SlideShare uma empresa Scribd logo
Oração e Santidade!Oração e Santidade!
Abril/2015Abril/2015
Mateus 6:9Mateus 6:9
Introdução:Introdução:
A idéia bíblica de santo e santidade é de seA idéia bíblica de santo e santidade é de se
separação. Conforme o emprego comum dasseparação. Conforme o emprego comum das
Escrituras, "Santificar" significa separar algo doEscrituras, "Santificar" significa separar algo do
uso comum para um uso exclusivo,peculiar; osuso comum para um uso exclusivo,peculiar; os
termos bíblicos são utilizados exclusivamente notermos bíblicos são utilizados exclusivamente no
sentido religioso:sentido religioso:
 a) O sábado é um dia santo: (Ex 16.23; 20.8,11;a) O sábado é um dia santo: (Ex 16.23; 20.8,11;
35.2);35.2);
 b) Israel é o povo santo de Deus: (Ex 19.6);b) Israel é o povo santo de Deus: (Ex 19.6);
 c) A Igreja (1Pe 2.9).c) A Igreja (1Pe 2.9).
No Antigo Testamento, Arão, oNo Antigo Testamento, Arão, o
sacerdote, carregava inscrito em suasacerdote, carregava inscrito em sua
mitra: "Santidade ao Senhor" (Êx 28.36-mitra: "Santidade ao Senhor" (Êx 28.36-
38), indicando a sua consagração total ao38), indicando a sua consagração total ao
serviço de Deus.serviço de Deus.
Deus é absolutamente santo,Deus é absolutamente santo,
majestoso em Sua santidade (Êx 15.11; Slmajestoso em Sua santidade (Êx 15.11; Sl
99.9; Is 6.3) e deseja do Seu povo uma99.9; Is 6.3) e deseja do Seu povo uma
vida de santidade.vida de santidade.
1. “A Oração do Senhor”:1. “A Oração do Senhor”:
Na oração conhecida como Pai Nosso,Na oração conhecida como Pai Nosso,
ensinada por Jesus Cristo aos seusensinada por Jesus Cristo aos seus
discípulos, inicia assim:discípulos, inicia assim:
““Portanto, vós orareis assim: Pai nosso quePortanto, vós orareis assim: Pai nosso que
estás nos céus, santificado seja o teuestás nos céus, santificado seja o teu
nome” (Mt 6.9).nome” (Mt 6.9).
Santidade de DeusSantidade de Deus
Quando oramos, estamos falando comQuando oramos, estamos falando com
o nosso Pai. Todavia, devemos ter emo nosso Pai. Todavia, devemos ter em
mente também que Deus é um Pai Santo,mente também que Deus é um Pai Santo,
que deve ser reverenciado e adorado.que deve ser reverenciado e adorado.
Jesus, na oração sacerdotal, assim seJesus, na oração sacerdotal, assim se
refere ao Pai: “Pai Santo” (Jo 17.11).refere ao Pai: “Pai Santo” (Jo 17.11).
Santidade do NomeSantidade do Nome
Jesus declara a santidade do nome deJesus declara a santidade do nome de
Deus. O que significa isto? É necessárioDeus. O que significa isto? É necessário
que entendamos que, no mundo judeu, oque entendamos que, no mundo judeu, o
nome significa a própria pessoa, por isso,nome significa a própria pessoa, por isso,
falar no nome de Deus é falar no própriofalar no nome de Deus é falar no próprio
Deus: a Sua natureza e caráter! NaDeus: a Sua natureza e caráter! Na
Oração Sacerdotal Jesus diz ao Pai:Oração Sacerdotal Jesus diz ao Pai:
““Manifestei o teu nome aos homens que meManifestei o teu nome aos homens que me
deste do mundo...”deste do mundo...” (Jo 17.6-8). À frente:(Jo 17.6-8). À frente: “Eu“Eu
lhes fiz conhecer o teu nome e ainda o fareilhes fiz conhecer o teu nome e ainda o farei
conhecer ....”conhecer ....” (Jo 17.26).(Jo 17.26).
O Nome de Deus é a Sua própria natureza.O Nome de Deus é a Sua própria natureza.
O nome envolve tudo quanto nos foiO nome envolve tudo quanto nos foi reveladorevelado
a Seu respeito: Todos os Seus atributos e todasa Seu respeito: Todos os Seus atributos e todas
as Suas obras.as Suas obras. O nome de Deus estáO nome de Deus está
relacionado à Sua revelação.relacionado à Sua revelação.
Por outro lado, a santificação do Seu nomePor outro lado, a santificação do Seu nome
pressupõe o conhecimento daquele a quem opressupõe o conhecimento daquele a quem o
nome representa; ou seja,nome representa; ou seja, conhecerconhecer
experimentalmente a Deus (Sl 9.10;experimentalmente a Deus (Sl 9.10;
20.7).20.7).
2. Santificação: A Vontade Santa de2. Santificação: A Vontade Santa de
Deus para os SeusDeus para os Seus
As Escrituras ensinam enfaticamenteAs Escrituras ensinam enfaticamente
que a Salvação do homem não é um fimque a Salvação do homem não é um fim
em si mesma, antes é o início da vidaem si mesma, antes é o início da vida
cristã, através da qual nos tornamos filhoscristã, através da qual nos tornamos filhos
de Deus e progredimos em Santificaçãode Deus e progredimos em Santificação
até à consumação de todo propósito deaté à consumação de todo propósito de
Deus em nossa vida.Deus em nossa vida.
O Significado da SantificaçãoO Significado da Santificação
Cabe, aqui, uma definição. Santificação éCabe, aqui, uma definição. Santificação é "a"a
graciosa e contínua operação do Espírito Santograciosa e contínua operação do Espírito Santo
pela qual Ele liberta o pecador justificado dapela qual Ele liberta o pecador justificado da
corrupção do pecado, renova toda a suacorrupção do pecado, renova toda a sua
natureza à imagem de Deus, e o capacita anatureza à imagem de Deus, e o capacita a
praticar boas obras."praticar boas obras."
Santificação, portanto, é o ato sobrenaturalSantificação, portanto, é o ato sobrenatural
que se inicia com a regeneração, consistindo noque se inicia com a regeneração, consistindo no
progressivo abandono do pecado em direção aprogressivo abandono do pecado em direção a
Deus. Deus é absolutamente santo, majestosoDeus. Deus é absolutamente santo, majestoso
em Sua santidade (Êx 15.11; Sl 99.9; Is 6.3) eem Sua santidade (Êx 15.11; Sl 99.9; Is 6.3) e
deseja do Seu povo uma vida de santidade.deseja do Seu povo uma vida de santidade.
A Santificação é um ProcessoA Santificação é um Processo
A santificação começa com o nossoA santificação começa com o nosso
novo nascimento; todavia, ela jamais teránovo nascimento; todavia, ela jamais terá
fim nesta vida. Nós não somos perfeitos,fim nesta vida. Nós não somos perfeitos,
nem o seremos, enquanto estivermosnem o seremos, enquanto estivermos
neste modo de vida terreno; todavia,neste modo de vida terreno; todavia,
buscamos a perfeição; caminhamos embuscamos a perfeição; caminhamos em
sua direção (Fp 3.12-16).sua direção (Fp 3.12-16).
Antes o pecado comandava o nosso pensarAntes o pecado comandava o nosso pensar
e agir, agora ele ainda nos influencia, todaviae agir, agora ele ainda nos influencia, todavia
não mais reina.não mais reina.
Isto indica a necessidade do convertidoIsto indica a necessidade do convertido
adquirir novos hábitos pela prática da verdadeadquirir novos hábitos pela prática da verdade
em amor (Ef 4.15). A graça de Deus éem amor (Ef 4.15). A graça de Deus é
educadora (Tt 2.11-15), agindo através daseducadora (Tt 2.11-15), agindo através das
Escrituras, nos corrigindo e educando na justiçaEscrituras, nos corrigindo e educando na justiça
para o nosso aperfeiçoamento (2Tm 3.16,17).para o nosso aperfeiçoamento (2Tm 3.16,17).
