SlideShare uma empresa Scribd logo
gestos
para a
biodiversidade
52
A publicação foi preparada pelo Instituto Real de Ciências Naturais da Bélgica
para as versões francesas e neerlandesas. A versão original deste trabalho foi publicada
em 2009, no âmbito de «2010, Ano Internacional da Biodiversidade», com o título
«366 gestes pour la biodiversité».
Redacção final dos textos: Charlotte Degueldre
Ilustrações: Claude Desmedt
Copyright © 2009 Institut royal des Sciences naturelles de Belgique
A reprodução dos textos e imagens é autorizada e até mesmo incentivada para fins
pessoais e/ou pedagógicos, mas estritamente não comerciais, desde que a fonte seja
indicada e se remeta para a consulta do Web site www.jedonnevieamaplanete.be.
Todos os direitos de reprodução, tradução e adaptação reservados para todos os países
e para outras utilizações que não as supramencionadas.
A publicação foi traduzida e adaptada pela Direcção-Geral do Ambiente da Comissão
Europeia, no âmbito da campanha «Biodiversidade. Estamos todos juntos nisto»
(www.estamostodosjuntosnisto.eu).
As opiniões expressas no presente documento não reflectem necessariamente a visão
da Comissão Europeia.
Tradução e adaptação para português © União Europeia, 2011
Reprodução autorizada unicamente para fins não comerciais mediante reconhecimento da fonte.
Comissão EuropEia
DirECção-GEral ambiEntE
gestos
para a
biodiversidade
52
Encontram-se disponíveis numerosas outras informações sobre a União Europeia
na rede Internet, via servidor Europa (http://europa.eu)
Uma ficha catalográfica figura no fim desta publicação
Luxemburgo: Serviço das Publicações da União Europeia, 2011
ISBN 978-92-79-18629-5
doi:10.2779/9708
Printed in Belgium
Impresso em papel reciclado com o rótulo ecológico da UE
Europe Direct é um serviço que responde
às suas perguntas sobre a União Europeia.
Linha telefónica gratuita (*):
00 800 6 7 8 9 10 11
(*) Alguns operadores de telefonia móvel não permitem o acesso aos números iniciados
por 00 800 ou cobram estas chamadas

Recomendado para você

PROJETO DE PESQUISA URBANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE: LAGOA DOS BARROS UM PONTO TU...
PROJETO DE PESQUISA URBANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE: LAGOA DOS BARROS UM PONTO TU...PROJETO DE PESQUISA URBANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE: LAGOA DOS BARROS UM PONTO TU...
PROJETO DE PESQUISA URBANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE: LAGOA DOS BARROS UM PONTO TU...

Este projeto analisa os impactos ambientais causados pelos frequentadores da Lagoa dos Barros durante o verão e busca formas de conscientizar os usuários sobre a preservação deste ponto turístico. O projeto inclui entrevistas com moradores locais e usuários da lagoa, além de uma campanha de educação ambiental com distribuição de folhetos e locação de banheiros químicos. O objetivo é permitir o lazer na lagoa de forma sustentável, reduzindo impactos e integrando os esforços dos setores público e privado

ciencias
cienciasciencias
ciencias

Este documento discute os recursos biológicos, definindo-os como matéria-prima e energia obtida de seres vivos. Ele explica que os recursos biológicos incluem recursos agropecuários, florestais e marinhos e fornece exemplos de como cada um é utilizado. O documento também destaca que a exploração excessiva pode levar à perda da biodiversidade e destruição dos ecossistemas.

1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades

O documento discute conceitos fundamentais da ecologia, incluindo os níveis de organização dos seres vivos (organismo, população, comunidade e ecossistema), as ramificações da ecologia (autoecologia, demografia e sinecologia) e as propriedades estruturais e funcionais dos ecossistemas e agroecossistemas.

prEfáCio
A biodiversidade – a variedade de formas de vida na Terra – torna o nosso planeta habitável
e bonito. Muitos de nós olham para a natureza como fonte de prazer, inspiração ou lazer.
Também dependemos dela para a alimentação, a energia, as matérias-primas, o ar
e a água, sendo estes os elementos que tornam possível a vida tal como a conhecemos
e que sustentam o desenvolvimento das nossas economias.
No entanto, apesar do seu valor ímpar, tomamos muitas vezes a natureza como um dado
adquirido. As pressões exercidas sobre muitos sistemas naturais têm vindo a aumentar,
fazendo com que funcionem de forma menos eficaz ou levando-os mesmo até ao limiar
do colapso. Aquilo que designamos por perda de biodiversidade é uma situação demasiado
comum.
Daí o empenho da União Europeia em travar a perda de biodiversidade. Ao longo dos últimos
25 anos, a UE criou uma rede de 26 000 áreas protegidas dentro das suas fronteiras, que abrange
mais de 850 000 km2
. Esta rede, conhecida como Natura 2000, é a maior rede de áreas protegidas
no mundo, demonstrando assim a importância que damos à biodiversidade. Estamos
determinados a reforçar este programa de referência com medidas adicionais a longo prazo.
E todos nós podemos fazer mais para ajudar. Todos temos poder para ajudar a proteger
a biodiversidade e precisamos que todos participem. Cada um de nós pode introduzir
pequenas alterações nos hábitos diários sem afectar drasticamente o seu estilo de vida.
Quando combinadas, estas pequenas alterações podem ajudar.
Esperamos que as sugestões contidas neste guia prático lhe permitam ajudar a marcar
a diferença. Comer alimentos locais sazonais, diminuir os desperdícios de água, efectuar
a compostagem dos resíduos alimentares ou ficar a conhecer melhor as espécies animais
e vegetais que vivem nas nossas áreas locais…Se todos seguirmos alguns destes passos
simples, faremos uma grande diferença na preservação dos recursos naturais para as gerações
futuras.
Janez Potočnik
Comissário Europeu para o Ambiente
52 gestos para a Biodiversidade
o quE é a bioDivErsiDaDE?
Estamos rodeados pela biodiversidade e fazemos parte dela. Existem três elementos
principais:
♦ os diferentes tipos de espécies que vivem na Terra – incluindo animais, plantas,
vegetais, fungos, algas, bactérias e até vírus;
♦ as diferenças entre indivíduos da mesma espécie – tamanho, forma e cor;
♦ os diferentes ecossistemas – por exemplo, oceanos, florestas ou recifes de coral –
e as espécies que neles vivem, bem como as respectivas interacções.
Os cientistas registaram cerca de 1,9 milhões de espécies vivas diferentes na Terra, mas
o número real é certamente muito superior. Muitas dessas espécies são microscópicas
e vivem nas profundezas do subsolo ou nos oceanos, outras, simplesmente, ainda não
foram descobertas.
por quE motivo a bioDivErsiDaDE é importantE?
O resultado de 3,8 mil milhões de anos de evolução, a biodiversidade, é essencial para
a sobrevivência humana. Dependemos da natureza para muitos recursos essenciais,
incluindo alimentos, materiais de construção, fontes de calor, têxteis ou os ingredientes
activos dos medicamentos. Para além disso, a natureza fornece ainda outras funções
vitais, como, por exemplo, a polinização das plantas, a filtragem do ar, da água e do solo
ou ainda a protecção contra inundações.
A vida na Terra como a conhecemos seria impossível sem estes materiais e serviços
cruciais. Infelizmente, esquecemo-nos demasiadas vezes do que a natureza nos oferece.
Nas nossas sociedades industrializadas, a biodiversidade é tomada como certa e vista
como algo livre e eterno. No entanto, a verdade é que as pressões que exercemos sobre
a natureza estão a aumentar e muitas actividades humanas representam uma grande
ameaça para a existência de numerosas espécies.
A lista das pressões exercidas sobre a biodiversidade é longa e inclui a destruição
e fragmentação de habitats, a poluição do ar, da água e da terra, a sobrexploração
das zonas pesqueiras, dos recursos, das florestas e das terras, a introdução de espécies
não nativas, bem como a libertação de quantidades crescentes de gases com efeito
de estufa que causam alterações climáticas.

Recomendado para você

Apresentação 8 cn
Apresentação 8 cnApresentação 8 cn
Apresentação 8 cn

Este documento apresenta um resumo de um livro didático sobre sustentabilidade ambiental. Apresenta os tópicos principais como ecossistemas, gestão sustentável de recursos, mudanças climáticas causadas pelo homem e formas de viver de maneira mais sustentável. Inclui também informações sobre avaliação dos alunos e um blog de apoio para a disciplina.

J2 serviço dos ecossistemas
J2   serviço dos ecossistemasJ2   serviço dos ecossistemas
J2 serviço dos ecossistemas

O documento discute os serviços dos ecossistemas, classificando-os em quatro categorias: produção, regulação, suporte e culturais. Também aborda medidas para a manutenção dos serviços dos ecossistemas, como a preservação de espécies e a criação de áreas protegidas. O desenvolvimento sustentável requer a utilização sustentada dos serviços dos ecossistemas.

ciências da natureza8º anoserviço dos ecosssitemas
Exploração de recursos naturais
Exploração de recursos naturaisExploração de recursos naturais
Exploração de recursos naturais

O documento discute os impactos da exploração de recursos naturais na geosfera, definindo e descrevendo os principais tipos de recursos naturais: recursos minerais, biológicos, hídricos e energéticos. A exploração de recursos minerais pode alterar a paisagem através da remoção de vegetação e abertura de minas, enquanto a sobreexploração de recursos biológicos ameaça a biodiversidade.

o quE poDEmos fazEr para protEGEr a bioDivErsiDaDE?
Esta brochura inclui 52 sugestões que lhe permitirão ajudar a marcar a diferença todos
os dias do ano, incluindo:
♦ coisas práticas que pode fazer todos os dias;
♦ acções de sensibilização da sua comunidade;
♦ contributos para a investigação, observando e registando a vida selvagem
e os ecossistemas;
♦ utilização de técnicas sustentáveis no seu jardim;
♦ projectos de construção e “faça você mesmo”.
Para mais informações sobre a biodiversidade:
http://ec.europa.eu/environment/nature/index_en.htm
apoio as assoCiaçõEs DE protECção Da naturEza.
Estas associações têm como principal objectivo travar
a degradação da biodiversidade e, se necessário,
conservar ou reconstituir o equilíbrio dos diferentes
biótopos protegidos (florestas, rios, lagoas, parques,
jardins urbanos…), em sintonia com
as actividades humanas.
As suas acções? Acompanhamento
de espécies, constituição e gestão
de reservas naturais, restauração de meios
raros, organização de conferências, passeios
de descoberta da natureza, jornadas de sensibilização,
acções específicas (como operações
de salvamento dos sapos)…
Para as apoiar, torne-se membro, faça donativos,
compre as suas publicações e produtos, participe
voluntariamente nos seus projectos de conservação
da natureza...
Semana
1
não inComoDo os animais DurantE os mEus passEios.
No Inverno, talvez mais ainda do que em qualquer outra estação, deve evitar a todo
o custo incomodar os animais quando passeia na natureza. Se os retirar dos seus
abrigos, se os surpreender enquanto tentam encontrar alguma comida ou se os acordar
quando estão a hibernar, eles podem gastar as suas poucas reservas para fugir
ou se esconder…, o que lhes pode ser fatal!
Por isso, não saia dos caminhos, faça o menos barulho possível e observe de longe
os poucos animais que também querem apanhar um pouco de ar fresco…
Semana
2
subsCrEvo uma CEsta biolóGiCa.
Através de técnicas de produção suaves, do cultivo de espécies indígenas
e do abandono de adubos e pesticidas químicos, a agricultura biológica impede
o esgotamento dos solos, limita a poluição dos lençóis freáticos e respeita os auxiliares
das culturas (abelhas, minhocas…), bem como os ecossistemas adjacentes.
Para além disso, muitas vezes, valoriza variedades locais esquecidas, escolhidas
pelas suas qualidades gustativas e nutricionais: tupinambos, trigos antigos, deliciosas
maçãs…
Subscrever uma cesta biológica é aceitar uma filosofia de ecologia global. Assegure-se
de que a fruta e os legumes são de produção local e sazonal (pouca conservação,
poucos transportes). Para além disso, quanto menos embalagem tiverem melhor.
Semana
3

Recomendado para você

Biodiversidade 4 (1)
Biodiversidade 4 (1)Biodiversidade 4 (1)
Biodiversidade 4 (1)

1. Biodiversidade refere-se à variedade de vida na Terra, incluindo espécies de plantas, animais e microrganismos, bem como seus genótipos. 2. Uma espécie é um conjunto de indivíduos semelhantes que se reproduzem entre si, enquanto a biodiversidade inclui a variedade dentro de espécies e entre elas, formando ecossistemas únicos. 3. A biodiversidade é essencial para o funcionamento dos ecossistemas e é ameaçada por atividades humanas como desmat

Conservação Da Biodiversidade (Ecologia)
Conservação Da Biodiversidade (Ecologia)Conservação Da Biodiversidade (Ecologia)
Conservação Da Biodiversidade (Ecologia)

Trabalho Escrito sobre Conservação da Biodiversidade

Exploração e conservação de recursos naturais
Exploração e conservação de recursos naturaisExploração e conservação de recursos naturais
Exploração e conservação de recursos naturais

O documento discute a poluição causada pelo lixo no Recife e arredores. Ele explica que o lixo da cidade é transportado para dois aterros sanitários distantes, custando à prefeitura cerca de R$1,2 milhão por mês em transporte. Também descreve as condições insalubres do antigo lixão da Muribeca.

promovo a bioDivErsiDaDE no mEu loCal DE trabalho.
Está a criar ou a alterar infra-estruturas? Assegure-se de que
as integra o melhor possível na natureza envolvente (preveja
pontos de passagem para os animais, deixe a fauna
e a flora colonizar as bacias de retenção…). Mantenha
ou desenvolva o mais possível as árvores, as sebes
diversificadas, as lagoas, os pousios…
Para os edifícios, os acabamentos e o mobiliário,
opte por materiais e produtos ecológicos, naturais,
duradouros, recicláveis e, se possível, locais. Limite
o consumo de energias não renováveis e a produção
de resíduos.
Diminuirá assim a pegada ecológica da sua empresa,
melhorando ao mesmo tempo o quadro de trabalho,
a sua imagem de marca e o valor de mercado do local
de implantação!
Semana
4
rEDuzo as minhas EmissõEs DE GasEs
Com EfEito DE Estufa.
Semana
5
Aquecer, iluminar, viajar… mas também alimentar-se, vestir-se e, até mesmo,
respirar: tudo o que fazemos produz gases com efeito de estufa que, em quantidades
excessivas, colocam o planeta em perigo. Os desertos aumentam, os glaciares
regridem, o nível dos mares sobe… Ou seja, são perturbados ecossistemas inteiros.
Diminua as suas emissões de gases com efeito de estufa ao consumir, sempre que
possível, produtos sazonais e regionais com rótulo ecológico, ao deslocar-se a pé,
de bicicleta ou nos transportes públicos ou, ainda, ao evitar desperdícios.
Compense também parte dos desperdícios ao acolher
a biodiversidade em sua casa (com um lago, um prado
com flores, ninheiros…) e ao apoiar associações
de protecção da natureza ou projectos
de reflorestação.
uso o mEu tElEmóvEl ou o mEu portátil
DurantE o máximo DE tEmpo possívEl.
Para fabricar consolas de jogos, computadores ou telemóveis, são necessários
diferentes minerais (cobre, cobalto, chumbo…) para os quais a procura não pára
de aumentar. As minas de onde provêm estes minerais existem um pouco por todo
o planeta, tendo a sua exploração enormes impactos no ambiente.
Na República Democrática do Congo, onde é extraído o famoso coltan, a extraordinária
biodiversidade do Kivu está em perigo: caça ilegal dos últimos gorilas, mas também
de elefantes e ocapis, para alimentar os mineiros, desflorestação maciça para lhes
fornecer madeira para construção e aquecimento e para alargar as minas, erosão
e poluição dos solos, da água, do ar…, não esquecendo os conflitos armados!
Por isso, pense nisto antes de mudar de telemóvel
ou de computador portátil!
Semana
6
Compro o mEu pEixE DE forma rEsponsávEl.
Atum-vermelho, bacalhau, salmão, linguado, tamboril…: aconselha-se vivamente
a suspensão do consumo destas espécies. A sobrepesca, os períodos de captura
(por vezes em plena época reprodutiva) ou alguns métodos de pesca (que destroem
os fundos marinhos ou provocam capturas acidentais de juvenis) colocam em perigo
a renovação da sua população.
Dê-lhes tempo para reconstituírem a sua população: coma peixes e crustáceos
de espécies não vulneráveis. E compre, de preferência, produtos provenientes da pesca
local ou com o rótulo MSC.
Para mais informações sobre este rótulo: www.msc.org
Semana
7

Recomendado para você

Recursos 10ºAno
Recursos  10ºAnoRecursos  10ºAno
Recursos 10ºAno

O documento discute os impactos ambientais causados pela intervenção humana nos ecossistemas terrestres. Aumentos populacionais e desenvolvimento econômico estão levando a maiores pressões sobre os recursos naturais e mais poluição, degradando a qualidade ambiental. Gestão sustentável dos recursos e redução da poluição são necessárias.

recursosgeológicoshídricos
Preservação do Património natural
Preservação do Património naturalPreservação do Património natural
Preservação do Património natural

O documento discute a preservação do património natural, destacando a importância de proteger as áreas onde habitam animais e plantas de todas as espécies. Também aborda medidas que podem ser tomadas para promover o desenvolvimento sustentável, como evitar a poluição, desflorestação e degradação dos solos, e criar mais parques naturais para conservação. Finalmente, ressalta que todos os países devem ter como objetivo tornar o planeta mais equilibrado e saudável.

