SlideShare uma empresa Scribd logo

6. conjuntura

1 de 5
Baixar para ler offline
Brasil S/A
30 de Maio de 2012 , por Cléia Schmitz

País possui um dos índices mais altos do mundo em empreendedorismo, e esse número vem
evoluindo em qualidade e quantidade

o à instabilidade econômica
Um em cada seis brasileiros em idade produtiva é empreendedor, um dos mais altos índices do
mundo. E esse número vem evoluindo. Em 2010, 17,5% da população com idade entre 18 e 64 anos
– 21,1 milhões de brasileiros – exerceram alguma atividade empreendedora em negócios com até três
anos e meio de vida. Em 2000, a taxa era de 13,5%. Mas o que torna o País um terreno tão fértil para
os novos negócios? Somos mesmo mais criativos e ousados?

Mais ou menos. Que o empreendedorismo aumentou no Brasil pode-se atestar pelos dados citados
acima, da 11ª edição da Pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM 2010). O índice de 17,5%
coloca o Brasil como o país com a maior Taxa de Empreendedores em Estágio Inicial (TEA) do G20,
grupo que integra as maiores economias do mundo, e do chamado Bric, formado por Brasil, Rússia,
Índia e China.

A TEA da China ficou em 14,4% e a da Argentina em 14,2%. Entre os países desenvolvidos,
Austrália e Estados Unidos apresentaram TEA de 7,8% e 7,6%, respectivamente. A média do Brasil
desde a primeira participação do País na pesquisa, no ano 2000, é de 13,3%. A GEM 2010 mostra
que a evolução da TEA é resultado do maior número de empreendedores de negócios novos, ou seja,
a opção pelo empreendedorismo vem crescendo entre os brasileiros.

E não é só isso. A mesma pesquisa indica um crescimento qualitativo. O número de empreendedores
que montam um negócio por enxergar uma oportunidade de mercado já é o dobro daqueles que
decidem empreender por mera necessidade, ou seja, por não encontrar outra opção profissional. Essa
é uma condição ímpar para a sobrevivência dos empreendimentos. Na GEM 2002, a relação era de
um empreendedor por necessidade para 0,7 empreendedor por oportunidade.

“É claro que empresas abertas por necessidades podem virar grandes negócios. Mas, em geral, os
empreendedores por oportunidade tendem a ser mais bem-sucedidos porque eles perceberam algo
que o mercado está precisando e, por isso, estão mais direcionados”, explica Romeu Friedlaender,
economista do Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP), que realiza a GEM no
Brasil em parceria com o Sebrae.

Segundo Friedlaender, entre os empreendedores por necessidade é muito comum encontrar pessoas
que abrem um negócio apenas para gerar renda enquanto não conseguem um emprego. Por isso, esses
empreendimentos tendem a ser menos duradouros, elevando a taxa de mortalidade das micro e
pequenas empresas. “É aquela pessoa que começa a costurar para fora ou fazer salgadinhos para
festa, mas continua atrás de um emprego. Quando consegue, desiste do negócio.”

Para especialistas no assunto, a GEM 2010 mostra como uma economia forte, aliada a políticas
públicas de apoio ao empreendedorismo, pode estimular a abertura de novos e melhores negócios. “O
ambiente econômico atual do Brasil favorece o surgimento de novas oportunidades aos micro e
pequenos empresários”, afirma Luiz Barretto, presidente do Sebrae. “Há mais pessoas consumindo e,
consequentemente, mais gente querendo oferecer produtos a elas”, resume o economista do IBQP.
Conjuntura

Juliano Seabra, diretor de Educação, Pesquisa e Cultura da Endeavor, afirma que não há dúvidas de
que as condições de mercado são determinantes ao empreendedorismo. “Esse cenário ajuda as
pessoas que têm vontade de montar um negócio. Elas se sentem mais confortáveis para tentar
empreender não só porque o ambiente é propício, mas porque sabem que se fracassarem podem
voltar mais facilmente ao mercado de trabalho”, analisa o executivo.

A estabilidade da moeda, com a criação do Real, em meados de 1994, foi o primeiro passo para a
criação de um ambiente favorável. Era o fim da era da hiperinflação. “Só então conseguimos nos
livrar do estresse do imediatismo. Antes disso, o empreendedor só conseguia se preocupar com o dia
seguinte”, afirma Ary Plonski, presidente da Associação Nacional de Entidades Promotoras de
Empreendimentos Inovadores (Anprotec), que reúne 400 incubadoras e 6,3 mil empreendimentos
inovadores.

Quem começou naquela época lembra bem das dificuldades. “Vivíamos em um cenário de inflação,
não era fácil fazer um planejamento anual da empresa”, conta Eduardo Nader, presidente do Mercado
Eletrônico. Especializada em soluções de e-commerce, a empresa foi criada em 1994, uma época em
que a infraestrutura na área de telefonia era muito precária e a internet sequer era comercial no Brasil.
“Muitos consideravam utópico, mas achávamos que o comércio entre empresas seria realizado em
ambiente eletrônico e fomos em frente.”

Para Nader, apesar de alguns entraves como a burocracia e a carga elevada de impostos persistirem,
está mais fácil empreender. Ele destaca o fomento à inovação com a Financiadora de Estudos e
Projetos (Finep) e incentivos como a Lei do Bem. “De qualquer forma também usamos as crises
econômicas e a adversidade ao nosso favor, procurando oferecer soluções que dessem ganho de
produtividade e ferramentas de inteligência aos nossos clientes”, observa Nader.

Oferecer soluções inovadoras também foi o trunfo da Bematech, outra empresa criada em meio à
instabilidade econômica, em 1991. “Éramos jovens, tínhamos muitas ideias e ímpeto para executá-
las, mas faltavam recursos e estrutura”, conta Wolney Betiol, um dos fundadores. Hoje, com duas
décadas de história, a empresa é líder no segmento de tecnologia para o comércio e está presente em
mais de 400 mil pontos de venda com soluções de automação.
Berço esplêndido




Para Betiol, o apoio da Incubadora Tecnológica de Curitiba foi fundamental naquela ocasião. Com
acesso à infraestrutura foi possível focar no desenvolvimento do projeto. “À medida que
avançávamos e já tínhamos um produto para comercializar, causava boa impressão aos potenciais
clientes, em alguns casos grandes empresas estabelecidas no mercado, serem recebidos naquele
espaço que não tínhamos condições de prover naquele período de empresa nascente”, observa.

