SlideShare uma empresa Scribd logo
ALEITAMENTO MATERNOALEITAMENTO MATERNO
Nilton Cesar R. VerasNilton Cesar R. Veras
CONSIDERAÇÕES GERAISCONSIDERAÇÕES GERAIS
• Avaliar e identificarAvaliar e identificar
problemas/Alimentação da criança.problemas/Alimentação da criança.
• Imaturidade funcional: renal, digestivo,Imaturidade funcional: renal, digestivo,
imunológico.imunológico.
• Necessidades nutricionais.Necessidades nutricionais.
• Maturidade neuropsicomotor da criança.Maturidade neuropsicomotor da criança.
• Leite materno, único alimento disponível,Leite materno, único alimento disponível,
necessário à sobrevivência.necessário à sobrevivência.
CONSIDERAÇÕES GERAISCONSIDERAÇÕES GERAIS
• Mudanças na forma de alimentar o recém-Mudanças na forma de alimentar o recém-
nascido (RN).nascido (RN).
• Desmame precoce/processos mórbitos.Desmame precoce/processos mórbitos.
• Retomada dos estudos sobre osRetomada dos estudos sobre os
benefícios do aleitamento materno.benefícios do aleitamento materno.
• Aleitamento materno, benefícios para aAleitamento materno, benefícios para a
imaturidade intestinal, renal eimaturidade intestinal, renal e
neuropsicomotor.neuropsicomotor.
TERMOS E DEFINIÇÕES DOTERMOS E DEFINIÇÕES DO
ALEITAMENTO MATERNOALEITAMENTO MATERNO
(OMS 1992)(OMS 1992)
• ALEITAMENTO MATERNO.ALEITAMENTO MATERNO.
• ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO.ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO.
• ALEITAMENTO MATERNOALEITAMENTO MATERNO
PREDOMINANTE.PREDOMINANTE.
• ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR.ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR.
COMPOSIÇÃO DO LEITECOMPOSIÇÃO DO LEITE
MATERNOMATERNO
• Água: 87% de sua composição centesimalÁgua: 87% de sua composição centesimal
• Material nitrogenado: fração protéica: 30% deMaterial nitrogenado: fração protéica: 30% de
caseína e 70% de proteína do soro; fração não-caseína e 70% de proteína do soro; fração não-
protéica: uréia.protéica: uréia.
• Carboidratos: lactose, 40% da energia.Carboidratos: lactose, 40% da energia.
• Lipídeos: 50% da energia, componente do leiteLipídeos: 50% da energia, componente do leite
que mais varia.que mais varia.
• Minerais: não variam com a alimentação daMinerais: não variam com a alimentação da
mãe.mãe.
• Vitaminas: A,B1,B2,B6,C,E,K, niacina e ácidoVitaminas: A,B1,B2,B6,C,E,K, niacina e ácido
fólicofólico
COMPOSIÇÃO DO LEITECOMPOSIÇÃO DO LEITE
MATERNOMATERNO
• -- ComponentesComponentes IImunoprotetoresmunoprotetores
• - Leite colostrol
• - leite de transição
• - Leite maduro
• - Leite do começo
• - Leite do fim
COMPOSIÇÃO DO LEITECOMPOSIÇÃO DO LEITE
MATERNOMATERNO
• AÇÃO PRINCIPAL
• Propriedades antiviral, antibacteriana e
antiprotozário
• Glicosamina que promove crescimento do
Lactobacillus e bifidobactérias: reduz o pH
das fezes; inibe o crescimento de bacterias
gram - ( Salmonella, cepas de E. Coli),
Shigella
• Estimula a atividade fagocitária dos
macrofagos não ativados; estimula a
migração de neutrofilos e monocitos do
sangue aos tecidos; presente em grande
quantidade no colostro
• Produzem anticorpos especificos contra
inúmeros patogenos
• COMPONENTE
• Ácidos Graxos
• Fator bifidus
• Fibronectina
• - Linfócitos B
COMPONENTES DO LEITECOMPONENTES DO LEITE
MATERNOMATERNO
• AÇÃO PRINCIPAL
• Produzem
• Recobre mucosas intestinal e respiratória,
tornando-as impermeáveis a patogenos.
Possui elevada especificidade antigênica,
representa 90% das Ig do leite humano
• Glicoproteina que se liga ao ferro,
competindo com microorganismos ferro
dependentes; possuindo propriedades
antiinflamatórias e atividade bacteriostática
contra E. Coli, S. aureus e Candida; junto
com IgA tem ativ. bactericida
• Destroem microorganismos por ação
citotóxica e tem importante ativ.
antiinflamatória. Produzem subst. que
estimulam o sist. imunologico:interferon,
linfocinas, interleucinas e fatores de
quimiotaxia
• COMPONENTE
• IgA secretória
• - Lactoferrina
• - Linfócitos T
COMPONENTES DO LEITECOMPONENTES DO LEITE
