SlideShare uma empresa Scribd logo
Alunas:
Laís Ferraz
Melizia Mohara
O QUE É MADEIRA?
É um polímero natural resultante do processo de fotossíntese,
pelo qual as plantas convertem energia radiante do sol em energia
química na forma de glicose, tendo a clorofila como catalisador desse
processo.
Usadas com consciência
ambiental, estruturas de madeira
são práticas, belas e duráveis. A
madeira é um dos materiais de
utilização mais antiga nas
construções, foi utilizada por todo
o mundo, quer nas civilizações
primitivas, quer nas
desenvolvidas, no oriente ou
ocidente.
O QUE É MADEIRA?
 Custo reduzido e é renovável;
 Apresenta diversos padrões de qualidade e estéticos ;
 Permite ligações simples;
 Apresenta resistência mecânica tanto a tração quanto a
compressão.
CARACTERÍSTICAS
Originada durante a vida da árvore, na exploração e transporte da
madeira, na conversão primária, na secagem, na preparação e noutras
operações tecnológicas, sempre que qualquer um desses aspectos
comprometa o valor intrínseco da madeira. Assim, é considerado
defeito toda a irregularidade na constituição e estrutura da madeira
que resultem em alterações lesivas às propriedades físicas e
mecânicas e por consequência na sua aplicação.
DEFEITOS DA MADEIRA
Nos componentes estruturais incluem-se a celulose, as hemiceluloses
e a lenhina, que são macromoléculas responsáveis pelas propriedades
mecânicas da madeira. A composição química da madeira oscila
percentualmente entre 40 a 50 de celulose, 20 a 30 de hemiceluloses e
20 a 35 de lenhina Quimicamente a madeira pode conter extrativos
numa percentagem que varia entre 0 e 10.
Os componentes não estruturais são aqueles que não tomam parte
essencial da formação da estrutura da madeira. São compostos com
baixo grau de polimerização, ou mesmo não polimerizados. Estes
incluem as substâncias solúveis em solventes orgânicos neutros
(álcool, benzeno, tolueno, éter, etc.), solúveis em água, ou que possam
ser arrastados pelo vapor de água. Estes componentes são os
chamados extractivos da madeira.
PROPRIEDADES QUÍMICAS DA MADEIRA
PROPRIEDADES MECÂNICAS
Resistência à compressão – Resistência da madeira a forças que
tendem a encurtar o seu comprimento.
Resistência à tração – Resistência da madeira a forças com
tendência a estender o seu comprimento.
Resistência à flexão – Resistência da madeira a forças ao longo do
seu comprimento.
Dureza – Resistência oferecida pela madeira a forças de
penetração.
PROPRIEDADES FÍSICAS
Higrospicidade – Capacidade da madeira para absorver
humidade da atmosfera envolvente (entumecimento) e de a
perder por evaporação (retracção).
Flexibilidade - Capacidade da madeira para flectir por acção
de forças exercidas sobre si, sem quebrar.
Durabilidade – Propriedade que mede a resistência temporal
da madeira aos agentes prejudiciais, sem putrificar.
VANTAGENS DO USO DA MADEIRA
Produto Natural - a madeira é um produto de origem natural e
renovável, cujo processo produtivo em relação a outros produtos
industrializados, exige baixo consumo energético e respeita a natureza.
Ao contrário de outras matérias-primas a madeira quando envelhece ou
deixa de desempenhar a sua função estrutural, não constitui qualquer
perigo para o meio ambiente, já que é facilmente reconvertida.
Renovável - fazemos uso da madeira como matéria-prima há milhares
de anos. No entanto este recurso contínua disponível e a crescer em
novos povoamentos florestais. Enquanto novas árvores forem
plantadas de forma conscienciosa e sem comprometer os recursos
naturais e, repor as abatidas, a madeira vai continuar a estar
disponível.
Armazéns de Carbono - para a formação da madeira, as árvores
captam o carbono da atmosfera, e libertam oxigénio. Ao fazermos uso
