SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 91
Técnico em
Administração/
Logística
Módulo I
MARIA DO CARMO
COMUNICAR é o ato de tornar comum uma
mensagem por meio de códigos verbais(como a
fala) e/ou não verbais (gestos e expressões
faciais).
Para que a comunicação ocorra, precisamos ter:
• Emissor
• Receptor
• Mensagem
• Canal
Linguagem e Língua
Linguagem é a representação do pensamento por meio de sinais que
permitem a comunicação e a interação entre as pessoas.
Ela se compõe de:
– Linguagem verbal: é aquela que tem por unidade a palavra.
– Linguagem não verbal: tem outros tipos de unidade, como gestos, o
movimento, a imagem, etc.
– Linguagem mista: como as histórias em quadrinhos, o cinema e a
TV, que utilizam a imagem e a palavra.
Variações Linguísticas
– Norma culta (língua padrão): a variedade linguística de maior
prestígio social. É padronizada em função da comunicação pública
e da educação;
– Dialetos: variações faladas por comunidades geograficamente
definidas, originadas das diferentes entre região, idade, sexo,
classes ou grupos sociais, incluindo a própria evolução histórica da
língua;
– Socioletos: variações faladas por comunidades socialmente
definidas;
Variações Linguísticas
– Idioletos: variação linguística particular de uma pessoa;
– Registros: o vocabulário especializado e/ou a gramática de
certas atividades ou profissões;
– Etnoletos: variações linguísticas adotadas por um grupo
étnico; e,
– Ecoletos: idioleto adotado por uma casa.
Variações Linguísticas
Algumas definições são importantes para entender um pouco sobre
comunicação, segundo Monteiro & Monteiro (2009):
– linguagem é a representação do pensamento por meio de sinais
que permitem a comunicação e a interação entre as pessoas;
– língua é um sistema abstrato de regras, não só gramaticais, mas
também semânticas e fonológicas, por meio das quais a
linguagem (ou fala) se revela;
Variações Linguísticas
– O emissor envia uma mensagem, que tanto pode ser visual
quanto escrita, a um receptor. O receptor recebe a mensagem
e, geralmente, dá uma resposta ao emissor. A necessidade de
resposta faz parte do processo de comunicação entre os seres
humanos, pois quando uma pessoa envia a mensagem e não
recebe a resposta do receptor, o processo de comunicação não
se completa (Monteiro & Monteiro, 2009).
– A gramática da Língua Portuguesa está
dividida em grandes campos de estudo: a
fonética, a morfologia, a semântica e a
sintaxe. A fonética estuda os sons da
fala. A morfologia estuda a forma das
palavras e a representação gráfica. A
semântica preocupa-se não só com a
representação gráfica do vocábulo, mas
com seu significado. A sintaxe estuda os
termos que compõem uma oração. A
oração pode apresentar um sujeito, terá
sempre um predicado, e pode ter ou não
complementos (Monteiro & Monteiro,
2009).
Definição
A língua oral e a língua escrita têm propriedades distintas, que variam
de acordo com o indivíduo que a utiliza, levando-se em conta a
influência da cultura e do meio social em que este vive, porém, ambas se
completam em determinados aspectos.
No momento em que cada indivíduo consegue se comunicar, conforme
suas particularidades, a linguagem tem, então, a sua função exercida.
Definição
O falante não escreve do mesmo modo que fala.
Enquanto fala, a linguagem apresenta maior liberdade
no discurso, uma vez que não exige planejamento,
podendo ser enfática, redundante, com variados timbres
e entonações. Na língua oral, de modo geral, o falante
não se prende à norma culta.
Língua Oral e Língua Escrita
A escrita, por sua vez, mantém contato indireto
entre escritor e leitor. A linguagem escrita é mais
objetiva, portanto, necessita de grande atenção e
obediência às normas gramaticais, caracterizando-
se, assim, por frases completas, bem elaboradas e
revisadas, explícitas, vocabulário distinto e variado,
clareza no diálogo e uso de sinônimos. Devido a
estes traços, esta é uma linguagem conservadora
aos padrões estabelecidos pelas regras gramaticais.
Língua Oral e Língua Escrita
Tanto por meio da língua oral como da língua escrita, o indivíduo participa
efetivamente do seu meio social, comunicando-se, buscando acesso à informação,
expressando e defendendo seus pontos de vista, dividindo e/ou construindo visões
de mundo, produzindo novos conhecimentos.
Há particularidades na língua oral que, mais do que a diferenciam da língua escrita,
a tornam específica. São elementos exclusivos, tais como: gesticulação, fluidez das
ideias expostas, eficácia na correção da informação, dado que o falante tem o
controle da comunicação no momento de sua fala.
Língua Oral e Língua Escrita
No que tange à linguagem escrita, além de esta ter como característica
principal o fato de ser, como ela própria se anuncia, escrita, reproduzida
por textos, ela também apresenta particularidades que a diferenciam da
linguagem oral. A mais importante delas é a correção gramatical, sobre a
qual recaem a objetividade, a clareza e a coesão. Estas são essenciais
para que a comunicação ocorra, dado que emissor e receptor estão
distantes, podendo, inclusive, ser desconhecidos um do outro.
Por isso a correção gramatical é tão importante. Um
texto apresentado de forma objetiva, com ideias claras,
concisas é mais facilmente compreendido pelo receptor
e nele provoca o efeito desejado pelo emissor.
A produção do texto escrito se dá de forma coordenada,
uma vez requer planejamento, transformando sua
estrutura sintática elegante, bem formada.
Língua Oral e Língua Escrita
Uma diferença que chama atenção entre a linguagem oral e a escrita é
que na primeira as falas podem se apresentar fragmentadas,
desordenadas, incompletas, enquanto que na segunda isto não ocorre.
Outra característica particular que as difere é que na linguagem escrita o
vocabulário é muito variado e essencialmente conservador e dependente
do grau do nível de formalismo.
Enfim, pode-se afirmar que a fala e a escrita são dois modos bem
diferentes, e em alguns momentos complementares, de o usuário
representar as suas experiências linguísticas.
Língua Oral e Língua Escrita
As funções da linguagem estão centradas nos elementos da comunicação.
Toda comunicação apresenta uma variedade de funções, mas elas se
apresentam hierarquizadas, sendo uma dominante, de acordo com o enfoque
que o destinador quer dar ou do efeito que quer causar no receptor.
Função Emotiva (ou expressiva)
Centra-se no sujeito emissor e suscita a impressão de um
sentimento verdadeiro ou simulado. Observe-se o texto a
seguir:
Não só baseado na avaliação do Guia da Folha, mas também por
iniciativa própria, assisti cinco vezes a “Um filme falado”. Temia que a
crítica brasileira condenasse o filme por não ser convencional, mas tive
uma satisfação imensa quando li críticas unânimes da imprensa. Isso
mostra que, apesar de tantos enlatados, a nossa crítica é antenada com
o passado e o presente da humanidade e com as coisas que acontecem
no mundo. Fantástico! Parabéns, Sérgio Rizzo, seus textos nunca me
decepcionam”.
Luciano Duarte. Guia da Folha, 10 a 16 de junho 2005.
Nota-se no texto que o emissor
emprega a primeira pessoa (eu):
(assisti, temia, tive, li...), aponta
qualidades subjetivas, utilizando
adjetivos (satisfação imensa, críticas
unânimes, fantástico...), advérbios
(nunca me decepcionam), além de
recursos gráficos que indicam
ênfase, ao utilizar ponto de
exclamação (fantástico!).
Destaca-se aqui o ponto de vista do
emissor, a sua percepção dos
acontecimentos, característica da
função emotiva da linguagem.
Funções da Linguagem
Função Referencial (ou denotativa ou cognitiva)
Esta é a função da linguagem que aponta para o sentimento real das
coisas. O texto ilustrado abaixo revelará as nuances características da
função referencial.
**** UM FILME FALADO – Idem. França/Itália/Portugal, 2003.
Direção: Manoel de Oliveira. Com: Leonor Silveira, John
Malkovich, Catherine Deneuve, Stefania Sandrelli e Irene Papas.
Jovem professora de história embarca com a filha em um cruzeiro
que vai de Lisboa a Bombaim. 96 min. 12 anos. Cinearte 1, desde
14. Frei Caneca Unibanco Arteplex 7, 13h, 15h10, 17h20, 19h30 e
21h50.
Observam-se neste segundo texto outros procedimentos
colocados em destaque, tais como: o uso da terceira pessoa,
explicitado no trecho: ‘jovem professora de história (ela)’;
ausência de adjetivos, dado que a indicação de que o filme é
bom aparece ilustrado com 4 estrelinhas; ausência de
expressões que indiquem a opinião do emissor (tais como,
‘eu acho, eu desejo); emprego de um conjunto de
informações que dizem respeito a coisas do mundo real, tais
como a exatidão dos horários, o endereço, os nomes próprios.
Este conjunto de procedimentos dá ao emissor a impressão de
objetividade, como se a informação traduzisse
verdadeiramente o que acontece no mundo real,
caracterizando a função referencial ou informativa da
linguagem.
Função Conativa (ou apelativa ou imperativa)
