SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
A CORTIÇA




09/01/2006       Ciências dos Materiais   1
Origem da Cortiça (Sobreiro)
         •   O sobreiro (Quercus Suber) é uma árvore, que existe há mais de
             60 milhões de anos.


         •   O Sobreiro é uma das árvores florestais mais abundantes no
             nosso país colocando-se em área ocupada (cerca de 20%) a
             seguir ao Pinheiro.


         •   Este produz tecido suberoso até aos 150 a 200 anos, permitindo
             normalmente 15 a 18 descortiçamentos e cuja sua idade média
             em exploração dura 85 anos.




09/01/2006                         Ciências dos Materiais                 2
Origem da Cortiça (Sobreiro)
         •   Este é constituído por três zonas distintas. Essas zonas são
             visíveis quando o tronco do sobreiro é cortado transversalmente,
             como é possível verificar através da figura:




                                                         Lenho

                                                         Entrecasco

                                                         Cortiça




09/01/2006                      Ciências dos Materiais                      3
Tipos e Classes de Cortiça
         •   Normalmente, considera-se dois tipos de Cortiça: a Cortiça
             Virgem e a Cortiça de Reprodução. Por sua vez, distinguem-se
             duas classes de Cortiça de Reprodução: a Cortiça Secundeira e a
             Cortiça Amadia.

                                   A Cortiça Virgem é obtida no primeiro
                                   descortiçamento de sobreiros c/ 25 anos de
                                   idade.

                                   A Cortiça Secundeira é a primeira cortiça de
                                   reprodução, ou seja, é a cortiça extraída
                                   nove anos após o primeiro descortiçamento.

                                  A   Cortiça   Amadia     é    extraída  nos
                                  descortiçamentos posteriores (9 em 9 anos).

09/01/2006                     Ciências dos Materiais                        4
Estrutura Celular da Cortiça
         •   A cortiça deve ser considerada como um “material compósito”,
             com   afinidade,   devido      à    estrutura   molecular   dos   seus
             constituintes, com os polímeros.
         •   Este material é formado por microcélulas mortas, apresentando
             normalemente uma forma poliédrica de catorze lados, dispostas
             de forma compacta, estando os espaços intercelulares totalmente
             preenchidos com uma mistura gasosa quase idêntica à do ar.

         •   A célula de cortiça apresenta uma quantidade
             mínima de material sólido e uma quantidade
             máxima    de   matéria     gasosa,      essencialmente
             formada por ar atmosférico isento de CO2.


09/01/2006                      Ciências dos Materiais                            5
Composição Química
             A cortiça pode ser quimicamente dividida em seis grupos:
         •   Ceroides são um grupo de compostos de baixa polaridade
             responsáveis pela impermeabilidade da cortiça.
         •   Taninos são compostos polifenólicos que podem ser extraídos
             com solventes polares.
         •   Suberina é o componente da cortiça que aparece em maior
             percentagem, é constituída por uma mistura de ácidos gordos de
             peso molecular elevado, obtidos por saponificação e posterior
             extracção com solventes polares. A presença da suberina, torna
             as células impermeáveis aos líquidos e a gases. A grande
             flexibilidade das suas membranas, imprimem ao tecido suberoso
             outras propriedades: a compressibilidade e a elasticidade.

09/01/2006                     Ciências dos Materiais                     6
Composição Química
         •   Polisacáridos constitui cerca de 12% da cortiça, sendo formada,
             essencialmente por celulose.
         •   Lenhina é um poliéster complexo de massa molecular elevada,
             este composto dificilmente é hidrolisável, e a sua estrutura é
             ainda deficientemente conhecida.
         •   Cinzas e outros nas cinzas da cortiça identificou-se os seguintes
             metais: cálcio, potássio, manganês, ferro, alumínio, magnésio,
             sódio, bário, estrôncio, cobre, lítio, crómio e titânio, sendo o
             cálcio e o potássio os elementos que se encontram em maior
             quantidade.




09/01/2006                     Ciências dos Materiais                        7
Propriedades Mecâncias e Físicas
             As propriedades da cortiça decorrem naturalmente da sua
             estrutura e da composição química das membranas celulares. Na
             estrutura alveolar da cortiça, cada cm3 contém entre 30 e 42
             milhões de células.

