SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA (UFRO)
      CENTRO DE HERMENÊUTICA DO PRESENTE                      PRIMEIRA VERSÃO
                                                               ISSN 1517-5421      lathé biosa   4
          PRIMEIRA VERSÃO
        ANO I, Nº04 MAIO - PORTO VELHO, 2001
                         Volume I

                       ISSN 1517-5421


                         EDITOR
                   NILSON SANTOS


                 CONSELHO EDITORIAL
            ALBERTO LINS CALDAS - História
             ARNEIDE CEMIN - Antropologia
            FABÍOLA LINS CALDAS - História
         JOSÉ JANUÁRIO DO AMARAL - Geografia
                MIGUEL NENEVÉ - Letras
            VALDEMIR MIOTELLO - Filosofia

Os textos de até 5 laudas, tamanho de folha A4, fonte Times
New Roman 11, espaço 1.5, formatados em “Word for Windows”
           deverão ser encaminhados para e-mail:
                                                                          BATOM NO ESPELHO
                     nilson@unir.br

                     CAIXA POSTAL 775
                     CEP: 78.900-970
                      PORTO VELHO-RO
                                                                                       NILZA MENEZES


                TIRAGEM 150 EXEMPLARES

      EDITORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA                                  αΩ
Nilza Menezes                                                                                                       BATOM NO ESPELHO
        Centro de Documentação Histórica – TJ/RO
        cendoc@gov.tj.com.br




        Como a proposta desse suplemento é a de apresentar uma grande variedade de assuntos, optamos por falar em mulher. Vamos tomar aqui como exemplo
um processo judicial do Centro de Documentação Histórica do Tribunal de Justiça de Rondônia. Omitiremos os nomes porque o interesse principal é discutir a
questão feminina e histórica, além da divulgação dos documentos disponíveis no acervo do CDH/TJRO.
O documento que vamos usar como referencial e transcrever em alguns pontos refere-se a uma ação de indenização impetrada por “A” mulher, contra “B” homem,
na década de 60. A ação ajuizada é um pedido de indenização onde “A” conta a sua história de empregada doméstica em casa de “B”, ela viúva, ele casado.
Entregando-se arduamente aos trabalhos domésticos dentro dos preceitos ditados pela C.L.T., desenvolvendo-se após, entre patrão e empregada doméstica,
grande afeição; “A” conta ainda, através do seu advogado, que por quase vinte anos “B” beneficiou-se dos seus trabalhos, tanto no plano doméstico ou caseiro
(alimentando-se dos seus cozidos, vestindo as roupas que suas mãos lavavam e passavam, desfrutando da paz domiciliar que só uma boa dona de casa sabe dar,
assistindo nas horas de doenças pelas suas mãos benfazejas...) continua sua histórica dizendo que ela foi responsável pelo sucesso profissional, de “B”. Que
conhecera apenas um vendedorzinho ambulante transformado com a ajuda dela em grande proprietário e comerciante. Insisti na importância da sua contribuição
para o sucesso de “B”, dando-lhe filhos, e requerendo seus direitos, alegando que mesmo não sendo ela casada com “B”, vivera ao longo dos anos como se fosse.
Defende-se, alegando não ter sido apenas uma concubina, uma amante para “numa relaxada concubinagem de relações e fornicações emergenciais”
        Histórias idênticas aparecem com freqüência entre as ações judiciais, com grande incidência nas décadas de 50, 60 e 70. Com o surgimento da Delegacia da
Mulher a década de 80 vai apresentar as mulheres mais agressivas, lutando na busca dos caminhos motivados pela maior divulgação dos direitos femininos,
contudo, historias como essas ainda fazem parte do cotidiano da justiça.
        É comum observarmos que quando essas situações acontecem, as mulheres tomam uma posição de vítimas. Colocam-se como as empregadas que não
foram reconhecidas. Cobram seus direitos como lavadeiras, passadeiras, cozinheiras e enfermeiras. Reclamam que foram exploradas na sua força de trabalho,
pedem pagamento pelos trabalhos prestados misturando afetividade com economia, vendendo afeto. Quando a situação chega a esse ponto a mulher assume uma
situação de vendedora dos seus sentimentos, da sua condição de parideira, dos seus carinhos o que leva homens a considerarem as mulheres todas como
prostitutas.
        Não estou querendo dizer com isso que mulheres que ficaram em casa lavando e passando não têm nenhum direito, mas vai longe o tempo em que
pioneiras da luta da mulher, no começo do século XX, como Virginia Woolf mandavam que as mulheres matassem o anjo de dentro delas e fossem à luta para