Este tipo de função centra-se no sujeito
receptor e é eminentemente persuasória.
Observe-se o texto a seguir:
RESERVA CULTURAL
Você nunca viu cinema assim.
Não perca a retrospectiva especial de inauguração, com 50% de
desconto, apresentando cinco filmes que foram sucesso de
público. E, claro, de crítica também.
Função Conativa (ou apelativa ou imperativa)
Neste texto, o destaque está no destinatário. Para tanto,
o emissor se valeu de procedimentos, tais como: o uso
da segunda pessoa (você); o uso do imperativo (Não
perca!). O resultado é a interação com o destinatário,
procurando convencê-lo a realizar uma ação (ir ao
espaço cultural).
Este tipo de função é característico dos textos
publicitários, que, em geral, procuram convencer ou
persuadir o destinatário a dar uma resposta, que pode
ser a mudança de comportamento, de hábitos, como
abrir conta em banco, frequentar determinados tipos de
lugares ou consumir determinado produto.
Função Fática (ou de contato)
– A função fática da linguagem visa estabelecer, prolongar ou
interromper a comunicação e serve para verificar a eficiência do canal.
É muito comum em conversações cotidianas.
– Aqui o emissor usa procedimentos para manter o contato físico ou
psicológico com o interlocutor, como, por exemplo, ao iniciar uma
conversa telefônica (‘Alô!’) ou ainda utilizando fórmulas prontas para
dar continuidade à conversa, como no caso de: ‘aham, hum, bem,
como?, pois é’. Este tipo de mensagem serve para manter o contato,
sustentar ou alongar (ou mesmo interromper) a conversa.
Função Metalinguística
Este tipo de função consiste numa
recodificação e passa a existir quando a
linguagem fala dela mesma.
Checa se o emissor e receptor estão usando o
mesmo repertório. Por exemplo, quando o
emissor quer esclarecer o que está querendo
dizer e utiliza ‘eu quis dizer que’, ‘que quero
dizer que esta palavra poder ser substituída por
outra mais precisa, que desse a entender que...’.
Um exemplo comum da aplicação da função
metalinguística está no preenchimento de
palavras cruzadas, na consulta a um dicionário.
Aqui, faz uso da linguagem (o código) para
falar, explicar, descrever o próprio código
linguístico.
Função Poética
Subi a porta e fechei a escada.
Tirei minhas orações e recitei meus sapatos.
Desliguei a cama e deitei-me na luz
Tudo porque ele me deu um beijo de boa noite...
[Autor anônimo]
Observa-se a falta de lógica no texto, a tentativa de o autor
fugir das formas habituais, dando ênfase a sua forma de
expressão, não levando em conta apenas ‘o que’, mas ‘como’
ele queria dizer.
Tipologia Textual e Gênero Textuais
Definição
Tipologia é a ciência que estuda os tipos. É muito utilizada para
definir diferentes categorias. No que diz respeito ao texto, a
tipologia busca estudar as suas características, sua composição,
como ele vai ser apresentado no seu processo de criação, se por
uma narração, descrição, argumentação ou exposição, por
exemplo. Quanto ao gênero textual, este se refere às mais
variadas formas de expressão de um texto.
Tipologia Textual e Gênero Textuais
Tipos Textuais
O texto é uma unidade linguística concreta, percebida tanto pela
audição, a fala, quanto pela visão, a escrita, composto por
unidade de sentido e intencionalidade comunicativa. Há dois
elementos essenciais que devem ser observados na produção
textual: a coesão – que diz respeito às articulações gramaticais
existentes entre palavras, orações, frases, parágrafos e partes
maiores de um texto, que garantem sua conexão sequencial; e a
coerência – que é o resultado da articulação das ideias de um
texto, a sua estruturação lógica semântica, que permite que
numa situação discursiva palavras e frases componham um todo
significativo para os interlocutores.
Tipologia Textual e Gênero Textuais
Tipos Textuais
Quando se fala em tipologia textual, normalmente atenta-se para
a divisão tradicional dos textos: a descrição, a narração e a
dissertação. Entretanto, os tipos de textos extrapolam esta tríade.
Tipologia Textual e Gênero Textuais
Texto Descritivo
A descrição usa um tipo de texto em que se faz um retrato falado
de uma pessoa, animal, objeto ou lugar. A classe de palavras mais
utilizada nesta produção é o adjetivo, pela sua função
caracterizadora, dando ao leitor uma grande riqueza de detalhes.
A descrição, ao contrário da narração, não supõe ação. É uma
estrutura pictórica, em que os aspectos sensoriais predominam.
Assim como o pintor capta o mundo exterior ou interior em suas
telas, o autor de uma descrição focaliza cenas ou imagens,
conforme permita sua sensibilidade.
Tipologia Textual e Gênero Textuais
Texto Narrativo
Esta é uma modalidade textual em que se conta um fato, fictício
ou real, ocorrido num determinado tempo e lugar, envolvendo
certos personagens. Há uma relação de anterioridade e
posterioridade. O tempo verbal predominante é o passado.
Em geral, a narrativa se desenvolve em prosa. O narrar surge da
busca de transmitir, de comunicar qualquer acontecimento ou
situação. A narração em primeira pessoa pressupõe a participação
do narrador (narrador enquanto personagem) e em terceira
pessoa mostra o que ele viu ou ouviu (narrador enquanto
observador). Na narração encontram-se, ainda, os personagens
(principais ou secundários), o espaço (cenário) e o tempo da
narrativa.
Tipologia Textual e Gênero Textuais
Texto Dissertativo
Neste tipo de texto há posicionamentos pessoais e exposição de
ideias. Tem por base a argumentação, apresentada de forma
lógica e coerente, a fim de defender um ponto de vista. É a
conhecida “redação” de cada dia. É a modalidade mais exigida
nos concursos, já que requer dos candidatos um conhecimento
de leitura do mundo, como também um bom domínio da norma
culta.
Tipologia Textual e Gênero Textuais
Texto Dissertativo
Embora o texto dissertativo exponha os posicionamentos de
quem escreve, é importante salientar que estes devem aparecer
implícitos no texto, não sendo permitida a utilização da primeira
pessoa do singular. Salvo em alguns casos, a primeira pessoa do
plural aparece no texto, porém recomenda-se o uso da
impessoalidade no texto de uma forma geral. O texto dissertativo
estrutura-se basicamente em: ideia principal (introdução),
desenvolvimento (argumentos e aspectos que o tema envolve) e
conclusão (síntese da posição assumida).
.
Tipologia Textual e Gênero Textuais
Texto Expositivo
Apresenta informações sobre determinados assuntos, expondo
ideias, explicando e avaliando. Como o próprio nome indica,
ocorre em textos que se limitam a apresentar uma determinada
situação.
As exposições orais ou escritas entre professores e alunos numa
sala de aula, os livros e as fontes de consulta, são exemplos desta
modalidade..
Tipologia Textual e Gênero Textuais
Texto Injuntivo
Este tipo de texto indica como realizar uma determinada ação. Ele
normalmente pede, manda ou aconselha. Utiliza linguagem direta,
objetiva e simples. Os verbos são, em sua maioria, empregados no
modo imperativo.
Bons exemplos deste tipo de texto são as receitas de culinária, os
manuais, receitas médicas,. editais, etc
Tipologia Textual e Gênero Textuais
Gêneros Textuais
Muitos confundem os tipos de texto com os gêneros. No
primeiro, eles funcionam como modos de organização, sendo
limitados. No segundo, são os chamados textos materializados,
encontrados no cotidiano. Eles são muitos, apresentando
características sociocomunicativas definidas por seu estilo,
função, composição conteúdo e canal.
Assim, quando se escreve um bilhete ou uma carta, quando se
envia ou se recebe um e-mail ou usam-se os chats das redes
sociais, utilizam-se diversos gêneros textuais. Entrevistas,
cardápios, horóscopos, telegrama, telefona, lista de compras,
blogs, agendas, são exemplos de gêneros textuais.
Ortografia e Emprego de Algumas
Palavras e Expressões
Cessão/Sessão/Seção (ou Secção):
Cessão é o ato de ceder. Ex.: A cessão do terreno para a
construção de uma creche agradou a todos. Ele fez a cessão de
seus direitos autorais àquela instituição; sessão é o intervalo de
tempo que dura uma reunião, uma assembleia. Ex.: A Câmara
reuniu-se em sessão extraordinária. Assistimos a uma sessão de
cinema; e seção (ou secção) significa parte de um todo, corte,
subdivisão. Ex.: Compramos os presentes na seção de brinquedos.
Lemos na seção de Economia que a gasolina vai aumentar.
Ortografia e Emprego de Algumas
Palavras e Expressões
Cessão/Sessão/Seção (ou Secção):
Cessão é o ato de ceder. Ex.: A cessão do terreno para a
construção de uma creche agradou a todos. Ele fez a cessão de
seus direitos autorais àquela instituição; sessão é o intervalo de
tempo que dura uma reunião, uma assembleia. Ex.: A Câmara
reuniu-se em sessão extraordinária. Assistimos a uma sessão de
cinema; e seção (ou secção) significa parte de um todo, corte,
subdivisão. Ex.: Compramos os presentes na seção de brinquedos.
Lemos na seção de Economia que a gasolina vai aumentar.
Ortografia e Emprego de Algumas
