SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Espaço
Espaço SINDIMETAL - Nº55 | Nov - Dez 2015 | Ano 9
www.sindimetalrs.org.br Ano internacional
L U Z
Café
com Negócios
07
Fórum
Lean Manufacturing
10
Workshop
Tributário e Econômico
14 16
RD-FLEX na
VITRINE
autarei muitas das minhas
Pcolocações, neste pronunciamen-
to de posse, como presidente
reeleito do SINDIMETAL, numa frase de
um antigo filósofo chinês, Lao-Tsé. “As
palavras verdadeiras não são agradáveis
e as agradáveis não são verdadeiras”.
Estamos vivendo tempos desafiado-
res para todos os segmentos da cadeia
produtiva. Quem dera pudéssemos hoje
parabenizar as belas iniciativas governa-
mentais; a redução de juros; a estabilida-
de do dólar e a desburocratização do
País, mas a realidade que se apresenta
está na contramão disto tudo. Então
vamos relembrar alguns fatos, para
entendermos como chegamos até aqui.
Aprendemos muito cedo qual a
postura e quais os objetivos do
Sindicato dos Trabalhadores, da CUT e,
por fim, do PT. Particularmente, a minha
grande experiência foi em 1984.
Naquele ano, ocorreu a primeira greve
no Rio Grande do Sul, no período pós-
contrarrevolução, na área metalmecâni-
ca. Aprendi muitíssimo. Vi e ouvi
manifestações altamente tendenciosas,
sem critérios ou justificativas. Era o início
de uma luta pelo poder, onde as
questões ideológicas começavam a
ganhar espaço e força. Transcorridos
mais de 30 anos, acompanhamos todo o
desenrolar desta busca, culminando
com a situação calamitosa que vivencia-
mos nos dias de hoje.
Neste espaço de tempo, em determi-
nada época, fiz uma referência a um
empresário argentino, que havia iniciado
um trabalho de reversão da ideologia
peronista/ Kirschianista e que, naquele
momento, já vinha obtendo êxito. Seu
nome: Maurício Macri, hoje presidente
argentino eleito. O seu idealismo e a sua
luta tornaram-se vencedores. Tenham
certeza, na Argentina haverá uma
mudança substancial, apesar das
dificuldades que o mesmo terá com o
congresso.
Aqui a luta para essa reversão parece
estar tomando fôlego. As propostas
sugerindo mudanças já estiveram
presentes em várias oportunidades, mas
os interesses pessoais têm prevalecido
sobre os coletivos.
Em 1989, o economista João Saiad
elaborou um relatório sobre o Rio
Grande do Sul. O mesmo foi contratado
pela FIERGS. Para todos os candidatos a
governador, a partir daquele ano, foi
entregue o chamado Relatório Saiad. O
que os governadores fizeram? Deixaram
o Rio Grande do Sul chegar onde está.
Em outro momento, foi desenvolvida
a Agenda 2020. Boa parte representativa
da sociedade gaúcha participou da
elaboração da mesma. Igualmente todos
os candidatos a governador, a partir de
então, receberam esse documento.
Resultado: fizeram o mesmo que com o
Relatório Saiad.
No início da primeira gestão do
presidente Heitor Müller iniciou-se
novamente a discussão sobre a situação
do Estado. Ao que propus esquecer o Rio
Grande do Sul, pois inexoravelmente o
“caos” viria e que só não poderíamos
concordar com o aumento de impostos.
Lamentavelmente os dois estão aí. No
momento em que me referia ao “caos”
do Estado, prognosticava o mesmo
caminho para o Brasil. Hoje reconheço
que errei. Os dois chegaram juntos.
Bem que poderia ter sido diferente.
Oportunidades foram propostas, mas
não vingaram. Agora, como resolver o
“caos”? Eu não saberia dizer, só sei que
depois de tantos percalços virá a
reordenação. Uma coisa é certa: todas as
crises econômicas profundas são
oportunidades para mudanças fortes. As
famigeradas reformas devem ocorrer.
Não temos mais dúvidas, em 2016
teremos mais recessão e mais desempre-
go. A vacância só ocorrerá se o povo, a
sociedade como um todo e nós, em
especial, fizermos o que compete ser
feito a partir de agora.
Ao final do ano passado, numa
reunião, afirmei que estamos pagando
uma conta que não é nossa e que
seguiremos com esta dívida por muitos
anos. Na ocasião fui claro dizendo que só
tinha um desejo: que os envolvidos em
tanta corrupção e falta de ética, vejam o
sol nascer quadrado. Para alguns, isto já é
uma realidade, para outros, nem tanto.
Lamentavelmente no Brasil houve uma
aliança entre interesses políticos e
econômicos. Esta prática segue influenci-
ando decisões e prejudicando a transpa-
rência das ações.
Como entidade sindical patronal,
estamos comprometidos com a
trajetória. As atuais lideranças do
SINDIMETAL terão como meta, para a
próxima gestão 2016-2018, a busca de
alternativas visando a sobrevivência da
indústria, especialmente neste período
de enormes turbulências políticas e
econômicas. Na nova diretoria, os
vice-presidentes terão um papel
relevante, com atribuições objetivas.
Além disto, com o intuito de promover
e incentivar novos líderes, estaremos
iniciando as atividades do 3º Comitê de
Desenvolvimento de Lideranças. O
nosso compromisso é preparar novos
dirigentes para o futuro, que já está aí,
pulsando e necessitando de mais
empreendedorismo, gestão e ética.
Então empresários, mãos à obra. Que
surjam novas lideranças e, urgentemente
algum verdadeiro líder estadista. Vamos
transformar o Brasil num País de confian-
ça e, principalmente, de credibilidade.
Com o nosso pró-ativismo e determina-
ção desejo a todos um Feliz Natal e um
ótimo 2016!
Posse da diretoria do SINDIMETAL – Gestão
2016-2018 ocorrida dia 04-12-2015. Trechos do
pronunciamentodopresidenteRaulHeller.
Sobrevivência da
indústriaRaul Heller
Presidente do SINDIMETAL
Ponto de Vista02 Espaço SINDIMETAL | Nº55
ŸO PAPEL DESTE INFORMATIVO É
PROVENIENTE DE ÁRVORES DE
FLORESTAMENTO.
100%
DOS IMPRESSOS EM PAPEL
FABRICADO NO
BRASIL
PROVÊM DE FLORESTAS
P L ANTADAS
AME • PRESERVE • RECICLE
Editorial
xpedienteE
edição nº 55 do informativo
A ESPAÇO encerra o ano de
atividades da entidade, destacando a
solenidade de posse da nova direto-
ria do SINDIMETAL, que seguirá
capitaneada, na gestão 2016-2018,
pelo industrial Raul Heller. Além dos
pronunciamentos do presidente
empossado, na página 02, e do vice-
presidente da CIERGS, Carlos
Alexandre Geyer, neste ato represen-
tando o presidente da FIERGS, Heitor
José Müller, nas páginas 04 e 05,
incluímos um encarte, com imagens
igualmente da Confraternização das
Associadas do SINDIMETAL.
Os últimos tempos têm sido de
permanentes desafios para os
empreendedores e para a sociedade
em geral. A cada amanhecer, novas
notícias nos surpreendem, exigindo
ainda mais serenidade e determina-
ção para efetivamente alavancarmos
os negócios.
Mesmo com todos os percalços
externos, o SINDIMETAL manteve-se
presente e atuante, oportunizando
ações, que puderam ser usufruídas
pelas associadas e filiadas. Nesta
edição, apresentamos as mais
recentes atividades, que foram
prestigiadas pelos empresários e
gestores.
A prioridade agora é a superação
deste período recessivo, onde as
mazelas políticas, muitas vezes se
sobrepõem aos desafios econômi-
cos. Infelizmente.
Que a agenda econômica no
próximo ano oportunize a retomada
do crescimento e a confiança em
novos empreendimentos. A esperan-
ça deve prevalecer!
Com fé e foco nos resultados,
aguardamos 2016!
Feliz Natal e abençoado Ano Novo!
“A iluminação representa quase 20% do consumo mundial de eletricidade”
Acesse o site www.sindimetalrs.org.br e saiba
sobre convenções coletivas, agenda de ativida-
des, notícias, cadastro, entre outros assuntos. O
site propicia também, a leitura do ESPAÇO
SINDIMETAL, on-line. Confira!
Visite
o site
Frases do rodapé: www.unesco.org
Os trabalhos assinados são de responsabilidade de seus autores.
1800
Espaço SINDIMETAL | Nº53
Ana Lídia Andrade
Desenvolvimento de Lideranças 2
Cláudio Roberto de Morais Garcez
1
03Institucional
g
´
Novas Associadas
Airside Indústria e Comércio de
Produtos para Climatização Ltda
Pramel Equipamentos Eletrônicos Ltda.
Metalúrgica Reinehr Ltda.
Institucional04 Espaço SINDIMETAL | Nº55
O presidente Heitor José Müller, que estava
agendado para esta cerimônia, foi chamado a
São Paulo a fim de participar de um encontro com o
presidente eleito da Argentina, Mauricio Macri. Assim,
tenho a responsabilidade de representá-lo e a alegria de
ser o portador dos cumprimentos da FIERGS a Raul Heller e
a seus companheiros de Diretoria do SINDIMETAL.
A mensagem que o presidente pediu para transmitir
nesta oportunidade é de que a nova reeleição de Raul
Heller é um atestado de reconhecimento ao seu trabalho
na defesa dos ideais do setor industrial. Aliás, uma dedica-
ção que empresta à nossa Federação desde 1996, quando
passou a fazer parte da Diretoria do Sistema FIERGS.
As solenidades e eventos que reúnem empresários
podem e devem ser transformados, também, em momen-
tos para reflexão sobre as crises que atingem o Estado e o
País. Vamos a ela, portanto.
“Brasil, País do futuro”, talvez a maioria dos brasileiros já
tenha em algum momento ouvido esta expressão, embora
muitos desconheçam que foi título de um dos últimos
livros publicado, em 1941, pelo grande romancista austría-
co, de origem judaica, Stefan Zweig (1881-1942), que
encerrou seus dias, suicidando-se em nosso País, amargu-
rado com a expansão e as atrocidades cometidas pelo
nazismo. Stefan Zweig acreditava com grande entusiasmo
que o Brasil viria a ser o embrião de uma nova cultura
mundial, na qual ocuparia uma posição de liderança
baseada no espírito humanitário e pacifista de nosso povo,
também acreditava que “onde quer que forças éticas estejam
trabalhando,énossodeverfortaleceressavontade”.
Todos reconhecem nosso imenso potencial, mas a
verdade é que decorridos mais de setenta anos desde que
foi cunhada tal expressão, continuamos “quase chegando
lá”, no sempre distante futuro. E, agora, talvez mais
distante ainda, mergulhados que estamos em uma das
piores crises política, econômica e moral que nosso País já
viu.
O setor industrial vem sendo penalizado, de tal forma,
que retornou sua participação no PIB a números dos anos
50. Não pretendo, aqui, repetir tudo que diariamente
temos o desprazer de acompanhar pelos veículos de
comunicação, pretendo, apenas, de forma singela, tecer
alguns comentários sobre aspectos de nossa formação
cultural que acredito muito possam ter contribuído para
chegarmos a esta situação.
Penso que temos amadurecido como sociedade nos
últimos anos apesar de todas mazelas, ou justamente em
decorrência delas, e anseio que consigamos estabelecer
um processo de autocrítica social, o mais abrangente
possível, que possa ser aproveitado para melhorar nossa
compreensão das amarras que nos impedem de ter um
grau de desenvolvimento compatível com nosso potenci-
al. E, aqui, não podemos olvidar de mencionar uma das
grandes responsáveis por entravar nosso desenvolvimen-
to: a infernal “burocracia” que permeia toda máquina
governamental e favorece sobremaneira as práticas de
corrupção que a cada dia mais se desnudam.
Roberto Campos já dizia: “Este é o País dos controles – no
qual o Estado controla tudo, exceto a si mesmo”. Ao contrário
do que muitos pensam, não se muda a cultura de uma
sociedade através de Leis, Medidas Provisórias, Decretos,
Resoluções, Normas e tantos outros instrumentos que são
utilizados, infelizmente, de forma indiscriminada, para
tentar regular nosso dia a dia. Esta regulação excessiva leva
ao paradoxo, de agravar, ainda mais, a insegurança jurídica
existente em nossa sociedade. Aqui, novamente, como
empresário e industrial, recorro a um aforismo lapidar de
Roberto Campos para fazer mea culpa: “O problema do
empresário brasileiro é que, quando o Estado não está interfe-
rindo,elevailáepedequeoEstadointerfira.”
A mudança virá através da educação e do exemplo, no
lar, na escola, e também no trabalho. Acredito que todos
queremos uma sociedade mais justa e ética, na qual
possamos viver sem os sobressaltos de toda ordem que
hoje nos atormentam. As pessoas não serão éticas e
honestas apenas porque a lei assim o determina, mas sim
porque foram educadas para compreender a sua impor-
tância para a vida em sociedade.
É permanente a sensação de impotência que se tem
neste País, ao enfrentarmos esta entidade difusa que
permeia toda estrutura governamental chamada “buro-
cracia” e o pior de seus frutos, a corrupção. A “burocracia”
existente em nosso País assemelha-se a Hidra de Lerna da
mitologia grega, a serpente de múltiplas cabeças cujo
extermínio consistiu no segundo dos doze trabalhos
determinados a Hércules por Euristeu, Rei de Trinite e
Micenas. Estou convicto que em nosso caso quem desem-
penhará o papel de Hércules será a sociedade, quando
finalmente tiver plena consciência dos direitos da cidada-
nia e exercê-los.
Questionar é uma das formas mais eficazes de desnu-
dar problemas, infelizmente, não exercitamos este
saudável hábito, quiçá pelos motivos referidos com muita
propriedade pelo antropólogo Roberto DaMatta, em seu
excelente livro “Carnavais, Malandros e Heróis”, quando
afirma que “somos socializados (na família e na escola)
aprendendo a não fazer muitas perguntas. Seja porque isso é
indelicado, seja porque é considerado um traço agressivo que
somente deve ser utilizado quando queremos “derrubar”
alguém.” Neste caso queremos derrubar, não a alguém,
mas sim, a “burocracia”, no seu sentido mais nefasto, que
impede nosso desenvolvimento.
Outro traço também característico de nossa cultura e
Pronunciamento da naFIERGS
solenidade de posse do SINDIMETAL
*Carlos Alexandre Geyer
provavelmente ligado à dificuldade de questionar, é nossa
aversão ao conflito, conforme também constatado na
mesma obra do brilhante antropólogo brasileiro quando
afirma: “sabemos que o conflito aberto e marcado pela
representatividade de opiniões é, sem dúvida alguma, um traço
revelador de um igualitarismo individualista que, entre nós,
quase sempre se choca de modo violento com o esqueleto
hierarquizantedenossasociedade”.
Quando DaMatta afirma que “desenvolvendo ao longo
dosanosessamaneiradehierarquizaremanterashierarquiasdo
mundosocial,criamososdespachantes oupadrinhos parabaixo,
esses mediadores que fazem as intermediações entre a pessoa e
o aparelho de Estado (quando se deseja obter um documen-
to...)”, resta para nós claro que perpetua-se nesta prática o
rito “burocrático”, que de alguma forma acabará por levar
as práticas de corrupção que se entranham no tecido social
de nosso País. A “burocracia”, que tanto entrava o estabele-
cimento de um ciclo virtuoso de crescimento e desenvolvi-
mento continuado em nossa sociedade, tem muito a ver,
como já dito, com nosso aparato legal.
DaMatta afirma que “por termos leis geralmente drásticas
e impossíveis de serem rigorosamente acatadas, acabamos por
não cumprir a lei. Assim, utilizamos o clássico “jeitinho” que
nada mais é que uma variante cordial do “sabe com quem está
falando?” e outras formas mais autoritárias que facilitam e
permitem burlar a lei ou nela abrir uma honrosa exceção
que a confirma socialmente.... Mas, vejam o dilema, é
precisamente porque confiamos tanto na força fria da lei
como instrumento de mudança do mundo, que, dialetica-
mente, inventamos tantas leis e as tornamos inoperantes.”
Legislar sem educar e conscientizar não resolve o problema
social, talvez até o agrave. O brasileiro é reconhecido - e até
orgulha-se disso - como o povo do “jeitinho”. Há “jeitinho”
para resolver tudo e muitos de nós acreditamos que isto
nos caracteriza como um povo inventivo, criativo e original.
Não creio nisso. Creio que o “jeitinho” é conseqüência do
que expus acima, e uma sociedade para evoluir deve
prescindir desse tipo de subterfúgio.
Comocidadãoeempresário, querorespeitareserrespeitado,
quero ser justo e ter justiça, quero trabalhar e gerar empregos,
quero uma carga tributária justa e adequada aos serviços que
recebodoEstado.Querorespostasclaraseobjetivasporpartedo
governo, quero uma legislação que não seja perfunctória,
complexaeporvezesalienadadenossarealidade.
Enfim quero que nosso País funcione sem a necessidade
de “jeitinhos” de qualquer espécie, pois “jeitinho” não
combina com a transparência social que precisamos.
Quando isso ocorrer, o Brasil deixará de ser o País do futuro
e será o País do presente que tanto desejamos, consolidan-
do juntamente com o desenvolvimento econômico, o
desenvolvimento ético, moral e cultural de nossa socieda-
de.
Para alcançarmos este objetivo será necessário vencer-
mos a nossa ojeriza social ao conflito e a discussão,
precisamos compreender que estes quando civilizadamen-
te exercitados contribuem para a transparência social e, por
conseguinte para o extermínio das práticas burocráticas e
de corrupção que tanto nos atormentam.
As lideranças empresariais precisam centrar a mobiliza-
ção setorial, reivindicando que as decisões, em todos os
níveis do Executivo, do Legislativo e do Judiciário, definam
soluções que sirvam à construção de um ambiente de
negócios favorável à iniciativa privada, com o mínimo de
burocracia e o máximo de transparência e adequação a
nossa realidade.
Para complementar esta reflexão, aproveito as sábias
palavras do grande economista austríaco Ludwig Von
Mises: “Numa batalha entre força e ideia, esta última sempre
prevalece. São as ideias que agrupam os homens em facções
combatentes, que lhes colocam as armas nas mãos e determi-
namcontraquemeemfavordequemasarmasserãousadas. São
as ideias apenas, e não as armas, que, em última análise, fazem
penderabalança.”
Cabe aqui, também, parafrasear Winston Churchill, pois
para que as boas ideias realmente prevaleçam em nosso
País, precisamos de mais estadistas para pensar nas
próximas gerações, e não de tantos políticos pensando
apenas na próxima eleição.
Por fim, em nome do presidente Heitor José Müller e dos
demais companheiros do Sistema FIERGS, cumprimento os
diretores que assumem na Gestão 2016-2018, desejando
que mantenham o SINDIMETAL como protagonista na
promoção do desenvolvimento de São Leopoldo e Região.
Muito obrigado!
Vice-presidente doCIERGS,CarlosAlexandreGeyer,nesteato
representandooPresidentedaFIERGS,HeitorJoséMüller.
Institucional 05Espaço SINDIMETAL | Nº55
ATurma 1, do comitê Desenvolvi-
mento de Lideranças, partici-
pou de uma atividade diferenci-
ada no dia 24 de outubro, realizada no
CAT do SESI, de Portão, no horário das
8h às 17h. A vivência de coaching de
grupo teve como objetivo propiciar um
fechamento do trabalho do Grupo DL1,
buscando resgatar os compromissos
dos participantes.
A metodologia proposta privilegiou
a participação e interação dos integran-
tes na construção do conhecimento e
contou com a prática de exercícios indi-
viduais e grupais. A facilitadora também
utilizou atividades vivenciais e jogos
como forma de análise dos comporta-
mentos evidenciados.
Os focos temáticos foram pautados
na integração, propósito e valores, diag-
nóstico da dinâmica e da caminhada do
