SlideShare uma empresa Scribd logo
ÍNDICE

PORTUGUÊS
Funções da linguagem na comunicação

Língua Portuguesa ............................ 02

Para entendermos com clareza as funções da
linguagem, é bom primeiramente conhecermos as
etapas da comunicação.

Realidade Étnica .............................. 09
Direito Penal .................................... 21

Ao contrário do que muitos pensam, a
comunicação não acontece somente quando
falamos, estabelecemos um diálogo ou redigimos
um texto, ela se faz presente em todos (ou quase
todos)
os
momentos.
Comunicamo-nos com nossos colegas de trabalho,
com o livro que lemos, com a revista, com os
documentos que manuseamos, através de nossos
gestos, ações, até mesmo através de um beijo de
“boa-noite”.

D. constitucional .............................. 91
D. Processual Penal .......................... 111
Penal Militar..................................... 136
L. Extravagante................................. 156

No ato de comunicação, percebemos a existência
de
alguns
elementos,
são
eles:
a) emissor: é aquele que envia a mensagem (pode
ser uma única pessoa ou um grupo de pessoas).
b) mensagem: é o contéudo (assunto) das
informações que ora são transmitidas.
c) receptor: é aquele a quem a mensagem é
endereçada (um indivíduo ou um grupo), também
conhecido como destinatário.
d) canal de comunicação: é o meio pelo qual a
mensagem
é
transmitida.
e) código: é o conjunto de signos e de regras de
combinação desses signos utilizado para elaborar
a mensagem: o emissor codifica aquilo que o
receptor irá decodificar.
f) contexto: é o objeto ou a situação a que a
mensagem
se
refere.
Partindo desses seis elementos, Roman Jakobson,
1
linguista russo, elaborou estudos acerca
das funções da linguagem, os quais são muito
úteis para a análise e produção de textos. As seis
funções
são:

função poética da linguagem. Essa função é capaz
de despertar no leitor prazer estético e surpresa. É
explorado na poesia e em textos publicitários.
Essas funções não são exploradas isoladamente;
de modo geral, ocorre a superposição de várias
delas. Há, no entanto, aquela que se sobressai,
assim podemos identificar a finalidade principal
do texto.

1. Função referencial: referente é o objeto ou
situação de que a mensagem trata. A função
referencial privilegia justamente o referente da
mensagem, buscando transmitir informações
objetivas sobre ele. Essa função predomina nos
textos de caráter científico e é privilegiado nos
textos
jornalísticos.

LÍNGUA
PADRÃO
LINGUÍSTICAS

2. Função emotiva: através dessa função, o
emissor imprime no texto as marcas de sua atitude
pessoal: emoções, avaliações, opiniões. O leitor
sente no texto a presença do emissor.

E

VARIEDADES

A língua padrão está ligada à variedade escrita,
culta da língua portuguesa. Ela é considerada
formal, "correta", e deve ser usada em ocasiões
mais formais, tanto na escrita , quanto na fala.

3. Função
conativa: essa função procura
organizar o texto de forma que se imponha sobre o
receptor da mensagem, persuadindo-o, seduzindoo. Nas mensagens em que predomina essa função,
busca-se envolver o leitor com o conteúdo
transmitido, levando-o a adotar este ou aquele
comportamento.

A língua não-padrão está ligada à variedade
falada, coloquial da nossa língua. Ela é
considerada informal, mais flexível e permite
alguns usos que devem ser evitados quando
escrevemos: gírias, abreviações, falta dos plurais
nas palavras, etc. Porém, às vezes, encontramos
essa variedade não-padrão também na variedade
escrita : em textos como poesias, propagandas ,
jornal,etc.

4.Função fática: a palavra fático significa “ruído,
rumor”. Foi utilizada inicialmente para designar
certas formas usadas para chamar a atenção
(ruídos como psiu, ahn, ei). Essa função ocorre
quando a mensagem se orienta sobre o canal de
comunicação ou contato, buscando verificar e
fortalecer
sua
eficiência.

