SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
1
COMPOSTAGEM
Ricardo Trippia dos Guimarães Peixoto
Pesquisador, Eng. Agrônomo, PhD
Embrapa Solos
rtrippia@cnps.embrapa.br ou ricardo.trippia@embrapa.br
Material preparado para compor Capítulo em publicação “Sistema de produção de alface
orgânico”, em processo de revisão do Comitê de Publicação da Embrapa Clima
Temperado (http://www.cpact.embrapa.br), com previsão de publicação para 2012.
RESUMO
Nos sistemas de produção agropecuários normalmente há produção de resíduos orgânicos que
muitas vezes não tem um destino ambientalmente adequado, como no caso de dejetos animais
e da queima de biomassa vegetal, se afastando de um modelo de produção mais sustentável
que preconiza o melhor aproveitamento dos recursos naturais. Como consequência, o manejo
e uso técnico correto desses resíduos orgânicos são necessários para minimizar os impactos
negativos no meio ambiente, como degradação do solo, poluição dos mananciais hídricos,
emissão de gases de efeito estufa, entre outros. A compostagem é um processo de preparo de
fertilizante natural, o húmus, a partir de resíduos orgânicos – dejetos animais, palhas etc. Estes
resíduos são misturados e amontoados visando formar montes ou pilhas de compostagem, as
quais passam por um manejo e monitoramento que segue princípios técnicos, os quais se
baseiam no entendimento de certos requerimentos relacionados aos fatores que influenciam a
atividade microbiana. Todo o processo envolve transformações da matéria orgânica em
ambiente com ar, sendo realizadas por vários tipos de microorganismos existentes nos
resíduos e no solo que têm na matéria orgânica in natura sua fonte de energia, nutrientes
minerais e carbono. A compostagem é uma técnica que pode ser aplicada em diversas
situações visando a reciclagem de resíduos orgânicos para produção de fertilizantes orgânicos,
desde uma escala de "fundo de quintal" até industrial. Em geral quanto mais tipos diferentes
de resíduos orgânicos forem misturados, melhor para o processo de transformação da matéria
orgânica e para a qualidade do produto final obtido, o composto, que é rico em húmus e
matéria orgânica ainda em transformação, bem como em nutrientes e microrganismos
benéficos, portanto atuando na melhoria das propriedades químicas, físicas e biológicas dos
solos.
INTRODUÇÃO
No setor produtivo agropecuário e nos grandes centros urbanos existem várias situações em
que o destino dos resíduos orgânicos gerados em grande quantidade demanda soluções para
minimizar ou evitar impactos negativos ambientais. Uma prática comum nas criações ou em
ambientes de feiras agropecuárias ou de competições é o armazenamento em esterqueiras,
onde os dejetos são acumulados sem nenhum manejo ou tratamento e depois de um tempo os
resíduos são usados em campos ou disponibilizados para interessados. A crescente
preocupação da sociedade com os problemas ambientais, proteção dos recursos hídricos,
questões sanitárias e que revertem para questões de saúde humana e qualidade de vida,
direciona para a necessidade de minimizar esses problemas através de tecnologias que melhor
utilizem os recursos naturais.
A compostagem pode ser uma opção tecnológica para dar uma utilização mais nobre dos
resíduos orgânicos considerados inúteis, pois pressupõe que nos mesmos há um valor
agregado com dimensões ambientais, econômicas e sociais. Entretanto, a inserção da
compostagem nos sistemas de produção familiares, comunitários, institucionais ou
2
empresariais requer, em geral, melhor conhecimento sobre o processo de compostagem e
ajuste da tecnologia às especificidades locais da rotina de trabalho, principalmente no que diz
respeito ao aproveitamento dos resíduos orgânicos disponíveis na região (Peixoto, 2007).
Compostagem é uma maneira antiga de processar os resíduos e convertê-los a uma forma
(húmus) que proporciona benefícios significativos para a agropecuária. Essa técnica foi
conhecida pelo Ocidente provavelmente a partir de observações feitas pelo Professor F. H.
King do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos em 1909, e pelos experimentos de
Sir Albert Howard (Howard, 1947), considerado Pai da Compostagem, inglês que trabalhou
vários anos na Índia, nas primeiras décadas do século XX (Peixoto, 1988).
De uma maneira geral, a compostagem é uma técnica relativamente simples, que pode ser
aplicada em diferentes situações de desenvolvimento agrícola, como por pequenos agricultores
descapitalizados com uso intensivo de mão-de-obra, agricultores capitalizados ou que se utiliza
de técnicas de capital intensivo, até em nível de “industrialização”, como em usinas de
reciclagem de lixo urbano e unidades de beneficiamento de grãos e na produção de adubos
organo-minerais.
Contudo, alguns princípios devem ser levados em consideração, requerendo cuidados e
acompanhamento de modo a garantir qualidade em sua elaboração e no húmus produzido.
Por exemplo, durante o processo a ação e a interação dos microrganismos também dependem
da ocorrência de condições favoráveis, tais como temperatura, umidade, aeração, pH, tipo de
compostos orgânicos existentes e concentração e tipos de nutrientes disponíveis. É importante
ter em mente que esses fatores ocorrem simultaneamente, e que a eficiência da compostagem
baseia-se na interdependência e inter-relacionamento desses fatores.
Deve-se também ser lembrado que o composto (húmus) quando aplicado ao solo não funciona
estaticamente como simples fornecedor de nutrientes, mas atua dinamicamente na melhoria
das propriedades químicas, físicas e biológicas do solo. Além disso, um solo não é recuperado
nem “construído” em um ano, mas sim ao longo do tempo.
Este trabalho pretende apresentar alguns princípios e cuidados que permitam entender o que
acontece durante o processo de compostagem, bem como orientar os conceitos básicos para
os trabalhos no planejamento e manejo da compostagem para produção de composto com
melhor qualidade.
Contexto do manejo orgânico do solo
O manejo adequado do solo é um dos pilares da agricultura orgânica. Há que se desenvolver
e aplicar soluções criativas para minimizar o uso de insumos industrializados e maximizar o uso
dos recursos naturais, a par da preocupação com controle da erosão e com a conservação da
fertilidade e da biota do sistema solo:planta.
A manutenção da fertilidade do solo numa abordagem agroecológica é um tópico
particularmente complexo, envolvendo uma gama grande de variáveis. Variações naturais dos
tipos de solos, clima, taxas de mineralizações e sistemas de cultivo, todos afetam os níveis de
fertilidade do solo e as tendências de esgotamento ou acúmulo de nutrientes (Peixoto, 1996;
1997a). A disponibilidade de recursos locais (na ou fora da propriedade) para construir e
manter a fertilidade ajuda determinar o conjunto de estratégias mais viáveis e os fatores sociais
influenciam a adequação social e aceitação das diferentes técnicas de manejo da fertilidade do
solo. Esses fatores incluem: a intensidade de praticas agrícolas existentes; estrutura da
propriedade (incluindo tipo de posse e a disponibilidade e divisão do trabalho); níveis de
conhecimento e cooperação social local; e a existência de suporte técnico (Parrott & Marsden,
2002).
Fertilidade do solo é tratada num contexto mais amplo, sendo um reflexo dos ciclos naturais
onde existe um balanço, ou desbalanço, entre os processos de desenvolvimento e
decomposição atuando em ambos constituintes orgânicos e inorgânicos do solo. A matéria
orgânica do solo (MOS) tem um papel importante já que compreende grupos de componentes
3
com funções múltiplas na expressão dos processos químicos, físicos e biológicos do solo
(Coleman et al., 1989).
O uso de resíduos orgânicos, tais como restos de cultura, dejetos animais, aparas de gramas,
restos de manutenção de jardins, entre outros, vem despertando cada vez mais o interesse dos
agricultores e técnicos, tanto em áreas rurais como urbanas. Isso porque esses materiais são
ricos em matéria orgânica, componente muito importante para a fertilidade do solo e portanto
para se obter melhores produtividades.
Uma característica importante da matéria orgânica é a manutenção de uma biomassa ativa,
que é composta de comunidades diferentes de organismos que atuam diretamente em
numerosas transformações entre os constituintes orgânicos e inorgânicos do solo. Portanto o
papel funcional dos diferentes compartimentos da MOS esta relacionado aos processos do solo
relativos à ciclagem (mineralização/imobilização) e disponibilidade de nutrientes (CTC, CTA),
agregação de partículas (proteção física da MOS) e complexação com metais (proteção
química da MOS e "controle" da acidez - Al) (Peixoto, 1997a, 1997b).
Portanto, o emprego de fertilizantes orgânicos utilizados num manejo adequado do solo
contribui para a melhoria das propriedades físicas e químicas do solo, tais como a agregação
das partículas e estruturação do solo, a aeração, a infiltração de água e retenção de umidade,
melhoria da capacidade de retenção e disponibilização de nutrientes, entre outras, permitindo a
manutenção e incremento da produtividade do solo. Propicia também um aumento na
diversidade de microorganismos benéficos, no estímulo ao desenvolvimento das raízes, que
contribuem para o controle de organismos não desejáveis, na transformação da matéria
orgânica e na solubilização de minerais, de maneira a disponibilizar de forma gradativa os
nutrientes para as plantas (Peixoto, 1997b).
Portanto, técnicas que favoreçam o aporte de matéria orgânica e a sua manutenção, são
estratégias que podem auxiliar o processo de viabilização de unidades orgânicas. Por
exemplo, a produção in situ de biomassa, via fotossíntese, e sua transformação em fertilizante
orgânico, através do emprego de técnicas como a compostagem, o uso de biofertilizantes
líquidos e a adubação verde (AV).
Aspectos gerais sobre compostagem
A diferença entre se aplicar e incorporar diretamente os resíduos crus e o resíduo estabilizado
(p. ex., proveniente da compostagem) em relação à resposta de uma cultura, quanto à sua
nutrição, está na quantidade e época em que os nutrientes mineralizados estarão disponíveis
para as plantas, assim como na intensidade com que ativam os microrganismos do solo.
A compostagem é um processo de decomposição aeróbia e durante o mesmo, há
desprendimento de gás carbônico, água (na forma de vapor) e energia, devido à ação dos
microrganismos. Parte da energia é usada para crescimento e movimento, sendo a restante
liberada como calor, que se procura conservar na pilha (monte) de compostagem. Como
resultado, a pilha se aquece, atinge uma temperatura elevada, resfria e atinge estágio de
maturação. O composto final, húmus, é constituído de partes resistentes dos resíduos
orgânicos, produtos decompostos e microrganismos mortos e vivos. Em outras palavras, a
partir de uma mistura de restos de alimentos, frutas, folhas, esterco, palhadas, etc., obtém-se,
no final do processo, um adubo orgânico homogêneo, com cheiro característico, de cor escura,
estável, solto, pronto para ser usado em qualquer cultura sem causar dano e proporcionando
uma melhoria nas propriedades físicas, químicas e biológicas do solo.
Vários trabalhos têm mostrado que a aplicação de composto produz múltiplos efeitos sobre o
solo e a cultura através do aumento da permeabilidade do solo, agregação das partículas
minerais, fornecimento de micro e macronutrientes, contribuindo para a correção da acidez,
incrementando a população de organismos e melhorando a eficiência de uso dos nutrientes
(Howard, 1947; Bengtson e Cornette, 1973; Hortenstinee Rothwell, 1973; Terman et al., 1973;
Giordano et al., 1975; Mazur, 1981; Guerra & Almeida, 1983; Peixoto et al., 1987, 1989a,
1989b; Pereira et al., 1988; Alves e Passoni, 1997; Souza, 1998; Abreu Jr. et al., 2001; Santos
et al., 2001).
4
O estado de maturação do composto é de fundamental importância para seu efeito como
condicionador de solos e principalmente fornecimento de nutrientes às plantas e o crescimento
destas (Boulter-Bitzer et al., 2006; Said-Pullicino et al., 2007). Por outro lado, o grau de
decomposição também tem influência no potencial do composto no biocontrole de doenças de
plantas causadas por patógenos do solo. Essa característica é conferida pela colonização
microbiana diferencial do composto nas suas diversas fases e por estes microrganismos
apresentarem diferentes mecanismos de biocontrole (Hoitink e Boehm, 1999).
No entanto, apesar de ser tecnologia agrícola das mais antigas, não tem tido uso mais
indiscriminado em território brasileiro por parte dos agricultores familiares. Isto se deve
principalmente ao fato de ser uma prática intensiva em trabalho e o composto ser muito
volumoso para o transporte e de qualidade variável em relação aos fertilizantes minerais.
Também porque para sua inserção nos sistemas de produção familiares requer, em geral,
melhor conhecimento sobre o processo de compostagem e ajuste da tecnologia às
especificidades locais, principalmente no que diz respeito ao aproveitamento dos resíduos
orgânicos disponíveis e a dificuldade de inserção da compostagem, na rotina de atividades da
unidade de produção familiar.
Outra limitação é que muitas vezes os sistemas de produção não contemplam a criação de
animais e a falta de esterco é considerada uma limitação do processo em função do baixo teor
de N nos resíduos vegetais em geral. Por outro lado os sistemas com criação animal muitas
vezes não reciclam o esterco, causando poluição ambiental, ou o fazem através de
processamentos inadequados que promovem perdas elevadas de nutrientes. Mesmo quando
se faz a compostagem, muitas vezes a falta de conhecimento dos fatores que interferem no
processo de decomposição dos resíduos e a correta maneira de manejá-los tem produzido
material não estabilizado, ou com falta de qualidade, acarretando problemas na germinação de
sementes ou desenvolvimento de plantas, por excesso ou deficiência de N, presença de
substâncias tóxicas, sementes de plantas daninhas ou mesmo de patógenos.
Além das imposições da produção orgânica certificada que tem estimulado o surgimento de
tecnologias orgânicas, o custo dos fertilizantes minerais solúveis e a crescente
descapitalização dos agricultores familiares tem pressionado o retorno das técnicas de
adubação orgânica. Neste caso, surge uma nova oportunidade para a compostagem como
opção para o manejo orgânico do solo, principalmente se considerarmos o potencial dos
trabalhos participativos nas comunidades familiares, onde podem surgir iniciativas de
especialização de produtores fabricantes de composto integrados com as necessidades ou
demandas locais ou regionais, ou mesmo de mutirões para produzi-lo numa escala maior.
Exemplos existem de iniciativas similares em comunidades de Java que tradicionalmente
desenvolveram ao longo do tempo técnicas para produzir compostos específicos para
diferentes culturas, considerando estratégias distintas mas integradas de desenvolvimento
entre regiões (Tanner et al., 2001).
Souza (1998) demonstrou a viabilidade do uso de composto na produção orgânica de
hortaliças, a partir do emprego de capim napier como fonte de C na compostagem, em regiões
onde outros fertilizantes orgânicos sejam escassos ou tenham custos elevados. Contudo,
neste processo balanços de nutrientes devem ser estabelecidos, a fim de viabilizar a