Palavras e Expressões
Porquê/Porque/Por quê/Por que:
Porquê: quando for um substantivo, equivale à causa, motivo,
razão, e vem precedido dos artigos o(os), um(uns). Ex.: Não me
interessa o porquê de sua ausência. Porque: quando se introduz
uma explicação. Equivale a ‘pois’. Ex.: Carlos, venha porque
preciso de você! Por quê: no final de perguntas. Ex.: Ademar não
veio, por quê?
Ortografia e Emprego de Algumas
Palavras e Expressões
Porquê/Porque/Por quê/Por que:
Por que: a) na frase interrogativa direta. Ex.: Por que você não
veio?; b) quando equivale a ‘pelo qual’ e suas flexões. Ex.: Esta é a
rua por que meu filho e eu passamos; c) na construção igual à
anterior, no entanto, fica subentendido o antecedente do
pronome relativo (razão, motivo, causa). Ex.: Eis (a razão, o
motivo) por que não te amo mais. Obs.: Lembre-se de que a
palavra QUE, em final de frase, deve ser acentuada por ser um
monossílabo tônico terminado em E. Ex.: Você vive de quê?
Ortografia e Emprego de Algumas
Palavras e Expressões
Onde/Aonde:
Emprega-se aonde com os verbos que dão ideia de movimento.
Equivale sempre a ‘para onde’. Ex.: Aonde você nos leva com tal
rapidez? Aonde você vai com tanta pressa? Caso o verbo não dê
ideia de movimento, emprega-se onde. Ex.: Onde você mora?
Não sei onde encontrá-lo.
Ortografia e Emprego de Algumas
Palavras e Expressões
Mau/Mal:
Mau é sempre um adjetivo (seu antônimo é bom). Refere-se a um
substantivo. O seu plural é ‘maus’, e a forma feminina é ‘má’. Ex.:
Escolheu um mau momento para sair. O senhor não é mau aluno.
Mal pode ser: a) advérbio de modo (seu antônimo é bem). Ex.:
Essa carta está mal redigida. Na festa, ele se comportou mal; b)
conjunção temporal (equivale a assim que). Ex.: Mal começou a
cantar, todos vaiaram. Mal ela chegou, o casal foi embora; c)
substantivo (nesse caso, virá precedido de artigo ou outro
determinante); o seu plural é ‘males’. Ex.: Era um mal para o qual
não havia remédio. Estava acometida de um mal incurável.
Ortografia e Emprego de Algumas
Palavras e Expressões
Há/A/Ah:
Na indicação de tempo, emprega-se ‘Há’ para significar tempo
transcorrido (equivale a faz). Ex.: Há dois anos que ela não aparece
por aqui. Luciana formou-se em Psicologia há quatro anos. ‘A’ é
empregado para indicar futuro. Ex: A formatura será daqui a duas
semanas. Daqui a um mês devo tirar férias. Embora menos usual,
emprega-se ‘Ah’ em frases exclamativas ou que demonstrem
espanto, surpresa. Ex.: Ah, que lindo dia amanheceu!
Ortografia e Emprego de Algumas
Palavras e Expressões
Senão/Se não:
Senão equivale a ‘caso contrário’. Ex.: Devemos entregar o
trabalho no prazo, senão o contrato será cancelado. Espero que
faça bom tempo amanhã, senão não poderemos ir à praia. Existe
também o substantivo ‘senão’, que significa mácula, defeito.
Nesse caso, vem precedido de artigo ou outro determinante. Ex.:
Ele só tem um senão: não gosta de trabalhar. Em relação a ‘se
não’, equivale a caso não, se por acaso não: inicia orações
adverbiais condicionais. Ex.: A festa será amanhã à noite, se não
ocorrer nenhum imprevisto. Se não chover amanhã, poderemos ir
à praia.
Ortografia e Emprego de Algumas
Palavras e Expressões
Ao invés de/Em vez de:
Ao invés de significa ‘ao contrário de’. Ex.: Ao invés do que previu
a meteorologia, choveu muito ontem. Em vez de significa ‘no
lugar de’. Ex.: Em vez de jogar futebol, preferimos ir ao cinema.
Ortografia e Emprego de Algumas
Palavras e Expressões
Ao encontro de/De encontro a:
Ao encontro rege a preposição de e significa estar ‘a favor
de’, ‘caminhar para’. Ex.: Aquelas atitudes iam ao encontro
do que eles pregavam. De encontro rege a preposição a e
significa ‘em sentido oposto’, ‘contra’. Ex.: Sua atitude veio
de encontro ao que eu desejava: meus planos foram por
‘água abaixo’.
Ortografia e Emprego de Algumas
Palavras e Expressões
Acerca de/Há cerca de:
Acerca de é uma locução prepositiva, que equivale a ‘a
respeito de’. Ex.: Discutimos acerca da melhor saída para o
caso. Há cerca de é uma expressão em que o verbo haver
indica tempo transcorrido; equivale a ‘faz’. Ex.: Há cerca de
uma semana, discutíamos a melhor decisão a tomar’.
Ortografia e Emprego de Algumas
Palavras e Expressões
A fim de/Afim:
A fim de é uma locução prepositiva que indica finalidade.
Ex.: Ele saiu cedo, a fim de não perder a carona. Afim é
adjetivo e significa ‘semelhante’, que apresenta ‘afinidade’.
Ex.: O genro é um parente afim. Tratava-se de ideias afins.
Ortografia e Emprego de Algumas
Palavras e Expressões
Demais/De mais:
Demais é advérbio de intensidade e equivale a ‘muito’. Ex.: Elas
falam demais. Demais também pode ser usado como substantivo
(neste caso, virá precedido de artigo ou outro determinante),
significando os restantes. Ex.: Chamaram onze jogadores para
jogar; os demais ficaram no banco. De mais é locução prepositiva
e possui sentido oposto a ‘de menos’. Ex.: Não haviam feito nada
de mais.
Ortografia e Emprego de Algumas
Palavras e Expressões
À-toa/À toa:
À-toa é um adjetivo (refere-se, pois, a um substantivo) e significa
‘impensado’, ‘inútil’, ‘desprezível’. Ex.: Ninguém lhe dava valor, era
considerada uma pessoa à-toa. À toa é um advérbio de modo,
significa ‘a esmo’, ‘sem razão’, ‘inutilmente’. Ex.: Andavam à toa
pelas ruas.
Ortografia e Emprego de Algumas
Palavras e Expressões
A par/Ao par:
A par é usado, normalmente, com o sentido de estar bem
informado, ter conhecimento. Ex.: Após a confissão, ficamos a par
de tudo. Ao par é usado para indicar equivalência cambial. Ex.: O
dólar e o marco estão ao par (isto é, têm o mesmo valor).
Ortografia e Emprego de Algumas
Palavras e Expressões
Tampouco/Tão pouco:
Tampouco é advérbio e significa ‘também não’. Ex.: Não
realizou a tarefa, tampouco apresentou qualquer
justificativa. Em Tão pouco, temos o advérbio de intensidade
‘tão’ modificando ‘pouco’, que pode ser advérbio ou
pronome indefinido. Ex.: Estudamos tão pouco esta semana!
(tão modifica o advérbio pouco). Ex.: Tenho tão pouco
Ortografia e Emprego de Algumas
Palavras e Expressões
Ter de/Ter que:
Ter de indica obrigatoriedade. Ex.: Para ser aprovado, tenho de
fazer o teste.
Ter que indica permissividade. Ex.: Tenho que ser eleito para ser
respeitado (é uma probabilidade, não uma imposição).
Pontuação
Uso da vírgula entre os termos da oração:
– para separar os núcleos de um termo. Ex.: O milharal, a horta, o
pasto e a mata ficaram mais verdes com as chuvas.
– para isolar o aposto. Ex.: Rubem Braga, o maior cronista brasileiro,
nasceu no Espírito Santo.
– para isolar o vocativo. Ex.: Joel, você acompanhou o processo?
– para isolar adjuntos adverbiais deslocados. Ex.: O advogado
analisou o documento com muito cuidado. Com muito cuidado, o
advogado analisou o documento.
– para indicar a elipse do verbo. Ex.: A igreja era grande e pobre. Os
altares, humildes.
– para isolar determinadas expressões explicativas. Ex.: Os bombeiros
salvaram toda a família, isto é, o casal e os dois filhos.
Pontuação
Uso da vírgula entre os termos da oração:
Em alguns casos, a vírgula é proibida. São eles:
– entre o sujeito e o predicado. Ex.: A irmã de Maria não tinha
interesse pelo padeiro;
– ente o verbo e o objeto (direto ou indireto);
– ente o nome e seus adjuntos adnominais;
– entre o nome e seu complemento nominal.
Pontuação
Ponto e vírgula :
O ponto e vírgula indica uma pausa um pouco mais longa que a
vírgula e um pouco mais breve que um ponto no texto (FERREIRA,
2007). É usado em 3 casos, conforme descrito e exemplificado a
seguir:
– entre orações coordenadas que já apresentam vírgulas. Ex.: A
juíza atribuiu ao réu, depois de analisadas as provas
constantes dos autos, a responsabilidade pelo crime; as
testemunhas foram ouvidas em separado para confrontar as
informações.
Pontuação
Ponto e vírgula :
– entre orações coordenadas longas. Ex.: Os velhos cronistas
são unânimes em dizer que o marido consolou grandemente
a esposa do boticário; e notam com perspicácia...;
– entre os itens de leis, decretos, regulamentos, etc. Ex.: Art.
153. Compete à União instituir impostos sobre: I. Importação
de produtos estrangeiros; II. Exportação de produtos
nacionais;...
Pontuação
Dois Pontos:
Em relação a dois pontos, estes são usados para iniciar citações,
explicações, esclarecimentos; para iniciar sequência de elementos
discriminativos (enumerativos); no discurso direto, caracterizando
um diálogo (SIMÕES, 2012).
Pontuação
Dois Pontos:
Em relação a dois pontos, estes são usados para iniciar citações,
explicações, esclarecimentos; para iniciar sequência de elementos
discriminativos (enumerativos); no discurso direto, caracterizando
um diálogo (SIMÕES, 2012).
Pontuação
Reticências:
As reticências indicam uma interrupção na sequência
normal da frase e são empregadas para: indicar indecisão,
surpresa ou dúvida na fala de uma pessoa; indicar em
diálogo a interrupção de uma fala; sugerir ao leitor que
complete um raciocínio; indicar a exclusão de trechos de um
