SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
Portugal no Contexto Europeu
dos Séculos XII a XIV
Relatório de Pesquisa sobre a
Biografia de São Francisco de Assis
(1182 – 1226)
5
Introdução
Este relatório tem por objetivo a descrição da biografia de São Francisco de
Assis.
Giovanni di Pietro di Bernardone, mais conhecido como São Francisco de
Assis, foi um monge católico da Itália. Após ter sido frenético na infância, começou
a dedicar-se à vida religiosa, fundando a Ordem Mendicante (ordem religiosa cujos
membros faziam votos de pobreza e viviam de esmolas, pregando nas cidades) dos
Frades Menores ou dos Franciscanos, que inovaram o Catolicismo do seu tempo.
Com a sua crença de que o Evangelho devia ser seguido “à risca”, imitando-se a
vida de Cristo, São Francisco desenvolveu uma identificação com os problemas dos
seus semelhantes e com a humanidade de Cristo. Teve ainda uma atitude original
quando afirmou a bondade e a maravilha da Criação numa época em que o mundo
era avaliado como particularmente mau, quando se dedicou aos mais pobres e
quando amou todas as criaturas, chamando-as de irmãos.
Dante Alighieri, poeta italiano, referiu que ele foi uma "luz que brilhou sobre
o mundo" e, para muitos, foi a maior figura do Cristianismo depois de Jesus. Foi
canonizado pela Igreja Católica (Papa Gregório IX) dois anos após ter falecido,
em 1228. Pela sua estima e consideração à natureza é célebre por ser
o santo patrono dos animais e do meio ambiente.
Fig. 1 – São Francisco e episódios da sua vida
Biografia
Fig. 2 – São Francisco e Leproso
Adolescência e conversão
Era filho de Pietro di Bernadone dei Moriconi (comerciante italiano) e de Pica Bourlemont
(cuja família tinha raízes francesas). Os pais de Francisco faziam parte da burguesia da cidade
de Assis e, graças a negócios bem sucedidos, conquistaram riqueza e bem-estar. A origem do
seu nome “Francesco” (Francisco) é incerta.
O menino cresceu e tornou-se um jovem popular entre os seus amigos, pela sua indisciplina
e excentricidades, por ser temerário; todavia demonstrava um carácter bondoso.
Certo dia, teve um sonho ou uma visão, onde ouviu uma voz a proclamar: Quem te pode ser
de mais proveito? O senhor ou o servo?. Ouviu novamente a voz: Então por que deixas o senhor
pelo servo e o príncipe pelo vassalo?. Confundido, Francisco disse: Que queres que eu faça?; a
voz replicou: Volta para tua terra, e te será dito o que haverás de fazer. Pois deves entender de
outro modo a visão que tiveste.
Em Assis, foi tocado pela presença divina e, desde aí, começou a evidenciar-se pela
preocupação pelos mais necessitados. Designado como "rei da juventude", em vez de preparar-
se para a entrada numa vida de casado, como seria o costume, retirou-se, para uma caverna a
fim de meditar, acompanhado por apenas um amigo fiel, a quem revelou as suas preocupações
e o seu desejo de obter o tesouro da sabedoria e de “casar” com a vida religiosa.
Um dia, ouviu o som do sino que os leprosos deviam usar para indicar a sua aproximação;
logo se viu à sua frente um homem doente. Fazia frio e o leproso tinha apenas trapos sobre o
corpo. Francisco sempre sentiu repugnância dos leprosos, mas, nesse momento, desceu do seu
cavalo e cobriu-o com o seu próprio manto. Espantado consigo mesmo, olhou nos olhos do
outro e viu a sua gratidão. Enquanto ele mesmo chorava, beijou aquele rosto deformado pela
doença. Estava cada vez mais interessado em ajudar os pobres.
Diz a tradição que, na igreja de São Damião, ele ouviu pela primeira vez a voz de Cristo, que
lhe falou de um crucifixo. A voz chamou a sua atenção e incitou para que Francisco
reconstruísse esta igreja. Assim doou o dinheiro ao padre para que ele a restaurasse. Então,
depois de um conflito com o pai e a população, Francisco despiu todas as suas belas roupas e
colocou-as aos pés do pai, rejeitou a sua herança, pediu a bênção do bispo e partiu,
completamente nu, para iniciar uma vida de pobreza junto do povo, da qual nunca mais
retornou. O bispo viu nesse gesto um sinal divino e tornou-se seu protetor para o resto da sua
vida.
5
Fundação da Ordem
Francisco iniciou a sua nova vida como pedreiro, ajudando a reconstruir
diversas igrejas nas redondezas de Assis - a de São Damião, a de São Pedro e a
da Porciúncula, que era a que ele mais amava.
De venerador passou a ser missionário e começou a pregação da palavra divina.
Tendo reunido mais um grupo de seguidores, dirigiu-se para Roma para obter do
papa a autorização da primeira Regra para a fundação da sua Ordem, a
chamada Regra primitiva, que estabelecia uma pobreza absoluta para os monges e
para a Ordem.
Com a recomendação favorável de alguns conselheiros e com o aviso recebido
num sonho, o Papa, finalmente, autorizou a Regra, permitindo que pregassem e
