SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA (UFRO)
      CENTRO DE HERMENÊUTICA DO PRESENTE                      PRIMEIRA VERSÃO
                                                               ISSN 1517-5421       lathé biosa   6
          PRIMEIRA VERSÃO
        ANO I, Nº06 JUNHO - PORTO VELHO, 2001
                         VOLUME I

                       ISSN 1517-5421


                         EDITOR
                   NILSON SANTOS


                 CONSELHO EDITORIAL
            ALBERTO LINS CALDAS - História
             ARNEIDE CEMIN - Antropologia
            FABÍOLA LINS CALDAS - História
         JOSÉ JANUÁRIO DO AMARAL - Geografia
                MIGUEL NENEVÉ - Letras
            VALDEMIR MIOTELLO - Filosofia

Os textos de até 5 laudas, tamanho de folha A4, fonte Times
New Roman 11, espaço 1.5, formatados em “Word for Windows”
           deverão ser encaminhados para e-mail:
                                                                         OS RATOS NO SÓTÃO
                     nilson@unir.br
                                                                   DE UMA MEMÓRIA ROCK’N’ROLL
                     CAIXA POSTAL 775
                     CEP: 78.900-970
                      PORTO VELHO-RO                                     RUBENS VAZ CAVALCANTE (BINHO)

                TIRAGEM 150 EXEMPLARES

      EDITORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA                                   αΩ
Rubens Vaz Cavalcante (Binho)                                                                           OS RATOS NO SÓTÃO
       Professor de Teoria da Literatura                                                                       DE UMA MEMÓRIA ROCK’N’ROLL
       ohnib@unir.br


       Dyonelio Machado. OS RATOS. São Paulo, Ática, 1999.


       De há muito uma mania me acompanha: ler poesia e prosa escutando rock’n’roll. Resquícios do antigo roqueiro que virou intelectual? Ressaca do atual
literato que nunca deveria ter saído da boêmia? De qualquer modo não é o momento nem vale a pena resolver tal impasse. Talvez o grande lance seja mantê-lo
irresoluto. O que importa é que essa mania é uma saudável recorrência na vida do leitor que me freqüenta. Digo assim das minhas idiossincrasias não por uma
questão personalista, mas para ilustrar uma experiência que se dá no encontro das duas formas de expressão da arte que mais admiro: música e literatura. Quem
quiser pode chamar a esta experiência de intersemiótica – eu deixo.
       No final de semana próximo-passado (sempre senti vontade de usar essa justaposição), tive a oportunidade rara de ler o romance Os ratos, do escritor
gaúcho Dyonelio Machado (1895-1985), publicado pela primeira vez em 1934. Modernista contemporâneo da geração de 30 - psiquiatra, jornalista e político
militante do PCB -, Dyonelio publicou sua obra entre 1927 (Um pobre homem) e 1982 (Passos perdidos), em meio a um viver pontilhado de prisões e prêmios
literários. A maioria de seus livros só foi publicada nas décadas de 60, 70 e 80. Os mais acolhidos pela crítica foram: Os ratos (1934) e O louco do Cati (1942).
Particularmente (vejam o tamanho da peça que o cânone acadêmico nos prega), só tomei conhecimento da obra do Dyonelio Machado através do livro 40 Escritos,
do Arnaldo Antunes, no qual o multiartista republicou um artigo escrito para a Folha em 26/6/85, dez dias depois da morte do autor d’Os ratos. No referido artigo, o
Arnaldo se confessa estranhado com a notícia da morte de Dyonelio: “O cara se abaixou para amarrar os sapatos, levou um tombo e morreu”. Antunes viu a poesia
ligando a morte e a obra do “cara”, mas viu também que pouco ou nada se sabe do escritor gaúcho. Ouve-se ratos roendo a memória literária brasileira.
       O livro Os ratos narra a saga de um dia na vida de um homem simples: Naziazeno Barbosa. Do “pega” com o leiteiro, logo nas primeiras horas do dia, por
conta do atraso no pagamento, até o amanhecer do dia seguinte, o tempo do protagonista (e da narrativa) é desdobrado em espaços físicos e ambientes
psicológicos nos quais são elencados comportamentos e tipos humanos esdrúxulos e vários. O tempo é quase simultâneo: “o tempo de uma história ou de uma
seqüência narrativa desdobrada no espaço”, diria Benedito Nunes. O narrador, num simulacro de discurso cinematográfico, finge contar a história como se estivesse
fora da ação, por detrás das câmeras, mas seu envolvimento é tal que nos momentos de quase desistência do protagonista é ele quem o anima a continuar, criando
novas perspectivas: “Se ele botasse no estômago qualquer coisa, mesmo um cafezinho, ainda agüentaria mais uma hora. E com esses cinco mil réis tentaria... a
sorte!” (p. 57). Naziazeno atravessa as 24 horas mais longas da sua sedentária vida, entre funcionários públicos, agiotas, casas de penhores, guichês do bicho e
cafés, em busca de uma felicidade que parecia custar pouco mas que lhe era cara: pagar o leiteiro. Nunca fantástica inversão de valores, vê seu problema resolvido,