sustentação temporal destes sistemas de produção. Dentre os nutrientes, o N é crítico, visto
ser o de maior demanda metabólica pelas plantas, e as opções de fertilizantes sintéticos não
são de uso permitido na produção orgânica, ao passo que em relação a outros nutrientes
essenciais há opções disponíveis.
Especial atenção deve ser tomada nos sistemas com solos degradados e com desbalanço de
nutrientes, onde se pretende construir a fertilidade do solo com técnicas orgânicas de
produção. Neste caso, devem ser desenvolvidos estudos envolvendo a transformação de
fertilizantes minerais em fertilizantes orgânicos, por exemplo mostrando maior eficiência em
relação aos fosfatos naturais brasileiros, ou mesmo estratégias durante um período de
transição / conversão para diminuir o uso de insumos externos à propriedade.
PRINCÍPIOS DA COMPOSTAGEM
5
Apesar da compostagem ser uma técnica simples, alguns princípios devem ser levados em
consideração de modo a garantir qualidade em sua elaboração e no húmus produzido.
A transformação dos resíduos ocorre principalmente através da ação de organismos, podendo
ser subdividida em duas etapas: uma física (desintegração) e outra química (decomposição).
A primeira diz respeito à quebra mecânica dos resíduos, e na última, os resíduos são
primeiramente decompostos em suas unidades estruturais básicas por enzimas extracelulares
e, posteriormente absorvidas e oxidadas pelos microrganismos, a fim de obterem energia e
nutrientes inorgânicos para o seu desenvolvimento, com conseqüente transformação da
biomassa.
A decomposição da matéria orgânica pode ocorrer por dois processos: na presença de
oxigênio (aeróbio) e na sua ausência (anaeróbio). De acordo com a disponibilidade de
oxigênio livre, predominam microrganismos aeróbios ou anaeróbios, sendo os agentes mais
destacados os fungos, bactérias e actinomicetos.
Na decomposição anaeróbia (biodigestor) os organismos, ao metabolizarem os nutrientes,
utilizam outros elementos para respiração em lugar de oxigênio, decompondo os compostos
orgânicos por um processo de redução lento e geralmente acompanhado de desprendimento
de odores desagradáveis (H2S). A característica marcante do processo anaeróbio é a
produção do gás metano (CH4) que é combustível e usado em fogões, aquecedores, lampiões,
geladeiras, geradores, etc. Após a decomposição, o efluente (biofertilizante) pode ser usado
como adubo orgânico.
A compostagem é o processo de decomposição aeróbia onde a ação e a interação dos
microrganismos também dependem da ocorrência de condições favoráveis, tais como
temperatura, umidade, aeração, pH, tipo de compostos orgânicos existentes e concentração e
tipos de nutrientes disponíveis. É importante ter em mente que esses fatores ocorrem
simultaneamente, e que a eficiência da compostagem baseia-se na interdependência e inter-
relacionamento desses fatores (Couto et al., 2008; Borges et al., 2006; Peixoto, 1988, 2000,
2005a, 2007; Kiehl, 1998).
Durante a compostagem, há desprendimento de gás carbônico, água (na forma de vapor) e
energia, devido à ação dos microrganismos. Parte da energia é usada para crescimento e
movimento, sendo a restante liberada como calor, que se procura conservar na pilha (monte)
de compostagem. Como resultado, a pilha se aquece, atinge uma temperatura elevada, resfria
e atinge estágio de maturação. O composto final, húmus, é constituído de partes resistentes
dos resíduos orgânicos, produtos decompostos e microrganismos mortos e vivos.
Oxidação
Matéria Orgânica + O2 → CO2 + H2O + Nutrientes + Energia (calor) + Húmus
Biológica
Em outras palavras, a partir de uma mistura de restos de alimentos, frutas, folhas, esterco,
palhadas, etc., obtêm-se, no final do processo, um adubo orgânico homogêneo, com cheiro
característico, de cor escura, estável, solto, pronto para ser usado em qualquer cultura sem
causar dano e proporcionando uma melhoria nas propriedades físicas, químicas e biológicas
do solo.
O composto orgânico resultante pode ser aplicado em qualquer cultura. A definição da
quantidade e da época de aplicação deve ser feita por um técnico credenciado ou agrônomo,
pois depende de vários fatores, tal como tipo de solo, condições climáticas da região ou local,
histórico de uso da terra, nível de degradação do solo e estado de fertilidade, necessidades
nutricionais da cultura etc. Deve-se lembrar que o composto em geral é rico em nutrientes,
tanto macro como micronutrientes, e a quantidade presente pode ser suficiente para a cultura
dependendo do tipo e quantidade de resíduos utilizados. Pode-se enriquecer o composto com
alguns nutrientes durante a compostagem, por exemplo, os fosfatos, mas precisa
6
acompanhamento técnico para o ajuste da quantidade para obter um composto de qualidade
(Couto et al., 2008; Peixoto, 2005a, 2007).
A vantagem do composto é que os nutrientes em geral estão em três formas, ou seja parte esta
prontamente disponível para a nutrição da cultura, outra parte esta parcialmente disponível já
que se encontra protegida pelo húmus na forma de complexos e uma terceira esta retida na
matéria orgânica ainda a ser decomposta ou mineralizada no solo, portanto atuando como uma
reserva de nutrientes. Portanto, deve-se ter em mente que o composto além do húmus
também tem em sua composição parte da matéria orgânica ainda em transformação, o que
confere a propriedade de liberar gradativamente os nutrientes e melhorando o aproveitamento
para as culturas (Peixoto, 2005a, 2007).
Outro aspecto importante é que o húmus presente no composto, ou seja, representa uma
matéria orgânica transformada para uma forma mais reativa e estável, melhorando a saúde do
solo e estimulando sua vida, portanto, promovendo benefícios da aplicação deste composto no
solo, por exemplo: estímulo ao desenvolvimento das raízes das plantas, que se tornam mais
capazes de absorver água e nutrientes do solo; aumenta a capacidade de infiltração e retenção
de água, reduzindo a erosão; contribui para diminuição da acidez do solo; melhora a estrutura
do solo e sua capacidade de retenção e fornecimento de nutrientes de forma gradativa;
favorece o desenvolvimento e a multiplicação de organismos benéficos ao solo e de
microorganismos benéficos às culturas agrícolas. Portanto, os nutrientes do composto, ao
contrário do que ocorre com os adubos sintéticos, são liberados lentamente, realizando a tão
desejada "adubação de disponibilidade controlada". Em outras, palavras, fornecer composto às
plantas é permitir que elas retirem os nutrientes de que precisam de acordo com as suas
necessidades ao longo de um tempo maior do que teriam para aproveitar um adubo sintético e
altamente solúvel, que é arrastado pelas águas das chuvas (Couto et al., 2008; Peixoto, 1997,
2005a, 2007).
O composto orgânico é um adubo de uso rotineiro nas propriedades orgânicas, especialmente
nas de pequeno porte. Apresenta-se como excelente forma de aproveitamento dos restos
vegetais e animais oriundos da atividade agropecuária. Pode ser elaborado apenas com
resíduos vegetais ou em mistura com resíduos animais. Entretanto, para obtenção de um
composto de qualidade, é necessário combinar resíduos ricos em carbono, como os capins,
com outros materiais ricos em nitrogênio, como palhada de feijão ou de outras espécies de
plantas leguminosas, ou dejetos animais (Couto et al., 2008; LealL et al., 2007).
O custo de se produzir composto é muito variável, pois depende de vários fatores, por
exemplo, do nível tecnológico usado (pode variar de uma iniciativa de fundo de quintal ate uma
Usina de compostagem empresarial), do tipo de sistema de compostagem, da escala de
produção, equipamentos e pessoal envolvido, entre outros. Ao mesmo tempo o emprego de
composto orgânico em uma propriedade também é uma forma de reduzir o uso de insumos
industrializados, priorizando o melhor aproveitamento dos recursos naturais existentes no local
ou na região. Muitas vezes os benefícios sociais e ambientais não são computados, embora
tenham impactos altamente favoráveis. Atualmente existe no mercado máquinas e
equipamentos capazes de triturar galhos de árvores, de revolver a pilha semelhante a uma
grande enxada rotativa, minicarregadeiras com conchas frontais, sistemas de ventilação
forçada, entre outros. Portanto a economicidade do sistema depende da situação e
principalmente da criatividade e gerenciamento do produtor ou do empreendedor.
A Área do Pátio de Compostagem precisa ter espaço suficiente para permitir a manobra de
máquinas e de dinâmica de trabalho das pilhas de compostagem. A situação ideal é que o
Pátio de Compostagem tenha um piso concretado (ou chão compactado) e com declividade de
1 %, em cuja lateral possa ter uma calha em declive para direcionar o chorume caso seja
produzido ou a água de lavagem do pátio para uma caixa de água. O "chorume" coletado e
armazenado poderá ser bombeado para molhar as pilhas mais novas durante a montagem e
no revolvimento das mesmas. O piso concretado evita possível problema de impacto
ambiental, no caso de infiltração do chorume para lençol freático ou manancial hídrico. O pátio
poderá ser coberto, de modo a proteger as pilhas de chuva, e mesmo excesso insolação,
sendo que a área deste pátio depende da quantidade e fluxo de resíduos produzidos, da
dimensão das pilhas e do espaço disponível para o deslocamento de máquinas (por exemplo,
7
do tipo "BobCat"). A maior preocupação é de proteger as pilhas mais velhas, pois o material em
fase avançada de decomposição e mesmo de estabilização tem alta afinidade de reter água
(semelhante a uma esponja). Desejável que o telhado tenha calha que permita coletar água da
chuva armazenada numa "cisterna", a qual pode ser usada para molhar as pilhas ou usar em
serviços de limpeza. Conforme a declividade do terreno deve-se considerar o uso de praticas
conservacionista, visando proteger o terreno e as pilhas no caso de excesso de escorrimento
superficial de água da chuva. O entorno do pátio poderá ser arborizado visando proteger de
excesso de ventos, bem como considerando aspectos de paisagismo.
Algumas possibilidades de manejo das pilhas, bem como flexibilidade de dinâmica de trabalho,
podem ser consideradas, por exemplo, no caso de possibilidade de mecanização:
1) Pilha Móvel, usando uma minicarregadeira com concha frontal, com 2 possibilidades de
manejo:
1.1) A pilha vai se movendo com os reviramentos feitos ao longo do comprimento do Pátio,
ou seja ela é montada num lado de entrada, e o composto sai no outro lado do Pátio,
1.2) As pilhas são montadas e o reviramento é feito numa dinâmica do "vai e volta".
Conforme a pilha vai perdendo volume, então pode-se misturar as pilhas mais velhas, por
exemplo de 2 pilhas fazendo uma nova, visando manter um volume da pilha nas dimensões
que favorecem o processo de decomposição. Por exemplo, em geral com 1,5 a 2,5 m de
largura, 1,5 a 2,0 m de altura, e comprimento dependendo da disponibilidade de resíduos
orgânicos "frescos".
2) Pilha "Estática", usando uma máquina de reviramento de pilha (tipo de "enxada rotativa"
aérea), ou seja a pilha é montanda nas dimensões "ideais", e nos dias de reviramento a
máquina passa ao longo do comprimento da pilha.
Certamente com o tempo de compostagem a pilha também irá diminuir de volume, portanto
haverá necessidade de manter sua dimensão próxima ao volume ideal utilizando a
minicarregadeira para fazer o condicionamento da mesma.
CUIDADOS E CARACTERÍSTICAS DA COMPOSTAGEM
Durante a compostagem deve-se cuidar de alguns fatores que atuam na eficiência de trabalho
dos microrganismos que irão fazer a decomposição ou transformação dos resíduos orgânicos.
O ajuste do processo de compostagem depende do entendimento de que esses fatores atuam
simultaneamente, de forma interativa e, por se tratar de um processo biológico dinâmico, o
mesmo deve ser monitorado.
1) Deve-se cuidar para uma proporção desejável 30:70, entre material com baixa relação C/N
(material tenro) e material com alta relação C/N (material fibroso - palhada). A mistura dos
dejetos animais com os resíduos vegetais deve chegar a uma relação C/N em torno de 30. O
conhecimento da relação C/N de um material orgânico reflete o grau de resistência à sua
decomposição. Quanto mais C tiver, assim como mais complexas forem as suas estruturas
moleculares, mais energéticas e difíceis de se decomporem serão. De uma maneira geral, 30
partes de peso de C são usadas pelos microorganismos por cada parte de N; portanto, uma
relação C/N entre 26 e 35 proporciona uma rápida e eficiente compostagem. Quanto maior a
variedade de resíduos orgânicos misturados melhor para a compostagem, bem como para a
qualidade do composto produzido; no caso de dificuldade em obter dejetos animais, pode-se
utilizar plantas leguminosas (p.ex., crotalária, guandu, leucena, e mesmo de espécies arbóreas
como gliricídea e eritrina, entre outras) trituradas (Peixoto et al., 2005b). O composto pronto
para uso normalmente tem uma relação entre 15 e 20.
8
2) O tamanho das partículas pode variar de poucos milímetros a cerca de 2 a 5 cm, de forma a
facilitar a circulação do ar, facilitar o ataque microbiano pelo aumento da superfície específica e
ajudar a manter o teor de umidade sem excessos.
3) As pilhas precisam ter uma dimensão no mínimo em torno de 2,5 m (largura) x 1,6 m (altura)
x 3 m (comprimento), sendo que não há limite máximo para o comprimento. Deve-se evitar
pilhas muito altas (por exemplo, acima de 3 m) ou muito largas de modo a impedir
compactação das partículas e dificultar ou impossibilitar a circulação do ar, o que pode causar
processo anaeróbio o qual, além de produzir gases com odor (base enxofre), também pode
causar perda de nitrogênio na forma gasosa (como o N2O) e mesmo produzir metano (CH4),
ambos com impacto na camada de ozônio e gases efeito estufa – que atuam nas mudanças
climáticas.
4) É necessário o reviramento das pilhas, o que permite melhor mistura dos resíduos e
incorporação daqueles que fiquem na superfície delas, garantindo ao longo do tempo que
passem pela zona de alta temperatura no interior da pilha; desejável que o reviramento seja
feito de dois em dois dias, ou de três em três dias, durante os primeiros vinte dias, o que é um
manejo intenso, mas que minimiza ao máximo o risco de sobrevivência de organismos não
desejáveis, caso a questão sanitária seja prioritária; normalmente pode-se revirar duas vezes
por semana nas primeiras três semanas e depois uma vez por semana até a estabilização do
processo. O investimento neste caso é de um trator minicarregadeira do tipo "BobCat" com
concha frontal para fazer o reviramento do material; já existem no mercado máquinas para
reviramento das pilhas semelhantes a uma "enxada rotativa aérea", portanto deve-se analisar
custo dos implementos e acessórios, bem como de manutenção.
5) Molhar a pilha durante o reviramento, o que permite uniformizar a quantidade de água em
todo o material da pilha, ajustando a quantidade de água de modo a evitar excesso; portanto,
deve-se monitorar a umidade das pilhas; o escorrimento de chorume normalmente só ocorre
quando há excesso de água.
6) Em função do local disponível para efetivar o pátio de compostagem, considerando
preocupação com odores no entorno, pode-se adicionar na superfície da pilha o mineral zeolita
(pó de rocha rica neste mineral) o qual, por causa de sua alta porosidade e superfície
especifica, tem propriedades de reter gases (controle odor), nutrientes e umidade.
