
Conceitos de agroecologia e transicao agroecologica jose antonio costabeber
Anny Kelly Vasconcelos
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
2° col rotação de solo e cultivos
2° col rotação de solo e cultivos2° col rotação de solo e cultivos
2° col rotação de solo e cultivos
thaisssmendonca
 
Cartilha final
Cartilha finalCartilha final
Cartilha final
Stenio Ferreira
 
Sistema de-producao-de-alface-organico-ricardo-trippia
Sistema de-producao-de-alface-organico-ricardo-trippiaSistema de-producao-de-alface-organico-ricardo-trippia
Sistema de-producao-de-alface-organico-ricardo-trippia
mvezzone
 
Princípios da produção orgânica graexpoes
Princípios da produção orgânica   graexpoesPrincípios da produção orgânica   graexpoes
Princípios da produção orgânica graexpoes
Moysés Galvão Veiga
 
Dia 2 - Simpósio 1 - SAFs e Geração de Renda - Sistemas agroflorestais e sust...
Dia 2 - Simpósio 1 - SAFs e Geração de Renda - Sistemas agroflorestais e sust...Dia 2 - Simpósio 1 - SAFs e Geração de Renda - Sistemas agroflorestais e sust...
Dia 2 - Simpósio 1 - SAFs e Geração de Renda - Sistemas agroflorestais e sust...
cbsaf
 
Tecnicas
TecnicasTecnicas
Tecnicas
mvezzone
 
Sistemas agroflorestais em espaços protegidos
Sistemas agroflorestais em espaços protegidosSistemas agroflorestais em espaços protegidos
Sistemas agroflorestais em espaços protegidos
Geraldo Henrique
 
O solo e a agricultura
O solo e a agriculturaO solo e a agricultura
O solo e a agricultura
Fernando Côrtes
 
Sistemas Agroflorestais
Sistemas AgroflorestaisSistemas Agroflorestais
Sistemas Agroflorestais
cineone
 
Práticas conservacionistas na gestão de recursos hídricos - Rubens de Souza
Práticas conservacionistas na gestão de recursos hídricos - Rubens de SouzaPráticas conservacionistas na gestão de recursos hídricos - Rubens de Souza
Práticas conservacionistas na gestão de recursos hídricos - Rubens de Souza
Nativa Socioambiental
 
Adubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio diretoAdubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio direto
Agricultura Sao Paulo
 

Mais procurados (20)

Métodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do soloMétodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do solo
 
Apostila Do Educador Agroflorestal Arboreto
Apostila Do Educador Agroflorestal ArboretoApostila Do Educador Agroflorestal Arboreto
Apostila Do Educador Agroflorestal Arboreto
 
Sistemas agroflorestais
Sistemas agroflorestaisSistemas agroflorestais
Sistemas agroflorestais
 
AGROECOLOGIA
AGROECOLOGIAAGROECOLOGIA
AGROECOLOGIA
 
Sistema agroflorestal andré rocha
Sistema agroflorestal andré rochaSistema agroflorestal andré rocha
Sistema agroflorestal andré rocha
 
Conservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio diretoConservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio direto
 
Apostila agroflorestas
Apostila agroflorestasApostila agroflorestas
Apostila agroflorestas
 
Conceitos de agroecologia e transicao agroecologica jose antonio costabeber
Conceitos de agroecologia e transicao agroecologica   jose antonio costabeberConceitos de agroecologia e transicao agroecologica   jose antonio costabeber
Conceitos de agroecologia e transicao agroecologica jose antonio costabeber
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do Solo
 
2° col rotação de solo e cultivos
2° col rotação de solo e cultivos2° col rotação de solo e cultivos
2° col rotação de solo e cultivos
 
Cartilha final
Cartilha finalCartilha final
Cartilha final
 
Sistema de-producao-de-alface-organico-ricardo-trippia
Sistema de-producao-de-alface-organico-ricardo-trippiaSistema de-producao-de-alface-organico-ricardo-trippia
Sistema de-producao-de-alface-organico-ricardo-trippia
 
Princípios da produção orgânica graexpoes
Princípios da produção orgânica   graexpoesPrincípios da produção orgânica   graexpoes
Princípios da produção orgânica graexpoes
 
Dia 2 - Simpósio 1 - SAFs e Geração de Renda - Sistemas agroflorestais e sust...
Dia 2 - Simpósio 1 - SAFs e Geração de Renda - Sistemas agroflorestais e sust...Dia 2 - Simpósio 1 - SAFs e Geração de Renda - Sistemas agroflorestais e sust...
Dia 2 - Simpósio 1 - SAFs e Geração de Renda - Sistemas agroflorestais e sust...
 
