SlideShare uma empresa Scribd logo
O ENVELHECIMENTO E A INTERVENÇÃO PSICOSSOCIAL COM IDOSOS Cadeira: Gerontologia Clínica Docente: Prof. Doutor Joaquim Parra Marujo Discente: Ana Elisabete da Cunha Pimentel Nº 20061591
OS IDOSOS, O ENVELHECIMENTO E A VELHICE As expressões  idoso ,  envelhecimento  e  velhice , nem sempre são tratadas de modo preciso pela psicologia: devido às dificuldades inerentes à própria delimitação dos conceitos, devido à ênfase organicista que faz cessar o desenvolvimento no fim da adolescência, devido à “novidade” do estudo neste domínio.
Fernández-Ballesteros (2000) introduz a noção de  envelhecimento funcional , partindo do princípio que o envelhecimento resulta de um equilíbrio quer entre estabilidade e mudança, quer entre crescimento e declínio, havendo: algumas funções que necessariamente diminuem de eficácia (natureza física, percepção e memória),  outras que estabilizam (como por exemplo a maior parte das variáveis da personalidade), e outras que, na ausência de doença, experimentam um crescimento ao longo de todo o ciclo de vida (ligadas à experiência e conhecimentos prévios) .
O conceito de  envelhecimento funcional  é talvez o que mais nos ajuda a encarar o envelhecimento numa óptica desenvolvimental:  porque nos permite olhar para o envelhecimento como algo capaz de ser optimizado através de intervenções nesse sentido, porque nos permite contrariar a tendência geral existente para desvalorizar as pessoas idosas (“idadismo”).
ENVELHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO O envelhecimento será a “contrapartida” do desenvolvimento . Desenvolvimento e envelhecimento são dois processos paralelos mas relacionados entre si, duas faces da mesma trajectória de vida . Nas fases iniciais da vida humana os sinais de desenvolvimento (biofísico, sobretudo) são mais visíveis e os sinais de envelhecimento permanecem adormecidos, ocorrendo o inverso na fase terminal da vida humana .
DESENVOLVIMENTO NA 3ª E 4ª IDADES Psicologia do ciclo de vida – dois grandes princípios: princípio da multilinearidade , que sustenta que o desenvolvimento psicológico é multilinear, não existindo um período privilegiado de maturidade; princípio do multideterminismo , que sustenta que o desenvolvimento psicológico é determinado pela acção conjunta e interactiva de factores ligados à idade, à história e a “acontecimentos de vida”
Psicologia do ciclo de vida – implicações: recusa de qualquer forma de determinismo compreensão “plástica” do desenvolvimento humano integração de dimensões sociais, biológicas e comportamentais na “produção” desse desenvolvimento pessoas vão experimentando continuamente processos de mudança, de transição e de adaptação o potencial para a mudança desenvolvimental está presente ao longo de toda a vida
DINÂMICA BIOLOGIA-CULTURA AO LONGO DO CICLO DE VIDA Influência Biologia-Genética   Sociedade-Cultura 18  50  Envelhecimento Ciclo de Vida
INFLUÊNCIAS DESENVOLVIMENTAIS “ Modelo trifactorial” de influências, cujos efeitos são basicamente os principais responsáveis pelo modo como o desenvolvimento se desenrola: influências normativas relativas à idade; influências normativas relativas à história; influências não normativas relativas a acontecimentos de vida
Biologia Ambiente Normativas relativas à idade Normativas relativas  à história Não-normativas  relativas a acontecimentos de vida Baltes & Nesselroade (1979) I n t e r a c ç ã o Interacção Determinantes Básicos Influências no Desenvolvimento
As  influências normativas relativas à idade  correspondem a determinantes correlacionadas com a idade e previsíveis; As  influências normativas relativas à história  consistem em determinantes correlacionados com o tempo histórico; As  influências não-normativas relativas a acontecimentos de vida  referem-se a determinantes cuja ocorrência e sequência não são aplicáveis a todos os indivíduos
INFLUÊNCIAS DESENVOLVIMENTAIS AO LONGO DO CICLO DE VIDA (FORÇA RELATIVA DAS INFLUÊNCIAS) Infância  Adolescência  Idade Adulta  Velhice Baltes, Reese, & Lippsitt (1980) Relativas à história Não-normativas Relativas à idade
GANHOS E PERDAS DESENVOLVIMENTAIS A interacção recíproca organismo-ambiente age sobre o desenvolvimento através da consideração da existência de  ganhos  e de  perdas  desenvolvimentais; Estes conceitos descrevem facetas de pluralidade no curso do desenvolvimento [e] promovem um conceito de desenvolvmento que não está fundado num critério simples de crescimento em termos de um aumento geral de eficácia funcional
DESENVOLVIMENTO E ADAPTAÇÃO Não existindo estádios pré-definidos e universais, a psicologia do ciclo de vida aponta como objectivo específico para o desenvolvimento a procura de uma adaptação bem sucedida entre organismo e ambiente;  Esta adaptação tem em conta o facto de o processo de desenvolvimento consistir numa ocorrência conjunta de “ganhos” (que traduzem crescimento) e de “perdas” (que traduzem declínio) na capacidade adaptativa.
ENVELHECIMENTO ACTIVO   (OMS, 2002) Processo de optimização de oportunidades para a saúde, participação e segurança, no sentido do aumento da  qualidade de vida  durante o envelhecimento.  Envelhecimento Activo Participação Saúde Segurança
ENVELHECIMENTO BEM SUCEDIDO “ Envelhecer bem” significa, numa frase, “dar mais vida aos anos” ! Critérios para um envelhecimento bem sucedido (Rowe & Kahn): saúde bom funcionamento físico/mental actividade física envolvimento social Mas… será isto possível na 4ª idade?
DA 3ª À 4ª IDADE As “idades da velhice”: jovens-idosos; idosos; muito idosos; Distinção entre 3ª e 4ª idade: diminuição da importância da idade cronológica e aumento da importância da idade funcional; Não há uma idade para se passar à 4ª idade, tudo depende do grau de funcionalidade; Existência de descontinuidades e de diferenças qualitativas entre as “idades da velhice”; A relação entre ganhos e perdas na 4ª idade torna-se desfavorável
AS “BOAS NOTÍCIAS” DA 3ª IDADE  (BALTES & SMITH, 2003) Aumento da expectativa de vida; Elevado potencial de manutenção de boa forma (física e mental); Reservas cognitivas e emocionais; Níveis elevados de bem-estar pessoal; Estratégias eficazes de gestão de ganhos e perdas
AS “MÁS NOTÍCIAS” DA 4ª IDADE  (BALTES & SMITH, 2003) Perdas consideráveis no potencial cognitivo; Reduzida capacidade de aprendizagem; Aumento de sintomas de stresse crónico; Considerável prevalência de demências; Níveis elevados de fragilidade, disfuncionalidade e multimorbilidade
DA 3ª À 4ª IDADE: DO ENVELHECIMENTO DIFERENCIAL À DIMINUIÇÃO DA VARIABILIDADE INTER-INDIVIDUAL 3ª Idade  (ca. 60-80 Anos)   4ª Idade  (ca. 80-100 Anos) Plasticidade elevada Plasticidade reduzida Declínio  aumenta  em presença de patologia 60  75  80  100 Idade  Idade Baltes (2002) Self/ Vida social Cognição Condição física Conhecimento
4ª IDADE E DIGNIDADE HUMANA A 4ª idade não é simplesmente uma continuação da 3ª idade… A 4ª idade testa as fronteiras da adaptabilidade humana; Viver mais tempo será um factor de risco acrescido para a dignidade humana? Daqui saem dilemas e desafios…
Os dilemas… A tentação para estender os limites do envelhecimento de forma artificial, incrementando formas de  “ mortalidade psicológica” susceptíveis de ameaçar a intencionalidade, a preservação da identidade pessoal, o controlo sobre o futuro, uma vivência digna da fase terminal da vida. A “cultura da velhice” transformar-se na principal preocupação das sociedades ocidentais.
Política de envelhecimento orientada para o futuro deve evitar centrar-se exclusivamente na população idosa; Gastos associados aos idosos e muito idosos podem “fazer falta” a outros grupos etários; Não existem fases do ciclo de vida que pssam ser consideradas prioritárias em termos de necessidade de cuidados
Os desafios… Face a menores capacidades e/ou a problemas de saúde, a adaptação pode resultar dificultada e exigir a optimização do meio físico e social, tendo em vista  aumentar a qualidade de vida  do sujeito que envelhece.   A institucionalização deve responder à necessidade de ser restabelecido um equilíbrio mais favorável entre ganhos e perdas (compensação).
