SlideShare uma empresa Scribd logo
A Sociedade de Ordens

Na Idade moderna vigorou na Europa uma economia de tipo pré-industrial caracterizada por
uma base agrícola e pelo atraso tecnológico. A debilidade tecnológica não permitia aumentar
a produtividade, logo, o aumento da população era afectado pelas fomes.
As crises demográficas caracterizavam-se por um crescimento elevado das mortes para o
dobro ou o triplo da Taxa de Mortalidade corrente, acompanhada por uma quebra muito
acentuada nos nascimentos e dos casamentos, a que se seguia uma fase de recuperação da
crise, restabelecendo-se os índices habituais de mortalidade, natalidade e nupcialidade.
No século XVII, em virtude do arrefecimento climático, as colheitas apodreciam, pelo que o
preço dos cereais se elevava e, em consequência, os mais pobres eram atingidos pela fome.
Por seu turno, a fome tornava os corpos menos resistentes às epidemias: peste negra, peste
bubónica, difteria, cólera, febre tifóide, varíola, tosse convulsa, escarlatina, tuberculose,
malária, sífilis e outros males saltam de região para região, de cidade para cidade. A falta de
condições de higiene e de assistência médica, em especial nas cidades, agravavam o
panorama das crises populacionais.
Somava-se a estes dois factores a guerra, responsável por um número elevado de perdas
humanas, quer pelo confronto entre tropas inimigas, quer pelos efeitos da passagem dos
exércitos pelas aldeias. Com os exércitos marcham também as epidemias que sempre
proliferaram nas concentrações excessivas de homens, sobretudo numa época em que se
desrespeitam as mais elementares regras sanitárias.

No Antigo Regime, tal como na Idade Média, a sociedade encontra-se fortemente
hierarquizada em ordens ou estados. O poder, a ocupação, a consideração social de cada
indivíduo são definidos pelo nascimento e reforçados por um estatuto jurídico diferenciado.
A sociedade do Antigo Regime divide-se, então, em três ordens ou estados: o clero, a nobreza
e o povo ou Terceiro Estado, multiplicadas por várias subcategorias.
O clero, considerado o primeiro estado, é o único que não se adquire pelo nascimento, mas
pela tonsura e goza de imunidades e privilégios (isenção fiscal e militar) e beneficia do direito
à cobrança do dízimo, desempenhando altos cargos, que lhe conferem grande prestígio e
consideração                                                                              social.
A nobreza constitui o segundo estado, sendo uma peça fundamental para o regime
monárquico. Como ordem de maior prestígio, organiza-se como um grupo fechado,
demarcado pelas condições de nascimento, pelo poder fundiário, pela sua função militar e
desempenho dos mais altos cargos administrativos que lhe conferem poder, riqueza,
ostentação e grande prestígio. A sua categoria e prestígio social era muito díspar, contudo o
seu estatuto legal conferia-lhe um conjunto de privilégios (isenção de pagamentos ao Estado,
excepto em caso de guerra, regime jurídico próprio, usufruto de alguns direitos de natureza
senhorial).
 O Terceiro Estado é a ordem não privilegiada, inferior na consideração pública. É a ordem
tributária por excelência, de composição muito heterogénea, cujas diferenças residem
essencialmente na actividade profissional e modo de vida. Assim, podemos salientar o estrato
dos camponeses, o da burguesia (constituído tanto por mercadores como financeiros –
banqueiros e cambistas, por letrados – advogados, notários e, por fim, artesãos, trabalhadores
assalariados não qualificados, geralmente associados ao trabalho braçal).
A sociedade de ordens é sobretudo uma sociedade de símbolos. A distinção faz-se através dos
trajes (reservando-se o uso de certos tecidos, de certos adornos como a prata para a nobreza),
das formas de saudação e tratamento que se adoptavam e a que tinham direito pela sua
condição social (por exemplo, um eclesiástico receberia o tratamento de Sua Eminência, Sua
Excelência ou Sua Senhoria, Vossa Mercê ou Dom). A este tratamento correspondia também
um conjunto rígido de regras de protocolo, sendo todos os comportamentos previstos. Mesmo
a forma como se apresentavam em público, acompanhados de menor ou maior número de
criadagem, dependia da sua posição social.
A diversidade de estatuto estava plenamente patente no regime jurídico. Normalmente, os
nobres estavam isentos das penas consideradas mais vis, como o enforcamento, e eram
poupados às humilhações e exposições públicas.
Mas esta estrutura multissecular, aparentemente imóvel, não apresenta já a mesma solidez.
Enquanto a nobreza e o clero se esforçam por manter os privilégios antigos, no Terceiro
Estado acentuam-se as clivagens sociais: uma burguesia endinheirada e culta soube tornar-se
imprescindível ao funcionamento do Estado elevando-se, por mérito próprio, à condição
superior da nobreza; enquanto isso, a miséria do campesinato aumenta e, com ela, a
frequência das revoltas.
No topo da hierarquia social, o rei afirma-se como poder único, absoluto e sacralizado. A sua
autoridade reforça-se, quer pela pena dos teóricos, quer pela determinação e arrojo político de
alguns monarcas. Dentre todos, emerge Luís XIV, paradigma do próprio absolutismo, tal
como o seu palácio, Versalhes, se tornará no símbolo da magnificência e do culto da pessoa
régia.
Época de profundas desigualdades, no Antigo Regime coexistem, como que em mundos
paralelos, mentalidades e formas de vida quase antagónicas. São assim o campo e a cidade:
aquele, praticamente imóvel, avesso às novidades, normalmente resignado; esta, plena de
vitalidade, ousadia e poder reivindicativo.


