SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Colégio arco Íris
Professora Aline lima
PLANEJAMENTO ANUAL
De matemática
Águas lindas de Goiás Janeiro /2012
Colégio arco Íris
PLANEJAMENTO ANUAL
De matemática
Professora:Alinelima
Disciplina:matemática
Turma:
Series:6º e 7º ano do ensinofundamental
Águas lindas de Goiás Janeiro /2012
PLANO ANUAL DE MATEMÁTICA 6º ANO DO ENSINO
FUNDAMENTAL
1.Justificativa:
A Matemática faz-se presente em diversas atividades realizadas pelas crianças e
oferece aos homens em geral vários situações que possibilitam o desenvolvimento do
raciocínio lógico, da criatividade e a capacidade de resolver problemas. O ensino dessa
disciplina pode potencializar essas capacidades, ampliando as possibilidades dos alunos
de compreender e transformar a realidade.
Uma das finalidades do ensino de Matemática indica, como objetivo do ensino
fundamental, levar o aluno a fazer observações sistemáticas de aspectos quantitativos e
qualitativos do ponto de vista do conhecimento e estabelecer o maior número possível
de relações entre eles, utilizando para isso o conhecimento matemático (aritmético,
geométrico, métrico, algébrico, estatístico, combinatório, probabilístico); selecionar,
organizar e produzir informações relevantes, para interpretá-las e avaliá-las
criticamente;
2. OBJETIVOS GERAIS:
 Ser capaz de assumir uma atitude de interesse nas diferentes situações que
favorecem a aprendizagem matemática.
 Ser capaz de perceber a importância dos números, suas prioridades, suas
inter-relações, seus significados e o modo como historicamente foi
construído, bem como sua eficácia na resolução de situações-problema no
seu cotidiano.
 Compreender o significado das medidas, a partir de situações-problema
que expressam seu uso no contexto social e em outras áreas do
conhecimento e que possibilitem a comparação de grandezas de mesma
natureza.
 Ser capaz de ver que a geometria, contribui para aprendizagem dos
números e medidas, estimulando a observação, a percepção de
semelhanças e diferenças, a aplicação de propriedades e a transformação
de figuras.
 Ser capaz de utilizar-se da estatística, em função de seu uso atual para
compreender as informações veiculadas em seu contexto.
3.OBJETIVOS ESPECIFICOS
 Conhecer a história dos números e identificar suas diversas funções nos
processos de contagem no contexto do cotidiano: quantidade, ordem e códigos.
 Reconhecer números naturais e racionais no contexto diário.
 Interpretar e produzir escritas numéricas que devem ser expressa por números
racionais nas formas fracionárias, decimais e percentuais reconhecendo o seu
uso no contexto diário.
 Identificar a localização de um número racional na forma fracionária ou
decimal na reta numérica, trabalhando comparação.
 Resolver problemas com números racionais expressos na forma decimal e
fracionária envolvendo diferentes significados das operações por estratégias
pessoais ou técnicas convencionais.
 Desenvolver estratégias de verificação e controle de resultados através do
cálculo mental e da calculadora.
 Reconhecer que os números racionais admitem diferentes representações na
forma fracionária.
 Representar os números naturais e os números inteiros na reta numérica.
 Compreender a diferença do conjunto dos números naturais, inteiros e racionais
e sua aplicação no cotidiano.
 Representar na reta numérica os números naturais, inteiros e racionais e
estabelecer critérios de comparação e ordenação.
 capaz de utilizar-se da multiplicação, divisão e potenciação de números
racionais e inteiros na resolução de situações-problema.
 Compreender o significado de radiciação, extrair e efetuar raízes quadradas e
cúbicas exatas de números racionais
 Comparar e estimar medidas de grandezas por meio de estratégias pessoais ou
convencionais utilizando unidade de medidas na resolução de problemas. ·
 Ser capaz de resolver problemas usando grandeza determinada pela razão ou
produto de duas outras como: velocidade, energia elétrica, densidade
demográfica, etc.
·
4. CONTEÚDOS: 6º Ano
1ª BIMESTRE
 Os números e o dia-a-dia
 As primeiras contagens
 Idéias de números
 Os números naturais
 Representação de números naturais
 Sistema de numeração indo-arábico
 Um pouco de historia do sistema
 Arrendamento números naturais
 Antigo sistema de numeração
 Sistema de numeração egípcio
 Sistema de numeração maia
 Sistema de numeração romano
 Estudo de iniciais de geometria
 Estatísticas
2ª BIMESTRE
 Operação de números naturais
 Adição
 Subtração
 Multiplicação
 Divisão
 Operação inversa
 Estimativas, arrendamentos e cálculos
 Expressões numéricas envolvendo as operações estudadas
 Resolvendo problemas
 Potencia de números naturais
 Raiz quadrada
 Figuras geométricas
 O bloco retangular
 O cubo
 Prismas e pirâmides
 Os corpos redondos
 Os polígonos
 Noção de divisibilidade
 Critério de divisibilidade
 Seqüência numérica
 Seqüência de figuras
 Seqüência de múltiplos
 Os múltiplos e comuns e o mínimo comum
 Seqüência dos divisores de um numera natural
 Números primos
 Decomposição de números em fatores primos
 Usando a calculadora
3ª BIMESTRE
 Frações
 As idéias de frações
 Tipos de frações
 Problemas envolvendo frações
 Frações equivalentes
 Comparação de fração
 Adição de subtração de fração
 Numero mistos
 Multiplicação
 Divisão
 Aplicando as operações estudadas na resolução de problemas
 Fração e porcentagem
 Simetria
 Descobrindo a simetria
 A simetria nos polígonos
 Números decimais
 Numero decimal da forma fracionaria
 Numero decimal na reta numérica
 Comparação de números decimais
 Adição e subtração de números decimais
 Multiplicação de números decimais
 Divisão de números decimais
 Números decimais e porcentagem
 Medindo comprimentos
4ª BIMESTRE
 Ampliando o estudo de estatiticas
 Gráficas do setores
 Media aritmética
 Medindo superfícies
 Área de uma superfície
 O metro quadrado e seus múltiplos
 Áreas ângulos e figuras planas
 Trabalhando com outras medidas
 Volume dos sólidos
 Metro múltiplo e submúltiplo
 Área do quadrado
 Volume dos sólidos
 Medindo a capacidade
 Litros múltiplos e submúltiplos
