SlideShare uma empresa Scribd logo
SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR
Etapas Necessárias para Implantação de um Sistema de
Gestão Integrado
Jonathan Lucas Schwambach Fernandes (FAHOR) jf000554@fahor.com.br
Fernando Busanello (FAHOR) fb000982@fahor.com.br
Magnus Luis Beilke (FAHOR) mb000245@fahor.com.br
Edio Polacinski (FAHOR) polacinskiedio@fahor.com.br
Resumo
No ambiente de trabalho em que se vive nos dias de hoje a implantação dos
sistemas de gestão voltados para a qualidade se tornaram parte fundamental e
indispensável para o bom desempenho das organizações que buscam
enfrentar o atual mercado competitivo. Neste, sentido, destacam-se as
organizações que buscam se adequar a essa realidade quando se propõem a
certificar-se em uma das normas de qualidades aceitas pelo mercado, a saber:
ISO 9001; 14001; SA 8000; e OHSAS 18001. Assim, com base no exposto
destaca-se que o presente artigo caracterizado como um ensaio teórico tem o
objetivo de apresentar um estudo comparativo de vários casos, demonstrando
as etapas necessárias para a implantação de um Sistema de Gestão Integrado
(SGI) composto pelas quatro normas citadas anteriormente. Como resultado de
pesquisa apresenta-se a compilação de oito casos, bem como as fases de
implantação de um SGI utilizadas por cada empresa.
Palavras-chave: Sistema de Gestão da Qualidade, Sistema de Gestão
Integrado, Etapas de Implementação.
1. Introdução
Com o crescimento da economia, as empresas estão encontrando dificuldades
na integração dos processos de gestão da qualidade, gestão ambiental e
segurança, com isto, estão sendo obrigadas a estabelecer sistemas internos de
gestão, estes para atender as peculiaridades do mercado. Em conseqüência
disso, surgem dificuldades de gerenciamento dos processos produtivos, que
buscam melhorar a eficiência e eficácia no que se refere à redução dos seus
custos, dos impactos ambientais e das não conformidades de modo geral e
procuram adequar-se às características competitivas do mercado.
Neste sentido o mercado mundial passou a exigir cada vez mais, que os
produtos e/ou serviços atendam aos padrões das normas técnicas da
qualidade, sustentabilidade social e proteção a integridade física e saúde de
seus funcionários. Com isso, a preocupação em atender os requisitos em volta
das razões ambientais, saúde e segurança no trabalho em busca da prevenção
SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR
de acidentes e prevenção de problemas em potencial se tornou uma questão
de sobrevivência e viabilidade para as empresas atuarem no mercado atual
(CHAIB, 2005).
Segundo Fonseca apud Chaib (2005), desde os meados dos anos 80 com o
grande crescimento do mercado e exigências atribuidas por este, começou
uma preocupação cada vez maior em função das questões de custo e
qualidade aliadas a uma maior consciência ambiental, gerando conceitos novos
de qualidade, não apenas vendo o produto como o principal mas também para
a qualidade de vida.
Com a grande concorrência dos mercados e variadas formas de gerenciamento
das empresas surgiu a preocupação das organizações de qual seria a melhor
forma de gerenciar a empresa para se obter vantagens competitivas neste
mercado cada vez mais exigente, o aparecimento de vários sistemas de gestão
implantados pelas empresas e a pressão do mercado em se produzir mais com
menos recursos para questões de sobrevivência tem levado um grande grupo
de organizações enchergar que a integração de todos os seus sistemas de
gestão como uma excelente oportunidade para redução de seus custos, desde
tempos e papéis desnecessários para a manutenção dos seus sistemas
separados como um todo (LIMA apud VASCONCELOS; MELO, 2007)
Nesse sentido, o Sistema de Gestão Integrado (SGI), o qual se define como
sendo um sistema que integra os processos de qualidade, meio ambiente,
segurança e responsabilidade social, sendo este adotado como uma forma
alternativa que visa atender as exigências que o mercado estabelece. O
sistema de gestão integrado é composto por quatro normas que são mais
utilizadas no trabalho, qualidade, meio ambiente, segurança e responsabilidade
social, a junção destes e trabalhando de forma conjunta formam o sistema de
jestão integrado.
Dessa forma, o objetivo desse artigo é identificar as etapas necessárias para
implantação de um SGI em empresas que gostariam de adotar este método
como sendo um referencial teórico de auxílio na busca da integração de seus
sistemas de gestão para o melhor gerenciamento visando os novos contextos
de competitividade aplicado pelo mercado.
Assim sendo, justifica-se o presente trabalho, pelo fato que irá contribuir para
empresas não certificadas em SGI como um modelo de referência,
apresentando um estudo de implantação em empresas que já possuem o
sistema, as etapas que cada uma definiu para obtenção do resultado, os
requisitos estabelecidos para a implementação e apresentar um uma síntese
dos requisitos necessários para o processo de aplicação de SGI.
2. Revisão da Literatura
2.1 Sistema de Gestão da Qualidade
O assunto relacionado à qualidade recebeu nos últimos tempos uma grande
ascensão devido ao crescimento do mercado e as restrições impostas por este
SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR
relacionadas à competitividade entre as empresas e organizações, sendo que
estes estão cada vez mais inseridos entre todos os processos e setores
industriais e comerciais existentes nas empresas. A implantação e certificação
de sistemas de gestão da qualidade estão se tornando mais que um diferencial
em se referindo à sobrevivência, sucesso no mercado e técnicas desenvolvidas
em se prevendo dar maior competitividade entre as empresas, isto tudo vem se
apresentando como uma ferramenta eficiente de gestão dos processos mesmo
em mercados pouco competitivos (KRAVCHYCHYN et al., 2006).
Para Feigenbaum apud Tronco et al., (2005), um sistema de qualidade define-
se como sendo a estrutura operacional de trabalho de toda a empresa
documentada em procedimentos técnicos integrados, onde cada processo é
definido para direcionamento das ações a serem desenvolvidas para mão-de-
obra e máquinas para obtenção das melhores práticas e meios de assegurar
qualidade e menores custos para a produção.
De acordo com Paladini apud Tronco et al. (2005) um dos objetivos para
integração dos processos é a procura da integração de todas as funções
utilizada nas áreas da empresa num esforço pela qualidade, acatando cada
especificação de cada área em busca da garantia da adesão de toda mão-de-
obra no programa da qualidade.
Dentre as várias vantagens de um Sistema de Gestão da Qualidade existem
benefícios que permitem que a organização identifique e atenda todas as
necessidades e expectativas esperadas pelos seus clientes e de todas as
partes relacionadas como funcionários, fornecedores, comunidade, acionistas,
para alcançar vantagens competitivas em relação aos seus concorrentes
fazendo-a de modo eficiente e eficaz, tornando provável alcançar, sustentar e
aperfeiçoar o desempenho organizacional (BATALAS apud KRAVCHYCHYN et
al., 2006).
Um dos sistemas de gestão da qualidade mais aceito e adotado em
todo o mundo é o referendado pela Norma ISO 9001:2000. Apesar
das críticas ou restrições de alguns segmentos à sua utilização, cada
vez mais organizações em todo o mundo têm implantado sistemas da
qualidade com base nesta norma que é uma diretriz para
organizações que buscam a qualidade de seus processos e produtos,
compondo-se de requisitos que, devidamente implantados,
aprimoram a eficiência de seus processos. (KRAVCHYCHYN et al.,
2006, p. 2).
Esta norma é conhecida internacionalmente, não sendo como uma norma de
produto, mas a mesma é aplicada em qualquer divisão da manufatura ou
prestação de serviços, No exercício real da qualidade o envolvimento das
pessoas, equipes, entendimento dos conceitos e ferramentas empreendidas
torna-se fatores comuns entre eles (KRAVCHYCHYN et al., 2006).
Conforme NBR ISO 9000:2000 o SGQ é um sistema que serve para conduzir e
controlar uma organização baseada na qualidade, na busca da política e dos
SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR
objetivos da organização estabelecendo metas, e buscando meios favoráveis
de alcançá-los (KRAVCHYCHYN et al., 2006).
2.2 Sistema de Gestão Integrada
Chiavenato apud Chaib (2005) conceitua o SGI como sendo um conjunto de
