SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 50
Baixar para ler offline
PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU
Secretaria Municipal da Educação
EMEF "IVAN ENGLER DE ALMEIDA"
7º ANO B Período Letivo
3° BIMESTRE – BLOCO 1 – 26/07 A 20/08/2021
NOME DO ALUNO:__________________________________________ TURMA: ____________
LÍNGUA PORTUGUESA
Queridas e queridos alunos do 7º ano,
Chegamos ao início do 3º bimestre 2021! Como já sabem, o 3º bimestre será dividido em 2 (dois) blocos
- bloco 1 e bloco 2.
Como combinado, busquem ter uma ROTINA DE ESTUDOS, não deixem para a última hora. Estudem
um pouco todos os dias!
Em caso de dúvidas: pesquisem videaulas, sites, converse com colegas, procure o professor e se mesmo
assim não conseguirem desenvolver as atividades, assistam às aulas oferecidas presencialmente.
Atenção: levem mais de uma máscara para a escola, mantenham distanciamento e foquem nos estudos.
Não esqueçam também que: há diversos materiais no Classroom; temos nosso grupo de WhatsApp e
podemos manter contato por e-mail.
Bom início de 3º bimestre e ótimo mês de estudos. Forte abraço:
Prof.ª. Leila Motoki.
Objetivos da aula: Estudar mais características do gênero textual anúncio publicitário , desenvolver atividades
sobre verbos no imperativo.
ANÚNCIO PUBLICITÁRIO OU PROPAGANDA
Anúncio publicitário ou propaganda é um gênero textual que promove um produto ou uma ideia,
sendo veiculado pelos meios de comunicação de massa, como jornais, revistas, televisão, rádio e
internet. Podemos encontrá-los também em outdoors, panfletos, faixas ou cartazes na rua, no ônibus,
como produtos mostrados em filmes e novelas, etc. Na verdade, existe uma pequena diferença entre os
termos anúncio publicitário e propaganda; o primeiro tem a função comercial de persuadir, ou seja,
convencer a população a consumir um produto ou serviço, já a segunda busca influenciar um
comportamento e divulgar ideias, pensamentos e causas. No entanto, hoje vamos utilizar os dois termos
como sinônimos e usar ora um, ora outro. Veja alguns exemplos:
Como esse gênero tem por objetivo levar o público a comprar um produto, utilizar um serviço,
aderir a uma ideia ou adotar um comportamento, é comum o emprego de verbos no modo imperativo,
que exprime ordem, pedido ou conselho (ex.: “Compre Baton”). São também usados muitos adjetivos
(ex : “original”, “perfeita”) e advérbios (ex.: “mais”, “desde 1962”) que dão a ideia de que que comprar
determinado produto, utilizar tal serviço ou seguir determinada ideia mudará a vida da pessoa para
melhor, despertando o desejo do consumidor.
Além disso, os elementos não verbais (formas, cores, imagens, símbolos) têm importância
fundamental, pois produzem impacto imediato no leitor mesmo antes que ele leia os textos verbais.
Além da mensagem principal, as propagandas apresentam elementos para levar o público a
relacionar a campanha ao nome da instituição ou organização responsável. Trata-se do logotipo
(ou logomarca), que é a forma como um nome é representado graficamente por meio de letras
originalmente concebidas e de traçado facilmente reconhecível para identificar visualmente uma
instituição ou uma organização. Veja alguns exemplos de logotipos:
Muitas propagandas contêm também o slogan da marca ou do produto. O slogan é uma
frase de fácil memorização, que resume as características do produto e lembra o nome da marca.
Nos anúncios em que o slogan está presente, ele normalmente aparece perto da logomarca e se
repete em todas as propagandas. por exemplo: “tomou doril, a dor sumiu”, “Sedex: mandou,
chegou”.
Agora que já vimos as principais características de uma propaganda, vejamos um resumo
da estrutura:
Campanha publicitária é um conjunto de peças publicitárias (folhetos, vídeos para TV e
internet, anúncios de jornal e revista, etc.) criadas para divulgar um produto, um serviço ou uma
ideia. Geralmente, campanhas como essas são feitas por agências publicitárias a pedido de uma
instituição ou órgão do poder público ou de uma organização. É importante ressaltar que nem só
produtos comerciais são objetos de interesse de campanhas publicitárias. Veja os exemplos abaixo
de uma campanha de doação de órgãos da Associação de pacientes transplantados da Bahia:
Atividades
Observe o anúncio publicitário abaixo para responder às questões:
33
3. Como o anúncio utiliza a criatividade para chamar a atenção dos consumidores? Explique.
______________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
1. Qual é o produto, o serviço, a ideia ou o
comportamento explorado no anúncio
publicitário?
_______________________________
2. O que mais chama sua atenção: as imagens,
as cores, o texto verbal ou a organização dos
elementos na página?
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
VERBO NO MODO IMPERATIVO
O modo imperativo é um modo verbal utilizado para exprimir uma atitude de ordem, conselho,
convite ou solicitação.
Há duas formas de imperativo: afirmativa e negativa.
Vejamos alguns exemplos de verbos no modo imperativo para ficar mais claro o conceito deste modo
verbal.
Exemplos:
Vamos, corram!
Perdoe-me, eu lhe imploro.
Por favor, diga-me onde fica esta praça.
Organizem-se rapidamente.
Faça o que digo, agora!
ATIVIDADE
1. Nas frases abaixo, grife o verbo no modo imperativo, classificando-o em imperativo afirmativo
ou imperativo negativo. Veja o exemplo:
a) Bom dia! Levante, seu dorminhoco. O sol já está alto!
Imperativo afirmativo
b) Não dê as costas para a sorte!
c) Venha escolher o livro que quiser!
d) Dança! Exercitar-se faz bem à saúde e ao coração.
e) “Estudem para a prova, alunos!”
f) Por favor, façam silêncio!
g) Não escutes música tão alto!
h) Escutemos nossa consciência!
i) Saia agora mesmo daí!
j) Corram até a sala e fechem as janelas.
2. Leia o anúncio publicitário abaixo e reponda às questões a seguir:
a) Qual o objetivo do anúncio publicitário?
______________________________________
______________________________________
b) Qual o seu público- alvo?
______________________________________
______________________________________
c) Retire do texto um verbo no modo imperativo
negativo.
____________________________________
A PROPAGANDA E O CONSUMO
A publicidade exerce um papel tão importante como formadora de opinião que
autores dizem que a mesma atua em esferas antes específicas dos meios
educacionais, jurídicos, religiosos, mudando conceitos, regras, interferindo nos
costumes e comportamentos antes tidos como tradicionais.
A estratégia do discurso publicitário visa persuadir e seduzir o cliente, o
que faz através de peças publicitárias que levam em conta as especificidades dos destinatários virtuais,
suas crenças e valores sociais.
No jogo do discurso publicitário, o sujeito discursivo procura esconder a face puramente
comercial, mascarando-se ou como “benfeitor” ao mesmo tempo em que prevê uma imagem do
interlocutor.
Para tanto, a publicidade estuda o comportamento de cada público específico a que será
direcionada e elabora estratégias para tentar convencê-lo a consumir, usando textos, imagens, cores,
trilhas sonoras, apoio de celebridades, promoções, entre outros.
Além disso, a propaganda comercial permeia o dia a dia de uma grande parte da sociedade atual,
presente não só na TV, mas também nas rádios, na Internet e nas ruas (desde as fachadas até os ônibus
urbanos).
A PROPAGANDA E O CONSUMO DE JOVENS E ADOLESCENTES
A questão é que, para jovens e adolescentes, que ainda estão
em fase de formação de seu caráter e de seus padrões, essa presença
massiva da propaganda comercial e a influência de consumo
inevitavelmente exercida por ela podem ser fatores prejudiciais.
Como mencionado, a propaganda estuda o comportamento de seu público (bem como as tendências de
mudanças que estão pra ocorrer) e, em parte, reflete tudo isso. Por exemplo, uma das estratégias de
convencimento da propaganda é usar a linguagem de seu público, para que ele se identifique com o que
a propaganda quer dizer.
Atualmente, muitos consumidores são levados a obter produtos por influência dos chamados
“influenciadores digitais”. Influenciador digital é um indivíduo que possui um público fiel e engajado
em seus canais online e, em alguma medida, exerce capacidade de influência na tomada de decisão de
compra de seus seguidores.
d) A expressão “morrer de raiva”, presente no
texto, tem sentido denotativo ou
conotativo? Explique.
________________________________________
________________________________________
________________________________________
________________________________________
A PROPAGANDA E A POLÍTICA
Para muitos, quando se fala em propaganda, a primeira forma que
vem à memória é a propaganda comercial (também chamada de
publicidade). Mas o termo, em sua origem, era usado principalmente no
contexto político, relacionado aos esforços de persuasão patrocinados por
governos e partidos.
Propaganda política são todas as formas de realização de meios publicitários que têm por objetivo
conquistar simpatizantes ao conjunto de ideias de um partido e garantir votos.
A propaganda eleitoral é aquela em que partidos políticos e candidatos divulgam, por meio de
mensagens dirigidas aos eleitores, suas candidaturas e propostas políticas, a fim de se mostrarem os
mais aptos a assumir os cargos eletivos que disputam, conquistando, assim, o voto dos eleitores.
ATIVIDADE
Releia os conteúdos sobre a propaganda e responda às questões a seguir:
1º) A propaganda comercial permeia nosso dia a dia presente em:
a) ( ) rádio e TV
b) ( ) fachadas e ônibus urbanos
c) ( ) internet
d) ( ) revistas e jornais
e) ( ) todas as alternativas
2º) Segundo o texto, a propaganda comercial influencia mais os jovens e adolescentes porque:
a) ( ) estão em fase de formação de seu caráter e de seus padrões.
b) ( ) os jovens e adolescentes são muito mimados pelos seus pais.
c) ( ) eles são o único público-alvo das propagandas.
d) ( ) existem mais produtos disponíveis para esse tipo de consumidor.
3º) Segundo o texto “A estratégia do discurso publicitário visa persuadir e seduzir o cliente”. Nesse
contexto, a palavra persuadir significa:
a) ( ) inspirar
b) ( ) convencer
c) ( ) aconselhar
d) ( ) afastar
4º) O que são influenciadores digitais? Você conhece algum? Caso sua resposta seja afirmativa, cite
influenciadores que você conheça ou segue.
_______________________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________________
5º) Qual é o objetivo da Propaganda política?
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
7
PRODUÇÃO TEXTUAL- Anúncio publicitário
Durante a pandemia, Celeste resolveu fazer doces e salgados para complementar a renda. No
entanto, para aumentar suas vendas, ela precisa de um anúncio que aumente suas vendas.
Crie um anúncio publicitário para que Celeste faça panfletos e distribua pela cidade.
Segue imagem dos produtos.
Então, é isso pessoal! Bons estudos!
_______________________________________
_______________________________________
_______________________________________
_______________________________________
_______________________________________
_______________________________________
_______________________________________
8
PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU
Secretaria Municipal da Educação
EMEF "IVAN ENGLER DE ALMEIDA"
7º ANO B Período Letivo
3° BIMESTRE – BLOCO 1 – 26/07 A 20/08/2021
NOME DO ALUNO:_____________________________________________ TURMA: ____________
MATEMÁTICA
PORCENTAGENS E JUROS SIMPLES - APLICAÇÕES
Aula sugerida : https://www.youtube.com/watch?v=nUgAGtEBleM
Já aprendemos que uma porcentagem pode ser representada por uma fração ou com %:
a) 5 % =
𝟓
𝟏𝟎𝟎
c) 16 % =
𝟏𝟔
𝟏𝟎𝟎
e) 75% =
𝟕𝟓
𝟏𝟎𝟎
b) 19 % =
𝟏𝟗
𝟏𝟎𝟎
d) 20 % =
𝟐𝟎
𝟏𝟎𝟎
f) 50 % =
𝟓𝟎
𝟏𝟎𝟎
Para calcular uma porcentagem, devemos aplicar duas operações já estudadas: A multiplicação
e a divisão. Só que essa divisão será sempre por 100.
Exemplos:
a) 25 % de 180 =
𝟐𝟓
𝟏𝟎𝟎
x 180 =
𝟐𝟓𝒙𝟏𝟖𝟎
𝟏𝟎𝟎
=
𝟒.𝟓𝟎𝟎
𝟏𝟎𝟎
= 45 ( 45 é 25% de 180 )
b) 18 % de 50 =
𝟏𝟖
𝟏𝟎𝟎
x 50 =
𝟏𝟖𝒙𝟓𝟎
𝟏𝟎𝟎
=
𝟗𝟎𝟎
𝟏𝟎𝟎
= 9 ( 9 é 18% de 50 )
c) 48 % de 75 =
𝟒𝟖
𝟏𝟎𝟎
x 75 =
𝟒𝟖𝒙𝟕𝟓
𝟏𝟎𝟎
=
𝟑.𝟔𝟎𝟎
𝟏𝟎𝟎
= 36 ( 36 é 48% de 75 )
d) 12 % de 500 =
𝟏𝟐
𝟏𝟎𝟎
x 500 =
𝟏𝟐𝒙𝟓𝟎𝟎
𝟏𝟎𝟎
=
𝟔.𝟎𝟎𝟎
𝟏𝟎𝟎
= 60 ( 60 é 15% de 500 )
APLICANDO A PORCENTAGEM COMO ACRÉSCIMOS.
Significa que o valor da porcentagem calculada deve ser somado ao VALOR INICIAL dado.
Exemplos:
1) Um aumento de 18% na compra de 150 metros quadrados de PISO:
1º Passo: Calcular a porcentagem.
a) 18% de 150 = ?
18
100
𝑑𝑒 150 =
𝟏𝟖 𝒙 𝟏𝟓𝟎
𝟏𝟎𝟎
=
𝟐.𝟕𝟎𝟎
𝟏𝟎𝟎
= 𝟐𝟕 metros a mais de PISO.
Em toda divisão por 100 podemos cancelar
os dois zeros de cima da fração com os dois
zeros que estão no denominador .
9
2º Passo: Somar ao valor inicial:
. 150m + 27m = 177 metros.
2) Um aumento de 15% no valor de R$ 128,00:
a) 15% de 128 Reais = ?
𝟏𝟓
𝟏𝟎𝟎
de 128 =
𝟏𝟓 𝒙 𝟏𝟐𝟖
𝟏𝟎𝟎
=
𝟏𝟗𝟐𝟎
𝟏𝟎𝟎
= 19,20 Reais
b) 128,00 Reais + 19,20 Reais = R$ 147,20 com o aumento.
3) Um aumento de 25% na matrícula que tinha 240 alunos.
a) 25% de 240 alunos = ?
𝟐𝟓
𝟏𝟎𝟎
𝑑𝑒 240 =
𝟐𝟓 𝒙 𝟐𝟒𝟎
𝟏𝟎𝟎
=
𝟔.𝟎𝟎𝟎
𝟏𝟎𝟎
= . 𝟔𝟎 alunos à mais
b) 240 alunos + 60 alunos = total de 300 alunos.
4) 36% de aumento na produção de 425 litros de álcool de limpeza.
.a) 36% de 425g = ?
𝟑𝟔
𝟏𝟎𝟎
𝒅𝒆 𝟒𝟐𝟓 =
𝟑𝟔 𝒙 𝟒𝟐𝟓
𝟏𝟎𝟎
=
𝟏𝟓.𝟑𝟎𝟎
𝟏𝟎𝟎
= 𝟏𝟓𝟑 litros a mais de álcool.
.b) 425 lt + 153 lt = 578 litros no total
APLICANDO PORCENTAGENS COMO FATOR DE DESCONTO
Vamos aplicar o valor de uma porcentagem em problemas com subtração ou desconto:
Exemplos:
1) 16 % de alunos faltaram onde estudam 450 Alunos.
a) 16% de 450 = ?
𝟏𝟔
𝟏𝟎𝟎
x 450 =
𝟏𝟔 𝒙 𝟒𝟓𝟎
𝟏𝟎𝟎
=
𝟕.𝟐𝟎𝟎
𝟏𝟎𝟎
= 72 alunos faltaram. :
b) 450 alunos – 72 alunos = 378 alunos foram para a escola.
2) Calcule um desconto de 18% em uma compra de R$ 320,00.
a) 18% de 320 = ?
𝟏𝟖
𝟏𝟎𝟎
x 320 =
𝟏𝟖 𝒙 𝟑𝟐𝟎
𝟏𝟎𝟎
=
𝟓.𝟕𝟔𝟎
𝟏𝟎𝟎
= 57,60 Reais (de desconto)
b) 320,00 – 57,60 Reais = 262,40 Reais pagos com descontos
3) Para sua festa de seu aniversário, Maira convidou 150 pessoas amigas. Sabendo que
12% dessas pessoas faltaram, quantos convidados apareceram nessa festa?
a) 12% de 150 = ?
𝟏𝟐
𝟏𝟎𝟎
x 150 =
𝟏𝟐 𝒙 𝟏𝟓𝟎
𝟏𝟎𝟎
=
𝟏.𝟖𝟎𝟎
𝟏𝟎𝟎
= 18 convidados faltaram.
b) 150 – 18 = 132 convidado apareceram nessa festa.
320,00
0 – 57,60
262,40
10
1º GRUPO DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES:
1) Manoel fez a compra de uma batedeira que, sem desconto, custava 380 Reais.
Calcule o valor de 8% de desconto dado para ele pagar à vista e o valor pago
nessa compra com esse desconto.
2) Calcule o valor das porcentagens abaixo de acordo com a informação dada:
a) Um aumento de 28% em 75 kg qual será o valor encontrado.
b) Uma diminuição de 32% em 750 litros de água de um reservatório.
c) Um acréscimo de 25% na produção de 228 litros de leite em uma fazenda.
3) Em uma pesquisa, feita com 3.000 entrevistados sobre a preferência em relação
ao gosto por programas de televisão, obtiveram os seguintes resultados
NOTICIÁRIOS FILMES SÉRIES NOVELAS ESPORTES
23% 18% 32% 15% RESTANTES
Total = Total = Total = Total= Total =
Qual a quantidade de entrevistados que encontramos em cada um desses grupos
apresentados pela tabela acima?
Noções de Juros Simples
Os juros simples é uma operação que efetuamos com o objetivo de corrigir os valores
envolvidos em transações financeiras, isto é, uma correção que se faz ao fazer uma compra
parcelada, emprestar ou aplicar uma certa quantia de DINHEIROS durante um período de tempo.
. O valor pago ou resgatado dependerá das taxas cobradas pela operação e do período que o
dinheiro ficará emprestado ou aplicado. Quanto maior a taxa e o tempo, maior será este valor.
Calcular juros simples é uma tarefa simples e serve para descobrir o retorno de um
investimento ou o valor das parcelas de um crédito com juros. Por isso vale a pena entender o
cálculo dos juros simples e como aplicar esse conhecimento na sua vida financeira.
COMO CALCULAR JUROS SIMPLES
Vamos calcular a seguinte situação:
1) Quanto vou pagar, se emprestar 800 Reais em um banco, que cobra 3% de juros em 6 meses?
a) 1º mês : 3% de 800 =
𝟑
𝟏𝟎𝟎
x 800 =
𝟐.𝟒𝟎𝟎
𝟏𝟎𝟎
= 24 Reais
b). 2º mês : 3% de 800 =
𝟑
𝟏𝟎𝟎
x 800 =
𝟐.𝟒𝟎𝟎
𝟏𝟎𝟎
= 24 Reais
c) 3º mês : 3% de 800 =
𝟑
𝟏𝟎𝟎
x 800 =
𝟐.𝟒𝟎𝟎
𝟏𝟎𝟎
= 24 Reais
11
d) 4º mês : 3% de 800 =
𝟑
𝟏𝟎𝟎
x 800 =
𝟐.𝟒𝟎𝟎
𝟏𝟎𝟎
= 24 Reais
e) 5º mês : 3% de 800 =
𝟑
𝟏𝟎𝟎
x 800 =
𝟐.𝟒𝟎𝟎
𝟏𝟎𝟎
= 24 Reais
f) 6º mês : 3% de 800 =
𝟑
𝟏𝟎𝟎
x 800 =
𝟐.𝟒𝟎𝟎
𝟏𝟎𝟎
= 24 Reais
Nesse exemplo temos os seguintes elementos:
a) Juros ( J ) = ?
b) Capital inicial ( C ) = 800 Reais
c) Taxa percentual mensal ( i ) = 3%
d) Tempo em meses = 6 meses
Então, para calcular os JUROS SIMPLES, devemos aplicar a seguinte fórmula:
𝐉𝐮𝐫𝐨𝐬 =
𝐜𝐚𝐩𝐢𝐭𝐚𝐥 𝐱 𝐭𝐚𝐱𝐚 𝐱 𝐭𝐞𝐦𝐩𝐨
𝟏𝟎𝟎
ou
2) Uma compra de 650 Reais deverá ser paga em 5 meses com uma taxa de 2,4% ao
mês. Qual o total pago no final ?
𝐉𝐮𝐫𝐨𝐬 =
𝐜𝐚𝐩𝐢𝐭𝐚𝐥 𝐱 𝐭𝐚𝐱𝐚 𝐱 𝐭𝐞𝐦𝐩𝐨
𝟏𝟎𝟎
J =
𝐂 . 𝐢 . 𝐭
𝟏𝟎𝟎
=
𝟔𝟓𝟎 . 𝟐,𝟒 . 𝟓
𝟏𝟎𝟎
=
𝟕.𝟖𝟎𝟎
𝟏𝟎𝟎
= 78 Reais de juros.
Total a ser pago para a Loja: 650 + 78 = 720 Reais.
3) Qual o valor total deve ser pago por um empréstimo de 1.000 Reais, que deverá ser
pago em 12 meses com uma taxa de juros de 4% ao mês ?
𝐉𝐮𝐫𝐨𝐬 =
𝐜𝐚𝐩𝐢𝐭𝐚𝐥 𝐱 𝐭𝐚𝐱𝐚 𝐱 𝐭𝐞𝐦𝐩𝐨
𝟏𝟎𝟎
J =
𝐂 . 𝐢 . 𝐭
𝟏𝟎𝟎
=
𝟏.𝟎𝟎𝟎 .𝟒 .𝟏𝟐
𝟏𝟎𝟎
=
𝟒𝟖.𝟎𝟎𝟎
𝟏𝟎𝟎
= 480 Reais.
Total a ser pago para o Banco: 1.000 + 480 = 1.480 Reais.
Em 6 meses vou pagar:
6 x 24 = 144 Reais de juros
O total será :
800 + 144 = 944 Reais
Total pago para o BANCO
Vamos simplificar esse cálculo aplicando a fórmula:
𝐉𝐮𝐫𝐨𝐬 =
𝐜𝐚𝐩𝐢𝐭𝐚𝐥 𝐱 𝐭𝐚𝐱𝐚 𝐱 𝐭𝐞𝐦𝐩𝐨
𝟏𝟎𝟎
=
𝐉 =
𝟖𝟎𝟎 𝐱 𝟑 𝐱 𝟔
𝟏𝟎𝟎
=
𝟏𝟒.𝟒𝟎𝟎
𝟏𝟎𝟎
= 144
Total = 800 + 144 = 944 Reais
𝐉 =
𝐂 . 𝐢 . 𝐭
𝟏𝟎𝟎
Fórmula de juros simples
12
ESTUDO DE GRÁFICOS E TABELAS NUMÉRICAS
1º EXEMPLO: Observe a tabela abaixo:
Evolução do número de alunos da escola
No Ensino Fundamental, precisamos aprender a ler e interpretar esses tipos de recurso que
podemos observar todos os dias. Além disso, esse é um conteúdo importante da Matemática que vai
acompanhá-las durante toda a escolaridade no estudo de diversas disciplinas.
Existe um tipo de gráfico mais adequado para cada tipo de informação:
1) Barras
Os prédios mais altos do mundo
3). Gráfico de linhas:
Esse exemplo revela que para cada informa-
ção que se quer comunicar há uma linguagem
mais adequada- aí se incluem textos, gráficos e
tabelas. "Eles são usados para facilitar a leitura
do conteúdo, já que apresentam as
informações de maneira mais visual",
2) Circular , Pizza ou Setores :
Mostram tendências ou
alterações ao longo do tempo
exibindo uma série de pontos
de dados conectados por
segmentos de linha reta.
Você pode exibir um único
campo de dados como
várias linhas com base em
diferentes categorias por meio
de valores numéricos.
13
No gráfico acima podemos verificar os seguintes faturamentos:
a) em 2015: foi de 18 mil Reais.
b) em 2016: caiu para 13 mil Reais
c) em 2017: foi para 14 mil Reais
d) em 2018: veio para 11 mil Reais
e) em 2019: subiu para 15 mil Reais
Exercícios resolvido:
1) O gráfico abaixo mostra a preferência entre 40 pessoas entrevistadas:
a) . 5 pessoas preferem natação e outras 5 voleibol:
b) .10 pessoas preferem futebol.
c). Calcule a média de entrevistados por grupo nessa pesquisa..
RAZÃO E PROPORÇÃO SIMPLES
Chamamos de RAZÃO ENTRE DOIS NÚMEROS a um número representado na forma de FRAÇÃO.
Exemplos:
a)
5
8
lê – se cinco oitavos. e)
20
7
lê – se vinte sétimos
b)
7
10
lê – se sete décimos. f)
12
5
lê – se doze quintos
c)
3
4
lê – se três quartos. g)
8
3
lê – se oito terços
d)
1
2
lê – se um meio. h)
24
100
lê – se vinte e quatro centésimos
Assim, toda razão matemática é dada na forma :
𝒙
𝒚
= lemos como : x está para y.
Exemplos: a)
𝟐𝟎
𝟕
vinte está para sete. b)
𝟓
𝟗
cinco está para nove.
Na média geral temos o seguinte valor:
Média =
𝟏𝟖+𝟏𝟑+𝟏𝟒+𝟏𝟏+𝟏𝟓
𝟓
=
𝟕𝟏 𝒎𝒊𝒍
𝟓 𝒂𝒏𝒐𝒔
= 14,2
14 mil e 200 Reais em média por ano
Preferências por práticas desportivas
baquete corridas
14
c)
𝟑
𝟒
três está para quatro. d)
𝟏𝟎
𝟏𝟔
dez está para dezesseis.
Quando falamos em razão, teremos:
a) A razão entre 5 e 6 é
𝟓
𝟔
c) A razão entre 7 e 10 é
𝟕
𝟏𝟎
b) A razão entre 9 e 15 é
𝟗
𝟏𝟓
d) A razão entre 11 e 50 e 6 é
𝟏𝟏
𝟓𝟎
Agora vamos aplicar esse conceito de proporção em alguma tabelas matemáticas:
1º Exemplo:
.
a) Um maratonista planejou a seguinte tabela de treinamento semanal.
1ª semana 2ª semana 3ª semana 4 ª semana 5ª semana 6ª semana
5 km por dia 8km por dia 11 km por
dia
14 km por
dia
17 km por
dia
Pelas informações da tabela, podemos dizerque, a cada semana, ele aumenta 3 km à mais ao seu
treinamento, por isso podemos dizer que a RAZÃO é 3 km e que na sexta feira ele deverá correr 20 Km,
seguindo o padrão da tabela.
2º Exemplo :
Uma loja de confecções produz um total de 8 camisa utilizando 60 metros linear de tecido.
Assim podemos verificar que:
4 camisas 8 camisas 12 camisas 16 camisas 20 camisas 30 camisas
30 m 60 m 90 m 120 m 150 m
Para cada 4 camisa utilizamos 30 m de tecido, de acordo com a tabela. Assim podemos concluir que:
4 → 30m , 8 → 60 m , 16 →120m , 20 →150m.
E para calcular para 30 camisas montamos a proporção:
𝟖 camisas →
𝟑𝟎 camisas →
=
𝟔𝟎𝒎
𝒙 𝒎𝒆𝒕𝒓𝒐𝒔
fazendo a multiplicação em cruz temos →
8. x (metros) = 30 . 60
8.x = 1.800
X =
1.800
8
= 225 metros de tecidos.
15
3º Exemplo:
Qual seria o valor de x na tabela abaixo, sabendo que são valores proporcionais?
Peso do produto Preço a ser
pago
X 120 Reais
8 kg 75Reais
É assim que devemos ver as situações classificada como PROPORÇÃO SIMPLES.
4º Exemplo:
Um pedreiro diz que para construir um muro de 8m vou gastar 480 tijolos. Qual o número de tijolos
utilizado na construção de 15m desse muro?
Metros → tijolos 8 . x = 15 . 480
8 𝑚
15
=
480
𝑥
Resolvendo em cruz x =
7.200
8
X = 900 tiljolos
2º Exercícios complementares:
Aplicando as regras acima, calcule o que se pede:
1) Sabendo que para pintar 24𝒎𝟐
de parede são utilizados 8 litros de tinta, quantos
litros devo compra para pintar uma parede de 42𝒎𝟐
?
2) Em 12 dias trabalhados, José receberia 810 Reais. Como ele só trabalhou 8 dias,
qual o valor que ele deverá receber?
3) Aplicando a proporção direta, calcule os valores de A na tabela abaixo:
Jovens numa reunião 8 15
Quantidade de salgado 48 A
4) Em 7 hora de viagem, uma família chegou ao destino percorrendo 602km. Nessa média de viagem,
quantos quilômetros eles devem ter percorridos em 5 horas de viagem?
FRAÇÕES EQUIVALENTES.
As frações equivalentes são aquelas escritas de maneiras diferentes, mas que expressam o mesmo valor
matemático. Elas representam a mesma parte de um todo e para determiná-las é necessário
SIMPLIFICAR o numerador e o denominador pelo mesmo número natural, diferente de zero.
a)
15
6
=
5
2
( simplificamos por 3 em cima e em baixo) são frações equivalentes.
Resolução :
a)
8 𝑘𝑔 →
𝑋 𝑘𝑔→
=
76𝑅𝑒𝑎𝑖𝑠
100 𝑅𝑒𝑎𝑖𝑠
X . 75 = 8 . 120
X . 75 = 960
X =
960
75
= 12,8 kg
16
b)
8
12
=
2
3
( simplificamos por 4 em cima e em baixo) são frações equivalentes.
c)
35
20
=
7
4
( simplificamos por 5 em cima e em baixo) são frações equivalentes.
d)
18
24
=
9
12
=
3
4
( simplificado por 2 e depois por 3) são frações equivalentes.
Aplicações:
1) Um carro é apresentado que ela consome 1 litro de combustível a cada 12 quilômetros rodados.
Então temos as sequintes frações ou razões equivalentes:
1 𝑙𝑖𝑡𝑟𝑜
12 𝑘𝑚
=
2
24
=
3
36
=
4
48
=
5
60
=
10
120
(todas são frações equivalentes)
2) Em uma sala de aula temos 36 alunos, sendo 20 meninas e 16 meninos. Qual a razão entres:
a)
𝒎𝒆𝒏𝒊𝒏𝒐𝒔
𝒂𝒍𝒖𝒏𝒐𝒔
=
𝟏𝟔
𝟑𝟔
( simplificamos por 4) =
4
9
ou seja 4 meninos para cada 9 alunos
𝑏)
𝒎𝒆𝒏𝒊𝒏𝒂𝒔
𝒂𝒍𝒖𝒏𝒐𝒔
=
𝟐𝟎
𝟑𝟔
( simplificamos por 4 )
5
9
ou seja 5 meninas para cada 9 alunos
𝑐)
𝒎𝒆𝒏𝒊𝒏𝒐𝒔
𝒎𝒆𝒏𝒊𝒏𝒂𝒔
=
𝟏𝟔
𝟐𝟎
( simplificamos por 4)
4
5
ou seja 4 meninos para cada 5 meninas.
COMPARANDO DUAS OU MAIS FRAÇÕES
Podemos comparar DUAS OU MAIS frações utilizando a representação numérica através de algumas
propriedades. Comparar significa verificar qual é a maior ou menor quantidade ou se elas são iguais.
1º situação: Quando os denominadores são iguais, basta compararmos somente o valor dos
numeradores. Observe a comparação entre as frações
a)
𝟏𝟑
𝟐𝟎
>
𝟗
𝟐𝟎
b)
𝟖
𝟕
<
𝟗
𝟕
c)
𝟕
𝟏𝟎
=
𝟕
𝟏𝟎
d)
𝟏𝟒
𝟓
<
𝟏𝟓
𝟓
e)
𝟐𝟖
𝟐𝟏
=
𝟒
𝟑
( depois de simplificado)
Notemos que os denominadores são iguais, dessa forma, vamos comparar os numeradores:
2ª situação: Quando os denominadores são diferentes, devemos realizar uma operação que torne os
denominadores iguais. Nessa situação, temos que calcular e aplicar o m.m.c. entre os denominadores:
Exemplos:
a)
𝟓
𝟖
..?..
𝟕
𝟏𝟐
→ m.m c ( 8,12) = 24 24 vou dividir por 8 = 3 . Esse 3 vai multiplicar o 5 = 15
24 vou dividir por 12 = 2. Esse 2 vai multiplicar o 7 = 14
?
𝟐𝟒
......
?
𝟐𝟒
→
𝟏𝟓
𝟐𝟒
>
𝟏𝟒
𝟐𝟒
então → Resp =
𝟓
𝟖
>
𝟕
𝟏𝟐
17
Frações equivalentes
𝒃)
𝟗
𝟓
..?..
𝟏𝟏
𝟔
→ m.m c ( 5,6 ) = 30 30 vou dividir por 5 = 6. Esse 6 vai multiplicar o 9 = 54
30 vou dividir por 6 = 5. Esse 6 vai multiplicar o 11 = 55
?
𝟑𝟎
......
?
𝟑𝟎
→
𝟓𝟒
𝟑𝟎
<
𝟓𝟓
𝟑𝟎
então → Resp =
𝟗
𝟓
<
𝟏𝟏
𝟔
Frações equivalentes
𝒄)
𝟖
𝟗
..?..
𝟓
𝟒
→ m.m c ( 9,12 ) = 36 36 vou dividir por 9 = 4. Esse 4 vai multiplicar o 8 = 32
36 vou dividir por 4 = 9. Esse 9 vai multiplicar o 5 = 45
?
𝟑𝟔
......
?
𝟑𝟔
→
𝟑𝟐
𝟑𝟔
<
𝟒𝟓
𝟑𝟔
então → Resp =
𝟖
𝟗
<
𝟓
𝟒
Relembrando m.m.c.: a) m.m.c. ( 5,6 ) = 30 b) m.m.c.( 8,12) = 24
5,6 2 8,12 2
5,3 3 4,6 2
5,1 5 2,3 2
1,1 2.3.5 = 30 1,3 3
1, 1 2.2.2.3 = 24
3º Exercícios complementares:
1) Aplicando o m.m.c., faça a comparação entre as frações dadas abaixo, colocando corretamente
os símbolos de maior ( > ) ou menor ( < ):
a)
𝟏𝟒
𝟏𝟓
… . .
𝟏𝟑
𝟏𝟎
b)
𝟗
𝟏𝟔
… . .
𝟏𝟕
𝟐𝟒
c)
𝟕
𝟏𝟎
… . .
𝟏𝟏
𝟏𝟓
d)
𝟓
𝟖
… . .
𝟕
𝟏𝟎
e)
𝟏𝟑
𝟏𝟐
… . .
𝟏𝟕
𝟏𝟖
f)
𝟑
𝟐𝟏
… . .
𝟓
𝟏𝟒
2) Aplicando as regras dadas, efetue as simplificações das frações abaixo, achando o valor simplificado:
a)
𝟏𝟒𝟒
𝟏𝟐𝟖
= b)
𝟏𝟎𝟓
𝟕𝟓
= c)
𝟔𝟒
𝟐𝟒
= d)
𝟖𝟎
𝟑𝟐
= e)
𝟕𝟐
𝟏𝟐𝟎
=
18
PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU
Secretaria Municipal da Educação
EMEF "IVAN ENGLER DE ALMEIDA"
7º ANO B PERÍODO LETIVO
3° BIMESTRE – BLOCO 1 – 26/07 A 20/08/2021
NOME DO ALUNO:_____________________________________________ TURMA: ____________
HISTÓRIA
Enunciado:. Estamos iniciando o 3º bimestre, sejamos perseverantes e atentos na realização das
atividades, metade do caminho já foi feito, vamos agora começar a concluir o restante. Temos mais uma
atividade diante de nós, queremos conhecer um pouco mais do Brasil durante o período colonial, o que já
começamos a ver na atividade anterior. Começando pelas capitanias hereditárias, entrando nos governos-
gerais e nas câmaras municipais, para depois falar sobre os jesuítas e a sociedade, para por fim, falar da
escravidão e a resistência a ela. Boa atividade a todos!
Indicação: https://youtu.be/xZoQM6fpW80; https://youtu.be/voNy_C5iO3Q
HISTÓRIA
Atividade: Brasil colonial
As capitânias hereditárias
De início, a extração do pau-brasil, principal atividade dos portugueses na América, não levava à
fixação de colonos. Esse tipo de exploração não demandava a formação de núcleos populacionais. Na
década de 1530, a Coroa
portuguesa na América começou a
produzir açúcar, artigo mais
valorizado na Europa. Seu
comércio gerava grandes lucros,
como mostrou a experiência dos
portugueses na ilha de Madeira e
Açores. Para implantar esse
cultivo, o rei dom João III, decidiu
usar um sistema que tivera
sucesso naquelas ilhas: a divisão
do território em grandes lotes,
doados a fidalgos (nobres)
portugueses, chamados
donatários.
Os donatários poderiam
explorar economicamente as terras
do novo continente, com seus
próprios recursos, desde que
pagassem à Coroa parte dos lucros
obtidos. Assim, em 1534, Portugal
dividiu sua colônia em 15 faixas de
terras denominadas hereditárias,
que foram doadas a 12 donatários.
As terras recebidas não podiam
ser vendidas, pois pertenciam ao
rei. Em compensação, o donatário
podia transferir a capitania a seus
19
herdeiros e tinha o direito de doar sesmarias (vastas propriedades) a colonos católicos, utilizar indígenas
para trabalho agrícola, montar engenhos, cobrar impostos e ainda exercer a justiça em seus domínios.
De todas as capitanias, apenas duas tornaram-se viáveis: a de São Vicente, no sul e a de Pernambuco,
no norte. Nesses locais, o cultivo de açúcar foi bastante lucrativo e permitiu a continuidade da colonização.
Diversos fatores contribuíram para o insucesso da maioria das capitanias hereditárias, entre os quais: a
distância em relação à metrópole; a grande extensão territorial; a resistência dos indígenas aos
conquistadores europeus; os ataques dos corsários franceses; o desinteresse dos donatários, pois muitos
não conseguiam arcar com as despesas para a colonização de suas capitanias e, por isso, nem chegaram
a tomar posse delas.
Os governos-gerais
Considerando os problemas das capitanias hereditárias, dom João III decidiu centralizar a
administração colonial criando o cargo de governador-geral. Essa medida contribuiu para a ocupação e a
exploração mais efetiva do território americano.
O sistema do governo-geral complementou o das capitanias hereditárias. O governo-geral, nomeado
pelo rei, deveria cuidar da colonização e da justiça, organizar as rendas, nomear funcionários para as
capitanias, incentivar a lavoura de cana, procurar metais preciosos, defender os colonos e explorar o pau-
brasil.
Seus auxiliares diretos eram o ouvidor-mor (justiça), o provedor-mor (finanças) e o capitão-mor (defesa
e vigilância do litoral). A primeira sede do governo-geral foi a capitania da Bahia de Todos-os-Santos,
transformada em capital real.
O primeiro governador-geral foi Tomé de Sousa, que em 1549 se instalou na Bahia de Todos-os-
Santos, onde organizou um núcleo urbano que seria a primeira cidade do Brasil e capital da colônia,