Recursos Biológicos - Aconsa
Recursos Biológicos - AconsaRecursos Biológicos - Aconsa
Recursos Biológicos - Aconsa

O documento discute recursos biológicos, definindo-os como matéria e energia obtidas de seres vivos e usadas pelo homem. Explica que são explorados principalmente por agricultura, pecuária, caça e pesca e que sua exploração excessiva pode levar à perda de biodiversidade e desequilíbrio ecológico.

não DEito DEtritos para o Chão.
Deitar detritos para a natureza não é inofensivo para o ambiente, tendo
frequentemente consequências desastrosas.
Alguns detritos têm um efeito imediato: as beatas e as pastilhas elásticas intoxicam
ou asfixiam os animais que as ingerem, os pequenos mamíferos e anfíbios ficam presos
dentro das garrafas, os estilhaços de vidro podem ferir animais de maiores dimensões
e, com um efeito de lupa, provocar um incêndio.
Outros têm impactos a mais longo prazo:
os plásticos demoram centenas
de anos a degradar-se
e libertam produtos
tóxicos, as pilhas
contêm metais
pesados que se
infiltram no solo
e contaminam os
lençóis freáticos.
Por isso, use os caixotes
de lixo públicos e recicle
o que pode ser reciclado!
Semana
8
albErGo a fauna loCal DEbaixo Do mEu tECto.
Vai construir ou renovar? Lembre-se de integrar abrigos para a fauna local.
Informe-se sobre as espécies susceptíveis de se abrigarem em sua casa: quais delas
está disposto a acolher? Faça então as adaptações necessárias: abra buracos numa
parede espessa e liberte os interstícios (para algumas abelhas solitárias), faça entradas
em perpianhos (para os morcegos), preveja acessos para o sótão a partir do exterior
(para as aves de rapina e os morcegos), instale ninheiros debaixo do telhado
e das varandas…
Coloque todas as hipóteses do seu lado: tenha o jardim mais
diversificado possível, onde os seus convidados encontrem
facilmente algo para comer, e suprima a utilização de produtos
químicos (pesticidas e adubos, tintas, detergentes…).
Semana
9
DEsConfio Do «GrEEnwashinG».
Algumas empresas, nomeadamente os construtores automóveis, não hesitam
em elogiar as virtudes «ecológicas» de produtos que estão longe de o ser. Outras
precisam de tornar a sua imagem mais ecológica porque as suas actividades são muito
poluidoras ou prejudicam gravemente a biodiversidade (produção de gases com efeito
de estufa, arroteamento de um terreno para construir uma extensão, utilização
das águas dos rios para arrefecer as máquinas…).
Não se deixe enganar pelas suas campanhas
de publicidade demasiado ecológicas para serem
verdadeiras. Se necessário, denuncie-as. E exerça
pressão junto destas empresas para que diminuam
realmente o seu impacto negativo no planeta,
nomeadamente através do recurso
a consultores ambientais.
Semana
10
uso proDutos DoméstiCos não poluEntEs.
Mesmo depois de passar por estações de tratamento, a água lançada para os rios
continua a conter muitos dos fosfatos, solventes, agentes tensioactivos e outros
produtos químicos presentes nos actuais detergentes. Estes componentes, muitas
vezes extremamente poluentes, podem ter repercussões graves na biodiversidade
– em particular nos meios aquáticos – e na nossa saúde!
O que fazer? Escolha detergentes com rótulos ecológicos ou, melhor ainda, use aparas
de sabão de Marselha como detergente para a roupa, sabão preto para a limpeza
dos solos, vinagre quente para eliminar o calcário, bicarbonato de sódio (com ou
sem vinagre) para arear os tachos e lavatórios sem os riscar… E acima de tudo,
evite a utilização de quantidades excessivas.
Antes pelo contrário, tenha a mão leve!
Semana
11

Recomendado para você

Recursos BiolóGicos
Recursos BiolóGicosRecursos BiolóGicos
Recursos BiolóGicos

O documento discute os recursos biológicos, incluindo como os seres humanos os exploram através da agricultura, pecuária, caça, pesca e produção florestal. No entanto, a exploração excessiva destes recursos ameaça a biodiversidade e o equilíbrio ecológico do planeta.

biológicosrecursos
Protecção e conservação do ambiente
Protecção e conservação do ambiente Protecção e conservação do ambiente
Protecção e conservação do ambiente

Este documento discute a proteção e conservação do meio ambiente. Aborda os impactos positivos e negativos da humanidade na natureza, o efeito estufa e o aquecimento global. Também descreve os principais gases de efeito estufa e suas consequências, além de propor soluções como o uso de energias renováveis.

004 edição do jornal ação e reação 2012
004 edição do jornal ação e reação 2012004 edição do jornal ação e reação 2012
004 edição do jornal ação e reação 2012

Este documento discute os benefícios da compostagem de lixo orgânico. Em três frases: 1) A compostagem é um processo que transforma resíduos orgânicos em adubo, melhorando a estrutura e fertilidade do solo. 2) Os alunos visitaram a EPAGRI para aprender sobre compostagem e começaram a aplicar os conhecimentos na horta escolar. 3) O documento lista vários benefícios da compostagem como aumento da produtividade das culturas, controle de doenças e

educação ambiental/compostagem/meio ambiente
passEio rEspEitanDo a naturEza.
Quando passeia no meio da natureza, seja discreto: seja o mais silencioso possível e,
se quiser observar animais selvagens, evite usar cores vivas e perfumar-se em demasia.
Permaneça sempre nos caminhos: a probabilidade de incomodar os animais ou de pisar
plantas, musgos, cogumelos será menor.
Se levar o seu cão, segure-o pela trela ou assegure-se de que ele não sai do caminho.
Certifique-se de que ele não ladra para não afugentar todos os animais das redondezas
(aliás, se espera ver alguns, o melhor será deixar o seu fiel companheiro em casa!).
Por último, não deite nenhum detrito
para a natureza e apanhe apenas
aquilo que pode ser apanhado.
Semana
12
saborEio a bioDivErsiDaDE no mEu prato.
Criada para reagir ao desenvolvimento das cadeias de fast food e da má alimentação,
a associação Slow Food provou que desenvolver o gosto e a curiosidade dos
consumidores em matéria de alimentação leva-os, nomeadamente, a proteger
a biodiversidade.
Como? É muito simples. Já alguma vez comeu um creme de cherivia, finas rodelas
de tupinambos ou caviar de caracol? Ao fazê-lo, contribuiria para a salvaguarda
de variedades esquecidas (como estes tubérculos) e de espécies ameaçadas
(como o esturjão).
Para mais informações
sobre esta associação
ecogastronómica, as suas
acções e a Fundação Slow Food
para a biodiversidade:
www.slowfood.com
Semana
13
limito E CompEnso o Co2 EmitiDo DurantE
as minhas viaGEns.
Limite as suas emissões de gases com efeito de estufa, nomeadamente o famoso CO2,
também quando está de férias. Faça caminhadas, campismo (mas não selvagem!)
ou ecoturismo. Privilegie os destinos próximos e desloque-se até lá de bicicleta,
comboio ou, porque não, numa carroça puxada por um cavalo! E no local, consuma
produtos locais e sazonais, limite as deslocações com veículos motorizados, evite
a climatização…
Se não for possível evitar a deslocação de avião, dê preferência a voos directos
(as descolagens precisam de enormes quantidades de carburante). E compense
o CO2 emitido durante a sua viagem ao financiar projectos de protecção
da biodiversidade ou de reflorestação na sua região ou em terras mais
longínquas.
Semana
14
orGanizo um tEam builDinG
Em favor Da bioDivErsiDaDE.
Semana
15
Precisa de reforçar a coesão na sua equipa ou tem vontade de relaxar entre colegas?
Que tal propor actividades de grupo em favor da biodiversidade?
Pode organizá-las no seu local de trabalho: recenseamento dos animais e vegetais
das imediações, plantação de sebes e de espécies melíferas no parque
de estacionamento exterior, vegetalização da fachada, criação de um jardim
ou de uma horta no telhado, criação de ninhos e diversos abrigos
a colocar sobre o edifício da sua empresa…
Pode também participar em obras de restauração
de meios naturais, em excursões de descoberta
de espécies ou de biótopos específicos, em operações
de salvamento dos sapos, em visitas a quintas
biológicas…

Recomendado para você

Curso Permacultura EcoVIDA São Miguel - Guia de Permacultura
Curso Permacultura EcoVIDA São Miguel - Guia de PermaculturaCurso Permacultura EcoVIDA São Miguel - Guia de Permacultura
Curso Permacultura EcoVIDA São Miguel - Guia de Permacultura

Apresentação geral de eixos de ação, possibilidades e tecnologias de design em permacultura. Slides apresentados na abertura do Curso de Design em Permacultura, da Escola Agrifom (Associação dos Agricultores Orgânicos e Terapeutas Naturalistas de Manhuaçu e região), em Santa Bárbara do Leste.

permaculturasobrevivencialismovida sustentável
recursos biológicos
recursos biológicosrecursos biológicos
recursos biológicos

O documento discute recursos naturais renováveis e não renováveis, com foco nos recursos biológicos. Ele define recursos naturais e explica que recursos renováveis podem ser usados continuamente enquanto recursos não renováveis tendem ao esgotamento. Ele então detalha como os recursos biológicos, como animais, plantas e recursos marinhos, são usados para alimentação, vestuário e medicina e as consequências de sua exploração inadequada, como perda de biodiversidade e ameaça de espécies.

recursosbiologico
Programa Concurso Nacional de Leitura 2014 - Fase Distrital Porto
Programa Concurso Nacional de Leitura 2014 - Fase Distrital PortoPrograma Concurso Nacional de Leitura 2014 - Fase Distrital Porto
Programa Concurso Nacional de Leitura 2014 - Fase Distrital Porto

«Programa da 8ª edição do CNL do Porto, a realizar no dia 8 de Maio de 2014 organizado pela Biblioteca Municipal Almeida Garrett, e fruto de um trabalho em rede com o PNL, a DGLAB, a RBE e a RTP»

pnlconcurso nacional de leituracnl
As minhocas são um elo indispensável da cadeia alimentar. Reciclam continuamente
a matéria orgânica, como as folhas mortas e outras plantas em decomposição,
colaborando assim para a produção de um bom
húmus e garantindo a fertilidade do solo
onde crescem a fruta e os legumes
que consumimos.
Para além disso, as suas passagens
subterrâneas amolecem o solo, o que
faz com que as raízes se desenvolvam
correctamente e a água se infiltre
rapidamente e em profundidade para
que possa ser absorvida pelos vegetais. Isto
limita também os fenómenos de escoamento
e erosão em caso de chuvas intensas.
Proteja estes preciosos auxiliares evitando recorrer
a adubos e pesticidas químicos e trabalhando a terra
com uma forquilha.
Semana
16
prEsErvo as minhoCas.
Existem actualmente muitos rótulos
ecológicos – entre os quais o rótulo
ecológico europeu – para os hotéis,
parques de campismo, estalagens
e quartos de hóspedes.
Os critérios de atribuição?
A localização e a arquitectura
do estabelecimento (respeito
da natureza envolvente),
os materiais de construção
(ecológicos, duradouros,
renováveis, recicláveis…),
o consumo limitado de água e energia
não renovável, a reduzida produção
de resíduos e respectiva gestão…
A sua vantagem? Os proprietários
salientam a protecção da biodiversidade
através de actividades de lazer que
respeitam a natureza, da descoberta
dos produtos da terra e das
culturas locais.
Para mais informações:
www.ecolabel-tourism.eu
Semana
17
passo as minhas férias num hotEl EColóGiCo.
A água é indispensável para o equilíbrio do planeta e dos seus ocupantes, sejam eles
animais ou vegetais. Chega para todos, mas infelizmente, está mal repartida e, muitas
vezes, é mal gerida. Nas nossas regiões, basta abrir uma torneira para ter água potável.
Por isso, utilizamo-la para tudo, inclusive às vezes para lavar o carro!
Para poupar água potável, pode nomeadamente regar as plantas com as águas
da chuva, preferencialmente no fim do dia (para evitar a evaporação), e recuperar
as águas cinzentas (água da louça, da banheira, do chuveiro) para alimentar
o autoclismo, para a limpeza dos solos… e, até mesmo, depois de filtrada, para regar.
rEDuzo o mEu Consumo DE áGua potávEl.
Semana
18
Alguns municípios realizam agora esforços em termos de plantação e gestão
das bermas de estradas e canteiros para promover a biodiversidade.
Se isto ainda não acontece no seu município, sugira ao serviço competente
os seguintes princípios de fácil aplicação: plantar apenas espécies locais (no caso
das flores, as vivazes dão menos trabalho do que as flores anuais), substituir
os pesticidas e adubos químicos pelos seus equivalentes biológicos, utilizar palhagens
e plantas prostradas para limitar
o surgimento de plantas indesejadas
e diminuir as regas, transformar
os resíduos vegetais em estrume
e utilizar o estrume obtido para
alimentar os solos a partir do Outono,
colocar em prática a ceifa tardia
preservando algumas zonas
de refúgio…
inCEntivo o mEu muniCípio a jarDinar
DE forma biolóGiCa.
Semana
19

Recomendado para você

Silka
SilkaSilka
Silka

LOSA, Ilse - Silka. Porto: Afrontamento

Lista de obras metas curriculares 1.º ano 12 13 aepal[1]
Lista de obras metas curriculares 1.º ano 12 13 aepal[1]Lista de obras metas curriculares 1.º ano 12 13 aepal[1]
Lista de obras metas curriculares 1.º ano 12 13 aepal[1]

A lista fornece obras literárias e seus respectivos autores recomendados para iniciar a educação literária de alunos do 1o ano. As obras incluem livros de Alice Vieira, António Torrado, Eugénio de Andrade, Matilde Rosa Araújo, Luísa Ducla Soares, Maria Alberta Menéres, Beatrix Potter e Elizabeth Shaw.

Ilse losa
Ilse losaIlse losa
Ilse losa

Ilse Losa nasceu na Alemanha em 1913, mas teve de fugir do país durante o regime nazi por ser judia, refugiando-se em Portugal em 1934. Radicou-se no Porto, onde se casou e publicou vários livros infantis e romances, recebendo o Prémio Gulbenkian de Literatura para Crianças em 1984. Faleceu no Porto em 2006, aos 92 anos.

Proclamado «Dia Internacional da Biodiversidade» pelas Nações Unidas, o dia 22 de Maio
representa uma oportunidade para sensibilizar o grande público e o mundo político
para a biodiversidade, o seu estado, as questões que suscita, as suas ameaças e a sua
salvaguarda.
Todos os anos é dada ênfase a um tema diferente: a biodiversidade e a agricultura
em 2008, as espécies exóticas invasivas em 2009, a biodiversidade
e o desenvolvimento em 2010, a biodiversidade e as florestas em 2011…
Celebre este dia participando nas actividades (exposições, conferências…) previstas
para esta ocasião. Ou organize um piquenique biológico, uma excursão de descoberta
da fauna e flora local, um concerto de música ecológica…
Para mais informações: www.cbd.int/idb
Semana
20
partiCipo no Dia Da bioDivErsiDaDE.
Pretende aproveitar as suas férias no estrangeiro para salvaguardar a biodiversidade?
Torne-se ecovoluntário.
Enquanto descobre locais inacessíveis para os turistas normais, ajuda activamente
associações de protecção da natureza a levar a cabo trabalhos de investigação
ou de conservação. E não precisa de ser perito em biologia ou ciências ambientais,
as actividades propostas estão ao alcance de todos.
Por isso, que tal recensear os cetáceos do Mediterrâneo, proteger os ursos na Roménia,
estudar as populações de grandes tubarões brancos ao largo da África do Sul, participar
na reabilitação de gibões, macacos e lóris na Tailândia, promover a agricultura biológica
na Índia…?
torno-mE ECovoluntário.
Semana
21
Crio um rEfúGio natural para a bioDivErsiDaDE.
Semana
22
Como transformar um jardim – o seu, o da escola dos seus filhos ou o da sua empresa –
num refúgio natural para a biodiversidade?
Suprima a utilização de pesticidas e adubos químicos.
Deixe a vegetação espontânea instalar-se num canto do jardim e adopte a ceifa tardia
nesse local: permite a reprodução e a diversificação das espécies vegetais
ao mesmo tempo que alberga uma grande quantidade de animais.
Crie um lago e guarde uma árvore morta, com cavidades
acolhedoras para os animais cavernícolas, uma pilha de troncos
e outra de pedras para os pequenos mamíferos, os anfíbios
e vários invertebrados.
Diversifique a sebe com espécies indígenas. Preveja plantas melíferas
que atrairão uma grande quantidade de insectos.
Semana
23
EsColho CosmétiCos biolóGiCos.
Tal como os detergentes, a maioria dos actuais cosméticos contêm produtos químicos
(conservantes, perfumes de síntese, tensioactivos…) não biodegradáveis, o que
os torna portanto nocivos para a biodiversidade, nomeadamente para os meios
aquáticos para onde são arrastados pelas águas residuais.
Adopte os cosméticos biológicos: lave-se com sabão de Marselha, perfume
o seu banho com algumas gotas de óleo essencial de lavanda, limpe
a sua pele com uma decocção de camomila ou de centáurea azul,
esfolie-a com sêmea de trigo ou aveia, nutra-a com óleos vegetais
de girassol, de azeite… Pode até mesmo fabricar o seu dentífrico
sozinho, é muito fácil!

