SlideShare uma empresa Scribd logo
1
A CORTIÇA
ÍNDICE:
O que é - p. 2
Características - p.3
Ambiente e sustentabilidade – p.4
A importância da cortiça – p.7
Objetos feitos de cortiça – p.8
Sites de informações – p.10
2
O QUE É A CORTIÇA
Cortiça é um material de origem vegetal da casca dos
sobreiros, leve e com grande poder isolante. A razão pela
qual a cortiça possui estas características é a sua
composição rica em suberina, uma substância lipídica
(gordurosa) que se acumula na parede celular. A presença
desta substância impede a entrada de produtos tóxicos.
A primeira extracção da cortiça ocorre, normalmente,
quando a árvore atinge entre 25 a 30 anos, sendo que a
extracção ocorre nos meses de Junho a Agosto. Essa
cortiça, por vezes com espessura considerável, recebe o
nome de virgem e distingue-se substancialmente da
cortiça de reprodução extraída nos períodos seguintes.
A partir daí, é retirada de 9 em 9 anos.
3
CARACTERISTICAS
LEVE
Mais de 50% do seu volume é ar, o que a torna muito
leve - pesa apenas 0,16 gramas por centímetro cúbico e
flutua.
ELÁSTICA E COMPRESSÍVEL
É o único sólido que ao ser apertado num dos lados não
aumenta de volume no outro. E tem uma «memória
elástica» que lhe permite adaptar-se a variações de
temperatura e de pressão. Esta característica deve-se à
mistura gasosa entre cada célula, que facilita a sua
compressão até cerca de metade da sua largura e a
descompressão, regressando à forma original.
IMPERMEÁVEL A LÍQUIDOS E A GASES
4
Graças à suberina e aos ceróides presentes nas paredes
das células, a cortiça é impermeável a líquidos e a gases.
A sua resistência à humidade permite-lhe envelhecer sem
se deteriorar.
EXCELENTE CAPACIDADE DE ISOLAMENTO
TÉRMICO E ACÚSTICO
A cortiça tem uma baixa condutividade de calor, som e
vibração. Isto acontece porque os elementos gasosos que
contém estão fechados em pequenos comportimentos
impermeáveis e isolados uns dos outros.
ELEVADA RESISTÊNCIA AO ATRITO
O facto de as suas células serem formadas por
microscópicas almofadas gasosas torna a cortiça muito
confortável. Mais do que confortável, é saudável, pois a
capacidade de absorver os choques alivia a pressão sobre
os pés, protegendo as articulações e a coluna.
SUAVE AO TOQUE
Em termos sensoriais, é um produto suave ao toque, com
um odor muito característico, levemente adocicado. Com
uma temperatura natural muito aproximada à do corpo
humano, transmite uma sensação de conforto difícil de
replicar com qualquer outro material.
5
AMBIENTE E
SUSTENTABILIDADE
A extração regular da cortiça do sobreiro é muito importante para a
sustentabilidade dos montados, adaptados a uma exploração
económica num contexto multiuso em perfeita harmonia com a
proteção ambiental. O sobreiro é parte de um sistema multifuncional
e estável em equilíbrio com o seu ambiente.
O valor ambiental do montado está relacionado com o seu
comportamento como barreira contra a desertificação e pelo facto de
ser um sistema de elevada biodiversidade, para além de prestar um
importante contributo para a fixação de CO2, e da potenciação do
seu uso como área de lazer.
Em relação aos aspectos sociais, a exploração da cortiça permite a
criação/manutenção de um volume importante de emprego,
nomeadamente em zonas carenciadas, através das operações de
tiradia, poda e tratamentos culturais ou de intervenção nos solos,
onde cerca de 6000 pessoas trabalham sazonalmente. Existem em
Portugal cerca de 900 empresas relacionadas com a cortiça onde
trabalham cerca de 15000 pessoas.
6
Implementamos actividades orientadas para o ambiente e para as
pessoas, sobre as quais é construída a nossa política de
Responsabilidade Social Corporativa:
O montado de sobro, comunidade local e desenvolvimento nacional.
Contribuímos para a sustentabilidade do montado e da economia
local com a aquisição de matéria-prima, assegurando a vida das
populações em áreas geográficas menos favorecidas.
A cortiça é um dos sectores mais importantes para as exportações de
Portugal, sendo o JPSCorkGroup um dos mais fortes exportadores do
sector.
Ecossistema e biodiversidade.
A actividade do grupo contribui para a manutenção da floresta (e,
logo, retenção de 4,8 milhões de toneladas por ano de CO2),
auxiliando na preservação da fauna e da flora características e
exclusivas.
7
A IMPORTÂNCIA DA CORTIÇA
Mercado da Cortiça
O contexto sectorial
• Desde 2000 as exportações têm vindo a decrescer
-2001 para 2009
-22% em valor, mas
-aumento de 7,8 % em volume.
-2008 para 2009
- 15 % em valor e
-8 % em volume.
Mas de 2009 para 2010 regista-se uma recuperação de 8% em valor exportado.
Portanto, a cortiça ajuda Portugal na crise financeira.
OBJETOS FEITOS
8
DA CORTIÇA
Da cortiça faz-se as mais variadas coisas:
Malas, alguns vestuários, sapatos, panos de mesa, guarda-sóis,
guarda-chuvas, copos, panelas, cadeiras, mesas, arcas, bolsas,
colchões, paredes, etc. Mas sobretudo rolhas.
9
10
SITES DE
INFORMAÇÕES
Cortiça – Wikipédia, a enciclopédia livre;
Características, A Cortiça - Corticeira Amorim, Líder
Mundial…;
Dimensão social, económica e ambiental da produção
de… ;
A IMPORTÂNCIA DA CORTIÇA NO PANORAMA
NACIONA.
TRABALHO REALIZADO POR: SMILLA HATSCHER
Nº 9 6º A

