SlideShare uma empresa Scribd logo
CONCLUSÃO
O novo nascimento é o início da vida com Deus. A nova vida recebida de
Deus precisa ser desenvolvida. Recebemos a salvação pela graça de
Deus. A vida cristã também só pode ser vivida pela graça de Deus.
Deus já providenciou tudo para que possamos ter vitória. Então se ape-
gue a Palavra, ore sempre e por todas as coisas, confesse diariamente
seus pecados ao Senhor e confie na ajuda do Espírito Santo!
Adaptado do material de discipulado A NOVA VIDA EM CRISTO—
JUERP e da apostila de discipulado KERIGMA- Miss. Mirtes Elaine Fer-
reira dos Santos, para uso no Projeto Colheita - na campanha
O DIA DA COLHEITA
DISCIPULADO PARA OS NOVOS
CONVERTIDOS
Seis lições práticas para fundamentar e alicerçar
os novos convertidos
O que eram
(Velha Natureza)
O que passaram a ser
(Nova Natureza)
I Coríntios 6:9 e 10
Injustos, impuros, idólatras, adúl-
teros, efeminados, sodomitas, la-
drões, avarentos, bêbados, maldi-
zentes e roubadores,
Obs.: Tais pessoas não podem en-
trar no reino de Deus.
I Coríntios 6:11
Foram lavados, foram santifica-
dos, foram justificados.
Nota: É Deus quem produz a
transformação por causa do Seu
grande amor. Isso é feito median-
te o poder de Jesus Cristo. O san-
gue de Jesus é suficiente para
nos limpar de toda sujeira e mal-
dade.
Efésios 4:25-5:4
Aquele que Mentia
O que se ira
Quem furtava
O que falava palavras imorais
Em lugar da amargura, cólera, gri-
taria, blasfêmia, chocarrices
Efésios 4:25-5:4
Fale a verdade
Perdoe
Trabalhe
Fale Palavras de edificação e gra-
ça
Sede compassivos, perdoadores e
benignos
Tito 3:3
Néscios, desobedientes, desgar-
rados, escravos de toda sorte de
paixões e prazeres.
Tito 3:4 - 7
Pela bondade de Deus passaram a
ser:
Salvos (regenerados), justificados
(declarados justos pela graça de
Deus), herdeiros de Deus
(receberam a vida eterna)
QUADRO COMPARATIVO DA TRANSFORMAÇÃO OPERADA
PELO ESPÍRITO NO HOMEM QUE NACEU DE NOVO
De que lado está?
 Insensíveis à voz de Deus (v. 19)
 Este é o perfil de quem vive sob o domínio do velho homem,
domínio da carne, onde a sua natureza pecaminosa é o re-
flexo de seu distanciamento de Deus.
b) Conseqüências
 Leva à morte (Rm 8:5-8,13)
 Reproduz as obras da carne (Gl 5:19-21)
 Escraviza o homem tirando-lhe as forças para vencer o peca-
do (Rm 7:14-20)
c) Libertação
Quando aceitamos a Jesus somos libertos do jugo da carne. Mor-
remos para o pecado nascemos para Deus. Temos a liberdade e o po-
der para iniciarmos uma nova vida (2 Co 5:17; Rm 8:9-11).
2. NOVA NATUREZA (2 Co 5:17)
Somos novas criaturas; não estamos mais debaixo da lei, e sim da gra-
ça (Rm 6:14, 12:1-2), por isso, precisamos produzir o fruto do Espírito
e não as obras da carne (Gl 5.21,22). Esta transformação deve ser
consciente e fruto de nossa decisão de viver para a gloria de Deus. Es-
te processo de transformação é identificado em Efésios 4:23,24 como
uma troca de roupas. Tirar as roupas do velho homem e vestir-se com
os trajes do novo homem em Cristo.
Observe no quadro ao lado a transformação que é pro-
duzida pela nova natureza
Estudo 1 ‑ Convicção de Salvação
Como saber se estou salvo de fato?
Esta é uma dúvida comum daquele que recebeu ao Senhor Jesus como
seu Salvador.
O que a Bíblia diz e que pode ajudar a ter a certeza da Salvação.
I – O QUE É PRECISO PARA QUE ALGUÉM SEJA SALVO
a) Arrependimento ‑ Atos 20:21
Todos os pecadores precisam de arrependimento - Romanos 3:23
b) Fé em Jesus Cristo – João 5. 24
A fé não deve ser colocada em coisas, religião, obras, sentimentos,
pessoas, méritos próprios, etc., mas em Cristo, pois :
Jesus levou na cruz todos os nossos pecados ‑ I Pedro 2:24
Ele é o caminho para o Pai – Jo 14.6
Ele é o único que pode fazer a mediação entre Deu e o homens ‑ I
Timóteo 2:5
É o único nome com autoridade para salvar – Ato 4.1
c) Confissão – Rm 10.9,10
A Palavra de Deus no ensina que é necessário confessarmos com
nossa boca a fé em Cristo. Com esta confissão quebramos todo o pac-
to com o passado, não importando de que crença tenhamos vindo, quais
práticas de vida tenhamos experimentado antes , ou quão duro tenha-
mos sido ao evangelho. Ao confessarmos a Cristo nascemos de no-
vo. Tudo o que vivemos anteriormente fica no passado, e podemos re-
construir uma nova história.
Ao confessarmos a Cristo reconhecemos, também, que não é por
nosso mérito, por termos feito o bem ou termos um comportamento
digno, eu alcançamos a salvação, mas por que Jesus morreu por nós e
pagou o preço de nosso pecado. Reconhecemos que ele morreu por nós,
mas que não permaneceu morto, ele ressuscitou, conquistando o poder
de ser o nosso Salvador.
d) Entregar a vida a Jesus Cristo ‑ João 1:12
É Deus quem nos dá a salvação inteiramente de graça. Somos sal-
vos pela bondade e misericórdia de Deus, sem qualquer mérito de nossa
parte (Efésios 2:8 e 9; Tito 3:4-7). Ao reconhecer que sem Jesus es-
tamos perdidos e nos arrependermos dos pecados, pela fé, através de
uma oração, entregamos totalmente a vida a Jesus Cristo. Este é um
ato de rendição, aceitando-o como nosso rei, governador, Senhor!
É neste momento que selamos com ele um relacionamento de com-
promisso. Ele será o nosso Deus e nós seremos o seu povo. Ele será
nosso Senhor, e nós o obedeceremos. Não é religião, é relacionamento,
vida com Deus. A partir de então buscaremos nele a orientação para a
decisões que tivermos que tomar, oraremos em relação a tudo, pois so-
mos dele e tudo o eu fizermos deverá ser para a glória dele.
II - Podemos afirmar que temos a vida eterna pelas seguintes ra-
zões
A Bíblia apresenta a vida eterna como algo eu recebemos no pre-
sente, e eu desfrutaremos por toda a eternidade. Leia cuidado-
samente os versículos abaixo e observe em que tempo está o
verbo: Estar e Ter.
João 3:18___________________
João 5:24___________________
I João 5:12__________________
O Espírito Santo confirma isso
O Espírito Santo testifica com o nosso espírito - Romanos 8:16
Somos selados com o Espírito Santo - Efésios 1:13 e 14
O Espírito Santo nos foi doado - I João 4:13 e 14
CONCLUSÃO
Deus não nos salva para vivermos uma vida inativa e infrutífera
(João 15:16). Comece desde já a servir. Estude a Palavra de Deus. Fale
com outras pessoas que você é uma nova criatura em Cristo Jesus. Reú-
na-se com seus irmãos para adorar a Deus, estudar a Bíblia e viver em
comunhão.
Estudo 5 – Nova Vida Em Cristo
Ao receber a Jesus como nosso salvador e Senhor e receber o
Espírito Santo como nosso ajudador estamos prontos para viver uma
nova vida. Não deixamos de ser quem somos. Temos nome e uma his-
tória de vida. A diferença está em que podemos iniciar uma mudança
radical em nosso comportamento e podemos reiniciar uma nova histó-
ria de vida, que será demarcada como "antes e depois de minha con-
versão ao Senhor Jesus. Esta mudança é operada pelo Espírito Santo.
Nós a percebemos, mas não sabemos explica-la.
Há mudanças que se operam sem que façamos qualquer esforço
para que ela ocorra, outras, porém, o Espírito nos toca para que bus-
quemos a mudança, nos permitindo interagir com Ele. Nem sempre é
fácil, mas se realmente desejamos viver de maneira a agradarmos ao
Senhor Jesus, venceremos.
A VELHA E A NOVA NATUREZA
Natureza refere-se a inclinação de nosso coração e de nossa
vontade. refere-se ao que domina nossas decisões . Tem a ver com
caráter, personalidade e temperamento. é o que dirige a forma como
construímos nossa história diária.
A Bíblia denomina esta natureza como VELHO HOMEM (Ef
4:22) e NOVO HOMEM(Ef 4:24). O primeiro é aquele que ainda está
sobre o domínio do pecado, escravizado pela natureza pecaminosa.
Este anda não recebeu o Senhor Jesus como Salvador e Senhor. O
segundo teve a sua natureza regenerada, ou seja, nasceu de novo. Foi
restaurado e renovado pela ação de Jesus e do Espírito Santo. Este
está sob o domínio da graça e não do pecado. Observe a diferença
entre estas naturezas como segue abaixo:
NATUREZA PECAMINOSA (Velho Homem) (Ef 4:17-24)
a) Perfil
 Anda de acordo com os próprios pensamentos (v. 17)
 Cegos à vontade de Deus (v. 18)
 Alheios a Deus por causa da dureza de seus corações (v. 18)
Para Pensar: O enchimento do Espírito não é uma experiência
única e suficiente para toda a vida. A Bíblia nos diz que, através de
nossos pecados não confessados e uma vida errada diante de Deus nós
podemos apagar e entristecer o Espírito dentro de nós. Por isso é ne-
cessário que estejamos dia a dia analisando a nossa vida, confessando
os nossos pecados (I Jo. 1:9; Hb. 10:1‑25) para que o Espírito reassuma
o controle de nossas vidas (I Jo. 5:14; Ef. 5:18).
CONCLUSÃO
Se você é nascido de novo e já se apropriou da vida de vitória e perdão
que Jesus te oferece você tem tudo para ser cheio do Espírito. Ore diaria-
mente buscando este enchimento e vença as tentações da carne a cada dia.
Deixe que o Espírito brilhe cada vez mais forte em você!
Estudo 2 – A Bíblia Sagrada
A Bíblia é a Palavra de Deus, por isso mesmo é a única regra de fé e
prática daqueles que aceitaram ao Senhor Jesus como seu Salvador e Se-
nhor.
Ela foi escrita por cerca de 40 autores, num período de mais ou menos 1500.
Literalmente a palavra Bíblia significa “livros”. Outros nomes importantes
usados para a Bíblia são: Escrituras (Jo 5:39) e Palavra de Deus (Ef 6:17).
1. Divisão
A Bíblia está dividida em duas partes: Antigo e Novo Testamento.
A palavra testamento tem aqui o sentido de aliança.
O Antigo Testamento trata da aliança de Deus com a Nação de Israel,
sua formação, o crescimento da nação, a conquista da terra de Canaã (a Pa-
lestina) e todos os fatos referentes a saída e ao retorno de Israel para Ca-
naã. Além disto, contém mensagens dos profetas que se referem tanto àque-
le tempo, quanto ao futuro.
