SlideShare uma empresa Scribd logo
Arthur 
Schopenhauer 
o filósofo do pessimismo e 
da música
1788, Danzig 
-Família rica: pai banqueiro. 
-1800 (12 anos): viagem para 
Holanda, Inglaterra, França, 
Áustria, Polônia e Suíça. 
-1809: ingressa na faculdade de 
Filosofia (com ênfase em 
Medicina). 
-1820: professor substituto na 
Universidade de Berlim. 
-1821: conflito com a pensão 
-1833: vai morar em Frankfurt 
-1860: falece na mesma cidade
2 ano
2 ano
2 ano
2 ano
É esse o mundo 
que dizem ter sido 
criado por um 
Deus? Não, deve 
ter sido por um 
demônio!
2 ano
Arthur 
Schopenhauer 
o filósofo do pessimismo e 
da música
2 ano
2 ano
Viver é sofrer.
O dinheiro é uma 
felicidade humana 
abstrata; por isso 
aquele que já não é 
capaz de apreciar a 
verdadeira felicidade 
humana, dedica-se 
inteiramente à ele.
Filosofia da música
A VIDA É UMA TRAGÉDIA 
Pessoal, familiar, conjugal, social, etc 
Prazer libidinoso: bebida, drogas, sexo, dinheiro, etc 
Prazer sublimado: estudo, trabalho, etc 
Prazer desinteressado: artes (música*) 
FORMAS DE FUGIR DA REALIDADE
A música expressa 
a mais alta filosofia 
num nível que a razão 
não compreende.
SCHUBERT CHOPIN TCHAIKÓVSKY 
BEETHOVEN RICHARD WAGNER
2 ano
CLASSICISMO ROMANTISMO 
-Objetividade 
-Padronizado 
-Formalidade 
-Subjetividade 
-Extraordinário 
-Informalidade 
Aqueles que ouvem a música de Beethoven passam a 
identificar-se pessoalmente com a música, chegando a 
reconhecer até mesmo que nas angústias, infelicidades e 
também nos infortúnios da vida pode através do encanto da 
arte ocorrer um sentimento profundo que aliviará as dores 
que atingem o homem.
2 ano
2 ano
"Que se gaste tempo e dinheiro, 
antes, indo a óperas e concertos. 
É sem dúvida incomparavelmente 
mais nobre proveitoso quando quatro 
pessoas se sentam para audição de um 
quarteto do que quando se sentam para 
uma partida de baralho.“
2 ano
A sabedoria oriental
2 ano
Tu deves atingir o nirvana, ou seja, 
um estado no qual não existem quatro coisas, a saber, 
nascimento, velhice, doença e morte 
As pessoas comuns pensam apenas como 
passar o tempo. Uma pessoa inteligente 
tenta USAR utilmente o tempo. 
A vida nada mais é do que a morte sendo 
evitada e adiada.
RAZÃO 
CORAÇÃO
2 ano
Karl Marx 
e o materialismo-histórico
Os filósofos limitaram-se a 
interpretar o mundo. Trata-se 
agora de TRANSFORMÁ-LO!
Hegel
ANTIGA 
MÉDIA 
MODERNA 
CONTEMPORÂNEA
H I S T Ó R I A 
TEM UM FIM: ESTABELECIMENTO DO 
ESTADO (manifestação do Espírito) 
REVOLUÇÕES/GUERRAS? 
- São perfeitamente justificadas e necessárias para o 
advento do Espírito/Razão (espírito europeu).
2 ano
2 ano
2 ano
O ESTADO NÃO É 
A RAZÃO!
SUPERESTRUTURA 
(Política, cultura, educação, mídia, 
filosofia, religião...) 
INFRAESTRUTURA 
(Economia)
SOCIEDADE 
IDEIAS 
COSTUMES 
RELIGIÃO 
EDUCAÇÃO 
SUPERESTRUTURA 
INFRAESTRUTURA 
(CAPITALISMO) 
POLÍTICA 