 O decímetro e cúbico
 Transformando a capacidade de massa
 Medindo a massa de um corpo
 Grama, múltiplo e submúltiplo
 Transformando a capacidade em massa
-
5. Metodologia
 Aula expositiva no quadro
 Vídeos de motivação pessoal.
 Trabalhar com malha
 História da Matemática.
 Produção de texto com os números usados no dia a dia.
 Confecção de tabelas e formulação de problemas.
 Jogos da tabuada (bingo das operações
 Exploração da calculadora.
 Exibição de filmes curtos falando sobre a importância da Matemática.
 Utilização de régua, compasso, esquadro e outros.
 Construção de figuras bi e tri dimensional.
 Realização de cálculos individuais, em duplas e em grupos.
 Leituras de dados, gráficos e tabelas.
 Exploração das atividades do livro didático e outros.
 Atividades xerocadas para verificação da aprendizagem.
 Mural da Matemática para todas as turmas contendo textos, piadas, charadas,
poesias, curiosidades...
 Exercícios de memorização e aprendizagem.
Trabalhar em sala com os alunos mais sempre procurando diversificar as atividades e as
explicações em uma ambiente agradável e dinâmico com grupos e jogos para uma
melhor assimilação de todo o conteúdo.Aulas expositiva e dialogada atendimentos e
observações individuais e coletivas discussão de textos/artigos que resgatam a história
da matemática utilização de material didático específico para determinadas aulas
5. AVALIAÇÃO
A avaliação do desempenho da aprendizagem em Matemática deve considerar as
orientações da Proposta de Avaliação do colégio Arco Íris e, dentro das especificidades
da linguagem matemática, na perspectiva da intervenção pedagógica, o processo
avaliativo proporcionará compreender o desempenho do estudante, observando,
conforme conteúdos propostos para sua série/ano se são capaz de:
 Interpretar uma situação-problema, distinguir as informações necessárias das
supérfluas, planejarem a resolução, identificar informações que necessitam ser
levantado, estimar (ou prever) soluções possíveis, decidir sobre procedimentos
de resolução a serem utilizados, investigar, justificar, argumentar e comprovar a
validade de resultados e apresentá-los de forma organizada e clara.
 Resolver situações-problema com números naturais, racionais, inteiros e
irracionais aproximados por racionais, em diversos contextos, selecionando e
utilizando procedimentos de cálculo (exato ou aproximado, escrito ou mental),
em função da situação-problema proposta.
 Resolver situações-problema por meio de equações (incluindo sistemas de
equações do primeiro grau com duas incógnitas) aplicando as propriedades da
igualdade para determinar suas soluções e analisá-las no contexto da situação-
problema enfocada.
 Resolver situações-problema (escalas, porcentagem e juros simples) que
envolvem a variação de grandezas direta ou inversamente proporcionais,
utilizando estratégias como as regras de três; de representar, em um sistema de
coordenadas cartesianas, a variação de grandezas envolvidas em um fenômeno,
analisando e caracterizando o comportamento dessa variação em diretamente
proporcional, inversamente proporcional ou não-proporcional.
 Perceber que, por meio de diferentes transformações de uma figura no plano
(translações, reflexões em retas, rotações), obtêm-se figuras congruentes e, por
meio de ampliações e reduções, obtêm-se figuras semelhantes e de aplicar as
propriedades da congruência e as da semelhança em situações-problema.
 de gráficos, determinando algumas medidas de tendência central da pesquisa,
indicando qual delas é a mais adequada para fazer inferências.
Resolver problemas de contagem utilizando procedimentos diversos, inclusive o
princípio multiplicativo e de construir o espaço amostral de eventos equiprováveis,
indicando a probabilidade de um evento por meio de uma razão.
Os instrumentos de avaliação serão diversificados:
• 01 prova devidamente agendada ao longo do bimestre;
• Trabalhos devidamente agendados ao longo do bimestre;
• Nota de participação que contemplará freqüência, deveres, respeito e participação;
PLANO ANUAl DO 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
1 – JUSTIFICATIVA
A Matemática faz-se presente em diversas atividades realizadas pelas
crianças e oferece aos homens em geral vários situações que possibilitam o
desenvolvimento do raciocínio lógico, da criatividade e a capacidade de resolver
problemas. O ensino dessa disciplina pode potencializar essas capacidades, ampliando
as possibilidades dos alunos de compreender e transformar a realidade.
Uma das finalidades do ensino de Matemática indica, como objetivo do
ensino fundamental, levar o aluno a fazer observações sistemáticas de aspectos
quantitativos e qualitativos do ponto de vista do conhecimento e estabelecer o maior
número possível de relações entre eles, utilizando para isso o conhecimento matemático
(aritmético, geométrico, métrico, algébrico, estatístico, combinatório, probabilístico);
selecionar, organizar e produzir informações relevantes, para interpretá-las e avaliá-las
criticamente;
Um dos principais objetivos do ensino de Matemática, em qualquer nível, é o
de desenvolver habilidades para a solução de problemas. Esses problemas podem advir
de situações concretas observáveis ( “contextualizadas”) ou não. No primeiro caso, é
necessária uma boa capacidade de usar a linguagem matemática para interpretar
questões formuladas verbalmente. Por outro lado, problemas interessantes, que
despertam a curiosidade dos estudantes, podem surgir dentro do próprio contexto
matemático quando novas situações podem ser exploradas e o conhecimento
aprofundado, num exercício contínuo da imaginaPor situação-problema entendemos
problemas que envolvem o processo de tradução do enunciado, seja contextualizado ou
não, em linguagem matemática, e a tomada de decisão sobre quais ferramentas
matemáticas serão usadas em sua resolução (“modelagem”Estes problemas são aqueles
que levam a uma compreensão do que realmente é Matemática, pois se passam em um
ambiente onde coexistem os modos de pensamento formal e intuitivo, bem como as