MATERNOMATERNO
• AÇÃO PRINCIPAL
• Em associação com lactoferrina tem
atividade bactericida e antiinflamatória;
atua destruindo a parede celular das
bacterias
• Ação fagocitária sobre as bacterias do
T.G.I.; produzem de lisozimas,
lactoferrina, complemento, e ativam
outros componentes do sist.
imunologico
• Ligam-se a microorganismos ( princ.
E. coli ), reduzindo a capacidade de
aderir à superficie das mucosas
• Fagocitam bacterias do T.G.I.
• COMPONENTE
• Lisozima
• - Macrofagos
• Mucinas
- Neutrofilos
COMPONENTES DO LEITECOMPONENTES DO LEITE
MATERNOMATERNO
• AÇÃO PRINCIPAL
• Propriedade antiinflamatória.
Aderem a microorganismos,
reduzindo a capacidade de
agredir mucosas; protegem
contra diarréia nas crianças
colonizadas por bacterias
patogenicas; interferem na
capacidade de agressão de H.
influenzae, S. pneumoniae e
E. coli.
• COMPONENTE
• Oligossacarideos
BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTOBENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO
MATERNOMATERNO
• PARA A MÃE.PARA A MÃE.
• PARA A CRIANÇA.PARA A CRIANÇA.
• PARA A SOCIEDADE.PARA A SOCIEDADE.
BENEFÍCIOS PARA A MÃEBENEFÍCIOS PARA A MÃE
• Forma prática de alimentar a criança.Forma prática de alimentar a criança.
• Realização feminina.Realização feminina.
• É um direito e não uma obrigação.É um direito e não uma obrigação.
• Proteção contra anemia.Proteção contra anemia.
• Volta a estado físico anterior mais rápida.Volta a estado físico anterior mais rápida.
• Menor taxa de câncer de mama.Menor taxa de câncer de mama.
• Efeito contraceptivo.Efeito contraceptivo.
• Proteção pela legislação.Proteção pela legislação.
BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTOBENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO
PARA A CRIANÇAPARA A CRIANÇA
• Aleitamento materno exclusivo, completoAleitamento materno exclusivo, completo
até os seis meses de vida.até os seis meses de vida.
• Todos os nutrientes.Todos os nutrientes.
• Proteção contra obesidades, hipertensão,Proteção contra obesidades, hipertensão,
diabetes, desnutrição, doenças alérgicas,diabetes, desnutrição, doenças alérgicas,
anemia ferropriva, hipocalcemia,anemia ferropriva, hipocalcemia,
acrodermatite e morte súbita.acrodermatite e morte súbita.
• Proteção contra a diarréia.Proteção contra a diarréia.
BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTOBENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO
PARA A CRIANÇA.PARA A CRIANÇA.
• Proteção contra infecções respiratórias,Proteção contra infecções respiratórias,
otites, ITU, enterocolites necrotizantesotites, ITU, enterocolites necrotizantes
• Benefício para a relação humana entreBenefício para a relação humana entre
mãe e filho.mãe e filho.
• Desenvolvimento neuropsicomotor aDesenvolvimento neuropsicomotor a
contento.contento.
• Personalidade mais estável.Personalidade mais estável.
BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTOBENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO
MATERNO PARA A SOCIEDADEMATERNO PARA A SOCIEDADE
• Menos gasto com doenças.Menos gasto com doenças.
• Menos crianças desnutridas.Menos crianças desnutridas.
• Menos óbitos.Menos óbitos.
• Seqüelas dos sobreviventes.Seqüelas dos sobreviventes.
PROTEÇÃO IMUNOLÓGICAPROTEÇÃO IMUNOLÓGICA
• Fatores solúveis: específicos e não-Fatores solúveis: específicos e não-
específicos.específicos.
Específicos: IgA, IgG, IgM e IgE.Específicos: IgA, IgG, IgM e IgE.
Não-específicos: fator bífido, fator deNão-específicos: fator bífido, fator de
resistência, lisozima, lactoferrina,resistência, lisozima, lactoferrina,
interferon.interferon.
• Fatores não-solúveis: neutrófilos,Fatores não-solúveis: neutrófilos,
macrófagos e linfócitos.macrófagos e linfócitos.
MANEJO CLÍNICO DA LACTAÇÃOMANEJO CLÍNICO DA LACTAÇÃO
• Aspectos básicos de anatomia e fisiologia:Aspectos básicos de anatomia e fisiologia:
Seio lactífero>canal>Seio lactífero>canal>
galactóforo>canalículos>alvéolos.galactóforo>canalículos>alvéolos.