O Novo Testamento trata da aliança de Deus com a Igreja, desde o
nascimento de Cristo até a revelação do Apocalipse, que apresenta os acon-
tecimentos dos últimos dias, o ui nó vivemos agora e irão até a segunda vinda
de Jesus.
O Antigo Testamento contém 39 livros e o Novo Testamento 27. Ao
todo são 66 livros que ficam assim divididos:
2, Características da Bíblia
 É perfeita: Salmo 19:7; Ap 22:18,19
 É fiel – Salmo 19:7
 É reta – Salmo 19:8
 É pura – Salmo 19:8
 É verdadeira: Salmo 19:9; Jo 17:17
 É viva: Hb 4:12
Para treinar: Encontre no Salmo 19:7-10 os resultados da Palavra de
Deus na vida daquele que a busca e lê.
Exemplo:
Versículo 7: restaura a alma e dá sabedoria...
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
3. Objetivos da Bíblia
Gerar santidade no homem – João 17:17
Apresentar Jesus à humanidade – João 5:38,39, 2 Timóteo 3:16
Ensinar, repreender, corrigir – 2 Timóteo 3:16
Educar na justiça - 2 Timóteo 3:16
4. A Bíblia em noa vida diária
Ilumina o caminho (Sl 119:105; 2 Tm 3:15-17)
Nos ajuda a vencer o pecado (Sl 119:11)
É alimento espiritual para ávida cristã (1 Pe 2:2; Mt 4:4; 1 Co 3:2; Hb
5: 12-13)
É nossa arma na batalha espiritual (Ef 6:17; 2 Co 10:4,5)
5. Inspiração
O termo inspiração aplicado à Bíblia lembra-nos que Deus orien-
tou seus escritores para que escrevessem de forma clara e completa
para que a revelação fosse entendida e aplicada a cada geração e a
todas as nações do mundo.
Aceitamos a inspiração Bíblica com base nos seguintes textos: 2
Timóteo 3:16; 2 Pedro 1:20,21; 1 João 5:9; 1 Tessalonicenses 2:13.
As próprias Escrituras apresentam-se como sendo o Espírito
Santo falando por meio de homens: Atos 1:16; 28:25; Salmo 95 (cf
Hebreus 3:7); Hebreus 9:8; Jeremias 31:33 (cf Hebreus 10:15).
Para que isto possa acontecer Paulo diz no versículo 18 o que deve
dominar a nossa vida, mente e coração: O Espírito Santo. Ele diz:
"não vos embriagueis com o vinho... mas enchei-vos do Espírito"
Ser cheio do Espírito significa ser dirigido e fortalecido pelo
próprio Espírito. Deixar que ele direcione o nosso comportamento. É
tornar‑se cada vez mais semelhante a Jesus (Ef. 4:12‑15; 5:18). Ser
cheio do Espírito Santo é viver na completa dependência do próprio
Cristo.
4. Porque há tão poucos crentes cheios do Espírito
A Bíblia fala sobre três tipos de pessoas que existem hoje:
A) Homem Natural:
É aquele que nunca recebeu a Cristo. É seu ego que controla sua vida.
Aí não há espaço para Jesus (I Co. 2:14);
B) Homem Carnal:
É aquele que já recebeu a Jesus, porém, não permite que Este con-
trole sua vida, a dirija e fortaleça (I Co. 3:1‑17);
C) Homem Espiritual:
É aquele que já recebeu a Jesus e lhe entregou o controle total de
sua vida (I Co. 2:15 e 16).
O fato é que no meio do povo de Deus há muitos cristãos car-
nais. Para que sejamos crentes cheios do Espírito é necessário que
deixamos de lado o nosso eu, considerando tudo menos importante do
que Cristo (Fp. 3:2‑11) e deixar que Cristo viva em nós (Gl. 2:19 e 20).
5. Como podemos ser cheios do Espírito Santo
Quando falamos em ser cheio do Espírito Santo não nos referi-
mos a uma experiência sobrenatural de falar em outras línguas ou re-
ceber dons de revelação, operação de milagres, profecia, etc. Esta-
mos falando, sim, do cumprimento de uma ordem (Ef. 5:18) que exige
a decisão consciente de mudança diária da vida através da vitória
contra a carne (Gl. 5:16‑26).
Todos podemos ser cheios do Espírito se com coração puro e
sincero, diante de Deus, buscarmos a cada dia este enchimento.
Estudo 4 ‑ O Espírito Santo- Nosso Ajudador
Somos salvos quando nos arrependemos dos pecados e, pela fé, nos
entregamos a Jesus Cristo. Passamos, então, a ter uma nova vida. Quan-
do isto acontece o Espírito Santo passa a habitar em nós. Nos tornamos
santuários de Deus (I Co. 3:16). Neste estudo iremos conhecer um pouco
mais a respeito do Espírito Santo e como Ele age em nós.
1. Quem é o Espírito Santo
É uma pessoa assim como o Pai e o Filho (Jo. 14:16);
É Deus assim como o Pai e o Filho (At. 5:3‑4).
2. Atuações do Espírito Santo
É o Espírito Santo que ajuda o homem em todas as suas necessidades
espirituais. Observe:
a) Convence os homens do pecado da justiça e do juízo (Jo. 16:8‑11);
b) Regenera os homens (Jo. 3:5);
c) Sela cada crente em Cristo (Ef. 1:13; 4:30);
d) É o penhor da herança que todo o crente receberá (Ef. 1:14; II Co.
5:5);
e) Habita em toda pessoa nascida de novo (I Co. 3:16; Jo. 14:16);
f) Guia todo o crente a verdade (Rm. 8:14; Jo. 16:13);
g) Ensina‑nos todas as coisas (Jo. 14:26);
h) Concede poder a todo cristão para viver vitoriosamente e testemu-
nhar de Cristo (Gl. 5:16; At. 1:8);
i )Concede dons aos crentes (I Co. 12:11);
j) Testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus (Rm. 8:16).
3. Devemos ser cheios do Espírito Santo
Ao iniciar uma nova vida em Cristo nos sentimos, muitas vezes con-
fusos e não sabemos o que devemos fazer. Em Efésios 5.1 lemos que de-
vemos nos tornar imitadores de Deus como filhos amados. Na sequência
dos versículos o apóstolo Paulo nos orienta a mostrar um comportamento
diferente do que têm os que andam nas trevas, pois temos a luz de Cris-
to e somos, nós mesmos, luz neste mundo.
CONCLUSÃO
A Bíblia é a Palavra de Deus. Embora tenha sido escrita por 40
homens diferentes uns dos outros e sendo eles de épocas diferentes,
sua mensagem não se contradiz, há unidade entre os assuntos e os
autores. Há unidade de pensamento e continuidade na mensagem (a
narração bíblica vai desde a criação de todas as coisas e a queda da
humanidade (Gênesis) passa pelo cumprimento da promessa de res-
tauração do homem caído (Evangelhos) vai até a segunda vinda de
Jesus (Apocalipse). Ela sobreviveu aos séculos e a todos os ataques
que sofreu na história. Ela nunca deixou de ser atual. Nunca passou
nem passará (Mt 24:35).
Estudo 3 – Crescimento Espiritual
Quando recebemos Jesus somos como crianças recém nascidas.
Precisamos nos desenvolver, crescer, aprender a falar, andar, etc. É
isto que veremos hoje, como podemos desenvolver a nossa salvação?
Há três auxílios permanentes ao nosso crescimento espiritual.
Estes irão valer para toda a vida. Sem este auxílio ficaremos fracos e
poderemos até desistir em nossa caminhada cristã:
1. Leitura Bíblica
Estudar a Bíblia não deve ser para nós apenas uma tarefa aca-
dêmica. Deve ter o objetivo de nos conduzir à comunhão e encontro
com Deus. Devemos nos aproximar da Palavra de Deus como quem tem
sede e fome, sabendo que Ela nos saciará.
Muitos dizem não compreender a Escritura. Para isto Deus nos
deu o Espírito Santo. Com ele é mai fácil entender. Há muitos fatos
históricos na Bíblia eu precisaremos de ajuda para entender. A Escola
Dominical é uma apoio e tanto neste entendimento. Toda a dúvida que
tivermos poderão ser, também, anotadas e levadas ao pastor ou con-
selheiro para orientação. Quanto mais lermos, mais fácil será para
entendermos. Crie um hábito de leitura Bíblica. Comece pelos evange-
lhos de Mateus, Marcos, Lucas e João, Depois leia a carta de 1 João.
Assim você vai começar a e familiarizar com o texto bíblico e enten-
derá mais fácil.
Além da Bíblia é bom que tenhamos um caderno de anotações
para este estudo, a fim de anotarmos respostas, pensamentos, con-
clusões e dúvidas que apareçam. O tempo diário de estudo e medita-
ção deve ser de no mínimo 15 minutos.
2. Oração
A oração é a nossa comunicação com Deus. É um diálogo entre
duas pessoas que se amam: Deus e o homem. A oração é um dos gran-
des privilégios do cristão e uma experiência sem igual. Nos leva ao
vigor espiritual e vitória sobre as dificuldades e tentações; à obten-
ção de respostas e glorificação a Deus, além de nos conduzir à comu-
nhão cada vez maior com o Pai.
Devemos:
 Orar a respeito de tudo (Fp. 4:6 e 7);
 Orar continuamente e com perseverança (I Ts. 5:17; Lc. 11:5‑8
e 18:1‑8);
 Orar com sinceridade (Mt. 6:5‑8);
 Orar em Nome de Jesus (Jo. 14:13 e 14 e 16:23 e 24
 Orar com fé - A Bíblia nos diz que tudo que pedirmos a Deus em
Nome de Jesus, Ele fará.(Mt.7:7‑12; Lc. 14: 13 e 14).
A Bíblia nos apresenta também alguns obstáculos à oração.
Orar sem fé (Tg. 1:5‑8); Orar por motivos errados (Tg. 4:3; I Jo. 5-
5:14 e 15); Orar sem confessar o pecados (Sl. 66:18; Pv. 28:13);
3. Obediência
A chave para o crescimento espiritual é a obediência completa e
espontânea a vontade de Deus. Apenas conhecer os princípios para o
crescimento e não os aplicar a vida de nada vale. A Bíblia diz que obe-
decer é melhor do que sacrificar (ISm. 15:22). Muita religiões ensinam
que só através de sacrifícios e oferendas poderemos agradar a Deus,
porém, não ensssinam a obediência aos princípios da Palavra de Deus e
vivem segundo seus próprios interesses. Deus não recebe este sacrifí-
cio. O Salmo 51.17 diz que “Sacrifícios agradáveis a Deus são o espíri-
to quebrantado; coração compungido e contrito, não o desprezarás, ó
Deus.” O que Deus quer um coração disposto a obedecer, quebrantado,
o sacrifício e a oferenda Jesus já fez por nós na cruz!
Através da obediência você pode:
a) Provar o seu amor a Deus (Jo.14:21);
b) Permanecer no amor de Jesus (Jo. 15:16);
c) Fundamentar a sua vida sobre um alicerce firme (Lc. 6:46 ‑ 49).
CONCLUSÃO
Você deve escolher uma hora do dia em que possa fazer a sua ho-
ra devocional, ou seja, ler a Bíblia, orar e meditar sobre o que você a-
prendeu e deve praticar. Separe este tempo e cumpra-o. Isto te levará
a um desenvolvimento sadio e rápido de sua vida espiritual.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bases bíblicas para o exercício do discipulado
Bases bíblicas para o exercício do discipuladoBases bíblicas para o exercício do discipulado
Bases bíblicas para o exercício do discipulado
Joary Jossué Carlesso
 