Os "erros" da variedade não-padrão são
considerados, pela Lingüística, desvios ou
variedades lingüísticas que devem ser respeitadas,
quer dizer, não se deve discriminar alguém que
fala "diferente"; essas diferenças, essas variedades
se
devem
a
vários
fatores
:
* geográficos = diferenças do sotaque de cada
região
brasileira
* idade = cada faixa etária possui suas próprias
gírias
* profissão = cada profissional tem seus termos ou
jargões
próprios
da
área
* sócio-econômicas = dependendo do acesso aos
estudos, do ambiente de cada falante, haverá
maior ou menor conhecimento da língua padrão.

5. Função metalingüística: quando a linguagem
se volta sobre si mesma, transformando-se em seu
próprio referente, ocorre a função metalingüística.
6. Função poética: quando a mensagem é
elaborada de forma inovadora e imprevista,
utilizando combinações sonoras ou rítmicas, jogos
de imagem ou de ideias, temos a manifestação da
2
banheiro, as placas de trânsito? Linguagem não
verbal!

Linguagem Verbal e Linguagem Não-Verbal
(linguagens verbais e não- verbais (jornais,
revistas, fotografias, esculturas, músicas,
vídeos, entre outros).

A linguagem pode ser ainda verbal e não verbal ao
mesmo tempo, como nos casos das charges,
cartoons e anúncios publicitários.

O que é linguagem? É o uso da língua como
forma de expressão e comunicação entre as
pessoas. Agora, a linguagem não é somente um
conjunto de palavras faladas ou escritas, mas
também de gestos e imagens. Afinal, não nos
comunicamos apenas pela fala ou escrita, não é
verdade?

Observe alguns exemplos:

Cartão vermelho – denúncia de falta
grave no futebol.

Então, a linguagem pode ser verbalizada, e daí
vem a analogia ao verbo. Você já tentou se
pronunciar sem utilizar o verbo? Se não, tente, e
verá que é impossível se ter algo fundamentado e
coerente! Assim, a linguagem verbal é que se
utiliza de palavras quando se fala ou quando se
escreve.

exemplo de linguagem verbal (óxente, polo norte
2100) e não verbal (imagem: sol, cactus,
pinguim).

A linguagem pode ser não verbal, ao contrário
da verbal, não se utiliza do vocábulo, das palavras
para se comunicar. O objetivo, neste caso, não é
de expor verbalmente o que se quer dizer ou o que
se está pensando, mas se utilizar de outros meios
comunicativos, como: placas, figuras, gestos,
objetos, cores, ou seja, dos signos visuais.

Símbolo que se coloca na porta para
indicar “sanitário masculino”.
COESÃO TEXTUAL
É um tipo de articulação gramatical entre os
elementos de um texto - o texto, compreendido
como 'tecido' , 'trama'. A esse mecanismo que
permite estabelecer boas relações entre os
elementos do texto para facilitar o entendimento e
torná-lo mais encorpado, agradável, mais atraente,
é que se chama coesão textual ou recursos
coesivos.

Vejamos: um texto narrativo, uma carta, o
diálogo, uma entrevista, uma reportagem no jornal
escrito ou televisionado, um bilhete? Linguagem
verbal!
Agora: o semáforo, o apito do
juiz numa partida de futebol, o
cartão vermelho, o cartão
amarelo, uma dança, o aviso de
“não fume” ou de “silêncio”, o
bocejo, a identificação de “feminino” e
“masculino” através de figuras na porta do

A construção de um texto se faz em torno de um
assunto pontuado - um tema. Esse tema, de uma
certa forma, tem que ser referenciado até o fim do
texto, mas será misturado a outros subtemas, que
farão parte das argumentações discursivas e que
vão gravitando em volta do tema central. Dessa
forma vai-se mantendo o assunto no fio do
discurso e compondo o texto, a tessitura. Tudo
3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamental
Teoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamentalTeoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamental
Teoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamental
Fatinha Bretas
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Faculdade Flamingo
 
Apresentação português Texto e (Co)texto
Apresentação português Texto e (Co)textoApresentação português Texto e (Co)texto
Apresentação português Texto e (Co)texto
Jonas Antunes
 
Slides oficina tp 2
Slides  oficina tp 2Slides  oficina tp 2
Slides oficina tp 2
Sadiasoares
 