	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sociedade Antigo Regime
Sociedade Antigo RegimeSociedade Antigo Regime
Sociedade Antigo Regime
Isabel Ribeiro
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Susana Simões
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
cattonia
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
lena_23
 
17 sociedade feudal
17   sociedade feudal17   sociedade feudal
17 sociedade feudal
Carla Freitas
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
4 01 a_populacao_europa_xvii_xviii
4 01 a_populacao_europa_xvii_xviii4 01 a_populacao_europa_xvii_xviii
4 01 a_populacao_europa_xvii_xviii
Vítor Santos
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
Susana Simões
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
cattonia
 
Transformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiiiTransformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiii
Carla Freitas
 
O desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiiiO desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiii
Ana Barreiros
 
A revolução francesa 1
A revolução francesa 1A revolução francesa 1
A revolução francesa 1
Susana Simões
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
Vítor Santos
 
Revolução Agrícola
Revolução AgrícolaRevolução Agrícola
Revolução Agrícola
Carlos Vieira
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
Maria Gomes
 
05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidade05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidade
Vítor Santos
 
O Associativismo e Sindicalismo
O Associativismo e SindicalismoO Associativismo e Sindicalismo
O Associativismo e Sindicalismo
Mafalda Batista
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
Susana Simões
 
A Revolução industrial
A Revolução industrialA Revolução industrial
A Revolução industrial
Carlos Pinheiro
 

Mais procurados (20)

Sociedade Antigo Regime
Sociedade Antigo RegimeSociedade Antigo Regime
Sociedade Antigo Regime
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
17 sociedade feudal
17   sociedade feudal17   sociedade feudal
17 sociedade feudal
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 8
 
4 01 a_populacao_europa_xvii_xviii
4 01 a_populacao_europa_xvii_xviii4 01 a_populacao_europa_xvii_xviii
4 01 a_populacao_europa_xvii_xviii
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
 
Transformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiiiTransformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiii
 
O desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiiiO desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiii
 
A revolução francesa 1
A revolução francesa 1A revolução francesa 1
A revolução francesa 1
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
Revolução Agrícola
Revolução AgrícolaRevolução Agrícola
Revolução Agrícola
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
 
05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidade05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidade
 
O Associativismo e Sindicalismo
O Associativismo e SindicalismoO Associativismo e Sindicalismo
O Associativismo e Sindicalismo
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
A Revolução industrial
A Revolução industrialA Revolução industrial
A Revolução industrial
 

Semelhante a A sociedade de ordens resumo

modulo-4.pdf
modulo-4.pdfmodulo-4.pdf
modulo-4.pdf
Tânia Marques André
 
Correcção marina
Correcção marinaCorrecção marina
Correcção marina
Ana Cristina F
 
00 04 revisoes_modulo_4
00 04 revisoes_modulo_400 04 revisoes_modulo_4
00 04 revisoes_modulo_4
Vítor Santos
 
04 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_404 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_4
Vítor Santos
 
Europa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- Resumos
Europa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- ResumosEuropa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- Resumos
Europa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- Resumos
Nome Sobrenome
 
00 2 preparação_exame_nacional_2017
00 2 preparação_exame_nacional_201700 2 preparação_exame_nacional_2017
00 2 preparação_exame_nacional_2017
Vítor Santos
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
Ana Cristina F
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
Vítor Santos
 
Resumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoResumos de História 11º ano
Resumos de História 11º ano
Antonino Miguel
 