Recomendado para você

CRUCIGRAMA_Ciencia divertida (dia do astronauta)
CRUCIGRAMA_Ciencia divertida (dia do astronauta)CRUCIGRAMA_Ciencia divertida (dia do astronauta)
CRUCIGRAMA_Ciencia divertida (dia do astronauta)

1) O documento apresenta um crucigrama sobre astronomia com palavras relacionadas a veículos espaciais, astronautas e objetos celestes. 2) As palavras-chave incluem foguete, satélite, astronauta, cão espacial Laika e os Estados Unidos como primeiro país a levar humanos à Lua. 3) O crucigrama testa conhecimentos sobre termos como órbita, planeta Terra e os primeiros satélites artificiais e viagens espaciais.

ciência_divertidacrucigrama
Livro sorriso estrela
Livro sorriso estrelaLivro sorriso estrela
Livro sorriso estrela

The document is a log of edits made to multiple files on September 7, 2012 at 4:47 PM and 4:49 PM. It records 26 edits made to a file called AF_Miolo.pdf and single edits made to two other files called AF_Capa.pdf and AF_Contracapa.pdf.

historia sim-_o e a noite de natal
  historia   sim-_o e a noite de natal  historia   sim-_o e a noite de natal
historia sim-_o e a noite de natal
Ao contrário daquilo que se poderia pensar, a biodiversidade é por vezes muito maior
nas cidades do que nas zonas rurais onde, tanto nos campos como nas florestas,
predominam as monoculturas.
Estranhamente, os biótopos podem ser muito variados nas cidades: jardins públicos,
jardins privados, lagoas, parques, florestas, ruas e avenidas arborizadas, terrenos
baldios, pousios, imediações de caminhos-de-ferro, margens de riachos… sem esquecer
os telhados verdes e os terraços, fachadas e varandas com flores. Até mesmo as mais
pequenas fissuras ao longo dos passeios, na base dos edifícios ou nas paredes
são colonizadas por uma grande diversidade de plantas selvagens!
No entanto, esta biodiversidade é vulnerável: não consegue resistir às betoneiras
e aos cilindros compressores…
DEsCubro a naturEza na CiDaDE.
Semana
24
informo-mE sobrE o Cultivo DE alGoDão biolóGiCo.
Semana
25
Embora o cultivo intenso do algodão tradicional use apenas 3 % das superfícies
cultiváveis, utiliza mais de 25% dos insecticidas vendidos em todo o mundo!
Esgotamento dos solos, desflorestação, irrigação maciça, poluição dos lençóis freáticos,
exposição dos trabalhadores agrícolas e das espécies locais a substâncias tóxicas…:
é particularmente nocivo para o ambiente e o homem.
Pelo contrário, o cultivo extensivo do algodão biológico
realiza-se com adubos e pesticidas naturais, exige menos
água, preserva a fertilidade do solo (por ser alternado
com outras culturas) e permite obter um algodão
com fibras mais macias e resistentes.
Para além disso, o algodão biológico é hipoalergénico
porque não é sujeito a qualquer tratamento químico
desde a sua produção até à sua transformação
em vestuário.
quanDo viajo, provo as EspECialiDaDEs loCais.
Semana
26
Ao consumir os alimentos produzidos no local, apoia os camponeses que cultivam
ou criam espécies indígenas, limitando assim a poluição decorrente do transporte:
é bom para a economia local e a biodiversidade!
No entanto, recuse os pratos compostos por espécies ameaçadas (bife de tartaruga,
sushi de atum-vermelho, pepino-do-mar, carne de animais selvagens…) ou cuja
produção tem um impacto negativo na biodiversidade local (pesca ou caça sem
respeitar os tamanhos mínimos ou as cotas, cultivo que tenha exigido a desflorestação
de uma zona importante…).
Também não aceite produtos medicinais tradicionais e cosméticos à base de corno
de rinoceronte, de presas de elefante, de ossos e miudezas de tigre,
de almíscar de veado-almiscareiro…
Para a lista de espécies
ameaçadas:
www.cites.org
www.iucnredlist.org
DEsCarrEGo vozEs DE animais para o mEu tElEmóvEl.
Semana
27
A associação americana Center for Biological Diversity propõe uma forma original
de sensibilizar o público geral para a crise com a qual se confronta hoje a diversidade.
Pode agora descarregar gratuitamente, como toque de telemóvel, vozes de animais
raros, ameaçados de extinção ou que o possam vir a ser.
O grito do falcão-peregrino, o grito do panda-gigante, o canto do esturjão-beluga…:
seja qual for o toque que escolher, este não deixará de surpreender as pessoas
que o rodeiam. Bastará então dar explicações sobre o respectivo animal ameaçado.
Para descarregar estes toques e ler
as fichas descritivas (em inglês)
dos respectivos animais:
www.rareearthtones.org

Recomendado para você

MARAVILHOSAS GOTAS D' ÁGUA
MARAVILHOSAS GOTAS D' ÁGUAMARAVILHOSAS GOTAS D' ÁGUA
MARAVILHOSAS GOTAS D' ÁGUA

A documento consiste em uma única palavra - "Lašeliai" - escrita por Inga Jankauskaitė. Não há outras informações fornecidas para resumir.

belezanaturezagua
Um bocadinho de inverno
Um bocadinho de invernoUm bocadinho de inverno
Um bocadinho de inverno

O Coelho promete guardar um pedaço de Inverno para o Ouriço experimentar quando acordar da hibernação. Durante o Inverno, o Coelho recolhe uma bolota que cai e rola na neve, transformando-se numa bola de neve. Na Primavera, o Coelho mostra a bola de neve embrulhada ao Ouriço, permitindo-lhe experimentar o frio e a dureza do Inverno.

Como fazer um Blog por Assunção Ribeiro
Como fazer um Blog por Assunção RibeiroComo fazer um Blog por Assunção Ribeiro
Como fazer um Blog por Assunção Ribeiro

Este documento fornece instruções sobre como criar e gerir um blog em 5 etapas: 1) Criar uma conta no site blogger.com; 2) Criar um novo blog escolhendo o nome e template; 3) Escrever postagens com título e texto e publicá-las; 4) Visualizar o blog online ou editar/apagar postagens; 5) Adicionar comentários, imagens, vídeos e links às postagens.

A maioria dos protectores solares contém filtros UV químicos muitas vezes alergénicos
que chegam aos mares, lagos, rios… Podem, além disso, provocar desequilíbrios
hormonais nos animais, inclusive nos humanos! São também responsáveis, em parte,
pelo branqueamento dos corais.
Alguns empreendimentos turísticos, como o parque aquático Xel-Há no México,
levaram a ameaça a sério: apenas os protectores solares minerais são agora
autorizados. São um pouco mais difíceis de espalhar e deixam por vezes marcas
brancas devido aos filtros minerais que contêm, mas são eficazes e, acima de tudo,
muito menos tóxicos, tanto para si como para a natureza.
Uma outra solução? Use uma t-shirt ou um fato de surf para nadar.
utilizo protECtorEs solarEs minErais.
Semana
28
Uma parte importante dos espaços verdes urbanos é constituída por jardins privativos.
Formam muitas vezes ilhas de verdura no meio dos quarteirões de casas, sendo
circundados por muros baixos. Incentive os seus vizinhos a retirarem um ou dois tijolos
na parte inferior de cada muro para criarem pequenos túneis de acesso entre
os jardins, o que permitirá a passagem dos ouriços-cacheiros, musaranhos, rãs, sapos…
E para unir as ilhas, convença as autoridades municipais a efectuarem algumas
adaptações, como, por exemplo, a plantação de árvores na rua (poderá colocar
uma ponte de cordas bem acima da estrada para os esquilos) ou a criação de canais
subterrâneos (semelhantes às passagens destinadas aos batráquios) debaixo
dos limitadores de velocidade.
faCilito a passaGEm Dos animais no mEu bairro.
Semana
29
A madeira tem pelo menos duas vantagens: é mais resistente do que o plástico
e não provém do petróleo. Ao comprar mobiliário certificado FSC ou PEFC, tem
a garantia de que a madeira que o compõe vem de florestas geridas de forma
sustentável e não de florestas temperadas ou boreais afectadas por uma regressão
da biodiversidade ou de florestas tropicais húmidas sobreexploradas.
Entre as madeiras com qualidade certificada, dê preferência às espécies locais que,
sendo tão resistentes como as exóticas, consomem menos energia e são menos
poluentes em termos de transporte. E, se as tratar, escolha produtos naturais à base
de óleo de linho, de cera de abelha ou de cera vegetal.
Para mais informações
sobre estes rótulos:
www.fsc.org
www.pefc.org
Compro mobiliário DE jarDim Em maDEira CErtifiCaDa.
Semana
30
rEDuzo o mEu Consumo DE CarnE.
Semana
31
Porquê? Para criar gado, é necessário ter pastagens ou produzir forragem (soja, milho,
beterraba, colza…) e, portanto, ter grandes superfícies agrícolas, muitas vezes obtidas
em detrimento das florestas! Para além disso, é necessária uma grande quantidade
de água e pesticidas para as culturas forrageiras, o que provoca o esgotamento
e a poluição dos lençóis freáticos.
Mas há mais! Durante a digestão, os ruminantes produzem muito metano – um dos
gases com efeito de estufa mais perigosos – principalmente quando são alimentados
com proteaginosas como soja.
Por fim, carne em demasia pode
afectar negativamente a sua saúde
(hipercolesterolemia, cancro, diabetes…).
Várias vezes por semana, substitua-a por
lentilhas, ovos, queijos, legumes, fruta…

Recomendado para você

Os direitos inalienáveis do leitor
Os direitos inalienáveis do leitorOs direitos inalienáveis do leitor
Os direitos inalienáveis do leitor

O documento lista 10 direitos do leitor, incluindo o direito de não ler, saltar páginas, não terminar um livro, reler livros, ler qualquer coisa, amar personagens, ler em qualquer lugar, saltar de livro em livro, ler em voz alta, e escolher se quer ou não falar sobre o que leu.

leituradireitos do leitor
Direitos autorais e referenciação bibliográfica
Direitos autorais e referenciação bibliográficaDireitos autorais e referenciação bibliográfica
Direitos autorais e referenciação bibliográfica

O documento discute os direitos autorais e a importância da referenciação bibliográfica. Apresenta exemplos de obras artísticas e arquitetônicas para ilustrar a criatividade humana e a necessidade de proteger a propriedade intelectual. Também fornece instruções sobre como referenciar livros e sites de forma correta.

Modelo de pesquisa e tratamento da informação the big 6- slideshare
Modelo de pesquisa e tratamento da informação   the big 6- slideshareModelo de pesquisa e tratamento da informação   the big 6- slideshare
Modelo de pesquisa e tratamento da informação the big 6- slideshare

O documento descreve o modelo de pesquisa "The Big 6" que consiste em 6 etapas: 1) Definição do problema, 2) Desenvolvimento de estratégias de pesquisa, 3) Localização e acesso à informação, 4) Uso da informação, 5) Síntese da informação, e 6) Avaliação do processo e produto da pesquisa. O modelo visa guiar os estudantes no processo de pesquisa desde a definição do tema até a apresentação dos resultados de forma estruturada e eficiente.

pesquisa da informaçãothe big6information literacy
Compro as minhas rECorDaçõEs DE viaGEm
DE forma rEsponsávEl.
Semana
32
Assegure-se de que as recordações que traz das suas férias não provêm de espécies
ameaçadas. Boicote tudo o que é feito com corais, marfim, escamas de tartarugas
marinhas, pau-rosa da Bahia (Dalbergia nigra)…
Alguns artigos (sacos ou carteiras de pele de crocodilo, quadros de asas de borboleta…)
podem ser fabricados com animais criados em cativeiro ou com plantas reproduzidas
em meio artificial. Compre-os apenas se tiverem um certificado CITES: este certificado,
indispensável para passar na alfândega, garante que a sua venda é autorizada e não
coloca em perigo a biodiversidade.
A CITES é uma convenção internacional que regulamenta o comércio das espécies
animais e vegetais ameaçadas de extinção.
Para mais informações: www.cites.org
Nos mares e oceanos, devido às correntes marinhas, formam-se verdadeiras ilhas
de resíduos geradas pelo homem. Só a grande mancha de resíduos do Pacífico
(«The Great Pacific Garbage Patch») ocupa aparentemente cerca de 3,5 milhões de km²!
Estas ilhas são constituídas principalmente por materiais de plástico, que demoram
entre 500 e 1000 anos a decomporem-se (libertando, ao mesmo tempo, muitos
produtos tóxicos) e podem asfixiar peixes, tartarugas, aves e mamíferos marinhos que
engolem pedaços de plástico, confundindo-os com presas.
O que fazer? Limite a sua utilização de materiais de plástico (sacos, garrafas…), não
deite nada na natureza (mesmo que esteja longe do mar) e fale destas ilhas de
resíduos, muitas vezes pouco conhecidas, com as pessoas que o rodeiam.
não alimEnto as «ilhas DE rEsíDuos» no alto mar.
Semana
33
apoio um projECto DE rEflorEstação.
Semana
34
Todos os dias, centenas de hectares de florestas desaparecem por todo o planeta.
São arroteadas para aumentar as áreas cultiváveis e habitáveis ou são sobreexploradas
para nos fornecer madeira para construção e mobiliário.
Numerosas ONG organizam projectos de reflorestação nas
regiões mais afectadas. Se tiverem um impacto ecológico
positivo (luta contra a desertificação, os deslizamentos
de terreno…), se melhorarem a biodiversidade da região
(plantação de espécies vegetais ameaçadas, luta contra
a fragmentação dos habitats…) e se forem apoiadas
pelas populações locais, contribua com um donativo.
Ou ainda, porque não deslocar-se até ao local enquanto
ecovoluntário…
Tanto nas zonas rurais como nas cidades, a iluminação de estradas, ruas e jardins
permite às pessoas, às raposas… prolongar as suas actividades pela noite dentro.
Mas a luz artificial perturba muitas espécies. Os animais cuja vista está
adaptada à vida nocturna (corujas, ratos…) têm dificuldades em ver
os obstáculos, as presas ou os predadores. As aves migratórias
ficam desorientadas. As borboletas nocturnas esvoaçam
à volta dos candeeiros até se cansarem. Os pirilampos
machos deixam de ver os sinais luminosos das fêmeas e,
portanto, não se podem reproduzir…
Por isso, para iluminar o seu jardim, terraço, entrada…,
escolha lâmpadas que não encadeiam e orientadas
para baixo. E apague-as logo que já não se encontre
no exterior.
Limito a poluição luminosa no exterior.
Semana
35

Recomendado para você

52 gestos para biodiversidade.pdf
52 gestos para biodiversidade.pdf52 gestos para biodiversidade.pdf
52 gestos para biodiversidade.pdf

Este documento fornece informações sobre a biodiversidade e ações que as pessoas podem tomar para ajudar a protegê-la. O documento foi traduzido e adaptado pela Comissão Europeia para promover a campanha "Biodiversidade. Estamos todos juntos nisto". Ele contém 52 sugestões de ações que as pessoas podem tomar para apoiar a biodiversidade em suas vidas diárias.

biodiversidade
texto 5 de Junho.docx
texto 5 de Junho.docxtexto 5 de Junho.docx
texto 5 de Junho.docx

O documento discute a importância da preservação ambiental, os danos causados pelo alto consumo humano e como pequenas ações como separar lixo e usar transporte público podem ajudar a proteger o meio ambiente.

meio ambiente
Preservação ambiental
Preservação ambientalPreservação ambiental
Preservação ambiental

O documento discute os impactos negativos das atividades humanas no meio ambiente, incluindo desflorestação, poluição do ar e da água, e esgotamento de recursos naturais. Também descreve estratégias para promover o desenvolvimento sustentável, como uso eficiente de recursos, energias renováveis e cooperação internacional.

geografiaambienteeducao
Cantinas militares, restaurantes de empresa, cantinas de escolas, creches, hospitais,
casas de repouso…: as cozinhas das colectividades alimentam muita gente.
Convença os responsáveis da sua cantina a adoptarem as seguintes medidas:
abastecer-se junto dos produtores biológicos locais, servir fruta e legumes sazonais,
diminuir as doses de carne e peixe, substituir regularmente estes últimos por pratos
à base de cereais, leguminosas, ovos, queijos…, dar a conhecer variedades esquecidas
(tupinambo, rutabaga…), reduzir e transformar em estrume os resíduos não cozinhados
(como as cascas de fruta, legumes e ovos)…
Estas medidas exigirão alguma adaptação por parte dos cozinheiros, mas terão muitos
efeitos positivos na diversidade… e na sua saúde!
introDuzo a alimEntação EColóGiCa na Cantina.
Semana
36
partiCipo na Campanha «plantEmos para o planEta».
Semana
37
As árvores fornecem alimentação, combustível, materiais de construção, fibras
e medicamentos aos humanos. Albergam também uma grande quantidade de
mamíferos, aves, invertebrados, musgos, cogumelos… Captam ainda os gases
carbónicos, libertam oxigénio, impedem a erosão, guardam a humidade do solo,
diminuem a temperatura em alguns graus, aumentam a taxa de humidade do ar
e participam na manutenção do equilíbrio climático.
Mas elas estão ameaçadas por uma desflorestação
acrescida. Para lutar contra os prejuízos
provocados por esta desflorestação, participe na
campanha «Plantemos para o Planeta», levada
a cabo pelo Programa das Nações Unidas para
o Ambiente.
Para mais informações:
www.unep.org/billiontreecampaign
DEfEnDo EstraDas aDaptaDas à bioDivErsiDaDE.
Semana
38
Incentive os poderes locais a melhorar a qualidade ambiental das estradas.
O que podem eles fazer?
Prever o traçado das estradas de forma a minimizar o seu impacto no meio.
Escolher revestimentos menos ruidosos e que contenham materiais reciclados.
Instalar uma iluminação adaptada (que não encadeie, orientada para baixo,
com colectores solares…).
Criar ou promover locais de passagem para os animais (sapos, esquilos, veados…).
Plantar sebes densas ao longo das estradas, nomeadamente para canalizar a fauna
para os ecodutos e absorver parte da poluição atmosférica, sonora, luminosa…
Efectuar a manutenção das bermas das estradas
nas alturas adequadas (tamanho
das árvores e pequenos bosques
fora dos períodos de
nidificação, ceifa tardia…).
A maioria das empresas de limpeza a seco usa o percloroetileno (ou tetracloroetileno).
Este solvente é tóxico para quem o manipula: irrita a pele e as mucosas, provoca
náuseas, dores de cabeça e perdas de consciência, acumula-se no organismo,
sendo provavelmente cancerígeno.
Normalmente utilizado em circuito fechado, acaba no entanto por chegar aos lençóis
freáticos e aos rios, sendo também muito nocivo para o ambiente, em especial para
os ecossistemas aquáticos.
As empresas de limpeza
ecológicas, que utilizam
apenas produtos
biodegradáveis
(nomeadamente,
a água) são ainda
raras hoje em dia.
A solução? Evite
comprar vestuário
e roupa de casa que
exijam uma limpeza
a seco!
não Compro vEstuário quE nECEssitE
DE limpEza a sECo.
Semana
39

Recomendado para você

Apostila de educação ambiental
Apostila  de  educação ambiental Apostila  de  educação ambiental
Apostila de educação ambiental

Este documento fornece informações sobre um curso de educação ambiental. Ele discute a importância da educação ambiental para o desenvolvimento sustentável e a necessidade de entender as questões ambientais. O curso ensinará sobre proteção ambiental e responsabilidade social.

Slides do livro Eletrônico
Slides do livro EletrônicoSlides do livro Eletrônico
Slides do livro Eletrônico

O documento discute o trabalho realizado por alunas do curso de Pedagogia sobre conteúdos de Ciências. O trabalho foi desenvolvido para a disciplina de Ciências: Conteúdos e Métodos e aborda temas como seres vivos, ecossistemas, origem da água e produção de lixo. O material produzido será doado para a brinquedoteca da faculdade para auxiliar em aulas práticas com crianças.