7) Dependendo do teor de nutrientes desejáveis no composto, pode-se testar algumas misturas
de fosfatos, fertilizantes minerais, pó de rochas (em especial sedimentares) ricas em
determinados nutrientes, cinzas de madeiras, e mesmo de calcário (como fonte de Ca e Mg).
Entretanto, deve-se cuidar com a quantidade (em geral entre 1 a 5 %) a ser misturada aos
resíduos orgânicos no início da compostagem, bem como quanto ao teor de metais pesados ou
outros tipos de "contaminantes" que possam ter nesses materiais, portanto é sempre
recomendável uma orientação de técnicos ou agrônomos locais.
8) Logo que se monta a pilha com o material orgânico misturado, o seu interior começa a
esquentar porque o calor liberado durante a transformação dos resíduos fica retido na massa
amontoada do material. Portanto o aumento da temperatura é normal e indica que a
compostagem está funcionando, ou seja, que tem vida na pilha. A temperatura do interior da
pilha é monitorada, sendo desejável que fique entre 60 e 70ºC durante o período de máxima
transformação e diminua na fase de estabilização do composto; a temperatura do interior da
pilha pode ser monitorada com um termômetro digital portátil, com alimentação a bateria 9
volts, com 1, 2 ou mais entradas para sensor Termopar tipo K (ou outra precisão e faixa
temperatura) em haste de 0,6 cm de diâmetro e tendo entre 50 e 100 cm de comprimento,
tendo sensor em ponteira. Normalmente primeiro procura-se colocar a haste na parte central
do volume da pilha, buscando encontrar o "núcleo de maior calor" ou parte onde há maior
acúmulo de calor, o qual dependendo do fluxo de ar que naturalmente circula pela pilha (pelos
poros ou espaços entre as partículas de resíduos), pode estar localizado bem no centro ou
deslocado um pouco acima, ou abaixo do centro; em geral medimos cerca de 24 horas após o
reviramento da pilha, no período da manhã.
9) No caso de checar o controle em termos sanitários, é desejável fazer um monitoramento ou
análise de sobrevivência de organismos patogênicos, ou mesmo de sementes de plantas
9
"daninhas", por exemplo, coletando amostras antes, durante e após o processo. Normalmente,
pode acontecer de moscas acompanharem os resíduos frescos com certo odor (p.ex., dejetos
animais) até o pátio de compostagem, mas em geral não se tem maiores problemas com
moscas e sua reprodução nas pilhas de compostagem, já que o reviramento periódico elimina
as possíveis larvas que possam existir. Caso existam problemas sérios de grande número de
moscas no início da montagem das pilhas, para um controle pontual pode-se aplicar ou
pulverizar inseticida recomendado e seguindo recomendações de proteção individual (EPI) por
veterinário ou agrônomo e mesmo colocar armadilhas com iscas em locais estratégicos.
10) Normalmente, independente do tipo de resíduo orgânico o pH das leiras pode baixar no
primeiro dia (em função produção ácidos orgânicos) mas já sobe para entre 7 e 8 nos primeiros
dias e fica neste patamar ao longo do processo. Portanto a uréia, apesar de contribuir para a
diminuição da relação C/N e para o controle de patógenos (aumento pH e produção de NH3),
não deve ser utilizada para este objetivo, já que em pH elevado há risco de sérias perdas de N
em forma gasosa. Dependendo do tipo de resíduo ou insumo misturado, se for realmente
necessário aumentar o pH da pilha, tanto para garantir condições favoráveis a atividade
microbiana como com preocupações sanitárias, é preferível misturar um pouco de calcário, por
exemplo cerca de 2 % (contudo, há necessidade de monitorar a evolução ou o comportamento
do pH da pilha de compostagem ao longo do tempo).
11) O tempo de compostagem pode variar de 2 a 6 meses dependendo do tipo e variedade de
resíduos utilizados, e o uso de parte do composto pronto misturado aos resíduos "frescos" na
montagem das pilhas ajuda no processo inicial de decomposição pois é um material rico em
microrganismos benéficos, inclusive em especial alguns decompositores mais específicos para
aqueles resíduos de decomposição mais difícil. É desejável que o composto tenha frações de
sua matéria orgânica em diferentes graus de decomposição, desde materiais relativamente
frescos, como partes em transformação, até o húmus (material bem transformado e mais
recalcitrante, de tamanho coloidal e portanto com alta reatividade).
12) Em geral pode-se avaliar se o material esta estabilizado fazendo testes em copinhos
plásticos verificando se há problemas na germinação de sementes e desenvolvimento inicial de
mudas de pepino, abóbora ou outra espécie de planta ou cultura na qual pretende aplicar o
composto. Pode-se também aplicar em cobertura num pedaço de terreno com a cultura que se
pretende adubar.
13) Para fins de fertilidade do solo, amostras de composto podem ser analisados como
fertilizantes orgânicos em Laboratórios credenciados de Solos e Tecidos Vegetais que possam
existir da região e no Estado, tem condição e metodologia para fazer análise da composição de
nutrientes (em geral, N, Ca, Mg, K, P, S) e de carbono (C) de resíduos orgânicos.
14) Se o objetivo de se fazer compostagem é de produzir um "adubo ou fertilizante orgânico"
para comercialização, existem Normas / Legislação do Ministério da Agricultura, Pecuária e
Abastecimento (MAPA), para o que há necessidade de contatar escritório em sua cidade ou
região, e consultar no Website do MAPA (http://www.agricultura.gov.br), buscando por opção
sobre "Legislação". Da mesma forma pode ser oportuno fazer consulta em escritório local ou
regional do Ministério do Meio Ambiente (MMA) e/ou da Secretaria Municipal do Meio
Ambiente, e mesmo buscar informações também no Website do Ministério do Meio Ambiente
(http://www.meioambiente.gov.br), buscando por opção sobre "Legislação".
15) No Brasil também existe a ABISOLO - Associação das Indústrias de Fertilizantes
Orgânicos, Organominerais, Biofertilizantes, Adubos Foliares, Substratos e Condicionadores de
Solos – que é uma Entidade fundada no dia 24 de Outubro de 2003 para congregar e
representar as demandas das Empresas Produtoras desses importantes insumos agrícolas.
Informações podem ser obtidas em seu Website - http://www.abisolo.com.br. A ABISOLO tem
promovido fórum de discussões buscando organizar este setor, bem como promover maior
integração com o MAPA, além de buscar organizar e disponibilizar informações e padrões para
melhorar os empreendimentos neste setor. Também poderá encontrar na página deles
indicações de laboratórios para análise de adubos orgânicos e compostos.
10
Resumindo algumas considerações que devem ser observadas para que se faça um composto
de boa qualidade:
Quanto ao planejamento
1. Culturas a serem beneficiadas
2. Disponibilidade de resíduos orgânicos
3. Quantidade do composto a produzir
4. Coleta e armazenamento de resíduos
5. Época do ano (seca ou chuvosa)
6. Periodicidade de uso do composto
7. Transporte dos resíduos
8. Transporte do composto
9. Local em que será feito o composto
10. Disponibilidade de água
11. Declividade do terreno
12. Drenagem do terreno
Quanto ao manejo
1. Montagem da pilha o mais rapidamente possível
2. Uso principalmente de materiais orgânicos
3. Mistura intensiva dos ingredientes
4. Manutenção da umidade adequada da pilha (entre 40 e 60 %)
5. Execução da pilha no formato e dimensões apropriados (em geral 1,5 m de altura, 2,0 m
de largura, comprimento variável)
6. Reviramento
7. Cobertura da pilha quando necessário
8. Não compactação da pilha
9. Uso de resíduos de tamanho pequeno
10. Possibilidade da entrada de ar na pilha
Quanto ao uso
1. A eficiência dos fertilizantes químicos pode ser aumentada quando usados em
composto.
2. A aplicação do composto ao solo logo que estiver pronto evita possíveis perdas de
nutrientes quando exposto a chuvas intensas.
3. Não deve ser realizada incorporação do composto a profundidades maiores que 10 cm.
4. A aplicação do composto produzido deve ser em quantidades proporcionais à área a ser
cultivada.
5. Deve-se aplicar o composto sempre que possível, pois seu efeito no solo é cumulativo e
se expressa com maior intensidade ao longo do tempo.
6. Deve-se sempre ter em mente que o húmus no solo não é estático, mas atua
dinamicamente nos elementos que sustentam uma agricultura produtiva, sadia e rentável.
11
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
ABREU, C. H., Jr.; MURAOKA, T.; OLIVEIRA, F. C. Cátions trocáveis, capacidade de troca de
cátions e saturação por bases em solos brasileiros adubados com composto de lixo urbano.
Scientia Agricola, Piracicaba, v. 58, n. 4, p. 813-824, 2001.
ALVES, W. L.; PASSONI, A. A. Composto e vermicomposto de lixo urbano na produção de
mudas de oiti (Licania tomentosa (Benth)) para arborização. Pesquisa Agropecuária Brasileira,
Brasília, v. 32, n. 10, p. 1053-1058, 1997.
BENGTSON, G. W.; CORNETTE, J. J. Disposal of composted municipal waste in a young
plantation of slash pine: effects on soil and trees. Journal of Environmental Quality, v. 2, n. 4, p.
441-444, 1973.
BORGES, W. L.; PASSOS, S. R.; ALMEIDA, A. M.; PEIXOTO, R. T. dos G.; RUMJANEK, N.
G.; XAVIER, G. R. Efeito da aplicação de rochas silicáticas sobre a comunidade microbiana
durante o processo de compostagem. Espaço & Geografia, v.9, n.2, p.33-51, 2006.
BOULTER-BITZER, J. I.; TREVORS, J. T.; BOLAND, G. J. A polyphasic approach for
assessing maturity and stability in compost intended for suppression of plant pathogens.
Applied Soil Ecology, v. 34, p. 65–81, 2006.
COLEMAN, D.C.; OADES, J.M.; UEHARA, G. (ed.). Dynamics of soil organic matter in tropical
ecosystems. Honolulu: University of Hawaii, NifTAL Project, 1989. 249 p.
COUTO, J.R.; RESENDE. F.V.; SOUZA, R.B. SAMINEZ, T.C.O. Instruções práticas para
produção de composto orgânico em pequenas propriedades. Seropédica: Embrapa
Agrobiologia. Boletim de pesquisa e desenvolvimento. 2008. 8p.
GIORDANO, P. M.; MORTVEDT, J. J.; MAYS, D. A. Effect of municipal wastes on 46 crop
yields and uptake of heavy metals. Journal of Environmental Quality, v. 4, n. 3, p. 394-399,
1975.
GUERRA, J. G. M.; ALMEIDA, D. L. de. Efeito de níveis de composto de resíduos urbanos e
calcário na correção da acidez do solo. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO
SOLO, 19., 1983, Curitiba. Anais ... Curitiba: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 1983.
p.39.
HOITINK, H.; BOEHM, M. J. Biocontrol within the context of soil microbial communities: a
substrate-dependent phenomenon. Annual Review Phytopathology, v. 37, p. 427-446, 1999.
HORTENSTINE, C. C.; ROTHWELL, D. F. Pelletized municipal refuse compost as a soil
amendment and nutrient source for sorghum. Journal of Environmental Quality, v. 2, n. 3, p.
343-345, 1973.
HOWARD, A. An agricultural testament. 2 ed. London, Oxford University Press, 1947. 253p.
KIEHL, E. J. (1998). Manual de Compostagem: maturação e qualidade do composto.
Piracicaba, editado pelo autor (Av. Brasil, 910. CEP: 13.416-530, Piracicaba, SP. Tel. (19) 422-
5419). 171p.
LEAL, M. A. de A.; GUERRA, J. G. M.; PEIXOTO, R. T. dos G., ALMEIDA, D. L. De. Utilização
de compostos obtidos com palhada de Napier e Crotalária, como substratos para a produção
de mudas de alface, beterraba e tomate. Revista Brasileira de Horticultura Ornamental, 2007.
MAZUR, N. Efeito do composto de resíduo urbano no pH e disponibilidade de fósforo. 1981. 81
p. Dissertação (Mestrado em Ciência do Solo). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro,
Itaguaí, 1981.
PARROTT, N.; MARSDEN, T. The real green revolution – organic and agroecological farming
in the South. London: Greenpeace Environmental Trust, 2002. 147 p.
12
PEIXOTO, R. T. dos G. Compostagem: solução correta para o meio ambiente. Revista
Cavalos. São Paulo (SP), p.13 - 15, 2007.
PEIXOTO, R. T. dos G. Compostagem: princípios, práticas e perspectivas em sistemas
orgânicos de produção In: Agroecologia: Princípios e Técnicas para uma Agricultura Orgânica
Sustentável. 1 ed. Brasília, DF : Embrapa Informação Tecnológica, 2005a, p. 387-422.
PEIXOTO, R. T. dos G. Potencial do uso de resíduos de leguminosas substituindo esterco em
compostagem. In: III CONGRESSO BRASILEIRO DE AGROECOLOGIA, 2005, Florianópolis
(SC). Anais ... Florianópolis, SC : UFSC, CD-ROM, 2005 b.
PEIXOTO, R. T. dos G. Preparo do Composto. Horticultura Brasileira, v.18, p.56 - 64, 2000.
PEIXOTO, R. T. dos G. Manejo orgânico da fertilidade do solo no sistema de plantio direto. In:
PEIXOTO, R. T. dos G.; AHRENS, D. C.; SAMAHA, M. J. (Org.). Plantio direto: o caminho para
uma agricultura sustentável. Ponta Grossa: IAPAR, 1997a. p. 186-205.
PEIXOTO, R. T. dos G. Matéria orgânica e a dinâmica das cargas elétricas dos solos:
processos e conseqüências. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO, 26.,
1997, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: EMBRAPA-CNPS/SBCS, 1997b. Comissão 2.
Palestra. 32 p. CD-ROMPEIXOTO, R. T. dos G. Matéria orgânica: frações e transformações
no solo. In: SÁ, J. C. de M. (Org.). Curso sobre Manejo do Solo no Sistema Plantio Direto.
Castro: Fundação ABC, 1996. p. 140-159.
PEIXOTO, R. T. dos G.; ALMEIDA, D. L. de; FRANCO, A. A.. Adição de fosfatos na
compostagem de lixo urbano e disponibilidade residual de fósforo em sorgo forrageiro.
Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 24, n. 5, p. 587-592, 1989a.
PEIXOTO, R. T. dos G.; ALMEIDA, D. L. de; FRANCO, A. A. Compostagem de lixo urbano
com adição de diferentes fontes de fósforo. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 24, n.
5, p. 599-606, 1989b.
PEIXOTO, R. T. dos G. Compostagem: opção para o manejo orgânico do solo. Londrina, PR:
IAPAR, 1988. p. 48.
PEIXOTO, R. T. dos G.; FRANCO, A. A.; ALMEIDA, D. L. de. Efeito do lixo urbano
compostado com fosfato natural na nodulação, crescimento e absorção de fósforo em feijoeiro.
Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 22, n. 11/12, p. 1117-1132, 1987.
PEREIRA, E. B.; CARDOSO, A. A.; VIEIRA, C.; LOURES, E. G. Efeitos do composto orgânico
sobre a cultura do feijão. Revista Ceres, Viçosa, v. 35, n. 198, p. 182-198, 1988.
SAID-PULLICINO, D.; ERRIQUENS, F. G.; GIGLIOTTI, G. Changes in the chemical
characteristics of water-extractable organic matter during composting and their influence on
compost stability and maturity. Bioresource Technology, v. 98, p. 1822–1831, 2007.
SANTOS, R. H. S.; SILVA, F. da; CASALI, V. W. D.; CONDE, A. R. Efeito residual da
adubação com composto orgânico sobre o crescimento e produção de alface. Pesquisa
Agropecuária Brasileira, v. 36, n. 11, p. 1395-1398, 2001.
SOUZA, J. L. de. Agricultura orgânica: tecnologias para a produção de alimentos saudáveis.
Vitória: Empresa Capixaba de Pesquisa Agropecuária, 1998. v. 1. 176 p.
TANNER, J. C.; HOLDEN, S. J.; OWEN, E.; WINUGROHO, M.; GILL, M. Livestock sustaining
intensive smallholder crop production through traditional feeding practices for generating high
quality manure-compost in upland Java. Agriculture, Ecosystems and Environment, v. 84, p.
21-30, 2001.
TERMAN, G. L.; SOILEAU, J. M.; ALLEN, S. E. Municipal waste compost: effects on crop
yields and nutrient content in greenhouse pot experiment. Journal of Environmental Quality, v.
2, n. 1, p. 84-89, 1973.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2° col rotação de solo e cultivos
2° col rotação de solo e cultivos2° col rotação de solo e cultivos
2° col rotação de solo e cultivosthaisssmendonca
 