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
Joana Alves
 
Texto Introdutório - A frança antes da revolução
Texto Introdutório - A frança antes da revoluçãoTexto Introdutório - A frança antes da revolução
Texto Introdutório - A frança antes da revolução
PIBID HISTÓRIA
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
Vítor Santos
 
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
Ana Cristina F
 
Slide historia
Slide historiaSlide historia
Slide historia
Celiamariag3
 
Slide historia-antigo regime frances
Slide historia-antigo regime francesSlide historia-antigo regime frances
Slide historia-antigo regime frances
Celiamariag3
 
Slide historia
Slide historiaSlide historia
Slide historia
Celiamariag3
 
A N T I G O R E G I M E C O N C E I T O S
A N T I G O  R E G I M E  C O N C E I T O SA N T I G O  R E G I M E  C O N C E I T O S
A N T I G O R E G I M E C O N C E I T O S
MINV
 
A N T I G O R E G I M E C O N C E I T O S
A N T I G O  R E G I M E  C O N C E I T O SA N T I G O  R E G I M E  C O N C E I T O S
A N T I G O R E G I M E C O N C E I T O S
Isabel Ribeiro
 
Antigo Regime - Conceitos
Antigo Regime - ConceitosAntigo Regime - Conceitos
Antigo Regime - Conceitos
MINV
 
Antigo Regime Conceitos
Antigo Regime ConceitosAntigo Regime Conceitos
Antigo Regime Conceitos
Isabel Ribeiro
 

Semelhante a A sociedade de ordens resumo (20)

modulo-4.pdf
modulo-4.pdfmodulo-4.pdf
modulo-4.pdf
 
Correcção marina
Correcção marinaCorrecção marina
Correcção marina
 
00 04 revisoes_modulo_4
00 04 revisoes_modulo_400 04 revisoes_modulo_4
00 04 revisoes_modulo_4
 
04 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_404 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_4
 
Europa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- Resumos
Europa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- ResumosEuropa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- Resumos
Europa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- Resumos
 
00 2 preparação_exame_nacional_2017
00 2 preparação_exame_nacional_201700 2 preparação_exame_nacional_2017
00 2 preparação_exame_nacional_2017
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
 
Resumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoResumos de História 11º ano
Resumos de História 11º ano
 
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
 
Texto Introdutório - A frança antes da revolução
Texto Introdutório - A frança antes da revoluçãoTexto Introdutório - A frança antes da revolução
Texto Introdutório - A frança antes da revolução
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
Proposta de resolução do questionário do caderno de actividades 2
 
Slide historia
Slide historiaSlide historia
Slide historia
 
Slide historia-antigo regime frances
Slide historia-antigo regime francesSlide historia-antigo regime frances
Slide historia-antigo regime frances
 
Slide historia
Slide historiaSlide historia
Slide historia
 
A N T I G O R E G I M E C O N C E I T O S
A N T I G O  R E G I M E  C O N C E I T O SA N T I G O  R E G I M E  C O N C E I T O S
A N T I G O R E G I M E C O N C E I T O S
 
A N T I G O R E G I M E C O N C E I T O S
A N T I G O  R E G I M E  C O N C E I T O SA N T I G O  R E G I M E  C O N C E I T O S
A N T I G O R E G I M E C O N C E I T O S
 
Antigo Regime - Conceitos
Antigo Regime - ConceitosAntigo Regime - Conceitos
Antigo Regime - Conceitos
 
Antigo Regime Conceitos
Antigo Regime ConceitosAntigo Regime Conceitos
Antigo Regime Conceitos
 

Mais de Escoladocs

A nobreza
A nobrezaA nobreza
A nobreza
Escoladocs
 
Clero
CleroClero
Clero
Escoladocs
 
Historia clero
Historia cleroHistoria clero
Historia clero
Escoladocs
 
Os muçulmanos
Os muçulmanosOs muçulmanos
Os muçulmanos
Escoladocs
 
Os muçulmanos
Os muçulmanosOs muçulmanos
Os muçulmanos
Escoladocs
 
A sociedade senhorial nos séc
A sociedade senhorial nos sécA sociedade senhorial nos séc
A sociedade senhorial nos séc
Escoladocs
 
Os muçulmanos
Os muçulmanosOs muçulmanos
Os muçulmanos
Escoladocs
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
Escoladocs
 
Diogo
DiogoDiogo
Diogo
Escoladocs
 
Jesus cristo historia
Jesus cristo historiaJesus cristo historia
Jesus cristo historia
Escoladocs
 