dados interdependentes, cujo resultado obtido com a soma de todos os
processos aplicados é maior que se estivem atuando separadamente.
Já Cicco apud Chaib (2005), conceitua o SGI como sendo uma combinação de
seus processos, métodos e técnicas utilizadas em uma empresa para a
implantação de suas políticas de gestão e que podem obter mais resultados na
aplicação em conjunto dos mesmos de que não operação separadamente na
busca de resultados melhores para as empresas.
A implantação do SGI é um fator que aumenta significativamente a capacidade
empresarial, buscando a produção em cima da maior qualidade e menores
custos, visando às inovações tecnológicas atuais. O SGI atende todas as
necessidades organizacionais. As empresas estão se desgastando para se
adequar as novas filosofias, assim desperdiçando seu tempo e esforços que
poderiam ser economizados trabalhando em cima da demanda atual e das
necessidades atuais (TRONCO et al., 2005).
Os objetivos básicos do sistema de gestão são o de aumentar constantemente
o valor percebido pelo cliente nos produtos ou serviços oferecidos, o sucesso
no segmento de mercado ocupado (através da melhoria contínua dos
resultados operacionais), a satisfação dos funcionários com a organização e da
própria sociedade com a contribuição social da empresa e o respeito ao meio
ambiente (CHAIB, 2005).
Integração dos Sistemas de Gestão é uma excelente oportunidade para reduzir
custos relacionados, por exemplo, à manutenção de diferentes estruturas de
controle de documentos, auditorias, registros. A integração dos sistemas de
gestão pode abranger diversos temas, tais como: qualidade, meio ambiente,
segurança e saúde ocupacional, recursos humanos (CHAIB, 2005).
Na verdade, não há uma certificação específica para SGI. São três
certificações mais usadas atualmente (Qualidade, Meio Ambiente e Saúde e
Segurança do Trabalho). Porém, estes sistemas de gestão implementados
segundo normas distintas podem ser integrados (CHAIB, 2005).
As vantagens da implantação de um SGI, de acordo Chaib (2005), também
incluem:
 Diferencial competitivo;
 Fortalecimento da imagem no mercado e nas comunidades;
 Prática da excelência gerencial por padrões internacionais de gestão;
 Atendimento às demandas do mercado e da sociedade em geral;
SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR
 Melhoria organizacional;
 Reconhecimento da gestão sistematizada por entidades externas;
 Maior conscientização das partes interessadas;
 Atuação pró-ativa, evitando-se danos ambientais e acidentes no
trabalho;
 Melhoria do clima organizacional;
 Maior capacitação e educação dos empregados;
 Redução do tempo e de investimentos em auditorias internas e
externas.
 Minimização de fatores de risco;
 Segurança legal contra processos e responsabilidades;
 Segurança das informações importantes para o negócio;
 Minimização de acidentes e passivos;
 Identificação de vulnerabilidade nas práticas atuais.
SGI tem permitido integrar os processos de qualidade com os de saúde e
segurança, gestão ambiental e responsabilidade social. Qualquer processo
produtivo gera produtos desejáveis, ou seja, os que os clientes pediram, e os
indesejáveis que seriam as sobras resíduas dos produtos (NETO; TAVARES;
HOFFMANN, 2008).
Integração dos sistemas apresentam benefícios como a redução de custos,
redução de duplicidade, redução de conflitos nos sistemas, economia de tempo
para realização dos processos, gerenciamento de possíveis riscos de
trabalhos, melhoria na comunicação, melhoria em toda organização (NETO;
TAVARES; HOFFMANN, 2008).
Integrar é muito mais do que juntar documentos dos sistemas distintos. O SGI
deve ser desenvolvido para atender as necessidades dos negócios e não as
dos auditores (NETO; TAVARES; HOFFMANN, 2008).
SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR
Sistemas de Gestão Integrados
Saúde e
Segurança
Meio
Ambiente
Responsabilidade
Social
Qualidade
Produtos/
resultados
indesejáveis
Riscos à saúde e
segurança
Impactos
Sobre ambiente e
sociedade
PROCESSO ClienteFornecedores
Insumos
Produtos
Desejáveis
Figura 1: Concepção Conceitual de um sistema Integrado. Fonte: Neto, Tavares e Hoffmann
(2008).
3. Métodos e Técnicas
O estudo aplicado caracteriza-se de forma descritiva, desde que procura se
referir ordenadamente uma área de interesse, ou fato, de acordo com Lakatos
e Marconi (2001). No entanto, ainda pode ser definido como sendo exploratória
uma vez que se procura entender em sua fase inicial um elemento para depois
explanar suas causas e consequências (GIL, 1999).
Em virtude da construção das etapas do trabalho, a maneira do estudo que foi
adotada para a realização desta pesquisa, onde conforme Gil (1999)
proporciona como objetivo a análise mais aprofundada de questões tendo em
vista conhecimento mais vasto e minucioso.
O estudo em questão caracteriza-se também em um ensaio teórico que foi
desenvolvido através da pesquisa bibliográfica onde foram identificados oito
casos na literatura pertinente relacionados à temática proposta pelo artigo.
SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR
No estudo foram analisados materiais já existentes que consistem em estudos
de casos em empresas que já implementaram o SGI e como foi feita a
implementação deste sistema já que cada vez mais está se tornando um
grande diferencial competitivo para o mercado e que está cada vez mais
motivando as empresas a optar pela implantação.
Tem-se o conhecimento em distintas ocasiões da história, que gerentes, líderes
organizacionais e pessoas de modo geral que procuraram informações com a
finalidade de melhorar e minimizar os riscos das decisões tomadas obtiveram
resultados satisfatórios nos processos. De tal modo, o empenho pelo
conhecimento e desenvolvimento dos procedimentos e técnicas a se aplicar no
futuro ampliou-se de maneira crescente a partir da revolução industrial visando
melhor prever as ameaças e oportunidades que possam vir impactar no
desenvolvimento e sustentabilidade das organizações (POLACINSKI,
SCHENATTO, ABREU, 2009).
4. Resultados e discussões
A partir da coleta de dados e requisítos em artigos estudados apresenta-se o
Quadro 1, onde cada empresa apresenta suas fases de implantação. Assim, o
critério adotado para a escolha das práticas de implantação do SGI, foi de
localizar as mais reincidentes.
Destaca-se que o critério para definição das fases de interesse foi o de utilizar
as fases que se repetem em cada uma das empresas. Dessa forma, a partir do
Quadro 1, definiu-se as seguintes fases de implementação de um SGI
necessárias para atender a proposta de estudo:
 Comprometimento da Direção: líderes estabelecem propósitos e o rumo
da organização, criam e mantém um ambiente interno onde as pessoas
se envolvam completamente para atingir os objetivo e metas desejados
onde visa a criação de um ambiente propício para a implantação do SGI,
os mesmos serão responsáveis pelo planejamento, execução e
monitoramento dos processos realizados pela organização;
 Planejamento: etapa que contempla as etapas anteriores de diagnóstico
inicial, e elaboração do planejamento estratégico da organização. Torna-
se um diferencial da metodologia em relação aos demais, alinhando o
SGI com as estratégias da organização;
 Estabelecimento de objetivos e metas: os mesmos foram constituídos e
alinhados juntamente com as diretrizes do planejamento estratégico,
baseado na política do SGI. O Comitê de gestão estabelecendo os
objetivos os quais foram desdobrados em metas de curto e longo prazo;
SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR
Quadro 1. Fases de implementação de um SGI de cada empresa. Fonte: Elaborado pelos autores.
“Artigo 1”
(Tronco et al., 2005)
“Artigo 2”
(Kravchychyn et al.,
2006)
“Artigo 3”
(Waclawovsky e Batiz,
2010)
“Artigo 4”
(Souza e Franca,
2009)
“Artigo 5”
(Vianna et al.,
2009)
“Artigo 6”
(Idrogo et al.,
2008)
“Artigo 7”
(Vasconcelos
e Melo, 2007)
“Artigo 8”
(Chaib, 2005)
Sensibilização da
Administração
Comprometimento
da Direção
Planejamento - definição de
o caminho a seguir
Escopo do SGI
Sistema de
Gestão Integrado
Ações em SGQ
Requisitos
gerais
Requisitos Gerais do
SGI
Formação do comitê a nível
gerencial, cursos e escolha
de coordenador.
Mapeamento dos
Processos
Preparação- política do SGI
a ser seguida
Processos
Operacionais
Internos
Processos,
produtos,
serviços
ambientalmente
corretos.
Ações de Saúde
Ocupacional
Política do