O exemplo da Bematech mostra a importância do papel das incubadoras vinculadas a universidades e
instituições de ensino na evolução do empreendedorismo brasileiro. Para o professor Ary Plonski,
elas trouxeram um novo espaço de aprendizado, além da sala de aula e dos laboratórios. “Um espaço
para transformar o conhecimento em produto, negócio”, explica. E o que é melhor, negócios
inovadores, que tendem a ser mais duradouros e causam maior impacto na economia.

A inovação é o grande gargalo do empreendedorismo brasileiro. Para Juliano Seabra, o que falta é
educação empreendedora. “Quando o assunto é preparar para empreender, ainda estamos
engatinhando”, afirma. Seabra destaca informações da GEM 2010 que mostram que, enquanto no
Chile 40% dos adultos tiveram treinamento para montar seus negócios, no Brasil esse índice foi
apenas de 9% e, destes, apenas 3% receberam orientação nas universidades.

Na maioria das histórias de empreendedorismo brasileiro, a vontade de ter o próprio negócio acabou
superando muitas dificuldades. É o caso de Lito Rodriguez, presidente e fundador da Dry Wash, rede
de franquias do segmento de limpeza e conservação de veículos. “Empreender é minha grande
paixão. Em 1994, montei um lava-rápido ao enxergar a oportunidade de fazer mais com menos, num
segmento que carecia de profissionalismo e uma marca de referência”, conta Rodriguez.

Inovação

Fazer diferente era a aposta do empresário. Quando surgiu, a marca ainda utilizava água em suas
lavagens, embora em menor quantidade do que os concorrentes. Dois anos depois, o próprio
Rodriguez desenvolveu e patenteou um produto para eliminar de vez a água. “Pesquisamos muito
para chegar a um produto revolucionário. Quando encontramos, achávamos que precisava de alguns
ajustes, por isso montamos uma indústria química para atender à demanda interna.”

Rodriguez começou a empreender numa época em que o termo empreendedorismo sequer estava no
dicionário. Hoje alimenta um mercado editorial que só na última Bienal Internacional do Livro de
São Paulo, realizada em agosto de 2010, apresentou 115 lançamentos e reedições. “O empreendedor
tem mais informação disponível para dar subsídio à tomada de decisões. No passado, tudo isso era
mais restritivo”, afirma José Dornelas, autor de vários livros sobre o tema.

O caminho foi longo até aqui. O primeiro trato distinto para a pequena empresa no Brasil é de 1984, a
criação do Estatuto da Micro e Pequena Empresa (MPE), instrumento que dava isenção de imposto
de renda nos primeiros anos de vida do empreendimento. Em 1988, a Constituição garantiu
tratamento diferenciado, simplificado e favorecido aos pequenos negócios, mas o dispositivo só foi
regulamentado em 1999.

Antes disso, em 1996, a União havia editado o Simples Federal, estimulando estados a dar tratamento
diferenciado às MPEs na tributação do ICMS. O problema é que o sistema era desencontrado,
situação que só foi contornada em 2003, com a aprovação de uma emenda constitucional que definiu
um regime tributário diferenciado para as MPEs. Foi ela quem deu as condições jurídicas para a
construção do atual Simples Nacional, lançado em julho de 2007.

Chamado de Supersimples, o novo regime integrou oito diferentes impostos estaduais, federais e
municipais em um só tributo. Na época, 1,3 milhão de empreendedores migraram automaticamente
para o sistema. Hoje já são mais de 5 milhões de empresas participantes. Em quatro anos, o Simples
ampliou em 365% a arrecadação de ISS (tributo municipal) e em 253% o recolhimento de ICMS
(imposto estadual).

“A arrecadação das empresas do Simples só faz crescer. Em 2008, foram R$ 24 bilhões; em 2009, R$
26 bilhões; e, em 2010, R$ 35 bilhões”, destaca o gerente da Unidade de Políticas Públicas do
Sebrae, Bruno Quick. Ele cita também o tratamento diferenciado às MPEs nas compras
governamentais, que elevou o patamar de compras do governo federal com pequenas empresas de R$
2,6 bilhões anuais, em 2006, para R$ 15,9 bilhões, em 2010. Em percentual, o índice dobrou – de
17% para 34%.

Outro mecanismo que deu impulso a novos negócios foi o Empreendedor Individual. O programa foi
lançado em julho de 2009 com a proposta de formalizar a atividade de milhares de pessoas que
trabalham por conta própria e faturam no máximo R$ 36 mil ao ano. Legalizados, eles passam a ter
registro no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), favorecendo a abertura de contas
bancárias, a liberação de empréstimos e a emissão de notas fiscais.

Em março de 2010, antes mesmo de completar dois anos de vida, o programa ultrapassou a marca de
1 milhão de adesões. Hoje já são 2,5 milhões de Empreendedores Individuais. O fotógrafo Gabriel
Heusi, 29 anos, é um deles. Ele afirma que não contou tempo quando soube do programa e aderiu
logo na primeira semana após o lançamento. Gabriel já sentia na pele as dificuldades de não estar
formalizado. “Era difícil conseguir novos clientes. Hoje posso dizer que saí do escuro.”

Com CNPJ na mão, o fotógrafo começou a fechar vários contratos de trabalho e passou até mesmo a
participar de licitações. Atualmente ele atende mais de dez clientes fixos, inclusive fora de
Florianópolis, sede do estúdio. Gabriel conta que está se preparando para migrar para outro patamar,
o de microempresa. “Estamos na metade do ano e já cheguei a 80% do teto de faturamento do
empreendedor individual, que é de R$ 36 mil”, explica o empreendedor.

Para Bruno Quick, ainda há muito a ser feito pelos pequenos negócios e, consequentemente, pela
maioria dos empreendedores brasileiros. “A pequena empresa caminha para empregar na economia
formal seis em cada dez trabalhadores; entretanto, sua participação no PIB ainda é de apenas 20%.
Por isso, ter políticas públicas para que elas sobrevivam, prosperem e se desenvolvam é fundamental
para ter quantidade e qualidade de postos de trabalho.”

