SlideShare uma empresa Scribd logo
HISTÓRIA E EVOLUÇÃO  DO DINHEIRO NO BRASIL
(Padrão Real - 1833/1888)   IMPÉRIO BRASILEIRO
REPÚBLICA  - MIL-REIS - 1888/1942
O Cruzeiro foi criado dia 5 de Outubro de 1942, mas só passou a valer como unidade monetária a partir da meia-noite do dia 31 de Outubro de 1942. Ele substituiu o padrão Mil Réis, que causava problemas por ter divisão milesimal. Outro objetivo dessa mudança foi unificar o meio circulante, já que na época existiam 56 tipos diferentes de cédulas, sendo 35 do tesouro nacional, 14 do Banco do Brasil e 7 da extinta Caixa de Estabilização. Foram usadas aproximadamente 8 notas do padrão  Mil Réis, carimbadas para o novo valor.     1$000 = Cr$ 1,00
 
 
 
Cruzeiro Novo foi implantado no dia 13 de fevereiro de 1967. O Cruzeiro, padrão monetário desde 1942, perdia três zeros e se transformava em Cruzeiro Novo. O Cruzeiro Novo foi o único padrão monetário que não teve cédulas próprias. O Banco Central reaproveitou cédulas do Cruzeiro, carimbando-as para o Cruzeiro Novo. O carimbo utilizado era formado por 2 círculos concêntricos, com o valor expresso no centro e as palavras BANCO CENTRAL e CENTAVOS ou CRUZEIROS NOVOS no espaço entre os círculos. Cr$ 1.000  = NCr$ 1,00
 
O Cruzeiro substituiu o Cruzeiro Novo em 15 de Maio de 1970, sendo que um Cruzeiro valia um Cruzeiro Novo. Durou até 27 de fevereiro de 1986.  NCr$ 1,00 = Cr$ 1,00 .
 
 
 
 
O Cruzado foi implantado pelo governo Sarney (Plano Cruzado).  O Plano tinha como objetivo combater a inflação e aumentar o poder aquisitivo da população. A partir do dia 28 de Fevereiro de 1986, mil cruzeiros  passaram a valer um cruzado.   Para implantar o Cruzado o governo aproveitou as cédulas de 10 mil, 50 mil e 100 mil cruzeiros,  carimbando-as para o novo padrão. O Carimbo era circular com as palavras "Banco Central do Brasil" e "Cruzado", com o valor no centro. Cr$ 1.000 = Cz$ 1,00
 
 
 
O Cruzado Novo entrou em circulação no dia 15 de janeiro de 1989, na segunda reforma monetária do presidente José Sarney. A nova moeda substituía o Cruzado, sendo que um Cruzado Novo valia 1000  Cruzados.  Foram aproveitadas as cédulas de mil, 5 mil e 10 mil Cruzados, que receberam um carimbo para o novo padrão monetário. O carimbo adotado era um triangulo com as palavras "cruzado novo" em duas linhas próximas à base do triângulo.  Cz$ 1.000,00 = NCz$ 1,00
 
 
O Cruzeiro foi reintroduzido como padrão monetário em substituição ao  “Cruzado Novo”, como parte do "Plano Collor", sem ocorrer a perda de três zeros.    NCz$ 1,00 = Cr$ 1,00
 
 
 
O Cruzeiro Real foi implantado no 1 o  de Agosto de 1993, substituindo o Cruzeiro, por excesso de zeros. Foram aproveitadas as notas de 50 mil, 100 mil e 500 mil Cruzeiros, devidamente carimbadas para o novo padrão. Cr$ 1.000,00 = CR$ 1,00
 
 
O Real foi lançado em 01/07/1994 pelo Plano Real no governo Itamar Franco, com o objetivo de criar uma moeda forte e acabar com a inflação. Primeiramente foi estabelecido um índice paralelo para efeito de transição, a Unidade Real de Valor (URV). A Conversão de Cruzeiros Reais para Reais foi feita mediante a divisão do valor em Cruzeiros Reais pelo valor da URV de CR$2.750,00. CR$ 2.750,00 = R$ 1,00
 