DIREITO 
MODA
Não são as espécies mais 
fortes que sobrevivem nem as 
mais inteligentes, e sim as mais 
suscetíveis a mudanças. 
INFLUÊNCIA DO MEIO 
ALIENAÇÃO 
A religião é o ópio do povo!
A religião é a realização 
fantástica da essência humana, 
porque a essência humana não 
possui uma realidade verdadeira. 
(...) A miséria religiosa constitui 
ao mesmo tempo a expressão da 
miséria real e o protesto contra a 
miséria real. A religião é o 
suspiro da criatura oprimida, o 
ânimo de um mundo sem 
coração, assim como o espírito de 
estados de coisas embrutecidos. 
Ela é o ópio do povo!
2 ano
2 ano
2 ano
2 ano
2 ano
2 ano
2 ano
2 ano
REVOLUÇÃO!!! 
SUPERESTRUTURA 
(Cultura, educação, mídia, filosofia, 
religião...) 
INFRAESTRUTURA 
(CAPITALISMO) 
SUPERESTRUTURA 
(Política, cultura, educação, mídia, filosofia,...) 
INFRAESTRUTURA 
(COMUNISMO)
2 ano
2 ano
2 ano
HEGEL MARX 
-O ESTADO É A RAZÃO 
-REVOLUÇÕES: DEVEM ACONTECER 
PARA SURGIR OU FORTALECER O 
ESTADO 
-POLÍTICA + FILOSOFIA + DIREITO + 
RELIGIÃO = A SERVIÇO DO ESTADO 
-A CLASSE TRABALHADORA É A RAZÃO 
-REVOLUÇÕES: DEVEM ACONTECER PARA 
DESAPARECER O ESTADO 
-POLÍTICA + FILOSOFIA + DIREITO + 
RELIGIÃO = DEVEM SER NULIFICADAS
2 ano
2 ano
2 ano
2 ano
O Existencialismo
2 ano
2 ano
2 ano
2 ano
IDADE ANTIGA IDADE MÉDIA 
IDADE MODERNA 
IDADE CONTEMPORÂNEA
2 ano
• Qual o sentido da existência? 
A EXISTÊNCIA HUMANA 
DEVE SER REPENSADA... 
• O homem está vivo para ser livre, 
para realizar suas potencialidades? 
• Por que o homem está no mundo? 
Para quê?
ESSÊNCIA 
EXISTÊNCIA > ESSÊNCIA 
ESSÊNCIA E EXISTÊNCIA 
AQUILO QUE É AQUILO QUE PODE SER
O ser 
humano é 
condenado 
a ser livre!
Soren 
Kierkegaard 
(1813-1855)
Kierkegaard
2 ano
2 ano
- Educação severa 
- Noivado desfeito 
- Conflito com a Igreja Luterana
2 ano
2 ano
2 ano
2 ano
2 ano
A fé não está ligada ao vínculo 
com instituições (Igrejas), mas 
sim, à vivência da mesma! 
A fé só é verdadeira quando 
desdobrada na EXISTÊNCIA!
A vida humana 
possui 3 graus 
de existência
GRAU ESTÉTICO 
GRAU ÉTICO 
GRAU RELIGIOSO
GRAU ESTÉTICO
2 ano
2 ano
2 ano
2 ano
2 ano
Não faço a mínima ideia sobre o 
que é essa vida e qual o sentido 
dela. Portanto, vou é curti-la já que 
não consigo entendê-la.
É O GRAU ONDE A VIDA É GUIADA 
PELO PRAZER E PELAS SENSAÇÕES. 
LOGO, NÃO EXISTEM CONDIÇÕES 
PARA SE PENSAR ‘SOBRE’ A VIDA. 
GRAU ESTÉTICO
GRAU ÉTICO
2 ano
2 ano
2 ano
2 ano
2 ano
GRAU 
RELIGIOSO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução à fenomenologia
Introdução à fenomenologiaIntrodução à fenomenologia
Introdução à fenomenologia
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Trabalho final -RP - Sindicalismo
Trabalho final -RP - SindicalismoTrabalho final -RP - Sindicalismo
Trabalho final -RP - Sindicalismo
Samara Brochado
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
Portal do Vestibulando
 