Treinamento MDA - Eu Escolhi Discipular
Treinamento MDA - Eu Escolhi DiscipularTreinamento MDA - Eu Escolhi Discipular
Treinamento MDA - Eu Escolhi Discipular
revolucaoaje
 
A função e desafios do superintendente e do professor da EBD
A função e desafios do superintendente e do professor da EBDA função e desafios do superintendente e do professor da EBD
A função e desafios do superintendente e do professor da EBD
R Gómez
 
Manual de Discipulador
Manual de DiscipuladorManual de Discipulador
Manual de Discipulador
Christian Lepelletier
 
Como atrair novos membros para a célula
Como atrair novos membros para a célulaComo atrair novos membros para a célula
Como atrair novos membros para a célula
Francisco Teófilo da Silva
 
Disciplina de Liderança
Disciplina de LiderançaDisciplina de Liderança
Disciplina de Liderança
faculdadeteologica
 
Seminário discipulado um a um
Seminário discipulado um a umSeminário discipulado um a um
Seminário discipulado um a um
Wágner Rocha Pereira
 
Integração - conduzindo as pessoas ao discipulado
Integração - conduzindo as pessoas ao discipuladoIntegração - conduzindo as pessoas ao discipulado
Integração - conduzindo as pessoas ao discipulado
Joary Jossué Carlesso
 
Discipulado na Prática
Discipulado na PráticaDiscipulado na Prática
Discipulado na Prática
Narlea Walkyse
 
Maturidade e crescimento espiritual
Maturidade e crescimento espiritualMaturidade e crescimento espiritual
Maturidade e crescimento espiritual
mgno42
 
AS BASES DO DISCIPULADO - EBO CURITIBA 2015
AS BASES DO DISCIPULADO - EBO CURITIBA 2015AS BASES DO DISCIPULADO - EBO CURITIBA 2015
AS BASES DO DISCIPULADO - EBO CURITIBA 2015
Joary Jossué Carlesso
 
Estudo para liderança
Estudo para liderançaEstudo para liderança
Estudo para liderança
Ivo Souza
 
O papel da igreja
O  papel    da   igrejaO  papel    da   igreja
O papel da igreja
Marcos De Oliveira Leite
 
Postila para igreja em células
Postila para igreja em célulasPostila para igreja em células
Postila para igreja em células
Joao Rumpel
 
Os benefícios do discipulado em casa
Os benefícios do discipulado em casaOs benefícios do discipulado em casa
Os benefícios do discipulado em casa
Joary Jossué Carlesso
 
Métodos para estudos bíblicos
Métodos para estudos bíblicosMétodos para estudos bíblicos
Métodos para estudos bíblicos
Mateus Silva
 
A importância do discipulado
A importância do discipuladoA importância do discipulado
A importância do discipulado
Ruy Naziazeno
 
Lição 11 Mormonismo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Religiosidad...
Lição 11   Mormonismo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Religiosidad...Lição 11   Mormonismo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Religiosidad...
Lição 11 Mormonismo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Religiosidad...
Sergio Silva
 
Palestra maturidade cristã
Palestra   maturidade cristãPalestra   maturidade cristã
Palestra maturidade cristã
Junior Cesar Santiago
 
A excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominicalA excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominical
Filipe Rhuan
 

Mais procurados (20)

Bases bíblicas para o exercício do discipulado
Bases bíblicas para o exercício do discipuladoBases bíblicas para o exercício do discipulado
Bases bíblicas para o exercício do discipulado
 