Tecnicas
TecnicasTecnicas
Tecnicas
 
Sistemas agroflorestais em espaços protegidos
Sistemas agroflorestais em espaços protegidosSistemas agroflorestais em espaços protegidos
Sistemas agroflorestais em espaços protegidos
 
O solo e a agricultura
O solo e a agriculturaO solo e a agricultura
O solo e a agricultura
 
Sistemas Agroflorestais
Sistemas AgroflorestaisSistemas Agroflorestais
Sistemas Agroflorestais
 
Práticas conservacionistas na gestão de recursos hídricos - Rubens de Souza
Práticas conservacionistas na gestão de recursos hídricos - Rubens de SouzaPráticas conservacionistas na gestão de recursos hídricos - Rubens de Souza
Práticas conservacionistas na gestão de recursos hídricos - Rubens de Souza
 
Adubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio diretoAdubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio direto
 

Destaque

Adubação Verde
Adubação VerdeAdubação Verde
Adubação Verde
Marynara Barros
 
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Ediney Dias
 
Adubação orgânica para recuperação do solo
Adubação orgânica para recuperação do soloAdubação orgânica para recuperação do solo
Adubação orgânica para recuperação do solo
VALDECIR QUEIROZ
 
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínosUma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
João Felix
 
Mas
MasMas
Manejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia OrgânicaManejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia Orgânica
Bruno Anacleto
 
Indicadores de qualidade ambiental e produtividade
Indicadores de qualidade ambiental e produtividadeIndicadores de qualidade ambiental e produtividade
Indicadores de qualidade ambiental e produtividade
Marcelo Venturi
 
Indicadores
IndicadoresIndicadores
Indicadores
Marcelo Venturi
 
Seminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
Seminario Agroecossistemas Pesquisa ParticipativaSeminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
Seminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
Marcelo Venturi
 
2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...
2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...
2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...
Marcelo Venturi
 
Manejo Ecologico Do Solo
Manejo Ecologico Do SoloManejo Ecologico Do Solo
Manejo Ecologico Do Solo
Marcelo Venturi
 

Destaque (11)

Adubação Verde
Adubação VerdeAdubação Verde
Adubação Verde
 
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
 
Adubação orgânica para recuperação do solo
Adubação orgânica para recuperação do soloAdubação orgânica para recuperação do solo
Adubação orgânica para recuperação do solo
 
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínosUma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
 
Mas
MasMas
Mas
 
Manejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia OrgânicaManejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia Orgânica
 
Indicadores de qualidade ambiental e produtividade
Indicadores de qualidade ambiental e produtividadeIndicadores de qualidade ambiental e produtividade
Indicadores de qualidade ambiental e produtividade
 
Indicadores
IndicadoresIndicadores
Indicadores
 
Seminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
Seminario Agroecossistemas Pesquisa ParticipativaSeminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
Seminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
 
2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...
2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...
2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...
 
Manejo Ecologico Do Solo
Manejo Ecologico Do SoloManejo Ecologico Do Solo
Manejo Ecologico Do Solo
 

Semelhante a Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013

AGROECOLOGIA
AGROECOLOGIAAGROECOLOGIA
AGROECOLOGIA
Karlla Costa
 
Sistema de-producao-de-alface-organico-ricardo-trippia
Sistema de-producao-de-alface-organico-ricardo-trippiaSistema de-producao-de-alface-organico-ricardo-trippia
Sistema de-producao-de-alface-organico-ricardo-trippia
mvezzone
 
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICAIntroducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Herbert de Carvalho
 
Monografia
Monografia Monografia
Monografia
Cristiane Wesp
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
João Siqueira da Mata
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
Lenildo Araujo
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
gimalucelli_bio
 