texto (FERREIRA, 2007).
Pontuação
Parênteses:
Os parênteses são utilizados para marcar a intercalação de
palavras, expressões ou orações explicativas que se queira
destacar; na transcrição de siglas após o nome da entidade
ou órgão em extenso; para indicar referências e datas
(SIMÕES, 2012).
Ponto:
O ponto é usado para indicar o fim de um período; em
abreviaturas; na separação de casas decimais; em leis,
decretos e artigos (SIMÕES, 2012).
Principais Tipos de Redação
Dissertação:
É um texto argumentativo onde o autor apresenta
argumentos sobre um tema. É composto por: Introdução,
desenvolvimento e conclusão.
Descrição:
É um texto onde se relata algo seja qual for, suas
características, especificações e situações.
Principais Tipos de Redação
Narração:
Nesse caso o autor do texto conta, fala ou narra um fato ou
situação. Por isso em uma narração existe: enredo, tempo,
espaço e personagens.
Coerência:
Um texto deve ser coerente em suas ideias para não se
contradizer, evitar repetições e falta de conexão. Ou seja,
deve ter uma lógica.
Principais Tipos de Redação
Coesão:
É uma conexão harmoniosa de todo o texto em si. Sua
finalidade, causa e consequência determinam a conexão da
lógica da coesão.
Documentos Administrativos
Convocações:
Pode ser notas de informação de interesse público ou forma
oficial de comunicar a um grupo de pessoas uma reunião
em local estabelecido.
Atas:
Documento que se dá ciência de fatos ou decisões e até
mesmo discussões do ocorrido em reunião.
Documentos Administrativos
Autorização:
É uma forma de petição que um empregado faz a sua
liderança imediata.
Avisos e anúncios:
Informações e notícias no quadro de aviso da empresa
Nota interior:
Comunicação entre todos os departamentos.
Documentos Administrativos
Boletins e revistas:
Estão intimamente ligados a atividades de lazer e cultura e
são diretamente promovidos pelo RH ou em parceria
externa.
Memórias:
Informações documentais de atividades da sociedade ou
empresa geralmente realizadas durante o período de 1 ano.
Documentos Externos
Anúncios:
Comunicado sobe produtos ou serviços ou simplesmente
notícias empresariais aos consumidores ou sociedade.
Carta circular:
Informa sobre algum acontecimento ou evento a empresas
ou pessoas. Também informa sobre motivo de
conhecimento de fatos e decisões.
Crase
Uso da crase, segundo Zambeli (2014):
– preposição A + artigo A. Ex.: Eles foram à praia no fim de
semana;
– preposição A + pronome relativo A QUAL. Ex.: A aluna à qual
me refiro é estudiosa;
– preposição A + pronome demonstrativo. Ex.: A minha blusa é
semelhante à de Maria (no sentido de àquela).
– preposição A + pronome demonstrativo AQUELE. Ex.: Ele fez
referência àquele aluno
Crase
Dicas sobre o emprego da crase:
– substitua a palavra feminina por outra masculina correlata.
Surgindo a combinação AO, haverá crase. Ex.: Nunca fui
indiferente às professoras (AOS PROFESSORES);
– substitua o demonstrativo Aquele(s), Aquela(s), Aquilo por ‘a
este(s)’, ‘a esta(s)’, ‘a isto’. Mantendo-se a lógica, haverá
crase. Ex.: Ele fez referência àquele aluno. Não entregarei isso
àquelas turmas;
Crase
Dicas sobre o emprego da crase:
– antes de nome próprio de lugares, deve-se colocar o verbo
VOLTAR; se disser VOLTO DA, haverá acento indicativo de
crase; se disser VOLTO DE, não ocorrerá o acento. Ex.: Vou à
Bahia (volto da). Vou a São Paulo (volto de). Se o nome do
lugar estiver acompanhado de uma característica (adjunto
adnominal), o acento será obrigatório. Ex.: Vou a Portugal.
Vou à Portugal das grandes navegações;
Crase
Dicas sobre o emprego da crase:
– nas locuções prepositivas, conjuntivas e adverbiais. Ex.: à
frente de; à espera de; à procura de; à noite; à tarde; à
esquerda; à direita; às vezes; às pressas; à medida que; à
proporção que; à toa; à vontade, etc.;
– na indicação de horas determinadas: deve-se substituir a
hora pela expressão “meio-dia”; se aparecer AO antes de
“meio-dia”, deve colocar o acento, indicativo de crase no A.
Ex.: Ele saiu às duas horas e vinte minutos (ao meio dia). Ele
está aqui desde as duas horas (o meio-dia).
Crase
Uso opcional da crase:
– antes de nomes próprios femininos. Ex.: Entreguei o presente
a Ana (ou à Ana);
– antes de pronomes possessivos femininos adjetivos no
singular. Ex.: Fiz alusão a minha amiga (ou à minha amiga).
Mas não fiz à sua;
– depois da preposição ATÉ. Ex.: Fui até a escola (ou até à
escola).
Crase
Não ocorre crase:
– antes de palavras masculinas. Ex.: Ele saiu a pé. Só vendem a
prazo nesta loja;
– antes de verbos no infinitivo. Ex.: Estou disposto a colaborar
com ele. Começou a chover agora;
– antes de artigo indefinido. Ex.: Fomos a uma lanchonete no
centro. Encaminhou o documento a uma gerente;
– antes de pronomes pessoais, indefinidos e demonstrativos.
Ex.: Passamos os dados do projeto a ela. Eles podem ir a
qualquer restaurante. Refiro-me a esta aluna;
– antes de QUEM e CUJA. Ex.: A pessoa a quem me dirigi estava
atrapalhada. O restaurante a cuja dona me referi é ótimo;
Crase
Não ocorre crase:
– depois de preposição. Ex.: Eles foram para a praia. Estava
perante a juíza;
– quando o “A” estiver no singular e a palavra a que ele se
refere estiver no plural. Ex.: Refiro-me a pessoas que são
competentes;
– em locuções formadas pela mesma palavra: cara a cara, lado
a lado, face a face, passo a passo, frente a frente, dia a dia,
etc. Ex.: Tomei o remédio gota a gota;
– antes de pronomes de tratamento iniciados por SUA ou
VOSSA. Ex.: Enderecei a correspondência a SUA SENHORIA.
Leitura, Interpretação e Correção de Texto
Roteiro para Elaboração de Texto:
Dez mandamentos para que sua redação surpreenda o leitor
(CORREIA, 2013):
– não escreva difícil. Prefira uma linguagem mais simples;
– críticas sem fundamento devem ser evitadas. A análise sobre
algo deve ser realizada baseada em fatos, acontecimentos
reais, apontando soluções coerentes para os problemas
levantados;
– uso de palavrões, jargões, gírias e coloquialismo é proibido;
– a linguagem do MSN ou Facebook, por exemplo, deve ficar
em casa;
– nunca abrevie palavras, como por exemplo: vc, qdo, msm,
dentre outras;
Leitura, Interpretação e Correção de Texto
Roteiro para Elaboração de Texto:
– seja objetivo, claro. Melhor qualidade do que quantidade;
– faça um parágrafo para introdução, um para o
desenvolvimento e um para a conclusão, pelo menos.
– não esqueça a cedilha no “c”, o cortado do “t”, o pingo do “i”,
as letras maiúsculas em nomes próprios;
– se começou um novo argumento, coloque ponto final e não
vírgula.
– faça a concordância verbal. Se o sujeito está no plural, o
verbo também deverá estar.
– releia o texto. É impossível tentar organizar melhor o texto e
corrigir os erros sem reler o que se escreveu. Coloque-se no
lugar do leitor.
Leitura, Interpretação e Correção de Texto
Coerência Textual:
– Ocorre com o emprego de diferentes procedimentos, sejam
lexicais (repetição, substituição, associação), sejam
gramaticais (emprego de pronomes, conjunções, numerais,
elipses), quando se constroem frases, orações, períodos, que
irão apresentar o contexto. A coerência resulta da relação
harmoniosa entre os pensamentos ou ideias apresentadas
num texto sobre um determinado assunto. Refere-se à
sequência ordenada das opiniões ou fatos expostos. Não
havendo o emprego correto dos elementos de ligação
(conectivos), faltará a coesão e, logicamente, a coerência ao
texto será afetada (CORREIA, 2013).
Leitura, Interpretação e Correção de Texto
Relatório:
É uma exposição escrita de situações estudadas e observadas
com critérios estabelecidos e normas padronizadas.
Composto por:
1 - Elementos pré-textuais:
- Folha de rosto: é Possui informações, como nome da
instituição, autor, título e subtítulo, data e local. Diferente de
capa.
- Sumário: são as seções e subseções do relatório (páginas).
Leitura, Interpretação e Correção de Texto
2 - Elementos textuais:
- Introdução: falará sobre o assunto do trabalho apresentando
como será o decorrer de toda a pesquisa sem é claro confundir
com a conclusão ou argumentação.
- Contextualização do tema: apresentar os assuntos que serão
abordados.
- Problema abordado: a problemática da pesquisa. O que
motivou a pesquisa/relatório
- Objetivos: apresentar a finalidade ou objetivo a ser alcançado
no relatório.
- Justificativa: quais fatores levaram a escolher e falar sobre o
tema.
Leitura, Interpretação e Correção de Texto
- O desenvolvimento falará sobre o conteúdo e os resultados do
estudo relatório. Deve ter coerência e coesão nas ideias.
Apresentação dos capítulos, tópicos, parágrafos. Faz uma
abordagem completa do assunto caracterizado por
argumentações. Conclusão finalização do trabalho com o ponto
de vistas do pesquisador que realizou a pesquisa.
3-Elementos pós-textuais:
- Referências bibliográficas: informar as fontes de pesquisa
utilizadas na elaboração do seu relatório.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptx

Comunicação e expressão
Comunicação e expressão Comunicação e expressão
Comunicação e expressão
Karen Costa
 
Trabalho LPL
Trabalho LPLTrabalho LPL
Trabalho LPL
Taissccp
 
Pdf portugues
Pdf portuguesPdf portugues
Pdf portugues
EMSNEWS
 
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
 fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto) fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
Taty Cruz
 
As múltiplas funções da linguagem no estabelecimento e na organização das rel...
As múltiplas funções da linguagem no estabelecimento e na organização das rel...As múltiplas funções da linguagem no estabelecimento e na organização das rel...
As múltiplas funções da linguagem no estabelecimento e na organização das rel...
Marta Dal Pizzol
 
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e línguaDidatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
Velasco Carneiro Francisco
 

Semelhante a ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptx (20)

Capitulo 1
Capitulo 1Capitulo 1
Capitulo 1
 
Comunicação e expressão
Comunicação e expressão Comunicação e expressão
Comunicação e expressão
 
Semântica.PDF
Semântica.PDFSemântica.PDF
Semântica.PDF
 
Trabalho LPL
Trabalho LPLTrabalho LPL
Trabalho LPL
 
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagemLíngua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
Língua e linguagem, código linguístico, funções da linguagem
 
Variação linguística 2
Variação linguística 2Variação linguística 2
Variação linguística 2
 
Apostila Português
Apostila PortuguêsApostila Português
Apostila Português
 
Pdf portugues
Pdf portuguesPdf portugues
Pdf portugues
 
Ling.
Ling.Ling.
Ling.
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL_125648.pptx
LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL_125648.pptxLINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL_125648.pptx
LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL_125648.pptx
 
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º AnoProfª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
Profª Márcia Lídia | Gramática | Aulas 21 e 22 | 1º Ano
 
Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicação
 
TP5- Unidades 17 e 18
TP5- Unidades 17  e  18TP5- Unidades 17  e  18
TP5- Unidades 17 e 18
 
Leitura e produção
Leitura e produçãoLeitura e produção
Leitura e produção
 
Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2Lingua e-linguagem2
Lingua e-linguagem2
 
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
 fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto) fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
fundamentos e metodologia da lingua portuguesa (pronto)
 
Leitura e producao textual fmb
Leitura e producao textual fmbLeitura e producao textual fmb
Leitura e producao textual fmb
 
As múltiplas funções da linguagem no estabelecimento e na organização das rel...
As múltiplas funções da linguagem no estabelecimento e na organização das rel...As múltiplas funções da linguagem no estabelecimento e na organização das rel...
As múltiplas funções da linguagem no estabelecimento e na organização das rel...
 
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e línguaDidatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
Didatica da Lingua Portuguesa. Linguagem e língua
 

Último

Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 

Último (20)

EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 

ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptx

  • 3.
  • 4.
  • 5. COMUNICAR é o ato de tornar comum uma mensagem por meio de códigos verbais(como a fala) e/ou não verbais (gestos e expressões faciais). Para que a comunicação ocorra, precisamos ter: • Emissor • Receptor • Mensagem • Canal
  • 6. Linguagem e Língua Linguagem é a representação do pensamento por meio de sinais que permitem a comunicação e a interação entre as pessoas. Ela se compõe de: – Linguagem verbal: é aquela que tem por unidade a palavra. – Linguagem não verbal: tem outros tipos de unidade, como gestos, o movimento, a imagem, etc. – Linguagem mista: como as histórias em quadrinhos, o cinema e a TV, que utilizam a imagem e a palavra.
  • 7. Variações Linguísticas – Norma culta (língua padrão): a variedade linguística de maior prestígio social. É padronizada em função da comunicação pública e da educação; – Dialetos: variações faladas por comunidades geograficamente definidas, originadas das diferentes entre região, idade, sexo, classes ou grupos sociais, incluindo a própria evolução histórica da língua; – Socioletos: variações faladas por comunidades socialmente definidas;
  • 8. Variações Linguísticas – Idioletos: variação linguística particular de uma pessoa; – Registros: o vocabulário especializado e/ou a gramática de certas atividades ou profissões; – Etnoletos: variações linguísticas adotadas por um grupo étnico; e, – Ecoletos: idioleto adotado por uma casa.
  • 9.
  • 10.
  • 11. Variações Linguísticas Algumas definições são importantes para entender um pouco sobre comunicação, segundo Monteiro & Monteiro (2009): – linguagem é a representação do pensamento por meio de sinais que permitem a comunicação e a interação entre as pessoas; – língua é um sistema abstrato de regras, não só gramaticais, mas também semânticas e fonológicas, por meio das quais a linguagem (ou fala) se revela;
  • 12. Variações Linguísticas – O emissor envia uma mensagem, que tanto pode ser visual quanto escrita, a um receptor. O receptor recebe a mensagem e, geralmente, dá uma resposta ao emissor. A necessidade de resposta faz parte do processo de comunicação entre os seres humanos, pois quando uma pessoa envia a mensagem e não recebe a resposta do receptor, o processo de comunicação não se completa (Monteiro & Monteiro, 2009).
  • 13. – A gramática da Língua Portuguesa está dividida em grandes campos de estudo: a fonética, a morfologia, a semântica e a sintaxe. A fonética estuda os sons da fala. A morfologia estuda a forma das palavras e a representação gráfica. A semântica preocupa-se não só com a representação gráfica do vocábulo, mas com seu significado. A sintaxe estuda os termos que compõem uma oração. A oração pode apresentar um sujeito, terá sempre um predicado, e pode ter ou não complementos (Monteiro & Monteiro, 2009).
  • 14. Definição A língua oral e a língua escrita têm propriedades distintas, que variam de acordo com o indivíduo que a utiliza, levando-se em conta a influência da cultura e do meio social em que este vive, porém, ambas se completam em determinados aspectos. No momento em que cada indivíduo consegue se comunicar, conforme suas particularidades, a linguagem tem, então, a sua função exercida.
  • 15. Definição O falante não escreve do mesmo modo que fala. Enquanto fala, a linguagem apresenta maior liberdade no discurso, uma vez que não exige planejamento, podendo ser enfática, redundante, com variados timbres e entonações. Na língua oral, de modo geral, o falante não se prende à norma culta.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20. Língua Oral e Língua Escrita A escrita, por sua vez, mantém contato indireto entre escritor e leitor. A linguagem escrita é mais objetiva, portanto, necessita de grande atenção e obediência às normas gramaticais, caracterizando- se, assim, por frases completas, bem elaboradas e revisadas, explícitas, vocabulário distinto e variado, clareza no diálogo e uso de sinônimos. Devido a estes traços, esta é uma linguagem conservadora aos padrões estabelecidos pelas regras gramaticais.
  • 21. Língua Oral e Língua Escrita Tanto por meio da língua oral como da língua escrita, o indivíduo participa efetivamente do seu meio social, comunicando-se, buscando acesso à informação, expressando e defendendo seus pontos de vista, dividindo e/ou construindo visões de mundo, produzindo novos conhecimentos. Há particularidades na língua oral que, mais do que a diferenciam da língua escrita, a tornam específica. São elementos exclusivos, tais como: gesticulação, fluidez das ideias expostas, eficácia na correção da informação, dado que o falante tem o controle da comunicação no momento de sua fala.
  • 22. Língua Oral e Língua Escrita No que tange à linguagem escrita, além de esta ter como característica principal o fato de ser, como ela própria se anuncia, escrita, reproduzida por textos, ela também apresenta particularidades que a diferenciam da linguagem oral. A mais importante delas é a correção gramatical, sobre a qual recaem a objetividade, a clareza e a coesão. Estas são essenciais para que a comunicação ocorra, dado que emissor e receptor estão distantes, podendo, inclusive, ser desconhecidos um do outro.
  • 23. Por isso a correção gramatical é tão importante. Um texto apresentado de forma objetiva, com ideias claras, concisas é mais facilmente compreendido pelo receptor e nele provoca o efeito desejado pelo emissor. A produção do texto escrito se dá de forma coordenada, uma vez requer planejamento, transformando sua estrutura sintática elegante, bem formada. Língua Oral e Língua Escrita
  • 24. Uma diferença que chama atenção entre a linguagem oral e a escrita é que na primeira as falas podem se apresentar fragmentadas, desordenadas, incompletas, enquanto que na segunda isto não ocorre. Outra característica particular que as difere é que na linguagem escrita o vocabulário é muito variado e essencialmente conservador e dependente do grau do nível de formalismo. Enfim, pode-se afirmar que a fala e a escrita são dois modos bem diferentes, e em alguns momentos complementares, de o usuário representar as suas experiências linguísticas. Língua Oral e Língua Escrita
  • 25.
  • 26. As funções da linguagem estão centradas nos elementos da comunicação. Toda comunicação apresenta uma variedade de funções, mas elas se apresentam hierarquizadas, sendo uma dominante, de acordo com o enfoque que o destinador quer dar ou do efeito que quer causar no receptor.
  • 27. Função Emotiva (ou expressiva) Centra-se no sujeito emissor e suscita a impressão de um sentimento verdadeiro ou simulado. Observe-se o texto a seguir: Não só baseado na avaliação do Guia da Folha, mas também por iniciativa própria, assisti cinco vezes a “Um filme falado”. Temia que a crítica brasileira condenasse o filme por não ser convencional, mas tive uma satisfação imensa quando li críticas unânimes da imprensa. Isso mostra que, apesar de tantos enlatados, a nossa crítica é antenada com o passado e o presente da humanidade e com as coisas que acontecem no mundo. Fantástico! Parabéns, Sérgio Rizzo, seus textos nunca me decepcionam”. Luciano Duarte. Guia da Folha, 10 a 16 de junho 2005.
  • 28. Nota-se no texto que o emissor emprega a primeira pessoa (eu): (assisti, temia, tive, li...), aponta qualidades subjetivas, utilizando adjetivos (satisfação imensa, críticas unânimes, fantástico...), advérbios (nunca me decepcionam), além de recursos gráficos que indicam ênfase, ao utilizar ponto de exclamação (fantástico!). Destaca-se aqui o ponto de vista do emissor, a sua percepção dos acontecimentos, característica da função emotiva da linguagem.
  • 29. Funções da Linguagem Função Referencial (ou denotativa ou cognitiva) Esta é a função da linguagem que aponta para o sentimento real das coisas. O texto ilustrado abaixo revelará as nuances características da função referencial. **** UM FILME FALADO – Idem. França/Itália/Portugal, 2003. Direção: Manoel de Oliveira. Com: Leonor Silveira, John Malkovich, Catherine Deneuve, Stefania Sandrelli e Irene Papas. Jovem professora de história embarca com a filha em um cruzeiro que vai de Lisboa a Bombaim. 96 min. 12 anos. Cinearte 1, desde 14. Frei Caneca Unibanco Arteplex 7, 13h, 15h10, 17h20, 19h30 e 21h50.
  • 30. Observam-se neste segundo texto outros procedimentos colocados em destaque, tais como: o uso da terceira pessoa, explicitado no trecho: ‘jovem professora de história (ela)’; ausência de adjetivos, dado que a indicação de que o filme é bom aparece ilustrado com 4 estrelinhas; ausência de expressões que indiquem a opinião do emissor (tais como, ‘eu acho, eu desejo); emprego de um conjunto de informações que dizem respeito a coisas do mundo real, tais como a exatidão dos horários, o endereço, os nomes próprios. Este conjunto de procedimentos dá ao emissor a impressão de objetividade, como se a informação traduzisse verdadeiramente o que acontece no mundo real, caracterizando a função referencial ou informativa da linguagem.
  • 31. Função Conativa (ou apelativa ou imperativa) Este tipo de função centra-se no sujeito receptor e é eminentemente persuasória. Observe-se o texto a seguir: RESERVA CULTURAL Você nunca viu cinema assim. Não perca a retrospectiva especial de inauguração, com 50% de desconto, apresentando cinco filmes que foram sucesso de público. E, claro, de crítica também.
  • 32. Função Conativa (ou apelativa ou imperativa) Neste texto, o destaque está no destinatário. Para tanto, o emissor se valeu de procedimentos, tais como: o uso da segunda pessoa (você); o uso do imperativo (Não perca!). O resultado é a interação com o destinatário, procurando convencê-lo a realizar uma ação (ir ao espaço cultural). Este tipo de função é característico dos textos publicitários, que, em geral, procuram convencer ou persuadir o destinatário a dar uma resposta, que pode ser a mudança de comportamento, de hábitos, como abrir conta em banco, frequentar determinados tipos de lugares ou consumir determinado produto.
  • 33. Função Fática (ou de contato) – A função fática da linguagem visa estabelecer, prolongar ou interromper a comunicação e serve para verificar a eficiência do canal. É muito comum em conversações cotidianas. – Aqui o emissor usa procedimentos para manter o contato físico ou psicológico com o interlocutor, como, por exemplo, ao iniciar uma conversa telefônica (‘Alô!’) ou ainda utilizando fórmulas prontas para dar continuidade à conversa, como no caso de: ‘aham, hum, bem, como?, pois é’. Este tipo de mensagem serve para manter o contato, sustentar ou alongar (ou mesmo interromper) a conversa.
  • 34. Função Metalinguística Este tipo de função consiste numa recodificação e passa a existir quando a linguagem fala dela mesma. Checa se o emissor e receptor estão usando o mesmo repertório. Por exemplo, quando o emissor quer esclarecer o que está querendo dizer e utiliza ‘eu quis dizer que’, ‘que quero dizer que esta palavra poder ser substituída por outra mais precisa, que desse a entender que...’. Um exemplo comum da aplicação da função metalinguística está no preenchimento de palavras cruzadas, na consulta a um dicionário. Aqui, faz uso da linguagem (o código) para falar, explicar, descrever o próprio código linguístico.
  • 35. Função Poética Subi a porta e fechei a escada. Tirei minhas orações e recitei meus sapatos. Desliguei a cama e deitei-me na luz Tudo porque ele me deu um beijo de boa noite... [Autor anônimo] Observa-se a falta de lógica no texto, a tentativa de o autor fugir das formas habituais, dando ênfase a sua forma de expressão, não levando em conta apenas ‘o que’, mas ‘como’ ele queria dizer.
  • 36.
  • 37. Tipologia Textual e Gênero Textuais Definição Tipologia é a ciência que estuda os tipos. É muito utilizada para definir diferentes categorias. No que diz respeito ao texto, a tipologia busca estudar as suas características, sua composição, como ele vai ser apresentado no seu processo de criação, se por uma narração, descrição, argumentação ou exposição, por exemplo. Quanto ao gênero textual, este se refere às mais variadas formas de expressão de um texto.