sistema de
gestão
Política do SGI
Mapeamento dos Processos Escopo
Detalhamento e
implementação
Processos
operacionais
internos de apoio
Empresa cidadã e
socialmente
responsável
Ações em SGA Planejamento Planejamento
Conscientização dos gerentes
e técnicos dos processos
Sistema de Gestão
da Qualidade (SGQ)
Auditorias internas
Processos de Apoio
(contratados)
Processos,
produtos e
serviços com
qualidade.
Ações de Saúde
Ocupacional e
de Segurança e
Saúde no
Trabalho
Implementação
e operação
Implementação e
Operação/estrutura,
treinamento.
Documentação,
controle operacional.
Definição das políticas de
gestão ambiental, saúde e
segurança, responsabilidade
social e qualidade.
Responsabilidade da
Direção
Implantação- disseminação
da documentação
Sistema de Gestão
Integrado
(coordenação)
Processos,
produtos e
serviços
realizados sob
condições
seguras e
saudáveis.
-
Avaliação de
desempenho
Verificação e Ação
Corretiva
(monitoramento)
Estabelecimento de objetivos
e metas.
Gestão de Recursos - - - - Melhoria -
Implementação da
documentação
Realização do
Produto
- - - -
Análise crítica
pela direção
-
Formação e treinamento de
auditores internos
Medição, análise e
Melhoria.
- - - - - -
Solidificação do SGI Auditoria - - - - - -
Medição e
monitoramento/registros
- - - - - - -
Auditorias internas/ plano de
ações corretivas
- - - - - - -
SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR
 Escopo do SGI: esta etapa estuda a área de atuação do SGI, visando
quais os processos mapeados conforme o mapeamento dos processos.
Estes necessitam de um controle de qualidade, observando a relevância
de cada processo mapeado na qualidade dos serviços prestados;
 Implantação e disseminação da documentação: serão implantados estes
documentos após uma verificação simultaneamente, verificando a eficácia
da redação dos documentos;
 Mapeamento dos processos: as informações iniciais foram mapeadas
sobre os processos das atividades realizadas, a fim de identificar e
estabelecer as etapas mais críticas de uma atividade definindo assim
suas entradas e saídas. Com o resultado do mapeamento torna-se mais
fácil a etapa posterior, a elaboração de procedimentos e instruções de
trabalho que tornam possível o controle das atividades, usando uma
abordagem sistêmica da gestão;
 Processos operacionais: nesta etapa são inseridas diretrizes das normas
técnicas, especificações e manuais de treinamento para posterior
verificação e realização do produto conforme o estipulado nas diretrizes;
 Realização do produto: esta é a parte que contempla as etapas referentes
à implantação do SGI, tendo seu diferencial quando comparado às
demais metodologias, um breve detalhamento no que se refere à
definição dos processos organizacionais, contemplando nesta etapa a
identificação dos aspectos e dos impactos ambientais e também dos
perigos e riscos de Segurança e Saúde no Trabalho (SST), previstos nas
normas de referência;
 Auditorias internas: estas são realizadas para a verificação e adequação
do sistema sobre as normas estabelecidas. Há uma auditoria semestral
onde analisa se todas as áreas envolvidas no sistema;
 Ações corretivas: as não conformidades encontradas pelas auditorias
geram o plano de ação corretiva que busca maneiras de solucionar os
problemas encontrados;
 Auditorias externas para certificação: após analisados os sistemas,
auditorias internas e a verificação da eficácia das ações propostas é feita
a auditoria externa por organismos certificadores certificados;
 Manutenção da certificação: esta é a etapa de maior importância, pois
garante a continuidade e um bom funcionamento do SGI.
5. Conclusões
Diante do exposto no decorrer deste artigo identificou-se que a implantação do
SGI apresenta grandes vantagens e consideráveis mudanças para toda e
qualquer organização que optar pela implantação do mesmo. Assim se
verificou detalhadamente as etapas do SGI aplicadas em outros estudos já
SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR
realizados. Sendo assim, foi criada uma nova formulação do mapeamento das
etapas para implantação do SGI, analisadas sobre as etapas mais utilizadas
dentre os artigos. Também se analisaram quais as mais viáveis e práticas para
se obtiver uma implantação baseado em resultados positivos.
Portanto, seguindo as fases elaboradas pelo estudo mostraremos abaixo que
obtivemos importantes resultados e possíveis mudanças na melhoria da
qualidade de todos os processos dentro da empresa ou organização: (I)
Comprometimento da direção; (II) Planejamento; (III) Elaboração de objetivos e
metas; (IV) Escopo do SGI; (V) Implantação da documentação; (VI)
Mapeamento de processos; (VII) Processos operacionais; (VIII) Realização do
produto; (IX) Auditorias internas e externas; (X) Ações corretivas; (XI)
Manutenção da certificação.
Portanto, para obtenção de crescimento nos dias atuais com o mercado cada
vez mais exigente as empresas ou organizações que visam obter maiores
parcelas do mercado estão tendo que melhorar seus sistemas de gestão
aplicando assim o SGI para melhorar a sua gestão.
6. Referências
CHAIB, E. B. D. Proposta Para Implementação De Sistema De Gestão Integrada
De Meio Ambiente, Saúde E Segurança Do Trabalho Em Empresas De Pequeno E
Médio Porte: Um Estudo De Caso Da Indústria Metal-Mecânica. (2005). Disponível
em: <http://www.ppe.ufrj.br/ppe/production/tesis/ebdchaib.pdf>. Acesso em: 11 abr.
2011.
GIL, A. C. Métodos e Técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.
IDROGO, A. A. A. et al. Sistema Integrado de Gestão – Experiência em uma
Empresa de esquadria de Alumínio e vidros. Encontro Nacional de Engenharia de
Produção, XXVIII., 2008, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ENEGEP, 2008.
KRAVCHYCHYN, L. et al. Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade
conforme a Norma ABNT NBR ISO 9001:2000 no Laboratório de Controle de
Processos do Departamento de Engenharia Química e de Alimentos da
Universidade Federal da Santa Catarina (LCP-EQA-UFSC). (2006). Disponível em:
< http://www.peteps.ufsc.br/novo/attachments/091_Microsoft%20Word%20-
%20LCP%20ENEGEP%202006.pdf>. Acesso em 10 abr. 2011.
LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. São
Paulo: Atlas, 2001.
NETO, B. M. R.; TAVARES, J. D. C. T.; HOFFMANN, S.C. Sistemas de Gestão
Integrados – Qualidade, Meio Ambiente, Responsabilidade Social, Segurança e
saúde no trabalho. São Paulo. Senac, São Paulo, 2008.
POLACINSKI, E.; SCHENATTO F. J. A.; ABREU A. F. de. Evolução dos Estudos do
Futuro: Resgate Histórico. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, XXIX.,
2009, Salvador. Anais... Salvador: ENEGEP, 2009.
SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR
SOUZA, N. L. de.; FRANCA, V. V. Sistema de Gestão Integrado uma Ferramenta
na busca pela Excelência nas Pequenas e Médias Empresas. In: Encontro
Nacional de Engenharia de Produção, XXIX., 2009, Salvador. Anais... Salvador:
ENEGEP, 2009.
TRONCO, C. R. et al. Sistema de gestão integrado de qualidade, meio ambiente,
saúde e segurança e responsabilidade social – SGI: uma experiência de
implantação. In: Simpósio de Engenharia de Produção, XII., 2005, Bauru.
Anais...Bauru:I SIMPEP, 2005.
VASCONCELOS, D. S. C. de.; MELO, M. B. F. de. Aplicacidade da Especificação
PAS 99:2006 como Modelo Integrado de Gestão – Um Estudo de Caso. (2007).
Disponível em:<
http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2007_TR580440_0175.pdf>. Acesso em:
11 abr. 2011.
VIANNA, W. B.; et al. Levantamento de Indicadores de Qualidade Ambiental – O
caso de uma Empresa de Fertilizantes. In: Encontro Nacional de Engenharia de
Produção, XXIX., 2009, Salvador. Anais... Salvador: ENEGEP, 2009.
WACLAWOVSKY, E. D. A.; BATIZ, E. C. Proposta de Metodologia para
Implementação de Sistemas de Gestão Integrados como Ferramenta de Apoio no
Alcance de resultados Sustentáveis para as Organizações. In: Simpósio de
Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais, XIII., 2010, São
Paulo. Anais... São Paulo: SIMPOI, 2010.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Contribuições aos modelos de maturidade em gestão por processos e de excelênc...
Contribuições aos modelos de maturidade em gestão por processos e de excelênc...Contribuições aos modelos de maturidade em gestão por processos e de excelênc...
Contribuições aos modelos de maturidade em gestão por processos e de excelênc...
Felipe Guedes Pinheiro
 