NÚMERO DE PESSOAS QUE NECESSITAM DE CUIDADOS DIÁRIOS (NÍVEIS MAIS ELEVADOS DE INCAPACIDADE) E CUJA NECESSIDADE DE INSTITUCIONALIZAÇÃO É MAIS PROVÁVEL  (OMS)   60+ Popul. % Pop.  % Idosos 2000 209.4 10 015 2.1% 2010 229.7 10 082 2.3% 2020 255.9 9 939 2.6% 2030 290.1 9 715 3.0% 2040 330.7 9 428 3.5% 2050 322.6 9 005 3.6%
Observatório Nacional de Saúde (2001) 8% da população idosa (65+) é muito dependente; 12% necessita de apoio sistemático para realizar actividades de vida diária; 20% necessita de algum tipo de apoio diário; Estudo de Sousa & Figueiredo (2002) 46% das pessoas com 75 mais anos necessita de algum tipo de apoio diário
EQUIPAMENTOS PARA PESSOAS IDOSAS   (CARTA SOCIAL 2003) Centros de Convívio   506 Centros de Dia 1790 Lares 1376 Residências   43 Apoio Domiciliário 2055 Atendimento Temporário   13 Centros de Noite   6
QUANTAS PESSOAS IDOSAS RESIDEM EM LARES?  (OMS; CARTA SOCIAL 2003) Estimativa  (1376 x média de 50 pessoas* = 68 800) Cerca de 4% dos maiores de 65 anos estarão a residir em lares * Com base na média de utentes de 10% dos lares registados.
QUEM SÃO AS PESSOAS IDOSAS  QUE VIVEM EM LARES? Terão um elevado índice de incapacidade? Avaliação (funcional) dos idosos no momento da entrada e periodicamente Fizeram uma opção? Escolha pessoal, “empurrados”, inevitabilidade (“internamentos sociais”)… Há uma resposta adaptada às necessidades do(s) idoso(s) por parte das instituições?
PARA QUE SERVEM OS LARES DE IDOSOS? Perspectiva assistencial/asilar, associada a um modelo biomédico do envelhecimento versus Perspectiva de melhoria de qualidade de vida e de prevenção/recuperação do declínio
ÁREAS MAIS DEFICITÁRIAS NOS  LARES DE IDOSOS Serviços especializados para pessoas com demência e outras perturbações mentais; Participação das pessoas idosas na vida da instituição e da comunidade envolvente; Controlo de problemas comportamentais e gestão de conflitos; Optimização de capacidades no sentido do envelhecimento activo.
ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE PRESTAÇÃO DE CUIDADOS A IDOSOS Responder a necessidades pessoais Promover os contactos sociais Encorajar a autonomia Encorajar a aceitação de riscos Promover a auto-estima Respeitar a individualidade Proteger a privacidade
CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TRABALHAR COM IDOSOS DEPENDENTES  Envelhecimento normal: modificações biológicas, psicológicas e sociais Perturbações mentais, incluindo demências Perturbações de humor e ansiedade Mudanças no envelhecimento que requerem tratamento psiquiátrico: tipos de tratamento, medicação, interacção de fármacos Problemas sociais e físicos: luto, perda de papéis, dor física, perturbações do sono, etc
QUALIDADES PESSOAIS PARA TRABALHAR COM IDOSOS DEPENDENTES   Capacidade de confronto com os seus próprios sentimentos sobre envelhecimento Ser capaz de actuação flexível e ampla Gostar de trabalhar em equipa com outros profissionais Ter paciência e habilidade para informar e apoiar as decisões de cariz médico e social Aceitar objectivos terapêuticos limitados (não ficar desencorajado) Valorizar pequenos ganhos Ser capaz de manter optimismo face a um mau prognóstico Encarar o idoso como um indivíduo em desenvolvimento
INTERVENÇÃO PSICOSSOCIAL COM IDOSOS Intervenção nos problemas antes que estes se manifestem  Aquisição de conhecimentos que permitam alterar hábitos e desenvolver habilidades ou competências  Intervenção individual ou grupal
Direccionada para uma situação problemática ou uma alteração da normalidade que já está instaurada, pretende impedir o desenvolvimento de resultados mais desfavoráveis Promoção de competências para enfrentar problemas Intervenção imediata após diagnóstico Melhoria, neutralização ou erradicação do factor promotor da crise
Quadros graves de incapacidade já instaurada. Limitação da incapacidade. Reabilitação.
Estabelecimento de uma relação com o idoso Avaliação Planeamento Intervenção Avaliação Finalização
Objectivos: o que se pretende alcançar para cada uma das áreas identificadas como problemáticas Procedimentos: estratégias e metodologias para cada objectivo a alcançar Revisão de literatura  Estabelecimento de acordo com idoso
Estabelecimento de uma relação com o idoso Avaliação Planeamento Intervenção Avaliação Finalização
Objectivo: mediação da resposta Recursos pessoais: saúde, competências sociais, personalidade, recursos económicos Recursos sociais: rede social informal (parentes, vizinhos, amigos) e formal (sistema saúde) Papel dos técnicos:  Promoção da adaptação às novas condições de vida Prevenção: Antecipação ou moderação de disfunções humanas, mitigando ou eliminando as causas das desordens (Coie et al, 1993) Intervenção multimodal e multidisciplinar Adaptação às características do idoso
Manutenção de níveis adequados de saúde e bem-estar Promoção das competências e detecção das debilidades Conhecimento dos processos de envelhecimento Compreensão e aceitação das mudanças como normativas Antecipação das dificuldades e geração de alternativas: serviços comunitários Promoção da saúde Exercício Dieta Acidentes Stress Utilização indevida da medicação
Intervenção na memória (Fernandez-Ballasteros et al.,1992): Treino individual: recuperação de listas, mnemónicas (método de  loci , método das palavras gancho, categorização, agrupamento). Modificação do ambiente: disposição do contexto, disposição de pistas (e.g.: relógio, agenda)
Possíveis áreas problemáticas: Stress Mudança; Solidão; Dificuldades sexuais; Problemas conjugais e familiares; Viuvez; Reforma Problemas mentais Depressão; Ideação suicida; Luto patológico Alcoolismo Doenças físicas
Stress derivado da mudança Diferentes tipos de mudanças Mudanças ambientais moderadas (alteração do contexto físico mas não do contexto social) Intervenção: Antecipação, planificação e preparação da mudança Geração de alternativas
Solidão e isolamento social Ausência de actividades estimulantes e interacções satisfatórias Intervenção: Modificação das atitudes que mantêm o comportamento Promoção das competências sociais Análise das perdas e dos ganhos Estabelecimento de oportunidades de interacção
Dificuldades sexuais Pressupostos e estereótipos sociais dificultam manutenção de comportamento sexual  Intervenção: Explicação das alterações fisiológicas decorrentes do envelhecimento Normalização dos desejos sentidos Encaminhamento para um terapeuta
Problemas conjugais e familiares Existentes desde longa data ou resultantes do envelhecimento Intervenção: Estabelecimento de tarefas em conjunto e a sós Realização de grupos de debate Terapia conjugal
Viuvez Problemas emocionais, associados a factores adicionais de risco: diminuição recursos económicos, isolamento social, debilitação saúde Intervenção: Ligação com instituições promotoras de voluntariado Grupos de auto-ajuda Treino em resolução de problemas
Reforma Adaptação a múltiplas mudanças: pessoais, relacionais, sociais, económicas… Intervenção: Promoção de ocupação de tempos livres Voluntariado Grupos de auto-ajuda Relacionamento conjugal
Depressão Subdiagnóstico Desvalorização sintomas Sintomas atípicos Intervenção: Utilização de todos os recursos do idoso Compreensão da situação actual e evidências contra Estabelecimento de actividades significativas Grupos de auto-ajuda Psicoterapia
Ideação suicida Homens caucasianos,  >60 anos,  que vivem sós Comportamentos parasuicidas Intervenção: Detecção de casos de risco Encaminhamento para unidades hospitalares Acompanhamento
Luto patológico Após perda, incapacidade para aceitar sucedido ou continuar com o quotidiano Intervenção: Falar sobre o sucedido, de modo empático Estabelecimento de actividades satisfatórias Psicoterapia  Medicação
Alcoolismo Considerando que não têm empregos, não conduzem e vivem sozinhos, muitos idosos desenvolvem problemas de alcoolismo que não são detectados Intervenção: Aprendizagem sobre as consequências do álcool Grupos de auto-ajuda
Doenças físicas: Problemas de índole físico e com consequências psicológicas, muitas vezes sem o acompanhamento médico necessário Intervenção: Estar alerta aos sinais precoces, para diagnóstico e encaminhamento adequado Ensinar ao idoso e aos seus familiares o modo mais adequado para minimizar impacto doença (estilo de vida, hábitos alimentares, alterações ambientais) Grupos de auto-ajuda
