SlideShare uma empresa Scribd logo
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL
Assistência Social
• Garantia dos direitos
• Inclusão social
• Desenvolvimento do protagonismo
• Desenvolvimento da autonomia
individual e coletiva
Ações
Socioeducativas
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
socioeducativo
Pressupõem a interação
entre sujeitos e o meio
(conjuntura econômica,
cultural, social e histórica)
Pressupõem um processo que
possibilita ao sujeito se perceber
como ser humano com
potencialidades e possibilidades
de desenvolvê-las mediante
apropropriação de informações e
conhecimentos para intervenção
na realidade (ação pró-ativa)
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Q
U
A
L
I
F
I
C
A
D
O
R
designa um campo de
aprendizagens,
voltadas a assegurar
proteção social e
oportunizar o
desenvolvimento de
interesses e talentos
múltiplos
Termo
“socioeducativo”
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Campo privilegiado para o
trabalho de valores éticos e
políticos
Finalidade das Ações
Socioeducativas
convivência sociabilidade
participação
defesa e afirmação de
direitos, com vistas à
emancipação, autonomia
e cidadania
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
As ações socioeducativas não têm
objetos de conhecimento pré-
definidos. Elas são construídas a a
partir das especificidades dos sujeitos
envolvidos e da sua realidade sócio-
histórica
É um modelo aberto de
planejamento, baseado nas
escolhas e necessidades
DIRETRIZES
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
É imperioso que se
considere as peculiaridades
da realidade local, os
aspectos culturais, os
sujeitos – suas
peculiaridades e
especificidades
raça/etnia
mulheres
crianças
idosos
área
urbana
área rural
pessoas
com
deficiência
povos e
com.
tradicionais
orientação
sexual
pauta inicial de
aprendizagem
arranjo
familiar
rede de
serviços
públicos
descumprimento
de
condicionalidades
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
As ações socioeducativas
devem viabilizar o acesso
à atividades que
promovam: • Desenvolvimento de relações de afetividade;
• Reparação de danos decorrentes de estigmas,
discriminações e situações de violência;
• Convívio em grupo (sociabilidade);
• Acesso à conhecimentos;
• Experimentação e meios que favoreçam a
autonomia;
• Estimulem o senso de responsabilidade e de
coletividade;
• Desenvolvam a participação na vida familiar e
comunitária no território.
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
As ações socioeducativas
devem possibilitar:
•Aquisição de conhecimentos e habilidades que
facilitem o ingresso e/ou reinserção no mundo do
trabalho;
•Atividades individuais e coletivas de geração de
renda (para algumas faixas etárias);
•Ampliação de trocas culturais;
•Convívio intergeracional;
•Estabelecimento e fortalecimento de vínculos
familiares e comunitários
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Superação da situação de vulnerabilidade
Acesso e usufruto dos direitos humanos
Melhoria da qualidade de vida
Busca do desenvolvimento sustentável
As ações socioeducativas
têm como escopo:
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Ações
Socioeducativas
da Assistência
Social
Educação
Cultura
Trabalho
Justiça
Segurança
Alimentar
Saúde
A
R
T
I
C
U
L
A
Ç
Õ
E
S
I
N
T
E
R
S
E
T
O
R
I
A
I
S
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
estímulo à ação coletiva na definição de
estratégias que garantam perspectivas de
melhoria da qualidade de vida
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
ações socioeducativas
ciclo de vida contigências
apoio à família e
indivíduos no
enfrentamento
das
vulnerabilidades
decorrentes do
ciclo de vida
apoio à família e
indivíduos no
enfrentamento
das
vulnerabilidades
decorrentes de
limitações
vivenciadas por
algum de seus
membros
pobreza
apoio à família e
indivíduos no
enfrentamento
das
vulnerabilidades
decorrentes de
situações de
pobreza
apoio à família e
indivíduos no
enfrentamento
das
vulnerabilidades
decorrentes de
situações de
risco pessoal e
social
decorrente da
violação de
direitos
violação de
direitos
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
CRAS
REDE SOCIOASSISTENCIAL
acompanhamento
familiar PAIF
ciclo de vida
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Crianças de até 6 anos
Crianças e adolescentes de 6 a 14 anos
Jovens de 15 a 17 anos
Jovens de 18 a 29 anos
Pessoas Idosas
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida
Crianças de até 6 anos
Principal característica: forte dependência, em especial a faixa etária de até 3 anos
Preocupações: atenção especial à família
prioridade para a inserção na educação infantil
Ações:
Ações socioeducativas às crianças de até 6 anos
Grupo de famílias para o cuidado adequado à criança pequena
Grupo de pais e mães para o fortalecimento dos vínculos
Ações com famílias com crianças com deficiência
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida
Crianças de até 6 anos
Ações Socioeducativas às crianças de até 6 anos
Atividades de convívio, lazer e brincadeiras no CRAS e nos serviços da rede
socioassistencial, durante e, concomitantemente, ao trabalho que se desenvolve
com as famílias (complementar ao trabalho com famílias).
Ações Socioeducativas com famílias para o cuidado adequado à criança pequena
Atividades com foco no fortalecimento dos vínculos afetivos e a melhoria da
qualidade dos cuidados oferecidos à criança pequena no contexto familiar, voltadas
aos membros da família que convivem e cuidam da criança.
Ações Socioeducativas com pais e mães para o fortalecimento dos vínculos
Atividades com foco na prevenção de rupturas de vínculos familiares ainda na
gestação e primeira infância. O acompanhamento neste momento do ciclo de vida
familiar pode favorecer a vinculação afetiva da família com o bebê, bem como
identificar precocemente situações que representem risco para seu
desenvolvimento saudável.
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida
Crianças de até 6 anos
Ações socioeducativos com famílias com crianças com deficiência
As atividades com crianças com deficiência e suas famílias visam:
• criar situações para que os membros das famílias expressem suas dúvidas e
conflitos, e que possam construir soluções para os problemas enfrentados com
relação as deficiências;
• fortalecer vínculos afetivos e favorecer a inserção social da criança com
deficiência;
• orientar as famílias quanto à deficiência, de modo a des-construir mitos e
preconceitos e romper com a lógica da institucionalização;
• desenvolver estratégias para a estimulação e potencialização dos recursos da
criança com deficiência, destacando o papel fundamental dos familiares e da
comunidade no processo de reabilitação e inclusão social;
• informar as famílias quanto aos serviços disponíveis na rede, de modo a garantir
a inserção da criança no Sistema Educacional e em outros serviços, de acordo com
a demanda.
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Crianças e adolescentes de 6 a 14 anos
Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida
Principal característica: inserção em outros espaços, certa autonomia e formação
de grupos
Preocupações: permanência na escola
prevenção à violência
trabalho precoce
formação integral para a cidadania
desenvolvimento do protagonismo
Ações:
Ações Socioeducativas com crianças e adolescentes de 6 a 14 anos
Ações com famílias com crianças e adolescentes de 6 a 14 anos
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida
Crianças e adolescentes de 6 a 14 anos
Ações Socioeducativas para crianças/adolescentes de 6 a 14 anos
Importante: o ciclo de vida dos 06 aos 14 anos pode ser dividido em ciclos menores,
mais homogêneos nas características de formação e socialização: a) infância: 6,7,
8 e 9 anos; b) pré-adolescência: 9, 10, 11 e 12; e c) adolescência: 12, 13 e 14 anos.
Assim, as atividades planejadas devem levar em conta a diversidade de interesses,
potencialidades e ritmos de cada faixa etária.
Atividades com foco no desenvolvimento da identidade, do protagonismo e da
participação e no estímulo à socialização e a autonomia. Recomenda-se a
elaboração e implementação de projetos temáticos que dialoguem com diferentes
áreas do conhecimentos e o estabelecimento de parcerias com as políticas setoriais
de cultura, esporte e lazer, aproveitando as curiosidades, indagações e interesses
do público. Esses projetos devem proporcionar a integração com as famílias e com a
comunidade, por meio do estímulo a apresentação/disseminação dos
resultados/aquisições dessas atividades.
Acompanhamento do PETI
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida
Jovens de 15 a 17 anos
Principal característica: evasão escolar e inserção precária no mercado de trabalho
Preocupações: aumento da escolaridade
formação técnica para o trabalho
ampliação das noções de cidadania
prevenção à violência
gravidez na adolescência
desenvolvimento da autonomia e do protagonismo
Ações:
Ações socioeducativas para jovens de 15 a 17 anos
Ações socioeducativas com famílias com jovens de 15 a 17 anos
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida
Jovens de 15 a 17 anos
Ações socioeducativas para jovens de 15 a 17 anos
Atividades com foco na re-inserção e permanência dos jovens na escola, formação
técnica geral para o trabalho e desenvolvimento do protagonismo e a da autonomia.
Para tal, é imprescindível o estabelecimento de parcerias com as políticas setoriais
de trabalho, cultura, esporte e lazer.
Acompanhamento do PETI
Acompanhamento Agente Jovem
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida
Jovens de 18 a 29 anos
Principal característica: maioridade civil, pressão para o trânsito da escola para o
trabalho, agravamento nas condições de ingresso e permanência dos jovens no
mercado de trabalho.
Preocupações: educação para o trabalho
integração no mercado de trabalho e emprego
formação de competências específicas
prevenção à violência
Ações:
Ações socioeducativas para jovens de 18 e 29 anos
Ações socioeducativas com famílias com jovens de 18 a 29 anos
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida
Jovens de 18 a 29 anos
Atividades com foco na educação para o trabalho e formação de competências
específicas de modo a prevenir o agravamento das condições de ingresso e
permanência dos jovens no mercado de trabalho.
Para tal, é imprescindível o estabelecimento de parcerias com as políticas setoriais
de trabalho, cultura, esporte e lazer.
Pro Jovem
Pro Uni
Ações socioeducativas para jovens de 18 e 29 anos
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Ações socioeducativas para famílias com crianças, adolescentes e jovens
As atividades centradas nas famílias com crianças, adolescentes e jovens dessas
faixas etárias são focadas na discussão de temas de interesse, conversas
informais, reuniões para apresentação do planejamento e avaliação das ações