Todavia, continuaremos sendo pecadores até oTodavia, continuaremos sendo pecadores até o
fim desta existência. (Pv 29.9; Ec 7.20; Rmfim desta existência. (Pv 29.9; Ec 7.20; Rm
7.13-25; Tg 3.1,2; 1Jo 1.8).7.13-25; Tg 3.1,2; 1Jo 1.8).
Contudo, não existem carências em nossaContudo, não existem carências em nossa
vida cristã que não possam ser supridas pelovida cristã que não possam ser supridas pelo
próprio Cristo, nosso Senhor; e Ele o faz nospróprio Cristo, nosso Senhor; e Ele o faz nos
renovando através do Seu conhecimento pelarenovando através do Seu conhecimento pela
Palavra.Palavra.
Notemos que a promessa de Jesus se refereNotemos que a promessa de Jesus se refere
ao Seu socorro que nos conduz à vitória;ao Seu socorro que nos conduz à vitória;
todavia, isto não exclui a gravidade da tentação,todavia, isto não exclui a gravidade da tentação,
da luta contra a carne, o mundo e o diabo. Emda luta contra a carne, o mundo e o diabo. Em
nosso desejo renovado de agradar a Deus,nosso desejo renovado de agradar a Deus,
encontraremos sempre no pendor de nossaencontraremos sempre no pendor de nossa
carne uma luta contra este propósito, para quecarne uma luta contra este propósito, para que
façamos a vontade do velho homem, surgindofaçamos a vontade do velho homem, surgindo
daí, um combate renhido. Todavia, a nossadaí, um combate renhido. Todavia, a nossa
nova natureza triunfará pelo Espírito de Deusnova natureza triunfará pelo Espírito de Deus
que em nós habita, cuja presença nos identificaque em nós habita, cuja presença nos identifica
como filhos de Deus (Rm 8.9,14,16).como filhos de Deus (Rm 8.9,14,16).
3. A Santificação e a Consciência do3. A Santificação e a Consciência do
PecadoPecado
Faz-se necessário destacar que, em meio aFaz-se necessário destacar que, em meio a
esta luta, muitas vezes nos sentimos como queesta luta, muitas vezes nos sentimos como que
totalmente vencidos, tendo a consciência agudatotalmente vencidos, tendo a consciência aguda
de nossa fraqueza e pecado, com a nítidade nossa fraqueza e pecado, com a nítida
sensação de sermos derrotados, que as nossassensação de sermos derrotados, que as nossas
provas vão além de nossa resistência. O próprioprovas vão além de nossa resistência. O próprio
Pedro que, conforme já indicamos, recomenda aPedro que, conforme já indicamos, recomenda a
exultação da Igreja pelo fato de sermosexultação da Igreja pelo fato de sermos
guardados por Deus (1Pe 1.5-6), diz:guardados por Deus (1Pe 1.5-6), diz: "Nisso"Nisso
exultais, embora, no presente, por breve tempo,exultais, embora, no presente, por breve tempo,
se necessário, sejais contristados por váriasse necessário, sejais contristados por várias
provações”provações” (1Pe 1.6). Paulo também, ao olhar(1Pe 1.6). Paulo também, ao olhar
para si mesmo, declara:para si mesmo, declara: "Desventurado homem"Desventurado homem
que sou!quem me livrará do corpo destaque sou!quem me livrará do corpo desta
morte?" (Rm 7.24).morte?" (Rm 7.24).
O nosso conforto é que mesmo DeusO nosso conforto é que mesmo Deus
sendo santo, não podendo conviver com osendo santo, não podendo conviver com o
pecado, odiando a iniqüidade (Is 61.8), epecado, odiando a iniqüidade (Is 61.8), e
nós sendo miseráveis pecadores, Ele nosnós sendo miseráveis pecadores, Ele nos
perdoa e purifica quando, arrependidos,perdoa e purifica quando, arrependidos,
lhe confessamos os nossos pecados:lhe confessamos os nossos pecados: "Se"Se
confessarmos os nossos pecados, ele éconfessarmos os nossos pecados, ele é
fiel e justo para nos perdoar os pecados efiel e justo para nos perdoar os pecados e
nos purificar de toda injustiça”nos purificar de toda injustiça” (1Jo 1.9).(1Jo 1.9).
4. A Santificação tem um sentido4. A Santificação tem um sentido
escatológicoescatológico
Já indicamos que a Santificação é umJá indicamos que a Santificação é um
processo que não encontra a sua perfeiçãoprocesso que não encontra a sua perfeição
nesta vida. A sua conclusão se dará em nossanesta vida. A sua conclusão se dará em nossa
glorificação futura, quando Deus completar aglorificação futura, quando Deus completar a
Sua obra iniciada em nós (Rm 8.29-30: Fp 1.6).Sua obra iniciada em nós (Rm 8.29-30: Fp 1.6).
Nesse sentido, a consumação da santificaçãoNesse sentido, a consumação da santificação
tem dois aspectos:tem dois aspectos: um espiritual e outroum espiritual e outro
físico:físico: espiritual, em nossa alma quandoespiritual, em nossa alma quando
morrermos; físico, quando Cristo voltar emmorrermos; físico, quando Cristo voltar em
glória, ressuscitarmos e tivermos os nossosglória, ressuscitarmos e tivermos os nossos
corpos glorificados. Assim, a santificação serácorpos glorificados. Assim, a santificação será
total. A perspectiva do encontro com Cristo,total. A perspectiva do encontro com Cristo,
quando Ele regressar em glória, deve nosquando Ele regressar em glória, deve nos
motivar hoje à santificação, a fim de vivermosmotivar hoje à santificação, a fim de vivermos
em santidade na Sua presença. (1Jo 3.2,3).em santidade na Sua presença. (1Jo 3.2,3).
5. A Santificação é Imperativa5. A Santificação é Imperativa
A santificação é um imperativo expresso porA santificação é um imperativo expresso por
Deus em Sua Palavra, para todos os SeusDeus em Sua Palavra, para todos os Seus
filhos. De fato, não pode existir vida cristãfilhos. De fato, não pode existir vida cristã
estagnada, acomodada. A vida cristã é umestagnada, acomodada. A vida cristã é um
desafio à santidade, conforme o propósito dedesafio à santidade, conforme o propósito de
Deus. Deus nos chama à santidade, conforme oDeus. Deus nos chama à santidade, conforme o
Seu propósito sábio, soberano, santo e eterno.Seu propósito sábio, soberano, santo e eterno.
Sendo assim, a santificação faz parte essencialSendo assim, a santificação faz parte essencial
da vida da Igreja. A santificação é uma vocaçãoda vida da Igreja. A santificação é uma vocação
incondicional de todo o povo de Deus.incondicional de todo o povo de Deus.
Deus nos elegeu na eternidade comDeus nos elegeu na eternidade com
este propósito (Ef 1.4). De fato, não háeste propósito (Ef 1.4). De fato, não há
salvação sem santificação. A nossasalvação sem santificação. A nossa
eleição e salvação se evidenciam emeleição e salvação se evidenciam em
nossa santificação; em nosso desejo denossa santificação; em nosso desejo de
fazer a vontade de Deus.fazer a vontade de Deus.
A Palavra de Deus estabelece umaA Palavra de Deus estabelece uma
relação intrínseca entre a nossarelação intrínseca entre a nossa
responsabilidade de santificação e oresponsabilidade de santificação e o
nosso chamado (Rm 1.7; 1Co 1.2; Ef 1.4;nosso chamado (Rm 1.7; 1Co 1.2; Ef 1.4;
2Ts 2.13).2Ts 2.13).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 3 - A vida do Novo Convertido
Lição 3 - A vida do Novo ConvertidoLição 3 - A vida do Novo Convertido
Lição 3 - A vida do Novo Convertido
Nilton Cesar Marcelino
 