da madeira, estamos a armazenar o carbono absorvido durante o
tempo de vida da obra ou edifício no estado sólido e portanto, a evitar
que este se liberte para a atmosfera e, agrave o problema ambiental
do efeito de estufa.
Excelente Isolante - o isolamento é um aspecto importantíssimo para
a redução da energia usada no aquecimento e climatização de
edifícios. A madeira é um isolante natural que pode reduzir a
quantidade de energia necessária na climatização de espaços
especialmente quando usada em janelas, portas e pavimentos.
Apresenta boas condições naturais de isolamento térmico e absorção
acústica.
VANTAGENS DO USO DA MADEIRA
Fácil de Trabalhar - trata-se de uma matéria-prima muito versátil que
pode ser usada de forma muito variada e que cumpre com certas e
determinadas especificações, de acordo com o tipo de aplicação
pretendida. Permite ligações e emendas fáceis de executar.
Durabilidade - Os arqueólogos pesquisam peças antigas ainda
existentes em madeira tais como: sarcófagos, embarcações,
esculturas, utensílios domésticos,
VANTAGENS DO USO DA MADEIRA
Variabilidade - é um material fundamentalmente heterogéneo e
anisotrópico. Mesmo depois de transformada, quando já empregue na
construção, a madeira é muito sensível ao ambiente, aumentando ou
diminuindo de dimensões com as variações de humidade.
Vulnerabilidade - é bastante vulnerável aos agentes externos, e a sua
durabilidade é limitada, quando não são tomadas medidas preventivas.
Combustível.
Dimensões - são limitadas: formas alongadas, de secção transversal
reduzida.
DESVANTAGENS DO USO DA MADEIRA
UTILIZAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL
A utilização de madeira na construção não é nenhuma
novidade. Desde a antiguidade ela é utilizada seja de uma maneira
funcional (estrutura, cobertura, etc), seja de maneira decorativa. O que
mudou com o tempo foram as técnicas de construção com madeira,
seu melhoramento em relação à resistência ao tempo e a forma que
este material é utilizado na arquitetura. Algumas das características
marcantes da madeira são as de serem isolantes naturais, térmico e
acústico. O conforto numa casa de madeira é percebido através da
manutenção de uma temperatura sempre estável, em qualquer época
do ano.
A madeira de demolição pode ser modelada de várias formas.
Com aspectos particulares como a aparência envelhecida, o material
tem uma versatilidade que nenhum outro material tem, podendo
receber tratamentos diferenciados ao longo dos
A madeira reaproveitada da demolição de construções é
geralmente encontrada nas estruturas e nas matérias-primas. Para a
reutilização desse material, que é extremamente durável, a madeira
passa por um processo de estufa natural para garantir alta resistência
contra rachaduras e empenamentos por estar extremamente seca.
CONCEITOS DE SUSTENTABILIDADE
Entre as madeiras de demolição comercializadas estão: Peroba,
Jacarandá, Ipê, Canela, Pinho e Riga.
A construção sustentável é antes de qualquer coisa um sistema construtivo que
visa atender as necessidades de edificação, preservando o meio ambiente
e os recursos naturais, promovendo alterações conscientes no entorno e
garantindo a qualidade de vida para as gerações atuais e futuras
CONCEITOS DE SUSTENTABILIDADE
MADEIRAS DE REFLORESTAMENTO
Em outros países o uso da madeira de reflorestamento é
bastante difundido, e no Brasil as madeiras provenientes de áreas
reflorestadas estão sendo introduzidas de forma crescente para uso na
construção civil.Essa utilização tem se expandido significativamente,
superando obstáculos e preconceitos relacionados à qualidade da
madeira. As madeiras de reflorestamento que se destacam na
construção civil são o Pinus e Eucalipto