Apostila jurídica
Apostila jurídicaApostila jurídica
Apostila jurídica
moisesvictor
 
Concepões de língua, linguagem, norma e fala
Concepões de língua, linguagem, norma e falaConcepões de língua, linguagem, norma e fala
Concepões de língua, linguagem, norma e fala
Hélio Xavier Pereira Júnior
 
Comunicação e redação organizacional-parte 1
Comunicação e redação organizacional-parte 1Comunicação e redação organizacional-parte 1
Comunicação e redação organizacional-parte 1
Ernandes Rodrigues Do Nascimento
 
Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1
Maninho Walker
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Roberta Scheibe
 
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais PompeuLinguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Alexandre Cavalcanti
 
Funções da linguagem slides
Funções da linguagem slidesFunções da linguagem slides
Funções da linguagem slides
nunesmaril
 
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaFundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Glacemi Loch
 
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médio
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médioGêneros textuais para 3º ano do ensino médio
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médio
Lae167
 
Planejamento anual 8 ano
Planejamento anual 8 ano Planejamento anual 8 ano
Planejamento anual 8 ano
Edilene Aparecida
 
Produção Textual: Texto Falado e Texto Escrito
Produção Textual: Texto Falado e Texto EscritoProdução Textual: Texto Falado e Texto Escrito
Produção Textual: Texto Falado e Texto Escrito
Wallysson Maia
 
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas.
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas. Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas.
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas.
Ailton Moreira
 
Projeto - Os gêneros textuais na EJA
Projeto - Os gêneros textuais na EJAProjeto - Os gêneros textuais na EJA
Projeto - Os gêneros textuais na EJA
Patrícia Fernanda da Costa Santos
 
Oralidade escrita
Oralidade escritaOralidade escrita
Oralidade escrita
Universidade de Sorocaba
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Valeria Nunes
 
Linguagem Oral e Escrita
Linguagem Oral e EscritaLinguagem Oral e Escrita
Linguagem Oral e Escrita
Anderson Cruz
 

Mais procurados (20)

Teoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamental
Teoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamentalTeoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamental
Teoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamental
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Apresentação português Texto e (Co)texto
Apresentação português Texto e (Co)textoApresentação português Texto e (Co)texto
Apresentação português Texto e (Co)texto
 
Slides oficina tp 2
Slides  oficina tp 2Slides  oficina tp 2
Slides oficina tp 2
 
Apostila jurídica
Apostila jurídicaApostila jurídica
Apostila jurídica
 
Concepões de língua, linguagem, norma e fala
Concepões de língua, linguagem, norma e falaConcepões de língua, linguagem, norma e fala
Concepões de língua, linguagem, norma e fala
 
Comunicação e redação organizacional-parte 1
Comunicação e redação organizacional-parte 1Comunicação e redação organizacional-parte 1
Comunicação e redação organizacional-parte 1
 
Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais PompeuLinguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
 
Funções da linguagem slides
Funções da linguagem slidesFunções da linguagem slides
Funções da linguagem slides
 
Fundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesaFundamentos metodologia língua portuguesa
Fundamentos metodologia língua portuguesa
 
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médio
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médioGêneros textuais para 3º ano do ensino médio
Gêneros textuais para 3º ano do ensino médio
 
Planejamento anual 8 ano
Planejamento anual 8 ano Planejamento anual 8 ano
Planejamento anual 8 ano
 
Produção Textual: Texto Falado e Texto Escrito
Produção Textual: Texto Falado e Texto EscritoProdução Textual: Texto Falado e Texto Escrito
Produção Textual: Texto Falado e Texto Escrito
 
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas.
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas. Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas.
Concepções de linguagem e sua implicação para o ensino de línguas.
 