                                                                                                                                        ISSN 1517 - 5421       2
ocuparem os seus lugares. Com outras palavras uma autora quer gosto de citar, a chilena Gabriela Mistral, na década de 30 recomendava às mulheres que lutassem
para terem a terra e não para terem um homem, porque “la tierra es la posibilidad de todos los bienes, porque el mar no sirve sino como caminho entre los pedazos
de ella y viene a ser uma espécie de hermoso criado terrestre”.
       Trazendo para os dias de hoje, a terra da mulher é o seu emprego, a sua independência, a sua profissão. O amor, o casamento é o mar que une dois
pedaços de terra, o homem e a mulher.
       É preciso que se saiba separar afetividade, relacionamentos e trabalho. A grande arma da mulher está na sua posição frente à vida para não ter que
reclamar direitos de lavadeira nem cozinheira como “A”.
       Para concluir “A” desistiu da ação, voltando a paz doméstica. “B” ao sentir-se ameaçado no seu patrimônio, em ter que partilhá-los, declarou a “A”, através
de petição nos autos por seu advogado que a amava, que tudo não passava de um pequeno desentendimento de casal. E ela que não queria bens, mas sim seu
homem, aceitou-o para continuar lavando e cozinhando.




                                                                                                                                          ISSN 1517 - 5421       3
VITRINE
                   SUGESTÃO DE LEITURA                                                                         LINKS


                     DISCUTINDO LINGUAGEM                                     Música - Kraftwerk
                  COM O PROFESSOR DE PORTUGUÊS                                www.tdb.cs.umu.se/~dvlawn/kreftwerk

                                                                              Revista Junguiana
                        CELSO FERRAREZI JUNIOR                                www.sbpa.org.br/revista.html
                            Terceira Margem
                                                                              Centro Brasileiro de Filosofia Para Crianças
                                                                              http://www.cbfc.com.br

RESUMO: Esta obra é um relato da experiência do autor como professor,         Picasso
desde os tempos que lecionava para as séries iniciais, até sua lida na pós-   www.clubinternet.com/picasso
graduação. Trata-se de uma coletânea de artigos escrita para seus alunos
em diversas fases de sua carreira, representando diferentes níveis de sua     Literatura de Cordel
maturação intelectual, em vários temas com diferentes abordagens teóricas.    www.ssac.unicamp.br/suarq/cedae/cedae-flc-varal.html
Uma obra, enfim, que vale a pena ler, não só pelo que traz de teoria, mas
pelo que revela sobre o ensino da linguagem na escola.                        Centro de Estudos Rurais e Urbanos
                                                                              http://www.usp.br/prpesq/ceru.htm

                                                                              Memorial do Imigrante
SUMÁRIO: Gramática; Erros de Gramática e Gramáticas com Erro; O               http://www.memorialdoimigrante.sp.gov.br/historia.htm
Particípio da Lingua Portuguesa; Flexão: Natureza e Manifestações; Funções
da Linguagem; Dissertação e Silogismo; Metáfora e Mitonímia; Leitura e        Portinari
Escrita.                                                                      www.lids.puc-rio.br/~pp

                                                                              Egito
                                                                              www.newton.cam.ac.uk:80/egipt
Áreas de interesse: Português, Linguagem.                                     www.channel11.com/users/manssorm



Palavras-chave: Linguagem, Ensino de Português, Estudo, Professores de
Português.


                                                                                                                                ISSN 1517 - 5421   4

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Vistotrabalho linguaport.fabiolisandra
Vistotrabalho linguaport.fabiolisandraVistotrabalho linguaport.fabiolisandra
Vistotrabalho linguaport.fabiolisandra
Ana Paula Augusto
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 107-108
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 107-108Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 107-108
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 107-108
luisprista
 
A narrativa de joão guimarães rosa
A narrativa de joão guimarães rosaA narrativa de joão guimarães rosa
A narrativa de joão guimarães rosa
ma.no.el.ne.ves
 
Análise de sarapalha, de guimarães rosa
Análise de sarapalha, de guimarães rosaAnálise de sarapalha, de guimarães rosa
Análise de sarapalha, de guimarães rosa
ma.no.el.ne.ves
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
luisprista
 
Sá de Miranda - Trabalho de Lp
Sá de Miranda - Trabalho de LpSá de Miranda - Trabalho de Lp
Sá de Miranda - Trabalho de Lp
Francisco Teixeira
 