Salvador. Centenas de colonos vieram com ele para formar fazendas nas sesmarias doadas, com o
objetivo de cultivar a cana.
Duarte da Costa foi o próximo governador-geral. Em 1553, trouxe colonos e jesuítas, incluindo José de
Anchieta. Durante seu governo, os franceses tentaram estabelecer uma colônia na região do atual Rio de
Janeiro, iniciando uma guerra que durou mais de dez anos.
O grupo de franceses, que em 1555 ocupou a costa da região da atual cidade do Rio de Janeiro, tinha a
intenção de formar uma colônia, chamada França Antártica. Tentando ganhar o apoio dos nativos, os
franceses fizeram uma aliança com os Tamoio, que habitavam a área e eram inimigos dos portugueses,
pois estes os escravizavam. Assim, formou-se a Confederação dos Tamoio, que dificultou a expulsão dos
franceses.
Em março de 1560, com o apoio de uma armada vinda da metrópole, os portugueses tomaram a
principal fortificação francesa, mas não conseguiram expulsá-los. Nesse confronto, José de Anchieta e
Manuel de Nobrega tiveram atuação fundamental, levando os Tamoio a desfazerem seu acordo com os
franceses e a não lutarem contra as forças reais.
Em 1565, aproveitando-se das derrotas francesas, Estácio de Sá, sobrinho do governador Mem de Sá,
lançou as bases para a fundação da vila que viria a tornar-se a cidade de são Sebastião do Rio de Janeiro.
Seus objetivos eram estabelecer o domínio luso na região, expulsar os colonos da França Antártica,
pacificar os indígenas, explorar os bens da costa brasileira e combater as embarcações francesas que
ainda traficavam na América portuguesa. Em 1567, os portugueses conseguiram expulsar os franceses.
As Câmaras Municipais
As decisões sobre a vida cotidiana dos colonos cabiam às Câmaras Municipais, responsáveis pelo
governo das vilas e cidades. Algumas das atribuições das Câmaras eram: regulamentar as edificações das
cidades e a limpeza das ruas; fixar penas para os que faltassem às procissões; controlar pesos e medidas
dos produtos feitos pelos artesãos; determinar a prisão dos acusados de perturbar a ordem.
Somente os chamados homens-bons (proprietários de terras e de escravos, que eram portugueses ou
seus descendentes) podiam ser eleitos vereadores da Câmaras Municipais.
Jesuítas na América portuguesa
As missões ou reduções eram agrupamentos indígenas dirigidos por missionários jesuítas que
chegaram à América para converter os indígenas ao catolicismo. Nas missões, os nativos eram
catequisados e aprendiam os hábitos e costumes dos colonizadores. Essa prática desagradava aos
colonos, que eram impedidos pelos missionários de escravizar os nativos.
20
Missões jesuítas no território que hoje é o Rio Grande do Sul
A Coroa procurava administrar a rivalidade entre colonos e jesuítas. Se, por um lado, era importante
que os colonos utilizassem os nativos na produção, por outro, as missões jesuíticas eram necessárias para
garantir a ocupação do território e pacificar comunidades indígenas.
Somente a partir de 1570, quando Portugal passou a incentivar a importação de africanos escravizados, as
disputas entre colonos e jesuítas diminuíram.
Os indígenas cristianizados perdiam os elos com sua cultura original, mas também não eram aceitos
como indivíduos livres e iguais na sociedade colonial. Apesar disso, foram os jesuítas que preservaram
muitas tradições culturais indígenas, como a língua tupi.
A sociedade colonial
O grupo social de maior prestígio na sociedade açucareira era o dos senhores de engenho. Eram eles
os donos das terras, do maquinário e dos escravizados. Muitos senhores de engenhos descendiam dos
primeiros colonizadores portugueses e se consideravam a nobreza da terra. Os laços de sangue,
reforçados por casamentos entre pessoas dessa nobreza, ajudavam a preservar o prestígio e o poder
desse grupo social. A nobreza da terra expandia seu poder ocupando cargos importantes nas Câmaras
Municipais das vilas e das cidades coloniais.
Nas proximidades dos grandes engenhos viviam também homens livres, conhecidos como “lavradores
de cana”, assim chamados porque possuíam terras onde cultivavam cana-de-açúcar, mas dependiam do
senhor para moê-la. Em troca, pagavam com uma parte do açúcar obtido.
As maiores fortunas no Brasil colonial estavam nas mãos dos comerciantes de escravos, de produtos
europeus e indianos e de produtos locais. Muitos comerciantes usavam o dinheiro conseguido pelo
comércio para se tornarem senhores de engenho. Houve também comerciantes que se casaram com filhas
dos senhores e, com isso, conseguiram chegar ao topo da hierarquia social.
Muitos engenhos empregavam assalariados. Entre os trabalhadores dos grandes engenhos, havia
também artesãos (carpinteiros, pedreiros, ferreiros etc.) que recebiam por dia ou por tarefa.
Grande parte da população colonial era formada por africanos escravizados e seus descendentes. Do
trabalho deles dependia o funcionamento da economia colonial.
Os que trabalhavam carpindo, plantando, colhendo e pescando eram chamados escravos de campo e
constituíam 80% dos escravizados dos maiores engenhos. Os que trabalhavam na fabricação de açúcar
formavam 10% do total. Os domésticos (cozinheira, faxineira, arrumadeira etc.), juntos compunham os
outros 10%.
O local de moradia dos escravizados chamava-se senzala, uma palavra de origem banta que quer dizer
“povoado” ou “comunidade”. Portanto, provavelmente, foram os próprios africanos que deram esse nome
às suas moradias. As senzalas eram habitações feitas geralmente de pau a pique e cobertas de sapé.
21
Estudos recentes sobre registros de batismo, casamento e morte de escravos vêm mostrando que as
famílias escravas tinham práticas, visões e valores próprios. E mais: reagiam à imposição de seus
senhores, tomavam iniciativas e buscavam viver do seu jeito.
Alimentação e violência
Nas grandes fazendas a maioria dos escravizados recebia uma cuia de feijão e uma porção de farinha
de mandioca ou de milho. Vez por outra, recebia também rapadura e charque (que, conforme a região,
tinha o nome de carne-seca, carne-do-sul, carne-do-ceará etc.). De modo geral, a alimentação dos
escravizados era insuficiente e pobre em proteínas, o que acarretava sérios problemas de saúde e
envelhecimento precoce.
Os escravizados recebiam castigos por qualquer pequena falta. Entre os instrumentos de castigo
estavam a palmatória, a gargalheira e a máscara de flandres, feita de zinco ou folha de flandres, era um
instrumento que permitia à vítima enxergar e respirar, mas a impedia de se alimentar.
Resistência
O excesso de trabalho, a disciplina rigorosa, os castigos, o fato de o senhor não cumprir com a palavra
quando um escravizado conseguia juntar dinheiro para comprar sua carta de alforria, tudo isso provocou
diferentes formas de resistência entre escravizados. Eles resistiam praticando religiões de origem africana;
jogando capoeira; promovendo festejos, como o congado, o reisado, o jongo; e fundando irmandades.
Capoeira Candomblé
As irmandades eram associações organizadas por leigos e que tinham sede em igrejas católicas. Para
que uma irmandade funcionasse era necessário que tivesse seus estatutos aprovados por uma autoridade
da Igreja Católica. As irmandades promoviam: o culto aos seus santos padroeiros; a cooperação entre
seus membros para construir, reformar ou ornamentar uma igreja; assistência mútua entre seus
integrantes. A assistência era de ordem material (protegendo suas famílias da pobreza) e espiritual,
garantindo aos integrantes apoio na hora da morte (missa de corpo presente, sepultamento digno e
orações em sua intenção).
Outras formas de resistência
Os africanos e seus descendentes resistiram também desobedecendo, fazendo corpo mole no trabalho,
quebrando ferramentas, incendiando plantações, suicidando-se, agredindo feitores e senhores,
negociando melhores condições de vida e trabalho, fugindo sozinhos ou com companheiros e formando
quilombos.
No Brasil de hoje existem povoações habitadas pelos descendentes dos antigos quilombolas.
Espalhados por todo o território nacional, essas comunidades são chamadas de remanescentes de
quilombos. São mais de 80 mil pessoas vivendo de um jeito parecido com o de seus antepassados. Em
algumas dessas comunidades, a língua falada conserva termos africanos.
22
A Constituição brasileira de 1988 reconheceu a propriedade definitiva das terras ocupadas por
comunidades quilombolas. Mas conseguir documentar a posse da terra não tem sido tarefa fácil. Além da
demora do processo, há o fato de que muitas dessas terras são cobiçadas por fazendeiros e, por vezes,
estão localizadas em áreas de mananciais e de reservas de extração vegetal e mineral.
Muitos habitantes das atuais comunidades quilombolas vêm travando uma luta árdua para reunir provas
de que são descendentes de escravizados e de que as terras em que vivem lhes pertencem.
Referências:
BOULOS, Alfredo. História: Sociedade e Cidadania. São Paulo: FTD, 2018.
VICENTINO, C; VICENTINO, J. B. Teláris. São Paulo: Ática, 2010.
APOLINÁRIO, M. R. Projeto Araribá. São Paulo: Moderna, 2010.
Questões
1) O que eram as capitanias hereditárias? Olhando o mapa das capitanias, escreva o nome de três delas.
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
2) Quais fatores contribuíram para o insucesso das capitanias hereditárias?
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
3) Considerando os problemas das capitanias hereditárias, dom João III decidiu centralizar a administração
colonial, criando o cargo de governador-geral. Do que deveria cuidar o governador-geral?
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
23
4) Durante o governo-geral, quais eram as atribuições das Câmaras Municipais?
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
5) O que eram as missões jesuíticas? Escreva o nome de três missões jesuítas no território que hoje é o
Rio Grande do Sul.
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
6) Quais eram os meios utilizados pelos comerciantes para chegar ao topo da hierarquia social?
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
7) O que os estudos recentes têm revelado sobre as famílias escravas do período colonial?
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
8) Quais eram os instrumentos de castigo usados para punir os escravos?
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
9) Em dois trechos do texto são indicadas as formas de resistência dos escravos africanos. Quais eram
essas formas de resistência? Olhando o mapa dos quilombos principais, escreva o nome e a data dos
principais quilombos que existiram no estado da Bahia.
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
10) O que eram as irmandades? O que elas promoviam?
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
24
PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU
Secretaria Municipal da Educação
EMEF "IVAN ENGLER DE ALMEIDA"
7º ANO B PERÍODO LETIVO
3° BIMESTRE – BLOCO 1 – 26/07 A 20/08/2021
NOME DO ALUNO:_____________________________________________ TURMA: ____________
GEOGRAFIA
1ª Quinzena
Objetivo: Vamos agora estudar a Região Sudeste, região em que vivemos. Vamos conhecer alguns
aspectos dessa região relacionados ao meio físico, população e características econômicas. Leia
atentamente o texto e depois responda as questões recorrendo às informações nele apresentadas.
REGIÃO SUDESTE: CARACTERÍSTICAS NATURAIS E SOCIAIS*
A região Sudeste é composta de quatro estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito
Santo. Essa região faz fronteira com os estados da Bahia, Goiás, Mato Grosso do Sul e Paraná. É a região
mais populosa e povoada do Brasil. Nela vivem cerca de 85 milhões de pessoas. Vamos conhecer melhor
essa região.
1) Região Sudeste: aspectos físicos
Relevo
Na porção leste, o que marca o relevo é o planalto com domínio de serras, conhecido como Mares de
Morros. Essa feição foi formada, ao longo do tempo geológico, por erosão causada principalmente pela
ação das chuvas. Esse planalto caracteriza o Sudeste como a região com o maior conjunto de terras altas
do país. Na extensão de Mares de Morros destacam-se a Serra do Mar, a Serra do Espinhaço e a Serra da
Mantiqueira. Esses planaltos e serras ocupam praticamente todo o leste do Estado de São Paulo, a maior
parte dos estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo e o centro-leste de Minas Gerais. Na porção oeste da
Região Sudeste, mais precisamente no oeste dos estados de São Paulo e Minas Gerais, predominam
terras mais baixas do que as da porção leste. Há predomínio principalmente no oeste paulista, do latossolo
(terra roxa), de origem vulcânica, muito fértil para a agricultura.
Hidrografia
As bacias hidrográficas da Região Sudeste são quatro: Bacia do Rio Paraná, Bacia do Rio São Francisco,
Bacia do Atlântico Leste e Bacia do Atlântico Sudeste. Como a maioria está localizada em relevo
planáltico, seus rios são encachoeirados e propícios à geração de energia. O potencial hidrelétrico é um
quesito muito importante na região mais populosa, industrializada e de comércio mais intenso do país, pois
é a maior consumidora de energia. Outra utilidade econômica das bacias da Região Sudeste, sobretudo a
do Paraná, é a navegação. Com a construção de eclusas, muitos trechos de difícil navegação nessa bacia
planáltica foram corrigidos e alguns rios da região tornaram-se importantes hidrovias. Um dos principais
problemas nos rios da região é a poluição, resultante de variadas atividades humanas, como o lançamento
de esgotos urbanos, uso de agrotóxicos na agricultura e liberação de produtos químicos provenientes da
mineração.
Clima
No norte e no oeste do Estado de Minas Gerais e no noroeste do Estado de São Paulo predomina o clima
tropical, sempre quente, com uma estação chuvosa e outra seca. No sudoeste do Estado de São Paulo, o
25
clima é subtropical, com temperaturas mais baixas no inverno. Na estreita faixa litorânea da região – litoral
norte de São Paulo e todo o litoral do Rio de Janeiro e do Espírito Santo – predomina o clima tropical
atlântico, com temperaturas elevadas durante o ano e alta pluviosidade. As chuvas da região são
consequência da proximidade do oceano e das formas do relevo. A alta pluviosidade dessa s áreas pode
ocasionar desmoronamento ou deslizamento de encostas.
Vegetação
Na Região Sudeste, a vegetação nativa principal é a Mata Atlântica, que se beneficia da umidade das
áreas serranas, próximas ao oceano. As áreas dominadas por essa formação vegetal sofreram muita
devastação ao longo da história. Entre os principais motivos para a preservação do que resta dessa
formação vegetal estão a regulação dos mananciais e o controle e equilíbrio climático que ela proporciona.
A mata também é importante para a proteção das encostas e, devido a sua exuberância, há excelente
potencial de ecoturismo a ser explorado. A destruição da Mata Atlântica expõe o solo das regiões serranas
e encostas de morros, tornando-o mais suscetível à erosão. A construção de moradias nessas áreas
sujeitas a deslizamentos de terra coloca em risco a vida dos habitantes. Outra formação vegetal que se
destaca é a do Cerrado. Ela ocupa grandes espaços do oeste e do norte de Minas Gerais e pequenas
áreas do norte do estado de São Paulo. Caracteriza-se por campos de vegetação rasteira e árvores
esparsas, plantas adaptadas ao calor e aos períodos de pouca chuva no inverno.
2) Região Sudeste: População
Nos quatro estados da Região Sudeste estão concentrados mais de 80 milhões de habitantes, segundo o
Censo de 2010 do IBGE, configurando-se na região mais populosa do país é também a região mais
densamente povoada, com cerca de 85 hab./Km². As maiores concentrações populacionais estão no Vale
do Paraíba e nas regiões metropolitanas de São Paulo, do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte. Segundo
dados do Censo de 2010, a população dessa região é uma das que têm maior expectativa de vida. Os
estados do Espírito Santo e de São Paulo estão entre os cinco primeiros com probabilidade de morte mais
tardia no país. As elevadas taxas de industrialização, a urbanização, a intensa atividade econômica e o
desenvolvimento dos serviços de saúde e educação são alguns dos fatores que fazem da população da
Região Sudeste ter bons indicadores sociais, em comparação com outras regiões do país. De acordo com
dados do IBGE (2010), a Região Sudeste tem, junto com a Região Sul, as menores taxas de mortalidade
infantil (13,1 pessoas a cada 1000 nascidas) e também as menores taxas de analfabetismo do país (1,5%
do total de pessoas entre 15 e 24 anos de idade). Além de abrigar as duas únicas metrópoles globais do
país – São Paulo e Rio de Janeiro –, a Região Sudeste comporta as três maiores regiões metropolitanas:
São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. De acordo com o Censo 2010, essas regiões somavam
aproximadamente 37 milhões de pessoas. Uma das características das regiões metropolitanas é o
processo de conurbação: a proximidade da cidade com seus limites territoriais acaba ligando-a a outras
cidades. Por isso, é comum haver cidades interligadas espacialmente na Grande São Paulo, Grande Rio
de janeiro e Grande Belo Horizonte, por exemplo. Embora esses aglomerados humanos ofereçam
vantagens, como concentração e densidade de pessoas, bens e atividades que favorecem as interações
sociais, também apresentam problemas, como inundações, poluição do ar, carência de moradia e
dificuldade de manter um sistema de saneamento básico com qualidade, principalmente coleta e
tratamento de lixo e esgoto.
3) Região Sudeste: produção econômica
Indústria
Com o passar dos anos, a industrialização do Sudeste foi se desenvolvendo, recebeu investimentos e
diversificou seus setores de atuação. Passou a concentrar vários ramos de negócio e setores industriais,
com: usinas siderúrgicas; indústrias químicas, têxteis, alimentícias, farmacêuticas e automobilísticas;
empresas de telecomunicação e de informática; instituições financeiras; refinarias de petróleo; usinas de
açúcar e álcool, entre outros. Essa estrutura econômica transformou o Sudeste na região de maior
influência econômica e política do país. O desenvolvimento econômico da região também foi muito
favorecido pela disponibilidade de recursos naturais. Os principais recursos são o minério de ferro, retirado
principalmente do Quadrilátero Ferrífero de
Minas Gerais, e o petróleo, extraído, entre outras, da Bacia de Campos, no litoral do Espírito Santo e do
Rio de Janeiro, e da Bacia de Santos, que vai do Rio de Janeiro, abrange o mar territorial de São Paulo e
26
do Paraná e segue até Santa Catarina. Essas são, atualmente, as principais bacias petrolíferas do país.
Além desses recursos, há boa oferta de energia elétrica em razão do potencial hidrelétrico da região, que é
banhada por rios encachoeirados, como os da Bacia do Rio Paraná, por exemplo. Outro importante fator
que contribui para o desenvolvimento da atividade industrial é o sistema de transportes. O Sudeste tem a
maior rede rodoviária do país, com estradas que interligam áreas da própria região, e está às demais
regiões, além de portos importantes, como o de Santos, o maior do país; o de Tubarão, no Espírito Santo;
e o Porto do Rio de Janeiro.
Agropecuária
Desde o período áureo do café, ciclo importante da economia brasileira, o Sudeste destaca-se pela
produção agrícola. A região caracteriza-se pela policultura, com práticas que abrangem desde a agricultura
familiar, para abastecer o mercado nacional, até a agricultura de exportação. O potencial agrícola da
região foi naturalmente favorecido pelo solo fértil, popularmente conhecido como terra rocha, nos planaltos
e chapadas da Bacia do Paraná. Com a maior população absoluta do país, a demanda por alimentos
tornou as atividades desse setor fundamentais. A pecuária também se desenvolveu muito, a região tem
hoje o segundo maior rebanho bovino do país, atrás apenas da Região Centro-Oeste. Predominam a
pecuária de corte (produção de carne) de bovinos e suínos e a criação de aves.
Serviços e comércio
O Sudeste é a região que tem a maior taxa de urbanização do Brasil, além de ser muito industrializada.
Assim, o setor terciário – de serviços e comércio – também se tornou o mais desenvolvido do país. A
intensificação desse setor deve-se ainda à atividade turística, pois há no Sudeste inúmeros atrativos, muito
visados por brasileiros e estrangeiros. Destacam-se os estados do Rio de Janeiro e do Espírito Santo,
pelas belas praias; a cidade de São Paulo e seu atraente polo cultural e financeiro; Minas Gerais, pela
beleza de suas cidades históricas, como Ouro Preto, Tiradentes, Diamantina, entre outras.
*Fonte: SILVA, A; ROSS, J. Tempo de Geografia. São Paulo: Brasil, 2018.
Questões
1) O que predomina no relevo da porção leste e oeste da Região Sudeste?
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
2) Para quais atividades econômicas são utilizados os rios da Região Sudeste?
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
3) Qual é o principal problema dos rios da Região Sudeste?
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
4) Quais são os climas que aparecem na Região Sudeste?
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
5) Quais são as formações vegetais que se destacam na Região Sudeste?
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
27
6) Quais são os motivos para a preservação do que resta da Mata Atlântica?
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
7) A Região Sudeste, pode ser considerada a mais populosa e povoada do Brasil? Explique.
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
8) Quais fatores contribuem para que a população da Região Sudeste tenha bons indicadores sociais em
comparação com as outras regiões do país?
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
9) Cite três fatores que contribuem para o desenvolvimento econômico (industrial) da Região Sudeste.
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
10) Quais fatores contribuem para o grande potencial agrícola da Região Sudeste?
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
2ª quinzena
Objetivo: Vamos agora estudar a Região Sul e a Região Centro-Oeste do Brasil. Abordaremos os
aspectos físicos, populacionais e econômicos dessas duas regiões. Leia atentamente o texto e depois
responda as questões recorrendo às informações nele apresentadas
REGIÃO SUL: CARACTERÍSTICAS NATURAIS E SOCIAIS*
A Região Sul é composta por três estados: Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Entre as cinco
regiões que, segundo o IBGE, compõem o Brasil, ela é a de menor extensão territorial e corresponde a,
aproximadamente, 7% do território nacional. Nessa região vivem cerca de 29 milhões de habitantes.
Aspectos físicos
A maior parte do relevo da Região Sul é composta de planaltos. Os Planaltos e Chapadas da Bacia do
Paraná se estendem também pela Região Sudeste e representam mais da metade do território do sul do
país. Quanto à hidrografia, quatro bacias banham a Região Sul: Bacia do Rio Paraná, Bacia do Rio
Uruguai, Bacia do Atlântico Sudeste e Bacia do Atlântico Sul. As bacias do Paraná e do Uruguai escoam
pelo relevo planáltico e pelas chapadas da região, com inclinação que dá fluxo intenso aos rios, o que
favorece a produção de energia hidrelétrica. O clima dominante na Região Sul é o subtropical, um dos
tipos climáticos da zona temperada sul do planeta. Por estar nessa zona climática, em latitudes mais
elevadas, a região tem as médias de temperatura mais baixas do país. Com grande amplitude térmica e
chuvas regulares durante o ano, as quatro estações são bem definidas, com verões quentes e invernos
frios. No inverno, atua a massa polar atlântica (mPa), que causa na região as mais baixas temperaturas
nessa estação do ano. Muitas vezes ocorre neve nas cidades serranas de Santa Catarina.
Destaca-se na Região Sul a mata de araucária, também conhecida como mata dos pinhais, que ocupa
áreas dos três estados. Essa vegetação está adaptada às temperaturas mais baixas e aos lugares de
relevo de grande altitude. É de grande porte, aciculifoliada (tem folhas finas e alongadas), aberta e
homogênea, com predominância de pinheiros.
A região apresenta ainda a vegetação de campos, no centro-sul do estado do Rio Grande do Sul, também
conhecida como pampas gaúchos ou campanha gaúcha. É uma vegetação herbácea (gramíneas),
associada a temperaturas mais baixas e solos relativamente pobres.
28
População
A Região Sul concentra aproximadamente 27,3 milhões de habitantes (Censo do IBGE de 2010) e é a
terceira mais populosa do país em números absolutos. Com aproximadamente 48,6 habitantes por
quilômetro quadrado, ela é, proporcionalmente, a segunda região mais povoada do país, atrás do Sudeste.
Aproximadamente 85% da população dessa região vive no ambiente urbano. Esse predomínio é
consequência do êxodo rural, em razão do desenvolvimento industrial, da mecanização da lavoura e,
sobretudo, da tendência da população de buscar acessibilidade, bens, atividades e espaços públicos de
qualidade, recursos concentrados nas áreas urbanas.
Segundo dados do Censo 2010, a população da região Sul é a que tem a melhor expectativa de vida. A
Região Sul é a que tem os melhores indicadores sociais no cenário nacional: menores taxas de
mortalidade infantil e analfabetismo, melhores indicadores de saúde e alto Índice de Desenvolvimento
Humano (IDH).
Produção econômica
Atualmente, tanto a agricultura como a pecuária da Região Sul são feitas com o auxílio de tecnologia
moderna, e a produção geralmente é destinada à exportação e ao abastecimento das agroindústrias da
região. A Região Sul destaca-se na economia brasileira por ser a segunda maior produtora de grãos; é
responsável por quase 40% de toda a produção do país, principalmente no cultivo de soja, milho e trigo. A
pecuária é uma atividade antiga da região. Atualmente a criação ocorre tanto no sistema extensivo, para
corte, como no sistema intensivo, para leite. Nesse último caso, é praticada em propriedades mais
próximas dos grandes centros urbanos.
É na região Sul, especialmente em Santa Catarina e no Paraná, que está a maior criação de suínos e aves
do país, que abastece as indústrias de carne e embutidos. A pesca mais desenvolvida do país ocorre no
estado de santa Catarina e é geradora de muitos empregos diretos e indiretos. O carvão mineral é o
principal produto do extrativismo mineral, retirado do vale do Tubarão, região de Criciúma, em Santa
Catarina.
A industrialização da Região Sul foi consequência do desenvolvimento da agropecuária, o que levou os
setores industriais alimentício e têxtil a serem os primeiros a se desenvolver. Com o passar do tempo,
outros setores foram se instalando na região, favorecidos pelo grande mercado consumidor e pela
disponibilidade de matéria-prima e energia.
*Fonte: SILVA, A; ROSS, J. Tempo de Geografia. São Paulo: Brasil,
Questões
1) Por quais estados é composta a Região Sul do Brasil? Comparando com as outras regiões o que
podemos dizer sobre sua extensão territorial?
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
2) Qual é o relevo, o clima e a vegetação que predominam na Região Sul?
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
3) Quanto ao número de habitantes e o número de habitantes por quilômetro quadrado, o que
podemos dizer sobre a Região Sul?
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
29
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
4) Hoje, 85% da população da Região Sul, vive no ambiente urbano. Por que isso acontece?
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
5) Atualmente, o que podemos dizer sobre a agricultura e a pecuária da Região Sul?
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
30
PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU
Secretaria Municipal da Educação
EMEF "IVAN ENGLER DE ALMEIDA"
7º ANO B PERÍODO LETIVO
3° BIMESTRE – BLOCO 1 – 26/07 A 20/08/2021
NOME DO ALUNO:_____________________________________________ TURMA: ____________
CIÊNCIAS
Olá, como você está? Espero que bem! Estamos iniciando nosso 3º bimestre.
Nesta postagem vamos estudar alguns conceitos básicos em saúde e indicadores de saúde. E também: o
sistema imunológico: soros e vacinas, histórico das vacinas, caderneta de vacinação e mecanismos de
defesa naturais. Assuntos muito importantes para esse momento em que vivenciamos uma crise de saúde
histórica
A aula está dividida em duas partes. Leia atentamente os textos para responder as questões, anotando as
dúvidas no caderno ou, se for possível, mande as dúvidas e comentários no grupo do whatsapp.
PARTE 1:
Como você está? Tem se sentido bem? Está com saúde?
Aparentemente, esta é uma pergunta simples, mas ao refletir um pouco podemos perceber certa
dificuldade em se definir o que é a saúde. Em muitos momentos, na visão médica e popular, predomina-se
uma ideia de que a saúde significa não ter doença. Este entendimento carrega uma visão negativa de
saúde. Além disso, nem sempre a ausência de sinais e sintomas indicam uma condição saudável.
Este é o símbolo da OMS. A Organização Mundial da Saúde (OMS) fundada
em 7 de abril de 1948, após a Segunda Guerra Mundial, com o objetivo de
garantir a todas as pessoas o mais elevado nível de saúde, e definiu-se
saúde como"um estado de completo bem-estar físico, mental e social e
não apenas a ausência de doença ou enfermidade".
Essa agência especializada das Nações Unidas surgiu com a proposta de
cuidar de questões relacionadas com a saúde global.