grupo, incluindo atividade de equipe,
onde inclusive os próprios participantes
prepararam o almoço.
A consultora Maria Zeli Stelmack
Rodrigues, sócia da E-saberes consulto-
ria e treinamento, com experiência em
desenvolvimento humano e foco em
equipes, educação e liderança, foi a
facilitadora do programa de Desenvolvi-
mento Interpessoal de Equipes. Autora
do livro Atendimento: Muito Além do
Cafezinho, possui formação em História,
com especialização em Gestão de Pes-
soas.
oram concluídos os trabalhos,
Finiciados em maio deste ano, da
turma do Grupo de Estudos de
Rotinas – Administração de Pessoal, do
comitê de Recursos Humanos, do
SINDIMETAL. A atividade ocorreu no dia
16 de outubro, às 8h, no Centro das
Indústrias, em São Leopoldo. A
programação incluiu a certificação das
13 participantes e o coquetel de
encerramento.
O s G r u p o s d e E s t u d o s s ã o
destinados aos profissionais que atuam
nas áreas de recursos humanos e gestão
de pessoas das empresas associadas ou
vinculadas às entidades parceiras.
“Consistem em reuniões de debate e
análise dos assuntos específicos da área,
que eventualmente podem ser
complementados com capacitações”,
argumenta a coordenadora do comitê
de RH, Heloisa Gaelzer Müller,
" c o n t r i b u i n d o , a s s i m , c o m o
aprendizado dos participantes, bem
como o desenvolvimento de suas
empresas".
Segundo a coordenação “a
atividade cria um canal de troca de
experiências e desenvolvimento de
técnicas de Recursos Humanos com os
profissionais, que atuam na área de
Gestão de Pessoas".
Os interessados em obter mais
informações, sobre as próximas
edições, poderão contatar através do
telefone 3590-7710.
Desenvolvimento de Lideranças
vivenciando novas experiências
DL
Comitês06 Espaço SINDIMETAL | Nº55
Grupo de Estudos conclue
atividades e divulga trabalhos
Grupo de
Estudos
RH
Grupo de Estudos finaliza etapa
Dinâmica de grupo
O
SINDIMETAL, juntamente com
o SEBRAE, reuniu empresários
e gestores, no dia 27 de
novembro, para mais uma edição do
Café com Negócios, na sede da entida-
de, em São Leopoldo.
O evento proporcionou aos partici-
pantes a Arena de Negócios, que consis-
te em reuniões com apresentação de
empresas entre si, de forma simultânea.
A programação começou às 7h30min,
com credenciamento e coffee, sendo que
às 8h tiveram início as reuniões, da Arena
de Negócios. s 9h20min, houve a apre-
sentação do Projeto Metalmecânico
2016/ 2017, onde foram abordadas as
ações do PDF DEMETAL - Desenvolvi-
mento de Fornecedores e as ações de
Prospecção de Mercado. Na sequência,
às 10h20min houve a retomada das reu-
niões da Arena de Negócios, encerrando
as atividades às 11h40min.
ARENA DE NEGÓCIOS
Esta atividade proposta para o setor
foi realizada em oito ciclos, com duração
de 20 minutos cada, onde as empresas
apresentaram, em dois minutos e meio,
os seus produtos e serviços para os inte-
grantes das sete mesas. Um total de 28
empresas estiveram inscritas e puderam
realizar um contato direto com outros
fornecedores da região.
A iniciativa foi bem aceita pelos parti-
cipantes e deverá se repetir em 2016.
“Entre as características deste formato de
trabalho estão a dinamicidade e a abran-
gência, que permitem com que os gesto-
res cheguem mais rapidamente num
número maior de empresas do setor”,
registra Fabiano Dallacorte, gestor de
projetos do SEBRAE. Além disto, a técni-
ca é um exercício para os vendedores
apresentarem seus produtos e serviços
com objetividade e foco nos resultados.
A apresentação da cadeia do setor
metalmecânico, com projetos para o
ciclo 2016-2017, contou com a presença
de Marco Copetti, gerente do SEBRAE,
na região, e do diretor Executivo do
SINDIMETAL, Valmir Pizzutti. “A experiên-
cia da Arena de Negócios é nova para a
entidade, mas surge como um recurso
para que as empresas encontrem alter-
nativas e nichos de mercado”, comenta
Pizzutti. Para Copetti, “a nova aborda-
gem e forma de atuação integra um
processo de transformação para sermos
mais eficientes e criativos em 2016”.
Os dois pilares deste trabalho são
foco no mercado e na eficiência produ-
tiva, otimizando os recursos e buscan-
do a perda zero, dentro da cadeia pro-
dutiva. A promoção da inteligência
competitiva permitirá que grandes
empresas possam atender pequenos
fornecedores nos Fóruns de Suprimen-
to semestrais, eventos onde serão iden-
tificadas as demandas destas empresas
oportunizando negócios aos empresá-
rios de MPEs.
Durante a programação também
foram destacados os cases da Ingabor,
reconhecida como Melhor Indústria em
2015, pela MPE Brasil – Prêmio de Com-
petitividade para Micro e Pequenas
Empresas, e a Transmaq, uma das
empresas indicadas para participar do
Programa Piloto de Apoio à indústria
Brasileira para Aumento da Produtivida-
de, desenvolvido pela Confederação
Nacional da Indústria (CNI).
ara o empresário Alexandre Koch, da
PMetalúrgica Metz, de Estância Velha, foi
uma experiência muito positiva. “Assim
todos os participantes conheceram os produ-
tos e serviços oferecidos pelas empresas. Para
nós da Metalúrgica Metz, serviu em especial na
parte de fornecedores, porque a maioria das
empresas é prestadora de serviços e fabricante
de equipamentos e máquinas. Não há empre-
sas da construção civil ou que possam utilizar
peças estampadas e injetadas”, afirma.
Segundo o diretor Alexandre Santos, da San-
larte, de São Leopoldo, é uma modalidade
importante, pois transforma o evento numa
oportunidade única de negócios. “Além disso
traz para a mesa várias empresas que são
pouco conhecidas no mercado, mas oferecem
uma grande variedade de produtos e serviços
com qualidade. Também disponibiliza de ime-
diato às pessoas com poder de decisão de
compra e de venda. Com certeza, um evento
que poderá ser repetido futuramente”, enfatiza
o empresário.
CAFÉ COM NEGÓCIOS
prospecta ações de mercado
Opinião
AçõesEspaço SINDIMETAL | Nº55 07
“O futuro desenvolvimento das sociedades está relacionado à capacidade de iluminar nossas cidades”.
Comitês
erca de 70 pessoas participa-
Cram, no dia 07 de dezembro, do
evento de Integração dos Comi-
tês do SINDIMETAL, às 17h, na sede da
entidade. Na ocasião, também foram
apresentados os novos coordenadores,
que estarão atuando durante a gestão
2016-1018.
Ao saudar os integrantes dos comi-
tês, o diretor Executivo do SINDIMETAL,
Valmir Pizzutti, destacou a relevância
deste trabalho para a entidade. “A cada
ano novas ações têm envolvido os par-
ticipantes, que de forma atuante reali-
zam atividades diversas em diferentes
áreas, visando o aprimoramento profis-
sional dos empresários e gestores”,
comenta Pizzutti.
O presidente do SINDIMETAL, Raul
Heller registrou o seu agradecimento e
o desejo de que os comitês continuam
contribuindo, com muita vontade e
determinação, em 2016. “Estas lideran-
ças, aqui presentes, são agentes de
tentativa de mudanças, para que
tenhamos um País com uma gestão
mais eficiente e produtiva”, enfatizou.
Os comitês são formados por
empresários ou executivos das empre-
sas associadas ao SINDIMETAL e têm
por objetivo o desenvolvimento de
assuntos estratégicos, buscando solu-
ções nas suas respectivas áreas. Inte-
gram o sindicato os seguintes comitês:
Desenvolvimento de Lideranças – tur-
mas 1 e 2; Lean Manufacturing; Recur-
sos Humanos; Saúde, Segurança e
Meio Ambiente (SSMA) e o Valemetalsi-
nos.
Estes seis comitês possuem suas
ações norteadas por Planejamentos
Estratégicos individuais, mas sempre
alinhados com os objetivos da entida-
de. Suas ações são desenvolvidas res-
peitando as metas e diretrizes do
SINDIMETAL, que tem como missão:
Representar, Integrar, Defender e Pro-
mover o desenvolvimento empresarial
da categoria representada, visando a
competitividade e a excelência.
Comitês do SINDIMETAL encerram
atividades em evento de integração
08 Espaço SINDIMETAL | Nº55
DesenvolvimentodeLideranças– turmas 1 e2
Missão - Promover a formação e o fortalecimento de lideranças,
de empresários e profissionais das empresas associadas do
SINDIMETAL.
CoordenadorDL1 -Marlos Davi Schmidt - Erps
Vice -coordenadoraDL1 -Sofia Copé Heller Michel – Copé
CoordenadorDL2 -Gilberto Cislaghi - Copé
Vice-coordenadorDL2 - Mateus Wondracek – Alu-Cek
Lean Manufacturing
Missão - Potencializar a competitividade das empresas associa-
das do SINDIMETAL por meio da qualificação e disseminação da
mentalidade enxuta.
CoordenadorLean - Juliano Ilha - Artestampo
Vice-coordenadorLean - Felipe Lara Pereira – Weatherford
RecursosHumanos
Missão - Aprimorar os conhecimentos através da troca de expe-
riências, seguindo preceitos jurídicos trabalhistas, atuando na
orientação e na promoção de ações na gestão de pessoas, para o
desenvolvimento das empresas associadas ao SINDIMETAL.
CoordenadoraRH - Heloisa Muller - Rexnord
Vice-coordenadora RH - Estelamáris Bernardes – Altus
Missões estratégicas e novos coordenadores
Saúde,SegurançaeMeioAmbiente(SSMA)
Missão - Promover ações em saúde, segurança do trabalho e meio
ambiente, observando os aspectos legais e de boas práticas, disse-
minando conhecimento às empresas associadas ao SINDIMETAL.
Coordenação– Este comitê está em fase de reestruturação.
Valemetalsinos
Missão - Promover o desenvolvimento das empresas associadas do
SINDIMETAL, participantes do Valemetalsinos, com o apoio de par-
ceiros estratégicos, fortalecendo a categoria e com ações voltadas
ao mercado.
Coordenador Valemetalsinos - Pedro Paulo Lambert - Lamaço
Vice-coordenador Valemetalsinos - Valdir Huning – Sebras
A
história da Siemens teve início
em 1867, com a instalação da
primeira linha telegráfica do
Brasil e, em 1939, com a primeira fábri-
ca de transformadores do País. A Sie-
mens/ Iriel segue evoluindo continua-
mente e estabelecendo marcas de
confiabilidade e inovação.
Reconhecida como a segunda
empresa mais globalizada do mundo, a
Siemens está no Brasil há 110 anos.
Nesse período de mais de um século, se
tornou a maior empresa de tecnologia
integrada do Brasil, com operações em
95 países, sendo que cerca de 80% das
fábricas estão implantando o Lean. Na
Siemens/ Iriel, com sede em Canoas, os
trabalhos começaram há quatro anos.
“A implantação do Lean requer bom
senso. É preciso parar e avaliar o que
consigo melhorar com o que tenho
agora e não com o que gostaria de ter”,
destaca. “Através do Lean passamos a
enxergar os problemas de forma dife-
rente, pois a dificuldade passa a ser
uma oportunidade para melhorar em
algum ponto”, justifica. Lembrando que
quanto mais cedo tiver início a implan-
tação melhor, pois é através do hábito
que haverá a continuidade dos proces-
sos.
“Mesmo quando não é possível
realizar uma mudança total ou uma
melhoria contínua, o importante é
iniciar em algum ponto”, enfatiza. Para
Luciano se não houver o envolvimento
das pessoas, o resultado não se man-
tém. “Somente o processo operacional
não se basta, é necessário fidelizar com
a equipe”, afirma.
Citando o gestor Cid Lopez, da área
de desenvolvimento de fornecedores,
fez questão de lembrar, ao concluir sua
palestra, os três caminhos para o fra-
casso. São eles: não ensinar o que se
sabe; não praticar o que se ensina e não
perguntar o que se ignora. “Para alcan-
çar o sucesso é preciso ser coerente,
não julgar as pessoas, mas os proces-
sos e assimilar as mudanças que virão”,
informou Luciano.
Ao término da atividade, o coorde-
nador do comitê falou sobre o Sistema
de Produção Enxuta do SINDIMETAL
(SPE), relatando que atualmente 15
empresas associadas estão no projeto
em processo de desenvolvimento, o
qual tem duração de três anos. Ao todo
já participaram dos treinamentos no
SINDIMETAL cerca de 200 profissionais.
Trazendo novidades, Juliano tam-
bém informou que, em 2016, os módu-
los do SPE serão concluídos em dois
anos, justamente para acelerar a apli-
cação junto às empresas. As inscrições
iniciam no primeiro trimestre, inclusive
com possibilidade da formatação de
cursos avançados sobre Lean.
A programação do 3º Meeting
encerrou no dia 13 de novembro, com
uma visita técnica na Siemens/ Iriel, em
Canoas.
Ações
Redução do desperdício em pauta no
3º3º Meeting Lean realizado no SINDIMETAL
tema Por que o Lean nem
Osempre dá certo? esteve a
cargo de Luciano Diniz
Gomes, Plant Manager, da Siemens/
Iriel, por ocasião do 3º Meeting Lean, no
dia 12 de novembro. A promoção foi do
SINDIMETAL, através do seu comitê
Lean Manufacturing, juntamente com
IEL, SENAI e SEBRAE.
A atividade reuniu no horário das
18h30min às 21h30min aproximada-
mente 70 empresários e gestores na
sede do SINDIMETAL, localizada no
Centro das Indústrias, em São Leopoldo.
Ao saudar os participantes, o diretor
Executivo do SINDIMETAL, Valmir Piz-
zutti destacou o trabalho realizado
durante todo o ano pelo grupo. “O comi-
tê tem um papel muito importante no
apoio ao uso da ferramenta Lean, além
de estar diretamente envolvido com a
organização dos eventos relacionados
ao tema”, registrou.
Contribuir para a significativa redu-
ção de tempo nos processos e aperfei-
çoar os recursos, visando à qualidade e
o custo-benefício, traz um ganho para
todos, comenta Pizzutti, incentivador da
aplicação do Lean nas empresas. Na
ocasião, informou que o coordenador
do comitê, Juliano Ilha, da Artestampo,
seguirá à frente do grupo, passando a
contar, a partir de 2016, com o vice-
coordenador, Felipe Augusto Lara Perei-
ra, da Weatherford.
Empresa globalizada
Espaço SINDIMETAL | Nº55 09
Diniz apresenta experiência Lean na Siemens/Iriel
“Toda essa tecnologia é baseada na luz!”
Jurídico Ambiental
dano ambiental consiste na
Olesão intolerável ao meio
ambiente, causada pela ação
culposa ou dolosa do homem. Logo, o
poluidor é o sujeito (a pessoa física ou
jurídica, de direito público ou privado)
responsável direta ou indiretamente
por atividade causadora de degrada-
ção ambiental.
A Constituição Federal, em seu art.
225, 2º, dispõe que "aquele que
explorar recursos minerais fica obrigado
a recuperar o meio ambiente degrada-
do, de acordo com a solução técnica
exigida pelo órgão público competente,
na forma da lei."
Por outro lado, o 3o do mesmo
dispositivo constitucional aduz que "as
condutas e atividades consideradas
lesivas ao meio ambiente sujeitarão os
infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a
sanções penais e administrativas, inde-
pendentemente da obrigação de repa-
rar o dano”, ou seja, determina a neces-
sidade de reparação do dano causado
ao meio ambiente.
Diante desse contexto, é oportuno
referir que o dano ambiental deve ser
atacado de três maneiras: em primeiro
lugar, com a recuperação do meio
ambiente degradado; em segundo
lugar, com medidas compensatórias
quando não possível a recuperação no
local; em terceiro lugar, não sendo
possível nenhuma das duas hipóteses
anteriores, com a condenação do polu-
idor ao pagamento de indenização.
O doutrinador Édis Milaré, na obra
Direito do Ambiente (2 ed. rev., ampl.
e atualiz. São Paulo: RT, 2001) aduz que
“a reparação ao dano ambiental é a
reconstituição do meio ambiente agre-
dido, cessando-se a atividade lesiva e
revertendo-se a degradação ambiental.
Apenas quando essa recuperação não
for viável é que se admite indenização
em dinheiro.”
Numa primeira análise, uma atitude
acaba por excluir a outra, ou seja, em
havendo recuperação não se admitirá
medida compensatória ou imposição
de pagamento indenizatório.
Contudo, tal entendimento não é
unânime, já sendo admitida em prece-
dentes jurisprudenciais a cumulação
de obrigações ao poluidor, de acordo
com cada caso específico. Isso graças
ao disposto no artigo 4º, inciso VII, da
Lei nº 6.938/81, que determina que “à
imposição, ao poluidor e ao predador,
da obrigação de recuperar e/ou indeni-
zar os danos causados e, ao usuário, da
contribuição pela utilização de recursos
ambientais com fins econômicos.” (grifo
nosso).
Decisões judiciais já adotam as pre-
visões por condenação de pagamento
de indenização do artigo 3º da Lei nº
7.347/85 e do artigo 14 da Lei nº
6.938/81, agregando e cumulando
com a obrigação de fazer, qual seja a
recuperação do dano ambiental (p.ex.
A p e l a ç ã o C í v e l n º 5 0 0 3 7 4 0 -
50.2011.404.7208, TRF4, Terceira Tur-
ma, Relator Fernando Quadros da Silva,
D.E. 16/04/2013).
Também já se admite a imediata
cessação da degradação da área de
preservação, com a respectiva recom-
posição ambiental (p. ex. Apelação
Cível nº 5000003-76.2010.404.7207,
TRF4, Quarta Turma, Relator Jorge
Antônio Maurique, D.E. 01/09/2011).
Conclui-se, destarte, que a partir de
uma responsabilidade objetiva, em
que não mais se discute a intensão do
degradador, mas o simples risco da
atividade danosa ao meio ambiente e a
necessidade de repará-lo e/ou indeni-
zá-lo, vem se alterando o entendimen-
to de que é possível a cumulação de
penalidades e obrigações ao poluidor.
Diante do exposto, fica o alerta a todos,
para que sigam as rotinas de preven-
ção contra danos ambientais, a fim de
evitar a necessidade de reparação do
meio ambiente, cumulada com outras
penalidades, inclusive decorrentes de
indenizações pecuniárias.
*Advogadointegrantedaequipedeprofissio-
nais do escritório Garcez Advogados Associados –
Assessoria Jurídica do SINDIMETAL, na área
Trabalhista, Ambiental e de Representação
Comercial.
Dano ambiental e as obrigações
(cumuladas) de reparação
Conselheiros do e doSENAI SESI
prestigiam a última reunião do ano
o b a c o o r d e n a ç ã o d o
Spresidente do SINDIMETAL,
empresário Raul Heller
ocorreu a última reunião do ano com
o s p re s i d e n t e s d o s C o n s e l h o s
Consultivos SESI e SENAI da região.
Juntamente com as lideranças dos
sindicatos patronais a atividade teve
lugar no Centro das Indústrias, em São
Leopoldo, no dia 25 de novembro.
Durante o ano foram realizados seis
encontros, sempre voltados à aplica-
ção consciente e criteriosa dos
investimentos em prol das indústrias,
buscando melhorias no Sistema “S”.
Segundo o diretor Executivo, Valmir
Pizzutti “este espaço democrático
oportuniza a troca de informações, o
levantamento de demandas e o
alinhamento de ações entre os
Conselhos, visando à eficiência das
ações programadas”, justifica.
A agenda de reuniões dos presi-
dentes dos Conselhos Consultivos SESI
e SENAI para 2016 já está definida
devendo iniciar no mês de março.
12 Espaço SINDIMETAL | Nº55
13Espaço SINDIMETAL | Nº55 Jurídico Trabalhista
eSocial é um projeto do Governo
OFederal que visa reunir o envio de
informações pelo empregador
em relação aos seus empregados. Unifica
informações da Caixa Econômica Federal
(FGTS); do INSS; do Ministério da Previdên-
cia; do Ministério do Trabalho e Emprego e
da Secretaria da Receita Federal.
Isto é, todas as informações administra-
tivas, laborais, previdenciárias e fiscais dos
empregados serão administradas pelo
empregador e conduzidas para alimenta-