 
1993/1994 – CRUZEIROS REAIS R$ 1,00 =  CR$ 2.750,00  1990/1993 – CRUZEIROS R$ 1,00 =  Cr$ 2.750.000,00  1989/1990 – CRUZADOS NOVO R$ 1,00 =  NCz$ 2.750.000,00 1986/1989 – CRUZADOS R$ 1,00 =  Cz$ 2.750.000.000,00 1970/1986 – CRUZEIROS R$ 1,00 =  Cr$ 2.750.000.000.000,00 1967/1970 – CRUZEIROS NOVO R$ 1,00 =  NCr$ 2.750.000.000.000,00 1942/1967 – CRUZEIROS R$ 1,00 = Cr$ 2.750.000.000.000.000,00 ****/1942 – MIL-REIS R$ 1,00 =  2.750.000.000.000.000$000 Resumindo:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Educacao financeira
Educacao financeiraEducacao financeira
Educacao financeira
Marcia Adriana Fernandes Costa
 
Regra de três simples e composta
Regra de três simples e compostaRegra de três simples e composta
Regra de três simples e composta
Marcelo Pinheiro
 
Matematica Financeira
Matematica FinanceiraMatematica Financeira
Matematica Financeira
Nyedson Barbosa
 
Educação Financeira
Educação FinanceiraEducação Financeira
Educação Financeira
Alexandre Fernandes
 
História do dinheiro
História do dinheiroHistória do dinheiro
História do dinheiro
eduquealuno
 
Orçamento Familiar
Orçamento FamiliarOrçamento Familiar
Aulas de matematica financeira (juros simples)
Aulas de matematica financeira (juros simples)Aulas de matematica financeira (juros simples)
Aulas de matematica financeira (juros simples)
Adriano Bruni
 
2017: Tópicos em Educação Financeira
2017: Tópicos em Educação Financeira2017: Tópicos em Educação Financeira
2017: Tópicos em Educação Financeira
Leandro de Castro
 
Palestra Cooperativismo e Educação Financeira
Palestra Cooperativismo e Educação FinanceiraPalestra Cooperativismo e Educação Financeira
Palestra Cooperativismo e Educação Financeira
CRA - MG
 
Porcentagem
PorcentagemPorcentagem
Porcentagem
Maria Cristina
 
Palestra Educação e Planejamento Financeiro Pessoal
Palestra Educação e Planejamento Financeiro PessoalPalestra Educação e Planejamento Financeiro Pessoal
Palestra Educação e Planejamento Financeiro Pessoal
Benjamim Garcia Netto
 
Radiciaçâo
RadiciaçâoRadiciaçâo
A história da matemática materiais simbólicos
A história da matemática   materiais simbólicosA história da matemática   materiais simbólicos
A história da matemática materiais simbólicos
Rafaela Feitosa
 
educação financeira
educação financeiraeducação financeira
HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
HISTÓRIA DA MATEMÁTICAHISTÓRIA DA MATEMÁTICA
HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
gilmar_adv
 
Juros simples e compostos
Juros simples e compostosJuros simples e compostos
Juros simples e compostos
Rodrigo Carvalho
 
Números racionais
Números racionaisNúmeros racionais
Números racionais
Helena Borralho
 
Gráficos
GráficosGráficos
Gráficos
edsonluz
 
A origem dos números
A origem dos númerosA origem dos números
A origem dos números
ilzavrg
 
Porcentagem.ppt
Porcentagem.pptPorcentagem.ppt
Porcentagem.ppt
Rafael Moreno
 

Mais procurados (20)

Educacao financeira
Educacao financeiraEducacao financeira
Educacao financeira
 
Regra de três simples e composta
Regra de três simples e compostaRegra de três simples e composta
Regra de três simples e composta
 
Matematica Financeira
Matematica FinanceiraMatematica Financeira
Matematica Financeira
 
Educação Financeira
Educação FinanceiraEducação Financeira
Educação Financeira
 
História do dinheiro
História do dinheiroHistória do dinheiro
História do dinheiro
 
Orçamento Familiar
Orçamento FamiliarOrçamento Familiar
Orçamento Familiar
 
Aulas de matematica financeira (juros simples)
Aulas de matematica financeira (juros simples)Aulas de matematica financeira (juros simples)
Aulas de matematica financeira (juros simples)
 
2017: Tópicos em Educação Financeira
2017: Tópicos em Educação Financeira2017: Tópicos em Educação Financeira
2017: Tópicos em Educação Financeira
 
