SlideShare uma empresa Scribd logo
Tecnologia da Informação
Ricardo Terra
rterrabh [at] gmail.com
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 1 / 121
CV
Nome: Ricardo Terra
Email: rterrabh [at] gmail.com
www: ricardoterra.com.br
Twitter: rterrabh
Lattes: lattes.cnpq.br/ 0162081093970868
Ph.D. (UFMG/UWaterloo),
Post-Ph.D. (INRIA/Université Lille 1)
Background
Acadêmico : UFLA (desde 2014), UFSJ (1 ano ), FUMEC (3 anos ), UNIPAC (1 ano ), FAMINAS (3 anos )
Profissional : DBA Eng. (1 ano ), Synos (2 anos ), Stefanini (1 ano )
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 2 / 121
Conteúdo
1 Tecnologia da Informação
Conceitos Gerais
Tipos de Sistemas de Informação
2 Infra-Estrutura de TI
3 Linguagem de Programação
4 Banco de Dados
5 Engenharia de Software
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 3 / 121
Tecnologia da Informação
Conceitos Gerais
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 4 / 121
Tecnologia da Informação – Conceitos Gerais
Conteúdo da aula:
Conceitos básicos
Dado x Informação
Importância e objetivos empresariais de Sistemas de
Informação
Resolução de problemas
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 5 / 121
Tecnologia da Informação – Conceitos Gerais
Dado x Informação
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 6 / 121
Tecnologia da Informação – Conceitos Gerais
Sistemas de Informação
Importância no ambiente de negócios contemporâneo
Transformando os negócios:
Em 2005, mais contas de celular do que de telefones fixos
Mais de 35 milhões de norte-americanos recebem notícias
on-line; 32 milhões lêem blogs
Propaganda na Internet cresce 30% ao ano
Novas leis exigem que as empresas armazenem mais dados
por períodos mais longos
eCommerce, eBusiness, B2B, B2C, C2C, G2B, G2C, ...
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 7 / 121
Tecnologia da Informação – Conceitos Gerais
Objetivos Empresarias dos Sistemas de Informação
Excelência operacional
eficiência, produtividade ...
Novos produtos, serviços e modelos de negócios
Relacionamento mais estreito com clientes e fornecedores
Melhor tomada de decisão
evitam suposições, dados em tempo real melhoram a
capacidade de os gerentes tomarem decisões
Vantagem competitiva
devido ao alcance dos objetivos empresariais
cobrar menos por produtos superiores
Sobrevivência
Sistemas de Informação se tornaram imprescindíveis
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 8 / 121
Tecnologia da Informação – Conceitos Gerais
Programa x Sistemas de Informação
Programa
Formalização de um processo de tal forma que o
computador consiga realizá-lo
Sistemas de Informação
Pessoas + dados + processos + interfaces + redes + tecnologia
Suporte ao processo de negócio de uma organização
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 9 / 121
Tecnologia da Informação – Conceitos Gerais
Construção de Sistemas de Informação
Objetivo da construção de um sistema de informação:
Adicionar valor à empresa
Aumentar a produtividade
Reduzir mão-de-obra
Reduzir utilização de papéis (GED)
Centralização de dados e informações
Maior facilidade na geração de novo conhecimento (WalMart)
Maior segurança no armazenamento e acesso aos dados
A construção de um sistema de informação deve ser
economicamente justificável
Ganhos (tangíveis ou não) devem compensar construção
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 10 / 121
Tecnologia da Informação – Conceitos Gerais
Sistemas de Informação São Muito Mais do que Computadores
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 11 / 121
Tecnologia da Informação – Conceitos Gerais
Abordagem de Resolução de Problemas
Poucos problemas empresariais são simples ou fáceis de
compreender
Muitos problemas empresariais envolvem um conjunto de
fatores que podem ser categorizados como
organizacionais, tecnológicos e humanos
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 12 / 121
Tecnologia da Informação – Conceitos Gerais
Possível modelo para resolução de problemas
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 13 / 121
Tecnologia da Informação – Conceitos Gerais
Linguagem de Programação
Como escrever programas?
Banco de Dados
Onde e como armazenar dados?
Rede
Como entradas, programas, banco de dados se
comunicam?
Engenharia de Software
Existe algum processo de construção de sistemas de
software?
Segurança
Existem formas de prover uma maior segurança?
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 14 / 121
Tecnologia da Informação
Tipos de Sistemas de Informação
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 15 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Conteúdo da aula:
Vários tipos de Sistemas de Informação
Veja referência do Florentino [?]
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 16 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas de Informação Rotineiros ou Transacionais
Mais simples e mais comuns
Apóiam as funções operacionais do dia-a-dia
processam dados
armazenam e recuperam dados
agiliza rotinas e tarefas (possível redução de pessoal)
Normalmente, os primeiros a serem implementados
mais fáceis e baratos
exemplos: sistemas de cadastro em geral, sistemas de
contabilidade, sistemas de venda, folha de pagamento,
controle de estoque...
dão origem aos sistemas mais avançados (SIG, SAD)
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 17 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas de Gestão Empresarial Integrada – ERP (Enterprise
Resource Planning)
Unem e integram os diversos sistemas rotineiros de uma
organização
Integram os departamentos
agilizam processos
Just-in-Time (produção por demanda, sem estoques)
por exemplo, quando uma venda é feita, a entrada é dada
no sistema rotineiro de Vendas, mas o sistema de produção e o
sistema de compras já ficam sabendo o que terão que fazer
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 18 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas de Gestão de Suprimentos
Objetivo: controlar produtos, peças, matérias primas,
materiais, composição, aquisição e fluxo de materiais por
toda a cadeia produtiva
Inclui os seguintes subsistemas:
Component and Supplier Management
Sistemas de Controle de Supply Chain
procura
arquisição
previsão
planejamento
...
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 19 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas de Informações Gerenciais (SIG ou MIS – Management
Information Systems)
Objetivo: fornecer informações para a tomada de decisões
(sistemas que fornecem relatórios)
São sistemas que fornecem relatórios (planilhas, gráficos de
pizza, barra, linha...)
Relatórios em nível adequado (nem profundo nem
superficial)
Inicialmente, utilizado por gerentes
Hoje, qualquer funcionário que tome decisões
Aparecem nos três níveis da pirâmide administrativa
Estratégico, tático e operacional
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 20 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas de Apoio à Decisão (SAD ou DSS – Decision Support
Systems)
Entrada: alternativas para solução de um problema
Saída: Consequências de cada alternativa
Resultado: Possibilita avaliar qual é a melhor alternativa
SAD não decide nem indica alternativas
Diferença SIG e SAD: interatividade
o usuário pode entrar com várias alternativas e avaliá-las por
meio de técnicas de what-if, tais como projeção e regressão
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 21 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas Especialistas
Objetivo: tomar decisões.
Sistemas de Simulação
Objetivo: Apoiar decisões (como SAD), mas tendo o fator
tempo associado
SAD pode ser atemporal, mas os sistemas de simulação
avaliam as conseqüências das decisões durante um certo
período de tempo
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 22 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas de Informações Distribuídas
Objetivo: dados armazenados remotamente ou em pontos
diferentes + processamento distribuído
Sistemas de Automação
Objetivo: conectar computadores e máquinas
Inclui automação comercial, industrial e residencial
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 23 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas de Informações Geográficas (GIS)
Objetivo: integrar mapas e bancos de dados, mas
permitindo o geoprocessamento de imagens
cálculo de distâncias, localizar entidades no mapa,
identificar que entidade corresponde a certos objetos no
mapa
Análise e manipulação de dados geográficos e espaciais
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 24 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas de Hipertextos, Hipermídia e Multimídia
Objetivo: apresentações de informações
catálogos, produtos, treinamento...
Sistemas de Gestão Eletrônica de Documentos (GED)
Objetivo: armazenar e recuperar documentos, utilizando
bancos de dados
recuperação realizada por atributos do documento
(categoria, data, ano, envolvidos etc)
Além disso, o meio ambiente agradece
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 25 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas de Informações Textuais (Indexação e Recuperação
de Informações)
Objetivo: armazenar documentos textuais e recuperá-los
por conteúdo (por palavras presentes no texto)
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 26 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas de Workflow
Objetivo: permitir o planejamento e controle do fluxo de
trabalho e o roteamento automático de documentos
Resolve problemas comuns:
demora
desconhecimento ou erros de encaminhamento
falta de informação sobre a situação (status)
perda de documentos
Suas funcionalidades incluem:
programação do fluxo (decisões, tempo de espera)
alertas e lembretes
situação (status)
rastreamento/localização
documentos eletrônicos
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 27 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas de Data Warehouse (Armazém de Dados)
Objetivo: Prover centralização de dados
Utilizados em uma organização para coletar dados de
várias fontes de dados e disponibilizá-los em uma única
base de dados
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 28 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas de Database Marketing
Objetivo: armazenar informações sobre clientes, com
objetivo de marketing direto ou de precisão, além de
permitir identificar perfis de clientes
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 29 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas de CRM (Customer Relationship Management)
Automatizam as funções de contato com o cliente
Objetivam ajudar as empresas a criarem e manterem um
bom relacionamento com seus clientes
identificando perfis em tempo real
melhorar atendimento
fortalecer o relacionamento cliente/empresa
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 30 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas de Data Mining (Mineração de Dados)
Objetivo: encontrar padrões implícitos em bancos dados,
geralmente usando técnicas estatísticas
Também conhecidos como sistemas de descoberta de
conhecimento
Sistemas de Text Mining
Objetivo: encontrar padrões implícitos em textos,
geralmente usando técnicas estatísticas
Sistemas de Web Mining
Objetivo: encontrar padrões no comportamento de
usuários da web, geralmente usando técnicas estatísticas
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 31 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas de Groupware
Objetivo: apoiar trabalho em grupo (cooperação ou
colaboração)
Sistemas de Intranet
Objetivo: apoiar trabalho em grupo por meio de
tecnologias web
Sistemas de Extranet
Objetivo: criar uma conexão web entre dois pontos
distantes (filiais ou empresa-parceiro)
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 32 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas de Portais Corporativos
Objetivo: integrar todos os sistemas da empresa (intranet,
ERP, CRM, E-Business etc) em um mesmo ponto de acesso
Normalmente, esse ponto de acesso é a web e podem ser
acessados através de um login único
Focam em maximizar o lucro das empresas
oferecem canais de comunicação e vendas para o cliente
fornecem informações e históricos de atendimento
recebem pesquisas de opinião do consumidor
registram números de série e garantia de produtos
oferecem catálogos dos produtos da empresa
direcionam contatos a representantes
etc
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 33 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas de E-business
Objetivo: fazer, divulgar e administrar qualquer tipo de
negócio com a ajuda da Internet
Por exemplo:
catálogos
divulgação de produtos, serviços e informação
divulgação da empresa (mobile, commerce, advertising)
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 34 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas de Comércio Eletrônico (E-commerce)
É um tipo especial de E-Business onde existe comércio
Em outras palavras, consiste na compra e vende de produtos
ou serviço por meio de sistemas eletrônicos, tais como
Internet e outras redes
São exemplos: B2B, B2C, C2C, G2C, G2B...
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 35 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas de Personalização e Recomendação
Objetivo: ofertar itens ou oferecer informações a
clientes/usuários sem que estes solicitem
Sistemas de Business Intelligence
Processo de coleta, organização, análise,
compartilhamento e monitoramento de informações que
oferecem suporte a gestão de negócios
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 36 / 121
Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação
Sistemas de Inteligência Competitiva
Objetivo: monitorar concorrentes (quem são os players,
