SlideShare uma empresa Scribd logo
Aborto yane
É  a interrupção da gravidez pela morte do
  feto ou embrião, junto com os anexos
  ovulares. Pode ser espontâneo ou provocado.
  O feto expulso com menos de 0,5 kg ou 20
  semanas de gestação é considerado
  abortado.
 Resultando na sua morte ou sendo por esta
  causada. Isto pode ocorrer de
  forma espontânea ou induzida, provocando-
  se o fim da gestação, e consequente fim da
  atividade biológica doembrião ou feto,
  mediante uso de medicamentos ou realização
  de cirurgias.
O   aborto é a interrupção da gravidez, seja
  ele espontâneo ou induzido. No primeiro
  caso, isto pode ocorrer por problemas
  apresentados pelo próprio feto, ou, ainda,
  por problemas de saúde com a gestante. Há
  muitas mulheres que descobrem que são
  portadoras de determinadas doenças
  somente na gravidez, pois, nesta fase,
  muitas doenças se manifestam pondo em
  risco a continuidade da gestação.
 Mais da metade dos abortos espontâneos são
  causados por alterações genéticas no
  embrião.
Aborto yane

Recomendado para você

Aborto Voluntário
Aborto Voluntário Aborto Voluntário
Aborto Voluntário

O documento discute interrupção voluntária da gravidez, definindo-a como a expulsão prematura do embrião ou feto do útero, resultando na morte. Detalha os métodos de aborto medicamentoso e cirúrgico, assim como as condições de segurança. Aborda também contracepção após o aborto e possíveis riscos.

Abortamentoh
AbortamentohAbortamentoh
Abortamentoh

O documento discute o abortamento, incluindo suas etapas de desenvolvimento gestacional, incidência, classificação, causas, sinais clínicos e condutas terapêuticas. Aborda procedimentos como a aspiração manual intrauterina e curetagem para tratamento de abortamento incompleto no primeiro trimestre, mostrando que a aspiração manual é menos invasiva com menor perda de sangue e tempo de recuperação.

Trabalho sobre ABORTO
Trabalho sobre ABORTOTrabalho sobre ABORTO
Trabalho sobre ABORTO

O documento discute vários conceitos relacionados ao aborto, incluindo: 1) a definição de vida e morte; 2) quando a vida humana realmente começa; 3) os tipos de aborto espontâneo e provocado; 4) as consequências do aborto; e 5) os direitos da mulher, do embrião/feto e do progenitor.

abortoabortosimabortonão
 Também   pode ser chamado de aborto
  involuntário ou "falso parto". Calcula-se que
  25% das gestações terminam em aborto
  espontâneo, sendo que 3/4 ocorrem nos três
  primeiros meses de gravidez. A causa do
  aborto espontâneo no primeiro trimestre, são
  distúrbios de origem genética.
 Em cerca de 70% dos casos, esses embriões
  são portadores de anomalias cromossômicas
  incompatíveis com a vida, no qual o ovo
  primeiro morre e em seguida é expulso.
Nos abortos do segundo
trimestre, o ovo é
expulso devido a causas
externas a ele
(incontinência do colo
uterino, mal formação
uterina, insuficiência de
desenvolvimento
uterino, fibroma,
infecções do embrião e
de seus anexos).
É a interrupção deliberada da gravidez; pela
 extração do feto da cavidade uterina. Em
 função do período gestacional em que é
 realizado, emprega-se uma das quatro
 intervenções cirúrgicas seguintes:

A  sucção ou aspiração;
 A dilatação e curetagem;
 A dilatação e expulsão;
 Injeção de soluções salinas.
 Estima-se  que seja realizado anualmente no
  mundo mais de 40 milhões de abortos, a
  maioria em condições precárias, com sérios
   iscos para a saúde da mulher.
 O método clássico de aborto é o por
  curetagem uterina e o método moderno por
  aspiração uterina (método de Karman) só
  utilizável sem anestesia para gestações de
  menos de oito semanas de amenorreia (seis
  semanas de gravidez). Depois desse prazo,
  até doze semanas de amenorreia, a aspiração
  deve ser realizada sob anestesia e com um
  aspirador elétrico.