https://www.drmaurogomes.com.br/historia/asclepio-hermes-e-a-serpente-11/#gsc.tab=0
No dicionário o conceito SAÚDE significa: substantivo feminino, Estado do organismo que está em
equilíbrio com o ambiente, mantendo as condições necessárias para dar continuidade à vida. Estado
habitual de equilíbrio mental, físico e psicológico. Condição de são, de quem está saudável: boa saúde.
Mas isso é atingível? Ou seja, é possível estarmos inteiramente física, menta e social bem? É o que muitas
pessoas estão questionando. O que vocês acham?
Olhando estas figuras o que vocês lembram?
31
O que vem à mente é uma vida saudável, não é? Com alimentação saudável, lazer, vacinação, etc.
A saúde, portanto, está diretamente relacionada à qualidade de vida das pessoas. Sem qualidade de vida não
há saúde e vice-versa. Além de tomar vacinas, ter acompanhamento médico, alimentar-se de forma
equilibrada e procurar fazer uma atividade física, para termos saúde precisamos criar situações em nossa
vida para o lazer, a cultura e o convívio afetivo com familiares e amigos. Concordam?
O conceito de saúde
Essa ideia de “completo bem-estar” pode parecer que a saúde é um estado inalcançável e utópico, mas é
um esforço para entendê-la de uma forma positiva. Este conceito também mostra que a saúde é um
sistema complexo, pois além da condição de bem-estar do corpo e mente do indivíduo, também leva em
conta o contexto social que este indivíduo está inserido. Neste sentido, a saúde possui várias dimensões:
biológica, psicológica, econômica, social, cultural, individual, coletiva, etc. Ou seja, nós não somos os
únicos responsáveis pela nossa saúde; fatores sociais, ambientais, econômicos, culturais, influem
fortemente no nosso processo de saúde-doença.
Podemos considerar que uma pessoa que carece de alimento vai reagir a uma doença da mesma forma
que alguém que se alimenta adequadamente? Com certeza não.
O adoecimento é inevitável ao longo da vida. Porém, retornar ao estado de saúde implica na capacidade
de reagir a uma patologia.
PATOLOGIA: doença, distúrbio, disfunção, afecção, mal, problema, mazela, enfermidade, moléstia
Há muita desigualdade nas condições em que as pessoas vivem ou trabalham. Diante disso, diversos e
complexos problemas podem ser determinantes ou condicionantes de variadas doenças e agravos. Em
outras palavras, muitas condições tornam um indivíduo mais exposto/vulnerável ou diminui sua capacidade
para reagir e se recuperar caso adoeça, como as condições listadas a seguir:
 insegurança alimentar (falta de acesso ao alimento, alimento não saudável ou contaminado),
 ausência de saneamento básico no bairro/cidade (água tratada, coleta e tratamento do esgoto,
coleta de lixo, drenagem de água da chuva),
 condições precárias de moradia,
 falta de serviços de saúde de qualidade,
 falta de acesso à educação,
 condições precárias de trabalho ou falta de emprego,
 exposição a altos índices de poluição do ar, da água ou do solo,
 indisponibilidade de áreas de lazer e de acesso à cultura,
 comorbidades, entre outros fatores.
32
COMORBIDADE: co + morbidade. Co tem o sentido de junção, união. Morbidade pode ser entendido
como doença, enfermidade. Logo, comorbidade é a associação de duas ou de várias doenças, que um
paciente apresenta ao mesmo tempo.
Saúde como Direito
A Constituição Brasileira, de 1988, afirma no Artigo 196 que
“a saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais
e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal
e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”.
A elaboração da Constituição Brasileira foi um momento histórico para o país que, após a Ditadura Militar,
estava em processo de redemocratização. Houve participação de vários setores da sociedade brasileira,
como movimentos sociais, gestores públicos e técnicos. Após ampla discussão, foi então criado em 1988
o Sistema Único de Saúde (SUS), que garante à todas as pessoas, sem exceção, o acesso aos serviços
de saúde, dando assim seu caráter universal. Ainda precisa de recursos e melhoria, mas foi criado com o
objetivo de oferecer acesso integral, universal e gratuito, sendo de extrema importância para os brasileiros,
pois é um sistema de saúde que beneficia milhões de pessoas.
Saúde Pública
Quando falamos em saúde pública estamos nos referindo às ações e serviços que visam proteger e
melhorar a saúde da população.
Para se avaliar as condições de saúde de uma população, ou parte dela, e contribuir com os órgãos
governamentais ou outros setores da sociedade na tomada de decisões, utiliza-se os indicadores de
saúde. INDICADORES DE SAÚDE: são critérios utilizados para avaliar aspectos da saúde de populações
humanas e fornecer informações para planejamentos públicos.
“O indicador de saúde tem a capacidade de mensurar (medir) umacaracterística de saúde em uma
determinada população.”
Levando-se em conta as múltiplas dimensões da saúde preconizada pela OMS, os indicadores reúnem
informações sanitárias, econômicas e sociais, e são gerados a partir de dados obtidos de algumas formas:
nas entrevistas em residências (como o censo do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) ou
diretamente nos hospitais e maternidades (informações sobre novos casos de doenças ou índices de
nascimentos e óbitos).
Principais indicadores de saúde
EXPECTATIVA DE VIDA: É uma estimativa do número de anos que uma pessoa viverá, baseando-se na
longevidade média de determinada população.
TAXAS DE MORTALIDADE: São divididos em várias categorias. A taxa de mortalidade infantil é a mais
utilizada, e indica o número de crianças que morrem antes de completar um ano de idade. É calculada a
cada mil crianças que nascem vivas no período de um ano; sendo um indicador social de extrema
relevância para a análise do desenvolvimento social e econômico de um país. Segundo o Fundo das
Nações Unidas para a Infância (Unicef), reduzir a mortalidade infantil é uma das principais metas das
políticas para a infância de todos os países.
Entre as principais causas de morte infantil estão a desnutrição, falta de saneamento básico e não acesso
a serviços de saúde.
ESCOLARIDADE: Refere-se à porcentagem de crianças na escola, ao número médio de anos que elas
permanecem estudando, além da qualidade do ensino.
33
ANALFABETISMO: É a porcentagem de pessoas que não sabem ler e escrever. Este indicador é muito
importante pois evidencia a desigualdade na população. As pessoas consideradas analfabetas costumam
enfrentar outros problemas sociais graves, como a fome e o desemprego.
SANEAMENTO BÁSICO: O saneamento básico inclui o abastecimento das casa com água tratada, a
coleta e tratamento do esgoto, destinação adequada do lixo, entre outros. Esse indicador avalia a
cobertura de cada uma dessas medidas na região ou país. A falta de saneamento básico está diretamente
relacionado a diversas doenças que são transmitidas pela água contaminada e pelo lixo. Este indicador
evidencia também a desigualdade nas regiões do país.
O saneamento básico é uma forma de garantir a saúde da população e do meio ambiente. Quando
falamos em saneamento básico, logo imaginamos o abastecimento de água e o esgotamento sanitário.
Entretanto, o saneamento básico inclui uma série de outros serviços fundamentais para a qualidade de
vida de uma população.
De acordo com a Lei 11.445/07, podemos definir como saneamento básico o conjunto de serviços,
infraestruturas e instalações operacionais de abastecimento de água potável, esgotamento sanitário,
limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos e drenagem e manejo das águas pluviais.
É importante destacar que todas as cidades devem garantir a universalização do acesso ao saneamento
básico, ou seja, devem levar esses serviços a todas as residências. Entretanto, ainda muitas localidades
no país não têm acesso a esses serviços tão importantes, sendo fundamentais investimentos nessa área.
ACESSO À SERVIÇOS DE SAÚDE: Pode ser avaliado, por exemplo, por meio do número e da
distribuição de profissionais de saúde, pelo número de leitos nos hospitais e pelos investimentos na saúde.
ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH): O IDH de uma população é definido a partir da
associação de vários indicadores: expectativa de vida, escolaridade, acesso à saúde e renda per capita,
por exemplo. A renda per capita (por cabeça) é uma divisão do PIB (Produto Interno Bruto) pelo número de
habitantes. PIB é a renda total produzida no país (ou em determinada região). Portanto, a renda per capita
não representa a renda real de cada indivíduo, é uma média da renda da população.
Agora em relação a doenças que atacam uma população, e suas denominações:
INCIDÊNCIA DE DOENÇAS INFECCIOSAS: As doenças que podem cometer ás populações causando
inúmeros danos e podendo levar a óbitos (morte) são dentre outras: Parasitoses, viroses, Bacterioses,
protozooses, verminoses, e outras.
Vamos a alguns exemplos:
Viroses: Gripes, como o Corona vírus que está causando esta pandemia que estamos vivenciando,
dengue, hepatite, Chicungunha ou chikungunya, Zika, febre amarela, e outras.
Bacterioses: Tuberculose, tétano, lepstospirose, febre tifóide,e outras.
Protozooses: Amebíase, Giardíase, e outras.
Verminoses: Teníase, cisticercose, ancilostomose, ascaridíase e outras.
Todas doenças evitadas por medidas preventivas de saúde pública.
EPIDEMIA: É o aumento brusco, significativo e temporário da ocorrência de determinada doença na
população de diversas regiões.
SURTO: Quando há um aumento repentino do número de casos de uma doença em região específica, por
exemplo, num bairro de uma cidade. Para ser considerado um surto, o aumento de casos deve ser maior
do que o esperado pelas autoridades.
ENDEMIA: Quando uma doença ou um agente infeccioso tem ocorrência relativamente comum e
constante em determinada região, ela é classificada como endemia. Por exemplo, a Malária no Brasil, na
região da Amazônia.
34
PANDEMIA: Quando ocorre uma epidemia que se espalha por diversas regiões do planeta, como estamos
vivenciando agora, como já falei do Covid- 19, um vírus que começou em uma província da China e se
espalhou pelo planeta. Vamos aproveitar então e falar do vírus!!
Desigualdade social e econômica em tempos de Covid-19 (Doença Causada pelo Novo Coronavírus)
(Trechos do texto disponível em: https://portal.fiocruz.br/noticia/desigualdade-social-e-economica-em-
tempos-de-covid-19)
“(...) Uso de álcool gel e máscaras, higienização das mãos e mesmo a recomendação para não
sair de casa são medidas que esbarram em realidades brasileiras, ou na ausência de direitos básicos,
como saúde, emprego e moradia.
Indígenas, quilombolas, ribeirinhos, pessoas em situação de rua, refugiados, ciganos, moradores
de favela e periferia, aqueles que vivem com HIV/Aids, trabalhadores informais e outros grupos têm algo
em comum: por estarem à margem da sociedade, precisam lidar com as desigualdades no acesso aos
direitos, o que os torna ainda mais vulneráveis diante da pandemia de Covid-19. Contudo, o que define
essas condições de vulnerabilidade? Para Marcelo Pedra, psicólogo sanitarista e pesquisador do Núcleo
de Pesquisa com Populações em Situação de Rua da Fiocruz Brasília, são fatores culturais,
socioeconômicos e demográficos.
É preciso mais do que oferecer serviços de saúde para essas pessoas durante a pandemia. É
preciso haver ações integradas com as áreas de moradia e assistência social. Quem não tem acesso a
condições dignas de moradia e vida e aos mínimos direitos fundamentais ou está sem trabalho e renda
nunca esteve tão vulnerável.
Garantir proteção social para as populações em situação de vulnerabilidade, no contexto da
pandemia, é também uma forma de promover saúde. (...)”
PARTE 2:
Nos dias atuais se fala muito em uma vacina para o Corona Vírus. Todos nós estamos ansiosos para que
possamos retomar nossa rotina normal.
Mas, como funciona nosso sistema imunológico? O que é vacina?
SISTEMA IMUNOLÓGICO OU IMUNE é formado por diferentes células, tecidos, órgãos e moléculas.
Nesse sistema temos estruturas individualizadas, como o baço e os linfonodos, e células livres, como os
leucócitos.
Ele garante o reconhecimento de células, substâncias estranhas, patógenos e a destruição ou
neutralização dos invasores, graças a uma resposta coordenada de seus componentes. Essa resposta é
fundamental para garantir que o corpo desenvolva ou não uma doença ou mesmo a duração dela,
afetando negativamente nossa saúde.
O sistema imune é capaz de diferenciar as células do próprio corpo daquelas invasoras, o que garante
grande eficiência na defesa do organismo. Entretanto, em algumas situações, ele pode reagir contra nosso
próprio corpo, desencadeando doenças autoimunes.
Quando falamos em células que participam do sistema imunológico, devemos dar destaque aos
LEUCÓCITOS, responsáveis pelas principais ações de defesa do organismo. Também chamados de
glóbulos brancos, são produzidos na medula óssea e migram para as várias partes do corpo pelos vasos
sanguíneos. Quando a medula óssea produz poucos leucócitos, temos uma situação conhecida como
leucopenia, que deixa o organismo mais suscetível a infecções.
Os leucócitos podem ser divididos em dois grandes grupos:
- GRANULÓCITOS (neutrófilos, eosinófilos e basófilos) recebem essa denominação, pois, quando
submetidos a determinados corantes, apresentam grânulos que se coram de maneira específica,
diferentemente dos agranulócitos.
- AGRANULÓCITOS incluem os linfócitos e os monócitos.
NEUTRÓFILOS são do grupo de células responsáveis pela FAGOCITOSE de partículas estranhas. Eles
se destacam por serem as células mais numerosas entre os leucócitos.
35
EOSINÓFILOS, por sua vez, têm papel importante em infecções parasitárias e processos alérgicos. Já os
BASÓFILOS também atuam em processos alérgicos e liberam heparina no sangue, uma substância
anticoagulante.
MONÓCITOS também realizam fagocitose, sendo chamados de macrófagos quando invadem as regiões
infectadas.
LINFÓCITOS células responsáveis pela produção de anticorpos.
Os ANTICORPOS, diferentemente do que muitos
pensam, não são responsáveis pela morte de um
organismo causador de doença. Na realidade, eles
se ligam aos antígenos, desencadeando diferentes
processos.
Um deles é a neutralização, em que o anticorpo
liga-se ao antígeno, impedindo que este seja capaz
de destruir ou infectar células.
Outro processo que pode ocorrer é o de
opsonização, em que o anticorpo liga-se ao
antígeno, promovendo seu reconhecimento pelos
macrófagos ou neutrófilos que realizarão a
fagocitose.
Além disso, os anticorpos podem acionar o sistema
de complemento, que promove a lise de micro-
organismo.
A IMUNIDADE (capacidade do nosso corpo de proteger-nos contra agentes invasores) pode ser
classificada em:
- INATA apresenta uma resposta mais ampla, e os indivíduos já nascem com os mecanismos que a
promovem. Nela temos barreiras naturais agindo, como pele e mucosas, e também agentes internos, como
leucócitos e células fagocíticas. Nesse tipo temos uma resposta inespecífica.
- ADQUIRIDA as respostas são mais específicas, e o indivíduo desenvolve-a durante sua vida. A
imunidade adquirida ocorre ao longo do desenvolvimento do indivíduo e é mais especializada. Para ser
desenvolvida, necessita do contato com um agente invasor, o qual desencadeará uma série de eventos
que levam à ativação de determinadas células e à síntese de anticorpos.
A imunidade adquirida pode ser classificada em humoral ou mediada por células. Aquela é mediada pelos
anticorpos, e esta, pelos linfócitos T.
MEMÓRIA IMUNOLÓGICA é responsável pela defesa do nosso organismo em longo prazo. Quando
somos expostos a um agente causador de uma doença, desencadeamos uma resposta do nosso sistema
imune. Durante essa ação, temos a formação de células de memória, as quais podem sobreviver por
vários anos. Quando somos expostos novamente à mesma ameaça, a resposta do nosso sistema imune é
ainda mais rápida e mais forte, devido à ação dessas células de memória.
A memória imunológica é o motivo pelo qual as VACINAS são tão eficientes. Nas vacinas, um organismo
causador da doença (morto, atenuado ou mesmo partes desse agente) é inoculado em uma pessoa,
36
estimulando, desse modo, seu sistema imune. Se essa pessoa tiver um novo contato com esse mesmo
agente, seu sistema imune responderá de forma rápida, evitando a infecção.
SORO E VACINA são dois agentes que atuam como imunizadores, entretanto, são usados em ocasiões
diferentes, apesar de terem um objetivo comum que é proteger nosso corpo contra substâncias estranhas.
Os dois produtos são fabricados a partir de organismos vivos, sendo, portanto, chamados de
imunobiológicos.
VACINAS são usadas como uma forma de proteção que estimula nosso organismo a produzir anticorpos
contra determinada doença. Em razão dessa característica, dizemos que a vacina é uma forma de
imunização ativa.
Dessa forma, elas são produzidas a partir de antígenos inativados ou atenuados, que, ao serem colocados
no nosso corpo, estimulam a produção de anticorpos e células de memória pelo nosso sistema
imunológico. Assim, quando nosso corpo for invadido novamente pelo mesmo antígeno, o organismo já
terá formas de eliminá-lo rapidamente, antes de surgirem os sintomas da doença. As vacinas são usadas
na prevenção de viroses e doenças bacterianas.
SOROS, por sua vez, não promovem uma imunização ativa, uma vez que, nesses casos, são inoculados
anticorpos previamente produzidos em outro organismo. No caso dos soros, dizemos que ocorre uma
imunização passiva.
Eles são conhecidos principalmente pela sua atuação no tratamento de peçonha de cobras e aranhas,
porém também são produzidos para tratar algumas toxinas bacterianas e a rejeição de órgãos
transplantados (soro antitimocitário). Os soros são usados em casos em que há necessidade de
tratamento rápido, ou seja, quando não é possível esperar a produção de anticorpos pelo nosso corpo.
O soro, diferentemente da vacina, não possui função preventiva, sendo usado apenas como forma de cura.
Também é importante destacar que o uso frequente de soros pode causar problemas de saúde, uma vez
que o corpo pode identificar os anticorpos do soro como antígenos e desencadear a produção de
anticorpos contra ele.
Observe o quadro a seguir com as principais diferenças entre soro e vacina:
VACINA SORO
Usado na prevenção Usado na cura
Contém antígeno inativado ou atenuadoContém anticorpos previamente produzidos em outro organismo
Imunização ativa Imunização passiva
HISTÓRIA DA VACINA: iniciou-se no século XVIII, quando o médico inglês Edward Jenner utilizou a
vacina para prevenir a contaminação por varíola, uma doença viral extremamente grave que causava febre
alta, dores de cabeça e no corpo, lesões na pele e morte. A varíola foi a primeira doença infecciosa que foi
erradicada por meio da vacinação.
Jenner nasceu em maio de 1749, na Inglaterra, e dedicou cerca de 20 anos de sua vida aos estudos sobre
varíola. Em 1796 realizou uma experiência que permitiu a descoberta da vacina e em 1798 divulgou seu
trabalho “Um Inquérito sobre as Causas e os Efeitos da Vacina da Varíola”, mudando, a partir daí,
completamente a ideia de prevenção contra doenças.
Ele observou pessoas que se contaminaram, ao ordenharem vacas, por uma doença de gado e chegou à
conclusão de que essas pessoas tornavam-se imunes à varíola. A doença, chamada de cowpox,
assemelhava-se à varíola humana pela formação de pústulas (lesões com pus).
Diante dessa observação, em 1796, Jenner inoculou o pus presente em uma lesão de uma ordenhadora
chamada Sarah Nelmes, que possuía a doença (cowpox), em um garoto de oito anos de nome James
Phipps. Phipps adquiriu a infecção de forma leve e, após dez dias, estava curado. Posteriormente, Jenner
inoculou em Phipps pus de uma pessoa com varicela, e o garoto nada sofreu. Surgia aí a primeira vacina.
O médico continuou sua experiência, repetindo o processo em mais pessoas. Apesar de enfrentar
resistência, em pouco tempo, sua descoberta foi reconhecida e espalhou-se pelo mundo. Em 1799, foi
criado o primeiro instituto vacínico em Londres e, em 1800, a Marinha britânica começou a adotar a
vacinação. A vacina chegou ao Brasil em 1804, trazida pelo Marquês de Barbacena.
37
TABELA DE VACINAÇÃO
MECANISMOS DE DEFESAS NATURAIS DO ORGANISMO
Existe uma série de barreiras protetoras no corpo humano que servem para impedir ou dificultar a entrada
dos microorganismos patogénicos no mesmo. No entanto, se algum deles conseguir vencer essas
barreiras, deparar-se-á com vários mecanismos de defesa desencadeados pelo sistema imunitário, com o
objetivo de destruí-los ou desativá-los.
Geralmente a pele evita a invasão de muitos microrganismos, a menos que esteja fisicamente danificada
devido, por exemplo, a uma lesão, à picada de um inseto ou a uma queimadura.
Outras barreiras naturais eficazes são as membranas mucosas, como os revestimentos das vias
respiratórias e do intestino. Geralmente estas membranas estão cobertas de secreções que combatem os
microrganismos. Por exemplo, as mucosas dos olhos estão banhadas em lágrimas, que contêm uma
enzima chamada lisozima. Esta ataca as bactérias e ajuda a proteger os olhos das infecções.
As vias respiratórias filtram de forma eficaz as partículas do ar que se introduzem no organismo. Os canais
tortuosos do nariz, com as suas paredes cobertas de muco, tendem a eliminar grande parte da substância
que entra. Se, entretanto um microrganismo atinge as vias aéreas inferiores, o batimento coordenado de
umas saliências semelhantes a pelos (cílios) cobertas de muco transportam-no para fora do pulmão. A
tosse também ajuda a eliminar esses microrganismos.
Por outro lado, o tubo gastrointestinal dispõe de uma série de barreiras eficazes, que incluem o ácido do
estômago e a atividade antibacteriana das enzimas pancreáticas, da bílis e das secreções intestinais. As
contrações do intestino (peristaltismo) e o desprendimento normal das células que o revestem ajudam a
eliminar os microrganismos prejudiciais.
Bons estudos!
38
7º ANO B
PERÍODO LETIVO
PROFESSORA –
COMPONENTE CURRICULAR
Atividades
3º Bimestre/Bloco 1
CIÊNCIAS - Profª Nádia
NOME DO ALUNO: TURMA:______No.______
ENTREGUE NA ESCOLA SOMENTE AS PÁGINAS de CIÊNCIAS QUE TEM AS QUESTÕES PARA
SEREM CORRIGIDAS
Leia os enunciados e responda com atenção. Dúvida entre em contato no grupo de whatsapp.
ATIVIDADES
1. O sistema imunológico humano apresenta como função primordial a defesa do organismo. Uma
das formas de proteção é a produção de _______________ , proteínas que reagem de forma
específica com agentes estranhos denominados genericamente de __________.Marque a alternativa
que completa adequadamente os espaços acima:
a) anticorpos e leucócitos. d) antígenos e anticorpos.
b) leucócitos e anticorpos. e) leucócitos e antígenos.
c) anticorpos e antígenos.
2. Ao falar sobre o sistema imunológico, muitas pessoas lembram-se apenas da defesa por meio da
produção de anticorpos. Entretanto, algumas células, como os macrófagos, são capazes de
englobar e digerir organismos invasores, um processo conhecido por:
a) plasmocitose. d) fagocitose. c) pinocitose.
b) apoptose. e) exocitose.
3. Nem todos os leucócitos são capazes de produzir anticorpos, atuando na defesa do nosso
organismo de outras formas. Os leucócitos capazes de produzir anticorpos são os:
a) linfócitos T. d) eosinófilos. c) macrófagos.
b) neutrófilos. e) linfócitos B.
4.Consideramos uma vacina um material que contém:
a) anticorpos contra determinado patógeno, que estimulam a resposta imunológica do indivíduo.
b) anticorpos contra determinado patógeno produzidos por outro animal e que fornecem proteção
imunológica.
c) soro de indivíduos previamente imunizados contra aquele patógeno.
d) células brancas produzidas por animais, que se multiplicam no corpo do indivíduo que recebe a vacina.
e) um patógeno vivo enfraquecido ou partes dele para estimular a resposta imunológica, mas não causar a
doença.
39
5.O soro e a vacina são substâncias que agem como imunizadores do organismo. A respeito
desses produtos, marque a alternativa INCORRETA:
a) O soro é responsável por uma imunização passiva.
b) As vacinas estimulam o corpo a produzir anticorpos contra determinado antígeno.
c) As vacinas são produzidas injetando-se o antígeno em um animal, que passará a produzir anticorpos.
Os anticorpos são posteriormente processados e podem ser usados em humanos.
d) Como exemplo de soro, podemos citar o antiofídico.
e) Podemos dizer que a vacina é usada na prevenção, enquanto o soro é usado para curar.
6.Sabemos que as vacinas são capazes de estimular a produção de anticorpos pelo corpo,
protegendo-nos, portanto, de doenças. Graças a essa capacidade, dizemos que as vacinas
garantem-nos:
a) uma imunização passiva. d) uma imunização ativa.
b) uma imunização imediata. e) uma imunização contínua.
c) uma imunização prolongada.
7.Quando uma pessoa é picada por uma cobra, é fundamental procurar ajuda médica imediata. Isso
se deve ao fato de que algumas espécies produzem venenos tão poderosos que podem levar a
pessoa a óbito. Entre as alternativas a seguir, marque aquela que indica corretamente o motivo
pelo qual os médicos fazem uso de soro em vez de vacina para tratar o problema.
a) O soro é usado para tratar picada de cobra, pois garante que o corpo produza anticorpos contra o
veneno nele injetado.
b) O soro deve ser aplicado porque possui anticorpos já prontos contra o antígeno, garantindo, assim, uma
resposta mais rápida.
c) O soro deve ser usado apenas quando uma vacina não está disponível para uso.
d) Em caso de picada de cobra, o soro é usado porque garante uma imunização ativa do paciente.
8.Marque verdadeiro (V) ou falso (F) nas afirmações abaixo:
( ) Somente uma alimentação saudável define uma vida saudável.
( ) De acordo com a Constituição, o Estado tem o dever de garantir o acesso aos serviços de saúde
oferecidos pelo SUS e a outros fatores que garantem qualidade de vida.
( ) Todas as pessoas têm as mesmas condições para cuidar da própria saúde.
( ) Algumas pessoas estão mais vulneráveis a contrair doenças que outras.
______________________________________________________________________
Bons estudos!
Lavem muito bem as mãos, evitem aglomerações, e usem máscara!
40
KIMONO-
https://pt.aliexpress.com/item/32 1 BUBU-https://www.africanclothingonline.c 1
PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU
Secretaria Municipal da Educação
EMEF "IVAN ENGLER DE ALMEIDA"
7º ANO B PERÍODO LETIVO
3° BIMESTRE – BLOCO 1 – 26/07 A 20/08/2021
NOME DO ALUNO:_____________________________________________ TURMA: ____________
ARTE
CONTEÚDOS ESSENCIAIS: Moda na cultura urbana: características e estilos
OBJETIVOS: Pesquisar e analisar diferentes estilos visuais, contextualizando-os no tempo e no espaço.
A roupa e a Arte .
No mundo todo, homens e mulheres se vestem de acordo com as convenções de sua cultura. Assim,
algumas indianas vestem saris, as japonesas trajam quimonos e alguns africanos mulçumanos usam o bubu.
INDIANA SARI-https://daily.jstor.org/why 1
No entanto com a globalização, há peças do vestuário específico de um e outro povo que se tornaram
comuns em outros lugares. Calça jeans e camisetas, por exemplo são produzidos e vendidas tanto no Brasil
como no Quênia, tanto na China quanto na Alemanha.
A indústria da moda influencia a maneira como as pessoas do mundo todo se vestem. Ano a ano, estilistas e
empresas criam tendências para estimular a compra de seus produtos.
Como a moda aposta naquilo que é passageiro, há quem a veja como algo sem importância, apenas um
reflexo do consumismo. Entretanto, a indumentária e o vestuário também comunicam mensagens.
A moda é popular porque todos participamos desse processo de transformação. Ao escolher uma peça para
vestir, você faz opções pela cor, pelo tecido e pelo modelo, contribuindo para confirmar tendência ou
renovar ideias.
Para assistir: https://www.youtube.com/watch?v=z2fnOCToOek
Fonte: Projeto Mosaico Arte- Ensino Fundamental, Anos Finais , Editora Scipione-2015
Olá! Como vocês estão? Estamos começando o conteúdo do 3º bimestre, essa é a nossa
1ª atividade, que nessa caminhada a aprendizagem seja nossa melhor companhia!
Professora: Grasiela- grasielagdelima@yahoo.com.br
41
Vamos refletir: Como você se veste no dia a dia? E para uma festa?
________________________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________
Rasgar o jeans já foi uma forma de deixar uma marca pessoal na roupa
que se veste. Hoje em dia, há calças que já são fabricados com rasgos.
O que isso revela sobre a moda?
Você costuma dar um toque pessoal a suas roupas? Como?
________________________________________________________
________________________________________________________
________________________________________________________
Atividade 2 :
No espaço abaixo desenhe
Propaganda e anúncios publicitários: características e estrutura
Propaganda e anúncios publicitários: características e estrutura
Propaganda e anúncios publicitários: características e estrutura
Propaganda e anúncios publicitários: características e estrutura
Propaganda e anúncios publicitários: características e estrutura
Propaganda e anúncios publicitários: características e estrutura
Propaganda e anúncios publicitários: características e estrutura
Propaganda e anúncios publicitários: características e estrutura
Propaganda e anúncios publicitários: características e estrutura