Estudo batismo oficialmontesinai
Estudo batismo oficialmontesinaiEstudo batismo oficialmontesinai
Estudo batismo oficialmontesinai
Elisa Schenk
 
4º módulo 2ª aula
4º módulo   2ª aula4º módulo   2ª aula
4º módulo 2ª aula
Joel Silva
 
A doutrina da salvação a santificação
A doutrina da salvação   a santificaçãoA doutrina da salvação   a santificação
A doutrina da salvação a santificação
Jonathan Anderson
 
Novo convertido
Novo convertidoNovo convertido
Novo convertido
Agnaldo Marques Marques
 
A vida do novo convertido
A vida do novo convertidoA vida do novo convertido
A vida do novo convertido
Igreja Evangélica Assembleia de Deus
 
Santificação
SantificaçãoSantificação
Santificação
Suny Geentilal
 
Andando pelo Caminho da Santidade
Andando pelo Caminho da SantidadeAndando pelo Caminho da Santidade
Andando pelo Caminho da Santidade
IBMemorialJC
 
2º módulo 2ª aula
2º módulo   2ª aula2º módulo   2ª aula
2º módulo 2ª aula
Joel Silva
 
Lição 8 A natureza do caráter cristão
Lição 8   A natureza do caráter cristãoLição 8   A natureza do caráter cristão
Lição 8 A natureza do caráter cristão
Wander Sousa
 
A Maravilhosa Graça de Deus | Luis Carlos Oliveira
A Maravilhosa Graça de Deus | Luis Carlos OliveiraA Maravilhosa Graça de Deus | Luis Carlos Oliveira
A Maravilhosa Graça de Deus | Luis Carlos Oliveira
Luis Carlos Oliveira
 
3º módulo 3ª aula
3º módulo   3ª aula3º módulo   3ª aula
3º módulo 3ª aula
Joel Silva
 
