Apostila const-facebook

183 visualizações

Publicada em

apostila

Publicada em: Direito
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
183
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apostila const-facebook

  1. 1.     A Casa do Concurseiro         Direito  Constitucional   Prof.  Otávio  Piva       2012               Apoio:          
  2. 2. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  2   OTÁVIO  PIVA     Natural  de  Porto  Alegre,  RS,  é  advogado  militante.     Bacharel   em   Direito   pela   Universidade   do   Vale   do   Rio  dos  Sinos  -­‐  UNISINOS,  em  1995.  Especialista  em   Educação   a   Distância.     Mestre   em   Ciências   Sociais   pela  PUC-­‐RS.  Doutorando  na  PUC-­‐RS.   Professor  da  disciplina  de  Direito  Constitucional  no     Complexo  EAD,  na  Escola  Superior  da  Magistratura   do  RS  (ESM  –  AJURIS),  na  Escola  Superior  Faculdade   do  Ministério  Público  (FMP),  na  Fundação  Escola  da   Magistratura   do   Trabalho   do   RS   (FEMARGS),   na   Escola   Superior   de   Direito   Municipal   de   Porto   Alegre      (ESDM)  e  em  diversos  cursos  preparatórios   a  concursos  públicos  e  exame  de  ordem.   É   autor   de   sete   livros   e   de   artigos   publicados.       Foi   agraciado   com   a   Cruz   do   Mérito   Cívico   e   Cultural,  distinção  oficializada  pela  Portaria  nº  153,   de  04  de  junho  de  1965,  do  Ministério  da  Educação   e   Cultura   do   Brasil   -­‐   MEC,   em   reconhecimento   ao   relevante   trabalho   realizado   em   defesa   dos   interesses  de  médicos  formados  no  exterior.   Recebeu   reconhecimento   internacional,   sendo   condecorado  com  a  Cruz  da  Ordem  Internacional  do   Mérito   do   Descobridor   do   Brasil,   das   mãos   do   Embaixador  do  Brasil  em  Portugal    e  do  Magnífico   Reitor   da   Universidade   de   Coimbra,   Portugal,   em   reconhecimento  aos  esforços  praticados  em  prol  do   ensino  jurídico  do  Direito  Constitucional  no  Brasil.   Contato:  veritas@cpovo.net     Site  com  material  de  estudo:   www.pivaadvogados.adv.br     Facebook:   http://www.facebook.com/pivaotavio      
  3. 3. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  3     NOTA  DO  AUTOR     O  presente  material  objetiva  servir  de  material  de  apoio  na  preparação  de  candidatos   que  se  preparam  aos  mais  diversos  concursos  públicos  do  país.   Para   tanto,   apresenta   os   principais   temas   objeto   de   concursos   públicos   de   forma   condensada  e  esquematizada.   Além   disso,   ao   finalizar   cada   capítulo,   são   oferecidas   questões   de   concursos   públicos   para  permitir  o  exercício  das  matérias  estudadas  e,  ainda,    para  que  o  estudante  tenha  uma   visão  geral  de  como  esses  conteúdos  estão  sendo  objeto  e  qual  o  grau  de  exigência  em  diversas   provas  de  todo  o  país.   O  material  de  apoio  está  estruturado  em  dezesseis  capítulos:       1  –  Teoria  Geral  do  Direito  Constitucional   2  –  Preâmbulo  e  Princípios  Fundamentais   3  –  Direitos  e  Garantias  Fundamentais   4  –  Direitos  Sociais     5  -­‐  Nacionalidade   6–  Direitos  Políticos   7  –  Organização  do  Estado   8  –  Poder  Legislativo   9  –  Fiscalização  contábil  e  Tribunal  de  Contas  da  União   10  –  Poder  Executivo   11  -­‐  Poder  Judiciário   12  –  Processo  Legislativo  Constitucional   13  –  Controle  de  Constitucionalidade   14–  Funções  Essenciais  à  Justiça   15  –  Defesa  do  Estado  e  das  Instituições  Democráticas   16  –  Eficácia  e  Aplicabilidade  da  Norma  Constitucional.         A  ideia,  portanto,  é  fornecer  aos  alunos    uma  espécie  de  “livro-­‐texto”,  permitindo  não   apenas  o  estudo  objetivo  de  pontos-­‐chaves  que  constantemente  são  exigidos  nas  provas,  mas   também   subsídios   teóricos   para   melhor   aproveitamento   das   aulas   da   disciplina   de   Direito   Constitucional.       Finalmente,  cabe  o  agradecimento  especial  ao  Professor  Pedro  Kuhn,  a  quem  coube  a   revisão  do  conteúdo  relativamente  aos  Direitos  Sociais.           Prof.  Otávio  Piva    