ção de dados no sistema, inclusive com
cominações “automáticas” de não o fazer
em tempo e qualidade determinada e
aceita.
A vigência do eSocial para empregado-
res empresariais está, até agora, prevista
para 2016/2017. A salientar que a versão
para empregador doméstico, vigente e
obrigatória, necessitou de prorrogações e
ajustes para cumprir com seu objetivo, isto
já no primeiro mês de funcionamento.
É previsível, portanto, que quando
obrigatório o sistema para os empregado-
res empresariais, na mesma toada do eSo-
cial doméstico, os problemas existirão!
Afirma-se isto, porque mesmo que não se
criem procedimentos novos com o sistema,
o fato da conglomeração de dados até
então esparsos será, de início, certamente
complicada e exigirá esforços específicos
dentro de todas as empresas.
Já se ouviu de um respeitado historia-
dor que o eSocial seria a nova versão dos
obrigatórios e depois dispensáveis it de
emerg ncia e extintores de inc ndio auto-
motivos Ou é bem adequada àquela do
músico-poeta: um museu de grandes novi-
dades
Acredita-se que o eSocial não padecerá
da cada vez mais aparente esquizofrenia
estatal. Afinal: está vigente e parece que vai
funcionar... e não acreditamos em bruxas,
pero que las hay, las hay
Mas o assunto proposto para o
momento é o que será do Perfil Profissio-
gráfico Previdenciário – PPP – na vigência
do eSocial.
O PPP é um documento que reúne o
histórico do empregado contendo dados
laborais, administrativos e ambientais a que
esteve sujeito durante todo o período de
contrato de trabalho. A partir de 2004, o
PPP substituiu antigos formulários (SB 40,
DISES BE 5235, DSS 8030, DIRBEN 8030,
etc), mas os dados continuaram os mesmos,
apenas foram reunidos no mesmo docu-
mento: o PPP.
Com o eSocial a situação em relação ao
PPP é idêntica: todos os dados que cons-
tam no PPP estão incluídos em uma ou
outra tabela do eSocial.
Ao que parece, o PPP não será extinto,
mas integrado ao eSocial, padronizando
informações e, especula-se, diminuindo
em quantidade – porque unifica diversas -
as obrigações patronais.
Em específico, os empregadores preen-
cherão os seguintes eventos do eSocial que
fornecerão todas as informações que hoje
compõem o PPP:
Evento 1060 - Tabela de ambientes de
trabalho;
PPRA, PCMSO, LTCAT e demais laudos
de registros ambientes obrigatórios no
sistema;
Registro médico laboral do trabalhador
integrado no sistema;
Evento 2220 – Monitoramento da
saúde do trabalho;
Evento 2241 – Insalubridade, Periculosi-
dade e Aposentadoria Especial.
Evento 2400 – Condições ambientais
de trabalho – Fatores de Risco;
Evento 2360 – Condição diferenciada
de trabalho;
O certo é que tanto na futura vigência
do eSocial, quanto no que é vigente hoje,
as informações profissiográficas previden-
ciárias do trabalhador são e continuarão
sendo baseadas nos mesmos documentos:
Contrato de Trabalho; Programa de Pre-
venção de Riscos Ambientais (PPRA); Pro-
grama de Gerenciamento de Riscos (PGR);
Programa de Condições e Meio Ambiente
de Trabalho na Indústria da Construção
(PCMAT); Programa de Controle Médico de
Saúde Ocupacional (PCMSO); Laudo Técni-
co de Condições Ambientais do Trabalho
(LTCAT).
Enfim, o PPP no eSocial está, ao que se
vislumbra, fadado a compor uma prateleira
com destaque no museu de grandes novi-
dades... o tempo não para!
* Advogado integrante da equipe de profis-
sionais do escritório Garcez Advogados Associ-
ados – Assessoria Jurídica do SINDIMETAL, na
área Trabalhista, Ambiental e de Representa-
çãoComercial.
O Perfil Profissiográfico
Previdenciário e o eSocial
ramado foi o local escolhido
Gp a r a a r e a l i z a ç ã o d o I
Simpósio de Relações do
Trabalho, nos dias 22 e 23 de outubro,
numa promoção da FIERGS, em
parceria com a Associação dos
Advogados Trabalhistas de Empresas
no RS (Satergs). O Centro das Indústrias
esteve representado pelo escritório
Garcez Advogados Associados.
Os impactos das transformações
econômicas, políticas e tecnológicas no
mercado de trabalho foram debatidos,
por empresários, autoridades e
profissionais da área jurídica, que
avaliaram as mudanças na forma de
produzir, contratar e negociar.
Na abertura do evento, o presidente
da FIERGS, Heitor José Müller, alertou
para a necessidade de modernização
das leis. Segundo ele, a entidade, a
Confederação Nacional da Indústria, os
sindicatos industriais e os empreende-
dores propõem a discussão de um novo
modelo de desenvolvimento, que
priorize a empregabilidade e pelo qual
seja instituído um processo de desen-
volvimento sustentado. “Os períodos
de crise devem servir para reflexões
muito profundas sobre as bases em que
estão assentadas as relações de
trabalho no Brasil. Não podemos
separar a geração e manutenção de
empregos do necessário fortalecimen-
to e expansão das empresas privadas”,
afirmou.
Impactos da
crise econômica
“Cientistas de todo o mundo estão trabalhando para desenvolver tecnologias acessíveis e limpas de energia solar”.
14 Espaço SINDIMETAL | Nº55Ações
Perspectivas para 2016 apresentadas no
Workshop Tributário e Econômico
Exposições SINDIMETAL/SEBRAE 2016
Informações: (51) 3590-7710
03 - 07 Maio
São Paulo - SP
feimec.com.br
17 - 21 Maio
São Paulo - SP
mecanica.com.br
21 - 24 Junho
Criciúma - SC
metalmineracao.com.br
13 - 16 Setembro
Joinville - SC
metalurgia.com.br
04 - 07 Outubro
Caxias do Sul - RS
mercopar.com.br
C
erca de 70 gestores e diretores de
empresas participaram, no dia 24
de novembro, do or shop
Tributário e Econômico, ocasião em que
foram apresentados os cenários que
estarão impactando na economia em 2016.
A promoção foi do SINDIMETAL.
A atividade ocorreu no horário das
16h30min às 19h, na sede da entidade, no
Centro das Indústrias, em São Leopoldo,
e contou com a presença de três pales-
trantes. Abordando o Cenário Tributário
estiveram os advogados Marciano Bu on
e Marina Furlan, da equipe Bu on e
Furlan Advogados Associados, que
integram a Assessoria Jurídica Tributária
do SINDIMETAL. Na ocasião, o tema em
pauta foi à implementação dos pacotes
fiscais - federal e estadual, bem como o
impacto das mudanças fiscais em 2016.
Cenário Tributário
Entre os assuntos apresentados, a
advogada Marina comentou sobre o
aumento na alíquota do ICMS, em 2016,
que passará de 17% para 18%, pelo período
de três anos. “Como a economia está
estagnada, não se sabe quanto esta
medida irá representar para os cofres do
Estado”, comenta Marina.
Outro tema apresentado, pelo
advogado Bu on, diz respeito à regulariza-
ção dos ativos no exterior. A partir de 2017
haverá mais controle sobre a aplicação de
dinheiro nos paraísos fiscais e igualmente
referente à compra de bens no exterior.
A legislação do Imposto sobre
Circulação de Mercadorias e Serviços
(ICMS) voltou a ser debatida entre
especialistas do setor tributário, mas segue
indefinida, afirma Bu on.
Cenário Econômico
Na sequência, o economista-chefe do
Sistema FIERGS, André Nunes falou sobre o
Cenário Econômico, apresentando os
desafios da crise atual e o que este
momento traz de novo para a indústria,
além de perspectivas para a economia em
2016. “Por enquanto, não existe clareza
sobre a saída para esta crise”, enfatiza.
A tendência é que tenhamos mais
desemprego ou seja, mais vagas sendo
fechadas que abertas, menciona o
economista-chefe da FIERGS. Os dados
divulgados, pelo economista André,
indicam que a população desocupada no
Brasil chegou a 9 milhões de pessoas. No
terceiro trimestre do ano passado a taxa de
desocupação foi de 6,8% e atualmente é
de 8,7%.
Segundo o economista André “a
agenda política, em 2016, continuará se
sobrepondo à agenda econômica. Na
realidade, “as atuais lideranças perderam a
prerrogativa de propor os rumos do País.
Até o momento isto não foi bem sinaliza-
do”, destaca André.
“Teremos aumento do desemprego;
perda do grau de investimento; descontro-
le da inflação e crédito privado cada vez
mais restrito”, afirma o economista. Existem
perspectivas de uma boa safra na agricul-
tura, mas insuficiente para impulsionar o
crescimento do PIB. A indústria metalme-
cânica ainda sofrerá com a queda nos
investimentos, com crédito mais restrito e
caro. Já a queda na atividade do Estado,
em 2016, será mais intensa, finalizou o
economista, lembrando que como outras
crises no País esta também irá passar.
André Nunes analisa o cenário econômico
Mercado 15Espaço SINDIMETAL | Nº55
Alu-Cek é uma empresa com
Aamplo no -ho na fabricação de
sistemas produtivos para a
indústria, estando há 16 anos no mercado. A
linha de produtos customizada envolvia,
nos primeiros doze anos de existência,
somente construções de equipamentos
com a sua estrutura em perfis de alumínio.
Há uns anos atrás foi incorporada a
aplicação com estruturas tubulares em aço,
também muito usadas em projetos Lean.
Com a chegada ao mercado brasileiro
da tecnologia de geração de energia solar,
através de micro usinas constituídas de um
conjunto de painéis fotovoltaicos, muitas
empresas surgiram, ou se adaptaram, para
oferecer serviços de instalação ao redor do
nosso País.
Desde meados do ano de 2014, a Alu-
Cek se deparou com a carência de sistemas
de fixação destes módulos fotovoltaicos
(MFV), percebendo assim, um mercado a
ser explorado. Estes módulos eram
importados de empresas fabricantes no
exterior, mas ainda não havia fornecedores
de acessórios e de fixação que eram
fabricados no País.
Como a Alu-Cek já possuía um conjunto
extenso de perfis estruturais modulares em
alumínio, material propício para estas
aplicações, iniciou-se uma interação com as
empresas montadoras de sistemas de MFV.
A partir dali, a empresa começou a investir
no desenvolvimento de diversos acessórios
de fixação de MFV, e, não somente de
acessórios, mas também de perfis
estruturais específicos para esta aplicação.
“Temos trabalhado muito para conhecer
cada vez mais sobre esta tecnologia que
veio para ficar”, afirmam os diretores Udo
Wondracek e Marli Karin Wondracek.
Hoje, a Alu-Cek já está apta a fornecer
uma boa diversidade de itens para vários
tipos de telhados e coberturas. “No
entanto, há um caminho bastante longo a
ser trilhado em novos investimentos nesta
área, mas cremos que este mercado tem
muito a crescer ainda”, destacam.
25 anos de forte
atuaçãoA U T O M A Ç Ã O
ACRK Automação atua no merca-
do desde 1990. “O segredo do
nosso sucesso está nas pessoas.
Nós trabalhamos porque queremos
desafios, porque queremos clientes
satisfeitos, porque desejamos agregar
valor aos nossos colaboradores, clientes e
fornecedores como uma empresa
diferenciada no mercado. Esses são os
motivos que nos fazem levantar todos os
dias”, justificam o diretor Ricardo Kiszewski
Durante estes anos, a essência não
mudou. Ela é o principal motivo que
incentiva os gestores a oferecerem um
trabalho de qualidade a cada dia.
A empresa oferece automação
industrial, mas justifica que não possui
nenhum robô trabalhando, pois acredita
que as soluções de automação industrial
são criadas, planejadas e executadas por
pessoas. “A CRK Automação é movida por
mentes que pensam juntas com objetivo
de oferecer serviços de excelência”,
registra Ricardo.
Segundo os diretores são 25 anos de
aprendizado e muitas horas de trabalho.
“Entre as recompensas estão os funcioná-
rios, com mais de 15 anos de casa, uma
equipe comprometida, que se orgulha em
vestir a camiseta da empresa. Também
citamos os clientes, que contratam a CRK
e confiam que a equipe oferece as
melhores soluções, bem como os
fornecedores que realmente são nossos
parceiros, com quem podemos contar
sempre”.
Parabéns e muito sucesso para a
direção e equipe da CRK Automação!
Explorando nova
tecnologia
“A energia do Sol que atinge a Terra pode ser convertida em calor e em eletricidade”.
Fonte: CRK
Fonte: Alu-Cek
Vitrine Espaço SINDIMETAL | Nº55
www.rdflexacoplamentos.com.br
Focado nos resultados
Referência na fabricação de acoplamentos flexíveis e
outros produtos ligados com transmissões mecânicas
industriais, a RD-Flex, sob a direção de Rubén Duarte,
lançou neste ano, na feira Mercopar, em Caxias do Sul, o
Acoplamento flexível para transmissão de potência, para
motores com até 3000 HP.
Entre as características técnicas estão, a autocompensação,
absorver vibrações, desalinhamentos, sejam eles radial, angular
ou axial, e o fato de não precisar de manutenção faz dele uma
linha de acoplamentos muito bem aceita no mercado, além
disto, a reposição é rápida. “Temos 14 modelos, em diferentes
tamanhos e potências, todos com as mesmas características”,
afirma Rubén. Na feira, a aceitação do produto superou as
expectativas. “O mercado está valorizando os novos produtos e
como o acoplamento é o coração da máquina fomos bem
visitados junto ao estande”, comemora.
Contando com a dedicação dos sócios Sílvia Breit de Duarte,
gerente Financeira, e Lucas Ezequiel Duarte, responsável pelo
Comercial, Compras e Vendas, a empresa está a cada ano
investindo mais em qualidade. “Não abrimos mão, pois é a
referência do produto no mercado”, afirma o diretor Rubén.
Com uma história marcada pela dedicação e empenho
profissional, os Duarte iniciaram a sua trajetória na Argentina,
terra natal da família. Como já distribuíam peças similares desde
o ano 2000 para o Brasil, após três anos, optaram em morar no
País. “Sempre gostamos de desafios e morar no Brasil era um
sonho antigo” enfatizou. Acostumados às adversidades,
enfrentaram as primeiras dificuldades e nunca se arrependeram.
“Iniciaríamos tudo de novo para viver esta experiência no Brasil”,
afirma Rubén.
Relembrando a história da RD-Flex, o diretor registra 2008 e
2009 como anos de crescimento significativo para a empresa.
“Compramos equipamentos e atualizamos a equipe, passando
a atuar em mais lugares”. Acompanhar com qualidade,
contribuindo para o crescimento e aperfeiçoamento da
empresa, tem sido a meta deste grupo de empreendedores.
Com o passar do tempo, foram agregando mais produtos.
Agora são quatro linhas completas e cinco onde fabricam os
sobressalentes e completam a linha dentro da família dos
acoplamentos flexíveis ou semirrígidos. No Brasil, as vendas
ampliaram em São Paulo e Minas Gerais e no exterior já
exportaram para o Uruguai. “A intenção é investir mais na
exportação e passar a comercializar para o México, Colômbia e
Peru”, destaca o diretor.
A experiência de 15 anos numa empresa pioneira na
Argentina veio somar no momento de implantar uma estrutura
com as mesmas características no Brasil. “Procuro trocar ideias
com os distribuidores, sobre as necessidades dos clientes, assim
vamos pautando o trabalho e projetando as próximas ações da
empresa”, enfatiza Rubén.
Com sede própria em São Leopoldo, num prédio com 750m
de área coberta, temos espaço para desenvolver os projetos e
investir em novos equipamentos. “A equipe é sólida, unida e
trabalha feliz, pois na realidade todos vestem a camiseta da
empresa”, argumenta. “Inclusive, costumam solicitar a presença
da direção na produção. No meu entendimento, quando isto
acontece, é porque o funcionário está comprometido com os
resultados e deseja a troca de informações”, comenta satisfeito.
Para que o projeto alcance o sucesso, a implantação muitas
vezes extrapola a venda. “Um pós-venda efetivo é essencial
para construirmos bons resultados”, destaca. Com dez anos de
história fazem planos para o futuro. Entre as metas estão a
ampliação do canal de vendas, em 2016, apostando na
determinação para prospectar novos clientes e novas áreas de
atuação. “Não desejo ficar estagnado, mas sim avançar sempre
em busca de novos mercados”, enfatiza Rubén.
Desejamos que o futuro reserve novas e felizes conquistas
profissionais para o “time da RD-Flex”.
10 anos conquistando
novos mercados
o término deste ano, o
ASindicato das Indústrias
Metalúrgicas, Mecânicas e
de Material Elétrico e Eletrônico de
São Leopoldo (SINDIMETAL) está
concluindo mais uma gestão de
trabalho, marcada pela dedicação
de um grupo de empreendedores,
sob a direção do empresário Raul
Heller.
Na presidência desde 2003,
assumida no final da gestão do então
presidente Vala r Hélio Wosiack,
Raul Heller dará início, em 2016, à sua
quinta gestão de trabalho consecuti-
vo. Reeleito por aclamação, no dia
26 de novembro, na sede da entida-
de, teve a sua posse no dia 04 de
dezembro com a presença de
lideranças da FIERGS, de entidades
sindicais patronais e associadas.
Raul Heller é reeleito
presidente do SINDIMETAL
para a gestão 2016-2018
Encarte Especial
Presidente Raul Heller destaca a força da indústria no seu pronunciamento
O consultor jurídico da FIERGS e das entidades sindicais, advogado Edson Morais Garcez brinda a nova gestão
PRESIDENTE
Ÿ Raul Heller - Copé Cia Ltda.
VICE-PRESIDENTES
Ÿ Arno Tomasini - Stihl Ferramentas Motorizadas Ltda.
Ÿ Leonardo Pedroso Filho - Indústria de Máquinas e Redutores Transmaq Ltda.
Ÿ Roberto Dauber - Delga Indústria e Comércio Ltda.
Ÿ Sergio de Bortoli Galera - Itecê Ind. e Com. de Equipamentos Agrícolas Ltda.
Ÿ Vitor Fabiano Ledur - Leitz Ferramentas Para Madeira Ltda.
Ÿ Volker Lübke - Ferramentas Gedore do Brasil S.A.
SECRETÁRIO
Ÿ Roberto Petroll - RPM Metalartes Ltda.
TESOUREIRO
Ÿ Udo Wondracek - Alu-Cek Ind. Com. Ltda
DIRETORES
Ÿ Ademir Luiz Costella - Fercorte Indústria Metalúrgica Ltda.
Ÿ Celso Luiz Rodrigues - Indústria de Auto Peças Schuck Ltda.
Ÿ Christine Lange - Indústria de Ferramentas Ifla Ltda.
Ÿ Darlan Geremia - Rijeza Indústria Metalúrgica Ltda.
Ÿ Emílio Neuri Haag - Metalúrgica Loth Ltda.
Ÿ Marcelo Fleck - Flecksteel Indústria de Artefatos Metálicos Ltda.
Ÿ Marcelo Mariani - Metalúrgica Mariani Ltda.
Ÿ Paulo Roberto Jacobsen - Indústria e Comércio de Bombas D gua Beto Ltda.
Ÿ Pedro Vicente Isquierdo Gonçales - Rexnord Brasil Sistemas de Transmissão e Movimentação Ltda.
Ÿ Ronei Feltes - Metalúrgica Reuter Ltda.
Ÿ Silvino Geremia - Higra Industrial Ltda.
Ÿ Thiago Piovesan - Forjas Taurus S.A.
Ÿ Tiago Alliatti Beleza - Gerdau Aços Longos S.A.
Ÿ Valdir Luiz Huning - Sebras Indústria e Comércio Ltda.
Ÿ Vitor Fernando Reichelt - Weatherford Ind. e Com. Ltda.
CONSELHO FISCAL - TITULARES
Ÿ Luiz Antônio Gonçalves - Rol Mar Metalúrgica Ltda.
Ÿ Marcelino Leopoldo Barth - Viva Cor Comercial de Tintas Ltda.
Ÿ Roberto Alexandre Schroer - Infasul Facas Industriais Ltda.
CONSELHO FISCAL - SUPLENTES
Ÿ David Florindo Cardoso - CRK Automação Industrial Ltda.
Ÿ Pedro Paulo Lambert - Lamaço Artefatos de Aço Ltda.
Ÿ Rubén Antônio Duarte - RD-Flex do Brasil Acoplamentos Ltda.
DELEGADOS REPRESENTANTES JUNTO À FIERGS
TITULARES:
Ÿ Raul Heller - Copé Cia. Ltda.
Ÿ Sergio de Bortoli Galera - Itecê Ind. e Com. de Equipamentos Agrícolas Ltda.
SUPLENTES:
Ÿ Arno Tomasini - Stihl Ferramentas Motorizadas Ltda.
Ÿ Volker Lübke - Ferramentas Gedore do Brasil S.A.
Diretoria SINDIMETAL
Gestão 2016 - 2018