Shopenhauer
ShopenhauerShopenhauer
01 historia do trabalho
01 historia do trabalho01 historia do trabalho
01 historia do trabalho
Vânia Franco
 
A história do sindicalismo no brasil
A história do sindicalismo no brasilA história do sindicalismo no brasil
A história do sindicalismo no brasil
Vinícius Soares
 
Lógica aristotélica
Lógica aristotélicaLógica aristotélica
Lógica aristotélica
Iarley Brito
 
CORRENTES SOCIOLÓGICAS - RESUMO EM FORMA DE TÓPICOS
CORRENTES SOCIOLÓGICAS - RESUMO EM FORMA DE TÓPICOSCORRENTES SOCIOLÓGICAS - RESUMO EM FORMA DE TÓPICOS
CORRENTES SOCIOLÓGICAS - RESUMO EM FORMA DE TÓPICOS
Paula Meyer Piagentini
 
Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho
Jeane Santos
 
Reestruturação Produtiva - Brasil
Reestruturação Produtiva - BrasilReestruturação Produtiva - Brasil
Reestruturação Produtiva - Brasil
Educação
 
Sociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambienteSociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambiente
EEBMiguelCouto
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
Daniel Alves Bronstrup
 
Pos medio 2 (1)
Pos medio 2 (1)Pos medio 2 (1)
Pos medio 2 (1)
LILIANE OLIVEIRA
 
Hannah arendt
Hannah arendtHannah arendt
Hannah arendt
Felipe M
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
cattonia
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
Alan
 
Trabalho consumo e sociedade
Trabalho consumo e sociedadeTrabalho consumo e sociedade
Trabalho consumo e sociedade
Prof. Francesco Torres
 
Cotas raciais
Cotas raciaisCotas raciais
Cotas raciais
Patrícia Griep
 
Neoliberalismo
NeoliberalismoNeoliberalismo
Neoliberalismo
Edenilson Morais
 
Kierkegaard e o existencialismo
Kierkegaard e o existencialismoKierkegaard e o existencialismo
Kierkegaard e o existencialismo
Bruno Carrasco
 

Mais procurados (20)

Introdução à fenomenologia
Introdução à fenomenologiaIntrodução à fenomenologia
Introdução à fenomenologia
 
Trabalho final -RP - Sindicalismo
Trabalho final -RP - SindicalismoTrabalho final -RP - Sindicalismo
Trabalho final -RP - Sindicalismo
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
 
Shopenhauer
ShopenhauerShopenhauer
Shopenhauer
 
01 historia do trabalho
01 historia do trabalho01 historia do trabalho
01 historia do trabalho
 
A história do sindicalismo no brasil
A história do sindicalismo no brasilA história do sindicalismo no brasil
A história do sindicalismo no brasil
 
Lógica aristotélica
Lógica aristotélicaLógica aristotélica
Lógica aristotélica
 
CORRENTES SOCIOLÓGICAS - RESUMO EM FORMA DE TÓPICOS
CORRENTES SOCIOLÓGICAS - RESUMO EM FORMA DE TÓPICOSCORRENTES SOCIOLÓGICAS - RESUMO EM FORMA DE TÓPICOS
CORRENTES SOCIOLÓGICAS - RESUMO EM FORMA DE TÓPICOS
 
Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho
 
Reestruturação Produtiva - Brasil
Reestruturação Produtiva - BrasilReestruturação Produtiva - Brasil
Reestruturação Produtiva - Brasil
 
Sociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambienteSociologia e meio ambiente
Sociologia e meio ambiente
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
 
Pos medio 2 (1)
Pos medio 2 (1)Pos medio 2 (1)
Pos medio 2 (1)
 
Hannah arendt
Hannah arendtHannah arendt
Hannah arendt
 
Liberalismo
LiberalismoLiberalismo
Liberalismo
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
 
Trabalho consumo e sociedade
Trabalho consumo e sociedadeTrabalho consumo e sociedade
Trabalho consumo e sociedade
 
Cotas raciais
Cotas raciaisCotas raciais
Cotas raciais
 
Neoliberalismo
NeoliberalismoNeoliberalismo
Neoliberalismo
 
Kierkegaard e o existencialismo
Kierkegaard e o existencialismoKierkegaard e o existencialismo
Kierkegaard e o existencialismo
 

Destaque

A Filosofia da Arte em Schopenhauer e Nietzsche
A Filosofia da Arte em Schopenhauer e NietzscheA Filosofia da Arte em Schopenhauer e Nietzsche
A Filosofia da Arte em Schopenhauer e Nietzsche
Marcos Ramon
 
Cade 160113
Cade 160113Cade 160113
Cade 160113
Guilherme Marthe
 
Privatizações em Portugal e em Angola, prof. doutor Rui Teixeira Santos (ISG,...
Privatizações em Portugal e em Angola, prof. doutor Rui Teixeira Santos (ISG,...Privatizações em Portugal e em Angola, prof. doutor Rui Teixeira Santos (ISG,...
Privatizações em Portugal e em Angola, prof. doutor Rui Teixeira Santos (ISG,...
A. Rui Teixeira Santos
 