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadaPráticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadaMaurício Coelho
 
Princípios da produção orgânica graexpoes
Princípios da produção orgânica   graexpoesPrincípios da produção orgânica   graexpoes
Princípios da produção orgânica graexpoesMoysés Galvão Veiga
 
Métodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do soloMétodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do soloGirleno Oliveira
 
Manejo de pragas - agricultura organica
Manejo de pragas - agricultura organicaManejo de pragas - agricultura organica
Manejo de pragas - agricultura organicapipesmythe
 
Agroecologia e Agricultura Orgânica
Agroecologia e Agricultura OrgânicaAgroecologia e Agricultura Orgânica
Agroecologia e Agricultura OrgânicaMilena Loures
 
Sistema agroflorestal andré rocha
Sistema agroflorestal andré rochaSistema agroflorestal andré rocha
Sistema agroflorestal andré rochaMESTRADOAMBIENTAL
 
Sistemas Agroflorestais
Sistemas AgroflorestaisSistemas Agroflorestais
Sistemas Agroflorestaiscineone
 
Teoria e métodos em Agroecologia
Teoria e métodos em AgroecologiaTeoria e métodos em Agroecologia
Teoria e métodos em AgroecologiaDiogo Silva
 
Práticas agroecológicas
 Práticas agroecológicas Práticas agroecológicas
Práticas agroecológicasLeovileno Reis
 
Seminario de agricultura x sustentabilidade
Seminario de agricultura x sustentabilidade Seminario de agricultura x sustentabilidade
Seminario de agricultura x sustentabilidade joaoaliardi
 
Agricultura orgânica e agroecologia embrapa
Agricultura orgânica e agroecologia embrapaAgricultura orgânica e agroecologia embrapa
Agricultura orgânica e agroecologia embrapaJoão Siqueira da Mata
 

Mais procurados (20)

2° col rotação de solo e cultivos
2° col rotação de solo e cultivos2° col rotação de solo e cultivos
2° col rotação de solo e cultivos
 
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadaPráticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
 
Princípios da produção orgânica graexpoes
Princípios da produção orgânica   graexpoesPrincípios da produção orgânica   graexpoes
Princípios da produção orgânica graexpoes
 
Adubação Verde
Adubação VerdeAdubação Verde
Adubação Verde
 
Rotação de culturas
Rotação de culturasRotação de culturas
Rotação de culturas
 
Métodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do soloMétodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do solo
 
AGROECOLOGIA
AGROECOLOGIAAGROECOLOGIA
AGROECOLOGIA
 
Adubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio diretoAdubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio direto
 
Agricultura Sustentável
Agricultura SustentávelAgricultura Sustentável
Agricultura Sustentável
 
Ednaldo araujo
Ednaldo araujoEdnaldo araujo
Ednaldo araujo
 
Ii.fertilizacao do solo
Ii.fertilizacao do soloIi.fertilizacao do solo
Ii.fertilizacao do solo
 
Manejo de pragas - agricultura organica
Manejo de pragas - agricultura organicaManejo de pragas - agricultura organica
Manejo de pragas - agricultura organica
 
Agroecologia e Agricultura Orgânica
Agroecologia e Agricultura OrgânicaAgroecologia e Agricultura Orgânica
Agroecologia e Agricultura Orgânica
 
Sistemas agroflorestais
Sistemas agroflorestaisSistemas agroflorestais
Sistemas agroflorestais
 
Sistema agroflorestal andré rocha
Sistema agroflorestal andré rochaSistema agroflorestal andré rocha
Sistema agroflorestal andré rocha
 
Sistemas Agroflorestais
Sistemas AgroflorestaisSistemas Agroflorestais
Sistemas Agroflorestais
 
Teoria e métodos em Agroecologia
Teoria e métodos em AgroecologiaTeoria e métodos em Agroecologia
Teoria e métodos em Agroecologia
 
Práticas agroecológicas
 Práticas agroecológicas Práticas agroecológicas
Práticas agroecológicas
 
Seminario de agricultura x sustentabilidade
Seminario de agricultura x sustentabilidade Seminario de agricultura x sustentabilidade
Seminario de agricultura x sustentabilidade
 
Agricultura orgânica e agroecologia embrapa
Agricultura orgânica e agroecologia embrapaAgricultura orgânica e agroecologia embrapa
Agricultura orgânica e agroecologia embrapa
 

Destaque (9)

Guayaquil trabajo(5 17años)
Guayaquil trabajo(5 17años)Guayaquil trabajo(5 17años)
Guayaquil trabajo(5 17años)
 
Censo 2010 chiapas
Censo 2010 chiapasCenso 2010 chiapas
Censo 2010 chiapas
 
Cuentas Nacionales Anuales 2015 y previsiones 2016
Cuentas Nacionales Anuales 2015 y previsiones 2016Cuentas Nacionales Anuales 2015 y previsiones 2016
Cuentas Nacionales Anuales 2015 y previsiones 2016
 
EC492: Taller Obras
EC492: Taller ObrasEC492: Taller Obras
EC492: Taller Obras
 
EC492: Intervenciones del Gobierno Nacional en Galápagos
EC492: Intervenciones del Gobierno Nacional en GalápagosEC492: Intervenciones del Gobierno Nacional en Galápagos
EC492: Intervenciones del Gobierno Nacional en Galápagos
 
EC492: Bloque 43 ITT
EC492: Bloque 43 ITTEC492: Bloque 43 ITT
EC492: Bloque 43 ITT
 
EC492: Límites marítimos de Ecuador
EC492: Límites marítimos de EcuadorEC492: Límites marítimos de Ecuador
EC492: Límites marítimos de Ecuador
 
EC492: Ingresos Petroleros PGE
EC492: Ingresos Petroleros PGEEC492: Ingresos Petroleros PGE
EC492: Ingresos Petroleros PGE
 
EC492: Semifinalistas del mundial del hornado
EC492: Semifinalistas del mundial del hornado EC492: Semifinalistas del mundial del hornado
EC492: Semifinalistas del mundial del hornado
 

Semelhante a Sistema de-producao-de-alface-organico-ricardo-trippia

Apostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânicaApostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânicamvezzone
 
Biotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambienteBiotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambienteWallace Bertoldi
 
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)Bruno Da Montanha
 
Aac agroecologia-e-sistemas
Aac agroecologia-e-sistemasAac agroecologia-e-sistemas
Aac agroecologia-e-sistemasmvezzone
 
Trabalho em Slide Abdul 2.pptx
Trabalho em Slide Abdul 2.pptxTrabalho em Slide Abdul 2.pptx
Trabalho em Slide Abdul 2.pptxCarlosAJoaquim
 
001 fundamentos planta - apostila técnica
001   fundamentos planta - apostila técnica001   fundamentos planta - apostila técnica
001 fundamentos planta - apostila técnicaSaymon Acchile'
 
Compostagem: Educação Ambiental Aplicada ao Ensino Médio
Compostagem: Educação Ambiental Aplicada ao Ensino MédioCompostagem: Educação Ambiental Aplicada ao Ensino Médio
Compostagem: Educação Ambiental Aplicada ao Ensino MédioSamuel Anderson
 
A questão ambiental e os impactos causados pelos efluentes da suinocultura
A questão ambiental e os impactos causados pelos efluentes da suinoculturaA questão ambiental e os impactos causados pelos efluentes da suinocultura
A questão ambiental e os impactos causados pelos efluentes da suinoculturaCristiane Frassetto
 