Um estudo do processo de certificação ISO no departamento de oficinas da Comp...
Um estudo do processo de certificação ISO no departamento de oficinas da Comp...Um estudo do processo de certificação ISO no departamento de oficinas da Comp...
Um estudo do processo de certificação ISO no departamento de oficinas da Comp...
Diamantino Augusto Sardinha Neto
 
Educação ambiental e cidadania
Educação ambiental e cidadaniaEducação ambiental e cidadania
Educação ambiental e cidadania
Universidade Federal Fluminense
 
Aop t6 0002_0302
Aop t6 0002_0302Aop t6 0002_0302
Aop t6 0002_0302
Ana Fernandes
 
Implementação de um modelo de avaliação de desempenho por ob
Implementação de um modelo de avaliação de desempenho por obImplementação de um modelo de avaliação de desempenho por ob
Implementação de um modelo de avaliação de desempenho por ob
Rui Vilela
 
222 (1)
222 (1)222 (1)
222 (1)
Sabrine Souza
 
Dissertacao_Afonso_24_11_VFinal
Dissertacao_Afonso_24_11_VFinalDissertacao_Afonso_24_11_VFinal
Dissertacao_Afonso_24_11_VFinal
Afonso Severino
 
Estudo de Caso de um Programa para a Aplicação da Metodologia Lean Seis Sigma...
Estudo de Caso de um Programa para a Aplicação da Metodologia Lean Seis Sigma...Estudo de Caso de um Programa para a Aplicação da Metodologia Lean Seis Sigma...
Estudo de Caso de um Programa para a Aplicação da Metodologia Lean Seis Sigma...
Alexandre Barcelos
 
Gestão da Produtividade Administrativa
Gestão da Produtividade AdministrativaGestão da Produtividade Administrativa
Gestão da Produtividade Administrativa
Evilasio Cesar
 
Apostila principal de desenho técnico mecânico i
Apostila principal de desenho técnico mecânico iApostila principal de desenho técnico mecânico i
Apostila principal de desenho técnico mecânico i
Pablisson Martins
 
Admopersvisãoestrategicafunção2004
Admopersvisãoestrategicafunção2004Admopersvisãoestrategicafunção2004
Admopersvisãoestrategicafunção2004
José Paulo Alves Fusco
 
Reengenharia de Processos - Benchmarking
Reengenharia de Processos - BenchmarkingReengenharia de Processos - Benchmarking
Reengenharia de Processos - Benchmarking
fontoura60
 
Gestão da Qualidade Total (GQT) para Sustentabilidade
Gestão da Qualidade Total (GQT) para SustentabilidadeGestão da Qualidade Total (GQT) para Sustentabilidade
Gestão da Qualidade Total (GQT) para Sustentabilidade
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Infobrasil - 2013
Infobrasil - 2013Infobrasil - 2013
Infobrasil - 2013
Odecilia
 
ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
Aula 04 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 4 e 5
Aula 04 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 4 e 5Aula 04 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 4 e 5
Aula 04 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 4 e 5
Claudio Bernardi Stringari
 
Vitoreli. 2011. análise da integração dos sistemas de hgestão normalizados is...
Vitoreli. 2011. análise da integração dos sistemas de hgestão normalizados is...Vitoreli. 2011. análise da integração dos sistemas de hgestão normalizados is...
Vitoreli. 2011. análise da integração dos sistemas de hgestão normalizados is...
Lechan Colares
 
Introdução à norma iso 9001 estrategica
Introdução à norma iso 9001   estrategicaIntrodução à norma iso 9001   estrategica
Introdução à norma iso 9001 estrategica
Meire Yumi Yamada
 
Aula 02 02 SGQ ISO
Aula 02 02 SGQ ISOAula 02 02 SGQ ISO
Aula 02 02 SGQ ISO
Claudio Bernardi Stringari
 
INDUSTRIA 4.0 E IS0 55000 COMO VANTAGEM COMPETITIVA
INDUSTRIA 4.0  E IS0 55000 COMO VANTAGEM COMPETITIVAINDUSTRIA 4.0  E IS0 55000 COMO VANTAGEM COMPETITIVA
INDUSTRIA 4.0 E IS0 55000 COMO VANTAGEM COMPETITIVA
JEFFERSON FUJARRA, MBA
 

Mais procurados (20)

Contribuições aos modelos de maturidade em gestão por processos e de excelênc...
Contribuições aos modelos de maturidade em gestão por processos e de excelênc...Contribuições aos modelos de maturidade em gestão por processos e de excelênc...
Contribuições aos modelos de maturidade em gestão por processos e de excelênc...
 
Um estudo do processo de certificação ISO no departamento de oficinas da Comp...
Um estudo do processo de certificação ISO no departamento de oficinas da Comp...Um estudo do processo de certificação ISO no departamento de oficinas da Comp...
Um estudo do processo de certificação ISO no departamento de oficinas da Comp...
 
Educação ambiental e cidadania
Educação ambiental e cidadaniaEducação ambiental e cidadania
Educação ambiental e cidadania
 
Aop t6 0002_0302
Aop t6 0002_0302Aop t6 0002_0302
Aop t6 0002_0302
 
Implementação de um modelo de avaliação de desempenho por ob
Implementação de um modelo de avaliação de desempenho por obImplementação de um modelo de avaliação de desempenho por ob
Implementação de um modelo de avaliação de desempenho por ob
 
222 (1)
222 (1)222 (1)
222 (1)
 
Dissertacao_Afonso_24_11_VFinal
Dissertacao_Afonso_24_11_VFinalDissertacao_Afonso_24_11_VFinal
Dissertacao_Afonso_24_11_VFinal
 
Estudo de Caso de um Programa para a Aplicação da Metodologia Lean Seis Sigma...
Estudo de Caso de um Programa para a Aplicação da Metodologia Lean Seis Sigma...Estudo de Caso de um Programa para a Aplicação da Metodologia Lean Seis Sigma...
Estudo de Caso de um Programa para a Aplicação da Metodologia Lean Seis Sigma...
 
Gestão da Produtividade Administrativa
Gestão da Produtividade AdministrativaGestão da Produtividade Administrativa
Gestão da Produtividade Administrativa
 
Apostila principal de desenho técnico mecânico i
Apostila principal de desenho técnico mecânico iApostila principal de desenho técnico mecânico i
Apostila principal de desenho técnico mecânico i
 
Admopersvisãoestrategicafunção2004
Admopersvisãoestrategicafunção2004Admopersvisãoestrategicafunção2004
Admopersvisãoestrategicafunção2004
 
Reengenharia de Processos - Benchmarking
Reengenharia de Processos - BenchmarkingReengenharia de Processos - Benchmarking
Reengenharia de Processos - Benchmarking
 
Gestão da Qualidade Total (GQT) para Sustentabilidade
Gestão da Qualidade Total (GQT) para SustentabilidadeGestão da Qualidade Total (GQT) para Sustentabilidade
Gestão da Qualidade Total (GQT) para Sustentabilidade
 
Infobrasil - 2013
Infobrasil - 2013Infobrasil - 2013
Infobrasil - 2013
 
ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
ISO 9001
 
Aula 04 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 4 e 5
Aula 04 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 4 e 5Aula 04 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 4 e 5
Aula 04 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 4 e 5
 
Vitoreli. 2011. análise da integração dos sistemas de hgestão normalizados is...
Vitoreli. 2011. análise da integração dos sistemas de hgestão normalizados is...Vitoreli. 2011. análise da integração dos sistemas de hgestão normalizados is...
Vitoreli. 2011. análise da integração dos sistemas de hgestão normalizados is...
 