  • 38. Tipologia Textual e Gênero Textuais Tipos Textuais O texto é uma unidade linguística concreta, percebida tanto pela audição, a fala, quanto pela visão, a escrita, composto por unidade de sentido e intencionalidade comunicativa. Há dois elementos essenciais que devem ser observados na produção textual: a coesão – que diz respeito às articulações gramaticais existentes entre palavras, orações, frases, parágrafos e partes maiores de um texto, que garantem sua conexão sequencial; e a coerência – que é o resultado da articulação das ideias de um texto, a sua estruturação lógica semântica, que permite que numa situação discursiva palavras e frases componham um todo significativo para os interlocutores.
  • 39. Tipologia Textual e Gênero Textuais Tipos Textuais Quando se fala em tipologia textual, normalmente atenta-se para a divisão tradicional dos textos: a descrição, a narração e a dissertação. Entretanto, os tipos de textos extrapolam esta tríade.
  • 40. Tipologia Textual e Gênero Textuais Texto Descritivo A descrição usa um tipo de texto em que se faz um retrato falado de uma pessoa, animal, objeto ou lugar. A classe de palavras mais utilizada nesta produção é o adjetivo, pela sua função caracterizadora, dando ao leitor uma grande riqueza de detalhes. A descrição, ao contrário da narração, não supõe ação. É uma estrutura pictórica, em que os aspectos sensoriais predominam. Assim como o pintor capta o mundo exterior ou interior em suas telas, o autor de uma descrição focaliza cenas ou imagens, conforme permita sua sensibilidade.
  • 41. Tipologia Textual e Gênero Textuais Texto Narrativo Esta é uma modalidade textual em que se conta um fato, fictício ou real, ocorrido num determinado tempo e lugar, envolvendo certos personagens. Há uma relação de anterioridade e posterioridade. O tempo verbal predominante é o passado. Em geral, a narrativa se desenvolve em prosa. O narrar surge da busca de transmitir, de comunicar qualquer acontecimento ou situação. A narração em primeira pessoa pressupõe a participação do narrador (narrador enquanto personagem) e em terceira pessoa mostra o que ele viu ou ouviu (narrador enquanto observador). Na narração encontram-se, ainda, os personagens (principais ou secundários), o espaço (cenário) e o tempo da narrativa.
  • 42. Tipologia Textual e Gênero Textuais Texto Dissertativo Neste tipo de texto há posicionamentos pessoais e exposição de ideias. Tem por base a argumentação, apresentada de forma lógica e coerente, a fim de defender um ponto de vista. É a conhecida “redação” de cada dia. É a modalidade mais exigida nos concursos, já que requer dos candidatos um conhecimento de leitura do mundo, como também um bom domínio da norma culta.
  • 43. Tipologia Textual e Gênero Textuais Texto Dissertativo Embora o texto dissertativo exponha os posicionamentos de quem escreve, é importante salientar que estes devem aparecer implícitos no texto, não sendo permitida a utilização da primeira pessoa do singular. Salvo em alguns casos, a primeira pessoa do plural aparece no texto, porém recomenda-se o uso da impessoalidade no texto de uma forma geral. O texto dissertativo estrutura-se basicamente em: ideia principal (introdução), desenvolvimento (argumentos e aspectos que o tema envolve) e conclusão (síntese da posição assumida). .
  • 44. Tipologia Textual e Gênero Textuais Texto Expositivo Apresenta informações sobre determinados assuntos, expondo ideias, explicando e avaliando. Como o próprio nome indica, ocorre em textos que se limitam a apresentar uma determinada situação. As exposições orais ou escritas entre professores e alunos numa sala de aula, os livros e as fontes de consulta, são exemplos desta modalidade..
  • 45. Tipologia Textual e Gênero Textuais Texto Injuntivo Este tipo de texto indica como realizar uma determinada ação. Ele normalmente pede, manda ou aconselha. Utiliza linguagem direta, objetiva e simples. Os verbos são, em sua maioria, empregados no modo imperativo. Bons exemplos deste tipo de texto são as receitas de culinária, os manuais, receitas médicas,. editais, etc
  • 46. Tipologia Textual e Gênero Textuais Gêneros Textuais Muitos confundem os tipos de texto com os gêneros. No primeiro, eles funcionam como modos de organização, sendo limitados. No segundo, são os chamados textos materializados, encontrados no cotidiano. Eles são muitos, apresentando características sociocomunicativas definidas por seu estilo, função, composição conteúdo e canal. Assim, quando se escreve um bilhete ou uma carta, quando se envia ou se recebe um e-mail ou usam-se os chats das redes sociais, utilizam-se diversos gêneros textuais. Entrevistas, cardápios, horóscopos, telegrama, telefona, lista de compras, blogs, agendas, são exemplos de gêneros textuais.
  • 47. Ortografia e Emprego de Algumas Palavras e Expressões Cessão/Sessão/Seção (ou Secção): Cessão é o ato de ceder. Ex.: A cessão do terreno para a construção de uma creche agradou a todos. Ele fez a cessão de seus direitos autorais àquela instituição; sessão é o intervalo de tempo que dura uma reunião, uma assembleia. Ex.: A Câmara reuniu-se em sessão extraordinária. Assistimos a uma sessão de cinema; e seção (ou secção) significa parte de um todo, corte, subdivisão. Ex.: Compramos os presentes na seção de brinquedos. Lemos na seção de Economia que a gasolina vai aumentar.
  • 48. Ortografia e Emprego de Algumas Palavras e Expressões Cessão/Sessão/Seção (ou Secção): Cessão é o ato de ceder. Ex.: A cessão do terreno para a construção de uma creche agradou a todos. Ele fez a cessão de seus direitos autorais àquela instituição; sessão é o intervalo de tempo que dura uma reunião, uma assembleia. Ex.: A Câmara reuniu-se em sessão extraordinária. Assistimos a uma sessão de cinema; e seção (ou secção) significa parte de um todo, corte, subdivisão. Ex.: Compramos os presentes na seção de brinquedos. Lemos na seção de Economia que a gasolina vai aumentar.
  • 49. Ortografia e Emprego de Algumas Palavras e Expressões Porquê/Porque/Por quê/Por que: Porquê: quando for um substantivo, equivale à causa, motivo, razão, e vem precedido dos artigos o(os), um(uns). Ex.: Não me interessa o porquê de sua ausência. Porque: quando se introduz uma explicação. Equivale a ‘pois’. Ex.: Carlos, venha porque preciso de você! Por quê: no final de perguntas. Ex.: Ademar não veio, por quê?
  • 50. Ortografia e Emprego de Algumas Palavras e Expressões Porquê/Porque/Por quê/Por que: Por que: a) na frase interrogativa direta. Ex.: Por que você não veio?; b) quando equivale a ‘pelo qual’ e suas flexões. Ex.: Esta é a rua por que meu filho e eu passamos; c) na construção igual à anterior, no entanto, fica subentendido o antecedente do pronome relativo (razão, motivo, causa). Ex.: Eis (a razão, o motivo) por que não te amo mais. Obs.: Lembre-se de que a palavra QUE, em final de frase, deve ser acentuada por ser um monossílabo tônico terminado em E. Ex.: Você vive de quê?
  • 51. Ortografia e Emprego de Algumas Palavras e Expressões Onde/Aonde: Emprega-se aonde com os verbos que dão ideia de movimento. Equivale sempre a ‘para onde’. Ex.: Aonde você nos leva com tal rapidez? Aonde você vai com tanta pressa? Caso o verbo não dê ideia de movimento, emprega-se onde. Ex.: Onde você mora? Não sei onde encontrá-lo.
  • 52. Ortografia e Emprego de Algumas Palavras e Expressões Mau/Mal: Mau é sempre um adjetivo (seu antônimo é bom). Refere-se a um substantivo. O seu plural é ‘maus’, e a forma feminina é ‘má’. Ex.: Escolheu um mau momento para sair. O senhor não é mau aluno. Mal pode ser: a) advérbio de modo (seu antônimo é bem). Ex.: Essa carta está mal redigida. Na festa, ele se comportou mal; b) conjunção temporal (equivale a assim que). Ex.: Mal começou a cantar, todos vaiaram. Mal ela chegou, o casal foi embora; c) substantivo (nesse caso, virá precedido de artigo ou outro determinante); o seu plural é ‘males’. Ex.: Era um mal para o qual não havia remédio. Estava acometida de um mal incurável.
  • 53. Ortografia e Emprego de Algumas Palavras e Expressões Há/A/Ah: Na indicação de tempo, emprega-se ‘Há’ para significar tempo transcorrido (equivale a faz). Ex.: Há dois anos que ela não aparece por aqui. Luciana formou-se em Psicologia há quatro anos. ‘A’ é empregado para indicar futuro. Ex: A formatura será daqui a duas semanas. Daqui a um mês devo tirar férias. Embora menos usual, emprega-se ‘Ah’ em frases exclamativas ou que demonstrem espanto, surpresa. Ex.: Ah, que lindo dia amanheceu!
  • 54. Ortografia e Emprego de Algumas Palavras e Expressões Senão/Se não: Senão equivale a ‘caso contrário’. Ex.: Devemos entregar o trabalho no prazo, senão o contrato será cancelado. Espero que faça bom tempo amanhã, senão não poderemos ir à praia. Existe também o substantivo ‘senão’, que significa mácula, defeito. Nesse caso, vem precedido de artigo ou outro determinante. Ex.: Ele só tem um senão: não gosta de trabalhar. Em relação a ‘se não’, equivale a caso não, se por acaso não: inicia orações adverbiais condicionais. Ex.: A festa será amanhã à noite, se não ocorrer nenhum imprevisto. Se não chover amanhã, poderemos ir à praia.
  • 55. Ortografia e Emprego de Algumas Palavras e Expressões Ao invés de/Em vez de: Ao invés de significa ‘ao contrário de’. Ex.: Ao invés do que previu a meteorologia, choveu muito ontem. Em vez de significa ‘no lugar de’. Ex.: Em vez de jogar futebol, preferimos ir ao cinema.
  • 56. Ortografia e Emprego de Algumas Palavras e Expressões Ao encontro de/De encontro a: Ao encontro rege a preposição de e significa estar ‘a favor de’, ‘caminhar para’. Ex.: Aquelas atitudes iam ao encontro do que eles pregavam. De encontro rege a preposição a e significa ‘em sentido oposto’, ‘contra’. Ex.: Sua atitude veio de encontro ao que eu desejava: meus planos foram por ‘água abaixo’.
  • 57. Ortografia e Emprego de Algumas Palavras e Expressões Acerca de/Há cerca de: Acerca de é uma locução prepositiva, que equivale a ‘a respeito de’. Ex.: Discutimos acerca da melhor saída para o caso. Há cerca de é uma expressão em que o verbo haver indica tempo transcorrido; equivale a ‘faz’. Ex.: Há cerca de uma semana, discutíamos a melhor decisão a tomar’.
  • 58. Ortografia e Emprego de Algumas Palavras e Expressões A fim de/Afim: A fim de é uma locução prepositiva que indica finalidade. Ex.: Ele saiu cedo, a fim de não perder a carona. Afim é adjetivo e significa ‘semelhante’, que apresenta ‘afinidade’. Ex.: O genro é um parente afim. Tratava-se de ideias afins.
  • 59. Ortografia e Emprego de Algumas Palavras e Expressões Demais/De mais: Demais é advérbio de intensidade e equivale a ‘muito’. Ex.: Elas falam demais. Demais também pode ser usado como substantivo (neste caso, virá precedido de artigo ou outro determinante), significando os restantes. Ex.: Chamaram onze jogadores para jogar; os demais ficaram no banco. De mais é locução prepositiva e possui sentido oposto a ‘de menos’. Ex.: Não haviam feito nada de mais.
  • 60. Ortografia e Emprego de Algumas Palavras e Expressões À-toa/À toa: À-toa é um adjetivo (refere-se, pois, a um substantivo) e significa ‘impensado’, ‘inútil’, ‘desprezível’. Ex.: Ninguém lhe dava valor, era considerada uma pessoa à-toa. À toa é um advérbio de modo, significa ‘a esmo’, ‘sem razão’, ‘inutilmente’. Ex.: Andavam à toa pelas ruas.
  • 61. Ortografia e Emprego de Algumas Palavras e Expressões A par/Ao par: A par é usado, normalmente, com o sentido de estar bem informado, ter conhecimento. Ex.: Após a confissão, ficamos a par de tudo. Ao par é usado para indicar equivalência cambial. Ex.: O dólar e o marco estão ao par (isto é, têm o mesmo valor).
  • 62. Ortografia e Emprego de Algumas Palavras e Expressões Tampouco/Tão pouco: Tampouco é advérbio e significa ‘também não’. Ex.: Não realizou a tarefa, tampouco apresentou qualquer justificativa. Em Tão pouco, temos o advérbio de intensidade ‘tão’ modificando ‘pouco’, que pode ser advérbio ou pronome indefinido. Ex.: Estudamos tão pouco esta semana! (tão modifica o advérbio pouco). Ex.: Tenho tão pouco