Treinamento MDA - Eu Escolhi Discipular
Treinamento MDA - Eu Escolhi DiscipularTreinamento MDA - Eu Escolhi Discipular
Treinamento MDA - Eu Escolhi Discipular
 
A função e desafios do superintendente e do professor da EBD
A função e desafios do superintendente e do professor da EBDA função e desafios do superintendente e do professor da EBD
A função e desafios do superintendente e do professor da EBD
 
Manual de Discipulador
Manual de DiscipuladorManual de Discipulador
Manual de Discipulador
 
Como atrair novos membros para a célula
Como atrair novos membros para a célulaComo atrair novos membros para a célula
Como atrair novos membros para a célula
 
Disciplina de Liderança
Disciplina de LiderançaDisciplina de Liderança
Disciplina de Liderança
 
Seminário discipulado um a um
Seminário discipulado um a umSeminário discipulado um a um
Seminário discipulado um a um
 
Integração - conduzindo as pessoas ao discipulado
Integração - conduzindo as pessoas ao discipuladoIntegração - conduzindo as pessoas ao discipulado
Integração - conduzindo as pessoas ao discipulado
 
Discipulado na Prática
Discipulado na PráticaDiscipulado na Prática
Discipulado na Prática
 
Maturidade e crescimento espiritual
Maturidade e crescimento espiritualMaturidade e crescimento espiritual
Maturidade e crescimento espiritual
 
AS BASES DO DISCIPULADO - EBO CURITIBA 2015
AS BASES DO DISCIPULADO - EBO CURITIBA 2015AS BASES DO DISCIPULADO - EBO CURITIBA 2015
AS BASES DO DISCIPULADO - EBO CURITIBA 2015
 
Estudo para liderança
Estudo para liderançaEstudo para liderança
Estudo para liderança
 
O papel da igreja
O  papel    da   igrejaO  papel    da   igreja
O papel da igreja
 
Postila para igreja em células
Postila para igreja em célulasPostila para igreja em células
Postila para igreja em células
 
Os benefícios do discipulado em casa
Os benefícios do discipulado em casaOs benefícios do discipulado em casa
Os benefícios do discipulado em casa
 
Métodos para estudos bíblicos
Métodos para estudos bíblicosMétodos para estudos bíblicos
Métodos para estudos bíblicos
 
A importância do discipulado
A importância do discipuladoA importância do discipulado
A importância do discipulado
 
Lição 11 Mormonismo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Religiosidad...
Lição 11   Mormonismo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Religiosidad...Lição 11   Mormonismo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Religiosidad...
Lição 11 Mormonismo - 2º Quadrimestre 2012 - EBD - Religiões e Religiosidad...
 
Palestra maturidade cristã
Palestra   maturidade cristãPalestra   maturidade cristã
Palestra maturidade cristã
 
A excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominicalA excelência do professor da escola dominical
A excelência do professor da escola dominical
 

Destaque

18 Valores de JOCUM
18 Valores de JOCUM18 Valores de JOCUM
18 Valores de JOCUM
Marcelo Eduardo
 
Discipulado para Novos Crentes
Discipulado para Novos Crentes  Discipulado para Novos Crentes
Discipulado para Novos Crentes
Eduardo Sales de lima
 
E a vaca foi pro brejo
E a vaca foi pro brejoE a vaca foi pro brejo
E a vaca foi pro brejo
Sidinei Kauer
 
Fazendo DiscíPulo Por Onde Quer Que Eu Ande
Fazendo DiscíPulo Por Onde Quer Que Eu AndeFazendo DiscíPulo Por Onde Quer Que Eu Ande
Fazendo DiscíPulo Por Onde Quer Que Eu Ande
missaojovem
 
Áreas de Influência da Sociedade
Áreas de Influência da SociedadeÁreas de Influência da Sociedade
Áreas de Influência da Sociedade
Marcelo Eduardo
 
Conflitos oriente
Conflitos orienteConflitos oriente
Conflitos oriente
luizmourao23
 
Aula gestão financeira - Aula 01
Aula gestão financeira - Aula 01Aula gestão financeira - Aula 01
Aula gestão financeira - Aula 01
Faculdade Inesul - Londrina
 
Apostila curso discipulado
Apostila curso discipuladoApostila curso discipulado
Apostila curso discipulado
Israelfb72
 
I workshop - Especialidade: Estudos da Bíblia - 1a parte (web)
I workshop - Especialidade: Estudos da Bíblia - 1a parte (web)I workshop - Especialidade: Estudos da Bíblia - 1a parte (web)
I workshop - Especialidade: Estudos da Bíblia - 1a parte (web)
Fórmula do Sucesso
 
Discipulado
DiscipuladoDiscipulado
Discipulado
Tiago de Souza
 
03- A ORIGEM DO DISCIPULADO
03-  A ORIGEM DO DISCIPULADO03-  A ORIGEM DO DISCIPULADO
03- A ORIGEM DO DISCIPULADO
Leonam dos Santos
 
Exercícios de gestão orçamentária e financeira
Exercícios de gestão orçamentária e financeiraExercícios de gestão orçamentária e financeira
Exercícios de gestão orçamentária e financeira
Benedito Hermano Neto
 
Batismo em aguas
Batismo em aguasBatismo em aguas
Batismo em aguas
jonasfreitasdejesus
 
Trindade
TrindadeTrindade
Trindade
Rogerio Sena
 
37 Estudo Panorâmico da Bíblia (Introdução ao Antigo Testamento)
37   Estudo Panorâmico da Bíblia (Introdução ao Antigo Testamento)37   Estudo Panorâmico da Bíblia (Introdução ao Antigo Testamento)
37 Estudo Panorâmico da Bíblia (Introdução ao Antigo Testamento)
Robson Tavares Fernandes
 
02 - JESUS E O DISCIPULADO
02 - JESUS E O DISCIPULADO02 - JESUS E O DISCIPULADO
02 - JESUS E O DISCIPULADO
Leonam dos Santos
 
Jejum e oração
Jejum e oraçãoJejum e oração
Jejum e oração
marcelino025
 
A importância do Discipulado para a Igreja hoje
A importância do Discipulado para a Igreja hojeA importância do Discipulado para a Igreja hoje
A importância do Discipulado para a Igreja hoje
Joary Jossué Carlesso
 
Louvor e adoração
Louvor e adoraçãoLouvor e adoração
Louvor e adoração
igmrecabitas
 
Consequenaias do pecado
Consequenaias do pecadoConsequenaias do pecado
Consequenaias do pecado
Rovanildo Vieira Soares
 

Destaque (20)

18 Valores de JOCUM
18 Valores de JOCUM18 Valores de JOCUM
18 Valores de JOCUM
 
Discipulado para Novos Crentes
Discipulado para Novos Crentes  Discipulado para Novos Crentes
Discipulado para Novos Crentes
 
E a vaca foi pro brejo
E a vaca foi pro brejoE a vaca foi pro brejo
E a vaca foi pro brejo
 
Fazendo DiscíPulo Por Onde Quer Que Eu Ande
Fazendo DiscíPulo Por Onde Quer Que Eu AndeFazendo DiscíPulo Por Onde Quer Que Eu Ande
Fazendo DiscíPulo Por Onde Quer Que Eu Ande
 
Áreas de Influência da Sociedade
Áreas de Influência da SociedadeÁreas de Influência da Sociedade
Áreas de Influência da Sociedade
 
Conflitos oriente
Conflitos orienteConflitos oriente
Conflitos oriente
 
Aula gestão financeira - Aula 01
Aula gestão financeira - Aula 01Aula gestão financeira - Aula 01
Aula gestão financeira - Aula 01
 
Apostila curso discipulado
Apostila curso discipuladoApostila curso discipulado
Apostila curso discipulado
 
I workshop - Especialidade: Estudos da Bíblia - 1a parte (web)
I workshop - Especialidade: Estudos da Bíblia - 1a parte (web)I workshop - Especialidade: Estudos da Bíblia - 1a parte (web)
I workshop - Especialidade: Estudos da Bíblia - 1a parte (web)
 
Discipulado
DiscipuladoDiscipulado
Discipulado
 
03- A ORIGEM DO DISCIPULADO
03-  A ORIGEM DO DISCIPULADO03-  A ORIGEM DO DISCIPULADO
03- A ORIGEM DO DISCIPULADO
 
Exercícios de gestão orçamentária e financeira
Exercícios de gestão orçamentária e financeiraExercícios de gestão orçamentária e financeira
Exercícios de gestão orçamentária e financeira
 
Batismo em aguas
Batismo em aguasBatismo em aguas
Batismo em aguas
 
Trindade
TrindadeTrindade
Trindade
 
37 Estudo Panorâmico da Bíblia (Introdução ao Antigo Testamento)
37   Estudo Panorâmico da Bíblia (Introdução ao Antigo Testamento)37   Estudo Panorâmico da Bíblia (Introdução ao Antigo Testamento)
37 Estudo Panorâmico da Bíblia (Introdução ao Antigo Testamento)
 