Introdução à norma iso 9001 estrategica
Introdução à norma iso 9001   estrategicaIntrodução à norma iso 9001   estrategica
Introdução à norma iso 9001 estrategica
 
Aula 02 02 SGQ ISO
Aula 02 02 SGQ ISOAula 02 02 SGQ ISO
Aula 02 02 SGQ ISO
 
INDUSTRIA 4.0 E IS0 55000 COMO VANTAGEM COMPETITIVA
INDUSTRIA 4.0  E IS0 55000 COMO VANTAGEM COMPETITIVAINDUSTRIA 4.0  E IS0 55000 COMO VANTAGEM COMPETITIVA
INDUSTRIA 4.0 E IS0 55000 COMO VANTAGEM COMPETITIVA
 

Semelhante a 2011 etapas necessarias_implantacao_sistema_gestao_integrado

Implantação da Gestão por Processos em uma empresa incubada.
Implantação da Gestão por Processos em uma empresa incubada.Implantação da Gestão por Processos em uma empresa incubada.
Implantação da Gestão por Processos em uma empresa incubada.
Neto Ortega
 
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade o ca...
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade   o ca...2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade   o ca...
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade o ca...
Amanda Fraga
 
Planejamento estratégico e gestão ambiental relato prático
Planejamento estratégico e gestão ambiental   relato práticoPlanejamento estratégico e gestão ambiental   relato prático
Planejamento estratégico e gestão ambiental relato prático
Francisco Alves
 
Unipeg
UnipegUnipeg
Unipeg
Sydney Dias
 
World Class Manufacturing (WCM)_MATRIZ QA_5QFZD_EXCELENTE.pdf
World Class Manufacturing (WCM)_MATRIZ QA_5QFZD_EXCELENTE.pdfWorld Class Manufacturing (WCM)_MATRIZ QA_5QFZD_EXCELENTE.pdf
World Class Manufacturing (WCM)_MATRIZ QA_5QFZD_EXCELENTE.pdf
WilsonPereira80
 
(NOVO)+O+gerenciamento+de+processos+de+negócios+como+uma+estratégia+de+gestão...
(NOVO)+O+gerenciamento+de+processos+de+negócios+como+uma+estratégia+de+gestão...(NOVO)+O+gerenciamento+de+processos+de+negócios+como+uma+estratégia+de+gestão...
(NOVO)+O+gerenciamento+de+processos+de+negócios+como+uma+estratégia+de+gestão...
JaquelineSakon
 
Wcm 001
Wcm 001Wcm 001
Wcm 001
fabioavela
 
A Estratégia de Apropriabilidade Neoschumpteriana Como Vantagem Competitiva: ...
A Estratégia de Apropriabilidade Neoschumpteriana Como Vantagem Competitiva: ...A Estratégia de Apropriabilidade Neoschumpteriana Como Vantagem Competitiva: ...
A Estratégia de Apropriabilidade Neoschumpteriana Como Vantagem Competitiva: ...
Alexandre Bento
 
Um sistema de indicadores para comparação entre organizações: o caso das pequ...
Um sistema de indicadores para comparação entre organizações: o caso das pequ...Um sistema de indicadores para comparação entre organizações: o caso das pequ...
Um sistema de indicadores para comparação entre organizações: o caso das pequ...
Pense Comunicação
 
Artigo indicadores de desempenho
Artigo indicadores de desempenhoArtigo indicadores de desempenho
Artigo indicadores de desempenho
Universidade de São Paulo (EEL USP)
 
Tpm 6 grandes falhas
Tpm 6 grandes falhasTpm 6 grandes falhas
Tpm 6 grandes falhas
GuilhermeFerreiraCru1
 
ISO 14000
ISO 14000ISO 14000
ISO 14000
Bruna Marandola
 
ANÁLISE DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES INTERNOS DA ÁREA INDUSTRIAL EM U...
ANÁLISE DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES INTERNOS DA ÁREA INDUSTRIAL EM U...ANÁLISE DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES INTERNOS DA ÁREA INDUSTRIAL EM U...
ANÁLISE DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES INTERNOS DA ÁREA INDUSTRIAL EM U...
Leandro Schmidt
 
O Modelo TGP pag. 227 261
O Modelo TGP pag. 227 261O Modelo TGP pag. 227 261
O Modelo TGP pag. 227 261
zeusi9iuto
 
Just in time ok
Just in time okJust in time ok
Just in time ok
Luziane Azevedo
 
A GESTÃO DE PROCESSOS EM LABORATÓRIOS: UM ESTUDO COMPARATIVO EM EMPRESAS CAL...
A GESTÃO DE PROCESSOS EM LABORATÓRIOS:  UM ESTUDO COMPARATIVO EM EMPRESAS CAL...A GESTÃO DE PROCESSOS EM LABORATÓRIOS:  UM ESTUDO COMPARATIVO EM EMPRESAS CAL...
A GESTÃO DE PROCESSOS EM LABORATÓRIOS: UM ESTUDO COMPARATIVO EM EMPRESAS CAL...
Carlos Fernando Jung
 
UFPE - Metodologia de Gestão de Processos_UFPE.pdf
UFPE - Metodologia de Gestão de Processos_UFPE.pdfUFPE - Metodologia de Gestão de Processos_UFPE.pdf
UFPE - Metodologia de Gestão de Processos_UFPE.pdf
ssusere9e7d1
 
Mr5
Mr5Mr5
Iso 14001-2015 f iesp
Iso 14001-2015 f iespIso 14001-2015 f iesp
Iso 14001-2015 f iesp
Elmo Rodrigues
 
Qualidade & Métodos
Qualidade & MétodosQualidade & Métodos
Qualidade & Métodos
Jaime Maeda
 

Semelhante a 2011 etapas necessarias_implantacao_sistema_gestao_integrado (20)

Implantação da Gestão por Processos em uma empresa incubada.
Implantação da Gestão por Processos em uma empresa incubada.Implantação da Gestão por Processos em uma empresa incubada.
Implantação da Gestão por Processos em uma empresa incubada.
 
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade o ca...
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade   o ca...2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade   o ca...
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade o ca...
 
Planejamento estratégico e gestão ambiental relato prático
Planejamento estratégico e gestão ambiental   relato práticoPlanejamento estratégico e gestão ambiental   relato prático
Planejamento estratégico e gestão ambiental relato prático
 
Unipeg
UnipegUnipeg
Unipeg
 
World Class Manufacturing (WCM)_MATRIZ QA_5QFZD_EXCELENTE.pdf
World Class Manufacturing (WCM)_MATRIZ QA_5QFZD_EXCELENTE.pdfWorld Class Manufacturing (WCM)_MATRIZ QA_5QFZD_EXCELENTE.pdf
World Class Manufacturing (WCM)_MATRIZ QA_5QFZD_EXCELENTE.pdf
 
(NOVO)+O+gerenciamento+de+processos+de+negócios+como+uma+estratégia+de+gestão...
(NOVO)+O+gerenciamento+de+processos+de+negócios+como+uma+estratégia+de+gestão...(NOVO)+O+gerenciamento+de+processos+de+negócios+como+uma+estratégia+de+gestão...
(NOVO)+O+gerenciamento+de+processos+de+negócios+como+uma+estratégia+de+gestão...
 
Wcm 001
Wcm 001Wcm 001
Wcm 001
 
A Estratégia de Apropriabilidade Neoschumpteriana Como Vantagem Competitiva: ...
A Estratégia de Apropriabilidade Neoschumpteriana Como Vantagem Competitiva: ...A Estratégia de Apropriabilidade Neoschumpteriana Como Vantagem Competitiva: ...
A Estratégia de Apropriabilidade Neoschumpteriana Como Vantagem Competitiva: ...
 
Um sistema de indicadores para comparação entre organizações: o caso das pequ...
Um sistema de indicadores para comparação entre organizações: o caso das pequ...Um sistema de indicadores para comparação entre organizações: o caso das pequ...
Um sistema de indicadores para comparação entre organizações: o caso das pequ...
 
Artigo indicadores de desempenho
Artigo indicadores de desempenhoArtigo indicadores de desempenho
Artigo indicadores de desempenho
 
Tpm 6 grandes falhas
Tpm 6 grandes falhasTpm 6 grandes falhas
Tpm 6 grandes falhas
 
ISO 14000
ISO 14000ISO 14000
ISO 14000
 
ANÁLISE DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES INTERNOS DA ÁREA INDUSTRIAL EM U...
ANÁLISE DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES INTERNOS DA ÁREA INDUSTRIAL EM U...ANÁLISE DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES INTERNOS DA ÁREA INDUSTRIAL EM U...
ANÁLISE DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE CLIENTES INTERNOS DA ÁREA INDUSTRIAL EM U...
 