Projeto - Os gêneros textuais na EJA
Projeto - Os gêneros textuais na EJAProjeto - Os gêneros textuais na EJA
Projeto - Os gêneros textuais na EJA
 
Oralidade escrita
Oralidade escritaOralidade escrita
Oralidade escrita
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Linguagem Oral e Escrita
Linguagem Oral e EscritaLinguagem Oral e Escrita
Linguagem Oral e Escrita
 

Destaque

Presentación slow tour la paloma
Presentación slow tour la palomaPresentación slow tour la paloma
Presentación slow tour la paloma
maria josé lorenzo sanchez
 
Slides crack
Slides crackSlides crack
Slides crack
jujuba_caramelada
 
Memoria sram
Memoria sramMemoria sram
Memoria sram
Mauricio Mayon Medina
 
я научу вас готовить
я научу вас готовитья научу вас готовить
я научу вас готовитьdyshlevaya91
 
Virtual businesses in SL
Virtual businesses in SLVirtual businesses in SL
Virtual businesses in SL
Cj Mon
 
Bases y condiciones concurso de cocineros
Bases y condiciones concurso de cocinerosBases y condiciones concurso de cocineros
Bases y condiciones concurso de cocineros
Sergio Segui Rollauser
 
Leasing process
Leasing processLeasing process
Leasing process
J Gregory Higgins
 
Revista Fisiomagazine Edição.02
Revista Fisiomagazine Edição.02Revista Fisiomagazine Edição.02
Revista Fisiomagazine Edição.02
Terapia Manual
 
Net Lease Property for Sale (Chicago MSA)
Net Lease Property for Sale (Chicago MSA)Net Lease Property for Sale (Chicago MSA)
Net Lease Property for Sale (Chicago MSA)
The Boulder Group
 
Washington Post _ politics news & analysis
Washington Post  _ politics news & analysisWashington Post  _ politics news & analysis
Washington Post _ politics news & analysis
Franco Ferrario
 
Wc boston
Wc bostonWc boston
Wc boston
Al Davis
 
Sirius Decisions eBook
Sirius Decisions eBookSirius Decisions eBook
Sirius Decisions eBook
clydejefferson
 
Protocolo de evaluación fonoaudiológica de la respiración español
Protocolo de evaluación fonoaudiológica de  la  respiración   españolProtocolo de evaluación fonoaudiológica de  la  respiración   español
Protocolo de evaluación fonoaudiológica de la respiración español
monita2603
 
Que es word y sus partes
Que es word y sus partesQue es word y sus partes
Que es word y sus partes
LIXAIDA RODRIGUEZ
 
Proyecto de vida
Proyecto de vidaProyecto de vida
Proyecto de vida
jorgeisaias
 
Modelos plastilina entrecruzamiento
Modelos plastilina entrecruzamientoModelos plastilina entrecruzamiento
Modelos plastilina entrecruzamiento
CiberGeneticaUNAM
 

Destaque (16)

Presentación slow tour la paloma
Presentación slow tour la palomaPresentación slow tour la paloma
Presentación slow tour la paloma
 
Slides crack
Slides crackSlides crack
Slides crack
 
Memoria sram
Memoria sramMemoria sram
Memoria sram
 
я научу вас готовить
я научу вас готовитья научу вас готовить
я научу вас готовить
 
Virtual businesses in SL
Virtual businesses in SLVirtual businesses in SL
Virtual businesses in SL
 
Bases y condiciones concurso de cocineros
Bases y condiciones concurso de cocinerosBases y condiciones concurso de cocineros
Bases y condiciones concurso de cocineros
 
Leasing process
Leasing processLeasing process
Leasing process
 
Revista Fisiomagazine Edição.02
Revista Fisiomagazine Edição.02Revista Fisiomagazine Edição.02
Revista Fisiomagazine Edição.02
 
Net Lease Property for Sale (Chicago MSA)
Net Lease Property for Sale (Chicago MSA)Net Lease Property for Sale (Chicago MSA)
Net Lease Property for Sale (Chicago MSA)
 
Washington Post _ politics news & analysis
Washington Post  _ politics news & analysisWashington Post  _ politics news & analysis
Washington Post _ politics news & analysis
 
Wc boston
Wc bostonWc boston
Wc boston
 
Sirius Decisions eBook
Sirius Decisions eBookSirius Decisions eBook
Sirius Decisions eBook
 
Protocolo de evaluación fonoaudiológica de la respiración español
Protocolo de evaluación fonoaudiológica de  la  respiración   españolProtocolo de evaluación fonoaudiológica de  la  respiración   español
Protocolo de evaluación fonoaudiológica de la respiración español
 