Aula 9 - UMA NOVA VIDA EM CRISTO
Aula 9  - UMA NOVA VIDA EM CRISTOAula 9  - UMA NOVA VIDA EM CRISTO
Lição 13 - Glorificados em Cristo
Lição 13 - Glorificados em CristoLição 13 - Glorificados em Cristo
Lição 13 - Glorificados em Cristo
Ailton da Silva
 
A Necessidade de Termos uma Vida Santa.
A Necessidade de Termos uma Vida Santa.A Necessidade de Termos uma Vida Santa.
A Necessidade de Termos uma Vida Santa.
Márcio Martins
 
3º módulo 1ª aula
3º módulo   1ª aula3º módulo   1ª aula
3º módulo 1ª aula
Joel Silva
 
O homem, a imagem e semelhança de Deus (2)
O homem, a imagem e semelhança de Deus (2)O homem, a imagem e semelhança de Deus (2)
O homem, a imagem e semelhança de Deus (2)
Rovanildo Vieira Soares
 
Soteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da SalvaçãoSoteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da Salvação
RODRIGO FERREIRA
 
3º módulo 2ª aula
3º módulo   2ª aula3º módulo   2ª aula
3º módulo 2ª aula
Joel Silva
 
2º módulo 4ª aula
2º módulo   4ª aula2º módulo   4ª aula
2º módulo 4ª aula
Joel Silva
 

Mais procurados (20)

Lição 3 - A vida do Novo Convertido
Lição 3 - A vida do Novo ConvertidoLição 3 - A vida do Novo Convertido
Lição 3 - A vida do Novo Convertido
 
Estudo batismo oficialmontesinai
Estudo batismo oficialmontesinaiEstudo batismo oficialmontesinai
Estudo batismo oficialmontesinai
 
4º módulo 2ª aula
4º módulo   2ª aula4º módulo   2ª aula
4º módulo 2ª aula
 
A doutrina da salvação a santificação
A doutrina da salvação   a santificaçãoA doutrina da salvação   a santificação
A doutrina da salvação a santificação
 
Novo convertido
Novo convertidoNovo convertido
Novo convertido
 
A vida do novo convertido
A vida do novo convertidoA vida do novo convertido
A vida do novo convertido
 
Santificação
SantificaçãoSantificação
Santificação
 
Andando pelo Caminho da Santidade
Andando pelo Caminho da SantidadeAndando pelo Caminho da Santidade
Andando pelo Caminho da Santidade
 
2º módulo 2ª aula
2º módulo   2ª aula2º módulo   2ª aula
2º módulo 2ª aula
 
Lição 8 A natureza do caráter cristão
Lição 8   A natureza do caráter cristãoLição 8   A natureza do caráter cristão
Lição 8 A natureza do caráter cristão
 
A Maravilhosa Graça de Deus | Luis Carlos Oliveira
A Maravilhosa Graça de Deus | Luis Carlos OliveiraA Maravilhosa Graça de Deus | Luis Carlos Oliveira
A Maravilhosa Graça de Deus | Luis Carlos Oliveira
 
3º módulo 3ª aula
3º módulo   3ª aula3º módulo   3ª aula
3º módulo 3ª aula
 
Aula 9 - UMA NOVA VIDA EM CRISTO
Aula 9  - UMA NOVA VIDA EM CRISTOAula 9  - UMA NOVA VIDA EM CRISTO
Aula 9 - UMA NOVA VIDA EM CRISTO
 
Lição 13 - Glorificados em Cristo
Lição 13 - Glorificados em CristoLição 13 - Glorificados em Cristo
Lição 13 - Glorificados em Cristo
 
A Necessidade de Termos uma Vida Santa.
A Necessidade de Termos uma Vida Santa.A Necessidade de Termos uma Vida Santa.
A Necessidade de Termos uma Vida Santa.
 
3º módulo 1ª aula
3º módulo   1ª aula3º módulo   1ª aula
3º módulo 1ª aula
 
O homem, a imagem e semelhança de Deus (2)
O homem, a imagem e semelhança de Deus (2)O homem, a imagem e semelhança de Deus (2)
O homem, a imagem e semelhança de Deus (2)
 
Soteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da SalvaçãoSoteriologia - Doutrina da Salvação
Soteriologia - Doutrina da Salvação
 
3º módulo 2ª aula
3º módulo   2ª aula3º módulo   2ª aula
3º módulo 2ª aula
 
2º módulo 4ª aula
2º módulo   4ª aula2º módulo   4ª aula
2º módulo 4ª aula
 

Destaque

LIÇÃO 11 - A TOLERÂNCIA CRISTÃ
 LIÇÃO 11 - A TOLERÂNCIA CRISTÃ  LIÇÃO 11 - A TOLERÂNCIA CRISTÃ
LIÇÃO 11 - A TOLERÂNCIA CRISTÃ
Lourinaldo Serafim
 
2016 3 TRI LIÇÃO 7 - A CHAMADA E PURIFICAÇÃO DO PROFETA
2016 3 TRI LIÇÃO 7 - A CHAMADA E PURIFICAÇÃO DO PROFETA2016 3 TRI LIÇÃO 7 - A CHAMADA E PURIFICAÇÃO DO PROFETA
2016 3 TRI LIÇÃO 7 - A CHAMADA E PURIFICAÇÃO DO PROFETA
Natalino das Neves Neves
 
Lição 7 - A Vida Segundo o Espírito
Lição 7 - A Vida Segundo o EspíritoLição 7 - A Vida Segundo o Espírito
Lição 7 - A Vida Segundo o Espírito
I.A.D.F.J - SAMAMABAIA SUL
 
O desafio da santificação
O desafio da santificaçãoO desafio da santificação
O desafio da santificação
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Santificação
SantificaçãoSantificação
Santificação
Luan Almeida
 
Santidade
SantidadeSantidade
Santidade
Elder Moraes
 
Santidade
SantidadeSantidade
Santidade
Vania Oliveira
 
Princípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de SantidadePrincípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de Santidade
IBMemorialJC
 