Infrações E Crimes Contra A Ordem Econômica
Infrações E Crimes Contra A Ordem EconômicaInfrações E Crimes Contra A Ordem Econômica
Infrações E Crimes Contra A Ordem Econômica
Géssica Branco
 
Privatização no Brasil
Privatização no BrasilPrivatização no Brasil
Privatização no Brasil
Jailson Lima
 
CONSTITUCIONAL AULA 001 GPS
CONSTITUCIONAL AULA 001 GPSCONSTITUCIONAL AULA 001 GPS
CONSTITUCIONAL AULA 001 GPS
Fabrício Carlos Zanin
 
Privatização Brasil
Privatização BrasilPrivatização Brasil
Privatização Brasil
Antonio Carlos da Silva
 
Redemocratização: esperanças e decepções...
Redemocratização: esperanças e decepções...Redemocratização: esperanças e decepções...
Redemocratização: esperanças e decepções...
Glasiely Virgílio Silva
 
Slide sobre OMC: Direito economico
Slide sobre OMC: Direito economicoSlide sobre OMC: Direito economico
Slide sobre OMC: Direito economico
PriscillaCristinaSousa
 
Aula Mestrado PPGC/UFPB walter benjamin - 29 abril 2014 - Claudio C Paiva
Aula Mestrado PPGC/UFPB   walter benjamin - 29 abril 2014 - Claudio C PaivaAula Mestrado PPGC/UFPB   walter benjamin - 29 abril 2014 - Claudio C Paiva
Aula Mestrado PPGC/UFPB walter benjamin - 29 abril 2014 - Claudio C Paiva
claudiocpaiva
 
O Flâneur, a cidade e a vida pública virtual- Mike Featherstone
 O Flâneur, a cidade e a vida pública virtual- Mike Featherstone O Flâneur, a cidade e a vida pública virtual- Mike Featherstone
O Flâneur, a cidade e a vida pública virtual- Mike Featherstone
LenaTarozzo
 
Maquinas de vigiar
Maquinas de vigiarMaquinas de vigiar
Maquinas de vigiar
agenciadacuca
 
Slides lira
Slides liraSlides lira
Slides lira
carolinaladeira
 
Relatório emile durkheim
Relatório emile durkheimRelatório emile durkheim
Relatório emile durkheim
Victor Said
 
The stranger in ethnolinguistic
The stranger in ethnolinguisticThe stranger in ethnolinguistic
The stranger in ethnolinguistic
Zakie Asidiky
 
Duas décadas de mudanças e permanências
Duas décadas de mudanças e permanênciasDuas décadas de mudanças e permanências
Duas décadas de mudanças e permanências
Glasiely Virgílio Silva
 
Suicidio Émile Durkheim
Suicidio Émile DurkheimSuicidio Émile Durkheim
Suicidio Émile Durkheim
Esther Macêdo
 
Organização mundial do comércio
Organização mundial do comércioOrganização mundial do comércio
Organização mundial do comércio
Rayla Pereira
 
Simmel, Kracauer And Benjamin
Simmel, Kracauer And BenjaminSimmel, Kracauer And Benjamin
Simmel, Kracauer And Benjamin
stoton
 
O flâneur, a cidade e a vida
O flâneur, a cidade e a vidaO flâneur, a cidade e a vida
O flâneur, a cidade e a vida
agenciadacuca
 

Destaque (20)

A Filosofia da Arte em Schopenhauer e Nietzsche
A Filosofia da Arte em Schopenhauer e NietzscheA Filosofia da Arte em Schopenhauer e Nietzsche
A Filosofia da Arte em Schopenhauer e Nietzsche
 
Cade 160113
Cade 160113Cade 160113
Cade 160113
 
Privatizações em Portugal e em Angola, prof. doutor Rui Teixeira Santos (ISG,...
Privatizações em Portugal e em Angola, prof. doutor Rui Teixeira Santos (ISG,...Privatizações em Portugal e em Angola, prof. doutor Rui Teixeira Santos (ISG,...
Privatizações em Portugal e em Angola, prof. doutor Rui Teixeira Santos (ISG,...
 