onde estão, o que estão oferecendo e como, estratégias,
enfoques, novas tendências)
Sistemas de Gestão do Conhecimento
Objetivo: armazenar e recuperar conhecimento (provê
reúso)
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 37 / 121
Conteúdo
1 Tecnologia da Informação
2 Infra-Estrutura de TI
Conceitos Gerais
Sistema Operacional
3 Linguagem de Programação
4 Banco de Dados
5 Engenharia de Software
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 38 / 121
Infra-Estrutura de TI
Conceitos Gerais
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 39 / 121
Infra-Estrutura de TI – Conceitos Gerais
Conteúdo da aula:
Componentes da Infra-estrutura de TI
Tipos de tecnologia de hardware e de armazenamento e
entrada/saída de dados
Tipos de sistemas de software
Enumerar tendências de hardware e software
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 40 / 121
Infra-Estrutura de TI – Conceitos Gerais
Discussão
Qual é sua opinião sobre a decisão da DreamWorks
Animation de investir pesadamente em tecnologia da
informação em vez de em talentos humanos mais
destacados?
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 41 / 121
Infra-Estrutura de TI – Conceitos Gerais
Tipos de Computador
Há computadores de diferentes tamanhos, com várias
capacidades de processamento da informação
FLOPS
PC
Estação de Trabalho (workstation)
Computadores de médio porte
Mainframe
Supercomputador
Computador em grade
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 42 / 121
Infra-Estrutura de TI – Conceitos Gerais
Arquiteturas
Arquitetura stand-alone
Arquitetura cliente/servidor
Arquiteturas cliente/servidor multicamadas (N-camadas)
Cada vez mais comum
Servidor de Aplicativo
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 43 / 121
Infra-Estrutura de TI – Conceitos Gerais
Tecnologia de E/S
Armazenamento secundário
Discos magnéticos: discos rígidos, discos removíveis USB, RAID
Discos ópticos: CD-ROM, CD-RW, DVD
Fita magnética
Rede de armazenamento de dados: SANs
Dispositivos de entrada reúnem e convertem dados em
formato eletrônico
Dispositivos de saída exibem os dados depois que eles
foram processados
Processamento de dados em lote (batch) e on-line
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 44 / 121
Infra-Estrutura de TI – Conceitos Gerais
Tipos de Software
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 45 / 121
Infra-Estrutura de TI – Conceitos Gerais
Tendências
Processadores n-cores
Dificuldade em desenvolver paralelo
Grid Computing
Sistemas de Código Aberto
SOA
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 46 / 121
Infra-Estrutura de TI – Conceitos Gerais
O Mundo Corporativo Migra para o Código-Fonte Aberto
Quais problemas o Linux e outros sistemas de software de
código aberto ajudam as empresas a endereçar?
Como o software de código aberto ajuda?
Quais questões e desafios estão levando ao crescimento do
software de código aberto?
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 47 / 121
Infra-Estrutura de TI – Conceitos Gerais
Sistemas legados: substituir ou integrar?
Quais problemas os serviços Web e as arquiteturas
orientadas a serviços ajudaram as empresas a resolver?
Como as vantagens de uma SOA podem beneficiar
também os clientes e consumidores das empresas que a
empregam?
A SOA é a melhor solução em todos os casos?
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 48 / 121
Infra-Estrutura de TI
Sistema Operacional
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 49 / 121
Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional
Sistemas Operacionais (W3Counter)
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 50 / 121
Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional
Definição
É um programa ou um conjunto de programas cuja função
é gerenciar os recursos do sistema (definir qual programa
recebe atenção do processador, gerenciar memória, criar
um sistema de arquivos etc.), além de fornecer uma
interface entre o computador e o usuário
É o primeiro programa que a máquina executa no
momento em que é ligada e, a partir de então, não deixa
de funcionar até que o computador seja desligado
O sistema operacional reveza sua execução com a de
outros programas, como se estivesse vigiando, controlando
e orquestrando todo o processo computacional
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 51 / 121
Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional
Conceitualização por ponto de vista:
visão do usuário: é uma abstração do hardware, fazendo o
papel de intermediário entre o aplicativo (programa) e os
componentes físicos do computador (hardware)
visão de um profissional: é um gerenciador de recursos, i.e.,
controla quais aplicações (processos) podem ser
executadas, quando, que recursos (memória, disco,
periféricos) podem ser utilizados
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 52 / 121
Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 53 / 121
Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional
História
MS-DOS
Início da MS, monopólio do Windows
OS/2
Fracasso da IBM
Solaris
Alto processamento
Mac OS
Antes: arquitetura específica – Hoje: arquitetura Intel
UNIX
Berkeley
Linux
Base UNIX, GUI e free
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 54 / 121
Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional
Cada vez mais complexos...
Antigamente: sistema computacional simples (um
processador, memória, teclado e monitor)
Hoje: Pelo menos um processador, memória, discos,
impressoras, teclado, mouse, monitor, interfaces de rede e
outros dispositivos de entrada e saída
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 55 / 121
Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional
Funções
1 Gerenciamento de processos
Ilusão da execução simultânea de diversos processos
2 Gerenciamento de memória
Permitir que os processos tenham acesso seguro à memória
Memória Virtual
3 Sistema de arquivos
Permitir armazenar e recuperar informações de modo
permanente
4 Entrada e saída de dados (E/S)
Tratar toda entrada e saída de dados
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 56 / 121
Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional
Tipos de Interfaces de SOs:
GUI (Graphical User Interface)
Mais comum
TUI (Text User Interface)
MS-DOS
CUI (Command-Line User Interface)
Shell de Linux
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 57 / 121
Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional
GUI
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 58 / 121
Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional
TUI
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 59 / 121
Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional
CUI
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 60 / 121
Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional
Classificação quanto ao gerenciamento de processos
Monotarefa: apenas um processo de cada vez. Ex: MS-DOS
Multitarefa: vários processos estão sendo executados
simultaneamente ou aparecem estar
Multiprocessamento: distribuição de processos entre
diversos processadores
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 61 / 121
Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional
Classificação quanto a quantidade de usuários
Monousuário: apenas um usuário por vez (possui troca de
usuário). Ex: Windows
Multiusuário: vários usuários de uma vez, seja por diversos
terminais, conexão remota etc. Ex: Linux, UNIX
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 62 / 121
Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional
E um pouco sobre SOs para dispositivos móveis...
Exemplos: Android e Symbian
Funções: as mesmas, contudo focam mais em questões
como:
usabilidade e apreensibilidade
interface
economia de energia
Antigamente, muita preocupação com o poder de
processamento. No entanto, hoje em dia um iPhone tem
mais poder de processamento e memória do que uma boa
máquina de 10 anos atrás
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 63 / 121
Conteúdo
1 Tecnologia da Informação
2 Infra-Estrutura de TI
3 Linguagem de Programação
Visão Geral
4 Banco de Dados
5 Engenharia de Software
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 64 / 121
Linguagem de Programação
Visão Geral
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 65 / 121
Linguagem de Programação – Visão Geral
Definição
É um conjunto de regras sintáticas e semânticas usadas
para definir um programa de computador
um método padronizado para expressar o que um
computador deve fazer
O programa escrito em uma linguagem de programação é
conhecido como código fonte
tal código fonte é traduzido para código de máquina e
executado pelo processador
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 66 / 121
Linguagem de Programação – Visão Geral
Metas
permitir que programadores tenham uma maior
produtividade
permitir expressar suas intenções mais facilmente do que
quando comparado com a linguagem que um
computador entende nativamente (código de máquina)
Assim...
linguagens de programação são projetadas para adotar
uma sintaxe de nível mais alto, que pode ser mais
facilmente entendida por programadores humanos
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 67 / 121
Linguagem de Programação – Visão Geral
Classificações
Programação Estruturada
Programação estruturada é uma forma de programação de
computadores que preconiza que todos os programas
possíveis podem ser reduzidos a apenas três estruturas:
sequência, decisão e iteração. Era a forma dominante de
programação e, apesar de ter sido sucedida pela POO,
pode-se dizer que a programação estruturada ainda é
marcantemente influente
Programação Orientada a objetos
É um paradigma de programação que utiliza “objetos” e a
interação entre eles para projetar aplicações e programas
de computador. Suas técnicas de programação podem
incluir características como encapsulamento, polimorfismo e
herança. Esse paradigma não era comumente usado no
desenvolvimento de aplicações de grande porte até início
de 1990. Atualmente, várias linguagens suportam POO
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 68 / 121
Linguagem de Programação – Visão Geral
Ranking
Tiobe é um site popular de ranking de linguagens de
programação. Tiobe baseia seu ranking na disponibilidade
mundial de engenheiros especialistas, cursos e
fornecedores
As tabelas e imagens a seguir foram extraídas do Tiobe e
dão uma ideia de como se encontra esse mercado
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 69 / 121
Linguagem de Programação – Visão Geral
Ranking
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 70 / 121
Linguagem de Programação – Visão Geral
Ranking
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 71 / 121
Linguagem de Programação – Visão Geral
Tendência
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 72 / 121
Linguagem de Programação – Visão Geral
História
Em um material à parte será apresentado a evolução das
linguagens de programação
Em resumo:
Início: ADA (idealizada), Cobol (1954)
Meados: C/C++
Hoje em dia: C/C++, PHP, Java, C#
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 73 / 121
Linguagem de Programação – Visão Geral
Programa Hello World
Mesmo não sendo uma fonte muito confiável, existe uma
página na Wikipédia (PT) que apresenta versões do
aplicativo Hello World em uma vasta gama de linguagens
de programação:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Programa_Olá_Mundo
Para um entendimento, veremos o programa Hello World
nas seguintes linguagens: Assembly, Fortran, C e Java
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 74 / 121
Linguagem de Programação – Visão Geral
HelloWorld em Assembly
1 variable :
.message db " Olá , Mundo! $ "
3 code:
mov ah, 9
5 mov dx , offset .message
i n t 0x21
7 ret
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 75 / 121
Linguagem de Programação – Visão Geral
HelloWorld em Fortran
1 PROGRAM HELLO
WRITE (∗ ,10)
3 10 FORMAT( ’Olá , Mundo! ’ )
STOP
5 END
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 76 / 121
Linguagem de Programação – Visão Geral
HelloWorld em C
1 #include <stdio . h>
3 i n t main( void ) {
p r i n t f ( " Olá , Mundo!n" ) ;
5 return 0;
}
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 77 / 121
Linguagem de Programação – Visão Geral
HelloWorld em Java
public class Hello {
2 public static void main( String [ ] args ) {
System . out . p r i n t l n ( " Olá , Mundo! " ) ;
4 }
}
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 78 / 121
Linguagem de Programação – Visão Geral
Compiladores X Interpretadores
Interpretador lê o código-fonte linha a linha, executando a
instrução específica daquela linha
Compilador lê o programa inteiro, converte-o em um
código-objeto (ou código de máquina) de modo que o
computador consiga executá-lo diretamente
Isso faz com que o código-objeto seja específico tipo da
arquitetura do computador
Qual é mais rápido?
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 79 / 121
Linguagem de Programação – Visão Geral
Linguagens Multi-plataforma
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 80 / 121
Linguagem de Programação – Visão Geral
Grau de Abstração
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 81 / 121
Linguagem de Programação – Visão Geral
Grau de Abstração
Baixo Nível: símbolos são uma representação direta do
código de máquina que será gerado, onde cada
comando da linguagem equivale a um opcode do
processador. Ex: Assembly
Médio Nível: símbolos que podem ser convertidos
diretamente para código de máquina (goto, expressões
matemáticas, atribuição de variáveis), mas também
símbolos complexos que são convertidos por um
compilador. Exemplo: C, C++
Alto Nível: símbolos mais complexos, inteligível pelo ser