dessem socorro moral às pessoas.
Chegando a Assis, instalaram-se numa cabana no campo, onde se dedicaram ao
cuidado dos leprosos, ao trabalho manual e à pregação, vivendo de esmolas. Numa
certa altura a sua pregação já tinha alcançado toda a região, mas não eram sempre
bem recebidos. Em 1212, a Ordem foi enriquecida com a primeira mulher, a
futura Santa Clara, fundadora do ramo feminino dos Frades Menores, as Clarissas,
que logo trouxe as suas irmãs, a quem foi dado o uso
da capela de São Damião.
Após tantas viagens e milagres São Francisco
passou para a Palestina, peregrinando pelos lugares
santos, onde recebeu a notícia de que a comunidade
em Assis, na sua longa ausência, estava em crise.
Fig. 3 - Ordenação de Santa Clara
Anos finais e morte
Os seus anos finais decorreram em tranquilidade interior. O seu amor e compaixão por
todas as criaturas fluíam e simultaneamente tentava compreender repetidas visões
e êxtases místicos; fazia outros milagres; continuava a pregar…
Nas situações contemplativas eram-lhe reveladas por Deus não somente coisas do presente, mas também
do futuro, assim como lhe fazia conhecer as dúvidas, os secretos desejos e os pensamentos dos irmãos.
Durante uma dessas meditações, no dia da festa da Exaltação da Cruz, Francisco viu uma
figura semelhante a um serafim (anjo de seis asas) pregado numa cruz. À medida que
continuava na contemplação, brotava em si uma imensa felicidade mas era sombreada de
tristeza. Sentiu uma abertura no seu corpo como as feridas do próprio Cristo crucificado. Foi,
dessa forma, o primeiro cristão a ser estigmatizado. Enquanto isso lhe trazia alegria, sendo um
sinal do favor divino, foi-lhe motivo de muito embaraço e sofrimento físico. Sempre tentou
ocultar as cicatrizes com faixas e o seu hábito. Por vezes os seus irmãos causavam-lhe muita
dor, dificultando os seus movimentos e levando às feridas sangrarem frequentemente. Também
padeceu de outras moléstias, ficou quase cego e as suas dores de cabeça eram terríveis,
passando algum tempo sob os cuidados de Clara.
Sentindo a morte próxima, solicitou a uma amiga romana que trouxesse tudo o que fosse
imprescindível para o seu sepultamento e também alguma comida bem preparada, que ele havia
provado na sua residência, em Roma, e que deveria aliviar o seu sofrimento. Despediu-se de
Clara e das irmãs em São Damião e voltou à Porciúncula; deu instruções para ser sepultado nu
e, no pôr do sol de 3 de outubro de 1226, após ter lido algumas passagens do Evangelho, faleceu
rodeado dos seus companheiros, nobres amigos e outras personalidades.
Foi enterrado no dia seguinte na igreja de São Jorge. Posteriormente, o papa Gregório IX foi
pessoalmente a Assis para canonizá-lo, em 6 de julho de 1228. Em 1230, foi inaugurada
uma nova basílica em Assis, que recebeu o seu nome e hoje guarda as suas relíquias e abriga o
seu túmulo definitivo. A basílica foi decorada no fim do século XIII por Giotto di Bondone com
uma grande série de frescos que retratam a vida do
santo.
5
Fig. 4 – Estigmatização de São Francisco Fig. 5 – Fresco na Basílica de
São Francisco de Assis, Itália
Curiosidades
As fontes antigas dizem que, no momento em que São Francisco de Assis
faleceu, um bando de aves pousou no telhado da Igreja Porciúncula e cantou.
Numa outra ocasião, em Santa Maria da Porciúncula, ofereceram ao homem
de Deus uma ovelha, que ele recebeu muito agradecido por causa do amor, da
inocência e da simplicidade que a ovelha manifesta pela sua natureza.
O homem piedoso (São Francisco) “recomendava” à ovelha para se dedicar
ao louvor divino e tomasse cuidado para não causar transtorno aos frades. Ouvindo
os frades cantarem no coro, ela também entrava na igreja e, sem que ninguém
tivesse ensinado, dobrava os joelhos soltando os seus balidos diante do altar da
Virgem Mãe do Cordeiro, como se estivesse a saudá-la.
Quando era elevado o sagrado Corpo de Cristo durante a celebração
da missa, curvava os joelhos, como se o animal devoto chamasse a atenção
daqueles que não crêem pela sua desconsideração e como convidasse os crentes a
honrarem o Sacramento.
Conclusão
Com a elaboração deste relatório de pesquisa, posso concluir que São
Francisco de Assis mostrou um contributo fundamental nesta época, nos séculos XII
e XIII, vivendo de esmolas, pregando e prestando assistência aos mais
necessitados, sobretudo pobres e doentes. Colaborou ainda na formação de uma
ordem religiosa, a Ordem dos Franciscanos, reflexo de uma renovação do
Cristianismo.
Bibliografia
http://www.cantodapaz.com.br/blog/2009/04/21/cordeiro-discipulo-
francisco/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Francisco_de_Assis
http://tetraktys.wikispaces.com/São+Francisco+de+Assis