Infrações E Crimes Contra A Ordem Econômica
Infrações E Crimes Contra A Ordem EconômicaInfrações E Crimes Contra A Ordem Econômica
Infrações E Crimes Contra A Ordem Econômica
 
Privatização no Brasil
Privatização no BrasilPrivatização no Brasil
Privatização no Brasil
 
CONSTITUCIONAL AULA 001 GPS
CONSTITUCIONAL AULA 001 GPSCONSTITUCIONAL AULA 001 GPS
CONSTITUCIONAL AULA 001 GPS
 
Privatização Brasil
Privatização BrasilPrivatização Brasil
Privatização Brasil
 
Redemocratização: esperanças e decepções...
Redemocratização: esperanças e decepções...Redemocratização: esperanças e decepções...
Redemocratização: esperanças e decepções...
 
Slide sobre OMC: Direito economico
Slide sobre OMC: Direito economicoSlide sobre OMC: Direito economico
Slide sobre OMC: Direito economico
 
Aula Mestrado PPGC/UFPB walter benjamin - 29 abril 2014 - Claudio C Paiva
Aula Mestrado PPGC/UFPB   walter benjamin - 29 abril 2014 - Claudio C PaivaAula Mestrado PPGC/UFPB   walter benjamin - 29 abril 2014 - Claudio C Paiva
Aula Mestrado PPGC/UFPB walter benjamin - 29 abril 2014 - Claudio C Paiva
 
O Flâneur, a cidade e a vida pública virtual- Mike Featherstone
 O Flâneur, a cidade e a vida pública virtual- Mike Featherstone O Flâneur, a cidade e a vida pública virtual- Mike Featherstone
O Flâneur, a cidade e a vida pública virtual- Mike Featherstone
 
Maquinas de vigiar
Maquinas de vigiarMaquinas de vigiar
Maquinas de vigiar
 
Slides lira
Slides liraSlides lira
Slides lira
 
Relatório emile durkheim
Relatório emile durkheimRelatório emile durkheim
Relatório emile durkheim
 
The stranger in ethnolinguistic
The stranger in ethnolinguisticThe stranger in ethnolinguistic
The stranger in ethnolinguistic
 
Duas décadas de mudanças e permanências
Duas décadas de mudanças e permanênciasDuas décadas de mudanças e permanências
Duas décadas de mudanças e permanências
 
Suicidio Émile Durkheim
Suicidio Émile DurkheimSuicidio Émile Durkheim
Suicidio Émile Durkheim
 
Organização mundial do comércio
Organização mundial do comércioOrganização mundial do comércio
Organização mundial do comércio
 
Simmel, Kracauer And Benjamin
Simmel, Kracauer And BenjaminSimmel, Kracauer And Benjamin
Simmel, Kracauer And Benjamin
 
O flâneur, a cidade e a vida
O flâneur, a cidade e a vidaO flâneur, a cidade e a vida
O flâneur, a cidade e a vida
 

Semelhante a 2 ano

2 ano
2 ano2 ano
Marxismo
MarxismoMarxismo
Marxismo
Victor França
 
antropologia filosofica a origem do homem
 antropologia filosofica  a origem do homem antropologia filosofica  a origem do homem
antropologia filosofica a origem do homem
paraiba1974
 
Frases de Pensadores
Frases de PensadoresFrases de Pensadores
Frases de Pensadores
Italo Colares
 
Cap 21 religião, mitos e magia
Cap 21 religião, mitos e magiaCap 21 religião, mitos e magia
Cap 21 religião, mitos e magia
Joao Balbi
 
Cap 21 religião, mitos e magias
Cap 21 religião, mitos e magiasCap 21 religião, mitos e magias
Cap 21 religião, mitos e magias
Joao Balbi
 
Hegel
HegelHegel
Literatura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismoLiteratura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismo
blogdofernando
 
Roteiro 1 contexto hist. século xix - europa - 1ª parte
Roteiro 1   contexto hist. século xix - europa - 1ª parteRoteiro 1   contexto hist. século xix - europa - 1ª parte
Roteiro 1 contexto hist. século xix - europa - 1ª parte
Bruno Cechinel Filho
 
Simbolismo/Decadentismo
Simbolismo/DecadentismoSimbolismo/Decadentismo
Simbolismo/Decadentismo
Daniele dos Santos Souza Onodera
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Fabiana Tonsis
 