Recomendados

Manual capacidade jovemempreendedor (2)
Manual capacidade jovemempreendedor (2)Manual capacidade jovemempreendedor (2)
Manual capacidade jovemempreendedor (2)CRIST1976
 
Manual do jovem empreendedor
Manual do jovem empreendedorManual do jovem empreendedor
Manual do jovem empreendedorAndré Quintão
 
Apostila de e.r.a. disponível para download]
Apostila de e.r.a. disponível para download]Apostila de e.r.a. disponível para download]
Apostila de e.r.a. disponível para download]José Alberto
 
Manual do Jovem Empreendedor
Manual do Jovem EmpreendedorManual do Jovem Empreendedor
Manual do Jovem EmpreendedorRodrigo Mesquita
 
Inovacao sustentabilidade
Inovacao sustentabilidadeInovacao sustentabilidade
Inovacao sustentabilidadecoliveira1408
 
EDUCAÇÃO EMPRENDEDORA PARA JOVENS COMO FERRAMENTA DE INCLUSÃO SOCIAL – FOMENT...
EDUCAÇÃO EMPRENDEDORA PARA JOVENS COMO FERRAMENTA DE INCLUSÃO SOCIAL – FOMENT...EDUCAÇÃO EMPRENDEDORA PARA JOVENS COMO FERRAMENTA DE INCLUSÃO SOCIAL – FOMENT...
EDUCAÇÃO EMPRENDEDORA PARA JOVENS COMO FERRAMENTA DE INCLUSÃO SOCIAL – FOMENT...Caio Flavio Stettiner
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Inovação para um mundo em transição: como fazer
Inovação para um mundo em transição: como fazerInovação para um mundo em transição: como fazer
Inovação para um mundo em transição: como fazerInventta
 
Empreendedorismo no mundo da inovação
Empreendedorismo no mundo da inovaçãoEmpreendedorismo no mundo da inovação
Empreendedorismo no mundo da inovaçãoInventta
 
Espaço SINDIMETAL 58
Espaço SINDIMETAL 58Espaço SINDIMETAL 58
Espaço SINDIMETAL 58SINDIMETAL RS
 
Pitch Deck: Uma das ferramentas utilizadas para o empreendedorismo
Pitch Deck: Uma das ferramentas utilizadas para o empreendedorismoPitch Deck: Uma das ferramentas utilizadas para o empreendedorismo
Pitch Deck: Uma das ferramentas utilizadas para o empreendedorismoCaio Flavio Stettiner
 
Amostra do livro Empreendedorismo Inovador
Amostra do livro Empreendedorismo InovadorAmostra do livro Empreendedorismo Inovador
Amostra do livro Empreendedorismo InovadorNei Grando
 
VAREJO OMNICHANNEL: DESAFIOS NA VISÃO DE EMPRESAS BRASILEIRAS
VAREJO OMNICHANNEL: DESAFIOS NA VISÃO DE EMPRESAS BRASILEIRASVAREJO OMNICHANNEL: DESAFIOS NA VISÃO DE EMPRESAS BRASILEIRAS
VAREJO OMNICHANNEL: DESAFIOS NA VISÃO DE EMPRESAS BRASILEIRASCaio Flavio Stettiner
 
Contabilidade e o mercado de trabalho
Contabilidade e o mercado de trabalhoContabilidade e o mercado de trabalho
Contabilidade e o mercado de trabalhoFábio Guilhon
 
Descubra como investir em startups S/A
Descubra como investir em startups S/ADescubra como investir em startups S/A
Descubra como investir em startups S/Aflavio bispo
 
Segredos para ganhar com startups Inovadoras - carlosdiamante
Segredos para ganhar com startups Inovadoras - carlosdiamanteSegredos para ganhar com startups Inovadoras - carlosdiamante
Segredos para ganhar com startups Inovadoras - carlosdiamanteCarlos José Francisco
 
Ganhe com Startups Inovadoras
Ganhe com Startups InovadorasGanhe com Startups Inovadoras
Ganhe com Startups InovadorasHumberto Gomes
 
Score consultoria investimentos 08-2015 ss
Score consultoria investimentos 08-2015 ssScore consultoria investimentos 08-2015 ss
Score consultoria investimentos 08-2015 ssDIETER WEISSENTEIN
 
A Importância da Conjuntura Econômica e a Globalização
A Importância da Conjuntura Econômica e a GlobalizaçãoA Importância da Conjuntura Econômica e a Globalização
A Importância da Conjuntura Econômica e a Globalização🎯Renatho Sinuma MBA™®🎓
 
Intple (33)
Intple (33)Intple (33)
Intple (33)eadl
 
Lista de exercicios empreendedorimo
Lista de exercicios empreendedorimoLista de exercicios empreendedorimo
Lista de exercicios empreendedorimofelipesouza61061
 
Transformacao e mudanca - 100 mini papers - eBook
Transformacao e mudanca - 100 mini papers - eBookTransformacao e mudanca - 100 mini papers - eBook
Transformacao e mudanca - 100 mini papers - eBookMarcelo Sávio
 
Pesquisa Cenários 2020 indica crescimento para as MPEs
Pesquisa Cenários 2020 indica crescimento para as MPEs Pesquisa Cenários 2020 indica crescimento para as MPEs
Pesquisa Cenários 2020 indica crescimento para as MPEs Bruno Caetano
 

Mais procurados (19)

Inovação para um mundo em transição: como fazer
Inovação para um mundo em transição: como fazerInovação para um mundo em transição: como fazer
Inovação para um mundo em transição: como fazer
 
Empreendedorismo no mundo da inovação
Empreendedorismo no mundo da inovaçãoEmpreendedorismo no mundo da inovação
Empreendedorismo no mundo da inovação
 
Espaço SINDIMETAL 58
Espaço SINDIMETAL 58Espaço SINDIMETAL 58
Espaço SINDIMETAL 58
 
Tudo sobre-inovacao
Tudo sobre-inovacaoTudo sobre-inovacao
Tudo sobre-inovacao
 
Pitch Deck: Uma das ferramentas utilizadas para o empreendedorismo
Pitch Deck: Uma das ferramentas utilizadas para o empreendedorismoPitch Deck: Uma das ferramentas utilizadas para o empreendedorismo
Pitch Deck: Uma das ferramentas utilizadas para o empreendedorismo
 