linguagens formais e verbais. Eles estimulam o trabalho em grupo, a crítica dos modelos
adotados e o confronto dos resultados obtidos com o enunciado original do problema. A
solução de uma ampla variedade de problemas desenvolve a capacidade de abstração do
aluno, bem como a habilidade de atribuir significado aos conceitos abstratos estudados.
Ao contrário do que ocorre em vários livros-texto atuais, deve-se privilegiar a
diversidade em
oposição à repetição e à quantidade.
2 – OBJETIVOS
 Objetivo Geral:
 Identificar os conhecimentos matemáticos como meios para compreender.
 Transformar a realidade a sua volta, bem como estimular o interesse, a
curiosidade, o espírito de investigação e o desenvolvimento da capacidade para
resolver problemas, tornando o aluno apto para enfrentar os desafios das séries
seguintes.
 Identificar de resolver problemas usando grandeza determinada pela razão ou
produto de duas outras como: velocidade, energia elétrica, densidade demográfica,
identificar os conhecimentos matemáticos como meios para compreender e
transformar o
mundo à sua volta e perceber o caráter de jogo intelectual, característico da
Matemática, como aspecto que estimula o interesse, a curiosidade, o espírito de
investigação e o desenvolvimento da capacidade para resolver problemas;
 Fazer observações sistemáticas de aspectos quantitativos e qualitativos do ponto de
vista de relações entre eles, utilizando para isso o conhecimento matemático
(aritmético,geométrico,métrico,estatístico,combinatório,probabilístico);selecionar,
organizar e produzir informações relevantes para interpretá-las e avaliá-las
criticamente. Isto significa que o ensino da Matemática deve evidenciar o caráter
dinâmico, em constante evolução, do conhecimento matemático. Devido ao fato de
que mesmo conhecimentos matemáticos muito antigos possuem ainda hoje
aplicações,existe umatendênciade considerá-los como algo pronto e estático. O que
ocorre é exatamente o contrário: a cada dia, surgem novas
 Objetivos Específicos
 Resolver problemas;
 Compreender conceitos e procedimentos matemáticos;
 Desenvolver formas de raciocínio matemático;
 Desenvolver capacidade relativa à investigações matemáticas;
 Estabelecer relações entre a matemática e outras áreas do conhecimento;
 Comunicar-se usando linguagem matemática;
 Manter uma relação positiva com o aprendizado matemático;
 Valorizar o conhecimento matemático;
 Sercapaz de resolverproblemasusandograndezadeterminada pela razão ou produto
de duas outras como: velocidade, energia elétrica, densidade demográfica, etc
3 – CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS
*1º BIMESTRE
 Possibilidades
 Potenciação e radiciação
 Medido o tempo
 Trabalhando os ângulos
 Números inteiros
*2º BIMESTRE
 Operações com um números inteiro
 Adição algébrica
 As figuras geométricas
 Polígonos
 Estudo de triângulos
 Estudo de quadriláteros
 Poliedros
*3º BIMESTRE
 Os números racionais
 Adição e subtração de números racionais
 Multiplicação e divisão de números racionais
 Potencia de números racionais
 Raiz quadra de números racionais
 Equações
 Simetria simples
 Proporcionalidade
 grandezas inversas proporcionais
*4º BIMESTRE
 Porcentagem
 Tabela e gráficos estáticos a moda e a mediana
 Ler e interpretar gráficos e tabelas
 Calculando áreas
4 – ESTRATÉGIAS METODOLÓGICAS
*Técnicas
 Aulas expositivas e dialogadas
 Atendimentos e observações individuais e coletivas
 Discussão de textos/artigos que resgatam a história da matemática
 Utilização de material didático específico para determinadas aulas.
5- INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
Perceber que, por meio de diferentes transformações de uma figura no plano
(translações, reflexões em retas, rotações), obtêm-se figuras congruentes e, por meio de
ampliações e reduções, obtêm-se figuras semelhantes e de aplicar as propriedades da
congruência e as da semelhança em situações-problema.
de gráficos, determinando algumas medidas de tendência central da pesquisa, indicando
qual delas é a mais adequada para fazer inferências.
Resolver problemas de contagem utilizando procedimentos diversos, inclusive o
princípio multiplicativo e de construir o espaço amostral de eventos equiprováveis,
indicando a probabilidade
Os instrumentos de avaliação serão diversificados:
• 01 prova devidamente agendada ao longo do bimestre;
• Trabalhos devidamente agendados ao longo do bimestre;
• Nota de participação que contemplará freqüência, deveres, respeito e participação;
O professor, ao planejar, orientar, observar, instigar, organizar e registrar as
atividades em sala de aula possui um conjunto de parâmetros que o habilita a fazer uma
avaliação contínua de todo o processo de aprendizagem. Nesse processo, estão
envolvidos ele próprio, os alunos, o material e a metodologia utilizados. Isso permite ao
professor reformular a cada momento suas práticas pedagógicas e melhor adaptá-las às
condições de sala de aula.
A avaliação deve ser parte integrante desse processo. Além do que foi
mencionado acima, o professor deve buscar selecionar e registrar situações e
procedimentos que possam ser avaliados de modo a contribuir efetivamente para o
crescimento do aluno. Essa observação e registro, juntamente com os métodos
tradicionais de verificação de aprendizagem (provas e listas de exercícios),nos quais são
ressaltados os aspectos mais relevantes e importantes das unidades, devem fazer parte
das estratégias de ensino.
Sabe-se que a questão da avaliação é muito delicada e que pode afetar a
auto-estima do aluno, especialmente no caso de adolescentes. Dessa forma, deve-se ter
uma atitude positiva e construtiva em relação à avaliação. O professor deve incentivar e
abrir espaço para que os alunos exponham orais ou de forma escrita, suas observações,
suas dificuldades e seus relatos sobre as atividades e conteúdos trabalhados.
OBS: No critério avaliação é importante salientar que o processo de construção de
conhecimento prevalece sobre o resultado final.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Geometria 6º ano
Geometria  6º anoGeometria  6º ano
Geometria 6º ano
jonihson
 