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

16827735 Espiritismo Infantil Historia 23
16827735 Espiritismo Infantil Historia 2316827735 Espiritismo Infantil Historia 23
16827735 Espiritismo Infantil Historia 23Ana Cristina Freitas
 
Novena à santa clara
Novena à santa claraNovena à santa clara
Novena à santa claraSMS Maceió
 
São francisco de assis, 1
São francisco de assis, 1São francisco de assis, 1
São francisco de assis, 1Martin M Flynn
 
Cadernos 23_4ec3ac277fe24
 Cadernos 23_4ec3ac277fe24 Cadernos 23_4ec3ac277fe24
Cadernos 23_4ec3ac277fe24Ifense Santarém
 
Santo antonio de padua
Santo antonio de paduaSanto antonio de padua
Santo antonio de paduaMartin M Flynn
 
Irmão sol especial
Irmão sol especialIrmão sol especial
Irmão sol especialMauro Moraes
 
Dolce sentire
Dolce sentireDolce sentire
Dolce sentireann kairu
 
Aníbal pereira dos reis a senhora aparecida - a verdadeira historia
Aníbal pereira dos reis   a senhora aparecida - a verdadeira historiaAníbal pereira dos reis   a senhora aparecida - a verdadeira historia
Aníbal pereira dos reis a senhora aparecida - a verdadeira historiaDeusdete Soares
 
Aníbal pereira dos reis e as doutrinas da graça
Aníbal pereira dos reis e as doutrinas da graçaAníbal pereira dos reis e as doutrinas da graça
Aníbal pereira dos reis e as doutrinas da graçaleniogravacoes
 
Lição 13 o cultivo das relações interpessoais
Lição 13 o cultivo das relações interpessoaisLição 13 o cultivo das relações interpessoais
Lição 13 o cultivo das relações interpessoaisRODRIGO FERREIRA
 
Palestra - O Suave Perfume de Jesus
Palestra - O Suave Perfume de JesusPalestra - O Suave Perfume de Jesus
Palestra - O Suave Perfume de JesusMensageiros De Luz
 
Espiritualidade das irmãs franciscanas de Nossa Senhora Aparecida
Espiritualidade das irmãs franciscanas de Nossa Senhora AparecidaEspiritualidade das irmãs franciscanas de Nossa Senhora Aparecida
Espiritualidade das irmãs franciscanas de Nossa Senhora AparecidaMarcelo Monti Bica
 
Jornal nº 01
Jornal nº 01Jornal nº 01
Jornal nº 01pazcomsg
 

Mais procurados (19)

16827735 Espiritismo Infantil Historia 23
16827735 Espiritismo Infantil Historia 2316827735 Espiritismo Infantil Historia 23
16827735 Espiritismo Infantil Historia 23
 
Agostoo
AgostooAgostoo
Agostoo
 
Novena à santa clara
Novena à santa claraNovena à santa clara
Novena à santa clara
 
São francisco de assis, 1
São francisco de assis, 1São francisco de assis, 1
São francisco de assis, 1
 
Cadernos 23_4ec3ac277fe24
 Cadernos 23_4ec3ac277fe24 Cadernos 23_4ec3ac277fe24
Cadernos 23_4ec3ac277fe24
 
Santo António
Santo AntónioSanto António
Santo António
 
Santo antonio de padua
Santo antonio de paduaSanto antonio de padua
Santo antonio de padua
 