com as crianças e jovens.
O objetivo central é o fortalecimento dos vínculos afetivos/solidários e o
reconhecimento das potencialidades de todos os envolvidos.
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Principal característica: residem com suas famílias e nº significativo são arrimo das
mesmas
Preocupações:
Ações:
Ações socioeducativas para pessoas idosas
Ações socioeducativas com famílias com pessoas idosas
Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida
Pessoas idosas
Prevenção ao isolamento social
Acesso a serviços de saúde
Prevenção da violação de direitos
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida
Pessoas idosas
Atividades com foco no convívio, em especial, o convívio intergeracional. As
atividades devem estabelecer parcerias com políticas setoriais, em especial, a
saúde, cultura e lazer. Deve-se, ainda, priorizar o acesso dos familiares e dos
idosos a rede de saúde e a outros serviços que possam minimizar as dificuldades
detectadas e melhorar a qualidade de vida.
Ações socioeducativas para pessoas idosas
Ações socioeducativas com famílias com pessoas idosas
As atividades têm por foco o apoio aos familiares e demais profissionais cuidadores
de idosos, por meio de orientações sobre questões gerais relacionadas ao
envelhecimento, de acordo com os tipos e grau da dependência, para cuidar melhor
e para promover o autocuidado. Poderá propiciar, também, espaços de “respiro”
para trocas de experiências entre familiares e cuidadores, dificuldades e
reconhecimento de potencialidades.
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Ações Socioeducativas por Contigências
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Ações Socioeducativas por Contigências
Pessoas com deficiência
Principal característica: dependência familiar e risco de institucionalização
Preocupações: estímulo a autonomia, participação e protagonismo
acesso aos serviços de saúde, educação e cultura
Ações:
Ações socioeducativas para pessoas com deficiência
Ações socioeducativas com famílias com pessoas com deficiência
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Ações Socioeducativas por Contigências
Pessoas com deficiência
Atividades com foco no convívio, no processo de reabilitação e no desenvolvimento
da autonomia. As atividades devem estabelecer parcerias com políticas setoriais, em
especial, a saúde, educação e cultura. É imprescindível que se garanta a inclusão
preferencial das pessoas com deficiência em todas as ações socioeducativas,
garantindo seu direito à participação e ao protagonismo.
Ações socioeducativas para pessoas com deficiência
Ações socioeducativas para famílias com pessoas com deficiência
As atividades têm por foco o apoio aos familiares e demais profissionais cuidadores
de pessoas com deficiência, visando o fortalecimento da autonomia, dos vínculos
familiares e a prevenção a institucionalização. Poderá propiciar, também, espaços
de “respiro” para trocas de experiências entre familiares e cuidadores, as
dificuldades e o reconhecimento de potencialidades. A família deve ter seu papel
reconhecido e potencializado no processo de reabilitação e inclusão das pessoas
com deficiência.
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Famílias em Situação de Vulnerabilidade
Ações Socioeducativas por Contigências
Foco:
Fortalecimento do vínculo afetivo e solidário entre seus membros;
Estímulo as potencialidades e capacidades de superação da situação de
vulnerabilidade;
Garantia de acesso a informações;
Garantia de acesso e usufruto de direitos;
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Ações Socioeducativas por Contigências
Famílias em Situação de Vulnerabilidade
As ações da assistência social não se restringem apenas às famílias em situação
de vulnerabilidade em decorrência da pobreza, por insuficiência e/ou ausência de
rendimentos. A assistência social é destinada a quem dela necessitar, para
satisfação de necessidades humanas básicas, e tem por referência pessoas e
famílias impossibilitadas ou limitadas em sua capacidade, de forma continuada ou
temporária/eventual. Isto significa que a assistência social extrapola a dimensão
meramente econômica e incide sobre as relações sociais, sobre a garantia de
direitos, especialmente ao direito a convivência familiar e comunitária, a uma vida
livre de violência, a participação e protagonismo na construção de um projeto
societário, que assegure a melhoria da qualidade de vida individual e coletiva a
geração atual e as gerações futuras.
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Ações Socioeducativas por Contigências
Famílias em Situação de Vulnerabilidade
Dessa forma, as ações socioeducativas da assistência social deve atentar-se
não somente no atendimento das famílias vulnerabilizadas em decorrência da
pobreza, mas também aquelas que se encontram em vulnerabilidade devido à
vivência de qualquer forma de violação de direitos.
Ações:
Famílias em situação de vulnerabilidade em decorrência da pobreza
Famílias em situação de vulnerabilidade em decorrência de situações de violência
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Não tentar “enquadrar” a diversidade cultural do público da política;
Respeitar a heterogeneidade dos arranjos familiares;
Conhecer os diferentes níveis de acesso aos serviços/direitos;
Ações Socioeducativas por Contigências
Famílias em Situação de Vulnerabilidade
intencionalidades
conhecimentos
experiências
Metodologia
Metas da Ação
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Ações Socioeducativas por Contigências
Famílias em Situação de Vulnerabilidade
Metodologia
desconstruir posições
sedimentadas
construir
mediações
intervir de forma
prescritiva,
adaptativa,
modeladora e
moralista
adotar um
referencial
teórico-político
de defesa e
afirmação de
direitos, rumo à
emancipação,
autonomia e
cidadania dos
sujeitos
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Ações socioeducativas com famílias em situação de vulnerabilidade em
decorrência da pobreza
Ações Socioeducativas por Contigências
Famílias em Situação de Vulnerabilidade
Deve favorecer o processo de organização da população em torno de questões
relacionadas à geração de trabalho e renda, inclusão produtiva, condições de
habitabilidade, acesso a alimentação, a educação, a saúde e a tecnologias,
preservação e recuperação do meio ambiente, valorização da cultura e do saber
popular e desenvolvimento local sustentável. Requer ação intersetorial,
consolidada na elaboração e implementação de projetos de enfrentamento de
pobreza que estabeleçam relação com o desenvolvimento econômico e social
local.
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Dentre as famílias em situação de vulnerabilidade em decorrência da pobreza,
destacam-se como público prioritário da ação socioeducativa as famílias inseridas no
Programa Bolsa-Família, especialmente aquelas que apresentam dificuldades no
cumprimento das condicionalidades
As condicionalidades, estabelecidas pelo poder público, são mecanismos para elevar
o grau de efetivação dos direitos sociais através da indução da oferta e da demanda
por serviços de saúde, educação e assistência social na esfera municipal
As dificuldades de cumprimento das condicionalidades pelas famílias devem ser
compreendidas, pelos técnicos, não como condição desfavorável, mas como
condição objetiva da situação de exclusão, que aumenta a probabilidade de
ocorrência de violação dos direitos.
As condicionalidades visam garantir às famílias beneficiárias o acesso aos benefícios
sociais a que têm direito, o desenvolvimento de práticas de apoio mútuo no espaço
doméstico e a vinculação à redes sociais existentes
Famílias em situação de vulnerabilidade em decorrência da pobreza
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
O descumprimento das condicionalidades deve ser encarado, também, como um
indicador importante para prevenir situação de risco nas áreas de abrangência dos
CRAS; e, para famílias que se encontram nesta situação, deve ser visto como a
oportunidade de reverter o quadro de vulnerabilidade ao receber o
acompanhamento e o apoio necessários para o cumprimento do seu papel protetivo
É fundamental planejar o acompanhamento da família que não está cumprindo as
condicionalidades do PBF dentro do cronograma previsível para as sanções
relativas ao descumprimento das condicionalidades
Prevenir a violação de direitos e o cancelamento do benefício
A articulação entre o PAIF e o PBF é um processo em construção e marca um
passo significativo na consolidação de uma política pública de proteção social, que
requer um esforço decidido e continuado de atores governamentais e sociais
Famílias em situação de vulnerabilidade em decorrência da pobreza
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Ações Socioeducativas por Contigências
Famílias em Situação de Vulnerabilidade
Ações socioeducativas com famílias em situação de vulnerabilidade em
decorrência de situações de violência
As ações socioeducativas para esse público inicia-se por meio do mapeamento
da incidência de crianças, adultos e idosos em situação de negligência,
exploração e outras formas de violência no território. Os técnicos dos CRAS ao
prestar atendimento às famílias, também podem identificar situações de
violências sofridas por alguns dos membros da família, com especial atenção à
violência contra crianças, mulheres e idosos.
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Famílias em situação de vulnerabilidade em decorrência de
situações de violência
A abordagem nesses casos deve se pautar em duas linhas de atuação:
a) na identificação de recorrências de algumas situações de violência, deve-se
executar e/ou apoiar campanhas de prevenção;
b) na identificação de caso de violência, deve-se encaminhar à rede de proteção
social especial, que atua em casos de violação de direitos, bem como aos
serviços intersetoriais como de segurança pública e saúde.
Após o rompimento da situação de violência ou mesmo na prevenção destas, as
ações socioeducativas são importantes para o processo de reflexão sobre a
situação de risco pessoal e social e de suas prováveis condicionantes,
favorecendo a percepção da dimensão individual e coletiva da problemática e a
definição de estratégias e de projetos individuais e coletivos de superação, que
permitam a garantia do direito à vida e ao desenvolvimento.
Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome
Secretaria Nacional de Assistência Social
Departamento de Proteção Social Básica
Diretrizes Gerais para as Ações Socioeducativas
com Famílias
• Conhecimento do território
• Acolhida e escuta das preocupações, necessidades e demandas
expressas pelas famílias
• Valorização e fortalecimento das famílias
• Informação, comunicação e defesa de direitos
• Mobilização e articulação para a cidadania