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Informativo Estrela Vermelha
Informativo Estrela VermelhaInformativo Estrela Vermelha
Informativo Estrela Vermelhaestrela13vermelha
 
Manual do jovem empreendedor
Manual do jovem empreendedorManual do jovem empreendedor
Manual do jovem empreendedorAndré Quintão
 
Manual capacidade jovemempreendedor (2)
Manual capacidade jovemempreendedor (2)Manual capacidade jovemempreendedor (2)
Manual capacidade jovemempreendedor (2)CRIST1976
 
CI - 2016 - privatização e operação lava jato
CI - 2016 - privatização e operação lava jatoCI - 2016 - privatização e operação lava jato
CI - 2016 - privatização e operação lava jatoDelta Economics & Finance
 
Espaço SINDIMETAL 81
Espaço SINDIMETAL 81 Espaço SINDIMETAL 81
Espaço SINDIMETAL 81 SINDIMETAL RS
 
Juros, Câmbio e Inflação: dilemas para a retomada do desenvolvimento
Juros, Câmbio e Inflação: dilemas para a retomada do desenvolvimentoJuros, Câmbio e Inflação: dilemas para a retomada do desenvolvimento
Juros, Câmbio e Inflação: dilemas para a retomada do desenvolvimentoGrupo de Economia Política IE-UFRJ
 
Artigo qualificação, formação e capacitação da nação
Artigo   qualificação, formação e capacitação da naçãoArtigo   qualificação, formação e capacitação da nação
Artigo qualificação, formação e capacitação da naçãoNovas da Guiné Bissau
 
Discurso Armando Monteiro no Ministério do Desenvolvimento
Discurso Armando Monteiro no Ministério do DesenvolvimentoDiscurso Armando Monteiro no Ministério do Desenvolvimento
Discurso Armando Monteiro no Ministério do DesenvolvimentoPaulo Veras
 
Manual do Jovem Empreendedor
Manual do Jovem EmpreendedorManual do Jovem Empreendedor
Manual do Jovem EmpreendedorRodrigo Mesquita
 
Artigo - Feliz Dia do Trabalhador
Artigo -  Feliz Dia do TrabalhadorArtigo -  Feliz Dia do Trabalhador
Artigo - Feliz Dia do TrabalhadorCaput Consultoria
 
Espaço SINDIMETAL 38
Espaço SINDIMETAL 38Espaço SINDIMETAL 38
Espaço SINDIMETAL 38SINDIMETAL RS
 

Mais procurados (18)

Informativo Estrela Vermelha
Informativo Estrela VermelhaInformativo Estrela Vermelha
Informativo Estrela Vermelha
 
Manual do jovem empreendedor
Manual do jovem empreendedorManual do jovem empreendedor
Manual do jovem empreendedor
 
Manual capacidade jovemempreendedor (2)
Manual capacidade jovemempreendedor (2)Manual capacidade jovemempreendedor (2)
Manual capacidade jovemempreendedor (2)
 
CI - 2016 - privatização e operação lava jato
CI - 2016 - privatização e operação lava jatoCI - 2016 - privatização e operação lava jato
CI - 2016 - privatização e operação lava jato
 
Espaço SINDIMETAL 81
Espaço SINDIMETAL 81 Espaço SINDIMETAL 81
Espaço SINDIMETAL 81
 
Agenda 45 1
Agenda 45 1Agenda 45 1
Agenda 45 1
 
Boletim n°5 da Comissão de Serviços de Infraestrutura
Boletim n°5 da Comissão de Serviços de InfraestruturaBoletim n°5 da Comissão de Serviços de Infraestrutura
Boletim n°5 da Comissão de Serviços de Infraestrutura
 
Juros, Câmbio e Inflação: dilemas para a retomada do desenvolvimento
Juros, Câmbio e Inflação: dilemas para a retomada do desenvolvimentoJuros, Câmbio e Inflação: dilemas para a retomada do desenvolvimento
Juros, Câmbio e Inflação: dilemas para a retomada do desenvolvimento
 
CEO_Jim O'Neill
CEO_Jim O'NeillCEO_Jim O'Neill
CEO_Jim O'Neill
 
Artigo qualificação, formação e capacitação da nação
Artigo   qualificação, formação e capacitação da naçãoArtigo   qualificação, formação e capacitação da nação
Artigo qualificação, formação e capacitação da nação
 
Entrevista Gustavo Diniz Junqueira - Agroanalysis
Entrevista Gustavo Diniz Junqueira - AgroanalysisEntrevista Gustavo Diniz Junqueira - Agroanalysis
Entrevista Gustavo Diniz Junqueira - Agroanalysis
 
GVexecutivo - n. 01 | Jan/Jun 2016
GVexecutivo - n. 01 | Jan/Jun 2016GVexecutivo - n. 01 | Jan/Jun 2016
GVexecutivo - n. 01 | Jan/Jun 2016
 
Discurso Armando Monteiro no Ministério do Desenvolvimento
Discurso Armando Monteiro no Ministério do DesenvolvimentoDiscurso Armando Monteiro no Ministério do Desenvolvimento
Discurso Armando Monteiro no Ministério do Desenvolvimento
 
Manual do Jovem Empreendedor
Manual do Jovem EmpreendedorManual do Jovem Empreendedor
Manual do Jovem Empreendedor
 
Artigo - Feliz Dia do Trabalhador
Artigo -  Feliz Dia do TrabalhadorArtigo -  Feliz Dia do Trabalhador
Artigo - Feliz Dia do Trabalhador
 
Crescimento Fgv
Crescimento FgvCrescimento Fgv
Crescimento Fgv
 
Espaço SINDIMETAL 38
Espaço SINDIMETAL 38Espaço SINDIMETAL 38
Espaço SINDIMETAL 38
 
4 mortalidade das micro
4   mortalidade das micro4   mortalidade das micro
4 mortalidade das micro
 

Semelhante a Espaço SINDIMETAL 55

Espaço SINDIMETAL 64
Espaço SINDIMETAL 64Espaço SINDIMETAL 64
Espaço SINDIMETAL 64SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 68
Espaço SINDIMETAL 68Espaço SINDIMETAL 68
Espaço SINDIMETAL 68SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 67
Espaço SINDIMETAL 67Espaço SINDIMETAL 67
Espaço SINDIMETAL 67SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 79
Espaço SINDIMETAL 79 Espaço SINDIMETAL 79
Espaço SINDIMETAL 79 SINDIMETAL RS
 
Discurso de posse do novo ministro da fazenda Joaquim Levy
Discurso de posse do novo ministro da fazenda Joaquim LevyDiscurso de posse do novo ministro da fazenda Joaquim Levy
Discurso de posse do novo ministro da fazenda Joaquim LevyDenizecomZ
 
Discurso de posse do ministro da Fazenda Joaquim Levy
Discurso de posse do ministro da Fazenda Joaquim LevyDiscurso de posse do ministro da Fazenda Joaquim Levy
Discurso de posse do ministro da Fazenda Joaquim LevyPalácio do Planalto
 
