SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 1 – Linguagem, língua e variações linguísticas

O que é linguagem?


É uma habilidade universal e exclusiva que o homem possui de dar nome as coisas,
pessoas, sentimentos e pensamentos para exprimir suas ideias.

O homem adquiriu essa habilidade entre 500 mil e 100 mil a. C. Bem antes disso, há
milhares de anos, não possuíamos aparelho vocal suficiente para desenvolver a
linguagem. Por isso, nossa comunicação era estritamente não verbal muito parecida
com a dos demais animais, em especial o macaco. Comunicávamo-nos por gestos,
expressões faciais e vocalizações sem sentido. Imperava uma comunicação muito
subjetiva e havia dificuldade para a transmissão de conhecimentos.

A invenção da linguagem acabou com esse problema, dando objetividade à
comunicação humana. O homem pode transmitir melhor sua cultura.


       A linguagem é um sistema formado por uma unidade lingüística, repleto de
       significação, com o intuito de promover a comunicação entre os indivíduos de
       uma comunidade, servido ainda como instrumento de representação do
       mundo.

       Em outras palavras, é o sistema de sinais que nos permite efetivar o ato da
       comunicação.

       Ela pode ser verbal, não verbal e sincrética.

O que é língua?

        É a expressão localizada (geográfica) e cultural da linguagem; um sistema de
       signos (código) que determinada região do mundo convencionou para se
       comunicar.

       Se observarmos cada local do planeta, verificaremos que a linguagem (essa
       habilidade que todos os homens possuem) é colocada em prática de forma
       diferente, pois cada país tem uma língua.

       Portanto, podemos considerar a língua (ou idioma) como a aplicação
       localizada da linguagem nos diferentes pontos do planeta.
O que é fala ?

        É a expressão individual e concreta da língua; seu produto final.
       Exemplo: embora todos os brasileiros utilizem a Língua Portuguesa como
       código, o emprego do português é diferente de brasileiro a brasileiro.
Cada pessoa possui uma fala, um discurso diferente.

O que é Discurso ?

O discurso é uma exposição metódica sobre certo assunto, com o objetivo de influir no
raciocínio, nos sentimentos do ouvinte ou leitor.

Linguagem Oral e Linguagem escrita

       Nosso código verbal, a Língua Portuguesa, se manifesta de duas formas: o
       português falado e o português escrito.
       A modalidade escrita surgiu inspirada na modalidade falada. A escrita tem sido
       modificada ao longo dos anos em função de variações da fala.
       Em funções dessas modificações, existem diferenças importantes entre as
       línguas oral e escrita, que merecem ser destacadas. Ninguém fala como
       escreve e vice-versa.

Linguagem Oral ( FALADA )

       É livre, criativa e espontânea. Seu vocabulário é constantemente renovado.
       Está sujeita a novas incorporações, como uma gíria ou um neologismo
       (invenção de uma nova palavra);

       Usa comumente onomatopéias e outros tipos de sons, que expressam emoções
       e sentimentos;

       Aceita frases feitas, clichês e chavões (Ex: “A união faz a força”/ “O sexo
       frágil...”)

       Manifesta-se, naturalmente, com entonações, timbre, ênfase, pausas e
       velocidade da enunciação;

       Não está presa estritamente às regras gramaticais;

       É mais econômica;

       Permite a repetição de palavras;

       Comporta frases inacabadas e anacolutos. Ex: "...a minha roupa, levo ela
       sempre àquela lavanderia da esquina";

       É elaborada no momento exato do pensamento e, portanto, sem muito rigor;
       sem preciosismo na escolha dos termos;

       Permite o contato direto entre o emissor e o receptor, possibilitando a
       correção de desentendimentos; evita mais facilmente os ruídos;
Conta, normalmente, com recursos extralinguísticos como gestos, expressões
       faciais e posturas, que permitem melhor comunicação de ideias e sentimentos;
       - Marcada pela subjetividade.

Exemplos da língua falada:

 - Tô preocupado com essa situação/ Tô grilado com essa situação.
 - Vô sumi daqui correndinho, antes que ele veja a zona que fiz.
 - Carlos, cê ta aí no quarto?
 - Sorte com roupa branca? Tá brincando!
-Não me diga que... eu sabia que isso iria acontecer!
-Me dê esse copo que está na mesa.