Agricultura ecológica príncipios básicos 2010
Agricultura ecológica   príncipios básicos 2010Agricultura ecológica   príncipios básicos 2010
Agricultura ecológica príncipios básicos 2010
Edson Talarico
 
Caderno dos microorganismos eficientes
Caderno dos microorganismos eficientesCaderno dos microorganismos eficientes
Caderno dos microorganismos eficientes
Regiane Moura da Silva
 
Caderno microrganismos-eficientes
Caderno microrganismos-eficientesCaderno microrganismos-eficientes
Caderno microrganismos-eficientes
Joyce Muzy
 
004 edição do jornal ação e reação 2012
004 edição do jornal ação e reação 2012004 edição do jornal ação e reação 2012
004 edição do jornal ação e reação 2012
Prefeitura Municipal de Camboriú
 
Solos Função Ambiental Aula gestão ambiental
Solos Função Ambiental Aula gestão ambientalSolos Função Ambiental Aula gestão ambiental
Solos Função Ambiental Aula gestão ambiental
ClaudioAdriano4
 
C:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E Ecossistemas
C:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E EcossistemasC:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E Ecossistemas
C:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E Ecossistemas
guest5b12783
 
Vera Lucia Imperatriz Fonseca - Os serviços ecossistêmicos das abelhas
Vera Lucia Imperatriz Fonseca - Os serviços ecossistêmicos das abelhasVera Lucia Imperatriz Fonseca - Os serviços ecossistêmicos das abelhas
Vera Lucia Imperatriz Fonseca - Os serviços ecossistêmicos das abelhas
ApiculturaeAgricultura
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
Gourgel Abias
 
Trabalho em Slide Abdul 2.pptx
Trabalho em Slide Abdul 2.pptxTrabalho em Slide Abdul 2.pptx
Trabalho em Slide Abdul 2.pptx
CarlosAJoaquim
 
Biodiversidade 4 (1)
Biodiversidade 4 (1)Biodiversidade 4 (1)
Biodiversidade 4 (1)
Rogerio de Souza Souza
 
Biotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambienteBiotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambiente
Wallace Bertoldi
 
Aula de SAFs - Solo pdf
Aula de SAFs - Solo pdfAula de SAFs - Solo pdf
Aula de SAFs - Solo pdf
raularaujo33
 
Meio ambiente sustentabilidade e agroecologia
Meio ambiente sustentabilidade e agroecologiaMeio ambiente sustentabilidade e agroecologia
Meio ambiente sustentabilidade e agroecologia
Sandro Marcelo de Caires
 

Semelhante a Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013 (20)

AGROECOLOGIA
AGROECOLOGIAAGROECOLOGIA
AGROECOLOGIA
 
Sistema de-producao-de-alface-organico-ricardo-trippia
Sistema de-producao-de-alface-organico-ricardo-trippiaSistema de-producao-de-alface-organico-ricardo-trippia
Sistema de-producao-de-alface-organico-ricardo-trippia
 
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICAIntroducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICA
 
Monografia
Monografia Monografia
Monografia
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
 
Agricultura ecológica príncipios básicos 2010
Agricultura ecológica   príncipios básicos 2010Agricultura ecológica   príncipios básicos 2010
Agricultura ecológica príncipios básicos 2010
 
Caderno dos microorganismos eficientes
Caderno dos microorganismos eficientesCaderno dos microorganismos eficientes
Caderno dos microorganismos eficientes
 
Caderno microrganismos-eficientes
Caderno microrganismos-eficientesCaderno microrganismos-eficientes
Caderno microrganismos-eficientes
 
004 edição do jornal ação e reação 2012
004 edição do jornal ação e reação 2012004 edição do jornal ação e reação 2012
004 edição do jornal ação e reação 2012
 
Solos Função Ambiental Aula gestão ambiental
Solos Função Ambiental Aula gestão ambientalSolos Função Ambiental Aula gestão ambiental
Solos Função Ambiental Aula gestão ambiental
 
C:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E Ecossistemas
C:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E EcossistemasC:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E Ecossistemas
C:\Fakepath\1 CiêNcias Do Ambiente Programa E Ecossistemas
 