                                                                                                                                            ISSN 1517 - 5421       2
a duras penas, pela marginália representada por Duque (“o agente, o corretor da miséria”), Alcides (“o vigarista”) e Mondina (“o rábula”), depois de ter sido
ridicularizado pelo Dr. Romeiro, seu diretor, diante dos outros funcionários (“ – Tenho eu porventura alguma fábrica de dinheiro?...”). Há mais ética no submundo
que nas relações legalizadas? Em vários momentos a voz que conduz a narrativa vê focinho no protagonista, “A seu lado, Naziazeno ergue-lhe um focinho humilde”
(p. 83), e também nos adjuvantes: “o seu ar de pobreza, aquele focinho quieto e manso que vem ali ao seu lado, tiram-lhe qualquer ilusão”(p. 85), referindo-se a
Alcides; “Seu focinho perdeu aquela expressão neutra e mansa” (p. 88), falando de Mondina; “Duque caminha meio passo na frente. Vai puxando... baixou o
focinho, recolheu-o um pouco...” (p. 100). Afinal quem são os ratos? Humanos personalizados mamíferos roedores? Quem com Kafka fere com Kafka será ferido.
        O que isso tem a ver com rock’n’roll? Tudo. O romance do Dyonelio é um autêntico thriller contemporâneo, na medida em que transforma o leitor num
investigador dos maneirismos humanos. E um bom thriller tem sempre como trilha sonora uma boa seleção de rock. Apesar de até o presente instante não se ter
falado em música, o próprio romance traz o seguinte enunciado:
        Uma “ária” (ou qualquer coisa desse gênero). Vem de longe e de dentro da casa. Tem o som um tanto velado. Vai-se definindo melhor à medida que
Naziazeno avança. Pouco a pouco aumenta de intensidade e clareza. É uma voz masculina, de tenor. Coisa conhecida... Soa muito forte, quando ele defronta a casa
onde o rádio está tocando. Todo o bangalô parece estar vibrando – enorme caixa de música... A ária depois diminui, quase se apaga no intervalo das casas. Mas
agora vem crescendo... crescendo... Até que ressoa com toda força outra vez defronte doutro prédio, doutra janela entreaberta... E dessa forma ela nunca se
extingue. (p. 45)
        Umberto Eco diz que “entre a intenção do autor ... e a intenção do intérprete ... existe a intenção do texto”. Ele que me perdoe a superinterpretação mas,
consideradas as intenções, isso que o texto canta é música urbana. Minha cultura musical intui que a música que sai pela “janela entreaberta” é uma ária-rock:
Strange Days; a “voz masculina, de tenor” é a do poeta maldito do psicodelismo pop: Jim Morrison. Quem atualiza o texto não é o leitor? Então? Antes que alguém
se pergunte vou adiantar: no momento em que eu lia esse trecho do livro, o CD Surfing With the Alien, do Joe Satriani, era a trilha sonora da minha leitura. E a
música? Crushing Day. Coincidência ou não, a relação temática dessas músicas com o estranho e esmagador dia do Naziazeno é, no mínimo, instigante.
        Continuando o investimento neste delírio lírico, reporto-me aos últimos capítulos do livro de Dyonelio Machado, momento em que se narra a noite em claro
do protagonista, agenciada pelo chiado do que ele supunha ser insetos e intercalada pelos fragmentos da memória de seu dia de cão. O discurso fragmentário
desse movimento do livro nos deixa ver cenas concomitantes como no cinema. O leitor assiste a narrativa cheio de temores e ânsias controladas, em parte pelo
comodismo medroso do herói (ou seria anti-herói?) e em parte pelo retardamento do desfecho do enredo: são seis capítulos de extrema tensão e mistério até o
desembocar num clímax revelador:
        Um rufar – um pequeno rufar – por sobre a esfera do chiado, no forro... Ratos... são ratos! Naziazeno quer distinguir bem. Atenção. O pequeno rufar – um
dedilhar leve – perde-se para um dos cantos do forro...



                                                                                                                                          ISSN 1517 - 5421       3
Ele se põe a escutar agudamente. Um esforço para afastar aquele conjunto amorfo de ruidozinhos, aquele chiado... Feito de várias notinhas geminadas,
fininhas...
São os ratos!... (pp. 137-138)
        No headphone do discman, Hot rats, do Frank Zappa, a todo volume, alimenta minha imaginação. A sintaxe do texto literário e a do texto melódico, suas
sintonias: as frases fragmentárias, cheias de reticências e cortes abruptos; as escalas entrecortadas, cheias de silêncios e ruídos amorfos. A invenção narrativa
digitalizada no virtuosismo sugestivo do tema instrumental: casamento perfeito entre os riffs dos ratos e os guinchos das guitarras... roendo... roendo... roendo...
ratos quentes...
        Caberia aqui contar o desfecho do romance. Os ratos roeram o dinheiro que pagaria o leiteiro? Naziazeno conseguiu dormir e ser feliz? Não contarei. Leiam
o livro. Fico questionando cá com os botões: será que o Cazuza, como o Arnaldo, leu Os ratos? Assim mesmo vou cantarolando um trecho de O tempo não pára:
“sua piscina está cheia de ratos/ suas idéias não correspondem aos fatos/ o tempo não pára”.