Língua escrita

       É conservadora. Não permite gírias e outras variações, pois deve se aproximar o
       máximo possível do código (Língua Portuguesa), que é o que mantém a
       unidade linguística de um povo;

       Está presa às regras gramaticais estabelecidas no código e, em função disso,
       costuma ser considerada a língua padrão para as atividades importantes em
       sociedade;

       Exige rigor na concordância verbal e nominal, na regência verbal e nominal, no
       uso de pronomes etc;

       É extensa e complexa, portanto, não é econômica;


       É bem elaborada. O emissor tem tempo para escolher os signos e até
       reescrever algo que não tenha gostado, antes de passar a idéia ao receptor;

       Não estabelece contato direto com o receptor, o que pode gerar ruídos. Daí a
       necessidade de contextualizar bem o receptor;

       Exige clareza na redação, sem omissões e ambiguidades;

       Tentam reproduzir, com imperfeição, os sons, a ênfase e as pausas da língua
       falada por meio de sinais gráficos de pontuação, como o acento, as aspas ou a
       reticências;

       Não comporta orações incompletas. Toda ideia precisa ter início, meio e fim.

       É marcada pela objetividade.
* Exemplos da língua escrita:

- Estou preocupada com essa situação
 - Deixe-me ir embora rapidamente, antes que ele veja a desordem que fiz.
 - Carlos, você está no quarto?
 - Levo minha roupa sempre à lavanderia
-Não me diga que você perdeu o prazo de inscrição para o concurso! Eu sabia que isso
iria acontecer!
-Não acredito que a pessoa que veste roupa branca tem mais sorte.

INTERAÇÃO

- Apesar das diferenças, há uma interação entre as duas línguas, que admite graus
diferentes de influência de uma sobre a outra, sem afetar, é claro, os padrões
essenciais (convencionais) que caracterizam a Língua Portuguesa.

Variações Linguísticas

A Língua Portuguesa, como qualquer outra, configura-se como um conjunto de
variantes, que podem ser determinadas por períodos de tempo, espaços geográficos,
camadas sociais, áreas profissionais ou mesmo por situações específicas vividas pelo
indivíduo.
-Se compararmos o português falado e escrito em Portugal com o português falado e
escrito no Brasil, observaremos claramente essas variações, em função da distância e
do contexto vivido em cada um desses países. A palavra “camisola” em Portugal, por
exemplo, significa camisa (suéter), enquanto que no nosso português significa roupa
feminina para dormir.

- Mesmo o português utilizado em Manaus, Salvador ou em Porto Alegre apresenta
diferenças em relação ao utilizado na cidade de São Paulo. No Rio de Janeiro, o zíper
do paulistano é chamado de fechecler.
- O tipo de linguagem que utilizamos em casa, com nossos familiares, é diferente do
tipo de linguagem que usamos no trabalho. Um professor pode usar um tipo de
linguagem para uma turma de Publicidade, com termos específicos da área, e outro
tipo de linguagem para alunos do curso de Jornalismo.
 - Essas variações linguísticas recebem nomes específicos.
* Diacrônica: é a variação linguística que ocorre entre períodos de tempo. Ex: o
português que se empregava no Brasil no século XVIII não é o mesmo que o utilizado
no século XXI. Ex: Vossa mercê > Você.
*Diatópica (dialeto): ocorre em espaços geográficos diversos. O dialeto, portanto, é
variedade regional de uma língua. ´´

OBS: quando as diferenças regionais não são tantas para constituírem um dialeto,
alguns autores as classificam como “regionalismo”. Dizem, por exemplo, que no
Brasil não há dialeto, mas regionalismos. Embora esses autores apontem diferenças
entre dialeto e regionalismo, vamos considerar esses termos como sendo a mesma
coisa.
* Diastrática (socioleto): variação que ocorre de uma camada social para outra.
Exemplo: o português empregado pelas pessoas que têm acesso à escola e aos meios
de instrução difere daquele empregado pelas pessoas privadas de escolaridade.
 * Idioleto: variação linguística que se verifica quando um mesmo indivíduo adapta sua
linguagem à situação (mais ou menos formal) por ele vivida. Certamente um jornalista
não se comunica com sua mãe da mesma forma como se comunica com seus leitores
no jornal em que escreve.
Quando está com a sua família, ele vive uma situação menos formal, que possibilita o
uso de uma linguagem menos tensa, menos rigorosa até em termos de respeito às
regras gramaticais. Se com a sua mãe esse jornalista pode dizer despretensiosa e
espontaneamente a frase: “Deixa eu ver”. Com seus leitores ele jamais poderia
cometer essa transgressão gramatical. Neste último caso, ele diria: “Deixe-me ver”.

*Jargão: ocorre em áreas profissionais específicas. O jargão é uma expressão ou
palavra comum para um ou alguns grupos profissionais.
Por exemplo, para os advogados "peticionar" significa o que os leigos conhecem por
"entrar com a ação" ou "pedir para o juiz".
Na área de Marketing, “prospectar” pode significar entrar em contato com potenciais
clientes para investigar o possível interesse na compra de um produto ou para
investigar um mercado.