Trabalho de história economia e sociedade do império romano
Trabalho de história economia e sociedade do império romanoTrabalho de história economia e sociedade do império romano
Trabalho de história economia e sociedade do império romano
Escoladocs
 
Apresentação totalitarismos
Apresentação totalitarismosApresentação totalitarismos
Apresentação totalitarismos
Escoladocs
 
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3bBc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Escoladocs
 
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3bBc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Escoladocs
 
Apresentação a grande depressão e o seu impacto social
Apresentação a grande depressão e o seu impacto socialApresentação a grande depressão e o seu impacto social
Apresentação a grande depressão e o seu impacto social
Escoladocs
 
Apresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Apresentação mutações nos comportamentos e na culturaApresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Apresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Escoladocs
 
Apresentação portugal no primeiro pós guerra 2
Apresentação portugal no primeiro pós guerra 2Apresentação portugal no primeiro pós guerra 2
Apresentação portugal no primeiro pós guerra 2
Escoladocs
 
Apresentação um novo equilíbrio global
Apresentação um novo equilíbrio globalApresentação um novo equilíbrio global
Apresentação um novo equilíbrio global
Escoladocs
 
Caderno Diário Renascimento
Caderno Diário Renascimento Caderno Diário Renascimento
Caderno Diário Renascimento
Escoladocs
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
Escoladocs
 

Mais de Escoladocs (20)

A nobreza
A nobrezaA nobreza
A nobreza
 
Clero
CleroClero
Clero
 
Historia clero
Historia cleroHistoria clero
Historia clero
 
Os muçulmanos
Os muçulmanosOs muçulmanos
Os muçulmanos
 
Os muçulmanos
Os muçulmanosOs muçulmanos
Os muçulmanos
 
A sociedade senhorial nos séc
A sociedade senhorial nos sécA sociedade senhorial nos séc
A sociedade senhorial nos séc
 
Os muçulmanos
Os muçulmanosOs muçulmanos
Os muçulmanos
 
Cristianismo
CristianismoCristianismo
Cristianismo
 
Diogo
DiogoDiogo
Diogo
 
Jesus cristo historia
Jesus cristo historiaJesus cristo historia
Jesus cristo historia
 
Trabalho de história economia e sociedade do império romano
Trabalho de história economia e sociedade do império romanoTrabalho de história economia e sociedade do império romano
Trabalho de história economia e sociedade do império romano
 
Apresentação totalitarismos
Apresentação totalitarismosApresentação totalitarismos
Apresentação totalitarismos
 
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3bBc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
 
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3bBc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
Bc4e93acd896800cfb3ddc2f0c50aaab4aceef3b
 
Apresentação a grande depressão e o seu impacto social
Apresentação a grande depressão e o seu impacto socialApresentação a grande depressão e o seu impacto social
Apresentação a grande depressão e o seu impacto social
 
Apresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Apresentação mutações nos comportamentos e na culturaApresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Apresentação mutações nos comportamentos e na cultura
 
Apresentação portugal no primeiro pós guerra 2
Apresentação portugal no primeiro pós guerra 2Apresentação portugal no primeiro pós guerra 2
Apresentação portugal no primeiro pós guerra 2
 
Apresentação um novo equilíbrio global
Apresentação um novo equilíbrio globalApresentação um novo equilíbrio global
Apresentação um novo equilíbrio global
 
Caderno Diário Renascimento
Caderno Diário Renascimento Caderno Diário Renascimento
Caderno Diário Renascimento
 