Santificação - Elaine Martins
Santificação - Elaine MartinsSantificação - Elaine Martins
Santificação - Elaine Martins
PowerPoint Gospel
 
A santidade como objetivo diário do crente verdadeiro
A santidade como objetivo diário do crente verdadeiroA santidade como objetivo diário do crente verdadeiro
A santidade como objetivo diário do crente verdadeiro
Daladier Lima
 
1ª o espírito santo na vida do crente
1ª o espírito santo na vida do crente1ª o espírito santo na vida do crente
1ª o espírito santo na vida do crente
FUNVIC
 

Destaque (11)

LIÇÃO 11 - A TOLERÂNCIA CRISTÃ
 LIÇÃO 11 - A TOLERÂNCIA CRISTÃ  LIÇÃO 11 - A TOLERÂNCIA CRISTÃ
LIÇÃO 11 - A TOLERÂNCIA CRISTÃ
 
2016 3 TRI LIÇÃO 7 - A CHAMADA E PURIFICAÇÃO DO PROFETA
2016 3 TRI LIÇÃO 7 - A CHAMADA E PURIFICAÇÃO DO PROFETA2016 3 TRI LIÇÃO 7 - A CHAMADA E PURIFICAÇÃO DO PROFETA
2016 3 TRI LIÇÃO 7 - A CHAMADA E PURIFICAÇÃO DO PROFETA
 
Lição 7 - A Vida Segundo o Espírito
Lição 7 - A Vida Segundo o EspíritoLição 7 - A Vida Segundo o Espírito
Lição 7 - A Vida Segundo o Espírito
 
O desafio da santificação
O desafio da santificaçãoO desafio da santificação
O desafio da santificação
 
Santificação
SantificaçãoSantificação
Santificação
 
Santidade
SantidadeSantidade
Santidade
 
Santidade
SantidadeSantidade
Santidade
 
Princípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de SantidadePrincípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de Santidade
 
Santificação - Elaine Martins
Santificação - Elaine MartinsSantificação - Elaine Martins
Santificação - Elaine Martins
 
A santidade como objetivo diário do crente verdadeiro
A santidade como objetivo diário do crente verdadeiroA santidade como objetivo diário do crente verdadeiro
A santidade como objetivo diário do crente verdadeiro
 
1ª o espírito santo na vida do crente
1ª o espírito santo na vida do crente1ª o espírito santo na vida do crente
1ª o espírito santo na vida do crente
 

Semelhante a Oração e santidade! mateus 6.9

discipulado-para-os-novos-convertidos.pdf
discipulado-para-os-novos-convertidos.pdfdiscipulado-para-os-novos-convertidos.pdf
discipulado-para-os-novos-convertidos.pdf
DivinoHenriqueSantan
 
Apostila para Discipulado
Apostila para DiscipuladoApostila para Discipulado
Apostila para Discipulado
Marcelo Eduardo
 
A doutrina da santificação
A doutrina da santificaçãoA doutrina da santificação
A doutrina da santificação
antonio ferreira
 
O espirito santo de deus
O  espirito  santo  de  deusO  espirito  santo  de  deus
O espirito santo de deus
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
Discipulado-para-o-batismo-consciente.pdf
Discipulado-para-o-batismo-consciente.pdfDiscipulado-para-o-batismo-consciente.pdf
Discipulado-para-o-batismo-consciente.pdf
JooAlbertoSoaresdaSi
 
Santidade
SantidadeSantidade
Santidade
PR MARCIO
 
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptxebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
KARINEVONEYVIEIRABAR
 
Doutrinas Bíblicas - Soteriologia
Doutrinas Bíblicas - SoteriologiaDoutrinas Bíblicas - Soteriologia
Doutrinas Bíblicas - Soteriologia
Roberto Trindade
 
Instruções Básicas Preparação ao Batismo
Instruções Básicas Preparação ao BatismoInstruções Básicas Preparação ao Batismo
Instruções Básicas Preparação ao Batismo
FantoonFantoonXerox
 
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra 21.03.2016
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra   21.03.2016Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra   21.03.2016
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra 21.03.2016
Claudio Marcio
 
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 9 - A necessidade de termos uma vida santa
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 9 - A necessidade de termos uma vida santaLBA 2017 3 TRI LIÇÃO 9 - A necessidade de termos uma vida santa
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 9 - A necessidade de termos uma vida santa
Natalino das Neves Neves
 
A doutrina do espírito santo.ppt 2
A doutrina do espírito santo.ppt 2A doutrina do espírito santo.ppt 2
A doutrina do espírito santo.ppt 2
ESTUDANTETEOLOGIA
 
Apostila do discipulado encontro das aguas
Apostila do discipulado encontro das aguasApostila do discipulado encontro das aguas
Apostila do discipulado encontro das aguas
Pedro Henrique
 
A obra da salvacao aula final
A obra da salvacao aula finalA obra da salvacao aula final
A obra da salvacao aula final
Samuel De Lima Santana
 
Revisão do discipulado
Revisão do discipuladoRevisão do discipulado
Revisão do discipulado
Valdinar Viana
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
A doutrina da santificação
A doutrina da santificaçãoA doutrina da santificação
A doutrina da santificação
Antonio Ferreira
 
A doutrina da santificação
A doutrina da santificaçãoA doutrina da santificação
A doutrina da santificação
Antonio Ferreira
 
A) nosso credo
A) nosso credoA) nosso credo
A) nosso credo
Wander Pereira
 
A) nosso credo
A) nosso credoA) nosso credo
A) nosso credo
Wander Pereira
 

Semelhante a Oração e santidade! mateus 6.9 (20)

discipulado-para-os-novos-convertidos.pdf
discipulado-para-os-novos-convertidos.pdfdiscipulado-para-os-novos-convertidos.pdf
discipulado-para-os-novos-convertidos.pdf
 
Apostila para Discipulado
Apostila para DiscipuladoApostila para Discipulado
Apostila para Discipulado
 