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Propaganda e anúncios publicitários: características e estrutura

Aula Contextos e funções da Publicidade e Propaganda
Aula Contextos e funções da Publicidade e PropagandaAula Contextos e funções da Publicidade e Propaganda
Aula Contextos e funções da Publicidade e PropagandaJonas Gomes Jr
 
Buzz Marketing - ESPM Marketing Digital - aula 8
Buzz Marketing - ESPM Marketing Digital - aula 8Buzz Marketing - ESPM Marketing Digital - aula 8
Buzz Marketing - ESPM Marketing Digital - aula 8Luiz Felipe Barros
 
Conceitos e psicologia da propaganda
Conceitos e psicologia da propagandaConceitos e psicologia da propaganda
Conceitos e psicologia da propagandaSergio Montes
 
Comunicacao Social Eficaz Sem Senha
Comunicacao Social Eficaz Sem SenhaComunicacao Social Eficaz Sem Senha
Comunicacao Social Eficaz Sem Senhaoleinik
 
Aula Design Novas Tecnologias e Inovação - Buzz, viral, boca-a-boca
Aula Design Novas Tecnologias e Inovação - Buzz, viral, boca-a-bocaAula Design Novas Tecnologias e Inovação - Buzz, viral, boca-a-boca
Aula Design Novas Tecnologias e Inovação - Buzz, viral, boca-a-bocaGustavo Fischer
 
Conceitos e psicologia da propaganda
Conceitos e psicologia da propagandaConceitos e psicologia da propaganda
Conceitos e psicologia da propagandaSergio Montes
 
Aula 1 Linguagem Publicitária em Espaços Educativos
Aula 1 Linguagem Publicitária em Espaços EducativosAula 1 Linguagem Publicitária em Espaços Educativos
Aula 1 Linguagem Publicitária em Espaços EducativosUFCG
 
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagemPlano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagemCarlos Alves
 
Introdução à Publicidade - Aula 06 - Criação
Introdução à Publicidade - Aula 06 - CriaçãoIntrodução à Publicidade - Aula 06 - Criação
Introdução à Publicidade - Aula 06 - CriaçãoThiago Ianatoni
 
1º bimestre bloco 2 - 19-04-2021 a 07-05-2021 - 7º ano b
1º bimestre   bloco 2 - 19-04-2021 a 07-05-2021 - 7º ano b1º bimestre   bloco 2 - 19-04-2021 a 07-05-2021 - 7º ano b
1º bimestre bloco 2 - 19-04-2021 a 07-05-2021 - 7º ano bNivea Neves
 
Powerpoint annciospublic-120116202758-phpapp02
Powerpoint annciospublic-120116202758-phpapp02Powerpoint annciospublic-120116202758-phpapp02
Powerpoint annciospublic-120116202758-phpapp02Belmira Baptista
 
Powerpoint anúncios public.
Powerpoint  anúncios public.Powerpoint  anúncios public.
Powerpoint anúncios public.JOSEETE
 
Reflecon (Teoria e Técnica da Publicidade 1)
Reflecon (Teoria e Técnica da Publicidade 1)Reflecon (Teoria e Técnica da Publicidade 1)
Reflecon (Teoria e Técnica da Publicidade 1)Danone
 
Campanha publicitária SOS Goró
Campanha publicitária SOS GoróCampanha publicitária SOS Goró
Campanha publicitária SOS GoróFlávia Andrade
 
Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...
Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...
Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...Pâmela Guimarães
 
Tecnicas de redação publicitária i
Tecnicas de redação publicitária  iTecnicas de redação publicitária  i
Tecnicas de redação publicitária iKatia Manangão
 

Semelhante a Propaganda e anúncios publicitários: características e estrutura (20)

Sequência didática anúncio publicitário
Sequência didática   anúncio publicitárioSequência didática   anúncio publicitário
Sequência didática anúncio publicitário
 
Aula Contextos e funções da Publicidade e Propaganda
Aula Contextos e funções da Publicidade e PropagandaAula Contextos e funções da Publicidade e Propaganda
Aula Contextos e funções da Publicidade e Propaganda
 
Anúncio publicitário.pptx
Anúncio publicitário.pptxAnúncio publicitário.pptx
Anúncio publicitário.pptx
 
Buzz Marketing - ESPM Marketing Digital - aula 8
Buzz Marketing - ESPM Marketing Digital - aula 8Buzz Marketing - ESPM Marketing Digital - aula 8
Buzz Marketing - ESPM Marketing Digital - aula 8
 
Conceitos e psicologia da propaganda
Conceitos e psicologia da propagandaConceitos e psicologia da propaganda
Conceitos e psicologia da propaganda
 
Mídia Viva
Mídia VivaMídia Viva
Mídia Viva
 
Comunicacao Social Eficaz Sem Senha
Comunicacao Social Eficaz Sem SenhaComunicacao Social Eficaz Sem Senha
Comunicacao Social Eficaz Sem Senha
 
Aula Design Novas Tecnologias e Inovação - Buzz, viral, boca-a-boca
Aula Design Novas Tecnologias e Inovação - Buzz, viral, boca-a-bocaAula Design Novas Tecnologias e Inovação - Buzz, viral, boca-a-boca
Aula Design Novas Tecnologias e Inovação - Buzz, viral, boca-a-boca
 
Conceitos e psicologia da propaganda
Conceitos e psicologia da propagandaConceitos e psicologia da propaganda
Conceitos e psicologia da propaganda
 
Aula 1 Linguagem Publicitária em Espaços Educativos
Aula 1 Linguagem Publicitária em Espaços EducativosAula 1 Linguagem Publicitária em Espaços Educativos
Aula 1 Linguagem Publicitária em Espaços Educativos
 
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagemPlano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
Plano de comunicação e reflexões sobre a linguagem
 
Introdução à Publicidade - Aula 06 - Criação
Introdução à Publicidade - Aula 06 - CriaçãoIntrodução à Publicidade - Aula 06 - Criação
Introdução à Publicidade - Aula 06 - Criação
 
1º bimestre bloco 2 - 19-04-2021 a 07-05-2021 - 7º ano b
1º bimestre   bloco 2 - 19-04-2021 a 07-05-2021 - 7º ano b1º bimestre   bloco 2 - 19-04-2021 a 07-05-2021 - 7º ano b
1º bimestre bloco 2 - 19-04-2021 a 07-05-2021 - 7º ano b
 
Powerpoint annciospublic-120116202758-phpapp02
Powerpoint annciospublic-120116202758-phpapp02Powerpoint annciospublic-120116202758-phpapp02
Powerpoint annciospublic-120116202758-phpapp02
 
Powerpoint anúncios public.
Powerpoint  anúncios public.Powerpoint  anúncios public.
Powerpoint anúncios public.
 