02 - JESUS E O DISCIPULADO
02 - JESUS E O DISCIPULADO02 - JESUS E O DISCIPULADO
02 - JESUS E O DISCIPULADO
 
Jejum e oração
Jejum e oraçãoJejum e oração
Jejum e oração
 
A importância do Discipulado para a Igreja hoje
A importância do Discipulado para a Igreja hojeA importância do Discipulado para a Igreja hoje
A importância do Discipulado para a Igreja hoje
 
Louvor e adoração
Louvor e adoraçãoLouvor e adoração
Louvor e adoração
 
Consequenaias do pecado
Consequenaias do pecadoConsequenaias do pecado
Consequenaias do pecado
 

Semelhante a Apostila para Discipulado

Apostila do discipulado encontro das aguas
Apostila do discipulado encontro das aguasApostila do discipulado encontro das aguas
Apostila do discipulado encontro das aguas
Pedro Henrique
 
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra 21.03.2016
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra   21.03.2016Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra   21.03.2016
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra 21.03.2016
Claudio Marcio
 
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteAula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Ricardo Gondim
 
Filipi mensagem
Filipi   mensagemFilipi   mensagem
Filipi mensagem
Filipi Rosálio da Silva
 
Filipi mensagem
Filipi   mensagemFilipi   mensagem
Filipi mensagem
Filipi Rosálio da Silva
 
Filipi mensagem
Filipi   mensagemFilipi   mensagem
Filipi mensagem
Filipi Rosálio da Silva
 
6 .NISTO CREMOS crenças adventistas .pptx
6 .NISTO CREMOS crenças adventistas .pptx6 .NISTO CREMOS crenças adventistas .pptx
6 .NISTO CREMOS crenças adventistas .pptx
rafaeloliveiracv10
 
Discipulado-para-o-batismo-consciente.pdf
Discipulado-para-o-batismo-consciente.pdfDiscipulado-para-o-batismo-consciente.pdf
Discipulado-para-o-batismo-consciente.pdf
JooAlbertoSoaresdaSi
 
A obra da salvacao aula final
A obra da salvacao aula finalA obra da salvacao aula final
A obra da salvacao aula final
Samuel De Lima Santana
 
Apostila-Novos-Convertidos-Assembleia-de-Deus-PDF.docx
Apostila-Novos-Convertidos-Assembleia-de-Deus-PDF.docxApostila-Novos-Convertidos-Assembleia-de-Deus-PDF.docx
Apostila-Novos-Convertidos-Assembleia-de-Deus-PDF.docx
JooAlbertoSoaresdaSi
 
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptxebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
KARINEVONEYVIEIRABAR
 
LIÇÃO 1 - AS OBRAS DA CARNE E O FRUTO DO ESPÍRITO
LIÇÃO 1 - AS OBRAS DA CARNE E O FRUTO DO ESPÍRITOLIÇÃO 1 - AS OBRAS DA CARNE E O FRUTO DO ESPÍRITO
LIÇÃO 1 - AS OBRAS DA CARNE E O FRUTO DO ESPÍRITO
Lourinaldo Serafim
 
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptxebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
KARINEVONEYVIEIRABAR
 
Lição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Lição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutíferoLição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Lição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Éder Tomé
 
Oração e santidade! mateus 6.9
Oração e santidade!  mateus 6.9Oração e santidade!  mateus 6.9
Oração e santidade! mateus 6.9
Joel Manhaes
 
9 MARCAS DE UMA IGREJA SAUDÁVEL ESTUDO SEMANAL
9 MARCAS DE UMA IGREJA SAUDÁVEL ESTUDO SEMANAL9 MARCAS DE UMA IGREJA SAUDÁVEL ESTUDO SEMANAL
9 MARCAS DE UMA IGREJA SAUDÁVEL ESTUDO SEMANAL
FlvioSantos943546
 
Lei E GraçA Modulo 2
Lei E GraçA Modulo 2Lei E GraçA Modulo 2
Lei E GraçA Modulo 2
fogotv
 
Lição 3
Lição 3Lição 3
Lição 3 - A vida do Novo Convertido
Lição 3 - A vida do Novo ConvertidoLição 3 - A vida do Novo Convertido
Lição 3 - A vida do Novo Convertido
Nilton Cesar Marcelino
 
Livro que revela a verdade
Livro que revela a verdadeLivro que revela a verdade
Livro que revela a verdade
Antonio Masseroli
 

Semelhante a Apostila para Discipulado (20)

Apostila do discipulado encontro das aguas
Apostila do discipulado encontro das aguasApostila do discipulado encontro das aguas
Apostila do discipulado encontro das aguas
 
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra 21.03.2016
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra   21.03.2016Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra   21.03.2016
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra 21.03.2016
 
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande SacerdoteAula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
Aula 6 - Cristo o Grande Sacerdote
 
Filipi mensagem
Filipi   mensagemFilipi   mensagem
Filipi mensagem
 
Filipi mensagem
Filipi   mensagemFilipi   mensagem
Filipi mensagem
 
Filipi mensagem
Filipi   mensagemFilipi   mensagem
Filipi mensagem
 
6 .NISTO CREMOS crenças adventistas .pptx
6 .NISTO CREMOS crenças adventistas .pptx6 .NISTO CREMOS crenças adventistas .pptx
6 .NISTO CREMOS crenças adventistas .pptx
 
Discipulado-para-o-batismo-consciente.pdf
Discipulado-para-o-batismo-consciente.pdfDiscipulado-para-o-batismo-consciente.pdf
Discipulado-para-o-batismo-consciente.pdf
 
A obra da salvacao aula final
A obra da salvacao aula finalA obra da salvacao aula final
A obra da salvacao aula final
 
Apostila-Novos-Convertidos-Assembleia-de-Deus-PDF.docx
Apostila-Novos-Convertidos-Assembleia-de-Deus-PDF.docxApostila-Novos-Convertidos-Assembleia-de-Deus-PDF.docx
Apostila-Novos-Convertidos-Assembleia-de-Deus-PDF.docx
 
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptxebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-5-vivendo-uma-santa.pptx
 
LIÇÃO 1 - AS OBRAS DA CARNE E O FRUTO DO ESPÍRITO
LIÇÃO 1 - AS OBRAS DA CARNE E O FRUTO DO ESPÍRITOLIÇÃO 1 - AS OBRAS DA CARNE E O FRUTO DO ESPÍRITO
LIÇÃO 1 - AS OBRAS DA CARNE E O FRUTO DO ESPÍRITO
 
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptxebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
 
Lição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Lição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutíferoLição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Lição 04 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
 
Oração e santidade! mateus 6.9
Oração e santidade!  mateus 6.9Oração e santidade!  mateus 6.9
Oração e santidade! mateus 6.9
 
9 MARCAS DE UMA IGREJA SAUDÁVEL ESTUDO SEMANAL
9 MARCAS DE UMA IGREJA SAUDÁVEL ESTUDO SEMANAL9 MARCAS DE UMA IGREJA SAUDÁVEL ESTUDO SEMANAL
9 MARCAS DE UMA IGREJA SAUDÁVEL ESTUDO SEMANAL
 
Lei E GraçA Modulo 2
Lei E GraçA Modulo 2Lei E GraçA Modulo 2
Lei E GraçA Modulo 2
 
Lição 3
Lição 3Lição 3
Lição 3
 
Lição 3 - A vida do Novo Convertido
Lição 3 - A vida do Novo ConvertidoLição 3 - A vida do Novo Convertido
Lição 3 - A vida do Novo Convertido
 
Livro que revela a verdade
Livro que revela a verdadeLivro que revela a verdade
Livro que revela a verdade
 

Mais de Marcelo Eduardo

Rede urbana.pptx
Rede urbana.pptxRede urbana.pptx
Rede urbana.pptx
Marcelo Eduardo
 
Go mobilize manual de mobilizacao missionaria
Go mobilize   manual de mobilizacao missionariaGo mobilize   manual de mobilizacao missionaria
Go mobilize manual de mobilizacao missionaria
Marcelo Eduardo
 
Oficina de poesia
Oficina de poesiaOficina de poesia
Oficina de poesia
Marcelo Eduardo
 
C. S. Lewis cristianismo puro e simples
C. S. Lewis   cristianismo puro e simplesC. S. Lewis   cristianismo puro e simples
C. S. Lewis cristianismo puro e simples
Marcelo Eduardo
 
Enquanto existir palavras
Enquanto existir palavrasEnquanto existir palavras
Enquanto existir palavras
Marcelo Eduardo
 
Pratico de eted 2015
Pratico de eted 2015Pratico de eted 2015
Pratico de eted 2015
Marcelo Eduardo
 