Análise de o burrinho pedrês, de guimarães rosa
Análise de o burrinho pedrês, de guimarães rosaAnálise de o burrinho pedrês, de guimarães rosa
Análise de o burrinho pedrês, de guimarães rosa
ma.no.el.ne.ves
 
Questões sobre sagarana
Questões sobre sagaranaQuestões sobre sagarana
Questões sobre sagarana
ma.no.el.ne.ves
 

Mais procurados (20)

Vistotrabalho linguaport.fabiolisandra
Vistotrabalho linguaport.fabiolisandraVistotrabalho linguaport.fabiolisandra
Vistotrabalho linguaport.fabiolisandra
 
A Diversidade Cultural presente na literatura Fantástica de J.R.R. Tolkien.
A Diversidade Cultural presente na literatura Fantástica de J.R.R. Tolkien.A Diversidade Cultural presente na literatura Fantástica de J.R.R. Tolkien.
A Diversidade Cultural presente na literatura Fantástica de J.R.R. Tolkien.
 
Haide silva
Haide silvaHaide silva
Haide silva
 
Formataçao emef campestre
Formataçao emef campestreFormataçao emef campestre
Formataçao emef campestre
 
Bernardim ribeiro
Bernardim ribeiroBernardim ribeiro
Bernardim ribeiro
 
Monteiro lobato -_O_Colocador_de_Pronomes
Monteiro lobato -_O_Colocador_de_PronomesMonteiro lobato -_O_Colocador_de_Pronomes
Monteiro lobato -_O_Colocador_de_Pronomes
 
Naturalismo no brasil blog
Naturalismo no brasil blogNaturalismo no brasil blog
Naturalismo no brasil blog
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 107-108
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 107-108Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 107-108
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 107-108
 
Besouro
Besouro Besouro
Besouro
 
A narrativa de joão guimarães rosa
A narrativa de joão guimarães rosaA narrativa de joão guimarães rosa
A narrativa de joão guimarães rosa
 
Fernado Pessoa -Heteronímia
Fernado Pessoa -HeteronímiaFernado Pessoa -Heteronímia
Fernado Pessoa -Heteronímia
 
Análise de sarapalha, de guimarães rosa
Análise de sarapalha, de guimarães rosaAnálise de sarapalha, de guimarães rosa
Análise de sarapalha, de guimarães rosa
 
O essencial sobre bernardim ribeiro
O essencial sobre bernardim ribeiroO essencial sobre bernardim ribeiro
O essencial sobre bernardim ribeiro
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
 
Mulheres de atenas
Mulheres de atenasMulheres de atenas
Mulheres de atenas
 
Sá de Miranda - Trabalho de Lp
Sá de Miranda - Trabalho de LpSá de Miranda - Trabalho de Lp
Sá de Miranda - Trabalho de Lp
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Análise de o burrinho pedrês, de guimarães rosa
Análise de o burrinho pedrês, de guimarães rosaAnálise de o burrinho pedrês, de guimarães rosa
Análise de o burrinho pedrês, de guimarães rosa
 
Questões sobre sagarana
Questões sobre sagaranaQuestões sobre sagarana
Questões sobre sagarana
 
Realismo/Naturalismo
Realismo/NaturalismoRealismo/Naturalismo
Realismo/Naturalismo
 

Destaque (10)

Konsep bayi baru lahir normal
Konsep bayi baru lahir normalKonsep bayi baru lahir normal
Konsep bayi baru lahir normal
 
Catálogo Geral Dakol
Catálogo Geral DakolCatálogo Geral Dakol
Catálogo Geral Dakol
 
Presentación12
Presentación12Presentación12
Presentación12
 
Rencana askep hipersensitivitas tipe iii
Rencana askep hipersensitivitas tipe iiiRencana askep hipersensitivitas tipe iii
Rencana askep hipersensitivitas tipe iii
 
Penjelasan Pengusul Atas Raperda Prakarsa DPRD
Penjelasan Pengusul Atas Raperda Prakarsa DPRDPenjelasan Pengusul Atas Raperda Prakarsa DPRD
Penjelasan Pengusul Atas Raperda Prakarsa DPRD
 
Persiapan pt-askes-dalam-masa-transformasi-ke-bpjs-1-121119003450-phpapp01
Persiapan pt-askes-dalam-masa-transformasi-ke-bpjs-1-121119003450-phpapp01Persiapan pt-askes-dalam-masa-transformasi-ke-bpjs-1-121119003450-phpapp01
Persiapan pt-askes-dalam-masa-transformasi-ke-bpjs-1-121119003450-phpapp01
 