                                                                                                                                            ISSN 1517 - 5421        4
VITRINE
                     SUGESTÃO DE LEITURA                                                                        LINKS


              HISTÓRIA DA MÚSICA OCIDENTAL                                     Música - Kraftwerk
                                                                               www.tdb.cs.umu.se/~dvlawn/kreftwerk

                         JEAN & BRIGITTE MASSIN                                Revista Junguiana
                              Nova Fronteira                                   www.sbpa.org.br/revista.html

                                                                               Centro Brasileiro de Filosofia Para Crianças
RESUMO: Há hoje numerosos e excelentes dicionários e enciclopédias de          http://www.cbfc.com.br
música com ensinamentos os mais variados, mas sem dúvida mais raramente
conduzem-nos a uma história satisfatória dessa arte até nossos dias, em sua    Picasso
maravilhosa     trajetória   através   dos    séculos:   seus     encontros,   www.clubinternet.com/picasso
desenvolvimentos, o surgimento dos homens que não cessam de inventá-la e
reinventá-la. Destinada aos leitores apaixonados pela música, praticantes e    Literatura de Cordel
ouvintes, e a todos os que querem saber mais, esta história se abre com um     www.ssac.unicamp.br/suarq/cedae/cedae-flc-varal.html
léxico musical explicativo, um pouco como se entrega em mãos as chaves de
uma fábrica.                                                                   Centro de Estudos Rurais e Urbanos
                                                                               http://www.usp.br/prpesq/ceru.htm

SUMÁRIO: Léxico Musical Explicativo; Das Origens Cristãs ao Século XIV;        Memorial do Imigrante
Os Séculos XV e XVI; O Século XVII, A Primeira Metade do Século XVIII; A       http://www.memorialdoimigrante.sp.gov.br/historia.htm
Primeira Metade do Século XVIII; A Segunda Metade do Século XVIII; No
Limiar do Século XIX; Os Filhos do Século, A Segunda Metade do Século XIX;     Portinari
A Virada do Século XX; A Primeira Metade do Século XX; O Jazz; A Segunda       www.lids.puc-rio.br/~pp
Metade do Século XX.
                                                                               Egito
                                                                               www.newton.cam.ac.uk:80/egipt
Áreas de interesse: História, Arte, Música.                                    www.channel11.com/users/manssorm


Palavras-chave: Música, História e Crítica, Arte.




                                                                                                                                 ISSN 1517 - 5421   5

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

"Claro Enigma", de Carlos Drummond de Andrade - estudo
"Claro Enigma", de Carlos Drummond de Andrade - estudo"Claro Enigma", de Carlos Drummond de Andrade - estudo
"Claro Enigma", de Carlos Drummond de Andrade - estudorafabebum
 
Análise de noite na taverna, de álvares de azevedo
Análise de noite na taverna, de álvares de azevedoAnálise de noite na taverna, de álvares de azevedo
Análise de noite na taverna, de álvares de azevedoma.no.el.ne.ves
 
Poemas de Bocage
Poemas de Bocage Poemas de Bocage
Poemas de Bocage agnes2012
 
Lírica e sátira na poesia de bocage
Lírica e sátira na poesia de bocageLírica e sátira na poesia de bocage
Lírica e sátira na poesia de bocagema.no.el.ne.ves
 
Arcano dezenove renata bomfim
Arcano dezenove  renata bomfimArcano dezenove  renata bomfim
Arcano dezenove renata bomfimRenata Bomfim
 
Noite na taverna
Noite na tavernaNoite na taverna
Noite na tavernabianca27vs
 
Paradoxos de um comediante Qorpo-santo
Paradoxos de um comediante   Qorpo-santoParadoxos de um comediante   Qorpo-santo
Paradoxos de um comediante Qorpo-santoCarmemGadelha
 
Análise de o desertor, de silva alvarenga
Análise de o desertor, de silva alvarengaAnálise de o desertor, de silva alvarenga
Análise de o desertor, de silva alvarengama.no.el.ne.ves
 
La vuelta ao día en ochenta mundos
La vuelta ao día en ochenta mundosLa vuelta ao día en ochenta mundos
La vuelta ao día en ochenta mundosPriscila Stuani
 
Noite na taverna
Noite na tavernaNoite na taverna
Noite na tavernaMá Bartzen
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 95-96
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 95-96Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 95-96
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 95-96luisprista
 
Naturalismo no brasil blog
Naturalismo no brasil blogNaturalismo no brasil blog
Naturalismo no brasil blografabebum
 
Revisional de estilos de época 09, pré modernismo
Revisional de estilos de época 09, pré modernismoRevisional de estilos de época 09, pré modernismo
Revisional de estilos de época 09, pré modernismoma.no.el.ne.ves
 
Noite na taverna - análise
Noite na taverna - análiseNoite na taverna - análise
Noite na taverna - análisejasonrplima
 