Aula_O que é Compostagem.pdf
Aula_O que é Compostagem.pdfAula_O que é Compostagem.pdf
Aula_O que é Compostagem.pdfErica Dos Anjos
 

Semelhante a Sistema de-producao-de-alface-organico-ricardo-trippia (20)

004 edição do jornal ação e reação 2012
004 edição do jornal ação e reação 2012004 edição do jornal ação e reação 2012
004 edição do jornal ação e reação 2012
 
Apresentação - compostagem - UFJF
Apresentação - compostagem - UFJFApresentação - compostagem - UFJF
Apresentação - compostagem - UFJF
 
Apostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânicaApostila agricultura orgânica
Apostila agricultura orgânica
 
Lilian e giovana compostagem 4ºb
Lilian e giovana compostagem 4ºbLilian e giovana compostagem 4ºb
Lilian e giovana compostagem 4ºb
 
Comissao de meio_ambiente_18_04_2012
Comissao de meio_ambiente_18_04_2012Comissao de meio_ambiente_18_04_2012
Comissao de meio_ambiente_18_04_2012
 
Biotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambienteBiotecnologia no meio ambiente
Biotecnologia no meio ambiente
 
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
 
Aac agroecologia-e-sistemas
Aac agroecologia-e-sistemasAac agroecologia-e-sistemas
Aac agroecologia-e-sistemas
 
Sistema de tratamento para dejetos suínos
Sistema de tratamento para dejetos suínosSistema de tratamento para dejetos suínos
Sistema de tratamento para dejetos suínos
 
Trabalho em Slide Abdul 2.pptx
Trabalho em Slide Abdul 2.pptxTrabalho em Slide Abdul 2.pptx
Trabalho em Slide Abdul 2.pptx
 
Monografia
Monografia Monografia
Monografia
 
001 fundamentos planta - apostila técnica
001   fundamentos planta - apostila técnica001   fundamentos planta - apostila técnica
001 fundamentos planta - apostila técnica
 
Apresentação compostagem
Apresentação   compostagemApresentação   compostagem
Apresentação compostagem
 
Compostagem: Educação Ambiental Aplicada ao Ensino Médio
Compostagem: Educação Ambiental Aplicada ao Ensino MédioCompostagem: Educação Ambiental Aplicada ao Ensino Médio
Compostagem: Educação Ambiental Aplicada ao Ensino Médio
 
Agrucultura e química
Agrucultura e químicaAgrucultura e química
Agrucultura e química
 
X
XX
X
 
A questão ambiental e os impactos causados pelos efluentes da suinocultura
A questão ambiental e os impactos causados pelos efluentes da suinoculturaA questão ambiental e os impactos causados pelos efluentes da suinocultura
A questão ambiental e os impactos causados pelos efluentes da suinocultura
 
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICAIntroducao-AGRICULTURA-ORGANICA
Introducao-AGRICULTURA-ORGANICA
 
X
XX
X
 
Aula_O que é Compostagem.pdf
Aula_O que é Compostagem.pdfAula_O que é Compostagem.pdf
Aula_O que é Compostagem.pdf
 

Mais de mvezzone

Apostila jovens rurais (mv)
Apostila jovens rurais (mv)Apostila jovens rurais (mv)
Apostila jovens rurais (mv)mvezzone
 
Estrumeira solocimento
Estrumeira solocimentoEstrumeira solocimento
Estrumeira solocimentomvezzone
 
Custo producao
Custo producaoCusto producao
Custo producaomvezzone
 
Manual de_praticas_agroecológicas - emater
 Manual de_praticas_agroecológicas - emater Manual de_praticas_agroecológicas - emater
Manual de_praticas_agroecológicas - ematermvezzone
 
Pecuaria orgânica 3 manejo sanitário e manejo agroecológico das pastagens ...
Pecuaria orgânica 3 manejo sanitário e manejo agroecológico das pastagens ...Pecuaria orgânica 3 manejo sanitário e manejo agroecológico das pastagens ...
Pecuaria orgânica 3 manejo sanitário e manejo agroecológico das pastagens ...mvezzone
 
Manejo frangos corte
Manejo frangos corteManejo frangos corte
Manejo frangos cortemvezzone
 
Sisca 2013 032
Sisca 2013 032Sisca 2013 032
Sisca 2013 032mvezzone
 
Produção de ovos agroecológicos – agrocapixaba.com
Produção de ovos agroecológicos – agrocapixaba.comProdução de ovos agroecológicos – agrocapixaba.com
Produção de ovos agroecológicos – agrocapixaba.commvezzone
 
Frango corte
Frango corteFrango corte
Frango cortemvezzone
 
Vacinação
VacinaçãoVacinação
Vacinaçãomvezzone
 
Avicultura agroecologica
Avicultura agroecologicaAvicultura agroecologica
Avicultura agroecologicamvezzone
 
Agroecologia produçao animal
Agroecologia produçao animalAgroecologia produçao animal
Agroecologia produçao animalmvezzone
 
Produçao animal
Produçao animalProduçao animal
Produçao animalmvezzone
 
Manual criação galinhas caipiras
Manual criação galinhas caipirasManual criação galinhas caipiras
Manual criação galinhas caipirasmvezzone
 
Controle formigas
Controle formigasControle formigas
Controle formigasmvezzone
 
Ervas medicinais controle fungo
Ervas medicinais controle fungoErvas medicinais controle fungo
Ervas medicinais controle fungomvezzone
 
Controle fitossanitário com produtos alternativos coletânea de receitas
Controle fitossanitário com produtos alternativos coletânea de receitasControle fitossanitário com produtos alternativos coletânea de receitas
Controle fitossanitário com produtos alternativos coletânea de receitasmvezzone
 
Métodos caseiros de controle pragas e doenças
Métodos caseiros de controle pragas e doençasMétodos caseiros de controle pragas e doenças
Métodos caseiros de controle pragas e doençasmvezzone
 
Calda bordalesa
Calda bordalesaCalda bordalesa
Calda bordalesamvezzone
 
Enxofre calda sulfocalcica
Enxofre calda sulfocalcicaEnxofre calda sulfocalcica
Enxofre calda sulfocalcicamvezzone
 

Mais de mvezzone (20)

Apostila jovens rurais (mv)
Apostila jovens rurais (mv)Apostila jovens rurais (mv)
Apostila jovens rurais (mv)
 
Estrumeira solocimento
Estrumeira solocimentoEstrumeira solocimento
Estrumeira solocimento
 
Custo producao
Custo producaoCusto producao
Custo producao
 
Manual de_praticas_agroecológicas - emater
 Manual de_praticas_agroecológicas - emater Manual de_praticas_agroecológicas - emater
Manual de_praticas_agroecológicas - emater
 
Pecuaria orgânica 3 manejo sanitário e manejo agroecológico das pastagens ...
Pecuaria orgânica 3 manejo sanitário e manejo agroecológico das pastagens ...Pecuaria orgânica 3 manejo sanitário e manejo agroecológico das pastagens ...
Pecuaria orgânica 3 manejo sanitário e manejo agroecológico das pastagens ...
 
Manejo frangos corte
Manejo frangos corteManejo frangos corte
Manejo frangos corte
 
Sisca 2013 032
Sisca 2013 032Sisca 2013 032
Sisca 2013 032
 
Produção de ovos agroecológicos – agrocapixaba.com
Produção de ovos agroecológicos – agrocapixaba.comProdução de ovos agroecológicos – agrocapixaba.com
Produção de ovos agroecológicos – agrocapixaba.com
 
Frango corte
Frango corteFrango corte
Frango corte
 
Vacinação
VacinaçãoVacinação
Vacinação
 
Avicultura agroecologica
Avicultura agroecologicaAvicultura agroecologica
Avicultura agroecologica
 
Agroecologia produçao animal
Agroecologia produçao animalAgroecologia produçao animal
Agroecologia produçao animal
 
Produçao animal
Produçao animalProduçao animal
Produçao animal
 
Manual criação galinhas caipiras
Manual criação galinhas caipirasManual criação galinhas caipiras
Manual criação galinhas caipiras
 
Controle formigas
Controle formigasControle formigas
Controle formigas
 
Ervas medicinais controle fungo
Ervas medicinais controle fungoErvas medicinais controle fungo
Ervas medicinais controle fungo
 
Controle fitossanitário com produtos alternativos coletânea de receitas
Controle fitossanitário com produtos alternativos coletânea de receitasControle fitossanitário com produtos alternativos coletânea de receitas
Controle fitossanitário com produtos alternativos coletânea de receitas
 
Métodos caseiros de controle pragas e doenças
Métodos caseiros de controle pragas e doençasMétodos caseiros de controle pragas e doenças
Métodos caseiros de controle pragas e doenças
 
Calda bordalesa
Calda bordalesaCalda bordalesa
Calda bordalesa
 
Enxofre calda sulfocalcica
Enxofre calda sulfocalcicaEnxofre calda sulfocalcica
Enxofre calda sulfocalcica
 