Reflecon (Teoria e Técnica da Publicidade 1)
Reflecon (Teoria e Técnica da Publicidade 1)Reflecon (Teoria e Técnica da Publicidade 1)
Reflecon (Teoria e Técnica da Publicidade 1)
 
TEMA PUBLICITARIO
 TEMA PUBLICITARIO TEMA PUBLICITARIO
TEMA PUBLICITARIO
 
Campanha publicitária SOS Goró
Campanha publicitária SOS GoróCampanha publicitária SOS Goró
Campanha publicitária SOS Goró
 
Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...
Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...
Espaço Publicitário: Comportamento Social face às Representações e Estereótip...
 
Tecnicas de redação publicitária i
Tecnicas de redação publicitária  iTecnicas de redação publicitária  i
Tecnicas de redação publicitária i
 

Mais de Nivea Neves

5 Ano - Aluno - História e Geografia.pdf
5 Ano - Aluno - História e Geografia.pdf5 Ano - Aluno - História e Geografia.pdf
5 Ano - Aluno - História e Geografia.pdfNivea Neves
 
7 ano port 4.docx.pdf
7 ano port 4.docx.pdf7 ano port 4.docx.pdf
7 ano port 4.docx.pdfNivea Neves
 
4º_ANO_-_SEMANA_DE_31-05_A_04-06.pdf
4º_ANO_-_SEMANA_DE_31-05_A_04-06.pdf4º_ANO_-_SEMANA_DE_31-05_A_04-06.pdf
4º_ANO_-_SEMANA_DE_31-05_A_04-06.pdfNivea Neves
 
7 ano port 3.docx.pdf
7 ano port 3.docx.pdf7 ano port 3.docx.pdf
7 ano port 3.docx.pdfNivea Neves
 
7 ano port 2.docx.pdf
7 ano port 2.docx.pdf7 ano port 2.docx.pdf
7 ano port 2.docx.pdfNivea Neves
 
5-Capitulo_IV-6o-Ano-GABARITO2.pdf
5-Capitulo_IV-6o-Ano-GABARITO2.pdf5-Capitulo_IV-6o-Ano-GABARITO2.pdf
5-Capitulo_IV-6o-Ano-GABARITO2.pdfNivea Neves
 
4o-ano-16a-SEMANA.pdf
4o-ano-16a-SEMANA.pdf4o-ano-16a-SEMANA.pdf
4o-ano-16a-SEMANA.pdfNivea Neves
 
7 ano port 5.docx.pdf
7 ano port 5.docx.pdf7 ano port 5.docx.pdf
7 ano port 5.docx.pdfNivea Neves
 
6º_ano_-_2tri_-_OE_-_RECV________.pdf
6º_ano_-_2tri_-_OE_-_RECV________.pdf6º_ano_-_2tri_-_OE_-_RECV________.pdf
6º_ano_-_2tri_-_OE_-_RECV________.pdfNivea Neves
 
5th-grade-verb-to-be.pdf
5th-grade-verb-to-be.pdf5th-grade-verb-to-be.pdf
5th-grade-verb-to-be.pdfNivea Neves
 
1º Ano Semana 14 - 3 a 7 de agosto.docx
1º Ano Semana 14 - 3 a 7 de agosto.docx1º Ano Semana 14 - 3 a 7 de agosto.docx
1º Ano Semana 14 - 3 a 7 de agosto.docxNivea Neves
 
3 Ano - Aluno - História e Geografia .pdf
3 Ano - Aluno - História e Geografia .pdf3 Ano - Aluno - História e Geografia .pdf
3 Ano - Aluno - História e Geografia .pdfNivea Neves
 
1º Ano Semana 14 - 3 a 7 de agosto.pdf
1º Ano Semana 14 - 3 a 7 de agosto.pdf1º Ano Semana 14 - 3 a 7 de agosto.pdf
1º Ano Semana 14 - 3 a 7 de agosto.pdfNivea Neves
 
1º BIMESTRE - BLOCO1- 01-03-2021 A 26-03-2021 - 4° ANO A.pdf
1º BIMESTRE - BLOCO1- 01-03-2021 A 26-03-2021 - 4° ANO A.pdf1º BIMESTRE - BLOCO1- 01-03-2021 A 26-03-2021 - 4° ANO A.pdf
1º BIMESTRE - BLOCO1- 01-03-2021 A 26-03-2021 - 4° ANO A.pdfNivea Neves
 
2º BIMESTRE - BLOCO 2 - 14-06-2021 A 08-07-2021 - 5º ANO B.pdf
2º BIMESTRE - BLOCO 2 - 14-06-2021 A 08-07-2021 - 5º ANO B.pdf2º BIMESTRE - BLOCO 2 - 14-06-2021 A 08-07-2021 - 5º ANO B.pdf
2º BIMESTRE - BLOCO 2 - 14-06-2021 A 08-07-2021 - 5º ANO B.pdfNivea Neves
 
1 BIMESTRE - BLOCO 2 - 19-04 a 07-05 7° ANO B.docx
1 BIMESTRE - BLOCO 2 -  19-04 a 07-05 7° ANO B.docx1 BIMESTRE - BLOCO 2 -  19-04 a 07-05 7° ANO B.docx
1 BIMESTRE - BLOCO 2 - 19-04 a 07-05 7° ANO B.docxNivea Neves
 
03-Caderno-de-Revisão-Redação-7º-ano.pdf
03-Caderno-de-Revisão-Redação-7º-ano.pdf03-Caderno-de-Revisão-Redação-7º-ano.pdf
03-Caderno-de-Revisão-Redação-7º-ano.pdfNivea Neves
 
1 BIMESTRE - BLOCO 2 - 19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf
1 BIMESTRE - BLOCO 2 -  19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf1 BIMESTRE - BLOCO 2 -  19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf
1 BIMESTRE - BLOCO 2 - 19-04 a 07-05 7° ANO B.pdfNivea Neves
 

Mais de Nivea Neves (20)

5 Ano - Aluno - História e Geografia.pdf
5 Ano - Aluno - História e Geografia.pdf5 Ano - Aluno - História e Geografia.pdf
5 Ano - Aluno - História e Geografia.pdf
 
4ºANO.pdf
4ºANO.pdf4ºANO.pdf
4ºANO.pdf
 
7 ano port 4.docx.pdf
7 ano port 4.docx.pdf7 ano port 4.docx.pdf
7 ano port 4.docx.pdf
 
4º_ANO_-_SEMANA_DE_31-05_A_04-06.pdf
4º_ANO_-_SEMANA_DE_31-05_A_04-06.pdf4º_ANO_-_SEMANA_DE_31-05_A_04-06.pdf
4º_ANO_-_SEMANA_DE_31-05_A_04-06.pdf
 
7 ano port 3.docx.pdf
7 ano port 3.docx.pdf7 ano port 3.docx.pdf
7 ano port 3.docx.pdf
 
7 ano port 2.docx.pdf
7 ano port 2.docx.pdf7 ano port 2.docx.pdf
7 ano port 2.docx.pdf
 
5-Capitulo_IV-6o-Ano-GABARITO2.pdf
5-Capitulo_IV-6o-Ano-GABARITO2.pdf5-Capitulo_IV-6o-Ano-GABARITO2.pdf
5-Capitulo_IV-6o-Ano-GABARITO2.pdf
 
4o-ano-16a-SEMANA.pdf
4o-ano-16a-SEMANA.pdf4o-ano-16a-SEMANA.pdf
4o-ano-16a-SEMANA.pdf
 
7 ano port 5.docx.pdf
7 ano port 5.docx.pdf7 ano port 5.docx.pdf
7 ano port 5.docx.pdf
 
4º ano.pdf
4º ano.pdf4º ano.pdf
4º ano.pdf
 
6º_ano_-_2tri_-_OE_-_RECV________.pdf
6º_ano_-_2tri_-_OE_-_RECV________.pdf6º_ano_-_2tri_-_OE_-_RECV________.pdf
6º_ano_-_2tri_-_OE_-_RECV________.pdf
 
5th-grade-verb-to-be.pdf
5th-grade-verb-to-be.pdf5th-grade-verb-to-be.pdf
5th-grade-verb-to-be.pdf
 
1º Ano Semana 14 - 3 a 7 de agosto.docx
1º Ano Semana 14 - 3 a 7 de agosto.docx1º Ano Semana 14 - 3 a 7 de agosto.docx
1º Ano Semana 14 - 3 a 7 de agosto.docx
 
3 Ano - Aluno - História e Geografia .pdf
3 Ano - Aluno - História e Geografia .pdf3 Ano - Aluno - História e Geografia .pdf
3 Ano - Aluno - História e Geografia .pdf
 
1º Ano Semana 14 - 3 a 7 de agosto.pdf
1º Ano Semana 14 - 3 a 7 de agosto.pdf1º Ano Semana 14 - 3 a 7 de agosto.pdf
1º Ano Semana 14 - 3 a 7 de agosto.pdf
 
1º BIMESTRE - BLOCO1- 01-03-2021 A 26-03-2021 - 4° ANO A.pdf
1º BIMESTRE - BLOCO1- 01-03-2021 A 26-03-2021 - 4° ANO A.pdf1º BIMESTRE - BLOCO1- 01-03-2021 A 26-03-2021 - 4° ANO A.pdf
1º BIMESTRE - BLOCO1- 01-03-2021 A 26-03-2021 - 4° ANO A.pdf
 
2º BIMESTRE - BLOCO 2 - 14-06-2021 A 08-07-2021 - 5º ANO B.pdf
2º BIMESTRE - BLOCO 2 - 14-06-2021 A 08-07-2021 - 5º ANO B.pdf2º BIMESTRE - BLOCO 2 - 14-06-2021 A 08-07-2021 - 5º ANO B.pdf
2º BIMESTRE - BLOCO 2 - 14-06-2021 A 08-07-2021 - 5º ANO B.pdf
 
1 BIMESTRE - BLOCO 2 - 19-04 a 07-05 7° ANO B.docx
1 BIMESTRE - BLOCO 2 -  19-04 a 07-05 7° ANO B.docx1 BIMESTRE - BLOCO 2 -  19-04 a 07-05 7° ANO B.docx
1 BIMESTRE - BLOCO 2 - 19-04 a 07-05 7° ANO B.docx
 
03-Caderno-de-Revisão-Redação-7º-ano.pdf
03-Caderno-de-Revisão-Redação-7º-ano.pdf03-Caderno-de-Revisão-Redação-7º-ano.pdf
03-Caderno-de-Revisão-Redação-7º-ano.pdf
 
1 BIMESTRE - BLOCO 2 - 19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf
1 BIMESTRE - BLOCO 2 -  19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf1 BIMESTRE - BLOCO 2 -  19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf
1 BIMESTRE - BLOCO 2 - 19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf
 

Último

Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 

Último (20)

Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 

Propaganda e anúncios publicitários: características e estrutura

  • 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU Secretaria Municipal da Educação EMEF "IVAN ENGLER DE ALMEIDA" 7º ANO B Período Letivo 3° BIMESTRE – BLOCO 1 – 26/07 A 20/08/2021 NOME DO ALUNO:__________________________________________ TURMA: ____________ LÍNGUA PORTUGUESA Queridas e queridos alunos do 7º ano, Chegamos ao início do 3º bimestre 2021! Como já sabem, o 3º bimestre será dividido em 2 (dois) blocos - bloco 1 e bloco 2. Como combinado, busquem ter uma ROTINA DE ESTUDOS, não deixem para a última hora. Estudem um pouco todos os dias! Em caso de dúvidas: pesquisem videaulas, sites, converse com colegas, procure o professor e se mesmo assim não conseguirem desenvolver as atividades, assistam às aulas oferecidas presencialmente. Atenção: levem mais de uma máscara para a escola, mantenham distanciamento e foquem nos estudos. Não esqueçam também que: há diversos materiais no Classroom; temos nosso grupo de WhatsApp e podemos manter contato por e-mail. Bom início de 3º bimestre e ótimo mês de estudos. Forte abraço: Prof.ª. Leila Motoki. Objetivos da aula: Estudar mais características do gênero textual anúncio publicitário , desenvolver atividades sobre verbos no imperativo. ANÚNCIO PUBLICITÁRIO OU PROPAGANDA Anúncio publicitário ou propaganda é um gênero textual que promove um produto ou uma ideia, sendo veiculado pelos meios de comunicação de massa, como jornais, revistas, televisão, rádio e internet. Podemos encontrá-los também em outdoors, panfletos, faixas ou cartazes na rua, no ônibus, como produtos mostrados em filmes e novelas, etc. Na verdade, existe uma pequena diferença entre os termos anúncio publicitário e propaganda; o primeiro tem a função comercial de persuadir, ou seja, convencer a população a consumir um produto ou serviço, já a segunda busca influenciar um comportamento e divulgar ideias, pensamentos e causas. No entanto, hoje vamos utilizar os dois termos como sinônimos e usar ora um, ora outro. Veja alguns exemplos:
  • 2. Como esse gênero tem por objetivo levar o público a comprar um produto, utilizar um serviço, aderir a uma ideia ou adotar um comportamento, é comum o emprego de verbos no modo imperativo, que exprime ordem, pedido ou conselho (ex.: “Compre Baton”). São também usados muitos adjetivos (ex : “original”, “perfeita”) e advérbios (ex.: “mais”, “desde 1962”) que dão a ideia de que que comprar determinado produto, utilizar tal serviço ou seguir determinada ideia mudará a vida da pessoa para melhor, despertando o desejo do consumidor. Além disso, os elementos não verbais (formas, cores, imagens, símbolos) têm importância fundamental, pois produzem impacto imediato no leitor mesmo antes que ele leia os textos verbais. Além da mensagem principal, as propagandas apresentam elementos para levar o público a relacionar a campanha ao nome da instituição ou organização responsável. Trata-se do logotipo (ou logomarca), que é a forma como um nome é representado graficamente por meio de letras originalmente concebidas e de traçado facilmente reconhecível para identificar visualmente uma instituição ou uma organização. Veja alguns exemplos de logotipos: Muitas propagandas contêm também o slogan da marca ou do produto. O slogan é uma frase de fácil memorização, que resume as características do produto e lembra o nome da marca. Nos anúncios em que o slogan está presente, ele normalmente aparece perto da logomarca e se repete em todas as propagandas. por exemplo: “tomou doril, a dor sumiu”, “Sedex: mandou, chegou”. Agora que já vimos as principais características de uma propaganda, vejamos um resumo da estrutura:
  • 3. Campanha publicitária é um conjunto de peças publicitárias (folhetos, vídeos para TV e internet, anúncios de jornal e revista, etc.) criadas para divulgar um produto, um serviço ou uma ideia. Geralmente, campanhas como essas são feitas por agências publicitárias a pedido de uma instituição ou órgão do poder público ou de uma organização. É importante ressaltar que nem só produtos comerciais são objetos de interesse de campanhas publicitárias. Veja os exemplos abaixo de uma campanha de doação de órgãos da Associação de pacientes transplantados da Bahia: Atividades Observe o anúncio publicitário abaixo para responder às questões: 33 3. Como o anúncio utiliza a criatividade para chamar a atenção dos consumidores? Explique. ______________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ 1. Qual é o produto, o serviço, a ideia ou o comportamento explorado no anúncio publicitário? _______________________________ 2. O que mais chama sua atenção: as imagens, as cores, o texto verbal ou a organização dos elementos na página? ___________________________________________ ___________________________________________ ___________________________________________
  • 4. VERBO NO MODO IMPERATIVO O modo imperativo é um modo verbal utilizado para exprimir uma atitude de ordem, conselho, convite ou solicitação. Há duas formas de imperativo: afirmativa e negativa. Vejamos alguns exemplos de verbos no modo imperativo para ficar mais claro o conceito deste modo verbal. Exemplos: Vamos, corram! Perdoe-me, eu lhe imploro. Por favor, diga-me onde fica esta praça. Organizem-se rapidamente. Faça o que digo, agora! ATIVIDADE 1. Nas frases abaixo, grife o verbo no modo imperativo, classificando-o em imperativo afirmativo ou imperativo negativo. Veja o exemplo: a) Bom dia! Levante, seu dorminhoco. O sol já está alto! Imperativo afirmativo b) Não dê as costas para a sorte! c) Venha escolher o livro que quiser! d) Dança! Exercitar-se faz bem à saúde e ao coração. e) “Estudem para a prova, alunos!” f) Por favor, façam silêncio! g) Não escutes música tão alto! h) Escutemos nossa consciência! i) Saia agora mesmo daí! j) Corram até a sala e fechem as janelas. 2. Leia o anúncio publicitário abaixo e reponda às questões a seguir: a) Qual o objetivo do anúncio publicitário? ______________________________________ ______________________________________ b) Qual o seu público- alvo? ______________________________________ ______________________________________ c) Retire do texto um verbo no modo imperativo negativo. ____________________________________
  • 5. A PROPAGANDA E O CONSUMO A publicidade exerce um papel tão importante como formadora de opinião que autores dizem que a mesma atua em esferas antes específicas dos meios educacionais, jurídicos, religiosos, mudando conceitos, regras, interferindo nos costumes e comportamentos antes tidos como tradicionais. A estratégia do discurso publicitário visa persuadir e seduzir o cliente, o que faz através de peças publicitárias que levam em conta as especificidades dos destinatários virtuais, suas crenças e valores sociais. No jogo do discurso publicitário, o sujeito discursivo procura esconder a face puramente comercial, mascarando-se ou como “benfeitor” ao mesmo tempo em que prevê uma imagem do interlocutor. Para tanto, a publicidade estuda o comportamento de cada público específico a que será direcionada e elabora estratégias para tentar convencê-lo a consumir, usando textos, imagens, cores, trilhas sonoras, apoio de celebridades, promoções, entre outros. Além disso, a propaganda comercial permeia o dia a dia de uma grande parte da sociedade atual, presente não só na TV, mas também nas rádios, na Internet e nas ruas (desde as fachadas até os ônibus urbanos). A PROPAGANDA E O CONSUMO DE JOVENS E ADOLESCENTES A questão é que, para jovens e adolescentes, que ainda estão em fase de formação de seu caráter e de seus padrões, essa presença massiva da propaganda comercial e a influência de consumo inevitavelmente exercida por ela podem ser fatores prejudiciais. Como mencionado, a propaganda estuda o comportamento de seu público (bem como as tendências de mudanças que estão pra ocorrer) e, em parte, reflete tudo isso. Por exemplo, uma das estratégias de convencimento da propaganda é usar a linguagem de seu público, para que ele se identifique com o que a propaganda quer dizer. Atualmente, muitos consumidores são levados a obter produtos por influência dos chamados “influenciadores digitais”. Influenciador digital é um indivíduo que possui um público fiel e engajado em seus canais online e, em alguma medida, exerce capacidade de influência na tomada de decisão de compra de seus seguidores. d) A expressão “morrer de raiva”, presente no texto, tem sentido denotativo ou conotativo? Explique. ________________________________________ ________________________________________ ________________________________________ ________________________________________
  • 6. A PROPAGANDA E A POLÍTICA Para muitos, quando se fala em propaganda, a primeira forma que vem à memória é a propaganda comercial (também chamada de publicidade). Mas o termo, em sua origem, era usado principalmente no contexto político, relacionado aos esforços de persuasão patrocinados por governos e partidos. Propaganda política são todas as formas de realização de meios publicitários que têm por objetivo conquistar simpatizantes ao conjunto de ideias de um partido e garantir votos. A propaganda eleitoral é aquela em que partidos políticos e candidatos divulgam, por meio de mensagens dirigidas aos eleitores, suas candidaturas e propostas políticas, a fim de se mostrarem os mais aptos a assumir os cargos eletivos que disputam, conquistando, assim, o voto dos eleitores. ATIVIDADE Releia os conteúdos sobre a propaganda e responda às questões a seguir: 1º) A propaganda comercial permeia nosso dia a dia presente em: a) ( ) rádio e TV b) ( ) fachadas e ônibus urbanos c) ( ) internet d) ( ) revistas e jornais e) ( ) todas as alternativas 2º) Segundo o texto, a propaganda comercial influencia mais os jovens e adolescentes porque: a) ( ) estão em fase de formação de seu caráter e de seus padrões. b) ( ) os jovens e adolescentes são muito mimados pelos seus pais. c) ( ) eles são o único público-alvo das propagandas. d) ( ) existem mais produtos disponíveis para esse tipo de consumidor. 3º) Segundo o texto “A estratégia do discurso publicitário visa persuadir e seduzir o cliente”. Nesse contexto, a palavra persuadir significa: a) ( ) inspirar b) ( ) convencer c) ( ) aconselhar d) ( ) afastar 4º) O que são influenciadores digitais? Você conhece algum? Caso sua resposta seja afirmativa, cite influenciadores que você conheça ou segue. _______________________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________________ 5º) Qual é o objetivo da Propaganda política? ______________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________ ______________________________________________________________________________
  • 7. 7 PRODUÇÃO TEXTUAL- Anúncio publicitário Durante a pandemia, Celeste resolveu fazer doces e salgados para complementar a renda. No entanto, para aumentar suas vendas, ela precisa de um anúncio que aumente suas vendas. Crie um anúncio publicitário para que Celeste faça panfletos e distribua pela cidade. Segue imagem dos produtos. Então, é isso pessoal! Bons estudos! _______________________________________ _______________________________________ _______________________________________ _______________________________________ _______________________________________ _______________________________________ _______________________________________
  • 8. 8 PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU Secretaria Municipal da Educação EMEF "IVAN ENGLER DE ALMEIDA" 7º ANO B Período Letivo 3° BIMESTRE – BLOCO 1 – 26/07 A 20/08/2021 NOME DO ALUNO:_____________________________________________ TURMA: ____________ MATEMÁTICA PORCENTAGENS E JUROS SIMPLES - APLICAÇÕES Aula sugerida : https://www.youtube.com/watch?v=nUgAGtEBleM Já aprendemos que uma porcentagem pode ser representada por uma fração ou com %: a) 5 % = 𝟓 𝟏𝟎𝟎 c) 16 % = 𝟏𝟔 𝟏𝟎𝟎 e) 75% = 𝟕𝟓 𝟏𝟎𝟎 b) 19 % = 𝟏𝟗 𝟏𝟎𝟎 d) 20 % = 𝟐𝟎 𝟏𝟎𝟎 f) 50 % = 𝟓𝟎 𝟏𝟎𝟎 Para calcular uma porcentagem, devemos aplicar duas operações já estudadas: A multiplicação e a divisão. Só que essa divisão será sempre por 100. Exemplos: a) 25 % de 180 = 𝟐𝟓 𝟏𝟎𝟎 x 180 = 𝟐𝟓𝒙𝟏𝟖𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 𝟒.𝟓𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 45 ( 45 é 25% de 180 ) b) 18 % de 50 = 𝟏𝟖 𝟏𝟎𝟎 x 50 = 𝟏𝟖𝒙𝟓𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 𝟗𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 9 ( 9 é 18% de 50 ) c) 48 % de 75 = 𝟒𝟖 𝟏𝟎𝟎 x 75 = 𝟒𝟖𝒙𝟕𝟓 𝟏𝟎𝟎 = 𝟑.𝟔𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 36 ( 36 é 48% de 75 ) d) 12 % de 500 = 𝟏𝟐 𝟏𝟎𝟎 x 500 = 𝟏𝟐𝒙𝟓𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 𝟔.𝟎𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 60 ( 60 é 15% de 500 ) APLICANDO A PORCENTAGEM COMO ACRÉSCIMOS. Significa que o valor da porcentagem calculada deve ser somado ao VALOR INICIAL dado. Exemplos: 1) Um aumento de 18% na compra de 150 metros quadrados de PISO: 1º Passo: Calcular a porcentagem. a) 18% de 150 = ? 18 100 𝑑𝑒 150 = 𝟏𝟖 𝒙 𝟏𝟓𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 𝟐.𝟕𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 𝟐𝟕 metros a mais de PISO. Em toda divisão por 100 podemos cancelar os dois zeros de cima da fração com os dois zeros que estão no denominador .
  • 9. 9 2º Passo: Somar ao valor inicial: . 150m + 27m = 177 metros. 2) Um aumento de 15% no valor de R$ 128,00: a) 15% de 128 Reais = ? 𝟏𝟓 𝟏𝟎𝟎 de 128 = 𝟏𝟓 𝒙 𝟏𝟐𝟖 𝟏𝟎𝟎 = 𝟏𝟗𝟐𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 19,20 Reais b) 128,00 Reais + 19,20 Reais = R$ 147,20 com o aumento. 3) Um aumento de 25% na matrícula que tinha 240 alunos. a) 25% de 240 alunos = ? 𝟐𝟓 𝟏𝟎𝟎 𝑑𝑒 240 = 𝟐𝟓 𝒙 𝟐𝟒𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 𝟔.𝟎𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎 = . 𝟔𝟎 alunos à mais b) 240 alunos + 60 alunos = total de 300 alunos. 4) 36% de aumento na produção de 425 litros de álcool de limpeza. .a) 36% de 425g = ? 𝟑𝟔 𝟏𝟎𝟎 𝒅𝒆 𝟒𝟐𝟓 = 𝟑𝟔 𝒙 𝟒𝟐𝟓 𝟏𝟎𝟎 = 𝟏𝟓.𝟑𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 𝟏𝟓𝟑 litros a mais de álcool. .b) 425 lt + 153 lt = 578 litros no total APLICANDO PORCENTAGENS COMO FATOR DE DESCONTO Vamos aplicar o valor de uma porcentagem em problemas com subtração ou desconto: Exemplos: 1) 16 % de alunos faltaram onde estudam 450 Alunos. a) 16% de 450 = ? 𝟏𝟔 𝟏𝟎𝟎 x 450 = 𝟏𝟔 𝒙 𝟒𝟓𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 𝟕.𝟐𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 72 alunos faltaram. : b) 450 alunos – 72 alunos = 378 alunos foram para a escola. 2) Calcule um desconto de 18% em uma compra de R$ 320,00. a) 18% de 320 = ? 𝟏𝟖 𝟏𝟎𝟎 x 320 = 𝟏𝟖 𝒙 𝟑𝟐𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 𝟓.𝟕𝟔𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 57,60 Reais (de desconto) b) 320,00 – 57,60 Reais = 262,40 Reais pagos com descontos 3) Para sua festa de seu aniversário, Maira convidou 150 pessoas amigas. Sabendo que 12% dessas pessoas faltaram, quantos convidados apareceram nessa festa? a) 12% de 150 = ? 𝟏𝟐 𝟏𝟎𝟎 x 150 = 𝟏𝟐 𝒙 𝟏𝟓𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 𝟏.𝟖𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 18 convidados faltaram. b) 150 – 18 = 132 convidado apareceram nessa festa. 320,00 0 – 57,60 262,40
  • 10. 10 1º GRUPO DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES: 1) Manoel fez a compra de uma batedeira que, sem desconto, custava 380 Reais. Calcule o valor de 8% de desconto dado para ele pagar à vista e o valor pago nessa compra com esse desconto. 2) Calcule o valor das porcentagens abaixo de acordo com a informação dada: a) Um aumento de 28% em 75 kg qual será o valor encontrado. b) Uma diminuição de 32% em 750 litros de água de um reservatório. c) Um acréscimo de 25% na produção de 228 litros de leite em uma fazenda. 3) Em uma pesquisa, feita com 3.000 entrevistados sobre a preferência em relação ao gosto por programas de televisão, obtiveram os seguintes resultados NOTICIÁRIOS FILMES SÉRIES NOVELAS ESPORTES 23% 18% 32% 15% RESTANTES Total = Total = Total = Total= Total = Qual a quantidade de entrevistados que encontramos em cada um desses grupos apresentados pela tabela acima? Noções de Juros Simples Os juros simples é uma operação que efetuamos com o objetivo de corrigir os valores envolvidos em transações financeiras, isto é, uma correção que se faz ao fazer uma compra parcelada, emprestar ou aplicar uma certa quantia de DINHEIROS durante um período de tempo. . O valor pago ou resgatado dependerá das taxas cobradas pela operação e do período que o dinheiro ficará emprestado ou aplicado. Quanto maior a taxa e o tempo, maior será este valor. Calcular juros simples é uma tarefa simples e serve para descobrir o retorno de um investimento ou o valor das parcelas de um crédito com juros. Por isso vale a pena entender o cálculo dos juros simples e como aplicar esse conhecimento na sua vida financeira. COMO CALCULAR JUROS SIMPLES Vamos calcular a seguinte situação: 1) Quanto vou pagar, se emprestar 800 Reais em um banco, que cobra 3% de juros em 6 meses? a) 1º mês : 3% de 800 = 𝟑 𝟏𝟎𝟎 x 800 = 𝟐.𝟒𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 24 Reais b). 2º mês : 3% de 800 = 𝟑 𝟏𝟎𝟎 x 800 = 𝟐.𝟒𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 24 Reais c) 3º mês : 3% de 800 = 𝟑 𝟏𝟎𝟎 x 800 = 𝟐.𝟒𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 24 Reais
  • 11. 11 d) 4º mês : 3% de 800 = 𝟑 𝟏𝟎𝟎 x 800 = 𝟐.𝟒𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 24 Reais e) 5º mês : 3% de 800 = 𝟑 𝟏𝟎𝟎 x 800 = 𝟐.𝟒𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 24 Reais f) 6º mês : 3% de 800 = 𝟑 𝟏𝟎𝟎 x 800 = 𝟐.𝟒𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 24 Reais Nesse exemplo temos os seguintes elementos: a) Juros ( J ) = ? b) Capital inicial ( C ) = 800 Reais c) Taxa percentual mensal ( i ) = 3% d) Tempo em meses = 6 meses Então, para calcular os JUROS SIMPLES, devemos aplicar a seguinte fórmula: 𝐉𝐮𝐫𝐨𝐬 = 𝐜𝐚𝐩𝐢𝐭𝐚𝐥 𝐱 𝐭𝐚𝐱𝐚 𝐱 𝐭𝐞𝐦𝐩𝐨 𝟏𝟎𝟎 ou 2) Uma compra de 650 Reais deverá ser paga em 5 meses com uma taxa de 2,4% ao mês. Qual o total pago no final ? 𝐉𝐮𝐫𝐨𝐬 = 𝐜𝐚𝐩𝐢𝐭𝐚𝐥 𝐱 𝐭𝐚𝐱𝐚 𝐱 𝐭𝐞𝐦𝐩𝐨 𝟏𝟎𝟎 J = 𝐂 . 𝐢 . 𝐭 𝟏𝟎𝟎 = 𝟔𝟓𝟎 . 𝟐,𝟒 . 𝟓 𝟏𝟎𝟎 = 𝟕.𝟖𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 78 Reais de juros. Total a ser pago para a Loja: 650 + 78 = 720 Reais. 3) Qual o valor total deve ser pago por um empréstimo de 1.000 Reais, que deverá ser pago em 12 meses com uma taxa de juros de 4% ao mês ? 𝐉𝐮𝐫𝐨𝐬 = 𝐜𝐚𝐩𝐢𝐭𝐚𝐥 𝐱 𝐭𝐚𝐱𝐚 𝐱 𝐭𝐞𝐦𝐩𝐨 𝟏𝟎𝟎 J = 𝐂 . 𝐢 . 𝐭 𝟏𝟎𝟎 = 𝟏.𝟎𝟎𝟎 .𝟒 .𝟏𝟐 𝟏𝟎𝟎 = 𝟒𝟖.𝟎𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 480 Reais. Total a ser pago para o Banco: 1.000 + 480 = 1.480 Reais. Em 6 meses vou pagar: 6 x 24 = 144 Reais de juros O total será : 800 + 144 = 944 Reais Total pago para o BANCO Vamos simplificar esse cálculo aplicando a fórmula: 𝐉𝐮𝐫𝐨𝐬 = 𝐜𝐚𝐩𝐢𝐭𝐚𝐥 𝐱 𝐭𝐚𝐱𝐚 𝐱 𝐭𝐞𝐦𝐩𝐨 𝟏𝟎𝟎 = 𝐉 = 𝟖𝟎𝟎 𝐱 𝟑 𝐱 𝟔 𝟏𝟎𝟎 = 𝟏𝟒.𝟒𝟎𝟎 𝟏𝟎𝟎 = 144 Total = 800 + 144 = 944 Reais 𝐉 = 𝐂 . 𝐢 . 𝐭 𝟏𝟎𝟎 Fórmula de juros simples
  • 12. 12 ESTUDO DE GRÁFICOS E TABELAS NUMÉRICAS 1º EXEMPLO: Observe a tabela abaixo: Evolução do número de alunos da escola No Ensino Fundamental, precisamos aprender a ler e interpretar esses tipos de recurso que podemos observar todos os dias. Além disso, esse é um conteúdo importante da Matemática que vai acompanhá-las durante toda a escolaridade no estudo de diversas disciplinas. Existe um tipo de gráfico mais adequado para cada tipo de informação: 1) Barras Os prédios mais altos do mundo 3). Gráfico de linhas: Esse exemplo revela que para cada informa- ção que se quer comunicar há uma linguagem mais adequada- aí se incluem textos, gráficos e tabelas. "Eles são usados para facilitar a leitura do conteúdo, já que apresentam as informações de maneira mais visual", 2) Circular , Pizza ou Setores : Mostram tendências ou alterações ao longo do tempo exibindo uma série de pontos de dados conectados por segmentos de linha reta. Você pode exibir um único campo de dados como várias linhas com base em diferentes categorias por meio de valores numéricos.
  • 13. 13 No gráfico acima podemos verificar os seguintes faturamentos: a) em 2015: foi de 18 mil Reais. b) em 2016: caiu para 13 mil Reais c) em 2017: foi para 14 mil Reais d) em 2018: veio para 11 mil Reais e) em 2019: subiu para 15 mil Reais Exercícios resolvido: 1) O gráfico abaixo mostra a preferência entre 40 pessoas entrevistadas: a) . 5 pessoas preferem natação e outras 5 voleibol: b) .10 pessoas preferem futebol. c). Calcule a média de entrevistados por grupo nessa pesquisa.. RAZÃO E PROPORÇÃO SIMPLES Chamamos de RAZÃO ENTRE DOIS NÚMEROS a um número representado na forma de FRAÇÃO. Exemplos: a) 5 8 lê – se cinco oitavos. e) 20 7 lê – se vinte sétimos b) 7 10 lê – se sete décimos. f) 12 5 lê – se doze quintos c) 3 4 lê – se três quartos. g) 8 3 lê – se oito terços d) 1 2 lê – se um meio. h) 24 100 lê – se vinte e quatro centésimos Assim, toda razão matemática é dada na forma : 𝒙 𝒚 = lemos como : x está para y. Exemplos: a) 𝟐𝟎 𝟕 vinte está para sete. b) 𝟓 𝟗 cinco está para nove. Na média geral temos o seguinte valor: Média = 𝟏𝟖+𝟏𝟑+𝟏𝟒+𝟏𝟏+𝟏𝟓 𝟓 = 𝟕𝟏 𝒎𝒊𝒍 𝟓 𝒂𝒏𝒐𝒔 = 14,2 14 mil e 200 Reais em média por ano Preferências por práticas desportivas baquete corridas
  • 14. 14 c) 𝟑 𝟒 três está para quatro. d) 𝟏𝟎 𝟏𝟔 dez está para dezesseis. Quando falamos em razão, teremos: a) A razão entre 5 e 6 é 𝟓 𝟔 c) A razão entre 7 e 10 é 𝟕 𝟏𝟎 b) A razão entre 9 e 15 é 𝟗 𝟏𝟓 d) A razão entre 11 e 50 e 6 é 𝟏𝟏 𝟓𝟎 Agora vamos aplicar esse conceito de proporção em alguma tabelas matemáticas: 1º Exemplo: . a) Um maratonista planejou a seguinte tabela de treinamento semanal. 1ª semana 2ª semana 3ª semana 4 ª semana 5ª semana 6ª semana 5 km por dia 8km por dia 11 km por dia 14 km por dia 17 km por dia Pelas informações da tabela, podemos dizerque, a cada semana, ele aumenta 3 km à mais ao seu treinamento, por isso podemos dizer que a RAZÃO é 3 km e que na sexta feira ele deverá correr 20 Km, seguindo o padrão da tabela. 2º Exemplo : Uma loja de confecções produz um total de 8 camisa utilizando 60 metros linear de tecido. Assim podemos verificar que: 4 camisas 8 camisas 12 camisas 16 camisas 20 camisas 30 camisas 30 m 60 m 90 m 120 m 150 m Para cada 4 camisa utilizamos 30 m de tecido, de acordo com a tabela. Assim podemos concluir que: 4 → 30m , 8 → 60 m , 16 →120m , 20 →150m. E para calcular para 30 camisas montamos a proporção: 𝟖 camisas → 𝟑𝟎 camisas → = 𝟔𝟎𝒎 𝒙 𝒎𝒆𝒕𝒓𝒐𝒔 fazendo a multiplicação em cruz temos → 8. x (metros) = 30 . 60 8.x = 1.800 X = 1.800 8 = 225 metros de tecidos.
  • 15. 15 3º Exemplo: Qual seria o valor de x na tabela abaixo, sabendo que são valores proporcionais? Peso do produto Preço a ser pago X 120 Reais 8 kg 75Reais É assim que devemos ver as situações classificada como PROPORÇÃO SIMPLES. 4º Exemplo: Um pedreiro diz que para construir um muro de 8m vou gastar 480 tijolos. Qual o número de tijolos utilizado na construção de 15m desse muro? Metros → tijolos 8 . x = 15 . 480 8 𝑚 15 = 480 𝑥 Resolvendo em cruz x = 7.200 8 X = 900 tiljolos 2º Exercícios complementares: Aplicando as regras acima, calcule o que se pede: 1) Sabendo que para pintar 24𝒎𝟐 de parede são utilizados 8 litros de tinta, quantos litros devo compra para pintar uma parede de 42𝒎𝟐 ? 2) Em 12 dias trabalhados, José receberia 810 Reais. Como ele só trabalhou 8 dias, qual o valor que ele deverá receber? 3) Aplicando a proporção direta, calcule os valores de A na tabela abaixo: Jovens numa reunião 8 15 Quantidade de salgado 48 A 4) Em 7 hora de viagem, uma família chegou ao destino percorrendo 602km. Nessa média de viagem, quantos quilômetros eles devem ter percorridos em 5 horas de viagem? FRAÇÕES EQUIVALENTES. As frações equivalentes são aquelas escritas de maneiras diferentes, mas que expressam o mesmo valor matemático. Elas representam a mesma parte de um todo e para determiná-las é necessário SIMPLIFICAR o numerador e o denominador pelo mesmo número natural, diferente de zero. a) 15 6 = 5 2 ( simplificamos por 3 em cima e em baixo) são frações equivalentes. Resolução : a) 8 𝑘𝑔 → 𝑋 𝑘𝑔→ = 76𝑅𝑒𝑎𝑖𝑠 100 𝑅𝑒𝑎𝑖𝑠 X . 75 = 8 . 120 X . 75 = 960 X = 960 75 = 12,8 kg
  • 16. 16 b) 8 12 = 2 3 ( simplificamos por 4 em cima e em baixo) são frações equivalentes. c) 35 20 = 7 4 ( simplificamos por 5 em cima e em baixo) são frações equivalentes. d) 18 24 = 9 12 = 3 4 ( simplificado por 2 e depois por 3) são frações equivalentes. Aplicações: 1) Um carro é apresentado que ela consome 1 litro de combustível a cada 12 quilômetros rodados. Então temos as sequintes frações ou razões equivalentes: 1 𝑙𝑖𝑡𝑟𝑜 12 𝑘𝑚 = 2 24 = 3 36 = 4 48 = 5 60 = 10 120 (todas são frações equivalentes) 2) Em uma sala de aula temos 36 alunos, sendo 20 meninas e 16 meninos. Qual a razão entres: a) 𝒎𝒆𝒏𝒊𝒏𝒐𝒔 𝒂𝒍𝒖𝒏𝒐𝒔 = 𝟏𝟔 𝟑𝟔 ( simplificamos por 4) = 4 9 ou seja 4 meninos para cada 9 alunos 𝑏) 𝒎𝒆𝒏𝒊𝒏𝒂𝒔 𝒂𝒍𝒖𝒏𝒐𝒔 = 𝟐𝟎 𝟑𝟔 ( simplificamos por 4 ) 5 9 ou seja 5 meninas para cada 9 alunos 𝑐) 𝒎𝒆𝒏𝒊𝒏𝒐𝒔 𝒎𝒆𝒏𝒊𝒏𝒂𝒔 = 𝟏𝟔 𝟐𝟎 ( simplificamos por 4) 4 5 ou seja 4 meninos para cada 5 meninas. COMPARANDO DUAS OU MAIS FRAÇÕES Podemos comparar DUAS OU MAIS frações utilizando a representação numérica através de algumas propriedades. Comparar significa verificar qual é a maior ou menor quantidade ou se elas são iguais. 1º situação: Quando os denominadores são iguais, basta compararmos somente o valor dos numeradores. Observe a comparação entre as frações a) 𝟏𝟑 𝟐𝟎 > 𝟗 𝟐𝟎 b) 𝟖 𝟕 < 𝟗 𝟕 c) 𝟕 𝟏𝟎 = 𝟕 𝟏𝟎 d) 𝟏𝟒 𝟓 < 𝟏𝟓 𝟓 e) 𝟐𝟖 𝟐𝟏 = 𝟒 𝟑 ( depois de simplificado) Notemos que os denominadores são iguais, dessa forma, vamos comparar os numeradores: 2ª situação: Quando os denominadores são diferentes, devemos realizar uma operação que torne os denominadores iguais. Nessa situação, temos que calcular e aplicar o m.m.c. entre os denominadores: Exemplos: a) 𝟓 𝟖 ..?.. 𝟕 𝟏𝟐 → m.m c ( 8,12) = 24 24 vou dividir por 8 = 3 . Esse 3 vai multiplicar o 5 = 15 24 vou dividir por 12 = 2. Esse 2 vai multiplicar o 7 = 14 ? 𝟐𝟒 ...... ? 𝟐𝟒 → 𝟏𝟓 𝟐𝟒 > 𝟏𝟒 𝟐𝟒 então → Resp = 𝟓 𝟖 > 𝟕 𝟏𝟐
  • 17. 17 Frações equivalentes 𝒃) 𝟗 𝟓 ..?.. 𝟏𝟏 𝟔 → m.m c ( 5,6 ) = 30 30 vou dividir por 5 = 6. Esse 6 vai multiplicar o 9 = 54 30 vou dividir por 6 = 5. Esse 6 vai multiplicar o 11 = 55 ? 𝟑𝟎 ...... ? 𝟑𝟎 → 𝟓𝟒 𝟑𝟎 < 𝟓𝟓 𝟑𝟎 então → Resp = 𝟗 𝟓 < 𝟏𝟏 𝟔 Frações equivalentes 𝒄) 𝟖 𝟗 ..?.. 𝟓 𝟒 → m.m c ( 9,12 ) = 36 36 vou dividir por 9 = 4. Esse 4 vai multiplicar o 8 = 32 36 vou dividir por 4 = 9. Esse 9 vai multiplicar o 5 = 45 ? 𝟑𝟔 ...... ? 𝟑𝟔 → 𝟑𝟐 𝟑𝟔 < 𝟒𝟓 𝟑𝟔 então → Resp = 𝟖 𝟗 < 𝟓 𝟒 Relembrando m.m.c.: a) m.m.c. ( 5,6 ) = 30 b) m.m.c.( 8,12) = 24 5,6 2 8,12 2 5,3 3 4,6 2 5,1 5 2,3 2 1,1 2.3.5 = 30 1,3 3 1, 1 2.2.2.3 = 24 3º Exercícios complementares: 1) Aplicando o m.m.c., faça a comparação entre as frações dadas abaixo, colocando corretamente os símbolos de maior ( > ) ou menor ( < ): a) 𝟏𝟒 𝟏𝟓 … . . 𝟏𝟑 𝟏𝟎 b) 𝟗 𝟏𝟔 … . . 𝟏𝟕 𝟐𝟒 c) 𝟕 𝟏𝟎 … . . 𝟏𝟏 𝟏𝟓 d) 𝟓 𝟖 … . . 𝟕 𝟏𝟎 e) 𝟏𝟑 𝟏𝟐 … . . 𝟏𝟕 𝟏𝟖 f) 𝟑 𝟐𝟏 … . . 𝟓 𝟏𝟒 2) Aplicando as regras dadas, efetue as simplificações das frações abaixo, achando o valor simplificado: a) 𝟏𝟒𝟒 𝟏𝟐𝟖 = b) 𝟏𝟎𝟓 𝟕𝟓 = c) 𝟔𝟒 𝟐𝟒 = d) 𝟖𝟎 𝟑𝟐 = e) 𝟕𝟐 𝟏𝟐𝟎 =
  • 18. 18 PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU Secretaria Municipal da Educação EMEF "IVAN ENGLER DE ALMEIDA" 7º ANO B PERÍODO LETIVO 3° BIMESTRE – BLOCO 1 – 26/07 A 20/08/2021 NOME DO ALUNO:_____________________________________________ TURMA: ____________ HISTÓRIA Enunciado:. Estamos iniciando o 3º bimestre, sejamos perseverantes e atentos na realização das atividades, metade do caminho já foi feito, vamos agora começar a concluir o restante. Temos mais uma atividade diante de nós, queremos conhecer um pouco mais do Brasil durante o período colonial, o que já começamos a ver na atividade anterior. Começando pelas capitanias hereditárias, entrando nos governos- gerais e nas câmaras municipais, para depois falar sobre os jesuítas e a sociedade, para por fim, falar da escravidão e a resistência a ela. Boa atividade a todos! Indicação: https://youtu.be/xZoQM6fpW80; https://youtu.be/voNy_C5iO3Q HISTÓRIA Atividade: Brasil colonial As capitânias hereditárias De início, a extração do pau-brasil, principal atividade dos portugueses na América, não levava à fixação de colonos. Esse tipo de exploração não demandava a formação de núcleos populacionais. Na década de 1530, a Coroa portuguesa na América começou a produzir açúcar, artigo mais valorizado na Europa. Seu comércio gerava grandes lucros, como mostrou a experiência dos portugueses na ilha de Madeira e Açores. Para implantar esse cultivo, o rei dom João III, decidiu usar um sistema que tivera sucesso naquelas ilhas: a divisão do território em grandes lotes, doados a fidalgos (nobres) portugueses, chamados donatários. Os donatários poderiam explorar economicamente as terras do novo continente, com seus próprios recursos, desde que pagassem à Coroa parte dos lucros obtidos. Assim, em 1534, Portugal dividiu sua colônia em 15 faixas de terras denominadas hereditárias, que foram doadas a 12 donatários. As terras recebidas não podiam ser vendidas, pois pertenciam ao rei. Em compensação, o donatário podia transferir a capitania a seus