Palestra Cooperativismo e Educação Financeira
Palestra Cooperativismo e Educação FinanceiraPalestra Cooperativismo e Educação Financeira
Palestra Cooperativismo e Educação Financeira
 
Porcentagem
PorcentagemPorcentagem
Porcentagem
 
Palestra Educação e Planejamento Financeiro Pessoal
Palestra Educação e Planejamento Financeiro PessoalPalestra Educação e Planejamento Financeiro Pessoal
Palestra Educação e Planejamento Financeiro Pessoal
 
Radiciaçâo
RadiciaçâoRadiciaçâo
Radiciaçâo
 
A história da matemática materiais simbólicos
A história da matemática   materiais simbólicosA história da matemática   materiais simbólicos
A história da matemática materiais simbólicos
 
educação financeira
educação financeiraeducação financeira
educação financeira
 
HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
HISTÓRIA DA MATEMÁTICAHISTÓRIA DA MATEMÁTICA
HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
 
Juros simples e compostos
Juros simples e compostosJuros simples e compostos
Juros simples e compostos
 
Números racionais
Números racionaisNúmeros racionais
Números racionais
 
Gráficos
GráficosGráficos
Gráficos
 
A origem dos números
A origem dos númerosA origem dos números
A origem dos números
 
Porcentagem.ppt
Porcentagem.pptPorcentagem.ppt
Porcentagem.ppt
 

Destaque

Comex e tecnologia
Comex e tecnologiaComex e tecnologia
Comex e tecnologia
Harutchy
 
Marketing Unidade I
Marketing Unidade IMarketing Unidade I
Marketing Unidade I
Harutchy
 
Acórdão 22ª câmara cível
Acórdão   22ª câmara cívelAcórdão   22ª câmara cível
Acórdão 22ª câmara cível
Conversa Afiada
 
Fundamentos de sociologia Unidade III
Fundamentos de sociologia Unidade IIIFundamentos de sociologia Unidade III
Fundamentos de sociologia Unidade III
Harutchy
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
Fernando Pimentel
 
Fundamentos de Sociologia Unidade V
Fundamentos de Sociologia Unidade VFundamentos de Sociologia Unidade V
Fundamentos de Sociologia Unidade V
Harutchy
 
Fundamentos de Sociologia Unidade VI
Fundamentos de Sociologia Unidade VIFundamentos de Sociologia Unidade VI
Fundamentos de Sociologia Unidade VI
Harutchy
 
Conceitos centrais de marketing Unidade II
Conceitos centrais de marketing Unidade IIConceitos centrais de marketing Unidade II
Conceitos centrais de marketing Unidade II
Harutchy
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
Tamires Deolin
 
Fundamentos de Sociologia Unidade I
Fundamentos de Sociologia Unidade IFundamentos de Sociologia Unidade I
Fundamentos de Sociologia Unidade I
Harutchy
 

Destaque (11)

Comex e tecnologia
Comex e tecnologiaComex e tecnologia
Comex e tecnologia
 
Marketing Unidade I
Marketing Unidade IMarketing Unidade I
Marketing Unidade I
 
Acórdão 22ª câmara cível
Acórdão   22ª câmara cívelAcórdão   22ª câmara cível
Acórdão 22ª câmara cível
 
Fundamentos de sociologia Unidade III
Fundamentos de sociologia Unidade IIIFundamentos de sociologia Unidade III
Fundamentos de sociologia Unidade III
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
 
Mapa de energia
Mapa de energiaMapa de energia
Mapa de energia
 
Fundamentos de Sociologia Unidade V
Fundamentos de Sociologia Unidade VFundamentos de Sociologia Unidade V
Fundamentos de Sociologia Unidade V
 
Fundamentos de Sociologia Unidade VI
Fundamentos de Sociologia Unidade VIFundamentos de Sociologia Unidade VI
Fundamentos de Sociologia Unidade VI
 
Conceitos centrais de marketing Unidade II
Conceitos centrais de marketing Unidade IIConceitos centrais de marketing Unidade II
Conceitos centrais de marketing Unidade II
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Fundamentos de Sociologia Unidade I
Fundamentos de Sociologia Unidade IFundamentos de Sociologia Unidade I
Fundamentos de Sociologia Unidade I
 