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila madeiras
Apostila madeirasApostila madeiras
Apostila madeiras
Eliezer Silva
 
Lajes
LajesLajes
Madeiras
MadeirasMadeiras
Aula revestimentos
Aula   revestimentos Aula   revestimentos
Aula revestimentos
wendellnml
 
4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas
4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas
4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas
profNICODEMOS
 
Ensaio de granulometria
Ensaio de granulometriaEnsaio de granulometria
Ensaio de granulometria
Ezequiel Borges
 
2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas
Willian De Sá
 
Argamassa - Materiais de Construção
Argamassa - Materiais de ConstruçãoArgamassa - Materiais de Construção
Argamassa - Materiais de Construção
David Grubba
 
3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas
Willian De Sá
 
Aulas de concreto armado
Aulas de concreto armadoAulas de concreto armado
Aulas de concreto armado
Luciana Paixão Arquitetura
 
Aula 01 classificação dos materiais
Aula 01 classificação dos materiaisAula 01 classificação dos materiais
Aula 01 classificação dos materiais
Wilton Batista
 
Concreto Protendido
Concreto ProtendidoConcreto Protendido
Concreto Protendido
Caio Talarico
 
agregados
agregados agregados
agregados
Paulo Cabral
 
Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)
Danilo Max
 
Materiais de construções
Materiais de construçõesMateriais de construções
Materiais de construções
charlessousa192
 
Aula 2 ensaios mecânicos e end - ensaio de tração
Aula 2   ensaios mecânicos e end - ensaio de traçãoAula 2   ensaios mecânicos e end - ensaio de tração
Aula 2 ensaios mecânicos e end - ensaio de tração
Alex Leal
 
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
Eduardo Spech
 
Estruturas de madeira (1) jwood
Estruturas de madeira (1) jwoodEstruturas de madeira (1) jwood
Estruturas de madeira (1) jwood
carlossilva1889
 
Aula 1-instalacoes-hidraulicas-2
Aula 1-instalacoes-hidraulicas-2Aula 1-instalacoes-hidraulicas-2
Aula 1-instalacoes-hidraulicas-2
Djair Felix
 
Agregados
AgregadosAgregados
Agregados
David Grubba
 

Mais procurados (20)

Apostila madeiras
Apostila madeirasApostila madeiras
Apostila madeiras
 
Lajes
LajesLajes
Lajes
 
Madeiras
MadeirasMadeiras
Madeiras
 
Aula revestimentos
Aula   revestimentos Aula   revestimentos
Aula revestimentos
 
4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas
4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas
4º lista de exercício avaliativo sobre argamassas
 
Ensaio de granulometria
Ensaio de granulometriaEnsaio de granulometria
Ensaio de granulometria
 
2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas2. forças que atuam nas estruturas
2. forças que atuam nas estruturas
 
Argamassa - Materiais de Construção
Argamassa - Materiais de ConstruçãoArgamassa - Materiais de Construção
Argamassa - Materiais de Construção
 
3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas3. cálculo dos esforços em vigas
3. cálculo dos esforços em vigas
 
Aulas de concreto armado
Aulas de concreto armadoAulas de concreto armado
Aulas de concreto armado
 
Aula 01 classificação dos materiais
Aula 01 classificação dos materiaisAula 01 classificação dos materiais
Aula 01 classificação dos materiais
 
Concreto Protendido
Concreto ProtendidoConcreto Protendido
Concreto Protendido
 
agregados
agregados agregados
agregados
 
Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)
 
Materiais de construções
Materiais de construçõesMateriais de construções
Materiais de construções
 
Aula 2 ensaios mecânicos e end - ensaio de tração
Aula 2   ensaios mecânicos e end - ensaio de traçãoAula 2   ensaios mecânicos e end - ensaio de tração
Aula 2 ensaios mecânicos e end - ensaio de tração
 
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
 
Estruturas de madeira (1) jwood
Estruturas de madeira (1) jwoodEstruturas de madeira (1) jwood
Estruturas de madeira (1) jwood
 
Aula 1-instalacoes-hidraulicas-2
Aula 1-instalacoes-hidraulicas-2Aula 1-instalacoes-hidraulicas-2
Aula 1-instalacoes-hidraulicas-2
 
Agregados
AgregadosAgregados
Agregados
 

Semelhante a Madeira (Resistência dos materiais)

Os materiais madeira
Os materiais  madeiraOs materiais  madeira
Os materiais madeira
João Jesus
 
2011 cumaru carolinewrubleski
2011 cumaru carolinewrubleski2011 cumaru carolinewrubleski
2011 cumaru carolinewrubleski
Ambiente Construído II
 
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdfMATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
laurabrt2002
 
Tipos de madeiras
Tipos de madeirasTipos de madeiras
Tipos de madeiras
onaibaf2003
 
Dormentes
DormentesDormentes
Tipos de madeiras
Tipos de madeirasTipos de madeiras
Tipos de madeiras
Jocelyn Queiroz
 
Construções Especiais - Aula 4 - características e propriedades.pdf
Construções Especiais - Aula 4 - características e propriedades.pdfConstruções Especiais - Aula 4 - características e propriedades.pdf
Construções Especiais - Aula 4 - características e propriedades.pdf
Antonio Batista Bezerra Neto
 