Que es word y sus partes
Que es word y sus partesQue es word y sus partes
Que es word y sus partes
 
Proyecto de vida
Proyecto de vidaProyecto de vida
Proyecto de vida
 
Modelos plastilina entrecruzamiento
Modelos plastilina entrecruzamientoModelos plastilina entrecruzamiento
Modelos plastilina entrecruzamiento
 

Semelhante a Apostila jurídica

Leitura e producao textual fmb
Leitura e producao textual fmbLeitura e producao textual fmb
Leitura e producao textual fmb
Wellington Alves
 
ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptx
ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptxADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptx
ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptx
carminhadc38
 
Funções de linguagem
Funções de linguagemFunções de linguagem
Funções de linguagem
Lilian Lima
 
Portugues lucas
Portugues lucasPortugues lucas
Portugues lucas
Lukas Mello
 
As múltiplas funções da linguagem no estabelecimento e na organização das rel...
As múltiplas funções da linguagem no estabelecimento e na organização das rel...As múltiplas funções da linguagem no estabelecimento e na organização das rel...
As múltiplas funções da linguagem no estabelecimento e na organização das rel...
Marta Dal Pizzol
 
Leitura e produção
Leitura e produçãoLeitura e produção
Leitura e produção
Kelly Ariane Buás Bráz
 
Resumo completo analise textual aulas 1 10
Resumo completo analise textual aulas 1 10Resumo completo analise textual aulas 1 10
Resumo completo analise textual aulas 1 10
Janair E Edvonaldo
 
Tecnicas de comunicaca
Tecnicas de comunicacaTecnicas de comunicaca
Tecnicas de comunicaca
Victor Loforte
 
O que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandãoO que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandão
Rose Moraes
 
TP5- Unidades 17 e 18
TP5- Unidades 17  e  18TP5- Unidades 17  e  18
TP5- Unidades 17 e 18
Tatiane Rauber Dedé
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Maria De Lourdes Ramos
 
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º AnoProfª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Trabalho LPL
Trabalho LPLTrabalho LPL
Trabalho LPL
Taissccp
 
Comunicação e expressão
Comunicação e expressão Comunicação e expressão
Comunicação e expressão
Karen Costa
 
O Processo de Comunicação
O Processo de ComunicaçãoO Processo de Comunicação
Ipt resumo
Ipt   resumoIpt   resumo
Ipt resumo
Lu1zFern4nando
 
Caderno
CadernoCaderno
Língua e linguagem
Língua e linguagemLíngua e linguagem
Língua e linguagem
johnypakato
 
Tp5
Tp5Tp5
Tp5
cleia
 
TEORIA-DA-COMUNICAÇÃO.ppt
TEORIA-DA-COMUNICAÇÃO.pptTEORIA-DA-COMUNICAÇÃO.ppt
TEORIA-DA-COMUNICAÇÃO.ppt
evandro163685
 

Semelhante a Apostila jurídica (20)

Leitura e producao textual fmb
Leitura e producao textual fmbLeitura e producao textual fmb
Leitura e producao textual fmb
 
ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptx
ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptxADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptx
ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptx
 
Funções de linguagem
Funções de linguagemFunções de linguagem
Funções de linguagem
 
Portugues lucas
Portugues lucasPortugues lucas
Portugues lucas
 
As múltiplas funções da linguagem no estabelecimento e na organização das rel...
As múltiplas funções da linguagem no estabelecimento e na organização das rel...As múltiplas funções da linguagem no estabelecimento e na organização das rel...
As múltiplas funções da linguagem no estabelecimento e na organização das rel...
 