  • 63. Ortografia e Emprego de Algumas Palavras e Expressões Ter de/Ter que: Ter de indica obrigatoriedade. Ex.: Para ser aprovado, tenho de fazer o teste. Ter que indica permissividade. Ex.: Tenho que ser eleito para ser respeitado (é uma probabilidade, não uma imposição).
  • 64. Pontuação Uso da vírgula entre os termos da oração: – para separar os núcleos de um termo. Ex.: O milharal, a horta, o pasto e a mata ficaram mais verdes com as chuvas. – para isolar o aposto. Ex.: Rubem Braga, o maior cronista brasileiro, nasceu no Espírito Santo. – para isolar o vocativo. Ex.: Joel, você acompanhou o processo? – para isolar adjuntos adverbiais deslocados. Ex.: O advogado analisou o documento com muito cuidado. Com muito cuidado, o advogado analisou o documento. – para indicar a elipse do verbo. Ex.: A igreja era grande e pobre. Os altares, humildes. – para isolar determinadas expressões explicativas. Ex.: Os bombeiros salvaram toda a família, isto é, o casal e os dois filhos.
  • 65. Pontuação Uso da vírgula entre os termos da oração: Em alguns casos, a vírgula é proibida. São eles: – entre o sujeito e o predicado. Ex.: A irmã de Maria não tinha interesse pelo padeiro; – ente o verbo e o objeto (direto ou indireto); – ente o nome e seus adjuntos adnominais; – entre o nome e seu complemento nominal.
  • 66. Pontuação Ponto e vírgula : O ponto e vírgula indica uma pausa um pouco mais longa que a vírgula e um pouco mais breve que um ponto no texto (FERREIRA, 2007). É usado em 3 casos, conforme descrito e exemplificado a seguir: – entre orações coordenadas que já apresentam vírgulas. Ex.: A juíza atribuiu ao réu, depois de analisadas as provas constantes dos autos, a responsabilidade pelo crime; as testemunhas foram ouvidas em separado para confrontar as informações.
  • 67. Pontuação Ponto e vírgula : – entre orações coordenadas longas. Ex.: Os velhos cronistas são unânimes em dizer que o marido consolou grandemente a esposa do boticário; e notam com perspicácia...; – entre os itens de leis, decretos, regulamentos, etc. Ex.: Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre: I. Importação de produtos estrangeiros; II. Exportação de produtos nacionais;...
  • 68. Pontuação Dois Pontos: Em relação a dois pontos, estes são usados para iniciar citações, explicações, esclarecimentos; para iniciar sequência de elementos discriminativos (enumerativos); no discurso direto, caracterizando um diálogo (SIMÕES, 2012).
  • 69. Pontuação Dois Pontos: Em relação a dois pontos, estes são usados para iniciar citações, explicações, esclarecimentos; para iniciar sequência de elementos discriminativos (enumerativos); no discurso direto, caracterizando um diálogo (SIMÕES, 2012).
  • 70. Pontuação Reticências: As reticências indicam uma interrupção na sequência normal da frase e são empregadas para: indicar indecisão, surpresa ou dúvida na fala de uma pessoa; indicar em diálogo a interrupção de uma fala; sugerir ao leitor que complete um raciocínio; indicar a exclusão de trechos de um texto (FERREIRA, 2007).
  • 71. Pontuação Parênteses: Os parênteses são utilizados para marcar a intercalação de palavras, expressões ou orações explicativas que se queira destacar; na transcrição de siglas após o nome da entidade ou órgão em extenso; para indicar referências e datas (SIMÕES, 2012). Ponto: O ponto é usado para indicar o fim de um período; em abreviaturas; na separação de casas decimais; em leis, decretos e artigos (SIMÕES, 2012).
  • 72. Principais Tipos de Redação Dissertação: É um texto argumentativo onde o autor apresenta argumentos sobre um tema. É composto por: Introdução, desenvolvimento e conclusão. Descrição: É um texto onde se relata algo seja qual for, suas características, especificações e situações.
  • 73. Principais Tipos de Redação Narração: Nesse caso o autor do texto conta, fala ou narra um fato ou situação. Por isso em uma narração existe: enredo, tempo, espaço e personagens. Coerência: Um texto deve ser coerente em suas ideias para não se contradizer, evitar repetições e falta de conexão. Ou seja, deve ter uma lógica.
  • 74. Principais Tipos de Redação Coesão: É uma conexão harmoniosa de todo o texto em si. Sua finalidade, causa e consequência determinam a conexão da lógica da coesão.
  • 75. Documentos Administrativos Convocações: Pode ser notas de informação de interesse público ou forma oficial de comunicar a um grupo de pessoas uma reunião em local estabelecido. Atas: Documento que se dá ciência de fatos ou decisões e até mesmo discussões do ocorrido em reunião.
  • 76. Documentos Administrativos Autorização: É uma forma de petição que um empregado faz a sua liderança imediata. Avisos e anúncios: Informações e notícias no quadro de aviso da empresa Nota interior: Comunicação entre todos os departamentos.
  • 77. Documentos Administrativos Boletins e revistas: Estão intimamente ligados a atividades de lazer e cultura e são diretamente promovidos pelo RH ou em parceria externa. Memórias: Informações documentais de atividades da sociedade ou empresa geralmente realizadas durante o período de 1 ano.
  • 78. Documentos Externos Anúncios: Comunicado sobe produtos ou serviços ou simplesmente notícias empresariais aos consumidores ou sociedade. Carta circular: Informa sobre algum acontecimento ou evento a empresas ou pessoas. Também informa sobre motivo de conhecimento de fatos e decisões.
  • 79. Crase Uso da crase, segundo Zambeli (2014): – preposição A + artigo A. Ex.: Eles foram à praia no fim de semana; – preposição A + pronome relativo A QUAL. Ex.: A aluna à qual me refiro é estudiosa; – preposição A + pronome demonstrativo. Ex.: A minha blusa é semelhante à de Maria (no sentido de àquela). – preposição A + pronome demonstrativo AQUELE. Ex.: Ele fez referência àquele aluno
  • 80. Crase Dicas sobre o emprego da crase: – substitua a palavra feminina por outra masculina correlata. Surgindo a combinação AO, haverá crase. Ex.: Nunca fui indiferente às professoras (AOS PROFESSORES); – substitua o demonstrativo Aquele(s), Aquela(s), Aquilo por ‘a este(s)’, ‘a esta(s)’, ‘a isto’. Mantendo-se a lógica, haverá crase. Ex.: Ele fez referência àquele aluno. Não entregarei isso àquelas turmas;
  • 81. Crase Dicas sobre o emprego da crase: – antes de nome próprio de lugares, deve-se colocar o verbo VOLTAR; se disser VOLTO DA, haverá acento indicativo de crase; se disser VOLTO DE, não ocorrerá o acento. Ex.: Vou à Bahia (volto da). Vou a São Paulo (volto de). Se o nome do lugar estiver acompanhado de uma característica (adjunto adnominal), o acento será obrigatório. Ex.: Vou a Portugal. Vou à Portugal das grandes navegações;
  • 82. Crase Dicas sobre o emprego da crase: – nas locuções prepositivas, conjuntivas e adverbiais. Ex.: à frente de; à espera de; à procura de; à noite; à tarde; à esquerda; à direita; às vezes; às pressas; à medida que; à proporção que; à toa; à vontade, etc.; – na indicação de horas determinadas: deve-se substituir a hora pela expressão “meio-dia”; se aparecer AO antes de “meio-dia”, deve colocar o acento, indicativo de crase no A. Ex.: Ele saiu às duas horas e vinte minutos (ao meio dia). Ele está aqui desde as duas horas (o meio-dia).
  • 83. Crase Uso opcional da crase: – antes de nomes próprios femininos. Ex.: Entreguei o presente a Ana (ou à Ana); – antes de pronomes possessivos femininos adjetivos no singular. Ex.: Fiz alusão a minha amiga (ou à minha amiga). Mas não fiz à sua; – depois da preposição ATÉ. Ex.: Fui até a escola (ou até à escola).
  • 84. Crase Não ocorre crase: – antes de palavras masculinas. Ex.: Ele saiu a pé. Só vendem a prazo nesta loja; – antes de verbos no infinitivo. Ex.: Estou disposto a colaborar com ele. Começou a chover agora; – antes de artigo indefinido. Ex.: Fomos a uma lanchonete no centro. Encaminhou o documento a uma gerente; – antes de pronomes pessoais, indefinidos e demonstrativos. Ex.: Passamos os dados do projeto a ela. Eles podem ir a qualquer restaurante. Refiro-me a esta aluna; – antes de QUEM e CUJA. Ex.: A pessoa a quem me dirigi estava atrapalhada. O restaurante a cuja dona me referi é ótimo;
  • 85. Crase Não ocorre crase: – depois de preposição. Ex.: Eles foram para a praia. Estava perante a juíza; – quando o “A” estiver no singular e a palavra a que ele se refere estiver no plural. Ex.: Refiro-me a pessoas que são competentes; – em locuções formadas pela mesma palavra: cara a cara, lado a lado, face a face, passo a passo, frente a frente, dia a dia, etc. Ex.: Tomei o remédio gota a gota; – antes de pronomes de tratamento iniciados por SUA ou VOSSA. Ex.: Enderecei a correspondência a SUA SENHORIA.
  • 86. Leitura, Interpretação e Correção de Texto Roteiro para Elaboração de Texto: Dez mandamentos para que sua redação surpreenda o leitor (CORREIA, 2013): – não escreva difícil. Prefira uma linguagem mais simples; – críticas sem fundamento devem ser evitadas. A análise sobre algo deve ser realizada baseada em fatos, acontecimentos reais, apontando soluções coerentes para os problemas levantados; – uso de palavrões, jargões, gírias e coloquialismo é proibido; – a linguagem do MSN ou Facebook, por exemplo, deve ficar em casa; – nunca abrevie palavras, como por exemplo: vc, qdo, msm, dentre outras;
  • 87. Leitura, Interpretação e Correção de Texto Roteiro para Elaboração de Texto: – seja objetivo, claro. Melhor qualidade do que quantidade; – faça um parágrafo para introdução, um para o desenvolvimento e um para a conclusão, pelo menos. – não esqueça a cedilha no “c”, o cortado do “t”, o pingo do “i”, as letras maiúsculas em nomes próprios; – se começou um novo argumento, coloque ponto final e não vírgula. – faça a concordância verbal. Se o sujeito está no plural, o verbo também deverá estar. – releia o texto. É impossível tentar organizar melhor o texto e corrigir os erros sem reler o que se escreveu. Coloque-se no lugar do leitor.
  • 88. Leitura, Interpretação e Correção de Texto Coerência Textual: – Ocorre com o emprego de diferentes procedimentos, sejam lexicais (repetição, substituição, associação), sejam gramaticais (emprego de pronomes, conjunções, numerais, elipses), quando se constroem frases, orações, períodos, que irão apresentar o contexto. A coerência resulta da relação harmoniosa entre os pensamentos ou ideias apresentadas num texto sobre um determinado assunto. Refere-se à sequência ordenada das opiniões ou fatos expostos. Não havendo o emprego correto dos elementos de ligação (conectivos), faltará a coesão e, logicamente, a coerência ao texto será afetada (CORREIA, 2013).
  • 89. Leitura, Interpretação e Correção de Texto Relatório: É uma exposição escrita de situações estudadas e observadas com critérios estabelecidos e normas padronizadas. Composto por: 1 - Elementos pré-textuais: - Folha de rosto: é Possui informações, como nome da instituição, autor, título e subtítulo, data e local. Diferente de capa. - Sumário: são as seções e subseções do relatório (páginas).
  • 90. Leitura, Interpretação e Correção de Texto 2 - Elementos textuais: - Introdução: falará sobre o assunto do trabalho apresentando como será o decorrer de toda a pesquisa sem é claro confundir com a conclusão ou argumentação. - Contextualização do tema: apresentar os assuntos que serão abordados. - Problema abordado: a problemática da pesquisa. O que motivou a pesquisa/relatório - Objetivos: apresentar a finalidade ou objetivo a ser alcançado no relatório. - Justificativa: quais fatores levaram a escolher e falar sobre o tema.
  • 91. Leitura, Interpretação e Correção de Texto - O desenvolvimento falará sobre o conteúdo e os resultados do estudo relatório. Deve ter coerência e coesão nas ideias. Apresentação dos capítulos, tópicos, parágrafos. Faz uma abordagem completa do assunto caracterizado por argumentações. Conclusão finalização do trabalho com o ponto de vistas do pesquisador que realizou a pesquisa. 3-Elementos pós-textuais: - Referências bibliográficas: informar as fontes de pesquisa utilizadas na elaboração do seu relatório.