Vera Lucia Imperatriz Fonseca - Os serviços ecossistêmicos das abelhas
Vera Lucia Imperatriz Fonseca - Os serviços ecossistêmicos das abelhasVera Lucia Imperatriz Fonseca - Os serviços ecossistêmicos das abelhas
Vera Lucia Imperatriz Fonseca - Os serviços ecossistêmicos das abelhas
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Trabalho em Slide Abdul 2.pptx
Trabalho em Slide Abdul 2.pptxTrabalho em Slide Abdul 2.pptx
Trabalho em Slide Abdul 2.pptx
 
Biodiversidade 4 (1)
Biodiversidade 4 (1)Biodiversidade 4 (1)
Biodiversidade 4 (1)
 
Biotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambienteBiotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambiente
 
Aula de SAFs - Solo pdf
Aula de SAFs - Solo pdfAula de SAFs - Solo pdf
Aula de SAFs - Solo pdf
 
Meio ambiente sustentabilidade e agroecologia
Meio ambiente sustentabilidade e agroecologiaMeio ambiente sustentabilidade e agroecologia
Meio ambiente sustentabilidade e agroecologia
 

Mais de Agroecologia

Palestra Alan boccato viii cba agroecologia
Palestra Alan boccato viii cba agroecologiaPalestra Alan boccato viii cba agroecologia
Palestra Alan boccato viii cba agroecologia
Agroecologia
 
Caderno da Programação do VIII CBA-Agroecologia
Caderno da Programação do VIII CBA-AgroecologiaCaderno da Programação do VIII CBA-Agroecologia
Caderno da Programação do VIII CBA-Agroecologia
Agroecologia
 
Desde la aportación de José Antonio Costabeber por Guzmán CBA-Agroecologia2013
Desde la aportación de José Antonio Costabeber  por Guzmán CBA-Agroecologia2013Desde la aportación de José Antonio Costabeber  por Guzmán CBA-Agroecologia2013
Desde la aportación de José Antonio Costabeber por Guzmán CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentaçao Stéphane Bellon CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Stéphane Bellon  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Stéphane Bellon  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Stéphane Bellon CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentaçao Santiago j. Sarandón CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Santiago j. Sarandón  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Santiago j. Sarandón  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Santiago j. Sarandón CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentaçao Islandia Bezerra CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Islandia Bezerra  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Islandia Bezerra  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Islandia Bezerra CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentaçao Eduardo Sevilla Guzmán CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Eduardo Sevilla Guzmán  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Eduardo Sevilla Guzmán  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Eduardo Sevilla Guzmán CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentaçao Jaime Morales Hernández CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Jaime Morales Hernández   CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Jaime Morales Hernández   CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Jaime Morales Hernández CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentaçao Clara Nicholls CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Clara Nicholls CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Clara Nicholls CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Clara Nicholls CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentaçao Adriana Galvão CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Adriana Galvão CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Adriana Galvão CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Adriana Galvão CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentaçao Abdalaziz de Moura CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Abdalaziz de Moura  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Abdalaziz de Moura  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Abdalaziz de Moura CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentação Pedro Vieira CBA-Agroecologia2013
Apresentação Pedro Vieira  CBA-Agroecologia2013Apresentação Pedro Vieira  CBA-Agroecologia2013
Apresentação Pedro Vieira CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentação Neus Monllor Rico CBA-Agroecologia2013
Apresentação Neus Monllor Rico   CBA-Agroecologia2013Apresentação Neus Monllor Rico   CBA-Agroecologia2013
Apresentação Neus Monllor Rico CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentação Myriam Paredes CBA-Agroecologia2013
Apresentação Myriam Paredes   CBA-Agroecologia2013Apresentação Myriam Paredes   CBA-Agroecologia2013
Apresentação Myriam Paredes CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentação Ingrid de Barros CBA-Agroecologia2013
Apresentação Ingrid de Barros   CBA-Agroecologia2013Apresentação Ingrid de Barros   CBA-Agroecologia2013
Apresentação Ingrid de Barros CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentação Inês Rugani CBA-Agroecologia2013
Apresentação Inês Rugani CBA-Agroecologia2013Apresentação Inês Rugani CBA-Agroecologia2013
Apresentação Inês Rugani CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 
Apresentação Guilherme Radomsky CBA-Agroecologia 2013
Apresentação Guilherme Radomsky CBA-Agroecologia 2013Apresentação Guilherme Radomsky CBA-Agroecologia 2013
Apresentação Guilherme Radomsky CBA-Agroecologia 2013
Agroecologia
 