Recomendado para você

Aborto slide
Aborto slideAborto slide
Aborto slide

O documento discute vários tipos de aborto, incluindo aborto espontâneo, aborto induzido e os riscos associados a cada um. Detalha métodos como aspiração uterina a vácuo e dilatação e curetagem para realizar abortos no primeiro e segundo trimestres da gravidez.

Aborto: questões éticas
Aborto: questões éticasAborto: questões éticas
Aborto: questões éticas

Apresentação elaborada para a disciplina de Bioética e Ética Médica na Universidade do Estado do Amazonas.

abortoeticaabortamento
Aborto
AbortoAborto
Aborto

O documento discute o aborto, definindo-o como a interrupção da gravidez de forma voluntária ou não, resultando na morte do feto ou embrião. Apresenta os tipos de aborto espontâneo e provocado, assim como suas causas e consequências. Fornece estatísticas sobre o número de abortos no Brasil e no mundo. Discute a legislação brasileira sobre aborto e propõe alternativas para reduzir o número de abortos.

Aborto yane
 NoBrasil, o aborto voluntário será
 permitido quando necessário, para
 salvar a vida da gestante ou quando
 a gravidez for resultante de estupro.
 O aborto, fora esses casos, está
 sujeito a pena de detenção ou
 reclusão.
Aborto yane
O aborto pode causar dor em fetos ainda
 pouco desenvolvidos, acreditam
 pesquisadores do Hospital Chelsea, em
 Londres. Segundo a responsável pela
 pesquisa, Vivette Glover, fetos podem ser
 capazes de sentir dor já a partir da décima
 sétima semana de gestação. Por isso, diz ela,
 médicos britânicos estão estudando a
 possibilidade de anestesiar o feto durante
 intervenções para interrupção da gravidez.

Recomendado para você

Aborto
AbortoAborto
Aborto

O documento discute os diferentes tipos de aborto, os métodos usados e os debates éticos em torno do procedimento. É definido como aborto espontâneo ou induzido e os possíveis efeitos do aborto na saúde física e mental da mulher são debatidos.

alunos do 3 mdio d
Considerações a respeito do aborto espontâneo e provocado
Considerações a respeito do aborto espontâneo e provocadoConsiderações a respeito do aborto espontâneo e provocado
Considerações a respeito do aborto espontâneo e provocado

Este documento discute o aborto espontâneo e provocado com base em uma revisão bibliográfica. Apresenta definições de aborto e descreve os principais tipos (espontâneo e provocado). Detalha as causas mais comuns de aborto espontâneo, como anormalidades cromossômicas e infecções. Também explica como o aborto provocado é realizado de forma insegura no Brasil, apesar de ser proibido pela lei em muitos casos.

aborto espontaneo e provocado
Direitos Humanos - O Aborto - Grupo4
Direitos Humanos - O Aborto - Grupo4Direitos Humanos - O Aborto - Grupo4
Direitos Humanos - O Aborto - Grupo4

O documento discute os tipos de aborto, incluindo espontâneo, induzido, ilegal e provocado. Dois métodos de indução são descritos: aborto químico usando medicamentos e aborto cirúrgico realizado por aspiração. O documento conclui que o aborto nem sempre é a melhor solução.

Aborto yane
Aborto yane
 Para  Vivette Glover, pesquisas sugerem que o
  desenvolvimento do sistema nervoso ocorre
  mais cedo do que se imaginava.
 Existem evidências de que o sistema nervoso
  se desenvolve a partir de 20 semanas de
  gestação ou talvez até depois de 17 semanas.
  Já que há a possibilidade de dor, nós
  deveríamos dar ao feto o benefício da
  dúvida", diz ela, que conclui defendendo a
  utilização de anestesia. Ela pondera, porém,
  que a dor dos fetos é provavelmente menos
  intensa.
   O aborto por esvaziamento craniano intrauterino
    (ECI), também conhecido como aborto com
    "nascimento parcial", é uma técnica utilizada
    para provocar o aborto quando a gravidez está
    em estágio avançado, entre 20 e 26 semanas
    (cinco meses a seis meses e meio). Guiado por
    ultrassom, o médico segura a perna do feto com
    um fórceps, puxa-o para o canal vaginal, e então
    retira o feto do útero, com exceção da cabeça.
    Faz então uma incisão na nuca, inserindo depois
    um cateter para sugar o cérebro do feto e então
    o retira por inteiro do corpo da mãe.