             As principais propriedades são:
         •   Resistência ao Desgaste, esta origina um        pó muito fino em
             que as partículas mais pequenas contém apenas algumas
             dezenas de células. Estas partículas tais como em todos os
             sólidos que sofrem desgaste, são resultantes de fracturas junto à
             superfície, sendo a cortiça um dos materiais mais resistentes.



09/01/2006                     Ciências dos Materiais                         8
Propriedades Mecâncias e Físicas
         •   Elasticidade a grande flexibilidade das membradas celulares
             confere á cortiça compressibilidade e elasticidade, i.é, o poder de
             readquirir a forma primitiva depois de ter sofrido uma pressão.
         •   Impermeabilidade a presença da suberina confere ao tecido
             suberoso impermeabilidade, tanto aos gases como aos líquidos,
             permitindo que a cortiça não apodreça, e seja considerada o
             melhor vedante que existe.
         •   Condutibilidade Térmica a cortiça tem como característica
             uma má condutibilidade do ponto de vista, quer térmico, quer
             acústico e vibratório, Daí que entre todas as substâncias naturais
             figure nas que se apresentam dotadas de maior poder isolante.


09/01/2006                     Ciências dos Materiais                          9
Defeitos da Cortiça
         •   Porosidade excessiva atendendo a que uma das grandes
             particularidades da cortiça é a sua permeabilidade ao ar,
             dependendo esta, não da estrutura alveolar das células mas sim
             dos poros existentes no tecido suberoso denominados por
             lentículas, sendo estas responsáveis pela porosidade.




09/01/2006                     Ciências dos Materiais                    10
Defeitos da Cortiça
         •   Densidade a do tecido suberoso é normalmente muito baixa, a
             ela se devendo a bem patente flutuabilidade e leveza da cortiça.
             A densidade anormal provém, quer da largura dos raios liberinos
             que formam paredes muito espessas, originando a cortiça
             preguenta, quer da presença de esclerênquima e de tecidos
             liberinos e felodérmicos no tecido suberoso ao qual se dá o nome
             de cortiça madeirenta.
             A excessiva densidade provoca dureza o que excluí a cortiça de
             aplicações onde a elasticidade seja o principal requisito.




09/01/2006                      Ciências dos Materiais                      11
Aplicações da Cortiça




09/01/2006         Ciências dos Materiais   12
FIM
             Trabalho elaborado por:




         •   Sérgio Paulo Lopes da Rocha




                Engenharia de Produção e Manutenção Industrial – 1º Ano




09/01/2006                       Ciências dos Materiais                   13

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

IV.1 O ar - Composição e Propriedades
IV.1 O ar - Composição e PropriedadesIV.1 O ar - Composição e Propriedades
IV.1 O ar - Composição e Propriedades
Rebeca Vale
 
Treinamento boas práticas de instalação rev02-2011
Treinamento boas práticas de instalação   rev02-2011Treinamento boas práticas de instalação   rev02-2011
Treinamento boas práticas de instalação rev02-2011
Renan Amicuchi
 
Fibras relação estrutura - props - usos
Fibras   relação estrutura - props - usosFibras   relação estrutura - props - usos
Fibras relação estrutura - props - usos
felins
 
Meios de fibra ótica
Meios de fibra óticaMeios de fibra ótica
Meios de fibra ótica
H P
 

Mais procurados (20)

Compósitos
CompósitosCompósitos
Compósitos
 
Tecnologia Textil - Apostilha tecnica
Tecnologia Textil - Apostilha tecnica Tecnologia Textil - Apostilha tecnica
Tecnologia Textil - Apostilha tecnica
 
Biomimética
BiomiméticaBiomimética
Biomimética
 
Comunicacoes opticas ii(1)
Comunicacoes opticas ii(1)Comunicacoes opticas ii(1)
Comunicacoes opticas ii(1)
 
Smart home
Smart homeSmart home
Smart home
 
IV.1 O ar - Composição e Propriedades
IV.1 O ar - Composição e PropriedadesIV.1 O ar - Composição e Propriedades
IV.1 O ar - Composição e Propriedades
 