  4. 4. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  4   Capítulo  1   Teoria  Geral  do  Direito  Constitucional     1.1    DIREITO  CONSTITUCIONAL.  NATUREZA.  CONCEITO.  OBJETO.     O  Direito  Constitucional  pertence  ao  ramo  do  Direito  Público,    distinguindo-­‐se   dos   demais   ramos   do   Direito   Público   pela   natureza   específica   de   seu   objeto.     Para   Canotilho,   o   Direito   Constitucional   é   um   intertexto   aberto,   ou   seja,   deve   muito   a   experiências  constitucionais,  nacionais  e  estrangeiras;  no  seu  espírito  transporta  ideias   de   filósofos,   pensadores,   políticos;   os   seus   mitos   pressupõem   as   profundidades   dos   arquétipos  enraizados  dos  povos.  O  Direito  Constitucional,  no  entanto,  não  se  dissolve  na   história,  é  um  direito  vigente  e  vivo  e  como  tal  deve  ser  ensinado  (CARVALHO,  2007).                    Entende-­‐se  que  o  objeto  do  Direito  Constitucional  é  “[...]  estabelecer  a  estrutura  do   Estado,  a  organização  de  seus  órgãos,  o  modo  de  aquisição  do  poder  e  as  forma  de  seu   exercício,  limites  de  sua  atuação,  assegurar  os  direitos  e  garantias  dos  indivíduos,  fixar  o   regime   político   e   disciplinar   os   fins   sócio-­‐econômicos   do   estado,   bem   como   os   fundamentos  dos  direitos  econômicos,  sociais  e  culturais"  (SILVA,  2008,  p.  43).             1.2    FONTES  DO  DIREITO  CONSTITUCIONAL     a) Constituição;   b) Leis,  decretos  e  regulamentos  de  conteúdo  constitucional;     c) Costumes  e  as  convicções  sociais  vigentes;   d) Jurisprudência;   e) Doutrina;   f) Princípios  gerais  de  direito.       1.3  ELEMENTOS  DAS  CONSTITUIÇÕES  SEGUNDO  JOSÉ  AFONSO  DA  SILVA         Elementos   orgânicos:   são   normas   reguladoras   da   estrutura   do   Estado   e   do   Poder   (Exemplo:  Capítulo  IV,  Da  Organização  dos  Poderes).   Elementos   limitativos:   impõe   limites   aos   poderes   públicos   (Exemplo:   Título   II,   Dos   Direitos  e  Garantias  Fundamentais).   Elementos  sócio-­‐ideológicos:  demonstram  a  ideologia  constitucional  (Exemplo:  Direitos   Sociais  dos  Trabalhadores).   Elementos   de   estabilização   constitucional:   são   as   normas   destinadas   à   defesa   do   Estado   e   à   manutenção   da   estabilidade   (Exemplo:   Intervenção   federal,   Estado   de   Defesa).   Elementos   formais   de   aplicabilidade:   trazem   regras   de   aplicação   da   Constituição   (Exemplo:  art.  5.º,  §  1.º,  ADCT).     Fontes imediatas Fontes mediatas
  5. 5. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  5     1.4   CONSTITUIÇÃO:   SENTIDO   SOCIOLÓGICO,   SENTIDO   POLÍTICO,   SENTIDO   JURÍDICO,   SENTIDO  CULTURALISTA.     1.4.1  Sentido  sociológico       FERDINAND   LASSALLE   foi   o   representante   mais   expressivo   do   sociologismo   jurídico.  Para  ele,  a  Constituição  pode  representar  o  efetivo  poder  social  ou  distanciar-­‐se   dele:  na  primeira  hipótese,    ela  é  legítima;  na  segunda,  ilegítima.     Segundo  a  tese  fundamental  de  Lassalle,  a  Constituição  de  um  país  expressa  as   relações  de  poder  nele  dominantes:  o  poder  militar,  representado  pelas  forças  armadas;   o  poder  social,  representado  pelos  latifundiários;  o  poder  econômico,  representado  pela   indústria   e   pelo   grande   capital;   e,   finalmente,   o   poder   intelectual,   representado   pela   consciência  e  cultura  gerais.    É  essa  conjugação  de  fatores  que  forma  a  “Constituição   real”  de  um  país.     Assim,   a   “Constituição   escrita”   não   passaria   de   uma   "folha   de   papel",   pois   a   capacidade   de   regular   e   motivar   estaria   limitada   à   sua   compatibilidade   com   a   “Constituição   real”.       Portanto,   no   caso   de   colisão   entre   a   “Constituição   real”   e   a   “Constituição  jurídica”,  o  desfecho  seria  inevitável:    prevaleceria  a  Constituição  real.     1.4.2  Sentido  político           É  a  concepção  é  CARL  SCHMITT,  o  qual  entende  que,  Constituição,    é  fruto  do   que  denominou  de  decisão  política  fundamental,  ou  seja,  decisão  concreta  de  conjunto   sobre  o  modo  e  a  forma  de  existência  da  unidade  política.     Carl  Schmitt    diferencia    “Constituição”  das  “leis  constitucionais”.     Constituição   se   refere   à   decisão   política   fundamental   (estrutura   e   órgãos   do   Estado,  direitos  individuais,  vida  democrática...).  Leis  constitucionais,  por  sua  vez,  são  as   demais   normas   inscritas   no   texto   da   Constituição,   mas   que   não   contém   matéria   de   decisão  política  fundamental.     1.4.3  Sentido  jurídico   A   teoria   de   HANS   KELSEN   é   a   fonte   do   sentido   jurídico.   Segundo   o   jurista   austríaco,  para  se  buscar  o  fundamento  da  Constituição,  não  é  necessário  incursões  pela   sociologia  ou  pela  política.  Para    ele,  portanto,  a  Constituição  é  a  norma  pura,  pois  está   no  plano  no  dever-­‐ser,  e  não  no  mundo  do  “ser”,  que  seria  do  direito  natural.   Kelsen  explora  a  ideia  de  Constituição  por  meio  de  dois  distintos  planos:  lógico-­‐ jurídico  e  jurídico-­‐positivo:      