Recomendado para você

Aborto
AbortoAborto
Aborto

O documento discute os riscos do aborto clandestino, incluindo procedimentos perigosos, efeitos à saúde e sintomas pós-traumáticos. Apresenta os motivos que levam mulheres e adolescentes a abortos, principalmente razões sociais e econômicas. Defende que o aborto não é a única saída e que toda vida merece ser vivida.

aborto
Aborto
AbortoAborto
Aborto

O documento resume os principais tipos de aborto, incluindo aborto espontâneo, induzido, terapêutico e eletivo. Ele também discute a segurança dos procedimentos de aborto e possíveis consequências de uma gravidez não desejada caso não seja interrompida.

Aborto
AbortoAborto
Aborto

Este documento discute o aborto no Brasil. Em três frases, resume: O documento afirma que o Brasil tem 1 milhão de abortos por ano, a maioria inseguros. Aborto induzido é crime no Brasil e pode levar a complicações médicas sérias. Algumas plantas medicinais também podem provocar aborto.

http://biologiaonline12.blogspot.com.br/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seminário aborto 8 ano
Seminário aborto 8 anoSeminário aborto 8 ano
Seminário aborto 8 ano
NTE RJ14/SEEDUC RJ
 
Aborto
AbortoAborto
aborto
 aborto aborto
Aborto Voluntário
Aborto Voluntário Aborto Voluntário
Aborto Voluntário
Sara Afonso
 
Abortamentoh
AbortamentohAbortamentoh
Abortamentoh
Ana Cdergvgbgdd
 
Trabalho sobre ABORTO
Trabalho sobre ABORTOTrabalho sobre ABORTO
Trabalho sobre ABORTO
aliandra1
 
Aborto slide
Aborto slideAborto slide
Aborto slide
Marcos Silva
 
Aborto: questões éticas
Aborto: questões éticasAborto: questões éticas
Aborto: questões éticas
Samuel Benjamin
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
Neil Azevedo
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
poliana8paes
 
Considerações a respeito do aborto espontâneo e provocado
Considerações a respeito do aborto espontâneo e provocadoConsiderações a respeito do aborto espontâneo e provocado
Considerações a respeito do aborto espontâneo e provocado
Cleiton Ribeiro Alves
 
Direitos Humanos - O Aborto - Grupo4
Direitos Humanos - O Aborto - Grupo4Direitos Humanos - O Aborto - Grupo4
Direitos Humanos - O Aborto - Grupo4
marleneves
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
AbortoAborto
Aborto
egmichele
 
Aborto
AbortoAborto
Ng7-Aborto
Ng7-AbortoNg7-Aborto
Ng7-Aborto
AT
 
Gestação e Aborto
Gestação e AbortoGestação e Aborto
Gestação e Aborto
irmanzinha
 
Aborto
   Aborto   Aborto

Mais procurados (18)

Seminário aborto 8 ano
Seminário aborto 8 anoSeminário aborto 8 ano
Seminário aborto 8 ano
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
aborto
 aborto aborto
aborto
 
Aborto Voluntário
Aborto Voluntário Aborto Voluntário
Aborto Voluntário
 
Abortamentoh
AbortamentohAbortamentoh
Abortamentoh
 
Trabalho sobre ABORTO
Trabalho sobre ABORTOTrabalho sobre ABORTO
Trabalho sobre ABORTO
 