“Brifar” significa projetar ou levantar dados sobre um case.
Na área jornalística, “cruzar a informação” significa comparar a informação de uma
“fonte” (entrevistado) com a de outras.

Níveis de linguagem

       Além dessas variações, tanto a língua oral como a escrita apresentam níveis de
       linguagem, ou seja, formas de usar a língua, que variam conforme nos
       aproximamos ou nos distanciamos das normas gramaticais impostas por nossa
       Língua Portuguesa.
       Segundo o linguista Dino Preti, podemos classificar em três os níveis de
       linguagem: o nível culto (ou formal), o nível comum (ou familiar, também
       chamado de coloquial) e o nível popular.

Nível culto (formal)

       Faz uso da língua padrão, seguindo estritamente as normas gramaticais;
       Preserva a unidade da Língua;
       Desfruta de prestígio, sendo empregado por falantes altamente escolarizados;
       pode acabar servindo de instrumento de discriminação;
       Utilizado em situações formais;
       Normalmente é usado pela Literatura e pelas Ciências;
       É burocrático e conservador;
       Vocabulário diversificado e rico;
       É desprovido de espontaneidade; passa artificialidade;
Possui sintaxe complexa;
       Não suporta gírias, clichês ou expressões vulgares;
       Além da denotação, explora a conotação, com uma linguagem bem trabalhada,
       longe do lugar comum.

Nível comum ( Familiar ou coloquial )

       É intermediário entre o nível culto e o popular;
       Foge às formalidades e ao preciosismo gramatical;
       Usado nas conversas despretensiosas;
       Utiliza vocabulário limitado;
       Possui sintaxe simples;
       Usa frases curtas;
       Ocorrência de repetições.
O nível coloquial (ou comum, ou familiar) pode ter ainda duas variações:
       Nível coloquial tenso (que mistura o nível culto com o comum): linguagem que
       usa um vocabulário usual, mas respeita as regras gramaticais.
       Nível coloquial distenso: neste, ao contrário, são admitidas pequenas
       transgressões à gramática.

Nível Popular

-Variante informal;
-Tem pouco prestígio se comparado ao nível culto ou comum; - É espontâneo e
descontraído; - É rico em inventividade; - Seu objetivo é a comunicação da forma mais
clara possível; - Bastante subjetivo;
- Usado, muitas vezes, por pessoas de um mesmo grupo social, com baixa escolaridade
ou que são analfabetas; - As construções se afastam da normatividade gramatical; -
Simplificações sintáticas. Ex: “Pega ele pra mim”; - Ausência de rigor quanto às
concordâncias verbal e nominal;
-Uso de gíria, clichês, frases feitas e provérbios.
OBS: dentro do nível popular, a língua pode atingir um nível ainda mais informal
chamado de “vulgar”. Esse nível se caracteriza pelo uso excessivo da gíria, do calão
(termo chulo). Muitas vezes pode ser utilizada para manter um segredo social.
Exemplo: a linguagem dos traficantes.

IMPORTANTE
- Os níveis de linguagem devem ser empregados, conforme a situação em que o
indivíduo se encontra. Devemos, portanto, adequar o uso da linguagem à situação em
que estamos. - O poema “Pronominais”, de Oswald de Andrade, ironiza bem o uso da
língua, de acordo com o contexto vivido: “Dê-me um cigarro/ Diz a gramática/ Do
professor e do aluno/ E do mulato sabido/ Mas o bom negro e o bom branco/ Da
Nação Brasileira/ Dizem todos os dias/ Deixa disso camarada/ Me dá um cigarro”. - É
importante ainda destacar que, por mais interessantes e criativas que sejam as
invenções populares na língua falada, a incorporação destas à língua escrita deve ser
sempre cautelosamente analisada, sob pena de quebrarmos a unidade linguística de
nosso povo: esse sistema de normas chamado Língua Portuguesa.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoSlides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentação
blogdoalunocefa
 
Norma culta dani
Norma culta daniNorma culta dani
Norma culta dani
ADRIANA BECKER
 
Português instrumental II
Português instrumental IIPortuguês instrumental II
Português instrumental II
Sinara Lustosa
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
Bruno Jeremias
 
Apostila de língua portuguesa profa. ilka mota
Apostila de língua portuguesa profa. ilka motaApostila de língua portuguesa profa. ilka mota
Apostila de língua portuguesa profa. ilka mota
Jowandreo Paixão
 
Variação linguística enem
Variação linguística enemVariação linguística enem
Variação linguística enem
Diana Kelly Alves Oliveira
 