Operações com frações adição e subtração
Operações com frações adição e subtraçãoOperações com frações adição e subtração
Operações com frações adição e subtração
tcrisouza
 
Adição e subtração de números inteiros
Adição e subtração de números inteirosAdição e subtração de números inteiros
Adição e subtração de números inteiros
marina_cordova
 
Estudo interdisciplinar da progressão geométrica
Estudo interdisciplinar da progressão geométricaEstudo interdisciplinar da progressão geométrica
Estudo interdisciplinar da progressão geométrica
Luciane Antoniolli
 

Mais procurados (20)

Geometria 6º ano
Geometria  6º anoGeometria  6º ano
Geometria 6º ano
 
Aula de fração
Aula de fraçãoAula de fração
Aula de fração
 
Operações com frações adição e subtração
Operações com frações adição e subtraçãoOperações com frações adição e subtração
Operações com frações adição e subtração
 
Verificação parcial ii de matemática 7º ano
Verificação parcial ii de matemática 7º anoVerificação parcial ii de matemática 7º ano
Verificação parcial ii de matemática 7º ano
 
Teorema de Pitágoras
Teorema de PitágorasTeorema de Pitágoras
Teorema de Pitágoras
 
Análise para licenciatura g,ávila completo.pdf
Análise para  licenciatura g,ávila completo.pdfAnálise para  licenciatura g,ávila completo.pdf
Análise para licenciatura g,ávila completo.pdf
 
Adição e subtração de números inteiros
Adição e subtração de números inteirosAdição e subtração de números inteiros
Adição e subtração de números inteiros
 
8 ano-angulos-retas-paralelas-cortadas-por-uma-transversal-3
8 ano-angulos-retas-paralelas-cortadas-por-uma-transversal-38 ano-angulos-retas-paralelas-cortadas-por-uma-transversal-3
8 ano-angulos-retas-paralelas-cortadas-por-uma-transversal-3
 
EducaçãO+..
EducaçãO+..EducaçãO+..
EducaçãO+..
 
Elementos de Matemática Básica - Razão, Proporção, Porcentagem e Regra de 3
Elementos de Matemática Básica - Razão, Proporção, Porcentagem e Regra de 3Elementos de Matemática Básica - Razão, Proporção, Porcentagem e Regra de 3
Elementos de Matemática Básica - Razão, Proporção, Porcentagem e Regra de 3
 
AULÃO DE MATEMÁTICA Spaece 2° dia
AULÃO DE MATEMÁTICA Spaece 2° diaAULÃO DE MATEMÁTICA Spaece 2° dia
AULÃO DE MATEMÁTICA Spaece 2° dia
 
Atividades 1 - 2o Ano - Teorema de Pitágoras e Trigonometria
Atividades 1  - 2o Ano - Teorema de Pitágoras e TrigonometriaAtividades 1  - 2o Ano - Teorema de Pitágoras e Trigonometria
Atividades 1 - 2o Ano - Teorema de Pitágoras e Trigonometria
 
MPEMC AULA 7: Grandezas e Medidas
MPEMC AULA 7: Grandezas e MedidasMPEMC AULA 7: Grandezas e Medidas
MPEMC AULA 7: Grandezas e Medidas
 
Estudo interdisciplinar da progressão geométrica
Estudo interdisciplinar da progressão geométricaEstudo interdisciplinar da progressão geométrica
Estudo interdisciplinar da progressão geométrica
 
Lista de Exercícios - Teorema de Tales
Lista de Exercícios - Teorema de TalesLista de Exercícios - Teorema de Tales
Lista de Exercícios - Teorema de Tales
 
Área e perímetro de figuras planas ( apresentação)
Área e perímetro de figuras planas ( apresentação)Área e perímetro de figuras planas ( apresentação)
Área e perímetro de figuras planas ( apresentação)
 
Operações com números naturais potenciação.ppt
Operações com números naturais potenciação.pptOperações com números naturais potenciação.ppt
Operações com números naturais potenciação.ppt
 
Relações Métricas no Triângulo Retângulo - Teorema de Pitágoras)
Relações Métricas no Triângulo Retângulo - Teorema de Pitágoras)Relações Métricas no Triângulo Retângulo - Teorema de Pitágoras)
Relações Métricas no Triângulo Retângulo - Teorema de Pitágoras)
 