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Caderneta novo modelo_associaçao casa do oleiro
Caderneta novo modelo_associaçao casa do oleiroCaderneta novo modelo_associaçao casa do oleiro
Caderneta novo modelo_associaçao casa do oleiro
bersone
 
Crescer & aprender slides
Crescer & aprender slidesCrescer & aprender slides
Crescer & aprender slides
Ricardo Schmidt
 
Cambuí proposta de ação do Marquinho. 2012
Cambuí proposta de ação do Marquinho. 2012Cambuí proposta de ação do Marquinho. 2012
Cambuí proposta de ação do Marquinho. 2012
Hélio Araújo
 
Apresentação escola aberta
Apresentação escola abertaApresentação escola aberta
Apresentação escola aberta
Mirian Espindula
 
Texto afinal do que é educação contextualizada (2)
Texto afinal do que é educação contextualizada (2)Texto afinal do que é educação contextualizada (2)
Texto afinal do que é educação contextualizada (2)
Maria Vieira
 
FAMI - Faculdade Aberta a Melhor Idade
FAMI - Faculdade Aberta a Melhor IdadeFAMI - Faculdade Aberta a Melhor Idade
FAMI - Faculdade Aberta a Melhor Idade
revistas - UEPG
 
IX ENNOEPE - VALENÇA-BA
IX ENNOEPE - VALENÇA-BAIX ENNOEPE - VALENÇA-BA
IX ENNOEPE - VALENÇA-BA
UBIRAJARA COUTO LIMA
 
Dialogos com os promotores publicos (1)
Dialogos com os promotores publicos (1)Dialogos com os promotores publicos (1)
Dialogos com os promotores publicos (1)
Solange Das Graças Seno
 
4 inclusao relacoes
4 inclusao relacoes4 inclusao relacoes
4 inclusao relacoes
tatyathaydes
 
Modosbrincar
ModosbrincarModosbrincar
Modosbrincar
FBRodrigues
 
Apresentação geral da medida iv do meu projecto
Apresentação geral da medida iv do meu projectoApresentação geral da medida iv do meu projecto
Apresentação geral da medida iv do meu projecto
Paulo Castelar
 
INFORMATIVO DO CREAS DE IRAUÇUBA
INFORMATIVO DO CREAS DE IRAUÇUBAINFORMATIVO DO CREAS DE IRAUÇUBA
INFORMATIVO DO CREAS DE IRAUÇUBA
Geraldina Braga
 
Caderno - Parceria Educandário Santo Antônio de Bebedouro e Ação Social Coope...
Caderno - Parceria Educandário Santo Antônio de Bebedouro e Ação Social Coope...Caderno - Parceria Educandário Santo Antônio de Bebedouro e Ação Social Coope...
Caderno - Parceria Educandário Santo Antônio de Bebedouro e Ação Social Coope...
Higor Paganeli
 
Guia+de+famílias (1)
Guia+de+famílias (1)Guia+de+famílias (1)
Guia+de+famílias (1)
Maria do Carmo Assis CVB
 
Apresentação PIM
Apresentação PIMApresentação PIM
Apresentação PIM
Pim Das Ses
 
Palestra professor Sérgio Andrade_Seminário Internacional de Modelos Pedagógi...
Palestra professor Sérgio Andrade_Seminário Internacional de Modelos Pedagógi...Palestra professor Sérgio Andrade_Seminário Internacional de Modelos Pedagógi...
Palestra professor Sérgio Andrade_Seminário Internacional de Modelos Pedagógi...
Carla Luguetti
 
Animaçao para Idosos
Animaçao para IdososAnimaçao para Idosos
Animaçao para Idosos
animaclub
 
Seminário Internacional Mais Infância Ceará: Vital Didonet
Seminário Internacional Mais Infância Ceará: Vital DidonetSeminário Internacional Mais Infância Ceará: Vital Didonet
Seminário Internacional Mais Infância Ceará: Vital Didonet
Governo do Estado do Ceará
 
Livro etica e_cidadania
Livro etica e_cidadaniaLivro etica e_cidadania
Livro etica e_cidadania
Raimundo Bezerra
 
Etica e cidadania
Etica e cidadaniaEtica e cidadania
Etica e cidadania
Alex Alecrim
 

Mais procurados (20)

Caderneta novo modelo_associaçao casa do oleiro
Caderneta novo modelo_associaçao casa do oleiroCaderneta novo modelo_associaçao casa do oleiro
Caderneta novo modelo_associaçao casa do oleiro
 
Crescer & aprender slides
Crescer & aprender slidesCrescer & aprender slides
Crescer & aprender slides
 
Cambuí proposta de ação do Marquinho. 2012
Cambuí proposta de ação do Marquinho. 2012Cambuí proposta de ação do Marquinho. 2012
Cambuí proposta de ação do Marquinho. 2012
 
Apresentação escola aberta
Apresentação escola abertaApresentação escola aberta
Apresentação escola aberta
 
Texto afinal do que é educação contextualizada (2)
Texto afinal do que é educação contextualizada (2)Texto afinal do que é educação contextualizada (2)
Texto afinal do que é educação contextualizada (2)
 
FAMI - Faculdade Aberta a Melhor Idade
FAMI - Faculdade Aberta a Melhor IdadeFAMI - Faculdade Aberta a Melhor Idade
FAMI - Faculdade Aberta a Melhor Idade
 
IX ENNOEPE - VALENÇA-BA
IX ENNOEPE - VALENÇA-BAIX ENNOEPE - VALENÇA-BA
IX ENNOEPE - VALENÇA-BA
 
Dialogos com os promotores publicos (1)
Dialogos com os promotores publicos (1)Dialogos com os promotores publicos (1)
Dialogos com os promotores publicos (1)
 
4 inclusao relacoes
4 inclusao relacoes4 inclusao relacoes
4 inclusao relacoes
 
Modosbrincar
ModosbrincarModosbrincar
Modosbrincar
 
Apresentação geral da medida iv do meu projecto
Apresentação geral da medida iv do meu projectoApresentação geral da medida iv do meu projecto
Apresentação geral da medida iv do meu projecto
 
INFORMATIVO DO CREAS DE IRAUÇUBA
INFORMATIVO DO CREAS DE IRAUÇUBAINFORMATIVO DO CREAS DE IRAUÇUBA
INFORMATIVO DO CREAS DE IRAUÇUBA
 
Caderno - Parceria Educandário Santo Antônio de Bebedouro e Ação Social Coope...
Caderno - Parceria Educandário Santo Antônio de Bebedouro e Ação Social Coope...Caderno - Parceria Educandário Santo Antônio de Bebedouro e Ação Social Coope...
Caderno - Parceria Educandário Santo Antônio de Bebedouro e Ação Social Coope...
 