Kitab zakat
Kitab zakatKitab zakat
Kitab zakat
 
Kitab wudhu
Kitab wudhuKitab wudhu
Kitab wudhu
 
Kitab zuhud dan kelembutan hati
Kitab zuhud dan kelembutan hatiKitab zuhud dan kelembutan hati
Kitab zuhud dan kelembutan hati
 
Kitab zikir, doa, tobat dan istigfar
Kitab zikir, doa, tobat dan istigfarKitab zikir, doa, tobat dan istigfar
Kitab zikir, doa, tobat dan istigfar
 

Semelhante a 04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.

O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
Marcos Gimenes Salun
 
Relações Cabo Verde/Brasil
Relações Cabo Verde/BrasilRelações Cabo Verde/Brasil
Relações Cabo Verde/Brasil
SinchaSutu
 
Boletim "Contacto" - novembro 2011
Boletim "Contacto" - novembro 2011Boletim "Contacto" - novembro 2011
Boletim "Contacto" - novembro 2011
Isabel Martins
 

Semelhante a 04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001. (20)

Artigo tcc final
Artigo tcc finalArtigo tcc final
Artigo tcc final
 
Volume VI
Volume VIVolume VI
Volume VI
 
01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - V...
01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - V...01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - V...
01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - V...
 
Volume I
Volume IVolume I
Volume I
 
tesedoutcontopopular000074266.pdf
tesedoutcontopopular000074266.pdftesedoutcontopopular000074266.pdf
tesedoutcontopopular000074266.pdf
 
Izaak Walton - Diálogos das grandezas do brasil
Izaak Walton - Diálogos das grandezas do brasilIzaak Walton - Diálogos das grandezas do brasil
Izaak Walton - Diálogos das grandezas do brasil
 
trabalho
trabalhotrabalho
trabalho
 
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
O Bandeirante - n.207 - Fevereiro de 2010
 
Narrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os MaiasNarrativa e estilo n' Os Maias
Narrativa e estilo n' Os Maias
 
Contacto abril 2017
Contacto abril   2017Contacto abril   2017
Contacto abril 2017
 
Crônica1
Crônica1Crônica1
Crônica1
 
Relações Cabo Verde/Brasil
Relações Cabo Verde/BrasilRelações Cabo Verde/Brasil
Relações Cabo Verde/Brasil
 
Volume xiii 2005
Volume xiii 2005Volume xiii 2005
Volume xiii 2005
 
Portugues6em
Portugues6emPortugues6em
Portugues6em
 
Boletim "Contacto" - novembro 2011
Boletim "Contacto" - novembro 2011Boletim "Contacto" - novembro 2011
Boletim "Contacto" - novembro 2011
 
Nísia floresta final.
Nísia floresta final.Nísia floresta final.
Nísia floresta final.
 
Genese social da_gente_bandeirante_1944
Genese social da_gente_bandeirante_1944Genese social da_gente_bandeirante_1944
Genese social da_gente_bandeirante_1944
 
Rara educação
Rara educaçãoRara educação
Rara educação
 
VARIEDADES LINGUÍSTICAS - 1. pptx
VARIEDADES        LINGUÍSTICAS - 1. pptxVARIEDADES        LINGUÍSTICAS - 1. pptx
VARIEDADES LINGUÍSTICAS - 1. pptx
 
Dicionario de sinônimos da língua portuguesa
Dicionario de sinônimos da língua portuguesaDicionario de sinônimos da língua portuguesa
Dicionario de sinônimos da língua portuguesa
 

Mais de estevaofernandes

Mais de estevaofernandes (20)

12. A Erudição Excepcional em Foucault. Ano I, Nº 12 - Volume I - Porto Velho...
12. A Erudição Excepcional em Foucault. Ano I, Nº 12 - Volume I - Porto Velho...12. A Erudição Excepcional em Foucault. Ano I, Nº 12 - Volume I - Porto Velho...
12. A Erudição Excepcional em Foucault. Ano I, Nº 12 - Volume I - Porto Velho...
 
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
 
09. A Universidade nas Rondônias. Ano I, Nº 09 - Volume I - Porto Velho - Jul...
09. A Universidade nas Rondônias. Ano I, Nº 09 - Volume I - Porto Velho - Jul...09. A Universidade nas Rondônias. Ano I, Nº 09 - Volume I - Porto Velho - Jul...
09. A Universidade nas Rondônias. Ano I, Nº 09 - Volume I - Porto Velho - Jul...
 