Matemática Enem
Matemática EnemMatemática Enem
Matemática Enem
 
Etnomatemática
EtnomatemáticaEtnomatemática
Etnomatemática
 

Semelhante a Plano matem-6-ao-7-ano

Plano de aula 2013 melhor ensino
Plano de aula 2013 melhor ensinoPlano de aula 2013 melhor ensino
Plano de aula 2013 melhor ensino
luizcarlosribeiros
 
Plano de ensino de matemática2013
Plano de ensino de matemática2013Plano de ensino de matemática2013
Plano de ensino de matemática2013
manocareca
 
Matriz curric. matematica e.médio 2010
Matriz curric. matematica  e.médio 2010Matriz curric. matematica  e.médio 2010
Matriz curric. matematica e.médio 2010
Creison
 
Matemticaotm 100318141837-phpapp02
Matemticaotm 100318141837-phpapp02Matemticaotm 100318141837-phpapp02
Matemticaotm 100318141837-phpapp02
Webster Reinan
 
Otm. matematica 03
Otm. matematica 03Otm. matematica 03
Otm. matematica 03
elannialins
 

Semelhante a Plano matem-6-ao-7-ano (20)

Plano de curso de Matemática - 2016
Plano de curso de Matemática - 2016Plano de curso de Matemática - 2016
Plano de curso de Matemática - 2016
 
Proposta 8c2ba-ano (1)
Proposta 8c2ba-ano (1)Proposta 8c2ba-ano (1)
Proposta 8c2ba-ano (1)
 
Conteúdo matemática conceitual atitudinal e procedimental
Conteúdo matemática conceitual atitudinal e procedimentalConteúdo matemática conceitual atitudinal e procedimental
Conteúdo matemática conceitual atitudinal e procedimental
 
Plano de aula 2013 melhor ensino
Plano de aula 2013 melhor ensinoPlano de aula 2013 melhor ensino
Plano de aula 2013 melhor ensino
 
Plano de ensino 9º ano utilizado em 2010
Plano de ensino 9º ano utilizado em 2010Plano de ensino 9º ano utilizado em 2010
Plano de ensino 9º ano utilizado em 2010
 
9º a, b, c.carla matem-pdf
9º a, b, c.carla matem-pdf9º a, b, c.carla matem-pdf
9º a, b, c.carla matem-pdf
 
396145144-Planejamento-Matematica-6º-Ao-9º-Ano.pdf
396145144-Planejamento-Matematica-6º-Ao-9º-Ano.pdf396145144-Planejamento-Matematica-6º-Ao-9º-Ano.pdf
396145144-Planejamento-Matematica-6º-Ao-9º-Ano.pdf
 
Plano anual 6º ano
Plano anual   6º anoPlano anual   6º ano
Plano anual 6º ano
 
Plano de ensino de matemática2013
Plano de ensino de matemática2013Plano de ensino de matemática2013
Plano de ensino de matemática2013
 
Matriz curric. matematica e.médio 2010
Matriz curric. matematica  e.médio 2010Matriz curric. matematica  e.médio 2010
Matriz curric. matematica e.médio 2010
 
Plano de ensino 9 ano
Plano de ensino 9 anoPlano de ensino 9 ano
Plano de ensino 9 ano
 
Planejamento 6 ano
Planejamento 6 anoPlanejamento 6 ano
Planejamento 6 ano
 
MatemáTica Otm
MatemáTica OtmMatemáTica Otm
MatemáTica Otm
 
OTMs matemática
OTMs matemáticaOTMs matemática
OTMs matemática
 
Matemticaotm 100318141837-phpapp02
Matemticaotm 100318141837-phpapp02Matemticaotm 100318141837-phpapp02
Matemticaotm 100318141837-phpapp02
 
Otm. matematica 03
Otm. matematica 03Otm. matematica 03
Otm. matematica 03
 
Plano de Curso Matemática - 5º ano
Plano de Curso Matemática - 5º ano   Plano de Curso Matemática - 5º ano
Plano de Curso Matemática - 5º ano
 
Plano de curso matemática 5º ano
Plano de curso matemática  5º anoPlano de curso matemática  5º ano
Plano de curso matemática 5º ano
 
Plano de curso de matematica(LETRAMENTO) ENS. FUNDAMENTAL II
Plano de curso de matematica(LETRAMENTO) ENS. FUNDAMENTAL IIPlano de curso de matematica(LETRAMENTO) ENS. FUNDAMENTAL II
Plano de curso de matematica(LETRAMENTO) ENS. FUNDAMENTAL II
 
Plano de curso: Matemática 5º ano
Plano de curso: Matemática 5º ano Plano de curso: Matemática 5º ano
Plano de curso: Matemática 5º ano
 

Último

atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdfatividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
Autonoma
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
azulassessoria9
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdfatividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
 
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São PauloCurrículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
Currículo Professor Pablo Ortellado - Universidade de São Paulo
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do séculoSistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do século
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
Aula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemáticaAula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemática
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 