Fundamentos e metodologia_de_lingua_portuguesa resolução pequena
Fundamentos e metodologia_de_lingua_portuguesa resolução pequenaFundamentos e metodologia_de_lingua_portuguesa resolução pequena
Fundamentos e metodologia_de_lingua_portuguesa resolução pequena
mkbariotto
 
A história da língua
A história da línguaA história da língua
A história da língua
Vanda Marques
 
Linguagem adequada ao contexto de comunicação
Linguagem    adequada   ao contexto  de comunicaçãoLinguagem    adequada   ao contexto  de comunicação
Linguagem adequada ao contexto de comunicação
Henrique Fonseca
 
Tradução Intermodal Intralingual
Tradução Intermodal Intralingual Tradução Intermodal Intralingual
Tradução Intermodal Intralingual
Instituto Consciência GO
 
Variedades linguisticas Pt. 1
Variedades linguisticas Pt. 1Variedades linguisticas Pt. 1
Variedades linguisticas Pt. 1
Sadrak Silva
 
GramáTica E LíNgua
GramáTica E LíNguaGramáTica E LíNgua
GramáTica E LíNgua
Walace Cestari
 
INTERPRETE DE LIBRAS
INTERPRETE DE LIBRASINTERPRETE DE LIBRAS
INTERPRETE DE LIBRAS
Aparecida Barbosa
 
Exercicio variacao linguistica_2
Exercicio variacao linguistica_2Exercicio variacao linguistica_2
Exercicio variacao linguistica_2
Isabella Silva
 
Teoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamental
Teoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamentalTeoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamental
Teoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamental
Fatinha Bretas
 
Os papeis-do-interprete-na-sala-de-aula-inclusiva
Os papeis-do-interprete-na-sala-de-aula-inclusivaOs papeis-do-interprete-na-sala-de-aula-inclusiva
Os papeis-do-interprete-na-sala-de-aula-inclusiva
Themeni Caroline
 
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
Bia Crispim
 
Português instrumental I
Português instrumental IPortuguês instrumental I
Português instrumental I
Sinara Lustosa
 
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
Luna Karoline
 
Linguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e InformalLinguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e Informal
Kelvin Illitch Santos
 

Mais procurados (20)

Slides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoSlides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentação
 
Norma culta dani
Norma culta daniNorma culta dani
Norma culta dani
 
Português instrumental II
Português instrumental IIPortuguês instrumental II
Português instrumental II
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
 
Apostila de língua portuguesa profa. ilka mota
Apostila de língua portuguesa profa. ilka motaApostila de língua portuguesa profa. ilka mota
Apostila de língua portuguesa profa. ilka mota
 
Variação linguística enem
Variação linguística enemVariação linguística enem
Variação linguística enem
 
Fundamentos e metodologia_de_lingua_portuguesa resolução pequena
Fundamentos e metodologia_de_lingua_portuguesa resolução pequenaFundamentos e metodologia_de_lingua_portuguesa resolução pequena
Fundamentos e metodologia_de_lingua_portuguesa resolução pequena
 
A história da língua
A história da línguaA história da língua
A história da língua
 
Linguagem adequada ao contexto de comunicação
Linguagem    adequada   ao contexto  de comunicaçãoLinguagem    adequada   ao contexto  de comunicação
Linguagem adequada ao contexto de comunicação
 
Tradução Intermodal Intralingual
Tradução Intermodal Intralingual Tradução Intermodal Intralingual
Tradução Intermodal Intralingual
 
Variedades linguisticas Pt. 1
Variedades linguisticas Pt. 1Variedades linguisticas Pt. 1
Variedades linguisticas Pt. 1
 
GramáTica E LíNgua
GramáTica E LíNguaGramáTica E LíNgua
GramáTica E LíNgua
 
INTERPRETE DE LIBRAS
INTERPRETE DE LIBRASINTERPRETE DE LIBRAS
INTERPRETE DE LIBRAS
 
Exercicio variacao linguistica_2
Exercicio variacao linguistica_2Exercicio variacao linguistica_2
Exercicio variacao linguistica_2
 
Teoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamental
Teoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamentalTeoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamental
Teoria e prática da Língua Portuguesa – Ensino fundamental
 
Os papeis-do-interprete-na-sala-de-aula-inclusiva
Os papeis-do-interprete-na-sala-de-aula-inclusivaOs papeis-do-interprete-na-sala-de-aula-inclusiva
Os papeis-do-interprete-na-sala-de-aula-inclusiva
 
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
Atividade extra-sobre-variação-linguística-1
 
Português instrumental I
Português instrumental IPortuguês instrumental I
Português instrumental I
 
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
 
Linguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e InformalLinguagem Formal e Informal
Linguagem Formal e Informal
 

Semelhante a Ipt resumo

Semântica.PDF
Semântica.PDFSemântica.PDF
Semântica.PDF
Jeferson S. J.
 