humano e não-executável diretamente pela máquina, no
nível da especificação de algoritmos. Ex: Pascal, Fortran,
ALGOL, Java, C#
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 82 / 121
Conteúdo
1 Tecnologia da Informação
2 Infra-Estrutura de TI
3 Linguagem de Programação
4 Banco de Dados
Visão Geral
Aplicações Práticas
5 Engenharia de Software
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 83 / 121
Banco de Dados
Visão Geral
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 84 / 121
Banco de Dados – Visão Geral
Definições
Antes de mais nada, definiremos:
Banco de Dados
Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD)
Sistema de Banco de Dados
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 85 / 121
Banco de Dados – Visão Geral
Banco de Dados – Definição
Uma coleção de dados interrelacionados, representando
informações sobre um domínio específico
Exemplos
lista telefônica
controle do acervo de uma biblioteca
controle dos recursos humanos de uma empresa
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 86 / 121
Banco de Dados – Visão Geral
Banco de Dados – Definição
é uma coleção lógica coerente de dados com um
significado inerente
é projetado, construído e populado com dados para um
propósito específico
possui um conjunto pré definido de usuários e aplicações
um banco de dados representa algum aspecto do mundo
real, o qual é chamado de “mini-mundo”
alterações no “mini-mundo” são automaticamente refletidas
no banco de dados
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 87 / 121
Banco de Dados – Visão Geral
Sistema de Gerenciamento de Bancos de Dados (SGBD) –
Definição
É um software com recursos específicos para facilitar a
manipulação das informações dos bancos de dados e o
desenvolvimento de programas aplicativos
É, portanto, um sistema de software que facilita os
processos de definição, construção, manipulação e
compartilhamento de dados entre vários usuários
Exemplos:
Oracle, DB2, MySql, SQL Server etc
Access?
Falaremos bastante desses SGBDs...
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 88 / 121
Banco de Dados – Visão Geral
Sistema de Gerenciamento de Bancos de Dados (SGBD) –
Componentes
DDL (Data Definition Language)
especifica conteúdos, estrutura a base de dados e define os
elementos de dados
DML (Data Manipulation Language)
insert, select, update, delete
Dicionário de dados
(guarda definições dos dados e respectivas características,
i.e, qual seu tipo, tamanho, quem pode acessá-lo etc)
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 89 / 121
Banco de Dados – Visão Geral
Sistema de Banco de Dados – Definição
É um sistema de manutenção de registros por computador,
envolvendo quatro componentes principais:
dados
hardware
software
usuários
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 90 / 121
Banco de Dados – Visão Geral
Sistema de Banco de Dados
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 91 / 121
Banco de Dados – Visão Geral
Modelando um Banco de Dados
Existem diversos modelos de banco de dados (peixe,
hierárquico, orientado a objetos etc). No entanto, o mais
comum e amplamente adotado é o modelo relacional
Nele, a modelagem de um banco de dados se baseia em
três classes de objetos:
Entidade
normalmente representam uma pessoa, lugar, coisa...
Ex: PEÇA, FORNECEDOR, PEDIDO ...
Atributo
características de uma entidade
Ex: preço, cnpj, data ...
Relacionamento
associações entre entidades
Ex: PEÇA possui um FORNECEDOR
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 92 / 121
Banco de Dados – Visão Geral
Exercício Simples – puxando para o assunto da próxima aula
Como você faria algo para gerenciar vendas?
Enunciado:
Peça possui número, descrição, preço e seu fornecedor
Fornecedor possui número, nome, rua, cidade, estado e cep
Pedido possui a data e diversos itens
Item possui a peça e a respectiva quantidade
Dica: vamos tentar fazer com o Excel!
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 93 / 121
Banco de Dados – Visão Geral
Uma boa modelagem deve levar em consideração os seguintes
conceitos:
chave primária: campo que identifica de forma única o
registro
Por exemplo, cada FORNECEDOR é identificado por um
código único
chave estrangeira: campo que se refere a chave primária
de uma outra tabela
Por exemplo, cada PEÇA deve ter um código de
FORNECEDOR existente
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 94 / 121
Banco de Dados – Visão Geral
Modelagem já com dados
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 95 / 121
Banco de Dados – Visão Geral
Como funciona um SGBD?
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 96 / 121
Banco de Dados – Visão Geral
Vantagens da Utilização
Natureza autodescritiva do sistema de banco de dados
dicionário de dados
Isolamento entre os programas e os dados
Abstração dos dados
representação conceitual dos dados
não diz como são armazenados nem como as operações
são realizadas, simplesmente funciona
Suporte para múltiplas visões dos dados
Compartilhamento de dados
Processamento de transações de vários usuários
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 97 / 121
Banco de Dados – Visão Geral
Principais funcionalidades
Controle de redundância
Restrição de acesso
Armazenamento persistente
Estruturas para otimização (índices, por exemplo)
Backup and Recover
Múltiplas visões para os usuários
Restrições de Integridade
Inferências
Ações pelo uso de regras
Redução tempo de desenvolvimento...
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 98 / 121
Banco de Dados
Aplicações Práticas
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 99 / 121
Banco de Dados – Aplicações Práticas
Data Warehouse – O que é?
É um banco de dados que armazena dados coerentes e
históricos de potencial interesse para os tomadores de
decisão de toda a empresa
Os dados se originam de diversas origens e, assim, os
consolida e padroniza as informações oriundas de
diferentes banco de dados de modo que elas possam ser
utilizadas por toda empresa para análise gerencial e
tomada de decisões
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 100 / 121
Banco de Dados – Aplicações Práticas
Data Warehouse!
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 101 / 121
Banco de Dados – Aplicações Práticas
BI (Business Inteligence)
As ferramentas que analisam dados e descobrem novos
padrões, relacionamentos e insights úteis para orientar a
tomada de decisão são chamadas de BI
Nesse aspecto, destacam-se as ferramentas de consulta e
relatório do banco de dados, as ferramentas OLAP e o data
mining
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 102 / 121
Banco de Dados – Aplicações Práticas
OLAP – O que é?
Permite a análise multidimensional de dados, de forma que
os usuários vejam os mesmos dados de diferentes maneiras,
pois usa múltiplas dimensões
Exemplo:
Por exemplo, “quantos parafusos foram vendidos nos últimos
3 meses?” é facilmente respondido por um consulta simples
no banco de dados
Mas, “quantos parafusos foram vendidos em cada região e
também comparar os resultados reais com a projeção de
vendas?” é possível devido ao OLAP que permite que se
veja os dados de diferentes visões
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 103 / 121
Banco de Dados – Aplicações Práticas
OLAP (Online analytical processing)!
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 104 / 121
Banco de Dados – Aplicações Práticas
Data Mining – O que é?
Em comparação com o OLAP. o data mining é mais
orientado por descoberta, percepções dos dados
corporativos que não podem ser obtidas com o OLAP,
descobrindo padrões e relacionamentos ocultos em
grande banco de dados
Tais informações podem então ser utilizadas para guiar o
processo de decisão e prever o efeito de tais decisões
Exemplos de tipos de informações que podem ser obtidas
com data mining: associações, sequências, classificações,
aglomerações e prognósticos
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 105 / 121
Banco de Dados – Aplicações Práticas
Data Mining!
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 106 / 121
Banco de Dados – Aplicações Práticas
Para fechar, vamos “brincar” com um SGBD?
Para entendermos na prática o que é DDL, DML e dicionário
de dados, vamos “brincar” um pouco. Que tal com alunos?
Para iniciar: Aluno tem uma matrícula única, nome e email
Tem que entender:
DDL
DML
Dicionário de Dados
Restrições
Segurança
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 107 / 121
Conteúdo
1 Tecnologia da Informação
2 Infra-Estrutura de TI
3 Linguagem de Programação
4 Banco de Dados
5 Engenharia de Software
Visão Geral
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 108 / 121
Engenharia de Software
Visão Geral
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 109 / 121
Engenharia de Software – Visão Geral
Sistema de Software
É um subconjunto do Sistema de Informação
Característica intrínseca: complexidade!
cresce à medida que cresce o tamanho do sistema
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 110 / 121
Engenharia de Software – Visão Geral
Características do software:
O software é desenvolvido e não manufaturado no sentido
clássico. Seus custos estão associados à engenharia
O software não se desgasta, não é sensível aos efeitos do
tempo que causam desgaste do hardware
Apesar de não se desgastar, o software se deteriora
A manutenção do software é mais cara e complexa que a
manutenção do hardware, pois não há peças
sobressalentes no software
Apesar da indústria estar caminhando para o
desenvolvimento de componentes, a maior parte dos
sistemas de software são construídos sob encomenda
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 111 / 121
Engenharia de Software – Visão Geral
Mitos relacionados aos Sistemas de Software:
Adicionar mais pessoal qualificado necessariamente reduz
o atraso na entrega do produto
A descrição geral dos objetivos é suficiente para começar
a escrever programas
É possível congelar os requisitos dos sistemas de software no
decorrer do desenvolvimento do mesmo
A qualidade do programa só pode ser avaliada depois que
ele estiver executando
O único produto do desenvolvimento é o programa
executável
A engenharia de software cria muita documentação e
atrasa o desenvolvimento
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 112 / 121
Engenharia de Software – Visão Geral
FAQs
Por que se gasta tanto tempo para concluir o produto?
Por que os custos de desenvolvimento são tão altos?
Por que todos os erros não são eliminados antes de entregar
o produto ao cliente?
Por que existe a dificuldade de avaliar o progresso do
desenvolvimento do software?
Essas perguntas são a motivação que levam à adoção da
prática de Engenharia de Software
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 113 / 121
Engenharia de Software – Visão Geral
Mas, o que é Engenharia de Software?
uma área do conhecimento da computação voltada para
a especificação, desenvolvimento e manutenção de
sistemas de software aplicando tecnologias e práticas de
gerência de projetos e outras disciplinas, objetivando
organização, produtividade e qualidade
Mas, por que Engenharia de Software?
Complexidade!!!
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 114 / 121
Engenharia de Software – Visão Geral
Processo: sequência de passos bem definidos que deve ser
seguido para para ajudar a criar o produto, dentro do
prazo e custo
Métodos: técnicas usadas para construir o software,
incluindo análise de requisitos, desenho, implementação,
teste, manutenção...
Ferramentas: apoio automatizado às atividades de
construção do software
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 115 / 121
Engenharia de Software – Visão Geral
Bom e velho triângulo mágico
Desenvolvimento de sistemas é uma tarefa árdua
Tentativas de lidar com essa complexidade levam as
empresas a definirem seu próprio processo de
desenvolvimento de software
Compreende todas as atividades necessárias para definir,
desenvolver, testar e manter um produto de software
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 116 / 121
Engenharia de Software – Visão Geral
Existem vários processos de desenvolvimento propostos na
literatura (RUP, PRAXIS ...)
Cada processo tem sua particularidade em relação ao
modo de arranjar e encadear as atividades que devem ser
executadas
No entanto, existem atividades típicas comuns à maioria
dos processos:
Levantamento de Requisitos: compreensão e especificação
Análise de Requisitos: estudo detalhado dos requisitos
Desenho: arquitetura do sistema
Implementação: codificação
Testes: encontrar ↑ defeitos com ↓ esforço
Implantação: treinamento e instalação
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 117 / 121
Engenharia de Software – Visão Geral
Como saber se uma empresa tem um bom processo?
Existem certificações para o processo de software!
Assim, empresas obtêm um nível de maturidade
ideia principal: quanto maior a maturidade de uma
organização, melhor a qualidade do produto final
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 118 / 121
Engenharia de Software – Visão Geral
Qualidade do Processo de Software – CMMI
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 119 / 121
Engenharia de Software – Visão Geral
Qualidade do Processo de Software – Mps.BR
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 120 / 121
Referências
Kenneth C. Laudon e Jane P. Laudon.
Sistemas de Informação Gerenciais.
Prentice Hall, 7 edition, 2007.
Ramez E. Elmasri e Shamkant Navathe.
Sistemas de banco de dados.
Addison Wesley, 4 edition, 2005.
Pablo Vieira Florentino.
Sistemas de informação.
http://www.cefetba.br/professores/pablovf/-
repositorio/siTiposSi.pdf,
2011.
Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 121 / 121