  • 19. 19 herdeiros e tinha o direito de doar sesmarias (vastas propriedades) a colonos católicos, utilizar indígenas para trabalho agrícola, montar engenhos, cobrar impostos e ainda exercer a justiça em seus domínios. De todas as capitanias, apenas duas tornaram-se viáveis: a de São Vicente, no sul e a de Pernambuco, no norte. Nesses locais, o cultivo de açúcar foi bastante lucrativo e permitiu a continuidade da colonização. Diversos fatores contribuíram para o insucesso da maioria das capitanias hereditárias, entre os quais: a distância em relação à metrópole; a grande extensão territorial; a resistência dos indígenas aos conquistadores europeus; os ataques dos corsários franceses; o desinteresse dos donatários, pois muitos não conseguiam arcar com as despesas para a colonização de suas capitanias e, por isso, nem chegaram a tomar posse delas. Os governos-gerais Considerando os problemas das capitanias hereditárias, dom João III decidiu centralizar a administração colonial criando o cargo de governador-geral. Essa medida contribuiu para a ocupação e a exploração mais efetiva do território americano. O sistema do governo-geral complementou o das capitanias hereditárias. O governo-geral, nomeado pelo rei, deveria cuidar da colonização e da justiça, organizar as rendas, nomear funcionários para as capitanias, incentivar a lavoura de cana, procurar metais preciosos, defender os colonos e explorar o pau- brasil. Seus auxiliares diretos eram o ouvidor-mor (justiça), o provedor-mor (finanças) e o capitão-mor (defesa e vigilância do litoral). A primeira sede do governo-geral foi a capitania da Bahia de Todos-os-Santos, transformada em capital real. O primeiro governador-geral foi Tomé de Sousa, que em 1549 se instalou na Bahia de Todos-os- Santos, onde organizou um núcleo urbano que seria a primeira cidade do Brasil e capital da colônia, Salvador. Centenas de colonos vieram com ele para formar fazendas nas sesmarias doadas, com o objetivo de cultivar a cana. Duarte da Costa foi o próximo governador-geral. Em 1553, trouxe colonos e jesuítas, incluindo José de Anchieta. Durante seu governo, os franceses tentaram estabelecer uma colônia na região do atual Rio de Janeiro, iniciando uma guerra que durou mais de dez anos. O grupo de franceses, que em 1555 ocupou a costa da região da atual cidade do Rio de Janeiro, tinha a intenção de formar uma colônia, chamada França Antártica. Tentando ganhar o apoio dos nativos, os franceses fizeram uma aliança com os Tamoio, que habitavam a área e eram inimigos dos portugueses, pois estes os escravizavam. Assim, formou-se a Confederação dos Tamoio, que dificultou a expulsão dos franceses. Em março de 1560, com o apoio de uma armada vinda da metrópole, os portugueses tomaram a principal fortificação francesa, mas não conseguiram expulsá-los. Nesse confronto, José de Anchieta e Manuel de Nobrega tiveram atuação fundamental, levando os Tamoio a desfazerem seu acordo com os franceses e a não lutarem contra as forças reais. Em 1565, aproveitando-se das derrotas francesas, Estácio de Sá, sobrinho do governador Mem de Sá, lançou as bases para a fundação da vila que viria a tornar-se a cidade de são Sebastião do Rio de Janeiro. Seus objetivos eram estabelecer o domínio luso na região, expulsar os colonos da França Antártica, pacificar os indígenas, explorar os bens da costa brasileira e combater as embarcações francesas que ainda traficavam na América portuguesa. Em 1567, os portugueses conseguiram expulsar os franceses. As Câmaras Municipais As decisões sobre a vida cotidiana dos colonos cabiam às Câmaras Municipais, responsáveis pelo governo das vilas e cidades. Algumas das atribuições das Câmaras eram: regulamentar as edificações das cidades e a limpeza das ruas; fixar penas para os que faltassem às procissões; controlar pesos e medidas dos produtos feitos pelos artesãos; determinar a prisão dos acusados de perturbar a ordem. Somente os chamados homens-bons (proprietários de terras e de escravos, que eram portugueses ou seus descendentes) podiam ser eleitos vereadores da Câmaras Municipais. Jesuítas na América portuguesa As missões ou reduções eram agrupamentos indígenas dirigidos por missionários jesuítas que chegaram à América para converter os indígenas ao catolicismo. Nas missões, os nativos eram catequisados e aprendiam os hábitos e costumes dos colonizadores. Essa prática desagradava aos colonos, que eram impedidos pelos missionários de escravizar os nativos.
  • 20. 20 Missões jesuítas no território que hoje é o Rio Grande do Sul A Coroa procurava administrar a rivalidade entre colonos e jesuítas. Se, por um lado, era importante que os colonos utilizassem os nativos na produção, por outro, as missões jesuíticas eram necessárias para garantir a ocupação do território e pacificar comunidades indígenas. Somente a partir de 1570, quando Portugal passou a incentivar a importação de africanos escravizados, as disputas entre colonos e jesuítas diminuíram. Os indígenas cristianizados perdiam os elos com sua cultura original, mas também não eram aceitos como indivíduos livres e iguais na sociedade colonial. Apesar disso, foram os jesuítas que preservaram muitas tradições culturais indígenas, como a língua tupi. A sociedade colonial O grupo social de maior prestígio na sociedade açucareira era o dos senhores de engenho. Eram eles os donos das terras, do maquinário e dos escravizados. Muitos senhores de engenhos descendiam dos primeiros colonizadores portugueses e se consideravam a nobreza da terra. Os laços de sangue, reforçados por casamentos entre pessoas dessa nobreza, ajudavam a preservar o prestígio e o poder desse grupo social. A nobreza da terra expandia seu poder ocupando cargos importantes nas Câmaras Municipais das vilas e das cidades coloniais. Nas proximidades dos grandes engenhos viviam também homens livres, conhecidos como “lavradores de cana”, assim chamados porque possuíam terras onde cultivavam cana-de-açúcar, mas dependiam do senhor para moê-la. Em troca, pagavam com uma parte do açúcar obtido. As maiores fortunas no Brasil colonial estavam nas mãos dos comerciantes de escravos, de produtos europeus e indianos e de produtos locais. Muitos comerciantes usavam o dinheiro conseguido pelo comércio para se tornarem senhores de engenho. Houve também comerciantes que se casaram com filhas dos senhores e, com isso, conseguiram chegar ao topo da hierarquia social. Muitos engenhos empregavam assalariados. Entre os trabalhadores dos grandes engenhos, havia também artesãos (carpinteiros, pedreiros, ferreiros etc.) que recebiam por dia ou por tarefa. Grande parte da população colonial era formada por africanos escravizados e seus descendentes. Do trabalho deles dependia o funcionamento da economia colonial. Os que trabalhavam carpindo, plantando, colhendo e pescando eram chamados escravos de campo e constituíam 80% dos escravizados dos maiores engenhos. Os que trabalhavam na fabricação de açúcar formavam 10% do total. Os domésticos (cozinheira, faxineira, arrumadeira etc.), juntos compunham os outros 10%. O local de moradia dos escravizados chamava-se senzala, uma palavra de origem banta que quer dizer “povoado” ou “comunidade”. Portanto, provavelmente, foram os próprios africanos que deram esse nome às suas moradias. As senzalas eram habitações feitas geralmente de pau a pique e cobertas de sapé.
  • 21. 21 Estudos recentes sobre registros de batismo, casamento e morte de escravos vêm mostrando que as famílias escravas tinham práticas, visões e valores próprios. E mais: reagiam à imposição de seus senhores, tomavam iniciativas e buscavam viver do seu jeito. Alimentação e violência Nas grandes fazendas a maioria dos escravizados recebia uma cuia de feijão e uma porção de farinha de mandioca ou de milho. Vez por outra, recebia também rapadura e charque (que, conforme a região, tinha o nome de carne-seca, carne-do-sul, carne-do-ceará etc.). De modo geral, a alimentação dos escravizados era insuficiente e pobre em proteínas, o que acarretava sérios problemas de saúde e envelhecimento precoce. Os escravizados recebiam castigos por qualquer pequena falta. Entre os instrumentos de castigo estavam a palmatória, a gargalheira e a máscara de flandres, feita de zinco ou folha de flandres, era um instrumento que permitia à vítima enxergar e respirar, mas a impedia de se alimentar. Resistência O excesso de trabalho, a disciplina rigorosa, os castigos, o fato de o senhor não cumprir com a palavra quando um escravizado conseguia juntar dinheiro para comprar sua carta de alforria, tudo isso provocou diferentes formas de resistência entre escravizados. Eles resistiam praticando religiões de origem africana; jogando capoeira; promovendo festejos, como o congado, o reisado, o jongo; e fundando irmandades. Capoeira Candomblé As irmandades eram associações organizadas por leigos e que tinham sede em igrejas católicas. Para que uma irmandade funcionasse era necessário que tivesse seus estatutos aprovados por uma autoridade da Igreja Católica. As irmandades promoviam: o culto aos seus santos padroeiros; a cooperação entre seus membros para construir, reformar ou ornamentar uma igreja; assistência mútua entre seus integrantes. A assistência era de ordem material (protegendo suas famílias da pobreza) e espiritual, garantindo aos integrantes apoio na hora da morte (missa de corpo presente, sepultamento digno e orações em sua intenção). Outras formas de resistência Os africanos e seus descendentes resistiram também desobedecendo, fazendo corpo mole no trabalho, quebrando ferramentas, incendiando plantações, suicidando-se, agredindo feitores e senhores, negociando melhores condições de vida e trabalho, fugindo sozinhos ou com companheiros e formando quilombos. No Brasil de hoje existem povoações habitadas pelos descendentes dos antigos quilombolas. Espalhados por todo o território nacional, essas comunidades são chamadas de remanescentes de quilombos. São mais de 80 mil pessoas vivendo de um jeito parecido com o de seus antepassados. Em algumas dessas comunidades, a língua falada conserva termos africanos.
  • 22. 22 A Constituição brasileira de 1988 reconheceu a propriedade definitiva das terras ocupadas por comunidades quilombolas. Mas conseguir documentar a posse da terra não tem sido tarefa fácil. Além da demora do processo, há o fato de que muitas dessas terras são cobiçadas por fazendeiros e, por vezes, estão localizadas em áreas de mananciais e de reservas de extração vegetal e mineral. Muitos habitantes das atuais comunidades quilombolas vêm travando uma luta árdua para reunir provas de que são descendentes de escravizados e de que as terras em que vivem lhes pertencem. Referências: BOULOS, Alfredo. História: Sociedade e Cidadania. São Paulo: FTD, 2018. VICENTINO, C; VICENTINO, J. B. Teláris. São Paulo: Ática, 2010. APOLINÁRIO, M. R. Projeto Araribá. São Paulo: Moderna, 2010. Questões 1) O que eram as capitanias hereditárias? Olhando o mapa das capitanias, escreva o nome de três delas. _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ 2) Quais fatores contribuíram para o insucesso das capitanias hereditárias? _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ 3) Considerando os problemas das capitanias hereditárias, dom João III decidiu centralizar a administração colonial, criando o cargo de governador-geral. Do que deveria cuidar o governador-geral? _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________
  • 23. 23 4) Durante o governo-geral, quais eram as atribuições das Câmaras Municipais? _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ 5) O que eram as missões jesuíticas? Escreva o nome de três missões jesuítas no território que hoje é o Rio Grande do Sul. _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ 6) Quais eram os meios utilizados pelos comerciantes para chegar ao topo da hierarquia social? _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ 7) O que os estudos recentes têm revelado sobre as famílias escravas do período colonial? _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ 8) Quais eram os instrumentos de castigo usados para punir os escravos? _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ 9) Em dois trechos do texto são indicadas as formas de resistência dos escravos africanos. Quais eram essas formas de resistência? Olhando o mapa dos quilombos principais, escreva o nome e a data dos principais quilombos que existiram no estado da Bahia. _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ 10) O que eram as irmandades? O que elas promoviam? _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________ _____________________________________________________________________________________
  • 24. 24 PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU Secretaria Municipal da Educação EMEF "IVAN ENGLER DE ALMEIDA" 7º ANO B PERÍODO LETIVO 3° BIMESTRE – BLOCO 1 – 26/07 A 20/08/2021 NOME DO ALUNO:_____________________________________________ TURMA: ____________ GEOGRAFIA 1ª Quinzena Objetivo: Vamos agora estudar a Região Sudeste, região em que vivemos. Vamos conhecer alguns aspectos dessa região relacionados ao meio físico, população e características econômicas. Leia atentamente o texto e depois responda as questões recorrendo às informações nele apresentadas. REGIÃO SUDESTE: CARACTERÍSTICAS NATURAIS E SOCIAIS* A região Sudeste é composta de quatro estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo. Essa região faz fronteira com os estados da Bahia, Goiás, Mato Grosso do Sul e Paraná. É a região mais populosa e povoada do Brasil. Nela vivem cerca de 85 milhões de pessoas. Vamos conhecer melhor essa região. 1) Região Sudeste: aspectos físicos Relevo Na porção leste, o que marca o relevo é o planalto com domínio de serras, conhecido como Mares de Morros. Essa feição foi formada, ao longo do tempo geológico, por erosão causada principalmente pela ação das chuvas. Esse planalto caracteriza o Sudeste como a região com o maior conjunto de terras altas do país. Na extensão de Mares de Morros destacam-se a Serra do Mar, a Serra do Espinhaço e a Serra da Mantiqueira. Esses planaltos e serras ocupam praticamente todo o leste do Estado de São Paulo, a maior parte dos estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo e o centro-leste de Minas Gerais. Na porção oeste da Região Sudeste, mais precisamente no oeste dos estados de São Paulo e Minas Gerais, predominam terras mais baixas do que as da porção leste. Há predomínio principalmente no oeste paulista, do latossolo (terra roxa), de origem vulcânica, muito fértil para a agricultura. Hidrografia As bacias hidrográficas da Região Sudeste são quatro: Bacia do Rio Paraná, Bacia do Rio São Francisco, Bacia do Atlântico Leste e Bacia do Atlântico Sudeste. Como a maioria está localizada em relevo planáltico, seus rios são encachoeirados e propícios à geração de energia. O potencial hidrelétrico é um quesito muito importante na região mais populosa, industrializada e de comércio mais intenso do país, pois é a maior consumidora de energia. Outra utilidade econômica das bacias da Região Sudeste, sobretudo a do Paraná, é a navegação. Com a construção de eclusas, muitos trechos de difícil navegação nessa bacia planáltica foram corrigidos e alguns rios da região tornaram-se importantes hidrovias. Um dos principais problemas nos rios da região é a poluição, resultante de variadas atividades humanas, como o lançamento de esgotos urbanos, uso de agrotóxicos na agricultura e liberação de produtos químicos provenientes da mineração. Clima No norte e no oeste do Estado de Minas Gerais e no noroeste do Estado de São Paulo predomina o clima tropical, sempre quente, com uma estação chuvosa e outra seca. No sudoeste do Estado de São Paulo, o
  • 25. 25 clima é subtropical, com temperaturas mais baixas no inverno. Na estreita faixa litorânea da região – litoral norte de São Paulo e todo o litoral do Rio de Janeiro e do Espírito Santo – predomina o clima tropical atlântico, com temperaturas elevadas durante o ano e alta pluviosidade. As chuvas da região são consequência da proximidade do oceano e das formas do relevo. A alta pluviosidade dessa s áreas pode ocasionar desmoronamento ou deslizamento de encostas. Vegetação Na Região Sudeste, a vegetação nativa principal é a Mata Atlântica, que se beneficia da umidade das áreas serranas, próximas ao oceano. As áreas dominadas por essa formação vegetal sofreram muita devastação ao longo da história. Entre os principais motivos para a preservação do que resta dessa formação vegetal estão a regulação dos mananciais e o controle e equilíbrio climático que ela proporciona. A mata também é importante para a proteção das encostas e, devido a sua exuberância, há excelente potencial de ecoturismo a ser explorado. A destruição da Mata Atlântica expõe o solo das regiões serranas e encostas de morros, tornando-o mais suscetível à erosão. A construção de moradias nessas áreas sujeitas a deslizamentos de terra coloca em risco a vida dos habitantes. Outra formação vegetal que se destaca é a do Cerrado. Ela ocupa grandes espaços do oeste e do norte de Minas Gerais e pequenas áreas do norte do estado de São Paulo. Caracteriza-se por campos de vegetação rasteira e árvores esparsas, plantas adaptadas ao calor e aos períodos de pouca chuva no inverno. 2) Região Sudeste: População Nos quatro estados da Região Sudeste estão concentrados mais de 80 milhões de habitantes, segundo o Censo de 2010 do IBGE, configurando-se na região mais populosa do país é também a região mais densamente povoada, com cerca de 85 hab./Km². As maiores concentrações populacionais estão no Vale do Paraíba e nas regiões metropolitanas de São Paulo, do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte. Segundo dados do Censo de 2010, a população dessa região é uma das que têm maior expectativa de vida. Os estados do Espírito Santo e de São Paulo estão entre os cinco primeiros com probabilidade de morte mais tardia no país. As elevadas taxas de industrialização, a urbanização, a intensa atividade econômica e o desenvolvimento dos serviços de saúde e educação são alguns dos fatores que fazem da população da Região Sudeste ter bons indicadores sociais, em comparação com outras regiões do país. De acordo com dados do IBGE (2010), a Região Sudeste tem, junto com a Região Sul, as menores taxas de mortalidade infantil (13,1 pessoas a cada 1000 nascidas) e também as menores taxas de analfabetismo do país (1,5% do total de pessoas entre 15 e 24 anos de idade). Além de abrigar as duas únicas metrópoles globais do país – São Paulo e Rio de Janeiro –, a Região Sudeste comporta as três maiores regiões metropolitanas: São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. De acordo com o Censo 2010, essas regiões somavam aproximadamente 37 milhões de pessoas. Uma das características das regiões metropolitanas é o processo de conurbação: a proximidade da cidade com seus limites territoriais acaba ligando-a a outras cidades. Por isso, é comum haver cidades interligadas espacialmente na Grande São Paulo, Grande Rio de janeiro e Grande Belo Horizonte, por exemplo. Embora esses aglomerados humanos ofereçam vantagens, como concentração e densidade de pessoas, bens e atividades que favorecem as interações sociais, também apresentam problemas, como inundações, poluição do ar, carência de moradia e dificuldade de manter um sistema de saneamento básico com qualidade, principalmente coleta e tratamento de lixo e esgoto. 3) Região Sudeste: produção econômica Indústria Com o passar dos anos, a industrialização do Sudeste foi se desenvolvendo, recebeu investimentos e diversificou seus setores de atuação. Passou a concentrar vários ramos de negócio e setores industriais, com: usinas siderúrgicas; indústrias químicas, têxteis, alimentícias, farmacêuticas e automobilísticas; empresas de telecomunicação e de informática; instituições financeiras; refinarias de petróleo; usinas de açúcar e álcool, entre outros. Essa estrutura econômica transformou o Sudeste na região de maior influência econômica e política do país. O desenvolvimento econômico da região também foi muito favorecido pela disponibilidade de recursos naturais. Os principais recursos são o minério de ferro, retirado principalmente do Quadrilátero Ferrífero de Minas Gerais, e o petróleo, extraído, entre outras, da Bacia de Campos, no litoral do Espírito Santo e do Rio de Janeiro, e da Bacia de Santos, que vai do Rio de Janeiro, abrange o mar territorial de São Paulo e
  • 26. 26 do Paraná e segue até Santa Catarina. Essas são, atualmente, as principais bacias petrolíferas do país. Além desses recursos, há boa oferta de energia elétrica em razão do potencial hidrelétrico da região, que é banhada por rios encachoeirados, como os da Bacia do Rio Paraná, por exemplo. Outro importante fator que contribui para o desenvolvimento da atividade industrial é o sistema de transportes. O Sudeste tem a maior rede rodoviária do país, com estradas que interligam áreas da própria região, e está às demais regiões, além de portos importantes, como o de Santos, o maior do país; o de Tubarão, no Espírito Santo; e o Porto do Rio de Janeiro. Agropecuária Desde o período áureo do café, ciclo importante da economia brasileira, o Sudeste destaca-se pela produção agrícola. A região caracteriza-se pela policultura, com práticas que abrangem desde a agricultura familiar, para abastecer o mercado nacional, até a agricultura de exportação. O potencial agrícola da região foi naturalmente favorecido pelo solo fértil, popularmente conhecido como terra rocha, nos planaltos e chapadas da Bacia do Paraná. Com a maior população absoluta do país, a demanda por alimentos tornou as atividades desse setor fundamentais. A pecuária também se desenvolveu muito, a região tem hoje o segundo maior rebanho bovino do país, atrás apenas da Região Centro-Oeste. Predominam a pecuária de corte (produção de carne) de bovinos e suínos e a criação de aves. Serviços e comércio O Sudeste é a região que tem a maior taxa de urbanização do Brasil, além de ser muito industrializada. Assim, o setor terciário – de serviços e comércio – também se tornou o mais desenvolvido do país. A intensificação desse setor deve-se ainda à atividade turística, pois há no Sudeste inúmeros atrativos, muito visados por brasileiros e estrangeiros. Destacam-se os estados do Rio de Janeiro e do Espírito Santo, pelas belas praias; a cidade de São Paulo e seu atraente polo cultural e financeiro; Minas Gerais, pela beleza de suas cidades históricas, como Ouro Preto, Tiradentes, Diamantina, entre outras. *Fonte: SILVA, A; ROSS, J. Tempo de Geografia. São Paulo: Brasil, 2018. Questões 1) O que predomina no relevo da porção leste e oeste da Região Sudeste? __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ 2) Para quais atividades econômicas são utilizados os rios da Região Sudeste? __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ 3) Qual é o principal problema dos rios da Região Sudeste? __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ 4) Quais são os climas que aparecem na Região Sudeste? __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ 5) Quais são as formações vegetais que se destacam na Região Sudeste? __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________
  • 27. 27 6) Quais são os motivos para a preservação do que resta da Mata Atlântica? __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ 7) A Região Sudeste, pode ser considerada a mais populosa e povoada do Brasil? Explique. __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ 8) Quais fatores contribuem para que a população da Região Sudeste tenha bons indicadores sociais em comparação com as outras regiões do país? __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ 9) Cite três fatores que contribuem para o desenvolvimento econômico (industrial) da Região Sudeste. __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ 10) Quais fatores contribuem para o grande potencial agrícola da Região Sudeste? __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ __________________________________________________________________________________ 2ª quinzena Objetivo: Vamos agora estudar a Região Sul e a Região Centro-Oeste do Brasil. Abordaremos os aspectos físicos, populacionais e econômicos dessas duas regiões. Leia atentamente o texto e depois responda as questões recorrendo às informações nele apresentadas REGIÃO SUL: CARACTERÍSTICAS NATURAIS E SOCIAIS* A Região Sul é composta por três estados: Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Entre as cinco regiões que, segundo o IBGE, compõem o Brasil, ela é a de menor extensão territorial e corresponde a, aproximadamente, 7% do território nacional. Nessa região vivem cerca de 29 milhões de habitantes. Aspectos físicos A maior parte do relevo da Região Sul é composta de planaltos. Os Planaltos e Chapadas da Bacia do Paraná se estendem também pela Região Sudeste e representam mais da metade do território do sul do país. Quanto à hidrografia, quatro bacias banham a Região Sul: Bacia do Rio Paraná, Bacia do Rio Uruguai, Bacia do Atlântico Sudeste e Bacia do Atlântico Sul. As bacias do Paraná e do Uruguai escoam pelo relevo planáltico e pelas chapadas da região, com inclinação que dá fluxo intenso aos rios, o que favorece a produção de energia hidrelétrica. O clima dominante na Região Sul é o subtropical, um dos tipos climáticos da zona temperada sul do planeta. Por estar nessa zona climática, em latitudes mais elevadas, a região tem as médias de temperatura mais baixas do país. Com grande amplitude térmica e chuvas regulares durante o ano, as quatro estações são bem definidas, com verões quentes e invernos frios. No inverno, atua a massa polar atlântica (mPa), que causa na região as mais baixas temperaturas nessa estação do ano. Muitas vezes ocorre neve nas cidades serranas de Santa Catarina. Destaca-se na Região Sul a mata de araucária, também conhecida como mata dos pinhais, que ocupa áreas dos três estados. Essa vegetação está adaptada às temperaturas mais baixas e aos lugares de relevo de grande altitude. É de grande porte, aciculifoliada (tem folhas finas e alongadas), aberta e homogênea, com predominância de pinheiros. A região apresenta ainda a vegetação de campos, no centro-sul do estado do Rio Grande do Sul, também conhecida como pampas gaúchos ou campanha gaúcha. É uma vegetação herbácea (gramíneas), associada a temperaturas mais baixas e solos relativamente pobres.
  • 28. 28 População A Região Sul concentra aproximadamente 27,3 milhões de habitantes (Censo do IBGE de 2010) e é a terceira mais populosa do país em números absolutos. Com aproximadamente 48,6 habitantes por quilômetro quadrado, ela é, proporcionalmente, a segunda região mais povoada do país, atrás do Sudeste. Aproximadamente 85% da população dessa região vive no ambiente urbano. Esse predomínio é consequência do êxodo rural, em razão do desenvolvimento industrial, da mecanização da lavoura e, sobretudo, da tendência da população de buscar acessibilidade, bens, atividades e espaços públicos de qualidade, recursos concentrados nas áreas urbanas. Segundo dados do Censo 2010, a população da região Sul é a que tem a melhor expectativa de vida. A Região Sul é a que tem os melhores indicadores sociais no cenário nacional: menores taxas de mortalidade infantil e analfabetismo, melhores indicadores de saúde e alto Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Produção econômica Atualmente, tanto a agricultura como a pecuária da Região Sul são feitas com o auxílio de tecnologia moderna, e a produção geralmente é destinada à exportação e ao abastecimento das agroindústrias da região. A Região Sul destaca-se na economia brasileira por ser a segunda maior produtora de grãos; é responsável por quase 40% de toda a produção do país, principalmente no cultivo de soja, milho e trigo. A pecuária é uma atividade antiga da região. Atualmente a criação ocorre tanto no sistema extensivo, para corte, como no sistema intensivo, para leite. Nesse último caso, é praticada em propriedades mais próximas dos grandes centros urbanos. É na região Sul, especialmente em Santa Catarina e no Paraná, que está a maior criação de suínos e aves do país, que abastece as indústrias de carne e embutidos. A pesca mais desenvolvida do país ocorre no estado de santa Catarina e é geradora de muitos empregos diretos e indiretos. O carvão mineral é o principal produto do extrativismo mineral, retirado do vale do Tubarão, região de Criciúma, em Santa Catarina. A industrialização da Região Sul foi consequência do desenvolvimento da agropecuária, o que levou os setores industriais alimentício e têxtil a serem os primeiros a se desenvolver. Com o passar do tempo, outros setores foram se instalando na região, favorecidos pelo grande mercado consumidor e pela disponibilidade de matéria-prima e energia. *Fonte: SILVA, A; ROSS, J. Tempo de Geografia. São Paulo: Brasil, Questões 1) Por quais estados é composta a Região Sul do Brasil? Comparando com as outras regiões o que podemos dizer sobre sua extensão territorial? _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ 2) Qual é o relevo, o clima e a vegetação que predominam na Região Sul? _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ 3) Quanto ao número de habitantes e o número de habitantes por quilômetro quadrado, o que podemos dizer sobre a Região Sul? _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________
  • 29. 29 _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ 4) Hoje, 85% da população da Região Sul, vive no ambiente urbano. Por que isso acontece? _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ 5) Atualmente, o que podemos dizer sobre a agricultura e a pecuária da Região Sul? _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________