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Peste negra
Peste negraPeste negra
Peste negra
joaopada
 
Rural versus urbano
Rural versus urbanoRural versus urbano
Rural versus urbano
Idalina Leite
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
Carla Teixeira
 
A Sociedade no Século XIX
A Sociedade no Século XIXA Sociedade no Século XIX
A Sociedade no Século XIX
José Ferreira
 
Fatores de identidade cultural
Fatores de identidade culturalFatores de identidade cultural
Fatores de identidade cultural
cristina Mendes
 
Minho/Douro Litoral/Trás-os-Montes
Minho/Douro Litoral/Trás-os-MontesMinho/Douro Litoral/Trás-os-Montes
Minho/Douro Litoral/Trás-os-Montes
ceusemedo
 
3 r agrária alentejo
3   r agrária alentejo3   r agrária alentejo
3 r agrária alentejo
Pelo Siro
 
Tipos de Pesca
Tipos de PescaTipos de Pesca
Tipos de Pesca
Geografia .
 
1º de dezembro
1º de dezembro1º de dezembro
1º de dezembro
Ana Paiva
 
Factores Bióticos
Factores BióticosFactores Bióticos
Factores Bióticos
Catir
 
Silvicultura
SilviculturaSilvicultura
Silvicultura
mariajosantos
 
Comunid humanas
Comunid humanasComunid humanas
Comunid humanas
cattonia
 
Trabalho tema processos de controlo do esforço
Trabalho tema processos de controlo do esforçoTrabalho tema processos de controlo do esforço
Trabalho tema processos de controlo do esforço
Tiago Garcia
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
cattonia
 
Descoberta e exploração da Costa Africana
Descoberta e exploração da Costa AfricanaDescoberta e exploração da Costa Africana
Descoberta e exploração da Costa Africana
Maria Gomes
 
áReas de fixação da população
áReas de fixação da populaçãoáReas de fixação da população
áReas de fixação da população
Paula Tomaz
 
Conquista de ceuta
Conquista de ceutaConquista de ceuta
Conquista de ceuta
Susana Simões
 
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIVSociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Catarina Castro
 
O Mercantilismo Em Portugal
O Mercantilismo Em PortugalO Mercantilismo Em Portugal
O Mercantilismo Em Portugal
Sílvia Mendonça
 
Produção agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- AlentejoProdução agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- Alentejo
Davide Ferreira
 

Mais procurados (20)

Peste negra
Peste negraPeste negra
Peste negra
 
Rural versus urbano
Rural versus urbanoRural versus urbano
Rural versus urbano
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A Sociedade no Século XIX
A Sociedade no Século XIXA Sociedade no Século XIX
A Sociedade no Século XIX
 