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 06 - Sistema Binário
Aula 06 - Sistema BinárioAula 06 - Sistema Binário
Aula 06 - Sistema Binário
Suzana Viana Mota
 
Aula 2 - Introdução ao Mercado de Trabalho
Aula 2 -  Introdução ao Mercado de TrabalhoAula 2 -  Introdução ao Mercado de Trabalho
Aula 2 - Introdução ao Mercado de Trabalho
Charles Lima
 
Material aula informática básica
Material aula informática básicaMaterial aula informática básica
Material aula informática básica
Carlos Melo
 
Sistemas Multimídia - Aula 03 - O que é Multimídia (Evolução da comunicação e...
Sistemas Multimídia - Aula 03 - O que é Multimídia (Evolução da comunicação e...Sistemas Multimídia - Aula 03 - O que é Multimídia (Evolução da comunicação e...
Sistemas Multimídia - Aula 03 - O que é Multimídia (Evolução da comunicação e...
Leinylson Fontinele
 
Inclusão digital no brasil
Inclusão digital no brasilInclusão digital no brasil
Inclusão digital no brasil
Elaine Mesquita
 
A História e Evolução dos Computadores
A História e Evolução dos ComputadoresA História e Evolução dos Computadores
A História e Evolução dos Computadores
Nascimentoeli
 
Aula 03 - Hardware e Software
Aula 03 - Hardware e SoftwareAula 03 - Hardware e Software
Aula 03 - Hardware e Software
Suzana Viana Mota
 
Conceitos BáSicos
Conceitos BáSicosConceitos BáSicos
Conceitos BáSicos
Nuno Antunes
 
Pacote office
Pacote officePacote office
Pacote office
Eduardo Braga Jr
 
Aula 01 - Introdução ao Sistema de Informação
Aula 01 - Introdução ao Sistema de InformaçãoAula 01 - Introdução ao Sistema de Informação
Aula 01 - Introdução ao Sistema de Informação
Daniel Brandão
 
Tecnologias digitais na escola: desafios e possibilidades
Tecnologias digitais na escola: desafios e possibilidades Tecnologias digitais na escola: desafios e possibilidades
Tecnologias digitais na escola: desafios e possibilidades
Cíntia Rabello
 
1ª aula introdução a informática
1ª aula introdução a informática1ª aula introdução a informática
1ª aula introdução a informática
socrahn
 
Sistemas Operacionais - Aula 01 (Conceitos básicos de so)
Sistemas Operacionais - Aula 01 (Conceitos básicos de so)Sistemas Operacionais - Aula 01 (Conceitos básicos de so)
Sistemas Operacionais - Aula 01 (Conceitos básicos de so)
Leinylson Fontinele
 
Informática e suas tecnologias
Informática e suas tecnologiasInformática e suas tecnologias
Informática e suas tecnologias
Andrey Martins
 
Pensamento Computacional aula 01
Pensamento Computacional aula 01Pensamento Computacional aula 01
Pensamento Computacional aula 01
pensamentocomputacional
 
Tecnologia na Educação
Tecnologia na EducaçãoTecnologia na Educação
Tecnologia na Educação
Norton Guimarães
 
Aula02 - Componentes de um Computador
Aula02 - Componentes de um ComputadorAula02 - Componentes de um Computador
Aula02 - Componentes de um Computador
Suzana Viana Mota
 
Introdução à computação - Aula 11 - Banco de Dados (Definições gerais, SGBD)
Introdução à computação - Aula 11 - Banco de Dados (Definições gerais, SGBD)Introdução à computação - Aula 11 - Banco de Dados (Definições gerais, SGBD)
Introdução à computação - Aula 11 - Banco de Dados (Definições gerais, SGBD)
Leinylson Fontinele
 
Informática Básica
Informática BásicaInformática Básica
Informática Básica
Heraldo Gonçalves Lima Junior
 
Aula 2 - Introdução a Banco de Dados
Aula 2 - Introdução a Banco de DadosAula 2 - Introdução a Banco de Dados
Aula 2 - Introdução a Banco de Dados
Vitor Hugo Melo Araújo
 

Mais procurados (20)

Aula 06 - Sistema Binário
Aula 06 - Sistema BinárioAula 06 - Sistema Binário
Aula 06 - Sistema Binário
 
Aula 2 - Introdução ao Mercado de Trabalho
Aula 2 -  Introdução ao Mercado de TrabalhoAula 2 -  Introdução ao Mercado de Trabalho
Aula 2 - Introdução ao Mercado de Trabalho
 
Material aula informática básica
Material aula informática básicaMaterial aula informática básica
Material aula informática básica
 
Sistemas Multimídia - Aula 03 - O que é Multimídia (Evolução da comunicação e...
Sistemas Multimídia - Aula 03 - O que é Multimídia (Evolução da comunicação e...Sistemas Multimídia - Aula 03 - O que é Multimídia (Evolução da comunicação e...
Sistemas Multimídia - Aula 03 - O que é Multimídia (Evolução da comunicação e...
 
Inclusão digital no brasil
Inclusão digital no brasilInclusão digital no brasil
Inclusão digital no brasil
 
A História e Evolução dos Computadores
A História e Evolução dos ComputadoresA História e Evolução dos Computadores
A História e Evolução dos Computadores
 
Aula 03 - Hardware e Software
Aula 03 - Hardware e SoftwareAula 03 - Hardware e Software
Aula 03 - Hardware e Software
 
Conceitos BáSicos
Conceitos BáSicosConceitos BáSicos
Conceitos BáSicos
 
Pacote office
Pacote officePacote office
Pacote office
 
Aula 01 - Introdução ao Sistema de Informação
Aula 01 - Introdução ao Sistema de InformaçãoAula 01 - Introdução ao Sistema de Informação
Aula 01 - Introdução ao Sistema de Informação
 
Tecnologias digitais na escola: desafios e possibilidades
Tecnologias digitais na escola: desafios e possibilidades Tecnologias digitais na escola: desafios e possibilidades
Tecnologias digitais na escola: desafios e possibilidades
 
1ª aula introdução a informática
1ª aula introdução a informática1ª aula introdução a informática
1ª aula introdução a informática
 
Sistemas Operacionais - Aula 01 (Conceitos básicos de so)
Sistemas Operacionais - Aula 01 (Conceitos básicos de so)Sistemas Operacionais - Aula 01 (Conceitos básicos de so)
Sistemas Operacionais - Aula 01 (Conceitos básicos de so)
 
Informática e suas tecnologias
Informática e suas tecnologiasInformática e suas tecnologias
Informática e suas tecnologias
 
Pensamento Computacional aula 01
Pensamento Computacional aula 01Pensamento Computacional aula 01
Pensamento Computacional aula 01
 
Tecnologia na Educação
Tecnologia na EducaçãoTecnologia na Educação
Tecnologia na Educação
 
Aula02 - Componentes de um Computador
Aula02 - Componentes de um ComputadorAula02 - Componentes de um Computador
Aula02 - Componentes de um Computador
 
Introdução à computação - Aula 11 - Banco de Dados (Definições gerais, SGBD)
Introdução à computação - Aula 11 - Banco de Dados (Definições gerais, SGBD)Introdução à computação - Aula 11 - Banco de Dados (Definições gerais, SGBD)
Introdução à computação - Aula 11 - Banco de Dados (Definições gerais, SGBD)
 
Informática Básica
Informática BásicaInformática Básica
Informática Básica
 
Aula 2 - Introdução a Banco de Dados
Aula 2 - Introdução a Banco de DadosAula 2 - Introdução a Banco de Dados
Aula 2 - Introdução a Banco de Dados
 

Semelhante a Apostila Tecnologia da Informação (TI)

Business Intelligence - Data Warehouse
Business Intelligence - Data WarehouseBusiness Intelligence - Data Warehouse
Business Intelligence - Data Warehouse
Rudson Kiyoshi Souza Carvalho
 
A01 sistemas de informações gerenciais apresentação
A01   sistemas de informações gerenciais apresentaçãoA01   sistemas de informações gerenciais apresentação
A01 sistemas de informações gerenciais apresentação
Letícia Reis Rodrigues
 
PRP, MRP, sistema de informações ligados a logística e tecnologia aplicada a ...
PRP, MRP, sistema de informações ligados a logística e tecnologia aplicada a ...PRP, MRP, sistema de informações ligados a logística e tecnologia aplicada a ...
PRP, MRP, sistema de informações ligados a logística e tecnologia aplicada a ...
AmarildoJosMorett
 
Trabalho de TSPD - Sistemas
Trabalho de TSPD - SistemasTrabalho de TSPD - Sistemas
Trabalho de TSPD - Sistemas
Tulio Belem
 
Trabalho de TSPD - Sistemas
Trabalho de TSPD - SistemasTrabalho de TSPD - Sistemas
Trabalho de TSPD - Sistemas
Tulio Belem
 
tecnologia da informaçao em logistica
tecnologia da informaçao em logisticatecnologia da informaçao em logistica
tecnologia da informaçao em logistica
Beatriz Vinhal
 
PETIC Casa Civil 2009-2010
PETIC Casa Civil 2009-2010PETIC Casa Civil 2009-2010
PETIC Casa Civil 2009-2010
alberto.santos1301
 
Ciência de Dados em Governo
Ciência de Dados em GovernoCiência de Dados em Governo
Ciência de Dados em Governo
Sérgio Dias
 
P r o j e t o
P r o j e t oP r o j e t o
Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação
Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informaçãoConceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação
Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação
PauloSol3
 
Business intelligence systems
Business intelligence systemsBusiness intelligence systems
Business intelligence systems
Odibar J. Lampeão
 
A carreira na área de TI
A carreira na área de TIA carreira na área de TI
A carreira na área de TI
Marcelo Sávio
 
SIG - 4
SIG - 4SIG - 4
SIG - 4
djokanice
 
Unip Aula 1
Unip Aula 1Unip Aula 1
Unip Aula 1
Elisabeth Dudziak
 
Sistemas de Apoio à Decisão
Sistemas de Apoio à DecisãoSistemas de Apoio à Decisão
Sistemas de Apoio à Decisão
Rogério Fernandes da Costa
 
Sad01 elvis
Sad01 elvisSad01 elvis
Componentes dos Sistemas de Informação - Proª Cristiane fidelix
Componentes dos Sistemas de Informação - Proª Cristiane fidelixComponentes dos Sistemas de Informação - Proª Cristiane fidelix
Componentes dos Sistemas de Informação - Proª Cristiane fidelix
Cris Fidelix
 
Componentes dos Sistemas de Informação
Componentes dos Sistemas de InformaçãoComponentes dos Sistemas de Informação
Componentes dos Sistemas de Informação
Cris Fidelix
 
GTI - SI ponto de situacao - 2005_04_19
GTI - SI ponto de situacao  - 2005_04_19GTI - SI ponto de situacao  - 2005_04_19
GTI - SI ponto de situacao - 2005_04_19
Carlos Sousa
 
VILT - Arquivamento e Decomissionamento com OpenText InfoArchive
VILT - Arquivamento e Decomissionamento com OpenText InfoArchiveVILT - Arquivamento e Decomissionamento com OpenText InfoArchive
VILT - Arquivamento e Decomissionamento com OpenText InfoArchive
VILT
 

Semelhante a Apostila Tecnologia da Informação (TI) (20)

Business Intelligence - Data Warehouse
Business Intelligence - Data WarehouseBusiness Intelligence - Data Warehouse
Business Intelligence - Data Warehouse
 
A01 sistemas de informações gerenciais apresentação
A01   sistemas de informações gerenciais apresentaçãoA01   sistemas de informações gerenciais apresentação
A01 sistemas de informações gerenciais apresentação
 
PRP, MRP, sistema de informações ligados a logística e tecnologia aplicada a ...
PRP, MRP, sistema de informações ligados a logística e tecnologia aplicada a ...PRP, MRP, sistema de informações ligados a logística e tecnologia aplicada a ...
PRP, MRP, sistema de informações ligados a logística e tecnologia aplicada a ...
 