Irmão sol especial
Irmão sol especialIrmão sol especial
Irmão sol especial
 
Franciscodeassis
FranciscodeassisFranciscodeassis
Franciscodeassis
 
Dolce sentire
Dolce sentireDolce sentire
Dolce sentire
 
Dolce sentire
Dolce sentireDolce sentire
Dolce sentire
 
Aníbal pereira dos reis a senhora aparecida - a verdadeira historia
Aníbal pereira dos reis   a senhora aparecida - a verdadeira historiaAníbal pereira dos reis   a senhora aparecida - a verdadeira historia
Aníbal pereira dos reis a senhora aparecida - a verdadeira historia
 
São teresa de avila
São teresa de avilaSão teresa de avila
São teresa de avila
 
Aníbal pereira dos reis e as doutrinas da graça
Aníbal pereira dos reis e as doutrinas da graçaAníbal pereira dos reis e as doutrinas da graça
Aníbal pereira dos reis e as doutrinas da graça
 
Lição 13 o cultivo das relações interpessoais
Lição 13 o cultivo das relações interpessoaisLição 13 o cultivo das relações interpessoais
Lição 13 o cultivo das relações interpessoais
 
Palestra - O Suave Perfume de Jesus
Palestra - O Suave Perfume de JesusPalestra - O Suave Perfume de Jesus
Palestra - O Suave Perfume de Jesus
 
11 11-2012
11 11-201211 11-2012
11 11-2012
 
Espiritualidade das irmãs franciscanas de Nossa Senhora Aparecida
Espiritualidade das irmãs franciscanas de Nossa Senhora AparecidaEspiritualidade das irmãs franciscanas de Nossa Senhora Aparecida
Espiritualidade das irmãs franciscanas de Nossa Senhora Aparecida
 
Jornal nº 01
Jornal nº 01Jornal nº 01
Jornal nº 01
 

Destaque (12)

Francisco de Assis
Francisco de AssisFrancisco de Assis
Francisco de Assis
 
Valores: São Francisco e o lobo de Gúbio
Valores:  São Francisco e o lobo de GúbioValores:  São Francisco e o lobo de Gúbio
Valores: São Francisco e o lobo de Gúbio
 
O Mundo de Francisco de Assis
O Mundo de Francisco de AssisO Mundo de Francisco de Assis
O Mundo de Francisco de Assis
 
Presentacion orden franciscana seglar
Presentacion orden franciscana seglarPresentacion orden franciscana seglar
Presentacion orden franciscana seglar
 
Desapego - Liberdade para Evoluir
Desapego - Liberdade para EvoluirDesapego - Liberdade para Evoluir
Desapego - Liberdade para Evoluir
 
Franciscanos
FranciscanosFranciscanos
Franciscanos
 
A paz
A pazA paz
A paz
 
Construindo paz
Construindo  pazConstruindo  paz
Construindo paz
 
A Arte De Viver Em Paz.Ppt I
A Arte De Viver Em Paz.Ppt IA Arte De Viver Em Paz.Ppt I
A Arte De Viver Em Paz.Ppt I
 
VOCÊ E A PAZ
VOCÊ E A PAZVOCÊ E A PAZ
VOCÊ E A PAZ
 
Projeto A paz que eu quero ter
Projeto A paz que eu quero terProjeto A paz que eu quero ter
Projeto A paz que eu quero ter
 
Semeando cultura de paz nas escolas
Semeando cultura de paz nas escolasSemeando cultura de paz nas escolas
Semeando cultura de paz nas escolas
 

Semelhante a S.francisco de assis

edoc.pub_santa-clara-de-asis.pdf
edoc.pub_santa-clara-de-asis.pdfedoc.pub_santa-clara-de-asis.pdf
edoc.pub_santa-clara-de-asis.pdfssuserc1f56a
 
S Francisco de Asis parte 2 (Portugues).pptx
S Francisco de Asis parte 2 (Portugues).pptxS Francisco de Asis parte 2 (Portugues).pptx
S Francisco de Asis parte 2 (Portugues).pptxMartin M Flynn
 
Nª SªFátima e os Pastorinhos( Breve História)
Nª SªFátima e os Pastorinhos( Breve História)Nª SªFátima e os Pastorinhos( Breve História)
Nª SªFátima e os Pastorinhos( Breve História)Emilia Pereira
 
Jornal nº 01
Jornal nº 01Jornal nº 01
Jornal nº 01pazcomsg
 
Dolce Sentire - São Francisco de Assis
Dolce Sentire - São Francisco de AssisDolce Sentire - São Francisco de Assis
Dolce Sentire - São Francisco de Assiscontatodoutrina2013
 
Visitação a Residências da Tradição Vicentina
Visitação a Residências da Tradição VicentinaVisitação a Residências da Tradição Vicentina
Visitação a Residências da Tradição Vicentinassvp-formation
 