Sistema de-producao-de-alface-organico-ricardo-trippia

  • 1. 1 COMPOSTAGEM Ricardo Trippia dos Guimarães Peixoto Pesquisador, Eng. Agrônomo, PhD Embrapa Solos rtrippia@cnps.embrapa.br ou ricardo.trippia@embrapa.br Material preparado para compor Capítulo em publicação “Sistema de produção de alface orgânico”, em processo de revisão do Comitê de Publicação da Embrapa Clima Temperado (http://www.cpact.embrapa.br), com previsão de publicação para 2012. RESUMO Nos sistemas de produção agropecuários normalmente há produção de resíduos orgânicos que muitas vezes não tem um destino ambientalmente adequado, como no caso de dejetos animais e da queima de biomassa vegetal, se afastando de um modelo de produção mais sustentável que preconiza o melhor aproveitamento dos recursos naturais. Como consequência, o manejo e uso técnico correto desses resíduos orgânicos são necessários para minimizar os impactos negativos no meio ambiente, como degradação do solo, poluição dos mananciais hídricos, emissão de gases de efeito estufa, entre outros. A compostagem é um processo de preparo de fertilizante natural, o húmus, a partir de resíduos orgânicos – dejetos animais, palhas etc. Estes resíduos são misturados e amontoados visando formar montes ou pilhas de compostagem, as quais passam por um manejo e monitoramento que segue princípios técnicos, os quais se baseiam no entendimento de certos requerimentos relacionados aos fatores que influenciam a atividade microbiana. Todo o processo envolve transformações da matéria orgânica em ambiente com ar, sendo realizadas por vários tipos de microorganismos existentes nos resíduos e no solo que têm na matéria orgânica in natura sua fonte de energia, nutrientes minerais e carbono. A compostagem é uma técnica que pode ser aplicada em diversas situações visando a reciclagem de resíduos orgânicos para produção de fertilizantes orgânicos, desde uma escala de "fundo de quintal" até industrial. Em geral quanto mais tipos diferentes de resíduos orgânicos forem misturados, melhor para o processo de transformação da matéria orgânica e para a qualidade do produto final obtido, o composto, que é rico em húmus e matéria orgânica ainda em transformação, bem como em nutrientes e microrganismos benéficos, portanto atuando na melhoria das propriedades químicas, físicas e biológicas dos solos. INTRODUÇÃO No setor produtivo agropecuário e nos grandes centros urbanos existem várias situações em que o destino dos resíduos orgânicos gerados em grande quantidade demanda soluções para minimizar ou evitar impactos negativos ambientais. Uma prática comum nas criações ou em ambientes de feiras agropecuárias ou de competições é o armazenamento em esterqueiras, onde os dejetos são acumulados sem nenhum manejo ou tratamento e depois de um tempo os resíduos são usados em campos ou disponibilizados para interessados. A crescente preocupação da sociedade com os problemas ambientais, proteção dos recursos hídricos, questões sanitárias e que revertem para questões de saúde humana e qualidade de vida, direciona para a necessidade de minimizar esses problemas através de tecnologias que melhor utilizem os recursos naturais. A compostagem pode ser uma opção tecnológica para dar uma utilização mais nobre dos resíduos orgânicos considerados inúteis, pois pressupõe que nos mesmos há um valor agregado com dimensões ambientais, econômicas e sociais. Entretanto, a inserção da compostagem nos sistemas de produção familiares, comunitários, institucionais ou
  • 2. 2 empresariais requer, em geral, melhor conhecimento sobre o processo de compostagem e ajuste da tecnologia às especificidades locais da rotina de trabalho, principalmente no que diz respeito ao aproveitamento dos resíduos orgânicos disponíveis na região (Peixoto, 2007). Compostagem é uma maneira antiga de processar os resíduos e convertê-los a uma forma (húmus) que proporciona benefícios significativos para a agropecuária. Essa técnica foi conhecida pelo Ocidente provavelmente a partir de observações feitas pelo Professor F. H. King do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos em 1909, e pelos experimentos de Sir Albert Howard (Howard, 1947), considerado Pai da Compostagem, inglês que trabalhou vários anos na Índia, nas primeiras décadas do século XX (Peixoto, 1988). De uma maneira geral, a compostagem é uma técnica relativamente simples, que pode ser aplicada em diferentes situações de desenvolvimento agrícola, como por pequenos agricultores descapitalizados com uso intensivo de mão-de-obra, agricultores capitalizados ou que se utiliza de técnicas de capital intensivo, até em nível de “industrialização”, como em usinas de reciclagem de lixo urbano e unidades de beneficiamento de grãos e na produção de adubos organo-minerais. Contudo, alguns princípios devem ser levados em consideração, requerendo cuidados e acompanhamento de modo a garantir qualidade em sua elaboração e no húmus produzido. Por exemplo, durante o processo a ação e a interação dos microrganismos também dependem da ocorrência de condições favoráveis, tais como temperatura, umidade, aeração, pH, tipo de compostos orgânicos existentes e concentração e tipos de nutrientes disponíveis. É importante ter em mente que esses fatores ocorrem simultaneamente, e que a eficiência da compostagem baseia-se na interdependência e inter-relacionamento desses fatores. Deve-se também ser lembrado que o composto (húmus) quando aplicado ao solo não funciona estaticamente como simples fornecedor de nutrientes, mas atua dinamicamente na melhoria das propriedades químicas, físicas e biológicas do solo. Além disso, um solo não é recuperado nem “construído” em um ano, mas sim ao longo do tempo. Este trabalho pretende apresentar alguns princípios e cuidados que permitam entender o que acontece durante o processo de compostagem, bem como orientar os conceitos básicos para os trabalhos no planejamento e manejo da compostagem para produção de composto com melhor qualidade. Contexto do manejo orgânico do solo O manejo adequado do solo é um dos pilares da agricultura orgânica. Há que se desenvolver e aplicar soluções criativas para minimizar o uso de insumos industrializados e maximizar o uso dos recursos naturais, a par da preocupação com controle da erosão e com a conservação da fertilidade e da biota do sistema solo:planta. A manutenção da fertilidade do solo numa abordagem agroecológica é um tópico particularmente complexo, envolvendo uma gama grande de variáveis. Variações naturais dos tipos de solos, clima, taxas de mineralizações e sistemas de cultivo, todos afetam os níveis de fertilidade do solo e as tendências de esgotamento ou acúmulo de nutrientes (Peixoto, 1996; 1997a). A disponibilidade de recursos locais (na ou fora da propriedade) para construir e manter a fertilidade ajuda determinar o conjunto de estratégias mais viáveis e os fatores sociais influenciam a adequação social e aceitação das diferentes técnicas de manejo da fertilidade do solo. Esses fatores incluem: a intensidade de praticas agrícolas existentes; estrutura da propriedade (incluindo tipo de posse e a disponibilidade e divisão do trabalho); níveis de conhecimento e cooperação social local; e a existência de suporte técnico (Parrott & Marsden, 2002). Fertilidade do solo é tratada num contexto mais amplo, sendo um reflexo dos ciclos naturais onde existe um balanço, ou desbalanço, entre os processos de desenvolvimento e decomposição atuando em ambos constituintes orgânicos e inorgânicos do solo. A matéria orgânica do solo (MOS) tem um papel importante já que compreende grupos de componentes
  • 3. 3 com funções múltiplas na expressão dos processos químicos, físicos e biológicos do solo (Coleman et al., 1989). O uso de resíduos orgânicos, tais como restos de cultura, dejetos animais, aparas de gramas, restos de manutenção de jardins, entre outros, vem despertando cada vez mais o interesse dos agricultores e técnicos, tanto em áreas rurais como urbanas. Isso porque esses materiais são ricos em matéria orgânica, componente muito importante para a fertilidade do solo e portanto para se obter melhores produtividades. Uma característica importante da matéria orgânica é a manutenção de uma biomassa ativa, que é composta de comunidades diferentes de organismos que atuam diretamente em numerosas transformações entre os constituintes orgânicos e inorgânicos do solo. Portanto o papel funcional dos diferentes compartimentos da MOS esta relacionado aos processos do solo relativos à ciclagem (mineralização/imobilização) e disponibilidade de nutrientes (CTC, CTA), agregação de partículas (proteção física da MOS) e complexação com metais (proteção química da MOS e "controle" da acidez - Al) (Peixoto, 1997a, 1997b). Portanto, o emprego de fertilizantes orgânicos utilizados num manejo adequado do solo contribui para a melhoria das propriedades físicas e químicas do solo, tais como a agregação das partículas e estruturação do solo, a aeração, a infiltração de água e retenção de umidade, melhoria da capacidade de retenção e disponibilização de nutrientes, entre outras, permitindo a manutenção e incremento da produtividade do solo. Propicia também um aumento na diversidade de microorganismos benéficos, no estímulo ao desenvolvimento das raízes, que contribuem para o controle de organismos não desejáveis, na transformação da matéria orgânica e na solubilização de minerais, de maneira a disponibilizar de forma gradativa os nutrientes para as plantas (Peixoto, 1997b). Portanto, técnicas que favoreçam o aporte de matéria orgânica e a sua manutenção, são estratégias que podem auxiliar o processo de viabilização de unidades orgânicas. Por exemplo, a produção in situ de biomassa, via fotossíntese, e sua transformação em fertilizante orgânico, através do emprego de técnicas como a compostagem, o uso de biofertilizantes líquidos e a adubação verde (AV). Aspectos gerais sobre compostagem A diferença entre se aplicar e incorporar diretamente os resíduos crus e o resíduo estabilizado (p. ex., proveniente da compostagem) em relação à resposta de uma cultura, quanto à sua nutrição, está na quantidade e época em que os nutrientes mineralizados estarão disponíveis para as plantas, assim como na intensidade com que ativam os microrganismos do solo. A compostagem é um processo de decomposição aeróbia e durante o mesmo, há desprendimento de gás carbônico, água (na forma de vapor) e energia, devido à ação dos microrganismos. Parte da energia é usada para crescimento e movimento, sendo a restante liberada como calor, que se procura conservar na pilha (monte) de compostagem. Como resultado, a pilha se aquece, atinge uma temperatura elevada, resfria e atinge estágio de maturação. O composto final, húmus, é constituído de partes resistentes dos resíduos orgânicos, produtos decompostos e microrganismos mortos e vivos. Em outras palavras, a partir de uma mistura de restos de alimentos, frutas, folhas, esterco, palhadas, etc., obtém-se, no final do processo, um adubo orgânico homogêneo, com cheiro característico, de cor escura, estável, solto, pronto para ser usado em qualquer cultura sem causar dano e proporcionando uma melhoria nas propriedades físicas, químicas e biológicas do solo. Vários trabalhos têm mostrado que a aplicação de composto produz múltiplos efeitos sobre o solo e a cultura através do aumento da permeabilidade do solo, agregação das partículas minerais, fornecimento de micro e macronutrientes, contribuindo para a correção da acidez, incrementando a população de organismos e melhorando a eficiência de uso dos nutrientes (Howard, 1947; Bengtson e Cornette, 1973; Hortenstinee Rothwell, 1973; Terman et al., 1973; Giordano et al., 1975; Mazur, 1981; Guerra & Almeida, 1983; Peixoto et al., 1987, 1989a, 1989b; Pereira et al., 1988; Alves e Passoni, 1997; Souza, 1998; Abreu Jr. et al., 2001; Santos et al., 2001).
  • 4. 4 O estado de maturação do composto é de fundamental importância para seu efeito como condicionador de solos e principalmente fornecimento de nutrientes às plantas e o crescimento destas (Boulter-Bitzer et al., 2006; Said-Pullicino et al., 2007). Por outro lado, o grau de decomposição também tem influência no potencial do composto no biocontrole de doenças de plantas causadas por patógenos do solo. Essa característica é conferida pela colonização microbiana diferencial do composto nas suas diversas fases e por estes microrganismos apresentarem diferentes mecanismos de biocontrole (Hoitink e Boehm, 1999). No entanto, apesar de ser tecnologia agrícola das mais antigas, não tem tido uso mais indiscriminado em território brasileiro por parte dos agricultores familiares. Isto se deve principalmente ao fato de ser uma prática intensiva em trabalho e o composto ser muito volumoso para o transporte e de qualidade variável em relação aos fertilizantes minerais. Também porque para sua inserção nos sistemas de produção familiares requer, em geral, melhor conhecimento sobre o processo de compostagem e ajuste da tecnologia às especificidades locais, principalmente no que diz respeito ao aproveitamento dos resíduos orgânicos disponíveis e a dificuldade de inserção da compostagem, na rotina de atividades da unidade de produção familiar. Outra limitação é que muitas vezes os sistemas de produção não contemplam a criação de animais e a falta de esterco é considerada uma limitação do processo em função do baixo teor de N nos resíduos vegetais em geral. Por outro lado os sistemas com criação animal muitas vezes não reciclam o esterco, causando poluição ambiental, ou o fazem através de processamentos inadequados que promovem perdas elevadas de nutrientes. Mesmo quando se faz a compostagem, muitas vezes a falta de conhecimento dos fatores que interferem no processo de decomposição dos resíduos e a correta maneira de manejá-los tem produzido material não estabilizado, ou com falta de qualidade, acarretando problemas na germinação de sementes ou desenvolvimento de plantas, por excesso ou deficiência de N, presença de substâncias tóxicas, sementes de plantas daninhas ou mesmo de patógenos. Além das imposições da produção orgânica certificada que tem estimulado o surgimento de tecnologias orgânicas, o custo dos fertilizantes minerais solúveis e a crescente descapitalização dos agricultores familiares tem pressionado o retorno das técnicas de adubação orgânica. Neste caso, surge uma nova oportunidade para a compostagem como opção para o manejo orgânico do solo, principalmente se considerarmos o potencial dos trabalhos participativos nas comunidades familiares, onde podem surgir iniciativas de especialização de produtores fabricantes de composto integrados com as necessidades ou demandas locais ou regionais, ou mesmo de mutirões para produzi-lo numa escala maior. Exemplos existem de iniciativas similares em comunidades de Java que tradicionalmente desenvolveram ao longo do tempo técnicas para produzir compostos específicos para diferentes culturas, considerando estratégias distintas mas integradas de desenvolvimento entre regiões (Tanner et al., 2001). Souza (1998) demonstrou a viabilidade do uso de composto na produção orgânica de hortaliças, a partir do emprego de capim napier como fonte de C na compostagem, em regiões onde outros fertilizantes orgânicos sejam escassos ou tenham custos elevados. Contudo, neste processo balanços de nutrientes devem ser estabelecidos, a fim de viabilizar a sustentação temporal destes sistemas de produção. Dentre os nutrientes, o N é crítico, visto ser o de maior demanda metabólica pelas plantas, e as opções de fertilizantes sintéticos não são de uso permitido na produção orgânica, ao passo que em relação a outros nutrientes essenciais há opções disponíveis. Especial atenção deve ser tomada nos sistemas com solos degradados e com desbalanço de nutrientes, onde se pretende construir a fertilidade do solo com técnicas orgânicas de produção. Neste caso, devem ser desenvolvidos estudos envolvendo a transformação de fertilizantes minerais em fertilizantes orgânicos, por exemplo mostrando maior eficiência em relação aos fosfatos naturais brasileiros, ou mesmo estratégias durante um período de transição / conversão para diminuir o uso de insumos externos à propriedade. PRINCÍPIOS DA COMPOSTAGEM