FIBRA ÓPTICA TECNOLOGIA GPON
FIBRA ÓPTICA TECNOLOGIA GPONFIBRA ÓPTICA TECNOLOGIA GPON
FIBRA ÓPTICA TECNOLOGIA GPON
 
Treinamento boas práticas de instalação rev02-2011
Treinamento boas práticas de instalação   rev02-2011Treinamento boas práticas de instalação   rev02-2011
Treinamento boas práticas de instalação rev02-2011
 
Fibras relação estrutura - props - usos
Fibras   relação estrutura - props - usosFibras   relação estrutura - props - usos
Fibras relação estrutura - props - usos
 
Cabos de rede
Cabos de redeCabos de rede
Cabos de rede
 
Tecnologia do beneficiamento têxtil
Tecnologia do beneficiamento têxtilTecnologia do beneficiamento têxtil
Tecnologia do beneficiamento têxtil
 
Fotografia publicitária
Fotografia publicitáriaFotografia publicitária
Fotografia publicitária
 
Analise da imagem
Analise da imagemAnalise da imagem
Analise da imagem
 
O linho
O linhoO linho
O linho
 
EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAIS
EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAISEVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAIS
EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAIS
 
Meios de fibra ótica
Meios de fibra óticaMeios de fibra ótica
Meios de fibra ótica
 
Componentes de uma Rede de computadores
Componentes de uma Rede de computadoresComponentes de uma Rede de computadores
Componentes de uma Rede de computadores
 
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom BrilA Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
Aula 5 - Redes de computadores
Aula 5 - Redes de computadoresAula 5 - Redes de computadores
Aula 5 - Redes de computadores
 

Destaque (17)

Trabalho cortiça
Trabalho   cortiçaTrabalho   cortiça
Trabalho cortiça
 
A cortiça
A cortiçaA cortiça
A cortiça
 
Cortiça
CortiçaCortiça
Cortiça
 
U_AM_G1_Projeto científico Corticeira
U_AM_G1_Projeto científico CorticeiraU_AM_G1_Projeto científico Corticeira
U_AM_G1_Projeto científico Corticeira
 
Alentejo, uma referência corticeira
Alentejo, uma referência corticeiraAlentejo, uma referência corticeira
Alentejo, uma referência corticeira
 
Green cork
Green corkGreen cork
Green cork
 
Acao saca rolhas
Acao saca rolhasAcao saca rolhas
Acao saca rolhas
 
Cortica
Cortica Cortica
Cortica
 
Área Projecto
Área ProjectoÁrea Projecto
Área Projecto
 
Rolhas de corti+ºa
Rolhas de corti+ºaRolhas de corti+ºa
Rolhas de corti+ºa
 
Rolhas%20titulo[1]
Rolhas%20titulo[1]Rolhas%20titulo[1]
Rolhas%20titulo[1]
 
Escova solar
Escova solarEscova solar
Escova solar
 
Trabalho cortiça no espaço
Trabalho   cortiça no espaçoTrabalho   cortiça no espaço
Trabalho cortiça no espaço
 
Sobreiro
SobreiroSobreiro
Sobreiro
 
Gestão Financeira - Corticeira Amorim
Gestão Financeira - Corticeira AmorimGestão Financeira - Corticeira Amorim
Gestão Financeira - Corticeira Amorim
 
Experiencias com a água
Experiencias com a águaExperiencias com a água
Experiencias com a água
 
The Top Skills That Can Get You Hired in 2017
The Top Skills That Can Get You Hired in 2017The Top Skills That Can Get You Hired in 2017
The Top Skills That Can Get You Hired in 2017
 

Semelhante a A cortiça (apresentação) (13)

Fibras têxteis malharia e confecção
Fibras têxteis malharia e confecçãoFibras têxteis malharia e confecção
Fibras têxteis malharia e confecção
 
Polimeros slide pdf
Polimeros slide pdfPolimeros slide pdf
Polimeros slide pdf
 
Citologia I
Citologia ICitologia I
Citologia I
 
Madeira apostila 2012
Madeira   apostila 2012Madeira   apostila 2012
Madeira apostila 2012
 
versão final MATERIAIS POLIMERICOS.pptx
versão final MATERIAIS POLIMERICOS.pptxversão final MATERIAIS POLIMERICOS.pptx
versão final MATERIAIS POLIMERICOS.pptx
 