A doutrina da santificação
A doutrina da santificaçãoA doutrina da santificação
A doutrina da santificação
 
O espirito santo de deus
O  espirito  santo  de  deusO  espirito  santo  de  deus
O espirito santo de deus
 
Discipulado-para-o-batismo-consciente.pdf
Discipulado-para-o-batismo-consciente.pdfDiscipulado-para-o-batismo-consciente.pdf
Discipulado-para-o-batismo-consciente.pdf
 
Santidade
SantidadeSantidade
Santidade
 
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptxebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
ebd-2o-trimestre-2018-licao-7-jovens.pptx
 
Doutrinas Bíblicas - Soteriologia
Doutrinas Bíblicas - SoteriologiaDoutrinas Bíblicas - Soteriologia
Doutrinas Bíblicas - Soteriologia
 
Instruções Básicas Preparação ao Batismo
Instruções Básicas Preparação ao BatismoInstruções Básicas Preparação ao Batismo
Instruções Básicas Preparação ao Batismo
 
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra 21.03.2016
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra   21.03.2016Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra   21.03.2016
Princípios para o crescimento e desenvolvimento na palavra 21.03.2016
 
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 9 - A necessidade de termos uma vida santa
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 9 - A necessidade de termos uma vida santaLBA 2017 3 TRI LIÇÃO 9 - A necessidade de termos uma vida santa
LBA 2017 3 TRI LIÇÃO 9 - A necessidade de termos uma vida santa
 
A doutrina do espírito santo.ppt 2
A doutrina do espírito santo.ppt 2A doutrina do espírito santo.ppt 2
A doutrina do espírito santo.ppt 2
 
Apostila do discipulado encontro das aguas
Apostila do discipulado encontro das aguasApostila do discipulado encontro das aguas
Apostila do discipulado encontro das aguas
 
A obra da salvacao aula final
A obra da salvacao aula finalA obra da salvacao aula final
A obra da salvacao aula final
 
Revisão do discipulado
Revisão do discipuladoRevisão do discipulado
Revisão do discipulado
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
A doutrina da santificação
A doutrina da santificaçãoA doutrina da santificação
A doutrina da santificação
 
A doutrina da santificação
A doutrina da santificaçãoA doutrina da santificação
A doutrina da santificação
 
A) nosso credo
A) nosso credoA) nosso credo
A) nosso credo
 
A) nosso credo
A) nosso credoA) nosso credo
A) nosso credo
 

Último

Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 

Último (20)

Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 

Oração e santidade! mateus 6.9

  • 1. Oração e Santidade!Oração e Santidade! Abril/2015Abril/2015
  • 2. Mateus 6:9Mateus 6:9 Introdução:Introdução: A idéia bíblica de santo e santidade é de seA idéia bíblica de santo e santidade é de se separação. Conforme o emprego comum dasseparação. Conforme o emprego comum das Escrituras, "Santificar" significa separar algo doEscrituras, "Santificar" significa separar algo do uso comum para um uso exclusivo,peculiar; osuso comum para um uso exclusivo,peculiar; os termos bíblicos são utilizados exclusivamente notermos bíblicos são utilizados exclusivamente no sentido religioso:sentido religioso:  a) O sábado é um dia santo: (Ex 16.23; 20.8,11;a) O sábado é um dia santo: (Ex 16.23; 20.8,11; 35.2);35.2);  b) Israel é o povo santo de Deus: (Ex 19.6);b) Israel é o povo santo de Deus: (Ex 19.6);  c) A Igreja (1Pe 2.9).c) A Igreja (1Pe 2.9).
  • 3. No Antigo Testamento, Arão, oNo Antigo Testamento, Arão, o sacerdote, carregava inscrito em suasacerdote, carregava inscrito em sua mitra: "Santidade ao Senhor" (Êx 28.36-mitra: "Santidade ao Senhor" (Êx 28.36- 38), indicando a sua consagração total ao38), indicando a sua consagração total ao serviço de Deus.serviço de Deus. Deus é absolutamente santo,Deus é absolutamente santo, majestoso em Sua santidade (Êx 15.11; Slmajestoso em Sua santidade (Êx 15.11; Sl 99.9; Is 6.3) e deseja do Seu povo uma99.9; Is 6.3) e deseja do Seu povo uma vida de santidade.vida de santidade.
  • 4. 1. “A Oração do Senhor”:1. “A Oração do Senhor”: Na oração conhecida como Pai Nosso,Na oração conhecida como Pai Nosso, ensinada por Jesus Cristo aos seusensinada por Jesus Cristo aos seus discípulos, inicia assim:discípulos, inicia assim: ““Portanto, vós orareis assim: Pai nosso quePortanto, vós orareis assim: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teuestás nos céus, santificado seja o teu nome” (Mt 6.9).nome” (Mt 6.9).
  • 5. Santidade de DeusSantidade de Deus Quando oramos, estamos falando comQuando oramos, estamos falando com o nosso Pai. Todavia, devemos ter emo nosso Pai. Todavia, devemos ter em mente também que Deus é um Pai Santo,mente também que Deus é um Pai Santo, que deve ser reverenciado e adorado.que deve ser reverenciado e adorado. Jesus, na oração sacerdotal, assim seJesus, na oração sacerdotal, assim se refere ao Pai: “Pai Santo” (Jo 17.11).refere ao Pai: “Pai Santo” (Jo 17.11).
  • 6. Santidade do NomeSantidade do Nome Jesus declara a santidade do nome deJesus declara a santidade do nome de Deus. O que significa isto? É necessárioDeus. O que significa isto? É necessário que entendamos que, no mundo judeu, oque entendamos que, no mundo judeu, o nome significa a própria pessoa, por isso,nome significa a própria pessoa, por isso, falar no nome de Deus é falar no própriofalar no nome de Deus é falar no próprio Deus: a Sua natureza e caráter! NaDeus: a Sua natureza e caráter! Na Oração Sacerdotal Jesus diz ao Pai:Oração Sacerdotal Jesus diz ao Pai:
  • 7. ““Manifestei o teu nome aos homens que meManifestei o teu nome aos homens que me deste do mundo...”deste do mundo...” (Jo 17.6-8). À frente:(Jo 17.6-8). À frente: “Eu“Eu lhes fiz conhecer o teu nome e ainda o fareilhes fiz conhecer o teu nome e ainda o farei conhecer ....”conhecer ....” (Jo 17.26).(Jo 17.26). O Nome de Deus é a Sua própria natureza.O Nome de Deus é a Sua própria natureza. O nome envolve tudo quanto nos foiO nome envolve tudo quanto nos foi reveladorevelado a Seu respeito: Todos os Seus atributos e todasa Seu respeito: Todos os Seus atributos e todas as Suas obras.as Suas obras. O nome de Deus estáO nome de Deus está relacionado à Sua revelação.relacionado à Sua revelação. Por outro lado, a santificação do Seu nomePor outro lado, a santificação do Seu nome pressupõe o conhecimento daquele a quem opressupõe o conhecimento daquele a quem o nome representa; ou seja,nome representa; ou seja, conhecerconhecer experimentalmente a Deus (Sl 9.10;experimentalmente a Deus (Sl 9.10; 20.7).20.7).
  • 8. 2. Santificação: A Vontade Santa de2. Santificação: A Vontade Santa de Deus para os SeusDeus para os Seus As Escrituras ensinam enfaticamenteAs Escrituras ensinam enfaticamente que a Salvação do homem não é um fimque a Salvação do homem não é um fim em si mesma, antes é o início da vidaem si mesma, antes é o início da vida cristã, através da qual nos tornamos filhoscristã, através da qual nos tornamos filhos de Deus e progredimos em Santificaçãode Deus e progredimos em Santificação até à consumação de todo propósito deaté à consumação de todo propósito de Deus em nossa vida.Deus em nossa vida.
  • 9. O Significado da SantificaçãoO Significado da Santificação Cabe, aqui, uma definição. Santificação éCabe, aqui, uma definição. Santificação é "a"a graciosa e contínua operação do Espírito Santograciosa e contínua operação do Espírito Santo pela qual Ele liberta o pecador justificado dapela qual Ele liberta o pecador justificado da corrupção do pecado, renova toda a suacorrupção do pecado, renova toda a sua natureza à imagem de Deus, e o capacita anatureza à imagem de Deus, e o capacita a praticar boas obras."praticar boas obras." Santificação, portanto, é o ato sobrenaturalSantificação, portanto, é o ato sobrenatural que se inicia com a regeneração, consistindo noque se inicia com a regeneração, consistindo no progressivo abandono do pecado em direção aprogressivo abandono do pecado em direção a Deus. Deus é absolutamente santo, majestosoDeus. Deus é absolutamente santo, majestoso em Sua santidade (Êx 15.11; Sl 99.9; Is 6.3) eem Sua santidade (Êx 15.11; Sl 99.9; Is 6.3) e deseja do Seu povo uma vida de santidade.deseja do Seu povo uma vida de santidade.
  • 10. A Santificação é um ProcessoA Santificação é um Processo A santificação começa com o nossoA santificação começa com o nosso novo nascimento; todavia, ela jamais teránovo nascimento; todavia, ela jamais terá fim nesta vida. Nós não somos perfeitos,fim nesta vida. Nós não somos perfeitos, nem o seremos, enquanto estivermosnem o seremos, enquanto estivermos neste modo de vida terreno; todavia,neste modo de vida terreno; todavia, buscamos a perfeição; caminhamos embuscamos a perfeição; caminhamos em sua direção (Fp 3.12-16).sua direção (Fp 3.12-16).