Palestra Filantropica 2010
Palestra Filantropica 2010Palestra Filantropica 2010
Palestra Filantropica 2010
Instituto Espírita de Educação
 
Palestrafilantropica2010 100329170524-phpapp02
Palestrafilantropica2010 100329170524-phpapp02Palestrafilantropica2010 100329170524-phpapp02
Palestrafilantropica2010 100329170524-phpapp02
Alberto Barth
 
Noosfera final
Noosfera finalNoosfera final
Noosfera final
jmeirelles
 
Noosfera final
Noosfera finalNoosfera final
Noosfera final
jmeirelles
 
Noosfera final
Noosfera finalNoosfera final
Noosfera final
jmeirelles
 
Noosfera
NoosferaNoosfera
Noosfera
jmeirelles
 
Natureza Humana Hobbes E Rousseau
Natureza Humana   Hobbes E RousseauNatureza Humana   Hobbes E Rousseau
Natureza Humana Hobbes E Rousseau
bianca.carneiro
 
Filosofia Helenistica.pptx
Filosofia Helenistica.pptxFilosofia Helenistica.pptx
Filosofia Helenistica.pptx
RivelinoMiranda1
 
Existencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger pdf
Existencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger   pdfExistencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger   pdf
Existencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger pdf
firminomaissociologiafilosofia2019
 

Semelhante a 2 ano (20)

2 ano
2 ano2 ano
2 ano
 
Marxismo
MarxismoMarxismo
Marxismo
 
antropologia filosofica a origem do homem
 antropologia filosofica  a origem do homem antropologia filosofica  a origem do homem
antropologia filosofica a origem do homem
 
Frases de Pensadores
Frases de PensadoresFrases de Pensadores
Frases de Pensadores
 
Cap 21 religião, mitos e magia
Cap 21 religião, mitos e magiaCap 21 religião, mitos e magia
Cap 21 religião, mitos e magia
 
Cap 21 religião, mitos e magias
Cap 21 religião, mitos e magiasCap 21 religião, mitos e magias
Cap 21 religião, mitos e magias
 
Hegel
HegelHegel
Hegel
 
Literatura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismoLiteratura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismo
 
Roteiro 1 contexto hist. século xix - europa - 1ª parte
Roteiro 1   contexto hist. século xix - europa - 1ª parteRoteiro 1   contexto hist. século xix - europa - 1ª parte
Roteiro 1 contexto hist. século xix - europa - 1ª parte
 
Simbolismo/Decadentismo
Simbolismo/DecadentismoSimbolismo/Decadentismo
Simbolismo/Decadentismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Palestra Filantropica 2010
Palestra Filantropica 2010Palestra Filantropica 2010
Palestra Filantropica 2010
 
Palestrafilantropica2010 100329170524-phpapp02
Palestrafilantropica2010 100329170524-phpapp02Palestrafilantropica2010 100329170524-phpapp02
Palestrafilantropica2010 100329170524-phpapp02
 
Noosfera final
Noosfera finalNoosfera final
Noosfera final
 
Noosfera final
Noosfera finalNoosfera final
Noosfera final
 
Noosfera final
Noosfera finalNoosfera final
Noosfera final
 
Noosfera
NoosferaNoosfera
Noosfera
 
Natureza Humana Hobbes E Rousseau
Natureza Humana   Hobbes E RousseauNatureza Humana   Hobbes E Rousseau
Natureza Humana Hobbes E Rousseau
 
Filosofia Helenistica.pptx
Filosofia Helenistica.pptxFilosofia Helenistica.pptx
Filosofia Helenistica.pptx
 
Existencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger pdf
Existencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger   pdfExistencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger   pdf
Existencialismo schopenhauer kierkegaard nietsche husserl heidegger pdf
 

Mais de Victor França

éTica a nicomaco
éTica a nicomacoéTica a nicomaco
éTica a nicomaco
Victor França
 
3 ano
3 ano3 ano
1 ano
1 ano1 ano
FILOSOFIA DE KANT
FILOSOFIA DE KANTFILOSOFIA DE KANT
FILOSOFIA DE KANT
Victor França
 
POS MODERNIDADE
POS MODERNIDADEPOS MODERNIDADE
POS MODERNIDADE
Victor França
 
PLATÃO
PLATÃOPLATÃO
Aula estética
Aula   estéticaAula   estética
Aula estética
Victor França
 