Apostila sobre madeiras
Apostila sobre madeirasApostila sobre madeiras
Apostila sobre madeiras
 
Materiais APRESENTAÇÃO.pptx
Materiais APRESENTAÇÃO.pptxMateriais APRESENTAÇÃO.pptx
Materiais APRESENTAÇÃO.pptx
 
Celula vegetal[1]
Celula vegetal[1]Celula vegetal[1]
Celula vegetal[1]
 
compositos.pdf
compositos.pdfcompositos.pdf
compositos.pdf
 
Células
CélulasCélulas
Células
 
Polimeros 3a2
Polimeros 3a2Polimeros 3a2
Polimeros 3a2
 
Histologia1
Histologia1Histologia1
Histologia1
 
Ova polimeros
Ova  polimerosOva  polimeros
Ova polimeros
 

Mais de Sérgio Rocha

Criminalidade informatica (sabotagem)
Criminalidade informatica (sabotagem)Criminalidade informatica (sabotagem)
Criminalidade informatica (sabotagem)
Sérgio Rocha
 
Trabalho prático de pneumática
Trabalho prático de pneumáticaTrabalho prático de pneumática
Trabalho prático de pneumática
Sérgio Rocha
 
Trabalho de convecção natural
Trabalho de convecção naturalTrabalho de convecção natural
Trabalho de convecção natural
Sérgio Rocha
 
Trabalho de climatização (cálculo de caudais)
Trabalho de climatização (cálculo de caudais)Trabalho de climatização (cálculo de caudais)
Trabalho de climatização (cálculo de caudais)
Sérgio Rocha
 
Reflexão sobre pr np4428
Reflexão sobre pr np4428Reflexão sobre pr np4428
Reflexão sobre pr np4428
Sérgio Rocha
 
ética e deontologia profissional
ética e deontologia profissionalética e deontologia profissional
ética e deontologia profissional
Sérgio Rocha
 
Energia fotovoltaica
Energia fotovoltaicaEnergia fotovoltaica
Energia fotovoltaica
Sérgio Rocha
 
Dimensionamento de pilar(es) de suporte de um passadiço
Dimensionamento de pilar(es) de suporte de um passadiçoDimensionamento de pilar(es) de suporte de um passadiço
Dimensionamento de pilar(es) de suporte de um passadiço
Sérgio Rocha
 
Projecto de uma estrutura metálica (apresentação)
Projecto de uma estrutura metálica  (apresentação)Projecto de uma estrutura metálica  (apresentação)
Projecto de uma estrutura metálica (apresentação)
Sérgio Rocha
 
Leis fundamentais da dinâmica dos fluidos
Leis fundamentais da dinâmica dos fluidosLeis fundamentais da dinâmica dos fluidos
Leis fundamentais da dinâmica dos fluidos
Sérgio Rocha
 
ética e deontologia profissional (apresentação)
ética e deontologia profissional  (apresentação)ética e deontologia profissional  (apresentação)
ética e deontologia profissional (apresentação)
Sérgio Rocha
 
Controlo da qualidade, segurança e higiene em soldadura
Controlo da qualidade, segurança e higiene em soldaduraControlo da qualidade, segurança e higiene em soldadura
Controlo da qualidade, segurança e higiene em soldadura
Sérgio Rocha
 

Mais de Sérgio Rocha (20)

World Wide Web
World Wide WebWorld Wide Web
World Wide Web
 
Web services
Web servicesWeb services
Web services
 
Versões do windows
Versões do windowsVersões do windows
Versões do windows
 
HTML
HTMLHTML
HTML
 
XML
XMLXML
XML
 
http
httphttp
http
 
Criminalidade informatica (sabotagem)
Criminalidade informatica (sabotagem)Criminalidade informatica (sabotagem)
Criminalidade informatica (sabotagem)
 
Trabalho prático de pneumática
Trabalho prático de pneumáticaTrabalho prático de pneumática
Trabalho prático de pneumática
 