Ser letral
Ser letralSer letral
Ser letral
Marcelo Eduardo
 
Nossa base é a cidade!
Nossa base é a cidade!Nossa base é a cidade!
Nossa base é a cidade!
Marcelo Eduardo
 
Protagonismo Jovem
Protagonismo JovemProtagonismo Jovem
Protagonismo Jovem
Marcelo Eduardo
 
Missões Urbanas
Missões UrbanasMissões Urbanas
Missões Urbanas
Marcelo Eduardo
 
O Contraste entre dois Jardins
O Contraste entre dois JardinsO Contraste entre dois Jardins
O Contraste entre dois Jardins
Marcelo Eduardo
 
Desenvolvimento Comunitário
Desenvolvimento ComunitárioDesenvolvimento Comunitário
Desenvolvimento Comunitário
Marcelo Eduardo
 
Emf slide
Emf slideEmf slide
Emf slide
Marcelo Eduardo
 
Elaboração de projetos
Elaboração de projetosElaboração de projetos
Elaboração de projetos
Marcelo Eduardo
 
Impactos kickoff jocum sampa
Impactos kickoff jocum sampaImpactos kickoff jocum sampa
Impactos kickoff jocum sampa
Marcelo Eduardo
 
Vestido Azul
Vestido AzulVestido Azul
Vestido Azul
Marcelo Eduardo
 
EMU Apresentação
EMU ApresentaçãoEMU Apresentação
EMU Apresentação
Marcelo Eduardo
 
E-Book Pulmões de vida
E-Book Pulmões de vidaE-Book Pulmões de vida
E-Book Pulmões de vida
Marcelo Eduardo
 
Meditação na palavra
Meditação na palavraMeditação na palavra
Meditação na palavra
Marcelo Eduardo
 
Projetos Internacionais apresentação
Projetos Internacionais apresentaçãoProjetos Internacionais apresentação
Projetos Internacionais apresentação
Marcelo Eduardo
 

Mais de Marcelo Eduardo (20)

Rede urbana.pptx
Rede urbana.pptxRede urbana.pptx
Rede urbana.pptx
 
Go mobilize manual de mobilizacao missionaria
Go mobilize   manual de mobilizacao missionariaGo mobilize   manual de mobilizacao missionaria
Go mobilize manual de mobilizacao missionaria
 
Oficina de poesia
Oficina de poesiaOficina de poesia
Oficina de poesia
 
C. S. Lewis cristianismo puro e simples
C. S. Lewis   cristianismo puro e simplesC. S. Lewis   cristianismo puro e simples
C. S. Lewis cristianismo puro e simples
 
Enquanto existir palavras
Enquanto existir palavrasEnquanto existir palavras
Enquanto existir palavras
 
Pratico de eted 2015
Pratico de eted 2015Pratico de eted 2015
Pratico de eted 2015
 
Ser letral
Ser letralSer letral
Ser letral
 
Nossa base é a cidade!
Nossa base é a cidade!Nossa base é a cidade!
Nossa base é a cidade!
 
Protagonismo Jovem
Protagonismo JovemProtagonismo Jovem
Protagonismo Jovem
 
Missões Urbanas
Missões UrbanasMissões Urbanas
Missões Urbanas
 
O Contraste entre dois Jardins
O Contraste entre dois JardinsO Contraste entre dois Jardins
O Contraste entre dois Jardins
 
Desenvolvimento Comunitário
Desenvolvimento ComunitárioDesenvolvimento Comunitário
Desenvolvimento Comunitário
 
Emf slide
Emf slideEmf slide
Emf slide
 
Elaboração de projetos
Elaboração de projetosElaboração de projetos
Elaboração de projetos
 
Impactos kickoff jocum sampa
Impactos kickoff jocum sampaImpactos kickoff jocum sampa
Impactos kickoff jocum sampa
 
Vestido Azul
Vestido AzulVestido Azul
Vestido Azul
 
EMU Apresentação
EMU ApresentaçãoEMU Apresentação
EMU Apresentação
 
E-Book Pulmões de vida
E-Book Pulmões de vidaE-Book Pulmões de vida
E-Book Pulmões de vida
 
Meditação na palavra
Meditação na palavraMeditação na palavra
Meditação na palavra
 
Projetos Internacionais apresentação
Projetos Internacionais apresentaçãoProjetos Internacionais apresentação
Projetos Internacionais apresentação
 