Machado de assis blog
Machado de assis blogMachado de assis blog
Machado de assis blografabebum
 

Mais procurados (20)

Bocage
BocageBocage
Bocage
 
Álvares de Azevedo
Álvares de AzevedoÁlvares de Azevedo
Álvares de Azevedo
 
Guião
GuiãoGuião
Guião
 
"Claro Enigma", de Carlos Drummond de Andrade - estudo
"Claro Enigma", de Carlos Drummond de Andrade - estudo"Claro Enigma", de Carlos Drummond de Andrade - estudo
"Claro Enigma", de Carlos Drummond de Andrade - estudo
 
Análise de noite na taverna, de álvares de azevedo
Análise de noite na taverna, de álvares de azevedoAnálise de noite na taverna, de álvares de azevedo
Análise de noite na taverna, de álvares de azevedo
 
Poemas de Bocage
Poemas de Bocage Poemas de Bocage
Poemas de Bocage
 
Lírica e sátira na poesia de bocage
Lírica e sátira na poesia de bocageLírica e sátira na poesia de bocage
Lírica e sátira na poesia de bocage
 
Arcano dezenove renata bomfim
Arcano dezenove  renata bomfimArcano dezenove  renata bomfim
Arcano dezenove renata bomfim
 
Noite na taverna
Noite na tavernaNoite na taverna
Noite na taverna
 
Paradoxos de um comediante Qorpo-santo
Paradoxos de um comediante   Qorpo-santoParadoxos de um comediante   Qorpo-santo
Paradoxos de um comediante Qorpo-santo
 
Análise de o desertor, de silva alvarenga
Análise de o desertor, de silva alvarengaAnálise de o desertor, de silva alvarenga
Análise de o desertor, de silva alvarenga
 
La vuelta ao día en ochenta mundos
La vuelta ao día en ochenta mundosLa vuelta ao día en ochenta mundos
La vuelta ao día en ochenta mundos
 
Os pobres raul brandao
Os pobres   raul brandaoOs pobres   raul brandao
Os pobres raul brandao
 
Sísifo- Miguel Torga
Sísifo- Miguel TorgaSísifo- Miguel Torga
Sísifo- Miguel Torga
 
Noite na taverna
Noite na tavernaNoite na taverna
Noite na taverna
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 95-96
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 95-96Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 95-96
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 95-96
 
Naturalismo no brasil blog
Naturalismo no brasil blogNaturalismo no brasil blog
Naturalismo no brasil blog
 
Revisional de estilos de época 09, pré modernismo
Revisional de estilos de época 09, pré modernismoRevisional de estilos de época 09, pré modernismo
Revisional de estilos de época 09, pré modernismo
 
Noite na taverna - análise
Noite na taverna - análiseNoite na taverna - análise
Noite na taverna - análise
 
Machado de assis blog
Machado de assis blogMachado de assis blog
Machado de assis blog
 

Semelhante a 06. Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.

Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)FACETEG - UPE
 
As vanguardas europeias.ppt
As vanguardas europeias.pptAs vanguardas europeias.ppt
As vanguardas europeias.pptAllanPatrick22
 
5 exercicios arcadismo-literatura_portugues
5   exercicios arcadismo-literatura_portugues5   exercicios arcadismo-literatura_portugues
5 exercicios arcadismo-literatura_portuguesjasonrplima
 
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andrade
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de AndradeA Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andrade
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andradevestibular
 
Carlos drumond de andrade
Carlos drumond de andradeCarlos drumond de andrade
Carlos drumond de andradeRita Santana
 
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.estevaofernandes
 
Salamanca do Jarau (Ensaio de Luiz Cosme)
Salamanca do Jarau (Ensaio de Luiz Cosme)Salamanca do Jarau (Ensaio de Luiz Cosme)
Salamanca do Jarau (Ensaio de Luiz Cosme)gersonastolfi
 
Revisional de estilos de época 06, naturalismo
Revisional de estilos de época 06, naturalismoRevisional de estilos de época 06, naturalismo
Revisional de estilos de época 06, naturalismoma.no.el.ne.ves
 
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDESNovo.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDESNovo.pptVANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDESNovo.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDESNovo.pptAdilsonSevero
 
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES cubismo, expressionismo, dadaismo...
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES cubismo, expressionismo, dadaismo...VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES cubismo, expressionismo, dadaismo...
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES cubismo, expressionismo, dadaismo...Silvanasoares26
 
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES: IMPRESSIONISMO, SURREALISMO, DADAÍSMO, EXPRESSIO...
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES: IMPRESSIONISMO, SURREALISMO, DADAÍSMO, EXPRESSIO...VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES: IMPRESSIONISMO, SURREALISMO, DADAÍSMO, EXPRESSIO...
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES: IMPRESSIONISMO, SURREALISMO, DADAÍSMO, EXPRESSIO...DanyelleRibeiro3
 