Leitura e produção
Leitura e produçãoLeitura e produção
Leitura e produção
 
Resumo completo analise textual aulas 1 10
Resumo completo analise textual aulas 1 10Resumo completo analise textual aulas 1 10
Resumo completo analise textual aulas 1 10
 
Tecnicas de comunicaca
Tecnicas de comunicacaTecnicas de comunicaca
Tecnicas de comunicaca
 
O que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandãoO que é discurso helena brandão
O que é discurso helena brandão
 
TP5- Unidades 17 e 18
TP5- Unidades 17  e  18TP5- Unidades 17  e  18
TP5- Unidades 17 e 18
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º AnoProfª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
 
Trabalho LPL
Trabalho LPLTrabalho LPL
Trabalho LPL
 
Comunicação e expressão
Comunicação e expressão Comunicação e expressão
Comunicação e expressão
 
O Processo de Comunicação
O Processo de ComunicaçãoO Processo de Comunicação
O Processo de Comunicação
 
Ipt resumo
Ipt   resumoIpt   resumo
Ipt resumo
 
Caderno
CadernoCaderno
Caderno
 
Língua e linguagem
Língua e linguagemLíngua e linguagem
Língua e linguagem
 
Tp5
Tp5Tp5
Tp5
 
TEORIA-DA-COMUNICAÇÃO.ppt
TEORIA-DA-COMUNICAÇÃO.pptTEORIA-DA-COMUNICAÇÃO.ppt
TEORIA-DA-COMUNICAÇÃO.ppt
 

Apostila jurídica

  • 1. ÍNDICE PORTUGUÊS Funções da linguagem na comunicação Língua Portuguesa ............................ 02 Para entendermos com clareza as funções da linguagem, é bom primeiramente conhecermos as etapas da comunicação. Realidade Étnica .............................. 09 Direito Penal .................................... 21 Ao contrário do que muitos pensam, a comunicação não acontece somente quando falamos, estabelecemos um diálogo ou redigimos um texto, ela se faz presente em todos (ou quase todos) os momentos. Comunicamo-nos com nossos colegas de trabalho, com o livro que lemos, com a revista, com os documentos que manuseamos, através de nossos gestos, ações, até mesmo através de um beijo de “boa-noite”. D. constitucional .............................. 91 D. Processual Penal .......................... 111 Penal Militar..................................... 136 L. Extravagante................................. 156 No ato de comunicação, percebemos a existência de alguns elementos, são eles: a) emissor: é aquele que envia a mensagem (pode ser uma única pessoa ou um grupo de pessoas). b) mensagem: é o contéudo (assunto) das informações que ora são transmitidas. c) receptor: é aquele a quem a mensagem é endereçada (um indivíduo ou um grupo), também conhecido como destinatário. d) canal de comunicação: é o meio pelo qual a mensagem é transmitida. e) código: é o conjunto de signos e de regras de combinação desses signos utilizado para elaborar a mensagem: o emissor codifica aquilo que o receptor irá decodificar. f) contexto: é o objeto ou a situação a que a mensagem se refere. Partindo desses seis elementos, Roman Jakobson, 1
  • 2. linguista russo, elaborou estudos acerca das funções da linguagem, os quais são muito úteis para a análise e produção de textos. As seis funções são: função poética da linguagem. Essa função é capaz de despertar no leitor prazer estético e surpresa. É explorado na poesia e em textos publicitários. Essas funções não são exploradas isoladamente; de modo geral, ocorre a superposição de várias delas. Há, no entanto, aquela que se sobressai, assim podemos identificar a finalidade principal do texto. 1. Função referencial: referente é o objeto ou situação de que a mensagem trata. A função referencial privilegia justamente o referente da mensagem, buscando transmitir informações objetivas sobre ele. Essa função predomina nos textos de caráter científico e é privilegiado nos textos jornalísticos. LÍNGUA PADRÃO LINGUÍSTICAS 2. Função emotiva: através dessa função, o emissor imprime no texto as marcas de sua atitude pessoal: emoções, avaliações, opiniões. O leitor sente no texto a presença do emissor. E VARIEDADES A língua padrão está ligada à variedade escrita, culta da língua portuguesa. Ela é considerada formal, "correta", e deve ser usada em ocasiões mais formais, tanto na escrita , quanto na fala. 3. Função conativa: essa função procura organizar o texto de forma que se imponha sobre o receptor da mensagem, persuadindo-o, seduzindoo. Nas mensagens em que predomina essa função, busca-se