SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 45
PONTA GROSSA
O Papel da Pesquisa em
Processos de Design
INOVAÇÃO E TENDÊNCIAS DE MERCADO
É por meio de pesquisas que se obtém a
percepção sobre os usuários, o mercado e os
stakeholders do projeto.
As pesquisas de design de experiência (UX
Research) têm métodos e técnicas rígidos em
comparação ao que profissionais da área de
produto entendem como Product Discovery.
Que faz parte da fase de exploração de um
produto a ser projetado e essa denominação
costuma ser utilizada em processos lean
(enxuta).
Eric Ries
As expectativas em relação ao produto
devem ser alinhadas entre as partes
interessadas. Há alguns métodos para que
sejam realizados esses alinhamentos.
Para isso, deve acontecer de maneira efetiva
a comunicação entre todos os envolvidos no
projeto.
Evitando ruídos.
Para isso, deve acontecer de maneira efetiva
a comunicação entre todos os envolvidos no
projeto.
Evitando ruídos e equiparando o
conhecimento sobre o assunto.
Metodologias
1. Matriz CSD
2. Circulo Dourado
Matriz CSD
Utilizado para visualizar a dimensão dos
problemas a serem resolvidos
Certeza – O que sabemos sobre o produto ou
problema?
Suposições – Quais nossas hipóteses?
Quais inquietações temos sobre o tema?
O grupo faz as anotações de maneira
individual e depois colam em um quadro,
dividido em categorias, para que a
sistematização fique evidente para todos os
participantes.
Na sequencia, o organizador do grupo lê em
voz alta as anotações e estimula do debate
para encontrar soluções.
Em grupo é mais fácil encontrar saídas,
através do consenso.
Circulo Dourado
Circulo Dourado
Saber o porque é o fundamental no processo.
Qual é a finalidade do produto?
Descoberta a motivação, resta definir o como
fazer o que vai ser a solução do problema.
Por que esse produto deve existir?
Como deve ser feito?
O que queremos fazer com este produto?
Vamos continuar trabalhando com papeis ou
fitas adesivas.
- Cada integrante com duas notas para a
categoria “O que” e “Como”.
- E apenas uma para o “porque”.
O facilitador faz o mesmo processo da
dinâmica anterior, lendo os apontamentos e
promovendo o debate.
O objetivo é gerar ao consenso.
Ao final da dinâmica, deve se chegar ao
propósito do produto.
Que é a sua razão de existir.
Pesquisa com os usuários
(precisa ser direto com o usuário)
- Pesquisas em sites sobre o tema
- Pesquisa em redes sociais
A profundidade da investigação do usuário e
as técnicas a serem utilizadas vai depender
do projeto.
Por isso, não podemos descartar a
possibilidade de conversar com pessoas,
possíveis usuários para realizar este
mapeamento.
Se o produto a ser criado, por exemplo, é
para um público amplo, talvez não se tenha
dados suficientes na internet para encontrar a
solução.
Neste caso uma pesquisa para compreender
as necessidades e o contexto do usuário seria
o ideal para compreender e esboçar um perfil
mais específico de público.
A Imersão
Momento de mergulho no projeto.
- Compreender o contexto do usuário
- Quem são
- Suas necessidades
- Objetivo da organização a produzir o
produto inovador (aplicativo)
Como isso, mapear os fluxos atuais e buscar
soluções para os problemas descobertos.
A pesquisa de design com usuários tem como
objetivo compreender ideias, necessidades,
frustrações e desejos em um contexto
específico para desenvolver soluções práticas
para aquela realidade.
São pesquisas exploratórias ou de validação
e, dentro dessas categorias, existe uma gama
de métodos e técnicas que podem ser
utilizadas..
A pesquisa exploratória, também conhecidas
como etapa de Discovery ou Imersão.
Porém, quando necessitar checar se uma
determinada solução segue determinados
critérios, e principalmente se atende às
necessidades dos usuários e aos objetivos da
organização.
Será utilizado de métodos de validação, como
testes funcionais, testes de conceito e testes
de usabilidade.
As pesquisas se distinguem em relação à sua
natureza: podem ser qualitativas ou
quantitativas.
Quali - São pesquisas em que se observa uma
população em seu contexto ou se pergunta
para um grupo pequeno de pessoas, que
respondem com suas palavras suas
percepções sobre os fenômenos.
Entrevistas; Etnografia (ou netnografia);
Grupo de foco; Testes de usabilidade;
Respostas longas de questionários.
Quanti - Essas pesquisas necessitam de uma
população maior para diminuir a margem de
erro estatística.
Quantidades de acessos;
Números de cliques;
Dados demográficos;
Mapas de calor;
Questionários com respostas pré-definidas
(múltipla escolha).
As duas naturezas de pesquisas podem ser
complementares.
Qualquer tipo de pesquisa precisa de um
plano de como será executada. .
A estrutura geral de uma pesquisa se
constitui em quatro fases: recrutamento,
coleta de dados, análise e comunicação dos
resultados.
Referências
AGNER, Luiz. Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o
usuário. Rio de Janeiro: Senac Rio, 2018.
CARDOSO, Rafael. Design para um mundo complexo. Cosac Naify. São
Paulo: 2012.
CYBIS, Walter; BETIOL, Adriana; FAUST, Richard. Ergonomia e usabilidade:
conhecimentos, métodos e aplicações. 2. ed. São Paulo: Novatec, 2010.
FREEPIK COMPANY. [Banco de Imagens]. Storyset by Freepik. Málaga,
2022. Disponível em: https://storyset.com/. Acesso em: 21 nov. 2022.
KOLKO, Jon. Do design thinking ao design doing: como usar a empatia
para criar produtos que as pessoas amam. Trad. Sonia Augusto. São
Paulo: M. Books do Brasil, 2018.
NORMAN, Donald A. Design emocional: porque adoramos (ou
detestamos) os objetos do dia a dia. Trad. Ana Deiró. Rio de Janeiro:
Rocco, 2008.
NORMAN, Donald A. O design do futuro. Trad. Talita Rodrigues. Rio de
Janeiro: Rocco, 2010.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 5 - A pesquisa.ppt