Espaço SINDIMETAL 70
Espaço SINDIMETAL 70Espaço SINDIMETAL 70
Espaço SINDIMETAL 70SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 46
Espaço SINDIMETAL 46Espaço SINDIMETAL 46
Espaço SINDIMETAL 46SINDIMETAL RS
 
Brasil, o país do presente
Brasil, o país do presenteBrasil, o país do presente
Brasil, o país do presentePaulo Skaf
 
Espaço SINDIMETAL 77
Espaço SINDIMETAL 77Espaço SINDIMETAL 77
Espaço SINDIMETAL 77SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 74
Espaço SINDIMETAL 74Espaço SINDIMETAL 74
Espaço SINDIMETAL 74SINDIMETAL RS
 
Transformacao e mudanca - 100 mini papers - eBook
Transformacao e mudanca - 100 mini papers - eBookTransformacao e mudanca - 100 mini papers - eBook
Transformacao e mudanca - 100 mini papers - eBookMarcelo Sávio
 
Strategy Execution Summit 2015 - e-Paper
Strategy Execution Summit 2015 - e-PaperStrategy Execution Summit 2015 - e-Paper
Strategy Execution Summit 2015 - e-Paper24x7 COMUNICAÇÃO
 
Entrevista de Levy ao jornal A Gazeta, Espírito Santo
Entrevista de Levy ao jornal A Gazeta, Espírito SantoEntrevista de Levy ao jornal A Gazeta, Espírito Santo
Entrevista de Levy ao jornal A Gazeta, Espírito SantoGiovanni Sandes
 
Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...
Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...
Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...Imobiliárias e Imóveis em Rio Preto
 

Semelhante a Espaço SINDIMETAL 55 (20)

Espaço SINDIMETAL 64
Espaço SINDIMETAL 64Espaço SINDIMETAL 64
Espaço SINDIMETAL 64
 
Espaço SINDIMETAL 68
Espaço SINDIMETAL 68Espaço SINDIMETAL 68
Espaço SINDIMETAL 68
 
Espaço SINDIMETAL 67
Espaço SINDIMETAL 67Espaço SINDIMETAL 67
Espaço SINDIMETAL 67
 
Espaço SINDIMETAL 79
Espaço SINDIMETAL 79 Espaço SINDIMETAL 79
Espaço SINDIMETAL 79
 
Discurso de posse do novo ministro da fazenda Joaquim Levy
Discurso de posse do novo ministro da fazenda Joaquim LevyDiscurso de posse do novo ministro da fazenda Joaquim Levy
Discurso de posse do novo ministro da fazenda Joaquim Levy
 
Discurso de posse do ministro da Fazenda Joaquim Levy
Discurso de posse do ministro da Fazenda Joaquim LevyDiscurso de posse do ministro da Fazenda Joaquim Levy
Discurso de posse do ministro da Fazenda Joaquim Levy
 
Carta da Indústria 2010: Competitividade Brasil. A hora é essa.
Carta da Indústria 2010: Competitividade Brasil. A hora é essa.Carta da Indústria 2010: Competitividade Brasil. A hora é essa.
Carta da Indústria 2010: Competitividade Brasil. A hora é essa.
 
GVexecutivo - n. 03 | Maio /Junho 2017
GVexecutivo - n. 03 | Maio /Junho 2017GVexecutivo - n. 03 | Maio /Junho 2017
GVexecutivo - n. 03 | Maio /Junho 2017
 
Espaço SINDIMETAL 70
Espaço SINDIMETAL 70Espaço SINDIMETAL 70
Espaço SINDIMETAL 70
 
Espaço SINDIMETAL 46
Espaço SINDIMETAL 46Espaço SINDIMETAL 46
Espaço SINDIMETAL 46
 
6. conjuntura
6. conjuntura6. conjuntura
6. conjuntura
 
Brasil, o país do presente
Brasil, o país do presenteBrasil, o país do presente
Brasil, o país do presente
 
Espaço SINDIMETAL 77
Espaço SINDIMETAL 77Espaço SINDIMETAL 77
Espaço SINDIMETAL 77
 
Espaço SINDIMETAL 74
Espaço SINDIMETAL 74Espaço SINDIMETAL 74
Espaço SINDIMETAL 74
 
GV-executivo VOLUME 17, NÚMERO 3 MAIO/JUNHO 2018
GV-executivo VOLUME 17, NÚMERO 3 MAIO/JUNHO 2018GV-executivo VOLUME 17, NÚMERO 3 MAIO/JUNHO 2018
GV-executivo VOLUME 17, NÚMERO 3 MAIO/JUNHO 2018
 
Transformacao e mudanca - 100 mini papers - eBook
Transformacao e mudanca - 100 mini papers - eBookTransformacao e mudanca - 100 mini papers - eBook
Transformacao e mudanca - 100 mini papers - eBook
 
Strategy Execution Summit 2015 - e-Paper
Strategy Execution Summit 2015 - e-PaperStrategy Execution Summit 2015 - e-Paper
Strategy Execution Summit 2015 - e-Paper
 
4
44
4
 
Entrevista de Levy ao jornal A Gazeta, Espírito Santo
Entrevista de Levy ao jornal A Gazeta, Espírito SantoEntrevista de Levy ao jornal A Gazeta, Espírito Santo
Entrevista de Levy ao jornal A Gazeta, Espírito Santo
 
Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...
Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...
Imobiliárias em Rio Preto - www.imobiliariasemriopreto.com.br - Imóveis de Ri...
 

Mais de SINDIMETAL RS

Espaço SINDIMETAL 78
Espaço SINDIMETAL 78 Espaço SINDIMETAL 78
Espaço SINDIMETAL 78 SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 76
Espaço SINDIMETAL 76Espaço SINDIMETAL 76
Espaço SINDIMETAL 76SINDIMETAL RS
 
Espaco SINDIMETAL 75
Espaco SINDIMETAL 75Espaco SINDIMETAL 75
Espaco SINDIMETAL 75SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 72
Espaço SINDIMETAL 72Espaço SINDIMETAL 72
Espaço SINDIMETAL 72SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 71
Espaço SINDIMETAL 71Espaço SINDIMETAL 71
Espaço SINDIMETAL 71SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 69
Espaço SINDIMETAL 69Espaço SINDIMETAL 69
Espaço SINDIMETAL 69SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 66
Espaço SINDIMETAL 66Espaço SINDIMETAL 66
Espaço SINDIMETAL 66SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 65
Espaço SINDIMETAL 65Espaço SINDIMETAL 65
Espaço SINDIMETAL 65SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 63
Espaço SINDIMETAL 63Espaço SINDIMETAL 63
Espaço SINDIMETAL 63SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 62
Espaço SINDIMETAL 62Espaço SINDIMETAL 62
Espaço SINDIMETAL 62SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 61
Espaço SINDIMETAL 61Espaço SINDIMETAL 61
Espaço SINDIMETAL 61SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 60
Espaço SINDIMETAL 60Espaço SINDIMETAL 60
Espaço SINDIMETAL 60SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 59
Espaço SINDIMETAL 59Espaço SINDIMETAL 59
Espaço SINDIMETAL 59SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 58
Espaço SINDIMETAL 58Espaço SINDIMETAL 58
Espaço SINDIMETAL 58SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 57
Espaço SINDIMETAL 57Espaço SINDIMETAL 57
Espaço SINDIMETAL 57SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 56
Espaço SINDIMETAL 56Espaço SINDIMETAL 56
Espaço SINDIMETAL 56SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 54
Espaço SINDIMETAL 54Espaço SINDIMETAL 54
Espaço SINDIMETAL 54SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 53
Espaço SINDIMETAL 53Espaço SINDIMETAL 53
Espaço SINDIMETAL 53SINDIMETAL RS
 
Espaço SINDIMETAL 52
Espaço SINDIMETAL 52Espaço SINDIMETAL 52
Espaço SINDIMETAL 52SINDIMETAL RS
 

Mais de SINDIMETAL RS (19)

Espaço SINDIMETAL 78
Espaço SINDIMETAL 78 Espaço SINDIMETAL 78
Espaço SINDIMETAL 78
 
Espaço SINDIMETAL 76
Espaço SINDIMETAL 76Espaço SINDIMETAL 76
Espaço SINDIMETAL 76
 
Espaco SINDIMETAL 75
Espaco SINDIMETAL 75Espaco SINDIMETAL 75
Espaco SINDIMETAL 75
 
Espaço SINDIMETAL 72
Espaço SINDIMETAL 72Espaço SINDIMETAL 72
Espaço SINDIMETAL 72
 
Espaço SINDIMETAL 71
Espaço SINDIMETAL 71Espaço SINDIMETAL 71
Espaço SINDIMETAL 71
 
Espaço SINDIMETAL 69
Espaço SINDIMETAL 69Espaço SINDIMETAL 69
Espaço SINDIMETAL 69
 
Espaço SINDIMETAL 66
Espaço SINDIMETAL 66Espaço SINDIMETAL 66
Espaço SINDIMETAL 66
 
Espaço SINDIMETAL 65
Espaço SINDIMETAL 65Espaço SINDIMETAL 65
Espaço SINDIMETAL 65
 
Espaço SINDIMETAL 63
Espaço SINDIMETAL 63Espaço SINDIMETAL 63
Espaço SINDIMETAL 63
 
Espaço SINDIMETAL 62
Espaço SINDIMETAL 62Espaço SINDIMETAL 62
Espaço SINDIMETAL 62
 
Espaço SINDIMETAL 61
Espaço SINDIMETAL 61Espaço SINDIMETAL 61
Espaço SINDIMETAL 61
 
Espaço SINDIMETAL 60
Espaço SINDIMETAL 60Espaço SINDIMETAL 60
Espaço SINDIMETAL 60
 
Espaço SINDIMETAL 59
Espaço SINDIMETAL 59Espaço SINDIMETAL 59
Espaço SINDIMETAL 59
 
Espaço SINDIMETAL 58
Espaço SINDIMETAL 58Espaço SINDIMETAL 58
Espaço SINDIMETAL 58
 
Espaço SINDIMETAL 57
Espaço SINDIMETAL 57Espaço SINDIMETAL 57
Espaço SINDIMETAL 57
 
Espaço SINDIMETAL 56
Espaço SINDIMETAL 56Espaço SINDIMETAL 56
Espaço SINDIMETAL 56
 
Espaço SINDIMETAL 54
Espaço SINDIMETAL 54Espaço SINDIMETAL 54
Espaço SINDIMETAL 54
 
Espaço SINDIMETAL 53
Espaço SINDIMETAL 53Espaço SINDIMETAL 53
Espaço SINDIMETAL 53
 
Espaço SINDIMETAL 52
Espaço SINDIMETAL 52Espaço SINDIMETAL 52
Espaço SINDIMETAL 52
 

