SlideShare uma empresa Scribd logo
História do Brasil
• “sem ignorar a complexidade do
  processo histórico, a História é uma
  disciplina acessível a pessoas com
  diferentes graus de conhecimento.
  Mais do que isso, é uma disciplina
  vital para a formação de cidadania.
  Não chega a ser cidadão quem não
  consegue se orientar no mundo em
  que vive, a partir do conhecimento da
  vivência das gerações passadas.”
Colônia
"A história tem uma lógica, tem
   normas, tem um processo; tem,
  portanto, uma objetividade. É uma
   ciência igual a outras disciplinas
humanas, é uma ciência humana. Isso
quer dizer que também tem uma certa
relatividade, dependendo da visão do
              historiador."
Por que Portugal foi o país pioneiro na
        expansão marítima?
O que os portugueses pretendiam, ao sair
              de sua terra?
A descoberta foi intencional ou por
             acaso?
O que foi o Tratado de
    Tordesilhas?
Como foram os primeiros contatos entre os
        portugueses e os índios?
Como viviam esses índios?
Qual o papel da Igreja Católica no
         Brasil colonial?
E as capitanias hereditárias?
O que foi o governo geral?
Gêneros tropicais, matérias
             primas Ouro e prata




COLÔNIA
                  Pacto colonial
                                    METRÓPOLE




                Escravos, bens
                industrializados
A economia colonial
 integrada ao sistema capitalista em
  sua área periférica, fornecedora de
  produtos tropicais.
 características: complementar,
  especializada, extrovertida,
  dependente
 sistema de produção – base: grande
  propriedade      (latifúndio), trabalho
  escravo, monocultura
História do Brasil
Pau Brasil
 Monopólio da coroa (1501 a 1859)
 Exploração:
  - arrendamento no início
  - mão-de-obra indígena livre
  - escambo em feitorias
 Não provocou povoamento
História do Brasil
Cana-de-açúcar
• Fatores do êxito:
  - técnica de produção já conhecida
  - condições naturais favoráveis
  - possibilidade de obtenção de
    escravos
  - aplicação de capitais flamengos
  - mercado em expansão: distribuição
    pelos flamengos
História do Brasil
• Características:           grande
  propriedade, grande capital inicial,
  monocultura, produtividade baixa
• Unidade de produção: o engenho
• Decadência:
  - queda dos preços (concorrência
     antilhana)
  - aumento      dos    custos     de
    produção
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
Qual a extensão da efetiva ocupação
            da Colônia?
Por que os portugueses recorreram à
            escravidão?
Quando os portugueses se preocuparam
   com a questão da mão-de-obra?
De que modo esses escravos se
    relacionavam entre si?
Vendedores de capim e leite
História do Brasil
História do Brasil
Era comum a resistência dos
   negros à escravidão?
O que faziam, no Nordeste, os que não
viviam em torno do engenho de açúcar?
Mineração
• controle da exploração: a
  Intendência das Minas
• tributação: imposto do quinto –
  Casas de Fundição
• diamantes: monopólio da coroa –
  Distrito Diamantino
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
• Consequências:
  - grande imigração
  - urbanização
  - maior mobilidade social
  - desenvolvimento cultural
  - eixo demográfico e econômico
   deslocado para o interior
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
Casario colonial – Vila Rica
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
Por que os holandeses vieram ao
            Brasil?
O que gerou a Inconfidência
         Mineira?
Houve outros movimentos de
          revolta?
Quando o sistema colonial entrou em
              crise?
O que mudou com a chegada
      da família real?
Como ocorreu a Independência?
Que idéias eram defendidas para um novo Brasil?
Império
"A história é vital para a
 formação da cidadania. Ela
    nos mostra que, para
   compreender o que está
 acontecendo no presente, é
preciso entender quais foram
os caminhos percorridos pela
    sociedade brasileira."
Houve mesmo uma Independência
          do Brasil?
Qual a diferença entre a Independência do
  Brasil e das ex-colônias espanholas?
Por que se fez aqui uma
monarquia, entre repúblicas?
Que pontos se destacavam na
Constituição imperial de 1824?
Como foi a abdicação?
Como foi a Regência?
Quais os fatos mais importantes do
       Segundo Reinado?
O que pensavam os dois grandes
      partidos brasileiros?
O que foi o parlamentarismo às
           avessas?
Guerra do Paraguai




Que conseqüências essa guerra trouxe
para o Brasil?
A economia cafeeira
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
Como as ferrovias contribuíram para o
         comércio do café?
Como ocorreu a crise do escravismo e a abolição?


                             Como a sociedade acolheu
                                 os ex-escravos?
E a imigração?
Como surgiu a República?
Que fatores contribuíram para o fim do Império?




           transição transada”, sem grandes abalos,
República Velha
"O historiador se vale de uma
  série de fontes, que incluem
desde documentos oficiais até
notícias na imprensa ou coisas
  aparentemente inesperadas,
  como um rótulo de remédio.
   Tudo depende do tipo de
 pesquisa e do tema definido."
Quais as características do começo do período republicano?
Como foi a República da Espada?
Como foi a Constituição de 1891?
Como era o sistema eleitoral?
O que foi o arraial de Canudos?
Houve outros movimentos sociais?
CONSTITUIÇÃO DE 1891




                                   Política café com
                        federal           leite




     DOMÍNIO
   OLIGÁRQUICO         estadual       Política dos
                                     governadores




                       municipal   coronelismo



O que foi a política do café-com-leite?
Qual era o panorama econômico da República Velha?
A borracha da Amazônia?
Houve industrialização?
Por que houve imigração?
O que foi o tenentismo?
Como terminou a República Velha?
Era Vargas
"O fato histórico é um
 acontecimento com impacto
coletivo na vida do presente e
  que deve ser explicado e
       interpretado pelos
          historiadores.
O que Outubro de 1930 representou para o
                Brasil?
Governo Provisório
    (3/11/1930 –
    20/07/1934)
                                  Era Vargas
Governo Constitucional
   (20/07/1934 –
    10/11/1937)
                         • legislação         paternalista
                         trabalhista
     Estado Novo
                         • nacionalismo econômico
   (10/11/1937 –
    29/10/1945)          • investimentos     estatais  na
                         siderurgia e petróleo  indústria
                         de base
Qual foi a política de Getúlio com os
           trabalhadores?
História do Brasil
O que mudou na área econômica?
Qual era o papel da Igreja Católica?
Getúlio não encontrava oposição?
O que houve de novo na
 Constituição de 1934?
Quais eram os movimentos sociais de maior
               expressão?
O que foi a intentona comunista?
O Estado Novo teve apoio popular?
Qual era o quadro da política externa?
História do Brasil
Que partido o Brasil tomou?
História do Brasil
Como terminou o Estado Novo?
Brasil Democrático
        ou
  República Populista
"Chamamos de processo
  histórico o desenrolar dos
 acontecimentos ao longo da
     história. Como esses
  acontecimentos têm uma
lógica, uma relação de causa
e efeito, damos a isso o nome
         de processo."
Quais eram os partidos políticos
 antes da queda de Vargas?
E quanto às mudanças na Constituição de 1946?
Qual era o quadro da política
  internacional na época?
Como se deu a volta de Getúlio
     Vargas ao poder?
            Criada pela Lei nº 2004
             (3/10/1953)

            Empresa de capital misto

            Monopólio     estatal     da
             pesquisa, exploração, refino
             e transporte    de jazidas
             petrolíferas e de outros
             hidrocarbonetos (óleo bruto,
             gases de qualquer origem)
Quais as principais razões para
 a crise do governo Vargas?
O que representou para o país o suicídio de Getúlio?
Qual o legado da Era Vargas?
•   Getúlio Vargas foi o maior estadista brasileiro do século XX e o mais
    controvertido. Para uns, foi o ditador autoritário que mandou Olga Benário,
    a esposa de Prestes, morrer na Alemanha nazista. Para outros, foi o pai
    dos pobres, o homem que fez as leis sociais. Para uns, foi o demagogo
    que, enganando o povo, preservou antigas elites e favoreceu o
    aparecimento de novas. Para outros, foi o líder progressista, renovador das
    estruturas nacionais, criador da Cia. Vale do Rio Doce, Usina de Volta
    Redonda e Petrobrás. Para uns, foi o fascista de 1937. Para outros, foi o
    mártir da carta-testamento de 1954. As controvérsias decorrem
    precisamente do caráter de transição do período histórico e do
    comportamento pragmático e adaptável de Vargas às circunstâncias, desde
    que favorecesse o projeto que tinha em vista: a modernização burguesa do
    Brasil. É sedutor, mas enganoso reduzir Getúlio aos rótulos de herói ou
    vilão, visto que são juízos de valor que, enfatizando suas responsabilidades
    pessoais nos acontecimentos, simultaneamente descontextualizam sua
    atuação histórica.
Slogan do governo JK
“cinquenta anos de progresso em cinco de
governo”
Governo Juscelino Kubitschek
  (31/01/1956 – 31/01/1961)
JK marca uma das fases mais importantes da
história econômica do Brasil:


           desenvolvimentismo
             industrialização
Plano de Metas
  Programa destinado      a    desenvolver
  cinco       setores         considerados
  estratégicos:

a-) energia       (43% do investimento)
b-) transporte    (29% do investimento)
c-) indústria     (21% do investimento)
d-) educação      (4% do investimento)
e-) alimentação   (3% do investimento)
O GOVERNO DE JUSCELINO KUBITSCHEK
            (1956 - 1960)

• O governo de JK criou um clima de euforia
  e otimismo alimentado pela política
  populista e por grandes símbolos como
  Brasília, pela idéia de estar começando
  “um novo tempo”, “uma nova maneira de
  ser” e por um estilo próprio de governo
  (“presidente voador”, “presidente bossa-
  nova”, “presidente sorriso”).
Inauguração da fábrica da Mercedes Benz, em São
Bernardo do Campo, em 28 de setembro de 1956.
Fábrica da Willys Overland do Brasil, em São Bernardo do
                         Campo.
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
Brasília

•   prevista desde a Constituição de 1891;
•   arquiteto Oscar Niemeyer;
•   urbanista Lúcio Costa;
•   inaugurada em 21 de abril de 1960;
•   localizada no Brasil Central  geopolítica /
    “grande meta de integração nacional”.
Plano
Piloto de
Brasília
    –
desenho
 original
de Lúcio
  Costa
História do Brasil
Foto de Milan
Alram (1959)
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
As eleições de 1960
O GOVERNO DE JUSCELINO KUBITSCHEK
            (1956 - 1960)

• Nas eleições de 1960, os candidatos
  foram os seguintes:
  – Jânio Quadros (PDC + UDN + PTN) = 48%
    (campanha da “vassoura”)
  – Mal. Lott ( PSD + PTB + apoio do PCB) = 28
    %
  – Ademar de Barros (PSP) = 23%
História do Brasil
Jânio Quadros: resumo do breve governo