Variedades linguisticas
Variedades linguisticasVariedades linguisticas
Variedades linguisticas
uesleii
 
Pojhd
PojhdPojhd
ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptx
ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptxADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptx
ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptx
carminhadc38
 
Língua e linguagem
Língua e linguagemLíngua e linguagem
Língua e linguagem
johnypakato
 
Funções
FunçõesFunções
Funções
Diego Prezia
 
Trabalho LPL
Trabalho LPLTrabalho LPL
Trabalho LPL
Taissccp
 
LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL_125648.pptx
LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL_125648.pptxLINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL_125648.pptx
LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL_125648.pptx
poesiasdesiluso
 
Níveis de linguagem
Níveis de linguagemNíveis de linguagem
Níveis de linguagem
Fátima Campilho
 
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguística
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguísticaLinguagens língualinguagemvariaçãolinguística
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguística
Kênia Machado
 
Tipos de variação linguística
Tipos de variação linguísticaTipos de variação linguística
Tipos de variação linguística
Nivea Neves
 
Resenha marcos
Resenha marcosResenha marcos
Resenha marcos
emilenemd
 
Variação Linguística - APP
Variação Linguística - APPVariação Linguística - APP
Variação Linguística - APP
Antonio Pinto Pereira
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
caurysilva
 
Variacao linguistica
Variacao linguisticaVariacao linguistica
Variacao linguistica
caurysilva
 
Variação linguística 2
Variação linguística 2Variação linguística 2
Variação linguística 2
Maurício Francisco Dos Santos
 
LINGUAGEM - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA - NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptx
LINGUAGEM -  VARIAÇÃO LINGUÍSTICA  -  NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptxLINGUAGEM -  VARIAÇÃO LINGUÍSTICA  -  NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptx
LINGUAGEM - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA - NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptx
JaineCarolaineLima
 
Apts
AptsApts
Apts
maraieva
 
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_REFORMULADO.pptx
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_REFORMULADO.pptxSEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_REFORMULADO.pptx
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_REFORMULADO.pptx
AntonioVieira539017
 
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_VERSÃO OFICIAL.pptx
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_VERSÃO OFICIAL.pptxSEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_VERSÃO OFICIAL.pptx
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_VERSÃO OFICIAL.pptx
AntonioVieira539017
 

Semelhante a Ipt resumo (20)

Semântica.PDF
Semântica.PDFSemântica.PDF
Semântica.PDF
 
Variedades linguisticas
Variedades linguisticasVariedades linguisticas
Variedades linguisticas
 
Pojhd
PojhdPojhd
Pojhd
 
ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptx
ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptxADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptx
ADMINISTRAÇÃO_LOGISTICA - MÓDULO I - PORTUGUÊS INSTRUMENTAL (3).pptx
 
Língua e linguagem
Língua e linguagemLíngua e linguagem
Língua e linguagem
 
Funções
FunçõesFunções
Funções
 
Trabalho LPL
Trabalho LPLTrabalho LPL
Trabalho LPL
 
LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL_125648.pptx
LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL_125648.pptxLINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL_125648.pptx
LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL_125648.pptx
 
Níveis de linguagem
Níveis de linguagemNíveis de linguagem
Níveis de linguagem
 
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguística
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguísticaLinguagens língualinguagemvariaçãolinguística
Linguagens língualinguagemvariaçãolinguística
 
Tipos de variação linguística
Tipos de variação linguísticaTipos de variação linguística
Tipos de variação linguística
 
Resenha marcos
Resenha marcosResenha marcos
Resenha marcos
 
Variação Linguística - APP
Variação Linguística - APPVariação Linguística - APP
Variação Linguística - APP
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
Variacao linguistica
Variacao linguisticaVariacao linguistica
Variacao linguistica
 
Variação linguística 2
Variação linguística 2Variação linguística 2
Variação linguística 2
 
LINGUAGEM - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA - NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptx
LINGUAGEM -  VARIAÇÃO LINGUÍSTICA  -  NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptxLINGUAGEM -  VARIAÇÃO LINGUÍSTICA  -  NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptx
LINGUAGEM - VARIAÇÃO LINGUÍSTICA - NÍVEIS DE LINGUAGEM - edição 2022.pptx
 
Apts
AptsApts
Apts
 
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_REFORMULADO.pptx
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_REFORMULADO.pptxSEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_REFORMULADO.pptx
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_REFORMULADO.pptx
 
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_VERSÃO OFICIAL.pptx
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_VERSÃO OFICIAL.pptxSEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_VERSÃO OFICIAL.pptx
SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR_VERSÃO OFICIAL.pptx
 