Espaço SINDIMETAL 55

  • 1. Espaço Espaço SINDIMETAL - Nº55 | Nov - Dez 2015 | Ano 9 www.sindimetalrs.org.br Ano internacional L U Z Café com Negócios 07 Fórum Lean Manufacturing 10 Workshop Tributário e Econômico 14 16 RD-FLEX na VITRINE
  • 2. autarei muitas das minhas Pcolocações, neste pronunciamen- to de posse, como presidente reeleito do SINDIMETAL, numa frase de um antigo filósofo chinês, Lao-Tsé. “As palavras verdadeiras não são agradáveis e as agradáveis não são verdadeiras”. Estamos vivendo tempos desafiado- res para todos os segmentos da cadeia produtiva. Quem dera pudéssemos hoje parabenizar as belas iniciativas governa- mentais; a redução de juros; a estabilida- de do dólar e a desburocratização do País, mas a realidade que se apresenta está na contramão disto tudo. Então vamos relembrar alguns fatos, para entendermos como chegamos até aqui. Aprendemos muito cedo qual a postura e quais os objetivos do Sindicato dos Trabalhadores, da CUT e, por fim, do PT. Particularmente, a minha grande experiência foi em 1984. Naquele ano, ocorreu a primeira greve no Rio Grande do Sul, no período pós- contrarrevolução, na área metalmecâni- ca. Aprendi muitíssimo. Vi e ouvi manifestações altamente tendenciosas, sem critérios ou justificativas. Era o início de uma luta pelo poder, onde as questões ideológicas começavam a ganhar espaço e força. Transcorridos mais de 30 anos, acompanhamos todo o desenrolar desta busca, culminando com a situação calamitosa que vivencia- mos nos dias de hoje. Neste espaço de tempo, em determi- nada época, fiz uma referência a um empresário argentino, que havia iniciado um trabalho de reversão da ideologia peronista/ Kirschianista e que, naquele momento, já vinha obtendo êxito. Seu nome: Maurício Macri, hoje presidente argentino eleito. O seu idealismo e a sua luta tornaram-se vencedores. Tenham certeza, na Argentina haverá uma mudança substancial, apesar das dificuldades que o mesmo terá com o congresso. Aqui a luta para essa reversão parece estar tomando fôlego. As propostas sugerindo mudanças já estiveram presentes em várias oportunidades, mas os interesses pessoais têm prevalecido sobre os coletivos. Em 1989, o economista João Saiad elaborou um relatório sobre o Rio Grande do Sul. O mesmo foi contratado pela FIERGS. Para todos os candidatos a governador, a partir daquele ano, foi entregue o chamado Relatório Saiad. O que os governadores fizeram? Deixaram o Rio Grande do Sul chegar onde está. Em outro momento, foi desenvolvida a Agenda 2020. Boa parte representativa da sociedade gaúcha participou da elaboração da mesma. Igualmente todos os candidatos a governador, a partir de então, receberam esse documento. Resultado: fizeram o mesmo que com o Relatório Saiad. No início da primeira gestão do presidente Heitor Müller iniciou-se novamente a discussão sobre a situação do Estado. Ao que propus esquecer o Rio Grande do Sul, pois inexoravelmente o “caos” viria e que só não poderíamos concordar com o aumento de impostos. Lamentavelmente os dois estão aí. No momento em que me referia ao “caos” do Estado, prognosticava o mesmo caminho para o Brasil. Hoje reconheço que errei. Os dois chegaram juntos. Bem que poderia ter sido diferente. Oportunidades foram propostas, mas não vingaram. Agora, como resolver o “caos”? Eu não saberia dizer, só sei que depois de tantos percalços virá a reordenação. Uma coisa é certa: todas as crises econômicas profundas são oportunidades para mudanças fortes. As famigeradas reformas devem ocorrer. Não temos mais dúvidas, em 2016 teremos mais recessão e mais desempre- go. A vacância só ocorrerá se o povo, a sociedade como um todo e nós, em especial, fizermos o que compete ser feito a partir de agora. Ao final do ano passado, numa reunião, afirmei que estamos pagando uma conta que não é nossa e que seguiremos com esta dívida por muitos anos. Na ocasião fui claro dizendo que só tinha um desejo: que os envolvidos em tanta corrupção e falta de ética, vejam o sol nascer quadrado. Para alguns, isto já é uma realidade, para outros, nem tanto. Lamentavelmente no Brasil houve uma aliança entre interesses políticos e econômicos. Esta prática segue influenci- ando decisões e prejudicando a transpa- rência das ações. Como entidade sindical patronal, estamos comprometidos com a trajetória. As atuais lideranças do SINDIMETAL terão como meta, para a próxima gestão 2016-2018, a busca de alternativas visando a sobrevivência da indústria, especialmente neste período de enormes turbulências políticas e econômicas. Na nova diretoria, os vice-presidentes terão um papel relevante, com atribuições objetivas. Além disto, com o intuito de promover e incentivar novos líderes, estaremos iniciando as atividades do 3º Comitê de Desenvolvimento de Lideranças. O nosso compromisso é preparar novos dirigentes para o futuro, que já está aí, pulsando e necessitando de mais empreendedorismo, gestão e ética. Então empresários, mãos à obra. Que surjam novas lideranças e, urgentemente algum verdadeiro líder estadista. Vamos transformar o Brasil num País de confian- ça e, principalmente, de credibilidade. Com o nosso pró-ativismo e determina- ção desejo a todos um Feliz Natal e um ótimo 2016! Posse da diretoria do SINDIMETAL – Gestão 2016-2018 ocorrida dia 04-12-2015. Trechos do pronunciamentodopresidenteRaulHeller. Sobrevivência da indústriaRaul Heller Presidente do SINDIMETAL Ponto de Vista02 Espaço SINDIMETAL | Nº55
  • 3. ŸO PAPEL DESTE INFORMATIVO É PROVENIENTE DE ÁRVORES DE FLORESTAMENTO. 100% DOS IMPRESSOS EM PAPEL FABRICADO NO BRASIL PROVÊM DE FLORESTAS P L ANTADAS AME • PRESERVE • RECICLE Editorial xpedienteE edição nº 55 do informativo A ESPAÇO encerra o ano de atividades da entidade, destacando a solenidade de posse da nova direto- ria do SINDIMETAL, que seguirá capitaneada, na gestão 2016-2018, pelo industrial Raul Heller. Além dos pronunciamentos do presidente empossado, na página 02, e do vice- presidente da CIERGS, Carlos Alexandre Geyer, neste ato represen- tando o presidente da FIERGS, Heitor José Müller, nas páginas 04 e 05, incluímos um encarte, com imagens igualmente da Confraternização das Associadas do SINDIMETAL. Os últimos tempos têm sido de permanentes desafios para os empreendedores e para a sociedade em geral. A cada amanhecer, novas notícias nos surpreendem, exigindo ainda mais serenidade e determina- ção para efetivamente alavancarmos os negócios. Mesmo com todos os percalços externos, o SINDIMETAL manteve-se presente e atuante, oportunizando ações, que puderam ser usufruídas pelas associadas e filiadas. Nesta edição, apresentamos as mais recentes atividades, que foram prestigiadas pelos empresários e gestores. A prioridade agora é a superação deste período recessivo, onde as mazelas políticas, muitas vezes se sobrepõem aos desafios econômi- cos. Infelizmente. Que a agenda econômica no próximo ano oportunize a retomada do crescimento e a confiança em novos empreendimentos. A esperan- ça deve prevalecer! Com fé e foco nos resultados, aguardamos 2016! Feliz Natal e abençoado Ano Novo! “A iluminação representa quase 20% do consumo mundial de eletricidade” Acesse o site www.sindimetalrs.org.br e saiba sobre convenções coletivas, agenda de ativida- des, notícias, cadastro, entre outros assuntos. O site propicia também, a leitura do ESPAÇO SINDIMETAL, on-line. Confira! Visite o site Frases do rodapé: www.unesco.org Os trabalhos assinados são de responsabilidade de seus autores. 1800 Espaço SINDIMETAL | Nº53 Ana Lídia Andrade Desenvolvimento de Lideranças 2 Cláudio Roberto de Morais Garcez 1 03Institucional g ´ Novas Associadas Airside Indústria e Comércio de Produtos para Climatização Ltda Pramel Equipamentos Eletrônicos Ltda. Metalúrgica Reinehr Ltda.
  • 4. Institucional04 Espaço SINDIMETAL | Nº55 O presidente Heitor José Müller, que estava agendado para esta cerimônia, foi chamado a São Paulo a fim de participar de um encontro com o presidente eleito da Argentina, Mauricio Macri. Assim, tenho a responsabilidade de representá-lo e a alegria de ser o portador dos cumprimentos da FIERGS a Raul Heller e a seus companheiros de Diretoria do SINDIMETAL. A mensagem que o presidente pediu para transmitir nesta oportunidade é de que a nova reeleição de Raul Heller é um atestado de reconhecimento ao seu trabalho na defesa dos ideais do setor industrial. Aliás, uma dedica- ção que empresta à nossa Federação desde 1996, quando passou a fazer parte da Diretoria do Sistema FIERGS. As solenidades e eventos que reúnem empresários podem e devem ser transformados, também, em momen- tos para reflexão sobre as crises que atingem o Estado e o País. Vamos a ela, portanto. “Brasil, País do futuro”, talvez a maioria dos brasileiros já tenha em algum momento ouvido esta expressão, embora muitos desconheçam que foi título de um dos últimos livros publicado, em 1941, pelo grande romancista austría- co, de origem judaica, Stefan Zweig (1881-1942), que encerrou seus dias, suicidando-se em nosso País, amargu- rado com a expansão e as atrocidades cometidas pelo nazismo. Stefan Zweig acreditava com grande entusiasmo que o Brasil viria a ser o embrião de uma nova cultura mundial, na qual ocuparia uma posição de liderança baseada no espírito humanitário e pacifista de nosso povo, também acreditava que “onde quer que forças éticas estejam trabalhando,énossodeverfortaleceressavontade”. Todos reconhecem nosso imenso potencial, mas a verdade é que decorridos mais de setenta anos desde que foi cunhada tal expressão, continuamos “quase chegando lá”, no sempre distante futuro. E, agora, talvez mais distante ainda, mergulhados que estamos em uma das piores crises política, econômica e moral que nosso País já viu. O setor industrial vem sendo penalizado, de tal forma, que retornou sua participação no PIB a números dos anos 50. Não pretendo, aqui, repetir tudo que diariamente temos o desprazer de acompanhar pelos veículos de comunicação, pretendo, apenas, de forma singela, tecer alguns comentários sobre aspectos de nossa formação cultural que acredito muito possam ter contribuído para chegarmos a esta situação. Penso que temos amadurecido como sociedade nos últimos anos apesar de todas mazelas, ou justamente em decorrência delas, e anseio que consigamos estabelecer um processo de autocrítica social, o mais abrangente possível, que possa ser aproveitado para melhorar nossa compreensão das amarras que nos impedem de ter um grau de desenvolvimento compatível com nosso potenci- al. E, aqui, não podemos olvidar de mencionar uma das grandes responsáveis por entravar nosso desenvolvimen- to: a infernal “burocracia” que permeia toda máquina governamental e favorece sobremaneira as práticas de corrupção que a cada dia mais se desnudam. Roberto Campos já dizia: “Este é o País dos controles – no qual o Estado controla tudo, exceto a si mesmo”. Ao contrário do que muitos pensam, não se muda a cultura de uma sociedade através de Leis, Medidas Provisórias, Decretos, Resoluções, Normas e tantos outros instrumentos que são utilizados, infelizmente, de forma indiscriminada, para tentar regular nosso dia a dia. Esta regulação excessiva leva ao paradoxo, de agravar, ainda mais, a insegurança jurídica existente em nossa sociedade. Aqui, novamente, como empresário e industrial, recorro a um aforismo lapidar de Roberto Campos para fazer mea culpa: “O problema do empresário brasileiro é que, quando o Estado não está interfe- rindo,elevailáepedequeoEstadointerfira.” A mudança virá através da educação e do exemplo, no lar, na escola, e também no trabalho. Acredito que todos queremos uma sociedade mais justa e ética, na qual possamos viver sem os sobressaltos de toda ordem que hoje nos atormentam. As pessoas não serão éticas e honestas apenas porque a lei assim o determina, mas sim porque foram educadas para compreender a sua impor- tância para a vida em sociedade. É permanente a sensação de impotência que se tem neste País, ao enfrentarmos esta entidade difusa que permeia toda estrutura governamental chamada “buro- cracia” e o pior de seus frutos, a corrupção. A “burocracia” existente em nosso País assemelha-se a Hidra de Lerna da mitologia grega, a serpente de múltiplas cabeças cujo extermínio consistiu no segundo dos doze trabalhos determinados a Hércules por Euristeu, Rei de Trinite e Micenas. Estou convicto que em nosso caso quem desem- penhará o papel de Hércules será a sociedade, quando finalmente tiver plena consciência dos direitos da cidada- nia e exercê-los. Questionar é uma das formas mais eficazes de desnu- dar problemas, infelizmente, não exercitamos este saudável hábito, quiçá pelos motivos referidos com muita propriedade pelo antropólogo Roberto DaMatta, em seu excelente livro “Carnavais, Malandros e Heróis”, quando afirma que “somos socializados (na família e na escola) aprendendo a não fazer muitas perguntas. Seja porque isso é indelicado, seja porque é considerado um traço agressivo que somente deve ser utilizado quando queremos “derrubar” alguém.” Neste caso queremos derrubar, não a alguém, mas sim, a “burocracia”, no seu sentido mais nefasto, que impede nosso desenvolvimento. Outro traço também característico de nossa cultura e Pronunciamento da naFIERGS solenidade de posse do SINDIMETAL *Carlos Alexandre Geyer
  • 5. provavelmente ligado à dificuldade de questionar, é nossa aversão ao conflito, conforme também constatado na mesma obra do brilhante antropólogo brasileiro quando afirma: “sabemos que o conflito aberto e marcado pela representatividade de opiniões é, sem dúvida alguma, um traço revelador de um igualitarismo individualista que, entre nós, quase sempre se choca de modo violento com o esqueleto hierarquizantedenossasociedade”. Quando DaMatta afirma que “desenvolvendo ao longo dosanosessamaneiradehierarquizaremanterashierarquiasdo mundosocial,criamososdespachantes oupadrinhos parabaixo, esses mediadores que fazem as intermediações entre a pessoa e o aparelho de Estado (quando se deseja obter um documen- to...)”, resta para nós claro que perpetua-se nesta prática o rito “burocrático”, que de alguma forma acabará por levar as práticas de corrupção que se entranham no tecido social de nosso País. A “burocracia”, que tanto entrava o estabele- cimento de um ciclo virtuoso de crescimento e desenvolvi- mento continuado em nossa sociedade, tem muito a ver, como já dito, com nosso aparato legal. DaMatta afirma que “por termos leis geralmente drásticas e impossíveis de serem rigorosamente acatadas, acabamos por não cumprir a lei. Assim, utilizamos o clássico “jeitinho” que nada mais é que uma variante cordial do “sabe com quem está falando?” e outras formas mais autoritárias que facilitam e permitem burlar a lei ou nela abrir uma honrosa exceção que a confirma socialmente.... Mas, vejam o dilema, é precisamente porque confiamos tanto na força fria da lei como instrumento de mudança do mundo, que, dialetica- mente, inventamos tantas leis e as tornamos inoperantes.” Legislar sem educar e conscientizar não resolve o problema social, talvez até o agrave. O brasileiro é reconhecido - e até orgulha-se disso - como o povo do “jeitinho”. Há “jeitinho” para resolver tudo e muitos de nós acreditamos que isto nos caracteriza como um povo inventivo, criativo e original. Não creio nisso. Creio que o “jeitinho” é conseqüência do que expus acima, e uma sociedade para evoluir deve prescindir desse tipo de subterfúgio. Comocidadãoeempresário, querorespeitareserrespeitado, quero ser justo e ter justiça, quero trabalhar e gerar empregos, quero uma carga tributária justa e adequada aos serviços que recebodoEstado.Querorespostasclaraseobjetivasporpartedo governo, quero uma legislação que não seja perfunctória, complexaeporvezesalienadadenossarealidade. Enfim quero que nosso País funcione sem a necessidade de “jeitinhos” de qualquer espécie, pois “jeitinho” não combina com a transparência social que precisamos. Quando isso ocorrer, o Brasil deixará de ser o País do futuro e será o País do presente que tanto desejamos, consolidan- do juntamente com o desenvolvimento econômico, o desenvolvimento ético, moral e cultural de nossa socieda- de. Para alcançarmos este objetivo será necessário vencer- mos a nossa ojeriza social ao conflito e a discussão, precisamos compreender que estes quando civilizadamen- te exercitados contribuem para a transparência social e, por conseguinte para o extermínio das práticas burocráticas e de corrupção que tanto nos atormentam. As lideranças empresariais precisam centrar a mobiliza- ção setorial, reivindicando que as decisões, em todos os níveis do Executivo, do Legislativo e do Judiciário, definam soluções que sirvam à construção de um ambiente de negócios favorável à iniciativa privada, com o mínimo de burocracia e o máximo de transparência e adequação a nossa realidade. Para complementar esta reflexão, aproveito as sábias palavras do grande economista austríaco Ludwig Von Mises: “Numa batalha entre força e ideia, esta última sempre prevalece. São as ideias que agrupam os homens em facções combatentes, que lhes colocam as armas nas mãos e determi- namcontraquemeemfavordequemasarmasserãousadas. São as ideias apenas, e não as armas, que, em última análise, fazem penderabalança.” Cabe aqui, também, parafrasear Winston Churchill, pois para que as boas ideias realmente prevaleçam em nosso País, precisamos de mais estadistas para pensar nas próximas gerações, e não de tantos políticos pensando apenas na próxima eleição. Por fim, em nome do presidente Heitor José Müller e dos demais companheiros do Sistema FIERGS, cumprimento os diretores que assumem na Gestão 2016-2018, desejando que mantenham o SINDIMETAL como protagonista na promoção do desenvolvimento de São Leopoldo e Região. Muito obrigado! Vice-presidente doCIERGS,CarlosAlexandreGeyer,nesteato representandooPresidentedaFIERGS,HeitorJoséMüller. Institucional 05Espaço SINDIMETAL | Nº55