Santa Catarina de Siena (Portuguese).pptx
Santa Catarina de Siena (Portuguese).pptxSanta Catarina de Siena (Portuguese).pptx
Santa Catarina de Siena (Portuguese).pptxMartin M Flynn
 
Frei cecilio maria cortinovis
Frei cecilio maria cortinovisFrei cecilio maria cortinovis
Frei cecilio maria cortinovisEmerson Rodrigues
 
Frei cecilio maria cortinovis
Frei cecilio maria cortinovisFrei cecilio maria cortinovis
Frei cecilio maria cortinovisEmerson Rodrigues
 
Ano 1 edição nº4 - agosto- 2012
Ano 1   edição nº4 - agosto- 2012 Ano 1   edição nº4 - agosto- 2012
Ano 1 edição nº4 - agosto- 2012 pascomsantoantonio
 
Santa Rita de Cássia (Portugués).pptx
Santa Rita de Cássia (Portugués).pptxSanta Rita de Cássia (Portugués).pptx
Santa Rita de Cássia (Portugués).pptxMartin M Flynn
 

Semelhante a S.francisco de assis (20)

edoc.pub_santa-clara-de-asis.pdf
edoc.pub_santa-clara-de-asis.pdfedoc.pub_santa-clara-de-asis.pdf
edoc.pub_santa-clara-de-asis.pdf
 
S Francisco de Asis parte 2 (Portugues).pptx
S Francisco de Asis parte 2 (Portugues).pptxS Francisco de Asis parte 2 (Portugues).pptx
S Francisco de Asis parte 2 (Portugues).pptx
 
Nª SªFátima e os Pastorinhos( Breve História)
Nª SªFátima e os Pastorinhos( Breve História)Nª SªFátima e os Pastorinhos( Breve História)
Nª SªFátima e os Pastorinhos( Breve História)
 
Jornal nº 01
Jornal nº 01Jornal nº 01
Jornal nº 01
 
Dolce Sentire - São Francisco de Assis
Dolce Sentire - São Francisco de AssisDolce Sentire - São Francisco de Assis
Dolce Sentire - São Francisco de Assis
 
Dolce sentire
Dolce sentireDolce sentire
Dolce sentire
 
Dolce sentire
Dolce sentireDolce sentire
Dolce sentire
 
Francisco de Assis
Francisco de AssisFrancisco de Assis
Francisco de Assis
 
Santa clara
Santa claraSanta clara
Santa clara
 
Visitação a Residências da Tradição Vicentina
Visitação a Residências da Tradição VicentinaVisitação a Residências da Tradição Vicentina
Visitação a Residências da Tradição Vicentina
 
Jornal outubro 2014
Jornal outubro 2014Jornal outubro 2014
Jornal outubro 2014
 
Santa Catarina de Siena (Portuguese).pptx
Santa Catarina de Siena (Portuguese).pptxSanta Catarina de Siena (Portuguese).pptx
Santa Catarina de Siena (Portuguese).pptx
 
Frei cecilio maria cortinovis
Frei cecilio maria cortinovisFrei cecilio maria cortinovis
Frei cecilio maria cortinovis
 
Frei cecilio maria cortinovis
Frei cecilio maria cortinovisFrei cecilio maria cortinovis
Frei cecilio maria cortinovis
 
Beatos Carmelitas
Beatos Carmelitas Beatos Carmelitas
Beatos Carmelitas
 
Ano 1 edição nº4 - agosto- 2012
Ano 1   edição nº4 - agosto- 2012 Ano 1   edição nº4 - agosto- 2012
Ano 1 edição nº4 - agosto- 2012
 
Santos Carmelitas
Santos Carmelitas Santos Carmelitas
Santos Carmelitas
 
6º15a
6º15a6º15a
6º15a
 
Santa Rita de Cássia (Portugués).pptx
Santa Rita de Cássia (Portugués).pptxSanta Rita de Cássia (Portugués).pptx
Santa Rita de Cássia (Portugués).pptx
 
Contos católicos
Contos católicosContos católicos
Contos católicos
 

Mais de PAFB

O planeta cilíndrico
O planeta cilíndricoO planeta cilíndrico
O planeta cilíndricoPAFB
 
Marquês de pombal power-point
Marquês de pombal  power-pointMarquês de pombal  power-point
Marquês de pombal power-pointPAFB
 
Ficha de leitura 13
Ficha de leitura 13Ficha de leitura 13
Ficha de leitura 13PAFB
 
Ficha de leitura 12
Ficha de leitura 12Ficha de leitura 12
Ficha de leitura 12PAFB
 