Guia+de+famílias (1)
Guia+de+famílias (1)Guia+de+famílias (1)
Guia+de+famílias (1)
 
Apresentação PIM
Apresentação PIMApresentação PIM
Apresentação PIM
 
Palestra professor Sérgio Andrade_Seminário Internacional de Modelos Pedagógi...
Palestra professor Sérgio Andrade_Seminário Internacional de Modelos Pedagógi...Palestra professor Sérgio Andrade_Seminário Internacional de Modelos Pedagógi...
Palestra professor Sérgio Andrade_Seminário Internacional de Modelos Pedagógi...
 
Animaçao para Idosos
Animaçao para IdososAnimaçao para Idosos
Animaçao para Idosos
 
Seminário Internacional Mais Infância Ceará: Vital Didonet
Seminário Internacional Mais Infância Ceará: Vital DidonetSeminário Internacional Mais Infância Ceará: Vital Didonet
Seminário Internacional Mais Infância Ceará: Vital Didonet
 
Livro etica e_cidadania
Livro etica e_cidadaniaLivro etica e_cidadania
Livro etica e_cidadania
 
Etica e cidadania
Etica e cidadaniaEtica e cidadania
Etica e cidadania
 

Destaque

Cartilha paif 2016- articulação necessária na proteção social básica
Cartilha paif   2016- articulação necessária na proteção social básicaCartilha paif   2016- articulação necessária na proteção social básica
Cartilha paif 2016- articulação necessária na proteção social básica
Rosane Domingues
 
5. apresentação cras leste i saf alan
5.  apresentação cras leste i saf alan5.  apresentação cras leste i saf alan
5. apresentação cras leste i saf alan
NandaTome
 
Felicidade
FelicidadeFelicidade
Felicidade
ntelivramento
 
IDOSOS, SIM. VELHOS, NÃO !
IDOSOS, SIM.  VELHOS, NÃO !IDOSOS, SIM.  VELHOS, NÃO !
IDOSOS, SIM. VELHOS, NÃO !
Casa de Repouso Viva Bem
 
"Idosos de todo o mundo, uni-vos pela rede!"
"Idosos de todo o mundo, uni-vos pela rede!""Idosos de todo o mundo, uni-vos pela rede!"
"Idosos de todo o mundo, uni-vos pela rede!"
Inês Amaral
 
Proagrama de apoio á terceira idade
Proagrama de apoio á terceira idadeProagrama de apoio á terceira idade
Proagrama de apoio á terceira idade
Joaquim Queiroz
 
Cras
CrasCras
10. apresentação cras gloria
10. apresentação cras gloria10. apresentação cras gloria
10. apresentação cras gloria
NandaTome
 
14. apresentação cras lomba acolhida
14. apresentação cras lomba acolhida14. apresentação cras lomba acolhida
14. apresentação cras lomba acolhida
NandaTome
 
26. apresentação centro sul paif volante
26. apresentação centro sul paif volante26. apresentação centro sul paif volante
26. apresentação centro sul paif volante
NandaTome
 
5º encontro
5º encontro5º encontro
5º encontro
NandaTome
 
Assistência Social e Análise do Comportamento - diálogos necessários sobre os...
Assistência Social e Análise do Comportamento - diálogos necessários sobre os...Assistência Social e Análise do Comportamento - diálogos necessários sobre os...
Assistência Social e Análise do Comportamento - diálogos necessários sobre os...
Denilso Paixão
 
Orientacoes tecnicas sobre o paif trabalho social com familias vol 2
Orientacoes tecnicas sobre o paif   trabalho social com familias vol 2Orientacoes tecnicas sobre o paif   trabalho social com familias vol 2
Orientacoes tecnicas sobre o paif trabalho social com familias vol 2
NandaTome
 
IV Semana de Pedagogia - Minicurso: A atuação do pedagogo nos programas socia...
IV Semana de Pedagogia - Minicurso: A atuação do pedagogo nos programas socia...IV Semana de Pedagogia - Minicurso: A atuação do pedagogo nos programas socia...
IV Semana de Pedagogia - Minicurso: A atuação do pedagogo nos programas socia...
UBIRAJARA COUTO LIMA
 
Os direitos dos idosos e reconhecimento de maus tratos
Os direitos dos idosos e reconhecimento de maus tratosOs direitos dos idosos e reconhecimento de maus tratos
Os direitos dos idosos e reconhecimento de maus tratos
Sérgio Henrique da Silva Pereira
 
A atuação do pedagogo nos programas sociais cras em jequié
A atuação do pedagogo nos programas sociais   cras em jequiéA atuação do pedagogo nos programas sociais   cras em jequié
A atuação do pedagogo nos programas sociais cras em jequié
UBIRAJARA COUTO LIMA
 
CRAS - Centro de Referencia de Assistência Social
CRAS - Centro de Referencia de Assistência SocialCRAS - Centro de Referencia de Assistência Social
CRAS - Centro de Referencia de Assistência Social
Allan Shinkoda
 
Perguntas e respostas Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos
Perguntas e respostas Serviço de Convivência e Fortalecimento de VínculosPerguntas e respostas Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos
Perguntas e respostas Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos
Secretaria Especial do Desenvolvimento Social
 
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
Educação
 
Serviços do CRAS
Serviços do CRASServiços do CRAS
Serviços do CRAS
Daniele Aguiar Oliveira
 

Destaque (20)

Cartilha paif 2016- articulação necessária na proteção social básica
Cartilha paif   2016- articulação necessária na proteção social básicaCartilha paif   2016- articulação necessária na proteção social básica
Cartilha paif 2016- articulação necessária na proteção social básica
 
5. apresentação cras leste i saf alan
5.  apresentação cras leste i saf alan5.  apresentação cras leste i saf alan
5. apresentação cras leste i saf alan
 
Felicidade
FelicidadeFelicidade
Felicidade
 
IDOSOS, SIM. VELHOS, NÃO !
IDOSOS, SIM.  VELHOS, NÃO !IDOSOS, SIM.  VELHOS, NÃO !
IDOSOS, SIM. VELHOS, NÃO !
 
"Idosos de todo o mundo, uni-vos pela rede!"
"Idosos de todo o mundo, uni-vos pela rede!""Idosos de todo o mundo, uni-vos pela rede!"
"Idosos de todo o mundo, uni-vos pela rede!"
 
Proagrama de apoio á terceira idade
Proagrama de apoio á terceira idadeProagrama de apoio á terceira idade
Proagrama de apoio á terceira idade
 
Cras
CrasCras
Cras
 
10. apresentação cras gloria
10. apresentação cras gloria10. apresentação cras gloria
10. apresentação cras gloria
 
14. apresentação cras lomba acolhida
14. apresentação cras lomba acolhida14. apresentação cras lomba acolhida
14. apresentação cras lomba acolhida
 
26. apresentação centro sul paif volante
26. apresentação centro sul paif volante26. apresentação centro sul paif volante
26. apresentação centro sul paif volante
 
5º encontro
5º encontro5º encontro
5º encontro
 
Assistência Social e Análise do Comportamento - diálogos necessários sobre os...
Assistência Social e Análise do Comportamento - diálogos necessários sobre os...Assistência Social e Análise do Comportamento - diálogos necessários sobre os...
Assistência Social e Análise do Comportamento - diálogos necessários sobre os...
 
Orientacoes tecnicas sobre o paif trabalho social com familias vol 2
Orientacoes tecnicas sobre o paif   trabalho social com familias vol 2Orientacoes tecnicas sobre o paif   trabalho social com familias vol 2
Orientacoes tecnicas sobre o paif trabalho social com familias vol 2
 
IV Semana de Pedagogia - Minicurso: A atuação do pedagogo nos programas socia...
IV Semana de Pedagogia - Minicurso: A atuação do pedagogo nos programas socia...IV Semana de Pedagogia - Minicurso: A atuação do pedagogo nos programas socia...
IV Semana de Pedagogia - Minicurso: A atuação do pedagogo nos programas socia...
 