Apresentação Gema Galgani Esmeraldo CBA-Agroecologia 2013
Apresentação Gema Galgani Esmeraldo  CBA-Agroecologia 2013Apresentação Gema Galgani Esmeraldo  CBA-Agroecologia 2013
Apresentação Gema Galgani Esmeraldo CBA-Agroecologia 2013
Agroecologia
 
Apresentaçao Mariana Oliveira Ramos CBA-Agroecologia 2013
Apresentaçao Mariana Oliveira Ramos  CBA-Agroecologia 2013Apresentaçao Mariana Oliveira Ramos  CBA-Agroecologia 2013
Apresentaçao Mariana Oliveira Ramos CBA-Agroecologia 2013
Agroecologia
 

Mais de Agroecologia (20)

Palestra Alan boccato viii cba agroecologia
Palestra Alan boccato viii cba agroecologiaPalestra Alan boccato viii cba agroecologia
Palestra Alan boccato viii cba agroecologia
 
Caderno da Programação do VIII CBA-Agroecologia
Caderno da Programação do VIII CBA-AgroecologiaCaderno da Programação do VIII CBA-Agroecologia
Caderno da Programação do VIII CBA-Agroecologia
 
Desde la aportación de José Antonio Costabeber por Guzmán CBA-Agroecologia2013
Desde la aportación de José Antonio Costabeber  por Guzmán CBA-Agroecologia2013Desde la aportación de José Antonio Costabeber  por Guzmán CBA-Agroecologia2013
Desde la aportación de José Antonio Costabeber por Guzmán CBA-Agroecologia2013
 
Apresentaçao Stéphane Bellon CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Stéphane Bellon  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Stéphane Bellon  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Stéphane Bellon CBA-Agroecologia2013
 
Apresentaçao Santiago j. Sarandón CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Santiago j. Sarandón  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Santiago j. Sarandón  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Santiago j. Sarandón CBA-Agroecologia2013
 
Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Pedro Urubatan Neto da Costa CBA-Agroecologia2013
 
Apresentaçao Islandia Bezerra CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Islandia Bezerra  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Islandia Bezerra  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Islandia Bezerra CBA-Agroecologia2013
 
Apresentaçao Eduardo Sevilla Guzmán CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Eduardo Sevilla Guzmán  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Eduardo Sevilla Guzmán  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Eduardo Sevilla Guzmán CBA-Agroecologia2013
 
Apresentaçao Jaime Morales Hernández CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Jaime Morales Hernández   CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Jaime Morales Hernández   CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Jaime Morales Hernández CBA-Agroecologia2013
 
Apresentaçao Clara Nicholls CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Clara Nicholls CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Clara Nicholls CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Clara Nicholls CBA-Agroecologia2013
 
Apresentaçao Adriana Galvão CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Adriana Galvão CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Adriana Galvão CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Adriana Galvão CBA-Agroecologia2013
 
Apresentaçao Abdalaziz de Moura CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Abdalaziz de Moura  CBA-Agroecologia2013Apresentaçao Abdalaziz de Moura  CBA-Agroecologia2013
Apresentaçao Abdalaziz de Moura CBA-Agroecologia2013
 
Apresentação Pedro Vieira CBA-Agroecologia2013
Apresentação Pedro Vieira  CBA-Agroecologia2013Apresentação Pedro Vieira  CBA-Agroecologia2013
Apresentação Pedro Vieira CBA-Agroecologia2013
 
Apresentação Neus Monllor Rico CBA-Agroecologia2013
Apresentação Neus Monllor Rico   CBA-Agroecologia2013Apresentação Neus Monllor Rico   CBA-Agroecologia2013
Apresentação Neus Monllor Rico CBA-Agroecologia2013
 
Apresentação Myriam Paredes CBA-Agroecologia2013
Apresentação Myriam Paredes   CBA-Agroecologia2013Apresentação Myriam Paredes   CBA-Agroecologia2013
Apresentação Myriam Paredes CBA-Agroecologia2013
 