           • O homem do tostão contra o milhão”
           •Governou de 31/01/1961 a 25/08/1961.
           • Grande apoio popular: eleito com quase
           60% dos votos válidos.
           • Apoio da minoria no congresso: menos de
           30%.
           • Lema: “A vassoura contra a corrupção”.
           •Campanha eleitoral baseada na renovação
           de costumes.
Jânio Quadros resumo do breve governo

                               Algumas medidas
                                moralizadoras:
                           •Proíbe o uso de biquínis
                           nas praias.
                           • Proíbe corridas de
                           cavalos em dias úteis.
                           • Manda recolher revistas
O irresistível populista
                           para adultos.
                           •Proíbe shows de
                           hipnotismo.
Jânio Quadros: resumo do breve governo

                         Medidas econômicas:
                 • Economia - Para derrotar a inflação,
                 Jânio adotou uma política econômica
                 ditada pelo FMI (Fundo Monetário
                 Internacional): restringiu o crédito e
                 congelou os salários.
Jânio Quadros: Resumo do breve governo


                             Jânio Quadros e
                             Fidel Castro se
                             encontram. O
                             então candidato
                             à presidência da
                             República visita
                             Cuba e assume
                             cada vez mais
                             sua posição anti-
                             americanista
Jânio Quadros resumo do breve governo

                                         • Aproximação com
                                         Cuba criou atritos com
                                         a UDN e desagradou o
                                         governo norte-
                                         americano
                                         • Apoiou Cuba na
                                         questão da invasão
                                         norte americana na
O revolucionário Ernesto Che Guevara é
                                         Baía dos Porcos
condecorado pelo então presidente da
República Jânio Quadros.
Jânio Quadros: Resumo do breve governo


               •Crise Política - Pressões norte-
               americanas e da UDN provocaram
               freqüentes atritos entre o Presidente e
               o Congresso Nacional.
               •Em sua jornada política, enfrentou
               adversários que não lhe poupavam
               ataques pessoais. Diziam que era
               alcoólatra e deselegante.
               • Dentre eles Carlos Lacerda, que forja
               carta insinuando golpe socialista por
               parte de Jânio Quadros.
Jânio Quadros: Resumo do breve governo


                       • No dia seguinte ao
                       fato, 25/08/1961,
                       Jânio renuncia ao
                       cargo por motivo de
                       “Forças terríveis”.
                       • Como o vice Jango
                       encontrava – se na
                       China, assume o
                       presidente da câmara
                       Ranieri Mazzilli.
   Carta de renúncia
 renúncia de Jânio Quadros  crise
 político-militar.

 impasse: o vice-presidente João Goulart
 (político ligado a Getúlio) era malvisto pelos
 militares por suas ligações com o
 movimento trabalhista. A cúpula das Forças
 Armadas tentou impedi-lo de tomar posse. A
 solução para a crise foi a instituição do
 cargo de primeiro-ministro para chefiar o
 governo, enquanto o presidente seria
 apenas chefe de Estado.
História do Brasil
João Goulart: da posse ao
             golpe
• Plano Trienal de Desenvolvimento
  Econômico e Social:
• Elaborado pelo ministro do Planejamento
  Celso Furtado.
• Objetivo: manter as taxas de crescimento da
  economia e reduzir a inflação.
• Condições exigidas pelo FMI indispensáveis
  para a obtenção de novos empréstimos, para
  a renegociação da dívida externa e para a
  elevação do nível de investimento.
João Goulart: da posse ao
             golpe
• Estreitou alianças com o movimento
  sindical e setores nacional-reformistas.
• Paralelamente tentou implementar uma
  política de estabilização baseada na
  contenção salarial.
João Goulart: da posse ao
         golpe




            13 de março de 1964: Comício em frente à
            Estação Central do Brasil, no Rio de Janeiro,
            Jango decretou a nacionalização das refinarias
            privadas de petróleo e desapropriou, para a
            reforma agrária, propriedades às margens de
            ferrovias, rodovias e zonas de irrigação de
            açudes públicos.
João Goulart: da posse ao
         golpe




   • 19 de março de 1964: Em São Paulo ocorre a
   "Marcha da Família com Deus pela Liberdade",
   organizada por grupos da direita, com
   influência dos setores conservadores da Igreja
   Católica, em apoio à derrubada do Presidente.
31 de março: Movimento para o Golpe. 1º de abril:
tentativa de controle da situação, mas não há apoio
militar ou armado algum. É declarado vago o cargo
de Presidente. Jango exila-se no Uruguai.
Qual a causa do golpe militar de 1964?
Regime Militar
Golpe militar de 1964
Castelo Branco

        Lista com 100 nomes que tiveram seus
        direitos políticos suspensos.
        Em primeiro lugar está Luiz Carlos
        Prestes, seguido de João Goulart,
        Jânio...Brizola...Celso Furtado...
Castelo Branco




        Posse de Castelo B ranco: Governa de
        1964 a 1967
Castelo B ranco
          • Os ATOS INSTITUCIONAIS
• AI -1 (suspensão das garantias
  constitucionais, aumento dos poderes do
  Executivo, diminuição do poder Legislativo,
  cassação dos mandatos, suspensão dos
  direitos políticos por 10 anos), passando a
  governar através de decretos-leis, Atos
  Institucionais (AIs), Atos Complementares e
  uma nova Constituição que foi outorgada em
  1967.
ATOS INSTITUCIONAIS

AI 2   Estabelecia eleição indireta para a Presidência da república e extinguia
       todos os partidos políticos, dando origem ao bipartidarismo. O sistema
       bipartidário era baseado num partido ao governo (ARENA - Aliança
       Renovadora Nacional), e outro de oposição (MDB – Movimento
       Democrático B rasileiro).
AI 3   Estabelecia eleições indiretas para governadores dos estados, a serem
       realizadas pelas assembléias estaduais, bem como a nomeação dos
       prefeitos das capitais, mediante a aprovação do respectivo legislativo
       estadual.
       Convocava o Congresso Nacional, em recesso desde 20 de outubro,
       para votar uma nova Constituição, em substituição à de 1946.
AI 4   Convocava o Congresso Nacional, em recesso desde 20 de outubro,
       para votar uma nova Constituição, em substituição à de 1946.
Constituição 1967
Principais características
   – Incorporação da legislação autoritária e centralizadora;
   – Eleição indireta para presidente e governadores;
   – Concentração dos poderes no Executivo (mandato de 4
     anos, eleito indiretamente pelo Congresso com voto a
     descoberto) podendo fazer decretos-lei, emendas à
     Constituição, intervenção nos Estado e exclusividade em
     decretar leis sobre segurança e orçamentos;
   – Legislativo (número de deputados proporcional ao número
     de eleitores nos Estado)
   – Diminuição da autonomia dos Estados;
   – Lei de Greve;
PAEG – Plano de Ação Econômica do
             Governo
Governo Humberto de Alencar Castello
Branco (15/04/1964-15/03/1967)
– corte de gastos;
– aumento de tarifas e impostos;
– fim da Lei da Estabilidade;
– criação do FGTS (Fundo de Garantia por
  Tempo de Serviço) e do INPS (Instituto
  Nacional de Previdência Social);
– aumento salarial (1X ao ano);
– restrição de crédito;
– arrocho salarial, recessão e desemprego.
Principais Realizações do Governo
          Castelo Branco

•   INPS
•   Banco Central
•   Reforma Agrária
•   FGTS
•   BNH
Quem foi o sucessor de Castelo Branco?
Costa e Silva
       Do conturbado governo à trombose
                   cerebral
• Crescimento da oposição ao regime
  militar, como a Frente Ampla, composta
  por Carlos Lacerda, Juscelino Kubitschek
  e Jango.
• 1968: O ano que não acabou
O que significou o ano de 1968?
Costa e Silva
       Do conturbado governo à trombose
                    cerebral
• intensificação dos protestos e a imediata
  reação do governo.
• As manifestações estudantis, que
  denunciavam a falta de verbas para
  educação e se opunham ao projeto de
  privatização do ensino público, ganharam
  nova dimensão com a morte do estudante
  secundarista Edson Luís, em conflito com
  a Polícia militar no Rio de Janeiro.
Costa e Silva
      Do conturbado governo à trombose
                 cerebral
• Em resposta, houve uma greve estudantil
  nacional, comícios e manifestações urbanas
  com a participação de amplos setores da
  sociedade, cujo ponto alto foi a Passeata dos
  Cem Mil, ocorrida no Rio de Janeiro.
• O ambiente político tornou-se ainda mais
  tenso, e em abril o governo proibiu a Frente
  Ampla, tornando ilegal suas reuniões,
  manifestações e publicações.
História do Brasil
Costa e Silva
      Do conturbado governo à trombose
                    cerebral
• O diagnóstico militar era o de que havia
  "um processo bem adiantado de guerra
  revolucionária" liderado pelos comunistas.
Costa e Silva
        Do conturbado governo à trombose
                   cerebral
• Nesse contexto o presidente baixa em, 13/12/1968 o
  AI 5, que entregou o país às forças mais retrógradas e
  violentas de nossa História recente.
• O AI 5 dava direito (entre outros) ao presidente sem
  apreciação judicial a:
   • Intervir nos estados e municípios;
   • Cassar mandatos parlamentares;
   • Suspender, por dez anos, os direitos políticos de qualquer
     cidadão;
   • Decretar o confisco de bens considerados ilícitos;
   • Autorizar pena de morte para crimes políticos e prisão
     perpétua
Costa e Silva
       Do conturbado governo à trombose
                    cerebral
• Mas, em 1969, o presidente Costa e Silva
  sofreu um derrame cerebral, e seu vice
  Pedro Aleixo foi impedido de assumir pois
  os militares da linha dura alegavam que
  ele era contra os "princípios
  revolucionários". Na verdade, Aleixo
  havia-se posicionado contrariamente ao
  AI-5.
• Assume a Junta Militar.
Costa e Silva
Do conturbado governo à trombose
           cerebral




           A Junta Militar: General Aurélio de Lira Tavares,
           Almirante Augusto Rademaker e o Brigadeiro
           Márcio de Sousa Melo.
• Diante da situação uma parcela da
  esquerda brasileira decidiu organizar-se e
  derrubar a ditadura por meio da luta
  armada
Alguns dias depois, o embaixador norte – americano Charles Burke Elbrick foi
seqüestrado por organizações esquerdistas. Os seqüestradores exigiram a
libertação de presos políticos
Principais Realizações do
        Governo Costa e Silva
•   Rio Niterói
•   Funai
•   Mobral
•   Funrural
Governo Médici
Governo Médici
• O binômio Segurança e Desenvolvimento
  constituiu a base de seu governo e justificou a
  sistemática destruição das oposições: a luta
  contra “comunistas” e “subversivos” foi
  intensificada; os meios de comunicação e a
  produção artística sofreram os rigores da
  censura, e as liberdades, os direitos e garantias
  individuais conheceram grandes limitações. No
  governo Médici começou o MILAGRE
  BRASILEIRO, exaltado na publicidade oficial
  e reforçado pelas conquistas nos esportes.
Carlos
Lamarca
assassinado