  6. 6. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  6   LÓGICO-­‐JURÍDICO   JURÍDICO-­‐POSITIVO   Norma  hipotética  fundamental   (suposta)   Norma  posta  (positivada)   Norma  que  serve  de  fundamento   hipotético  da  validade  da   Constituição  positivada.   Norma  suprema,  fixa  no  mais  alto  patamar   hierárquico  do  sistema  jurídico     1.4.4  Sentido  culturalista     Esta   concepção   parte   do   pressuposto   de   que   todos   os   sentidos   até   agora   abordados   são   interdependentes   e,   por   isso,   o   entendimento   da   Constituição   está   dependente   de   uma   complexidade   de   fundamentos.   Essa   conjunção   leva   à   ideia   de   “Constituição  total”,  ou  seja,  que  considera  todos  os  aspectos  econômicos,  sociológicos,   jurídicos  e  filosóficos  (NOVELINO,  2009).     A   visão   culturalista,   então,   vê   a   Constituição   como   resultante   da   expressão   cultural   de   um   determinado   momento   histórico   e,   simultaneamente,   atua   ela   como   elemento  conformador  dessa  mesma  cultura.     1.4.5  Konrad  Hesse:  a  força  normativa  da  Constituição     Para  KONRAD  HESSE,  as  normas  jurídicas  e  a  realidade  devem  ser  consideradas   em   seu   condicionamento   recíproco.   A   norma   constitucional   não   tem   existência   autônoma  em  face  da  realidade,  e  a  Constituição  não  configura  apenas  a  expressão  de   um  ser,  mas  também  de  um  dever  ser.  Assim,  para  ser  aplicável,  a  Constituição  deve  ser   conexa  à  realidade  jurídica,  social,  política;  no  entanto,  ela  não  é  apenas  determinada   pela  realidade  social,  mas  também  determinante  desta.       1.5    CONCEITO  DE  CONSTITUIÇÃO       Constituição,  segundo  Alexandre  de  Moraes  (2008,  p.  6),  é  a  lei  fundamental  e   suprema   de   um   Estado,   que   contém   normas   referentes   à   estruturação   do   Estado,   à   formação   dos   poderes   públicos,   forma   de   governo   e   aquisição   do   poder   de   governar,   distribuição  de  competências,  direitos,  garantias  e  deveres  dos  cidadãos.  Além  disso,  é  a   Constituição  que  individualiza  os  órgãos  competentes  para  a  edição  de  normas  jurídicas,   legislativas  ou  administrativas.              
  7. 7. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  7       1.6  CLASSIFICAÇÃO  DAS  CONSTITUIÇÕES                 Quanto  à  forma                               Quanto  à  estabilidade                               Quanto  ao  conteúdo               Escritas (orgânicas, codificadas, sistematizadas): cujas regras se contêm em documento solene, elaborado para fixar a organização fundamental. Não escritas (inorgânicas, não codificadas): não traz as normas constitucionais em um único texto solene e codificado, mas por diversos textos separados (inclusive em sentido histórico), baseados nas tradições, costumes, jurisprudência etc. Rígidas: são aquelas que só podem ser alteradas mediante processo especial de reforma, normalmente, por meio de quorum especial, diferenciado do exigido para as demais normas. Flexíveis: podem ser modificadas por processo legislativo ordinário, comum. Semirrígidas: algumas regras podem ser modificadas por processo legislativo ordinário. Outras, somente por processo legislativo especial. Imutáveis: seriam inalteráveis, pois pretenderiam ser permanentes, eternas. Super-rígidas: além de possuir um processo legislativo diferenciado (emendas) para sua modificação, alguns assuntos seriam imutáveis, por força das cláusulas pétreas (art. 60, § 4.º, CF/88). Formal: é composta por normas estruturais de organização fundamental da sociedade e do Estado e, além dessas, por outros princípios e regras que não teriam essa natureza estruturante. Assim, independentemente da matéria, todo o conteúdo que foi aprovado por um processo diferenciado terá caráter constitucional. Material: é composta por princípios e regras que têm por objeto os direitos fundamentais, a estrutura do Estado, a organização dos Poderes, a distribuição de competências etc. Traz a organização fundamental da sociedade e do Estado. Legal: seria a Constituição escrita e que se apresenta fragmentada em textos esparsos. Isso se dá na medida em que o art. 5º, § 3º, da CF/88, passou a aceitar que tratados de direitos humanos sejam equiparados às emendas constitucionais.
