São Francisco De Assis Apresentação

6.032 visualizações

Publicada em

Apresentação de slides na Entrega de certificados aos integrantes da sala digital Caia na Rede da Paróquia São José no Bairro Fragata,Pelotas RS (Dez/2009).

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.032
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
52
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

São Francisco De Assis Apresentação

  1. 1. Ruinas do Convento São Boaventura
  2. 2. <ul><li>São Boaventura O.F.M. (1221-1274), foi um filósofo e teólogo escolástico medieval nascido do século XIII . Pertenceu à Ordem dos Frades Menores e foi cardeal de Albano . Boaventura foi ainda canonizado em 1482 e declarado Doutor da Igreja em 1588 com o título de Doutor Seráfico </li></ul><ul><li>Boaventura nasceu na Itália , em 1221 , com o nome de Giovanni Fidanza. Como ele mesmo afirma em seus escritos, foi curado de uma grave doença quando criança através de uma oração feita a Francisco de Assis , falecido quando Boaventura tinha nove anos de idade. Ao contrário do que dizem certas lendas, considera-se improvável que ele e São Francisco tenham se encontrado pessoalmente. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Viajou à França e entrou na Universidade de Paris ( Sorbona ) em 1235, estudando as artes liberais sob a direção de Alexandre de Harles - seu grande mentor em Paris - e João de la Rochelle . Em 1243 ou 1244 entrou na Ordem Franciscana, e a partir de 1248 foi professor na escola franciscana de Paris, comentando a Bíblia e os quatro livros das Sentenças de Pedro Lombardo . Em 1257 foi eleito ministro-geral dos franciscanos. Nos seus 17 anos no cargo, Boaventura adotou uma posição moderada entre aqueles que queriam um apego estrito à simplicidade pregada por São Francisco e os que queriam a modernização da ordem. </li></ul><ul><li>Em 1273, foi nomeado Cardeal de Albano pelo Papa Gregório X , participando ativamente nas preparações para o Segundo Concílio de Lyon (1274). Boaventura faleceu durante o concílio , sendo enterrado na Igreja Franciscana de Lyon em uma grande cerimônia. Duzentos anos depois foi canonizado pelo Papa Sixto IV em 14 de abril de 1482 e, posteriormente, declarado Doutor da Igreja pelo Papa Sixto V em 1588 com o título de Doutor Seráfico . </li></ul>
  4. 4. <ul><li>São Francisco de Assis: Protetor dos animais O &quot;pobrezinho de Assis&quot;, como Francisco era chamado, foi uma criatura de paz e de bem, terno e amoroso. Amava os animais, as plantas e toda a natureza. Poeta, cantava o Sol, a Lua e as Estrelas. Sua alegria, sua simplicidade, sua ternura lhe granjearam estima e simpatia tais que fizeram dele um dos santos mais populares dos nossos dias. Ficou conhecido como o protetor dos animais e, em 1979, foi proclamado pelo Papa João Paulo II como o &quot;Santo Patrono dos Ecologistas&quot;. São Francisco de Assis - O Padroeiro do Presépio O dia 24 de dezembro de 1223 é uma data fundamental. Dezesseis anos depois de Inocente III ter proibido a realização de dramas litúrgicos nas Igrejas, Francisco de Assis partiu para Greccio com o seu companheiro inseparável, o frei Leão, para conquistar o povo dessa região inóspita. Lá permaneceu por amor evangélico. E pediu a Honório III uma dispensa da proibição. Descobriu uma gruta nos bosques montanhosos, a poucos metros da sua cabana espartana, que lhe pareceu o lugar ideal para fazer reviver a Belém do Redentor. Foi nisto ajudado por Giovanni Vellita, o magnânimo senhor da região, que lhe forneceu a manjedoura, o feno e os animais. Na noite de Natal o som dos sinos convocou todos os habitantes de Greccio à gruta. Vieram a pé, montados em burros ou cavalos, tão ignorantes do que iriam ver como os primitivos pastores. Na gruta, entre os animais, o cardeal Ugolino, Conde de Segni, celebrou a missa perante a multidão silenciosa que ali se reunira. Francisco falou então aos fiéis. </li></ul>
  5. 5. Dois anos mais tarde Francisco de Assis morreu e durante esses anos o episódio não se repetiu. Embora possa ser exagerado considerar a noite de Greccio - mística e única - como a primeira noite do presépio, é certamente legítimo considerá-la como o início do fenômeno extraordinário da difusão do culto da Natividade, um culto expresso por meio de representações. Os frades franciscanos imitaram o seu fundador nas igrejas e conventos abertos por toda a Europa. Eles foram os verdadeiros pioneiros do Presépio - antes dos dominicanos e dos jesuítas. Desde 1986, São Francisco de Assis é considerado o patrono universal do presépio. Nunca uma escolha foi mais unânime.