Semelhante a história do Dinheiro no Brasil

Moeda brasileira
Moeda brasileiraMoeda brasileira
Moeda brasileira
Silas Ramos
 
Cédulas brasileiras
Cédulas brasileirasCédulas brasileiras
Cédulas brasileiras
Marcelo Paiva
 
Moeda+Brasileira%28ce%29
Moeda+Brasileira%28ce%29Moeda+Brasileira%28ce%29
Moeda+Brasileira%28ce%29
romonteiro
 
Moeda Brasileira
Moeda BrasileiraMoeda Brasileira
Moeda Brasileira
Marcelo Paiva
 
Cédulas do Brasil
Cédulas do BrasilCédulas do Brasil
Cédulas do Brasil
Joao Germano Teixeira
 
Moeda Brasileira
Moeda BrasileiraMoeda Brasileira
Moeda Brasileira
Prof. Oliveira Andrade
 
HistóRia Da Moeda Brasileira
HistóRia Da Moeda BrasileiraHistóRia Da Moeda Brasileira
HistóRia Da Moeda Brasileira
alex reges
 
Moedas Brasileiras!
Moedas Brasileiras!Moedas Brasileiras!
Moedas Brasileiras!
Aristides Monteiro
 
Moeda Brasileira
Moeda BrasileiraMoeda Brasileira
Moeda Brasileira
Claudio Juliana
 
Moeda Brasileira
Moeda BrasileiraMoeda Brasileira
Moeda Brasileira
Milene Cristina
 
Moedas Brasileiras 1192731476391595 2
Moedas Brasileiras 1192731476391595 2Moedas Brasileiras 1192731476391595 2
Moedas Brasileiras 1192731476391595 2
siqueiravetor
 
Moeda Brasileira
Moeda BrasileiraMoeda Brasileira
Moeda Brasileira
Renata Emy
 
Moedabrasileira
MoedabrasileiraMoedabrasileira
Moedabrasileira
Jefter Artur
 
Cedulas do Brasil
Cedulas do BrasilCedulas do Brasil
Cedulas do Brasil
Mensagens Virtuais
 
MOEDA BRASILEIRA
MOEDA BRASILEIRAMOEDA BRASILEIRA
MOEDA BRASILEIRA
Vania Lima "Somos Físicos"
 
Cédulas do Brasil
Cédulas do BrasilCédulas do Brasil
Cédulas do Brasil
Gabriel
 
Moeda brasileira
Moeda brasileiraMoeda brasileira
Moeda brasileira
Douglas Carvalho
 
Moeda brasileira
Moeda brasileiraMoeda brasileira
Moeda brasileira
Cicero Santos
 
Moeda brasileira
Moeda brasileiraMoeda brasileira
Moeda brasileira
valdeniDinamizador
 
Moeda brasileira
Moeda brasileiraMoeda brasileira
Moeda brasileira
Luiz Carlos Dias
 

Semelhante a história do Dinheiro no Brasil (20)

Moeda brasileira
Moeda brasileiraMoeda brasileira
Moeda brasileira
 
Cédulas brasileiras
Cédulas brasileirasCédulas brasileiras
Cédulas brasileiras
 
Moeda+Brasileira%28ce%29
Moeda+Brasileira%28ce%29Moeda+Brasileira%28ce%29
Moeda+Brasileira%28ce%29
 
Moeda Brasileira
Moeda BrasileiraMoeda Brasileira
Moeda Brasileira
 
Cédulas do Brasil
Cédulas do BrasilCédulas do Brasil
Cédulas do Brasil
 
Moeda Brasileira
Moeda BrasileiraMoeda Brasileira
Moeda Brasileira
 
HistóRia Da Moeda Brasileira
HistóRia Da Moeda BrasileiraHistóRia Da Moeda Brasileira
HistóRia Da Moeda Brasileira
 
Moedas Brasileiras!
Moedas Brasileiras!Moedas Brasileiras!
Moedas Brasileiras!
 