Fatores de identidade cultural
Fatores de identidade culturalFatores de identidade cultural
Fatores de identidade cultural
 
Minho/Douro Litoral/Trás-os-Montes
Minho/Douro Litoral/Trás-os-MontesMinho/Douro Litoral/Trás-os-Montes
Minho/Douro Litoral/Trás-os-Montes
 
3 r agrária alentejo
3   r agrária alentejo3   r agrária alentejo
3 r agrária alentejo
 
Tipos de Pesca
Tipos de PescaTipos de Pesca
Tipos de Pesca
 
1º de dezembro
1º de dezembro1º de dezembro
1º de dezembro
 
Factores Bióticos
Factores BióticosFactores Bióticos
Factores Bióticos
 
Silvicultura
SilviculturaSilvicultura
Silvicultura
 
Comunid humanas
Comunid humanasComunid humanas
Comunid humanas
 
Trabalho tema processos de controlo do esforço
Trabalho tema processos de controlo do esforçoTrabalho tema processos de controlo do esforço
Trabalho tema processos de controlo do esforço
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Descoberta e exploração da Costa Africana
Descoberta e exploração da Costa AfricanaDescoberta e exploração da Costa Africana
Descoberta e exploração da Costa Africana
 
áReas de fixação da população
áReas de fixação da populaçãoáReas de fixação da população
áReas de fixação da população
 
Conquista de ceuta
Conquista de ceutaConquista de ceuta
Conquista de ceuta
 
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIVSociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
 
O Mercantilismo Em Portugal
O Mercantilismo Em PortugalO Mercantilismo Em Portugal
O Mercantilismo Em Portugal
 
Produção agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- AlentejoProdução agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- Alentejo
 

Destaque

A cortiça (apresentação)
A cortiça (apresentação)A cortiça (apresentação)
A cortiça (apresentação)
Sérgio Rocha
 
Trabalho cortiça
Trabalho   cortiçaTrabalho   cortiça
Trabalho cortiça
Laura Canário
 
Cortiça
CortiçaCortiça
Cortiça
Rui107
 
Conheça a árvore que produz a cortiça
Conheça a árvore que produz a cortiçaConheça a árvore que produz a cortiça
Conheça a árvore que produz a cortiça
Baú do Luizinho - Campo Mourão - PR Brasil
 
A cortiça
A cortiçaA cortiça
A cortiça
Sérgio Rocha
 
Trabalho cortiça no espaço
Trabalho   cortiça no espaçoTrabalho   cortiça no espaço
Trabalho cortiça no espaço
Laura Canário
 

Destaque (6)

A cortiça (apresentação)
A cortiça (apresentação)A cortiça (apresentação)
A cortiça (apresentação)
 
Trabalho cortiça
Trabalho   cortiçaTrabalho   cortiça
Trabalho cortiça
 
Cortiça
CortiçaCortiça
Cortiça
 
Conheça a árvore que produz a cortiça
Conheça a árvore que produz a cortiçaConheça a árvore que produz a cortiça
Conheça a árvore que produz a cortiça
 
A cortiça
A cortiçaA cortiça
A cortiça
 
Trabalho cortiça no espaço
Trabalho   cortiça no espaçoTrabalho   cortiça no espaço
Trabalho cortiça no espaço
 

Semelhante a A cortiça

Treinamento de Coleta Seletiva.ppt
Treinamento de Coleta Seletiva.pptTreinamento de Coleta Seletiva.ppt
Treinamento de Coleta Seletiva.ppt
WellingtonBarbosa63
 
Fibra de coco
Fibra de cocoFibra de coco
Fibra natural
Fibra naturalFibra natural
Escola se..[1]
Escola se..[1]Escola se..[1]
Escola se..[1]
catarinaosorio
 
Trabalho de A.P
Trabalho de A.PTrabalho de A.P
Trabalho de A.P
catarinaosorio
 
07 Paulo Bessa Amorim 22 Jan 2010 Ics
07 Paulo Bessa Amorim 22 Jan 2010 Ics07 Paulo Bessa Amorim 22 Jan 2010 Ics
07 Paulo Bessa Amorim 22 Jan 2010 Ics
Construção Sustentável
 