Quadros Clínicos Doenças mentais crónicas Doenças físicas crónicas Âmbitos de acção Desenvolvimento de trabalho clínico-social Programas psicológicos especializados  Promoção do funcionamento psicossocial;  Intervenção psicológica em lares de idosos;  Tratamento individualizado
Promoção do funcionamento psicossocial Terapia ambiental Programas intergeneracionais Terapias por meio de animais de companhia Orientação à realidade
Intervenção precoce no desempenho Terapia da remotivação Grupos de reminiscência Arte Terapia e Musicoterapia Psicoterapia de Grupo Grupos de auto-governo Tratamento de validação - fantasia  Tratamento individualizado Terapia comportamental  Terapia orientada à visão interior
Terapia Ambiental Apresentação dum ambiente diário activo e estimulante,  desinstitucionalizando as estruturas, físicas e sociais Medidas arquitectónicas e decorativas Acesso facilitado a meios de comunicação (correio, telefone, internet, e-mail, etc) Celebrações pessoais e contacto com familiares Acesso a actividades físicas externas (e.g.: exercícios aquáticos)
Programas Intergeracionais Estabelecimento de uma relação de carácter individual entre duas gerações Alteração de atitudes intergeracionais, muitas vezes enviesadas e promoção e garantia da transmissão de tradições culturais Partilha de recursos e a resolução de problemas sociais, como o abandono escolar, abuso de substâncias e vandalismo   (Bostrum  et al. , 2004)
Terapia com animais de companhia Responsabilidade diária por parte dos utentes dos lares Mecanismo de comunicação e companhia
Orientação à Realidade Reorganização das estruturas físicas e sociais da instituição para permitir aos utentes ter um comportamento mais orientado Dois componentes diferentes: Orientação à realidade durante as 24 horas Grupos de orientação à realidade
Orientação à Realidade durante as 24 horas Todas as pessoas que comunicam com o utente informam-no acerca da realidade (tempo, lugar e pessoa) O pessoal auxiliar deverá apresentar-se dizendo o seu nome, chamar o doente pelo seu nome, e indicar a hora do dia e explicar o motivo da comunicação Também se deve utilizar apoios ambientais que ofereçam informação acerca da orientação para a realidade (sinais, relógios, calendários, setas de direcção, etiquetas de objectos, diários e fotografias)
Grupos de Orientação à Realidade Organização dos grupos consoante funcionamento cognitivo prévio dos sujeitos Encontros de 90m, 5 vezes por semana Mediante uma série de ajudas visuais, assim como de artigos concretos do mundo diário como peças de vestuário e alimentos, o monitor oferece uma descrição da realidade, e os doentes aprendem a identificar e lembrar os artigos reais e a sua utilização Em sujeitos menos confusos, temáticas mais complexas
Terapia de Remotivação Orientação de tratamento de grupo que se utiliza para estimular as pessoas que tem perdido o interesse pelo presente e futuro. Reuniões de grupo 1/2 vezes por semana, durante 12 sessões  Cada sessão centra-se sobre um tema diferente e deve contemplar 5 passos: Apresentação; Leitura em voz alta de um artigo; Desenvolvimento de um tema à escolha; Discussão do funcionamento e interacções; Satisfação com a reunião e planeamento da seguinte.
Terapia pela Arte e pela Música Expressão dos sentimentos através da arte e da música A utilização destas estratégias diminui as defesas do idoso, tornando mais fácil a partilha das suas emoções e dificuldades (Shapiro, 1969)
Psicoterapia de Grupo Habitualmente dirigidos para a obtenção de objectivos sociais específicos (e.g.: integração na instituição) Estratégias do tipo comportamental funcionam melhor com idosos Idosos tornam-se mais independentes e envolvidos
Grupos de Reminiscência Promoção da utilização da memória e da criatividade Em grupo (5 a 9 elementos), cada idoso relata uma experiência do seu passado, enquanto que os outros são convidados a recordar uma situação de vida similar Cada sessão pode ter um tema específico (e.g.: Revolução de Abril; as cheias de 79), seleccionado pelos membros no início da sessão O técnico deve estar preparado para lidar com eventuais sentimentos negativos que surjam
Grupos de Auto-governo Conselho composto por representantes dos residentes, que se reúne de forma regular, e onde podem expressar a sua satisfação ou descontentamento O papel do técnico consiste em motivar os idosos a formar e a manter o grupo
Terapia de Validação-Fantasia Crítica à orientação para a realidade, por considerar que esta impõe e realidade dos técnicos ao idoso Considera as fantasias do idoso como um mecanismo de  coping , uma estratégia para lidar com a nova realidade O técnico deve tentar uma ligação entre as fantasias e o passado, validando a confusão mas sem negá-la
Terapia Comportamental O objectivo é que o idoso aprenda a realizar tarefas para as quais não se sente capaz Explicação do funcionamento e objectivos  Através de exercícios simples, de role play ou de modelagem, técnico ensina estratégias específicas ao idoso Sempre que o idoso demonstre aprendizagem, técnico reforça através de elogios
Terapia Orientada para a Visão Interior Aplicação dos princípios da recordação para promover a resolução de problemas emocionais Através da recordação, idoso é capaz de aceder a memórias passadas, fonte do sofrimento actual
Estabelecimento de uma relação com o idoso Avaliação Planeamento Intervenção Avaliação Finalização
Avaliação contínua Fase transversal a todo o processo: garantir que os objectivos estão a ser alcançados Avaliação resultados Após finalização do processo: avaliação aprofundada das estratégias, para perceber os pontos fracos e os pontos fortes
Estabelecimento de uma relação com o idoso Avaliação Planeamento Intervenção Avaliação Finalização
Finalização Prevista desde o início da intervenção, através de uma estimativa do tempo de trabalho Discutida antecipadamente com o idoso, prevenindo possíveis dificuldades após retirada do técnico Colaboração com a restante equipa
Barreiras Gerais Conhecimento sobre envelhecimento Resistência da comunidade Barreiras Sociais Mecanismos de financiamento Barreiras Administrativas Recursos existentes Atitudes curativas mais do que preventivas
BIBLIOGRAFIA AM Fonseca (2005).  Desenvolvimento humano e envelhecimento . Lisboa: Climepsi. AM Fonseca (2004).  O envelhecimento, uma abordagem psicológica . Lisboa: UCatólica Editora. Fernández-Ballasteros, R.; Izal, M.; Montorio, I. González, J. & Díaz Veiga, P. (1992).  Evaluación e intervención psicológica en la vejez . Barcelona: Martínez roca. Pp. 110-143. Hermann Hesse (2002).  Elogio da velhice . Lisboa: Difel (Ed. Original, 1952). Jacob, Luis (2008),  Animação de idosos,  Actividades. Colecção Idade do Saber, Porto: Âmbar; Jan, Abram (1996). A Linguagem de Winnicott,  Pensamento Sobre Idosos . Rio de Janeiro, Revinter;
Knight, B. (2005).  Psychoterapy with older people . California: SAGE Publications. Lima, Margarida (2005).  Posso Participar?  Actividades de desenvolvimento pessoal para idosos, Colecção Idade do Saber, Porto: Âmbar; M Baltes (1998). The psychology of the oldest-old: the Fourth Age.  Current Opinion in Psychiatry , 11, 411-415 Nolan M.; Davies S. & Grant, G. (Eds). (2001).  Working with older people and their families . EUA: Open University Press. P Baltes, Smith, J (2003). New frontiers in the future of aging: from successful aging of the young old to the dilemmas of the fourth age.  Gerontology , 49, 2, 123-135.
Parker J. & Bradley G. (Eds). (2004).  Social work with older people . EUA: Learning Matters. P Baltes, K Mayer (eds.) (1999).  The Berlin Aging Study: aging from 70 to 100 . Cambridge University Press. Reaver, M. L. & Miller, D. A. (1998).  La práctica clínica del trabajo social com las personas mayores . Barcelona: PAIDÓS. Rubem Alves (2004).  As cores do crepúsculo. A estética do envelhecer . Porto:   Edições ASA. Yanguas, J.; Leturia, F.; Leturia, M. & Uriarte, A. (1998).  Intervención Psicossocial en Gerontología: manual práctico . Espanha: Cáritas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
Simone Elisa Heitor
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regular
Ismael Costa
 