envolver o leitor com o conteúdo transmitido, levando-o a adotar este ou aquele comportamento. A língua não-padrão está ligada à variedade falada, coloquial da nossa língua. Ela é considerada informal, mais flexível e permite alguns usos que devem ser evitados quando escrevemos: gírias, abreviações, falta dos plurais nas palavras, etc. Porém, às vezes, encontramos essa variedade não-padrão também na variedade escrita : em textos como poesias, propagandas , jornal,etc. 4.Função fática: a palavra fático significa “ruído, rumor”. Foi utilizada inicialmente para designar certas formas usadas para chamar a atenção (ruídos como psiu, ahn, ei). Essa função ocorre quando a mensagem se orienta sobre o canal de comunicação ou contato, buscando verificar e fortalecer sua eficiência. Os "erros" da variedade não-padrão são considerados, pela Lingüística, desvios ou variedades lingüísticas que devem ser respeitadas, quer dizer, não se deve discriminar alguém que fala "diferente"; essas diferenças, essas variedades se devem a vários fatores : * geográficos = diferenças do sotaque de cada região brasileira * idade = cada faixa etária possui suas próprias gírias * profissão = cada profissional tem seus termos ou jargões próprios da área * sócio-econômicas = dependendo do acesso aos estudos, do ambiente de cada falante, haverá maior ou menor conhecimento da língua padrão. 5. Função metalingüística: quando a linguagem se volta sobre si mesma, transformando-se em seu próprio referente, ocorre a função metalingüística. 6. Função poética: quando a mensagem é elaborada de forma inovadora e imprevista, utilizando combinações sonoras ou rítmicas, jogos de imagem ou de ideias, temos a manifestação da 2
  • 3. banheiro, as placas de trânsito? Linguagem não verbal! Linguagem Verbal e Linguagem Não-Verbal (linguagens verbais e não- verbais (jornais, revistas, fotografias, esculturas, músicas, vídeos, entre outros). A linguagem pode ser ainda verbal e não verbal ao mesmo tempo, como nos casos das charges, cartoons e anúncios publicitários. O que é linguagem? É o uso da língua como forma de expressão e comunicação entre as pessoas. Agora, a linguagem não é somente um conjunto de palavras faladas ou escritas, mas também de gestos e imagens. Afinal, não nos comunicamos apenas pela fala ou escrita, não é verdade? Observe alguns exemplos: Cartão vermelho – denúncia de falta grave no futebol. Então, a linguagem pode ser verbalizada, e daí vem a analogia ao verbo. Você já tentou se pronunciar sem utilizar o verbo? Se não, tente, e verá que é impossível se ter algo fundamentado e coerente! Assim, a linguagem verbal é que se utiliza de palavras quando se fala ou quando se escreve. exemplo de linguagem verbal (óxente, polo norte 2100) e não verbal (imagem: sol, cactus, pinguim). A linguagem pode ser não verbal, ao contrário da verbal, não se utiliza do vocábulo, das palavras para se comunicar. O objetivo, neste caso, não é de expor verbalmente o que se quer dizer ou o que se está pensando, mas se utilizar de outros meios comunicativos, como: placas, figuras, gestos, objetos, cores, ou seja, dos signos visuais. Símbolo que se coloca na porta para indicar “sanitário masculino”. COESÃO TEXTUAL É um tipo de articulação gramatical entre os elementos de um texto - o texto, compreendido como 'tecido' , 'trama'. A esse mecanismo que permite estabelecer boas relações entre os elementos do texto para facilitar o entendimento e torná-lo mais encorpado, agradável, mais atraente, é que se chama coesão textual ou recursos coesivos. Vejamos: um texto narrativo, uma carta, o diálogo, uma entrevista, uma reportagem no jornal escrito ou televisionado, um bilhete? Linguagem verbal! Agora: o semáforo, o apito do juiz numa partida de futebol, o cartão vermelho, o cartão amarelo, uma dança, o aviso de “não fume” ou de “silêncio”, o bocejo, a identificação de “feminino” e “masculino” através de figuras na porta do A construção de um texto se faz em torno de um assunto pontuado - um tema. Esse tema, de uma certa forma, tem que ser referenciado até o fim do texto, mas será misturado a outros subtemas, que farão parte das argumentações discursivas e que vão gravitando em volta do tema central. Dessa forma vai-se mantendo o assunto no fio do discurso e compondo o texto, a tessitura. Tudo 3