MANEJO CLÍNICO DA LACTAÇÃOMANEJO CLÍNICO DA LACTAÇÃO
• Reflexos maternos: da produçãoReflexos maternos: da produção
(prolactina) e da ejeção (ocitocina).(prolactina) e da ejeção (ocitocina).
• Reflexos infantis: busca, pega, sucção,Reflexos infantis: busca, pega, sucção,
deglutição.deglutição.
SEQÜÊNCIA DE UMA BOASEQÜÊNCIA DE UMA BOA
PEGAPEGA
MANEJO CLÍNICO DA LACTAÇÃOMANEJO CLÍNICO DA LACTAÇÃO
• Durante a gestação: passar informações,Durante a gestação: passar informações,
solucionar dúvidas.solucionar dúvidas.
• Na maternidade: fazer valer asNa maternidade: fazer valer as
informações, princípio da prática.informações, princípio da prática.
• No domicílio: vivência do dia a dia.No domicílio: vivência do dia a dia.
DIFICULDADES PRÁTICAS DADIFICULDADES PRÁTICAS DA
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
• Sucção em má posição.Sucção em má posição.
• Mamilos planos ou invertidos.Mamilos planos ou invertidos.
• Mamilos doloridos/fissuras.Mamilos doloridos/fissuras.
• Ingurgitamento.Ingurgitamento.
• Mastites/abscessos.Mastites/abscessos.
• Dificuldade de sucção.Dificuldade de sucção.
• Depressão puerperal.Depressão puerperal.
• Gemelaridade.Gemelaridade.
• Insuficiência lactacional.Insuficiência lactacional.
CONTRA INDICAÇÕES DACONTRA INDICAÇÕES DA
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
• Relativas à criança:Relativas à criança:
GalactossemiaGalactossemia
Fenilcetonúria.Fenilcetonúria.
Sínd. Do xarope de bordo.Sínd. Do xarope de bordo.
Icterícia do leite materno.Icterícia do leite materno.
• Relativas à mãe:Relativas à mãe:
CONTRA INDICAÇÕES DACONTRA INDICAÇÕES DA
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
• Relativas à mãe:Relativas à mãe:
1.1. Doenças graves: endocardite, IC, eclâmpsia e febreDoenças graves: endocardite, IC, eclâmpsia e febre
tifóide.tifóide.
2.2. Doenças bacterianas: Tb bacilífera, hanseníaseDoenças bacterianas: Tb bacilífera, hanseníase
contagiosa, gonococcia e doença pelo estreptococoscontagiosa, gonococcia e doença pelo estreptococos
do grupo A.do grupo A.
3.3. Doenças virais:Doenças virais:
 Varicela – enquanto estiver vesículas.Varicela – enquanto estiver vesículas.
 Toxoplasma – doença aguda.Toxoplasma – doença aguda.
 Doença de Chagas – sangramento mamilar.Doença de Chagas – sangramento mamilar.
 HIV.HIV.
 Vírus do Herpes simples tipo 1 e 2.Vírus do Herpes simples tipo 1 e 2.
4.4. Drogas: terapêuticas, drogas de vício, drogasDrogas: terapêuticas, drogas de vício, drogas
radioativasradioativas
CONTRA INDICAÇÕESCONTRA INDICAÇÕES
RELATIVASRELATIVAS
• Drogas que:Drogas que:
Que podem diminuir o leite.Que podem diminuir o leite.
Que não tem estudos.Que não tem estudos.
Que exigem monitoração da criança.Que exigem monitoração da criança.
Alimentos e agentes ambientais.Alimentos e agentes ambientais.
DADOS ADICIONAISDADOS ADICIONAIS
1981 – PIAM – INAN1981 – PIAM – INAN
1997 - AAP1997 - AAP
REFERÊNCIASREFERÊNCIAS
BIBLIOGRÁFICASBIBLIOGRÁFICAS
• - Giugliani ERJ. O aleitamento materno na prática clínica. Jornal de
Pediatria 2000; 76 (Supl.3):S238-52 (www.jped.com.br)
• BRASIL. Ministério da Saúde. Amamentação e uso de drogas. Brasília,
2000
• BRASIL. Ministério da Saúde. Guia Alimentar para crianças menores de 2
anos. Brasília, 2002. 152p.( Normas e Manuais Técnicos, 107 )
• BRASIL. Ministério da Saúde. Dez passos para uma alimentação saudável.
Guia Alimentar para crianças menores de 2 anos. Brasília, 2002.
• - MURAHOVSCHI,J. et al. Amamentação: Da teoria à prática. São Paulo:
Fundação Lusíada, 1998.276p.
MARCONDES, E. Pediatria Básica – 9ª edição – São Paulo: Sarvier,
reimpressão, 2003.
KOLPERMAN, B. Israel, Diagnóstico e Tratamento em Neonatologia –
São Paulo: Atheneu, 2004.
SUCUPIRA, Ana C. S. Lins, Pediatria em Consultório -4º edição – São
Paulo: Sarvier, 2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O leite materno é o primeiro
O leite materno é o primeiroO leite materno é o primeiro
O leite materno é o primeiro
Ticiane Aragão da Silveira Gomes
 