Platãoo
PlatãooPlatãoo
Platãoo
Victor França
 
2 ano
2 ano2 ano
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
Victor França
 
Bacon e locke
Bacon e lockeBacon e locke
Bacon e locke
Victor França
 
Texto empirismo
Texto   empirismoTexto   empirismo
Texto empirismo
Victor França
 
1 ano
1 ano1 ano
Newton
NewtonNewton
Slides 1 ano
Slides   1 anoSlides   1 ano
Slides 1 ano
Victor França
 
Slides 3 ano
Slides   3 anoSlides   3 ano
Slides 3 ano
Victor França
 
1 ano
1 ano1 ano
Slides 2 ano
Slides   2 anoSlides   2 ano
Slides 2 ano
Victor França
 
3 ano
3 ano3 ano
2 ano
2 ano2 ano

Mais de Victor França (20)

éTica a nicomaco
éTica a nicomacoéTica a nicomaco
éTica a nicomaco
 
3 ano
3 ano3 ano
3 ano
 
1 ano
1 ano1 ano
1 ano
 
FILOSOFIA DE KANT
FILOSOFIA DE KANTFILOSOFIA DE KANT
FILOSOFIA DE KANT
 
POS MODERNIDADE
POS MODERNIDADEPOS MODERNIDADE
POS MODERNIDADE
 
PLATÃO
PLATÃOPLATÃO
PLATÃO
 
Aula estética
Aula   estéticaAula   estética
Aula estética
 
Platãoo
PlatãooPlatãoo
Platãoo
 
2 ano
2 ano2 ano
2 ano
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
 
Bacon e locke
Bacon e lockeBacon e locke
Bacon e locke
 
Texto empirismo
Texto   empirismoTexto   empirismo
Texto empirismo
 
1 ano
1 ano1 ano
1 ano
 
Newton
NewtonNewton
Newton
 
Slides 1 ano
Slides   1 anoSlides   1 ano
Slides 1 ano
 
Slides 3 ano
Slides   3 anoSlides   3 ano
Slides 3 ano
 
1 ano
1 ano1 ano
1 ano
 
Slides 2 ano
Slides   2 anoSlides   2 ano
Slides 2 ano
 
3 ano
3 ano3 ano
3 ano
 
2 ano
2 ano2 ano
2 ano
 

Último

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 

Último (20)