              Repressão a
                qualquer
              manifestação
              antigovernista
História do Brasil
• prisões, torturas,
  assassinatos
  (“desaparecidos”).
• repressão intensa e
  eliminação da guerrilha de
  esquerda (SNI, DOI-CODI,
  OBAN, DOPS...)
                                     Pau de arara

                               Assassinato de
                               Marighella
A tortura foi um instrumento político da ditadura
CENSURA
História do Brasil
História do Brasil
O governo militar procurava criar uma política cultural
ufanista e otimista, divulgando slogans como “Brasil,
ame-o ou deixe-o”, aproveitando-se da vitória do Brasil na
Copa de 1970, capitalizando-a como expressão do
“milagre brasileiro”.
O milagre econômico
      brasileiro
Milagre econômico

O estouro de crescimento econômico,
ocorrido entre 1968 e 1973 (governos
Costa e Silva e Médici), ficou conhecido
como “milagre econômico”. Mas, ao
lado da euforia da classe média, que
teve seu poder aquisitivo ampliado
naquele momento, convivia um outro
país, que não era atingido por esse
milagre.
Ano            PIB        Indústria Agricultura Serviços
 1968           9,8           14,2              1,4              9,9
 1969           9,5           11,2              6,0              9,5
 1970          10,4           11,9              5,6             10,5
 1971          11,3           11,9             10,2             11,5
 1972          12,1           14,0              4,0             12,1
 1973          14,0           16,6              0,0             13,4
Fonte: GREMAUD, A. P.; VASCONCELLOS, M. A. S.; TONETO JÚNIOR, R.
Economia brasileira contemporânea. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2008, p. 385.
Grandes
 obras
públicas




1970 – criado o PIN (Programa de Integração
Nacional) – construção da Transamazônica.
História do Brasil
Ponte Rio-Niterói
Itaipu
História do Brasil
Principais Realizações do
         Governo Médici
• Estradas - Construção da Rodovia
  Transamazônica.
• Petróleo - Inauguração da Refinaria de
  Paulínia (SP)
• Hidrelétrica - Inauguração da Usina
  Hidrelétrica de Ilha Solteira (SP)
• Usina Nuclear - Início da construção da
  Usina Nuclear de Angra dos Reis (Angra I
  ) RJ
Ernesto Geisel (1974-1979)
Governo Geisel
• Governou em meio aos problemas que
  afetaram o Brasil nos anos 70 e que
  encerraram a era do Milagre Brasileiro.
  Nesse contexto, Geisel deu início ao
  processo de abertura “lenta gradual e
  segura” do regime, isto é, conduzida pelo
  próprio governo.
Governo Geisel
• Apesar de ter iniciado a abertura política, o
  governo Geisel procurou obstruir a atuação das
  oposições. Assim, a vitória do MDB na eleições
  de 1974, aumentando o número de seus
  deputados e senadores, teve como respostas a
  LEI FALCÃO e o PACOTE DE ABRIL. Entre
  1975 e 1977, vários mandatos de parlamentares
  foram cassados e, nas prisões, ainda se
  praticava a tortura.
Outubro de
    1975:
assassinato
do jornalista
 Wladimir
Herzog sob
   tortura
Principais Realizações do Governo
               Geisel
• Energia-      Proálcool (1975)
• Sociedade-Aprovada a Lei do Divórcio
  em 1977
• Hidrelétrica-Início da construção das
  usinas de Itaipu e Tucuruí
• Usina Nuclear-Acordo Nuclear Brasil-
 Alemanha prevendo a construção de novas
 usinas nucleares: a continuação das obras da
 USINA Angra
Figueiredo
Figueiredo
• Foi no governo Figueiredo que se
  completou a redemocratização do país.
• LEI DA ANISTIA
• A REFORMA PARTIDÁRIA que acabou
  com o bipartidarismo e restabeleceu o
  PLURIPARTIDARISMO
• GOVERNADORES estaduais voltaram a
  ser escolhidos por meio de eleições
  diretas.
História do Brasil
Os trabalhadores influíram na abertura




São Bernardo do Campo, 13 de maio de 1979:
Lula discursa para 60 mil metalúrgicos do ABC.
Lula liderou a greve dos
metalúrgicos de 1980. O
movimento provocou a
intervenção do Governo
Federal no Sindicato dos
Metalúrgicos de São
Bernardo do Campo e
Diadema e a prisão de
Lula e outros dirigentes
sindicais, com base na Lei
de Segurança Nacional.
Foram 31 dias de prisão.
História do Brasil
Figueiredo
• No plano econômico, o modelo militar mostrava – se nitidamente
  esgotado e, para agravar a situação, em 79 ocorre a CRISE DO
  PETRÓLEO (fato decisivo para o fim da onda de ditaduras no
  mundo) e a elevação de juros no mercado internacional.
• O governo congela as importações de petróleo e estimula as
  atividades proálcool.
• Em 1981, o aumento da dívida externa, que girava em torno de 61
  bilhões de dólares, associado ao crescimento negativo do PIB e aos
  altos índices inflacionários geraram a estagnação das atividades
  econômicas e produtivas aliada à inflação dos preços.
Figueiredo
• Em 1983 formou-se uma frente
  única que reuniu partidos e
  entidades de oposição numa
  campanha que tomou o país,
  reivindicando eleições diretas para
  a presidência da República, era a
  campanha das “Diretas já”.
O que foi o movimento das Diretas Já
Figueiredo
• Mas a emenda constitucional das
  diretas, de autoria do deputado
  peemedebista Dante de Oliveira, foi
  derrotada na Câmara em abril de 1984.
Figueiredo
• Concorreram à presidência dois candidatos:
  Paulo Maluf e Tancredo Neves.
  Paulo Maluf era o candidato oficial do PDS, o
  partido do governo. Entretanto, não contavam
  com o apoio afetivo das forças tradicionais que
  estavam no poder.
• Tancredo Neves era o candidato de uma
  confusa aliança política (Aliança Democrática)
  composta por ex-integrantes do PDS e
  membros do PMDB.
Figueiredo
• Por eleições indiretas é eleito Tancredo Neves, que
  recebeu 480 votos contra 180 dados a Maluf e 26
  abstenções.
  Mas Tancredo não conseguiu tomar posse da
  presidência da República: doze horas antes da
  solenidade de posse, foi internado e operado no
  Hospital de Base de Brasília com fortes dores
  abdominais. Depois foi transferido para o Instituto do
  Coração, em São Paulo.
• Tancredo morreu em 21 de abril de 1985. O país foi
  tomado de grande comoção, em face da morte de
  Tancredo e das esperanças de mudança nele
  depositadas.
O que se esperava de Tancredo Neves
História do Brasil
A Nova República
História do Brasil
Governo Sarney

• A “Constituição Cidadã”
  – Com emendas populares;
  – Fixou o mandato presidencial em 5 anos (que depois
    foi alterado para 4 anos);
  – Afirmou a independência dos Três Poderes;
  – Restringiu o poder das Forças Armadas;
  – Estabeleceu eleições diretas com dois turnos para
    presidência;
  – Manteve o voto facultativo para os jovens entre 16 e
    18 anos e analfabetos;
  – Fixou os direitos individuais e coletivos.
História do Brasil
História do Brasil
Governo Sarney
• A partir de 1986 o Brasil passou por
  diversos planos de estabilização
  econômica. Todos com o mesmo objetivo:
  eliminar a inflação e criar condições para
  um desenvolvimento auto-sustentado.
PLANOS ECONÔMICOS
                Foi implantado em 1986. Mudou a moeda de cruzeiro para
                cruzado, congelou preços e salários, extinguiu a correção
   Plano
                monetária e criou o seguro-desemprego e o gatilho salarial
  Cruzado       (reajuste automático dos salários toda vez que a inflação
                atingisse certo nível).
                Foi lançado em 1987. Congelou preços e salários, aumentou as
   Plano        tarifas públicas e extinguiu o gatilho salarial.
  Bresser
            Foi implantado em 1989. Mudou a moeda para Cruzado Novo.
            Ocorreu nova mudança através do, que buscou segurar a inflação
            pelo controle do déficit público, privatizando as empresas estatais e
Plano Verão demitindo funcionários.
O Cruzado é proveniente do Plano Cruzado, implantado pelo
governo Sarney. O Plano tinha como objetivo combater a inflação
e aumentar o poder aquisitivo da população. A partir do dia 28 de
 Fevereiro de 1986, mil cruzeiros passaram a valer um cruzado.
Para implantar o Cruzado o governo aproveitou as cédulas de 10
mil, 50 mil e 100 mil cruzeiros, carimbando-as para o novo padrão.
O Carimbo era circular com as palavras "Banco Central do Brasil"
                e "Cruzado", com o valor no centro.

             Cr$ 1.000 = Cz$ 1,00
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
Cruzado Novo entrou em circulação no dia 15 de janeiro
de 1989, na segunda reforma monetária do presidente
José Sarney. A nova moeda substituía o Cruzado, sendo
que um Cruzado Novo valia 1000 Cruzados.

Foram aproveitadas as cédulas de mil, 5 mil e 10 mil
Cruzados, que receberam um carimbo para o novo padrão
monetário. O carimbo adotado era um triangulo com as
palavras "cruzado novo" em duas linhas próximas à base
do triângulo.


Cz$ 1.000,00 = NCz$ 1,00
História do Brasil
História do Brasil
O Cruzeiro foi reintroduzido como padrão monetário em
substituição ao "Cruzado Novo", como parte do "Plano Collor",
              sem ocorrer a perda de três zeros.

           NCz$ 1,00 = Cr$ 1,00
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
O Cruzeiro Real foi implantado no 1o de Agosto de 1993,
substituindo o Cruzeiro, por excesso de zeros. Foram aproveitadas
   as notas de 50 mil, 100 mil e 500 mil Cruzeiros, devidamente
                 carimbadas para o novo padrão.