Ficha de leitura 6
Ficha de leitura 6Ficha de leitura 6
Ficha de leitura 6PAFB
 
Ficha de leitura 1
Ficha de leitura 1Ficha de leitura 1
Ficha de leitura 1PAFB
 
Revolução dos cravos
Revolução dos cravosRevolução dos cravos
Revolução dos cravosPAFB
 
Valores humanos justiça
Valores humanos   justiçaValores humanos   justiça
Valores humanos justiçaPAFB
 
Valores humanos ética
Valores humanos   éticaValores humanos   ética
Valores humanos éticaPAFB
 
Valores humanos disciplina
Valores humanos   disciplinaValores humanos   disciplina
Valores humanos disciplinaPAFB
 
Valores humanos
Valores humanosValores humanos
Valores humanosPAFB
 
Valores humanos paz
Valores humanos   pazValores humanos   paz
Valores humanos pazPAFB
 
O peixe azul
O peixe azulO peixe azul
O peixe azulPAFB
 
Ficha de leitura 9
Ficha de leitura 9Ficha de leitura 9
Ficha de leitura 9PAFB
 
Ficha de leitura 8
Ficha de leitura 8Ficha de leitura 8
Ficha de leitura 8PAFB
 
Ficha de leitura 7
Ficha de leitura 7Ficha de leitura 7
Ficha de leitura 7PAFB
 
Ficha de leitura 5
Ficha de leitura 5Ficha de leitura 5
Ficha de leitura 5PAFB
 
Ficha de leitura 3
Ficha de leitura 3Ficha de leitura 3
Ficha de leitura 3PAFB
 
Ficha de leitura 4
Ficha de leitura 4Ficha de leitura 4
Ficha de leitura 4PAFB
 
Ficha de leitura 2
Ficha de leitura 2Ficha de leitura 2
Ficha de leitura 2PAFB
 

Mais de PAFB (20)

O planeta cilíndrico
O planeta cilíndricoO planeta cilíndrico
O planeta cilíndrico
 
Marquês de pombal power-point
Marquês de pombal  power-pointMarquês de pombal  power-point
Marquês de pombal power-point
 
Ficha de leitura 13
Ficha de leitura 13Ficha de leitura 13
Ficha de leitura 13
 
Ficha de leitura 12
Ficha de leitura 12Ficha de leitura 12
Ficha de leitura 12
 
Ficha de leitura 6
Ficha de leitura 6Ficha de leitura 6
Ficha de leitura 6
 
Ficha de leitura 1
Ficha de leitura 1Ficha de leitura 1
Ficha de leitura 1
 
Revolução dos cravos
Revolução dos cravosRevolução dos cravos
Revolução dos cravos
 
Valores humanos justiça
Valores humanos   justiçaValores humanos   justiça
Valores humanos justiça
 
Valores humanos ética
Valores humanos   éticaValores humanos   ética
Valores humanos ética
 
Valores humanos disciplina
Valores humanos   disciplinaValores humanos   disciplina
Valores humanos disciplina
 
Valores humanos
Valores humanosValores humanos
Valores humanos
 
Valores humanos paz
Valores humanos   pazValores humanos   paz
Valores humanos paz
 