Amostra do livro Empreendedorismo Inovador
Amostra do livro Empreendedorismo InovadorAmostra do livro Empreendedorismo Inovador
Amostra do livro Empreendedorismo Inovador
 
VAREJO OMNICHANNEL: DESAFIOS NA VISÃO DE EMPRESAS BRASILEIRAS
VAREJO OMNICHANNEL: DESAFIOS NA VISÃO DE EMPRESAS BRASILEIRASVAREJO OMNICHANNEL: DESAFIOS NA VISÃO DE EMPRESAS BRASILEIRAS
VAREJO OMNICHANNEL: DESAFIOS NA VISÃO DE EMPRESAS BRASILEIRAS
 
Contabilidade e o mercado de trabalho
Contabilidade e o mercado de trabalhoContabilidade e o mercado de trabalho
Contabilidade e o mercado de trabalho
 
Ganhar com Startups Inovadoras
 Ganhar com Startups Inovadoras  Ganhar com Startups Inovadoras
Ganhar com Startups Inovadoras
 
Descubra como investir em startups S/A
Descubra como investir em startups S/ADescubra como investir em startups S/A
Descubra como investir em startups S/A
 
Segredos para ganhar com startups Inovadoras - carlosdiamante
Segredos para ganhar com startups Inovadoras - carlosdiamanteSegredos para ganhar com startups Inovadoras - carlosdiamante
Segredos para ganhar com startups Inovadoras - carlosdiamante
 
Ganhe com Startups Inovadoras
Ganhe com Startups InovadorasGanhe com Startups Inovadoras
Ganhe com Startups Inovadoras
 
GESTAO DE PEQUENAS E MEDIAS EMPRESAS
GESTAO DE PEQUENAS E MEDIAS EMPRESASGESTAO DE PEQUENAS E MEDIAS EMPRESAS
GESTAO DE PEQUENAS E MEDIAS EMPRESAS
 
Score consultoria investimentos 08-2015 ss
Score consultoria investimentos 08-2015 ssScore consultoria investimentos 08-2015 ss
Score consultoria investimentos 08-2015 ss
 
A Importância da Conjuntura Econômica e a Globalização
A Importância da Conjuntura Econômica e a GlobalizaçãoA Importância da Conjuntura Econômica e a Globalização
A Importância da Conjuntura Econômica e a Globalização
 
Intple (33)
Intple (33)Intple (33)
Intple (33)
 
Lista de exercicios empreendedorimo
Lista de exercicios empreendedorimoLista de exercicios empreendedorimo
Lista de exercicios empreendedorimo
 
Transformacao e mudanca - 100 mini papers - eBook
Transformacao e mudanca - 100 mini papers - eBookTransformacao e mudanca - 100 mini papers - eBook
Transformacao e mudanca - 100 mini papers - eBook
 
Pesquisa Cenários 2020 indica crescimento para as MPEs
Pesquisa Cenários 2020 indica crescimento para as MPEs Pesquisa Cenários 2020 indica crescimento para as MPEs
Pesquisa Cenários 2020 indica crescimento para as MPEs
 

Destaque

Presentación gbi diapositivas
Presentación gbi diapositivasPresentación gbi diapositivas
Presentación gbi diapositivasAndrePReyes
 
Ações, eventos, obras e problemas do bairro mendanha
Ações, eventos, obras e problemas do bairro mendanhaAções, eventos, obras e problemas do bairro mendanha
Ações, eventos, obras e problemas do bairro mendanhaassociacaomendanharj
 
Filosofos presocraticos
Filosofos presocraticosFilosofos presocraticos
Filosofos presocraticosVanessaGV94
 
Lineamientos ava
Lineamientos avaLineamientos ava
Lineamientos avaracemirez
 
Animales esteven gonzalez
Animales esteven gonzalezAnimales esteven gonzalez
Animales esteven gonzalezsteven-gonzalez
 
Oriflamekatalogum.com Ağustos 2014 - BP Sipariş Broşürü
Oriflamekatalogum.com Ağustos 2014 - BP Sipariş BroşürüOriflamekatalogum.com Ağustos 2014 - BP Sipariş Broşürü
Oriflamekatalogum.com Ağustos 2014 - BP Sipariş BroşürüVefa B.
 
Codigo binario
Codigo binarioCodigo binario
Codigo binarioMerce Cruz
 

Destaque (9)

Memorandum
MemorandumMemorandum
Memorandum
 
Presentación gbi diapositivas
Presentación gbi diapositivasPresentación gbi diapositivas
Presentación gbi diapositivas
 
Ações, eventos, obras e problemas do bairro mendanha
Ações, eventos, obras e problemas do bairro mendanhaAções, eventos, obras e problemas do bairro mendanha
Ações, eventos, obras e problemas do bairro mendanha
 
Filosofos presocraticos
Filosofos presocraticosFilosofos presocraticos
Filosofos presocraticos
 
Lineamientos ava
Lineamientos avaLineamientos ava
Lineamientos ava
 
Animales esteven gonzalez
Animales esteven gonzalezAnimales esteven gonzalez
Animales esteven gonzalez
 
Oriflamekatalogum.com Ağustos 2014 - BP Sipariş Broşürü
Oriflamekatalogum.com Ağustos 2014 - BP Sipariş BroşürüOriflamekatalogum.com Ağustos 2014 - BP Sipariş Broşürü
Oriflamekatalogum.com Ağustos 2014 - BP Sipariş Broşürü
 
7 ll39
7 ll397 ll39
7 ll39
 
Codigo binario
Codigo binarioCodigo binario
Codigo binario
 

Semelhante a 6. conjuntura

Fórum de Inovação | Inovação e mudanças: Encontros sobre inovação no Brasil
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças: Encontros sobre inovação no BrasilFórum de Inovação | Inovação e mudanças: Encontros sobre inovação no Brasil
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças: Encontros sobre inovação no BrasilFGV | Fundação Getulio Vargas
 
Espaço SINDIMETAL 64
Espaço SINDIMETAL 64Espaço SINDIMETAL 64
Espaço SINDIMETAL 64SINDIMETAL RS
 
Introdução ao Empreendedorismo .pptx
Introdução ao Empreendedorismo .pptxIntrodução ao Empreendedorismo .pptx
Introdução ao Empreendedorismo .pptxDemetriusNarciso
 