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
Envelhecimento Ativo - Saúde do Idoso
Envelhecimento Ativo - Saúde do IdosoEnvelhecimento Ativo - Saúde do Idoso
Envelhecimento Ativo - Saúde do Idoso
Enfº Ícaro Araújo
 
Saúde do adulto e do idoso.pdf
Saúde do adulto e do idoso.pdfSaúde do adulto e do idoso.pdf
Saúde do adulto e do idoso.pdf
NaraLcia2
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do EnvelhecimentoTeorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
agemais
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Ana Hollanders
 
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhosDesenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Jessica Monteiro
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
morgausesp
 
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira IdadeO Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
Greicy Kapisch
 
Aula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doencaAula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doenca
Paula Brustolin Xavier
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
Marcos Figueiredo
 
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptxSaúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Juliana Cavalcante
 
Fisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoFisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimento
André Fidelis
 
Atençao a saude da pessoa idosa e envelhecimento
Atençao a saude da pessoa idosa e envelhecimentoAtençao a saude da pessoa idosa e envelhecimento
Atençao a saude da pessoa idosa e envelhecimento
Centro Universitário Ages
 
Violencia contra o idoso
Violencia contra o idosoViolencia contra o idoso
Violencia contra o idoso
JP ABNT
 
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico""Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
Tainá Martins
 
SEXUALIDADE NO IDOSO
SEXUALIDADE NO IDOSOSEXUALIDADE NO IDOSO
SEXUALIDADE NO IDOSO
Rubens Junior
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
Andressa Macena
 

Mais procurados (20)

Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regular
 
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso
 
Envelhecimento Ativo - Saúde do Idoso
Envelhecimento Ativo - Saúde do IdosoEnvelhecimento Ativo - Saúde do Idoso
Envelhecimento Ativo - Saúde do Idoso
 
Saúde do adulto e do idoso.pdf
Saúde do adulto e do idoso.pdfSaúde do adulto e do idoso.pdf
Saúde do adulto e do idoso.pdf
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
 
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do EnvelhecimentoTeorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)
 
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhosDesenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira IdadeO Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
 
Aula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doencaAula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doenca
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
 
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptxSaúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
Saúde do Adulto e Idoso AULA 1.pptx
 
Fisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoFisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimento
 
Atençao a saude da pessoa idosa e envelhecimento
Atençao a saude da pessoa idosa e envelhecimentoAtençao a saude da pessoa idosa e envelhecimento
Atençao a saude da pessoa idosa e envelhecimento
 
Violencia contra o idoso
Violencia contra o idosoViolencia contra o idoso
Violencia contra o idoso
 
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico""Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
 
SEXUALIDADE NO IDOSO
SEXUALIDADE NO IDOSOSEXUALIDADE NO IDOSO
SEXUALIDADE NO IDOSO
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 

Destaque

Terceira Idade
Terceira IdadeTerceira Idade
Terceira Idade
Carol Alves
 
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - VelhiceFases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
Ligia Coppetti
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Os idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedadeOs idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedade
lucia_nunes
 
Ppt joana cruz - módulo 6
Ppt   joana cruz - módulo 6Ppt   joana cruz - módulo 6
Ppt joana cruz - módulo 6
Tatiana Nunes
 
Idosos
IdososIdosos
Idosos
Isa Santos
 
Educação física e motivação
Educação física e motivaçãoEducação física e motivação
Educação física e motivação
Anastácio Martins Nepomuceno Júnior
 
Mobilidade especial
Mobilidade especialMobilidade especial
Mobilidade especial
dionilson lemos
 
Programa CIS
Programa CISPrograma CIS
Programa CIS
paulocarrega
 
O que é intervenção psicossocial 1
O que é intervenção psicossocial 1O que é intervenção psicossocial 1
O que é intervenção psicossocial 1
Aline Favaro Dias
 
Inserindo a velhice na comunidade
Inserindo a velhice na comunidadeInserindo a velhice na comunidade
Inserindo a velhice na comunidade
inclusao.eficiente
 
A FAMÍLIA DO IDOSO DEPENDENTE - 2º ENCONTRO DE FAMILIARES E CUIDADORES DE IDO...
A FAMÍLIA DO IDOSO DEPENDENTE - 2º ENCONTRO DE FAMILIARES E CUIDADORES DE IDO...A FAMÍLIA DO IDOSO DEPENDENTE - 2º ENCONTRO DE FAMILIARES E CUIDADORES DE IDO...
A FAMÍLIA DO IDOSO DEPENDENTE - 2º ENCONTRO DE FAMILIARES E CUIDADORES DE IDO...
Márcio Borges
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
Fábio Castro Machado
 
Envelhecer sem Adoecer
Envelhecer sem AdoecerEnvelhecer sem Adoecer
Envelhecer sem Adoecer
Amanda Thomé
 
Acção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSI
Acção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSIAcção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSI
Acção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSI
susanamota
 
CUIDAR DA FAMÍLIA AFETADA PELA DOENÇA DE ALZHEIMER
CUIDAR DA FAMÍLIA AFETADA PELA DOENÇA DE ALZHEIMERCUIDAR DA FAMÍLIA AFETADA PELA DOENÇA DE ALZHEIMER
CUIDAR DA FAMÍLIA AFETADA PELA DOENÇA DE ALZHEIMER
Márcio Borges
 
Psicologia do desenvolvimento- Idoso
Psicologia  do desenvolvimento- IdosoPsicologia  do desenvolvimento- Idoso
Psicologia do desenvolvimento- Idoso
Marcioveras
 
Curso psicologia do envelhecimento aula 1
Curso psicologia do envelhecimento   aula 1Curso psicologia do envelhecimento   aula 1
Curso psicologia do envelhecimento aula 1
Cuidar de Idosos
 
Envelhecimento populacional
Envelhecimento populacionalEnvelhecimento populacional
Envelhecimento populacional
Anna Paula Tenorio
 
Velhice
VelhiceVelhice

Destaque (20)

Terceira Idade
Terceira IdadeTerceira Idade
Terceira Idade
 
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - VelhiceFases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
 
Os idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedadeOs idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedade
 
Ppt joana cruz - módulo 6
Ppt   joana cruz - módulo 6Ppt   joana cruz - módulo 6
Ppt joana cruz - módulo 6
 
Idosos
IdososIdosos
Idosos
 
Educação física e motivação
Educação física e motivaçãoEducação física e motivação
Educação física e motivação
 
Mobilidade especial
Mobilidade especialMobilidade especial
Mobilidade especial
 
Programa CIS
Programa CISPrograma CIS
Programa CIS
 
O que é intervenção psicossocial 1
O que é intervenção psicossocial 1O que é intervenção psicossocial 1
O que é intervenção psicossocial 1
 
Inserindo a velhice na comunidade
Inserindo a velhice na comunidadeInserindo a velhice na comunidade
Inserindo a velhice na comunidade
 
A FAMÍLIA DO IDOSO DEPENDENTE - 2º ENCONTRO DE FAMILIARES E CUIDADORES DE IDO...
A FAMÍLIA DO IDOSO DEPENDENTE - 2º ENCONTRO DE FAMILIARES E CUIDADORES DE IDO...A FAMÍLIA DO IDOSO DEPENDENTE - 2º ENCONTRO DE FAMILIARES E CUIDADORES DE IDO...
A FAMÍLIA DO IDOSO DEPENDENTE - 2º ENCONTRO DE FAMILIARES E CUIDADORES DE IDO...
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
 
Envelhecer sem Adoecer
Envelhecer sem AdoecerEnvelhecer sem Adoecer
Envelhecer sem Adoecer
 
Acção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSI
Acção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSIAcção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSI
Acção social, pessoas idosas, pessoas com deficiência e RSI
 
CUIDAR DA FAMÍLIA AFETADA PELA DOENÇA DE ALZHEIMER
CUIDAR DA FAMÍLIA AFETADA PELA DOENÇA DE ALZHEIMERCUIDAR DA FAMÍLIA AFETADA PELA DOENÇA DE ALZHEIMER
CUIDAR DA FAMÍLIA AFETADA PELA DOENÇA DE ALZHEIMER
 
Psicologia do desenvolvimento- Idoso
Psicologia  do desenvolvimento- IdosoPsicologia  do desenvolvimento- Idoso
Psicologia do desenvolvimento- Idoso
 
Curso psicologia do envelhecimento aula 1
Curso psicologia do envelhecimento   aula 1Curso psicologia do envelhecimento   aula 1
Curso psicologia do envelhecimento aula 1
 
Envelhecimento populacional
Envelhecimento populacionalEnvelhecimento populacional
Envelhecimento populacional
 
Velhice
VelhiceVelhice
Velhice
 

Semelhante a Ana Pimentel

AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptxAULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
KarineRibeiro57
 
Palestra-Ebramec-dia-das-mulheres.pptx
Palestra-Ebramec-dia-das-mulheres.pptxPalestra-Ebramec-dia-das-mulheres.pptx
Palestra-Ebramec-dia-das-mulheres.pptx
Sandro671810
 
Envelhecimento E Qualidade De Vida
Envelhecimento E Qualidade De VidaEnvelhecimento E Qualidade De Vida
Envelhecimento E Qualidade De Vida
susana12345
 
Art 1
Art 1Art 1
Art 1
Art 1Art 1
Conceitos Da Teoria EconôMica
Conceitos Da Teoria EconôMicaConceitos Da Teoria EconôMica
Conceitos Da Teoria EconôMica
agemais
 