Apresentação Ingrid de Barros CBA-Agroecologia2013
Apresentação Ingrid de Barros   CBA-Agroecologia2013Apresentação Ingrid de Barros   CBA-Agroecologia2013
Apresentação Ingrid de Barros CBA-Agroecologia2013
 
Apresentação Inês Rugani CBA-Agroecologia2013
Apresentação Inês Rugani CBA-Agroecologia2013Apresentação Inês Rugani CBA-Agroecologia2013
Apresentação Inês Rugani CBA-Agroecologia2013
 
Apresentação Guilherme Radomsky CBA-Agroecologia 2013
Apresentação Guilherme Radomsky CBA-Agroecologia 2013Apresentação Guilherme Radomsky CBA-Agroecologia 2013
Apresentação Guilherme Radomsky CBA-Agroecologia 2013
 
Apresentação Gema Galgani Esmeraldo CBA-Agroecologia 2013
Apresentação Gema Galgani Esmeraldo  CBA-Agroecologia 2013Apresentação Gema Galgani Esmeraldo  CBA-Agroecologia 2013
Apresentação Gema Galgani Esmeraldo CBA-Agroecologia 2013
 
Apresentaçao Mariana Oliveira Ramos CBA-Agroecologia 2013
Apresentaçao Mariana Oliveira Ramos  CBA-Agroecologia 2013Apresentaçao Mariana Oliveira Ramos  CBA-Agroecologia 2013
Apresentaçao Mariana Oliveira Ramos CBA-Agroecologia 2013
 