Trabalho de TSPD - Sistemas
Trabalho de TSPD - SistemasTrabalho de TSPD - Sistemas
Trabalho de TSPD - Sistemas
 
Trabalho de TSPD - Sistemas
Trabalho de TSPD - SistemasTrabalho de TSPD - Sistemas
Trabalho de TSPD - Sistemas
 
tecnologia da informaçao em logistica
tecnologia da informaçao em logisticatecnologia da informaçao em logistica
tecnologia da informaçao em logistica
 
PETIC Casa Civil 2009-2010
PETIC Casa Civil 2009-2010PETIC Casa Civil 2009-2010
PETIC Casa Civil 2009-2010
 
Ciência de Dados em Governo
Ciência de Dados em GovernoCiência de Dados em Governo
Ciência de Dados em Governo
 
P r o j e t o
P r o j e t oP r o j e t o
P r o j e t o
 
Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação
Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informaçãoConceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação
Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação
 
Business intelligence systems
Business intelligence systemsBusiness intelligence systems
Business intelligence systems
 
A carreira na área de TI
A carreira na área de TIA carreira na área de TI
A carreira na área de TI
 
SIG - 4
SIG - 4SIG - 4
SIG - 4
 
Unip Aula 1
Unip Aula 1Unip Aula 1
Unip Aula 1
 
Sistemas de Apoio à Decisão
Sistemas de Apoio à DecisãoSistemas de Apoio à Decisão
Sistemas de Apoio à Decisão
 
Sad01 elvis
Sad01 elvisSad01 elvis
Sad01 elvis
 
Componentes dos Sistemas de Informação - Proª Cristiane fidelix
Componentes dos Sistemas de Informação - Proª Cristiane fidelixComponentes dos Sistemas de Informação - Proª Cristiane fidelix
Componentes dos Sistemas de Informação - Proª Cristiane fidelix
 
Componentes dos Sistemas de Informação
Componentes dos Sistemas de InformaçãoComponentes dos Sistemas de Informação
Componentes dos Sistemas de Informação
 
GTI - SI ponto de situacao - 2005_04_19
GTI - SI ponto de situacao  - 2005_04_19GTI - SI ponto de situacao  - 2005_04_19
GTI - SI ponto de situacao - 2005_04_19
 
VILT - Arquivamento e Decomissionamento com OpenText InfoArchive
VILT - Arquivamento e Decomissionamento com OpenText InfoArchiveVILT - Arquivamento e Decomissionamento com OpenText InfoArchive
VILT - Arquivamento e Decomissionamento com OpenText InfoArchive
 

Mais de Ricardo Terra

Microsserviços com Spring Boot e ORM
Microsserviços com Spring Boot e ORMMicrosserviços com Spring Boot e ORM
Microsserviços com Spring Boot e ORM
Ricardo Terra
 
Apostila Linguagens Formais e Autômatos (LFA)
Apostila Linguagens Formais e Autômatos (LFA)Apostila Linguagens Formais e Autômatos (LFA)
Apostila Linguagens Formais e Autômatos (LFA)
Ricardo Terra
 
Análise Estática de Código: Aplicações
Análise Estática de Código: AplicaçõesAnálise Estática de Código: Aplicações
Análise Estática de Código: Aplicações
Ricardo Terra
 
Engenharia de Software: POC
Engenharia de Software: POCEngenharia de Software: POC
Engenharia de Software: POC
Ricardo Terra
 
Which Programming Language is the best one?
Which Programming Language is the best one?Which Programming Language is the best one?
Which Programming Language is the best one?
Ricardo Terra
 
Refactoring
RefactoringRefactoring
Refactoring
Ricardo Terra
 
Programação Orientada a Aspectos
Programação Orientada a AspectosProgramação Orientada a Aspectos
Programação Orientada a Aspectos
Ricardo Terra
 
Matemática Computacional
Matemática ComputacionalMatemática Computacional
Matemática Computacional
Ricardo Terra
 
English---and LaTeX---Writing Tips
English---and LaTeX---Writing TipsEnglish---and LaTeX---Writing Tips
English---and LaTeX---Writing Tips
Ricardo Terra
 
Casamento de Padrões
Casamento de PadrõesCasamento de Padrões
Casamento de Padrões
Ricardo Terra
 
Apostila Algoritmos e Estrutura de Dados (AEDS)
Apostila Algoritmos e Estrutura de Dados (AEDS)Apostila Algoritmos e Estrutura de Dados (AEDS)
Apostila Algoritmos e Estrutura de Dados (AEDS)
Ricardo Terra
 
Segurança da Internet
Segurança da InternetSegurança da Internet
Segurança da Internet
Ricardo Terra
 
Java Net: Interagindo com a Internet
Java Net: Interagindo com a InternetJava Net: Interagindo com a Internet
Java Net: Interagindo com a Internet
Ricardo Terra
 
Software Architecture
Software ArchitectureSoftware Architecture
Software Architecture
Ricardo Terra
 
Aula Zero
Aula ZeroAula Zero
Aula Zero
Ricardo Terra
 
Apostila Lógica de Programação
Apostila Lógica de ProgramaçãoApostila Lógica de Programação
Apostila Lógica de Programação
Ricardo Terra
 
Apostila XML, DTD, XSD e XSLT
Apostila XML, DTD, XSD e XSLTApostila XML, DTD, XSD e XSLT
Apostila XML, DTD, XSD e XSLT
Ricardo Terra
 
Java JDBC: Aplicação Java que acessa um SGDB
Java JDBC: Aplicação Java que acessa um SGDBJava JDBC: Aplicação Java que acessa um SGDB
Java JDBC: Aplicação Java que acessa um SGDB
Ricardo Terra
 
Apostila UML
Apostila UMLApostila UML
Apostila UML
Ricardo Terra
 
Apostila Modelo ER (Entidade Relacionamento)
Apostila Modelo ER (Entidade Relacionamento)Apostila Modelo ER (Entidade Relacionamento)
Apostila Modelo ER (Entidade Relacionamento)
Ricardo Terra
 

Mais de Ricardo Terra (20)

Microsserviços com Spring Boot e ORM
Microsserviços com Spring Boot e ORMMicrosserviços com Spring Boot e ORM
Microsserviços com Spring Boot e ORM
 
Apostila Linguagens Formais e Autômatos (LFA)
Apostila Linguagens Formais e Autômatos (LFA)Apostila Linguagens Formais e Autômatos (LFA)
Apostila Linguagens Formais e Autômatos (LFA)
 
Análise Estática de Código: Aplicações
Análise Estática de Código: AplicaçõesAnálise Estática de Código: Aplicações
Análise Estática de Código: Aplicações
 
Engenharia de Software: POC
Engenharia de Software: POCEngenharia de Software: POC
Engenharia de Software: POC
 
Which Programming Language is the best one?
Which Programming Language is the best one?Which Programming Language is the best one?
Which Programming Language is the best one?
 
Refactoring
RefactoringRefactoring
Refactoring
 
Programação Orientada a Aspectos
Programação Orientada a AspectosProgramação Orientada a Aspectos
Programação Orientada a Aspectos
 
Matemática Computacional
Matemática ComputacionalMatemática Computacional
Matemática Computacional
 
English---and LaTeX---Writing Tips
English---and LaTeX---Writing TipsEnglish---and LaTeX---Writing Tips
English---and LaTeX---Writing Tips
 
Casamento de Padrões
Casamento de PadrõesCasamento de Padrões
Casamento de Padrões
 
Apostila Algoritmos e Estrutura de Dados (AEDS)
Apostila Algoritmos e Estrutura de Dados (AEDS)Apostila Algoritmos e Estrutura de Dados (AEDS)
Apostila Algoritmos e Estrutura de Dados (AEDS)
 
Segurança da Internet
Segurança da InternetSegurança da Internet
Segurança da Internet
 
Java Net: Interagindo com a Internet
Java Net: Interagindo com a InternetJava Net: Interagindo com a Internet
Java Net: Interagindo com a Internet
 
Software Architecture
Software ArchitectureSoftware Architecture
Software Architecture
 
Aula Zero
Aula ZeroAula Zero
Aula Zero
 
Apostila Lógica de Programação
Apostila Lógica de ProgramaçãoApostila Lógica de Programação
Apostila Lógica de Programação
 
Apostila XML, DTD, XSD e XSLT
Apostila XML, DTD, XSD e XSLTApostila XML, DTD, XSD e XSLT
Apostila XML, DTD, XSD e XSLT
 
Java JDBC: Aplicação Java que acessa um SGDB
Java JDBC: Aplicação Java que acessa um SGDBJava JDBC: Aplicação Java que acessa um SGDB
Java JDBC: Aplicação Java que acessa um SGDB
 
Apostila UML
Apostila UMLApostila UML
Apostila UML
 
Apostila Modelo ER (Entidade Relacionamento)
Apostila Modelo ER (Entidade Relacionamento)Apostila Modelo ER (Entidade Relacionamento)
Apostila Modelo ER (Entidade Relacionamento)
 

Último

LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 

Último (20)

LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 

Apostila Tecnologia da Informação (TI)