Material produzido no primeiro encontro do BIG - Business Insights Group
Material produzido no primeiro encontro do BIG - Business Insights GroupMaterial produzido no primeiro encontro do BIG - Business Insights Group
Material produzido no primeiro encontro do BIG - Business Insights GroupSymnetics Business Transformation
 
Espaço SINDIMETAL 46
Espaço SINDIMETAL 46Espaço SINDIMETAL 46
Espaço SINDIMETAL 46SINDIMETAL RS
 
EMPREENDEDORISMO.pptx
EMPREENDEDORISMO.pptxEMPREENDEDORISMO.pptx
EMPREENDEDORISMO.pptxArtie4
 
Caderno de Inovação | Organizações no séc. XXI - Número 20
Caderno de Inovação | Organizações no séc. XXI - Número 20Caderno de Inovação | Organizações no séc. XXI - Número 20
Caderno de Inovação | Organizações no séc. XXI - Número 20FGV | Fundação Getulio Vargas
 
Empreendedorismo Desenvolvimento de Negocios & Plano de Negócios Prof Adriano...
Empreendedorismo Desenvolvimento de Negocios & Plano de Negócios Prof Adriano...Empreendedorismo Desenvolvimento de Negocios & Plano de Negócios Prof Adriano...
Empreendedorismo Desenvolvimento de Negocios & Plano de Negócios Prof Adriano...Adriano Moitinho Pinto
 
Ecossistema tecnológico_Inforuso
Ecossistema tecnológico_InforusoEcossistema tecnológico_Inforuso
Ecossistema tecnológico_InforusoJoão Drummond
 
5 conselhos para se tornar um empreendedor de alto impacto - Endeavor
5 conselhos para se tornar um empreendedor de alto impacto - Endeavor5 conselhos para se tornar um empreendedor de alto impacto - Endeavor
5 conselhos para se tornar um empreendedor de alto impacto - EndeavorVanessa Alexandre
 
Endeavor 5 conselhos-para se tornar um empreendedor de alto impacto
Endeavor 5 conselhos-para se tornar um empreendedor de alto impactoEndeavor 5 conselhos-para se tornar um empreendedor de alto impacto
Endeavor 5 conselhos-para se tornar um empreendedor de alto impactoBees
 
5 CONSELHOS PARA SE TORNAR UM EMPREENDEDOR DE ALTO IMPACTO
5 CONSELHOS PARA SE TORNAR UM EMPREENDEDOR DE ALTO IMPACTO5 CONSELHOS PARA SE TORNAR UM EMPREENDEDOR DE ALTO IMPACTO
5 CONSELHOS PARA SE TORNAR UM EMPREENDEDOR DE ALTO IMPACTOJéssica Figueiredo
 
Endeavor 5 conselhos-para_se_tornar_um_empreendedor_de_alto_impacto-2
Endeavor 5 conselhos-para_se_tornar_um_empreendedor_de_alto_impacto-2Endeavor 5 conselhos-para_se_tornar_um_empreendedor_de_alto_impacto-2
Endeavor 5 conselhos-para_se_tornar_um_empreendedor_de_alto_impacto-2Jéssica Figueiredo
 
5 CONSELHOS PARA SE TORNAR UM EMPREENDEDOR DE IMPACTO
5 CONSELHOS PARA SE TORNAR UM EMPREENDEDOR DE IMPACTO5 CONSELHOS PARA SE TORNAR UM EMPREENDEDOR DE IMPACTO
5 CONSELHOS PARA SE TORNAR UM EMPREENDEDOR DE IMPACTOJéssica Figueiredo
 

Semelhante a 6. conjuntura (20)

Fórum de Inovação | Inovação e mudanças: Encontros sobre inovação no Brasil
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças: Encontros sobre inovação no BrasilFórum de Inovação | Inovação e mudanças: Encontros sobre inovação no Brasil
Fórum de Inovação | Inovação e mudanças: Encontros sobre inovação no Brasil
 
Espaço SINDIMETAL 64
Espaço SINDIMETAL 64Espaço SINDIMETAL 64
Espaço SINDIMETAL 64
 
Introdução ao Empreendedorismo .pptx
Introdução ao Empreendedorismo .pptxIntrodução ao Empreendedorismo .pptx
Introdução ao Empreendedorismo .pptx
 
Material produzido no primeiro encontro do BIG - Business Insights Group
Material produzido no primeiro encontro do BIG - Business Insights GroupMaterial produzido no primeiro encontro do BIG - Business Insights Group
Material produzido no primeiro encontro do BIG - Business Insights Group
 
Espaço SINDIMETAL 46
Espaço SINDIMETAL 46Espaço SINDIMETAL 46
Espaço SINDIMETAL 46
 
EM BUSCA DE NOVOS MERCADOS - AGÊNCIA EXPLOSÃO DE EVENTOS
EM BUSCA DE NOVOS MERCADOS - AGÊNCIA EXPLOSÃO DE EVENTOSEM BUSCA DE NOVOS MERCADOS - AGÊNCIA EXPLOSÃO DE EVENTOS
EM BUSCA DE NOVOS MERCADOS - AGÊNCIA EXPLOSÃO DE EVENTOS
 
Como Crescer Rápido
Como Crescer RápidoComo Crescer Rápido
Como Crescer Rápido
 
FGV/EAESP - Caderno de Inovacao | Vol. 4
FGV/EAESP - Caderno de Inovacao | Vol. 4FGV/EAESP - Caderno de Inovacao | Vol. 4
FGV/EAESP - Caderno de Inovacao | Vol. 4
 
EMPREENDEDORISMO.pptx
EMPREENDEDORISMO.pptxEMPREENDEDORISMO.pptx
EMPREENDEDORISMO.pptx
 
Estudo StartUps Brasileiras 2014 Fundação Dom Cabral
Estudo StartUps Brasileiras 2014 Fundação Dom CabralEstudo StartUps Brasileiras 2014 Fundação Dom Cabral
Estudo StartUps Brasileiras 2014 Fundação Dom Cabral
 
Causas da mortalidade de startups brasileiras
Causas da mortalidade de startups brasileirasCausas da mortalidade de startups brasileiras
Causas da mortalidade de startups brasileiras
 
Caderno de Inovação | Organizações no séc. XXI - Número 20
Caderno de Inovação | Organizações no séc. XXI - Número 20Caderno de Inovação | Organizações no séc. XXI - Número 20
Caderno de Inovação | Organizações no séc. XXI - Número 20
 
capa Boa Chance
capa Boa Chancecapa Boa Chance
capa Boa Chance
 
Empreendedorismo Desenvolvimento de Negocios & Plano de Negócios Prof Adriano...
Empreendedorismo Desenvolvimento de Negocios & Plano de Negócios Prof Adriano...Empreendedorismo Desenvolvimento de Negocios & Plano de Negócios Prof Adriano...
Empreendedorismo Desenvolvimento de Negocios & Plano de Negócios Prof Adriano...
 