Último

Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 

Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013

  • 1. Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos Z N D MT O A A AA Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata Manejando agroecossistemas Profa Irene Maria Cardoso ce tro d n e te n lo ia co g s a rn tiv s lte a a
  • 2. 1. Biodiversidade, solos e conhecimento. 2. A matriz agrícola e os ecossistemas. 3. Um pouco de nossa experiência.
  • 3. Manejo agroecológico dos agroecossistemas Construção coletiva dos Saberes Agroecologia Biodiversidade Solos Água A biodiversidade é importante para produzir os serviços ambientais (“as bondades da natureza”), incluindo a qualidade dos solos. Solo de qualidade é a base para o desenvolvimento dos agroecossistemas saudáveis. A biodiversidade precisa ser estudada e manejada, e para isto o conhecimento do agricultor pode-se associar ao conhecimento científico.
  • 4. 1. Por que a biodiversidade é importante?
  • 5. A auto-regulação e a sustentabilidade agroecossistemas dependem da biodiversidade. dos Biodiversidade: cria interações complexas entre solos, plantas e animais. Destas interações resultam vários benefícios: Cobertura do solo e proteção contra ventos: conservação dos solo e água. Promove a ciclagem dos nutrientes. Melhora o uso dos recursos locais (melhor uso do P do solo, da polinização, do controle biológico). Produção permanente e diversificada de alimentos (para a família, animais domésticos e selvagens e mercado). Altieri, 2004
  • 6. Biodiversidade funcional  A biodiversidade tem um papel no funcionamento dos agroecossistemas - serviços do ecossistemas (Costanza et al., 1997).  Os grupos funcionais (plantas, decompositores, engenheiros do ecossistema, herbívoros, microsimbiontes, polinizadores, transformadores, parasitas e predadores) estimulam os processos ecológicos e por isto são responsáveis pelos serviços dos ecossistemas (Swift et al., 2004).
  • 7. Serviços dos ecossistemas (bondades) e agricultura Embora a agricultura possa ser beneficiada pela biodiversidade, a agricultura afeta negativamente a biodiversidade mais do que se beneficia dela. Práticas incentivadas pelas políticas agrícolas (revolução-verde), cujo enfoque principal foi o aumento da produção agrícola, via intensificação dos processos de produção. Esta intensificação levou a um crescente uso de insumos externos ao agroecossistemas (fertilizantes e agrotóxicos por exemplo) em substituição ao uso da biodiversidade como “provedora” dos serviços ambientais.
  • 8. Os serviços dos agroecossistemas (as bondades) dependem em grande parte da biodiversidade associada (Perfecto and Vandermeer, 2008). As árvores, especialmente multifuncionalidade, favorece muito a associada. devido a biodiversidade
  • 10. 2. Por que o solo é importante?
  • 11. Solo morto, comida morta! Solo tem que ter qualidade: “Alimente o seu solo se você quer ter uma planta sadia!” “Cuide do solo e as plantas serão saudáveis!”
  • 12. SOLOS TROPICAIS Como consequência de sua gênese tropical, são em geral solos profundos; baixa disponibilidade de nutrientes (por quilo de solo); baixa CTC; grande capacidade de fixação de fósforo; ácidos e altos níveis de alumínio trocável; friáveis, susceptíveis a erosão (devido a estrutura). Ou seja, são solos muito intemperizados e lixiviados. Solos ruins, fracos, pobres e mal falados! Como lidamos e como devemos lidar com os nossos solos?
  • 13. a) Profundidade dos solos e nutrientes: buscar onde está! Os solos profundos, fruto do intemperismo, podem ser melhor explorados no espaço e no tempo, utilizando sistemas diversificados – imitando a natureza. - Por que a nossa referência de análise de solos é 20 cm?
  • 14. Por que as árvores são importantes? - Melhor uso do ambiente do solo em profundidade.
  • 15. b) Atividade biológica. Baixa disponibilidade de nutrientes, dependemos da atividade biológica para ciclar os nutrientes, por exemplo, disponibilizando o fósforo e fixando o nitrogênio. Plantas com capacidades distintas de se associarem aos microrganismos e de liberarem substâncias químicas, criando rizosferas diferentes.  Espécies diferentes desempenham papéis diferentes. Algumas fixam nitrogênio da atmosfera outras exploram melhor o solo.
  • 16. Os solos tropicais podem ser considerados uma grande reserva de fósforo do mundo (Resende, 1997). Um hectare de solo brasileiro (20 cm de profundidade): 1.800 kg de P2O5, em sua maioria fixado  Plantas, como o guandu (cajan cajanus) podem disponibilizar o fósforo fixado, utilizando para isto mecanismos especiais como a liberação de certos ácidos orgânicos (Ae et al., 1990). Fazer parcerias com os organismos do solo! O segredo é o mutirão!
  • 17. c) Matéria orgânica. Para isto são necessárias entradas constantes de material orgânico no solo (alimentar os microrganismos, complexar o alumínio, estruturar os solos, melhorar a infiltração e retenção de água, proteger o solo das chuvas e sol intenso). Matéria orgânica nos trópicos Produção Destruição A matéria orgânica deve ser produzida no local, utilizando plantas com o objetivo de produção de biomassa.