URGENTE! Diversidade de Acções para Cuidar a Biodiversidade
URGENTE! Diversidade de Acções para Cuidar a BiodiversidadeURGENTE! Diversidade de Acções para Cuidar a Biodiversidade
URGENTE! Diversidade de Acções para Cuidar a Biodiversidade

Ciclo de Conferências e Comunicações Internacionais A dimensão do Cuidar na re-significação do espaço público Centro Nacional de Cultura 25 Junho 2009 Org: Fundação Cuidar o Futuro Universidade de Évora

biodiversidadecuidadoetica
manDo instalar um tElhaDo vErDE Em minha Casa.
Semana
40
Na cidade, um telhado vegetal representa um refúgio adicional para
numerosos insectos e aves. Mas esta não é a sua única vantagem,
longe disso! Permite reter uma grande parte das águas da chuva.
Melhora a qualidade do ar ambiente. Protege o edifício de diferenças
de temperatura importantes e oferece até um certo isolamento
acústico.
A escolha das plantas faz-se em função do tipo de telhado
(deve ser plano ou ligeiramente inclinado!), do peso
que pode suportar e do tempo que está
disposto a dedicar à manutenção
desta vegetação (os musgos,
as plantas gordas e gramíneas
exigem apenas uma manutenção
anual). Para um resultado ideal,
entre em contacto com uma
empresa especializada.
A introdução de animais exóticos na natureza – voluntária ou não – pode colocar
problemas. Alguns deles (por exemplo, periquitos e tartarugas aquáticas) adaptam-se
perfeitamente e proliferam. E o mesmo se aplica às plantas (por exemplo, a Fallopia
japonica e a erva-pinheirinha).
Na ausência de predadores naturais que regulem as populações nos seus habitats
naturais, determinadas espécies exóticas tornam-se de tal forma invasoras que
colocam em perigo as espécies indígenas! Além disso, estas espécies invasoras podem
ter impactos económicos importantes e consequências negativas para a saúde humana.
Por último, muitas vezes é bastante difícil e dispendioso desfazer-se dessas espécies,
uma vez instaladas.
Assim, se possui espécies exóticas em sua casa, tome todas as precauções para evitar
a sua disseminação no ambiente.
não introDuzo EspéCiEs ExótiCas na naturEza.
Semana
41
Estas regiões são das mais ricas em termos de biodiversidade – reúnem cerca
de 60% das espécies de plantas, aves, mamíferos, répteis e anfíbios do planeta,
das quais cerca de metade são espécies endémicas (ou seja, próprias destas regiões)  –,
mas também as mais ameaçadas: já perderam pelo menos 70% da sua vegetação
primária e abrigam cerca de 75% das espécies animais que maior perigo correm!
Actualmente, foram identificados 34 «pontos quentes» terrestres onde
é extremamente urgente intervir – os «pontos quentes» marinhos ainda não foram
identificados. Por isso, apoie as associações de protecção da natureza que intervêm
nestas regiões.
Para mais informações: www.biodiversityhotspots.org
DEsCubro os «pontos quEntEs» Da bioDivErsiDaDE.
Semana
42
inCEntivo a minha EmprEsa a aGir Em prol
Da bioDivErsiDaDE.
Semana
43
Faça com que a sua empresa compense o seu impacto ambiental (as suas emissões
de CO2, a sua implantação ao longo de um curso de água…) ou aumente o seu
compromisso a favor da biodiversidade.
Como? Subvencionando associações de protecção da natureza (que restauram
ecossistemas específicos, protegem espécies ameaçadas…), financiando programas
científicos de inventário
e conservação, partilhando
os benefícios com os países do
Sul que forneceram as matérias-
primas ou os recursos genéticos,
criando uma fundação dedicada
à salvaguarda da biodiversidade,
envolvendo os empregados
ao enviá-los para o terreno…

Recomendado para você

Biodiversidade ppt
Biodiversidade pptBiodiversidade ppt
Biodiversidade ppt

1. A biodiversidade refere-se à variabilidade entre os seres vivos e os ecossistemas da Terra. Inclui diversidade genética, entre espécies e dos ecossistemas. 2. As principais ameaças à biodiversidade são a destruição e fragmentação de habitats, introdução de espécies invasoras e sobre-exploração. 3. A preservação da biodiversidade é importante por motivos éticos, econômicos e pelos benefícios indiretos como serviços ecossistêmicos. Manter a biodiversidade é es

DIA MUNDIAL DA FLORESTA E DA ÁGUA.ppsx
DIA MUNDIAL DA FLORESTA E DA ÁGUA.ppsxDIA MUNDIAL DA FLORESTA E DA ÁGUA.ppsx
DIA MUNDIAL DA FLORESTA E DA ÁGUA.ppsx

"As florestas são essenciais para a manutenção da vida na Terra. Elas são responsáveis pela manutenção da maior parte das fontes de água doce do planeta, abrigam grande parte da biodiversidade, tanto da fauna quanto da flora; elas, em especial as matas ciliares (próximas aos rios), mantêm a integridade dos rios, protegem os solos de erosões, fornecem-nos melhor qualidade de vida, entre muitos outros aspectos."

as florestasvida na terrabiodiversidade
Dia Mundial da Floresta
Dia Mundial da FlorestaDia Mundial da Floresta
Dia Mundial da Floresta

O documento discute a importância das florestas para a vida na Terra e como elas abrigam grande biodiversidade. Em 1971, a ONU sugeriu a criação do Dia Mundial das Florestas para conscientizar as pessoas sobre a necessidade de preservá-las. Cuidar das florestas é essencial para o meio ambiente e para as futuras gerações.

Um agricultor é remunerado
porque aceita, apesar de uma
certa perda de receitas, não desarborizar
uma floresta para aumentar a sua superfície agrícola,
mas sim mantê-la para que continue a absorver
as águas de escoamento, a captar e transformar o CO2
em O2, a albergar e alimentar numerosas espécies:
este é um exemplo do princípio do «pagamento de serviços
ambientais».
Este inovador princípio tem já algum êxito, embora seja difícil
determinar o valor financeiro de determinados serviços
ambientais. No entanto, este princípio agrada-lhe?
Fale dele à sua volta!
Pode ser que não caia
em saco roto…
DEsCubro o paGamEnto DE sErviços ambiEntais.
Semana
44
orGanizo uma GranDE limpEza Do bairro.
Semana
45
Com os seus vizinhos e o apoio dos poderes locais, organize uma grande limpeza
do seu bairro enquanto os ramos estão nus e as ervas baixas.
Retire os sacos de plástico presos nas árvores
e elimine os detritos (latas, garrafas, sacos de lixo,
pneus, ecrãs de televisão, latas de tinta…)
das bermas das estradas, das margens dos rios
e das moitas transformadas em aterros selvagens.
Separe-os e leve-os para a unidade de triagem
de detritos.
Limitará assim a poluição de ecossistemas, tais como os cursos
de água ou os pousios. E evitará muitos perigos para os animais,
como, por exemplo, ferimentos por pisarem estilhaços de vidro
ou asfixias com pedaços de plástico que eles possam confundir
com alimentos!
rEDuzo o mEu Consumo DE papEl E Cartão.
Semana
46
Consuma menos papel e cartão: protege assim as florestas, limita a energia
e a água utilizadas para o seu fabrico e diminui os resíduos produzidos.
Se tiver de imprimir um documento, utilize a frente e o verso do papel ou aproveite os
lados em branco como folhas de rascunho. Volte a utilizar os envelopes se for possível;
caso contrário, guarde-os para apontar as suas listas de compras, as suas mensagens…
Quando disponíveis, opte por alternativas em papel reciclado ou com rótulo FSC
ou PEFC (cadernos, papel higiénico, papel de parede…), em tecido (guardanapos,
lenços, sacos…) ou em linha (listas de contactos, transferências…).
Depois de lidos, empreste os seus livros, jornais e revistas
a outros eventuais leitores.
E claro, recicle o papel
e cartão usados.
aCtuo Em prol Da bioDivErsiDaDE Graças à intErnEt.
Semana
47
Basta navegar na Internet para agir em prol da diversidade. Alguns motores de busca
sugerem-lhe todos os dias um gesto a favor do planeta. Outros contabilizam as suas
visitas e plantam uma árvore a cada 100 ou 500 pesquisas. Outros ainda apresentam
um fundo preto (que consome menos energia do que a versão branca) ou revertem
todas as suas receitas publicitárias, ou parte delas, para associações de protecção
da natureza.
Com a Internet, pode também calcular a sua pegada ecológica, financiar programas
de compensação do CO2 emitido durante as suas viagens de avião, informar-se sobre
os rótulos ecológicos, partilhar a sua experiência
em termos de protecção da biodiversidade
através de blogues, fóruns, sites de redes
sociais em linha…

Recomendado para você

Ambiente
AmbienteAmbiente
Ambiente

Este documento discute o que é o meio ambiente, incluindo os ambientes abiótico, biótico, naturais e artificiais. Ele explica a importância de preservar o meio ambiente e fornece dicas sobre como as pessoas podem contribuir para um mundo melhor através da conservação de recursos e redução da poluição.

Pegada ecologicawwf
Pegada ecologicawwfPegada ecologicawwf
Pegada ecologicawwf

O documento descreve a organização WWF-Brasil, sua missão de conservação ambiental e seus projetos no país. Apresenta também o conceito de Pegada Ecológica como uma ferramenta para medir o impacto dos estilos de vida humanos nos recursos naturais.

19mai08 Wwf Pegada
19mai08 Wwf Pegada19mai08 Wwf Pegada
19mai08 Wwf Pegada

O documento apresenta informações sobre a Pegada Ecológica, incluindo sua definição como uma estimativa da área produtiva necessária para sustentar o estilo de vida de uma pessoa ou sociedade. Detalha os componentes que compõem a Pegada Ecológica e como ela é calculada em hectares, além de mostrar que sociedades mais industrializadas tendem a ter pegadas maiores devido ao maior consumo de recursos.

Para se tornar «locávoro», coma apenas alimentos produzidos localmente. Limita assim
a libertação de CO2 para a atmosfera durante o seu transporte (são muitos os animais
e vegetais que podem desaparecer devido às alterações climáticas provocadas pelo
aumento dos gases com efeito de estufa) e apoia os produtores da sua região que
cultivam ou criam espécies indígenas.
É claro que isto implica também o consumo de fruta e vegetais sazonais. Dado que
estes têm normalmente melhores qualidades gustativas – principalmente se forem
biológicos – do que os seus equivalentes internacionais (cujo cultivo pode exigir grandes
quantidades de adubos e pesticidas químicos e cujo transporte é extremamente
poluente), não terá nada a perder!
torno-mE «loCávoro».
Semana
48
Na casa de banho, eliminamos grande parte dos princípios activos dos medicamentos
que ingerimos. Resistentes ao tratamento das águas residuais nas estações
de depuração, chegam aos rios e mares onde têm efeitos na fauna e flora aquáticas.
Os seus efeitos ainda não são bem conhecidos, mas parece que, por exemplo,
alguns peixes expostos aos estrogénios de síntese das pílulas contraceptivas se tornam
hermafroditas.
O que fazer? Tomar medicamentos apenas quando é realmente necessário
(os antibióticos não servem de nada em caso de infecções virais) e entregar na
farmácia aqueles que não são utilizados ou se encontram fora do prazo de validade
(não os deite no lixo nem na sanita!).
limito a libErtação DE mEDiCamEntos
para a naturEza.
Semana
49
EsColho prEnDas rElaCionaDas Com a bioDivErsiDaDE.
Semana
50
Faltam-lhe ideias para prendas? Escolha objectos que lhe permitam falar
da biodiversidade, dos serviços que presta e da importância da sua salvaguarda.
Esta é uma forma agradável de abordar um assunto essencial para o planeta!
Ofereça a quem gosta de bricolage um manual sobre as tintas naturais,
aos gastrónomos um livro sobre flores comestíveis, a quem gosta de correr o mundo
um guia sobre o ecoturismo, aos naturalistas iniciantes um par de binóculos…
Com um sabão de Alepo, evoque
a vantagem de utilizar detergentes
naturais. Com uma caixa de chocolates
biológicos, apresente o problema
da cultura das palmeiras de óleo
na Indonésia e Malásia (e da ameaça
que pesa sobre os grandes símios)…
Dou o mEu nomE a uma nova EspéCiE.
Semana
51
A iniciativa BIOPAT (Patrons for Biodiversity), apoiada nomeadamente por vários
institutos e museus de ciências naturais alemães, propõe-lhe dar o seu nome ou
o nome de um dos seus amigos ou parentes a uma espécie animal ou vegetal descoberta
recentemente (rã, borboleta, aranha, feto, orquídea…) em troca de um donativo.
Deste modo, imortaliza o seu compromisso a favor da preservação da biodiversidade.
E subvenciona a investigação taxonómica (ou seja, a descrição de novas espécies),
bem como estudos e acções de conservação da natureza levados a cabo
principalmente nos países onde são descobertas estas novas espécies.
Para mais informações
sobre esta iniciativa:
www.biopat.de

Recomendado para você

apresentação RICARDO 05_06_2023.ppt
apresentação RICARDO 05_06_2023.pptapresentação RICARDO 05_06_2023.ppt
apresentação RICARDO 05_06_2023.ppt

O documento descreve a biodiversidade do rio Pavia em Portugal, incluindo sua flora e fauna. Resume que o rio suporta uma variedade de plantas como freixos, amieiros e tamargueiras, bem como animais como lontras e aves aquáticas. O projeto Rios tem como objetivo caracterizar e monitorar a biodiversidade do sistema ecológico do rio.

Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade

O documento discute a perda da biodiversidade. Ele define biodiversidade e explica que a maior biodiversidade está nas regiões tropicais, como a Amazônia. O documento também discute as causas da perda de biodiversidade, incluindo desmatamento e atividades humanas, e as consequências, como aquecimento global. Ele sugere soluções como plantar árvores e reduzir o consumo.

Biodiversidade e Cooperação na União Europeia
Biodiversidade e Cooperação na União EuropeiaBiodiversidade e Cooperação na União Europeia
Biodiversidade e Cooperação na União Europeia

O documento discute a biodiversidade e os serviços dos ecossistemas, destacando que dois terços destes serviços estão em declínio globalmente. Também descreve a Análise do Milênio sobre Ecossistemas e o objetivo de 2010 da UE de parar a perda de biodiversidade. A Comissão Europeia apoia países em desenvolvimento a integrar a biodiversidade nas políticas de desenvolvimento sustentável.

cooperaobiodiversidadeeu
informo-mE sobrE o proGrama natura 2000.
Semana
52
A agricultura, silvicultura, indústria, turismo… podem estar na origem da deterioração
de habitats naturais, como as turfeiras, as charnecas, os faiais, os carvalhais… e,
por conseguinte, da regressão de numerosas espécies animais e vegetais.
O programa europeu Natura 2000 tem como objectivo preservar estas espécies
e os meios naturais que as abrigam em harmonia com as actividades humanas.
Os meios aplicados? Restauração dos biótopos, reintrodução de espécies indígenas,
desenvolvimento de actividades de investigação e educação…
Para mais informações sobre o Natura 2000:
ec.europa.eu/environment/nature
Para mais informações:
Natureza e biodiversidade
http://ec.europa.eu/environment/nature/index_en.htm
Rede Natura 2000 	
http://ec.europa.eu/environment/nature/natura2000/index_en.htm
Campanha de biodiversidade
http://ec.europa.eu/environment/biodiversity/campaign/index_pt.htm
Convenção para a Diversidade Biológica
http://www.cbd.int/
Instituto Real de Ciências Naturais da Bélgica
http://www.sciencesnaturelles.be/
Serviço Público Federal
Saúde, Segurança da Cadeia Alimentar e Ambiente
http://www.health.belgium.be
Comissão Europeia
52 gestos para a biodiversidade
Luxemburgo: Serviço das Publicações da União Europeia
2011 – 60 p. – 15 x 15 cm
ISBN 978-92-79-18629-5
doi:10.2779/9708
Para encomendar a publicação, disponível gratuitamente no limite dos stocks disponíveis:
Para uma única cópia:
através da EU Bookshop, o acesso em linha para as publicações da União Europeia:
http:// bookshop.europa.eu
Para várias cópias:
através das redes nacionais de informação Europe Direct mais próximas:
http://europa.eu/europedirect/meet_us/index_pt.htm
KH-32-10-600-PT-C

Recomendado para você

Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade

Este documento discute a biodiversidade no contexto de Angola. Aborda definições de biodiversidade, abordagens para entendê-la, pontos críticos em Angola e no Brasil/Índia, como biodiversidade varia no tempo e espaço, e a importância econômica da biodiversidade.