O Modelo TGP pag. 227 261
O Modelo TGP pag. 227 261O Modelo TGP pag. 227 261
O Modelo TGP pag. 227 261
 
Just in time ok
Just in time okJust in time ok
Just in time ok
 
A GESTÃO DE PROCESSOS EM LABORATÓRIOS: UM ESTUDO COMPARATIVO EM EMPRESAS CAL...
A GESTÃO DE PROCESSOS EM LABORATÓRIOS:  UM ESTUDO COMPARATIVO EM EMPRESAS CAL...A GESTÃO DE PROCESSOS EM LABORATÓRIOS:  UM ESTUDO COMPARATIVO EM EMPRESAS CAL...
A GESTÃO DE PROCESSOS EM LABORATÓRIOS: UM ESTUDO COMPARATIVO EM EMPRESAS CAL...
 
UFPE - Metodologia de Gestão de Processos_UFPE.pdf
UFPE - Metodologia de Gestão de Processos_UFPE.pdfUFPE - Metodologia de Gestão de Processos_UFPE.pdf
UFPE - Metodologia de Gestão de Processos_UFPE.pdf
 
Mr5
Mr5Mr5
Mr5
 
Iso 14001-2015 f iesp
Iso 14001-2015 f iespIso 14001-2015 f iesp
Iso 14001-2015 f iesp
 