         Cr$ 1.000,00 = CR$ 1,00
História do Brasil
História do Brasil
A sucessão de Sarney
GOVERNO COLLOR (1990-
         1992)
• Em 15 de março de 1990, Fernando Collor
  de Mello, ex-governador de Alagoas,
  tomou posse como o primeiro presidente
  eleito pelo voto direto, depois de 25 anos.
  Iniciou imediatamente a luta contra a crise
  econômica, por meio do PLANO BRASIL
  NOVO.
GOVERNO COLLOR (1990-
         1992)
• Mais conhecido como Plano Collor extinguiu o
  Cruzado Novo e voltou ao padrão Cruzeiro.
  Congelou salários e preços. Bloqueou a maior
  parte do dinheiro das contas bancárias,
  poupança e aplicações financeiras como
  estratégia para controlar a hiperinflação. Nos
  meses seguintes o governo demitiu milhares de
  funcionários públicos. Reduziu os impostos de
  importação de vários produtos com o objetivo de
  abrir a economia brasileira ao mercado
  internacional já em fase de globalização
História do Brasil
IMPEACHMENT
• Denúncias de corrupção, envolvendo altos escalões do
  governo, assessores, amigos e familiares do presidente,
  levaram o Congresso a formar uma CPI (Comissão
  Parlamentar de Inquérito), a qual constatou a existência
  de um esquema de corrupção. Uma campanha nacional
  liderada pela mídia e tendo como símbolo estudantes
  “os caras pintadas” tomou as ruas exigindo o
  Impeachment do presidente.
• Em 29 de setembro de 1992 foi instaurado um processo
  de impeachment contra o presidente Fernando Collor de
  Mello, que renunciou horas antes do julgamento em
  29/12/1992.
História do Brasil
GOVERNO ITAMAR FRANCO (1992-
           1994)
• Após a renúncia de Collor o vice-presidente Itamar
  Franco assumiu oficialmente a presidência em 29 de
  dezembro de 1992, procurando ajustar o ministério às
  forças políticas do Congresso Nacional.
• Seu governo foi marcado pelo PLEBISCITO e pela
  implantação do PLANO REAL em 1994 criado pela
  equipe econômica do ministro da fazenda, Fernando
  Henrique Cardoso. A popularidade do plano que
  conseguiu diminuir a inflação e estabilizar a economia
  após anos de descontrole e hiperinflação, deu a
  Fernando Henrique a vitória nas eleições de 1994 no
  primeiro turno.
O Real foi lançado em 01/07/1994 pelo Plano Real no governo
Itamar Franco, com o objetivo de criar uma moeda forte e acabar
com a inflação. Primeiramente foi estabelecido um índice paralelo
para efeito de transição, a Unidade Real de Valor (URV). A
Conversão de Cruzeiros Reais para Reais foi feita mediante a
divisão do valor em Cruzeiros Reais pelo valor da URV de
CR$2.750,00.

CR$ 2.750,00 = R$ 1,00
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
GOVERNO ITAMAR FRANCO (1992-
           1994)
• O período da redemocratização é
  marcado pelo avanço das fórmulas
  neoliberais, que estimulam a abertura do
  mercado nacional, a privatização de
  estatais e um recuo nos programas
  sociais do governo. A inflação é
  controlada, porém a economia cresce
  pouco, e a dívida externa e o desemprego
  aumentam.
Fernando Henrique Cardoso
• Com o apoio do governo e da
  aliança formada entre o
  Partido da Social Democracia
  Brasileira (PSDB),e o Partido
  da Frente Liberal (PFL),
  Fernando Henrique Cardoso
  apresenta-se à disputa
  eleitoral como o idealizador do
  Plano Real e vence ainda no
  1º turno das eleições diretas.
•   Seu 1º mandato vai de 1995 a
    1998 .
História do Brasil
Fernando Henrique Cardoso
           No primeiro dia de seu
           mandato passar a vigorar o
           Tratado de Assunção,
           assinado pelo governo
           Collor, cujo objetivo era a
           implantação do Mercosul. O
           acordo foi entre Argentina,
           Uruguai, Paraguai e Brasil
           consistia na criação de uma
           área de livre comércio
Fernando Henrique Cardoso
         Projeto Reformador (emendas
         constitucionais) - Dentre as aprovadas
         pelo Congresso destacam-se:
         • Quebra dos monopólios do petróleo;
         • Quebra dos monopólios de
         telecomunicações;
         • Alteração do conceito de empresa
         nacional (no sentido de não
         discriminar o capital estrangeiro) -
         Neoliberalismo
         • Idéia de modificar a Constituição
         para permitir a reeleição presidencial.
Fernando Henrique Cardoso privatizou muitas estatais contribuindo para
o desemprego estrutural.A primeira privatização ocorreu em 1995, com a
venda da ESCELSA.
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
Muitos dizem que a reeleição foi um “golpe branco” de FHC, pois ele alterou as
regras do jogo para se favorecer, e obteve sucesso: a emenda não só se tornou
viável, como ele foi reeleito ao fim de 1998, permanecendo no governo até 2002.
Eleições de 2002
         (PT, PL, PC do B,
         PCB e PMN)
         O PT elaborou um programa
         de governo para resgatar as
         dívidas sociais fundamentais
         que o Brasil tem com a maioria
         da população.
         a abertura do leque de
         alianças para o PL, atraiu o
         voto dos empresários e dos
         evangélicos.
5 de julho de 2002: Lula com José Alencar (vice),
Genoino e Mercadante, em caminhada pelo centro
de São Paulo.
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
História do Brasil
Luiz Inácio Lula da Silva
           (1º/01/2003 – ...)
 Eleito    e    reeleito  presidente   (duas
  legislaturas: 2003-2007 / 2007-2010);
 Política econômica conservadora 
  superávit alcançado por meio do corte de
  investimentos;
Fome Zero
PAC
Bolsa Família
Mensalão
GRIPE SUINA
História do Brasil
História do Brasil
APAGÃO
História do Brasil
História do Brasil

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
Nila Michele Bastos Santos
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Sistema Colonial
Sistema ColonialSistema Colonial
Sistema Colonial
mdaltmann
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
Isaquel Silva
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
Claudenilson da Silva
 
O fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasilO fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasil
Nome Sobrenome
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
Marcos Azevedo
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
edna2
 
o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
Marilia Pimentel
 
O que é historia
O que é historiaO que é historia
O que é historia
alinemaiahistoria
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
Ramiro Bicca
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
Douglas Barraqui
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
Rodrigo HistóriaGeografia
 
A vinda da familia real e a independência do brasil
A vinda da familia real e a independência do brasilA vinda da familia real e a independência do brasil
A vinda da familia real e a independência do brasil
Janayna Lira
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
Daniel Alves Bronstrup
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
Daniel Alves Bronstrup
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
Aulas de História
 
Uniao iberica slide
Uniao iberica slideUniao iberica slide
Uniao iberica slide
Isabel Aguiar
 

Mais procurados (20)

Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Sistema Colonial
Sistema ColonialSistema Colonial
Sistema Colonial
 
Regimes totalitários
Regimes totalitáriosRegimes totalitários
Regimes totalitários
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
O fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasilO fim da escravidão negra no brasil
O fim da escravidão negra no brasil
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)o primeiro reinado (1822-1831)
o primeiro reinado (1822-1831)
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
O que é historia
O que é historiaO que é historia
O que é historia
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
 
A vinda da familia real e a independência do brasil
A vinda da familia real e a independência do brasilA vinda da familia real e a independência do brasil
A vinda da familia real e a independência do brasil
 
1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa1º ano - Reforma Religiosa
1º ano - Reforma Religiosa
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
 
Uniao iberica slide
Uniao iberica slideUniao iberica slide
Uniao iberica slide
 

Semelhante a História do Brasil

Caderno 8 Estado Novo
Caderno 8   Estado NovoCaderno 8   Estado Novo
Caderno 8 Estado Novo
Mafalda Teixeira
 
Caderno 01 estado novo
Caderno 01   estado novoCaderno 01   estado novo
Caderno 01 estado novo
Mafalda Teixeira
 
Brasil republica
Brasil republicaBrasil republica
Brasil republica
Lucimara Foloni
 
Estrutura Político Legislativa na República Velha
Estrutura Político Legislativa na República VelhaEstrutura Político Legislativa na República Velha
Estrutura Político Legislativa na República Velha
Gisele Finatti Baraglio
 
Apresentação segundo reinado 2012
Apresentação segundo reinado 2012Apresentação segundo reinado 2012
Apresentação segundo reinado 2012
ProfessoresColeguium
 
História 3º ano revisão Professor José Carlos
História 3º ano revisão Professor José CarlosHistória 3º ano revisão Professor José Carlos
História 3º ano revisão Professor José Carlos
José Carlos
 
1ª república
1ª república1ª república
1ª república
esa9b
 
43 da queda da monarquia à implantação da república
43   da queda da monarquia à implantação da república43   da queda da monarquia à implantação da república
43 da queda da monarquia à implantação da república
Carla Freitas
 
aula-revoluode1930-140222094305-phpapp01.pptx
aula-revoluode1930-140222094305-phpapp01.pptxaula-revoluode1930-140222094305-phpapp01.pptx
aula-revoluode1930-140222094305-phpapp01.pptx
luluzivania
 
Araribá slides 9ano.pdf para os alunos do medio
Araribá slides 9ano.pdf para os alunos do medioAraribá slides 9ano.pdf para os alunos do medio
Araribá slides 9ano.pdf para os alunos do medio
DomingasMariaRomao
 
Introdução a História do Brasil, desde o período colonial ao contemporâneo
Introdução a História do Brasil, desde o período colonial ao contemporâneoIntrodução a História do Brasil, desde o período colonial ao contemporâneo
Introdução a História do Brasil, desde o período colonial ao contemporâneo
DanielOliveira348088
 
Puc mg 2010 objetiva
Puc  mg 2010 objetivaPuc  mg 2010 objetiva
Puc mg 2010 objetiva
cursohistoria
 
Projeto enem- história república velha
Projeto enem- história república velhaProjeto enem- história república velha
Projeto enem- história república velha
Marco Vinícius Moreira Lamarão'
 
Questoeshist3
Questoeshist3Questoeshist3
Objetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodo
Objetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodoObjetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodo
Objetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodo
Maria Freitas
 
25 De A Bril
25 De A Bril25 De A Bril
25 De A Bril
Sílvia Mendonça
 
História 9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperial
História   9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperialHistória   9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperial
História 9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperial
Professor de História
 
REVOLUÇÃO DE 1930 E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptx
REVOLUÇÃO DE 1930  E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptxREVOLUÇÃO DE 1930  E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptx
REVOLUÇÃO DE 1930 E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptx
luluzivania
 
Era vargas estado novo
Era vargas   estado novoEra vargas   estado novo
Era vargas estado novo
Rose Vital
 
Economia
Economia Economia
Economia
Mateus Cozer
 

Semelhante a História do Brasil (20)

Caderno 8 Estado Novo
Caderno 8   Estado NovoCaderno 8   Estado Novo
Caderno 8 Estado Novo
 
Caderno 01 estado novo
Caderno 01   estado novoCaderno 01   estado novo
Caderno 01 estado novo
 
Brasil republica
Brasil republicaBrasil republica
Brasil republica
 
Estrutura Político Legislativa na República Velha
Estrutura Político Legislativa na República VelhaEstrutura Político Legislativa na República Velha
Estrutura Político Legislativa na República Velha
 