Catástrofes provocadas pela intervenção do Homem
Catástrofes provocadas pela intervenção do HomemCatástrofes provocadas pela intervenção do Homem
Catástrofes provocadas pela intervenção do Homem

O documento discute catástrofes ambientais causadas pelo ser humano, incluindo a desertificação dos solos devido a atividades como pastoreio intensivo, a desflorestação que destrói habitats naturais, e a introdução de espécies invasoras que ameaçam espécies nativas. Ele fornece detalhes sobre práticas sustentáveis como a agricultura biológica para combater a desertificação e a importância de florestas para o meio ambiente. Finalmente, enfatiza a necessidade de compras responsáveis para prevenir

Nl biosfera 5_fichas
Nl biosfera 5_fichasNl biosfera 5_fichas
Nl biosfera 5_fichas

O documento discute a importância da biodiversidade para o equilíbrio da biosfera e sobrevivência humana, e como as atividades humanas têm contribuído para a perda de biodiversidade. É fundamental proteger a biodiversidade e garantir um desenvolvimento sustentável.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Habitação Sustentável
Habitação SustentávelHabitação Sustentável
Habitação Sustentável
2016arqmiriam
 
Pegada Ecológica
Pegada EcológicaPegada Ecológica
Pegada Ecológica
Flávia Smarti
 
Protecção e conservação da natureza (1)
Protecção e conservação da natureza (1)Protecção e conservação da natureza (1)
Protecção e conservação da natureza (1)
asgeoprofessoras
 
PROJETO DE PESQUISA URBANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE: LAGOA DOS BARROS UM PONTO TU...
PROJETO DE PESQUISA URBANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE: LAGOA DOS BARROS UM PONTO TU...PROJETO DE PESQUISA URBANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE: LAGOA DOS BARROS UM PONTO TU...
PROJETO DE PESQUISA URBANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE: LAGOA DOS BARROS UM PONTO TU...
Sirleitr
 
ciencias
cienciasciencias
ciencias
Catiabarbosa
 
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
igor-oliveira
 
Apresentação 8 cn
Apresentação 8 cnApresentação 8 cn
Apresentação 8 cn
Isabel Lopes
 
J2 serviço dos ecossistemas
J2   serviço dos ecossistemasJ2   serviço dos ecossistemas
J2 serviço dos ecossistemas
Luís Filipe Marinho
 
Exploração de recursos naturais
Exploração de recursos naturaisExploração de recursos naturais
Exploração de recursos naturais
anabela
 
Biodiversidade 4 (1)
Biodiversidade 4 (1)Biodiversidade 4 (1)
Biodiversidade 4 (1)
Rogerio de Souza Souza
 
Conservação Da Biodiversidade (Ecologia)
Conservação Da Biodiversidade (Ecologia)Conservação Da Biodiversidade (Ecologia)
Conservação Da Biodiversidade (Ecologia)
David Quintino
 
Exploração e conservação de recursos naturais
Exploração e conservação de recursos naturaisExploração e conservação de recursos naturais
Exploração e conservação de recursos naturais
Prof. Francesco Torres
 
Recursos 10ºAno
Recursos  10ºAnoRecursos  10ºAno
Recursos 10ºAno
Tânia Reis
 
Preservação do Património natural
Preservação do Património naturalPreservação do Património natural
Preservação do Património natural
Diogo Alves
 
Recursos Biológicos - Aconsa
Recursos Biológicos - AconsaRecursos Biológicos - Aconsa
Recursos Biológicos - Aconsa
Ana Carolina
 
Recursos BiolóGicos
Recursos BiolóGicosRecursos BiolóGicos
Recursos BiolóGicos
Nuno Correia
 
Protecção e conservação do ambiente
Protecção e conservação do ambiente Protecção e conservação do ambiente
Protecção e conservação do ambiente
andreaires
 
004 edição do jornal ação e reação 2012
004 edição do jornal ação e reação 2012004 edição do jornal ação e reação 2012
004 edição do jornal ação e reação 2012
Prefeitura Municipal de Camboriú
 
Curso Permacultura EcoVIDA São Miguel - Guia de Permacultura
Curso Permacultura EcoVIDA São Miguel - Guia de PermaculturaCurso Permacultura EcoVIDA São Miguel - Guia de Permacultura
Curso Permacultura EcoVIDA São Miguel - Guia de Permacultura
Marina Utsch
 
recursos biológicos
recursos biológicosrecursos biológicos
recursos biológicos
Espa Cn 8
 

Mais procurados (20)

Habitação Sustentável
Habitação SustentávelHabitação Sustentável
Habitação Sustentável
 
Pegada Ecológica
Pegada EcológicaPegada Ecológica
Pegada Ecológica
 
Protecção e conservação da natureza (1)
Protecção e conservação da natureza (1)Protecção e conservação da natureza (1)
Protecção e conservação da natureza (1)
 
PROJETO DE PESQUISA URBANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE: LAGOA DOS BARROS UM PONTO TU...
PROJETO DE PESQUISA URBANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE: LAGOA DOS BARROS UM PONTO TU...PROJETO DE PESQUISA URBANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE: LAGOA DOS BARROS UM PONTO TU...
PROJETO DE PESQUISA URBANIZAÇÃO E MEIO AMBIENTE: LAGOA DOS BARROS UM PONTO TU...
 
ciencias
cienciasciencias
ciencias
 
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
 
Apresentação 8 cn
Apresentação 8 cnApresentação 8 cn
Apresentação 8 cn
 
J2 serviço dos ecossistemas
J2   serviço dos ecossistemasJ2   serviço dos ecossistemas
J2 serviço dos ecossistemas
 
Exploração de recursos naturais
Exploração de recursos naturaisExploração de recursos naturais
Exploração de recursos naturais
 
Biodiversidade 4 (1)
Biodiversidade 4 (1)Biodiversidade 4 (1)
Biodiversidade 4 (1)
 
Conservação Da Biodiversidade (Ecologia)
Conservação Da Biodiversidade (Ecologia)Conservação Da Biodiversidade (Ecologia)
Conservação Da Biodiversidade (Ecologia)
 
Exploração e conservação de recursos naturais
Exploração e conservação de recursos naturaisExploração e conservação de recursos naturais
Exploração e conservação de recursos naturais
 
Recursos 10ºAno
Recursos  10ºAnoRecursos  10ºAno
Recursos 10ºAno
 
Preservação do Património natural
Preservação do Património naturalPreservação do Património natural
Preservação do Património natural
 
Recursos Biológicos - Aconsa
Recursos Biológicos - AconsaRecursos Biológicos - Aconsa
Recursos Biológicos - Aconsa
 
Recursos BiolóGicos
Recursos BiolóGicosRecursos BiolóGicos
Recursos BiolóGicos
 
Protecção e conservação do ambiente
Protecção e conservação do ambiente Protecção e conservação do ambiente
Protecção e conservação do ambiente
 
004 edição do jornal ação e reação 2012
004 edição do jornal ação e reação 2012004 edição do jornal ação e reação 2012
004 edição do jornal ação e reação 2012
 
Curso Permacultura EcoVIDA São Miguel - Guia de Permacultura
Curso Permacultura EcoVIDA São Miguel - Guia de PermaculturaCurso Permacultura EcoVIDA São Miguel - Guia de Permacultura
Curso Permacultura EcoVIDA São Miguel - Guia de Permacultura
 
recursos biológicos
recursos biológicosrecursos biológicos
recursos biológicos
 

Destaque

Programa Concurso Nacional de Leitura 2014 - Fase Distrital Porto
Programa Concurso Nacional de Leitura 2014 - Fase Distrital PortoPrograma Concurso Nacional de Leitura 2014 - Fase Distrital Porto
Programa Concurso Nacional de Leitura 2014 - Fase Distrital Porto
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Silka
SilkaSilka
Lista de obras metas curriculares 1.º ano 12 13 aepal[1]
Lista de obras metas curriculares 1.º ano 12 13 aepal[1]Lista de obras metas curriculares 1.º ano 12 13 aepal[1]
Lista de obras metas curriculares 1.º ano 12 13 aepal[1]
Filipa Julião
 
Ilse losa
Ilse losaIlse losa
Ilse losa
BBEBJB
 
CRUCIGRAMA_Ciencia divertida (dia do astronauta)
CRUCIGRAMA_Ciencia divertida (dia do astronauta)CRUCIGRAMA_Ciencia divertida (dia do astronauta)
CRUCIGRAMA_Ciencia divertida (dia do astronauta)
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Livro sorriso estrela
Livro sorriso estrelaLivro sorriso estrela
historia sim-_o e a noite de natal
  historia   sim-_o e a noite de natal  historia   sim-_o e a noite de natal
historia sim-_o e a noite de natal
franciscamonteiro
 
MARAVILHOSAS GOTAS D' ÁGUA
MARAVILHOSAS GOTAS D' ÁGUAMARAVILHOSAS GOTAS D' ÁGUA
MARAVILHOSAS GOTAS D' ÁGUA
Prof. Oliveira Andrade
 
Um bocadinho de inverno
Um bocadinho de invernoUm bocadinho de inverno
Um bocadinho de inverno
Virgínia Ferreira
 
Como fazer um Blog por Assunção Ribeiro
Como fazer um Blog por Assunção RibeiroComo fazer um Blog por Assunção Ribeiro
Como fazer um Blog por Assunção Ribeiro
assuncaoribeiromarques1
 
Os direitos inalienáveis do leitor
Os direitos inalienáveis do leitorOs direitos inalienáveis do leitor
Os direitos inalienáveis do leitor
assuncaoribeiromarques1
 
Direitos autorais e referenciação bibliográfica
Direitos autorais e referenciação bibliográficaDireitos autorais e referenciação bibliográfica
Direitos autorais e referenciação bibliográfica
assuncaoribeiromarques1
 
Modelo de pesquisa e tratamento da informação the big 6- slideshare
Modelo de pesquisa e tratamento da informação   the big 6- slideshareModelo de pesquisa e tratamento da informação   the big 6- slideshare
Modelo de pesquisa e tratamento da informação the big 6- slideshare
assuncaoribeiromarques1
 

Destaque (13)

Programa Concurso Nacional de Leitura 2014 - Fase Distrital Porto
Programa Concurso Nacional de Leitura 2014 - Fase Distrital PortoPrograma Concurso Nacional de Leitura 2014 - Fase Distrital Porto
Programa Concurso Nacional de Leitura 2014 - Fase Distrital Porto
 
Silka
SilkaSilka
Silka
 
Lista de obras metas curriculares 1.º ano 12 13 aepal[1]
Lista de obras metas curriculares 1.º ano 12 13 aepal[1]Lista de obras metas curriculares 1.º ano 12 13 aepal[1]
Lista de obras metas curriculares 1.º ano 12 13 aepal[1]
 
Ilse losa
Ilse losaIlse losa
Ilse losa
 
CRUCIGRAMA_Ciencia divertida (dia do astronauta)
CRUCIGRAMA_Ciencia divertida (dia do astronauta)CRUCIGRAMA_Ciencia divertida (dia do astronauta)
CRUCIGRAMA_Ciencia divertida (dia do astronauta)
 
Livro sorriso estrela
Livro sorriso estrelaLivro sorriso estrela
Livro sorriso estrela
 
historia sim-_o e a noite de natal
  historia   sim-_o e a noite de natal  historia   sim-_o e a noite de natal
historia sim-_o e a noite de natal
 
MARAVILHOSAS GOTAS D' ÁGUA
MARAVILHOSAS GOTAS D' ÁGUAMARAVILHOSAS GOTAS D' ÁGUA
MARAVILHOSAS GOTAS D' ÁGUA
 
Um bocadinho de inverno
Um bocadinho de invernoUm bocadinho de inverno
Um bocadinho de inverno
 
Como fazer um Blog por Assunção Ribeiro
Como fazer um Blog por Assunção RibeiroComo fazer um Blog por Assunção Ribeiro
Como fazer um Blog por Assunção Ribeiro
 
Os direitos inalienáveis do leitor
Os direitos inalienáveis do leitorOs direitos inalienáveis do leitor
Os direitos inalienáveis do leitor
 
Direitos autorais e referenciação bibliográfica
Direitos autorais e referenciação bibliográficaDireitos autorais e referenciação bibliográfica
Direitos autorais e referenciação bibliográfica
 
Modelo de pesquisa e tratamento da informação the big 6- slideshare
Modelo de pesquisa e tratamento da informação   the big 6- slideshareModelo de pesquisa e tratamento da informação   the big 6- slideshare
Modelo de pesquisa e tratamento da informação the big 6- slideshare
 

Semelhante a 52 gestos para a Biodiversidade

52 gestos para biodiversidade.pdf
52 gestos para biodiversidade.pdf52 gestos para biodiversidade.pdf
52 gestos para biodiversidade.pdf
AMG Sobrenome
 
texto 5 de Junho.docx
texto 5 de Junho.docxtexto 5 de Junho.docx
texto 5 de Junho.docx
RosanaCosta70
 
Preservação ambiental
Preservação ambientalPreservação ambiental
Preservação ambiental
Sandra Alves
 
Apostila de educação ambiental
Apostila  de  educação ambiental Apostila  de  educação ambiental
Apostila de educação ambiental
danieladod
 
Slides do livro Eletrônico
Slides do livro EletrônicoSlides do livro Eletrônico
Slides do livro Eletrônico
Flavia Carvalho
 
URGENTE! Diversidade de Acções para Cuidar a Biodiversidade
URGENTE! Diversidade de Acções para Cuidar a BiodiversidadeURGENTE! Diversidade de Acções para Cuidar a Biodiversidade
URGENTE! Diversidade de Acções para Cuidar a Biodiversidade
Paula Lopes da Silva
 
Biodiversidade ppt
Biodiversidade pptBiodiversidade ppt
Biodiversidade ppt
guest7b65ee
 
DIA MUNDIAL DA FLORESTA E DA ÁGUA.ppsx
DIA MUNDIAL DA FLORESTA E DA ÁGUA.ppsxDIA MUNDIAL DA FLORESTA E DA ÁGUA.ppsx
DIA MUNDIAL DA FLORESTA E DA ÁGUA.ppsx
ANDRÉA FERREIRA
 
Dia Mundial da Floresta
Dia Mundial da FlorestaDia Mundial da Floresta
Dia Mundial da Floresta
ANDRÉA FERREIRA
 
Ambiente
AmbienteAmbiente
Ambiente
Vale Rodrigues
 
Pegada ecologicawwf
Pegada ecologicawwfPegada ecologicawwf
Pegada ecologicawwf
carinacipo
 
19mai08 Wwf Pegada
19mai08 Wwf Pegada19mai08 Wwf Pegada
19mai08 Wwf Pegada
Ionara Urrutia Moura
 
apresentação RICARDO 05_06_2023.ppt
apresentação RICARDO 05_06_2023.pptapresentação RICARDO 05_06_2023.ppt
apresentação RICARDO 05_06_2023.ppt
ZE RIKI
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
Mayjö .
 
Biodiversidade e Cooperação na União Europeia
Biodiversidade e Cooperação na União EuropeiaBiodiversidade e Cooperação na União Europeia
Biodiversidade e Cooperação na União Europeia
Paula Lopes da Silva
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
Gourgel Abias
 
Catástrofes provocadas pela intervenção do Homem
Catástrofes provocadas pela intervenção do HomemCatástrofes provocadas pela intervenção do Homem
Catástrofes provocadas pela intervenção do Homem
ienaamendes
 
Nl biosfera 5_fichas
Nl biosfera 5_fichasNl biosfera 5_fichas
Nl biosfera 5_fichas
Ana Carolina Campos
 
Biodiversidade joão sousa
Biodiversidade  joão sousaBiodiversidade  joão sousa
Biodiversidade joão sousa
Mayjö .
 
Tour do Consumidor Ecológico 2010
Tour do Consumidor Ecológico 2010Tour do Consumidor Ecológico 2010
Tour do Consumidor Ecológico 2010
Paula Lopes da Silva
 

Semelhante a 52 gestos para a Biodiversidade (20)

52 gestos para biodiversidade.pdf
52 gestos para biodiversidade.pdf52 gestos para biodiversidade.pdf
52 gestos para biodiversidade.pdf
 
texto 5 de Junho.docx
texto 5 de Junho.docxtexto 5 de Junho.docx
texto 5 de Junho.docx
 
Preservação ambiental
Preservação ambientalPreservação ambiental
Preservação ambiental
 
Apostila de educação ambiental
Apostila  de  educação ambiental Apostila  de  educação ambiental
Apostila de educação ambiental
 
Slides do livro Eletrônico
Slides do livro EletrônicoSlides do livro Eletrônico
Slides do livro Eletrônico
 
URGENTE! Diversidade de Acções para Cuidar a Biodiversidade
URGENTE! Diversidade de Acções para Cuidar a BiodiversidadeURGENTE! Diversidade de Acções para Cuidar a Biodiversidade
URGENTE! Diversidade de Acções para Cuidar a Biodiversidade
 
Biodiversidade ppt
Biodiversidade pptBiodiversidade ppt
Biodiversidade ppt
 
DIA MUNDIAL DA FLORESTA E DA ÁGUA.ppsx
DIA MUNDIAL DA FLORESTA E DA ÁGUA.ppsxDIA MUNDIAL DA FLORESTA E DA ÁGUA.ppsx
DIA MUNDIAL DA FLORESTA E DA ÁGUA.ppsx
 
Dia Mundial da Floresta
Dia Mundial da FlorestaDia Mundial da Floresta
Dia Mundial da Floresta
 
Ambiente
AmbienteAmbiente
Ambiente
 
Pegada ecologicawwf
Pegada ecologicawwfPegada ecologicawwf
Pegada ecologicawwf
 
19mai08 Wwf Pegada
19mai08 Wwf Pegada19mai08 Wwf Pegada
19mai08 Wwf Pegada
 
apresentação RICARDO 05_06_2023.ppt
apresentação RICARDO 05_06_2023.pptapresentação RICARDO 05_06_2023.ppt
apresentação RICARDO 05_06_2023.ppt
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Biodiversidade e Cooperação na União Europeia
Biodiversidade e Cooperação na União EuropeiaBiodiversidade e Cooperação na União Europeia
Biodiversidade e Cooperação na União Europeia
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Catástrofes provocadas pela intervenção do Homem
Catástrofes provocadas pela intervenção do HomemCatástrofes provocadas pela intervenção do Homem
Catástrofes provocadas pela intervenção do Homem
 
Nl biosfera 5_fichas
Nl biosfera 5_fichasNl biosfera 5_fichas
Nl biosfera 5_fichas
 
Biodiversidade joão sousa
Biodiversidade  joão sousaBiodiversidade  joão sousa
Biodiversidade joão sousa
 
Tour do Consumidor Ecológico 2010
Tour do Consumidor Ecológico 2010Tour do Consumidor Ecológico 2010
Tour do Consumidor Ecológico 2010
 