Mais de Lu1zFern4nando

Transtornos da personalidade
Transtornos da personalidadeTranstornos da personalidade
Transtornos da personalidade
Lu1zFern4nando
 
Mecanismos de defesa do ego c
Mecanismos de defesa do ego   cMecanismos de defesa do ego   c
Mecanismos de defesa do ego c
Lu1zFern4nando
 
Exercícios tipologia textual
Exercícios   tipologia textualExercícios   tipologia textual
Exercícios tipologia textual
Lu1zFern4nando
 
Desenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocialDesenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocial
Lu1zFern4nando
 
Noções de imputabilidade
Noções de imputabilidadeNoções de imputabilidade
Noções de imputabilidade
Lu1zFern4nando
 

Mais de Lu1zFern4nando (7)

Transtornos da personalidade
Transtornos da personalidadeTranstornos da personalidade
Transtornos da personalidade
 
Mecanismos de defesa do ego c
Mecanismos de defesa do ego   cMecanismos de defesa do ego   c
Mecanismos de defesa do ego c
 
Exercícios tipologia textual
Exercícios   tipologia textualExercícios   tipologia textual
Exercícios tipologia textual
 
Ije (1)
Ije (1)Ije (1)
Ije (1)
 
Ije (5)
Ije (5)Ije (5)
Ije (5)
 
Desenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocialDesenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocial
 
Noções de imputabilidade
Noções de imputabilidadeNoções de imputabilidade
Noções de imputabilidade
 