Apresentação segundo reinado 2012
Apresentação segundo reinado 2012Apresentação segundo reinado 2012
Apresentação segundo reinado 2012
 
História 3º ano revisão Professor José Carlos
História 3º ano revisão Professor José CarlosHistória 3º ano revisão Professor José Carlos
História 3º ano revisão Professor José Carlos
 
1ª república
1ª república1ª república
1ª república
 
43 da queda da monarquia à implantação da república
43   da queda da monarquia à implantação da república43   da queda da monarquia à implantação da república
43 da queda da monarquia à implantação da república
 
aula-revoluode1930-140222094305-phpapp01.pptx
aula-revoluode1930-140222094305-phpapp01.pptxaula-revoluode1930-140222094305-phpapp01.pptx
aula-revoluode1930-140222094305-phpapp01.pptx
 
Araribá slides 9ano.pdf para os alunos do medio
Araribá slides 9ano.pdf para os alunos do medioAraribá slides 9ano.pdf para os alunos do medio
Araribá slides 9ano.pdf para os alunos do medio
 
Introdução a História do Brasil, desde o período colonial ao contemporâneo
Introdução a História do Brasil, desde o período colonial ao contemporâneoIntrodução a História do Brasil, desde o período colonial ao contemporâneo
Introdução a História do Brasil, desde o período colonial ao contemporâneo
 
Puc mg 2010 objetiva
Puc  mg 2010 objetivaPuc  mg 2010 objetiva
Puc mg 2010 objetiva
 
Projeto enem- história república velha
Projeto enem- história república velhaProjeto enem- história república velha
Projeto enem- história república velha
 
Questoeshist3
Questoeshist3Questoeshist3
Questoeshist3
 
Objetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodo
Objetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodoObjetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodo
Objetivos de História - 2º Teste - 1ºPeríodo
 
25 De A Bril
25 De A Bril25 De A Bril
25 De A Bril
 
História 9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperial
História   9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperialHistória   9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperial
História 9°ano - imperialismo - escravidão no brasil imperial
 
REVOLUÇÃO DE 1930 E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptx
REVOLUÇÃO DE 1930  E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptxREVOLUÇÃO DE 1930  E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptx
REVOLUÇÃO DE 1930 E ERA VARGAS UM PASSEIO PELA A HISTÓRIA.pptx
 
Era vargas estado novo
Era vargas   estado novoEra vargas   estado novo
Era vargas estado novo
 
Economia
Economia Economia
Economia
 

Mais de Jorge Miklos

Pink floyd
Pink floydPink floyd
Pink floyd
Jorge Miklos
 
Gagnebin, jeanne marie. walter benjamin. são paulo brasiliense, 1982
Gagnebin, jeanne marie. walter benjamin. são paulo  brasiliense, 1982Gagnebin, jeanne marie. walter benjamin. são paulo  brasiliense, 1982
Gagnebin, jeanne marie. walter benjamin. são paulo brasiliense, 1982
Jorge Miklos
 
O imaginário e a hipostasia da comunicação
O imaginário e a hipostasia da comunicaçãoO imaginário e a hipostasia da comunicação
O imaginário e a hipostasia da comunicação
Jorge Miklos
 
A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL
Jorge Miklos
 
Castells, manuel. a_sociedade_em_rede_-_vol._i
Castells, manuel. a_sociedade_em_rede_-_vol._iCastells, manuel. a_sociedade_em_rede_-_vol._i
Castells, manuel. a_sociedade_em_rede_-_vol._i
Jorge Miklos
 
DE JK A LULA-LÁ
DE JK A LULA-LÁDE JK A LULA-LÁ
DE JK A LULA-LÁ
Jorge Miklos
 
Redemocratização
RedemocratizaçãoRedemocratização
Redemocratização
Jorge Miklos
 
A Ditadura Militar (1964-1985)
A Ditadura Militar (1964-1985)A Ditadura Militar (1964-1985)
A Ditadura Militar (1964-1985)
Jorge Miklos
 
República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)
Jorge Miklos
 
A Era Vargas (1930-1945)
A Era Vargas (1930-1945)A Era Vargas (1930-1945)
A Era Vargas (1930-1945)
Jorge Miklos
 
República Velha (1889-1930)
República Velha (1889-1930)República Velha (1889-1930)
República Velha (1889-1930)
Jorge Miklos
 
O mal estar na civilização
O mal estar na civilizaçãoO mal estar na civilização
O mal estar na civilização
Jorge Miklos
 
A organização do trabalho no século 20 taylorismo, fordismo e toyotismo
A organização do trabalho no século 20 taylorismo, fordismo e toyotismoA organização do trabalho no século 20 taylorismo, fordismo e toyotismo
A organização do trabalho no século 20 taylorismo, fordismo e toyotismo
Jorge Miklos
 
Sacralização da Mídia; Midiatização do Sagrado
Sacralização da Mídia; Midiatização do SagradoSacralização da Mídia; Midiatização do Sagrado
Sacralização da Mídia; Midiatização do Sagrado
Jorge Miklos
 
Absolutismo francês e a Revolução francesa
Absolutismo francês e a Revolução francesaAbsolutismo francês e a Revolução francesa
Absolutismo francês e a Revolução francesa
Jorge Miklos
 
Absolutismo inglês e revoluções inglesas
Absolutismo inglês e revoluções inglesasAbsolutismo inglês e revoluções inglesas
Absolutismo inglês e revoluções inglesas
Jorge Miklos
 
A aurora do homem
A aurora do homemA aurora do homem
A aurora do homem
Jorge Miklos
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
Jorge Miklos
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
Jorge Miklos
 
A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
Jorge Miklos
 

Mais de Jorge Miklos (20)

Pink floyd
Pink floydPink floyd
Pink floyd
 
Gagnebin, jeanne marie. walter benjamin. são paulo brasiliense, 1982
Gagnebin, jeanne marie. walter benjamin. são paulo  brasiliense, 1982Gagnebin, jeanne marie. walter benjamin. são paulo  brasiliense, 1982
Gagnebin, jeanne marie. walter benjamin. são paulo brasiliense, 1982
 
O imaginário e a hipostasia da comunicação
O imaginário e a hipostasia da comunicaçãoO imaginário e a hipostasia da comunicação
O imaginário e a hipostasia da comunicação
 
A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL A RELIGIÃO NO BRASIL
A RELIGIÃO NO BRASIL
 
Castells, manuel. a_sociedade_em_rede_-_vol._i
Castells, manuel. a_sociedade_em_rede_-_vol._iCastells, manuel. a_sociedade_em_rede_-_vol._i
Castells, manuel. a_sociedade_em_rede_-_vol._i
 
DE JK A LULA-LÁ
DE JK A LULA-LÁDE JK A LULA-LÁ
DE JK A LULA-LÁ
 
Redemocratização
RedemocratizaçãoRedemocratização
Redemocratização
 
A Ditadura Militar (1964-1985)
A Ditadura Militar (1964-1985)A Ditadura Militar (1964-1985)
A Ditadura Militar (1964-1985)
 
República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)República Populista (1946-1964)
República Populista (1946-1964)
 
A Era Vargas (1930-1945)
A Era Vargas (1930-1945)A Era Vargas (1930-1945)
A Era Vargas (1930-1945)
 
República Velha (1889-1930)
República Velha (1889-1930)República Velha (1889-1930)
República Velha (1889-1930)
 
O mal estar na civilização
O mal estar na civilizaçãoO mal estar na civilização
O mal estar na civilização
 
A organização do trabalho no século 20 taylorismo, fordismo e toyotismo
A organização do trabalho no século 20 taylorismo, fordismo e toyotismoA organização do trabalho no século 20 taylorismo, fordismo e toyotismo
A organização do trabalho no século 20 taylorismo, fordismo e toyotismo
 
Sacralização da Mídia; Midiatização do Sagrado
Sacralização da Mídia; Midiatização do SagradoSacralização da Mídia; Midiatização do Sagrado
Sacralização da Mídia; Midiatização do Sagrado
 
Absolutismo francês e a Revolução francesa
Absolutismo francês e a Revolução francesaAbsolutismo francês e a Revolução francesa
Absolutismo francês e a Revolução francesa
 
Absolutismo inglês e revoluções inglesas
Absolutismo inglês e revoluções inglesasAbsolutismo inglês e revoluções inglesas
Absolutismo inglês e revoluções inglesas
 
A aurora do homem
A aurora do homemA aurora do homem
A aurora do homem
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Reformas religiosas
Reformas religiosasReformas religiosas
Reformas religiosas
 
A Civilização Romana
A Civilização RomanaA Civilização Romana
A Civilização Romana
 

Último

Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 

Último (20)

Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 

História do Brasil

  • 2. • “sem ignorar a complexidade do processo histórico, a História é uma disciplina acessível a pessoas com diferentes graus de conhecimento. Mais do que isso, é uma disciplina vital para a formação de cidadania. Não chega a ser cidadão quem não consegue se orientar no mundo em que vive, a partir do conhecimento da vivência das gerações passadas.”
  • 4. "A história tem uma lógica, tem normas, tem um processo; tem, portanto, uma objetividade. É uma ciência igual a outras disciplinas humanas, é uma ciência humana. Isso quer dizer que também tem uma certa relatividade, dependendo da visão do historiador."
  • 5. Por que Portugal foi o país pioneiro na expansão marítima?
  • 6. O que os portugueses pretendiam, ao sair de sua terra?
  • 7. A descoberta foi intencional ou por acaso?
  • 8. O que foi o Tratado de Tordesilhas?
  • 9. Como foram os primeiros contatos entre os portugueses e os índios?
  • 10. Como viviam esses índios?
  • 11. Qual o papel da Igreja Católica no Brasil colonial?
  • 12. E as capitanias hereditárias?
  • 13. O que foi o governo geral?
  • 14. Gêneros tropicais, matérias primas Ouro e prata COLÔNIA Pacto colonial METRÓPOLE Escravos, bens industrializados
  • 15. A economia colonial  integrada ao sistema capitalista em sua área periférica, fornecedora de produtos tropicais.  características: complementar, especializada, extrovertida, dependente  sistema de produção – base: grande propriedade (latifúndio), trabalho escravo, monocultura
  • 17. Pau Brasil  Monopólio da coroa (1501 a 1859)  Exploração: - arrendamento no início - mão-de-obra indígena livre - escambo em feitorias  Não provocou povoamento
  • 19. Cana-de-açúcar • Fatores do êxito: - técnica de produção já conhecida - condições naturais favoráveis - possibilidade de obtenção de escravos - aplicação de capitais flamengos - mercado em expansão: distribuição pelos flamengos
  • 21. • Características: grande propriedade, grande capital inicial, monocultura, produtividade baixa • Unidade de produção: o engenho • Decadência: - queda dos preços (concorrência antilhana) - aumento dos custos de produção
  • 25. Qual a extensão da efetiva ocupação da Colônia?
  • 26. Por que os portugueses recorreram à escravidão?
  • 27. Quando os portugueses se preocuparam com a questão da mão-de-obra?
  • 28. De que modo esses escravos se relacionavam entre si?
  • 32. Era comum a resistência dos negros à escravidão?
  • 33. O que faziam, no Nordeste, os que não viviam em torno do engenho de açúcar?
  • 34. Mineração • controle da exploração: a Intendência das Minas • tributação: imposto do quinto – Casas de Fundição • diamantes: monopólio da coroa – Distrito Diamantino
  • 41. • Consequências: - grande imigração - urbanização - maior mobilidade social - desenvolvimento cultural - eixo demográfico e econômico deslocado para o interior
  • 48. Casario colonial – Vila Rica
  • 53. Por que os holandeses vieram ao Brasil?
  • 54. O que gerou a Inconfidência Mineira?
  • 55. Houve outros movimentos de revolta?
  • 56. Quando o sistema colonial entrou em crise?
  • 57. O que mudou com a chegada da família real?
  • 58. Como ocorreu a Independência?
  • 59. Que idéias eram defendidas para um novo Brasil?
  • 61. "A história é vital para a formação da cidadania. Ela nos mostra que, para compreender o que está acontecendo no presente, é preciso entender quais foram os caminhos percorridos pela sociedade brasileira."
  • 62. Houve mesmo uma Independência do Brasil?
  • 63. Qual a diferença entre a Independência do Brasil e das ex-colônias espanholas?
  • 64. Por que se fez aqui uma monarquia, entre repúblicas?
  • 65. Que pontos se destacavam na Constituição imperial de 1824?
  • 66. Como foi a abdicação?
  • 67. Como foi a Regência?
  • 68. Quais os fatos mais importantes do Segundo Reinado?
  • 69. O que pensavam os dois grandes partidos brasileiros?
  • 70. O que foi o parlamentarismo às avessas?
  • 71. Guerra do Paraguai Que conseqüências essa guerra trouxe para o Brasil?
  • 81. Como as ferrovias contribuíram para o comércio do café?
  • 82. Como ocorreu a crise do escravismo e a abolição? Como a sociedade acolheu os ex-escravos?
  • 84. Como surgiu a República?
  • 85. Que fatores contribuíram para o fim do Império? transição transada”, sem grandes abalos,
  • 87. "O historiador se vale de uma série de fontes, que incluem desde documentos oficiais até notícias na imprensa ou coisas aparentemente inesperadas, como um rótulo de remédio. Tudo depende do tipo de pesquisa e do tema definido."
  • 88. Quais as características do começo do período republicano?
  • 89. Como foi a República da Espada?
  • 90. Como foi a Constituição de 1891?
  • 91. Como era o sistema eleitoral?
  • 92. O que foi o arraial de Canudos?
  • 94. CONSTITUIÇÃO DE 1891 Política café com federal leite DOMÍNIO OLIGÁRQUICO estadual Política dos governadores municipal coronelismo O que foi a política do café-com-leite?
  • 95. Qual era o panorama econômico da República Velha?
  • 96. A borracha da Amazônia?
  • 98. Por que houve imigração?
  • 99. O que foi o tenentismo?
  • 100. Como terminou a República Velha?
  • 102. "O fato histórico é um acontecimento com impacto coletivo na vida do presente e que deve ser explicado e interpretado pelos historiadores.
  • 103. O que Outubro de 1930 representou para o Brasil?
  • 104. Governo Provisório (3/11/1930 – 20/07/1934) Era Vargas Governo Constitucional (20/07/1934 – 10/11/1937) • legislação paternalista trabalhista Estado Novo • nacionalismo econômico (10/11/1937 – 29/10/1945) • investimentos estatais na siderurgia e petróleo  indústria de base
  • 105. Qual foi a política de Getúlio com os trabalhadores?
  • 107. O que mudou na área econômica?
  • 108. Qual era o papel da Igreja Católica?
  • 109. Getúlio não encontrava oposição?
  • 110. O que houve de novo na Constituição de 1934?
  • 111. Quais eram os movimentos sociais de maior expressão?
  • 112. O que foi a intentona comunista?
  • 113. O Estado Novo teve apoio popular?
  • 114. Qual era o quadro da política externa?
  • 116. Que partido o Brasil tomou?
  • 118. Como terminou o Estado Novo?
  • 119. Brasil Democrático ou República Populista
  • 120. "Chamamos de processo histórico o desenrolar dos acontecimentos ao longo da história. Como esses acontecimentos têm uma lógica, uma relação de causa e efeito, damos a isso o nome de processo."
  • 121. Quais eram os partidos políticos antes da queda de Vargas?
  • 122. E quanto às mudanças na Constituição de 1946?
  • 123. Qual era o quadro da política internacional na época?
  • 124. Como se deu a volta de Getúlio Vargas ao poder?  Criada pela Lei nº 2004 (3/10/1953)  Empresa de capital misto  Monopólio estatal da pesquisa, exploração, refino e transporte de jazidas petrolíferas e de outros hidrocarbonetos (óleo bruto, gases de qualquer origem)
  • 125. Quais as principais razões para a crise do governo Vargas?
  • 126. O que representou para o país o suicídio de Getúlio?
  • 127. Qual o legado da Era Vargas? • Getúlio Vargas foi o maior estadista brasileiro do século XX e o mais controvertido. Para uns, foi o ditador autoritário que mandou Olga Benário, a esposa de Prestes, morrer na Alemanha nazista. Para outros, foi o pai dos pobres, o homem que fez as leis sociais. Para uns, foi o demagogo que, enganando o povo, preservou antigas elites e favoreceu o aparecimento de novas. Para outros, foi o líder progressista, renovador das estruturas nacionais, criador da Cia. Vale do Rio Doce, Usina de Volta Redonda e Petrobrás. Para uns, foi o fascista de 1937. Para outros, foi o mártir da carta-testamento de 1954. As controvérsias decorrem precisamente do caráter de transição do período histórico e do comportamento pragmático e adaptável de Vargas às circunstâncias, desde que favorecesse o projeto que tinha em vista: a modernização burguesa do Brasil. É sedutor, mas enganoso reduzir Getúlio aos rótulos de herói ou vilão, visto que são juízos de valor que, enfatizando suas responsabilidades pessoais nos acontecimentos, simultaneamente descontextualizam sua atuação histórica.
  • 128. Slogan do governo JK “cinquenta anos de progresso em cinco de governo”
  • 129. Governo Juscelino Kubitschek (31/01/1956 – 31/01/1961) JK marca uma das fases mais importantes da história econômica do Brasil: desenvolvimentismo industrialização
  • 130. Plano de Metas Programa destinado a desenvolver cinco setores considerados estratégicos: a-) energia (43% do investimento) b-) transporte (29% do investimento) c-) indústria (21% do investimento) d-) educação (4% do investimento) e-) alimentação (3% do investimento)
  • 131. O GOVERNO DE JUSCELINO KUBITSCHEK (1956 - 1960) • O governo de JK criou um clima de euforia e otimismo alimentado pela política populista e por grandes símbolos como Brasília, pela idéia de estar começando “um novo tempo”, “uma nova maneira de ser” e por um estilo próprio de governo (“presidente voador”, “presidente bossa- nova”, “presidente sorriso”).
  • 132. Inauguração da fábrica da Mercedes Benz, em São Bernardo do Campo, em 28 de setembro de 1956.
  • 133. Fábrica da Willys Overland do Brasil, em São Bernardo do Campo.
  • 145. Brasília • prevista desde a Constituição de 1891; • arquiteto Oscar Niemeyer; • urbanista Lúcio Costa; • inaugurada em 21 de abril de 1960; • localizada no Brasil Central  geopolítica / “grande meta de integração nacional”.
  • 146. Plano Piloto de Brasília – desenho original de Lúcio Costa
  • 157. O GOVERNO DE JUSCELINO KUBITSCHEK (1956 - 1960) • Nas eleições de 1960, os candidatos foram os seguintes: – Jânio Quadros (PDC + UDN + PTN) = 48% (campanha da “vassoura”) – Mal. Lott ( PSD + PTB + apoio do PCB) = 28 % – Ademar de Barros (PSP) = 23%
  • 159. Jânio Quadros: resumo do breve governo • O homem do tostão contra o milhão” •Governou de 31/01/1961 a 25/08/1961. • Grande apoio popular: eleito com quase 60% dos votos válidos. • Apoio da minoria no congresso: menos de 30%. • Lema: “A vassoura contra a corrupção”. •Campanha eleitoral baseada na renovação de costumes.
  • 160. Jânio Quadros resumo do breve governo Algumas medidas moralizadoras: •Proíbe o uso de biquínis nas praias. • Proíbe corridas de cavalos em dias úteis. • Manda recolher revistas O irresistível populista para adultos. •Proíbe shows de hipnotismo.
  • 161. Jânio Quadros: resumo do breve governo Medidas econômicas: • Economia - Para derrotar a inflação, Jânio adotou uma política econômica ditada pelo FMI (Fundo Monetário Internacional): restringiu o crédito e congelou os salários.
  • 162. Jânio Quadros: Resumo do breve governo Jânio Quadros e Fidel Castro se encontram. O então candidato à presidência da República visita Cuba e assume cada vez mais sua posição anti- americanista