52 gestos para biodiversidade.pdf
52 gestos para biodiversidade.pdf52 gestos para biodiversidade.pdf
52 gestos para biodiversidade.pdf
AMG Sobrenome
 
52 gestos para a Biodiversidade
52 gestos para a Biodiversidade52 gestos para a Biodiversidade
52 gestos para a Biodiversidade
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
A FLORESTA
A FLORESTAA FLORESTA
A FLORESTA
be23ceb
 
Desflorestação
Desflorestação   Desflorestação
Desflorestação
CoordTic
 
02 romario 14 00
02 romario 14 0002 romario 14 00
02 romario 14 00
forumsustentar
 
Livro projeto telaris capitulo 7 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 7 ciencias 6º anoLivro projeto telaris capitulo 7 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 7 ciencias 6º ano
Renan Silva
 
A Cortiça e o Ambiente
A Cortiça e o AmbienteA Cortiça e o Ambiente
A Cortiça e o Ambiente
ladinosderodes
 
Apresentação NP Nanoprotetores
Apresentação NP NanoprotetoresApresentação NP Nanoprotetores
Apresentação NP Nanoprotetores
NP Nanoprotetores
 
biomimicry approach to sports
biomimicry approach to sportsbiomimicry approach to sports
biomimicry approach to sports
Clecio de Lacerda
 
Apresentação: empresa celulose e papel pappercut
Apresentação:   empresa celulose  e papel pappercutApresentação:   empresa celulose  e papel pappercut
Apresentação: empresa celulose e papel pappercut
Karina Miranda
 
O que um tomate pode nos ensinar sobre Sustentabilidade?
O que um tomate pode nos ensinar sobre Sustentabilidade?O que um tomate pode nos ensinar sobre Sustentabilidade?
O que um tomate pode nos ensinar sobre Sustentabilidade?
Gestao Origami
 
alimentos
alimentosalimentos
alimentos
YamVictor
 
A Floresta
A FlorestaA Floresta
A Floresta
BE/CRE
 
A FLORESTA
A FLORESTAA FLORESTA
A FLORESTA
be23ceb
 

Semelhante a A cortiça (20)

Treinamento de Coleta Seletiva.ppt
Treinamento de Coleta Seletiva.pptTreinamento de Coleta Seletiva.ppt
Treinamento de Coleta Seletiva.ppt
 
Fibra de coco
Fibra de cocoFibra de coco
Fibra de coco
 
Fibra natural
Fibra naturalFibra natural
Fibra natural
 
Escola se..[1]
Escola se..[1]Escola se..[1]
Escola se..[1]
 
Trabalho de A.P
Trabalho de A.PTrabalho de A.P
Trabalho de A.P
 
07 Paulo Bessa Amorim 22 Jan 2010 Ics
07 Paulo Bessa Amorim 22 Jan 2010 Ics07 Paulo Bessa Amorim 22 Jan 2010 Ics
07 Paulo Bessa Amorim 22 Jan 2010 Ics
 
52 gestos para biodiversidade.pdf
52 gestos para biodiversidade.pdf52 gestos para biodiversidade.pdf
52 gestos para biodiversidade.pdf
 
52 gestos para a Biodiversidade
52 gestos para a Biodiversidade52 gestos para a Biodiversidade
52 gestos para a Biodiversidade
 
A FLORESTA
A FLORESTAA FLORESTA
A FLORESTA
 
Desflorestação
Desflorestação   Desflorestação
Desflorestação
 
02 romario 14 00
02 romario 14 0002 romario 14 00
02 romario 14 00
 
Livro projeto telaris capitulo 7 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 7 ciencias 6º anoLivro projeto telaris capitulo 7 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 7 ciencias 6º ano
 
A Cortiça e o Ambiente
A Cortiça e o AmbienteA Cortiça e o Ambiente
A Cortiça e o Ambiente
 
Apresentação NP Nanoprotetores
Apresentação NP NanoprotetoresApresentação NP Nanoprotetores
Apresentação NP Nanoprotetores
 
biomimicry approach to sports
biomimicry approach to sportsbiomimicry approach to sports
biomimicry approach to sports
 