Trabalho de convecção natural
Trabalho de convecção naturalTrabalho de convecção natural
Trabalho de convecção natural
 
Trabalho de climatização (cálculo de caudais)
Trabalho de climatização (cálculo de caudais)Trabalho de climatização (cálculo de caudais)
Trabalho de climatização (cálculo de caudais)
 
Reflexão sobre pr np4428
Reflexão sobre pr np4428Reflexão sobre pr np4428
Reflexão sobre pr np4428
 
ética e deontologia profissional
ética e deontologia profissionalética e deontologia profissional
ética e deontologia profissional
 
Energia fotovoltaica
Energia fotovoltaicaEnergia fotovoltaica
Energia fotovoltaica
 
Dimensionamento de pilar(es) de suporte de um passadiço
Dimensionamento de pilar(es) de suporte de um passadiçoDimensionamento de pilar(es) de suporte de um passadiço
Dimensionamento de pilar(es) de suporte de um passadiço
 
Cork in aerospace
Cork in aerospaceCork in aerospace
Cork in aerospace
 
Water on fire
Water on fireWater on fire
Water on fire
 
Projecto de uma estrutura metálica (apresentação)
Projecto de uma estrutura metálica  (apresentação)Projecto de uma estrutura metálica  (apresentação)
Projecto de uma estrutura metálica (apresentação)
 
Leis fundamentais da dinâmica dos fluidos
Leis fundamentais da dinâmica dos fluidosLeis fundamentais da dinâmica dos fluidos
Leis fundamentais da dinâmica dos fluidos
 
ética e deontologia profissional (apresentação)
ética e deontologia profissional  (apresentação)ética e deontologia profissional  (apresentação)
ética e deontologia profissional (apresentação)
 
Controlo da qualidade, segurança e higiene em soldadura
Controlo da qualidade, segurança e higiene em soldaduraControlo da qualidade, segurança e higiene em soldadura
Controlo da qualidade, segurança e higiene em soldadura
 

Último

Último (9)

Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor SucroenergéticoConvergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 

A cortiça (apresentação)