Moeda Brasileira
Moeda BrasileiraMoeda Brasileira
Moeda Brasileira
 
Moeda Brasileira
Moeda BrasileiraMoeda Brasileira
Moeda Brasileira
 
Moedas Brasileiras 1192731476391595 2
Moedas Brasileiras 1192731476391595 2Moedas Brasileiras 1192731476391595 2
Moedas Brasileiras 1192731476391595 2
 
Moeda Brasileira
Moeda BrasileiraMoeda Brasileira
Moeda Brasileira
 
Moedabrasileira
MoedabrasileiraMoedabrasileira
Moedabrasileira
 
Cedulas do Brasil
Cedulas do BrasilCedulas do Brasil
Cedulas do Brasil
 
MOEDA BRASILEIRA
MOEDA BRASILEIRAMOEDA BRASILEIRA
MOEDA BRASILEIRA
 
Cédulas do Brasil
Cédulas do BrasilCédulas do Brasil
Cédulas do Brasil
 
Moeda brasileira
Moeda brasileiraMoeda brasileira
Moeda brasileira
 
Moeda brasileira
Moeda brasileiraMoeda brasileira
Moeda brasileira
 
Moeda brasileira
Moeda brasileiraMoeda brasileira
Moeda brasileira
 
Moeda brasileira
Moeda brasileiraMoeda brasileira
Moeda brasileira
 

Mais de Denise Rivera

Campanha vereadora 2016 DENISE RIVERA
Campanha vereadora 2016   DENISE RIVERACampanha vereadora 2016   DENISE RIVERA
Campanha vereadora 2016 DENISE RIVERA
Denise Rivera
 
XXIII Congresso Nacional de Criminalística - divulgação
XXIII Congresso Nacional de Criminalística - divulgaçãoXXIII Congresso Nacional de Criminalística - divulgação
XXIII Congresso Nacional de Criminalística - divulgação
Denise Rivera
 
Diagnostico da pericia oficial do rio de janeiro 2015
Diagnostico da pericia oficial do rio de janeiro 2015Diagnostico da pericia oficial do rio de janeiro 2015
Diagnostico da pericia oficial do rio de janeiro 2015
Denise Rivera
 
Aperj - Associação de Peritos Oficiais do Rio de Janeiro
Aperj  - Associação de Peritos Oficiais do Rio de JaneiroAperj  - Associação de Peritos Oficiais do Rio de Janeiro
Aperj - Associação de Peritos Oficiais do Rio de Janeiro
Denise Rivera
 
A situaçao pericia rj
A situaçao pericia rjA situaçao pericia rj
A situaçao pericia rj
Denise Rivera
 
A vida como um jogo de damas
A vida como um jogo de damasA vida como um jogo de damas
A vida como um jogo de damas
Denise Rivera
 
Winter Day
Winter DayWinter Day
Winter Day
Denise Rivera
 
Tour eiffel
Tour eiffelTour eiffel
Tour eiffel
Denise Rivera
 
Superbe et joyeux noel
Superbe et joyeux noelSuperbe et joyeux noel
Superbe et joyeux noel
Denise Rivera
 
Encante se e se emocione
Encante se e se emocioneEncante se e se emocione
Encante se e se emocione
Denise Rivera
 
Amazing worldphotos
Amazing worldphotosAmazing worldphotos
Amazing worldphotos
Denise Rivera
 
Apresentação aperj - estrutura da perícia
Apresentação   aperj - estrutura da períciaApresentação   aperj - estrutura da perícia
Apresentação aperj - estrutura da perícia
Denise Rivera
 
Apresentação aperj - estrutura da perícia
Apresentação   aperj - estrutura da períciaApresentação   aperj - estrutura da perícia
Apresentação aperj - estrutura da perícia
Denise Rivera
 
Manifestacao durante audiencia publica na alerj
Manifestacao durante audiencia publica na alerjManifestacao durante audiencia publica na alerj
Manifestacao durante audiencia publica na alerj
Denise Rivera
 
Primeiras Fotos Coloridas
Primeiras Fotos ColoridasPrimeiras Fotos Coloridas
Primeiras Fotos Coloridas
Denise Rivera
 
1 3- premièresphotoscoul-dd
1 3- premièresphotoscoul-dd1 3- premièresphotoscoul-dd
1 3- premièresphotoscoul-dd
Denise Rivera
 
LES CHATEAUX DE LA LOIRE
LES CHATEAUX DE LA LOIRELES CHATEAUX DE LA LOIRE
LES CHATEAUX DE LA LOIRE
Denise Rivera
 
La france au_patrimoine_mondial_pv_l
La france au_patrimoine_mondial_pv_lLa france au_patrimoine_mondial_pv_l
La france au_patrimoine_mondial_pv_l
Denise Rivera
 