Ecossistema tecnológico_Inforuso
Ecossistema tecnológico_InforusoEcossistema tecnológico_Inforuso
Ecossistema tecnológico_Inforuso
 
5 conselhos para se tornar um empreendedor de alto impacto - Endeavor
5 conselhos para se tornar um empreendedor de alto impacto - Endeavor5 conselhos para se tornar um empreendedor de alto impacto - Endeavor
5 conselhos para se tornar um empreendedor de alto impacto - Endeavor
 
Endeavor 5 conselhos-para se tornar um empreendedor de alto impacto
Endeavor 5 conselhos-para se tornar um empreendedor de alto impactoEndeavor 5 conselhos-para se tornar um empreendedor de alto impacto
Endeavor 5 conselhos-para se tornar um empreendedor de alto impacto
 
5 CONSELHOS PARA SE TORNAR UM EMPREENDEDOR DE ALTO IMPACTO
5 CONSELHOS PARA SE TORNAR UM EMPREENDEDOR DE ALTO IMPACTO5 CONSELHOS PARA SE TORNAR UM EMPREENDEDOR DE ALTO IMPACTO
5 CONSELHOS PARA SE TORNAR UM EMPREENDEDOR DE ALTO IMPACTO
 
Endeavor 5 conselhos-para_se_tornar_um_empreendedor_de_alto_impacto-2
Endeavor 5 conselhos-para_se_tornar_um_empreendedor_de_alto_impacto-2Endeavor 5 conselhos-para_se_tornar_um_empreendedor_de_alto_impacto-2
Endeavor 5 conselhos-para_se_tornar_um_empreendedor_de_alto_impacto-2
 
5 CONSELHOS PARA SE TORNAR UM EMPREENDEDOR DE IMPACTO
5 CONSELHOS PARA SE TORNAR UM EMPREENDEDOR DE IMPACTO5 CONSELHOS PARA SE TORNAR UM EMPREENDEDOR DE IMPACTO
5 CONSELHOS PARA SE TORNAR UM EMPREENDEDOR DE IMPACTO
 

Mais de PAULO Moreira

5 estruturas de controle
5 estruturas de controle5 estruturas de controle
5 estruturas de controlePAULO Moreira
 
3.2 introdução a linguagem java
3.2 introdução a linguagem java3.2 introdução a linguagem java
3.2 introdução a linguagem javaPAULO Moreira
 
3.1 introdução a linguagem java
3.1 introdução a linguagem java3.1 introdução a linguagem java
3.1 introdução a linguagem javaPAULO Moreira
 
2.1 introdução a oo
2.1 introdução a oo2.1 introdução a oo
2.1 introdução a ooPAULO Moreira
 
Classe integer-float-byte-short-long-double
Classe integer-float-byte-short-long-doubleClasse integer-float-byte-short-long-double
Classe integer-float-byte-short-long-doublePAULO Moreira
 
Trabalho de empreendedorismo
Trabalho de empreendedorismoTrabalho de empreendedorismo
Trabalho de empreendedorismoPAULO Moreira
 
Seminário de empreendedorismo
Seminário de empreendedorismoSeminário de empreendedorismo
Seminário de empreendedorismoPAULO Moreira
 
5. as regras de ouro do bilionário carlos slim
5. as regras de ouro do bilionário carlos slim5. as regras de ouro do bilionário carlos slim
5. as regras de ouro do bilionário carlos slimPAULO Moreira
 
8. marca cria cerveja e refrigerante solúvel para praticantes de esportes ao ...
8. marca cria cerveja e refrigerante solúvel para praticantes de esportes ao ...8. marca cria cerveja e refrigerante solúvel para praticantes de esportes ao ...
8. marca cria cerveja e refrigerante solúvel para praticantes de esportes ao ...PAULO Moreira
 
Interrupções e interconexões
Interrupções e interconexõesInterrupções e interconexões
Interrupções e interconexõesPAULO Moreira
 
Hierarquia de memória
Hierarquia de memóriaHierarquia de memória
Hierarquia de memóriaPAULO Moreira
 

Mais de PAULO Moreira (20)

Metodos
MetodosMetodos
Metodos
 
5 estruturas de controle
5 estruturas de controle5 estruturas de controle
5 estruturas de controle
 
3.2 introdução a linguagem java
3.2 introdução a linguagem java3.2 introdução a linguagem java
3.2 introdução a linguagem java
 
3.1 introdução a linguagem java
3.1 introdução a linguagem java3.1 introdução a linguagem java
3.1 introdução a linguagem java
 
2.1 introdução a oo
2.1 introdução a oo2.1 introdução a oo
2.1 introdução a oo
 
1. apresentação
1. apresentação1. apresentação
1. apresentação
 
String
StringString
String
 
Showinputdialog
ShowinputdialogShowinputdialog
Showinputdialog
 
Math
MathMath
Math
 
Joptionpane
JoptionpaneJoptionpane
Joptionpane
 
Classe integer-float-byte-short-long-double
Classe integer-float-byte-short-long-doubleClasse integer-float-byte-short-long-double
Classe integer-float-byte-short-long-double
 
Negociação
NegociaçãoNegociação
Negociação
 
Trabalho de empreendedorismo
Trabalho de empreendedorismoTrabalho de empreendedorismo
Trabalho de empreendedorismo
 
Seminário de empreendedorismo
Seminário de empreendedorismoSeminário de empreendedorismo
Seminário de empreendedorismo
 
7. ecologia
7. ecologia7. ecologia
7. ecologia
 
5. as regras de ouro do bilionário carlos slim
5. as regras de ouro do bilionário carlos slim5. as regras de ouro do bilionário carlos slim
5. as regras de ouro do bilionário carlos slim
 