Mais de Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz

Referências bibliográficas
Referências bibliográficas Referências bibliográficas
Referências bibliográficas
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Palavras cruzadas - Plano Pessoal de Leitura
Palavras cruzadas  - Plano Pessoal de Leitura Palavras cruzadas  - Plano Pessoal de Leitura
Palavras cruzadas - Plano Pessoal de Leitura
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
AECampo Aberto_LivrosFavoritos_2_3_ciclos
AECampo Aberto_LivrosFavoritos_2_3_ciclosAECampo Aberto_LivrosFavoritos_2_3_ciclos
AECampo Aberto_LivrosFavoritos_2_3_ciclos
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Marcadores biblio beiriz_15.16_referencias_bibliograficas_5
Marcadores biblio beiriz_15.16_referencias_bibliograficas_5Marcadores biblio beiriz_15.16_referencias_bibliograficas_5
Marcadores biblio beiriz_15.16_referencias_bibliograficas_5
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Sonhos da Bela Adormecida
Sonhos da Bela AdormecidaSonhos da Bela Adormecida
Sonhos da Bela Adormecida
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Agenda 2015 2016-nutricientistas
Agenda 2015 2016-nutricientistasAgenda 2015 2016-nutricientistas
Agenda 2015 2016-nutricientistas
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Uma aventura fantástica
Uma aventura fantásticaUma aventura fantástica
Uma aventura fantástica
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Caderno_aprendizagem_da_leitura
Caderno_aprendizagem_da_leituraCaderno_aprendizagem_da_leitura
Caderno_aprendizagem_da_leitura
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Bibliobeiriz como-fazer-um-trabalho-guia-1-0910
Bibliobeiriz como-fazer-um-trabalho-guia-1-0910Bibliobeiriz como-fazer-um-trabalho-guia-1-0910
Bibliobeiriz como-fazer-um-trabalho-guia-1-0910
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
EB23 Beiriz_Olimpiadas da Escrita_2015_15_fasefinal
EB23 Beiriz_Olimpiadas da Escrita_2015_15_fasefinalEB23 Beiriz_Olimpiadas da Escrita_2015_15_fasefinal
EB23 Beiriz_Olimpiadas da Escrita_2015_15_fasefinal
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Arvore de Natal_BiblioBeiriz
Arvore de Natal_BiblioBeirizArvore de Natal_BiblioBeiriz
Arvore de Natal_BiblioBeiriz
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Uma aventura na Atlântida
Uma aventura na AtlântidaUma aventura na Atlântida
Uma aventura na Atlântida
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Uma aventura do 6º C
Uma aventura do 6º CUma aventura do 6º C
Guia das aves comuns
Guia das aves comunsGuia das aves comuns
Ilustração de Poemas de Matilde Rosa Araújo - 4º B- EB1 de Beiriz
Ilustração de Poemas de Matilde Rosa Araújo - 4º B- EB1 de BeirizIlustração de Poemas de Matilde Rosa Araújo - 4º B- EB1 de Beiriz
Ilustração de Poemas de Matilde Rosa Araújo - 4º B- EB1 de Beiriz
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Ilustração de Poemas de Matilde Rosa Araújo- 2ºano EB1 de Amorim
Ilustração de Poemas de Matilde Rosa Araújo-  2ºano EB1 de AmorimIlustração de Poemas de Matilde Rosa Araújo-  2ºano EB1 de Amorim
Ilustração de Poemas de Matilde Rosa Araújo- 2ºano EB1 de Amorim
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Gente de Abril 1974- 2014
Gente de Abril 1974- 2014Gente de Abril 1974- 2014
Gente de Abril 1974- 2014
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Carta às crianças do mundo - Siobhán Parkinson
Carta às crianças do mundo - Siobhán ParkinsonCarta às crianças do mundo - Siobhán Parkinson
Carta às crianças do mundo - Siobhán Parkinson
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Ao encontro da-moura_semana da leitura
Ao encontro da-moura_semana da leituraAo encontro da-moura_semana da leitura
Ao encontro da-moura_semana da leitura
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 
Informacao pais saude_oral
Informacao pais saude_oralInformacao pais saude_oral
Informacao pais saude_oral
Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz
 

Mais de Biblioteca da Escola EB 2/3 de Beiriz (20)

Referências bibliográficas
Referências bibliográficas Referências bibliográficas
Referências bibliográficas
 
Palavras cruzadas - Plano Pessoal de Leitura
Palavras cruzadas  - Plano Pessoal de Leitura Palavras cruzadas  - Plano Pessoal de Leitura
Palavras cruzadas - Plano Pessoal de Leitura
 
AECampo Aberto_LivrosFavoritos_2_3_ciclos
AECampo Aberto_LivrosFavoritos_2_3_ciclosAECampo Aberto_LivrosFavoritos_2_3_ciclos
AECampo Aberto_LivrosFavoritos_2_3_ciclos
 
Marcadores biblio beiriz_15.16_referencias_bibliograficas_5
Marcadores biblio beiriz_15.16_referencias_bibliograficas_5Marcadores biblio beiriz_15.16_referencias_bibliograficas_5
Marcadores biblio beiriz_15.16_referencias_bibliograficas_5
 
Sonhos da Bela Adormecida
Sonhos da Bela AdormecidaSonhos da Bela Adormecida
Sonhos da Bela Adormecida
 
Agenda 2015 2016-nutricientistas
Agenda 2015 2016-nutricientistasAgenda 2015 2016-nutricientistas
Agenda 2015 2016-nutricientistas
 
Uma aventura fantástica
Uma aventura fantásticaUma aventura fantástica
Uma aventura fantástica
 
Caderno_aprendizagem_da_leitura
Caderno_aprendizagem_da_leituraCaderno_aprendizagem_da_leitura
Caderno_aprendizagem_da_leitura
 
Bibliobeiriz como-fazer-um-trabalho-guia-1-0910
Bibliobeiriz como-fazer-um-trabalho-guia-1-0910Bibliobeiriz como-fazer-um-trabalho-guia-1-0910
Bibliobeiriz como-fazer-um-trabalho-guia-1-0910
 
EB23 Beiriz_Olimpiadas da Escrita_2015_15_fasefinal
EB23 Beiriz_Olimpiadas da Escrita_2015_15_fasefinalEB23 Beiriz_Olimpiadas da Escrita_2015_15_fasefinal
EB23 Beiriz_Olimpiadas da Escrita_2015_15_fasefinal
 
Arvore de Natal_BiblioBeiriz
Arvore de Natal_BiblioBeirizArvore de Natal_BiblioBeiriz
Arvore de Natal_BiblioBeiriz
 
Uma aventura na Atlântida
Uma aventura na AtlântidaUma aventura na Atlântida
Uma aventura na Atlântida
 
Uma aventura do 6º C
Uma aventura do 6º CUma aventura do 6º C
Uma aventura do 6º C
 
Guia das aves comuns
Guia das aves comunsGuia das aves comuns
Guia das aves comuns
 
Ilustração de Poemas de Matilde Rosa Araújo - 4º B- EB1 de Beiriz
Ilustração de Poemas de Matilde Rosa Araújo - 4º B- EB1 de BeirizIlustração de Poemas de Matilde Rosa Araújo - 4º B- EB1 de Beiriz
Ilustração de Poemas de Matilde Rosa Araújo - 4º B- EB1 de Beiriz
 
Ilustração de Poemas de Matilde Rosa Araújo- 2ºano EB1 de Amorim
Ilustração de Poemas de Matilde Rosa Araújo-  2ºano EB1 de AmorimIlustração de Poemas de Matilde Rosa Araújo-  2ºano EB1 de Amorim
Ilustração de Poemas de Matilde Rosa Araújo- 2ºano EB1 de Amorim
 
Gente de Abril 1974- 2014
Gente de Abril 1974- 2014Gente de Abril 1974- 2014
Gente de Abril 1974- 2014
 
Carta às crianças do mundo - Siobhán Parkinson
Carta às crianças do mundo - Siobhán ParkinsonCarta às crianças do mundo - Siobhán Parkinson
Carta às crianças do mundo - Siobhán Parkinson
 
Ao encontro da-moura_semana da leitura
Ao encontro da-moura_semana da leituraAo encontro da-moura_semana da leitura
Ao encontro da-moura_semana da leitura
 
Informacao pais saude_oral
Informacao pais saude_oralInformacao pais saude_oral
Informacao pais saude_oral
 

Último

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 

Último (20)