Espiritismo
EspiritismoEspiritismo
Espiritismo
Denise Rivera
 

Mais de Denise Rivera (20)

Campanha vereadora 2016 DENISE RIVERA
Campanha vereadora 2016   DENISE RIVERACampanha vereadora 2016   DENISE RIVERA
Campanha vereadora 2016 DENISE RIVERA
 
XXIII Congresso Nacional de Criminalística - divulgação
XXIII Congresso Nacional de Criminalística - divulgaçãoXXIII Congresso Nacional de Criminalística - divulgação
XXIII Congresso Nacional de Criminalística - divulgação
 
Diagnostico da pericia oficial do rio de janeiro 2015
Diagnostico da pericia oficial do rio de janeiro 2015Diagnostico da pericia oficial do rio de janeiro 2015
Diagnostico da pericia oficial do rio de janeiro 2015
 
Aperj - Associação de Peritos Oficiais do Rio de Janeiro
Aperj  - Associação de Peritos Oficiais do Rio de JaneiroAperj  - Associação de Peritos Oficiais do Rio de Janeiro
Aperj - Associação de Peritos Oficiais do Rio de Janeiro
 
A situaçao pericia rj
A situaçao pericia rjA situaçao pericia rj
A situaçao pericia rj
 
A vida como um jogo de damas
A vida como um jogo de damasA vida como um jogo de damas
A vida como um jogo de damas
 
Winter Day
Winter DayWinter Day
Winter Day
 
Tour eiffel
Tour eiffelTour eiffel
Tour eiffel
 
Superbe et joyeux noel
Superbe et joyeux noelSuperbe et joyeux noel
Superbe et joyeux noel
 
Encante se e se emocione
Encante se e se emocioneEncante se e se emocione
Encante se e se emocione
 
Amazing worldphotos
Amazing worldphotosAmazing worldphotos
Amazing worldphotos
 
Apresentação aperj - estrutura da perícia
Apresentação   aperj - estrutura da períciaApresentação   aperj - estrutura da perícia
Apresentação aperj - estrutura da perícia
 
Apresentação aperj - estrutura da perícia
Apresentação   aperj - estrutura da períciaApresentação   aperj - estrutura da perícia
Apresentação aperj - estrutura da perícia
 
Manifestacao durante audiencia publica na alerj
Manifestacao durante audiencia publica na alerjManifestacao durante audiencia publica na alerj
Manifestacao durante audiencia publica na alerj
 
Paris
ParisParis
Paris
 
Primeiras Fotos Coloridas
Primeiras Fotos ColoridasPrimeiras Fotos Coloridas
Primeiras Fotos Coloridas
 
1 3- premièresphotoscoul-dd
1 3- premièresphotoscoul-dd1 3- premièresphotoscoul-dd
1 3- premièresphotoscoul-dd
 
LES CHATEAUX DE LA LOIRE
LES CHATEAUX DE LA LOIRELES CHATEAUX DE LA LOIRE
LES CHATEAUX DE LA LOIRE
 
La france au_patrimoine_mondial_pv_l
La france au_patrimoine_mondial_pv_lLa france au_patrimoine_mondial_pv_l
La france au_patrimoine_mondial_pv_l
 