Os direitos dos idosos e reconhecimento de maus tratos
Os direitos dos idosos e reconhecimento de maus tratosOs direitos dos idosos e reconhecimento de maus tratos
Os direitos dos idosos e reconhecimento de maus tratos
 
A atuação do pedagogo nos programas sociais cras em jequié
A atuação do pedagogo nos programas sociais   cras em jequiéA atuação do pedagogo nos programas sociais   cras em jequié
A atuação do pedagogo nos programas sociais cras em jequié
 
CRAS - Centro de Referencia de Assistência Social
CRAS - Centro de Referencia de Assistência SocialCRAS - Centro de Referencia de Assistência Social
CRAS - Centro de Referencia de Assistência Social
 
Perguntas e respostas Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos
Perguntas e respostas Serviço de Convivência e Fortalecimento de VínculosPerguntas e respostas Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos
Perguntas e respostas Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos
 
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
Serviço Social - Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos-SCFV / s...
 
Serviços do CRAS
Serviços do CRASServiços do CRAS
Serviços do CRAS
 

Semelhante a Ações Socioeduc na assist social

cras.pdf
cras.pdfcras.pdf
cras.pdf
IvaldoNeto6
 
Informação, acolhimento e fortalecimento dos vínculos familiares - Maria do S...
Informação, acolhimento e fortalecimento dos vínculos familiares - Maria do S...Informação, acolhimento e fortalecimento dos vínculos familiares - Maria do S...
Informação, acolhimento e fortalecimento dos vínculos familiares - Maria do S...
SAE - Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República
 
Capacitação para educadores sociais - PME
Capacitação para educadores sociais - PMECapacitação para educadores sociais - PME
Capacitação para educadores sociais - PME
FERNANDO CAPUZZI
 
A politica nacional da assistencia social
A politica nacional da assistencia socialA politica nacional da assistencia social
A politica nacional da assistencia social
Raymunda Sousa
 
Capacitação para Orientadoras SCFV.pdf
Capacitação para Orientadoras SCFV.pdfCapacitação para Orientadoras SCFV.pdf
Capacitação para Orientadoras SCFV.pdf
IvaldoNeto6
 
52356417 assistencia-social
52356417 assistencia-social52356417 assistencia-social
52356417 assistencia-social
Josiane Coelho da Silva
 
slide_assistencia_social.pptx
slide_assistencia_social.pptxslide_assistencia_social.pptx
slide_assistencia_social.pptx
Angelicalualua
 
Primeira Infância Melhor - FEE
Primeira Infância Melhor - FEEPrimeira Infância Melhor - FEE
Primeira Infância Melhor - FEE
Pim Das Ses
 
manual_respostas-sociais-educativas.pdf
manual_respostas-sociais-educativas.pdfmanual_respostas-sociais-educativas.pdf
manual_respostas-sociais-educativas.pdf
Nelson Namm
 
A Hora Vez Da Familia
A Hora Vez Da FamiliaA Hora Vez Da Familia
A Hora Vez Da Familia
guest5fedaea
 
Primeira infancia melhor
Primeira infancia melhorPrimeira infancia melhor
Primeira infancia melhor
Fundação de Economia e Estatística
 
Apresentação de uma política de desenvolvimento integral para a primeira infâ...
Apresentação de uma política de desenvolvimento integral para a primeira infâ...Apresentação de uma política de desenvolvimento integral para a primeira infâ...
Apresentação de uma política de desenvolvimento integral para a primeira infâ...
SAE - Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República
 
A familia
A familiaA familia
Atps de politica social de atenção a criança, adolecente e idoso
Atps de politica social de atenção a criança, adolecente e idosoAtps de politica social de atenção a criança, adolecente e idoso
Atps de politica social de atenção a criança, adolecente e idoso
FERNANDO SILVA VILHALVA
 
A Familia
A FamiliaA Familia
A Familia
asustecnologia
 
16 secretaria municipal de inclusão social
16 secretaria municipal de inclusão social16 secretaria municipal de inclusão social
16 secretaria municipal de inclusão social
Edinho Silva
 
Projeto OSCIP GRUPO DO BEM
Projeto OSCIP GRUPO DO BEMProjeto OSCIP GRUPO DO BEM
Projeto OSCIP GRUPO DO BEM
Prof Nivaldo Nogueira de Ávila
 
PIM - Apresentação Geral - Site (2017)
PIM - Apresentação Geral - Site (2017)PIM - Apresentação Geral - Site (2017)
PIM - Apresentação Geral - Site (2017)
Pim Das Ses
 
PROJETOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES REALIZADOS E/OU COORDENADOS PELA SIDESC
PROJETOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES REALIZADOS E/OU COORDENADOS PELA SIDESCPROJETOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES REALIZADOS E/OU COORDENADOS PELA SIDESC
PROJETOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES REALIZADOS E/OU COORDENADOS PELA SIDESC
Geh Braga
 
Rev crian 39
Rev crian 39Rev crian 39
Rev crian 39
FSBA
 

Semelhante a Ações Socioeduc na assist social (20)

cras.pdf
cras.pdfcras.pdf
cras.pdf
 
Informação, acolhimento e fortalecimento dos vínculos familiares - Maria do S...
Informação, acolhimento e fortalecimento dos vínculos familiares - Maria do S...Informação, acolhimento e fortalecimento dos vínculos familiares - Maria do S...
Informação, acolhimento e fortalecimento dos vínculos familiares - Maria do S...
 
Capacitação para educadores sociais - PME
Capacitação para educadores sociais - PMECapacitação para educadores sociais - PME
Capacitação para educadores sociais - PME
 
A politica nacional da assistencia social
A politica nacional da assistencia socialA politica nacional da assistencia social
A politica nacional da assistencia social
 
Capacitação para Orientadoras SCFV.pdf
Capacitação para Orientadoras SCFV.pdfCapacitação para Orientadoras SCFV.pdf
Capacitação para Orientadoras SCFV.pdf
 
52356417 assistencia-social
52356417 assistencia-social52356417 assistencia-social
52356417 assistencia-social
 
slide_assistencia_social.pptx
slide_assistencia_social.pptxslide_assistencia_social.pptx
slide_assistencia_social.pptx
 
Primeira Infância Melhor - FEE
Primeira Infância Melhor - FEEPrimeira Infância Melhor - FEE
Primeira Infância Melhor - FEE
 
manual_respostas-sociais-educativas.pdf
manual_respostas-sociais-educativas.pdfmanual_respostas-sociais-educativas.pdf
manual_respostas-sociais-educativas.pdf
 
A Hora Vez Da Familia
A Hora Vez Da FamiliaA Hora Vez Da Familia
A Hora Vez Da Familia
 
Primeira infancia melhor
Primeira infancia melhorPrimeira infancia melhor
Primeira infancia melhor
 
Apresentação de uma política de desenvolvimento integral para a primeira infâ...
Apresentação de uma política de desenvolvimento integral para a primeira infâ...Apresentação de uma política de desenvolvimento integral para a primeira infâ...
Apresentação de uma política de desenvolvimento integral para a primeira infâ...
 
A familia
A familiaA familia
A familia
 
Atps de politica social de atenção a criança, adolecente e idoso
Atps de politica social de atenção a criança, adolecente e idosoAtps de politica social de atenção a criança, adolecente e idoso
Atps de politica social de atenção a criança, adolecente e idoso
 
A Familia
A FamiliaA Familia
A Familia
 
16 secretaria municipal de inclusão social
16 secretaria municipal de inclusão social16 secretaria municipal de inclusão social
16 secretaria municipal de inclusão social
 
Projeto OSCIP GRUPO DO BEM
Projeto OSCIP GRUPO DO BEMProjeto OSCIP GRUPO DO BEM
Projeto OSCIP GRUPO DO BEM
 
PIM - Apresentação Geral - Site (2017)
PIM - Apresentação Geral - Site (2017)PIM - Apresentação Geral - Site (2017)
PIM - Apresentação Geral - Site (2017)
 
PROJETOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES REALIZADOS E/OU COORDENADOS PELA SIDESC
PROJETOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES REALIZADOS E/OU COORDENADOS PELA SIDESCPROJETOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES REALIZADOS E/OU COORDENADOS PELA SIDESC
PROJETOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES REALIZADOS E/OU COORDENADOS PELA SIDESC
 
Rev crian 39
Rev crian 39Rev crian 39
Rev crian 39
 

Mais de NandaTome

Norma%20 operacional%20de%20rh suas
Norma%20 operacional%20de%20rh suasNorma%20 operacional%20de%20rh suas
Norma%20 operacional%20de%20rh suas
NandaTome
 
Interlocuções entre a psicologia e pnas
Interlocuções entre a psicologia  e pnasInterlocuções entre a psicologia  e pnas
Interlocuções entre a psicologia e pnas
NandaTome
 
Cartilha psi e as suas
Cartilha psi e as suasCartilha psi e as suas
Cartilha psi e as suas
NandaTome
 