O peixe azul
O peixe azulO peixe azul
O peixe azul
 
Ficha de leitura 9
Ficha de leitura 9Ficha de leitura 9
Ficha de leitura 9
 
Ficha de leitura 8
Ficha de leitura 8Ficha de leitura 8
Ficha de leitura 8
 
Ficha de leitura 7
Ficha de leitura 7Ficha de leitura 7
Ficha de leitura 7
 
Ficha de leitura 5
Ficha de leitura 5Ficha de leitura 5
Ficha de leitura 5
 
Ficha de leitura 3
Ficha de leitura 3Ficha de leitura 3
Ficha de leitura 3
 
Ficha de leitura 4
Ficha de leitura 4Ficha de leitura 4
Ficha de leitura 4
 
Ficha de leitura 2
Ficha de leitura 2Ficha de leitura 2
Ficha de leitura 2
 

S.francisco de assis

  • 1. Portugal no Contexto Europeu dos Séculos XII a XIV Relatório de Pesquisa sobre a Biografia de São Francisco de Assis (1182 – 1226)
  • 2. 5 Introdução Este relatório tem por objetivo a descrição da biografia de São Francisco de Assis. Giovanni di Pietro di Bernardone, mais conhecido como São Francisco de Assis, foi um monge católico da Itália. Após ter sido frenético na infância, começou a dedicar-se à vida religiosa, fundando a Ordem Mendicante (ordem religiosa cujos membros faziam votos de pobreza e viviam de esmolas, pregando nas cidades) dos Frades Menores ou dos Franciscanos, que inovaram o Catolicismo do seu tempo. Com a sua crença de que o Evangelho devia ser seguido “à risca”, imitando-se a vida de Cristo, São Francisco desenvolveu uma identificação com os problemas dos seus semelhantes e com a humanidade de Cristo. Teve ainda uma atitude original quando afirmou a bondade e a maravilha da Criação numa época em que o mundo era avaliado como particularmente mau, quando se dedicou aos mais pobres e quando amou todas as criaturas, chamando-as de irmãos. Dante Alighieri, poeta italiano, referiu que ele foi uma "luz que brilhou sobre o mundo" e, para muitos, foi a maior figura do Cristianismo depois de Jesus. Foi canonizado pela Igreja Católica (Papa Gregório IX) dois anos após ter falecido, em 1228. Pela sua estima e consideração à natureza é célebre por ser o santo patrono dos animais e do meio ambiente. Fig. 1 – São Francisco e episódios da sua vida
  • 3. Biografia Fig. 2 – São Francisco e Leproso Adolescência e conversão Era filho de Pietro di Bernadone dei Moriconi (comerciante italiano) e de Pica Bourlemont (cuja família tinha raízes francesas). Os pais de Francisco faziam parte da burguesia da cidade de Assis e, graças a negócios bem sucedidos, conquistaram riqueza e bem-estar. A origem do seu nome “Francesco” (Francisco) é incerta. O menino cresceu e tornou-se um jovem popular entre os seus amigos, pela sua indisciplina e excentricidades, por ser temerário; todavia demonstrava um carácter bondoso. Certo dia, teve um sonho ou uma visão, onde ouviu uma voz a proclamar: Quem te pode ser de mais proveito? O senhor ou o servo?. Ouviu novamente a voz: Então por que deixas o senhor pelo servo e o príncipe pelo vassalo?. Confundido, Francisco disse: Que queres que eu faça?; a voz replicou: Volta para tua terra, e te será dito o que haverás de fazer. Pois deves entender de outro modo a visão que tiveste. Em Assis, foi tocado pela presença divina e, desde aí, começou a evidenciar-se pela preocupação pelos mais necessitados. Designado como "rei da juventude", em vez de preparar- se para a entrada numa vida de casado, como seria o costume, retirou-se, para uma caverna a fim de meditar, acompanhado por apenas um amigo fiel, a quem revelou as suas preocupações e o seu desejo de obter o tesouro da sabedoria e de “casar” com a vida religiosa. Um dia, ouviu o som do sino que os leprosos deviam usar para indicar a sua aproximação; logo se viu à sua frente um homem doente. Fazia frio e o leproso tinha apenas trapos sobre o corpo. Francisco sempre sentiu repugnância dos leprosos, mas, nesse momento, desceu do seu cavalo e cobriu-o com o seu próprio manto. Espantado consigo mesmo, olhou nos olhos do outro e viu a sua gratidão. Enquanto ele mesmo chorava, beijou aquele rosto deformado pela doença. Estava cada vez mais interessado em ajudar os pobres. Diz a tradição que, na igreja de São Damião, ele ouviu pela primeira vez a voz de Cristo, que lhe falou de um crucifixo. A voz chamou a sua atenção e incitou para que Francisco reconstruísse esta igreja. Assim doou o dinheiro ao padre para que ele a restaurasse. Então, depois de um conflito com o pai e a população, Francisco despiu todas as suas belas roupas e colocou-as aos pés do pai, rejeitou a sua herança, pediu a bênção do bispo e partiu, completamente nu, para iniciar uma vida de pobreza junto do povo, da qual nunca mais retornou. O bispo viu nesse gesto um sinal divino e tornou-se seu protetor para o resto da sua vida.