08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.
08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.
08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.
 
07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...
07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...
07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...
 
06. Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...
06.  Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...06.  Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...
06. Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...
 
05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...
05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...
05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...
 
03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...
03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...
03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...
 
02. Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...
02.  Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...02.  Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...
02. Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...
 
Volume xx 2007
Volume xx 2007Volume xx 2007
Volume xx 2007
 
Volume xviii 2007
Volume xviii 2007Volume xviii 2007
Volume xviii 2007
 
Volume xvii 2006
Volume xvii 2006Volume xvii 2006
Volume xvii 2006
 
Volume xvi 2006
Volume xvi 2006Volume xvi 2006
Volume xvi 2006
 
Volume xv 2006
Volume xv 2006Volume xv 2006
Volume xv 2006
 
Volume xix 2007
Volume xix 2007Volume xix 2007
Volume xix 2007
 
Volume xiv 2005
Volume xiv 2005Volume xiv 2005
Volume xiv 2005
 
Volume xi 2004
Volume xi 2004Volume xi 2004
Volume xi 2004
 
Volume x 2004
Volume x 2004Volume x 2004
Volume x 2004
 
Volume viii 2003
Volume viii 2003Volume viii 2003
Volume viii 2003
 
Volume VII
Volume VIIVolume VII
Volume VII
 

04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA (UFRO) CENTRO DE HERMENÊUTICA DO PRESENTE PRIMEIRA VERSÃO ISSN 1517-5421 lathé biosa 4 PRIMEIRA VERSÃO ANO I, Nº04 MAIO - PORTO VELHO, 2001 Volume I ISSN 1517-5421 EDITOR NILSON SANTOS CONSELHO EDITORIAL ALBERTO LINS CALDAS - História ARNEIDE CEMIN - Antropologia FABÍOLA LINS CALDAS - História JOSÉ JANUÁRIO DO AMARAL - Geografia MIGUEL NENEVÉ - Letras VALDEMIR MIOTELLO - Filosofia Os textos de até 5 laudas, tamanho de folha A4, fonte Times New Roman 11, espaço 1.5, formatados em “Word for Windows” deverão ser encaminhados para e-mail: BATOM NO ESPELHO nilson@unir.br CAIXA POSTAL 775 CEP: 78.900-970 PORTO VELHO-RO NILZA MENEZES TIRAGEM 150 EXEMPLARES EDITORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA αΩ
  • 2. Nilza Menezes BATOM NO ESPELHO Centro de Documentação Histórica – TJ/RO cendoc@gov.tj.com.br Como a proposta desse suplemento é a de apresentar uma grande variedade de assuntos, optamos por falar em mulher. Vamos tomar aqui como exemplo um processo judicial do Centro de Documentação Histórica do Tribunal de Justiça de Rondônia. Omitiremos os nomes porque o interesse principal é discutir a questão feminina e histórica, além da divulgação dos documentos disponíveis no acervo do CDH/TJRO. O documento que vamos usar como referencial e transcrever em alguns pontos refere-se a uma ação de indenização impetrada por “A” mulher, contra “B” homem, na década de 60. A ação ajuizada é um pedido de indenização onde “A” conta a sua história de empregada doméstica em casa de “B”, ela viúva, ele casado. Entregando-se arduamente aos trabalhos domésticos dentro dos preceitos ditados pela C.L.T., desenvolvendo-se após, entre patrão e empregada doméstica, grande afeição; “A” conta ainda, através do seu advogado, que por quase vinte anos “B” beneficiou-se dos seus trabalhos, tanto no plano doméstico ou caseiro (alimentando-se dos seus cozidos, vestindo as roupas que suas mãos lavavam e passavam, desfrutando da paz domiciliar que só uma boa dona de casa sabe dar, assistindo nas horas de doenças pelas suas mãos benfazejas...) continua sua histórica dizendo que ela foi responsável pelo sucesso profissional, de “B”. Que conhecera apenas um vendedorzinho ambulante transformado com a ajuda dela em grande proprietário e comerciante. Insisti na importância da sua contribuição para o