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 

2 ano

  • 1. Arthur Schopenhauer o filósofo do pessimismo e da música
  • 2. 1788, Danzig -Família rica: pai banqueiro. -1800 (12 anos): viagem para Holanda, Inglaterra, França, Áustria, Polônia e Suíça. -1809: ingressa na faculdade de Filosofia (com ênfase em Medicina). -1820: professor substituto na Universidade de Berlim. -1821: conflito com a pensão -1833: vai morar em Frankfurt -1860: falece na mesma cidade
  • 7. É esse o mundo que dizem ter sido criado por um Deus? Não, deve ter sido por um demônio!
  • 9. Arthur Schopenhauer o filósofo do pessimismo e da música
  • 13. O dinheiro é uma felicidade humana abstrata; por isso aquele que já não é capaz de apreciar a verdadeira felicidade humana, dedica-se inteiramente à ele.
  • 15. A VIDA É UMA TRAGÉDIA Pessoal, familiar, conjugal, social, etc Prazer libidinoso: bebida, drogas, sexo, dinheiro, etc Prazer sublimado: estudo, trabalho, etc Prazer desinteressado: artes (música*) FORMAS DE FUGIR DA REALIDADE
  • 16. A música expressa a mais alta filosofia num nível que a razão não compreende.
  • 17. SCHUBERT CHOPIN TCHAIKÓVSKY BEETHOVEN RICHARD WAGNER
  • 19. CLASSICISMO ROMANTISMO -Objetividade -Padronizado -Formalidade -Subjetividade -Extraordinário -Informalidade Aqueles que ouvem a música de Beethoven passam a identificar-se pessoalmente com a música, chegando a reconhecer até mesmo que nas angústias, infelicidades e também nos infortúnios da vida pode através do encanto da arte ocorrer um sentimento profundo que aliviará as dores que atingem o homem.
  • 22. "Que se gaste tempo e dinheiro, antes, indo a óperas e concertos. É sem dúvida incomparavelmente mais nobre proveitoso quando quatro pessoas se sentam para audição de um quarteto do que quando se sentam para uma partida de baralho.“
  • 26. Tu deves atingir o nirvana, ou seja, um estado no qual não existem quatro coisas, a saber, nascimento, velhice, doença e morte As pessoas comuns pensam apenas como passar o tempo. Uma pessoa inteligente tenta USAR utilmente o tempo. A vida nada mais é do que a morte sendo evitada e adiada.
  • 29. Karl Marx e o materialismo-histórico
  • 30. Os filósofos limitaram-se a interpretar o mundo. Trata-se agora de TRANSFORMÁ-LO!
  • 31. Hegel
  • 32. ANTIGA MÉDIA MODERNA CONTEMPORÂNEA
  • 33. H I S T Ó R I A TEM UM FIM: ESTABELECIMENTO DO ESTADO (manifestação do Espírito) REVOLUÇÕES/GUERRAS? - São perfeitamente justificadas e necessárias para o advento do Espírito/Razão (espírito europeu).
  • 37. O ESTADO NÃO É A RAZÃO!
  • 38. SUPERESTRUTURA (Política, cultura, educação, mídia, filosofia, religião...) INFRAESTRUTURA (Economia)
  • 39. SOCIEDADE IDEIAS COSTUMES RELIGIÃO EDUCAÇÃO SUPERESTRUTURA INFRAESTRUTURA (CAPITALISMO) POLÍTICA DIREITO MODA
  • 40. Não são as espécies mais fortes que sobrevivem nem as mais inteligentes, e sim as mais suscetíveis a mudanças. INFLUÊNCIA DO MEIO ALIENAÇÃO A religião é o ópio do povo!
  • 41. A religião é a realização fantástica da essência humana, porque a essência humana não possui uma realidade verdadeira. (...) A miséria religiosa constitui ao mesmo tempo a expressão da miséria real e o protesto contra a miséria real. A religião é o suspiro da criatura oprimida, o ânimo de um mundo sem coração, assim como o espírito de estados de coisas embrutecidos. Ela é o ópio do povo!
  • 50. REVOLUÇÃO!!! SUPERESTRUTURA (Cultura, educação, mídia, filosofia, religião...) INFRAESTRUTURA (CAPITALISMO) SUPERESTRUTURA (Política, cultura, educação, mídia, filosofia,...) INFRAESTRUTURA (COMUNISMO)
  • 54. HEGEL MARX -O ESTADO É A RAZÃO -REVOLUÇÕES: DEVEM ACONTECER PARA SURGIR OU FORTALECER O ESTADO -POLÍTICA + FILOSOFIA + DIREITO + RELIGIÃO = A SERVIÇO DO ESTADO -A CLASSE TRABALHADORA É A RAZÃO -REVOLUÇÕES: DEVEM ACONTECER PARA DESAPARECER O ESTADO -POLÍTICA + FILOSOFIA + DIREITO + RELIGIÃO = DEVEM SER NULIFICADAS
  • 64. IDADE ANTIGA IDADE MÉDIA IDADE MODERNA IDADE CONTEMPORÂNEA
  • 66. • Qual o sentido da existência? A EXISTÊNCIA HUMANA DEVE SER REPENSADA... • O homem está vivo para ser livre, para realizar suas potencialidades? • Por que o homem está no mundo? Para quê?
  • 67. ESSÊNCIA EXISTÊNCIA > ESSÊNCIA ESSÊNCIA E EXISTÊNCIA AQUILO QUE É AQUILO QUE PODE SER
  • 68. O ser humano é condenado a ser livre!
  • 73. - Educação severa - Noivado desfeito - Conflito com a Igreja Luterana
  • 79. A fé não está ligada ao vínculo com instituições (Igrejas), mas sim, à vivência da mesma! A fé só é verdadeira quando desdobrada na EXISTÊNCIA!
  • 80. A vida humana possui 3 graus de existência
  • 81. GRAU ESTÉTICO GRAU ÉTICO GRAU RELIGIOSO
  • 88. Não faço a mínima ideia sobre o que é essa vida e qual o sentido dela. Portanto, vou é curti-la já que não consigo entendê-la.
  • 89. É O GRAU ONDE A VIDA É GUIADA PELO PRAZER E PELAS SENSAÇÕES. LOGO, NÃO EXISTEM CONDIÇÕES PARA SE PENSAR ‘SOBRE’ A VIDA. GRAU ESTÉTICO