  • 18. d) Resíduos  Bagaço de cana-de-açúcar energia/ biocombustível!  Palha de café  Pó de rochas: quanto perde como resíduos de pedras ornamentais?  Restos de comida  Resíduos humanos
  • 19. 3. Por que o conhecimento do/a agricultor/a é importante?
  • 20. O conhecimento local não tem sido historicamente refletido nas pesquisas científicas. Entretanto, complexa sabedoria sobre o manejo dos agroecossistemas tem sido desenvolvida em vários locais do planeta. Esta sabedoria deve ter algum valor no manejo sustentável da terra!!!! Podemos jogar este conhecimento fora ????
  • 21. O complexo K-C-P (Barrera Bassols & Zinck, Geoderma 111, 2003).
  • 22. Visão de mundo (Kosmos), Conhecimento (Corpus) e práticas de manejo (Praxis). O complexo K–C–P articula sabedoria empírica das pessoas sobre os agro(ecossistemas). A interação dos três domínios do complexo K–C–P funde características sagradas e seculares, conhecimento e experiências, fatos e valores e matéria e mente.
  • 24. 3.1. Qual o papel do conhecimento científico/técnico no manejo dos agroecossistemas sustentáveis? Ajudar a compreender os processos (laboratório, campo, casa de vegetação....). Sistematizar junto com os agricultores/as suas experiências: extrair lições, generalizar informações. Analisar e sintetizar as relações e fluxos presentes nos agroecossistemas. Criar modelos para permitir análises de cenários futuros. Úteis para estudo na escala de paisagens. Contribuir com informações para o desenho e redesenho dos agroecossistemas.
  • 25. Para quem compreende a agroecologia como ciência movimento e prática... P T T P T P P T Em movimento...
  • 26.  Criar ambientes de interação agroecológica: confiança, compartilhar os problemas e as soluções; surgimento das questões de pesquisa; socialização dos resultados.  Pesquisa ação; pesquisa participante etc.  Pesquisa clássica.  Publicar: divulgar os resultados (escala).  Apoiar as instituições dos agricultores (resiliência).  Desenvolvimento de metodologias adequadas (campesino a campesino, análise e desenho de agroecossistemas, etc.).
  • 27. Intercâmbios: ambientes de interação agroecológica – baseado na metodologia campesino a campesino
  • 28.  Identifique agricultores agroecológicos ou com potencial agroecológico. - indicadores: querer e ter disponibilidade para participar dos processos coletivos. - “gostar de ouvir o sabiá cantar e de folia de reis”.  Promova os intercâmbios: visita coletiva à uma propriedade; contar a história da família, visitar a propriedade, discutir o observado. - Nesta visita, valorize primeiro os aspectos positivos.  Sistematize as experiências.  Planeje os próximos passos (encontro de avaliação, seminário, etc...
  • 29. Cultura: intermedia a relação do ser humano com a natureza
  • 30. Curso de Análise e desenho de sistemas rurais: Professor Pablo Tittonell – Universidade de Wageningen
  • 31. 4. E os ecossistemas? pastagem Café Fragmentos de mata… Fragmentos envoltos por uma matriz agrícola de monocultura. Está é a realidade da Floresta Atlântica – ponto quente (hotspot) de biodiversidade. Perfecto et al. 2009 (Nature´s Matrix: Linking Agriculture, Conservation and Food Sovereignty).
  • 32. Agroecologia não combina com monocultura Área Cultivada Arroz (5%) Café (4%) Outros (13%) Feijão (7%) Cana-de-açúcar (12%) Monocultura Milho (24%) Soja (35%) IBGE (2007) Monocultura
  • 33. 5. Um pouco de nossa experiência
  • 34. DRP – Diagnóstico Rural Participativo (1993) Um dos principais problemas: enfraquecimento dos solos – erosão e nutrientes.  Uma das prioridades: recuperação das terras.  Criação da comissão “terra forte” (agricultores, UFV e CTA). Uma das sugestões: sistemas agroflorestais; Implantação participativa
  • 35. Monitoramento participativo (1996-1999) Sistematização (participativa) das experiências – 2003/ 2004 (Souza, 2006)
  • 36. Critérios para a definição de espécies nos SAFs Compatibilidade com o Café Biomassa - solo coberto (herbáceas) - quantidade de resíduos Mão-de-obra - - aspectos fitossanitários - sistema radicular Diversidade de produção humano caducifolismo - alimento criação animal fauna facilidade de poda arquitetura dos ramos - madeira/lenha aquisição de mudas (quantidade e qualidade) Z N D MT O A A AA DPS/UFV ce tro d n e te n lo ia co g s a rn tiv s lte a a
  • 37. Comparação entre café convencional (pleno sol) e agroflorestal (Souza et al. 2010) Indicadores População de café (árvores/ha) Convencional Agrofloresta 2.650 2.050 Produtividade (kg/árvore) 0,79 0,62 Preço (R$ saco – 60kg) 120 120 Total (R$/ha) 4.187,00 2.542,00 Custo (R$/ha) 2.300,0 750,00 Lucro (R$/ha) 1.887,00 1.792,001 54,93 29,50 R$ R$ Mamão (150 árvores) - 112,5 Banana (40 árvores) - 200 Citrus (123 árvores) - 110 Manga, abacate, goiaba, jaca (51 árvores) - 135 Palmito, figo, ameixa (162 árvores) - 144 Custos/lucro (%) Produtos da agrofloresta Outras frutas não comercializadas (114 árvores) - Maderia não comercializada (51 árvores) - - Sub-total - 701,502 Total 1.887,00 2.493,503
  • 41. Muito obrigada! “Agroecologia: é preciso ter sabedoria para trabalhar e paciência para esperar” Dadinho – agricultor agroecológico – Pedra Dourada, MG Ministério do Desenvolvimento Agrário