  8. 8. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  8           Quanto  ao  modo     de  elaboração                     Quanto  à  origem                     Quanto  a  sua  extensão     e  finalidade                         Quanto  à     correspondência     com  a  realidade   ou  ontológica   (Karl  Loewenstein)                 Dogmáticas: são as que se apresentam como produto escrito e sistematizado por um órgão constituinte, a partir de ideias fundamentais da teoria política e do direito dominante. Históricas: são constituições fruto da lenta e contínua síntese da história e tradições de um determinado povo. Promulgadas: são aquelas que derivam do trabalho de Assembléia Nacional Constituinte, composta por representantes do povo, eleitos para essa finalidade. Outorgadas: são as produzidas sem a participação popular, através da imposição do poder. Analíticas (dirigentes): examinam e regulamentam todos os assuntos que entendem relevantes à formação, destinação e funcionamento do Estado. Sintéticas (garantias): preveem somente os princípios e as normas gerais de regência do Estado, organizando-o e limitando seu poder por meio de estipulação de direitos e garantias fundamentais. Normativas: são aquelas cujas normas dominam o processo político, ou seja, em que o poder se adapta às normas constitucionais e se lhes submete. Nominais: são aquelas que não conseguem adaptar as suas normas à dinâmica do processo político, ficando sem realidade existencial. Em outras palavras: mesmo tendo a intenção de limitar o poder, não conseguem. Semânticas: apenas formalizam a situação do poder político existente em benefício exclusivo dos detentores de fato desse poder. Cesaristas: são as referendadas pelo povo, sobre um projeto elaborado por um Imperador ou ditador.
  9. 9. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  9       1.6.1  Classificação  da  Constituição  Federal  de  1988         Escrita   ou     Legal     Rígida   ou   Super-­‐rígida   Formal   Dogmática   Promulgada   Analítica       1.7    FUNDAMENTOS  DO  PODER  CONSTITUINTE       Poder  Constituinte  é  a  manifestação  soberana  da  suprema  vontade  política  de   um  povo,  social  e  juridicamente  organizado  (MORAES,  2008,  p.  26).   Assim,  a  titularidade  do  Poder  Constituinte,  pela  moderna  doutrina,  pertence  ao   povo,   pois   o   Poder   decorre   da   soberania   popular   (CF,   art.   1.o ,   parágrafo   único).   A   vontade  constituinte  é  a  vontade  do  povo,  expressa  por  meio  de  seus  representantes.     Existem,  assim,  duas  formas  básicas  de  deflagração  do  processo  constituinte  originário:   Assembléia  Nacional  Constituinte  e  Revolução  (outorga).       1.7.1 Poder  Constituinte  originário  e  derivado     Poder   Constituinte   Originário   (de   primeiro   grau):   é   aquele   que   estabelece   a   Constituição  de  um  Estado,  organizando-­‐o  e  criando  os  poderes  destinados  a  reger  os   interesses  da  comunidade.  São  características  do  Poder  Constituinte  Originário:  é  inicial   e   anterior,   juridicamente   ilimitado   e   incondicionado,   autônomo   e   exclusivo,   permanente  e  inalienável  (SARLET,  2012,  p.  91).     Adverte-­‐se,  contudo,  que  a  ilimitação  do  Poder  Constituinte  Originário  encontra-­‐ se  somente  em  plano  jurídico-­‐formal.    A  expressão  “incondicionado”,  portanto,  refere-­‐ se  a  qualquer  tipo  de  limitação  imposta  pela  Constituição  anterior,  nada  mais  do  que   isso.     Poder   Constituinte   Derivado   (ou   instituído,   constituído,   reformador,   de   segundo  grau):  é  aquele  que  está  inserido  dentro  da  própria  Constituição.  Permite  ao   legislador   realizar   certas   modificações   no   texto   original   da   Constituição.   Possui   como   características:    derivado,  subordinado,    condicionado.  É,  em  última  análise,  limitado.     Subdivide-­‐se  em  dois:                