  • 1. Tecnologia da Informação Ricardo Terra rterrabh [at] gmail.com Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 1 / 121
  • 2. CV Nome: Ricardo Terra Email: rterrabh [at] gmail.com www: ricardoterra.com.br Twitter: rterrabh Lattes: lattes.cnpq.br/ 0162081093970868 Ph.D. (UFMG/UWaterloo), Post-Ph.D. (INRIA/Université Lille 1) Background Acadêmico : UFLA (desde 2014), UFSJ (1 ano ), FUMEC (3 anos ), UNIPAC (1 ano ), FAMINAS (3 anos ) Profissional : DBA Eng. (1 ano ), Synos (2 anos ), Stefanini (1 ano ) Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 2 / 121
  • 3. Conteúdo 1 Tecnologia da Informação Conceitos Gerais Tipos de Sistemas de Informação 2 Infra-Estrutura de TI 3 Linguagem de Programação 4 Banco de Dados 5 Engenharia de Software Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 3 / 121
  • 4. Tecnologia da Informação Conceitos Gerais Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 4 / 121
  • 5. Tecnologia da Informação – Conceitos Gerais Conteúdo da aula: Conceitos básicos Dado x Informação Importância e objetivos empresariais de Sistemas de Informação Resolução de problemas Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 5 / 121
  • 6. Tecnologia da Informação – Conceitos Gerais Dado x Informação Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 6 / 121
  • 7. Tecnologia da Informação – Conceitos Gerais Sistemas de Informação Importância no ambiente de negócios contemporâneo Transformando os negócios: Em 2005, mais contas de celular do que de telefones fixos Mais de 35 milhões de norte-americanos recebem notícias on-line; 32 milhões lêem blogs Propaganda na Internet cresce 30% ao ano Novas leis exigem que as empresas armazenem mais dados por períodos mais longos eCommerce, eBusiness, B2B, B2C, C2C, G2B, G2C, ... Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 7 / 121
  • 8. Tecnologia da Informação – Conceitos Gerais Objetivos Empresarias dos Sistemas de Informação Excelência operacional eficiência, produtividade ... Novos produtos, serviços e modelos de negócios Relacionamento mais estreito com clientes e fornecedores Melhor tomada de decisão evitam suposições, dados em tempo real melhoram a capacidade de os gerentes tomarem decisões Vantagem competitiva devido ao alcance dos objetivos empresariais cobrar menos por produtos superiores Sobrevivência Sistemas de Informação se tornaram imprescindíveis Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 8 / 121
  • 9. Tecnologia da Informação – Conceitos Gerais Programa x Sistemas de Informação Programa Formalização de um processo de tal forma que o computador consiga realizá-lo Sistemas de Informação Pessoas + dados + processos + interfaces + redes + tecnologia Suporte ao processo de negócio de uma organização Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 9 / 121
  • 10. Tecnologia da Informação – Conceitos Gerais Construção de Sistemas de Informação Objetivo da construção de um sistema de informação: Adicionar valor à empresa Aumentar a produtividade Reduzir mão-de-obra Reduzir utilização de papéis (GED) Centralização de dados e informações Maior facilidade na geração de novo conhecimento (WalMart) Maior segurança no armazenamento e acesso aos dados A construção de um sistema de informação deve ser economicamente justificável Ganhos (tangíveis ou não) devem compensar construção Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 10 / 121
  • 11. Tecnologia da Informação – Conceitos Gerais Sistemas de Informação São Muito Mais do que Computadores Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 11 / 121
  • 12. Tecnologia da Informação – Conceitos Gerais Abordagem de Resolução de Problemas Poucos problemas empresariais são simples ou fáceis de compreender Muitos problemas empresariais envolvem um conjunto de fatores que podem ser categorizados como organizacionais, tecnológicos e humanos Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 12 / 121
  • 13. Tecnologia da Informação – Conceitos Gerais Possível modelo para resolução de problemas Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 13 / 121
  • 14. Tecnologia da Informação – Conceitos Gerais Linguagem de Programação Como escrever programas? Banco de Dados Onde e como armazenar dados? Rede Como entradas, programas, banco de dados se comunicam? Engenharia de Software Existe algum processo de construção de sistemas de software? Segurança Existem formas de prover uma maior segurança? Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 14 / 121
  • 15. Tecnologia da Informação Tipos de Sistemas de Informação Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 15 / 121
  • 16. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Conteúdo da aula: Vários tipos de Sistemas de Informação Veja referência do Florentino [?] Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 16 / 121
  • 17. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação Rotineiros ou Transacionais Mais simples e mais comuns Apóiam as funções operacionais do dia-a-dia processam dados armazenam e recuperam dados agiliza rotinas e tarefas (possível redução de pessoal) Normalmente, os primeiros a serem implementados mais fáceis e baratos exemplos: sistemas de cadastro em geral, sistemas de contabilidade, sistemas de venda, folha de pagamento, controle de estoque... dão origem aos sistemas mais avançados (SIG, SAD) Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 17 / 121
  • 18. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Gestão Empresarial Integrada – ERP (Enterprise Resource Planning) Unem e integram os diversos sistemas rotineiros de uma organização Integram os departamentos agilizam processos Just-in-Time (produção por demanda, sem estoques) por exemplo, quando uma venda é feita, a entrada é dada no sistema rotineiro de Vendas, mas o sistema de produção e o sistema de compras já ficam sabendo o que terão que fazer Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 18 / 121
  • 19. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Gestão de Suprimentos Objetivo: controlar produtos, peças, matérias primas, materiais, composição, aquisição e fluxo de materiais por toda a cadeia produtiva Inclui os seguintes subsistemas: Component and Supplier Management Sistemas de Controle de Supply Chain procura arquisição previsão planejamento ... Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 19 / 121
  • 20. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informações Gerenciais (SIG ou MIS – Management Information Systems) Objetivo: fornecer informações para a tomada de decisões (sistemas que fornecem relatórios) São sistemas que fornecem relatórios (planilhas, gráficos de pizza, barra, linha...) Relatórios em nível adequado (nem profundo nem superficial) Inicialmente, utilizado por gerentes Hoje, qualquer funcionário que tome decisões Aparecem nos três níveis da pirâmide administrativa Estratégico, tático e operacional Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 20 / 121
  • 21. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Apoio à Decisão (SAD ou DSS – Decision Support Systems) Entrada: alternativas para solução de um problema Saída: Consequências de cada alternativa Resultado: Possibilita avaliar qual é a melhor alternativa SAD não decide nem indica alternativas Diferença SIG e SAD: interatividade o usuário pode entrar com várias alternativas e avaliá-las por meio de técnicas de what-if, tais como projeção e regressão Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 21 / 121
  • 22. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas Especialistas Objetivo: tomar decisões. Sistemas de Simulação Objetivo: Apoiar decisões (como SAD), mas tendo o fator tempo associado SAD pode ser atemporal, mas os sistemas de simulação avaliam as conseqüências das decisões durante um certo período de tempo Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 22 / 121
  • 23. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informações Distribuídas Objetivo: dados armazenados remotamente ou em pontos diferentes + processamento distribuído Sistemas de Automação Objetivo: conectar computadores e máquinas Inclui automação comercial, industrial e residencial Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 23 / 121
  • 24. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informações Geográficas (GIS) Objetivo: integrar mapas e bancos de dados, mas permitindo o geoprocessamento de imagens cálculo de distâncias, localizar entidades no mapa, identificar que entidade corresponde a certos objetos no mapa Análise e manipulação de dados geográficos e espaciais Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 24 / 121
  • 25. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Hipertextos, Hipermídia e Multimídia Objetivo: apresentações de informações catálogos, produtos, treinamento... Sistemas de Gestão Eletrônica de Documentos (GED) Objetivo: armazenar e recuperar documentos, utilizando bancos de dados recuperação realizada por atributos do documento (categoria, data, ano, envolvidos etc) Além disso, o meio ambiente agradece Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 25 / 121
  • 26. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informações Textuais (Indexação e Recuperação de Informações) Objetivo: armazenar documentos textuais e recuperá-los por conteúdo (por palavras presentes no texto) Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 26 / 121
  • 27. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Workflow Objetivo: permitir o planejamento e controle do fluxo de trabalho e o roteamento automático de documentos Resolve problemas comuns: demora desconhecimento ou erros de encaminhamento falta de informação sobre a situação (status) perda de documentos Suas funcionalidades incluem: programação do fluxo (decisões, tempo de espera) alertas e lembretes situação (status) rastreamento/localização documentos eletrônicos Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 27 / 121
  • 28. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Data Warehouse (Armazém de Dados) Objetivo: Prover centralização de dados Utilizados em uma organização para coletar dados de várias fontes de dados e disponibilizá-los em uma única base de dados Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 28 / 121
  • 29. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Database Marketing Objetivo: armazenar informações sobre clientes, com objetivo de marketing direto ou de precisão, além de permitir identificar perfis de clientes Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 29 / 121
  • 30. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de CRM (Customer Relationship Management) Automatizam as funções de contato com o cliente Objetivam ajudar as empresas a criarem e manterem um bom relacionamento com seus clientes identificando perfis em tempo real melhorar atendimento fortalecer o relacionamento cliente/empresa Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 30 / 121
  • 31. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Data Mining (Mineração de Dados) Objetivo: encontrar padrões implícitos em bancos dados, geralmente usando técnicas estatísticas Também conhecidos como sistemas de descoberta de conhecimento Sistemas de Text Mining Objetivo: encontrar padrões implícitos em textos, geralmente usando técnicas estatísticas Sistemas de Web Mining Objetivo: encontrar padrões no comportamento de usuários da web, geralmente usando técnicas estatísticas Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 31 / 121
  • 32. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Groupware Objetivo: apoiar trabalho em grupo (cooperação ou colaboração) Sistemas de Intranet Objetivo: apoiar trabalho em grupo por meio de tecnologias web Sistemas de Extranet Objetivo: criar uma conexão web entre dois pontos distantes (filiais ou empresa-parceiro) Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 32 / 121
  • 33. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Portais Corporativos Objetivo: integrar todos os sistemas da empresa (intranet, ERP, CRM, E-Business etc) em um mesmo ponto de acesso Normalmente, esse ponto de acesso é a web e podem ser acessados através de um login único Focam em maximizar o lucro das empresas oferecem canais de comunicação e vendas para o cliente fornecem informações e históricos de atendimento recebem pesquisas de opinião do consumidor registram números de série e garantia de produtos oferecem catálogos dos produtos da empresa direcionam contatos a representantes etc Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 33 / 121
  • 34. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de E-business Objetivo: fazer, divulgar e administrar qualquer tipo de negócio com a ajuda da Internet Por exemplo: catálogos divulgação de produtos, serviços e informação divulgação da empresa (mobile, commerce, advertising) Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 34 / 121
  • 35. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Comércio Eletrônico (E-commerce) É um tipo especial de E-Business onde existe comércio Em outras palavras, consiste na compra e vende de produtos ou serviço por meio de sistemas eletrônicos, tais como Internet e outras redes São exemplos: B2B, B2C, C2C, G2C, G2B... Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 35 / 121
  • 36. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Personalização e Recomendação Objetivo: ofertar itens ou oferecer informações a clientes/usuários sem que estes solicitem Sistemas de Business Intelligence Processo de coleta, organização, análise, compartilhamento e monitoramento de informações que oferecem suporte a gestão de negócios Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 36 / 121
  • 37. Tecnologia da Informação – Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Inteligência Competitiva Objetivo: monitorar concorrentes (quem são os players, onde estão, o que estão oferecendo e como, estratégias, enfoques, novas tendências) Sistemas de Gestão do Conhecimento Objetivo: armazenar e recuperar conhecimento (provê reúso) Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 37 / 121