Conceitos Básicos
Conceitos BásicosConceitos Básicos
Conceitos Básicos
agemais
 
Acompanhamento e animação da pessoa idosa manual
Acompanhamento e animação da pessoa idosa   manualAcompanhamento e animação da pessoa idosa   manual
Acompanhamento e animação da pessoa idosa manual
Margarida Pires
 
Módulo 1 - Aula 4
Módulo 1 - Aula 4Módulo 1 - Aula 4
Módulo 1 - Aula 4
agemais
 
Educação das Pessoas Adultas
Educação das Pessoas AdultasEducação das Pessoas Adultas
Educação das Pessoas Adultas
carbgarcia
 
Gerontologia Apontamentos - Por: Vasco Fernandes (2015)
Gerontologia Apontamentos - Por: Vasco Fernandes (2015)Gerontologia Apontamentos - Por: Vasco Fernandes (2015)
Gerontologia Apontamentos - Por: Vasco Fernandes (2015)
Vasco Fernandes
 
3537 ppt .ppt
3537 ppt .ppt3537 ppt .ppt
3537 ppt .ppt
claudiamarques84245
 
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Psicologia do desenvolvimento João Alves 800401
Psicologia do desenvolvimento João Alves 800401Psicologia do desenvolvimento João Alves 800401
Psicologia do desenvolvimento João Alves 800401
João Manuel Ribeiro Alves
 
Diego emanuel gobbo
Diego emanuel gobboDiego emanuel gobbo
Diego emanuel gobbo
catjust
 
Ppt iefp ufcd 3536
Ppt iefp ufcd 3536Ppt iefp ufcd 3536
Ppt iefp ufcd 3536
apolonianunes
 
Terceira idade desenvolvimento ii (1)
Terceira idade desenvolvimento ii (1)Terceira idade desenvolvimento ii (1)
Terceira idade desenvolvimento ii (1)
Luan Costa Souza
 
Fisiopatologia do Envelhecimento (061023).pdf
Fisiopatologia do Envelhecimento (061023).pdfFisiopatologia do Envelhecimento (061023).pdf
Fisiopatologia do Envelhecimento (061023).pdf
SergioBSantos1
 
conceitosbsicogeriatria-140427125126-phpapp02.pptx
conceitosbsicogeriatria-140427125126-phpapp02.pptxconceitosbsicogeriatria-140427125126-phpapp02.pptx
conceitosbsicogeriatria-140427125126-phpapp02.pptx
Jiggly1
 
Artigo intervenção-em-grupo-com-idosos-institucionalizados b
Artigo intervenção-em-grupo-com-idosos-institucionalizados bArtigo intervenção-em-grupo-com-idosos-institucionalizados b
Artigo intervenção-em-grupo-com-idosos-institucionalizados b
nefer_amarna
 

Semelhante a Ana Pimentel (20)

AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptxAULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
AULAS 1,2 E 3 - ALUNOS.pptx
 
Palestra-Ebramec-dia-das-mulheres.pptx
Palestra-Ebramec-dia-das-mulheres.pptxPalestra-Ebramec-dia-das-mulheres.pptx
Palestra-Ebramec-dia-das-mulheres.pptx
 
Envelhecimento E Qualidade De Vida
Envelhecimento E Qualidade De VidaEnvelhecimento E Qualidade De Vida
Envelhecimento E Qualidade De Vida
 
Art 1
Art 1Art 1
Art 1
 
Art 1
Art 1Art 1
Art 1
 
Conceitos Da Teoria EconôMica
Conceitos Da Teoria EconôMicaConceitos Da Teoria EconôMica
Conceitos Da Teoria EconôMica
 
Conceitos Básicos
Conceitos BásicosConceitos Básicos
Conceitos Básicos
 
Acompanhamento e animação da pessoa idosa manual
Acompanhamento e animação da pessoa idosa   manualAcompanhamento e animação da pessoa idosa   manual
Acompanhamento e animação da pessoa idosa manual
 
Módulo 1 - Aula 4
Módulo 1 - Aula 4Módulo 1 - Aula 4
Módulo 1 - Aula 4
 
Educação das Pessoas Adultas
Educação das Pessoas AdultasEducação das Pessoas Adultas
Educação das Pessoas Adultas
 
Gerontologia Apontamentos - Por: Vasco Fernandes (2015)
Gerontologia Apontamentos - Por: Vasco Fernandes (2015)Gerontologia Apontamentos - Por: Vasco Fernandes (2015)
Gerontologia Apontamentos - Por: Vasco Fernandes (2015)
 
3537 ppt .ppt
3537 ppt .ppt3537 ppt .ppt
3537 ppt .ppt
 
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
 
Psicologia do desenvolvimento João Alves 800401
Psicologia do desenvolvimento João Alves 800401Psicologia do desenvolvimento João Alves 800401
Psicologia do desenvolvimento João Alves 800401
 
Diego emanuel gobbo
Diego emanuel gobboDiego emanuel gobbo
Diego emanuel gobbo
 
Ppt iefp ufcd 3536
Ppt iefp ufcd 3536Ppt iefp ufcd 3536
Ppt iefp ufcd 3536
 
Terceira idade desenvolvimento ii (1)
Terceira idade desenvolvimento ii (1)Terceira idade desenvolvimento ii (1)
Terceira idade desenvolvimento ii (1)
 
Fisiopatologia do Envelhecimento (061023).pdf
Fisiopatologia do Envelhecimento (061023).pdfFisiopatologia do Envelhecimento (061023).pdf
Fisiopatologia do Envelhecimento (061023).pdf
 
conceitosbsicogeriatria-140427125126-phpapp02.pptx
conceitosbsicogeriatria-140427125126-phpapp02.pptxconceitosbsicogeriatria-140427125126-phpapp02.pptx
conceitosbsicogeriatria-140427125126-phpapp02.pptx
 
Artigo intervenção-em-grupo-com-idosos-institucionalizados b
Artigo intervenção-em-grupo-com-idosos-institucionalizados bArtigo intervenção-em-grupo-com-idosos-institucionalizados b
Artigo intervenção-em-grupo-com-idosos-institucionalizados b
 

Mais de BetaBetuxa

Trabalho em Power Point
Trabalho em Power PointTrabalho em Power Point
Trabalho em Power Point
BetaBetuxa
 
Relatório "Nunca é Tarde Demais"
Relatório "Nunca é Tarde Demais"Relatório "Nunca é Tarde Demais"
Relatório "Nunca é Tarde Demais"
BetaBetuxa
 
Partes Do Pc
Partes Do PcPartes Do Pc
Partes Do Pc
BetaBetuxa
 
Web 2
Web 2Web 2
Web 2
BetaBetuxa
 
Segurança
SegurançaSegurança
Segurança
BetaBetuxa
 
Nativos Digitais
Nativos DigitaisNativos Digitais
Nativos Digitais
BetaBetuxa
 
Recursos Tecnológicos
Recursos TecnológicosRecursos Tecnológicos
Recursos Tecnológicos
BetaBetuxa
 
Terapia da reminiscência nos Idosos
Terapia da reminiscência nos IdososTerapia da reminiscência nos Idosos
Terapia da reminiscência nos Idosos
BetaBetuxa
 
Curriculum Vitae
Curriculum VitaeCurriculum Vitae
Curriculum Vitae
BetaBetuxa
 

Mais de BetaBetuxa (9)

Trabalho em Power Point
Trabalho em Power PointTrabalho em Power Point
Trabalho em Power Point
 
Relatório "Nunca é Tarde Demais"
Relatório "Nunca é Tarde Demais"Relatório "Nunca é Tarde Demais"
Relatório "Nunca é Tarde Demais"
 
Partes Do Pc
Partes Do PcPartes Do Pc
Partes Do Pc
 
Web 2
Web 2Web 2
Web 2
 
Segurança
SegurançaSegurança
Segurança
 
Nativos Digitais
Nativos DigitaisNativos Digitais
Nativos Digitais
 
Recursos Tecnológicos
Recursos TecnológicosRecursos Tecnológicos
Recursos Tecnológicos
 
Terapia da reminiscência nos Idosos
Terapia da reminiscência nos IdososTerapia da reminiscência nos Idosos
Terapia da reminiscência nos Idosos
 
Curriculum Vitae
Curriculum VitaeCurriculum Vitae
Curriculum Vitae
 

Último

Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
GleenseCartonilho
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
dantemalca
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 

Último (9)

Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
Procedimento Operacional Padrão Para Recebimento e Atendimento de Pacientes P...
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 