Palestra no auditório do IBGE - Arquitetura de Informação
Palestra no auditório do IBGE - Arquitetura de InformaçãoPalestra no auditório do IBGE - Arquitetura de Informação
Palestra no auditório do IBGE - Arquitetura de InformaçãoLuiz Agner
 
Transformational Design Thinking - Aula 5
Transformational Design Thinking - Aula 5Transformational Design Thinking - Aula 5
Transformational Design Thinking - Aula 5Lu Terceiro
 
Time de UX do PicPay
Time de UX do PicPayTime de UX do PicPay
Time de UX do PicPayMergo
 
Design Thinking na prática - Como foi usada a metodologia para desenvolver um...
Design Thinking na prática - Como foi usada a metodologia para desenvolver um...Design Thinking na prática - Como foi usada a metodologia para desenvolver um...
Design Thinking na prática - Como foi usada a metodologia para desenvolver um...Thalita Oliveira
 
TDC2016SP - Trilha Análise de Negócios
TDC2016SP - Trilha Análise de NegóciosTDC2016SP - Trilha Análise de Negócios
TDC2016SP - Trilha Análise de Negóciostdc-globalcode
 
Metodos e Processos de Pesquisa em Design de Interação
Metodos e Processos de Pesquisa em Design de InteraçãoMetodos e Processos de Pesquisa em Design de Interação
Metodos e Processos de Pesquisa em Design de InteraçãoGonçalo Ferraz
 
Métodos de Design: Uma abordagem para estudos de viabilidade em projetos de s...
Métodos de Design: Uma abordagem para estudos de viabilidade em projetos de s...Métodos de Design: Uma abordagem para estudos de viabilidade em projetos de s...
Métodos de Design: Uma abordagem para estudos de viabilidade em projetos de s...Alessandro Lima
 
Design Centrado no Usuário
Design Centrado no UsuárioDesign Centrado no Usuário
Design Centrado no UsuárioDavi Busanello
 
Persona e jornada do cliente
Persona e jornada do clientePersona e jornada do cliente
Persona e jornada do clienteDelma Andrade
 
Persona e jornada do cliente
Persona e jornada do clientePersona e jornada do cliente
Persona e jornada do clienteDelma Andrade
 
Seminario Lep Ibge Slideshare
Seminario Lep Ibge SlideshareSeminario Lep Ibge Slideshare
Seminario Lep Ibge Slideshareguest5ccda
 
Usabilidade: Palestra no auditório do IBGE
Usabilidade: Palestra no auditório do IBGEUsabilidade: Palestra no auditório do IBGE
Usabilidade: Palestra no auditório do IBGELuiz Agner
 
Design Customizado
Design CustomizadoDesign Customizado
Design Customizadobernardolm
 
4 - O designer para a inovação.ppt
4 - O designer para a inovação.ppt4 - O designer para a inovação.ppt
4 - O designer para a inovação.pptDanieleMudrey1
 
Workshop • UX design •
Workshop • UX design •  Workshop • UX design •
Workshop • UX design • Suzi Sarmento
 

Semelhante a 5 - A pesquisa.ppt (20)

Pesquisa Qualitativa
Pesquisa QualitativaPesquisa Qualitativa
Pesquisa Qualitativa
 
Palestra no auditório do IBGE - Arquitetura de Informação
Palestra no auditório do IBGE - Arquitetura de InformaçãoPalestra no auditório do IBGE - Arquitetura de Informação
Palestra no auditório do IBGE - Arquitetura de Informação
 