Plano matem-6-ao-7-ano

  • 1.
  • 2. Colégio arco Íris Professora Aline lima PLANEJAMENTO ANUAL De matemática Águas lindas de Goiás Janeiro /2012
  • 3. Colégio arco Íris PLANEJAMENTO ANUAL De matemática Professora:Alinelima Disciplina:matemática Turma: Series:6º e 7º ano do ensinofundamental Águas lindas de Goiás Janeiro /2012
  • 4. PLANO ANUAL DE MATEMÁTICA 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1.Justificativa: A Matemática faz-se presente em diversas atividades realizadas pelas crianças e oferece aos homens em geral vários situações que possibilitam o desenvolvimento do raciocínio lógico, da criatividade e a capacidade de resolver problemas. O ensino dessa disciplina pode potencializar essas capacidades, ampliando as possibilidades dos alunos de compreender e transformar a realidade. Uma das finalidades do ensino de Matemática indica, como objetivo do ensino fundamental, levar o aluno a fazer observações sistemáticas de aspectos quantitativos e qualitativos do ponto de vista do conhecimento e estabelecer o maior número possível de relações entre eles, utilizando para isso o conhecimento matemático (aritmético, geométrico, métrico, algébrico, estatístico, combinatório, probabilístico); selecionar, organizar e produzir informações relevantes, para interpretá-las e avaliá-las criticamente;
  • 5. 2. OBJETIVOS GERAIS:  Ser capaz de assumir uma atitude de interesse nas diferentes situações que favorecem a aprendizagem matemática.  Ser capaz de perceber a importância dos números, suas prioridades, suas inter-relações, seus significados e o modo como historicamente foi construído, bem como sua eficácia na resolução de situações-problema no seu cotidiano.  Compreender o significado das medidas, a partir de situações-problema que expressam seu uso no contexto social e em outras áreas do conhecimento e que possibilitem a comparação de grandezas de mesma natureza.  Ser capaz de ver que a geometria, contribui para aprendizagem dos números e medidas, estimulando a observação, a percepção de semelhanças e diferenças, a aplicação de propriedades e a transformação de figuras.  Ser capaz de utilizar-se da estatística, em função de seu uso atual para compreender as informações veiculadas em seu contexto.
  • 6. 3.OBJETIVOS ESPECIFICOS  Conhecer a história dos números e identificar suas diversas funções nos processos de contagem no contexto do cotidiano: quantidade, ordem e códigos.  Reconhecer números naturais e racionais no contexto diário.  Interpretar e produzir escritas numéricas que devem ser expressa por números racionais nas formas fracionárias, decimais e percentuais reconhecendo o seu uso no contexto diário.  Identificar a localização de um número racional na forma fracionária ou decimal na reta numérica, trabalhando comparação.  Resolver problemas com números racionais expressos na forma decimal e fracionária envolvendo diferentes significados das operações por estratégias pessoais ou técnicas convencionais.  Desenvolver estratégias de verificação e controle de resultados através do cálculo mental e da calculadora.  Reconhecer que os números racionais admitem diferentes representações na forma fracionária.  Representar os números naturais e os números inteiros na reta numérica.  Compreender a diferença do conjunto dos números naturais, inteiros e racionais e sua aplicação no cotidiano.  Representar na reta numérica os números naturais, inteiros e racionais e estabelecer critérios de comparação e ordenação.  capaz de utilizar-se da multiplicação, divisão e potenciação de números racionais e inteiros na resolução de situações-problema.  Compreender o significado de radiciação, extrair e efetuar raízes quadradas e cúbicas exatas de números racionais  Comparar e estimar medidas de grandezas por meio de estratégias pessoais ou convencionais utilizando unidade de medidas na resolução de problemas. ·  Ser capaz de resolver problemas usando grandeza determinada pela razão ou produto de duas outras como: velocidade, energia elétrica, densidade demográfica, etc. ·
  • 7. 4. CONTEÚDOS: 6º Ano 1ª BIMESTRE  Os números e o dia-a-dia  As primeiras contagens  Idéias de números  Os números naturais  Representação de números naturais  Sistema de numeração indo-arábico  Um pouco de historia do sistema  Arrendamento números naturais  Antigo sistema de numeração  Sistema de numeração egípcio  Sistema de numeração maia  Sistema de numeração romano  Estudo de iniciais de geometria  Estatísticas 2ª BIMESTRE  Operação de números naturais  Adição  Subtração  Multiplicação  Divisão  Operação inversa  Estimativas, arrendamentos e cálculos  Expressões numéricas envolvendo as operações estudadas  Resolvendo problemas  Potencia de números naturais  Raiz quadrada  Figuras geométricas  O bloco retangular  O cubo  Prismas e pirâmides  Os corpos redondos  Os polígonos  Noção de divisibilidade
  • 8.  Critério de divisibilidade  Seqüência numérica  Seqüência de figuras  Seqüência de múltiplos  Os múltiplos e comuns e o mínimo comum  Seqüência dos divisores de um numera natural  Números primos  Decomposição de números em fatores primos  Usando a calculadora 3ª BIMESTRE  Frações  As idéias de frações  Tipos de frações  Problemas envolvendo frações  Frações equivalentes  Comparação de fração  Adição de subtração de fração  Numero mistos  Multiplicação  Divisão  Aplicando as operações estudadas na resolução de problemas  Fração e porcentagem  Simetria  Descobrindo a simetria  A simetria nos polígonos  Números decimais  Numero decimal da forma fracionaria  Numero decimal na reta numérica  Comparação de números decimais  Adição e subtração de números decimais  Multiplicação de números decimais  Divisão de números decimais  Números decimais e porcentagem  Medindo comprimentos 4ª BIMESTRE  Ampliando o estudo de estatiticas  Gráficas do setores  Media aritmética
  • 9.  Medindo superfícies  Área de uma superfície  O metro quadrado e seus múltiplos  Áreas ângulos e figuras planas  Trabalhando com outras medidas  Volume dos sólidos  Metro múltiplo e submúltiplo  Área do quadrado  Volume dos sólidos  Medindo a capacidade  Litros múltiplos e submúltiplos  O decímetro e cúbico  Transformando a capacidade de massa  Medindo a massa de um corpo  Grama, múltiplo e submúltiplo  Transformando a capacidade em massa -