Ana Pimentel

  • 1. O ENVELHECIMENTO E A INTERVENÇÃO PSICOSSOCIAL COM IDOSOS Cadeira: Gerontologia Clínica Docente: Prof. Doutor Joaquim Parra Marujo Discente: Ana Elisabete da Cunha Pimentel Nº 20061591
  • 2. OS IDOSOS, O ENVELHECIMENTO E A VELHICE As expressões idoso , envelhecimento e velhice , nem sempre são tratadas de modo preciso pela psicologia: devido às dificuldades inerentes à própria delimitação dos conceitos, devido à ênfase organicista que faz cessar o desenvolvimento no fim da adolescência, devido à “novidade” do estudo neste domínio.
  • 3. Fernández-Ballesteros (2000) introduz a noção de envelhecimento funcional , partindo do princípio que o envelhecimento resulta de um equilíbrio quer entre estabilidade e mudança, quer entre crescimento e declínio, havendo: algumas funções que necessariamente diminuem de eficácia (natureza física, percepção e memória), outras que estabilizam (como por exemplo a maior parte das variáveis da personalidade), e outras que, na ausência de doença, experimentam um crescimento ao longo de todo o ciclo de vida (ligadas à experiência e conhecimentos prévios) .
  • 4. O conceito de envelhecimento funcional é talvez o que mais nos ajuda a encarar o envelhecimento numa óptica desenvolvimental: porque nos permite olhar para o envelhecimento como algo capaz de ser optimizado através de intervenções nesse sentido, porque nos permite contrariar a tendência geral existente para desvalorizar as pessoas idosas (“idadismo”).
  • 5. ENVELHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO O envelhecimento será a “contrapartida” do desenvolvimento . Desenvolvimento e envelhecimento são dois processos paralelos mas relacionados entre si, duas faces da mesma trajectória de vida . Nas fases iniciais da vida humana os sinais de desenvolvimento (biofísico, sobretudo) são mais visíveis e os sinais de envelhecimento permanecem adormecidos, ocorrendo o inverso na fase terminal da vida humana .
  • 6. DESENVOLVIMENTO NA 3ª E 4ª IDADES Psicologia do ciclo de vida – dois grandes princípios: princípio da multilinearidade , que sustenta que o desenvolvimento psicológico é multilinear, não existindo um período privilegiado de maturidade; princípio do multideterminismo , que sustenta que o desenvolvimento psicológico é determinado pela acção conjunta e interactiva de factores ligados à idade, à história e a “acontecimentos de vida”
  • 7. Psicologia do ciclo de vida – implicações: recusa de qualquer forma de determinismo compreensão “plástica” do desenvolvimento humano integração de dimensões sociais, biológicas e comportamentais na “produção” desse desenvolvimento pessoas vão experimentando continuamente processos de mudança, de transição e de adaptação o potencial para a mudança desenvolvimental está presente ao longo de toda a vida
  • 8. DINÂMICA BIOLOGIA-CULTURA AO LONGO DO CICLO DE VIDA Influência Biologia-Genética Sociedade-Cultura 18 50 Envelhecimento Ciclo de Vida
  • 9. INFLUÊNCIAS DESENVOLVIMENTAIS “ Modelo trifactorial” de influências, cujos efeitos são basicamente os principais responsáveis pelo modo como o desenvolvimento se desenrola: influências normativas relativas à idade; influências normativas relativas à história; influências não normativas relativas a acontecimentos de vida
  • 10. Biologia Ambiente Normativas relativas à idade Normativas relativas à história Não-normativas relativas a acontecimentos de vida Baltes & Nesselroade (1979) I n t e r a c ç ã o Interacção Determinantes Básicos Influências no Desenvolvimento
  • 11. As influências normativas relativas à idade correspondem a determinantes correlacionadas com a idade e previsíveis; As influências normativas relativas à história consistem em determinantes correlacionados com o tempo histórico; As influências não-normativas relativas a acontecimentos de vida referem-se a determinantes cuja ocorrência e sequência não são aplicáveis a todos os indivíduos
  • 12. INFLUÊNCIAS DESENVOLVIMENTAIS AO LONGO DO CICLO DE VIDA (FORÇA RELATIVA DAS INFLUÊNCIAS) Infância Adolescência Idade Adulta Velhice Baltes, Reese, & Lippsitt (1980) Relativas à história Não-normativas Relativas à idade
  • 13. GANHOS E PERDAS DESENVOLVIMENTAIS A interacção recíproca organismo-ambiente age sobre o desenvolvimento através da consideração da existência de ganhos e de perdas desenvolvimentais; Estes conceitos descrevem facetas de pluralidade no curso do desenvolvimento [e] promovem um conceito de desenvolvmento que não está fundado num critério simples de crescimento em termos de um aumento geral de eficácia funcional
  • 14. DESENVOLVIMENTO E ADAPTAÇÃO Não existindo estádios pré-definidos e universais, a psicologia do ciclo de vida aponta como objectivo específico para o desenvolvimento a procura de uma adaptação bem sucedida entre organismo e ambiente; Esta adaptação tem em conta o facto de o processo de desenvolvimento consistir numa ocorrência conjunta de “ganhos” (que traduzem crescimento) e de “perdas” (que traduzem declínio) na capacidade adaptativa.
  • 15. ENVELHECIMENTO ACTIVO (OMS, 2002) Processo de optimização de oportunidades para a saúde, participação e segurança, no sentido do aumento da qualidade de vida durante o envelhecimento. Envelhecimento Activo Participação Saúde Segurança
  • 16. ENVELHECIMENTO BEM SUCEDIDO “ Envelhecer bem” significa, numa frase, “dar mais vida aos anos” ! Critérios para um envelhecimento bem sucedido (Rowe & Kahn): saúde bom funcionamento físico/mental actividade física envolvimento social Mas… será isto possível na 4ª idade?
  • 17. DA 3ª À 4ª IDADE As “idades da velhice”: jovens-idosos; idosos; muito idosos; Distinção entre 3ª e 4ª idade: diminuição da importância da idade cronológica e aumento da importância da idade funcional; Não há uma idade para se passar à 4ª idade, tudo depende do grau de funcionalidade; Existência de descontinuidades e de diferenças qualitativas entre as “idades da velhice”; A relação entre ganhos e perdas na 4ª idade torna-se desfavorável
  • 18. AS “BOAS NOTÍCIAS” DA 3ª IDADE (BALTES & SMITH, 2003) Aumento da expectativa de vida; Elevado potencial de manutenção de boa forma (física e mental); Reservas cognitivas e emocionais; Níveis elevados de bem-estar pessoal; Estratégias eficazes de gestão de ganhos e perdas
  • 19. AS “MÁS NOTÍCIAS” DA 4ª IDADE (BALTES & SMITH, 2003) Perdas consideráveis no potencial cognitivo; Reduzida capacidade de aprendizagem; Aumento de sintomas de stresse crónico; Considerável prevalência de demências; Níveis elevados de fragilidade, disfuncionalidade e multimorbilidade
  • 20. DA 3ª À 4ª IDADE: DO ENVELHECIMENTO DIFERENCIAL À DIMINUIÇÃO DA VARIABILIDADE INTER-INDIVIDUAL 3ª Idade (ca. 60-80 Anos) 4ª Idade (ca. 80-100 Anos) Plasticidade elevada Plasticidade reduzida Declínio aumenta em presença de patologia 60 75 80 100 Idade Idade Baltes (2002) Self/ Vida social Cognição Condição física Conhecimento
  • 21. 4ª IDADE E DIGNIDADE HUMANA A 4ª idade não é simplesmente uma continuação da 3ª idade… A 4ª idade testa as fronteiras da adaptabilidade humana; Viver mais tempo será um factor de risco acrescido para a dignidade humana? Daqui saem dilemas e desafios…
  • 22. Os dilemas… A tentação para estender os limites do envelhecimento de forma artificial, incrementando formas de “ mortalidade psicológica” susceptíveis de ameaçar a intencionalidade, a preservação da identidade pessoal, o controlo sobre o futuro, uma vivência digna da fase terminal da vida. A “cultura da velhice” transformar-se na principal preocupação das sociedades ocidentais.
  • 23. Política de envelhecimento orientada para o futuro deve evitar centrar-se exclusivamente na população idosa; Gastos associados aos idosos e muito idosos podem “fazer falta” a outros grupos etários; Não existem fases do ciclo de vida que pssam ser consideradas prioritárias em termos de necessidade de cuidados
  • 24. Os desafios… Face a menores capacidades e/ou a problemas de saúde, a adaptação pode resultar dificultada e exigir a optimização do meio físico e social, tendo em vista aumentar a qualidade de vida do sujeito que envelhece. A institucionalização deve responder à necessidade de ser restabelecido um equilíbrio mais favorável entre ganhos e perdas (compensação).