  • 163. Jânio Quadros resumo do breve governo • Aproximação com Cuba criou atritos com a UDN e desagradou o governo norte- americano • Apoiou Cuba na questão da invasão norte americana na O revolucionário Ernesto Che Guevara é Baía dos Porcos condecorado pelo então presidente da República Jânio Quadros.
  • 164. Jânio Quadros: Resumo do breve governo •Crise Política - Pressões norte- americanas e da UDN provocaram freqüentes atritos entre o Presidente e o Congresso Nacional. •Em sua jornada política, enfrentou adversários que não lhe poupavam ataques pessoais. Diziam que era alcoólatra e deselegante. • Dentre eles Carlos Lacerda, que forja carta insinuando golpe socialista por parte de Jânio Quadros.
  • 165. Jânio Quadros: Resumo do breve governo • No dia seguinte ao fato, 25/08/1961, Jânio renuncia ao cargo por motivo de “Forças terríveis”. • Como o vice Jango encontrava – se na China, assume o presidente da câmara Ranieri Mazzilli. Carta de renúncia
  • 166.  renúncia de Jânio Quadros  crise político-militar. impasse: o vice-presidente João Goulart (político ligado a Getúlio) era malvisto pelos militares por suas ligações com o movimento trabalhista. A cúpula das Forças Armadas tentou impedi-lo de tomar posse. A solução para a crise foi a instituição do cargo de primeiro-ministro para chefiar o governo, enquanto o presidente seria apenas chefe de Estado.
  • 168. João Goulart: da posse ao golpe • Plano Trienal de Desenvolvimento Econômico e Social: • Elaborado pelo ministro do Planejamento Celso Furtado. • Objetivo: manter as taxas de crescimento da economia e reduzir a inflação. • Condições exigidas pelo FMI indispensáveis para a obtenção de novos empréstimos, para a renegociação da dívida externa e para a elevação do nível de investimento.
  • 169. João Goulart: da posse ao golpe • Estreitou alianças com o movimento sindical e setores nacional-reformistas. • Paralelamente tentou implementar uma política de estabilização baseada na contenção salarial.
  • 170. João Goulart: da posse ao golpe 13 de março de 1964: Comício em frente à Estação Central do Brasil, no Rio de Janeiro, Jango decretou a nacionalização das refinarias privadas de petróleo e desapropriou, para a reforma agrária, propriedades às margens de ferrovias, rodovias e zonas de irrigação de açudes públicos.
  • 171. João Goulart: da posse ao golpe • 19 de março de 1964: Em São Paulo ocorre a "Marcha da Família com Deus pela Liberdade", organizada por grupos da direita, com influência dos setores conservadores da Igreja Católica, em apoio à derrubada do Presidente.
  • 172. 31 de março: Movimento para o Golpe. 1º de abril: tentativa de controle da situação, mas não há apoio militar ou armado algum. É declarado vago o cargo de Presidente. Jango exila-se no Uruguai.
  • 173. Qual a causa do golpe militar de 1964?
  • 176. Castelo Branco Lista com 100 nomes que tiveram seus direitos políticos suspensos. Em primeiro lugar está Luiz Carlos Prestes, seguido de João Goulart, Jânio...Brizola...Celso Furtado...
  • 177. Castelo Branco Posse de Castelo B ranco: Governa de 1964 a 1967
  • 178. Castelo B ranco • Os ATOS INSTITUCIONAIS • AI -1 (suspensão das garantias constitucionais, aumento dos poderes do Executivo, diminuição do poder Legislativo, cassação dos mandatos, suspensão dos direitos políticos por 10 anos), passando a governar através de decretos-leis, Atos Institucionais (AIs), Atos Complementares e uma nova Constituição que foi outorgada em 1967.
  • 179. ATOS INSTITUCIONAIS AI 2 Estabelecia eleição indireta para a Presidência da república e extinguia todos os partidos políticos, dando origem ao bipartidarismo. O sistema bipartidário era baseado num partido ao governo (ARENA - Aliança Renovadora Nacional), e outro de oposição (MDB – Movimento Democrático B rasileiro). AI 3 Estabelecia eleições indiretas para governadores dos estados, a serem realizadas pelas assembléias estaduais, bem como a nomeação dos prefeitos das capitais, mediante a aprovação do respectivo legislativo estadual. Convocava o Congresso Nacional, em recesso desde 20 de outubro, para votar uma nova Constituição, em substituição à de 1946. AI 4 Convocava o Congresso Nacional, em recesso desde 20 de outubro, para votar uma nova Constituição, em substituição à de 1946.
  • 180. Constituição 1967 Principais características – Incorporação da legislação autoritária e centralizadora; – Eleição indireta para presidente e governadores; – Concentração dos poderes no Executivo (mandato de 4 anos, eleito indiretamente pelo Congresso com voto a descoberto) podendo fazer decretos-lei, emendas à Constituição, intervenção nos Estado e exclusividade em decretar leis sobre segurança e orçamentos; – Legislativo (número de deputados proporcional ao número de eleitores nos Estado) – Diminuição da autonomia dos Estados; – Lei de Greve;
  • 181. PAEG – Plano de Ação Econômica do Governo Governo Humberto de Alencar Castello Branco (15/04/1964-15/03/1967) – corte de gastos; – aumento de tarifas e impostos; – fim da Lei da Estabilidade; – criação do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) e do INPS (Instituto Nacional de Previdência Social); – aumento salarial (1X ao ano); – restrição de crédito; – arrocho salarial, recessão e desemprego.
  • 182. Principais Realizações do Governo Castelo Branco • INPS • Banco Central • Reforma Agrária • FGTS • BNH
  • 183. Quem foi o sucessor de Castelo Branco?
  • 184. Costa e Silva Do conturbado governo à trombose cerebral • Crescimento da oposição ao regime militar, como a Frente Ampla, composta por Carlos Lacerda, Juscelino Kubitschek e Jango. • 1968: O ano que não acabou
  • 185. O que significou o ano de 1968?
  • 186. Costa e Silva Do conturbado governo à trombose cerebral • intensificação dos protestos e a imediata reação do governo. • As manifestações estudantis, que denunciavam a falta de verbas para educação e se opunham ao projeto de privatização do ensino público, ganharam nova dimensão com a morte do estudante secundarista Edson Luís, em conflito com a Polícia militar no Rio de Janeiro.
  • 187. Costa e Silva Do conturbado governo à trombose cerebral • Em resposta, houve uma greve estudantil nacional, comícios e manifestações urbanas com a participação de amplos setores da sociedade, cujo ponto alto foi a Passeata dos Cem Mil, ocorrida no Rio de Janeiro. • O ambiente político tornou-se ainda mais tenso, e em abril o governo proibiu a Frente Ampla, tornando ilegal suas reuniões, manifestações e publicações.
  • 189. Costa e Silva Do conturbado governo à trombose cerebral • O diagnóstico militar era o de que havia "um processo bem adiantado de guerra revolucionária" liderado pelos comunistas.
  • 190. Costa e Silva Do conturbado governo à trombose cerebral • Nesse contexto o presidente baixa em, 13/12/1968 o AI 5, que entregou o país às forças mais retrógradas e violentas de nossa História recente. • O AI 5 dava direito (entre outros) ao presidente sem apreciação judicial a: • Intervir nos estados e municípios; • Cassar mandatos parlamentares; • Suspender, por dez anos, os direitos políticos de qualquer cidadão; • Decretar o confisco de bens considerados ilícitos; • Autorizar pena de morte para crimes políticos e prisão perpétua
  • 191. Costa e Silva Do conturbado governo à trombose cerebral • Mas, em 1969, o presidente Costa e Silva sofreu um derrame cerebral, e seu vice Pedro Aleixo foi impedido de assumir pois os militares da linha dura alegavam que ele era contra os "princípios revolucionários". Na verdade, Aleixo havia-se posicionado contrariamente ao AI-5. • Assume a Junta Militar.
  • 192. Costa e Silva Do conturbado governo à trombose cerebral A Junta Militar: General Aurélio de Lira Tavares, Almirante Augusto Rademaker e o Brigadeiro Márcio de Sousa Melo.
  • 193. • Diante da situação uma parcela da esquerda brasileira decidiu organizar-se e derrubar a ditadura por meio da luta armada
  • 194. Alguns dias depois, o embaixador norte – americano Charles Burke Elbrick foi seqüestrado por organizações esquerdistas. Os seqüestradores exigiram a libertação de presos políticos
  • 195. Principais Realizações do Governo Costa e Silva • Rio Niterói • Funai • Mobral • Funrural
  • 197. Governo Médici • O binômio Segurança e Desenvolvimento constituiu a base de seu governo e justificou a sistemática destruição das oposições: a luta contra “comunistas” e “subversivos” foi intensificada; os meios de comunicação e a produção artística sofreram os rigores da censura, e as liberdades, os direitos e garantias individuais conheceram grandes limitações. No governo Médici começou o MILAGRE BRASILEIRO, exaltado na publicidade oficial e reforçado pelas conquistas nos esportes.
  • 198. Carlos Lamarca assassinado Repressão a qualquer manifestação antigovernista
  • 200. • prisões, torturas, assassinatos (“desaparecidos”). • repressão intensa e eliminação da guerrilha de esquerda (SNI, DOI-CODI, OBAN, DOPS...) Pau de arara Assassinato de Marighella
  • 201. A tortura foi um instrumento político da ditadura
  • 205. O governo militar procurava criar uma política cultural ufanista e otimista, divulgando slogans como “Brasil, ame-o ou deixe-o”, aproveitando-se da vitória do Brasil na Copa de 1970, capitalizando-a como expressão do “milagre brasileiro”.
  • 206. O milagre econômico brasileiro
  • 207. Milagre econômico O estouro de crescimento econômico, ocorrido entre 1968 e 1973 (governos Costa e Silva e Médici), ficou conhecido como “milagre econômico”. Mas, ao lado da euforia da classe média, que teve seu poder aquisitivo ampliado naquele momento, convivia um outro país, que não era atingido por esse milagre.
  • 208. Ano PIB Indústria Agricultura Serviços 1968 9,8 14,2 1,4 9,9 1969 9,5 11,2 6,0 9,5 1970 10,4 11,9 5,6 10,5 1971 11,3 11,9 10,2 11,5 1972 12,1 14,0 4,0 12,1 1973 14,0 16,6 0,0 13,4 Fonte: GREMAUD, A. P.; VASCONCELLOS, M. A. S.; TONETO JÚNIOR, R. Economia brasileira contemporânea. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2008, p. 385.
  • 209. Grandes obras públicas 1970 – criado o PIN (Programa de Integração Nacional) – construção da Transamazônica.
  • 212. Itaipu
  • 214. Principais Realizações do Governo Médici • Estradas - Construção da Rodovia Transamazônica. • Petróleo - Inauguração da Refinaria de Paulínia (SP) • Hidrelétrica - Inauguração da Usina Hidrelétrica de Ilha Solteira (SP) • Usina Nuclear - Início da construção da Usina Nuclear de Angra dos Reis (Angra I ) RJ
  • 216. Governo Geisel • Governou em meio aos problemas que afetaram o Brasil nos anos 70 e que encerraram a era do Milagre Brasileiro. Nesse contexto, Geisel deu início ao processo de abertura “lenta gradual e segura” do regime, isto é, conduzida pelo próprio governo.
  • 217. Governo Geisel • Apesar de ter iniciado a abertura política, o governo Geisel procurou obstruir a atuação das oposições. Assim, a vitória do MDB na eleições de 1974, aumentando o número de seus deputados e senadores, teve como respostas a LEI FALCÃO e o PACOTE DE ABRIL. Entre 1975 e 1977, vários mandatos de parlamentares foram cassados e, nas prisões, ainda se praticava a tortura.