  • 5. 5 Apesar da compostagem ser uma técnica simples, alguns princípios devem ser levados em consideração de modo a garantir qualidade em sua elaboração e no húmus produzido. A transformação dos resíduos ocorre principalmente através da ação de organismos, podendo ser subdividida em duas etapas: uma física (desintegração) e outra química (decomposição). A primeira diz respeito à quebra mecânica dos resíduos, e na última, os resíduos são primeiramente decompostos em suas unidades estruturais básicas por enzimas extracelulares e, posteriormente absorvidas e oxidadas pelos microrganismos, a fim de obterem energia e nutrientes inorgânicos para o seu desenvolvimento, com conseqüente transformação da biomassa. A decomposição da matéria orgânica pode ocorrer por dois processos: na presença de oxigênio (aeróbio) e na sua ausência (anaeróbio). De acordo com a disponibilidade de oxigênio livre, predominam microrganismos aeróbios ou anaeróbios, sendo os agentes mais destacados os fungos, bactérias e actinomicetos. Na decomposição anaeróbia (biodigestor) os organismos, ao metabolizarem os nutrientes, utilizam outros elementos para respiração em lugar de oxigênio, decompondo os compostos orgânicos por um processo de redução lento e geralmente acompanhado de desprendimento de odores desagradáveis (H2S). A característica marcante do processo anaeróbio é a produção do gás metano (CH4) que é combustível e usado em fogões, aquecedores, lampiões, geladeiras, geradores, etc. Após a decomposição, o efluente (biofertilizante) pode ser usado como adubo orgânico. A compostagem é o processo de decomposição aeróbia onde a ação e a interação dos microrganismos também dependem da ocorrência de condições favoráveis, tais como temperatura, umidade, aeração, pH, tipo de compostos orgânicos existentes e concentração e tipos de nutrientes disponíveis. É importante ter em mente que esses fatores ocorrem simultaneamente, e que a eficiência da compostagem baseia-se na interdependência e inter- relacionamento desses fatores (Couto et al., 2008; Borges et al., 2006; Peixoto, 1988, 2000, 2005a, 2007; Kiehl, 1998). Durante a compostagem, há desprendimento de gás carbônico, água (na forma de vapor) e energia, devido à ação dos microrganismos. Parte da energia é usada para crescimento e movimento, sendo a restante liberada como calor, que se procura conservar na pilha (monte) de compostagem. Como resultado, a pilha se aquece, atinge uma temperatura elevada, resfria e atinge estágio de maturação. O composto final, húmus, é constituído de partes resistentes dos resíduos orgânicos, produtos decompostos e microrganismos mortos e vivos. Oxidação Matéria Orgânica + O2 → CO2 + H2O + Nutrientes + Energia (calor) + Húmus Biológica Em outras palavras, a partir de uma mistura de restos de alimentos, frutas, folhas, esterco, palhadas, etc., obtêm-se, no final do processo, um adubo orgânico homogêneo, com cheiro característico, de cor escura, estável, solto, pronto para ser usado em qualquer cultura sem causar dano e proporcionando uma melhoria nas propriedades físicas, químicas e biológicas do solo. O composto orgânico resultante pode ser aplicado em qualquer cultura. A definição da quantidade e da época de aplicação deve ser feita por um técnico credenciado ou agrônomo, pois depende de vários fatores, tal como tipo de solo, condições climáticas da região ou local, histórico de uso da terra, nível de degradação do solo e estado de fertilidade, necessidades nutricionais da cultura etc. Deve-se lembrar que o composto em geral é rico em nutrientes, tanto macro como micronutrientes, e a quantidade presente pode ser suficiente para a cultura dependendo do tipo e quantidade de resíduos utilizados. Pode-se enriquecer o composto com alguns nutrientes durante a compostagem, por exemplo, os fosfatos, mas precisa
  • 6. 6 acompanhamento técnico para o ajuste da quantidade para obter um composto de qualidade (Couto et al., 2008; Peixoto, 2005a, 2007). A vantagem do composto é que os nutrientes em geral estão em três formas, ou seja parte esta prontamente disponível para a nutrição da cultura, outra parte esta parcialmente disponível já que se encontra protegida pelo húmus na forma de complexos e uma terceira esta retida na matéria orgânica ainda a ser decomposta ou mineralizada no solo, portanto atuando como uma reserva de nutrientes. Portanto, deve-se ter em mente que o composto além do húmus também tem em sua composição parte da matéria orgânica ainda em transformação, o que confere a propriedade de liberar gradativamente os nutrientes e melhorando o aproveitamento para as culturas (Peixoto, 2005a, 2007). Outro aspecto importante é que o húmus presente no composto, ou seja, representa uma matéria orgânica transformada para uma forma mais reativa e estável, melhorando a saúde do solo e estimulando sua vida, portanto, promovendo benefícios da aplicação deste composto no solo, por exemplo: estímulo ao desenvolvimento das raízes das plantas, que se tornam mais capazes de absorver água e nutrientes do solo; aumenta a capacidade de infiltração e retenção de água, reduzindo a erosão; contribui para diminuição da acidez do solo; melhora a estrutura do solo e sua capacidade de retenção e fornecimento de nutrientes de forma gradativa; favorece o desenvolvimento e a multiplicação de organismos benéficos ao solo e de microorganismos benéficos às culturas agrícolas. Portanto, os nutrientes do composto, ao contrário do que ocorre com os adubos sintéticos, são liberados lentamente, realizando a tão desejada "adubação de disponibilidade controlada". Em outras, palavras, fornecer composto às plantas é permitir que elas retirem os nutrientes de que precisam de acordo com as suas necessidades ao longo de um tempo maior do que teriam para aproveitar um adubo sintético e altamente solúvel, que é arrastado pelas águas das chuvas (Couto et al., 2008; Peixoto, 1997, 2005a, 2007). O composto orgânico é um adubo de uso rotineiro nas propriedades orgânicas, especialmente nas de pequeno porte. Apresenta-se como excelente forma de aproveitamento dos restos vegetais e animais oriundos da atividade agropecuária. Pode ser elaborado apenas com resíduos vegetais ou em mistura com resíduos animais. Entretanto, para obtenção de um composto de qualidade, é necessário combinar resíduos ricos em carbono, como os capins, com outros materiais ricos em nitrogênio, como palhada de feijão ou de outras espécies de plantas leguminosas, ou dejetos animais (Couto et al., 2008; LealL et al., 2007). O custo de se produzir composto é muito variável, pois depende de vários fatores, por exemplo, do nível tecnológico usado (pode variar de uma iniciativa de fundo de quintal ate uma Usina de compostagem empresarial), do tipo de sistema de compostagem, da escala de produção, equipamentos e pessoal envolvido, entre outros. Ao mesmo tempo o emprego de composto orgânico em uma propriedade também é uma forma de reduzir o uso de insumos industrializados, priorizando o melhor aproveitamento dos recursos naturais existentes no local ou na região. Muitas vezes os benefícios sociais e ambientais não são computados, embora tenham impactos altamente favoráveis. Atualmente existe no mercado máquinas e equipamentos capazes de triturar galhos de árvores, de revolver a pilha semelhante a uma grande enxada rotativa, minicarregadeiras com conchas frontais, sistemas de ventilação forçada, entre outros. Portanto a economicidade do sistema depende da situação e principalmente da criatividade e gerenciamento do produtor ou do empreendedor. A Área do Pátio de Compostagem precisa ter espaço suficiente para permitir a manobra de máquinas e de dinâmica de trabalho das pilhas de compostagem. A situação ideal é que o Pátio de Compostagem tenha um piso concretado (ou chão compactado) e com declividade de 1 %, em cuja lateral possa ter uma calha em declive para direcionar o chorume caso seja produzido ou a água de lavagem do pátio para uma caixa de água. O "chorume" coletado e armazenado poderá ser bombeado para molhar as pilhas mais novas durante a montagem e no revolvimento das mesmas. O piso concretado evita possível problema de impacto ambiental, no caso de infiltração do chorume para lençol freático ou manancial hídrico. O pátio poderá ser coberto, de modo a proteger as pilhas de chuva, e mesmo excesso insolação, sendo que a área deste pátio depende da quantidade e fluxo de resíduos produzidos, da dimensão das pilhas e do espaço disponível para o deslocamento de máquinas (por exemplo,
  • 7. 7 do tipo "BobCat"). A maior preocupação é de proteger as pilhas mais velhas, pois o material em fase avançada de decomposição e mesmo de estabilização tem alta afinidade de reter água (semelhante a uma esponja). Desejável que o telhado tenha calha que permita coletar água da chuva armazenada numa "cisterna", a qual pode ser usada para molhar as pilhas ou usar em serviços de limpeza. Conforme a declividade do terreno deve-se considerar o uso de praticas conservacionista, visando proteger o terreno e as pilhas no caso de excesso de escorrimento superficial de água da chuva. O entorno do pátio poderá ser arborizado visando proteger de excesso de ventos, bem como considerando aspectos de paisagismo. Algumas possibilidades de manejo das pilhas, bem como flexibilidade de dinâmica de trabalho, podem ser consideradas, por exemplo, no caso de possibilidade de mecanização: 1) Pilha Móvel, usando uma minicarregadeira com concha frontal, com 2 possibilidades de manejo: 1.1) A pilha vai se movendo com os reviramentos feitos ao longo do comprimento do Pátio, ou seja ela é montada num lado de entrada, e o composto sai no outro lado do Pátio, 1.2) As pilhas são montadas e o reviramento é feito numa dinâmica do "vai e volta". Conforme a pilha vai perdendo volume, então pode-se misturar as pilhas mais velhas, por exemplo de 2 pilhas fazendo uma nova, visando manter um volume da pilha nas dimensões que favorecem o processo de decomposição. Por exemplo, em geral com 1,5 a 2,5 m de largura, 1,5 a 2,0 m de altura, e comprimento dependendo da disponibilidade de resíduos orgânicos "frescos". 2) Pilha "Estática", usando uma máquina de reviramento de pilha (tipo de "enxada rotativa" aérea), ou seja a pilha é montanda nas dimensões "ideais", e nos dias de reviramento a máquina passa ao longo do comprimento da pilha. Certamente com o tempo de compostagem a pilha também irá diminuir de volume, portanto haverá necessidade de manter sua dimensão próxima ao volume ideal utilizando a minicarregadeira para fazer o condicionamento da mesma. CUIDADOS E CARACTERÍSTICAS DA COMPOSTAGEM Durante a compostagem deve-se cuidar de alguns fatores que atuam na eficiência de trabalho dos microrganismos que irão fazer a decomposição ou transformação dos resíduos orgânicos. O ajuste do processo de compostagem depende do entendimento de que esses fatores atuam simultaneamente, de forma interativa e, por se tratar de um processo biológico dinâmico, o mesmo deve ser monitorado. 1) Deve-se cuidar para uma proporção desejável 30:70, entre material com baixa relação C/N (material tenro) e material com alta relação C/N (material fibroso - palhada). A mistura dos dejetos animais com os resíduos vegetais deve chegar a uma relação C/N em torno de 30. O conhecimento da relação C/N de um material orgânico reflete o grau de resistência à sua decomposição. Quanto mais C tiver, assim como mais complexas forem as suas estruturas moleculares, mais energéticas e difíceis de se decomporem serão. De uma maneira geral, 30 partes de peso de C são usadas pelos microorganismos por cada parte de N; portanto, uma relação C/N entre 26 e 35 proporciona uma rápida e eficiente compostagem. Quanto maior a variedade de resíduos orgânicos misturados melhor para a compostagem, bem como para a qualidade do composto produzido; no caso de dificuldade em obter dejetos animais, pode-se utilizar plantas leguminosas (p.ex., crotalária, guandu, leucena, e mesmo de espécies arbóreas como gliricídea e eritrina, entre outras) trituradas (Peixoto et al., 2005b). O composto pronto para uso normalmente tem uma relação entre 15 e 20.
  • 8. 8 2) O tamanho das partículas pode variar de poucos milímetros a cerca de 2 a 5 cm, de forma a facilitar a circulação do ar, facilitar o ataque microbiano pelo aumento da superfície específica e ajudar a manter o teor de umidade sem excessos. 3) As pilhas precisam ter uma dimensão no mínimo em torno de 2,5 m (largura) x 1,6 m (altura) x 3 m (comprimento), sendo que não há limite máximo para o comprimento. Deve-se evitar pilhas muito altas (por exemplo, acima de 3 m) ou muito largas de modo a impedir compactação das partículas e dificultar ou impossibilitar a circulação do ar, o que pode causar processo anaeróbio o qual, além de produzir gases com odor (base enxofre), também pode causar perda de nitrogênio na forma gasosa (como o N2O) e mesmo produzir metano (CH4), ambos com impacto na camada de ozônio e gases efeito estufa – que atuam nas mudanças climáticas. 4) É necessário o reviramento das pilhas, o que permite melhor mistura dos resíduos e incorporação daqueles que fiquem na superfície delas, garantindo ao longo do tempo que passem pela zona de alta temperatura no interior da pilha; desejável que o reviramento seja feito de dois em dois dias, ou de três em três dias, durante os primeiros vinte dias, o que é um manejo intenso, mas que minimiza ao máximo o risco de sobrevivência de organismos não desejáveis, caso a questão sanitária seja prioritária; normalmente pode-se revirar duas vezes por semana nas primeiras três semanas e depois uma vez por semana até a estabilização do processo. O investimento neste caso é de um trator minicarregadeira do tipo "BobCat" com concha frontal para fazer o reviramento do material; já existem no mercado máquinas para reviramento das pilhas semelhantes a uma "enxada rotativa aérea", portanto deve-se analisar custo dos implementos e acessórios, bem como de manutenção. 5) Molhar a pilha durante o reviramento, o que permite uniformizar a quantidade de água em todo o material da pilha, ajustando a quantidade de água de modo a evitar excesso; portanto, deve-se monitorar a umidade das pilhas; o escorrimento de chorume normalmente só ocorre quando há excesso de água. 6) Em função do local disponível para efetivar o pátio de compostagem, considerando preocupação com odores no entorno, pode-se adicionar na superfície da pilha o mineral zeolita (pó de rocha rica neste mineral) o qual, por causa de sua alta porosidade e superfície especifica, tem propriedades de reter gases (controle odor), nutrientes e umidade. 7) Dependendo do teor de nutrientes desejáveis no composto, pode-se testar algumas misturas de fosfatos, fertilizantes minerais, pó de rochas (em especial sedimentares) ricas em determinados nutrientes, cinzas de madeiras, e mesmo de calcário (como fonte de Ca e Mg). Entretanto, deve-se cuidar com a quantidade (em geral entre 1 a 5 %) a ser misturada aos resíduos orgânicos no início da compostagem, bem como quanto ao teor de metais pesados ou outros tipos de "contaminantes" que possam ter nesses materiais, portanto é sempre recomendável uma orientação de técnicos ou agrônomos locais. 8) Logo que se monta a pilha com o material orgânico misturado, o seu interior começa a esquentar porque o calor liberado durante a transformação dos resíduos fica retido na massa amontoada do material. Portanto o aumento da temperatura é normal e indica que a compostagem está funcionando, ou seja, que tem vida na pilha. A temperatura do interior da pilha é monitorada, sendo desejável que fique entre 60 e 70ºC durante o período de máxima transformação e diminua na fase de estabilização do composto; a temperatura do interior da pilha pode ser monitorada com um termômetro digital portátil, com alimentação a bateria 9 volts, com 1, 2 ou mais entradas para sensor Termopar tipo K (ou outra precisão e faixa temperatura) em haste de 0,6 cm de diâmetro e tendo entre 50 e 100 cm de comprimento, tendo sensor em ponteira. Normalmente primeiro procura-se colocar a haste na parte central do volume da pilha, buscando encontrar o "núcleo de maior calor" ou parte onde há maior acúmulo de calor, o qual dependendo do fluxo de ar que naturalmente circula pela pilha (pelos poros ou espaços entre as partículas de resíduos), pode estar localizado bem no centro ou deslocado um pouco acima, ou abaixo do centro; em geral medimos cerca de 24 horas após o reviramento da pilha, no período da manhã. 9) No caso de checar o controle em termos sanitários, é desejável fazer um monitoramento ou análise de sobrevivência de organismos patogênicos, ou mesmo de sementes de plantas
