SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Romance de 30
Centro de Ensino Isaura Amorim
por Pedro Gervásio
CIDELÂNDIA
2015
Característica Regionalista
• A segunda fase modernista do Brasil em prosa se
caracteriza pelo regionalismo, ou seja, a relação do
homem com o meio em que vive.
• A obra que marca o início do romance regionalista no
modernismo é o livro A Bagaceira de José Américo
de Almeida, publicado em 1928. Seu valor literário se
deve mais pelo aspecto histórico (secas – imigrações)
do que pelo seu valor estético.
Principais Autores
• Raquel de Queirós
• Graciliano Ramos
• José Lins do Rego
• Jorge Amado
• Érico Veríssimo
• Dyonélio Machado
Características dos Autores
• Basicamente esses autores se dedicaram ao
regionalismo do nordeste do país, falando da
seca, do cangaço, das dificuldades e misérias
enfrentadas pelo povo dessas regiões (norte e
nordeste).
• Entre eles, Érico Veríssimo e Dionélio
Machado se dedica mais ao sul do país,
falando das paisagens do homem com a
paisagem natural.
Rachel de Queiroz
• Rachel de Queiroz foi a primeira mulher a se
eleger imortal na academia brasileira de
letras. Suas obras regionalistas destacam-se
pela reflexão da figura feminina numa
sociedade patriarcal.
• Em “O Quinze”, a autora narra às histórias
vividas por uma família que enfrenta uma
grande seca. Há neste texto várias reflexões,
várias descrições sobre o campo, a paisagem
seca da região nordeste.
• A figura feminina também é um ponto central
na obra da autora, destacam-se entre essas
personagens femininas Conceição em O
Quinze e Maria Bonita em O Lampião.
Graciliano Ramos
• Graciliano Ramos é considerado pela crítica literária o
melhor ficcionista dessa geração.
• Entre seus livros principais destacam-se São Bernardo,
Memórias do Cárcere e Vidas Secas. Memórias do
Cárcere é um romance autobiográfico em que o que
autor narra as dificuldades vividas durante o período
em que esteve preso em virtude de ser perseguido pela
ditadura tendo em vista que possuía algumas ligações
com o partido comunista.
• Em São Bernardo, encontramos a história de Paulo
Honório, um pobre que se tornou um rico proprietário
da fazenda São Bernardo. Nesse livro, Graciliano faz
uma reflexão do processo de coisificação do homem,
que muitas vezes volta-se mais para o ter do que para
ser.
Jorge Amado
• Jorge Amado é talvez o autor mais
conhecido pelo público jovem, isto
porque muitos de seus livros foram
adaptados para a TV e para o
cinema. É um recordista de vendas
de livros no Brasil.
• Seus textos traçam o verdadeiro
painel do Brasil e em especial do
povo baiano. Sua linguagem simples,
próximo do falar do povo, suas
constantes preocupações com as
tradições e costumes unidas ao seu
bom humor, fizeram dele um dos
escritores mais aclamados e mais
bem quistos do público atual. Sua
obra é dividida em função da
temática:
Obras de Jorge Amado
• Romances da Bahia – que retrata a vida das classes oprimidas na urbana
Salvador. São livros de denuncia das desigualdades sociais, entre eles
destacam-se Capitães da Areia.
• Romances ligados aos ciclos do cacau – que retratam as explorações de
trabalhadores rurais e a economia latifundiária do nordeste. Segundo ele,
foi a luta do cacau que o tornou romancista. Entre esses romances
destacam-se: Cacau e Terras do Sem Fim.
• Crônica de costume – que partem do cenário do agreste para a zona
cacaueira para uma reflexão sobre a vida, os amores e os costumes da
sociedade. São desse ciclo as figuras como Gabriela, Cravo e canela, Dona
flor e seus dois maridos, Tieta do agreste e Teresa Batista cansada de
guerra.
José Lins do Rego
• José Lins do Rego foi um apaixonado
por futebol, torcedor inveterado do
flamengo. Foi um autor muito
identificado com o povo e com a sua
região. Suas obras retratam
basicamente as atividades as coisas que
aconteciam relacionadas as fazendas
produtoras de cana-de-açúcar. Ele fala
da decadência dos engenhos e da
estrutura patriarcal. Vejamos um trecho
de uma de suas obras, Menino de
Engenho:
Érico Veríssimo
• Érico Veríssimo, assim como Jorge Amado, conquistou o
publico leitor. Sua obra é comumente dividida em
romances urbanos, históricos e políticos.
• Entre os Romances Urbanos destacam-se Clarissa e Olhai
os Lírios do Campo.
• Neste momento temos um autor que analisa as crises de
uma sociedade na época. A sua grande obra prima e a
trilogia histórica O Tempo e o Vento, em que nós
encontramos as grandes figuras de Ana terra e Rodrigo
Cambará. É dele também o conhecidíssimo Incidente em
Antares, um romance político que mistura o plano real
com o plano imaginário. Num dado momento desse
romance os coveiros entram em greve e os mortos por
sua vez acabam ressuscitando para denunciar a corrupção
e a podridão moral dos moradores da cidade.
Trecho de Menino de Engenho
• “Coitado do Santa Fé! Já o conheci de fogo morto. E
nada é mais triste do que engenho de fogo morto. Uma
desolação de fim de vida, de ruína, que dá à paisagem
rural uma melancolia de cemitério abandonado. Na
bagaceira, crescendo, o mata-pasto de cobrir gente, o
melão entrando pelas fornalhas, os moradores fugindo
para outros engenhos, tudo deixado para um canto, e
até os bois de carro vendidos para dar de comer aos
seus donos. Ao lado da prosperidade e do riquezado
meu avô, eu vira ruir, até no prestígio de sua
autoridade, aquele simpático velhinho que era o
Coronel Lula de Holanda, com seu Santa Fé caindo aos
pedaços (...)”
Dyonélio Machado
• Escritor, jornalista e médico brasileiro, Dyonélio
Machado, nascido em 1895, em Quaraí, e falecido em
1985, em Porto Alegre, é considerado um dos
principais nomes do modernismo no Brasil.
Em 1927, lançou a sua primeira obra, o livro de
contos Um Pobre Homem, mas só em 1935 se tornou
reconhecido, com o romance Os Ratos, uma obra
sobre os problemas sociais da época. Posteriormente,
lançou obras como O Louco do Cati,Deuses
Econômicos, Endiabrados, Fada e o livro póstumo O
Cheiro de Coisa Viva, de 1995, que reuniu textos
soltos e o romance O Estadista.
Sinopse da obra Os Ratos
O tema da obra Os Ratos
é a massificação do
homem contemporâneo,
sozinho na multidão. O
autor prima pela análise
psicológico que relata o
drama financeiro de um
homem comum, que
trabalha em uma
repartição, cercado de
pessoas preocupadas
consigo mesmas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modernismo 2º fase
Modernismo 2º faseModernismo 2º fase
Modernismo 2º fase
Marina Matos
 
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
rkhelena
 
Segunda fase do modernismo . trabalho de portugues
Segunda fase do modernismo . trabalho de portuguesSegunda fase do modernismo . trabalho de portugues
Segunda fase do modernismo . trabalho de portugues
Alenice01
 
A Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Hadassa Castro
 
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
CrisBiagio
 

Mais procurados (20)

Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
[2º fase nodernismo] s.a. vidas secas
[2º fase nodernismo] s.a. vidas secas[2º fase nodernismo] s.a. vidas secas
[2º fase nodernismo] s.a. vidas secas
 
2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)2ª fase modernista (prosa)
2ª fase modernista (prosa)
 
2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro
 
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: PoesiaA Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
 
Modernismo 2º fase
Modernismo 2º faseModernismo 2º fase
Modernismo 2º fase
 
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)2ª Fase do Modernismo (Poesia)
2ª Fase do Modernismo (Poesia)
 
Segunda fase do modernismo . trabalho de portugues
Segunda fase do modernismo . trabalho de portuguesSegunda fase do modernismo . trabalho de portugues
Segunda fase do modernismo . trabalho de portugues
 
A Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 30 (Prosa) - Prof. Kelly Mendes - Literatura
 
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
Modernismo – 2ª fase – Romance de 30
 
2 Fase Modernista- ROMANCE DE 30
2 Fase Modernista- ROMANCE DE 302 Fase Modernista- ROMANCE DE 30
2 Fase Modernista- ROMANCE DE 30
 
2 tempo modernista
2 tempo modernista2 tempo modernista
2 tempo modernista
 
Segunda geração do modernismo
Segunda geração do modernismoSegunda geração do modernismo
Segunda geração do modernismo
 
Autores prosa modernista 2º fase
Autores prosa modernista 2º faseAutores prosa modernista 2º fase
Autores prosa modernista 2º fase
 
Modernismo ii fase
Modernismo ii faseModernismo ii fase
Modernismo ii fase
 
A prosa de 30
A prosa de 30A prosa de 30
A prosa de 30
 
Literatura Brasileira: Romance Nordestino de 30.
Literatura Brasileira: Romance Nordestino de 30. Literatura Brasileira: Romance Nordestino de 30.
Literatura Brasileira: Romance Nordestino de 30.
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Modernismo Segunda Fase Brasil
Modernismo Segunda Fase BrasilModernismo Segunda Fase Brasil
Modernismo Segunda Fase Brasil
 
2ª geração modenista (POESIA)
2ª geração modenista (POESIA)2ª geração modenista (POESIA)
2ª geração modenista (POESIA)
 

Semelhante a 2ª geração do modernismo brasileiro

Segunda Geração da prosa
Segunda Geração da prosa Segunda Geração da prosa
Segunda Geração da prosa
Dhay Lima
 
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosaAula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Connce Santana
 
Revisão de literatura
Revisão de literaturaRevisão de literatura
Revisão de literatura
CrisBiagio
 
Obra Vidas Secas
Obra Vidas SecasObra Vidas Secas
Obra Vidas Secas
Cesarguto
 
A morte-e-a-morte-e-quincas-berro-dagua
A morte-e-a-morte-e-quincas-berro-daguaA morte-e-a-morte-e-quincas-berro-dagua
A morte-e-a-morte-e-quincas-berro-dagua
Melyssa Queiroz
 

Semelhante a 2ª geração do modernismo brasileiro (20)

Segunda Geração da prosa
Segunda Geração da prosa Segunda Geração da prosa
Segunda Geração da prosa
 
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)Aula 25   modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
Aula 25 modernismo no brasil - 2ª fase (prosa)
 
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosaAula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
Aula 25-modernismo-no-brasil-2ª-fase-prosa
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
 
Modernismo de 30 - Rachel de Queiroz e Jorge Amado (Análise Literária)
Modernismo de 30 - Rachel de Queiroz e Jorge Amado (Análise Literária)Modernismo de 30 - Rachel de Queiroz e Jorge Amado (Análise Literária)
Modernismo de 30 - Rachel de Queiroz e Jorge Amado (Análise Literária)
 
Prosa Neorrealista Regionalista
Prosa Neorrealista Regionalista Prosa Neorrealista Regionalista
Prosa Neorrealista Regionalista
 
Jorge Amado doo Brasil
Jorge Amado doo BrasilJorge Amado doo Brasil
Jorge Amado doo Brasil
 
Lima Barreto
Lima BarretoLima Barreto
Lima Barreto
 
Fogo morto, de José Lins do Rego - análise
Fogo morto, de José Lins do Rego - análiseFogo morto, de José Lins do Rego - análise
Fogo morto, de José Lins do Rego - análise
 
Revisão de literatura
Revisão de literaturaRevisão de literatura
Revisão de literatura
 
Jorge amado (1912 2001) - Vida e Obra
Jorge amado (1912 2001) - Vida e ObraJorge amado (1912 2001) - Vida e Obra
Jorge amado (1912 2001) - Vida e Obra
 
Prosa romântica brasileira
Prosa romântica brasileiraProsa romântica brasileira
Prosa romântica brasileira
 
Fogomorto
FogomortoFogomorto
Fogomorto
 
3.1 Romantismo e Indicações de Leitura.pptx
3.1 Romantismo e Indicações de Leitura.pptx3.1 Romantismo e Indicações de Leitura.pptx
3.1 Romantismo e Indicações de Leitura.pptx
 
Segunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismoSegunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismo
 
Jorge Amado
Jorge AmadoJorge Amado
Jorge Amado
 
Obra Vidas Secas
Obra Vidas SecasObra Vidas Secas
Obra Vidas Secas
 
A morte-e-a-morte-e-quincas-berro-dagua
A morte-e-a-morte-e-quincas-berro-daguaA morte-e-a-morte-e-quincas-berro-dagua
A morte-e-a-morte-e-quincas-berro-dagua
 
Pré modernismo 3º ano
Pré modernismo 3º anoPré modernismo 3º ano
Pré modernismo 3º ano
 

Mais de Pedro Gervásio

A primeira Guerra Mundial e a Revolução Russa
A primeira Guerra Mundial e a Revolução RussaA primeira Guerra Mundial e a Revolução Russa
A primeira Guerra Mundial e a Revolução Russa
Pedro Gervásio
 

Mais de Pedro Gervásio (19)

Meu Universo
Meu UniversoMeu Universo
Meu Universo
 
Origem de Jesus Cristo
Origem de Jesus CristoOrigem de Jesus Cristo
Origem de Jesus Cristo
 
Buracos na camada de ozônio
Buracos na camada de ozônioBuracos na camada de ozônio
Buracos na camada de ozônio
 
A primeira Guerra Mundial e a Revolução Russa
A primeira Guerra Mundial e a Revolução RussaA primeira Guerra Mundial e a Revolução Russa
A primeira Guerra Mundial e a Revolução Russa
 
ÁLcool
ÁLcoolÁLcool
ÁLcool
 
Tráfico negreiro
Tráfico negreiroTráfico negreiro
Tráfico negreiro
 
Romance regionalista
Romance regionalistaRomance regionalista
Romance regionalista
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
Poluição térmica
Poluição térmicaPoluição térmica
Poluição térmica
 
Ondas
OndasOndas
Ondas
 
Hemofilia
HemofiliaHemofilia
Hemofilia
 
Filo cnidaria
Filo cnidariaFilo cnidaria
Filo cnidaria
 
Feelings - sentimentos
Feelings - sentimentosFeelings - sentimentos
Feelings - sentimentos
 
Constituição histórica do nordeste
Constituição histórica do nordesteConstituição histórica do nordeste
Constituição histórica do nordeste
 
Ciências e valores
Ciências e valoresCiências e valores
Ciências e valores
 
Alimentaçõ e saúde
Alimentaçõ e saúdeAlimentaçõ e saúde
Alimentaçõ e saúde
 
Algas
AlgasAlgas
Algas
 
A síntese newtoniana
A síntese newtonianaA síntese newtoniana
A síntese newtoniana
 
A independência das treze colônias
A independência das treze colôniasA independência das treze colônias
A independência das treze colônias
 

Último

atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
GisellySobral
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 

2ª geração do modernismo brasileiro

  • 1. Romance de 30 Centro de Ensino Isaura Amorim por Pedro Gervásio CIDELÂNDIA 2015
  • 2. Característica Regionalista • A segunda fase modernista do Brasil em prosa se caracteriza pelo regionalismo, ou seja, a relação do homem com o meio em que vive. • A obra que marca o início do romance regionalista no modernismo é o livro A Bagaceira de José Américo de Almeida, publicado em 1928. Seu valor literário se deve mais pelo aspecto histórico (secas – imigrações) do que pelo seu valor estético.
  • 3. Principais Autores • Raquel de Queirós • Graciliano Ramos • José Lins do Rego • Jorge Amado • Érico Veríssimo • Dyonélio Machado
  • 4. Características dos Autores • Basicamente esses autores se dedicaram ao regionalismo do nordeste do país, falando da seca, do cangaço, das dificuldades e misérias enfrentadas pelo povo dessas regiões (norte e nordeste). • Entre eles, Érico Veríssimo e Dionélio Machado se dedica mais ao sul do país, falando das paisagens do homem com a paisagem natural.
  • 5. Rachel de Queiroz • Rachel de Queiroz foi a primeira mulher a se eleger imortal na academia brasileira de letras. Suas obras regionalistas destacam-se pela reflexão da figura feminina numa sociedade patriarcal. • Em “O Quinze”, a autora narra às histórias vividas por uma família que enfrenta uma grande seca. Há neste texto várias reflexões, várias descrições sobre o campo, a paisagem seca da região nordeste. • A figura feminina também é um ponto central na obra da autora, destacam-se entre essas personagens femininas Conceição em O Quinze e Maria Bonita em O Lampião.
  • 6. Graciliano Ramos • Graciliano Ramos é considerado pela crítica literária o melhor ficcionista dessa geração. • Entre seus livros principais destacam-se São Bernardo, Memórias do Cárcere e Vidas Secas. Memórias do Cárcere é um romance autobiográfico em que o que autor narra as dificuldades vividas durante o período em que esteve preso em virtude de ser perseguido pela ditadura tendo em vista que possuía algumas ligações com o partido comunista. • Em São Bernardo, encontramos a história de Paulo Honório, um pobre que se tornou um rico proprietário da fazenda São Bernardo. Nesse livro, Graciliano faz uma reflexão do processo de coisificação do homem, que muitas vezes volta-se mais para o ter do que para ser.
  • 7. Jorge Amado • Jorge Amado é talvez o autor mais conhecido pelo público jovem, isto porque muitos de seus livros foram adaptados para a TV e para o cinema. É um recordista de vendas de livros no Brasil. • Seus textos traçam o verdadeiro painel do Brasil e em especial do povo baiano. Sua linguagem simples, próximo do falar do povo, suas constantes preocupações com as tradições e costumes unidas ao seu bom humor, fizeram dele um dos escritores mais aclamados e mais bem quistos do público atual. Sua obra é dividida em função da temática:
  • 8. Obras de Jorge Amado • Romances da Bahia – que retrata a vida das classes oprimidas na urbana Salvador. São livros de denuncia das desigualdades sociais, entre eles destacam-se Capitães da Areia. • Romances ligados aos ciclos do cacau – que retratam as explorações de trabalhadores rurais e a economia latifundiária do nordeste. Segundo ele, foi a luta do cacau que o tornou romancista. Entre esses romances destacam-se: Cacau e Terras do Sem Fim. • Crônica de costume – que partem do cenário do agreste para a zona cacaueira para uma reflexão sobre a vida, os amores e os costumes da sociedade. São desse ciclo as figuras como Gabriela, Cravo e canela, Dona flor e seus dois maridos, Tieta do agreste e Teresa Batista cansada de guerra.
  • 9. José Lins do Rego • José Lins do Rego foi um apaixonado por futebol, torcedor inveterado do flamengo. Foi um autor muito identificado com o povo e com a sua região. Suas obras retratam basicamente as atividades as coisas que aconteciam relacionadas as fazendas produtoras de cana-de-açúcar. Ele fala da decadência dos engenhos e da estrutura patriarcal. Vejamos um trecho de uma de suas obras, Menino de Engenho:
  • 10. Érico Veríssimo • Érico Veríssimo, assim como Jorge Amado, conquistou o publico leitor. Sua obra é comumente dividida em romances urbanos, históricos e políticos. • Entre os Romances Urbanos destacam-se Clarissa e Olhai os Lírios do Campo. • Neste momento temos um autor que analisa as crises de uma sociedade na época. A sua grande obra prima e a trilogia histórica O Tempo e o Vento, em que nós encontramos as grandes figuras de Ana terra e Rodrigo Cambará. É dele também o conhecidíssimo Incidente em Antares, um romance político que mistura o plano real com o plano imaginário. Num dado momento desse romance os coveiros entram em greve e os mortos por sua vez acabam ressuscitando para denunciar a corrupção e a podridão moral dos moradores da cidade.
  • 11. Trecho de Menino de Engenho • “Coitado do Santa Fé! Já o conheci de fogo morto. E nada é mais triste do que engenho de fogo morto. Uma desolação de fim de vida, de ruína, que dá à paisagem rural uma melancolia de cemitério abandonado. Na bagaceira, crescendo, o mata-pasto de cobrir gente, o melão entrando pelas fornalhas, os moradores fugindo para outros engenhos, tudo deixado para um canto, e até os bois de carro vendidos para dar de comer aos seus donos. Ao lado da prosperidade e do riquezado meu avô, eu vira ruir, até no prestígio de sua autoridade, aquele simpático velhinho que era o Coronel Lula de Holanda, com seu Santa Fé caindo aos pedaços (...)”
  • 12. Dyonélio Machado • Escritor, jornalista e médico brasileiro, Dyonélio Machado, nascido em 1895, em Quaraí, e falecido em 1985, em Porto Alegre, é considerado um dos principais nomes do modernismo no Brasil. Em 1927, lançou a sua primeira obra, o livro de contos Um Pobre Homem, mas só em 1935 se tornou reconhecido, com o romance Os Ratos, uma obra sobre os problemas sociais da época. Posteriormente, lançou obras como O Louco do Cati,Deuses Econômicos, Endiabrados, Fada e o livro póstumo O Cheiro de Coisa Viva, de 1995, que reuniu textos soltos e o romance O Estadista.
  • 13. Sinopse da obra Os Ratos O tema da obra Os Ratos é a massificação do homem contemporâneo, sozinho na multidão. O autor prima pela análise psicológico que relata o drama financeiro de um homem comum, que trabalha em uma repartição, cercado de pessoas preocupadas consigo mesmas.