SLIDE DE MCC - MATERIAL MISTURADO - MADEIRA, ESTATISTICA E FILOSOFIA.pptx
SLIDE DE MCC -  MATERIAL MISTURADO - MADEIRA, ESTATISTICA E FILOSOFIA.pptxSLIDE DE MCC -  MATERIAL MISTURADO - MADEIRA, ESTATISTICA E FILOSOFIA.pptx
SLIDE DE MCC - MATERIAL MISTURADO - MADEIRA, ESTATISTICA E FILOSOFIA.pptx
MiguelFrancisco59
 
2011 itauba marinarosa
2011 itauba marinarosa2011 itauba marinarosa
2011 itauba marinarosa
Ambiente Construído II
 
A durabilidade-dos-móveis
A durabilidade-dos-móveisA durabilidade-dos-móveis
A durabilidade-dos-móveis
Moisés Verza
 
Madeira apostila 2012
Madeira   apostila 2012Madeira   apostila 2012
Madeira apostila 2012
Carlos Elson Cunha
 
aula 4.pptxhhjjkkllçççççççlkjhvcxsaasddfggbbvvcdxd
aula 4.pptxhhjjkkllçççççççlkjhvcxsaasddfggbbvvcdxdaula 4.pptxhhjjkkllçççççççlkjhvcxsaasddfggbbvvcdxd
aula 4.pptxhhjjkkllçççççççlkjhvcxsaasddfggbbvvcdxd
kathsilvas15
 
2011 madeira plástica vivian dallin
2011 madeira plástica vivian dallin2011 madeira plástica vivian dallin
2011 madeira plástica vivian dallin
Ambiente Construído II
 
Aula 1 madeira
Aula 1   madeiraAula 1   madeira
Aula 1 madeira
Luiz Santos
 
Assoalho de madeira lilian
Assoalho de madeira lilianAssoalho de madeira lilian
Assoalho de madeira lilian
Ambiente Construído II
 
Assoalho de madeira lilian
Assoalho de madeira lilianAssoalho de madeira lilian
Assoalho de madeira lilian
Ambiente Construído II
 
Aula3 materiais
Aula3 materiaisAula3 materiais
Aula3 materiais
Tiago Cruz
 
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificaçãoEstruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
caduelaia
 
Casas e produtos desdobrável v6 PT.pdf
Casas e produtos desdobrável v6 PT.pdfCasas e produtos desdobrável v6 PT.pdf
Casas e produtos desdobrável v6 PT.pdf
AnaPeralta54
 
Apostila sobre madeiras
Apostila sobre madeirasApostila sobre madeiras
Apostila sobre madeiras
americo458
 

Semelhante a Madeira (Resistência dos materiais) (20)

Os materiais madeira
Os materiais  madeiraOs materiais  madeira
Os materiais madeira
 
2011 cumaru carolinewrubleski
2011 cumaru carolinewrubleski2011 cumaru carolinewrubleski
2011 cumaru carolinewrubleski
 
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdfMATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
 
Tipos de madeiras
Tipos de madeirasTipos de madeiras
Tipos de madeiras
 
Dormentes
DormentesDormentes
Dormentes
 
Tipos de madeiras
Tipos de madeirasTipos de madeiras
Tipos de madeiras
 
Construções Especiais - Aula 4 - características e propriedades.pdf
Construções Especiais - Aula 4 - características e propriedades.pdfConstruções Especiais - Aula 4 - características e propriedades.pdf
Construções Especiais - Aula 4 - características e propriedades.pdf
 
SLIDE DE MCC - MATERIAL MISTURADO - MADEIRA, ESTATISTICA E FILOSOFIA.pptx
SLIDE DE MCC -  MATERIAL MISTURADO - MADEIRA, ESTATISTICA E FILOSOFIA.pptxSLIDE DE MCC -  MATERIAL MISTURADO - MADEIRA, ESTATISTICA E FILOSOFIA.pptx
SLIDE DE MCC - MATERIAL MISTURADO - MADEIRA, ESTATISTICA E FILOSOFIA.pptx
 
2011 itauba marinarosa
2011 itauba marinarosa2011 itauba marinarosa
2011 itauba marinarosa
 
A durabilidade-dos-móveis
A durabilidade-dos-móveisA durabilidade-dos-móveis
A durabilidade-dos-móveis
 
Madeira apostila 2012
Madeira   apostila 2012Madeira   apostila 2012
Madeira apostila 2012
 
aula 4.pptxhhjjkkllçççççççlkjhvcxsaasddfggbbvvcdxd
aula 4.pptxhhjjkkllçççççççlkjhvcxsaasddfggbbvvcdxdaula 4.pptxhhjjkkllçççççççlkjhvcxsaasddfggbbvvcdxd
aula 4.pptxhhjjkkllçççççççlkjhvcxsaasddfggbbvvcdxd
 