8. marca cria cerveja e refrigerante solúvel para praticantes de esportes ao ...
8. marca cria cerveja e refrigerante solúvel para praticantes de esportes ao ...8. marca cria cerveja e refrigerante solúvel para praticantes de esportes ao ...
8. marca cria cerveja e refrigerante solúvel para praticantes de esportes ao ...
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Interrupções e interconexões
Interrupções e interconexõesInterrupções e interconexões
Interrupções e interconexões
 
Hierarquia de memória
Hierarquia de memóriaHierarquia de memória
Hierarquia de memória
 

6. conjuntura

  • 1. Brasil S/A 30 de Maio de 2012 , por Cléia Schmitz País possui um dos índices mais altos do mundo em empreendedorismo, e esse número vem evoluindo em qualidade e quantidade o à instabilidade econômica Um em cada seis brasileiros em idade produtiva é empreendedor, um dos mais altos índices do mundo. E esse número vem evoluindo. Em 2010, 17,5% da população com idade entre 18 e 64 anos – 21,1 milhões de brasileiros – exerceram alguma atividade empreendedora em negócios com até três anos e meio de vida. Em 2000, a taxa era de 13,5%. Mas o que torna o País um terreno tão fértil para os novos negócios? Somos mesmo mais criativos e ousados? Mais ou menos. Que o empreendedorismo aumentou no Brasil pode-se atestar pelos dados citados acima, da 11ª edição da Pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM 2010). O índice de 17,5% coloca o Brasil como o país com a maior Taxa de Empreendedores em Estágio Inicial (TEA) do G20, grupo que integra as maiores economias do mundo, e do chamado Bric, formado por Brasil, Rússia, Índia e China. A TEA da China ficou em 14,4% e a da Argentina em 14,2%. Entre os países desenvolvidos, Austrália e Estados Unidos apresentaram TEA de 7,8% e 7,6%, respectivamente. A média do Brasil desde a primeira participação do País na pesquisa, no ano 2000, é de 13,3%. A GEM 2010 mostra que a evolução da TEA é resultado do maior número de empreendedores de negócios novos, ou seja, a opção pelo empreendedorismo vem crescendo entre os brasileiros. E não é só isso. A mesma pesquisa indica um crescimento qualitativo. O número de empreendedores que montam um negócio por enxergar uma oportunidade de mercado já é o dobro daqueles que decidem empreender por mera necessidade, ou seja, por não encontrar outra opção profissional. Essa é uma condição ímpar para a sobrevivência dos empreendimentos. Na GEM 2002, a relação era de um empreendedor por necessidade para 0,7 empreendedor por oportunidade. “É claro que empresas abertas por necessidades podem virar grandes negócios. Mas, em geral, os empreendedores por oportunidade tendem a ser mais bem-sucedidos porque eles perceberam algo que o mercado está precisando e, por isso, estão mais direcionados”, explica Romeu Friedlaender, economista do Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP), que realiza a GEM no Brasil em parceria com o Sebrae. Segundo Friedlaender, entre os empreendedores por necessidade é muito comum encontrar pessoas que abrem um negócio apenas para gerar renda enquanto não conseguem um emprego. Por isso, esses empreendimentos tendem a ser menos duradouros, elevando a taxa de mortalidade das micro e pequenas empresas. “É aquela pessoa que começa a costurar para fora ou fazer salgadinhos para festa, mas continua atrás de um emprego. Quando consegue, desiste do negócio.” Para especialistas no assunto, a GEM 2010 mostra como uma economia forte, aliada a políticas públicas de apoio ao empreendedorismo, pode estimular a abertura de novos e melhores negócios. “O ambiente econômico atual do Brasil favorece o surgimento de novas oportunidades aos micro e pequenos empresários”, afirma Luiz Barretto, presidente do Sebrae. “Há mais pessoas consumindo e, consequentemente, mais gente querendo oferecer produtos a elas”, resume o economista do IBQP.
  • 2. Conjuntura Juliano Seabra, diretor de Educação, Pesquisa e Cultura da Endeavor, afirma que não há dúvidas de que as condições de mercado são determinantes ao empreendedorismo. “Esse cenário ajuda as pessoas que têm vontade de montar um negócio. Elas se sentem mais confortáveis para tentar empreender não só porque o ambiente é propício, mas porque sabem que se fracassarem podem voltar mais facilmente ao mercado de trabalho”, analisa o executivo. A estabilidade da moeda, com a criação do Real, em meados de 1994, foi o primeiro passo para a criação de um ambiente favorável. Era o fim da era da hiperinflação. “Só então conseguimos nos livrar do estresse do imediatismo. Antes disso, o empreendedor só conseguia se preocupar com o dia seguinte”, afirma Ary Plonski, presidente da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), que reúne 400 incubadoras e 6,3 mil empreendimentos inovadores. Quem começou naquela época lembra bem das dificuldades. “Vivíamos em um cenário de inflação, não era fácil fazer um planejamento anual da empresa”, conta Eduardo Nader, presidente do Mercado Eletrônico. Especializada em soluções de e-commerce, a empresa foi criada em 1994, uma época em que a infraestrutura na área de telefonia era muito precária e a internet sequer era comercial no Brasil. “Muitos consideravam utópico, mas achávamos que o comércio entre empresas seria realizado em ambiente eletrônico e fomos em frente.” Para Nader, apesar de alguns entraves como a burocracia e a carga elevada de impostos persistirem, está mais fácil empreender. Ele destaca o fomento à inovação com a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e incentivos como a Lei do Bem. “De qualquer forma também usamos as crises econômicas e a adversidade ao nosso favor, procurando oferecer soluções que dessem ganho de produtividade e ferramentas de inteligência aos nossos clientes”, observa Nader. Oferecer soluções inovadoras também foi o trunfo da Bematech, outra empresa criada em meio à instabilidade econômica, em 1991. “Éramos jovens, tínhamos muitas ideias e ímpeto para executá- las, mas faltavam recursos e estrutura”, conta Wolney Betiol, um dos fundadores. Hoje, com duas décadas de história, a empresa é líder no segmento de tecnologia para o comércio e está presente em mais de 400 mil pontos de venda com soluções de automação.