  • 10. 5. Metodologia  Aula expositiva no quadro  Vídeos de motivação pessoal.  Trabalhar com malha  História da Matemática.  Produção de texto com os números usados no dia a dia.  Confecção de tabelas e formulação de problemas.  Jogos da tabuada (bingo das operações  Exploração da calculadora.  Exibição de filmes curtos falando sobre a importância da Matemática.  Utilização de régua, compasso, esquadro e outros.  Construção de figuras bi e tri dimensional.  Realização de cálculos individuais, em duplas e em grupos.  Leituras de dados, gráficos e tabelas.  Exploração das atividades do livro didático e outros.  Atividades xerocadas para verificação da aprendizagem.  Mural da Matemática para todas as turmas contendo textos, piadas, charadas, poesias, curiosidades...  Exercícios de memorização e aprendizagem. Trabalhar em sala com os alunos mais sempre procurando diversificar as atividades e as explicações em uma ambiente agradável e dinâmico com grupos e jogos para uma melhor assimilação de todo o conteúdo.Aulas expositiva e dialogada atendimentos e observações individuais e coletivas discussão de textos/artigos que resgatam a história da matemática utilização de material didático específico para determinadas aulas
  • 11. 5. AVALIAÇÃO A avaliação do desempenho da aprendizagem em Matemática deve considerar as orientações da Proposta de Avaliação do colégio Arco Íris e, dentro das especificidades da linguagem matemática, na perspectiva da intervenção pedagógica, o processo avaliativo proporcionará compreender o desempenho do estudante, observando, conforme conteúdos propostos para sua série/ano se são capaz de:  Interpretar uma situação-problema, distinguir as informações necessárias das supérfluas, planejarem a resolução, identificar informações que necessitam ser levantado, estimar (ou prever) soluções possíveis, decidir sobre procedimentos de resolução a serem utilizados, investigar, justificar, argumentar e comprovar a validade de resultados e apresentá-los de forma organizada e clara.  Resolver situações-problema com números naturais, racionais, inteiros e irracionais aproximados por racionais, em diversos contextos, selecionando e utilizando procedimentos de cálculo (exato ou aproximado, escrito ou mental), em função da situação-problema proposta.  Resolver situações-problema por meio de equações (incluindo sistemas de equações do primeiro grau com duas incógnitas) aplicando as propriedades da igualdade para determinar suas soluções e analisá-las no contexto da situação- problema enfocada.  Resolver situações-problema (escalas, porcentagem e juros simples) que envolvem a variação de grandezas direta ou inversamente proporcionais, utilizando estratégias como as regras de três; de representar, em um sistema de coordenadas cartesianas, a variação de grandezas envolvidas em um fenômeno, analisando e caracterizando o comportamento dessa variação em diretamente proporcional, inversamente proporcional ou não-proporcional.  Perceber que, por meio de diferentes transformações de uma figura no plano (translações, reflexões em retas, rotações), obtêm-se figuras congruentes e, por meio de ampliações e reduções, obtêm-se figuras semelhantes e de aplicar as propriedades da congruência e as da semelhança em situações-problema.  de gráficos, determinando algumas medidas de tendência central da pesquisa, indicando qual delas é a mais adequada para fazer inferências. Resolver problemas de contagem utilizando procedimentos diversos, inclusive o princípio multiplicativo e de construir o espaço amostral de eventos equiprováveis, indicando a probabilidade de um evento por meio de uma razão. Os instrumentos de avaliação serão diversificados: • 01 prova devidamente agendada ao longo do bimestre;
  • 12. • Trabalhos devidamente agendados ao longo do bimestre; • Nota de participação que contemplará freqüência, deveres, respeito e participação;
  • 13. PLANO ANUAl DO 7º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 – JUSTIFICATIVA A Matemática faz-se presente em diversas atividades realizadas pelas crianças e oferece aos homens em geral vários situações que possibilitam o desenvolvimento do raciocínio lógico, da criatividade e a capacidade de resolver problemas. O ensino dessa disciplina pode potencializar essas capacidades, ampliando as possibilidades dos alunos de compreender e transformar a realidade. Uma das finalidades do ensino de Matemática indica, como objetivo do ensino fundamental, levar o aluno a fazer observações sistemáticas de aspectos quantitativos e qualitativos do ponto de vista do conhecimento e estabelecer o maior número possível de relações entre eles, utilizando para isso o conhecimento matemático (aritmético, geométrico, métrico, algébrico, estatístico, combinatório, probabilístico); selecionar, organizar e produzir informações relevantes, para interpretá-las e avaliá-las criticamente; Um dos principais objetivos do ensino de Matemática, em qualquer nível, é o de desenvolver habilidades para a solução de problemas. Esses problemas podem advir de situações concretas observáveis ( “contextualizadas”) ou não. No primeiro caso, é necessária uma boa capacidade de usar a linguagem matemática para interpretar questões formuladas verbalmente. Por outro lado, problemas interessantes, que despertam a curiosidade dos estudantes, podem surgir dentro do próprio contexto matemático quando novas situações podem ser exploradas e o conhecimento aprofundado, num exercício contínuo da imaginaPor situação-problema entendemos problemas que envolvem o processo de tradução do enunciado, seja contextualizado ou não, em linguagem matemática, e a tomada de decisão sobre quais ferramentas matemáticas serão usadas em sua resolução (“modelagem”Estes problemas são aqueles que levam a uma compreensão do que realmente é Matemática, pois se passam em um ambiente onde coexistem os modos de pensamento formal e intuitivo, bem como as linguagens formais e verbais. Eles estimulam o trabalho em grupo, a crítica dos modelos adotados e o confronto dos resultados obtidos com o enunciado original do problema. A solução de uma ampla variedade de problemas desenvolve a capacidade de abstração do aluno, bem como a habilidade de atribuir significado aos conceitos abstratos estudados. Ao contrário do que ocorre em vários livros-texto atuais, deve-se privilegiar a diversidade em oposição à repetição e à quantidade.