  10. 10. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  10                                   1.8 REFORMA  E  REVISÃO  CONSTITUCIONAL     Segundo  Manoel  Gonçalves  Ferreira  Filho  (2001,  p.  284),  na  tradição  do  Direito   Constitucional  brasileiro,  não  há  qualquer  diferença  no  uso  das  duas  expressões.         Adverte,  contudo,  utilizando  lições  de  Nélson  de  Souza  Sampaio  que,  quanto  à     amplitude,  costuma-­‐se  falar  em  reforma  total  e  reforma  parcial.      O  termo  “emenda”,   explica,     tem   maior   propriedade   nesta   última   hipótese,   mas   é   usado   também   em   sentido  amplo,  equivalente  à  revisão  ou  reforma,  como  fazem  os  escritores  ingleses  com   as  expressões  amendment  e  revision    em  referência  a  alterações  da  Constituição.               Nada   obstante,   é   importante   salientar   que   a   Constituição   Federal   de   1988   incorporou  tratamento  diferenciado  às  duas  expressões:       REVISÃO  CONSTITUCIONAL   Art.  3.º,  ADCT.   REFORMA  CONSTITUCIONAL   Art.  60   Votação  unicameral.   Votação  bicameral  –  art.  60,  §  2º.   Aprovação  por  maioria  absoluta.   Aprovação  por  3/5  do  total  de  membros  de   cada  Casa  –  art.  60,  §  2º.   Não  pode  ser  reproduzido  por  Estado,  DF  e   Municípios.   Norma  de  reprodução  obrigatória.           Poder Constituinte Derivado Poder Constituinte derivado reformador: é a possibilidade de alteração do texto constitucional, respeitando a regulamentação especial prevista na própria Constituição. No Brasil, o poder reformador dá-se através de emenda à constituição ou de revisão constitucional; Poder Constituinte derivado decorrente: é a possibilidade que os Estados-Membros têm de se auto-organizarem por meio de suas Constituições Estaduais, obedecidos, sempre, os limites impostos pela Constituição Federal.
  11. 11. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  11   1.8.1 Possibilidade  de  alteração  da  Constituição  através  de  interpretação:  mutação   constitucional   Mutação  constitucional  é  o  processo  informal  de  modificação  do  significado  da   Constituição  sem  que  haja  a  alteração  formal  de  seu  texto,  que  se  daria  por  meio  de   emenda  constitucional.   Essa   possibilidade   pode   ocorrer   por   duas   razões   (NOVELINO,   2009,   p.   148):   a)   surgimento  de  novo  costume    ou  b)  pela  via  interpretativa.   A  Constituição  de  um  país  é  um  organismo  vivo  (living  Constitucion),  dinâmico  e  sujeito   a   mutações   e   uma   hermenêutica   que   acompanhe,   quanto   possível,   a   evolução   da   própria  sociedade.     Por  exemplo,  com  esse  fundamento,  ensina  Daniel  Sarmento  (2001,  p.  122),  que   o  STF,  no  julgamento  do  Inquérito  687-­‐SP  (Informativo  159),  entendeu  que  deveria  ser   revogada   a   Súmula   394   (manutenção   da   prerrogativa   de   foro   por   função   após   a   cessação  do  mandato).       Para   concursos,   outro   exemplo   importante   de   mutação   constitucional   teria   se   efetivado   em   relação   à   participação   do   Senado   Federal   no   controle   DIFUSO   de   constitucionalidade,  prevista  no  art.  52,  X,  da  Constituição  da  República  (KUBLISCKAS,   2009).   No  julgamento  da  Reclamação  nº  4.335/AC  (Informativo  STF  nº  454  –  pendente   de  julgamento  final)  os  Ministros  Gilmar  Ferreira  Mendes  e  Eros  Grau  entenderam  que   o  papel  do  Senado  no  controle  difuso  não  seria  mais  de  “suspender  a  execução  das  leis”,   mas   apenas   dar   publicidade   às   decisões   finais   do   STF,   as   quais,   mesmo   no   sistema   difuso,    já  seriam,  por  si,  erga  omnes.             1.9 NEOCONSTITUCIONALISMO   (pós-­‐positivismo   ou   constitucionalismo   pós-­‐ moderno)     Neoconstitucionalismo  é  a  corrente  de  pensamento  que  busca  não  mais  atrelar  o   constitucionalismo  apenas  à  idéia  de  limitação  do  Poder  político,  mas,  acima  de  tudo,   buscar  a  real  eficácia  do  texto  constitucional,  de  forma  a  que  este  deixe  de  possuir  um   caráter   meramente   retórico,   principalmente   no   que   diz   respeito   à   concretização   dos   direitos  fundamentais:  “A  doutrina  pós-­‐positivista  se  inspira  na  revalorização  da  razão   prática,  na  teoria  da  Justiça  e  na  legitimação  democrática.”  (BARROSO,  2009,  p.  249).              