  • 1. A CORTIÇA 09/01/2006 Ciências dos Materiais 1
  • 2. Origem da Cortiça (Sobreiro) • O sobreiro (Quercus Suber) é uma árvore, que existe há mais de 60 milhões de anos. • O Sobreiro é uma das árvores florestais mais abundantes no nosso país colocando-se em área ocupada (cerca de 20%) a seguir ao Pinheiro. • Este produz tecido suberoso até aos 150 a 200 anos, permitindo normalmente 15 a 18 descortiçamentos e cuja sua idade média em exploração dura 85 anos. 09/01/2006 Ciências dos Materiais 2
  • 3. Origem da Cortiça (Sobreiro) • Este é constituído por três zonas distintas. Essas zonas são visíveis quando o tronco do sobreiro é cortado transversalmente, como é possível verificar através da figura: Lenho Entrecasco Cortiça 09/01/2006 Ciências dos Materiais 3
  • 4. Tipos e Classes de Cortiça • Normalmente, considera-se dois tipos de Cortiça: a Cortiça Virgem e a Cortiça de Reprodução. Por sua vez, distinguem-se duas classes de Cortiça de Reprodução: a Cortiça Secundeira e a Cortiça Amadia. A Cortiça Virgem é obtida no primeiro descortiçamento de sobreiros c/ 25 anos de idade. A Cortiça Secundeira é a primeira cortiça de reprodução, ou seja, é a cortiça extraída nove anos após o primeiro descortiçamento. A Cortiça Amadia é extraída nos descortiçamentos posteriores (9 em 9 anos). 09/01/2006 Ciências dos Materiais 4
  • 5. Estrutura Celular da Cortiça • A cortiça deve ser considerada como um “material compósito”, com afinidade, devido à estrutura molecular dos seus constituintes, com os polímeros. • Este material é formado por microcélulas mortas, apresentando normalemente uma forma poliédrica de catorze lados, dispostas de forma compacta, estando os espaços intercelulares totalmente preenchidos com uma mistura gasosa quase idêntica à do ar. • A célula de cortiça apresenta uma quantidade mínima de material sólido e uma quantidade máxima de matéria gasosa, essencialmente formada por ar atmosférico isento de CO2. 09/01/2006 Ciências dos Materiais 5
  • 6. Composição Química A cortiça pode ser quimicamente dividida em seis grupos: • Ceroides são um grupo de compostos de baixa polaridade responsáveis pela impermeabilidade da cortiça. • Taninos são compostos polifenólicos que podem ser extraídos com solventes polares. • Suberina é o componente da cortiça que aparece em maior percentagem, é constituída por uma mistura de ácidos gordos de peso molecular elevado, obtidos por saponificação e posterior extracção com solventes polares. A presença da suberina, torna as células impermeáveis aos líquidos e a gases. A grande flexibilidade das suas membranas, imprimem ao tecido suberoso outras propriedades: a compressibilidade e a elasticidade. 09/01/2006 Ciências dos Materiais 6
  • 7. Composição Química • Polisacáridos constitui cerca de 12% da cortiça, sendo formada, essencialmente por celulose. • Lenhina é um poliéster complexo de massa molecular elevada, este composto dificilmente é hidrolisável, e a sua estrutura é ainda deficientemente conhecida. • Cinzas e outros nas cinzas da cortiça identificou-se os seguintes metais: cálcio, potássio, manganês, ferro, alumínio, magnésio, sódio, bário, estrôncio, cobre, lítio, crómio e titânio, sendo o cálcio e o potássio os elementos que se encontram em maior quantidade. 09/01/2006 Ciências dos Materiais 7
  • 8. Propriedades Mecâncias e Físicas As propriedades da cortiça decorrem naturalmente da sua estrutura e da composição química das membranas celulares. Na estrutura alveolar da cortiça, cada cm3 contém entre 30 e 42 milhões de células. As principais propriedades são: • Resistência ao Desgaste, esta origina um pó muito fino em que as partículas mais pequenas contém apenas algumas dezenas de células. Estas partículas tais como em todos os sólidos que sofrem desgaste, são resultantes de fracturas junto à superfície, sendo a cortiça um dos materiais mais resistentes. 09/01/2006 Ciências dos Materiais 8
  • 9. Propriedades Mecâncias e Físicas • Elasticidade a grande flexibilidade das membradas celulares confere á cortiça compressibilidade e elasticidade, i.é, o poder de readquirir a forma primitiva depois de ter sofrido uma pressão. • Impermeabilidade a presença da suberina confere ao tecido suberoso impermeabilidade, tanto aos gases como aos líquidos, permitindo que a cortiça não apodreça, e seja considerada o melhor vedante que existe. • Condutibilidade Térmica a cortiça tem como característica uma má condutibilidade do ponto de vista, quer térmico, quer acústico e vibratório, Daí que entre todas as substâncias naturais figure nas que se apresentam dotadas de maior poder isolante. 09/01/2006 Ciências dos Materiais 9
  • 10. Defeitos da Cortiça • Porosidade excessiva atendendo a que uma das grandes particularidades da cortiça é a sua permeabilidade ao ar, dependendo esta, não da estrutura alveolar das células mas sim dos poros existentes no tecido suberoso denominados por lentículas, sendo estas responsáveis pela porosidade. 09/01/2006 Ciências dos Materiais 10
  • 11. Defeitos da Cortiça • Densidade a do tecido suberoso é normalmente muito baixa, a ela se devendo a bem patente flutuabilidade e leveza da cortiça. A densidade anormal provém, quer da largura dos raios liberinos que formam paredes muito espessas, originando a cortiça preguenta, quer da presença de esclerênquima e de tecidos liberinos e felodérmicos no tecido suberoso ao qual se dá o nome de cortiça madeirenta. A excessiva densidade provoca dureza o que excluí a cortiça de aplicações onde a elasticidade seja o principal requisito. 09/01/2006 Ciências dos Materiais 11
  • 12. Aplicações da Cortiça 09/01/2006 Ciências dos Materiais 12
  • 13. FIM Trabalho elaborado por: • Sérgio Paulo Lopes da Rocha Engenharia de Produção e Manutenção Industrial – 1º Ano 09/01/2006 Ciências dos Materiais 13