Texto vera telles
Texto vera tellesTexto vera telles
Texto vera telles
NandaTome
 
Formulario ingresso scfv
Formulario ingresso scfvFormulario ingresso scfv
Formulario ingresso scfv
NandaTome
 
Trabalho educativo _2004[1]
Trabalho educativo _2004[1]Trabalho educativo _2004[1]
Trabalho educativo _2004[1]
NandaTome
 
Projeto SASE 2004
Projeto SASE 2004 Projeto SASE 2004
Projeto SASE 2004
NandaTome
 
Relatório de gestão 2012 do serviço de proteção e atendimento integral à fam...
Relatório de gestão 2012 do  serviço de proteção e atendimento integral à fam...Relatório de gestão 2012 do  serviço de proteção e atendimento integral à fam...
Relatório de gestão 2012 do serviço de proteção e atendimento integral à fam...
NandaTome
 
Relatório CMAS 2012
Relatório CMAS 2012Relatório CMAS 2012
Relatório CMAS 2012
NandaTome
 
Prontuariosuasmds[1][1]
Prontuariosuasmds[1][1]Prontuariosuasmds[1][1]
Prontuariosuasmds[1][1]
NandaTome
 
Orientação projeto vivendo proto alegre
Orientação projeto vivendo proto alegreOrientação projeto vivendo proto alegre
Orientação projeto vivendo proto alegre
NandaTome
 
Oficina%20 em%20garanhuns%20vigil%c3%a2ncia%20social
Oficina%20 em%20garanhuns%20vigil%c3%a2ncia%20socialOficina%20 em%20garanhuns%20vigil%c3%a2ncia%20social
Oficina%20 em%20garanhuns%20vigil%c3%a2ncia%20social
NandaTome
 
Nob suas 2012
Nob suas 2012Nob suas 2012
Nob suas 2012
NandaTome
 
Microsoft word diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
Microsoft word   diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…Microsoft word   diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
Microsoft word diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
NandaTome
 
Demandas da assist%c3%8a_ncia_na_rela%c3%87%c3%83o[1]
Demandas da assist%c3%8a_ncia_na_rela%c3%87%c3%83o[1]Demandas da assist%c3%8a_ncia_na_rela%c3%87%c3%83o[1]
Demandas da assist%c3%8a_ncia_na_rela%c3%87%c3%83o[1]
NandaTome
 
Dados pacto gestao[1]
Dados pacto gestao[1]Dados pacto gestao[1]
Dados pacto gestao[1]
NandaTome
 
Cronograma comite gestor
Cronograma comite gestorCronograma comite gestor
Cronograma comite gestor
NandaTome
 
Cronograma alinhamento conceitual
Cronograma alinhamento conceitualCronograma alinhamento conceitual
Cronograma alinhamento conceitual
NandaTome
 
Protocolo de gestao_integrada_de_servicos-_beneficios_e_transferencias_de_ren...
Protocolo de gestao_integrada_de_servicos-_beneficios_e_transferencias_de_ren...Protocolo de gestao_integrada_de_servicos-_beneficios_e_transferencias_de_ren...
Protocolo de gestao_integrada_de_servicos-_beneficios_e_transferencias_de_ren...
NandaTome
 
Formação continuada paif saf terceiro encontro.ppt 2
Formação continuada paif saf  terceiro  encontro.ppt 2Formação continuada paif saf  terceiro  encontro.ppt 2
Formação continuada paif saf terceiro encontro.ppt 2
NandaTome
 

Mais de NandaTome (20)

Norma%20 operacional%20de%20rh suas
Norma%20 operacional%20de%20rh suasNorma%20 operacional%20de%20rh suas
Norma%20 operacional%20de%20rh suas
 
Interlocuções entre a psicologia e pnas
Interlocuções entre a psicologia  e pnasInterlocuções entre a psicologia  e pnas
Interlocuções entre a psicologia e pnas
 
Cartilha psi e as suas
Cartilha psi e as suasCartilha psi e as suas
Cartilha psi e as suas
 
Texto vera telles
Texto vera tellesTexto vera telles
Texto vera telles
 
Formulario ingresso scfv
Formulario ingresso scfvFormulario ingresso scfv
Formulario ingresso scfv
 
Trabalho educativo _2004[1]
Trabalho educativo _2004[1]Trabalho educativo _2004[1]
Trabalho educativo _2004[1]
 
Projeto SASE 2004
Projeto SASE 2004 Projeto SASE 2004
Projeto SASE 2004
 
Relatório de gestão 2012 do serviço de proteção e atendimento integral à fam...
Relatório de gestão 2012 do  serviço de proteção e atendimento integral à fam...Relatório de gestão 2012 do  serviço de proteção e atendimento integral à fam...
Relatório de gestão 2012 do serviço de proteção e atendimento integral à fam...
 
Relatório CMAS 2012
Relatório CMAS 2012Relatório CMAS 2012
Relatório CMAS 2012
 
Prontuariosuasmds[1][1]
Prontuariosuasmds[1][1]Prontuariosuasmds[1][1]
Prontuariosuasmds[1][1]
 
Orientação projeto vivendo proto alegre
Orientação projeto vivendo proto alegreOrientação projeto vivendo proto alegre
Orientação projeto vivendo proto alegre
 
Oficina%20 em%20garanhuns%20vigil%c3%a2ncia%20social
Oficina%20 em%20garanhuns%20vigil%c3%a2ncia%20socialOficina%20 em%20garanhuns%20vigil%c3%a2ncia%20social
Oficina%20 em%20garanhuns%20vigil%c3%a2ncia%20social
 
Nob suas 2012
Nob suas 2012Nob suas 2012
Nob suas 2012
 
Microsoft word diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
Microsoft word   diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…Microsoft word   diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
Microsoft word diretrizes técnicas para o processo de trabalho nos cras u…
 
Demandas da assist%c3%8a_ncia_na_rela%c3%87%c3%83o[1]
Demandas da assist%c3%8a_ncia_na_rela%c3%87%c3%83o[1]Demandas da assist%c3%8a_ncia_na_rela%c3%87%c3%83o[1]
Demandas da assist%c3%8a_ncia_na_rela%c3%87%c3%83o[1]
 
Dados pacto gestao[1]
Dados pacto gestao[1]Dados pacto gestao[1]
Dados pacto gestao[1]
 
Cronograma comite gestor
Cronograma comite gestorCronograma comite gestor
Cronograma comite gestor
 
Cronograma alinhamento conceitual
Cronograma alinhamento conceitualCronograma alinhamento conceitual
Cronograma alinhamento conceitual
 
Protocolo de gestao_integrada_de_servicos-_beneficios_e_transferencias_de_ren...
Protocolo de gestao_integrada_de_servicos-_beneficios_e_transferencias_de_ren...Protocolo de gestao_integrada_de_servicos-_beneficios_e_transferencias_de_ren...
Protocolo de gestao_integrada_de_servicos-_beneficios_e_transferencias_de_ren...
 
Formação continuada paif saf terceiro encontro.ppt 2
Formação continuada paif saf  terceiro  encontro.ppt 2Formação continuada paif saf  terceiro  encontro.ppt 2
Formação continuada paif saf terceiro encontro.ppt 2
 