VANGUARDAS EUROPEIAS_E MOVIMENTOSSLIDES.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS_E MOVIMENTOSSLIDES.pptVANGUARDAS EUROPEIAS_E MOVIMENTOSSLIDES.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS_E MOVIMENTOSSLIDES.pptfranciscomoura710
 
VANGUARDAS EUROPEIAS__________SLIDES.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS__________SLIDES.pptVANGUARDAS EUROPEIAS__________SLIDES.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS__________SLIDES.pptSarahAkaida
 
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...Madga Silva
 
Revisando o realismo e o naturalismo, 02
Revisando o realismo e o naturalismo, 02Revisando o realismo e o naturalismo, 02
Revisando o realismo e o naturalismo, 02ma.no.el.ne.ves
 
Modernismo
ModernismoModernismo
ModernismoSeduc/AM
 

Semelhante a 06. Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001. (20)

Poesia do Realismo
Poesia do RealismoPoesia do Realismo
Poesia do Realismo
 
Manuel Bandeira
Manuel BandeiraManuel Bandeira
Manuel Bandeira
 
Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)
 
As vanguardas europeias.ppt
As vanguardas europeias.pptAs vanguardas europeias.ppt
As vanguardas europeias.ppt
 
5 exercicios arcadismo-literatura_portugues
5   exercicios arcadismo-literatura_portugues5   exercicios arcadismo-literatura_portugues
5 exercicios arcadismo-literatura_portugues
 
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andrade
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de AndradeA Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andrade
A Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andrade
 
Carlos drumond de andrade
Carlos drumond de andradeCarlos drumond de andrade
Carlos drumond de andrade
 
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
 
Salamanca do Jarau (Ensaio de Luiz Cosme)
Salamanca do Jarau (Ensaio de Luiz Cosme)Salamanca do Jarau (Ensaio de Luiz Cosme)
Salamanca do Jarau (Ensaio de Luiz Cosme)
 
Revisional de estilos de época 06, naturalismo
Revisional de estilos de época 06, naturalismoRevisional de estilos de época 06, naturalismo
Revisional de estilos de época 06, naturalismo
 
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDESNovo.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDESNovo.pptVANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDESNovo.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDESNovo.ppt
 
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES cubismo, expressionismo, dadaismo...
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES cubismo, expressionismo, dadaismo...VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES cubismo, expressionismo, dadaismo...
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES cubismo, expressionismo, dadaismo...
 
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES: IMPRESSIONISMO, SURREALISMO, DADAÍSMO, EXPRESSIO...
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES: IMPRESSIONISMO, SURREALISMO, DADAÍSMO, EXPRESSIO...VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES: IMPRESSIONISMO, SURREALISMO, DADAÍSMO, EXPRESSIO...
VANGUARDAS EUROPEIAS_SLIDES: IMPRESSIONISMO, SURREALISMO, DADAÍSMO, EXPRESSIO...
 
VANGUARDAS EUROPEIAS_E MOVIMENTOSSLIDES.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS_E MOVIMENTOSSLIDES.pptVANGUARDAS EUROPEIAS_E MOVIMENTOSSLIDES.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS_E MOVIMENTOSSLIDES.ppt
 
VANGUARDAS EUROPEIAS__________SLIDES.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS__________SLIDES.pptVANGUARDAS EUROPEIAS__________SLIDES.ppt
VANGUARDAS EUROPEIAS__________SLIDES.ppt
 
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
Crítica ao livro «Reflexões à Boca de Cena / Onstage Reflections» de João Ric...
 
Revisando o realismo e o naturalismo, 02
Revisando o realismo e o naturalismo, 02Revisando o realismo e o naturalismo, 02
Revisando o realismo e o naturalismo, 02
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
SIMBOLISMO.pptx
SIMBOLISMO.pptxSIMBOLISMO.pptx
SIMBOLISMO.pptx
 
Em intertextualidade
Em intertextualidadeEm intertextualidade
Em intertextualidade
 

Mais de estevaofernandes

12. A Erudição Excepcional em Foucault. Ano I, Nº 12 - Volume I - Porto Velho...
12. A Erudição Excepcional em Foucault. Ano I, Nº 12 - Volume I - Porto Velho...12. A Erudição Excepcional em Foucault. Ano I, Nº 12 - Volume I - Porto Velho...
12. A Erudição Excepcional em Foucault. Ano I, Nº 12 - Volume I - Porto Velho...estevaofernandes
 
09. A Universidade nas Rondônias. Ano I, Nº 09 - Volume I - Porto Velho - Jul...
09. A Universidade nas Rondônias. Ano I, Nº 09 - Volume I - Porto Velho - Jul...09. A Universidade nas Rondônias. Ano I, Nº 09 - Volume I - Porto Velho - Jul...
09. A Universidade nas Rondônias. Ano I, Nº 09 - Volume I - Porto Velho - Jul...estevaofernandes
 
08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.
08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.
08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.estevaofernandes
 
07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...
07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...
07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...estevaofernandes
 
05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...
05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...
05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...estevaofernandes
 
04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.
04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.
04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.estevaofernandes
 
03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...
03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...
03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...estevaofernandes
 
02. Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...
02.  Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...02.  Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...
02. Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...estevaofernandes
 
01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - V...
01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - V...01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - V...
01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - V...estevaofernandes
 

Mais de estevaofernandes (20)

12. A Erudição Excepcional em Foucault. Ano I, Nº 12 - Volume I - Porto Velho...
12. A Erudição Excepcional em Foucault. Ano I, Nº 12 - Volume I - Porto Velho...12. A Erudição Excepcional em Foucault. Ano I, Nº 12 - Volume I - Porto Velho...
12. A Erudição Excepcional em Foucault. Ano I, Nº 12 - Volume I - Porto Velho...
 