  • 218. Outubro de 1975: assassinato do jornalista Wladimir Herzog sob tortura
  • 219. Principais Realizações do Governo Geisel • Energia- Proálcool (1975) • Sociedade-Aprovada a Lei do Divórcio em 1977 • Hidrelétrica-Início da construção das usinas de Itaipu e Tucuruí • Usina Nuclear-Acordo Nuclear Brasil- Alemanha prevendo a construção de novas usinas nucleares: a continuação das obras da USINA Angra
  • 221. Figueiredo • Foi no governo Figueiredo que se completou a redemocratização do país. • LEI DA ANISTIA • A REFORMA PARTIDÁRIA que acabou com o bipartidarismo e restabeleceu o PLURIPARTIDARISMO • GOVERNADORES estaduais voltaram a ser escolhidos por meio de eleições diretas.
  • 223. Os trabalhadores influíram na abertura São Bernardo do Campo, 13 de maio de 1979: Lula discursa para 60 mil metalúrgicos do ABC.
  • 224. Lula liderou a greve dos metalúrgicos de 1980. O movimento provocou a intervenção do Governo Federal no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema e a prisão de Lula e outros dirigentes sindicais, com base na Lei de Segurança Nacional. Foram 31 dias de prisão.
  • 226. Figueiredo • No plano econômico, o modelo militar mostrava – se nitidamente esgotado e, para agravar a situação, em 79 ocorre a CRISE DO PETRÓLEO (fato decisivo para o fim da onda de ditaduras no mundo) e a elevação de juros no mercado internacional. • O governo congela as importações de petróleo e estimula as atividades proálcool. • Em 1981, o aumento da dívida externa, que girava em torno de 61 bilhões de dólares, associado ao crescimento negativo do PIB e aos altos índices inflacionários geraram a estagnação das atividades econômicas e produtivas aliada à inflação dos preços.
  • 227. Figueiredo • Em 1983 formou-se uma frente única que reuniu partidos e entidades de oposição numa campanha que tomou o país, reivindicando eleições diretas para a presidência da República, era a campanha das “Diretas já”.
  • 228. O que foi o movimento das Diretas Já
  • 229. Figueiredo • Mas a emenda constitucional das diretas, de autoria do deputado peemedebista Dante de Oliveira, foi derrotada na Câmara em abril de 1984.
  • 230. Figueiredo • Concorreram à presidência dois candidatos: Paulo Maluf e Tancredo Neves. Paulo Maluf era o candidato oficial do PDS, o partido do governo. Entretanto, não contavam com o apoio afetivo das forças tradicionais que estavam no poder. • Tancredo Neves era o candidato de uma confusa aliança política (Aliança Democrática) composta por ex-integrantes do PDS e membros do PMDB.
  • 231. Figueiredo • Por eleições indiretas é eleito Tancredo Neves, que recebeu 480 votos contra 180 dados a Maluf e 26 abstenções. Mas Tancredo não conseguiu tomar posse da presidência da República: doze horas antes da solenidade de posse, foi internado e operado no Hospital de Base de Brasília com fortes dores abdominais. Depois foi transferido para o Instituto do Coração, em São Paulo. • Tancredo morreu em 21 de abril de 1985. O país foi tomado de grande comoção, em face da morte de Tancredo e das esperanças de mudança nele depositadas.
  • 232. O que se esperava de Tancredo Neves
  • 236. Governo Sarney • A “Constituição Cidadã” – Com emendas populares; – Fixou o mandato presidencial em 5 anos (que depois foi alterado para 4 anos); – Afirmou a independência dos Três Poderes; – Restringiu o poder das Forças Armadas; – Estabeleceu eleições diretas com dois turnos para presidência; – Manteve o voto facultativo para os jovens entre 16 e 18 anos e analfabetos; – Fixou os direitos individuais e coletivos.
  • 239. Governo Sarney • A partir de 1986 o Brasil passou por diversos planos de estabilização econômica. Todos com o mesmo objetivo: eliminar a inflação e criar condições para um desenvolvimento auto-sustentado.
  • 240. PLANOS ECONÔMICOS Foi implantado em 1986. Mudou a moeda de cruzeiro para cruzado, congelou preços e salários, extinguiu a correção Plano monetária e criou o seguro-desemprego e o gatilho salarial Cruzado (reajuste automático dos salários toda vez que a inflação atingisse certo nível). Foi lançado em 1987. Congelou preços e salários, aumentou as Plano tarifas públicas e extinguiu o gatilho salarial. Bresser Foi implantado em 1989. Mudou a moeda para Cruzado Novo. Ocorreu nova mudança através do, que buscou segurar a inflação pelo controle do déficit público, privatizando as empresas estatais e Plano Verão demitindo funcionários.
  • 241. O Cruzado é proveniente do Plano Cruzado, implantado pelo governo Sarney. O Plano tinha como objetivo combater a inflação e aumentar o poder aquisitivo da população. A partir do dia 28 de Fevereiro de 1986, mil cruzeiros passaram a valer um cruzado. Para implantar o Cruzado o governo aproveitou as cédulas de 10 mil, 50 mil e 100 mil cruzeiros, carimbando-as para o novo padrão. O Carimbo era circular com as palavras "Banco Central do Brasil" e "Cruzado", com o valor no centro. Cr$ 1.000 = Cz$ 1,00
  • 245. Cruzado Novo entrou em circulação no dia 15 de janeiro de 1989, na segunda reforma monetária do presidente José Sarney. A nova moeda substituía o Cruzado, sendo que um Cruzado Novo valia 1000 Cruzados. Foram aproveitadas as cédulas de mil, 5 mil e 10 mil Cruzados, que receberam um carimbo para o novo padrão monetário. O carimbo adotado era um triangulo com as palavras "cruzado novo" em duas linhas próximas à base do triângulo. Cz$ 1.000,00 = NCz$ 1,00
  • 248. O Cruzeiro foi reintroduzido como padrão monetário em substituição ao "Cruzado Novo", como parte do "Plano Collor", sem ocorrer a perda de três zeros. NCz$ 1,00 = Cr$ 1,00
  • 252. O Cruzeiro Real foi implantado no 1o de Agosto de 1993, substituindo o Cruzeiro, por excesso de zeros. Foram aproveitadas as notas de 50 mil, 100 mil e 500 mil Cruzeiros, devidamente carimbadas para o novo padrão. Cr$ 1.000,00 = CR$ 1,00
  • 255. A sucessão de Sarney
  • 256. GOVERNO COLLOR (1990- 1992) • Em 15 de março de 1990, Fernando Collor de Mello, ex-governador de Alagoas, tomou posse como o primeiro presidente eleito pelo voto direto, depois de 25 anos. Iniciou imediatamente a luta contra a crise econômica, por meio do PLANO BRASIL NOVO.
  • 257. GOVERNO COLLOR (1990- 1992) • Mais conhecido como Plano Collor extinguiu o Cruzado Novo e voltou ao padrão Cruzeiro. Congelou salários e preços. Bloqueou a maior parte do dinheiro das contas bancárias, poupança e aplicações financeiras como estratégia para controlar a hiperinflação. Nos meses seguintes o governo demitiu milhares de funcionários públicos. Reduziu os impostos de importação de vários produtos com o objetivo de abrir a economia brasileira ao mercado internacional já em fase de globalização
  • 259. IMPEACHMENT • Denúncias de corrupção, envolvendo altos escalões do governo, assessores, amigos e familiares do presidente, levaram o Congresso a formar uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), a qual constatou a existência de um esquema de corrupção. Uma campanha nacional liderada pela mídia e tendo como símbolo estudantes “os caras pintadas” tomou as ruas exigindo o Impeachment do presidente. • Em 29 de setembro de 1992 foi instaurado um processo de impeachment contra o presidente Fernando Collor de Mello, que renunciou horas antes do julgamento em 29/12/1992.
  • 261. GOVERNO ITAMAR FRANCO (1992- 1994) • Após a renúncia de Collor o vice-presidente Itamar Franco assumiu oficialmente a presidência em 29 de dezembro de 1992, procurando ajustar o ministério às forças políticas do Congresso Nacional. • Seu governo foi marcado pelo PLEBISCITO e pela implantação do PLANO REAL em 1994 criado pela equipe econômica do ministro da fazenda, Fernando Henrique Cardoso. A popularidade do plano que conseguiu diminuir a inflação e estabilizar a economia após anos de descontrole e hiperinflação, deu a Fernando Henrique a vitória nas eleições de 1994 no primeiro turno.
  • 262. O Real foi lançado em 01/07/1994 pelo Plano Real no governo Itamar Franco, com o objetivo de criar uma moeda forte e acabar com a inflação. Primeiramente foi estabelecido um índice paralelo para efeito de transição, a Unidade Real de Valor (URV). A Conversão de Cruzeiros Reais para Reais foi feita mediante a divisão do valor em Cruzeiros Reais pelo valor da URV de CR$2.750,00. CR$ 2.750,00 = R$ 1,00
  • 266. GOVERNO ITAMAR FRANCO (1992- 1994) • O período da redemocratização é marcado pelo avanço das fórmulas neoliberais, que estimulam a abertura do mercado nacional, a privatização de estatais e um recuo nos programas sociais do governo. A inflação é controlada, porém a economia cresce pouco, e a dívida externa e o desemprego aumentam.
  • 267. Fernando Henrique Cardoso • Com o apoio do governo e da aliança formada entre o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB),e o Partido da Frente Liberal (PFL), Fernando Henrique Cardoso apresenta-se à disputa eleitoral como o idealizador do Plano Real e vence ainda no 1º turno das eleições diretas. • Seu 1º mandato vai de 1995 a 1998 .
  • 269. Fernando Henrique Cardoso No primeiro dia de seu mandato passar a vigorar o Tratado de Assunção, assinado pelo governo Collor, cujo objetivo era a implantação do Mercosul. O acordo foi entre Argentina, Uruguai, Paraguai e Brasil consistia na criação de uma área de livre comércio
  • 270. Fernando Henrique Cardoso Projeto Reformador (emendas constitucionais) - Dentre as aprovadas pelo Congresso destacam-se: • Quebra dos monopólios do petróleo; • Quebra dos monopólios de telecomunicações; • Alteração do conceito de empresa nacional (no sentido de não discriminar o capital estrangeiro) - Neoliberalismo • Idéia de modificar a Constituição para permitir a reeleição presidencial.
  • 271. Fernando Henrique Cardoso privatizou muitas estatais contribuindo para o desemprego estrutural.A primeira privatização ocorreu em 1995, com a venda da ESCELSA.
  • 283. Muitos dizem que a reeleição foi um “golpe branco” de FHC, pois ele alterou as regras do jogo para se favorecer, e obteve sucesso: a emenda não só se tornou viável, como ele foi reeleito ao fim de 1998, permanecendo no governo até 2002.
  • 284. Eleições de 2002 (PT, PL, PC do B, PCB e PMN) O PT elaborou um programa de governo para resgatar as dívidas sociais fundamentais que o Brasil tem com a maioria da população. a abertura do leque de alianças para o PL, atraiu o voto dos empresários e dos evangélicos.
  • 285. 5 de julho de 2002: Lula com José Alencar (vice), Genoino e Mercadante, em caminhada pelo centro de São Paulo.
  • 290. Luiz Inácio Lula da Silva (1º/01/2003 – ...)  Eleito e reeleito presidente (duas legislaturas: 2003-2007 / 2007-2010);  Política econômica conservadora  superávit alcançado por meio do corte de investimentos;
  • 292. PAC