Ações Socioeduc na assist social

  • 1. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social • Garantia dos direitos • Inclusão social • Desenvolvimento do protagonismo • Desenvolvimento da autonomia individual e coletiva Ações Socioeducativas
  • 2. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica socioeducativo Pressupõem a interação entre sujeitos e o meio (conjuntura econômica, cultural, social e histórica) Pressupõem um processo que possibilita ao sujeito se perceber como ser humano com potencialidades e possibilidades de desenvolvê-las mediante apropropriação de informações e conhecimentos para intervenção na realidade (ação pró-ativa)
  • 3. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Q U A L I F I C A D O R designa um campo de aprendizagens, voltadas a assegurar proteção social e oportunizar o desenvolvimento de interesses e talentos múltiplos Termo “socioeducativo”
  • 4. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Campo privilegiado para o trabalho de valores éticos e políticos Finalidade das Ações Socioeducativas convivência sociabilidade participação defesa e afirmação de direitos, com vistas à emancipação, autonomia e cidadania
  • 5. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica As ações socioeducativas não têm objetos de conhecimento pré- definidos. Elas são construídas a a partir das especificidades dos sujeitos envolvidos e da sua realidade sócio- histórica É um modelo aberto de planejamento, baseado nas escolhas e necessidades DIRETRIZES
  • 6. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica É imperioso que se considere as peculiaridades da realidade local, os aspectos culturais, os sujeitos – suas peculiaridades e especificidades raça/etnia mulheres crianças idosos área urbana área rural pessoas com deficiência povos e com. tradicionais orientação sexual pauta inicial de aprendizagem arranjo familiar rede de serviços públicos descumprimento de condicionalidades
  • 7. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica As ações socioeducativas devem viabilizar o acesso à atividades que promovam: • Desenvolvimento de relações de afetividade; • Reparação de danos decorrentes de estigmas, discriminações e situações de violência; • Convívio em grupo (sociabilidade); • Acesso à conhecimentos; • Experimentação e meios que favoreçam a autonomia; • Estimulem o senso de responsabilidade e de coletividade; • Desenvolvam a participação na vida familiar e comunitária no território.
  • 8. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica As ações socioeducativas devem possibilitar: •Aquisição de conhecimentos e habilidades que facilitem o ingresso e/ou reinserção no mundo do trabalho; •Atividades individuais e coletivas de geração de renda (para algumas faixas etárias); •Ampliação de trocas culturais; •Convívio intergeracional; •Estabelecimento e fortalecimento de vínculos familiares e comunitários
  • 9. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Superação da situação de vulnerabilidade Acesso e usufruto dos direitos humanos Melhoria da qualidade de vida Busca do desenvolvimento sustentável As ações socioeducativas têm como escopo:
  • 10. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Ações Socioeducativas da Assistência Social Educação Cultura Trabalho Justiça Segurança Alimentar Saúde A R T I C U L A Ç Õ E S I N T E R S E T O R I A I S
  • 11. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica estímulo à ação coletiva na definição de estratégias que garantam perspectivas de melhoria da qualidade de vida
  • 12. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica ações socioeducativas ciclo de vida contigências apoio à família e indivíduos no enfrentamento das vulnerabilidades decorrentes do ciclo de vida apoio à família e indivíduos no enfrentamento das vulnerabilidades decorrentes de limitações vivenciadas por algum de seus membros pobreza apoio à família e indivíduos no enfrentamento das vulnerabilidades decorrentes de situações de pobreza apoio à família e indivíduos no enfrentamento das vulnerabilidades decorrentes de situações de risco pessoal e social decorrente da violação de direitos violação de direitos
  • 13. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica CRAS REDE SOCIOASSISTENCIAL acompanhamento familiar PAIF ciclo de vida
  • 14. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Crianças de até 6 anos Crianças e adolescentes de 6 a 14 anos Jovens de 15 a 17 anos Jovens de 18 a 29 anos Pessoas Idosas
  • 15. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida Crianças de até 6 anos Principal característica: forte dependência, em especial a faixa etária de até 3 anos Preocupações: atenção especial à família prioridade para a inserção na educação infantil Ações: Ações socioeducativas às crianças de até 6 anos Grupo de famílias para o cuidado adequado à criança pequena Grupo de pais e mães para o fortalecimento dos vínculos Ações com famílias com crianças com deficiência
  • 16. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida Crianças de até 6 anos Ações Socioeducativas às crianças de até 6 anos Atividades de convívio, lazer e brincadeiras no CRAS e nos serviços da rede socioassistencial, durante e, concomitantemente, ao trabalho que se desenvolve com as famílias (complementar ao trabalho com famílias). Ações Socioeducativas com famílias para o cuidado adequado à criança pequena Atividades com foco no fortalecimento dos vínculos afetivos e a melhoria da qualidade dos cuidados oferecidos à criança pequena no contexto familiar, voltadas aos membros da família que convivem e cuidam da criança. Ações Socioeducativas com pais e mães para o fortalecimento dos vínculos Atividades com foco na prevenção de rupturas de vínculos familiares ainda na gestação e primeira infância. O acompanhamento neste momento do ciclo de vida familiar pode favorecer a vinculação afetiva da família com o bebê, bem como identificar precocemente situações que representem risco para seu desenvolvimento saudável.
  • 17. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida Crianças de até 6 anos Ações socioeducativos com famílias com crianças com deficiência As atividades com crianças com deficiência e suas famílias visam: • criar situações para que os membros das famílias expressem suas dúvidas e conflitos, e que possam construir soluções para os problemas enfrentados com relação as deficiências; • fortalecer vínculos afetivos e favorecer a inserção social da criança com deficiência; • orientar as famílias quanto à deficiência, de modo a des-construir mitos e preconceitos e romper com a lógica da institucionalização; • desenvolver estratégias para a estimulação e potencialização dos recursos da criança com deficiência, destacando o papel fundamental dos familiares e da comunidade no processo de reabilitação e inclusão social; • informar as famílias quanto aos serviços disponíveis na rede, de modo a garantir a inserção da criança no Sistema Educacional e em outros serviços, de acordo com a demanda.
  • 18. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Crianças e adolescentes de 6 a 14 anos Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida Principal característica: inserção em outros espaços, certa autonomia e formação de grupos Preocupações: permanência na escola prevenção à violência trabalho precoce formação integral para a cidadania desenvolvimento do protagonismo Ações: Ações Socioeducativas com crianças e adolescentes de 6 a 14 anos Ações com famílias com crianças e adolescentes de 6 a 14 anos
  • 19. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida Crianças e adolescentes de 6 a 14 anos Ações Socioeducativas para crianças/adolescentes de 6 a 14 anos Importante: o ciclo de vida dos 06 aos 14 anos pode ser dividido em ciclos menores, mais homogêneos nas características de formação e socialização: a) infância: 6,7, 8 e 9 anos; b) pré-adolescência: 9, 10, 11 e 12; e c) adolescência: 12, 13 e 14 anos. Assim, as atividades planejadas devem levar em conta a diversidade de interesses, potencialidades e ritmos de cada faixa etária. Atividades com foco no desenvolvimento da identidade, do protagonismo e da participação e no estímulo à socialização e a autonomia. Recomenda-se a elaboração e implementação de projetos temáticos que dialoguem com diferentes áreas do conhecimentos e o estabelecimento de parcerias com as políticas setoriais de cultura, esporte e lazer, aproveitando as curiosidades, indagações e interesses do público. Esses projetos devem proporcionar a integração com as famílias e com a comunidade, por meio do estímulo a apresentação/disseminação dos resultados/aquisições dessas atividades. Acompanhamento do PETI
  • 20. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida Jovens de 15 a 17 anos Principal característica: evasão escolar e inserção precária no mercado de trabalho Preocupações: aumento da escolaridade formação técnica para o trabalho ampliação das noções de cidadania prevenção à violência gravidez na adolescência desenvolvimento da autonomia e do protagonismo Ações: Ações socioeducativas para jovens de 15 a 17 anos Ações socioeducativas com famílias com jovens de 15 a 17 anos
  • 21. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida Jovens de 15 a 17 anos Ações socioeducativas para jovens de 15 a 17 anos Atividades com foco na re-inserção e permanência dos jovens na escola, formação técnica geral para o trabalho e desenvolvimento do protagonismo e a da autonomia. Para tal, é imprescindível o estabelecimento de parcerias com as políticas setoriais de trabalho, cultura, esporte e lazer. Acompanhamento do PETI Acompanhamento Agente Jovem
  • 22. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida Jovens de 18 a 29 anos Principal característica: maioridade civil, pressão para o trânsito da escola para o trabalho, agravamento nas condições de ingresso e permanência dos jovens no mercado de trabalho. Preocupações: educação para o trabalho integração no mercado de trabalho e emprego formação de competências específicas prevenção à violência Ações: Ações socioeducativas para jovens de 18 e 29 anos Ações socioeducativas com famílias com jovens de 18 a 29 anos
  • 23. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida Jovens de 18 a 29 anos Atividades com foco na educação para o trabalho e formação de competências específicas de modo a prevenir o agravamento das condições de ingresso e permanência dos jovens no mercado de trabalho. Para tal, é imprescindível o estabelecimento de parcerias com as políticas setoriais de trabalho, cultura, esporte e lazer. Pro Jovem Pro Uni Ações socioeducativas para jovens de 18 e 29 anos
  • 24. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Ações socioeducativas para famílias com crianças, adolescentes e jovens As atividades centradas nas famílias com crianças, adolescentes e jovens dessas faixas etárias são focadas na discussão de temas de interesse, conversas informais, reuniões para apresentação do planejamento e avaliação das ações com as crianças e jovens. O objetivo central é o fortalecimento dos vínculos afetivos/solidários e o reconhecimento das potencialidades de todos os envolvidos.