Qualidade & Métodos
Qualidade & MétodosQualidade & Métodos
Qualidade & Métodos
 

Último

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 

2011 etapas necessarias_implantacao_sistema_gestao_integrado

  • 1. SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR Etapas Necessárias para Implantação de um Sistema de Gestão Integrado Jonathan Lucas Schwambach Fernandes (FAHOR) jf000554@fahor.com.br Fernando Busanello (FAHOR) fb000982@fahor.com.br Magnus Luis Beilke (FAHOR) mb000245@fahor.com.br Edio Polacinski (FAHOR) polacinskiedio@fahor.com.br Resumo No ambiente de trabalho em que se vive nos dias de hoje a implantação dos sistemas de gestão voltados para a qualidade se tornaram parte fundamental e indispensável para o bom desempenho das organizações que buscam enfrentar o atual mercado competitivo. Neste, sentido, destacam-se as organizações que buscam se adequar a essa realidade quando se propõem a certificar-se em uma das normas de qualidades aceitas pelo mercado, a saber: ISO 9001; 14001; SA 8000; e OHSAS 18001. Assim, com base no exposto destaca-se que o presente artigo caracterizado como um ensaio teórico tem o objetivo de apresentar um estudo comparativo de vários casos, demonstrando as etapas necessárias para a implantação de um Sistema de Gestão Integrado (SGI) composto pelas quatro normas citadas anteriormente. Como resultado de pesquisa apresenta-se a compilação de oito casos, bem como as fases de implantação de um SGI utilizadas por cada empresa. Palavras-chave: Sistema de Gestão da Qualidade, Sistema de Gestão Integrado, Etapas de Implementação. 1. Introdução Com o crescimento da economia, as empresas estão encontrando dificuldades na integração dos processos de gestão da qualidade, gestão ambiental e segurança, com isto, estão sendo obrigadas a estabelecer sistemas internos de gestão, estes para atender as peculiaridades do mercado. Em conseqüência disso, surgem dificuldades de gerenciamento dos processos produtivos, que buscam melhorar a eficiência e eficácia no que se refere à redução dos seus custos, dos impactos ambientais e das não conformidades de modo geral e procuram adequar-se às características competitivas do mercado. Neste sentido o mercado mundial passou a exigir cada vez mais, que os produtos e/ou serviços atendam aos padrões das normas técnicas da qualidade, sustentabilidade social e proteção a integridade física e saúde de seus funcionários. Com isso, a preocupação em atender os requisitos em volta das razões ambientais, saúde e segurança no trabalho em busca da prevenção
  • 2. SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR de acidentes e prevenção de problemas em potencial se tornou uma questão de sobrevivência e viabilidade para as empresas atuarem no mercado atual (CHAIB, 2005). Segundo Fonseca apud Chaib (2005), desde os meados dos anos 80 com o grande crescimento do mercado e exigências atribuidas por este, começou uma preocupação cada vez maior em função das questões de custo e qualidade aliadas a uma maior consciência ambiental, gerando conceitos novos de qualidade, não apenas vendo o produto como o principal mas também para a qualidade de vida. Com a grande concorrência dos mercados e variadas formas de gerenciamento das empresas surgiu a preocupação das organizações de qual seria a melhor forma de gerenciar a empresa para se obter vantagens competitivas neste mercado cada vez mais exigente, o aparecimento de vários sistemas de gestão implantados pelas empresas e a pressão do mercado em se produzir mais com menos recursos para questões de sobrevivência tem levado um grande grupo de organizações enchergar que a integração de todos os seus sistemas de gestão como uma excelente oportunidade para redução de seus custos, desde tempos e papéis desnecessários para a manutenção dos seus sistemas separados como um todo (LIMA apud VASCONCELOS; MELO, 2007) Nesse sentido, o Sistema de Gestão Integrado (SGI), o qual se define como sendo um sistema que integra os processos de qualidade, meio ambiente, segurança e responsabilidade social, sendo este adotado como uma forma alternativa que visa atender as exigências que o mercado estabelece. O sistema de gestão integrado é composto por quatro normas que são mais utilizadas no trabalho, qualidade, meio ambiente, segurança e responsabilidade social, a junção destes e trabalhando de forma conjunta formam o sistema de jestão integrado. Dessa forma, o objetivo desse artigo é identificar as etapas necessárias para implantação de um SGI em empresas que gostariam de adotar este método como sendo um referencial teórico de auxílio na busca da integração de seus sistemas de gestão para o melhor gerenciamento visando os novos contextos de competitividade aplicado pelo mercado. Assim sendo, justifica-se o presente trabalho, pelo fato que irá contribuir para empresas não certificadas em SGI como um modelo de referência, apresentando um estudo de implantação em empresas que já possuem o sistema, as etapas que cada uma definiu para obtenção do resultado, os requisitos estabelecidos para a implementação e apresentar um uma síntese dos requisitos necessários para o processo de aplicação de SGI. 2. Revisão da Literatura 2.1 Sistema de Gestão da Qualidade O assunto relacionado à qualidade recebeu nos últimos tempos uma grande ascensão devido ao crescimento do mercado e as restrições impostas por este
  • 3. SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR relacionadas à competitividade entre as empresas e organizações, sendo que estes estão cada vez mais inseridos entre todos os processos e setores industriais e comerciais existentes nas empresas. A implantação e certificação de sistemas de gestão da qualidade estão se tornando mais que um diferencial em se referindo à sobrevivência, sucesso no mercado e técnicas desenvolvidas em se prevendo dar maior competitividade entre as empresas, isto tudo vem se apresentando como uma ferramenta eficiente de gestão dos processos mesmo em mercados pouco competitivos (KRAVCHYCHYN et al., 2006). Para Feigenbaum apud Tronco et al., (2005), um sistema de qualidade define- se como sendo a estrutura operacional de trabalho de toda a empresa documentada em procedimentos técnicos integrados, onde cada processo é definido para direcionamento das ações a serem desenvolvidas para mão-de- obra e máquinas para obtenção das melhores práticas e meios de assegurar qualidade e menores custos para a produção. De acordo com Paladini apud Tronco et al. (2005) um dos objetivos para integração dos processos é a procura da integração de todas as funções utilizada nas áreas da empresa num esforço pela qualidade, acatando cada especificação de cada área em busca da garantia da adesão de toda mão-de- obra no programa da qualidade. Dentre as várias vantagens de um Sistema de Gestão da Qualidade existem benefícios que permitem que a organização identifique e atenda todas as necessidades e expectativas esperadas pelos seus clientes e de todas as partes relacionadas como funcionários, fornecedores, comunidade, acionistas, para alcançar vantagens competitivas em relação aos seus concorrentes fazendo-a de modo eficiente e eficaz, tornando provável alcançar, sustentar e aperfeiçoar o desempenho organizacional (BATALAS apud KRAVCHYCHYN et al., 2006). Um dos sistemas de gestão da qualidade mais aceito e adotado em todo o mundo é o referendado pela Norma ISO 9001:2000. Apesar das críticas ou restrições de alguns segmentos à sua utilização, cada vez mais organizações em todo o mundo têm implantado sistemas da qualidade com base nesta norma que é uma diretriz para organizações que buscam a qualidade de seus processos e produtos, compondo-se de requisitos que, devidamente implantados, aprimoram a eficiência de seus processos. (KRAVCHYCHYN et al., 2006, p. 2). Esta norma é conhecida internacionalmente, não sendo como uma norma de produto, mas a mesma é aplicada em qualquer divisão da manufatura ou prestação de serviços, No exercício real da qualidade o envolvimento das pessoas, equipes, entendimento dos conceitos e ferramentas empreendidas torna-se fatores comuns entre eles (KRAVCHYCHYN et al., 2006). Conforme NBR ISO 9000:2000 o SGQ é um sistema que serve para conduzir e controlar uma organização baseada na qualidade, na busca da política e dos
  • 4. SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR objetivos da organização estabelecendo metas, e buscando meios favoráveis de alcançá-los (KRAVCHYCHYN et al., 2006). 2.2 Sistema de Gestão Integrada Chiavenato apud Chaib (2005) conceitua o SGI como sendo um conjunto de dados interdependentes, cujo resultado obtido com a soma de todos os processos aplicados é maior que se estivem atuando separadamente. Já Cicco apud Chaib (2005), conceitua o SGI como sendo uma combinação de seus processos, métodos e técnicas utilizadas em uma empresa para a implantação de suas políticas de gestão e que podem obter mais resultados na aplicação em conjunto dos mesmos de que não operação separadamente na busca de resultados melhores para as empresas. A implantação do SGI é um fator que aumenta significativamente a capacidade empresarial, buscando a produção em cima da maior qualidade e menores custos, visando às inovações tecnológicas atuais. O SGI atende todas as necessidades organizacionais. As empresas estão se desgastando para se adequar as novas filosofias, assim desperdiçando seu tempo e esforços que poderiam ser economizados trabalhando em cima da demanda atual e das necessidades atuais (TRONCO et al., 2005). Os objetivos básicos do sistema de gestão são o de aumentar constantemente o valor percebido pelo cliente nos produtos ou serviços oferecidos, o sucesso no segmento de mercado ocupado (através da melhoria contínua dos resultados operacionais), a satisfação dos funcionários com a organização e da própria sociedade com a contribuição social da empresa e o respeito ao meio ambiente (CHAIB, 2005). Integração dos Sistemas de Gestão é uma excelente oportunidade para reduzir custos relacionados, por exemplo, à manutenção de diferentes estruturas de controle de documentos, auditorias, registros. A integração dos sistemas de gestão pode abranger diversos temas, tais como: qualidade, meio ambiente, segurança e saúde ocupacional, recursos humanos (CHAIB, 2005). Na verdade, não há uma certificação específica para SGI. São três certificações mais usadas atualmente (Qualidade, Meio Ambiente e Saúde e Segurança do Trabalho). Porém, estes sistemas de gestão implementados segundo normas distintas podem ser integrados (CHAIB, 2005). As vantagens da implantação de um SGI, de acordo Chaib (2005), também incluem:  Diferencial competitivo;  Fortalecimento da imagem no mercado e nas comunidades;  Prática da excelência gerencial por padrões internacionais de gestão;  Atendimento às demandas do mercado e da sociedade em geral;
  • 5. SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR  Melhoria organizacional;  Reconhecimento da gestão sistematizada por entidades externas;  Maior conscientização das partes interessadas;  Atuação pró-ativa, evitando-se danos ambientais e acidentes no trabalho;  Melhoria do clima organizacional;  Maior capacitação e educação dos empregados;  Redução do tempo e de investimentos em auditorias internas e externas.  Minimização de fatores de risco;  Segurança legal contra processos e responsabilidades;  Segurança das informações importantes para o negócio;  Minimização de acidentes e passivos;  Identificação de vulnerabilidade nas práticas atuais. SGI tem permitido integrar os processos de qualidade com os de saúde e segurança, gestão ambiental e responsabilidade social. Qualquer processo produtivo gera produtos desejáveis, ou seja, os que os clientes pediram, e os indesejáveis que seriam as sobras resíduas dos produtos (NETO; TAVARES; HOFFMANN, 2008). Integração dos sistemas apresentam benefícios como a redução de custos, redução de duplicidade, redução de conflitos nos sistemas, economia de tempo para realização dos processos, gerenciamento de possíveis riscos de trabalhos, melhoria na comunicação, melhoria em toda organização (NETO; TAVARES; HOFFMANN, 2008). Integrar é muito mais do que juntar documentos dos sistemas distintos. O SGI deve ser desenvolvido para atender as necessidades dos negócios e não as dos auditores (NETO; TAVARES; HOFFMANN, 2008).