09. A Universidade nas Rondônias. Ano I, Nº 09 - Volume I - Porto Velho - Jul...
09. A Universidade nas Rondônias. Ano I, Nº 09 - Volume I - Porto Velho - Jul...09. A Universidade nas Rondônias. Ano I, Nº 09 - Volume I - Porto Velho - Jul...
09. A Universidade nas Rondônias. Ano I, Nº 09 - Volume I - Porto Velho - Jul...
 
08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.
08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.
08. Filosofia Para Crianças. Ano I, Nº 08 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.
 
07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...
07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...
07. Bachelard - Imaginário e Modernidade: Ciência e Imaginação. Ano I, Nº 07 ...
 
05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...
05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...
05. Poesia para Início de Conversa. Ano I, Nº 05 - Volume I - Porto Velho - J...
 
04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.
04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.
04. Batom no Espelho. Ano I, Nº 04 - Volume I - Porto Velho - Maio/2001.
 
03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...
03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...
03. Libertinagem e Literatura. Ano I, Nº 03 - Volume I - Porto Velho - Maio/2...
 
02. Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...
02.  Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...02.  Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...
02. Em Busca do Sujeito a Ser Construído. Ano I, Nº 02 - Volume I - Porto Ve...
 
01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - V...
01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - V...01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - V...
01. Antes que seja tarde tiremos a universidade do gerúndio. Ano I, Nº 01 - V...
 
Volume xx 2007
Volume xx 2007Volume xx 2007
Volume xx 2007
 
Volume xviii 2007
Volume xviii 2007Volume xviii 2007
Volume xviii 2007
 
Volume xvii 2006
Volume xvii 2006Volume xvii 2006
Volume xvii 2006
 
Volume xvi 2006
Volume xvi 2006Volume xvi 2006
Volume xvi 2006
 
Volume xv 2006
Volume xv 2006Volume xv 2006
Volume xv 2006
 
Volume xix 2007
Volume xix 2007Volume xix 2007
Volume xix 2007
 
Volume xiv 2005
Volume xiv 2005Volume xiv 2005
Volume xiv 2005
 
Volume xiii 2005
Volume xiii 2005Volume xiii 2005
Volume xiii 2005
 
Volume xi 2004
Volume xi 2004Volume xi 2004
Volume xi 2004
 
Volume x 2004
Volume x 2004Volume x 2004
Volume x 2004
 
Volume viii 2003
Volume viii 2003Volume viii 2003
Volume viii 2003
 

06. Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - Porto Velho - Junho/2001.