Aleitamento materno 1
Aleitamento materno 1Aleitamento materno 1
Aleitamento materno 1
Gray Rodrigues
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
Cleidenisia Daiana
 
Aleitamento
AleitamentoAleitamento
Aleitamento
Biblioteca Virtual
 
Consulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericulturaConsulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericultura
Amanda Thaysa
 
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínosAnatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Marília Gomes
 
Amamentaç[1]..
Amamentaç[1]..Amamentaç[1]..
Amamentaç[1]..
thamiris souza
 
Vacas transgénicas
Vacas transgénicasVacas transgénicas
Vacas transgénicas
180phonefive
 
Manejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosManejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinos
Killer Max
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
jusantos_
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
Rodrigo Abreu
 
Pré natal 2018 - Para Gestantes -
Pré natal 2018 - Para Gestantes - Pré natal 2018 - Para Gestantes -
Pré natal 2018 - Para Gestantes -
Caroline Reis Gonçalves
 
SMAM: ODM & AMAMENTAÇÃO pela Associação Portella - PAME
SMAM: ODM & AMAMENTAÇÃO pela Associação Portella - PAME SMAM: ODM & AMAMENTAÇÃO pela Associação Portella - PAME
SMAM: ODM & AMAMENTAÇÃO pela Associação Portella - PAME
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
ALEITAMENTO MATERNO
ALEITAMENTO MATERNOALEITAMENTO MATERNO
ALEITAMENTO MATERNO
Centro Universitário Ages
 
Do trabalho
Do trabalhoDo trabalho
Do trabalho
Alessandra Lima
 
Processo educativo
Processo educativoProcesso educativo
Processo educativo
Camila Ferreira
 
Nutrição materna
Nutrição maternaNutrição materna
Nutrição materna
BarrigaCrescente
 
Aula 2 conceitos e definições
Aula 2 conceitos e definições Aula 2 conceitos e definições
Aula 2 conceitos e definições
Viviane da Silva
 
Recém nascido
Recém nascidoRecém nascido
Recém nascido
Paula Melo
 
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana PaulaAtenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Prof Ana Paula Gonçalves
 

Mais procurados (20)

O leite materno é o primeiro
O leite materno é o primeiroO leite materno é o primeiro
O leite materno é o primeiro
 
Aleitamento materno 1
Aleitamento materno 1Aleitamento materno 1
Aleitamento materno 1
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
 
Aleitamento
AleitamentoAleitamento
Aleitamento
 
Consulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericulturaConsulta de enfermagem na puericultura
Consulta de enfermagem na puericultura
 
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínosAnatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
 
Amamentaç[1]..
Amamentaç[1]..Amamentaç[1]..
Amamentaç[1]..
 
Vacas transgénicas
Vacas transgénicasVacas transgénicas
Vacas transgénicas
 
Manejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosManejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinos
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 
Pré natal 2018 - Para Gestantes -
Pré natal 2018 - Para Gestantes - Pré natal 2018 - Para Gestantes -
Pré natal 2018 - Para Gestantes -
 
SMAM: ODM & AMAMENTAÇÃO pela Associação Portella - PAME
SMAM: ODM & AMAMENTAÇÃO pela Associação Portella - PAME SMAM: ODM & AMAMENTAÇÃO pela Associação Portella - PAME
SMAM: ODM & AMAMENTAÇÃO pela Associação Portella - PAME
 
ALEITAMENTO MATERNO
ALEITAMENTO MATERNOALEITAMENTO MATERNO
ALEITAMENTO MATERNO
 
Do trabalho
Do trabalhoDo trabalho
Do trabalho
 
Processo educativo
Processo educativoProcesso educativo
Processo educativo
 
Nutrição materna
Nutrição maternaNutrição materna
Nutrição materna
 
Aula 2 conceitos e definições
Aula 2 conceitos e definições Aula 2 conceitos e definições
Aula 2 conceitos e definições
 
Recém nascido
Recém nascidoRecém nascido
Recém nascido
 
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana PaulaAtenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
 

Semelhante a Aleitamento materno

Aleitamento
AleitamentoAleitamento
Aleitamento
Solange Broggine
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
tatinurse
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
Michely Blank
 
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
FranciscoFlorencio6
 
Aleitamento Materno
Aleitamento MaternoAleitamento Materno
Aleitamento Materno
Laped Ufrn
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
blogped1
 
Alimentaçao e direçao
Alimentaçao e direçaoAlimentaçao e direçao
Alimentaçao e direçao
João Junior
 
Amamentacao 5c2ba-semestre
Amamentacao 5c2ba-semestreAmamentacao 5c2ba-semestre
Amamentacao 5c2ba-semestre
Vitor D Angelis
 
Aleitamento materno e alimentação complementar
Aleitamento materno e alimentação complementarAleitamento materno e alimentação complementar
Aleitamento materno e alimentação complementar
crn8
 
NUTRIÇÃO DO RECÉM-NASCIDO PRÉ-TERMO
NUTRIÇÃO DO RECÉM-NASCIDO PRÉ-TERMONUTRIÇÃO DO RECÉM-NASCIDO PRÉ-TERMO
Apresenta[1]..
Apresenta[1]..Apresenta[1]..
Apresenta[1]..
Nadia Morais Tonussi
 
Aleitamento materno
Aleitamento materno Aleitamento materno
Aleitamento materno
lipernnatal
 
Trabalho probiótico em pediatria
Trabalho probiótico em pediatriaTrabalho probiótico em pediatria
Trabalho probiótico em pediatria
lactivos
 
Aleitamento materno slide
Aleitamento materno slideAleitamento materno slide
Aleitamento materno slide
Lorrayne Ferreira
 
Manejo de crias pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo de crias pbsm [modo de compatibilidade]Manejo de crias pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo de crias pbsm [modo de compatibilidade]
Pbsmal
 
Produção in vivo de embrioes de peq ruminantes
Produção in vivo de embrioes de peq ruminantesProdução in vivo de embrioes de peq ruminantes
Produção in vivo de embrioes de peq ruminantes
Gláucia Luna
 
01 gestação, amamentação e o recém nascido
01 gestação, amamentação e o recém nascido01 gestação, amamentação e o recém nascido
01 gestação, amamentação e o recém nascido
Praxis Educativa
 
Gestante I.pdf
Gestante I.pdfGestante I.pdf
Gestante I.pdf
nutrithaynayanemkt
 
Caso clínico icterícia neonatal. Goiânia - GO - BRASIL
Caso clínico icterícia neonatal. Goiânia - GO - BRASILCaso clínico icterícia neonatal. Goiânia - GO - BRASIL
Caso clínico icterícia neonatal. Goiânia - GO - BRASIL
Sofía Leal Fuentes
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestanteNutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
KetlenBatista
 

Semelhante a Aleitamento materno (20)

Aleitamento
AleitamentoAleitamento
Aleitamento
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
 
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
 
Aleitamento Materno
Aleitamento MaternoAleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
 
Alimentaçao e direçao
Alimentaçao e direçaoAlimentaçao e direçao
Alimentaçao e direçao
 
Amamentacao 5c2ba-semestre
Amamentacao 5c2ba-semestreAmamentacao 5c2ba-semestre
Amamentacao 5c2ba-semestre
 
Aleitamento materno e alimentação complementar
Aleitamento materno e alimentação complementarAleitamento materno e alimentação complementar
Aleitamento materno e alimentação complementar
 
NUTRIÇÃO DO RECÉM-NASCIDO PRÉ-TERMO
NUTRIÇÃO DO RECÉM-NASCIDO PRÉ-TERMONUTRIÇÃO DO RECÉM-NASCIDO PRÉ-TERMO
NUTRIÇÃO DO RECÉM-NASCIDO PRÉ-TERMO
 
Apresenta[1]..
Apresenta[1]..Apresenta[1]..
Apresenta[1]..
 
Aleitamento materno
Aleitamento materno Aleitamento materno
Aleitamento materno
 
Trabalho probiótico em pediatria
Trabalho probiótico em pediatriaTrabalho probiótico em pediatria
Trabalho probiótico em pediatria
 
Aleitamento materno slide
Aleitamento materno slideAleitamento materno slide
Aleitamento materno slide
 
Manejo de crias pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo de crias pbsm [modo de compatibilidade]Manejo de crias pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo de crias pbsm [modo de compatibilidade]
 
Produção in vivo de embrioes de peq ruminantes
Produção in vivo de embrioes de peq ruminantesProdução in vivo de embrioes de peq ruminantes
Produção in vivo de embrioes de peq ruminantes
 
01 gestação, amamentação e o recém nascido
01 gestação, amamentação e o recém nascido01 gestação, amamentação e o recém nascido
01 gestação, amamentação e o recém nascido
 
Gestante I.pdf
Gestante I.pdfGestante I.pdf
Gestante I.pdf
 
Caso clínico icterícia neonatal. Goiânia - GO - BRASIL
Caso clínico icterícia neonatal. Goiânia - GO - BRASILCaso clínico icterícia neonatal. Goiânia - GO - BRASIL
Caso clínico icterícia neonatal. Goiânia - GO - BRASIL
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestanteNutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
 

Aleitamento materno

  • 1. ALEITAMENTO MATERNOALEITAMENTO MATERNO Nilton Cesar R. VerasNilton Cesar R. Veras
  • 2. CONSIDERAÇÕES GERAISCONSIDERAÇÕES GERAIS • Avaliar e identificarAvaliar e identificar problemas/Alimentação da criança.problemas/Alimentação da criança. • Imaturidade funcional: renal, digestivo,Imaturidade funcional: renal, digestivo, imunológico.imunológico. • Necessidades nutricionais.Necessidades nutricionais. • Maturidade neuropsicomotor da criança.Maturidade neuropsicomotor da criança. • Leite materno, único alimento disponível,Leite materno, único alimento disponível, necessário à sobrevivência.necessário à sobrevivência.
  • 3. CONSIDERAÇÕES GERAISCONSIDERAÇÕES GERAIS • Mudanças na forma de alimentar o recém-Mudanças na forma de alimentar o recém- nascido (RN).nascido (RN). • Desmame precoce/processos mórbitos.Desmame precoce/processos mórbitos. • Retomada dos estudos sobre osRetomada dos estudos sobre os benefícios do aleitamento materno.benefícios do aleitamento materno. • Aleitamento materno, benefícios para aAleitamento materno, benefícios para a imaturidade intestinal, renal eimaturidade intestinal, renal e neuropsicomotor.neuropsicomotor.
  • 4. TERMOS E DEFINIÇÕES DOTERMOS E DEFINIÇÕES DO ALEITAMENTO MATERNOALEITAMENTO MATERNO (OMS 1992)(OMS 1992) • ALEITAMENTO MATERNO.ALEITAMENTO MATERNO. • ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO.ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO. • ALEITAMENTO MATERNOALEITAMENTO MATERNO PREDOMINANTE.PREDOMINANTE. • ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR.ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR.
  • 5. COMPOSIÇÃO DO LEITECOMPOSIÇÃO DO LEITE MATERNOMATERNO • Água: 87% de sua composição centesimalÁgua: 87% de sua composição centesimal • Material nitrogenado: fração protéica: 30% deMaterial nitrogenado: fração protéica: 30% de caseína e 70% de proteína do soro; fração não-caseína e 70% de proteína do soro; fração não- protéica: uréia.protéica: uréia. • Carboidratos: lactose, 40% da energia.Carboidratos: lactose, 40% da energia. • Lipídeos: 50% da energia, componente do leiteLipídeos: 50% da energia, componente do leite que mais varia.que mais varia. • Minerais: não variam com a alimentação daMinerais: não variam com a alimentação da mãe.mãe. • Vitaminas: A,B1,B2,B6,C,E,K, niacina e ácidoVitaminas: A,B1,B2,B6,C,E,K, niacina e ácido fólicofólico
  • 6. COMPOSIÇÃO DO LEITECOMPOSIÇÃO DO LEITE MATERNOMATERNO • -- ComponentesComponentes IImunoprotetoresmunoprotetores • - Leite colostrol • - leite de transição • - Leite maduro • - Leite do começo • - Leite do fim
  • 7. COMPOSIÇÃO DO LEITECOMPOSIÇÃO DO LEITE MATERNOMATERNO • AÇÃO PRINCIPAL • Propriedades antiviral, antibacteriana e antiprotozário • Glicosamina que promove crescimento do Lactobacillus e bifidobactérias: reduz o pH das fezes; inibe o crescimento de bacterias gram - ( Salmonella, cepas de E. Coli), Shigella • Estimula a atividade fagocitária dos macrofagos não ativados; estimula a migração de neutrofilos e monocitos do sangue aos tecidos; presente em grande quantidade no colostro • Produzem anticorpos especificos contra inúmeros patogenos • COMPONENTE • Ácidos Graxos • Fator bifidus • Fibronectina • - Linfócitos B
  • 8. COMPONENTES DO LEITECOMPONENTES DO LEITE MATERNOMATERNO • AÇÃO PRINCIPAL • Produzem • Recobre mucosas intestinal e respiratória, tornando-as impermeáveis a patogenos. Possui elevada especificidade antigênica, representa 90% das Ig do leite humano • Glicoproteina que se liga ao ferro, competindo com microorganismos ferro dependentes; possuindo propriedades antiinflamatórias e atividade bacteriostática contra E. Coli, S. aureus e Candida; junto com IgA tem ativ. bactericida • Destroem microorganismos por ação citotóxica e tem importante ativ. antiinflamatória. Produzem subst. que estimulam o sist. imunologico:interferon, linfocinas, interleucinas e fatores de quimiotaxia • COMPONENTE • IgA secretória • - Lactoferrina • - Linfócitos T
  • 9. COMPONENTES DO LEITECOMPONENTES DO LEITE MATERNOMATERNO • AÇÃO PRINCIPAL • Em associação com lactoferrina tem atividade bactericida e antiinflamatória; atua destruindo a parede celular das bacterias • Ação fagocitária sobre as bacterias do T.G.I.; produzem de lisozimas, lactoferrina, complemento, e ativam outros componentes do sist. imunologico • Ligam-se a microorganismos ( princ. E. coli ), reduzindo a capacidade de aderir à superficie das mucosas • Fagocitam bacterias do T.G.I. • COMPONENTE • Lisozima • - Macrofagos • Mucinas - Neutrofilos
  • 10. COMPONENTES DO LEITECOMPONENTES DO LEITE MATERNOMATERNO • AÇÃO PRINCIPAL • Propriedade antiinflamatória. Aderem a microorganismos, reduzindo a capacidade de agredir mucosas; protegem contra diarréia nas crianças colonizadas por bacterias patogenicas; interferem na capacidade de agressão de H. influenzae, S. pneumoniae e E. coli. • COMPONENTE • Oligossacarideos
  • 11. BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTOBENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO MATERNOMATERNO • PARA A MÃE.PARA A MÃE. • PARA A CRIANÇA.PARA A CRIANÇA. • PARA A SOCIEDADE.PARA A SOCIEDADE.
  • 12. BENEFÍCIOS PARA A MÃEBENEFÍCIOS PARA A MÃE • Forma prática de alimentar a criança.Forma prática de alimentar a criança. • Realização feminina.Realização feminina. • É um direito e não uma obrigação.É um direito e não uma obrigação. • Proteção contra anemia.Proteção contra anemia. • Volta a estado físico anterior mais rápida.Volta a estado físico anterior mais rápida. • Menor taxa de câncer de mama.Menor taxa de câncer de mama. • Efeito contraceptivo.Efeito contraceptivo. • Proteção pela legislação.Proteção pela legislação.
  • 13. BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTOBENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO PARA A CRIANÇAPARA A CRIANÇA • Aleitamento materno exclusivo, completoAleitamento materno exclusivo, completo até os seis meses de vida.até os seis meses de vida. • Todos os nutrientes.Todos os nutrientes. • Proteção contra obesidades, hipertensão,Proteção contra obesidades, hipertensão, diabetes, desnutrição, doenças alérgicas,diabetes, desnutrição, doenças alérgicas, anemia ferropriva, hipocalcemia,anemia ferropriva, hipocalcemia, acrodermatite e morte súbita.acrodermatite e morte súbita. • Proteção contra a diarréia.Proteção contra a diarréia.
  • 14. BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTOBENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO PARA A CRIANÇA.PARA A CRIANÇA. • Proteção contra infecções respiratórias,Proteção contra infecções respiratórias, otites, ITU, enterocolites necrotizantesotites, ITU, enterocolites necrotizantes • Benefício para a relação humana entreBenefício para a relação humana entre mãe e filho.mãe e filho. • Desenvolvimento neuropsicomotor aDesenvolvimento neuropsicomotor a contento.contento. • Personalidade mais estável.Personalidade mais estável.
  • 15. BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTOBENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO MATERNO PARA A SOCIEDADEMATERNO PARA A SOCIEDADE • Menos gasto com doenças.Menos gasto com doenças. • Menos crianças desnutridas.Menos crianças desnutridas. • Menos óbitos.Menos óbitos. • Seqüelas dos sobreviventes.Seqüelas dos sobreviventes.
  • 16. PROTEÇÃO IMUNOLÓGICAPROTEÇÃO IMUNOLÓGICA • Fatores solúveis: específicos e não-Fatores solúveis: específicos e não- específicos.específicos. Específicos: IgA, IgG, IgM e IgE.Específicos: IgA, IgG, IgM e IgE. Não-específicos: fator bífido, fator deNão-específicos: fator bífido, fator de resistência, lisozima, lactoferrina,resistência, lisozima, lactoferrina, interferon.interferon. • Fatores não-solúveis: neutrófilos,Fatores não-solúveis: neutrófilos, macrófagos e linfócitos.macrófagos e linfócitos.
  • 17. MANEJO CLÍNICO DA LACTAÇÃOMANEJO CLÍNICO DA LACTAÇÃO • Aspectos básicos de anatomia e fisiologia:Aspectos básicos de anatomia e fisiologia: Seio lactífero>canal>Seio lactífero>canal> galactóforo>canalículos>alvéolos.galactóforo>canalículos>alvéolos.
  • 18. MANEJO CLÍNICO DA LACTAÇÃOMANEJO CLÍNICO DA LACTAÇÃO • Reflexos maternos: da produçãoReflexos maternos: da produção (prolactina) e da ejeção (ocitocina).(prolactina) e da ejeção (ocitocina). • Reflexos infantis: busca, pega, sucção,Reflexos infantis: busca, pega, sucção, deglutição.deglutição.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23. SEQÜÊNCIA DE UMA BOASEQÜÊNCIA DE UMA BOA PEGAPEGA
  • 24. MANEJO CLÍNICO DA LACTAÇÃOMANEJO CLÍNICO DA LACTAÇÃO • Durante a gestação: passar informações,Durante a gestação: passar informações, solucionar dúvidas.solucionar dúvidas. • Na maternidade: fazer valer asNa maternidade: fazer valer as informações, princípio da prática.informações, princípio da prática. • No domicílio: vivência do dia a dia.No domicílio: vivência do dia a dia.
  • 25. DIFICULDADES PRÁTICAS DADIFICULDADES PRÁTICAS DA AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO • Sucção em má posição.Sucção em má posição. • Mamilos planos ou invertidos.Mamilos planos ou invertidos. • Mamilos doloridos/fissuras.Mamilos doloridos/fissuras. • Ingurgitamento.Ingurgitamento. • Mastites/abscessos.Mastites/abscessos. • Dificuldade de sucção.Dificuldade de sucção. • Depressão puerperal.Depressão puerperal. • Gemelaridade.Gemelaridade. • Insuficiência lactacional.Insuficiência lactacional.
  • 26.
  • 27. CONTRA INDICAÇÕES DACONTRA INDICAÇÕES DA AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO • Relativas à criança:Relativas à criança: GalactossemiaGalactossemia Fenilcetonúria.Fenilcetonúria. Sínd. Do xarope de bordo.Sínd. Do xarope de bordo. Icterícia do leite materno.Icterícia do leite materno. • Relativas à mãe:Relativas à mãe:
  • 28. CONTRA INDICAÇÕES DACONTRA INDICAÇÕES DA AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO • Relativas à mãe:Relativas à mãe: 1.1. Doenças graves: endocardite, IC, eclâmpsia e febreDoenças graves: endocardite, IC, eclâmpsia e febre tifóide.tifóide. 2.2. Doenças bacterianas: Tb bacilífera, hanseníaseDoenças bacterianas: Tb bacilífera, hanseníase contagiosa, gonococcia e doença pelo estreptococoscontagiosa, gonococcia e doença pelo estreptococos do grupo A.do grupo A. 3.3. Doenças virais:Doenças virais:  Varicela – enquanto estiver vesículas.Varicela – enquanto estiver vesículas.  Toxoplasma – doença aguda.Toxoplasma – doença aguda.  Doença de Chagas – sangramento mamilar.Doença de Chagas – sangramento mamilar.  HIV.HIV.  Vírus do Herpes simples tipo 1 e 2.Vírus do Herpes simples tipo 1 e 2. 4.4. Drogas: terapêuticas, drogas de vício, drogasDrogas: terapêuticas, drogas de vício, drogas radioativasradioativas
  • 29. CONTRA INDICAÇÕESCONTRA INDICAÇÕES RELATIVASRELATIVAS • Drogas que:Drogas que: Que podem diminuir o leite.Que podem diminuir o leite. Que não tem estudos.Que não tem estudos. Que exigem monitoração da criança.Que exigem monitoração da criança. Alimentos e agentes ambientais.Alimentos e agentes ambientais.
  • 30. DADOS ADICIONAISDADOS ADICIONAIS 1981 – PIAM – INAN1981 – PIAM – INAN 1997 - AAP1997 - AAP
  • 31. REFERÊNCIASREFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASBIBLIOGRÁFICAS • - Giugliani ERJ. O aleitamento materno na prática clínica. Jornal de Pediatria 2000; 76 (Supl.3):S238-52 (www.jped.com.br) • BRASIL. Ministério da Saúde. Amamentação e uso de drogas. Brasília, 2000 • BRASIL. Ministério da Saúde. Guia Alimentar para crianças menores de 2 anos. Brasília, 2002. 152p.( Normas e Manuais Técnicos, 107 ) • BRASIL. Ministério da Saúde. Dez passos para uma alimentação saudável. Guia Alimentar para crianças menores de 2 anos. Brasília, 2002. • - MURAHOVSCHI,J. et al. Amamentação: Da teoria à prática. São Paulo: Fundação Lusíada, 1998.276p. MARCONDES, E. Pediatria Básica – 9ª edição – São Paulo: Sarvier, reimpressão, 2003. KOLPERMAN, B. Israel, Diagnóstico e Tratamento em Neonatologia – São Paulo: Atheneu, 2004. SUCUPIRA, Ana C. S. Lins, Pediatria em Consultório -4º edição – São Paulo: Sarvier, 2