  • 25. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Principal característica: residem com suas famílias e nº significativo são arrimo das mesmas Preocupações: Ações: Ações socioeducativas para pessoas idosas Ações socioeducativas com famílias com pessoas idosas Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida Pessoas idosas Prevenção ao isolamento social Acesso a serviços de saúde Prevenção da violação de direitos
  • 26. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Ações Socioeducativas por Ciclo de Vida Pessoas idosas Atividades com foco no convívio, em especial, o convívio intergeracional. As atividades devem estabelecer parcerias com políticas setoriais, em especial, a saúde, cultura e lazer. Deve-se, ainda, priorizar o acesso dos familiares e dos idosos a rede de saúde e a outros serviços que possam minimizar as dificuldades detectadas e melhorar a qualidade de vida. Ações socioeducativas para pessoas idosas Ações socioeducativas com famílias com pessoas idosas As atividades têm por foco o apoio aos familiares e demais profissionais cuidadores de idosos, por meio de orientações sobre questões gerais relacionadas ao envelhecimento, de acordo com os tipos e grau da dependência, para cuidar melhor e para promover o autocuidado. Poderá propiciar, também, espaços de “respiro” para trocas de experiências entre familiares e cuidadores, dificuldades e reconhecimento de potencialidades.
  • 27. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Ações Socioeducativas por Contigências
  • 28. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Ações Socioeducativas por Contigências Pessoas com deficiência Principal característica: dependência familiar e risco de institucionalização Preocupações: estímulo a autonomia, participação e protagonismo acesso aos serviços de saúde, educação e cultura Ações: Ações socioeducativas para pessoas com deficiência Ações socioeducativas com famílias com pessoas com deficiência
  • 29. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Ações Socioeducativas por Contigências Pessoas com deficiência Atividades com foco no convívio, no processo de reabilitação e no desenvolvimento da autonomia. As atividades devem estabelecer parcerias com políticas setoriais, em especial, a saúde, educação e cultura. É imprescindível que se garanta a inclusão preferencial das pessoas com deficiência em todas as ações socioeducativas, garantindo seu direito à participação e ao protagonismo. Ações socioeducativas para pessoas com deficiência Ações socioeducativas para famílias com pessoas com deficiência As atividades têm por foco o apoio aos familiares e demais profissionais cuidadores de pessoas com deficiência, visando o fortalecimento da autonomia, dos vínculos familiares e a prevenção a institucionalização. Poderá propiciar, também, espaços de “respiro” para trocas de experiências entre familiares e cuidadores, as dificuldades e o reconhecimento de potencialidades. A família deve ter seu papel reconhecido e potencializado no processo de reabilitação e inclusão das pessoas com deficiência.
  • 30. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Famílias em Situação de Vulnerabilidade Ações Socioeducativas por Contigências Foco: Fortalecimento do vínculo afetivo e solidário entre seus membros; Estímulo as potencialidades e capacidades de superação da situação de vulnerabilidade; Garantia de acesso a informações; Garantia de acesso e usufruto de direitos;
  • 31. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Ações Socioeducativas por Contigências Famílias em Situação de Vulnerabilidade As ações da assistência social não se restringem apenas às famílias em situação de vulnerabilidade em decorrência da pobreza, por insuficiência e/ou ausência de rendimentos. A assistência social é destinada a quem dela necessitar, para satisfação de necessidades humanas básicas, e tem por referência pessoas e famílias impossibilitadas ou limitadas em sua capacidade, de forma continuada ou temporária/eventual. Isto significa que a assistência social extrapola a dimensão meramente econômica e incide sobre as relações sociais, sobre a garantia de direitos, especialmente ao direito a convivência familiar e comunitária, a uma vida livre de violência, a participação e protagonismo na construção de um projeto societário, que assegure a melhoria da qualidade de vida individual e coletiva a geração atual e as gerações futuras.
  • 32. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Ações Socioeducativas por Contigências Famílias em Situação de Vulnerabilidade Dessa forma, as ações socioeducativas da assistência social deve atentar-se não somente no atendimento das famílias vulnerabilizadas em decorrência da pobreza, mas também aquelas que se encontram em vulnerabilidade devido à vivência de qualquer forma de violação de direitos. Ações: Famílias em situação de vulnerabilidade em decorrência da pobreza Famílias em situação de vulnerabilidade em decorrência de situações de violência
  • 33. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Não tentar “enquadrar” a diversidade cultural do público da política; Respeitar a heterogeneidade dos arranjos familiares; Conhecer os diferentes níveis de acesso aos serviços/direitos; Ações Socioeducativas por Contigências Famílias em Situação de Vulnerabilidade intencionalidades conhecimentos experiências Metodologia Metas da Ação
  • 34. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Ações Socioeducativas por Contigências Famílias em Situação de Vulnerabilidade Metodologia desconstruir posições sedimentadas construir mediações intervir de forma prescritiva, adaptativa, modeladora e moralista adotar um referencial teórico-político de defesa e afirmação de direitos, rumo à emancipação, autonomia e cidadania dos sujeitos
  • 35. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Ações socioeducativas com famílias em situação de vulnerabilidade em decorrência da pobreza Ações Socioeducativas por Contigências Famílias em Situação de Vulnerabilidade Deve favorecer o processo de organização da população em torno de questões relacionadas à geração de trabalho e renda, inclusão produtiva, condições de habitabilidade, acesso a alimentação, a educação, a saúde e a tecnologias, preservação e recuperação do meio ambiente, valorização da cultura e do saber popular e desenvolvimento local sustentável. Requer ação intersetorial, consolidada na elaboração e implementação de projetos de enfrentamento de pobreza que estabeleçam relação com o desenvolvimento econômico e social local.
  • 36. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Dentre as famílias em situação de vulnerabilidade em decorrência da pobreza, destacam-se como público prioritário da ação socioeducativa as famílias inseridas no Programa Bolsa-Família, especialmente aquelas que apresentam dificuldades no cumprimento das condicionalidades As condicionalidades, estabelecidas pelo poder público, são mecanismos para elevar o grau de efetivação dos direitos sociais através da indução da oferta e da demanda por serviços de saúde, educação e assistência social na esfera municipal As dificuldades de cumprimento das condicionalidades pelas famílias devem ser compreendidas, pelos técnicos, não como condição desfavorável, mas como condição objetiva da situação de exclusão, que aumenta a probabilidade de ocorrência de violação dos direitos. As condicionalidades visam garantir às famílias beneficiárias o acesso aos benefícios sociais a que têm direito, o desenvolvimento de práticas de apoio mútuo no espaço doméstico e a vinculação à redes sociais existentes Famílias em situação de vulnerabilidade em decorrência da pobreza
  • 37. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica O descumprimento das condicionalidades deve ser encarado, também, como um indicador importante para prevenir situação de risco nas áreas de abrangência dos CRAS; e, para famílias que se encontram nesta situação, deve ser visto como a oportunidade de reverter o quadro de vulnerabilidade ao receber o acompanhamento e o apoio necessários para o cumprimento do seu papel protetivo É fundamental planejar o acompanhamento da família que não está cumprindo as condicionalidades do PBF dentro do cronograma previsível para as sanções relativas ao descumprimento das condicionalidades Prevenir a violação de direitos e o cancelamento do benefício A articulação entre o PAIF e o PBF é um processo em construção e marca um passo significativo na consolidação de uma política pública de proteção social, que requer um esforço decidido e continuado de atores governamentais e sociais Famílias em situação de vulnerabilidade em decorrência da pobreza
  • 38. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Ações Socioeducativas por Contigências Famílias em Situação de Vulnerabilidade Ações socioeducativas com famílias em situação de vulnerabilidade em decorrência de situações de violência As ações socioeducativas para esse público inicia-se por meio do mapeamento da incidência de crianças, adultos e idosos em situação de negligência, exploração e outras formas de violência no território. Os técnicos dos CRAS ao prestar atendimento às famílias, também podem identificar situações de violências sofridas por alguns dos membros da família, com especial atenção à violência contra crianças, mulheres e idosos.
  • 39. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Famílias em situação de vulnerabilidade em decorrência de situações de violência A abordagem nesses casos deve se pautar em duas linhas de atuação: a) na identificação de recorrências de algumas situações de violência, deve-se executar e/ou apoiar campanhas de prevenção; b) na identificação de caso de violência, deve-se encaminhar à rede de proteção social especial, que atua em casos de violação de direitos, bem como aos serviços intersetoriais como de segurança pública e saúde. Após o rompimento da situação de violência ou mesmo na prevenção destas, as ações socioeducativas são importantes para o processo de reflexão sobre a situação de risco pessoal e social e de suas prováveis condicionantes, favorecendo a percepção da dimensão individual e coletiva da problemática e a definição de estratégias e de projetos individuais e coletivos de superação, que permitam a garantia do direito à vida e ao desenvolvimento.
  • 40. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Básica Diretrizes Gerais para as Ações Socioeducativas com Famílias • Conhecimento do território • Acolhida e escuta das preocupações, necessidades e demandas expressas pelas famílias • Valorização e fortalecimento das famílias • Informação, comunicação e defesa de direitos • Mobilização e articulação para a cidadania