  • 38. Conteúdo 1 Tecnologia da Informação 2 Infra-Estrutura de TI Conceitos Gerais Sistema Operacional 3 Linguagem de Programação 4 Banco de Dados 5 Engenharia de Software Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 38 / 121
  • 39. Infra-Estrutura de TI Conceitos Gerais Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 39 / 121
  • 40. Infra-Estrutura de TI – Conceitos Gerais Conteúdo da aula: Componentes da Infra-estrutura de TI Tipos de tecnologia de hardware e de armazenamento e entrada/saída de dados Tipos de sistemas de software Enumerar tendências de hardware e software Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 40 / 121
  • 41. Infra-Estrutura de TI – Conceitos Gerais Discussão Qual é sua opinião sobre a decisão da DreamWorks Animation de investir pesadamente em tecnologia da informação em vez de em talentos humanos mais destacados? Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 41 / 121
  • 42. Infra-Estrutura de TI – Conceitos Gerais Tipos de Computador Há computadores de diferentes tamanhos, com várias capacidades de processamento da informação FLOPS PC Estação de Trabalho (workstation) Computadores de médio porte Mainframe Supercomputador Computador em grade Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 42 / 121
  • 43. Infra-Estrutura de TI – Conceitos Gerais Arquiteturas Arquitetura stand-alone Arquitetura cliente/servidor Arquiteturas cliente/servidor multicamadas (N-camadas) Cada vez mais comum Servidor de Aplicativo Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 43 / 121
  • 44. Infra-Estrutura de TI – Conceitos Gerais Tecnologia de E/S Armazenamento secundário Discos magnéticos: discos rígidos, discos removíveis USB, RAID Discos ópticos: CD-ROM, CD-RW, DVD Fita magnética Rede de armazenamento de dados: SANs Dispositivos de entrada reúnem e convertem dados em formato eletrônico Dispositivos de saída exibem os dados depois que eles foram processados Processamento de dados em lote (batch) e on-line Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 44 / 121
  • 45. Infra-Estrutura de TI – Conceitos Gerais Tipos de Software Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 45 / 121
  • 46. Infra-Estrutura de TI – Conceitos Gerais Tendências Processadores n-cores Dificuldade em desenvolver paralelo Grid Computing Sistemas de Código Aberto SOA Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 46 / 121
  • 47. Infra-Estrutura de TI – Conceitos Gerais O Mundo Corporativo Migra para o Código-Fonte Aberto Quais problemas o Linux e outros sistemas de software de código aberto ajudam as empresas a endereçar? Como o software de código aberto ajuda? Quais questões e desafios estão levando ao crescimento do software de código aberto? Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 47 / 121
  • 48. Infra-Estrutura de TI – Conceitos Gerais Sistemas legados: substituir ou integrar? Quais problemas os serviços Web e as arquiteturas orientadas a serviços ajudaram as empresas a resolver? Como as vantagens de uma SOA podem beneficiar também os clientes e consumidores das empresas que a empregam? A SOA é a melhor solução em todos os casos? Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 48 / 121
  • 49. Infra-Estrutura de TI Sistema Operacional Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 49 / 121
  • 50. Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional Sistemas Operacionais (W3Counter) Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 50 / 121
  • 51. Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional Definição É um programa ou um conjunto de programas cuja função é gerenciar os recursos do sistema (definir qual programa recebe atenção do processador, gerenciar memória, criar um sistema de arquivos etc.), além de fornecer uma interface entre o computador e o usuário É o primeiro programa que a máquina executa no momento em que é ligada e, a partir de então, não deixa de funcionar até que o computador seja desligado O sistema operacional reveza sua execução com a de outros programas, como se estivesse vigiando, controlando e orquestrando todo o processo computacional Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 51 / 121
  • 52. Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional Conceitualização por ponto de vista: visão do usuário: é uma abstração do hardware, fazendo o papel de intermediário entre o aplicativo (programa) e os componentes físicos do computador (hardware) visão de um profissional: é um gerenciador de recursos, i.e., controla quais aplicações (processos) podem ser executadas, quando, que recursos (memória, disco, periféricos) podem ser utilizados Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 52 / 121
  • 53. Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 53 / 121
  • 54. Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional História MS-DOS Início da MS, monopólio do Windows OS/2 Fracasso da IBM Solaris Alto processamento Mac OS Antes: arquitetura específica – Hoje: arquitetura Intel UNIX Berkeley Linux Base UNIX, GUI e free Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 54 / 121
  • 55. Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional Cada vez mais complexos... Antigamente: sistema computacional simples (um processador, memória, teclado e monitor) Hoje: Pelo menos um processador, memória, discos, impressoras, teclado, mouse, monitor, interfaces de rede e outros dispositivos de entrada e saída Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 55 / 121
  • 56. Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional Funções 1 Gerenciamento de processos Ilusão da execução simultânea de diversos processos 2 Gerenciamento de memória Permitir que os processos tenham acesso seguro à memória Memória Virtual 3 Sistema de arquivos Permitir armazenar e recuperar informações de modo permanente 4 Entrada e saída de dados (E/S) Tratar toda entrada e saída de dados Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 56 / 121
  • 57. Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional Tipos de Interfaces de SOs: GUI (Graphical User Interface) Mais comum TUI (Text User Interface) MS-DOS CUI (Command-Line User Interface) Shell de Linux Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 57 / 121
  • 58. Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional GUI Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 58 / 121
  • 59. Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional TUI Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 59 / 121
  • 60. Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional CUI Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 60 / 121
  • 61. Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional Classificação quanto ao gerenciamento de processos Monotarefa: apenas um processo de cada vez. Ex: MS-DOS Multitarefa: vários processos estão sendo executados simultaneamente ou aparecem estar Multiprocessamento: distribuição de processos entre diversos processadores Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 61 / 121
  • 62. Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional Classificação quanto a quantidade de usuários Monousuário: apenas um usuário por vez (possui troca de usuário). Ex: Windows Multiusuário: vários usuários de uma vez, seja por diversos terminais, conexão remota etc. Ex: Linux, UNIX Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 62 / 121
  • 63. Infra-Estrutura de TI – Sistema Operacional E um pouco sobre SOs para dispositivos móveis... Exemplos: Android e Symbian Funções: as mesmas, contudo focam mais em questões como: usabilidade e apreensibilidade interface economia de energia Antigamente, muita preocupação com o poder de processamento. No entanto, hoje em dia um iPhone tem mais poder de processamento e memória do que uma boa máquina de 10 anos atrás Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 63 / 121
  • 64. Conteúdo 1 Tecnologia da Informação 2 Infra-Estrutura de TI 3 Linguagem de Programação Visão Geral 4 Banco de Dados 5 Engenharia de Software Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 64 / 121
  • 65. Linguagem de Programação Visão Geral Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 65 / 121
  • 66. Linguagem de Programação – Visão Geral Definição É um conjunto de regras sintáticas e semânticas usadas para definir um programa de computador um método padronizado para expressar o que um computador deve fazer O programa escrito em uma linguagem de programação é conhecido como código fonte tal código fonte é traduzido para código de máquina e executado pelo processador Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 66 / 121
  • 67. Linguagem de Programação – Visão Geral Metas permitir que programadores tenham uma maior produtividade permitir expressar suas intenções mais facilmente do que quando comparado com a linguagem que um computador entende nativamente (código de máquina) Assim... linguagens de programação são projetadas para adotar uma sintaxe de nível mais alto, que pode ser mais facilmente entendida por programadores humanos Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 67 / 121
  • 68. Linguagem de Programação – Visão Geral Classificações Programação Estruturada Programação estruturada é uma forma de programação de computadores que preconiza que todos os programas possíveis podem ser reduzidos a apenas três estruturas: sequência, decisão e iteração. Era a forma dominante de programação e, apesar de ter sido sucedida pela POO, pode-se dizer que a programação estruturada ainda é marcantemente influente Programação Orientada a objetos É um paradigma de programação que utiliza “objetos” e a interação entre eles para projetar aplicações e programas de computador. Suas técnicas de programação podem incluir características como encapsulamento, polimorfismo e herança. Esse paradigma não era comumente usado no desenvolvimento de aplicações de grande porte até início de 1990. Atualmente, várias linguagens suportam POO Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 68 / 121
  • 69. Linguagem de Programação – Visão Geral Ranking Tiobe é um site popular de ranking de linguagens de programação. Tiobe baseia seu ranking na disponibilidade mundial de engenheiros especialistas, cursos e fornecedores As tabelas e imagens a seguir foram extraídas do Tiobe e dão uma ideia de como se encontra esse mercado Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 69 / 121
  • 70. Linguagem de Programação – Visão Geral Ranking Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 70 / 121
  • 71. Linguagem de Programação – Visão Geral Ranking Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 71 / 121
  • 72. Linguagem de Programação – Visão Geral Tendência Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 72 / 121
  • 73. Linguagem de Programação – Visão Geral História Em um material à parte será apresentado a evolução das linguagens de programação Em resumo: Início: ADA (idealizada), Cobol (1954) Meados: C/C++ Hoje em dia: C/C++, PHP, Java, C# Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 73 / 121
  • 74. Linguagem de Programação – Visão Geral Programa Hello World Mesmo não sendo uma fonte muito confiável, existe uma página na Wikipédia (PT) que apresenta versões do aplicativo Hello World em uma vasta gama de linguagens de programação: http://pt.wikipedia.org/wiki/Programa_Olá_Mundo Para um entendimento, veremos o programa Hello World nas seguintes linguagens: Assembly, Fortran, C e Java Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 74 / 121
  • 75. Linguagem de Programação – Visão Geral HelloWorld em Assembly 1 variable : .message db " Olá , Mundo! $ " 3 code: mov ah, 9 5 mov dx , offset .message i n t 0x21 7 ret Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 75 / 121
  • 76. Linguagem de Programação – Visão Geral HelloWorld em Fortran 1 PROGRAM HELLO WRITE (∗ ,10) 3 10 FORMAT( ’Olá , Mundo! ’ ) STOP 5 END Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 76 / 121
  • 77. Linguagem de Programação – Visão Geral HelloWorld em C 1 #include <stdio . h> 3 i n t main( void ) { p r i n t f ( " Olá , Mundo!n" ) ; 5 return 0; } Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 77 / 121
  • 78. Linguagem de Programação – Visão Geral HelloWorld em Java public class Hello { 2 public static void main( String [ ] args ) { System . out . p r i n t l n ( " Olá , Mundo! " ) ; 4 } } Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 78 / 121
  • 79. Linguagem de Programação – Visão Geral Compiladores X Interpretadores Interpretador lê o código-fonte linha a linha, executando a instrução específica daquela linha Compilador lê o programa inteiro, converte-o em um código-objeto (ou código de máquina) de modo que o computador consiga executá-lo diretamente Isso faz com que o código-objeto seja específico tipo da arquitetura do computador Qual é mais rápido? Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 79 / 121
  • 80. Linguagem de Programação – Visão Geral Linguagens Multi-plataforma Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 80 / 121
  • 81. Linguagem de Programação – Visão Geral Grau de Abstração Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 81 / 121
  • 82. Linguagem de Programação – Visão Geral Grau de Abstração Baixo Nível: símbolos são uma representação direta do código de máquina que será gerado, onde cada comando da linguagem equivale a um opcode do processador. Ex: Assembly Médio Nível: símbolos que podem ser convertidos diretamente para código de máquina (goto, expressões matemáticas, atribuição de variáveis), mas também símbolos complexos que são convertidos por um compilador. Exemplo: C, C++ Alto Nível: símbolos mais complexos, inteligível pelo ser humano e não-executável diretamente pela máquina, no nível da especificação de algoritmos. Ex: Pascal, Fortran, ALGOL, Java, C# Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 82 / 121