  • 30. 30 PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU Secretaria Municipal da Educação EMEF "IVAN ENGLER DE ALMEIDA" 7º ANO B PERÍODO LETIVO 3° BIMESTRE – BLOCO 1 – 26/07 A 20/08/2021 NOME DO ALUNO:_____________________________________________ TURMA: ____________ CIÊNCIAS Olá, como você está? Espero que bem! Estamos iniciando nosso 3º bimestre. Nesta postagem vamos estudar alguns conceitos básicos em saúde e indicadores de saúde. E também: o sistema imunológico: soros e vacinas, histórico das vacinas, caderneta de vacinação e mecanismos de defesa naturais. Assuntos muito importantes para esse momento em que vivenciamos uma crise de saúde histórica A aula está dividida em duas partes. Leia atentamente os textos para responder as questões, anotando as dúvidas no caderno ou, se for possível, mande as dúvidas e comentários no grupo do whatsapp. PARTE 1: Como você está? Tem se sentido bem? Está com saúde? Aparentemente, esta é uma pergunta simples, mas ao refletir um pouco podemos perceber certa dificuldade em se definir o que é a saúde. Em muitos momentos, na visão médica e popular, predomina-se uma ideia de que a saúde significa não ter doença. Este entendimento carrega uma visão negativa de saúde. Além disso, nem sempre a ausência de sinais e sintomas indicam uma condição saudável. Este é o símbolo da OMS. A Organização Mundial da Saúde (OMS) fundada em 7 de abril de 1948, após a Segunda Guerra Mundial, com o objetivo de garantir a todas as pessoas o mais elevado nível de saúde, e definiu-se saúde como"um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doença ou enfermidade". Essa agência especializada das Nações Unidas surgiu com a proposta de cuidar de questões relacionadas com a saúde global. https://www.drmaurogomes.com.br/historia/asclepio-hermes-e-a-serpente-11/#gsc.tab=0 No dicionário o conceito SAÚDE significa: substantivo feminino, Estado do organismo que está em equilíbrio com o ambiente, mantendo as condições necessárias para dar continuidade à vida. Estado habitual de equilíbrio mental, físico e psicológico. Condição de são, de quem está saudável: boa saúde. Mas isso é atingível? Ou seja, é possível estarmos inteiramente física, menta e social bem? É o que muitas pessoas estão questionando. O que vocês acham? Olhando estas figuras o que vocês lembram?
  • 31. 31 O que vem à mente é uma vida saudável, não é? Com alimentação saudável, lazer, vacinação, etc. A saúde, portanto, está diretamente relacionada à qualidade de vida das pessoas. Sem qualidade de vida não há saúde e vice-versa. Além de tomar vacinas, ter acompanhamento médico, alimentar-se de forma equilibrada e procurar fazer uma atividade física, para termos saúde precisamos criar situações em nossa vida para o lazer, a cultura e o convívio afetivo com familiares e amigos. Concordam? O conceito de saúde Essa ideia de “completo bem-estar” pode parecer que a saúde é um estado inalcançável e utópico, mas é um esforço para entendê-la de uma forma positiva. Este conceito também mostra que a saúde é um sistema complexo, pois além da condição de bem-estar do corpo e mente do indivíduo, também leva em conta o contexto social que este indivíduo está inserido. Neste sentido, a saúde possui várias dimensões: biológica, psicológica, econômica, social, cultural, individual, coletiva, etc. Ou seja, nós não somos os únicos responsáveis pela nossa saúde; fatores sociais, ambientais, econômicos, culturais, influem fortemente no nosso processo de saúde-doença. Podemos considerar que uma pessoa que carece de alimento vai reagir a uma doença da mesma forma que alguém que se alimenta adequadamente? Com certeza não. O adoecimento é inevitável ao longo da vida. Porém, retornar ao estado de saúde implica na capacidade de reagir a uma patologia. PATOLOGIA: doença, distúrbio, disfunção, afecção, mal, problema, mazela, enfermidade, moléstia Há muita desigualdade nas condições em que as pessoas vivem ou trabalham. Diante disso, diversos e complexos problemas podem ser determinantes ou condicionantes de variadas doenças e agravos. Em outras palavras, muitas condições tornam um indivíduo mais exposto/vulnerável ou diminui sua capacidade para reagir e se recuperar caso adoeça, como as condições listadas a seguir:  insegurança alimentar (falta de acesso ao alimento, alimento não saudável ou contaminado),  ausência de saneamento básico no bairro/cidade (água tratada, coleta e tratamento do esgoto, coleta de lixo, drenagem de água da chuva),  condições precárias de moradia,  falta de serviços de saúde de qualidade,  falta de acesso à educação,  condições precárias de trabalho ou falta de emprego,  exposição a altos índices de poluição do ar, da água ou do solo,  indisponibilidade de áreas de lazer e de acesso à cultura,  comorbidades, entre outros fatores.
  • 32. 32 COMORBIDADE: co + morbidade. Co tem o sentido de junção, união. Morbidade pode ser entendido como doença, enfermidade. Logo, comorbidade é a associação de duas ou de várias doenças, que um paciente apresenta ao mesmo tempo. Saúde como Direito A Constituição Brasileira, de 1988, afirma no Artigo 196 que “a saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”. A elaboração da Constituição Brasileira foi um momento histórico para o país que, após a Ditadura Militar, estava em processo de redemocratização. Houve participação de vários setores da sociedade brasileira, como movimentos sociais, gestores públicos e técnicos. Após ampla discussão, foi então criado em 1988 o Sistema Único de Saúde (SUS), que garante à todas as pessoas, sem exceção, o acesso aos serviços de saúde, dando assim seu caráter universal. Ainda precisa de recursos e melhoria, mas foi criado com o objetivo de oferecer acesso integral, universal e gratuito, sendo de extrema importância para os brasileiros, pois é um sistema de saúde que beneficia milhões de pessoas. Saúde Pública Quando falamos em saúde pública estamos nos referindo às ações e serviços que visam proteger e melhorar a saúde da população. Para se avaliar as condições de saúde de uma população, ou parte dela, e contribuir com os órgãos governamentais ou outros setores da sociedade na tomada de decisões, utiliza-se os indicadores de saúde. INDICADORES DE SAÚDE: são critérios utilizados para avaliar aspectos da saúde de populações humanas e fornecer informações para planejamentos públicos. “O indicador de saúde tem a capacidade de mensurar (medir) umacaracterística de saúde em uma determinada população.” Levando-se em conta as múltiplas dimensões da saúde preconizada pela OMS, os indicadores reúnem informações sanitárias, econômicas e sociais, e são gerados a partir de dados obtidos de algumas formas: nas entrevistas em residências (como o censo do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) ou diretamente nos hospitais e maternidades (informações sobre novos casos de doenças ou índices de nascimentos e óbitos). Principais indicadores de saúde EXPECTATIVA DE VIDA: É uma estimativa do número de anos que uma pessoa viverá, baseando-se na longevidade média de determinada população. TAXAS DE MORTALIDADE: São divididos em várias categorias. A taxa de mortalidade infantil é a mais utilizada, e indica o número de crianças que morrem antes de completar um ano de idade. É calculada a cada mil crianças que nascem vivas no período de um ano; sendo um indicador social de extrema relevância para a análise do desenvolvimento social e econômico de um país. Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), reduzir a mortalidade infantil é uma das principais metas das políticas para a infância de todos os países. Entre as principais causas de morte infantil estão a desnutrição, falta de saneamento básico e não acesso a serviços de saúde. ESCOLARIDADE: Refere-se à porcentagem de crianças na escola, ao número médio de anos que elas permanecem estudando, além da qualidade do ensino.
  • 33. 33 ANALFABETISMO: É a porcentagem de pessoas que não sabem ler e escrever. Este indicador é muito importante pois evidencia a desigualdade na população. As pessoas consideradas analfabetas costumam enfrentar outros problemas sociais graves, como a fome e o desemprego. SANEAMENTO BÁSICO: O saneamento básico inclui o abastecimento das casa com água tratada, a coleta e tratamento do esgoto, destinação adequada do lixo, entre outros. Esse indicador avalia a cobertura de cada uma dessas medidas na região ou país. A falta de saneamento básico está diretamente relacionado a diversas doenças que são transmitidas pela água contaminada e pelo lixo. Este indicador evidencia também a desigualdade nas regiões do país. O saneamento básico é uma forma de garantir a saúde da população e do meio ambiente. Quando falamos em saneamento básico, logo imaginamos o abastecimento de água e o esgotamento sanitário. Entretanto, o saneamento básico inclui uma série de outros serviços fundamentais para a qualidade de vida de uma população. De acordo com a Lei 11.445/07, podemos definir como saneamento básico o conjunto de serviços, infraestruturas e instalações operacionais de abastecimento de água potável, esgotamento sanitário, limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos e drenagem e manejo das águas pluviais. É importante destacar que todas as cidades devem garantir a universalização do acesso ao saneamento básico, ou seja, devem levar esses serviços a todas as residências. Entretanto, ainda muitas localidades no país não têm acesso a esses serviços tão importantes, sendo fundamentais investimentos nessa área. ACESSO À SERVIÇOS DE SAÚDE: Pode ser avaliado, por exemplo, por meio do número e da distribuição de profissionais de saúde, pelo número de leitos nos hospitais e pelos investimentos na saúde. ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH): O IDH de uma população é definido a partir da associação de vários indicadores: expectativa de vida, escolaridade, acesso à saúde e renda per capita, por exemplo. A renda per capita (por cabeça) é uma divisão do PIB (Produto Interno Bruto) pelo número de habitantes. PIB é a renda total produzida no país (ou em determinada região). Portanto, a renda per capita não representa a renda real de cada indivíduo, é uma média da renda da população. Agora em relação a doenças que atacam uma população, e suas denominações: INCIDÊNCIA DE DOENÇAS INFECCIOSAS: As doenças que podem cometer ás populações causando inúmeros danos e podendo levar a óbitos (morte) são dentre outras: Parasitoses, viroses, Bacterioses, protozooses, verminoses, e outras. Vamos a alguns exemplos: Viroses: Gripes, como o Corona vírus que está causando esta pandemia que estamos vivenciando, dengue, hepatite, Chicungunha ou chikungunya, Zika, febre amarela, e outras. Bacterioses: Tuberculose, tétano, lepstospirose, febre tifóide,e outras. Protozooses: Amebíase, Giardíase, e outras. Verminoses: Teníase, cisticercose, ancilostomose, ascaridíase e outras. Todas doenças evitadas por medidas preventivas de saúde pública. EPIDEMIA: É o aumento brusco, significativo e temporário da ocorrência de determinada doença na população de diversas regiões. SURTO: Quando há um aumento repentino do número de casos de uma doença em região específica, por exemplo, num bairro de uma cidade. Para ser considerado um surto, o aumento de casos deve ser maior do que o esperado pelas autoridades. ENDEMIA: Quando uma doença ou um agente infeccioso tem ocorrência relativamente comum e constante em determinada região, ela é classificada como endemia. Por exemplo, a Malária no Brasil, na região da Amazônia.
  • 34. 34 PANDEMIA: Quando ocorre uma epidemia que se espalha por diversas regiões do planeta, como estamos vivenciando agora, como já falei do Covid- 19, um vírus que começou em uma província da China e se espalhou pelo planeta. Vamos aproveitar então e falar do vírus!! Desigualdade social e econômica em tempos de Covid-19 (Doença Causada pelo Novo Coronavírus) (Trechos do texto disponível em: https://portal.fiocruz.br/noticia/desigualdade-social-e-economica-em- tempos-de-covid-19) “(...) Uso de álcool gel e máscaras, higienização das mãos e mesmo a recomendação para não sair de casa são medidas que esbarram em realidades brasileiras, ou na ausência de direitos básicos, como saúde, emprego e moradia. Indígenas, quilombolas, ribeirinhos, pessoas em situação de rua, refugiados, ciganos, moradores de favela e periferia, aqueles que vivem com HIV/Aids, trabalhadores informais e outros grupos têm algo em comum: por estarem à margem da sociedade, precisam lidar com as desigualdades no acesso aos direitos, o que os torna ainda mais vulneráveis diante da pandemia de Covid-19. Contudo, o que define essas condições de vulnerabilidade? Para Marcelo Pedra, psicólogo sanitarista e pesquisador do Núcleo de Pesquisa com Populações em Situação de Rua da Fiocruz Brasília, são fatores culturais, socioeconômicos e demográficos. É preciso mais do que oferecer serviços de saúde para essas pessoas durante a pandemia. É preciso haver ações integradas com as áreas de moradia e assistência social. Quem não tem acesso a condições dignas de moradia e vida e aos mínimos direitos fundamentais ou está sem trabalho e renda nunca esteve tão vulnerável. Garantir proteção social para as populações em situação de vulnerabilidade, no contexto da pandemia, é também uma forma de promover saúde. (...)” PARTE 2: Nos dias atuais se fala muito em uma vacina para o Corona Vírus. Todos nós estamos ansiosos para que possamos retomar nossa rotina normal. Mas, como funciona nosso sistema imunológico? O que é vacina? SISTEMA IMUNOLÓGICO OU IMUNE é formado por diferentes células, tecidos, órgãos e moléculas. Nesse sistema temos estruturas individualizadas, como o baço e os linfonodos, e células livres, como os leucócitos. Ele garante o reconhecimento de células, substâncias estranhas, patógenos e a destruição ou neutralização dos invasores, graças a uma resposta coordenada de seus componentes. Essa resposta é fundamental para garantir que o corpo desenvolva ou não uma doença ou mesmo a duração dela, afetando negativamente nossa saúde. O sistema imune é capaz de diferenciar as células do próprio corpo daquelas invasoras, o que garante grande eficiência na defesa do organismo. Entretanto, em algumas situações, ele pode reagir contra nosso próprio corpo, desencadeando doenças autoimunes. Quando falamos em células que participam do sistema imunológico, devemos dar destaque aos LEUCÓCITOS, responsáveis pelas principais ações de defesa do organismo. Também chamados de glóbulos brancos, são produzidos na medula óssea e migram para as várias partes do corpo pelos vasos sanguíneos. Quando a medula óssea produz poucos leucócitos, temos uma situação conhecida como leucopenia, que deixa o organismo mais suscetível a infecções. Os leucócitos podem ser divididos em dois grandes grupos: - GRANULÓCITOS (neutrófilos, eosinófilos e basófilos) recebem essa denominação, pois, quando submetidos a determinados corantes, apresentam grânulos que se coram de maneira específica, diferentemente dos agranulócitos. - AGRANULÓCITOS incluem os linfócitos e os monócitos. NEUTRÓFILOS são do grupo de células responsáveis pela FAGOCITOSE de partículas estranhas. Eles se destacam por serem as células mais numerosas entre os leucócitos.
  • 35. 35 EOSINÓFILOS, por sua vez, têm papel importante em infecções parasitárias e processos alérgicos. Já os BASÓFILOS também atuam em processos alérgicos e liberam heparina no sangue, uma substância anticoagulante. MONÓCITOS também realizam fagocitose, sendo chamados de macrófagos quando invadem as regiões infectadas. LINFÓCITOS células responsáveis pela produção de anticorpos. Os ANTICORPOS, diferentemente do que muitos pensam, não são responsáveis pela morte de um organismo causador de doença. Na realidade, eles se ligam aos antígenos, desencadeando diferentes processos. Um deles é a neutralização, em que o anticorpo liga-se ao antígeno, impedindo que este seja capaz de destruir ou infectar células. Outro processo que pode ocorrer é o de opsonização, em que o anticorpo liga-se ao antígeno, promovendo seu reconhecimento pelos macrófagos ou neutrófilos que realizarão a fagocitose. Além disso, os anticorpos podem acionar o sistema de complemento, que promove a lise de micro- organismo. A IMUNIDADE (capacidade do nosso corpo de proteger-nos contra agentes invasores) pode ser classificada em: - INATA apresenta uma resposta mais ampla, e os indivíduos já nascem com os mecanismos que a promovem. Nela temos barreiras naturais agindo, como pele e mucosas, e também agentes internos, como leucócitos e células fagocíticas. Nesse tipo temos uma resposta inespecífica. - ADQUIRIDA as respostas são mais específicas, e o indivíduo desenvolve-a durante sua vida. A imunidade adquirida ocorre ao longo do desenvolvimento do indivíduo e é mais especializada. Para ser desenvolvida, necessita do contato com um agente invasor, o qual desencadeará uma série de eventos que levam à ativação de determinadas células e à síntese de anticorpos. A imunidade adquirida pode ser classificada em humoral ou mediada por células. Aquela é mediada pelos anticorpos, e esta, pelos linfócitos T. MEMÓRIA IMUNOLÓGICA é responsável pela defesa do nosso organismo em longo prazo. Quando somos expostos a um agente causador de uma doença, desencadeamos uma resposta do nosso sistema imune. Durante essa ação, temos a formação de células de memória, as quais podem sobreviver por vários anos. Quando somos expostos novamente à mesma ameaça, a resposta do nosso sistema imune é ainda mais rápida e mais forte, devido à ação dessas células de memória. A memória imunológica é o motivo pelo qual as VACINAS são tão eficientes. Nas vacinas, um organismo causador da doença (morto, atenuado ou mesmo partes desse agente) é inoculado em uma pessoa,
  • 36. 36 estimulando, desse modo, seu sistema imune. Se essa pessoa tiver um novo contato com esse mesmo agente, seu sistema imune responderá de forma rápida, evitando a infecção. SORO E VACINA são dois agentes que atuam como imunizadores, entretanto, são usados em ocasiões diferentes, apesar de terem um objetivo comum que é proteger nosso corpo contra substâncias estranhas. Os dois produtos são fabricados a partir de organismos vivos, sendo, portanto, chamados de imunobiológicos. VACINAS são usadas como uma forma de proteção que estimula nosso organismo a produzir anticorpos contra determinada doença. Em razão dessa característica, dizemos que a vacina é uma forma de imunização ativa. Dessa forma, elas são produzidas a partir de antígenos inativados ou atenuados, que, ao serem colocados no nosso corpo, estimulam a produção de anticorpos e células de memória pelo nosso sistema imunológico. Assim, quando nosso corpo for invadido novamente pelo mesmo antígeno, o organismo já terá formas de eliminá-lo rapidamente, antes de surgirem os sintomas da doença. As vacinas são usadas na prevenção de viroses e doenças bacterianas. SOROS, por sua vez, não promovem uma imunização ativa, uma vez que, nesses casos, são inoculados anticorpos previamente produzidos em outro organismo. No caso dos soros, dizemos que ocorre uma imunização passiva. Eles são conhecidos principalmente pela sua atuação no tratamento de peçonha de cobras e aranhas, porém também são produzidos para tratar algumas toxinas bacterianas e a rejeição de órgãos transplantados (soro antitimocitário). Os soros são usados em casos em que há necessidade de tratamento rápido, ou seja, quando não é possível esperar a produção de anticorpos pelo nosso corpo. O soro, diferentemente da vacina, não possui função preventiva, sendo usado apenas como forma de cura. Também é importante destacar que o uso frequente de soros pode causar problemas de saúde, uma vez que o corpo pode identificar os anticorpos do soro como antígenos e desencadear a produção de anticorpos contra ele. Observe o quadro a seguir com as principais diferenças entre soro e vacina: VACINA SORO Usado na prevenção Usado na cura Contém antígeno inativado ou atenuadoContém anticorpos previamente produzidos em outro organismo Imunização ativa Imunização passiva HISTÓRIA DA VACINA: iniciou-se no século XVIII, quando o médico inglês Edward Jenner utilizou a vacina para prevenir a contaminação por varíola, uma doença viral extremamente grave que causava febre alta, dores de cabeça e no corpo, lesões na pele e morte. A varíola foi a primeira doença infecciosa que foi erradicada por meio da vacinação. Jenner nasceu em maio de 1749, na Inglaterra, e dedicou cerca de 20 anos de sua vida aos estudos sobre varíola. Em 1796 realizou uma experiência que permitiu a descoberta da vacina e em 1798 divulgou seu trabalho “Um Inquérito sobre as Causas e os Efeitos da Vacina da Varíola”, mudando, a partir daí, completamente a ideia de prevenção contra doenças. Ele observou pessoas que se contaminaram, ao ordenharem vacas, por uma doença de gado e chegou à conclusão de que essas pessoas tornavam-se imunes à varíola. A doença, chamada de cowpox, assemelhava-se à varíola humana pela formação de pústulas (lesões com pus). Diante dessa observação, em 1796, Jenner inoculou o pus presente em uma lesão de uma ordenhadora chamada Sarah Nelmes, que possuía a doença (cowpox), em um garoto de oito anos de nome James Phipps. Phipps adquiriu a infecção de forma leve e, após dez dias, estava curado. Posteriormente, Jenner inoculou em Phipps pus de uma pessoa com varicela, e o garoto nada sofreu. Surgia aí a primeira vacina. O médico continuou sua experiência, repetindo o processo em mais pessoas. Apesar de enfrentar resistência, em pouco tempo, sua descoberta foi reconhecida e espalhou-se pelo mundo. Em 1799, foi criado o primeiro instituto vacínico em Londres e, em 1800, a Marinha britânica começou a adotar a vacinação. A vacina chegou ao Brasil em 1804, trazida pelo Marquês de Barbacena.
  • 37. 37 TABELA DE VACINAÇÃO MECANISMOS DE DEFESAS NATURAIS DO ORGANISMO Existe uma série de barreiras protetoras no corpo humano que servem para impedir ou dificultar a entrada dos microorganismos patogénicos no mesmo. No entanto, se algum deles conseguir vencer essas barreiras, deparar-se-á com vários mecanismos de defesa desencadeados pelo sistema imunitário, com o objetivo de destruí-los ou desativá-los. Geralmente a pele evita a invasão de muitos microrganismos, a menos que esteja fisicamente danificada devido, por exemplo, a uma lesão, à picada de um inseto ou a uma queimadura. Outras barreiras naturais eficazes são as membranas mucosas, como os revestimentos das vias respiratórias e do intestino. Geralmente estas membranas estão cobertas de secreções que combatem os microrganismos. Por exemplo, as mucosas dos olhos estão banhadas em lágrimas, que contêm uma enzima chamada lisozima. Esta ataca as bactérias e ajuda a proteger os olhos das infecções. As vias respiratórias filtram de forma eficaz as partículas do ar que se introduzem no organismo. Os canais tortuosos do nariz, com as suas paredes cobertas de muco, tendem a eliminar grande parte da substância que entra. Se, entretanto um microrganismo atinge as vias aéreas inferiores, o batimento coordenado de umas saliências semelhantes a pelos (cílios) cobertas de muco transportam-no para fora do pulmão. A tosse também ajuda a eliminar esses microrganismos. Por outro lado, o tubo gastrointestinal dispõe de uma série de barreiras eficazes, que incluem o ácido do estômago e a atividade antibacteriana das enzimas pancreáticas, da bílis e das secreções intestinais. As contrações do intestino (peristaltismo) e o desprendimento normal das células que o revestem ajudam a eliminar os microrganismos prejudiciais. Bons estudos!
  • 38. 38 7º ANO B PERÍODO LETIVO PROFESSORA – COMPONENTE CURRICULAR Atividades 3º Bimestre/Bloco 1 CIÊNCIAS - Profª Nádia NOME DO ALUNO: TURMA:______No.______ ENTREGUE NA ESCOLA SOMENTE AS PÁGINAS de CIÊNCIAS QUE TEM AS QUESTÕES PARA SEREM CORRIGIDAS Leia os enunciados e responda com atenção. Dúvida entre em contato no grupo de whatsapp. ATIVIDADES 1. O sistema imunológico humano apresenta como função primordial a defesa do organismo. Uma das formas de proteção é a produção de _______________ , proteínas que reagem de forma específica com agentes estranhos denominados genericamente de __________.Marque a alternativa que completa adequadamente os espaços acima: a) anticorpos e leucócitos. d) antígenos e anticorpos. b) leucócitos e anticorpos. e) leucócitos e antígenos. c) anticorpos e antígenos. 2. Ao falar sobre o sistema imunológico, muitas pessoas lembram-se apenas da defesa por meio da produção de anticorpos. Entretanto, algumas células, como os macrófagos, são capazes de englobar e digerir organismos invasores, um processo conhecido por: a) plasmocitose. d) fagocitose. c) pinocitose. b) apoptose. e) exocitose. 3. Nem todos os leucócitos são capazes de produzir anticorpos, atuando na defesa do nosso organismo de outras formas. Os leucócitos capazes de produzir anticorpos são os: a) linfócitos T. d) eosinófilos. c) macrófagos. b) neutrófilos. e) linfócitos B. 4.Consideramos uma vacina um material que contém: a) anticorpos contra determinado patógeno, que estimulam a resposta imunológica do indivíduo. b) anticorpos contra determinado patógeno produzidos por outro animal e que fornecem proteção imunológica. c) soro de indivíduos previamente imunizados contra aquele patógeno. d) células brancas produzidas por animais, que se multiplicam no corpo do indivíduo que recebe a vacina. e) um patógeno vivo enfraquecido ou partes dele para estimular a resposta imunológica, mas não causar a doença.
  • 39. 39 5.O soro e a vacina são substâncias que agem como imunizadores do organismo. A respeito desses produtos, marque a alternativa INCORRETA: a) O soro é responsável por uma imunização passiva. b) As vacinas estimulam o corpo a produzir anticorpos contra determinado antígeno. c) As vacinas são produzidas injetando-se o antígeno em um animal, que passará a produzir anticorpos. Os anticorpos são posteriormente processados e podem ser usados em humanos. d) Como exemplo de soro, podemos citar o antiofídico. e) Podemos dizer que a vacina é usada na prevenção, enquanto o soro é usado para curar. 6.Sabemos que as vacinas são capazes de estimular a produção de anticorpos pelo corpo, protegendo-nos, portanto, de doenças. Graças a essa capacidade, dizemos que as vacinas garantem-nos: a) uma imunização passiva. d) uma imunização ativa. b) uma imunização imediata. e) uma imunização contínua. c) uma imunização prolongada. 7.Quando uma pessoa é picada por uma cobra, é fundamental procurar ajuda médica imediata. Isso se deve ao fato de que algumas espécies produzem venenos tão poderosos que podem levar a pessoa a óbito. Entre as alternativas a seguir, marque aquela que indica corretamente o motivo pelo qual os médicos fazem uso de soro em vez de vacina para tratar o problema. a) O soro é usado para tratar picada de cobra, pois garante que o corpo produza anticorpos contra o veneno nele injetado. b) O soro deve ser aplicado porque possui anticorpos já prontos contra o antígeno, garantindo, assim, uma resposta mais rápida. c) O soro deve ser usado apenas quando uma vacina não está disponível para uso. d) Em caso de picada de cobra, o soro é usado porque garante uma imunização ativa do paciente. 8.Marque verdadeiro (V) ou falso (F) nas afirmações abaixo: ( ) Somente uma alimentação saudável define uma vida saudável. ( ) De acordo com a Constituição, o Estado tem o dever de garantir o acesso aos serviços de saúde oferecidos pelo SUS e a outros fatores que garantem qualidade de vida. ( ) Todas as pessoas têm as mesmas condições para cuidar da própria saúde. ( ) Algumas pessoas estão mais vulneráveis a contrair doenças que outras. ______________________________________________________________________ Bons estudos! Lavem muito bem as mãos, evitem aglomerações, e usem máscara!
  • 40. 40 KIMONO- https://pt.aliexpress.com/item/32 1 BUBU-https://www.africanclothingonline.c 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU Secretaria Municipal da Educação EMEF "IVAN ENGLER DE ALMEIDA" 7º ANO B PERÍODO LETIVO 3° BIMESTRE – BLOCO 1 – 26/07 A 20/08/2021 NOME DO ALUNO:_____________________________________________ TURMA: ____________ ARTE CONTEÚDOS ESSENCIAIS: Moda na cultura urbana: características e estilos OBJETIVOS: Pesquisar e analisar diferentes estilos visuais, contextualizando-os no tempo e no espaço. A roupa e a Arte . No mundo todo, homens e mulheres se vestem de acordo com as convenções de sua cultura. Assim, algumas indianas vestem saris, as japonesas trajam quimonos e alguns africanos mulçumanos usam o bubu. INDIANA SARI-https://daily.jstor.org/why 1 No entanto com a globalização, há peças do vestuário específico de um e outro povo que se tornaram comuns em outros lugares. Calça jeans e camisetas, por exemplo são produzidos e vendidas tanto no Brasil como no Quênia, tanto na China quanto na Alemanha. A indústria da moda influencia a maneira como as pessoas do mundo todo se vestem. Ano a ano, estilistas e empresas criam tendências para estimular a compra de seus produtos. Como a moda aposta naquilo que é passageiro, há quem a veja como algo sem importância, apenas um reflexo do consumismo. Entretanto, a indumentária e o vestuário também comunicam mensagens. A moda é popular porque todos participamos desse processo de transformação. Ao escolher uma peça para vestir, você faz opções pela cor, pelo tecido e pelo modelo, contribuindo para confirmar tendência ou renovar ideias. Para assistir: https://www.youtube.com/watch?v=z2fnOCToOek Fonte: Projeto Mosaico Arte- Ensino Fundamental, Anos Finais , Editora Scipione-2015 Olá! Como vocês estão? Estamos começando o conteúdo do 3º bimestre, essa é a nossa 1ª atividade, que nessa caminhada a aprendizagem seja nossa melhor companhia! Professora: Grasiela- grasielagdelima@yahoo.com.br
  • 41. 41 Vamos refletir: Como você se veste no dia a dia? E para uma festa? ________________________________________________________ ________________________________________________________ ________________________________________________________ Rasgar o jeans já foi uma forma de deixar uma marca pessoal na roupa que se veste. Hoje em dia, há calças que já são fabricados com rasgos. O que isso revela sobre a moda? Você costuma dar um toque pessoal a suas roupas? Como? ________________________________________________________ ________________________________________________________ ________________________________________________________ Atividade 2 : No espaço abaixo desenhe