  • 25. NÚMERO DE PESSOAS QUE NECESSITAM DE CUIDADOS DIÁRIOS (NÍVEIS MAIS ELEVADOS DE INCAPACIDADE) E CUJA NECESSIDADE DE INSTITUCIONALIZAÇÃO É MAIS PROVÁVEL (OMS) 60+ Popul. % Pop. % Idosos 2000 209.4 10 015 2.1% 2010 229.7 10 082 2.3% 2020 255.9 9 939 2.6% 2030 290.1 9 715 3.0% 2040 330.7 9 428 3.5% 2050 322.6 9 005 3.6%
  • 26. Observatório Nacional de Saúde (2001) 8% da população idosa (65+) é muito dependente; 12% necessita de apoio sistemático para realizar actividades de vida diária; 20% necessita de algum tipo de apoio diário; Estudo de Sousa & Figueiredo (2002) 46% das pessoas com 75 mais anos necessita de algum tipo de apoio diário
  • 27. EQUIPAMENTOS PARA PESSOAS IDOSAS (CARTA SOCIAL 2003) Centros de Convívio 506 Centros de Dia 1790 Lares 1376 Residências 43 Apoio Domiciliário 2055 Atendimento Temporário 13 Centros de Noite 6
  • 28. QUANTAS PESSOAS IDOSAS RESIDEM EM LARES? (OMS; CARTA SOCIAL 2003) Estimativa (1376 x média de 50 pessoas* = 68 800) Cerca de 4% dos maiores de 65 anos estarão a residir em lares * Com base na média de utentes de 10% dos lares registados.
  • 29. QUEM SÃO AS PESSOAS IDOSAS QUE VIVEM EM LARES? Terão um elevado índice de incapacidade? Avaliação (funcional) dos idosos no momento da entrada e periodicamente Fizeram uma opção? Escolha pessoal, “empurrados”, inevitabilidade (“internamentos sociais”)… Há uma resposta adaptada às necessidades do(s) idoso(s) por parte das instituições?
  • 30. PARA QUE SERVEM OS LARES DE IDOSOS? Perspectiva assistencial/asilar, associada a um modelo biomédico do envelhecimento versus Perspectiva de melhoria de qualidade de vida e de prevenção/recuperação do declínio
  • 31. ÁREAS MAIS DEFICITÁRIAS NOS LARES DE IDOSOS Serviços especializados para pessoas com demência e outras perturbações mentais; Participação das pessoas idosas na vida da instituição e da comunidade envolvente; Controlo de problemas comportamentais e gestão de conflitos; Optimização de capacidades no sentido do envelhecimento activo.
  • 32. ASPECTOS FUNDAMENTAIS DE PRESTAÇÃO DE CUIDADOS A IDOSOS Responder a necessidades pessoais Promover os contactos sociais Encorajar a autonomia Encorajar a aceitação de riscos Promover a auto-estima Respeitar a individualidade Proteger a privacidade
  • 33. CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS PARA TRABALHAR COM IDOSOS DEPENDENTES Envelhecimento normal: modificações biológicas, psicológicas e sociais Perturbações mentais, incluindo demências Perturbações de humor e ansiedade Mudanças no envelhecimento que requerem tratamento psiquiátrico: tipos de tratamento, medicação, interacção de fármacos Problemas sociais e físicos: luto, perda de papéis, dor física, perturbações do sono, etc
  • 34. QUALIDADES PESSOAIS PARA TRABALHAR COM IDOSOS DEPENDENTES Capacidade de confronto com os seus próprios sentimentos sobre envelhecimento Ser capaz de actuação flexível e ampla Gostar de trabalhar em equipa com outros profissionais Ter paciência e habilidade para informar e apoiar as decisões de cariz médico e social Aceitar objectivos terapêuticos limitados (não ficar desencorajado) Valorizar pequenos ganhos Ser capaz de manter optimismo face a um mau prognóstico Encarar o idoso como um indivíduo em desenvolvimento
  • 35. INTERVENÇÃO PSICOSSOCIAL COM IDOSOS Intervenção nos problemas antes que estes se manifestem Aquisição de conhecimentos que permitam alterar hábitos e desenvolver habilidades ou competências Intervenção individual ou grupal
  • 36. Direccionada para uma situação problemática ou uma alteração da normalidade que já está instaurada, pretende impedir o desenvolvimento de resultados mais desfavoráveis Promoção de competências para enfrentar problemas Intervenção imediata após diagnóstico Melhoria, neutralização ou erradicação do factor promotor da crise
  • 37. Quadros graves de incapacidade já instaurada. Limitação da incapacidade. Reabilitação.
  • 38. Estabelecimento de uma relação com o idoso Avaliação Planeamento Intervenção Avaliação Finalização
  • 39. Objectivos: o que se pretende alcançar para cada uma das áreas identificadas como problemáticas Procedimentos: estratégias e metodologias para cada objectivo a alcançar Revisão de literatura Estabelecimento de acordo com idoso
  • 40. Estabelecimento de uma relação com o idoso Avaliação Planeamento Intervenção Avaliação Finalização
  • 41. Objectivo: mediação da resposta Recursos pessoais: saúde, competências sociais, personalidade, recursos económicos Recursos sociais: rede social informal (parentes, vizinhos, amigos) e formal (sistema saúde) Papel dos técnicos: Promoção da adaptação às novas condições de vida Prevenção: Antecipação ou moderação de disfunções humanas, mitigando ou eliminando as causas das desordens (Coie et al, 1993) Intervenção multimodal e multidisciplinar Adaptação às características do idoso
  • 42. Manutenção de níveis adequados de saúde e bem-estar Promoção das competências e detecção das debilidades Conhecimento dos processos de envelhecimento Compreensão e aceitação das mudanças como normativas Antecipação das dificuldades e geração de alternativas: serviços comunitários Promoção da saúde Exercício Dieta Acidentes Stress Utilização indevida da medicação
  • 43. Intervenção na memória (Fernandez-Ballasteros et al.,1992): Treino individual: recuperação de listas, mnemónicas (método de loci , método das palavras gancho, categorização, agrupamento). Modificação do ambiente: disposição do contexto, disposição de pistas (e.g.: relógio, agenda)
  • 44. Possíveis áreas problemáticas: Stress Mudança; Solidão; Dificuldades sexuais; Problemas conjugais e familiares; Viuvez; Reforma Problemas mentais Depressão; Ideação suicida; Luto patológico Alcoolismo Doenças físicas
  • 45. Stress derivado da mudança Diferentes tipos de mudanças Mudanças ambientais moderadas (alteração do contexto físico mas não do contexto social) Intervenção: Antecipação, planificação e preparação da mudança Geração de alternativas
  • 46. Solidão e isolamento social Ausência de actividades estimulantes e interacções satisfatórias Intervenção: Modificação das atitudes que mantêm o comportamento Promoção das competências sociais Análise das perdas e dos ganhos Estabelecimento de oportunidades de interacção
  • 47. Dificuldades sexuais Pressupostos e estereótipos sociais dificultam manutenção de comportamento sexual Intervenção: Explicação das alterações fisiológicas decorrentes do envelhecimento Normalização dos desejos sentidos Encaminhamento para um terapeuta
  • 48. Problemas conjugais e familiares Existentes desde longa data ou resultantes do envelhecimento Intervenção: Estabelecimento de tarefas em conjunto e a sós Realização de grupos de debate Terapia conjugal
  • 49. Viuvez Problemas emocionais, associados a factores adicionais de risco: diminuição recursos económicos, isolamento social, debilitação saúde Intervenção: Ligação com instituições promotoras de voluntariado Grupos de auto-ajuda Treino em resolução de problemas
  • 50. Reforma Adaptação a múltiplas mudanças: pessoais, relacionais, sociais, económicas… Intervenção: Promoção de ocupação de tempos livres Voluntariado Grupos de auto-ajuda Relacionamento conjugal
  • 51. Depressão Subdiagnóstico Desvalorização sintomas Sintomas atípicos Intervenção: Utilização de todos os recursos do idoso Compreensão da situação actual e evidências contra Estabelecimento de actividades significativas Grupos de auto-ajuda Psicoterapia
  • 52. Ideação suicida Homens caucasianos, >60 anos, que vivem sós Comportamentos parasuicidas Intervenção: Detecção de casos de risco Encaminhamento para unidades hospitalares Acompanhamento
  • 53. Luto patológico Após perda, incapacidade para aceitar sucedido ou continuar com o quotidiano Intervenção: Falar sobre o sucedido, de modo empático Estabelecimento de actividades satisfatórias Psicoterapia Medicação
  • 54. Alcoolismo Considerando que não têm empregos, não conduzem e vivem sozinhos, muitos idosos desenvolvem problemas de alcoolismo que não são detectados Intervenção: Aprendizagem sobre as consequências do álcool Grupos de auto-ajuda
  • 55. Doenças físicas: Problemas de índole físico e com consequências psicológicas, muitas vezes sem o acompanhamento médico necessário Intervenção: Estar alerta aos sinais precoces, para diagnóstico e encaminhamento adequado Ensinar ao idoso e aos seus familiares o modo mais adequado para minimizar impacto doença (estilo de vida, hábitos alimentares, alterações ambientais) Grupos de auto-ajuda