  • 6. ATurma 1, do comitê Desenvolvi- mento de Lideranças, partici- pou de uma atividade diferenci- ada no dia 24 de outubro, realizada no CAT do SESI, de Portão, no horário das 8h às 17h. A vivência de coaching de grupo teve como objetivo propiciar um fechamento do trabalho do Grupo DL1, buscando resgatar os compromissos dos participantes. A metodologia proposta privilegiou a participação e interação dos integran- tes na construção do conhecimento e contou com a prática de exercícios indi- viduais e grupais. A facilitadora também utilizou atividades vivenciais e jogos como forma de análise dos comporta- mentos evidenciados. Os focos temáticos foram pautados na integração, propósito e valores, diag- nóstico da dinâmica e da caminhada do grupo, incluindo atividade de equipe, onde inclusive os próprios participantes prepararam o almoço. A consultora Maria Zeli Stelmack Rodrigues, sócia da E-saberes consulto- ria e treinamento, com experiência em desenvolvimento humano e foco em equipes, educação e liderança, foi a facilitadora do programa de Desenvolvi- mento Interpessoal de Equipes. Autora do livro Atendimento: Muito Além do Cafezinho, possui formação em História, com especialização em Gestão de Pes- soas. oram concluídos os trabalhos, Finiciados em maio deste ano, da turma do Grupo de Estudos de Rotinas – Administração de Pessoal, do comitê de Recursos Humanos, do SINDIMETAL. A atividade ocorreu no dia 16 de outubro, às 8h, no Centro das Indústrias, em São Leopoldo. A programação incluiu a certificação das 13 participantes e o coquetel de encerramento. O s G r u p o s d e E s t u d o s s ã o destinados aos profissionais que atuam nas áreas de recursos humanos e gestão de pessoas das empresas associadas ou vinculadas às entidades parceiras. “Consistem em reuniões de debate e análise dos assuntos específicos da área, que eventualmente podem ser complementados com capacitações”, argumenta a coordenadora do comitê de RH, Heloisa Gaelzer Müller, " c o n t r i b u i n d o , a s s i m , c o m o aprendizado dos participantes, bem como o desenvolvimento de suas empresas". Segundo a coordenação “a atividade cria um canal de troca de experiências e desenvolvimento de técnicas de Recursos Humanos com os profissionais, que atuam na área de Gestão de Pessoas". Os interessados em obter mais informações, sobre as próximas edições, poderão contatar através do telefone 3590-7710. Desenvolvimento de Lideranças vivenciando novas experiências DL Comitês06 Espaço SINDIMETAL | Nº55 Grupo de Estudos conclue atividades e divulga trabalhos Grupo de Estudos RH Grupo de Estudos finaliza etapa Dinâmica de grupo
  • 7. O SINDIMETAL, juntamente com o SEBRAE, reuniu empresários e gestores, no dia 27 de novembro, para mais uma edição do Café com Negócios, na sede da entida- de, em São Leopoldo. O evento proporcionou aos partici- pantes a Arena de Negócios, que consis- te em reuniões com apresentação de empresas entre si, de forma simultânea. A programação começou às 7h30min, com credenciamento e coffee, sendo que às 8h tiveram início as reuniões, da Arena de Negócios. s 9h20min, houve a apre- sentação do Projeto Metalmecânico 2016/ 2017, onde foram abordadas as ações do PDF DEMETAL - Desenvolvi- mento de Fornecedores e as ações de Prospecção de Mercado. Na sequência, às 10h20min houve a retomada das reu- niões da Arena de Negócios, encerrando as atividades às 11h40min. ARENA DE NEGÓCIOS Esta atividade proposta para o setor foi realizada em oito ciclos, com duração de 20 minutos cada, onde as empresas apresentaram, em dois minutos e meio, os seus produtos e serviços para os inte- grantes das sete mesas. Um total de 28 empresas estiveram inscritas e puderam realizar um contato direto com outros fornecedores da região. A iniciativa foi bem aceita pelos parti- cipantes e deverá se repetir em 2016. “Entre as características deste formato de trabalho estão a dinamicidade e a abran- gência, que permitem com que os gesto- res cheguem mais rapidamente num número maior de empresas do setor”, registra Fabiano Dallacorte, gestor de projetos do SEBRAE. Além disto, a técni- ca é um exercício para os vendedores apresentarem seus produtos e serviços com objetividade e foco nos resultados. A apresentação da cadeia do setor metalmecânico, com projetos para o ciclo 2016-2017, contou com a presença de Marco Copetti, gerente do SEBRAE, na região, e do diretor Executivo do SINDIMETAL, Valmir Pizzutti. “A experiên- cia da Arena de Negócios é nova para a entidade, mas surge como um recurso para que as empresas encontrem alter- nativas e nichos de mercado”, comenta Pizzutti. Para Copetti, “a nova aborda- gem e forma de atuação integra um processo de transformação para sermos mais eficientes e criativos em 2016”. Os dois pilares deste trabalho são foco no mercado e na eficiência produ- tiva, otimizando os recursos e buscan- do a perda zero, dentro da cadeia pro- dutiva. A promoção da inteligência competitiva permitirá que grandes empresas possam atender pequenos fornecedores nos Fóruns de Suprimen- to semestrais, eventos onde serão iden- tificadas as demandas destas empresas oportunizando negócios aos empresá- rios de MPEs. Durante a programação também foram destacados os cases da Ingabor, reconhecida como Melhor Indústria em 2015, pela MPE Brasil – Prêmio de Com- petitividade para Micro e Pequenas Empresas, e a Transmaq, uma das empresas indicadas para participar do Programa Piloto de Apoio à indústria Brasileira para Aumento da Produtivida- de, desenvolvido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). ara o empresário Alexandre Koch, da PMetalúrgica Metz, de Estância Velha, foi uma experiência muito positiva. “Assim todos os participantes conheceram os produ- tos e serviços oferecidos pelas empresas. Para nós da Metalúrgica Metz, serviu em especial na parte de fornecedores, porque a maioria das empresas é prestadora de serviços e fabricante de equipamentos e máquinas. Não há empre- sas da construção civil ou que possam utilizar peças estampadas e injetadas”, afirma. Segundo o diretor Alexandre Santos, da San- larte, de São Leopoldo, é uma modalidade importante, pois transforma o evento numa oportunidade única de negócios. “Além disso traz para a mesa várias empresas que são pouco conhecidas no mercado, mas oferecem uma grande variedade de produtos e serviços com qualidade. Também disponibiliza de ime- diato às pessoas com poder de decisão de compra e de venda. Com certeza, um evento que poderá ser repetido futuramente”, enfatiza o empresário. CAFÉ COM NEGÓCIOS prospecta ações de mercado Opinião AçõesEspaço SINDIMETAL | Nº55 07 “O futuro desenvolvimento das sociedades está relacionado à capacidade de iluminar nossas cidades”.
  • 8. Comitês erca de 70 pessoas participa- Cram, no dia 07 de dezembro, do evento de Integração dos Comi- tês do SINDIMETAL, às 17h, na sede da entidade. Na ocasião, também foram apresentados os novos coordenadores, que estarão atuando durante a gestão 2016-1018. Ao saudar os integrantes dos comi- tês, o diretor Executivo do SINDIMETAL, Valmir Pizzutti, destacou a relevância deste trabalho para a entidade. “A cada ano novas ações têm envolvido os par- ticipantes, que de forma atuante reali- zam atividades diversas em diferentes áreas, visando o aprimoramento profis- sional dos empresários e gestores”, comenta Pizzutti. O presidente do SINDIMETAL, Raul Heller registrou o seu agradecimento e o desejo de que os comitês continuam contribuindo, com muita vontade e determinação, em 2016. “Estas lideran- ças, aqui presentes, são agentes de tentativa de mudanças, para que tenhamos um País com uma gestão mais eficiente e produtiva”, enfatizou. Os comitês são formados por empresários ou executivos das empre- sas associadas ao SINDIMETAL e têm por objetivo o desenvolvimento de assuntos estratégicos, buscando solu- ções nas suas respectivas áreas. Inte- gram o sindicato os seguintes comitês: Desenvolvimento de Lideranças – tur- mas 1 e 2; Lean Manufacturing; Recur- sos Humanos; Saúde, Segurança e Meio Ambiente (SSMA) e o Valemetalsi- nos. Estes seis comitês possuem suas ações norteadas por Planejamentos Estratégicos individuais, mas sempre alinhados com os objetivos da entida- de. Suas ações são desenvolvidas res- peitando as metas e diretrizes do SINDIMETAL, que tem como missão: Representar, Integrar, Defender e Pro- mover o desenvolvimento empresarial da categoria representada, visando a competitividade e a excelência. Comitês do SINDIMETAL encerram atividades em evento de integração 08 Espaço SINDIMETAL | Nº55 DesenvolvimentodeLideranças– turmas 1 e2 Missão - Promover a formação e o fortalecimento de lideranças, de empresários e profissionais das empresas associadas do SINDIMETAL. CoordenadorDL1 -Marlos Davi Schmidt - Erps Vice -coordenadoraDL1 -Sofia Copé Heller Michel – Copé CoordenadorDL2 -Gilberto Cislaghi - Copé Vice-coordenadorDL2 - Mateus Wondracek – Alu-Cek Lean Manufacturing Missão - Potencializar a competitividade das empresas associa- das do SINDIMETAL por meio da qualificação e disseminação da mentalidade enxuta. CoordenadorLean - Juliano Ilha - Artestampo Vice-coordenadorLean - Felipe Lara Pereira – Weatherford RecursosHumanos Missão - Aprimorar os conhecimentos através da troca de expe- riências, seguindo preceitos jurídicos trabalhistas, atuando na orientação e na promoção de ações na gestão de pessoas, para o desenvolvimento das empresas associadas ao SINDIMETAL. CoordenadoraRH - Heloisa Muller - Rexnord Vice-coordenadora RH - Estelamáris Bernardes – Altus Missões estratégicas e novos coordenadores Saúde,SegurançaeMeioAmbiente(SSMA) Missão - Promover ações em saúde, segurança do trabalho e meio ambiente, observando os aspectos legais e de boas práticas, disse- minando conhecimento às empresas associadas ao SINDIMETAL. Coordenação– Este comitê está em fase de reestruturação. Valemetalsinos Missão - Promover o desenvolvimento das empresas associadas do SINDIMETAL, participantes do Valemetalsinos, com o apoio de par- ceiros estratégicos, fortalecendo a categoria e com ações voltadas ao mercado. Coordenador Valemetalsinos - Pedro Paulo Lambert - Lamaço Vice-coordenador Valemetalsinos - Valdir Huning – Sebras
  • 9. A história da Siemens teve início em 1867, com a instalação da primeira linha telegráfica do Brasil e, em 1939, com a primeira fábri- ca de transformadores do País. A Sie- mens/ Iriel segue evoluindo continua- mente e estabelecendo marcas de confiabilidade e inovação. Reconhecida como a segunda empresa mais globalizada do mundo, a Siemens está no Brasil há 110 anos. Nesse período de mais de um século, se tornou a maior empresa de tecnologia integrada do Brasil, com operações em 95 países, sendo que cerca de 80% das fábricas estão implantando o Lean. Na Siemens/ Iriel, com sede em Canoas, os trabalhos começaram há quatro anos. “A implantação do Lean requer bom senso. É preciso parar e avaliar o que consigo melhorar com o que tenho agora e não com o que gostaria de ter”, destaca. “Através do Lean passamos a enxergar os problemas de forma dife- rente, pois a dificuldade passa a ser uma oportunidade para melhorar em algum ponto”, justifica. Lembrando que quanto mais cedo tiver início a implan- tação melhor, pois é através do hábito que haverá a continuidade dos proces- sos. “Mesmo quando não é possível realizar uma mudança total ou uma melhoria contínua, o importante é iniciar em algum ponto”, enfatiza. Para Luciano se não houver o envolvimento das pessoas, o resultado não se man- tém. “Somente o processo operacional não se basta, é necessário fidelizar com a equipe”, afirma. Citando o gestor Cid Lopez, da área de desenvolvimento de fornecedores, fez questão de lembrar, ao concluir sua palestra, os três caminhos para o fra- casso. São eles: não ensinar o que se sabe; não praticar o que se ensina e não perguntar o que se ignora. “Para alcan- çar o sucesso é preciso ser coerente, não julgar as pessoas, mas os proces- sos e assimilar as mudanças que virão”, informou Luciano. Ao término da atividade, o coorde- nador do comitê falou sobre o Sistema de Produção Enxuta do SINDIMETAL (SPE), relatando que atualmente 15 empresas associadas estão no projeto em processo de desenvolvimento, o qual tem duração de três anos. Ao todo já participaram dos treinamentos no SINDIMETAL cerca de 200 profissionais. Trazendo novidades, Juliano tam- bém informou que, em 2016, os módu- los do SPE serão concluídos em dois anos, justamente para acelerar a apli- cação junto às empresas. As inscrições iniciam no primeiro trimestre, inclusive com possibilidade da formatação de cursos avançados sobre Lean. A programação do 3º Meeting encerrou no dia 13 de novembro, com uma visita técnica na Siemens/ Iriel, em Canoas. Ações Redução do desperdício em pauta no 3º3º Meeting Lean realizado no SINDIMETAL tema Por que o Lean nem Osempre dá certo? esteve a cargo de Luciano Diniz Gomes, Plant Manager, da Siemens/ Iriel, por ocasião do 3º Meeting Lean, no dia 12 de novembro. A promoção foi do SINDIMETAL, através do seu comitê Lean Manufacturing, juntamente com IEL, SENAI e SEBRAE. A atividade reuniu no horário das 18h30min às 21h30min aproximada- mente 70 empresários e gestores na sede do SINDIMETAL, localizada no Centro das Indústrias, em São Leopoldo. Ao saudar os participantes, o diretor Executivo do SINDIMETAL, Valmir Piz- zutti destacou o trabalho realizado durante todo o ano pelo grupo. “O comi- tê tem um papel muito importante no apoio ao uso da ferramenta Lean, além de estar diretamente envolvido com a organização dos eventos relacionados ao tema”, registrou. Contribuir para a significativa redu- ção de tempo nos processos e aperfei- çoar os recursos, visando à qualidade e o custo-benefício, traz um ganho para todos, comenta Pizzutti, incentivador da aplicação do Lean nas empresas. Na ocasião, informou que o coordenador do comitê, Juliano Ilha, da Artestampo, seguirá à frente do grupo, passando a contar, a partir de 2016, com o vice- coordenador, Felipe Augusto Lara Perei- ra, da Weatherford. Empresa globalizada Espaço SINDIMETAL | Nº55 09 Diniz apresenta experiência Lean na Siemens/Iriel “Toda essa tecnologia é baseada na luz!”
  • 10.
  • 11.
  • 12. Jurídico Ambiental dano ambiental consiste na Olesão intolerável ao meio ambiente, causada pela ação culposa ou dolosa do homem. Logo, o poluidor é o sujeito (a pessoa física ou jurídica, de direito público ou privado) responsável direta ou indiretamente por atividade causadora de degrada- ção ambiental. A Constituição Federal, em seu art. 225, 2º, dispõe que "aquele que explorar recursos minerais fica obrigado a recuperar o meio ambiente degrada- do, de acordo com a solução técnica exigida pelo órgão público competente, na forma da lei." Por outro lado, o 3o do mesmo dispositivo constitucional aduz que "as condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, inde- pendentemente da obrigação de repa- rar o dano”, ou seja, determina a neces- sidade de reparação do dano causado ao meio ambiente. Diante desse contexto, é oportuno referir que o dano ambiental deve ser atacado de três maneiras: em primeiro lugar, com a recuperação do meio ambiente degradado; em segundo lugar, com medidas compensatórias quando não possível a recuperação no local; em terceiro lugar, não sendo possível nenhuma das duas hipóteses anteriores, com a condenação do polu- idor ao pagamento de indenização. O doutrinador Édis Milaré, na obra Direito do Ambiente (2 ed. rev., ampl. e atualiz. São Paulo: RT, 2001) aduz que “a reparação ao dano ambiental é a reconstituição do meio ambiente agre- dido, cessando-se a atividade lesiva e revertendo-se a degradação ambiental. Apenas quando essa recuperação não for viável é que se admite indenização em dinheiro.” Numa primeira análise, uma atitude acaba por excluir a outra, ou seja, em havendo recuperação não se admitirá medida compensatória ou imposição de pagamento indenizatório. Contudo, tal entendimento não é unânime, já sendo admitida em prece- dentes jurisprudenciais a cumulação de obrigações ao poluidor, de acordo com cada caso específico. Isso graças ao disposto no artigo 4º, inciso VII, da Lei nº 6.938/81, que determina que “à imposição, ao poluidor e ao predador, da obrigação de recuperar e/ou indeni- zar os danos causados e, ao usuário, da contribuição pela utilização de recursos ambientais com fins econômicos.” (grifo nosso). Decisões judiciais já adotam as pre- visões por condenação de pagamento de indenização do artigo 3º da Lei nº 7.347/85 e do artigo 14 da Lei nº 6.938/81, agregando e cumulando com a obrigação de fazer, qual seja a recuperação do dano ambiental (p.ex. A p e l a ç ã o C í v e l n º 5 0 0 3 7 4 0 - 50.2011.404.7208, TRF4, Terceira Tur- ma, Relator Fernando Quadros da Silva, D.E. 16/04/2013). Também já se admite a imediata cessação da degradação da área de preservação, com a respectiva recom- posição ambiental (p. ex. Apelação Cível nº 5000003-76.2010.404.7207, TRF4, Quarta Turma, Relator Jorge Antônio Maurique, D.E. 01/09/2011). Conclui-se, destarte, que a partir de uma responsabilidade objetiva, em que não mais se discute a intensão do degradador, mas o simples risco da atividade danosa ao meio ambiente e a necessidade de repará-lo e/ou indeni- zá-lo, vem se alterando o entendimen- to de que é possível a cumulação de penalidades e obrigações ao poluidor. Diante do exposto, fica o alerta a todos, para que sigam as rotinas de preven- ção contra danos ambientais, a fim de evitar a necessidade de reparação do meio ambiente, cumulada com outras penalidades, inclusive decorrentes de indenizações pecuniárias. *Advogadointegrantedaequipedeprofissio- nais do escritório Garcez Advogados Associados – Assessoria Jurídica do SINDIMETAL, na área Trabalhista, Ambiental e de Representação Comercial. Dano ambiental e as obrigações (cumuladas) de reparação Conselheiros do e doSENAI SESI prestigiam a última reunião do ano o b a c o o r d e n a ç ã o d o Spresidente do SINDIMETAL, empresário Raul Heller ocorreu a última reunião do ano com o s p re s i d e n t e s d o s C o n s e l h o s Consultivos SESI e SENAI da região. Juntamente com as lideranças dos sindicatos patronais a atividade teve lugar no Centro das Indústrias, em São Leopoldo, no dia 25 de novembro. Durante o ano foram realizados seis encontros, sempre voltados à aplica- ção consciente e criteriosa dos investimentos em prol das indústrias, buscando melhorias no Sistema “S”. Segundo o diretor Executivo, Valmir Pizzutti “este espaço democrático oportuniza a troca de informações, o levantamento de demandas e o alinhamento de ações entre os Conselhos, visando à eficiência das ações programadas”, justifica. A agenda de reuniões dos presi- dentes dos Conselhos Consultivos SESI e SENAI para 2016 já está definida devendo iniciar no mês de março. 12 Espaço SINDIMETAL | Nº55