2011 madeira plástica vivian dallin
2011 madeira plástica vivian dallin2011 madeira plástica vivian dallin
2011 madeira plástica vivian dallin
 
Aula 1 madeira
Aula 1   madeiraAula 1   madeira
Aula 1 madeira
 
Assoalho de madeira lilian
Assoalho de madeira lilianAssoalho de madeira lilian
Assoalho de madeira lilian
 
Assoalho de madeira lilian
Assoalho de madeira lilianAssoalho de madeira lilian
Assoalho de madeira lilian
 
Aula3 materiais
Aula3 materiaisAula3 materiais
Aula3 materiais
 
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificaçãoEstruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
 
Casas e produtos desdobrável v6 PT.pdf
Casas e produtos desdobrável v6 PT.pdfCasas e produtos desdobrável v6 PT.pdf
Casas e produtos desdobrável v6 PT.pdf
 
Apostila sobre madeiras
Apostila sobre madeirasApostila sobre madeiras
Apostila sobre madeiras
 

Último

-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 

Último (20)

-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 

Madeira (Resistência dos materiais)

  • 2. O QUE É MADEIRA? É um polímero natural resultante do processo de fotossíntese, pelo qual as plantas convertem energia radiante do sol em energia química na forma de glicose, tendo a clorofila como catalisador desse processo.
  • 3. Usadas com consciência ambiental, estruturas de madeira são práticas, belas e duráveis. A madeira é um dos materiais de utilização mais antiga nas construções, foi utilizada por todo o mundo, quer nas civilizações primitivas, quer nas desenvolvidas, no oriente ou ocidente. O QUE É MADEIRA?
  • 4.  Custo reduzido e é renovável;  Apresenta diversos padrões de qualidade e estéticos ;  Permite ligações simples;  Apresenta resistência mecânica tanto a tração quanto a compressão. CARACTERÍSTICAS
  • 5. Originada durante a vida da árvore, na exploração e transporte da madeira, na conversão primária, na secagem, na preparação e noutras operações tecnológicas, sempre que qualquer um desses aspectos comprometa o valor intrínseco da madeira. Assim, é considerado defeito toda a irregularidade na constituição e estrutura da madeira que resultem em alterações lesivas às propriedades físicas e mecânicas e por consequência na sua aplicação. DEFEITOS DA MADEIRA
  • 6. Nos componentes estruturais incluem-se a celulose, as hemiceluloses e a lenhina, que são macromoléculas responsáveis pelas propriedades mecânicas da madeira. A composição química da madeira oscila percentualmente entre 40 a 50 de celulose, 20 a 30 de hemiceluloses e 20 a 35 de lenhina Quimicamente a madeira pode conter extrativos numa percentagem que varia entre 0 e 10. Os componentes não estruturais são aqueles que não tomam parte essencial da formação da estrutura da madeira. São compostos com baixo grau de polimerização, ou mesmo não polimerizados. Estes incluem as substâncias solúveis em solventes orgânicos neutros (álcool, benzeno, tolueno, éter, etc.), solúveis em água, ou que possam ser arrastados pelo vapor de água. Estes componentes são os chamados extractivos da madeira. PROPRIEDADES QUÍMICAS DA MADEIRA
  • 7. PROPRIEDADES MECÂNICAS Resistência à compressão – Resistência da madeira a forças que tendem a encurtar o seu comprimento. Resistência à tração – Resistência da madeira a forças com tendência a estender o seu comprimento. Resistência à flexão – Resistência da madeira a forças ao longo do seu comprimento. Dureza – Resistência oferecida pela madeira a forças de penetração.
  • 8.
  • 9. PROPRIEDADES FÍSICAS Higrospicidade – Capacidade da madeira para absorver humidade da atmosfera envolvente (entumecimento) e de a perder por evaporação (retracção). Flexibilidade - Capacidade da madeira para flectir por acção de forças exercidas sobre si, sem quebrar. Durabilidade – Propriedade que mede a resistência temporal da madeira aos agentes prejudiciais, sem putrificar.
  • 10. VANTAGENS DO USO DA MADEIRA Produto Natural - a madeira é um produto de origem natural e renovável, cujo processo produtivo em relação a outros produtos industrializados, exige baixo consumo energético e respeita a natureza. Ao contrário de outras matérias-primas a madeira quando envelhece ou deixa de desempenhar a sua função estrutural, não constitui qualquer perigo para o meio ambiente, já que é facilmente reconvertida. Renovável - fazemos uso da madeira como matéria-prima há milhares de anos. No entanto este recurso contínua disponível e a crescer em novos povoamentos florestais. Enquanto novas árvores forem plantadas de forma conscienciosa e sem comprometer os recursos naturais e, repor as abatidas, a madeira vai continuar a estar disponível.