  • 83. Conteúdo 1 Tecnologia da Informação 2 Infra-Estrutura de TI 3 Linguagem de Programação 4 Banco de Dados Visão Geral Aplicações Práticas 5 Engenharia de Software Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 83 / 121
  • 84. Banco de Dados Visão Geral Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 84 / 121
  • 85. Banco de Dados – Visão Geral Definições Antes de mais nada, definiremos: Banco de Dados Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Sistema de Banco de Dados Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 85 / 121
  • 86. Banco de Dados – Visão Geral Banco de Dados – Definição Uma coleção de dados interrelacionados, representando informações sobre um domínio específico Exemplos lista telefônica controle do acervo de uma biblioteca controle dos recursos humanos de uma empresa Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 86 / 121
  • 87. Banco de Dados – Visão Geral Banco de Dados – Definição é uma coleção lógica coerente de dados com um significado inerente é projetado, construído e populado com dados para um propósito específico possui um conjunto pré definido de usuários e aplicações um banco de dados representa algum aspecto do mundo real, o qual é chamado de “mini-mundo” alterações no “mini-mundo” são automaticamente refletidas no banco de dados Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 87 / 121
  • 88. Banco de Dados – Visão Geral Sistema de Gerenciamento de Bancos de Dados (SGBD) – Definição É um software com recursos específicos para facilitar a manipulação das informações dos bancos de dados e o desenvolvimento de programas aplicativos É, portanto, um sistema de software que facilita os processos de definição, construção, manipulação e compartilhamento de dados entre vários usuários Exemplos: Oracle, DB2, MySql, SQL Server etc Access? Falaremos bastante desses SGBDs... Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 88 / 121
  • 89. Banco de Dados – Visão Geral Sistema de Gerenciamento de Bancos de Dados (SGBD) – Componentes DDL (Data Definition Language) especifica conteúdos, estrutura a base de dados e define os elementos de dados DML (Data Manipulation Language) insert, select, update, delete Dicionário de dados (guarda definições dos dados e respectivas características, i.e, qual seu tipo, tamanho, quem pode acessá-lo etc) Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 89 / 121
  • 90. Banco de Dados – Visão Geral Sistema de Banco de Dados – Definição É um sistema de manutenção de registros por computador, envolvendo quatro componentes principais: dados hardware software usuários Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 90 / 121
  • 91. Banco de Dados – Visão Geral Sistema de Banco de Dados Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 91 / 121
  • 92. Banco de Dados – Visão Geral Modelando um Banco de Dados Existem diversos modelos de banco de dados (peixe, hierárquico, orientado a objetos etc). No entanto, o mais comum e amplamente adotado é o modelo relacional Nele, a modelagem de um banco de dados se baseia em três classes de objetos: Entidade normalmente representam uma pessoa, lugar, coisa... Ex: PEÇA, FORNECEDOR, PEDIDO ... Atributo características de uma entidade Ex: preço, cnpj, data ... Relacionamento associações entre entidades Ex: PEÇA possui um FORNECEDOR Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 92 / 121
  • 93. Banco de Dados – Visão Geral Exercício Simples – puxando para o assunto da próxima aula Como você faria algo para gerenciar vendas? Enunciado: Peça possui número, descrição, preço e seu fornecedor Fornecedor possui número, nome, rua, cidade, estado e cep Pedido possui a data e diversos itens Item possui a peça e a respectiva quantidade Dica: vamos tentar fazer com o Excel! Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 93 / 121
  • 94. Banco de Dados – Visão Geral Uma boa modelagem deve levar em consideração os seguintes conceitos: chave primária: campo que identifica de forma única o registro Por exemplo, cada FORNECEDOR é identificado por um código único chave estrangeira: campo que se refere a chave primária de uma outra tabela Por exemplo, cada PEÇA deve ter um código de FORNECEDOR existente Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 94 / 121
  • 95. Banco de Dados – Visão Geral Modelagem já com dados Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 95 / 121
  • 96. Banco de Dados – Visão Geral Como funciona um SGBD? Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 96 / 121
  • 97. Banco de Dados – Visão Geral Vantagens da Utilização Natureza autodescritiva do sistema de banco de dados dicionário de dados Isolamento entre os programas e os dados Abstração dos dados representação conceitual dos dados não diz como são armazenados nem como as operações são realizadas, simplesmente funciona Suporte para múltiplas visões dos dados Compartilhamento de dados Processamento de transações de vários usuários Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 97 / 121
  • 98. Banco de Dados – Visão Geral Principais funcionalidades Controle de redundância Restrição de acesso Armazenamento persistente Estruturas para otimização (índices, por exemplo) Backup and Recover Múltiplas visões para os usuários Restrições de Integridade Inferências Ações pelo uso de regras Redução tempo de desenvolvimento... Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 98 / 121
  • 99. Banco de Dados Aplicações Práticas Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 99 / 121
  • 100. Banco de Dados – Aplicações Práticas Data Warehouse – O que é? É um banco de dados que armazena dados coerentes e históricos de potencial interesse para os tomadores de decisão de toda a empresa Os dados se originam de diversas origens e, assim, os consolida e padroniza as informações oriundas de diferentes banco de dados de modo que elas possam ser utilizadas por toda empresa para análise gerencial e tomada de decisões Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 100 / 121
  • 101. Banco de Dados – Aplicações Práticas Data Warehouse! Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 101 / 121
  • 102. Banco de Dados – Aplicações Práticas BI (Business Inteligence) As ferramentas que analisam dados e descobrem novos padrões, relacionamentos e insights úteis para orientar a tomada de decisão são chamadas de BI Nesse aspecto, destacam-se as ferramentas de consulta e relatório do banco de dados, as ferramentas OLAP e o data mining Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 102 / 121
  • 103. Banco de Dados – Aplicações Práticas OLAP – O que é? Permite a análise multidimensional de dados, de forma que os usuários vejam os mesmos dados de diferentes maneiras, pois usa múltiplas dimensões Exemplo: Por exemplo, “quantos parafusos foram vendidos nos últimos 3 meses?” é facilmente respondido por um consulta simples no banco de dados Mas, “quantos parafusos foram vendidos em cada região e também comparar os resultados reais com a projeção de vendas?” é possível devido ao OLAP que permite que se veja os dados de diferentes visões Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 103 / 121
  • 104. Banco de Dados – Aplicações Práticas OLAP (Online analytical processing)! Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 104 / 121
  • 105. Banco de Dados – Aplicações Práticas Data Mining – O que é? Em comparação com o OLAP. o data mining é mais orientado por descoberta, percepções dos dados corporativos que não podem ser obtidas com o OLAP, descobrindo padrões e relacionamentos ocultos em grande banco de dados Tais informações podem então ser utilizadas para guiar o processo de decisão e prever o efeito de tais decisões Exemplos de tipos de informações que podem ser obtidas com data mining: associações, sequências, classificações, aglomerações e prognósticos Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 105 / 121
  • 106. Banco de Dados – Aplicações Práticas Data Mining! Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 106 / 121
  • 107. Banco de Dados – Aplicações Práticas Para fechar, vamos “brincar” com um SGBD? Para entendermos na prática o que é DDL, DML e dicionário de dados, vamos “brincar” um pouco. Que tal com alunos? Para iniciar: Aluno tem uma matrícula única, nome e email Tem que entender: DDL DML Dicionário de Dados Restrições Segurança Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 107 / 121
  • 108. Conteúdo 1 Tecnologia da Informação 2 Infra-Estrutura de TI 3 Linguagem de Programação 4 Banco de Dados 5 Engenharia de Software Visão Geral Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 108 / 121
  • 109. Engenharia de Software Visão Geral Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 109 / 121
  • 110. Engenharia de Software – Visão Geral Sistema de Software É um subconjunto do Sistema de Informação Característica intrínseca: complexidade! cresce à medida que cresce o tamanho do sistema Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 110 / 121
  • 111. Engenharia de Software – Visão Geral Características do software: O software é desenvolvido e não manufaturado no sentido clássico. Seus custos estão associados à engenharia O software não se desgasta, não é sensível aos efeitos do tempo que causam desgaste do hardware Apesar de não se desgastar, o software se deteriora A manutenção do software é mais cara e complexa que a manutenção do hardware, pois não há peças sobressalentes no software Apesar da indústria estar caminhando para o desenvolvimento de componentes, a maior parte dos sistemas de software são construídos sob encomenda Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 111 / 121
  • 112. Engenharia de Software – Visão Geral Mitos relacionados aos Sistemas de Software: Adicionar mais pessoal qualificado necessariamente reduz o atraso na entrega do produto A descrição geral dos objetivos é suficiente para começar a escrever programas É possível congelar os requisitos dos sistemas de software no decorrer do desenvolvimento do mesmo A qualidade do programa só pode ser avaliada depois que ele estiver executando O único produto do desenvolvimento é o programa executável A engenharia de software cria muita documentação e atrasa o desenvolvimento Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 112 / 121
  • 113. Engenharia de Software – Visão Geral FAQs Por que se gasta tanto tempo para concluir o produto? Por que os custos de desenvolvimento são tão altos? Por que todos os erros não são eliminados antes de entregar o produto ao cliente? Por que existe a dificuldade de avaliar o progresso do desenvolvimento do software? Essas perguntas são a motivação que levam à adoção da prática de Engenharia de Software Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 113 / 121
  • 114. Engenharia de Software – Visão Geral Mas, o que é Engenharia de Software? uma área do conhecimento da computação voltada para a especificação, desenvolvimento e manutenção de sistemas de software aplicando tecnologias e práticas de gerência de projetos e outras disciplinas, objetivando organização, produtividade e qualidade Mas, por que Engenharia de Software? Complexidade!!! Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 114 / 121
  • 115. Engenharia de Software – Visão Geral Processo: sequência de passos bem definidos que deve ser seguido para para ajudar a criar o produto, dentro do prazo e custo Métodos: técnicas usadas para construir o software, incluindo análise de requisitos, desenho, implementação, teste, manutenção... Ferramentas: apoio automatizado às atividades de construção do software Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 115 / 121
  • 116. Engenharia de Software – Visão Geral Bom e velho triângulo mágico Desenvolvimento de sistemas é uma tarefa árdua Tentativas de lidar com essa complexidade levam as empresas a definirem seu próprio processo de desenvolvimento de software Compreende todas as atividades necessárias para definir, desenvolver, testar e manter um produto de software Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 116 / 121
  • 117. Engenharia de Software – Visão Geral Existem vários processos de desenvolvimento propostos na literatura (RUP, PRAXIS ...) Cada processo tem sua particularidade em relação ao modo de arranjar e encadear as atividades que devem ser executadas No entanto, existem atividades típicas comuns à maioria dos processos: Levantamento de Requisitos: compreensão e especificação Análise de Requisitos: estudo detalhado dos requisitos Desenho: arquitetura do sistema Implementação: codificação Testes: encontrar ↑ defeitos com ↓ esforço Implantação: treinamento e instalação Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 117 / 121
  • 118. Engenharia de Software – Visão Geral Como saber se uma empresa tem um bom processo? Existem certificações para o processo de software! Assim, empresas obtêm um nível de maturidade ideia principal: quanto maior a maturidade de uma organização, melhor a qualidade do produto final Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 118 / 121
  • 119. Engenharia de Software – Visão Geral Qualidade do Processo de Software – CMMI Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 119 / 121
  • 120. Engenharia de Software – Visão Geral Qualidade do Processo de Software – Mps.BR Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 120 / 121
  • 121. Referências Kenneth C. Laudon e Jane P. Laudon. Sistemas de Informação Gerenciais. Prentice Hall, 7 edition, 2007. Ramez E. Elmasri e Shamkant Navathe. Sistemas de banco de dados. Addison Wesley, 4 edition, 2005. Pablo Vieira Florentino. Sistemas de informação. http://www.cefetba.br/professores/pablovf/- repositorio/siTiposSi.pdf, 2011. Ricardo Terra (rterrabh [at] gmail.com) Tecnologia da Informação Junho, 2011 121 / 121