Apresentação: empresa celulose e papel pappercut
Apresentação:   empresa celulose  e papel pappercutApresentação:   empresa celulose  e papel pappercut
Apresentação: empresa celulose e papel pappercut
 
O que um tomate pode nos ensinar sobre Sustentabilidade?
O que um tomate pode nos ensinar sobre Sustentabilidade?O que um tomate pode nos ensinar sobre Sustentabilidade?
O que um tomate pode nos ensinar sobre Sustentabilidade?
 
alimentos
alimentosalimentos
alimentos
 
A Floresta
A FlorestaA Floresta
A Floresta
 
A FLORESTA
A FLORESTAA FLORESTA
A FLORESTA
 

Mais de Rosalia Ribeiro

Enrolhando o fogo!
Enrolhando o fogo!Enrolhando o fogo!
Enrolhando o fogo!
Rosalia Ribeiro
 
Trabalho da cortiça andre
Trabalho da cortiça andreTrabalho da cortiça andre
Trabalho da cortiça andre
Rosalia Ribeiro
 
I tec radical – equipa banana
I tec radical – equipa bananaI tec radical – equipa banana
I tec radical – equipa banana
Rosalia Ribeiro
 
I tec radical – equipa banana
I tec radical – equipa bananaI tec radical – equipa banana
I tec radical – equipa banana
Rosalia Ribeiro
 
I tec radical-equipa-tomates
I tec radical-equipa-tomatesI tec radical-equipa-tomates
I tec radical-equipa-tomates
Rosalia Ribeiro
 
Cenario iTEC
Cenario iTECCenario iTEC
Cenario iTEC
Rosalia Ribeiro
 
Dinâmica externa das rochas
Dinâmica externa das rochasDinâmica externa das rochas
Dinâmica externa das rochas
Rosalia Ribeiro
 

Mais de Rosalia Ribeiro (7)

Enrolhando o fogo!
Enrolhando o fogo!Enrolhando o fogo!
Enrolhando o fogo!
 
Trabalho da cortiça andre
Trabalho da cortiça andreTrabalho da cortiça andre
Trabalho da cortiça andre
 
I tec radical – equipa banana
I tec radical – equipa bananaI tec radical – equipa banana
I tec radical – equipa banana
 
I tec radical – equipa banana
I tec radical – equipa bananaI tec radical – equipa banana
I tec radical – equipa banana
 
I tec radical-equipa-tomates
I tec radical-equipa-tomatesI tec radical-equipa-tomates
I tec radical-equipa-tomates
 
Cenario iTEC
Cenario iTECCenario iTEC
Cenario iTEC
 
Dinâmica externa das rochas
Dinâmica externa das rochasDinâmica externa das rochas
Dinâmica externa das rochas
 

Último

Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 

Último (20)

Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 

A cortiça

  • 1. 1 A CORTIÇA ÍNDICE: O que é - p. 2 Características - p.3 Ambiente e sustentabilidade – p.4 A importância da cortiça – p.7 Objetos feitos de cortiça – p.8 Sites de informações – p.10
  • 2. 2 O QUE É A CORTIÇA Cortiça é um material de origem vegetal da casca dos sobreiros, leve e com grande poder isolante. A razão pela qual a cortiça possui estas características é a sua composição rica em suberina, uma substância lipídica (gordurosa) que se acumula na parede celular. A presença desta substância impede a entrada de produtos tóxicos. A primeira extracção da cortiça ocorre, normalmente, quando a árvore atinge entre 25 a 30 anos, sendo que a extracção ocorre nos meses de Junho a Agosto. Essa cortiça, por vezes com espessura considerável, recebe o nome de virgem e distingue-se substancialmente da cortiça de reprodução extraída nos períodos seguintes. A partir daí, é retirada de 9 em 9 anos.
  • 3. 3 CARACTERISTICAS LEVE Mais de 50% do seu volume é ar, o que a torna muito leve - pesa apenas 0,16 gramas por centímetro cúbico e flutua. ELÁSTICA E COMPRESSÍVEL É o único sólido que ao ser apertado num dos lados não aumenta de volume no outro. E tem uma «memória elástica» que lhe permite adaptar-se a variações de temperatura e de pressão. Esta característica deve-se à mistura gasosa entre cada célula, que facilita a sua compressão até cerca de metade da sua largura e a descompressão, regressando à forma original. IMPERMEÁVEL A LÍQUIDOS E A GASES
  • 4. 4 Graças à suberina e aos ceróides presentes nas paredes das células, a cortiça é impermeável a líquidos e a gases. A sua resistência à humidade permite-lhe envelhecer sem se deteriorar. EXCELENTE CAPACIDADE DE ISOLAMENTO TÉRMICO E ACÚSTICO A cortiça tem uma baixa condutividade de calor, som e vibração. Isto acontece porque os elementos gasosos que contém estão fechados em pequenos comportimentos impermeáveis e isolados uns dos outros. ELEVADA RESISTÊNCIA AO ATRITO O facto de as suas células serem formadas por microscópicas almofadas gasosas torna a cortiça muito confortável. Mais do que confortável, é saudável, pois a capacidade de absorver os choques alivia a pressão sobre os pés, protegendo as articulações e a coluna. SUAVE AO TOQUE Em termos sensoriais, é um produto suave ao toque, com um odor muito característico, levemente adocicado. Com uma temperatura natural muito aproximada à do corpo humano, transmite uma sensação de conforto difícil de replicar com qualquer outro material.
  • 5. 5 AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE A extração regular da cortiça do sobreiro é muito importante para a sustentabilidade dos montados, adaptados a uma exploração económica num contexto multiuso em perfeita harmonia com a proteção ambiental. O sobreiro é parte de um sistema multifuncional e estável em equilíbrio com o seu ambiente. O valor ambiental do montado está relacionado com o seu comportamento como barreira contra a desertificação e pelo facto de ser um sistema de elevada biodiversidade, para além de prestar um importante contributo para a fixação de CO2, e da potenciação do seu uso como área de lazer. Em relação aos aspectos sociais, a exploração da cortiça permite a criação/manutenção de um volume importante de emprego, nomeadamente em zonas carenciadas, através das operações de tiradia, poda e tratamentos culturais ou de intervenção nos solos, onde cerca de 6000 pessoas trabalham sazonalmente. Existem em Portugal cerca de 900 empresas relacionadas com a cortiça onde trabalham cerca de 15000 pessoas.
  • 6. 6 Implementamos actividades orientadas para o ambiente e para as pessoas, sobre as quais é construída a nossa política de Responsabilidade Social Corporativa: O montado de sobro, comunidade local e desenvolvimento nacional. Contribuímos para a sustentabilidade do montado e da economia local com a aquisição de matéria-prima, assegurando a vida das populações em áreas geográficas menos favorecidas. A cortiça é um dos sectores mais importantes para as exportações de Portugal, sendo o JPSCorkGroup um dos mais fortes exportadores do sector. Ecossistema e biodiversidade. A actividade do grupo contribui para a manutenção da floresta (e, logo, retenção de 4,8 milhões de toneladas por ano de CO2), auxiliando na preservação da fauna e da flora características e exclusivas.
  • 7. 7 A IMPORTÂNCIA DA CORTIÇA Mercado da Cortiça O contexto sectorial • Desde 2000 as exportações têm vindo a decrescer -2001 para 2009 -22% em valor, mas -aumento de 7,8 % em volume. -2008 para 2009 - 15 % em valor e -8 % em volume. Mas de 2009 para 2010 regista-se uma recuperação de 8% em valor exportado. Portanto, a cortiça ajuda Portugal na crise financeira. OBJETOS FEITOS
  • 8. 8 DA CORTIÇA Da cortiça faz-se as mais variadas coisas: Malas, alguns vestuários, sapatos, panos de mesa, guarda-sóis, guarda-chuvas, copos, panelas, cadeiras, mesas, arcas, bolsas, colchões, paredes, etc. Mas sobretudo rolhas.
  • 9. 9
  • 10. 10 SITES DE INFORMAÇÕES Cortiça – Wikipédia, a enciclopédia livre; Características, A Cortiça - Corticeira Amorim, Líder Mundial…; Dimensão social, económica e ambiental da produção de… ; A IMPORTÂNCIA DA CORTIÇA NO PANORAMA NACIONA. TRABALHO REALIZADO POR: SMILLA HATSCHER Nº 9 6º A