Espiritismo
EspiritismoEspiritismo
Espiritismo
 

história do Dinheiro no Brasil

  • 1. HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DO DINHEIRO NO BRASIL
  • 2. (Padrão Real - 1833/1888) IMPÉRIO BRASILEIRO
  • 3. REPÚBLICA - MIL-REIS - 1888/1942
  • 4. O Cruzeiro foi criado dia 5 de Outubro de 1942, mas só passou a valer como unidade monetária a partir da meia-noite do dia 31 de Outubro de 1942. Ele substituiu o padrão Mil Réis, que causava problemas por ter divisão milesimal. Outro objetivo dessa mudança foi unificar o meio circulante, já que na época existiam 56 tipos diferentes de cédulas, sendo 35 do tesouro nacional, 14 do Banco do Brasil e 7 da extinta Caixa de Estabilização. Foram usadas aproximadamente 8 notas do padrão Mil Réis, carimbadas para o novo valor. 1$000 = Cr$ 1,00
  • 5.  
  • 6.  
  • 7.  
  • 8. Cruzeiro Novo foi implantado no dia 13 de fevereiro de 1967. O Cruzeiro, padrão monetário desde 1942, perdia três zeros e se transformava em Cruzeiro Novo. O Cruzeiro Novo foi o único padrão monetário que não teve cédulas próprias. O Banco Central reaproveitou cédulas do Cruzeiro, carimbando-as para o Cruzeiro Novo. O carimbo utilizado era formado por 2 círculos concêntricos, com o valor expresso no centro e as palavras BANCO CENTRAL e CENTAVOS ou CRUZEIROS NOVOS no espaço entre os círculos. Cr$ 1.000 = NCr$ 1,00
  • 9.  
  • 10. O Cruzeiro substituiu o Cruzeiro Novo em 15 de Maio de 1970, sendo que um Cruzeiro valia um Cruzeiro Novo. Durou até 27 de fevereiro de 1986. NCr$ 1,00 = Cr$ 1,00 .
  • 11.  
  • 12.  
  • 13.  
  • 14.  
  • 15. O Cruzado foi implantado pelo governo Sarney (Plano Cruzado). O Plano tinha como objetivo combater a inflação e aumentar o poder aquisitivo da população. A partir do dia 28 de Fevereiro de 1986, mil cruzeiros passaram a valer um cruzado. Para implantar o Cruzado o governo aproveitou as cédulas de 10 mil, 50 mil e 100 mil cruzeiros, carimbando-as para o novo padrão. O Carimbo era circular com as palavras "Banco Central do Brasil" e "Cruzado", com o valor no centro. Cr$ 1.000 = Cz$ 1,00
  • 16.  
  • 17.  
  • 18.  
  • 19. O Cruzado Novo entrou em circulação no dia 15 de janeiro de 1989, na segunda reforma monetária do presidente José Sarney. A nova moeda substituía o Cruzado, sendo que um Cruzado Novo valia 1000 Cruzados. Foram aproveitadas as cédulas de mil, 5 mil e 10 mil Cruzados, que receberam um carimbo para o novo padrão monetário. O carimbo adotado era um triangulo com as palavras "cruzado novo" em duas linhas próximas à base do triângulo. Cz$ 1.000,00 = NCz$ 1,00
  • 20.  
  • 21.  
  • 22. O Cruzeiro foi reintroduzido como padrão monetário em substituição ao “Cruzado Novo”, como parte do "Plano Collor", sem ocorrer a perda de três zeros. NCz$ 1,00 = Cr$ 1,00
  • 23.  
  • 24.  
  • 25.  
  • 26. O Cruzeiro Real foi implantado no 1 o de Agosto de 1993, substituindo o Cruzeiro, por excesso de zeros. Foram aproveitadas as notas de 50 mil, 100 mil e 500 mil Cruzeiros, devidamente carimbadas para o novo padrão. Cr$ 1.000,00 = CR$ 1,00
  • 27.  
  • 28.  
  • 29. O Real foi lançado em 01/07/1994 pelo Plano Real no governo Itamar Franco, com o objetivo de criar uma moeda forte e acabar com a inflação. Primeiramente foi estabelecido um índice paralelo para efeito de transição, a Unidade Real de Valor (URV). A Conversão de Cruzeiros Reais para Reais foi feita mediante a divisão do valor em Cruzeiros Reais pelo valor da URV de CR$2.750,00. CR$ 2.750,00 = R$ 1,00
  • 30.  
  • 31.  
  • 32. 1993/1994 – CRUZEIROS REAIS R$ 1,00 = CR$ 2.750,00 1990/1993 – CRUZEIROS R$ 1,00 = Cr$ 2.750.000,00 1989/1990 – CRUZADOS NOVO R$ 1,00 = NCz$ 2.750.000,00 1986/1989 – CRUZADOS R$ 1,00 = Cz$ 2.750.000.000,00 1970/1986 – CRUZEIROS R$ 1,00 = Cr$ 2.750.000.000.000,00 1967/1970 – CRUZEIROS NOVO R$ 1,00 = NCr$ 2.750.000.000.000,00 1942/1967 – CRUZEIROS R$ 1,00 = Cr$ 2.750.000.000.000.000,00 ****/1942 – MIL-REIS R$ 1,00 = 2.750.000.000.000.000$000 Resumindo: