Economia

2.138 visualizações

Publicada em

Professor Marcilio

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.138
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.055
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Economia

  1. 1. Economia /IndependênciaCiclos Econômicos / Revoltas ColoniaisProf. Marcilio Siqueira – professormarcilio@hotmail.com
  2. 2. pecuária• Proibição em 1701 da criação de gado numa faixa de 80 km a partir da costa• Além de abastecer a população (carne e couro), os animais eram utilizados como força motriz e meio de transporte• Finalidade de abastecer o mercado interno• A pecuária não se enquadrava nas regras do sistema colonial• Instalação no interior, em áreas não apropriadas a agricultura exportadora• Haviam duas zonas criatórias: as caatingas e as campinas
  3. 3. Pecuária nordestina Pecuária sulina• Seguia o curso do rios • Desenvolveu-se nas vastas• Inicialmente tinha como campinas do RS finalidade fornecer carne e • Em todo período colonial foi a força motriz aos engenhos de única atividade importante da açúcar região, fazendo nascer ali uma sociedade tipicamente pastoril• Com a exploração de ouro, a • O trabalho era realizado na maioria criação passou a atender a das vezes por capatazes demanda das regiões (brancos, índios e mestiços mineradoras assalariados)• Além do couro fornecia a • Até fins do sec. XVIII a atividade carne-seca pecuária principal era a produção de couro, a principio a carne era• Com a expansão houve desperdiçada, pois não havia quem conflitos com os nativos consumisse• No início do séc. XVIII devido • Posteriormente por volta de a concorrência do gado 1780, surgiu a indústria do CHAQUE mineiro e das secas de 1791 e 1793 houve o golpe final na • A região sul era a única a produzir manteiga decadente pecuária • Ganha importância também a nordestina criação de mulas, que eram exportadas para a região das minas
  4. 4. jesuítas• Fundada por Inácio de Loyola em 1534• Objetivava a divulgação da religião católica pelo mundo• Em 1549, desembarcaram os primeiro jesuítas na colônia, na Baia de Todos os Santos• O primeiro grupo era liderado por Manoel da Nóbrega• Desde o início dedicavam-se a catequização, combatendo os costumes e as tradições indígenas (antropofagia, poligamias, a nudez, a crença nos rituais dos pajés)• Os governantes forneciam sesmarias a ordem, onde foram construídos aldeamentos ( missões) que reuniam os indígenas• Os jesuítas também seguiram para o interior, fundando entre os séc. XVII e XVIII, aldeamentos na Amazônia e no sul e sudeste do atual Brasil• Nos aldeamentos ocorriam a aculturação dos indígenas: ali eles aprendiam a doutrina católica, alguns ofícios e os costumes da cultura europeia• Os índios trabalhavam na exploração de riquezas naturais, conhecidas como DROGAS DO SERTÃO (guaraná, pimenta, castanha, baunilha, plantas aromática e medicinais)• ÍNDIOS LADINOS: aqueles que conheciam o catolicismo, falava o idioma português e sabia trabalhar na agricultura ou desempenhar serviços domésticos.
  5. 5. 52. URCA/2011.1 A colonização realizada por portugueses e espanhóis na América (séculoXV-XVIII/XIX) associou os interesses de três agentes: os Estados Nacionais colonizadores(Portugal e Espanha), a burguesia desses países e a Igreja Católica. Assinale a opção queindica os interesses dos três agentes colonizadores:a) Igreja: combater os cultos africanos e indígenas através da cristianização desses povos/ Estados Nacionais: expandir o mercado consumidor de manufaturados europeus /burguesia: fixar residência no Brasil fugindo das perseguições religiosas nos seus paísesb) Igreja: combater os cultos pagãos / Estados Nacionais: ganhar adeptos para seusrespectivos governos monárquicos / burguesia: fazer a revolução burguesa no Brasil enas áreas de domínio espanhol.c) Igreja: combater todas as formas de religiosidade popular / Estados Nacionais:arrecadação de impostos para investir em serviços na própria colônia / burguesia:organizar uma sociedade baseada nos padrões de civilidade.d) Igreja: combater o protestantismo que fazia muitos adeptos no Brasil / EstadosNacionais: escravizar indígenas para venda nos países europeus / burguesia:implementar a produção industrial nas colônias.e) Igreja: cristianizar os povos da América e combater as religiosidades populares, dentrodo plano de expansão da fé católica / Estados Nacionais: ampliar áreas de domíniopolitico e fortalecimento da economia metropolitana pela complementaridade daprodução nacional e fonte de arrecadação de tributo / burguesia: acumular capitaisatravés da compra de bens ou gêneros tropicais e da venda de escravos e produtosmanufaturados.
  6. 6. tratados fronteiras• A colonização portuguesa não respeitou o TRATADO DE TORDESILHAS, expandindo sua fronteira por meio de bandeirantes, jesuítas e pecuaristas.• TRATADO DE UTRECHT (1713 e 1715) • Assinados entre Portugal e França • Estabelecia o rio Oiapoque, no extremo norte da colônia como o limite entre o Brasil e a Guiana Francesa • O segundo procurava resolver as divergências entre portugueses e espanhóis na região sul, Colônia de sacramento pertencia a Portugal, mas com resistência dos espanhóis que lá moravam• TRATADO DE MADRI (1750) • Estabelecido entre Portugal e Espanha • Definia que a cada um pertenceria as terras ocupadas na colônia • A Colônia de Sacramento passa para os espanhóis e a dos Sete povos das Missões para os portugueses • O tratado não foi cumprido já que os jesuítas e os índios guaranis dos Sete Povos não aceitam a dominação portuguesa (Guerra Guaranítica) • Os portugueses não entregaram aos Sacramento aos espanhóis
  7. 7. • TRATADO DE SANTO IDELFONSO (1777) • Assinado entre Portugal e Espanha • Estabelecia que espanhóis ficariam com a Colônia de Sacramento e a região dos Sete Povos da Missões, mas devolveria aos portugueses terras que nesse período haviam ocupado no RS• TRATADO DE BADAJÓS (1801) • Assinado entre portugueses e espanhóis • Estabeleceu que a região dos Sete Povos das Missões ficariam com os portugueses e a Colônia de Sacramento com os espanhóis • Depois de muitas lutas fixaram as fronteiras estabelecidas pelo tratado de Madri
  8. 8. • Grande influência do catolicismo (outros cultos não podiam ser feitos em público...). Sociedade► Família patriarcal.► Forte influência dos padrões da aristocracia europeia.► Presença dos cristãos-novos (marranos; judeus convertidos).► Possibilidade de alforria (quartações etc).► Rigidez no tempo do açúcar e flexibilidade na mineração e na pecuária.
  9. 9. • União Ibérica (1580-1640): período Invasões em que Portugal foi administrado pelo rei da Espanha... Holandesas► Por determinação do novo rei, rompe-se a parceria luso- flamenga.► Os holandeses invadem a Bahia (1 ano) e, depois, Pernambuco (8 anos) = “Nova Holanda”► Administrador: Maurício de Nassau► Tolerância religiosa, empréstimos aos latifundiários, estudiosos e artistas de renome na Europa vieram ao Brasil, investimentos em infra-estrutura (urbanização de Recife, pontes, jardins, palácios etc)► A expulsão dos holandeses (Insurreição Pernambucana) teve a concorrência antilhana como consequência...
  10. 10. Mineração• Lavras • Faisqueiras► Fixas ► Itinerantes (nas (nos rios) datas) ► Livre► Escravo ► Téc.► Técnicas Rudimentares sofisticadas (batéia)► Ouro de ► Ouro de mina aluvião
  11. 11. • De apresamento: captura de índios Bandeiras ► De prospecção: busca de metais preciosos ► Sertanismo de contrato: captura de fugitivos► Ex: Borba Gato, Raposo Tavares, Fernão Dias, Domingos Jorge Velho etc
  12. 12. Consequências da mineração • Corrida para a região das minas (rush) ► Crise de desabastecimento ► Inflação (na Europa, “Revolução dos Preços”) ► Urbanização e fixação do homem no interior ► Deslocamento do eixo econômico (do nordeste pro sudeste) ► Barroco ► Aumentou o fiscalismo ► Maior mobilidade português social
  13. 13. Guerra dos • Clima de tensão em MG: fome e inflaçãoEmboabas(1708-1709) ► Rivalidades entre paulistas e forasteiros (emboabas) ► 8 dias de luta depois que um paulista matou um emboaba ► Os forasteiros aclamam o comerciante Manuel Nunes Viana ► Capão da traição (paulistas massacrados)
  14. 14. Rebeliões nativistasContestavam aspectos específicos do Pacto Colonial, não propriamente falando em independência, possuindo caráter regionalista.
  15. 15. “Aclamação de Amador Bueno” (1641) • jesuítas proibiam a captura dos índios ► “botada dos padres para fora” ► Pobreza e tensão (jesuítas x bandeirantes) ► Aclamaram um► Ele fugiu, tudo esfriou... espanhol como rei
  16. 16. “Revolta dos • latifundiários do MaranhãoBeckman” revoltaram-se porque faltava escravos(1684) ► a Cia de Comércio do Maranhão era ineficiente e corrupta ► líderes, os irmãos Manuel e Thomas Beckman foram mortos
  17. 17. • Senhores de engenho de Olinda Guerra dos pediam dinheiro emprestado aos comerciantes de Recife... Mascates (1710-1714)► Era fácil não pagar, pois controlavam a Câmara Municipal ...► Mas quando Recife ganhou o direito de emancipar-se os latifundiários não aceitaram, invadindo a cidade e destruindo o pelourinho (sede administrativa)
  18. 18. Revolta de Felipe dos Santos ou Sedição de Vila Rica (1720)• decisão do Conde de Assumar (governador da província) de abrir as tais casas de fundição em Vila Rica ► Massacre dos rebeldes► Felipe dos (pra servir de exemplo!) Santos, minerador, é contra
  19. 19. Era pombalina • “derrama” (decreto que estabelecia que, se a capitação não fosse paga, os bens dos mineradores poderiam ser confiscados) ► garantiu o controle da Amazônia ; criou o Banco Real e organizou a arrecadação de impostos ► reconstruiu Lisboa após o terremoto de 1755 ; criou diversas companhias de comércio ► organizou alfândegas, tribunais e outras instituições do Estado ; procurou reaquecer a lavoura açucareira do nordeste► mudou a capital pro RJ; ► tentou diminuir a dependência econômica incentivou manufaturas na de Portugal com a Inglaterra ; expulsou os colônia jesuítas de Portugal e suas (tecelagens, metalurgia, refina colônias, confiscando seus bens rias de açúcar...)► Após a morte do rei, perdeu ► subsídio literário; Diretório dos Índios; poder (“viradeira”) Distrito Diamantino
  20. 20. • Movimento emancipacionista Inconfidência► Filhos da elite de Vila Rica, estudando na Europa, tomaram contato com as Mineira idéias iluministas► Independência dos EUA: influência► Minas: sinais de esgotamento► Sátira ao governador: “Cartas Chilenas”(Tomás Antônio Gonzaga)► Visconde de Barbacena: derrama► Cláudio Manuel da Costa e outros homens ricos: idéias pouco definidas► Traição de Joaquim Silvério dos Reis
  21. 21. Propostas dos Inconfidentes• MG se tornaria uma república • Parte do grupo era mais favorável independente com capital em São a uma monarquia com poderes João Del Rey limitados... ► O Distrito Diamantino seria aberto e a► O exército seria substituído por industrialização liberada milícias populares► A exploração do ferro deixaria de ► Criariam hospitais, escolas e TALVEZ ser proibida acabassem com a escravidão...
  22. 22. • Movimento emancipacionistaConjuração ► Salvador: corrupção, miséria,Baiana inflação... ► Saque ao carregamento de carne do general-comandante ► Cartazes: incitando o jacobinismo ► Revolução Francesa: influência ► França acena com interesse em ajudar ► Como no Haiti: saques, fogo no pelourinho etc ► Conjuração dos Alfaiates ► Cipriano Barata (médico) e Agostinho Gomes (latifundiário)
  23. 23. Propostas dos Alfaiates • Fim da escravidão • Livre comércio► Terra e voto para todos (sociedade igualitária) ► República
  24. 24. Em 1763, a administração portuguesa decidiu transferir a capital da colônia dacidade de Salvador para a cidade do Rio de Janeiro. A respeito dessa decisão esobre a região das minas podemos afirmar: I. a administração portuguesa havia conseguido avançar no interior dascapitanias do Nordeste, garantindo a criação de novas cidades, porém ainteriorização da colônia, na região Sudeste, ainda não havia começado. II. As invasões holandesas e francesa no Nordeste fizeram com que essaregião fosse vista por Portugal como pouca segura, assim transferiu a capital daregião Nordeste para a região Sudeste. III. A nova capital tinha como objetivo preparar o Rio de Janeiro parareceber a família real portuguesa, no Brasil, completando um antigo plano doMarquês de pombal. IV. A transferência da capital demonstra a preocupação administrativa dogoverno português que temia, especialmente as revoltas separatistas nascapitanias de MG e BA. V. a mudança da capitania assinala um momento de transformaçõeseconômicas, especialmente em virtude do deslocamento do eixo econômico doNordeste açucareiro para a região mineradora do Sudeste. VI. No séc XVIII, a Coroa portuguesa tomou várias medidas pararegulamentara atividade mineradora no Brasil, criando o Regimento das Minas deOuro, a Intendência das Minas e as Casas de Fundição. VII. Durante a União Ibérica (1580 – 1640) os reis da Espanha interferiramdiretamente na administração do Brasil, nomeando exclusivamenteadministradores espanhóis para governar a colônia. VIII. O marquês de Pombal promoveu importantes modificaçõesadministrativas na colônia, como a transferência da capital do Estado do Grão Paráe Maranhão de São Luiz para Belém (1751) e a do Estado do Brasil de Salvador parao Rio de Janeiro (1763).
  25. 25. • IX. Atraídos pelo ouro, vieram para a colônia aventureiros de toda espécie, que inviabilizaram a mineração.• Sobre as revoltas coloniais observe as afirmações: • I. A Guerra dos Mascates foi marcada pela luta entre jesuítas e colonos e pela revolta dos colonos contra a Companhia de Comércio do Maranhão. • II. A Revolta de Vila Rica estava marcada para ter início no dia marcado para ter início a cobrança de impostos atrasados e daí a implantação de uma federação liberal. • III. A Guerra dos Mascates resultou do choque entre a aristocracia rural de Olinda, que eram uma vila com Câmara Municipal e não aceitavam a ideia de Recife ter autonomia política e administrativa, e dos comerciantes de Recife que se desenvolveram bastantes, obtendo o direito à elevação a vila. • IV. A revolta liderada por Felipe dos Santos em 1720 teve como motivação o projeto de criação das Casas de Fundição, que iriam controlar e combater o contrabando de ouro, além dos altos impostos, o monopólio do sal, gado e aguardente pelo governo colonial. • V. Os inconfidentes mineiros sofriam influencias da independência dos EUA e o pensamento liberal e anti-absolutista. • VI. Prevaleceu o tipo de motivação “mais colonial do que social”. A inquisição teve por base a coerção exercida pela metrópole através da cobrança de impostos sobre a produção aurífera. A revolução foi dirigida pelos proprietários dessa região em plena decadência econômica. • VII. Prevaleceu o tipo de motivação “antes social do que colônia”. A revolução foi impulsionada pela participação de pequenos artesãos, militares de baixo escalão, escravos e demais setores populares. Neste modelo, a ruptura se dá em três níveis: separação da colônia, mudanças das instituições políticas e reorganização da sociedade em novas classes.
  26. 26. A competição entre Portugal e outros países europeus pelo domínio do Brasil acirrou-se durante o período da União Ibérica, mas não se deveu unicamente a esse fato. Prendia-se, antes, à rápida implantação dos canaviais e da exportação do açúcar, um dos produtos mais rentáveis da época. O Nordeste litorâneo tornava-se palco da civilização do açúcar, dominada pela aristocracia mais poderosa da América, impulsionada pelacomercialização do produto e pelo trabalho dos escravos. Em um pólo dessa sociedade estava o poderoso senhor de engenho. Nooutro extremo ficavam os negros, que durante o dia se esfalfavam na lavoura e à noite se amontoavam na senzala. Entre um pólo e outro estavam os plantadores de cana. Estavam também os trabalhadores livres, empregados na administração colonial e na grande propriedade produtora, e uma multidão de brancos marginalizados, aos quais se juntavam os escravos alforriados.Pouco tempo duraria o regozijo da Coroa com os lucros fabulosos dos canaviais nordestinos, pois logo os mercadores dos PaísesBaixos se apossariam não só das técnicas da produção açucareira, como dos próprios engenhos brasileiros. Saga: a grande história do Brasil (vol.1). São Paulo: Abril Cultural, 1981, p.161 (com adaptações).
  27. 27. Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itensseguintes, relativos à História do Brasil Colonial.94 Após o fracasso da mineração, a colonização do Brasilcentrou-se na agroindústria açucareira.95 A sociedade açucareira pode ser definida como aristocráticae patriarcal.96 Casa grande e senzala são marcos simbólicos dadesigualdade típica da sociedade do açúcar.97 A mão-de-obra escrava africana desempenhou papelsecundário na economia açucareira.98 Ao contrário da mineração, concentrada no interior dacolônia, o núcleo da economia açucareira situava-se na árealitorânea nordestina.99 O texto omite a presença de holandeses no Nordesteaçucareiro.100 Rigidamente dividida entre senhores de engenho e escravos,a sociedade açucareira desconhecia a existência de outrossegmentos sociais.
  28. 28. O português veio ao Brasil em 1500, em expedição a caminho da Índia. Nos três primeiros decênios do século XVI, o Brasil esteve de lado, embora não de fora das preocupações do colonizador: algum comércio se fez, houve pequenas expedições e alguns portugueses ficaram. Em 1530, veio a primeira expedição importante, sob o comando de Martim Afonso de Sousa: sugeriu-se ao rei o estabelecimento dosistema de capitanias. O donatário deveria investir capital, poderia fazer a doação de terras, teria de defendê-las contra o índio ou o estrangeiro, recebendo em troca suas rendas, fora os direitos da Coroa. Ante o malogro da descentralização, o português mudou o sentido da colonização e estabeleceu, em 1548, o governogeral. O traço básico da economia era a ausência de autonomia do produtor, dependentede outro centro. A colônia existia para a metrópole. Fornecedora de bens primários, a colônia entregouse à agricultura ou à atividade extrativa — vegetais ou minerais — , sendo-lhe, em regra, vedada a indústria. Na formação étnica e cultural, o fator predominante foi o português. Os nativos, os índios, encontravam-se no estágio da Idade da Pedra, contrastando com alguns núcleos encontrados pelos espanhóis. A ação indígena para a formação do Brasil pode ser contada na agricultura (técnicas e espécies), na coleta de resinas efibras, nos utensílios e instrumentos de caça e pesca. Deles, folclore, magia, lendas e vocabulário foram, em pequena parte, incorporados. A influência máxima do negro africano deu-se no trabalho, mas também na alimentação, no folclore, nas crenças religiosas, na música e na dança. A presença do negro assinalou fundamente a etnia brasileira, sendo o século XIX marcado pelo problema da luta contra a escravidão e por certos conflitos
  29. 29. Tendo o texto acima como referência inicial e considerando oprocesso histórico brasileiro do período colonial ao século XIX,julgue os itens de 51 a 61. 51- A colonização do Brasil coincidiu com a denominada IdadeModerna, destacada, na Europa, pelas práticas políticas absolutistas eeconômicas mercantilistas. 52- Infere-se do texto que a chegada dos portugueses ao Brasil inseria-seno projeto maior comumente chamado de comércio oriental, fortementeassentado nas especiarias, de larga aceitação no mercado europeu. 53- A expedição de Martim Afonso marcou, a rigor, o efetivo início dacolonização portuguesa no Brasil.54- O sistema de capitanias, por suas características, algumas das quaismencionadas no texto, fixou a tendência de se promover, no Brasil, adistribuição eqüitativa de terras, em glebas de reduzida dimensão, processoque se aprofundarianos séculos seguintes55- No segundo parágrafo do texto, o autor sugere ter sido instituído noBrasil o Pacto Colonial, próprio do mercantilismo, caracterizado pelasrelações de subordinaçãoe dependência da colônia em relação à metrópole.
  30. 30. 56- Em decorrência do rápido esgotamento da mineração, adotou-se, nacolônia, a agricultura intensiva voltada para o mercado externo, a cana-de-açúcar, produzidaprioritariamente em São Vicente e, em escala menor, no Nordestebrasileiro. 57- No texto, sugere-se que, salvo algumas exceções, as populaçõesnativas do Brasil que os portugueses encontraram equiparavam-seculturalmente aos incas e aos maias. 58- O emprego de mão-de-obra escrava africana foi preponderante aolongo do período colonial, e sua abolição formal somente se deu no ocasodo regime monárquico, em fins do século XIX.59- Infere-se do texto que a Lei Áurea, por si só, não representou respostaao desafio de incorporar à cidadania brasileira o expressivo contingente delibertos africanos e afrodescendentes.60- Na atualidade, a adoção das chamadas políticas afirmativas em relaçãoaos negros brasileiros, ainda que não aceita consensualmente, busca seruma tentativa de reparação da histórica exclusão de que esse segmento foivítima.61- Pelo destaque dado no texto à preponderância portuguesa na formaçãoétnico-cultural brasileira, conclui-se que o autor desconsidera o fato de oidioma falado no país resultar de influências maiores dos indígenas e dosafricanos.

×