Romanização
RomanizaçãoRomanização
Romanização
 

A sociedade de ordens resumo

  • 1. A Sociedade de Ordens Na Idade moderna vigorou na Europa uma economia de tipo pré-industrial caracterizada por uma base agrícola e pelo atraso tecnológico. A debilidade tecnológica não permitia aumentar a produtividade, logo, o aumento da população era afectado pelas fomes. As crises demográficas caracterizavam-se por um crescimento elevado das mortes para o dobro ou o triplo da Taxa de Mortalidade corrente, acompanhada por uma quebra muito acentuada nos nascimentos e dos casamentos, a que se seguia uma fase de recuperação da crise, restabelecendo-se os índices habituais de mortalidade, natalidade e nupcialidade. No século XVII, em virtude do arrefecimento climático, as colheitas apodreciam, pelo que o preço dos cereais se elevava e, em consequência, os mais pobres eram atingidos pela fome. Por seu turno, a fome tornava os corpos menos resistentes às epidemias: peste negra, peste bubónica, difteria, cólera, febre tifóide, varíola, tosse convulsa, escarlatina, tuberculose, malária, sífilis e outros males saltam de região para região, de cidade para cidade. A falta de condições de higiene e de assistência médica, em especial nas cidades, agravavam o panorama das crises populacionais. Somava-se a estes dois factores a guerra, responsável por um número elevado de perdas humanas, quer pelo confronto entre tropas inimigas, quer pelos efeitos da passagem dos exércitos pelas aldeias. Com os exércitos marcham também as epidemias que sempre proliferaram nas concentrações excessivas de homens, sobretudo numa época em que se desrespeitam as mais elementares regras sanitárias. No Antigo Regime, tal como na Idade Média, a sociedade encontra-se fortemente hierarquizada em ordens ou estados. O poder, a ocupação, a consideração social de cada indivíduo são definidos pelo nascimento e reforçados por um estatuto jurídico diferenciado. A sociedade do Antigo Regime divide-se, então, em três ordens ou estados: o clero, a nobreza e o povo ou Terceiro Estado, multiplicadas por várias subcategorias. O clero, considerado o primeiro estado, é o único que não se adquire pelo nascimento, mas pela tonsura e goza de imunidades e privilégios (isenção fiscal e militar) e beneficia do direito à cobrança do dízimo, desempenhando altos cargos, que lhe conferem grande prestígio e consideração social. A nobreza constitui o segundo estado, sendo uma peça fundamental para o regime monárquico. Como ordem de maior prestígio, organiza-se como um grupo fechado, demarcado pelas condições de nascimento, pelo poder fundiário, pela sua função militar e desempenho dos mais altos cargos administrativos que lhe conferem poder, riqueza, ostentação e grande prestígio. A sua categoria e prestígio social era muito díspar, contudo o seu estatuto legal conferia-lhe um conjunto de privilégios (isenção de pagamentos ao Estado, excepto em caso de guerra, regime jurídico próprio, usufruto de alguns direitos de natureza senhorial). O Terceiro Estado é a ordem não privilegiada, inferior na consideração pública. É a ordem tributária por excelência, de composição muito heterogénea, cujas diferenças residem essencialmente na actividade profissional e modo de vida. Assim, podemos salientar o estrato dos camponeses, o da burguesia (constituído tanto por mercadores como financeiros – banqueiros e cambistas, por letrados – advogados, notários e, por fim, artesãos, trabalhadores assalariados não qualificados, geralmente associados ao trabalho braçal). A sociedade de ordens é sobretudo uma sociedade de símbolos. A distinção faz-se através dos trajes (reservando-se o uso de certos tecidos, de certos adornos como a prata para a nobreza), das formas de saudação e tratamento que se adoptavam e a que tinham direito pela sua condição social (por exemplo, um eclesiástico receberia o tratamento de Sua Eminência, Sua Excelência ou Sua Senhoria, Vossa Mercê ou Dom). A este tratamento correspondia também um conjunto rígido de regras de protocolo, sendo todos os comportamentos previstos. Mesmo a forma como se apresentavam em público, acompanhados de menor ou maior número de criadagem, dependia da sua posição social.
  • 2. A diversidade de estatuto estava plenamente patente no regime jurídico. Normalmente, os nobres estavam isentos das penas consideradas mais vis, como o enforcamento, e eram poupados às humilhações e exposições públicas. Mas esta estrutura multissecular, aparentemente imóvel, não apresenta já a mesma solidez. Enquanto a nobreza e o clero se esforçam por manter os privilégios antigos, no Terceiro Estado acentuam-se as clivagens sociais: uma burguesia endinheirada e culta soube tornar-se imprescindível ao funcionamento do Estado elevando-se, por mérito próprio, à condição superior da nobreza; enquanto isso, a miséria do campesinato aumenta e, com ela, a frequência das revoltas. No topo da hierarquia social, o rei afirma-se como poder único, absoluto e sacralizado. A sua autoridade reforça-se, quer pela pena dos teóricos, quer pela determinação e arrojo político de alguns monarcas. Dentre todos, emerge Luís XIV, paradigma do próprio absolutismo, tal como o seu palácio, Versalhes, se tornará no símbolo da magnificência e do culto da pessoa régia. Época de profundas desigualdades, no Antigo Regime coexistem, como que em mundos paralelos, mentalidades e formas de vida quase antagónicas. São assim o campo e a cidade: aquele, praticamente imóvel, avesso às novidades, normalmente resignado; esta, plena de vitalidade, ousadia e poder reivindicativo.