  • 56. Quadros Clínicos Doenças mentais crónicas Doenças físicas crónicas Âmbitos de acção Desenvolvimento de trabalho clínico-social Programas psicológicos especializados Promoção do funcionamento psicossocial; Intervenção psicológica em lares de idosos; Tratamento individualizado
  • 57. Promoção do funcionamento psicossocial Terapia ambiental Programas intergeneracionais Terapias por meio de animais de companhia Orientação à realidade
  • 58. Intervenção precoce no desempenho Terapia da remotivação Grupos de reminiscência Arte Terapia e Musicoterapia Psicoterapia de Grupo Grupos de auto-governo Tratamento de validação - fantasia Tratamento individualizado Terapia comportamental Terapia orientada à visão interior
  • 59. Terapia Ambiental Apresentação dum ambiente diário activo e estimulante, desinstitucionalizando as estruturas, físicas e sociais Medidas arquitectónicas e decorativas Acesso facilitado a meios de comunicação (correio, telefone, internet, e-mail, etc) Celebrações pessoais e contacto com familiares Acesso a actividades físicas externas (e.g.: exercícios aquáticos)
  • 60. Programas Intergeracionais Estabelecimento de uma relação de carácter individual entre duas gerações Alteração de atitudes intergeracionais, muitas vezes enviesadas e promoção e garantia da transmissão de tradições culturais Partilha de recursos e a resolução de problemas sociais, como o abandono escolar, abuso de substâncias e vandalismo (Bostrum et al. , 2004)
  • 61. Terapia com animais de companhia Responsabilidade diária por parte dos utentes dos lares Mecanismo de comunicação e companhia
  • 62. Orientação à Realidade Reorganização das estruturas físicas e sociais da instituição para permitir aos utentes ter um comportamento mais orientado Dois componentes diferentes: Orientação à realidade durante as 24 horas Grupos de orientação à realidade
  • 63. Orientação à Realidade durante as 24 horas Todas as pessoas que comunicam com o utente informam-no acerca da realidade (tempo, lugar e pessoa) O pessoal auxiliar deverá apresentar-se dizendo o seu nome, chamar o doente pelo seu nome, e indicar a hora do dia e explicar o motivo da comunicação Também se deve utilizar apoios ambientais que ofereçam informação acerca da orientação para a realidade (sinais, relógios, calendários, setas de direcção, etiquetas de objectos, diários e fotografias)
  • 64. Grupos de Orientação à Realidade Organização dos grupos consoante funcionamento cognitivo prévio dos sujeitos Encontros de 90m, 5 vezes por semana Mediante uma série de ajudas visuais, assim como de artigos concretos do mundo diário como peças de vestuário e alimentos, o monitor oferece uma descrição da realidade, e os doentes aprendem a identificar e lembrar os artigos reais e a sua utilização Em sujeitos menos confusos, temáticas mais complexas
  • 65. Terapia de Remotivação Orientação de tratamento de grupo que se utiliza para estimular as pessoas que tem perdido o interesse pelo presente e futuro. Reuniões de grupo 1/2 vezes por semana, durante 12 sessões Cada sessão centra-se sobre um tema diferente e deve contemplar 5 passos: Apresentação; Leitura em voz alta de um artigo; Desenvolvimento de um tema à escolha; Discussão do funcionamento e interacções; Satisfação com a reunião e planeamento da seguinte.
  • 66. Terapia pela Arte e pela Música Expressão dos sentimentos através da arte e da música A utilização destas estratégias diminui as defesas do idoso, tornando mais fácil a partilha das suas emoções e dificuldades (Shapiro, 1969)
  • 67. Psicoterapia de Grupo Habitualmente dirigidos para a obtenção de objectivos sociais específicos (e.g.: integração na instituição) Estratégias do tipo comportamental funcionam melhor com idosos Idosos tornam-se mais independentes e envolvidos
  • 68. Grupos de Reminiscência Promoção da utilização da memória e da criatividade Em grupo (5 a 9 elementos), cada idoso relata uma experiência do seu passado, enquanto que os outros são convidados a recordar uma situação de vida similar Cada sessão pode ter um tema específico (e.g.: Revolução de Abril; as cheias de 79), seleccionado pelos membros no início da sessão O técnico deve estar preparado para lidar com eventuais sentimentos negativos que surjam
  • 69. Grupos de Auto-governo Conselho composto por representantes dos residentes, que se reúne de forma regular, e onde podem expressar a sua satisfação ou descontentamento O papel do técnico consiste em motivar os idosos a formar e a manter o grupo
  • 70. Terapia de Validação-Fantasia Crítica à orientação para a realidade, por considerar que esta impõe e realidade dos técnicos ao idoso Considera as fantasias do idoso como um mecanismo de coping , uma estratégia para lidar com a nova realidade O técnico deve tentar uma ligação entre as fantasias e o passado, validando a confusão mas sem negá-la
  • 71. Terapia Comportamental O objectivo é que o idoso aprenda a realizar tarefas para as quais não se sente capaz Explicação do funcionamento e objectivos Através de exercícios simples, de role play ou de modelagem, técnico ensina estratégias específicas ao idoso Sempre que o idoso demonstre aprendizagem, técnico reforça através de elogios
  • 72. Terapia Orientada para a Visão Interior Aplicação dos princípios da recordação para promover a resolução de problemas emocionais Através da recordação, idoso é capaz de aceder a memórias passadas, fonte do sofrimento actual
  • 73. Estabelecimento de uma relação com o idoso Avaliação Planeamento Intervenção Avaliação Finalização
  • 74. Avaliação contínua Fase transversal a todo o processo: garantir que os objectivos estão a ser alcançados Avaliação resultados Após finalização do processo: avaliação aprofundada das estratégias, para perceber os pontos fracos e os pontos fortes
  • 75. Estabelecimento de uma relação com o idoso Avaliação Planeamento Intervenção Avaliação Finalização
  • 76. Finalização Prevista desde o início da intervenção, através de uma estimativa do tempo de trabalho Discutida antecipadamente com o idoso, prevenindo possíveis dificuldades após retirada do técnico Colaboração com a restante equipa
  • 77. Barreiras Gerais Conhecimento sobre envelhecimento Resistência da comunidade Barreiras Sociais Mecanismos de financiamento Barreiras Administrativas Recursos existentes Atitudes curativas mais do que preventivas
  • 78. BIBLIOGRAFIA AM Fonseca (2005). Desenvolvimento humano e envelhecimento . Lisboa: Climepsi. AM Fonseca (2004). O envelhecimento, uma abordagem psicológica . Lisboa: UCatólica Editora. Fernández-Ballasteros, R.; Izal, M.; Montorio, I. González, J. & Díaz Veiga, P. (1992). Evaluación e intervención psicológica en la vejez . Barcelona: Martínez roca. Pp. 110-143. Hermann Hesse (2002). Elogio da velhice . Lisboa: Difel (Ed. Original, 1952). Jacob, Luis (2008), Animação de idosos, Actividades. Colecção Idade do Saber, Porto: Âmbar; Jan, Abram (1996). A Linguagem de Winnicott, Pensamento Sobre Idosos . Rio de Janeiro, Revinter;
  • 79. Knight, B. (2005). Psychoterapy with older people . California: SAGE Publications. Lima, Margarida (2005). Posso Participar? Actividades de desenvolvimento pessoal para idosos, Colecção Idade do Saber, Porto: Âmbar; M Baltes (1998). The psychology of the oldest-old: the Fourth Age. Current Opinion in Psychiatry , 11, 411-415 Nolan M.; Davies S. & Grant, G. (Eds). (2001). Working with older people and their families . EUA: Open University Press. P Baltes, Smith, J (2003). New frontiers in the future of aging: from successful aging of the young old to the dilemmas of the fourth age. Gerontology , 49, 2, 123-135.
  • 80. Parker J. & Bradley G. (Eds). (2004). Social work with older people . EUA: Learning Matters. P Baltes, K Mayer (eds.) (1999). The Berlin Aging Study: aging from 70 to 100 . Cambridge University Press. Reaver, M. L. & Miller, D. A. (1998). La práctica clínica del trabajo social com las personas mayores . Barcelona: PAIDÓS. Rubem Alves (2004). As cores do crepúsculo. A estética do envelhecer . Porto: Edições ASA. Yanguas, J.; Leturia, F.; Leturia, M. & Uriarte, A. (1998). Intervención Psicossocial en Gerontología: manual práctico . Espanha: Cáritas.