Transformational Design Thinking - Aula 5
Transformational Design Thinking - Aula 5Transformational Design Thinking - Aula 5
Transformational Design Thinking - Aula 5
 
Como fazer pesquisa
Como fazer pesquisaComo fazer pesquisa
Como fazer pesquisa
 
Time de UX do PicPay
Time de UX do PicPayTime de UX do PicPay
Time de UX do PicPay
 
Design Thinking na prática - Como foi usada a metodologia para desenvolver um...
Design Thinking na prática - Como foi usada a metodologia para desenvolver um...Design Thinking na prática - Como foi usada a metodologia para desenvolver um...
Design Thinking na prática - Como foi usada a metodologia para desenvolver um...
 
TDC2016SP - Trilha Análise de Negócios
TDC2016SP - Trilha Análise de NegóciosTDC2016SP - Trilha Análise de Negócios
TDC2016SP - Trilha Análise de Negócios
 
Metodos e Processos de Pesquisa em Design de Interação
Metodos e Processos de Pesquisa em Design de InteraçãoMetodos e Processos de Pesquisa em Design de Interação
Metodos e Processos de Pesquisa em Design de Interação
 
Métodos de Design: Uma abordagem para estudos de viabilidade em projetos de s...
Métodos de Design: Uma abordagem para estudos de viabilidade em projetos de s...Métodos de Design: Uma abordagem para estudos de viabilidade em projetos de s...
Métodos de Design: Uma abordagem para estudos de viabilidade em projetos de s...
 
Design Centrado no Usuário
Design Centrado no UsuárioDesign Centrado no Usuário
Design Centrado no Usuário
 
Monitoramento nas redes sociais
Monitoramento nas redes sociaisMonitoramento nas redes sociais
Monitoramento nas redes sociais
 
Cd - aulas 06 e 07
Cd - aulas 06 e 07Cd - aulas 06 e 07
Cd - aulas 06 e 07
 
Persona e jornada do cliente
Persona e jornada do clientePersona e jornada do cliente
Persona e jornada do cliente
 
Persona e jornada do cliente
Persona e jornada do clientePersona e jornada do cliente
Persona e jornada do cliente
 
Etnografia Remota: a mobilidade dos dados
Etnografia Remota: a mobilidade dos dadosEtnografia Remota: a mobilidade dos dados
Etnografia Remota: a mobilidade dos dados
 
Seminario Lep Ibge Slideshare
Seminario Lep Ibge SlideshareSeminario Lep Ibge Slideshare
Seminario Lep Ibge Slideshare
 
Usabilidade: Palestra no auditório do IBGE
Usabilidade: Palestra no auditório do IBGEUsabilidade: Palestra no auditório do IBGE
Usabilidade: Palestra no auditório do IBGE
 
Design Customizado
Design CustomizadoDesign Customizado
Design Customizado
 
4 - O designer para a inovação.ppt
4 - O designer para a inovação.ppt4 - O designer para a inovação.ppt
4 - O designer para a inovação.ppt
 
Workshop • UX design •
Workshop • UX design •  Workshop • UX design •
Workshop • UX design •
 

Último

EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfGisellySobral
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 

Último (20)

EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 

5 - A pesquisa.ppt

  • 1. PONTA GROSSA O Papel da Pesquisa em Processos de Design INOVAÇÃO E TENDÊNCIAS DE MERCADO
  • 2. É por meio de pesquisas que se obtém a percepção sobre os usuários, o mercado e os stakeholders do projeto.
  • 3. As pesquisas de design de experiência (UX Research) têm métodos e técnicas rígidos em comparação ao que profissionais da área de produto entendem como Product Discovery.
  • 4. Que faz parte da fase de exploração de um produto a ser projetado e essa denominação costuma ser utilizada em processos lean (enxuta). Eric Ries
  • 5. As expectativas em relação ao produto devem ser alinhadas entre as partes interessadas. Há alguns métodos para que sejam realizados esses alinhamentos.
  • 6. Para isso, deve acontecer de maneira efetiva a comunicação entre todos os envolvidos no projeto. Evitando ruídos.
  • 7. Para isso, deve acontecer de maneira efetiva a comunicação entre todos os envolvidos no projeto. Evitando ruídos e equiparando o conhecimento sobre o assunto.
  • 9. Matriz CSD Utilizado para visualizar a dimensão dos problemas a serem resolvidos
  • 10.
  • 11. Certeza – O que sabemos sobre o produto ou problema? Suposições – Quais nossas hipóteses? Quais inquietações temos sobre o tema?
  • 12. O grupo faz as anotações de maneira individual e depois colam em um quadro, dividido em categorias, para que a sistematização fique evidente para todos os participantes.
  • 13. Na sequencia, o organizador do grupo lê em voz alta as anotações e estimula do debate para encontrar soluções. Em grupo é mais fácil encontrar saídas, através do consenso.
  • 16. Saber o porque é o fundamental no processo. Qual é a finalidade do produto?
  • 17. Descoberta a motivação, resta definir o como fazer o que vai ser a solução do problema.
  • 18. Por que esse produto deve existir? Como deve ser feito? O que queremos fazer com este produto?
  • 19. Vamos continuar trabalhando com papeis ou fitas adesivas. - Cada integrante com duas notas para a categoria “O que” e “Como”. - E apenas uma para o “porque”.
  • 20. O facilitador faz o mesmo processo da dinâmica anterior, lendo os apontamentos e promovendo o debate. O objetivo é gerar ao consenso.
  • 21. Ao final da dinâmica, deve se chegar ao propósito do produto. Que é a sua razão de existir.
  • 22. Pesquisa com os usuários (precisa ser direto com o usuário)
  • 23. - Pesquisas em sites sobre o tema - Pesquisa em redes sociais
  • 24. A profundidade da investigação do usuário e as técnicas a serem utilizadas vai depender do projeto.
  • 25. Por isso, não podemos descartar a possibilidade de conversar com pessoas, possíveis usuários para realizar este mapeamento.
  • 26. Se o produto a ser criado, por exemplo, é para um público amplo, talvez não se tenha dados suficientes na internet para encontrar a solução.
  • 27. Neste caso uma pesquisa para compreender as necessidades e o contexto do usuário seria o ideal para compreender e esboçar um perfil mais específico de público.
  • 29. Momento de mergulho no projeto. - Compreender o contexto do usuário - Quem são - Suas necessidades - Objetivo da organização a produzir o produto inovador (aplicativo)
  • 30. Como isso, mapear os fluxos atuais e buscar soluções para os problemas descobertos.
  • 31. A pesquisa de design com usuários tem como objetivo compreender ideias, necessidades, frustrações e desejos em um contexto específico para desenvolver soluções práticas para aquela realidade.
  • 32. São pesquisas exploratórias ou de validação e, dentro dessas categorias, existe uma gama de métodos e técnicas que podem ser utilizadas..
  • 33. A pesquisa exploratória, também conhecidas como etapa de Discovery ou Imersão.
  • 34. Porém, quando necessitar checar se uma determinada solução segue determinados critérios, e principalmente se atende às necessidades dos usuários e aos objetivos da organização.
  • 35. Será utilizado de métodos de validação, como testes funcionais, testes de conceito e testes de usabilidade.
  • 36. As pesquisas se distinguem em relação à sua natureza: podem ser qualitativas ou quantitativas.
  • 37. Quali - São pesquisas em que se observa uma população em seu contexto ou se pergunta para um grupo pequeno de pessoas, que respondem com suas palavras suas percepções sobre os fenômenos.
  • 38. Entrevistas; Etnografia (ou netnografia); Grupo de foco; Testes de usabilidade; Respostas longas de questionários.
  • 39. Quanti - Essas pesquisas necessitam de uma população maior para diminuir a margem de erro estatística.
  • 40. Quantidades de acessos; Números de cliques; Dados demográficos; Mapas de calor; Questionários com respostas pré-definidas (múltipla escolha).
  • 41. As duas naturezas de pesquisas podem ser complementares.
  • 42. Qualquer tipo de pesquisa precisa de um plano de como será executada. .
  • 43. A estrutura geral de uma pesquisa se constitui em quatro fases: recrutamento, coleta de dados, análise e comunicação dos resultados.
  • 44. Referências AGNER, Luiz. Ergodesign e arquitetura da informação: trabalhando com o usuário. Rio de Janeiro: Senac Rio, 2018. CARDOSO, Rafael. Design para um mundo complexo. Cosac Naify. São Paulo: 2012. CYBIS, Walter; BETIOL, Adriana; FAUST, Richard. Ergonomia e usabilidade: conhecimentos, métodos e aplicações. 2. ed. São Paulo: Novatec, 2010. FREEPIK COMPANY. [Banco de Imagens]. Storyset by Freepik. Málaga, 2022. Disponível em: https://storyset.com/. Acesso em: 21 nov. 2022.
  • 45. KOLKO, Jon. Do design thinking ao design doing: como usar a empatia para criar produtos que as pessoas amam. Trad. Sonia Augusto. São Paulo: M. Books do Brasil, 2018. NORMAN, Donald A. Design emocional: porque adoramos (ou detestamos) os objetos do dia a dia. Trad. Ana Deiró. Rio de Janeiro: Rocco, 2008. NORMAN, Donald A. O design do futuro. Trad. Talita Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco, 2010.