  12. 12. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  12   QUESTÕES  SOBRE  A  MATÉRIA     1)  (Juiz  do  Trabalho  –  23a .  Região  –  2010)  Analise  as  proposições  abaixo  e  indique  a  resposta   correta:   I   –   No   sentido   sociológico,   a   Constituição,   segundo   a   conceituação   de   Ferdinand   Lassalle   é   a   somatória  dos  fatores  reais  de  poder  dentro  de  uma  sociedade,  e  no  sentido  político,  segundo   Carl   Schmitt,   é   a   decisão   política   fundamental,   fazendo   distinção   entre   Constituição   e   leis   constitucionais.   II   –   Para   Hans   Kelsen   a   concepção   de   Constituição   tem   dois   sentidos:   lógico-­‐jurídico,   que   equivale  à  norma  positiva  suprema,  ou  seja,  conjunto  de  normas  que  regula  a  criação  de  outras   normas,  lei  nacional  no  seu  mais  alto  grau,  e  jurídico-­‐positivo,  que  significa  norma  fundamental   hipotética;   III  –  A  Constituição  dita  Cesarista  é  aquela  em  que  a  participação  popular  é  democrática  pois  visa   ratificar  a  vontade  do  detentor  do  poder;   IV   –   Os   elementos   da   Constituição   trazem   valores   distintos   caracterizando   a   natureza   polifacética  da  Constituição,  assim  pode-­‐se  afirmar  que  o  preâmbulo  da  Constituição  constitui   seu  elemento  formal  de  aplicabilidade.   (A) A  proposição  I  está  correta,  e  as  proposições  II,  III  e  IV  erradas;   (B) Todas  as  proposições  estão  erradas;   (C) As  proposições  II  e  IV  estão  corretas  e  as  proposições  I  e  III  estão  erradas;   (D) Todas  as  proposições  estão  corretas;   (E) As  proposições  I  e  IV  estão  corretas,  e  as  proposições  II  e  III  estão  erradas.       2) (Defensor   Público   –   SP   -­‐   2006)   O   termo   “Constituição”   comporta   uma   série   de   significados   e   sentidos.   Assinale   a   alternativa   que   associa   corretamente   a   frase,   autor   e   sentido.   (A) Todas   as   Constituições   pretendem,   implícita   ou   explicitamente,   conformar   globalmente   o   político.  Há  uma  intenção  atuante  e  conformadora  do  direito  constitucional  que  vincula  o   legislador.  Jorge  Miranda.  Sentido  dirigente.   (B) Todos  os  países  possuem,  possuíram  sempre,  em  todos  os  momentos  as  sua  história  uma   constituição  real  e  efetiva.Carl  Schmitt.  Sentido  político.   (C) Constituição   significa,   essencialmente,   decisão   política   fundamental,   ou   seja,   concreta   decisão   de   conjunto   sobre   o   modo   e   a   forma   de   existência   política.   Ferdinand   Lassale.   Sentido  Político.   (D) Constituição  é  a  norma  fundamental  hipotética  e  lei  nacional  no  seu  mais  alto  grau  na  forma   de  documento  solene  e  que  somente  pode  ser  alterada  observando-­‐se  certas  prescrições   especiais.  Jean  Jacques  Rousseau.  Sentido  lógico-­‐jurídico.   (E) A  verdadeira  Constituição  de  um  país  somente  tem  por  base  os  fatores  reais  de  poder  que   naquele  país  vigem  e  as  constituições  escritas  não  têm  valor  nem  são  duráveis  a  não  ser  que   exprimam  fielmente  os  fatores  reais  de  poder  que  imperam  na  realidade.  Ferdinand  Lassale.   Sentido  Sociológico.    
  13. 13. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  13     3)  (Procurador  do  Município  de  Sorocaba  –  SP  –  2008)    De  acordo  com  a  teoria  geral  do  direito   constitucional,  o  conceito  de  Constituição  pode  ser  concebido  em  diferentes  sentidos.  Aponte   a   alternativa   que   corresponde   aos   autores   clássicos   que   concebem   a   Constituição,   respectivamente,  nos  sentidos  sociológico,  político  e  jurídico.   (A)  Hans  Kelsen,  Ferdinand  Lassalle  e  Norberto  Bobbio.   (B)  Carl  Schmitt,  Konrad  Hesse  e  Ferdinand  Lassalle.   (C)  Karl  Lowenstein,  Carl  Schmitt  e  Hans  kelsen.   (D)  Ferdinand  Lassalle,  Carl  Schmitt  e  Hans  Kelsen.   (E)  Norberto  Bobbio,  JJ.  Canotilho  e  Karl  Lowenstein.     4)   (Analista   MPU   –   2007)   Conforme   a   doutrina   dominante,   a   Constituição   da   República   Federativa  do  Brasil  de  1988  é  classificada  como     (A) formal,  escrita,  outorgada  e  rígida.   (B) formal,  escrita,  promulgada  e  rígida.   (C) material,  escrita,  promulgada  e  imutável.   (D) formal,  escrita,  promulgada  e  flexível.   (E) Material,  escrita,  outorgada  e  semirrígida.     5) (Analista   do   TRF   –   4ª   Região   –   2007)     A   Constituição   da   República   Federativa   do   Brasil   (1988),   pode   ser   classificada   quanto   ao   seu   conteúdo,   seu   modo   de   elaboração,   sua   origem,  sua  estabilidade  e  sua  extensão,  como     (A) formal,  histórica  ou  costumeira,  promulgada,  flexível  e  sintética.   (B) material,  dogmática,  outorgada,  rígida  e  sintética.   (C) formal,  dogmática,  promulgada,  super-­‐rígida  e  analítica.   (D) material,  pragmática,  outorgada,  semirrígida  e  sintética.   (E) formal,  histórica  ou  costumeira,  outorgada,  flexível  e  analítica.     6)   (MP/RN   –   2009)   A   Carta   outorgada   em   10   de   novembro   de   1937   é   exemplo   de   texto   constitucional  colocado  a  serviço  do  detentor  do  poder,  para  seu  uso  pessoal.  É  a  máscara  do   poder.   É   uma   Constituição   que   perde   normatividade,   salvo   nas   passagens   em   que   confere   atribuições  ao  titular  do  poder.   Numerosos  preceitos  da  Carta  de  1937  permaneceram  no  domínio  do  puro  nominalismo,  sem   qualquer  aplicação  e  efetividade  no  mundo  das  normas  jurídicas.     Raul  Machado  Horta.  Direito  constitucional.  2.a  ed.   Belo   Horizonte:   Del   Rey,   1999,   p.   54-­‐5   (com   adaptações).       Considerando   a   classificação   ontológica   das   constituições,   assinale   a   opção   que   apresenta  a  categoria  que  se  aplica  à  Constituição  de  1937,  conforme  a  descrição  acima.    
  14. 14. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  14     (A) constituição  semântica.     (B) constituição  dogmática.   (C) constituição  formal.   (D) constituição  outorgada.     (E) constituição  ortodoxa.     7)  (MP/DF  –  2005)  Considerando  que  a  função  normativa  da  autorização  significa  conferir  a   uma   pessoa   o   poder   de   estabelecer   e   aplicar   normas,   Kelsen   afirmava   que   uma   norma   do   Direito  autoriza  pessoas  determinadas  a  produzirem  normas  jurídicas  ou  a  aplicá-­‐las.  Neste   caso,  diz-­‐se:  o  Direito  confere  a  pessoas  determinadas  um  poder  legal.  Já  que,  para  Kelsen,  o   Direito   regula   sua   própria   produção   e   aplicação,   a   função   normativa   da   autorização   desempenha,  particularmente,  um  importante  papel  no  direito.  Apenas  pessoas,  às  quais  o   ordenamento   jurídico   confere   este   poder   podem   produzir   ou   aplicar   normas   de   Direito.   A   respeito   do   conceito,   estrutura   e   função   da   Constituição,   segundo   Hans   Kelsen,   e   de   sua   configuração  na  Constituição  Brasileira  de  1988,  assinale  a  alternativa  incorreta.   (A) A  Constituição  Brasileira  é  o  fundamento  de  validade  de  toda  a  ordem  jurídica  nacional.   (B) A   Constituição   confere   unidade   ao   ordenamento   jurídico,   tendo   em   vista   que   a   ordem   jurídica  não  é  um  sistema  de  normas  jurídicas  ordenadas  no  mesmo  plano.   (C) A  ordem  jurídica  de  1988  é  uma  construção  escalonada  de  diferentes  camadas  ou  de  níveis   de  normas  jurídicas.   (D) A  Constituição  de  1988  e  o  novo  Código  Civil  são  o  ponto  comum  ao  qual  se  reconduzem   todas  as  normas  vigentes  no  âmbito  do  Estado  Brasileiro.   (E) A  ordem  constitucional  instituída  em  1988  recebeu  normas  anteriores  à  sua  vigência  que   com  ela  fossem  compatíveis.     8)  (Analista  do  MP  –  CE  –  2009)  A  Constituição  brasileira  de  1824  previa,  em  seus  artigos  174  e   178:     “Art.  174.  Se  passados  quatro  anos,  depois  de  jurada  a  Constituição  do  Brasil,  se  conhecer,  que  algum  dos   seus   artigos   merece   reforma,   se   fará   a   proposição   por   escrito,   a   qual   deve   ter   origem   na   Câmara   dos   Deputados,  e  ser  apoiada  pela  terça  parte  deles.”   “Art.  178.  É  só  Constitucional  o  que  diz  respeito  aos  limites  e  atribuições  respectivas  dos  Poderes  Políticos  e   aos  Direitos  Políticos  e  individuais  dos  Cidadãos.  Tudo  o  que  não  é  Constitucional  pode  ser  alterado  sem  as   formalidades  referidas,  pelas  Legislaturas  ordinárias.”     Depreende-­‐se  dos  dispositivos  acima  transcritos  que  a  Constituição  brasileira  do  Império:   (A) Impunha   limites   temporais,   materiais   e   circunstanciais   ao   exercício   regular   do   poder   de   reforma  constitucional,  a  exemplo  do  que  se  tem  na  Constituição  vigente.   (B) Exigia   quorum   de   maioria   qualificada   para   propositura   de   emendas   à   Constituição   por   membros   do   Legislativo,   diferentemente   da   Constituição   vigente,   que   admite   iniciativa   isolada  de  parlamentares  para  proposta  de  emenda.   (C) Poderia  ser  classificada  como  sintética  e  histórica,  em  oposição  à  Constituição  vigente,  que  é   analítica  e  dogmática.    