  • 13. 13Espaço SINDIMETAL | Nº55 Jurídico Trabalhista eSocial é um projeto do Governo OFederal que visa reunir o envio de informações pelo empregador em relação aos seus empregados. Unifica informações da Caixa Econômica Federal (FGTS); do INSS; do Ministério da Previdên- cia; do Ministério do Trabalho e Emprego e da Secretaria da Receita Federal. Isto é, todas as informações administra- tivas, laborais, previdenciárias e fiscais dos empregados serão administradas pelo empregador e conduzidas para alimenta- ção de dados no sistema, inclusive com cominações “automáticas” de não o fazer em tempo e qualidade determinada e aceita. A vigência do eSocial para empregado- res empresariais está, até agora, prevista para 2016/2017. A salientar que a versão para empregador doméstico, vigente e obrigatória, necessitou de prorrogações e ajustes para cumprir com seu objetivo, isto já no primeiro mês de funcionamento. É previsível, portanto, que quando obrigatório o sistema para os empregado- res empresariais, na mesma toada do eSo- cial doméstico, os problemas existirão! Afirma-se isto, porque mesmo que não se criem procedimentos novos com o sistema, o fato da conglomeração de dados até então esparsos será, de início, certamente complicada e exigirá esforços específicos dentro de todas as empresas. Já se ouviu de um respeitado historia- dor que o eSocial seria a nova versão dos obrigatórios e depois dispensáveis it de emerg ncia e extintores de inc ndio auto- motivos Ou é bem adequada àquela do músico-poeta: um museu de grandes novi- dades Acredita-se que o eSocial não padecerá da cada vez mais aparente esquizofrenia estatal. Afinal: está vigente e parece que vai funcionar... e não acreditamos em bruxas, pero que las hay, las hay Mas o assunto proposto para o momento é o que será do Perfil Profissio- gráfico Previdenciário – PPP – na vigência do eSocial. O PPP é um documento que reúne o histórico do empregado contendo dados laborais, administrativos e ambientais a que esteve sujeito durante todo o período de contrato de trabalho. A partir de 2004, o PPP substituiu antigos formulários (SB 40, DISES BE 5235, DSS 8030, DIRBEN 8030, etc), mas os dados continuaram os mesmos, apenas foram reunidos no mesmo docu- mento: o PPP. Com o eSocial a situação em relação ao PPP é idêntica: todos os dados que cons- tam no PPP estão incluídos em uma ou outra tabela do eSocial. Ao que parece, o PPP não será extinto, mas integrado ao eSocial, padronizando informações e, especula-se, diminuindo em quantidade – porque unifica diversas - as obrigações patronais. Em específico, os empregadores preen- cherão os seguintes eventos do eSocial que fornecerão todas as informações que hoje compõem o PPP: Evento 1060 - Tabela de ambientes de trabalho; PPRA, PCMSO, LTCAT e demais laudos de registros ambientes obrigatórios no sistema; Registro médico laboral do trabalhador integrado no sistema; Evento 2220 – Monitoramento da saúde do trabalho; Evento 2241 – Insalubridade, Periculosi- dade e Aposentadoria Especial. Evento 2400 – Condições ambientais de trabalho – Fatores de Risco; Evento 2360 – Condição diferenciada de trabalho; O certo é que tanto na futura vigência do eSocial, quanto no que é vigente hoje, as informações profissiográficas previden- ciárias do trabalhador são e continuarão sendo baseadas nos mesmos documentos: Contrato de Trabalho; Programa de Pre- venção de Riscos Ambientais (PPRA); Pro- grama de Gerenciamento de Riscos (PGR); Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (PCMAT); Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO); Laudo Técni- co de Condições Ambientais do Trabalho (LTCAT). Enfim, o PPP no eSocial está, ao que se vislumbra, fadado a compor uma prateleira com destaque no museu de grandes novi- dades... o tempo não para! * Advogado integrante da equipe de profis- sionais do escritório Garcez Advogados Associ- ados – Assessoria Jurídica do SINDIMETAL, na área Trabalhista, Ambiental e de Representa- çãoComercial. O Perfil Profissiográfico Previdenciário e o eSocial ramado foi o local escolhido Gp a r a a r e a l i z a ç ã o d o I Simpósio de Relações do Trabalho, nos dias 22 e 23 de outubro, numa promoção da FIERGS, em parceria com a Associação dos Advogados Trabalhistas de Empresas no RS (Satergs). O Centro das Indústrias esteve representado pelo escritório Garcez Advogados Associados. Os impactos das transformações econômicas, políticas e tecnológicas no mercado de trabalho foram debatidos, por empresários, autoridades e profissionais da área jurídica, que avaliaram as mudanças na forma de produzir, contratar e negociar. Na abertura do evento, o presidente da FIERGS, Heitor José Müller, alertou para a necessidade de modernização das leis. Segundo ele, a entidade, a Confederação Nacional da Indústria, os sindicatos industriais e os empreende- dores propõem a discussão de um novo modelo de desenvolvimento, que priorize a empregabilidade e pelo qual seja instituído um processo de desen- volvimento sustentado. “Os períodos de crise devem servir para reflexões muito profundas sobre as bases em que estão assentadas as relações de trabalho no Brasil. Não podemos separar a geração e manutenção de empregos do necessário fortalecimen- to e expansão das empresas privadas”, afirmou. Impactos da crise econômica “Cientistas de todo o mundo estão trabalhando para desenvolver tecnologias acessíveis e limpas de energia solar”.
  • 14. 14 Espaço SINDIMETAL | Nº55Ações Perspectivas para 2016 apresentadas no Workshop Tributário e Econômico Exposições SINDIMETAL/SEBRAE 2016 Informações: (51) 3590-7710 03 - 07 Maio São Paulo - SP feimec.com.br 17 - 21 Maio São Paulo - SP mecanica.com.br 21 - 24 Junho Criciúma - SC metalmineracao.com.br 13 - 16 Setembro Joinville - SC metalurgia.com.br 04 - 07 Outubro Caxias do Sul - RS mercopar.com.br C erca de 70 gestores e diretores de empresas participaram, no dia 24 de novembro, do or shop Tributário e Econômico, ocasião em que foram apresentados os cenários que estarão impactando na economia em 2016. A promoção foi do SINDIMETAL. A atividade ocorreu no horário das 16h30min às 19h, na sede da entidade, no Centro das Indústrias, em São Leopoldo, e contou com a presença de três pales- trantes. Abordando o Cenário Tributário estiveram os advogados Marciano Bu on e Marina Furlan, da equipe Bu on e Furlan Advogados Associados, que integram a Assessoria Jurídica Tributária do SINDIMETAL. Na ocasião, o tema em pauta foi à implementação dos pacotes fiscais - federal e estadual, bem como o impacto das mudanças fiscais em 2016. Cenário Tributário Entre os assuntos apresentados, a advogada Marina comentou sobre o aumento na alíquota do ICMS, em 2016, que passará de 17% para 18%, pelo período de três anos. “Como a economia está estagnada, não se sabe quanto esta medida irá representar para os cofres do Estado”, comenta Marina. Outro tema apresentado, pelo advogado Bu on, diz respeito à regulariza- ção dos ativos no exterior. A partir de 2017 haverá mais controle sobre a aplicação de dinheiro nos paraísos fiscais e igualmente referente à compra de bens no exterior. A legislação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) voltou a ser debatida entre especialistas do setor tributário, mas segue indefinida, afirma Bu on. Cenário Econômico Na sequência, o economista-chefe do Sistema FIERGS, André Nunes falou sobre o Cenário Econômico, apresentando os desafios da crise atual e o que este momento traz de novo para a indústria, além de perspectivas para a economia em 2016. “Por enquanto, não existe clareza sobre a saída para esta crise”, enfatiza. A tendência é que tenhamos mais desemprego ou seja, mais vagas sendo fechadas que abertas, menciona o economista-chefe da FIERGS. Os dados divulgados, pelo economista André, indicam que a população desocupada no Brasil chegou a 9 milhões de pessoas. No terceiro trimestre do ano passado a taxa de desocupação foi de 6,8% e atualmente é de 8,7%. Segundo o economista André “a agenda política, em 2016, continuará se sobrepondo à agenda econômica. Na realidade, “as atuais lideranças perderam a prerrogativa de propor os rumos do País. Até o momento isto não foi bem sinaliza- do”, destaca André. “Teremos aumento do desemprego; perda do grau de investimento; descontro- le da inflação e crédito privado cada vez mais restrito”, afirma o economista. Existem perspectivas de uma boa safra na agricul- tura, mas insuficiente para impulsionar o crescimento do PIB. A indústria metalme- cânica ainda sofrerá com a queda nos investimentos, com crédito mais restrito e caro. Já a queda na atividade do Estado, em 2016, será mais intensa, finalizou o economista, lembrando que como outras crises no País esta também irá passar. André Nunes analisa o cenário econômico
  • 15. Mercado 15Espaço SINDIMETAL | Nº55 Alu-Cek é uma empresa com Aamplo no -ho na fabricação de sistemas produtivos para a indústria, estando há 16 anos no mercado. A linha de produtos customizada envolvia, nos primeiros doze anos de existência, somente construções de equipamentos com a sua estrutura em perfis de alumínio. Há uns anos atrás foi incorporada a aplicação com estruturas tubulares em aço, também muito usadas em projetos Lean. Com a chegada ao mercado brasileiro da tecnologia de geração de energia solar, através de micro usinas constituídas de um conjunto de painéis fotovoltaicos, muitas empresas surgiram, ou se adaptaram, para oferecer serviços de instalação ao redor do nosso País. Desde meados do ano de 2014, a Alu- Cek se deparou com a carência de sistemas de fixação destes módulos fotovoltaicos (MFV), percebendo assim, um mercado a ser explorado. Estes módulos eram importados de empresas fabricantes no exterior, mas ainda não havia fornecedores de acessórios e de fixação que eram fabricados no País. Como a Alu-Cek já possuía um conjunto extenso de perfis estruturais modulares em alumínio, material propício para estas aplicações, iniciou-se uma interação com as empresas montadoras de sistemas de MFV. A partir dali, a empresa começou a investir no desenvolvimento de diversos acessórios de fixação de MFV, e, não somente de acessórios, mas também de perfis estruturais específicos para esta aplicação. “Temos trabalhado muito para conhecer cada vez mais sobre esta tecnologia que veio para ficar”, afirmam os diretores Udo Wondracek e Marli Karin Wondracek. Hoje, a Alu-Cek já está apta a fornecer uma boa diversidade de itens para vários tipos de telhados e coberturas. “No entanto, há um caminho bastante longo a ser trilhado em novos investimentos nesta área, mas cremos que este mercado tem muito a crescer ainda”, destacam. 25 anos de forte atuaçãoA U T O M A Ç Ã O ACRK Automação atua no merca- do desde 1990. “O segredo do nosso sucesso está nas pessoas. Nós trabalhamos porque queremos desafios, porque queremos clientes satisfeitos, porque desejamos agregar valor aos nossos colaboradores, clientes e fornecedores como uma empresa diferenciada no mercado. Esses são os motivos que nos fazem levantar todos os dias”, justificam o diretor Ricardo Kiszewski Durante estes anos, a essência não mudou. Ela é o principal motivo que incentiva os gestores a oferecerem um trabalho de qualidade a cada dia. A empresa oferece automação industrial, mas justifica que não possui nenhum robô trabalhando, pois acredita que as soluções de automação industrial são criadas, planejadas e executadas por pessoas. “A CRK Automação é movida por mentes que pensam juntas com objetivo de oferecer serviços de excelência”, registra Ricardo. Segundo os diretores são 25 anos de aprendizado e muitas horas de trabalho. “Entre as recompensas estão os funcioná- rios, com mais de 15 anos de casa, uma equipe comprometida, que se orgulha em vestir a camiseta da empresa. Também citamos os clientes, que contratam a CRK e confiam que a equipe oferece as melhores soluções, bem como os fornecedores que realmente são nossos parceiros, com quem podemos contar sempre”. Parabéns e muito sucesso para a direção e equipe da CRK Automação! Explorando nova tecnologia “A energia do Sol que atinge a Terra pode ser convertida em calor e em eletricidade”. Fonte: CRK Fonte: Alu-Cek
  • 16. Vitrine Espaço SINDIMETAL | Nº55 www.rdflexacoplamentos.com.br Focado nos resultados Referência na fabricação de acoplamentos flexíveis e outros produtos ligados com transmissões mecânicas industriais, a RD-Flex, sob a direção de Rubén Duarte, lançou neste ano, na feira Mercopar, em Caxias do Sul, o Acoplamento flexível para transmissão de potência, para motores com até 3000 HP. Entre as características técnicas estão, a autocompensação, absorver vibrações, desalinhamentos, sejam eles radial, angular ou axial, e o fato de não precisar de manutenção faz dele uma linha de acoplamentos muito bem aceita no mercado, além disto, a reposição é rápida. “Temos 14 modelos, em diferentes tamanhos e potências, todos com as mesmas características”, afirma Rubén. Na feira, a aceitação do produto superou as expectativas. “O mercado está valorizando os novos produtos e como o acoplamento é o coração da máquina fomos bem visitados junto ao estande”, comemora. Contando com a dedicação dos sócios Sílvia Breit de Duarte, gerente Financeira, e Lucas Ezequiel Duarte, responsável pelo Comercial, Compras e Vendas, a empresa está a cada ano investindo mais em qualidade. “Não abrimos mão, pois é a referência do produto no mercado”, afirma o diretor Rubén. Com uma história marcada pela dedicação e empenho profissional, os Duarte iniciaram a sua trajetória na Argentina, terra natal da família. Como já distribuíam peças similares desde o ano 2000 para o Brasil, após três anos, optaram em morar no País. “Sempre gostamos de desafios e morar no Brasil era um sonho antigo” enfatizou. Acostumados às adversidades, enfrentaram as primeiras dificuldades e nunca se arrependeram. “Iniciaríamos tudo de novo para viver esta experiência no Brasil”, afirma Rubén. Relembrando a história da RD-Flex, o diretor registra 2008 e 2009 como anos de crescimento significativo para a empresa. “Compramos equipamentos e atualizamos a equipe, passando a atuar em mais lugares”. Acompanhar com qualidade, contribuindo para o crescimento e aperfeiçoamento da empresa, tem sido a meta deste grupo de empreendedores. Com o passar do tempo, foram agregando mais produtos. Agora são quatro linhas completas e cinco onde fabricam os sobressalentes e completam a linha dentro da família dos acoplamentos flexíveis ou semirrígidos. No Brasil, as vendas ampliaram em São Paulo e Minas Gerais e no exterior já exportaram para o Uruguai. “A intenção é investir mais na exportação e passar a comercializar para o México, Colômbia e Peru”, destaca o diretor. A experiência de 15 anos numa empresa pioneira na Argentina veio somar no momento de implantar uma estrutura com as mesmas características no Brasil. “Procuro trocar ideias com os distribuidores, sobre as necessidades dos clientes, assim vamos pautando o trabalho e projetando as próximas ações da empresa”, enfatiza Rubén. Com sede própria em São Leopoldo, num prédio com 750m de área coberta, temos espaço para desenvolver os projetos e investir em novos equipamentos. “A equipe é sólida, unida e trabalha feliz, pois na realidade todos vestem a camiseta da empresa”, argumenta. “Inclusive, costumam solicitar a presença da direção na produção. No meu entendimento, quando isto acontece, é porque o funcionário está comprometido com os resultados e deseja a troca de informações”, comenta satisfeito. Para que o projeto alcance o sucesso, a implantação muitas vezes extrapola a venda. “Um pós-venda efetivo é essencial para construirmos bons resultados”, destaca. Com dez anos de história fazem planos para o futuro. Entre as metas estão a ampliação do canal de vendas, em 2016, apostando na determinação para prospectar novos clientes e novas áreas de atuação. “Não desejo ficar estagnado, mas sim avançar sempre em busca de novos mercados”, enfatiza Rubén. Desejamos que o futuro reserve novas e felizes conquistas profissionais para o “time da RD-Flex”. 10 anos conquistando novos mercados
  • 17. o término deste ano, o ASindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico e Eletrônico de São Leopoldo (SINDIMETAL) está concluindo mais uma gestão de trabalho, marcada pela dedicação de um grupo de empreendedores, sob a direção do empresário Raul Heller. Na presidência desde 2003, assumida no final da gestão do então presidente Vala r Hélio Wosiack, Raul Heller dará início, em 2016, à sua quinta gestão de trabalho consecuti- vo. Reeleito por aclamação, no dia 26 de novembro, na sede da entida- de, teve a sua posse no dia 04 de dezembro com a presença de lideranças da FIERGS, de entidades sindicais patronais e associadas. Raul Heller é reeleito presidente do SINDIMETAL para a gestão 2016-2018 Encarte Especial Presidente Raul Heller destaca a força da indústria no seu pronunciamento O consultor jurídico da FIERGS e das entidades sindicais, advogado Edson Morais Garcez brinda a nova gestão
  • 18.
  • 19.
  • 20. PRESIDENTE Ÿ Raul Heller - Copé Cia Ltda. VICE-PRESIDENTES Ÿ Arno Tomasini - Stihl Ferramentas Motorizadas Ltda. Ÿ Leonardo Pedroso Filho - Indústria de Máquinas e Redutores Transmaq Ltda. Ÿ Roberto Dauber - Delga Indústria e Comércio Ltda. Ÿ Sergio de Bortoli Galera - Itecê Ind. e Com. de Equipamentos Agrícolas Ltda. Ÿ Vitor Fabiano Ledur - Leitz Ferramentas Para Madeira Ltda. Ÿ Volker Lübke - Ferramentas Gedore do Brasil S.A. SECRETÁRIO Ÿ Roberto Petroll - RPM Metalartes Ltda. TESOUREIRO Ÿ Udo Wondracek - Alu-Cek Ind. Com. Ltda DIRETORES Ÿ Ademir Luiz Costella - Fercorte Indústria Metalúrgica Ltda. Ÿ Celso Luiz Rodrigues - Indústria de Auto Peças Schuck Ltda. Ÿ Christine Lange - Indústria de Ferramentas Ifla Ltda. Ÿ Darlan Geremia - Rijeza Indústria Metalúrgica Ltda. Ÿ Emílio Neuri Haag - Metalúrgica Loth Ltda. Ÿ Marcelo Fleck - Flecksteel Indústria de Artefatos Metálicos Ltda. Ÿ Marcelo Mariani - Metalúrgica Mariani Ltda. Ÿ Paulo Roberto Jacobsen - Indústria e Comércio de Bombas D gua Beto Ltda. Ÿ Pedro Vicente Isquierdo Gonçales - Rexnord Brasil Sistemas de Transmissão e Movimentação Ltda. Ÿ Ronei Feltes - Metalúrgica Reuter Ltda. Ÿ Silvino Geremia - Higra Industrial Ltda. Ÿ Thiago Piovesan - Forjas Taurus S.A. Ÿ Tiago Alliatti Beleza - Gerdau Aços Longos S.A. Ÿ Valdir Luiz Huning - Sebras Indústria e Comércio Ltda. Ÿ Vitor Fernando Reichelt - Weatherford Ind. e Com. Ltda. CONSELHO FISCAL - TITULARES Ÿ Luiz Antônio Gonçalves - Rol Mar Metalúrgica Ltda. Ÿ Marcelino Leopoldo Barth - Viva Cor Comercial de Tintas Ltda. Ÿ Roberto Alexandre Schroer - Infasul Facas Industriais Ltda. CONSELHO FISCAL - SUPLENTES Ÿ David Florindo Cardoso - CRK Automação Industrial Ltda. Ÿ Pedro Paulo Lambert - Lamaço Artefatos de Aço Ltda. Ÿ Rubén Antônio Duarte - RD-Flex do Brasil Acoplamentos Ltda. DELEGADOS REPRESENTANTES JUNTO À FIERGS TITULARES: Ÿ Raul Heller - Copé Cia. Ltda. Ÿ Sergio de Bortoli Galera - Itecê Ind. e Com. de Equipamentos Agrícolas Ltda. SUPLENTES: Ÿ Arno Tomasini - Stihl Ferramentas Motorizadas Ltda. Ÿ Volker Lübke - Ferramentas Gedore do Brasil S.A. Diretoria SINDIMETAL Gestão 2016 - 2018