  6. 6.   SÃO FRANCISCO DE ASSIS <ul><li>Cântico das Criaturas por São Francisco de Assis  Louvado seja Deus na natureza, Mãe gloriosa e bela da Beleza, E com todas as suas criaturas; Pelo irmão Sol, o mais bondoso E glorioso irmão pelas alturas, O verdadeiro, o belo, que ilumina Criando a pura glória - a luz do dia! Louvado seja pelas irmãs Estrelas, Pela irmã Lua que derrama o luar, Belas, claras irmãs silenciosas E luminosas, suspensas no ar. Louvado seja pela irmã Nuvem que há-de Dar-nos a fina chuva que consola; Pelo Céu azul e pela Tempestade; Pelo irmão Vento, que rebrama e rola. Louvado seja pela preciosa, Bondosa água, irmã útil e bela, Que brota humilde. É casta e se oferece A todo o que apetece o gosto dela. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>  Louvado seja pela maravilha Que rebrilha no Lume, o irmão ardente, Tão forte, que amanhece a noite escura, E tão amável, que alumia a gente. Louvado seja pelos seus amores, Pela irmã madre Terra e seus primores, Que nos ampara e oferta seus produtos, Árvores, frutos, ervas, pão e flores. Louvado seja pelos que passaram Os tormentos do mundo dolorosos, E, contentes, sorrindo, perdoaram; Pela alegria dos que trabalham, Pela morte serena dos bondosos. Louvado seja Deus na mãe querida, A natureza que fez bela e forte: Louvado seja pela irmã Vida Louvado seja pela irmã Morte. Amém </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Associação Literária São Boaventura é uma entidade filantrópica e de assistência social.Tem a missão de promover a vida e a paz. Busca resgatar a dignidade humana e valores propostos por São Francisco de Assis.Desenvolve através de projetos sociais e de educação, ações de forma permanente,planejada e contínua, de proteção básica às famílias,crianças adolescentes, jovens, pessoas idosas e soro positivos. Os projetos e obras sociais compreendem duas modalidades: os mantidos pela entidade e através de parcerias e convênios com organizações de assistência social. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>A Associação Literária São Boaventura e stá localizada em Caxias do Sul no Rio Gande do Sul onde está a </li></ul><ul><li>Província dos Freis Capuchinhos. </li></ul><ul><li>A Presença Franciscana em Pelotas é desde 1942 e a Fraternidade São José no Fragata está instituida desde 07/07/55 </li></ul><ul><li>Nossa Sala Digital é resultante de um convênio com a Paróquia São José e a Associação Literária São Boaventura e começou a funcionar </li></ul><ul><li>No dia 1º de abril de 2008 </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Conta ainda com parceiros que viabilizam Orientação pedagógica, assistência técnica e aparelhamentos, entre eles temos: </li></ul><ul><li>CDI – Comite para democratização da informática. </li></ul><ul><li>Coelhos automação. Assistência Técnica e doação de 7 computadores. </li></ul><ul><li>Padaria Estrela - doação de 4 computadores. </li></ul><ul><li>Os certificados estão hoje sendo entregues a 5ª turma do Projeto </li></ul>
  11. 11. <ul><li>As aulas São ministradas por André Gomes da Silva, educador ligado a Associação Literária São Boaventura e a participação das voluntárias: Noeli Noguês Carré, Zelina Vaz de Quevedo e Luciane Matias. </li></ul><ul><li>A coordenação do projeto está com o frei Natalino Fioroti </li></ul>
  12. 12. <ul><li> Oração a São Francisco de Assis </li></ul><ul><li>Senhor, fazei de mim um instrumento de vossa paz. Onde houver ódio, que eu leve o amor. Onde houver ofensa, que eu leve o perdão. Onde houver discórdia, que eu leve a união. Onde houver dúvida que eu leve a fé. Onde houver erro, que eu leve a verdade. Onde houver desespero, que eu leve a Esperança. Onde houver tristeza, que eu leve a alegria. Onde houver trevas, que eu leve a luz. Ó, Mestre, fazei que eu procure mais consolar que ser consolado; compreender que ser compreendido; amar que ser amado... Pois é dando que se recebe, é perdoando que se é perdoado e é morrendo que se vive para a vida eterna. Amém </li></ul>

×