  • 4. 5 Fundação da Ordem Francisco iniciou a sua nova vida como pedreiro, ajudando a reconstruir diversas igrejas nas redondezas de Assis - a de São Damião, a de São Pedro e a da Porciúncula, que era a que ele mais amava. De venerador passou a ser missionário e começou a pregação da palavra divina. Tendo reunido mais um grupo de seguidores, dirigiu-se para Roma para obter do papa a autorização da primeira Regra para a fundação da sua Ordem, a chamada Regra primitiva, que estabelecia uma pobreza absoluta para os monges e para a Ordem. Com a recomendação favorável de alguns conselheiros e com o aviso recebido num sonho, o Papa, finalmente, autorizou a Regra, permitindo que pregassem e dessem socorro moral às pessoas. Chegando a Assis, instalaram-se numa cabana no campo, onde se dedicaram ao cuidado dos leprosos, ao trabalho manual e à pregação, vivendo de esmolas. Numa certa altura a sua pregação já tinha alcançado toda a região, mas não eram sempre bem recebidos. Em 1212, a Ordem foi enriquecida com a primeira mulher, a futura Santa Clara, fundadora do ramo feminino dos Frades Menores, as Clarissas, que logo trouxe as suas irmãs, a quem foi dado o uso da capela de São Damião. Após tantas viagens e milagres São Francisco passou para a Palestina, peregrinando pelos lugares santos, onde recebeu a notícia de que a comunidade em Assis, na sua longa ausência, estava em crise. Fig. 3 - Ordenação de Santa Clara
  • 5. Anos finais e morte Os seus anos finais decorreram em tranquilidade interior. O seu amor e compaixão por todas as criaturas fluíam e simultaneamente tentava compreender repetidas visões e êxtases místicos; fazia outros milagres; continuava a pregar… Nas situações contemplativas eram-lhe reveladas por Deus não somente coisas do presente, mas também do futuro, assim como lhe fazia conhecer as dúvidas, os secretos desejos e os pensamentos dos irmãos. Durante uma dessas meditações, no dia da festa da Exaltação da Cruz, Francisco viu uma figura semelhante a um serafim (anjo de seis asas) pregado numa cruz. À medida que continuava na contemplação, brotava em si uma imensa felicidade mas era sombreada de tristeza. Sentiu uma abertura no seu corpo como as feridas do próprio Cristo crucificado. Foi, dessa forma, o primeiro cristão a ser estigmatizado. Enquanto isso lhe trazia alegria, sendo um sinal do favor divino, foi-lhe motivo de muito embaraço e sofrimento físico. Sempre tentou ocultar as cicatrizes com faixas e o seu hábito. Por vezes os seus irmãos causavam-lhe muita dor, dificultando os seus movimentos e levando às feridas sangrarem frequentemente. Também padeceu de outras moléstias, ficou quase cego e as suas dores de cabeça eram terríveis, passando algum tempo sob os cuidados de Clara. Sentindo a morte próxima, solicitou a uma amiga romana que trouxesse tudo o que fosse imprescindível para o seu sepultamento e também alguma comida bem preparada, que ele havia provado na sua residência, em Roma, e que deveria aliviar o seu sofrimento. Despediu-se de Clara e das irmãs em São Damião e voltou à Porciúncula; deu instruções para ser sepultado nu e, no pôr do sol de 3 de outubro de 1226, após ter lido algumas passagens do Evangelho, faleceu rodeado dos seus companheiros, nobres amigos e outras personalidades. Foi enterrado no dia seguinte na igreja de São Jorge. Posteriormente, o papa Gregório IX foi pessoalmente a Assis para canonizá-lo, em 6 de julho de 1228. Em 1230, foi inaugurada uma nova basílica em Assis, que recebeu o seu nome e hoje guarda as suas relíquias e abriga o seu túmulo definitivo. A basílica foi decorada no fim do século XIII por Giotto di Bondone com uma grande série de frescos que retratam a vida do santo.
  • 6. 5 Fig. 4 – Estigmatização de São Francisco Fig. 5 – Fresco na Basílica de São Francisco de Assis, Itália Curiosidades As fontes antigas dizem que, no momento em que São Francisco de Assis faleceu, um bando de aves pousou no telhado da Igreja Porciúncula e cantou. Numa outra ocasião, em Santa Maria da Porciúncula, ofereceram ao homem de Deus uma ovelha, que ele recebeu muito agradecido por causa do amor, da inocência e da simplicidade que a ovelha manifesta pela sua natureza. O homem piedoso (São Francisco) “recomendava” à ovelha para se dedicar ao louvor divino e tomasse cuidado para não causar transtorno aos frades. Ouvindo os frades cantarem no coro, ela também entrava na igreja e, sem que ninguém tivesse ensinado, dobrava os joelhos soltando os seus balidos diante do altar da Virgem Mãe do Cordeiro, como se estivesse a saudá-la. Quando era elevado o sagrado Corpo de Cristo durante a celebração da missa, curvava os joelhos, como se o animal devoto chamasse a atenção daqueles que não crêem pela sua desconsideração e como convidasse os crentes a honrarem o Sacramento. Conclusão Com a elaboração deste relatório de pesquisa, posso concluir que São Francisco de Assis mostrou um contributo fundamental nesta época, nos séculos XII e XIII, vivendo de esmolas, pregando e prestando assistência aos mais necessitados, sobretudo pobres e doentes. Colaborou ainda na formação de uma ordem religiosa, a Ordem dos Franciscanos, reflexo de uma renovação do Cristianismo. Bibliografia http://www.cantodapaz.com.br/blog/2009/04/21/cordeiro-discipulo- francisco/