  • 3. Berço esplêndido Para Betiol, o apoio da Incubadora Tecnológica de Curitiba foi fundamental naquela ocasião. Com acesso à infraestrutura foi possível focar no desenvolvimento do projeto. “À medida que avançávamos e já tínhamos um produto para comercializar, causava boa impressão aos potenciais clientes, em alguns casos grandes empresas estabelecidas no mercado, serem recebidos naquele espaço que não tínhamos condições de prover naquele período de empresa nascente”, observa. O exemplo da Bematech mostra a importância do papel das incubadoras vinculadas a universidades e instituições de ensino na evolução do empreendedorismo brasileiro. Para o professor Ary Plonski, elas trouxeram um novo espaço de aprendizado, além da sala de aula e dos laboratórios. “Um espaço
  • 4. para transformar o conhecimento em produto, negócio”, explica. E o que é melhor, negócios inovadores, que tendem a ser mais duradouros e causam maior impacto na economia. A inovação é o grande gargalo do empreendedorismo brasileiro. Para Juliano Seabra, o que falta é educação empreendedora. “Quando o assunto é preparar para empreender, ainda estamos engatinhando”, afirma. Seabra destaca informações da GEM 2010 que mostram que, enquanto no Chile 40% dos adultos tiveram treinamento para montar seus negócios, no Brasil esse índice foi apenas de 9% e, destes, apenas 3% receberam orientação nas universidades. Na maioria das histórias de empreendedorismo brasileiro, a vontade de ter o próprio negócio acabou superando muitas dificuldades. É o caso de Lito Rodriguez, presidente e fundador da Dry Wash, rede de franquias do segmento de limpeza e conservação de veículos. “Empreender é minha grande paixão. Em 1994, montei um lava-rápido ao enxergar a oportunidade de fazer mais com menos, num segmento que carecia de profissionalismo e uma marca de referência”, conta Rodriguez. Inovação Fazer diferente era a aposta do empresário. Quando surgiu, a marca ainda utilizava água em suas lavagens, embora em menor quantidade do que os concorrentes. Dois anos depois, o próprio Rodriguez desenvolveu e patenteou um produto para eliminar de vez a água. “Pesquisamos muito para chegar a um produto revolucionário. Quando encontramos, achávamos que precisava de alguns ajustes, por isso montamos uma indústria química para atender à demanda interna.” Rodriguez começou a empreender numa época em que o termo empreendedorismo sequer estava no dicionário. Hoje alimenta um mercado editorial que só na última Bienal Internacional do Livro de São Paulo, realizada em agosto de 2010, apresentou 115 lançamentos e reedições. “O empreendedor tem mais informação disponível para dar subsídio à tomada de decisões. No passado, tudo isso era mais restritivo”, afirma José Dornelas, autor de vários livros sobre o tema. O caminho foi longo até aqui. O primeiro trato distinto para a pequena empresa no Brasil é de 1984, a criação do Estatuto da Micro e Pequena Empresa (MPE), instrumento que dava isenção de imposto de renda nos primeiros anos de vida do empreendimento. Em 1988, a Constituição garantiu tratamento diferenciado, simplificado e favorecido aos pequenos negócios, mas o dispositivo só foi regulamentado em 1999. Antes disso, em 1996, a União havia editado o Simples Federal, estimulando estados a dar tratamento diferenciado às MPEs na tributação do ICMS. O problema é que o sistema era desencontrado, situação que só foi contornada em 2003, com a aprovação de uma emenda constitucional que definiu um regime tributário diferenciado para as MPEs. Foi ela quem deu as condições jurídicas para a construção do atual Simples Nacional, lançado em julho de 2007. Chamado de Supersimples, o novo regime integrou oito diferentes impostos estaduais, federais e municipais em um só tributo. Na época, 1,3 milhão de empreendedores migraram automaticamente para o sistema. Hoje já são mais de 5 milhões de empresas participantes. Em quatro anos, o Simples ampliou em 365% a arrecadação de ISS (tributo municipal) e em 253% o recolhimento de ICMS (imposto estadual). “A arrecadação das empresas do Simples só faz crescer. Em 2008, foram R$ 24 bilhões; em 2009, R$ 26 bilhões; e, em 2010, R$ 35 bilhões”, destaca o gerente da Unidade de Políticas Públicas do Sebrae, Bruno Quick. Ele cita também o tratamento diferenciado às MPEs nas compras
  • 5. governamentais, que elevou o patamar de compras do governo federal com pequenas empresas de R$ 2,6 bilhões anuais, em 2006, para R$ 15,9 bilhões, em 2010. Em percentual, o índice dobrou – de 17% para 34%. Outro mecanismo que deu impulso a novos negócios foi o Empreendedor Individual. O programa foi lançado em julho de 2009 com a proposta de formalizar a atividade de milhares de pessoas que trabalham por conta própria e faturam no máximo R$ 36 mil ao ano. Legalizados, eles passam a ter registro no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), favorecendo a abertura de contas bancárias, a liberação de empréstimos e a emissão de notas fiscais. Em março de 2010, antes mesmo de completar dois anos de vida, o programa ultrapassou a marca de 1 milhão de adesões. Hoje já são 2,5 milhões de Empreendedores Individuais. O fotógrafo Gabriel Heusi, 29 anos, é um deles. Ele afirma que não contou tempo quando soube do programa e aderiu logo na primeira semana após o lançamento. Gabriel já sentia na pele as dificuldades de não estar formalizado. “Era difícil conseguir novos clientes. Hoje posso dizer que saí do escuro.” Com CNPJ na mão, o fotógrafo começou a fechar vários contratos de trabalho e passou até mesmo a participar de licitações. Atualmente ele atende mais de dez clientes fixos, inclusive fora de Florianópolis, sede do estúdio. Gabriel conta que está se preparando para migrar para outro patamar, o de microempresa. “Estamos na metade do ano e já cheguei a 80% do teto de faturamento do empreendedor individual, que é de R$ 36 mil”, explica o empreendedor. Para Bruno Quick, ainda há muito a ser feito pelos pequenos negócios e, consequentemente, pela maioria dos empreendedores brasileiros. “A pequena empresa caminha para empregar na economia formal seis em cada dez trabalhadores; entretanto, sua participação no PIB ainda é de apenas 20%. Por isso, ter políticas públicas para que elas sobrevivam, prosperem e se desenvolvam é fundamental para ter quantidade e qualidade de postos de trabalho.”