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 

52 gestos para a Biodiversidade

  • 2. A publicação foi preparada pelo Instituto Real de Ciências Naturais da Bélgica para as versões francesas e neerlandesas. A versão original deste trabalho foi publicada em 2009, no âmbito de «2010, Ano Internacional da Biodiversidade», com o título «366 gestes pour la biodiversité». Redacção final dos textos: Charlotte Degueldre Ilustrações: Claude Desmedt Copyright © 2009 Institut royal des Sciences naturelles de Belgique A reprodução dos textos e imagens é autorizada e até mesmo incentivada para fins pessoais e/ou pedagógicos, mas estritamente não comerciais, desde que a fonte seja indicada e se remeta para a consulta do Web site www.jedonnevieamaplanete.be. Todos os direitos de reprodução, tradução e adaptação reservados para todos os países e para outras utilizações que não as supramencionadas. A publicação foi traduzida e adaptada pela Direcção-Geral do Ambiente da Comissão Europeia, no âmbito da campanha «Biodiversidade. Estamos todos juntos nisto» (www.estamostodosjuntosnisto.eu). As opiniões expressas no presente documento não reflectem necessariamente a visão da Comissão Europeia. Tradução e adaptação para português © União Europeia, 2011 Reprodução autorizada unicamente para fins não comerciais mediante reconhecimento da fonte.
  • 4. Encontram-se disponíveis numerosas outras informações sobre a União Europeia na rede Internet, via servidor Europa (http://europa.eu) Uma ficha catalográfica figura no fim desta publicação Luxemburgo: Serviço das Publicações da União Europeia, 2011 ISBN 978-92-79-18629-5 doi:10.2779/9708 Printed in Belgium Impresso em papel reciclado com o rótulo ecológico da UE Europe Direct é um serviço que responde às suas perguntas sobre a União Europeia. Linha telefónica gratuita (*): 00 800 6 7 8 9 10 11 (*) Alguns operadores de telefonia móvel não permitem o acesso aos números iniciados por 00 800 ou cobram estas chamadas
  • 5. prEfáCio A biodiversidade – a variedade de formas de vida na Terra – torna o nosso planeta habitável e bonito. Muitos de nós olham para a natureza como fonte de prazer, inspiração ou lazer. Também dependemos dela para a alimentação, a energia, as matérias-primas, o ar e a água, sendo estes os elementos que tornam possível a vida tal como a conhecemos e que sustentam o desenvolvimento das nossas economias. No entanto, apesar do seu valor ímpar, tomamos muitas vezes a natureza como um dado adquirido. As pressões exercidas sobre muitos sistemas naturais têm vindo a aumentar, fazendo com que funcionem de forma menos eficaz ou levando-os mesmo até ao limiar do colapso. Aquilo que designamos por perda de biodiversidade é uma situação demasiado comum. Daí o empenho da União Europeia em travar a perda de biodiversidade. Ao longo dos últimos 25 anos, a UE criou uma rede de 26 000 áreas protegidas dentro das suas fronteiras, que abrange mais de 850 000 km2 . Esta rede, conhecida como Natura 2000, é a maior rede de áreas protegidas no mundo, demonstrando assim a importância que damos à biodiversidade. Estamos determinados a reforçar este programa de referência com medidas adicionais a longo prazo. E todos nós podemos fazer mais para ajudar. Todos temos poder para ajudar a proteger a biodiversidade e precisamos que todos participem. Cada um de nós pode introduzir pequenas alterações nos hábitos diários sem afectar drasticamente o seu estilo de vida. Quando combinadas, estas pequenas alterações podem ajudar. Esperamos que as sugestões contidas neste guia prático lhe permitam ajudar a marcar a diferença. Comer alimentos locais sazonais, diminuir os desperdícios de água, efectuar a compostagem dos resíduos alimentares ou ficar a conhecer melhor as espécies animais e vegetais que vivem nas nossas áreas locais…Se todos seguirmos alguns destes passos simples, faremos uma grande diferença na preservação dos recursos naturais para as gerações futuras. Janez Potočnik Comissário Europeu para o Ambiente
  • 7. o quE é a bioDivErsiDaDE? Estamos rodeados pela biodiversidade e fazemos parte dela. Existem três elementos principais: ♦ os diferentes tipos de espécies que vivem na Terra – incluindo animais, plantas, vegetais, fungos, algas, bactérias e até vírus; ♦ as diferenças entre indivíduos da mesma espécie – tamanho, forma e cor; ♦ os diferentes ecossistemas – por exemplo, oceanos, florestas ou recifes de coral – e as espécies que neles vivem, bem como as respectivas interacções. Os cientistas registaram cerca de 1,9 milhões de espécies vivas diferentes na Terra, mas o número real é certamente muito superior. Muitas dessas espécies são microscópicas e vivem nas profundezas do subsolo ou nos oceanos, outras, simplesmente, ainda não foram descobertas.
  • 8. por quE motivo a bioDivErsiDaDE é importantE? O resultado de 3,8 mil milhões de anos de evolução, a biodiversidade, é essencial para a sobrevivência humana. Dependemos da natureza para muitos recursos essenciais, incluindo alimentos, materiais de construção, fontes de calor, têxteis ou os ingredientes activos dos medicamentos. Para além disso, a natureza fornece ainda outras funções vitais, como, por exemplo, a polinização das plantas, a filtragem do ar, da água e do solo ou ainda a protecção contra inundações. A vida na Terra como a conhecemos seria impossível sem estes materiais e serviços cruciais. Infelizmente, esquecemo-nos demasiadas vezes do que a natureza nos oferece. Nas nossas sociedades industrializadas, a biodiversidade é tomada como certa e vista como algo livre e eterno. No entanto, a verdade é que as pressões que exercemos sobre a natureza estão a aumentar e muitas actividades humanas representam uma grande ameaça para a existência de numerosas espécies. A lista das pressões exercidas sobre a biodiversidade é longa e inclui a destruição e fragmentação de habitats, a poluição do ar, da água e da terra, a sobrexploração das zonas pesqueiras, dos recursos, das florestas e das terras, a introdução de espécies não nativas, bem como a libertação de quantidades crescentes de gases com efeito de estufa que causam alterações climáticas.
  • 9. o quE poDEmos fazEr para protEGEr a bioDivErsiDaDE? Esta brochura inclui 52 sugestões que lhe permitirão ajudar a marcar a diferença todos os dias do ano, incluindo: ♦ coisas práticas que pode fazer todos os dias; ♦ acções de sensibilização da sua comunidade; ♦ contributos para a investigação, observando e registando a vida selvagem e os ecossistemas; ♦ utilização de técnicas sustentáveis no seu jardim; ♦ projectos de construção e “faça você mesmo”. Para mais informações sobre a biodiversidade: http://ec.europa.eu/environment/nature/index_en.htm
  • 10. apoio as assoCiaçõEs DE protECção Da naturEza. Estas associações têm como principal objectivo travar a degradação da biodiversidade e, se necessário, conservar ou reconstituir o equilíbrio dos diferentes biótopos protegidos (florestas, rios, lagoas, parques, jardins urbanos…), em sintonia com as actividades humanas. As suas acções? Acompanhamento de espécies, constituição e gestão de reservas naturais, restauração de meios raros, organização de conferências, passeios de descoberta da natureza, jornadas de sensibilização, acções específicas (como operações de salvamento dos sapos)… Para as apoiar, torne-se membro, faça donativos, compre as suas publicações e produtos, participe voluntariamente nos seus projectos de conservação da natureza... Semana 1
  • 11. não inComoDo os animais DurantE os mEus passEios. No Inverno, talvez mais ainda do que em qualquer outra estação, deve evitar a todo o custo incomodar os animais quando passeia na natureza. Se os retirar dos seus abrigos, se os surpreender enquanto tentam encontrar alguma comida ou se os acordar quando estão a hibernar, eles podem gastar as suas poucas reservas para fugir ou se esconder…, o que lhes pode ser fatal! Por isso, não saia dos caminhos, faça o menos barulho possível e observe de longe os poucos animais que também querem apanhar um pouco de ar fresco… Semana 2
  • 12. subsCrEvo uma CEsta biolóGiCa. Através de técnicas de produção suaves, do cultivo de espécies indígenas e do abandono de adubos e pesticidas químicos, a agricultura biológica impede o esgotamento dos solos, limita a poluição dos lençóis freáticos e respeita os auxiliares das culturas (abelhas, minhocas…), bem como os ecossistemas adjacentes. Para além disso, muitas vezes, valoriza variedades locais esquecidas, escolhidas pelas suas qualidades gustativas e nutricionais: tupinambos, trigos antigos, deliciosas maçãs… Subscrever uma cesta biológica é aceitar uma filosofia de ecologia global. Assegure-se de que a fruta e os legumes são de produção local e sazonal (pouca conservação, poucos transportes). Para além disso, quanto menos embalagem tiverem melhor. Semana 3
  • 13. promovo a bioDivErsiDaDE no mEu loCal DE trabalho. Está a criar ou a alterar infra-estruturas? Assegure-se de que as integra o melhor possível na natureza envolvente (preveja pontos de passagem para os animais, deixe a fauna e a flora colonizar as bacias de retenção…). Mantenha ou desenvolva o mais possível as árvores, as sebes diversificadas, as lagoas, os pousios… Para os edifícios, os acabamentos e o mobiliário, opte por materiais e produtos ecológicos, naturais, duradouros, recicláveis e, se possível, locais. Limite o consumo de energias não renováveis e a produção de resíduos. Diminuirá assim a pegada ecológica da sua empresa, melhorando ao mesmo tempo o quadro de trabalho, a sua imagem de marca e o valor de mercado do local de implantação! Semana 4
  • 14. rEDuzo as minhas EmissõEs DE GasEs Com EfEito DE Estufa. Semana 5 Aquecer, iluminar, viajar… mas também alimentar-se, vestir-se e, até mesmo, respirar: tudo o que fazemos produz gases com efeito de estufa que, em quantidades excessivas, colocam o planeta em perigo. Os desertos aumentam, os glaciares regridem, o nível dos mares sobe… Ou seja, são perturbados ecossistemas inteiros. Diminua as suas emissões de gases com efeito de estufa ao consumir, sempre que possível, produtos sazonais e regionais com rótulo ecológico, ao deslocar-se a pé, de bicicleta ou nos transportes públicos ou, ainda, ao evitar desperdícios. Compense também parte dos desperdícios ao acolher a biodiversidade em sua casa (com um lago, um prado com flores, ninheiros…) e ao apoiar associações de protecção da natureza ou projectos de reflorestação.
  • 15. uso o mEu tElEmóvEl ou o mEu portátil DurantE o máximo DE tEmpo possívEl. Para fabricar consolas de jogos, computadores ou telemóveis, são necessários diferentes minerais (cobre, cobalto, chumbo…) para os quais a procura não pára de aumentar. As minas de onde provêm estes minerais existem um pouco por todo o planeta, tendo a sua exploração enormes impactos no ambiente. Na República Democrática do Congo, onde é extraído o famoso coltan, a extraordinária biodiversidade do Kivu está em perigo: caça ilegal dos últimos gorilas, mas também de elefantes e ocapis, para alimentar os mineiros, desflorestação maciça para lhes fornecer madeira para construção e aquecimento e para alargar as minas, erosão e poluição dos solos, da água, do ar…, não esquecendo os conflitos armados! Por isso, pense nisto antes de mudar de telemóvel ou de computador portátil! Semana 6
  • 16. Compro o mEu pEixE DE forma rEsponsávEl. Atum-vermelho, bacalhau, salmão, linguado, tamboril…: aconselha-se vivamente a suspensão do consumo destas espécies. A sobrepesca, os períodos de captura (por vezes em plena época reprodutiva) ou alguns métodos de pesca (que destroem os fundos marinhos ou provocam capturas acidentais de juvenis) colocam em perigo a renovação da sua população. Dê-lhes tempo para reconstituírem a sua população: coma peixes e crustáceos de espécies não vulneráveis. E compre, de preferência, produtos provenientes da pesca local ou com o rótulo MSC. Para mais informações sobre este rótulo: www.msc.org Semana 7
  • 17. não DEito DEtritos para o Chão. Deitar detritos para a natureza não é inofensivo para o ambiente, tendo frequentemente consequências desastrosas. Alguns detritos têm um efeito imediato: as beatas e as pastilhas elásticas intoxicam ou asfixiam os animais que as ingerem, os pequenos mamíferos e anfíbios ficam presos dentro das garrafas, os estilhaços de vidro podem ferir animais de maiores dimensões e, com um efeito de lupa, provocar um incêndio. Outros têm impactos a mais longo prazo: os plásticos demoram centenas de anos a degradar-se e libertam produtos tóxicos, as pilhas contêm metais pesados que se infiltram no solo e contaminam os lençóis freáticos. Por isso, use os caixotes de lixo públicos e recicle o que pode ser reciclado! Semana 8
  • 18. albErGo a fauna loCal DEbaixo Do mEu tECto. Vai construir ou renovar? Lembre-se de integrar abrigos para a fauna local. Informe-se sobre as espécies susceptíveis de se abrigarem em sua casa: quais delas está disposto a acolher? Faça então as adaptações necessárias: abra buracos numa parede espessa e liberte os interstícios (para algumas abelhas solitárias), faça entradas em perpianhos (para os morcegos), preveja acessos para o sótão a partir do exterior (para as aves de rapina e os morcegos), instale ninheiros debaixo do telhado e das varandas… Coloque todas as hipóteses do seu lado: tenha o jardim mais diversificado possível, onde os seus convidados encontrem facilmente algo para comer, e suprima a utilização de produtos químicos (pesticidas e adubos, tintas, detergentes…). Semana 9
  • 19. DEsConfio Do «GrEEnwashinG». Algumas empresas, nomeadamente os construtores automóveis, não hesitam em elogiar as virtudes «ecológicas» de produtos que estão longe de o ser. Outras precisam de tornar a sua imagem mais ecológica porque as suas actividades são muito poluidoras ou prejudicam gravemente a biodiversidade (produção de gases com efeito de estufa, arroteamento de um terreno para construir uma extensão, utilização das águas dos rios para arrefecer as máquinas…). Não se deixe enganar pelas suas campanhas de publicidade demasiado ecológicas para serem verdadeiras. Se necessário, denuncie-as. E exerça pressão junto destas empresas para que diminuam realmente o seu impacto negativo no planeta, nomeadamente através do recurso a consultores ambientais. Semana 10
  • 20. uso proDutos DoméstiCos não poluEntEs. Mesmo depois de passar por estações de tratamento, a água lançada para os rios continua a conter muitos dos fosfatos, solventes, agentes tensioactivos e outros produtos químicos presentes nos actuais detergentes. Estes componentes, muitas vezes extremamente poluentes, podem ter repercussões graves na biodiversidade – em particular nos meios aquáticos – e na nossa saúde! O que fazer? Escolha detergentes com rótulos ecológicos ou, melhor ainda, use aparas de sabão de Marselha como detergente para a roupa, sabão preto para a limpeza dos solos, vinagre quente para eliminar o calcário, bicarbonato de sódio (com ou sem vinagre) para arear os tachos e lavatórios sem os riscar… E acima de tudo, evite a utilização de quantidades excessivas. Antes pelo contrário, tenha a mão leve! Semana 11
  • 21. passEio rEspEitanDo a naturEza. Quando passeia no meio da natureza, seja discreto: seja o mais silencioso possível e, se quiser observar animais selvagens, evite usar cores vivas e perfumar-se em demasia. Permaneça sempre nos caminhos: a probabilidade de incomodar os animais ou de pisar plantas, musgos, cogumelos será menor. Se levar o seu cão, segure-o pela trela ou assegure-se de que ele não sai do caminho. Certifique-se de que ele não ladra para não afugentar todos os animais das redondezas (aliás, se espera ver alguns, o melhor será deixar o seu fiel companheiro em casa!). Por último, não deite nenhum detrito para a natureza e apanhe apenas aquilo que pode ser apanhado. Semana 12
  • 22. saborEio a bioDivErsiDaDE no mEu prato. Criada para reagir ao desenvolvimento das cadeias de fast food e da má alimentação, a associação Slow Food provou que desenvolver o gosto e a curiosidade dos consumidores em matéria de alimentação leva-os, nomeadamente, a proteger a biodiversidade. Como? É muito simples. Já alguma vez comeu um creme de cherivia, finas rodelas de tupinambos ou caviar de caracol? Ao fazê-lo, contribuiria para a salvaguarda de variedades esquecidas (como estes tubérculos) e de espécies ameaçadas (como o esturjão). Para mais informações sobre esta associação ecogastronómica, as suas acções e a Fundação Slow Food para a biodiversidade: www.slowfood.com Semana 13
  • 23. limito E CompEnso o Co2 EmitiDo DurantE as minhas viaGEns. Limite as suas emissões de gases com efeito de estufa, nomeadamente o famoso CO2, também quando está de férias. Faça caminhadas, campismo (mas não selvagem!) ou ecoturismo. Privilegie os destinos próximos e desloque-se até lá de bicicleta, comboio ou, porque não, numa carroça puxada por um cavalo! E no local, consuma produtos locais e sazonais, limite as deslocações com veículos motorizados, evite a climatização… Se não for possível evitar a deslocação de avião, dê preferência a voos directos (as descolagens precisam de enormes quantidades de carburante). E compense o CO2 emitido durante a sua viagem ao financiar projectos de protecção da biodiversidade ou de reflorestação na sua região ou em terras mais longínquas. Semana 14
  • 24. orGanizo um tEam builDinG Em favor Da bioDivErsiDaDE. Semana 15 Precisa de reforçar a coesão na sua equipa ou tem vontade de relaxar entre colegas? Que tal propor actividades de grupo em favor da biodiversidade? Pode organizá-las no seu local de trabalho: recenseamento dos animais e vegetais das imediações, plantação de sebes e de espécies melíferas no parque de estacionamento exterior, vegetalização da fachada, criação de um jardim ou de uma horta no telhado, criação de ninhos e diversos abrigos a colocar sobre o edifício da sua empresa… Pode também participar em obras de restauração de meios naturais, em excursões de descoberta de espécies ou de biótopos específicos, em operações de salvamento dos sapos, em visitas a quintas biológicas…
  • 25. As minhocas são um elo indispensável da cadeia alimentar. Reciclam continuamente a matéria orgânica, como as folhas mortas e outras plantas em decomposição, colaborando assim para a produção de um bom húmus e garantindo a fertilidade do solo onde crescem a fruta e os legumes que consumimos. Para além disso, as suas passagens subterrâneas amolecem o solo, o que faz com que as raízes se desenvolvam correctamente e a água se infiltre rapidamente e em profundidade para que possa ser absorvida pelos vegetais. Isto limita também os fenómenos de escoamento e erosão em caso de chuvas intensas. Proteja estes preciosos auxiliares evitando recorrer a adubos e pesticidas químicos e trabalhando a terra com uma forquilha. Semana 16 prEsErvo as minhoCas.
  • 26. Existem actualmente muitos rótulos ecológicos – entre os quais o rótulo ecológico europeu – para os hotéis, parques de campismo, estalagens e quartos de hóspedes. Os critérios de atribuição? A localização e a arquitectura do estabelecimento (respeito da natureza envolvente), os materiais de construção (ecológicos, duradouros, renováveis, recicláveis…), o consumo limitado de água e energia não renovável, a reduzida produção de resíduos e respectiva gestão… A sua vantagem? Os proprietários salientam a protecção da biodiversidade através de actividades de lazer que respeitam a natureza, da descoberta dos produtos da terra e das culturas locais. Para mais informações: www.ecolabel-tourism.eu Semana 17 passo as minhas férias num hotEl EColóGiCo.
  • 27. A água é indispensável para o equilíbrio do planeta e dos seus ocupantes, sejam eles animais ou vegetais. Chega para todos, mas infelizmente, está mal repartida e, muitas vezes, é mal gerida. Nas nossas regiões, basta abrir uma torneira para ter água potável. Por isso, utilizamo-la para tudo, inclusive às vezes para lavar o carro! Para poupar água potável, pode nomeadamente regar as plantas com as águas da chuva, preferencialmente no fim do dia (para evitar a evaporação), e recuperar as águas cinzentas (água da louça, da banheira, do chuveiro) para alimentar o autoclismo, para a limpeza dos solos… e, até mesmo, depois de filtrada, para regar. rEDuzo o mEu Consumo DE áGua potávEl. Semana 18
  • 28. Alguns municípios realizam agora esforços em termos de plantação e gestão das bermas de estradas e canteiros para promover a biodiversidade. Se isto ainda não acontece no seu município, sugira ao serviço competente os seguintes princípios de fácil aplicação: plantar apenas espécies locais (no caso das flores, as vivazes dão menos trabalho do que as flores anuais), substituir os pesticidas e adubos químicos pelos seus equivalentes biológicos, utilizar palhagens e plantas prostradas para limitar o surgimento de plantas indesejadas e diminuir as regas, transformar os resíduos vegetais em estrume e utilizar o estrume obtido para alimentar os solos a partir do Outono, colocar em prática a ceifa tardia preservando algumas zonas de refúgio… inCEntivo o mEu muniCípio a jarDinar DE forma biolóGiCa. Semana 19
  • 29. Proclamado «Dia Internacional da Biodiversidade» pelas Nações Unidas, o dia 22 de Maio representa uma oportunidade para sensibilizar o grande público e o mundo político para a biodiversidade, o seu estado, as questões que suscita, as suas ameaças e a sua salvaguarda. Todos os anos é dada ênfase a um tema diferente: a biodiversidade e a agricultura em 2008, as espécies exóticas invasivas em 2009, a biodiversidade e o desenvolvimento em 2010, a biodiversidade e as florestas em 2011… Celebre este dia participando nas actividades (exposições, conferências…) previstas para esta ocasião. Ou organize um piquenique biológico, uma excursão de descoberta da fauna e flora local, um concerto de música ecológica… Para mais informações: www.cbd.int/idb Semana 20 partiCipo no Dia Da bioDivErsiDaDE.
  • 30. Pretende aproveitar as suas férias no estrangeiro para salvaguardar a biodiversidade? Torne-se ecovoluntário. Enquanto descobre locais inacessíveis para os turistas normais, ajuda activamente associações de protecção da natureza a levar a cabo trabalhos de investigação ou de conservação. E não precisa de ser perito em biologia ou ciências ambientais, as actividades propostas estão ao alcance de todos. Por isso, que tal recensear os cetáceos do Mediterrâneo, proteger os ursos na Roménia, estudar as populações de grandes tubarões brancos ao largo da África do Sul, participar na reabilitação de gibões, macacos e lóris na Tailândia, promover a agricultura biológica na Índia…? torno-mE ECovoluntário. Semana 21
  • 31. Crio um rEfúGio natural para a bioDivErsiDaDE. Semana 22 Como transformar um jardim – o seu, o da escola dos seus filhos ou o da sua empresa – num refúgio natural para a biodiversidade? Suprima a utilização de pesticidas e adubos químicos. Deixe a vegetação espontânea instalar-se num canto do jardim e adopte a ceifa tardia nesse local: permite a reprodução e a diversificação das espécies vegetais ao mesmo tempo que alberga uma grande quantidade de animais. Crie um lago e guarde uma árvore morta, com cavidades acolhedoras para os animais cavernícolas, uma pilha de troncos e outra de pedras para os pequenos mamíferos, os anfíbios e vários invertebrados. Diversifique a sebe com espécies indígenas. Preveja plantas melíferas que atrairão uma grande quantidade de insectos.
  • 32. Semana 23 EsColho CosmétiCos biolóGiCos. Tal como os detergentes, a maioria dos actuais cosméticos contêm produtos químicos (conservantes, perfumes de síntese, tensioactivos…) não biodegradáveis, o que os torna portanto nocivos para a biodiversidade, nomeadamente para os meios aquáticos para onde são arrastados pelas águas residuais. Adopte os cosméticos biológicos: lave-se com sabão de Marselha, perfume o seu banho com algumas gotas de óleo essencial de lavanda, limpe a sua pele com uma decocção de camomila ou de centáurea azul, esfolie-a com sêmea de trigo ou aveia, nutra-a com óleos vegetais de girassol, de azeite… Pode até mesmo fabricar o seu dentífrico sozinho, é muito fácil!