Aborto slide
Aborto slideAborto slide
Aborto slide
 
Aborto: questões éticas
Aborto: questões éticasAborto: questões éticas
Aborto: questões éticas
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Considerações a respeito do aborto espontâneo e provocado
Considerações a respeito do aborto espontâneo e provocadoConsiderações a respeito do aborto espontâneo e provocado
Considerações a respeito do aborto espontâneo e provocado
 
Direitos Humanos - O Aborto - Grupo4
Direitos Humanos - O Aborto - Grupo4Direitos Humanos - O Aborto - Grupo4
Direitos Humanos - O Aborto - Grupo4
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Ng7-Aborto
Ng7-AbortoNg7-Aborto
Ng7-Aborto
 
Gestação e Aborto
Gestação e AbortoGestação e Aborto
Gestação e Aborto
 
Aborto
   Aborto   Aborto
Aborto
 

Destaque

Aborto - Sociologia
Aborto - SociologiaAborto - Sociologia
Aborto - Sociologia
Larissa Azevedo Milward
 
Aborto ronaldo
Aborto ronaldoAborto ronaldo
Aborto ronaldo
Tatyana Rodrigues
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
Adriana Reis
 
Slideshard
SlideshardSlideshard
Slideshard
Jaimeuniandes
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto apresentaçao palestra
Aborto apresentaçao palestraAborto apresentaçao palestra
Aborto apresentaçao palestra
Rita Jussara
 
o Aborto
o Abortoo Aborto
o Aborto
hugo87
 
Ultrassom - emergências em ginecologia e obstetrícia
Ultrassom  - emergências em ginecologia e obstetríciaUltrassom  - emergências em ginecologia e obstetrícia
Ultrassom - emergências em ginecologia e obstetrícia
Fernanda Hiebra Gonçalves
 
Aborto: questões éticas e legais
Aborto: questões éticas e legaisAborto: questões éticas e legais
Aborto: questões éticas e legais
Maria Stella
 
Apresentação aborto
Apresentação abortoApresentação aborto
Apresentação aborto
luciana
 

Destaque (10)

Aborto - Sociologia
Aborto - SociologiaAborto - Sociologia
Aborto - Sociologia
 
Aborto ronaldo
Aborto ronaldoAborto ronaldo
Aborto ronaldo
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Slideshard
SlideshardSlideshard
Slideshard
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto apresentaçao palestra
Aborto apresentaçao palestraAborto apresentaçao palestra
Aborto apresentaçao palestra
 
o Aborto
o Abortoo Aborto
o Aborto
 
Ultrassom - emergências em ginecologia e obstetrícia
Ultrassom  - emergências em ginecologia e obstetríciaUltrassom  - emergências em ginecologia e obstetrícia
Ultrassom - emergências em ginecologia e obstetrícia
 
Aborto: questões éticas e legais
Aborto: questões éticas e legaisAborto: questões éticas e legais
Aborto: questões éticas e legais
 
Apresentação aborto
Apresentação abortoApresentação aborto
Apresentação aborto
 

Semelhante a Aborto yane

Aborto
AbortoAborto
Aborto
Adila Trubat
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
Ana Santos
 
Aborto - História, religião, politica e ética.
Aborto - História, religião, politica e ética.Aborto - História, religião, politica e ética.
Aborto - História, religião, politica e ética.
Ana Santos
 
Aborto ronaldo
Aborto ronaldoAborto ronaldo
Aborto ronaldo
Yaneh Viana
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
CriseGreg
 
Gravidez na adolescência e Aborto.
Gravidez na adolescência e Aborto. Gravidez na adolescência e Aborto.
Gravidez na adolescência e Aborto.
Rayene Matias Diniz
 
Luís ornelas tiago ptig
Luís ornelas tiago ptigLuís ornelas tiago ptig
Luís ornelas tiago ptig
joaofranco1994
 