sucesso de “B”, dando-lhe filhos, e requerendo seus direitos, alegando que mesmo não sendo ela casada com “B”, vivera ao longo dos anos como se fosse. Defende-se, alegando não ter sido apenas uma concubina, uma amante para “numa relaxada concubinagem de relações e fornicações emergenciais” Histórias idênticas aparecem com freqüência entre as ações judiciais, com grande incidência nas décadas de 50, 60 e 70. Com o surgimento da Delegacia da Mulher a década de 80 vai apresentar as mulheres mais agressivas, lutando na busca dos caminhos motivados pela maior divulgação dos direitos femininos, contudo, historias como essas ainda fazem parte do cotidiano da justiça. É comum observarmos que quando essas situações acontecem, as mulheres tomam uma posição de vítimas. Colocam-se como as empregadas que não foram reconhecidas. Cobram seus direitos como lavadeiras, passadeiras, cozinheiras e enfermeiras. Reclamam que foram exploradas na sua força de trabalho, pedem pagamento pelos trabalhos prestados misturando afetividade com economia, vendendo afeto. Quando a situação chega a esse ponto a mulher assume uma situação de vendedora dos seus sentimentos, da sua condição de parideira, dos seus carinhos o que leva homens a considerarem as mulheres todas como prostitutas. Não estou querendo dizer com isso que mulheres que ficaram em casa lavando e passando não têm nenhum direito, mas vai longe o tempo em que pioneiras da luta da mulher, no começo do século XX, como Virginia Woolf mandavam que as mulheres matassem o anjo de dentro delas e fossem à luta para ISSN 1517 - 5421 2
  • 3. ocuparem os seus lugares. Com outras palavras uma autora quer gosto de citar, a chilena Gabriela Mistral, na década de 30 recomendava às mulheres que lutassem para terem a terra e não para terem um homem, porque “la tierra es la posibilidad de todos los bienes, porque el mar no sirve sino como caminho entre los pedazos de ella y viene a ser uma espécie de hermoso criado terrestre”. Trazendo para os dias de hoje, a terra da mulher é o seu emprego, a sua independência, a sua profissão. O amor, o casamento é o mar que une dois pedaços de terra, o homem e a mulher. É preciso que se saiba separar afetividade, relacionamentos e trabalho. A grande arma da mulher está na sua posição frente à vida para não ter que reclamar direitos de lavadeira nem cozinheira como “A”. Para concluir “A” desistiu da ação, voltando a paz doméstica. “B” ao sentir-se ameaçado no seu patrimônio, em ter que partilhá-los, declarou a “A”, através de petição nos autos por seu advogado que a amava, que tudo não passava de um pequeno desentendimento de casal. E ela que não queria bens, mas sim seu homem, aceitou-o para continuar lavando e cozinhando. ISSN 1517 - 5421 3
  • 4. VITRINE SUGESTÃO DE LEITURA LINKS DISCUTINDO LINGUAGEM Música - Kraftwerk COM O PROFESSOR DE PORTUGUÊS www.tdb.cs.umu.se/~dvlawn/kreftwerk Revista Junguiana CELSO FERRAREZI JUNIOR www.sbpa.org.br/revista.html Terceira Margem Centro Brasileiro de Filosofia Para Crianças http://www.cbfc.com.br RESUMO: Esta obra é um relato da experiência do autor como professor, Picasso desde os tempos que lecionava para as séries iniciais, até sua lida na pós- www.clubinternet.com/picasso graduação. Trata-se de uma coletânea de artigos escrita para seus alunos em diversas fases de sua carreira, representando diferentes níveis de sua Literatura de Cordel maturação intelectual, em vários temas com diferentes abordagens teóricas. www.ssac.unicamp.br/suarq/cedae/cedae-flc-varal.html Uma obra, enfim, que vale a pena ler, não só pelo que traz de teoria, mas pelo que revela sobre o ensino da linguagem na escola. Centro de Estudos Rurais e Urbanos http://www.usp.br/prpesq/ceru.htm Memorial do Imigrante SUMÁRIO: Gramática; Erros de Gramática e Gramáticas com Erro; O http://www.memorialdoimigrante.sp.gov.br/historia.htm Particípio da Lingua Portuguesa; Flexão: Natureza e Manifestações; Funções da Linguagem; Dissertação e Silogismo; Metáfora e Mitonímia; Leitura e Portinari Escrita. www.lids.puc-rio.br/~pp Egito www.newton.cam.ac.uk:80/egipt Áreas de interesse: Português, Linguagem. www.channel11.com/users/manssorm Palavras-chave: Linguagem, Ensino de Português, Estudo, Professores de Português. ISSN 1517 - 5421 4