Ipt resumo

  • 1. Aula 1 – Linguagem, língua e variações linguísticas O que é linguagem? É uma habilidade universal e exclusiva que o homem possui de dar nome as coisas, pessoas, sentimentos e pensamentos para exprimir suas ideias. O homem adquiriu essa habilidade entre 500 mil e 100 mil a. C. Bem antes disso, há milhares de anos, não possuíamos aparelho vocal suficiente para desenvolver a linguagem. Por isso, nossa comunicação era estritamente não verbal muito parecida com a dos demais animais, em especial o macaco. Comunicávamo-nos por gestos, expressões faciais e vocalizações sem sentido. Imperava uma comunicação muito subjetiva e havia dificuldade para a transmissão de conhecimentos. A invenção da linguagem acabou com esse problema, dando objetividade à comunicação humana. O homem pode transmitir melhor sua cultura. A linguagem é um sistema formado por uma unidade lingüística, repleto de significação, com o intuito de promover a comunicação entre os indivíduos de uma comunidade, servido ainda como instrumento de representação do mundo. Em outras palavras, é o sistema de sinais que nos permite efetivar o ato da comunicação. Ela pode ser verbal, não verbal e sincrética. O que é língua? É a expressão localizada (geográfica) e cultural da linguagem; um sistema de signos (código) que determinada região do mundo convencionou para se comunicar. Se observarmos cada local do planeta, verificaremos que a linguagem (essa habilidade que todos os homens possuem) é colocada em prática de forma diferente, pois cada país tem uma língua. Portanto, podemos considerar a língua (ou idioma) como a aplicação localizada da linguagem nos diferentes pontos do planeta. O que é fala ? É a expressão individual e concreta da língua; seu produto final. Exemplo: embora todos os brasileiros utilizem a Língua Portuguesa como código, o emprego do português é diferente de brasileiro a brasileiro.
  • 2. Cada pessoa possui uma fala, um discurso diferente. O que é Discurso ? O discurso é uma exposição metódica sobre certo assunto, com o objetivo de influir no raciocínio, nos sentimentos do ouvinte ou leitor. Linguagem Oral e Linguagem escrita Nosso código verbal, a Língua Portuguesa, se manifesta de duas formas: o português falado e o português escrito. A modalidade escrita surgiu inspirada na modalidade falada. A escrita tem sido modificada ao longo dos anos em função de variações da fala. Em funções dessas modificações, existem diferenças importantes entre as línguas oral e escrita, que merecem ser destacadas. Ninguém fala como escreve e vice-versa. Linguagem Oral ( FALADA ) É livre, criativa e espontânea. Seu vocabulário é constantemente renovado. Está sujeita a novas incorporações, como uma gíria ou um neologismo (invenção de uma nova palavra); Usa comumente onomatopéias e outros tipos de sons, que expressam emoções e sentimentos; Aceita frases feitas, clichês e chavões (Ex: “A união faz a força”/ “O sexo frágil...”) Manifesta-se, naturalmente, com entonações, timbre, ênfase, pausas e velocidade da enunciação; Não está presa estritamente às regras gramaticais; É mais econômica; Permite a repetição de palavras; Comporta frases inacabadas e anacolutos. Ex: "...a minha roupa, levo ela sempre àquela lavanderia da esquina"; É elaborada no momento exato do pensamento e, portanto, sem muito rigor; sem preciosismo na escolha dos termos; Permite o contato direto entre o emissor e o receptor, possibilitando a correção de desentendimentos; evita mais facilmente os ruídos;
  • 3. Conta, normalmente, com recursos extralinguísticos como gestos, expressões faciais e posturas, que permitem melhor comunicação de ideias e sentimentos; - Marcada pela subjetividade. Exemplos da língua falada: - Tô preocupado com essa situação/ Tô grilado com essa situação. - Vô sumi daqui correndinho, antes que ele veja a zona que fiz. - Carlos, cê ta aí no quarto? - Sorte com roupa branca? Tá brincando! -Não me diga que... eu sabia que isso iria acontecer! -Me dê esse copo que está na mesa. Língua escrita É conservadora. Não permite gírias e outras variações, pois deve se aproximar o máximo possível do código (Língua Portuguesa), que é o que mantém a unidade linguística de um povo; Está presa às regras gramaticais estabelecidas no código e, em função disso, costuma ser considerada a língua padrão para as atividades importantes em sociedade; Exige rigor na concordância verbal e nominal, na regência verbal e nominal, no uso de pronomes etc; É extensa e complexa, portanto, não é econômica; É bem elaborada. O emissor tem tempo para escolher os signos e até reescrever algo que não tenha gostado, antes de passar a idéia ao receptor; Não estabelece contato direto com o receptor, o que pode gerar ruídos. Daí a necessidade de contextualizar bem o receptor; Exige clareza na redação, sem omissões e ambiguidades; Tentam reproduzir, com imperfeição, os sons, a ênfase e as pausas da língua falada por meio de sinais gráficos de pontuação, como o acento, as aspas ou a reticências; Não comporta orações incompletas. Toda ideia precisa ter início, meio e fim. É marcada pela objetividade.
  • 4. * Exemplos da língua escrita: - Estou preocupada com essa situação - Deixe-me ir embora rapidamente, antes que ele veja a desordem que fiz. - Carlos, você está no quarto? - Levo minha roupa sempre à lavanderia -Não me diga que você perdeu o prazo de inscrição para o concurso! Eu sabia que isso iria acontecer! -Não acredito que a pessoa que veste roupa branca tem mais sorte. INTERAÇÃO - Apesar das diferenças, há uma interação entre as duas línguas, que admite graus diferentes de influência de uma sobre a outra, sem afetar, é claro, os padrões essenciais (convencionais) que caracterizam a Língua Portuguesa. Variações Linguísticas A Língua Portuguesa, como qualquer outra, configura-se como um conjunto de variantes, que podem ser determinadas por períodos de tempo, espaços geográficos, camadas sociais, áreas profissionais ou mesmo por situações específicas vividas pelo indivíduo. -Se compararmos o português falado e escrito em Portugal com o português falado e escrito no Brasil, observaremos claramente essas variações, em função da distância e do contexto vivido em cada um desses países. A palavra “camisola” em Portugal, por exemplo, significa camisa (suéter), enquanto que no nosso português significa roupa feminina para dormir. - Mesmo o português utilizado em Manaus, Salvador ou em Porto Alegre apresenta diferenças em relação ao utilizado na cidade de São Paulo. No Rio de Janeiro, o zíper do paulistano é chamado de fechecler. - O tipo de linguagem que utilizamos em casa, com nossos familiares, é diferente do tipo de linguagem que usamos no trabalho. Um professor pode usar um tipo de linguagem para uma turma de Publicidade, com termos específicos da área, e outro tipo de linguagem para alunos do curso de Jornalismo. - Essas variações linguísticas recebem nomes específicos. * Diacrônica: é a variação linguística que ocorre entre períodos de tempo. Ex: o português que se empregava no Brasil no século XVIII não é o mesmo que o utilizado no século XXI. Ex: Vossa mercê > Você. *Diatópica (dialeto): ocorre em espaços geográficos diversos. O dialeto, portanto, é variedade regional de uma língua. ´´ OBS: quando as diferenças regionais não são tantas para constituírem um dialeto, alguns autores as classificam como “regionalismo”. Dizem, por exemplo, que no Brasil não há dialeto, mas regionalismos. Embora esses autores apontem diferenças entre dialeto e regionalismo, vamos considerar esses termos como sendo a mesma coisa.
  • 5. * Diastrática (socioleto): variação que ocorre de uma camada social para outra. Exemplo: o português empregado pelas pessoas que têm acesso à escola e aos meios de instrução difere daquele empregado pelas pessoas privadas de escolaridade. * Idioleto: variação linguística que se verifica quando um mesmo indivíduo adapta sua linguagem à situação (mais ou menos formal) por ele vivida. Certamente um jornalista não se comunica com sua mãe da mesma forma como se comunica com seus leitores no jornal em que escreve. Quando está com a sua família, ele vive uma situação menos formal, que possibilita o uso de uma linguagem menos tensa, menos rigorosa até em termos de respeito às regras gramaticais. Se com a sua mãe esse jornalista pode dizer despretensiosa e espontaneamente a frase: “Deixa eu ver”. Com seus leitores ele jamais poderia cometer essa transgressão gramatical. Neste último caso, ele diria: “Deixe-me ver”. *Jargão: ocorre em áreas profissionais específicas. O jargão é uma expressão ou palavra comum para um ou alguns grupos profissionais. Por exemplo, para os advogados "peticionar" significa o que os leigos conhecem por "entrar com a ação" ou "pedir para o juiz". Na área de Marketing, “prospectar” pode significar entrar em contato com potenciais clientes para investigar o possível interesse na compra de um produto ou para investigar um mercado. “Brifar” significa projetar ou levantar dados sobre um case. Na área jornalística, “cruzar a informação” significa comparar a informação de uma “fonte” (entrevistado) com a de outras. Níveis de linguagem Além dessas variações, tanto a língua oral como a escrita apresentam níveis de linguagem, ou seja, formas de usar a língua, que variam conforme nos aproximamos ou nos distanciamos das normas gramaticais impostas por nossa Língua Portuguesa. Segundo o linguista Dino Preti, podemos classificar em três os níveis de linguagem: o nível culto (ou formal), o nível comum (ou familiar, também chamado de coloquial) e o nível popular. Nível culto (formal) Faz uso da língua padrão, seguindo estritamente as normas gramaticais; Preserva a unidade da Língua; Desfruta de prestígio, sendo empregado por falantes altamente escolarizados; pode acabar servindo de instrumento de discriminação; Utilizado em situações formais; Normalmente é usado pela Literatura e pelas Ciências; É burocrático e conservador; Vocabulário diversificado e rico; É desprovido de espontaneidade; passa artificialidade;
  • 6. Possui sintaxe complexa; Não suporta gírias, clichês ou expressões vulgares; Além da denotação, explora a conotação, com uma linguagem bem trabalhada, longe do lugar comum. Nível comum ( Familiar ou coloquial ) É intermediário entre o nível culto e o popular; Foge às formalidades e ao preciosismo gramatical; Usado nas conversas despretensiosas; Utiliza vocabulário limitado; Possui sintaxe simples; Usa frases curtas; Ocorrência de repetições. O nível coloquial (ou comum, ou familiar) pode ter ainda duas variações: Nível coloquial tenso (que mistura o nível culto com o comum): linguagem que usa um vocabulário usual, mas respeita as regras gramaticais. Nível coloquial distenso: neste, ao contrário, são admitidas pequenas transgressões à gramática. Nível Popular -Variante informal; -Tem pouco prestígio se comparado ao nível culto ou comum; - É espontâneo e descontraído; - É rico em inventividade; - Seu objetivo é a comunicação da forma mais clara possível; - Bastante subjetivo; - Usado, muitas vezes, por pessoas de um mesmo grupo social, com baixa escolaridade ou que são analfabetas; - As construções se afastam da normatividade gramatical; - Simplificações sintáticas. Ex: “Pega ele pra mim”; - Ausência de rigor quanto às concordâncias verbal e nominal; -Uso de gíria, clichês, frases feitas e provérbios. OBS: dentro do nível popular, a língua pode atingir um nível ainda mais informal chamado de “vulgar”. Esse nível se caracteriza pelo uso excessivo da gíria, do calão (termo chulo). Muitas vezes pode ser utilizada para manter um segredo social. Exemplo: a linguagem dos traficantes. IMPORTANTE - Os níveis de linguagem devem ser empregados, conforme a situação em que o indivíduo se encontra. Devemos, portanto, adequar o uso da linguagem à situação em que estamos. - O poema “Pronominais”, de Oswald de Andrade, ironiza bem o uso da língua, de acordo com o contexto vivido: “Dê-me um cigarro/ Diz a gramática/ Do professor e do aluno/ E do mulato sabido/ Mas o bom negro e o bom branco/ Da Nação Brasileira/ Dizem todos os dias/ Deixa disso camarada/ Me dá um cigarro”. - É importante ainda destacar que, por mais interessantes e criativas que sejam as invenções populares na língua falada, a incorporação destas à língua escrita deve ser sempre cautelosamente analisada, sob pena de quebrarmos a unidade linguística de nosso povo: esse sistema de normas chamado Língua Portuguesa.