  • 33. Ao contrário daquilo que se poderia pensar, a biodiversidade é por vezes muito maior nas cidades do que nas zonas rurais onde, tanto nos campos como nas florestas, predominam as monoculturas. Estranhamente, os biótopos podem ser muito variados nas cidades: jardins públicos, jardins privados, lagoas, parques, florestas, ruas e avenidas arborizadas, terrenos baldios, pousios, imediações de caminhos-de-ferro, margens de riachos… sem esquecer os telhados verdes e os terraços, fachadas e varandas com flores. Até mesmo as mais pequenas fissuras ao longo dos passeios, na base dos edifícios ou nas paredes são colonizadas por uma grande diversidade de plantas selvagens! No entanto, esta biodiversidade é vulnerável: não consegue resistir às betoneiras e aos cilindros compressores… DEsCubro a naturEza na CiDaDE. Semana 24
  • 34. informo-mE sobrE o Cultivo DE alGoDão biolóGiCo. Semana 25 Embora o cultivo intenso do algodão tradicional use apenas 3 % das superfícies cultiváveis, utiliza mais de 25% dos insecticidas vendidos em todo o mundo! Esgotamento dos solos, desflorestação, irrigação maciça, poluição dos lençóis freáticos, exposição dos trabalhadores agrícolas e das espécies locais a substâncias tóxicas…: é particularmente nocivo para o ambiente e o homem. Pelo contrário, o cultivo extensivo do algodão biológico realiza-se com adubos e pesticidas naturais, exige menos água, preserva a fertilidade do solo (por ser alternado com outras culturas) e permite obter um algodão com fibras mais macias e resistentes. Para além disso, o algodão biológico é hipoalergénico porque não é sujeito a qualquer tratamento químico desde a sua produção até à sua transformação em vestuário.
  • 35. quanDo viajo, provo as EspECialiDaDEs loCais. Semana 26 Ao consumir os alimentos produzidos no local, apoia os camponeses que cultivam ou criam espécies indígenas, limitando assim a poluição decorrente do transporte: é bom para a economia local e a biodiversidade! No entanto, recuse os pratos compostos por espécies ameaçadas (bife de tartaruga, sushi de atum-vermelho, pepino-do-mar, carne de animais selvagens…) ou cuja produção tem um impacto negativo na biodiversidade local (pesca ou caça sem respeitar os tamanhos mínimos ou as cotas, cultivo que tenha exigido a desflorestação de uma zona importante…). Também não aceite produtos medicinais tradicionais e cosméticos à base de corno de rinoceronte, de presas de elefante, de ossos e miudezas de tigre, de almíscar de veado-almiscareiro… Para a lista de espécies ameaçadas: www.cites.org www.iucnredlist.org
  • 36. DEsCarrEGo vozEs DE animais para o mEu tElEmóvEl. Semana 27 A associação americana Center for Biological Diversity propõe uma forma original de sensibilizar o público geral para a crise com a qual se confronta hoje a diversidade. Pode agora descarregar gratuitamente, como toque de telemóvel, vozes de animais raros, ameaçados de extinção ou que o possam vir a ser. O grito do falcão-peregrino, o grito do panda-gigante, o canto do esturjão-beluga…: seja qual for o toque que escolher, este não deixará de surpreender as pessoas que o rodeiam. Bastará então dar explicações sobre o respectivo animal ameaçado. Para descarregar estes toques e ler as fichas descritivas (em inglês) dos respectivos animais: www.rareearthtones.org
  • 37. A maioria dos protectores solares contém filtros UV químicos muitas vezes alergénicos que chegam aos mares, lagos, rios… Podem, além disso, provocar desequilíbrios hormonais nos animais, inclusive nos humanos! São também responsáveis, em parte, pelo branqueamento dos corais. Alguns empreendimentos turísticos, como o parque aquático Xel-Há no México, levaram a ameaça a sério: apenas os protectores solares minerais são agora autorizados. São um pouco mais difíceis de espalhar e deixam por vezes marcas brancas devido aos filtros minerais que contêm, mas são eficazes e, acima de tudo, muito menos tóxicos, tanto para si como para a natureza. Uma outra solução? Use uma t-shirt ou um fato de surf para nadar. utilizo protECtorEs solarEs minErais. Semana 28
  • 38. Uma parte importante dos espaços verdes urbanos é constituída por jardins privativos. Formam muitas vezes ilhas de verdura no meio dos quarteirões de casas, sendo circundados por muros baixos. Incentive os seus vizinhos a retirarem um ou dois tijolos na parte inferior de cada muro para criarem pequenos túneis de acesso entre os jardins, o que permitirá a passagem dos ouriços-cacheiros, musaranhos, rãs, sapos… E para unir as ilhas, convença as autoridades municipais a efectuarem algumas adaptações, como, por exemplo, a plantação de árvores na rua (poderá colocar uma ponte de cordas bem acima da estrada para os esquilos) ou a criação de canais subterrâneos (semelhantes às passagens destinadas aos batráquios) debaixo dos limitadores de velocidade. faCilito a passaGEm Dos animais no mEu bairro. Semana 29
  • 39. A madeira tem pelo menos duas vantagens: é mais resistente do que o plástico e não provém do petróleo. Ao comprar mobiliário certificado FSC ou PEFC, tem a garantia de que a madeira que o compõe vem de florestas geridas de forma sustentável e não de florestas temperadas ou boreais afectadas por uma regressão da biodiversidade ou de florestas tropicais húmidas sobreexploradas. Entre as madeiras com qualidade certificada, dê preferência às espécies locais que, sendo tão resistentes como as exóticas, consomem menos energia e são menos poluentes em termos de transporte. E, se as tratar, escolha produtos naturais à base de óleo de linho, de cera de abelha ou de cera vegetal. Para mais informações sobre estes rótulos: www.fsc.org www.pefc.org Compro mobiliário DE jarDim Em maDEira CErtifiCaDa. Semana 30
  • 40. rEDuzo o mEu Consumo DE CarnE. Semana 31 Porquê? Para criar gado, é necessário ter pastagens ou produzir forragem (soja, milho, beterraba, colza…) e, portanto, ter grandes superfícies agrícolas, muitas vezes obtidas em detrimento das florestas! Para além disso, é necessária uma grande quantidade de água e pesticidas para as culturas forrageiras, o que provoca o esgotamento e a poluição dos lençóis freáticos. Mas há mais! Durante a digestão, os ruminantes produzem muito metano – um dos gases com efeito de estufa mais perigosos – principalmente quando são alimentados com proteaginosas como soja. Por fim, carne em demasia pode afectar negativamente a sua saúde (hipercolesterolemia, cancro, diabetes…). Várias vezes por semana, substitua-a por lentilhas, ovos, queijos, legumes, fruta…
  • 41. Compro as minhas rECorDaçõEs DE viaGEm DE forma rEsponsávEl. Semana 32 Assegure-se de que as recordações que traz das suas férias não provêm de espécies ameaçadas. Boicote tudo o que é feito com corais, marfim, escamas de tartarugas marinhas, pau-rosa da Bahia (Dalbergia nigra)… Alguns artigos (sacos ou carteiras de pele de crocodilo, quadros de asas de borboleta…) podem ser fabricados com animais criados em cativeiro ou com plantas reproduzidas em meio artificial. Compre-os apenas se tiverem um certificado CITES: este certificado, indispensável para passar na alfândega, garante que a sua venda é autorizada e não coloca em perigo a biodiversidade. A CITES é uma convenção internacional que regulamenta o comércio das espécies animais e vegetais ameaçadas de extinção. Para mais informações: www.cites.org
  • 42. Nos mares e oceanos, devido às correntes marinhas, formam-se verdadeiras ilhas de resíduos geradas pelo homem. Só a grande mancha de resíduos do Pacífico («The Great Pacific Garbage Patch») ocupa aparentemente cerca de 3,5 milhões de km²! Estas ilhas são constituídas principalmente por materiais de plástico, que demoram entre 500 e 1000 anos a decomporem-se (libertando, ao mesmo tempo, muitos produtos tóxicos) e podem asfixiar peixes, tartarugas, aves e mamíferos marinhos que engolem pedaços de plástico, confundindo-os com presas. O que fazer? Limite a sua utilização de materiais de plástico (sacos, garrafas…), não deite nada na natureza (mesmo que esteja longe do mar) e fale destas ilhas de resíduos, muitas vezes pouco conhecidas, com as pessoas que o rodeiam. não alimEnto as «ilhas DE rEsíDuos» no alto mar. Semana 33
  • 43. apoio um projECto DE rEflorEstação. Semana 34 Todos os dias, centenas de hectares de florestas desaparecem por todo o planeta. São arroteadas para aumentar as áreas cultiváveis e habitáveis ou são sobreexploradas para nos fornecer madeira para construção e mobiliário. Numerosas ONG organizam projectos de reflorestação nas regiões mais afectadas. Se tiverem um impacto ecológico positivo (luta contra a desertificação, os deslizamentos de terreno…), se melhorarem a biodiversidade da região (plantação de espécies vegetais ameaçadas, luta contra a fragmentação dos habitats…) e se forem apoiadas pelas populações locais, contribua com um donativo. Ou ainda, porque não deslocar-se até ao local enquanto ecovoluntário…
  • 44. Tanto nas zonas rurais como nas cidades, a iluminação de estradas, ruas e jardins permite às pessoas, às raposas… prolongar as suas actividades pela noite dentro. Mas a luz artificial perturba muitas espécies. Os animais cuja vista está adaptada à vida nocturna (corujas, ratos…) têm dificuldades em ver os obstáculos, as presas ou os predadores. As aves migratórias ficam desorientadas. As borboletas nocturnas esvoaçam à volta dos candeeiros até se cansarem. Os pirilampos machos deixam de ver os sinais luminosos das fêmeas e, portanto, não se podem reproduzir… Por isso, para iluminar o seu jardim, terraço, entrada…, escolha lâmpadas que não encadeiam e orientadas para baixo. E apague-as logo que já não se encontre no exterior. Limito a poluição luminosa no exterior. Semana 35
  • 45. Cantinas militares, restaurantes de empresa, cantinas de escolas, creches, hospitais, casas de repouso…: as cozinhas das colectividades alimentam muita gente. Convença os responsáveis da sua cantina a adoptarem as seguintes medidas: abastecer-se junto dos produtores biológicos locais, servir fruta e legumes sazonais, diminuir as doses de carne e peixe, substituir regularmente estes últimos por pratos à base de cereais, leguminosas, ovos, queijos…, dar a conhecer variedades esquecidas (tupinambo, rutabaga…), reduzir e transformar em estrume os resíduos não cozinhados (como as cascas de fruta, legumes e ovos)… Estas medidas exigirão alguma adaptação por parte dos cozinheiros, mas terão muitos efeitos positivos na diversidade… e na sua saúde! introDuzo a alimEntação EColóGiCa na Cantina. Semana 36
  • 46. partiCipo na Campanha «plantEmos para o planEta». Semana 37 As árvores fornecem alimentação, combustível, materiais de construção, fibras e medicamentos aos humanos. Albergam também uma grande quantidade de mamíferos, aves, invertebrados, musgos, cogumelos… Captam ainda os gases carbónicos, libertam oxigénio, impedem a erosão, guardam a humidade do solo, diminuem a temperatura em alguns graus, aumentam a taxa de humidade do ar e participam na manutenção do equilíbrio climático. Mas elas estão ameaçadas por uma desflorestação acrescida. Para lutar contra os prejuízos provocados por esta desflorestação, participe na campanha «Plantemos para o Planeta», levada a cabo pelo Programa das Nações Unidas para o Ambiente. Para mais informações: www.unep.org/billiontreecampaign
  • 47. DEfEnDo EstraDas aDaptaDas à bioDivErsiDaDE. Semana 38 Incentive os poderes locais a melhorar a qualidade ambiental das estradas. O que podem eles fazer? Prever o traçado das estradas de forma a minimizar o seu impacto no meio. Escolher revestimentos menos ruidosos e que contenham materiais reciclados. Instalar uma iluminação adaptada (que não encadeie, orientada para baixo, com colectores solares…). Criar ou promover locais de passagem para os animais (sapos, esquilos, veados…). Plantar sebes densas ao longo das estradas, nomeadamente para canalizar a fauna para os ecodutos e absorver parte da poluição atmosférica, sonora, luminosa… Efectuar a manutenção das bermas das estradas nas alturas adequadas (tamanho das árvores e pequenos bosques fora dos períodos de nidificação, ceifa tardia…).
  • 48. A maioria das empresas de limpeza a seco usa o percloroetileno (ou tetracloroetileno). Este solvente é tóxico para quem o manipula: irrita a pele e as mucosas, provoca náuseas, dores de cabeça e perdas de consciência, acumula-se no organismo, sendo provavelmente cancerígeno. Normalmente utilizado em circuito fechado, acaba no entanto por chegar aos lençóis freáticos e aos rios, sendo também muito nocivo para o ambiente, em especial para os ecossistemas aquáticos. As empresas de limpeza ecológicas, que utilizam apenas produtos biodegradáveis (nomeadamente, a água) são ainda raras hoje em dia. A solução? Evite comprar vestuário e roupa de casa que exijam uma limpeza a seco! não Compro vEstuário quE nECEssitE DE limpEza a sECo. Semana 39
  • 49. manDo instalar um tElhaDo vErDE Em minha Casa. Semana 40 Na cidade, um telhado vegetal representa um refúgio adicional para numerosos insectos e aves. Mas esta não é a sua única vantagem, longe disso! Permite reter uma grande parte das águas da chuva. Melhora a qualidade do ar ambiente. Protege o edifício de diferenças de temperatura importantes e oferece até um certo isolamento acústico. A escolha das plantas faz-se em função do tipo de telhado (deve ser plano ou ligeiramente inclinado!), do peso que pode suportar e do tempo que está disposto a dedicar à manutenção desta vegetação (os musgos, as plantas gordas e gramíneas exigem apenas uma manutenção anual). Para um resultado ideal, entre em contacto com uma empresa especializada.
  • 50. A introdução de animais exóticos na natureza – voluntária ou não – pode colocar problemas. Alguns deles (por exemplo, periquitos e tartarugas aquáticas) adaptam-se perfeitamente e proliferam. E o mesmo se aplica às plantas (por exemplo, a Fallopia japonica e a erva-pinheirinha). Na ausência de predadores naturais que regulem as populações nos seus habitats naturais, determinadas espécies exóticas tornam-se de tal forma invasoras que colocam em perigo as espécies indígenas! Além disso, estas espécies invasoras podem ter impactos económicos importantes e consequências negativas para a saúde humana. Por último, muitas vezes é bastante difícil e dispendioso desfazer-se dessas espécies, uma vez instaladas. Assim, se possui espécies exóticas em sua casa, tome todas as precauções para evitar a sua disseminação no ambiente. não introDuzo EspéCiEs ExótiCas na naturEza. Semana 41
  • 51. Estas regiões são das mais ricas em termos de biodiversidade – reúnem cerca de 60% das espécies de plantas, aves, mamíferos, répteis e anfíbios do planeta, das quais cerca de metade são espécies endémicas (ou seja, próprias destas regiões)  –, mas também as mais ameaçadas: já perderam pelo menos 70% da sua vegetação primária e abrigam cerca de 75% das espécies animais que maior perigo correm! Actualmente, foram identificados 34 «pontos quentes» terrestres onde é extremamente urgente intervir – os «pontos quentes» marinhos ainda não foram identificados. Por isso, apoie as associações de protecção da natureza que intervêm nestas regiões. Para mais informações: www.biodiversityhotspots.org DEsCubro os «pontos quEntEs» Da bioDivErsiDaDE. Semana 42
  • 52. inCEntivo a minha EmprEsa a aGir Em prol Da bioDivErsiDaDE. Semana 43 Faça com que a sua empresa compense o seu impacto ambiental (as suas emissões de CO2, a sua implantação ao longo de um curso de água…) ou aumente o seu compromisso a favor da biodiversidade. Como? Subvencionando associações de protecção da natureza (que restauram ecossistemas específicos, protegem espécies ameaçadas…), financiando programas científicos de inventário e conservação, partilhando os benefícios com os países do Sul que forneceram as matérias- primas ou os recursos genéticos, criando uma fundação dedicada à salvaguarda da biodiversidade, envolvendo os empregados ao enviá-los para o terreno…
  • 53. Um agricultor é remunerado porque aceita, apesar de uma certa perda de receitas, não desarborizar uma floresta para aumentar a sua superfície agrícola, mas sim mantê-la para que continue a absorver as águas de escoamento, a captar e transformar o CO2 em O2, a albergar e alimentar numerosas espécies: este é um exemplo do princípio do «pagamento de serviços ambientais». Este inovador princípio tem já algum êxito, embora seja difícil determinar o valor financeiro de determinados serviços ambientais. No entanto, este princípio agrada-lhe? Fale dele à sua volta! Pode ser que não caia em saco roto… DEsCubro o paGamEnto DE sErviços ambiEntais. Semana 44
  • 54. orGanizo uma GranDE limpEza Do bairro. Semana 45 Com os seus vizinhos e o apoio dos poderes locais, organize uma grande limpeza do seu bairro enquanto os ramos estão nus e as ervas baixas. Retire os sacos de plástico presos nas árvores e elimine os detritos (latas, garrafas, sacos de lixo, pneus, ecrãs de televisão, latas de tinta…) das bermas das estradas, das margens dos rios e das moitas transformadas em aterros selvagens. Separe-os e leve-os para a unidade de triagem de detritos. Limitará assim a poluição de ecossistemas, tais como os cursos de água ou os pousios. E evitará muitos perigos para os animais, como, por exemplo, ferimentos por pisarem estilhaços de vidro ou asfixias com pedaços de plástico que eles possam confundir com alimentos!
  • 55. rEDuzo o mEu Consumo DE papEl E Cartão. Semana 46 Consuma menos papel e cartão: protege assim as florestas, limita a energia e a água utilizadas para o seu fabrico e diminui os resíduos produzidos. Se tiver de imprimir um documento, utilize a frente e o verso do papel ou aproveite os lados em branco como folhas de rascunho. Volte a utilizar os envelopes se for possível; caso contrário, guarde-os para apontar as suas listas de compras, as suas mensagens… Quando disponíveis, opte por alternativas em papel reciclado ou com rótulo FSC ou PEFC (cadernos, papel higiénico, papel de parede…), em tecido (guardanapos, lenços, sacos…) ou em linha (listas de contactos, transferências…). Depois de lidos, empreste os seus livros, jornais e revistas a outros eventuais leitores. E claro, recicle o papel e cartão usados.
  • 56. aCtuo Em prol Da bioDivErsiDaDE Graças à intErnEt. Semana 47 Basta navegar na Internet para agir em prol da diversidade. Alguns motores de busca sugerem-lhe todos os dias um gesto a favor do planeta. Outros contabilizam as suas visitas e plantam uma árvore a cada 100 ou 500 pesquisas. Outros ainda apresentam um fundo preto (que consome menos energia do que a versão branca) ou revertem todas as suas receitas publicitárias, ou parte delas, para associações de protecção da natureza. Com a Internet, pode também calcular a sua pegada ecológica, financiar programas de compensação do CO2 emitido durante as suas viagens de avião, informar-se sobre os rótulos ecológicos, partilhar a sua experiência em termos de protecção da biodiversidade através de blogues, fóruns, sites de redes sociais em linha…
  • 57. Para se tornar «locávoro», coma apenas alimentos produzidos localmente. Limita assim a libertação de CO2 para a atmosfera durante o seu transporte (são muitos os animais e vegetais que podem desaparecer devido às alterações climáticas provocadas pelo aumento dos gases com efeito de estufa) e apoia os produtores da sua região que cultivam ou criam espécies indígenas. É claro que isto implica também o consumo de fruta e vegetais sazonais. Dado que estes têm normalmente melhores qualidades gustativas – principalmente se forem biológicos – do que os seus equivalentes internacionais (cujo cultivo pode exigir grandes quantidades de adubos e pesticidas químicos e cujo transporte é extremamente poluente), não terá nada a perder! torno-mE «loCávoro». Semana 48
  • 58. Na casa de banho, eliminamos grande parte dos princípios activos dos medicamentos que ingerimos. Resistentes ao tratamento das águas residuais nas estações de depuração, chegam aos rios e mares onde têm efeitos na fauna e flora aquáticas. Os seus efeitos ainda não são bem conhecidos, mas parece que, por exemplo, alguns peixes expostos aos estrogénios de síntese das pílulas contraceptivas se tornam hermafroditas. O que fazer? Tomar medicamentos apenas quando é realmente necessário (os antibióticos não servem de nada em caso de infecções virais) e entregar na farmácia aqueles que não são utilizados ou se encontram fora do prazo de validade (não os deite no lixo nem na sanita!). limito a libErtação DE mEDiCamEntos para a naturEza. Semana 49
  • 59. EsColho prEnDas rElaCionaDas Com a bioDivErsiDaDE. Semana 50 Faltam-lhe ideias para prendas? Escolha objectos que lhe permitam falar da biodiversidade, dos serviços que presta e da importância da sua salvaguarda. Esta é uma forma agradável de abordar um assunto essencial para o planeta! Ofereça a quem gosta de bricolage um manual sobre as tintas naturais, aos gastrónomos um livro sobre flores comestíveis, a quem gosta de correr o mundo um guia sobre o ecoturismo, aos naturalistas iniciantes um par de binóculos… Com um sabão de Alepo, evoque a vantagem de utilizar detergentes naturais. Com uma caixa de chocolates biológicos, apresente o problema da cultura das palmeiras de óleo na Indonésia e Malásia (e da ameaça que pesa sobre os grandes símios)…
  • 60. Dou o mEu nomE a uma nova EspéCiE. Semana 51 A iniciativa BIOPAT (Patrons for Biodiversity), apoiada nomeadamente por vários institutos e museus de ciências naturais alemães, propõe-lhe dar o seu nome ou o nome de um dos seus amigos ou parentes a uma espécie animal ou vegetal descoberta recentemente (rã, borboleta, aranha, feto, orquídea…) em troca de um donativo. Deste modo, imortaliza o seu compromisso a favor da preservação da biodiversidade. E subvenciona a investigação taxonómica (ou seja, a descrição de novas espécies), bem como estudos e acções de conservação da natureza levados a cabo principalmente nos países onde são descobertas estas novas espécies. Para mais informações sobre esta iniciativa: www.biopat.de
  • 61. informo-mE sobrE o proGrama natura 2000. Semana 52 A agricultura, silvicultura, indústria, turismo… podem estar na origem da deterioração de habitats naturais, como as turfeiras, as charnecas, os faiais, os carvalhais… e, por conseguinte, da regressão de numerosas espécies animais e vegetais. O programa europeu Natura 2000 tem como objectivo preservar estas espécies e os meios naturais que as abrigam em harmonia com as actividades humanas. Os meios aplicados? Restauração dos biótopos, reintrodução de espécies indígenas, desenvolvimento de actividades de investigação e educação… Para mais informações sobre o Natura 2000: ec.europa.eu/environment/nature
  • 62. Para mais informações: Natureza e biodiversidade http://ec.europa.eu/environment/nature/index_en.htm Rede Natura 2000 http://ec.europa.eu/environment/nature/natura2000/index_en.htm Campanha de biodiversidade http://ec.europa.eu/environment/biodiversity/campaign/index_pt.htm Convenção para a Diversidade Biológica http://www.cbd.int/ Instituto Real de Ciências Naturais da Bélgica http://www.sciencesnaturelles.be/ Serviço Público Federal Saúde, Segurança da Cadeia Alimentar e Ambiente http://www.health.belgium.be
  • 63. Comissão Europeia 52 gestos para a biodiversidade Luxemburgo: Serviço das Publicações da União Europeia 2011 – 60 p. – 15 x 15 cm ISBN 978-92-79-18629-5 doi:10.2779/9708 Para encomendar a publicação, disponível gratuitamente no limite dos stocks disponíveis: Para uma única cópia: através da EU Bookshop, o acesso em linha para as publicações da União Europeia: http:// bookshop.europa.eu Para várias cópias: através das redes nacionais de informação Europe Direct mais próximas: http://europa.eu/europedirect/meet_us/index_pt.htm