FERTILIZAÇÃO IN VITRO
FERTILIZAÇÃO IN VITROFERTILIZAÇÃO IN VITRO
FERTILIZAÇÃO IN VITRO
Ceição Oliveira
 
Parto
PartoParto
trabalholauren-abortoversao2007-101013122213-phpapp02.pptx
trabalholauren-abortoversao2007-101013122213-phpapp02.pptxtrabalholauren-abortoversao2007-101013122213-phpapp02.pptx
trabalholauren-abortoversao2007-101013122213-phpapp02.pptx
pamelacastro71
 
fertilizacao-in-vitro
fertilizacao-in-vitrofertilizacao-in-vitro
fertilizacao-in-vitro
Danielle Andrade Vargas Fernandes
 
Douglas e leo
Douglas e leoDouglas e leo
Douglas e leo
lurocha63
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
AbortoAborto
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.pptslide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
Francielttonsantos
 
Abortar ou não abortar
Abortar ou não abortarAbortar ou não abortar
Abortar ou não abortar
Sérgio Antao
 
Seminário aborto
Seminário  abortoSeminário  aborto
Seminário aborto
Laíz Coutinho
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
saracardoso88
 
AULA - PARTO EMERGENCIAL.pptx jejejejejejejeje
AULA - PARTO EMERGENCIAL.pptx jejejejejejejejeAULA - PARTO EMERGENCIAL.pptx jejejejejejejeje
AULA - PARTO EMERGENCIAL.pptx jejejejejejejeje
LucasRocha907258
 
Fertilizacao in vitro - Perguntas frequentes
Fertilizacao in vitro - Perguntas frequentesFertilizacao in vitro - Perguntas frequentes
Fertilizacao in vitro - Perguntas frequentes
Malo Clinic - Ginemed
 

Semelhante a Aborto yane (20)

Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto - História, religião, politica e ética.
Aborto - História, religião, politica e ética.Aborto - História, religião, politica e ética.
Aborto - História, religião, politica e ética.
 
Aborto ronaldo
Aborto ronaldoAborto ronaldo
Aborto ronaldo
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Gravidez na adolescência e Aborto.
Gravidez na adolescência e Aborto. Gravidez na adolescência e Aborto.
Gravidez na adolescência e Aborto.
 
Luís ornelas tiago ptig
Luís ornelas tiago ptigLuís ornelas tiago ptig
Luís ornelas tiago ptig
 
FERTILIZAÇÃO IN VITRO
FERTILIZAÇÃO IN VITROFERTILIZAÇÃO IN VITRO
FERTILIZAÇÃO IN VITRO
 
Parto
PartoParto
Parto
 
trabalholauren-abortoversao2007-101013122213-phpapp02.pptx
trabalholauren-abortoversao2007-101013122213-phpapp02.pptxtrabalholauren-abortoversao2007-101013122213-phpapp02.pptx
trabalholauren-abortoversao2007-101013122213-phpapp02.pptx
 
fertilizacao-in-vitro
fertilizacao-in-vitrofertilizacao-in-vitro
fertilizacao-in-vitro
 
Douglas e leo
Douglas e leoDouglas e leo
Douglas e leo
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.pptslide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
 
Abortar ou não abortar
Abortar ou não abortarAbortar ou não abortar
Abortar ou não abortar
 
Seminário aborto
Seminário  abortoSeminário  aborto
Seminário aborto
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
AULA - PARTO EMERGENCIAL.pptx jejejejejejejeje
AULA - PARTO EMERGENCIAL.pptx jejejejejejejejeAULA - PARTO EMERGENCIAL.pptx jejejejejejejeje
AULA - PARTO EMERGENCIAL.pptx jejejejejejejeje
 
Fertilizacao in vitro - Perguntas frequentes
Fertilizacao in vitro - Perguntas frequentesFertilizacao in vitro - Perguntas frequentes
Fertilizacao in vitro - Perguntas frequentes
 

Aborto yane

  • 2. É a interrupção da gravidez pela morte do feto ou embrião, junto com os anexos ovulares. Pode ser espontâneo ou provocado. O feto expulso com menos de 0,5 kg ou 20 semanas de gestação é considerado abortado.  Resultando na sua morte ou sendo por esta causada. Isto pode ocorrer de forma espontânea ou induzida, provocando- se o fim da gestação, e consequente fim da atividade biológica doembrião ou feto, mediante uso de medicamentos ou realização de cirurgias.
  • 3. O aborto é a interrupção da gravidez, seja ele espontâneo ou induzido. No primeiro caso, isto pode ocorrer por problemas apresentados pelo próprio feto, ou, ainda, por problemas de saúde com a gestante. Há muitas mulheres que descobrem que são portadoras de determinadas doenças somente na gravidez, pois, nesta fase, muitas doenças se manifestam pondo em risco a continuidade da gestação.  Mais da metade dos abortos espontâneos são causados por alterações genéticas no embrião.
  • 5.  Também pode ser chamado de aborto involuntário ou "falso parto". Calcula-se que 25% das gestações terminam em aborto espontâneo, sendo que 3/4 ocorrem nos três primeiros meses de gravidez. A causa do aborto espontâneo no primeiro trimestre, são distúrbios de origem genética.  Em cerca de 70% dos casos, esses embriões são portadores de anomalias cromossômicas incompatíveis com a vida, no qual o ovo primeiro morre e em seguida é expulso.
  • 6. Nos abortos do segundo trimestre, o ovo é expulso devido a causas externas a ele (incontinência do colo uterino, mal formação uterina, insuficiência de desenvolvimento uterino, fibroma, infecções do embrião e de seus anexos).
  • 7. É a interrupção deliberada da gravidez; pela extração do feto da cavidade uterina. Em função do período gestacional em que é realizado, emprega-se uma das quatro intervenções cirúrgicas seguintes: A sucção ou aspiração;  A dilatação e curetagem;  A dilatação e expulsão;  Injeção de soluções salinas.
  • 8.  Estima-se que seja realizado anualmente no mundo mais de 40 milhões de abortos, a maioria em condições precárias, com sérios iscos para a saúde da mulher.  O método clássico de aborto é o por curetagem uterina e o método moderno por aspiração uterina (método de Karman) só utilizável sem anestesia para gestações de menos de oito semanas de amenorreia (seis semanas de gravidez). Depois desse prazo, até doze semanas de amenorreia, a aspiração deve ser realizada sob anestesia e com um aspirador elétrico.
  • 10.  NoBrasil, o aborto voluntário será permitido quando necessário, para salvar a vida da gestante ou quando a gravidez for resultante de estupro. O aborto, fora esses casos, está sujeito a pena de detenção ou reclusão.
  • 12. O aborto pode causar dor em fetos ainda pouco desenvolvidos, acreditam pesquisadores do Hospital Chelsea, em Londres. Segundo a responsável pela pesquisa, Vivette Glover, fetos podem ser capazes de sentir dor já a partir da décima sétima semana de gestação. Por isso, diz ela, médicos britânicos estão estudando a possibilidade de anestesiar o feto durante intervenções para interrupção da gravidez.
  • 15.  Para Vivette Glover, pesquisas sugerem que o desenvolvimento do sistema nervoso ocorre mais cedo do que se imaginava.  Existem evidências de que o sistema nervoso se desenvolve a partir de 20 semanas de gestação ou talvez até depois de 17 semanas. Já que há a possibilidade de dor, nós deveríamos dar ao feto o benefício da dúvida", diz ela, que conclui defendendo a utilização de anestesia. Ela pondera, porém, que a dor dos fetos é provavelmente menos intensa.
  • 16. O aborto por esvaziamento craniano intrauterino (ECI), também conhecido como aborto com "nascimento parcial", é uma técnica utilizada para provocar o aborto quando a gravidez está em estágio avançado, entre 20 e 26 semanas (cinco meses a seis meses e meio). Guiado por ultrassom, o médico segura a perna do feto com um fórceps, puxa-o para o canal vaginal, e então retira o feto do útero, com exceção da cabeça. Faz então uma incisão na nuca, inserindo depois um cateter para sugar o cérebro do feto e então o retira por inteiro do corpo da mãe.