  • 9. 9 "daninhas", por exemplo, coletando amostras antes, durante e após o processo. Normalmente, pode acontecer de moscas acompanharem os resíduos frescos com certo odor (p.ex., dejetos animais) até o pátio de compostagem, mas em geral não se tem maiores problemas com moscas e sua reprodução nas pilhas de compostagem, já que o reviramento periódico elimina as possíveis larvas que possam existir. Caso existam problemas sérios de grande número de moscas no início da montagem das pilhas, para um controle pontual pode-se aplicar ou pulverizar inseticida recomendado e seguindo recomendações de proteção individual (EPI) por veterinário ou agrônomo e mesmo colocar armadilhas com iscas em locais estratégicos. 10) Normalmente, independente do tipo de resíduo orgânico o pH das leiras pode baixar no primeiro dia (em função produção ácidos orgânicos) mas já sobe para entre 7 e 8 nos primeiros dias e fica neste patamar ao longo do processo. Portanto a uréia, apesar de contribuir para a diminuição da relação C/N e para o controle de patógenos (aumento pH e produção de NH3), não deve ser utilizada para este objetivo, já que em pH elevado há risco de sérias perdas de N em forma gasosa. Dependendo do tipo de resíduo ou insumo misturado, se for realmente necessário aumentar o pH da pilha, tanto para garantir condições favoráveis a atividade microbiana como com preocupações sanitárias, é preferível misturar um pouco de calcário, por exemplo cerca de 2 % (contudo, há necessidade de monitorar a evolução ou o comportamento do pH da pilha de compostagem ao longo do tempo). 11) O tempo de compostagem pode variar de 2 a 6 meses dependendo do tipo e variedade de resíduos utilizados, e o uso de parte do composto pronto misturado aos resíduos "frescos" na montagem das pilhas ajuda no processo inicial de decomposição pois é um material rico em microrganismos benéficos, inclusive em especial alguns decompositores mais específicos para aqueles resíduos de decomposição mais difícil. É desejável que o composto tenha frações de sua matéria orgânica em diferentes graus de decomposição, desde materiais relativamente frescos, como partes em transformação, até o húmus (material bem transformado e mais recalcitrante, de tamanho coloidal e portanto com alta reatividade). 12) Em geral pode-se avaliar se o material esta estabilizado fazendo testes em copinhos plásticos verificando se há problemas na germinação de sementes e desenvolvimento inicial de mudas de pepino, abóbora ou outra espécie de planta ou cultura na qual pretende aplicar o composto. Pode-se também aplicar em cobertura num pedaço de terreno com a cultura que se pretende adubar. 13) Para fins de fertilidade do solo, amostras de composto podem ser analisados como fertilizantes orgânicos em Laboratórios credenciados de Solos e Tecidos Vegetais que possam existir da região e no Estado, tem condição e metodologia para fazer análise da composição de nutrientes (em geral, N, Ca, Mg, K, P, S) e de carbono (C) de resíduos orgânicos. 14) Se o objetivo de se fazer compostagem é de produzir um "adubo ou fertilizante orgânico" para comercialização, existem Normas / Legislação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), para o que há necessidade de contatar escritório em sua cidade ou região, e consultar no Website do MAPA (http://www.agricultura.gov.br), buscando por opção sobre "Legislação". Da mesma forma pode ser oportuno fazer consulta em escritório local ou regional do Ministério do Meio Ambiente (MMA) e/ou da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, e mesmo buscar informações também no Website do Ministério do Meio Ambiente (http://www.meioambiente.gov.br), buscando por opção sobre "Legislação". 15) No Brasil também existe a ABISOLO - Associação das Indústrias de Fertilizantes Orgânicos, Organominerais, Biofertilizantes, Adubos Foliares, Substratos e Condicionadores de Solos – que é uma Entidade fundada no dia 24 de Outubro de 2003 para congregar e representar as demandas das Empresas Produtoras desses importantes insumos agrícolas. Informações podem ser obtidas em seu Website - http://www.abisolo.com.br. A ABISOLO tem promovido fórum de discussões buscando organizar este setor, bem como promover maior integração com o MAPA, além de buscar organizar e disponibilizar informações e padrões para melhorar os empreendimentos neste setor. Também poderá encontrar na página deles indicações de laboratórios para análise de adubos orgânicos e compostos.
  • 10. 10 Resumindo algumas considerações que devem ser observadas para que se faça um composto de boa qualidade: Quanto ao planejamento 1. Culturas a serem beneficiadas 2. Disponibilidade de resíduos orgânicos 3. Quantidade do composto a produzir 4. Coleta e armazenamento de resíduos 5. Época do ano (seca ou chuvosa) 6. Periodicidade de uso do composto 7. Transporte dos resíduos 8. Transporte do composto 9. Local em que será feito o composto 10. Disponibilidade de água 11. Declividade do terreno 12. Drenagem do terreno Quanto ao manejo 1. Montagem da pilha o mais rapidamente possível 2. Uso principalmente de materiais orgânicos 3. Mistura intensiva dos ingredientes 4. Manutenção da umidade adequada da pilha (entre 40 e 60 %) 5. Execução da pilha no formato e dimensões apropriados (em geral 1,5 m de altura, 2,0 m de largura, comprimento variável) 6. Reviramento 7. Cobertura da pilha quando necessário 8. Não compactação da pilha 9. Uso de resíduos de tamanho pequeno 10. Possibilidade da entrada de ar na pilha Quanto ao uso 1. A eficiência dos fertilizantes químicos pode ser aumentada quando usados em composto. 2. A aplicação do composto ao solo logo que estiver pronto evita possíveis perdas de nutrientes quando exposto a chuvas intensas. 3. Não deve ser realizada incorporação do composto a profundidades maiores que 10 cm. 4. A aplicação do composto produzido deve ser em quantidades proporcionais à área a ser cultivada. 5. Deve-se aplicar o composto sempre que possível, pois seu efeito no solo é cumulativo e se expressa com maior intensidade ao longo do tempo. 6. Deve-se sempre ter em mente que o húmus no solo não é estático, mas atua dinamicamente nos elementos que sustentam uma agricultura produtiva, sadia e rentável.
  • 11. 11 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ABREU, C. H., Jr.; MURAOKA, T.; OLIVEIRA, F. C. Cátions trocáveis, capacidade de troca de cátions e saturação por bases em solos brasileiros adubados com composto de lixo urbano. Scientia Agricola, Piracicaba, v. 58, n. 4, p. 813-824, 2001. ALVES, W. L.; PASSONI, A. A. Composto e vermicomposto de lixo urbano na produção de mudas de oiti (Licania tomentosa (Benth)) para arborização. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 32, n. 10, p. 1053-1058, 1997. BENGTSON, G. W.; CORNETTE, J. J. Disposal of composted municipal waste in a young plantation of slash pine: effects on soil and trees. Journal of Environmental Quality, v. 2, n. 4, p. 441-444, 1973. BORGES, W. L.; PASSOS, S. R.; ALMEIDA, A. M.; PEIXOTO, R. T. dos G.; RUMJANEK, N. G.; XAVIER, G. R. Efeito da aplicação de rochas silicáticas sobre a comunidade microbiana durante o processo de compostagem. Espaço & Geografia, v.9, n.2, p.33-51, 2006. BOULTER-BITZER, J. I.; TREVORS, J. T.; BOLAND, G. J. A polyphasic approach for assessing maturity and stability in compost intended for suppression of plant pathogens. Applied Soil Ecology, v. 34, p. 65–81, 2006. COLEMAN, D.C.; OADES, J.M.; UEHARA, G. (ed.). Dynamics of soil organic matter in tropical ecosystems. Honolulu: University of Hawaii, NifTAL Project, 1989. 249 p. COUTO, J.R.; RESENDE. F.V.; SOUZA, R.B. SAMINEZ, T.C.O. Instruções práticas para produção de composto orgânico em pequenas propriedades. Seropédica: Embrapa Agrobiologia. Boletim de pesquisa e desenvolvimento. 2008. 8p. GIORDANO, P. M.; MORTVEDT, J. J.; MAYS, D. A. Effect of municipal wastes on 46 crop yields and uptake of heavy metals. Journal of Environmental Quality, v. 4, n. 3, p. 394-399, 1975. GUERRA, J. G. M.; ALMEIDA, D. L. de. Efeito de níveis de composto de resíduos urbanos e calcário na correção da acidez do solo. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO, 19., 1983, Curitiba. Anais ... Curitiba: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 1983. p.39. HOITINK, H.; BOEHM, M. J. Biocontrol within the context of soil microbial communities: a substrate-dependent phenomenon. Annual Review Phytopathology, v. 37, p. 427-446, 1999. HORTENSTINE, C. C.; ROTHWELL, D. F. Pelletized municipal refuse compost as a soil amendment and nutrient source for sorghum. Journal of Environmental Quality, v. 2, n. 3, p. 343-345, 1973. HOWARD, A. An agricultural testament. 2 ed. London, Oxford University Press, 1947. 253p. KIEHL, E. J. (1998). Manual de Compostagem: maturação e qualidade do composto. Piracicaba, editado pelo autor (Av. Brasil, 910. CEP: 13.416-530, Piracicaba, SP. Tel. (19) 422- 5419). 171p. LEAL, M. A. de A.; GUERRA, J. G. M.; PEIXOTO, R. T. dos G., ALMEIDA, D. L. De. Utilização de compostos obtidos com palhada de Napier e Crotalária, como substratos para a produção de mudas de alface, beterraba e tomate. Revista Brasileira de Horticultura Ornamental, 2007. MAZUR, N. Efeito do composto de resíduo urbano no pH e disponibilidade de fósforo. 1981. 81 p. Dissertação (Mestrado em Ciência do Solo). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Itaguaí, 1981. PARROTT, N.; MARSDEN, T. The real green revolution – organic and agroecological farming in the South. London: Greenpeace Environmental Trust, 2002. 147 p.
  • 12. 12 PEIXOTO, R. T. dos G. Compostagem: solução correta para o meio ambiente. Revista Cavalos. São Paulo (SP), p.13 - 15, 2007. PEIXOTO, R. T. dos G. Compostagem: princípios, práticas e perspectivas em sistemas orgânicos de produção In: Agroecologia: Princípios e Técnicas para uma Agricultura Orgânica Sustentável. 1 ed. Brasília, DF : Embrapa Informação Tecnológica, 2005a, p. 387-422. PEIXOTO, R. T. dos G. Potencial do uso de resíduos de leguminosas substituindo esterco em compostagem. In: III CONGRESSO BRASILEIRO DE AGROECOLOGIA, 2005, Florianópolis (SC). Anais ... Florianópolis, SC : UFSC, CD-ROM, 2005 b. PEIXOTO, R. T. dos G. Preparo do Composto. Horticultura Brasileira, v.18, p.56 - 64, 2000. PEIXOTO, R. T. dos G. Manejo orgânico da fertilidade do solo no sistema de plantio direto. In: PEIXOTO, R. T. dos G.; AHRENS, D. C.; SAMAHA, M. J. (Org.). Plantio direto: o caminho para uma agricultura sustentável. Ponta Grossa: IAPAR, 1997a. p. 186-205. PEIXOTO, R. T. dos G. Matéria orgânica e a dinâmica das cargas elétricas dos solos: processos e conseqüências. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO, 26., 1997, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: EMBRAPA-CNPS/SBCS, 1997b. Comissão 2. Palestra. 32 p. CD-ROMPEIXOTO, R. T. dos G. Matéria orgânica: frações e transformações no solo. In: SÁ, J. C. de M. (Org.). Curso sobre Manejo do Solo no Sistema Plantio Direto. Castro: Fundação ABC, 1996. p. 140-159. PEIXOTO, R. T. dos G.; ALMEIDA, D. L. de; FRANCO, A. A.. Adição de fosfatos na compostagem de lixo urbano e disponibilidade residual de fósforo em sorgo forrageiro. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 24, n. 5, p. 587-592, 1989a. PEIXOTO, R. T. dos G.; ALMEIDA, D. L. de; FRANCO, A. A. Compostagem de lixo urbano com adição de diferentes fontes de fósforo. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 24, n. 5, p. 599-606, 1989b. PEIXOTO, R. T. dos G. Compostagem: opção para o manejo orgânico do solo. Londrina, PR: IAPAR, 1988. p. 48. PEIXOTO, R. T. dos G.; FRANCO, A. A.; ALMEIDA, D. L. de. Efeito do lixo urbano compostado com fosfato natural na nodulação, crescimento e absorção de fósforo em feijoeiro. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 22, n. 11/12, p. 1117-1132, 1987. PEREIRA, E. B.; CARDOSO, A. A.; VIEIRA, C.; LOURES, E. G. Efeitos do composto orgânico sobre a cultura do feijão. Revista Ceres, Viçosa, v. 35, n. 198, p. 182-198, 1988. SAID-PULLICINO, D.; ERRIQUENS, F. G.; GIGLIOTTI, G. Changes in the chemical characteristics of water-extractable organic matter during composting and their influence on compost stability and maturity. Bioresource Technology, v. 98, p. 1822–1831, 2007. SANTOS, R. H. S.; SILVA, F. da; CASALI, V. W. D.; CONDE, A. R. Efeito residual da adubação com composto orgânico sobre o crescimento e produção de alface. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 36, n. 11, p. 1395-1398, 2001. SOUZA, J. L. de. Agricultura orgânica: tecnologias para a produção de alimentos saudáveis. Vitória: Empresa Capixaba de Pesquisa Agropecuária, 1998. v. 1. 176 p. TANNER, J. C.; HOLDEN, S. J.; OWEN, E.; WINUGROHO, M.; GILL, M. Livestock sustaining intensive smallholder crop production through traditional feeding practices for generating high quality manure-compost in upland Java. Agriculture, Ecosystems and Environment, v. 84, p. 21-30, 2001. TERMAN, G. L.; SOILEAU, J. M.; ALLEN, S. E. Municipal waste compost: effects on crop yields and nutrient content in greenhouse pot experiment. Journal of Environmental Quality, v. 2, n. 1, p. 84-89, 1973.