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA (UFRO) CENTRO DE HERMENÊUTICA DO PRESENTE PRIMEIRA VERSÃO ISSN 1517-5421 lathé biosa 6 PRIMEIRA VERSÃO ANO I, Nº06 JUNHO - PORTO VELHO, 2001 VOLUME I ISSN 1517-5421 EDITOR NILSON SANTOS CONSELHO EDITORIAL ALBERTO LINS CALDAS - História ARNEIDE CEMIN - Antropologia FABÍOLA LINS CALDAS - História JOSÉ JANUÁRIO DO AMARAL - Geografia MIGUEL NENEVÉ - Letras VALDEMIR MIOTELLO - Filosofia Os textos de até 5 laudas, tamanho de folha A4, fonte Times New Roman 11, espaço 1.5, formatados em “Word for Windows” deverão ser encaminhados para e-mail: OS RATOS NO SÓTÃO nilson@unir.br DE UMA MEMÓRIA ROCK’N’ROLL CAIXA POSTAL 775 CEP: 78.900-970 PORTO VELHO-RO RUBENS VAZ CAVALCANTE (BINHO) TIRAGEM 150 EXEMPLARES EDITORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA αΩ
  • 2. Rubens Vaz Cavalcante (Binho) OS RATOS NO SÓTÃO Professor de Teoria da Literatura DE UMA MEMÓRIA ROCK’N’ROLL ohnib@unir.br Dyonelio Machado. OS RATOS. São Paulo, Ática, 1999. De há muito uma mania me acompanha: ler poesia e prosa escutando rock’n’roll. Resquícios do antigo roqueiro que virou intelectual? Ressaca do atual literato que nunca deveria ter saído da boêmia? De qualquer modo não é o momento nem vale a pena resolver tal impasse. Talvez o grande lance seja mantê-lo irresoluto. O que importa é que essa mania é uma saudável recorrência na vida do leitor que me freqüenta. Digo assim das minhas idiossincrasias não por uma questão personalista, mas para ilustrar uma experiência que se dá no encontro das duas formas de expressão da arte que mais admiro: música e literatura. Quem quiser pode chamar a esta experiência de intersemiótica – eu deixo. No final de semana próximo-passado (sempre senti vontade de usar essa justaposição), tive a oportunidade rara de ler o romance Os ratos, do escritor gaúcho Dyonelio Machado (1895-1985), publicado pela primeira vez em 1934. Modernista contemporâneo da geração de 30 - psiquiatra, jornalista e político militante do PCB -, Dyonelio publicou sua obra entre 1927 (Um pobre homem) e 1982 (Passos perdidos), em meio a um viver pontilhado de prisões e prêmios literários. A maioria de seus livros só foi publicada nas décadas de 60, 70 e 80. Os mais acolhidos pela crítica foram: Os ratos (1934) e O louco do Cati (1942). Particularmente (vejam o tamanho da peça que o cânone acadêmico nos prega), só tomei conhecimento da obra do Dyonelio Machado através do livro 40 Escritos, do Arnaldo Antunes, no qual o multiartista republicou um artigo escrito para a Folha em 26/6/85, dez dias depois da morte do autor d’Os ratos. No referido artigo, o Arnaldo se confessa estranhado com a notícia da morte de Dyonelio: “O cara se abaixou para amarrar os sapatos, levou um tombo e morreu”. Antunes viu a poesia ligando a morte e a obra do “cara”, mas viu também que pouco ou nada se sabe do escritor gaúcho. Ouve-se ratos roendo a memória literária brasileira. O livro Os ratos narra a saga de um dia na vida de um homem simples: Naziazeno Barbosa. Do “pega” com o leiteiro, logo nas primeiras horas do dia, por conta do atraso no pagamento, até o amanhecer do dia seguinte, o tempo do protagonista (e da narrativa) é desdobrado em espaços físicos e ambientes psicológicos nos quais são elencados comportamentos e tipos humanos esdrúxulos e vários. O tempo é quase simultâneo: “o tempo de uma história ou de uma seqüência narrativa desdobrada no espaço”, diria Benedito Nunes. O narrador, num simulacro de discurso cinematográfico, finge contar a história como se estivesse fora da ação, por detrás das câmeras, mas seu envolvimento é tal que nos momentos de quase desistência do protagonista é ele quem o anima a continuar, criando novas perspectivas: “Se ele botasse no estômago qualquer coisa, mesmo um cafezinho, ainda agüentaria mais uma hora. E com esses cinco mil réis tentaria... a sorte!” (p. 57). Naziazeno atravessa as 24 horas mais longas da sua sedentária vida, entre funcionários públicos, agiotas, casas de penhores, guichês do bicho e cafés, em busca de uma felicidade que parecia custar pouco mas que lhe era cara: pagar o leiteiro. Nunca fantástica inversão de valores, vê seu problema resolvido, ISSN 1517 - 5421 2
  • 3. a duras penas, pela marginália representada por Duque (“o agente, o corretor da miséria”), Alcides (“o vigarista”) e Mondina (“o rábula”), depois de ter sido ridicularizado pelo Dr. Romeiro, seu diretor, diante dos outros funcionários (“ – Tenho eu porventura alguma fábrica de dinheiro?...”). Há mais ética no submundo que nas relações legalizadas? Em vários momentos a voz que conduz a narrativa vê focinho no protagonista, “A seu lado, Naziazeno ergue-lhe um focinho humilde” (p. 83), e também nos adjuvantes: “o seu ar de pobreza, aquele focinho quieto e manso que vem ali ao seu lado, tiram-lhe qualquer ilusão”(p. 85), referindo-se a Alcides; “Seu focinho perdeu aquela expressão neutra e mansa” (p. 88), falando de Mondina; “Duque caminha meio passo na frente. Vai puxando... baixou o focinho, recolheu-o um pouco...” (p. 100). Afinal quem são os ratos? Humanos personalizados mamíferos roedores? Quem com Kafka fere com Kafka será ferido. O que isso tem a ver com rock’n’roll? Tudo. O romance do Dyonelio é um autêntico thriller contemporâneo, na medida em que transforma o leitor num investigador dos maneirismos