  • 14. 2 – OBJETIVOS  Objetivo Geral:  Identificar os conhecimentos matemáticos como meios para compreender.  Transformar a realidade a sua volta, bem como estimular o interesse, a curiosidade, o espírito de investigação e o desenvolvimento da capacidade para resolver problemas, tornando o aluno apto para enfrentar os desafios das séries seguintes.  Identificar de resolver problemas usando grandeza determinada pela razão ou produto de duas outras como: velocidade, energia elétrica, densidade demográfica, identificar os conhecimentos matemáticos como meios para compreender e transformar o mundo à sua volta e perceber o caráter de jogo intelectual, característico da Matemática, como aspecto que estimula o interesse, a curiosidade, o espírito de investigação e o desenvolvimento da capacidade para resolver problemas;  Fazer observações sistemáticas de aspectos quantitativos e qualitativos do ponto de vista de relações entre eles, utilizando para isso o conhecimento matemático (aritmético,geométrico,métrico,estatístico,combinatório,probabilístico);selecionar, organizar e produzir informações relevantes para interpretá-las e avaliá-las criticamente. Isto significa que o ensino da Matemática deve evidenciar o caráter dinâmico, em constante evolução, do conhecimento matemático. Devido ao fato de que mesmo conhecimentos matemáticos muito antigos possuem ainda hoje aplicações,existe umatendênciade considerá-los como algo pronto e estático. O que ocorre é exatamente o contrário: a cada dia, surgem novas  Objetivos Específicos  Resolver problemas;  Compreender conceitos e procedimentos matemáticos;  Desenvolver formas de raciocínio matemático;  Desenvolver capacidade relativa à investigações matemáticas;  Estabelecer relações entre a matemática e outras áreas do conhecimento;  Comunicar-se usando linguagem matemática;  Manter uma relação positiva com o aprendizado matemático;  Valorizar o conhecimento matemático;  Sercapaz de resolverproblemasusandograndezadeterminada pela razão ou produto de duas outras como: velocidade, energia elétrica, densidade demográfica, etc
  • 15. 3 – CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS *1º BIMESTRE  Possibilidades  Potenciação e radiciação  Medido o tempo  Trabalhando os ângulos  Números inteiros *2º BIMESTRE  Operações com um números inteiro  Adição algébrica  As figuras geométricas  Polígonos  Estudo de triângulos  Estudo de quadriláteros  Poliedros *3º BIMESTRE  Os números racionais  Adição e subtração de números racionais  Multiplicação e divisão de números racionais  Potencia de números racionais  Raiz quadra de números racionais  Equações  Simetria simples  Proporcionalidade  grandezas inversas proporcionais
  • 16. *4º BIMESTRE  Porcentagem  Tabela e gráficos estáticos a moda e a mediana  Ler e interpretar gráficos e tabelas  Calculando áreas
  • 17. 4 – ESTRATÉGIAS METODOLÓGICAS *Técnicas  Aulas expositivas e dialogadas  Atendimentos e observações individuais e coletivas  Discussão de textos/artigos que resgatam a história da matemática  Utilização de material didático específico para determinadas aulas. 5- INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Perceber que, por meio de diferentes transformações de uma figura no plano (translações, reflexões em retas, rotações), obtêm-se figuras congruentes e, por meio de ampliações e reduções, obtêm-se figuras semelhantes e de aplicar as propriedades da congruência e as da semelhança em situações-problema. de gráficos, determinando algumas medidas de tendência central da pesquisa, indicando qual delas é a mais adequada para fazer inferências. Resolver problemas de contagem utilizando procedimentos diversos, inclusive o princípio multiplicativo e de construir o espaço amostral de eventos equiprováveis, indicando a probabilidade Os instrumentos de avaliação serão diversificados: • 01 prova devidamente agendada ao longo do bimestre; • Trabalhos devidamente agendados ao longo do bimestre; • Nota de participação que contemplará freqüência, deveres, respeito e participação; O professor, ao planejar, orientar, observar, instigar, organizar e registrar as atividades em sala de aula possui um conjunto de parâmetros que o habilita a fazer uma avaliação contínua de todo o processo de aprendizagem. Nesse processo, estão envolvidos ele próprio, os alunos, o material e a metodologia utilizados. Isso permite ao professor reformular a cada momento suas práticas pedagógicas e melhor adaptá-las às condições de sala de aula. A avaliação deve ser parte integrante desse processo. Além do que foi mencionado acima, o professor deve buscar selecionar e registrar situações e
  • 18. procedimentos que possam ser avaliados de modo a contribuir efetivamente para o crescimento do aluno. Essa observação e registro, juntamente com os métodos tradicionais de verificação de aprendizagem (provas e listas de exercícios),nos quais são ressaltados os aspectos mais relevantes e importantes das unidades, devem fazer parte das estratégias de ensino. Sabe-se que a questão da avaliação é muito delicada e que pode afetar a auto-estima do aluno, especialmente no caso de adolescentes. Dessa forma, deve-se ter uma atitude positiva e construtiva em relação à avaliação. O professor deve incentivar e abrir espaço para que os alunos exponham orais ou de forma escrita, suas observações, suas dificuldades e seus relatos sobre as atividades e conteúdos trabalhados. OBS: No critério avaliação é importante salientar que o processo de construção de conhecimento prevalece sobre o resultado final.