  • 11. Antes o pecado comandava o nosso pensarAntes o pecado comandava o nosso pensar e agir, agora ele ainda nos influencia, todaviae agir, agora ele ainda nos influencia, todavia não mais reina.não mais reina. Isto indica a necessidade do convertidoIsto indica a necessidade do convertido adquirir novos hábitos pela prática da verdadeadquirir novos hábitos pela prática da verdade em amor (Ef 4.15). A graça de Deus éem amor (Ef 4.15). A graça de Deus é educadora (Tt 2.11-15), agindo através daseducadora (Tt 2.11-15), agindo através das Escrituras, nos corrigindo e educando na justiçaEscrituras, nos corrigindo e educando na justiça para o nosso aperfeiçoamento (2Tm 3.16,17).para o nosso aperfeiçoamento (2Tm 3.16,17). Todavia, continuaremos sendo pecadores até oTodavia, continuaremos sendo pecadores até o fim desta existência. (Pv 29.9; Ec 7.20; Rmfim desta existência. (Pv 29.9; Ec 7.20; Rm 7.13-25; Tg 3.1,2; 1Jo 1.8).7.13-25; Tg 3.1,2; 1Jo 1.8). Contudo, não existem carências em nossaContudo, não existem carências em nossa vida cristã que não possam ser supridas pelovida cristã que não possam ser supridas pelo próprio Cristo, nosso Senhor; e Ele o faz nospróprio Cristo, nosso Senhor; e Ele o faz nos renovando através do Seu conhecimento pelarenovando através do Seu conhecimento pela Palavra.Palavra.
  • 12. Notemos que a promessa de Jesus se refereNotemos que a promessa de Jesus se refere ao Seu socorro que nos conduz à vitória;ao Seu socorro que nos conduz à vitória; todavia, isto não exclui a gravidade da tentação,todavia, isto não exclui a gravidade da tentação, da luta contra a carne, o mundo e o diabo. Emda luta contra a carne, o mundo e o diabo. Em nosso desejo renovado de agradar a Deus,nosso desejo renovado de agradar a Deus, encontraremos sempre no pendor de nossaencontraremos sempre no pendor de nossa carne uma luta contra este propósito, para quecarne uma luta contra este propósito, para que façamos a vontade do velho homem, surgindofaçamos a vontade do velho homem, surgindo daí, um combate renhido. Todavia, a nossadaí, um combate renhido. Todavia, a nossa nova natureza triunfará pelo Espírito de Deusnova natureza triunfará pelo Espírito de Deus que em nós habita, cuja presença nos identificaque em nós habita, cuja presença nos identifica como filhos de Deus (Rm 8.9,14,16).como filhos de Deus (Rm 8.9,14,16).
  • 13. 3. A Santificação e a Consciência do3. A Santificação e a Consciência do PecadoPecado Faz-se necessário destacar que, em meio aFaz-se necessário destacar que, em meio a esta luta, muitas vezes nos sentimos como queesta luta, muitas vezes nos sentimos como que totalmente vencidos, tendo a consciência agudatotalmente vencidos, tendo a consciência aguda de nossa fraqueza e pecado, com a nítidade nossa fraqueza e pecado, com a nítida sensação de sermos derrotados, que as nossassensação de sermos derrotados, que as nossas provas vão além de nossa resistência. O próprioprovas vão além de nossa resistência. O próprio Pedro que, conforme já indicamos, recomenda aPedro que, conforme já indicamos, recomenda a exultação da Igreja pelo fato de sermosexultação da Igreja pelo fato de sermos guardados por Deus (1Pe 1.5-6), diz:guardados por Deus (1Pe 1.5-6), diz: "Nisso"Nisso exultais, embora, no presente, por breve tempo,exultais, embora, no presente, por breve tempo, se necessário, sejais contristados por váriasse necessário, sejais contristados por várias provações”provações” (1Pe 1.6). Paulo também, ao olhar(1Pe 1.6). Paulo também, ao olhar para si mesmo, declara:para si mesmo, declara: "Desventurado homem"Desventurado homem que sou!quem me livrará do corpo destaque sou!quem me livrará do corpo desta morte?" (Rm 7.24).morte?" (Rm 7.24).
  • 14. O nosso conforto é que mesmo DeusO nosso conforto é que mesmo Deus sendo santo, não podendo conviver com osendo santo, não podendo conviver com o pecado, odiando a iniqüidade (Is 61.8), epecado, odiando a iniqüidade (Is 61.8), e nós sendo miseráveis pecadores, Ele nosnós sendo miseráveis pecadores, Ele nos perdoa e purifica quando, arrependidos,perdoa e purifica quando, arrependidos, lhe confessamos os nossos pecados:lhe confessamos os nossos pecados: "Se"Se confessarmos os nossos pecados, ele éconfessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados efiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça”nos purificar de toda injustiça” (1Jo 1.9).(1Jo 1.9).
  • 15. 4. A Santificação tem um sentido4. A Santificação tem um sentido escatológicoescatológico Já indicamos que a Santificação é umJá indicamos que a Santificação é um processo que não encontra a sua perfeiçãoprocesso que não encontra a sua perfeição nesta vida. A sua conclusão se dará em nossanesta vida. A sua conclusão se dará em nossa glorificação futura, quando Deus completar aglorificação futura, quando Deus completar a Sua obra iniciada em nós (Rm 8.29-30: Fp 1.6).Sua obra iniciada em nós (Rm 8.29-30: Fp 1.6). Nesse sentido, a consumação da santificaçãoNesse sentido, a consumação da santificação tem dois aspectos:tem dois aspectos: um espiritual e outroum espiritual e outro físico:físico: espiritual, em nossa alma quandoespiritual, em nossa alma quando morrermos; físico, quando Cristo voltar emmorrermos; físico, quando Cristo voltar em glória, ressuscitarmos e tivermos os nossosglória, ressuscitarmos e tivermos os nossos corpos glorificados. Assim, a santificação serácorpos glorificados. Assim, a santificação será total. A perspectiva do encontro com Cristo,total. A perspectiva do encontro com Cristo, quando Ele regressar em glória, deve nosquando Ele regressar em glória, deve nos motivar hoje à santificação, a fim de vivermosmotivar hoje à santificação, a fim de vivermos em santidade na Sua presença. (1Jo 3.2,3).em santidade na Sua presença. (1Jo 3.2,3).
  • 16. 5. A Santificação é Imperativa5. A Santificação é Imperativa A santificação é um imperativo expresso porA santificação é um imperativo expresso por Deus em Sua Palavra, para todos os SeusDeus em Sua Palavra, para todos os Seus filhos. De fato, não pode existir vida cristãfilhos. De fato, não pode existir vida cristã estagnada, acomodada. A vida cristã é umestagnada, acomodada. A vida cristã é um desafio à santidade, conforme o propósito dedesafio à santidade, conforme o propósito de Deus. Deus nos chama à santidade, conforme oDeus. Deus nos chama à santidade, conforme o Seu propósito sábio, soberano, santo e eterno.Seu propósito sábio, soberano, santo e eterno. Sendo assim, a santificação faz parte essencialSendo assim, a santificação faz parte essencial da vida da Igreja. A santificação é uma vocaçãoda vida da Igreja. A santificação é uma vocação incondicional de todo o povo de Deus.incondicional de todo o povo de Deus.
  • 17. Deus nos elegeu na eternidade comDeus nos elegeu na eternidade com este propósito (Ef 1.4). De fato, não háeste propósito (Ef 1.4). De fato, não há salvação sem santificação. A nossasalvação sem santificação. A nossa eleição e salvação se evidenciam emeleição e salvação se evidenciam em nossa santificação; em nosso desejo denossa santificação; em nosso desejo de fazer a vontade de Deus.fazer a vontade de Deus. A Palavra de Deus estabelece umaA Palavra de Deus estabelece uma relação intrínseca entre a nossarelação intrínseca entre a nossa responsabilidade de santificação e oresponsabilidade de santificação e o nosso chamado (Rm 1.7; 1Co 1.2; Ef 1.4;nosso chamado (Rm 1.7; 1Co 1.2; Ef 1.4; 2Ts 2.13).2Ts 2.13).