humanos. E um bom thriller tem sempre como trilha sonora uma boa seleção de rock. Apesar de até o presente instante não se ter falado em música, o próprio romance traz o seguinte enunciado: Uma “ária” (ou qualquer coisa desse gênero). Vem de longe e de dentro da casa. Tem o som um tanto velado. Vai-se definindo melhor à medida que Naziazeno avança. Pouco a pouco aumenta de intensidade e clareza. É uma voz masculina, de tenor. Coisa conhecida... Soa muito forte, quando ele defronta a casa onde o rádio está tocando. Todo o bangalô parece estar vibrando – enorme caixa de música... A ária depois diminui, quase se apaga no intervalo das casas. Mas agora vem crescendo... crescendo... Até que ressoa com toda força outra vez defronte doutro prédio, doutra janela entreaberta... E dessa forma ela nunca se extingue. (p. 45) Umberto Eco diz que “entre a intenção do autor ... e a intenção do intérprete ... existe a intenção do texto”. Ele que me perdoe a superinterpretação mas, consideradas as intenções, isso que o texto canta é música urbana. Minha cultura musical intui que a música que sai pela “janela entreaberta” é uma ária-rock: Strange Days; a “voz masculina, de tenor” é a do poeta maldito do psicodelismo pop: Jim Morrison. Quem atualiza o texto não é o leitor? Então? Antes que alguém se pergunte vou adiantar: no momento em que eu lia esse trecho do livro, o CD Surfing With the Alien, do Joe Satriani, era a trilha sonora da minha leitura. E a música? Crushing Day. Coincidência ou não, a relação temática dessas músicas com o estranho e esmagador dia do Naziazeno é, no mínimo, instigante. Continuando o investimento neste delírio lírico, reporto-me aos últimos capítulos do livro de Dyonelio Machado, momento em que se narra a noite em claro do protagonista, agenciada pelo chiado do que ele supunha ser insetos e intercalada pelos fragmentos da memória de seu dia de cão. O discurso fragmentário desse movimento do livro nos deixa ver cenas concomitantes como no cinema. O leitor assiste a narrativa cheio de temores e ânsias controladas, em parte pelo comodismo medroso do herói (ou seria anti-herói?) e em parte pelo retardamento do desfecho do enredo: são seis capítulos de extrema tensão e mistério até o desembocar num clímax revelador: Um rufar – um pequeno rufar – por sobre a esfera do chiado, no forro... Ratos... são ratos! Naziazeno quer distinguir bem. Atenção. O pequeno rufar – um dedilhar leve – perde-se para um dos cantos do forro... ISSN 1517 - 5421 3
  • 4. Ele se põe a escutar agudamente. Um esforço para afastar aquele conjunto amorfo de ruidozinhos, aquele chiado... Feito de várias notinhas geminadas, fininhas... São os ratos!... (pp. 137-138) No headphone do discman, Hot rats, do Frank Zappa, a todo volume, alimenta minha imaginação. A sintaxe do texto literário e a do texto melódico, suas sintonias: as frases fragmentárias, cheias de reticências e cortes abruptos; as escalas entrecortadas, cheias de silêncios e ruídos amorfos. A invenção narrativa digitalizada no virtuosismo sugestivo do tema instrumental: casamento perfeito entre os riffs dos ratos e os guinchos das guitarras... roendo... roendo... roendo... ratos quentes... Caberia aqui contar o desfecho do romance. Os ratos roeram o dinheiro que pagaria o leiteiro? Naziazeno conseguiu dormir e ser feliz? Não contarei. Leiam o livro. Fico questionando cá com os botões: será que o Cazuza, como o Arnaldo, leu Os ratos? Assim mesmo vou cantarolando um trecho de O tempo não pára: “sua piscina está cheia de ratos/ suas idéias não correspondem aos fatos/ o tempo não pára”. ISSN 1517 - 5421 4
  • 5. VITRINE SUGESTÃO DE LEITURA LINKS HISTÓRIA DA MÚSICA OCIDENTAL Música - Kraftwerk www.tdb.cs.umu.se/~dvlawn/kreftwerk JEAN & BRIGITTE MASSIN Revista Junguiana Nova Fronteira www.sbpa.org.br/revista.html Centro Brasileiro de Filosofia Para Crianças RESUMO: Há hoje numerosos e excelentes dicionários e enciclopédias de http://www.cbfc.com.br música com ensinamentos os mais variados, mas sem dúvida mais raramente conduzem-nos a uma história satisfatória dessa arte até nossos dias, em sua Picasso maravilhosa trajetória através dos séculos: seus encontros, www.clubinternet.com/picasso desenvolvimentos, o surgimento dos homens que não cessam de inventá-la e reinventá-la. Destinada aos leitores apaixonados pela música, praticantes e Literatura de Cordel ouvintes, e a todos os que querem saber mais, esta história se abre com um www.ssac.unicamp.br/suarq/cedae/cedae-flc-varal.html léxico musical explicativo, um pouco como se entrega em mãos as chaves de uma fábrica. Centro de Estudos Rurais e Urbanos http://www.usp.br/prpesq/ceru.htm SUMÁRIO: Léxico Musical Explicativo; Das Origens Cristãs ao Século XIV; Memorial do Imigrante Os Séculos XV e XVI; O Século XVII, A Primeira Metade do Século XVIII; A http://www.memorialdoimigrante.sp.gov.br/historia.htm Primeira Metade do Século XVIII; A Segunda Metade do Século XVIII; No Limiar do Século XIX; Os Filhos do Século, A Segunda Metade do Século XIX; Portinari A Virada do Século XX; A Primeira Metade do Século XX; O Jazz; A Segunda www.lids.puc-rio.br/~pp Metade do Século XX. Egito www.newton.cam.ac.uk:80/egipt Áreas de interesse: História, Arte, Música. www.channel11.com/users/manssorm Palavras-chave: Música, História e Crítica, Arte. ISSN 1517 - 5421 5