Último

UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 

Apostila para Discipulado

  • 1. CONCLUSÃO O novo nascimento é o início da vida com Deus. A nova vida recebida de Deus precisa ser desenvolvida. Recebemos a salvação pela graça de Deus. A vida cristã também só pode ser vivida pela graça de Deus. Deus já providenciou tudo para que possamos ter vitória. Então se ape- gue a Palavra, ore sempre e por todas as coisas, confesse diariamente seus pecados ao Senhor e confie na ajuda do Espírito Santo! Adaptado do material de discipulado A NOVA VIDA EM CRISTO— JUERP e da apostila de discipulado KERIGMA- Miss. Mirtes Elaine Fer- reira dos Santos, para uso no Projeto Colheita - na campanha O DIA DA COLHEITA DISCIPULADO PARA OS NOVOS CONVERTIDOS Seis lições práticas para fundamentar e alicerçar os novos convertidos
  • 2. O que eram (Velha Natureza) O que passaram a ser (Nova Natureza) I Coríntios 6:9 e 10 Injustos, impuros, idólatras, adúl- teros, efeminados, sodomitas, la- drões, avarentos, bêbados, maldi- zentes e roubadores, Obs.: Tais pessoas não podem en- trar no reino de Deus. I Coríntios 6:11 Foram lavados, foram santifica- dos, foram justificados. Nota: É Deus quem produz a transformação por causa do Seu grande amor. Isso é feito median- te o poder de Jesus Cristo. O san- gue de Jesus é suficiente para nos limpar de toda sujeira e mal- dade. Efésios 4:25-5:4 Aquele que Mentia O que se ira Quem furtava O que falava palavras imorais Em lugar da amargura, cólera, gri- taria, blasfêmia, chocarrices Efésios 4:25-5:4 Fale a verdade Perdoe Trabalhe Fale Palavras de edificação e gra- ça Sede compassivos, perdoadores e benignos Tito 3:3 Néscios, desobedientes, desgar- rados, escravos de toda sorte de paixões e prazeres. Tito 3:4 - 7 Pela bondade de Deus passaram a ser: Salvos (regenerados), justificados (declarados justos pela graça de Deus), herdeiros de Deus (receberam a vida eterna) QUADRO COMPARATIVO DA TRANSFORMAÇÃO OPERADA PELO ESPÍRITO NO HOMEM QUE NACEU DE NOVO De que lado está?
  • 3.  Insensíveis à voz de Deus (v. 19)  Este é o perfil de quem vive sob o domínio do velho homem, domínio da carne, onde a sua natureza pecaminosa é o re- flexo de seu distanciamento de Deus. b) Conseqüências  Leva à morte (Rm 8:5-8,13)  Reproduz as obras da carne (Gl 5:19-21)  Escraviza o homem tirando-lhe as forças para vencer o peca- do (Rm 7:14-20) c) Libertação Quando aceitamos a Jesus somos libertos do jugo da carne. Mor- remos para o pecado nascemos para Deus. Temos a liberdade e o po- der para iniciarmos uma nova vida (2 Co 5:17; Rm 8:9-11). 2. NOVA NATUREZA (2 Co 5:17) Somos novas criaturas; não estamos mais debaixo da lei, e sim da gra- ça (Rm 6:14, 12:1-2), por isso, precisamos produzir o fruto do Espírito e não as obras da carne (Gl 5.21,22). Esta transformação deve ser consciente e fruto de nossa decisão de viver para a gloria de Deus. Es- te processo de transformação é identificado em Efésios 4:23,24 como uma troca de roupas. Tirar as roupas do velho homem e vestir-se com os trajes do novo homem em Cristo. Observe no quadro ao lado a transformação que é pro- duzida pela nova natureza Estudo 1 ‑ Convicção de Salvação Como saber se estou salvo de fato? Esta é uma dúvida comum daquele que recebeu ao Senhor Jesus como seu Salvador. O que a Bíblia diz e que pode ajudar a ter a certeza da Salvação. I – O QUE É PRECISO PARA QUE ALGUÉM SEJA SALVO a) Arrependimento ‑ Atos 20:21 Todos os pecadores precisam de arrependimento - Romanos 3:23 b) Fé em Jesus Cristo – João 5. 24 A fé não deve ser colocada em coisas, religião, obras, sentimentos, pessoas, méritos próprios, etc., mas em Cristo, pois : Jesus levou na cruz todos os nossos pecados ‑ I Pedro 2:24 Ele é o caminho para o Pai – Jo 14.6 Ele é o único que pode fazer a mediação entre Deu e o homens ‑ I Timóteo 2:5 É o único nome com autoridade para salvar – Ato 4.1 c) Confissão – Rm 10.9,10 A Palavra de Deus no ensina que é necessário confessarmos com nossa boca a fé em Cristo. Com esta confissão quebramos todo o pac- to com o passado, não importando de que crença tenhamos vindo, quais práticas de vida tenhamos experimentado antes , ou quão duro tenha- mos sido ao evangelho. Ao confessarmos a Cristo nascemos de no- vo. Tudo o que vivemos anteriormente fica no passado, e podemos re- construir uma nova história. Ao confessarmos a Cristo reconhecemos, também, que não é por nosso mérito, por termos feito o bem ou termos um comportamento digno, eu alcançamos a salvação, mas por que Jesus morreu por nós e pagou o preço de nosso pecado. Reconhecemos que ele morreu por nós, mas que não permaneceu morto, ele ressuscitou, conquistando o poder de ser o nosso Salvador.
  • 4. d) Entregar a vida a Jesus Cristo ‑ João 1:12 É Deus quem nos dá a salvação inteiramente de graça. Somos sal- vos pela bondade e misericórdia de Deus, sem qualquer mérito de nossa parte (Efésios 2:8 e 9; Tito 3:4-7). Ao reconhecer que sem Jesus es- tamos perdidos e nos arrependermos dos pecados, pela fé, através de uma oração, entregamos totalmente a vida a Jesus Cristo. Este é um ato de rendição, aceitando-o como nosso rei, governador, Senhor! É neste momento que selamos com ele um relacionamento de com- promisso. Ele será o nosso Deus e nós seremos o seu povo. Ele será nosso Senhor, e nós o obedeceremos. Não é religião, é relacionamento, vida com Deus. A partir de então buscaremos nele a orientação para a decisões que tivermos que tomar, oraremos em relação a tudo, pois so- mos dele e tudo o eu fizermos deverá ser para a glória dele. II - Podemos afirmar que temos a vida eterna pelas seguintes ra- zões A Bíblia apresenta a vida eterna como algo eu recebemos no pre- sente, e eu desfrutaremos por toda a eternidade. Leia cuidado- samente os versículos abaixo e observe em que tempo está o verbo: Estar e Ter. João 3:18___________________ João 5:24___________________ I João 5:12__________________ O Espírito Santo confirma isso O Espírito Santo testifica com o nosso espírito - Romanos 8:16 Somos selados com o Espírito Santo - Efésios 1:13 e 14 O Espírito Santo nos foi doado - I João 4:13 e 14 CONCLUSÃO Deus não nos salva para vivermos uma vida inativa e infrutífera (João 15:16). Comece desde já a servir. Estude a Palavra de Deus. Fale com outras pessoas que você é uma nova criatura em Cristo Jesus. Reú- na-se com seus irmãos para adorar a Deus, estudar a Bíblia e viver em comunhão. Estudo 5 – Nova Vida Em Cristo Ao receber a Jesus como nosso salvador e Senhor e receber o Espírito Santo como nosso ajudador estamos prontos para viver uma nova vida. Não deixamos de ser quem somos. Temos nome e uma his- tória de vida. A diferença está em que podemos iniciar uma mudança radical em nosso comportamento e podemos reiniciar uma nova histó- ria de vida, que será demarcada como "antes e depois de minha con- versão ao Senhor Jesus. Esta mudança é operada pelo Espírito Santo. Nós a percebemos, mas não sabemos explica-la. Há mudanças que se operam sem que façamos qualquer esforço para que ela ocorra, outras, porém, o Espírito nos toca para que bus- quemos a mudança, nos permitindo interagir com Ele. Nem sempre é fácil, mas se realmente desejamos viver de maneira a agradarmos ao Senhor Jesus, venceremos. A VELHA E A NOVA NATUREZA Natureza refere-se a inclinação de nosso coração e de nossa vontade. refere-se ao que domina nossas decisões . Tem a ver com caráter, personalidade e temperamento. é o que dirige a forma como construímos nossa história diária. A Bíblia denomina esta natureza como VELHO HOMEM (Ef 4:22) e NOVO HOMEM(Ef 4:24). O primeiro é aquele que ainda está sobre o domínio do pecado, escravizado pela natureza pecaminosa. Este anda não recebeu o Senhor Jesus como Salvador e Senhor. O segundo teve a sua natureza regenerada, ou seja, nasceu de novo. Foi restaurado e renovado pela ação de Jesus e do Espírito Santo. Este está sob o domínio da graça e não do pecado. Observe a diferença entre estas naturezas como segue abaixo: NATUREZA PECAMINOSA (Velho Homem) (Ef 4:17-24) a) Perfil  Anda de acordo com os próprios pensamentos (v. 17)  Cegos à vontade de Deus (v. 18)  Alheios a Deus por causa da dureza de seus corações (v. 18)
  • 5. Para Pensar: O enchimento do Espírito não é uma experiência única e suficiente para toda a vida. A Bíblia nos diz que, através de nossos pecados não confessados e uma vida errada diante de Deus nós podemos apagar e entristecer o Espírito dentro de nós. Por isso é ne- cessário que estejamos dia a dia analisando a nossa vida, confessando os nossos pecados (I Jo. 1:9; Hb. 10:1‑25) para que o Espírito reassuma o controle de nossas vidas (I Jo. 5:14; Ef. 5:18). CONCLUSÃO Se você é nascido de novo e já se apropriou da vida de vitória e perdão que Jesus te oferece você tem tudo para ser cheio do Espírito. Ore diaria- mente buscando este enchimento e vença as tentações da carne a cada dia. Deixe que o Espírito brilhe cada vez mais forte em você! Estudo 2 – A Bíblia Sagrada A Bíblia é a Palavra de Deus, por isso mesmo é a única regra de fé e prática daqueles que aceitaram ao Senhor Jesus como seu Salvador e Se- nhor. Ela foi escrita por cerca de 40 autores, num período de mais ou menos 1500. Literalmente a palavra Bíblia significa “livros”. Outros nomes importantes usados para a Bíblia são: Escrituras (Jo 5:39) e Palavra de Deus (Ef 6:17). 1. Divisão A Bíblia está dividida em duas partes: Antigo e Novo Testamento. A palavra testamento tem aqui o sentido de aliança. O Antigo Testamento trata da aliança de Deus com a Nação de Israel, sua formação, o crescimento da nação, a conquista da terra de Canaã (a Pa- lestina) e todos os fatos referentes a saída e ao retorno de Israel para Ca- naã. Além disto, contém mensagens dos profetas que se referem tanto àque- le tempo, quanto ao futuro. O Novo Testamento trata da aliança de Deus com a Igreja, desde o nascimento de Cristo até a revelação do Apocalipse, que apresenta os acon- tecimentos dos últimos dias, o ui nó vivemos agora e irão até a segunda vinda de Jesus. O Antigo Testamento contém 39 livros e o Novo Testamento 27. Ao todo são 66 livros que ficam assim divididos: 2, Características da Bíblia  É perfeita: Salmo 19:7; Ap 22:18,19  É fiel – Salmo 19:7  É reta – Salmo 19:8  É pura – Salmo 19:8  É verdadeira: Salmo 19:9; Jo 17:17  É viva: Hb 4:12