  • 11. Armazéns de Carbono - para a formação da madeira, as árvores captam o carbono da atmosfera, e libertam oxigénio. Ao fazermos uso da madeira, estamos a armazenar o carbono absorvido durante o tempo de vida da obra ou edifício no estado sólido e portanto, a evitar que este se liberte para a atmosfera e, agrave o problema ambiental do efeito de estufa. Excelente Isolante - o isolamento é um aspecto importantíssimo para a redução da energia usada no aquecimento e climatização de edifícios. A madeira é um isolante natural que pode reduzir a quantidade de energia necessária na climatização de espaços especialmente quando usada em janelas, portas e pavimentos. Apresenta boas condições naturais de isolamento térmico e absorção acústica. VANTAGENS DO USO DA MADEIRA
  • 12.
  • 13. Fácil de Trabalhar - trata-se de uma matéria-prima muito versátil que pode ser usada de forma muito variada e que cumpre com certas e determinadas especificações, de acordo com o tipo de aplicação pretendida. Permite ligações e emendas fáceis de executar. Durabilidade - Os arqueólogos pesquisam peças antigas ainda existentes em madeira tais como: sarcófagos, embarcações, esculturas, utensílios domésticos, VANTAGENS DO USO DA MADEIRA
  • 14. Variabilidade - é um material fundamentalmente heterogéneo e anisotrópico. Mesmo depois de transformada, quando já empregue na construção, a madeira é muito sensível ao ambiente, aumentando ou diminuindo de dimensões com as variações de humidade. Vulnerabilidade - é bastante vulnerável aos agentes externos, e a sua durabilidade é limitada, quando não são tomadas medidas preventivas. Combustível. Dimensões - são limitadas: formas alongadas, de secção transversal reduzida. DESVANTAGENS DO USO DA MADEIRA
  • 15. UTILIZAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL A utilização de madeira na construção não é nenhuma novidade. Desde a antiguidade ela é utilizada seja de uma maneira funcional (estrutura, cobertura, etc), seja de maneira decorativa. O que mudou com o tempo foram as técnicas de construção com madeira, seu melhoramento em relação à resistência ao tempo e a forma que este material é utilizado na arquitetura. Algumas das características marcantes da madeira são as de serem isolantes naturais, térmico e acústico. O conforto numa casa de madeira é percebido através da manutenção de uma temperatura sempre estável, em qualquer época do ano.
  • 16. A madeira de demolição pode ser modelada de várias formas. Com aspectos particulares como a aparência envelhecida, o material tem uma versatilidade que nenhum outro material tem, podendo receber tratamentos diferenciados ao longo dos A madeira reaproveitada da demolição de construções é geralmente encontrada nas estruturas e nas matérias-primas. Para a reutilização desse material, que é extremamente durável, a madeira passa por um processo de estufa natural para garantir alta resistência contra rachaduras e empenamentos por estar extremamente seca. CONCEITOS DE SUSTENTABILIDADE
  • 17. Entre as madeiras de demolição comercializadas estão: Peroba, Jacarandá, Ipê, Canela, Pinho e Riga. A construção sustentável é antes de qualquer coisa um sistema construtivo que visa atender as necessidades de edificação, preservando o meio ambiente e os recursos naturais, promovendo alterações conscientes no entorno e garantindo a qualidade de vida para as gerações atuais e futuras CONCEITOS DE SUSTENTABILIDADE
  • 18. MADEIRAS DE REFLORESTAMENTO Em outros países o uso da madeira de reflorestamento é bastante difundido, e no Brasil as madeiras provenientes de áreas reflorestadas estão sendo introduzidas de forma crescente para uso na construção civil.Essa utilização tem se expandido significativamente, superando obstáculos e preconceitos relacionados à qualidade da madeira. As madeiras de reflorestamento que se destacam na construção civil são o Pinus e Eucalipto