  • 6. SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR Sistemas de Gestão Integrados Saúde e Segurança Meio Ambiente Responsabilidade Social Qualidade Produtos/ resultados indesejáveis Riscos à saúde e segurança Impactos Sobre ambiente e sociedade PROCESSO ClienteFornecedores Insumos Produtos Desejáveis Figura 1: Concepção Conceitual de um sistema Integrado. Fonte: Neto, Tavares e Hoffmann (2008). 3. Métodos e Técnicas O estudo aplicado caracteriza-se de forma descritiva, desde que procura se referir ordenadamente uma área de interesse, ou fato, de acordo com Lakatos e Marconi (2001). No entanto, ainda pode ser definido como sendo exploratória uma vez que se procura entender em sua fase inicial um elemento para depois explanar suas causas e consequências (GIL, 1999). Em virtude da construção das etapas do trabalho, a maneira do estudo que foi adotada para a realização desta pesquisa, onde conforme Gil (1999) proporciona como objetivo a análise mais aprofundada de questões tendo em vista conhecimento mais vasto e minucioso. O estudo em questão caracteriza-se também em um ensaio teórico que foi desenvolvido através da pesquisa bibliográfica onde foram identificados oito casos na literatura pertinente relacionados à temática proposta pelo artigo.
  • 7. SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR No estudo foram analisados materiais já existentes que consistem em estudos de casos em empresas que já implementaram o SGI e como foi feita a implementação deste sistema já que cada vez mais está se tornando um grande diferencial competitivo para o mercado e que está cada vez mais motivando as empresas a optar pela implantação. Tem-se o conhecimento em distintas ocasiões da história, que gerentes, líderes organizacionais e pessoas de modo geral que procuraram informações com a finalidade de melhorar e minimizar os riscos das decisões tomadas obtiveram resultados satisfatórios nos processos. De tal modo, o empenho pelo conhecimento e desenvolvimento dos procedimentos e técnicas a se aplicar no futuro ampliou-se de maneira crescente a partir da revolução industrial visando melhor prever as ameaças e oportunidades que possam vir impactar no desenvolvimento e sustentabilidade das organizações (POLACINSKI, SCHENATTO, ABREU, 2009). 4. Resultados e discussões A partir da coleta de dados e requisítos em artigos estudados apresenta-se o Quadro 1, onde cada empresa apresenta suas fases de implantação. Assim, o critério adotado para a escolha das práticas de implantação do SGI, foi de localizar as mais reincidentes. Destaca-se que o critério para definição das fases de interesse foi o de utilizar as fases que se repetem em cada uma das empresas. Dessa forma, a partir do Quadro 1, definiu-se as seguintes fases de implementação de um SGI necessárias para atender a proposta de estudo:  Comprometimento da Direção: líderes estabelecem propósitos e o rumo da organização, criam e mantém um ambiente interno onde as pessoas se envolvam completamente para atingir os objetivo e metas desejados onde visa a criação de um ambiente propício para a implantação do SGI, os mesmos serão responsáveis pelo planejamento, execução e monitoramento dos processos realizados pela organização;  Planejamento: etapa que contempla as etapas anteriores de diagnóstico inicial, e elaboração do planejamento estratégico da organização. Torna- se um diferencial da metodologia em relação aos demais, alinhando o SGI com as estratégias da organização;  Estabelecimento de objetivos e metas: os mesmos foram constituídos e alinhados juntamente com as diretrizes do planejamento estratégico, baseado na política do SGI. O Comitê de gestão estabelecendo os objetivos os quais foram desdobrados em metas de curto e longo prazo;
  • 8. SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR Quadro 1. Fases de implementação de um SGI de cada empresa. Fonte: Elaborado pelos autores. “Artigo 1” (Tronco et al., 2005) “Artigo 2” (Kravchychyn et al., 2006) “Artigo 3” (Waclawovsky e Batiz, 2010) “Artigo 4” (Souza e Franca, 2009) “Artigo 5” (Vianna et al., 2009) “Artigo 6” (Idrogo et al., 2008) “Artigo 7” (Vasconcelos e Melo, 2007) “Artigo 8” (Chaib, 2005) Sensibilização da Administração Comprometimento da Direção Planejamento - definição de o caminho a seguir Escopo do SGI Sistema de Gestão Integrado Ações em SGQ Requisitos gerais Requisitos Gerais do SGI Formação do comitê a nível gerencial, cursos e escolha de coordenador. Mapeamento dos Processos Preparação- política do SGI a ser seguida Processos Operacionais Internos Processos, produtos, serviços ambientalmente corretos. Ações de Saúde Ocupacional Política do sistema de gestão Política do SGI Mapeamento dos Processos Escopo Detalhamento e implementação Processos operacionais internos de apoio Empresa cidadã e socialmente responsável Ações em SGA Planejamento Planejamento Conscientização dos gerentes e técnicos dos processos Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) Auditorias internas Processos de Apoio (contratados) Processos, produtos e serviços com qualidade. Ações de Saúde Ocupacional e de Segurança e Saúde no Trabalho Implementação e operação Implementação e Operação/estrutura, treinamento. Documentação, controle operacional. Definição das políticas de gestão ambiental, saúde e segurança, responsabilidade social e qualidade. Responsabilidade da Direção Implantação- disseminação da documentação Sistema de Gestão Integrado (coordenação) Processos, produtos e serviços realizados sob condições seguras e saudáveis. - Avaliação de desempenho Verificação e Ação Corretiva (monitoramento) Estabelecimento de objetivos e metas. Gestão de Recursos - - - - Melhoria - Implementação da documentação Realização do Produto - - - - Análise crítica pela direção - Formação e treinamento de auditores internos Medição, análise e Melhoria. - - - - - - Solidificação do SGI Auditoria - - - - - - Medição e monitoramento/registros - - - - - - - Auditorias internas/ plano de ações corretivas - - - - - - -
  • 9. SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR  Escopo do SGI: esta etapa estuda a área de atuação do SGI, visando quais os processos mapeados conforme o mapeamento dos processos. Estes necessitam de um controle de qualidade, observando a relevância de cada processo mapeado na qualidade dos serviços prestados;  Implantação e disseminação da documentação: serão implantados estes documentos após uma verificação simultaneamente, verificando a eficácia da redação dos documentos;  Mapeamento dos processos: as informações iniciais foram mapeadas sobre os processos das atividades realizadas, a fim de identificar e estabelecer as etapas mais críticas de uma atividade definindo assim suas entradas e saídas. Com o resultado do mapeamento torna-se mais fácil a etapa posterior, a elaboração de procedimentos e instruções de trabalho que tornam possível o controle das atividades, usando uma abordagem sistêmica da gestão;  Processos operacionais: nesta etapa são inseridas diretrizes das normas técnicas, especificações e manuais de treinamento para posterior verificação e realização do produto conforme o estipulado nas diretrizes;  Realização do produto: esta é a parte que contempla as etapas referentes à implantação do SGI, tendo seu diferencial quando comparado às demais metodologias, um breve detalhamento no que se refere à definição dos processos organizacionais, contemplando nesta etapa a identificação dos aspectos e dos impactos ambientais e também dos perigos e riscos de Segurança e Saúde no Trabalho (SST), previstos nas normas de referência;  Auditorias internas: estas são realizadas para a verificação e adequação do sistema sobre as normas estabelecidas. Há uma auditoria semestral onde analisa se todas as áreas envolvidas no sistema;  Ações corretivas: as não conformidades encontradas pelas auditorias geram o plano de ação corretiva que busca maneiras de solucionar os problemas encontrados;  Auditorias externas para certificação: após analisados os sistemas, auditorias internas e a verificação da eficácia das ações propostas é feita a auditoria externa por organismos certificadores certificados;  Manutenção da certificação: esta é a etapa de maior importância, pois garante a continuidade e um bom funcionamento do SGI. 5. Conclusões Diante do exposto no decorrer deste artigo identificou-se que a implantação do SGI apresenta grandes vantagens e consideráveis mudanças para toda e qualquer organização que optar pela implantação do mesmo. Assim se verificou detalhadamente as etapas do SGI aplicadas em outros estudos já
  • 10. SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR realizados. Sendo assim, foi criada uma nova formulação do mapeamento das etapas para implantação do SGI, analisadas sobre as etapas mais utilizadas dentre os artigos. Também se analisaram quais as mais viáveis e práticas para se obtiver uma implantação baseado em resultados positivos. Portanto, seguindo as fases elaboradas pelo estudo mostraremos abaixo que obtivemos importantes resultados e possíveis mudanças na melhoria da qualidade de todos os processos dentro da empresa ou organização: (I) Comprometimento da direção; (II) Planejamento; (III) Elaboração de objetivos e metas; (IV) Escopo do SGI; (V) Implantação da documentação; (VI) Mapeamento de processos; (VII) Processos operacionais; (VIII) Realização do produto; (IX) Auditorias internas e externas; (X) Ações corretivas; (XI) Manutenção da certificação. Portanto, para obtenção de crescimento nos dias atuais com o mercado cada vez mais exigente as empresas ou organizações que visam obter maiores parcelas do mercado estão tendo que melhorar seus sistemas de gestão aplicando assim o SGI para melhorar a sua gestão. 6. Referências CHAIB, E. B. D. Proposta Para Implementação De Sistema De Gestão Integrada De Meio Ambiente, Saúde E Segurança Do Trabalho Em Empresas De Pequeno E Médio Porte: Um Estudo De Caso Da Indústria Metal-Mecânica. (2005). Disponível em: <http://www.ppe.ufrj.br/ppe/production/tesis/ebdchaib.pdf>. Acesso em: 11 abr. 2011. GIL, A. C. Métodos e Técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999. IDROGO, A. A. A. et al. Sistema Integrado de Gestão – Experiência em uma Empresa de esquadria de Alumínio e vidros. Encontro Nacional de Engenharia de Produção, XXVIII., 2008, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ENEGEP, 2008. KRAVCHYCHYN, L. et al. Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade conforme a Norma ABNT NBR ISO 9001:2000 no Laboratório de Controle de Processos do Departamento de Engenharia Química e de Alimentos da Universidade Federal da Santa Catarina (LCP-EQA-UFSC). (2006). Disponível em: < http://www.peteps.ufsc.br/novo/attachments/091_Microsoft%20Word%20- %20LCP%20ENEGEP%202006.pdf>. Acesso em 10 abr. 2011. LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2001. NETO, B. M. R.; TAVARES, J. D. C. T.; HOFFMANN, S.C. Sistemas de Gestão Integrados – Qualidade, Meio Ambiente, Responsabilidade Social, Segurança e saúde no trabalho. São Paulo. Senac, São Paulo, 2008. POLACINSKI, E.; SCHENATTO F. J. A.; ABREU A. F. de. Evolução dos Estudos do Futuro: Resgate Histórico. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, XXIX., 2009, Salvador. Anais... Salvador: ENEGEP, 2009.
  • 11. SIEF – Semana Internacional das Engenharias da FAHOR SOUZA, N. L. de.; FRANCA, V. V. Sistema de Gestão Integrado uma Ferramenta na busca pela Excelência nas Pequenas e Médias Empresas. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, XXIX., 2009, Salvador. Anais... Salvador: ENEGEP, 2009. TRONCO, C. R. et al. Sistema de gestão integrado de qualidade, meio ambiente, saúde e segurança e responsabilidade social – SGI: uma experiência de implantação. In: Simpósio de Engenharia de Produção, XII., 2005, Bauru. Anais...Bauru:I SIMPEP, 2005. VASCONCELOS, D. S. C. de.; MELO, M. B. F. de. Aplicacidade da Especificação PAS 99:2006 como Modelo Integrado de Gestão – Um Estudo de Caso. (2007). Disponível em:< http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2007_TR580440_0175.pdf>. Acesso em: 11 abr. 2011. VIANNA, W. B.; et al. Levantamento de Indicadores de Qualidade Ambiental – O caso de uma Empresa de Fertilizantes. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, XXIX., 2009, Salvador. Anais... Salvador: ENEGEP, 2009. WACLAWOVSKY, E. D. A.; BATIZ, E. C. Proposta de Metodologia para Implementação de Sistemas de Gestão Integrados como Ferramenta de Apoio no Alcance de resultados Sustentáveis para as Organizações. In: Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais, XIII., 2010, São Paulo. Anais... São Paulo: SIMPOI, 2010.