  • 6. Para treinar: Encontre no Salmo 19:7-10 os resultados da Palavra de Deus na vida daquele que a busca e lê. Exemplo: Versículo 7: restaura a alma e dá sabedoria... ___________________________________________________ ___________________________________________________ ___________________________________________________ ___________________________________________________ ___________________________________________________ 3. Objetivos da Bíblia Gerar santidade no homem – João 17:17 Apresentar Jesus à humanidade – João 5:38,39, 2 Timóteo 3:16 Ensinar, repreender, corrigir – 2 Timóteo 3:16 Educar na justiça - 2 Timóteo 3:16 4. A Bíblia em noa vida diária Ilumina o caminho (Sl 119:105; 2 Tm 3:15-17) Nos ajuda a vencer o pecado (Sl 119:11) É alimento espiritual para ávida cristã (1 Pe 2:2; Mt 4:4; 1 Co 3:2; Hb 5: 12-13) É nossa arma na batalha espiritual (Ef 6:17; 2 Co 10:4,5) 5. Inspiração O termo inspiração aplicado à Bíblia lembra-nos que Deus orien- tou seus escritores para que escrevessem de forma clara e completa para que a revelação fosse entendida e aplicada a cada geração e a todas as nações do mundo. Aceitamos a inspiração Bíblica com base nos seguintes textos: 2 Timóteo 3:16; 2 Pedro 1:20,21; 1 João 5:9; 1 Tessalonicenses 2:13. As próprias Escrituras apresentam-se como sendo o Espírito Santo falando por meio de homens: Atos 1:16; 28:25; Salmo 95 (cf Hebreus 3:7); Hebreus 9:8; Jeremias 31:33 (cf Hebreus 10:15). Para que isto possa acontecer Paulo diz no versículo 18 o que deve dominar a nossa vida, mente e coração: O Espírito Santo. Ele diz: "não vos embriagueis com o vinho... mas enchei-vos do Espírito" Ser cheio do Espírito significa ser dirigido e fortalecido pelo próprio Espírito. Deixar que ele direcione o nosso comportamento. É tornar‑se cada vez mais semelhante a Jesus (Ef. 4:12‑15; 5:18). Ser cheio do Espírito Santo é viver na completa dependência do próprio Cristo. 4. Porque há tão poucos crentes cheios do Espírito A Bíblia fala sobre três tipos de pessoas que existem hoje: A) Homem Natural: É aquele que nunca recebeu a Cristo. É seu ego que controla sua vida. Aí não há espaço para Jesus (I Co. 2:14); B) Homem Carnal: É aquele que já recebeu a Jesus, porém, não permite que Este con- trole sua vida, a dirija e fortaleça (I Co. 3:1‑17); C) Homem Espiritual: É aquele que já recebeu a Jesus e lhe entregou o controle total de sua vida (I Co. 2:15 e 16). O fato é que no meio do povo de Deus há muitos cristãos car- nais. Para que sejamos crentes cheios do Espírito é necessário que deixamos de lado o nosso eu, considerando tudo menos importante do que Cristo (Fp. 3:2‑11) e deixar que Cristo viva em nós (Gl. 2:19 e 20). 5. Como podemos ser cheios do Espírito Santo Quando falamos em ser cheio do Espírito Santo não nos referi- mos a uma experiência sobrenatural de falar em outras línguas ou re- ceber dons de revelação, operação de milagres, profecia, etc. Esta- mos falando, sim, do cumprimento de uma ordem (Ef. 5:18) que exige a decisão consciente de mudança diária da vida através da vitória contra a carne (Gl. 5:16‑26). Todos podemos ser cheios do Espírito se com coração puro e sincero, diante de Deus, buscarmos a cada dia este enchimento.
  • 7. Estudo 4 ‑ O Espírito Santo- Nosso Ajudador Somos salvos quando nos arrependemos dos pecados e, pela fé, nos entregamos a Jesus Cristo. Passamos, então, a ter uma nova vida. Quan- do isto acontece o Espírito Santo passa a habitar em nós. Nos tornamos santuários de Deus (I Co. 3:16). Neste estudo iremos conhecer um pouco mais a respeito do Espírito Santo e como Ele age em nós. 1. Quem é o Espírito Santo É uma pessoa assim como o Pai e o Filho (Jo. 14:16); É Deus assim como o Pai e o Filho (At. 5:3‑4). 2. Atuações do Espírito Santo É o Espírito Santo que ajuda o homem em todas as suas necessidades espirituais. Observe: a) Convence os homens do pecado da justiça e do juízo (Jo. 16:8‑11); b) Regenera os homens (Jo. 3:5); c) Sela cada crente em Cristo (Ef. 1:13; 4:30); d) É o penhor da herança que todo o crente receberá (Ef. 1:14; II Co. 5:5); e) Habita em toda pessoa nascida de novo (I Co. 3:16; Jo. 14:16); f) Guia todo o crente a verdade (Rm. 8:14; Jo. 16:13); g) Ensina‑nos todas as coisas (Jo. 14:26); h) Concede poder a todo cristão para viver vitoriosamente e testemu- nhar de Cristo (Gl. 5:16; At. 1:8); i )Concede dons aos crentes (I Co. 12:11); j) Testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus (Rm. 8:16). 3. Devemos ser cheios do Espírito Santo Ao iniciar uma nova vida em Cristo nos sentimos, muitas vezes con- fusos e não sabemos o que devemos fazer. Em Efésios 5.1 lemos que de- vemos nos tornar imitadores de Deus como filhos amados. Na sequência dos versículos o apóstolo Paulo nos orienta a mostrar um comportamento diferente do que têm os que andam nas trevas, pois temos a luz de Cris- to e somos, nós mesmos, luz neste mundo. CONCLUSÃO A Bíblia é a Palavra de Deus. Embora tenha sido escrita por 40 homens diferentes uns dos outros e sendo eles de épocas diferentes, sua mensagem não se contradiz, há unidade entre os assuntos e os autores. Há unidade de pensamento e continuidade na mensagem (a narração bíblica vai desde a criação de todas as coisas e a queda da humanidade (Gênesis) passa pelo cumprimento da promessa de res- tauração do homem caído (Evangelhos) vai até a segunda vinda de Jesus (Apocalipse). Ela sobreviveu aos séculos e a todos os ataques que sofreu na história. Ela nunca deixou de ser atual. Nunca passou nem passará (Mt 24:35).
  • 8. Estudo 3 – Crescimento Espiritual Quando recebemos Jesus somos como crianças recém nascidas. Precisamos nos desenvolver, crescer, aprender a falar, andar, etc. É isto que veremos hoje, como podemos desenvolver a nossa salvação? Há três auxílios permanentes ao nosso crescimento espiritual. Estes irão valer para toda a vida. Sem este auxílio ficaremos fracos e poderemos até desistir em nossa caminhada cristã: 1. Leitura Bíblica Estudar a Bíblia não deve ser para nós apenas uma tarefa aca- dêmica. Deve ter o objetivo de nos conduzir à comunhão e encontro com Deus. Devemos nos aproximar da Palavra de Deus como quem tem sede e fome, sabendo que Ela nos saciará. Muitos dizem não compreender a Escritura. Para isto Deus nos deu o Espírito Santo. Com ele é mai fácil entender. Há muitos fatos históricos na Bíblia eu precisaremos de ajuda para entender. A Escola Dominical é uma apoio e tanto neste entendimento. Toda a dúvida que tivermos poderão ser, também, anotadas e levadas ao pastor ou con- selheiro para orientação. Quanto mais lermos, mais fácil será para entendermos. Crie um hábito de leitura Bíblica. Comece pelos evange- lhos de Mateus, Marcos, Lucas e João, Depois leia a carta de 1 João. Assim você vai começar a e familiarizar com o texto bíblico e enten- derá mais fácil. Além da Bíblia é bom que tenhamos um caderno de anotações para este estudo, a fim de anotarmos respostas, pensamentos, con- clusões e dúvidas que apareçam. O tempo diário de estudo e medita- ção deve ser de no mínimo 15 minutos. 2. Oração A oração é a nossa comunicação com Deus. É um diálogo entre duas pessoas que se amam: Deus e o homem. A oração é um dos gran- des privilégios do cristão e uma experiência sem igual. Nos leva ao vigor espiritual e vitória sobre as dificuldades e tentações; à obten- ção de respostas e glorificação a Deus, além de nos conduzir à comu- nhão cada vez maior com o Pai. Devemos:  Orar a respeito de tudo (Fp. 4:6 e 7);  Orar continuamente e com perseverança (I Ts. 5:17; Lc. 11:5‑8 e 18:1‑8);  Orar com sinceridade (Mt. 6:5‑8);  Orar em Nome de Jesus (Jo. 14:13 e 14 e 16:23 e 24  Orar com fé - A Bíblia nos diz que tudo que pedirmos a Deus em Nome de Jesus, Ele fará.(Mt.7:7‑12; Lc. 14: 13 e 14). A Bíblia nos apresenta também alguns obstáculos à oração. Orar sem fé (Tg. 1:5‑8); Orar por motivos errados (Tg. 4:3; I Jo. 5- 5:14 e 15); Orar sem confessar o pecados (Sl. 66:18; Pv. 28:13); 3. Obediência A chave para o crescimento espiritual é a obediência completa e espontânea a vontade de Deus. Apenas conhecer os princípios para o crescimento e não os aplicar a vida de nada vale. A Bíblia diz que obe- decer é melhor do que sacrificar (ISm. 15:22). Muita religiões ensinam que só através de sacrifícios e oferendas poderemos agradar a Deus, porém, não ensssinam a obediência aos princípios da Palavra de Deus e vivem segundo seus próprios interesses. Deus não recebe este sacrifí- cio. O Salmo 51.17 diz que “Sacrifícios agradáveis a Deus são o espíri- to quebrantado; coração compungido e contrito, não o desprezarás, ó Deus.” O que Deus quer um coração disposto a obedecer, quebrantado, o sacrifício e a oferenda Jesus já fez por nós na cruz! Através da obediência você pode: a) Provar o seu amor a Deus (Jo.14:21); b) Permanecer no amor de Jesus (Jo. 15:16); c) Fundamentar a sua vida sobre um alicerce firme (Lc. 6:46 ‑ 49). CONCLUSÃO Você deve escolher uma hora do dia em que possa fazer a sua ho- ra devocional, ou seja, ler a Bíblia, orar e meditar sobre o que você a- prendeu e deve praticar. Separe este tempo e cumpra-o. Isto te levará a um desenvolvimento sadio e rápido de sua vida espiritual.