  15. 15. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  15     (D) Era   do   tipo   semirrígida,   quanto   à   alterabilidade   de   suas   normas,   diferentemente   da   Constituição  vigente,  que,  sob  esse  aspecto,  é  rígida.   (E) Previa  hipótese  especial  de  revisão  constitucional,  semelhante  àquela  contemplada  no  Ato   das   Disposições   Constitucionais   Transitórias   da   Constituição   vigente,   quanto   a   prazo   e   quorum  para  exercício  do  poder  de  revisão.     9)  (MP/MT  –  2008)  Segundo  a  doutrina,  as  constituições  podem  ser  classificadas  como   (A) dogmáticas,   quando   resultantes   de   longa   e   progressiva   formação   histórica,   fruto   da   evolução  das  tradições  e  costumes  sociais  e  culturais  de  um  povo.   (B) outorgadas,  quando  originárias  de  um  órgão  constituinte,  formado  por  representantes  do   povo.   (C) costumeiras,  quando  elaboradas  por  um  órgão  constituinte,  sistematiza  as  idéias  políticas   ou  dogmas  fundamentais  do  momento.   (D) rígidas,  quando  somente  podem  ser  alteradas  por  um  processo  legislativo  mais  dificultoso  e   solene,  diferenciado  daquele  da  legislatura  ordinária.   (E) flexíveis,  quando  formadas  por  normas  que  estabelecem  a  estrutura  do  estado  e  normas   que   estabelecem  programas  governamentais  (programáticas).     10)  (MP/SP  –  2010)  Quanto  ao  grau  de  sua  alterabilidade  ou  mutabilidade,  as  Constituições   Federais  se  classificam  em:   (A) flexíveis,  rígidas,  semirrígidas  ou  semiflexíveis,  e  superrígidas.     (B) promulgadas,  outorgadas,  cesaristas  e  pactuadas.     (C) analíticas  e  sintéticas.     (D) escritas  e  costumeiras.   (E) rígidas  e  superígidas   GABARITO     1   E   2   E   3   D   4   B   5   C   6   A   7   D   8   D   9   D   10   A  
  16. 16. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  16   Capítulo  2   Preâmbulo  e  Princípios  Fundamentais     2.1    PREÂMBULO  CONSTITUCIONAL   Relativamente   à   força   jurídica   do   preâmbulo   constitucional,   o   Plenário   do   Supremo   Tribunal   Federal,   no   julgamento   da   ADI   2.076/AC,   (Rel.   Min.   CARLOS   VELLOSO),  reconheceu  que  o  preâmbulo  da  Constituição  não  tem  valor  normativo,   apresentando-­‐se   desvestido   de   força   cogente.   O   STF,   no   julgamento   plenário   em   questão,  entendeu  que:     F O   preâmbulo   é   parte   integrante   da   Constituição,   com   todas   as   suas   consequências.   Dela   não   se   distingue   nem   pela   origem,   nem   pelo   sentido,   nem  pelo  instrumento  em  que  se  contém.  Distingue-­‐se  (ou  pode  distinguir-­‐se)   apenas  pela  sua  eficácia  ou  pelo  papel  que  desempenha.     F Os  preâmbulos  não  podem  assimilar-­‐se  às  declarações  de  direitos.     F O   preâmbulo   não   pode   ser   invocado   enquanto   tal,   isoladamente,   nem   cria   direitos  ou  deveres.  Não  há  inconstitucionalidade  por  violação  do  preâmbulo   como   texto;   só   há   inconstitucionalidade   por   violação   dos   princípios   consignados  na  Constituição.         Além  disso,  orienta  Ingo  W.  Sarlet  (2012,  p.  67),  que  o  STF,  em  julgamento  de   2009  (HC  94.163),  entendeu  que  no  âmbito  de  interpretação  e  aplicação  do  direito,   os   valores   e   objetivos   consignados   no   preâmbulo   da   Constituição   podem   ser   invocados  como  reforço  argumentativo,  de  forma  a  justificar  uma  decisão,  desde  que   em  conjunção  com  demais  preceitos  normativos  do  texto  principal  da  Constituição.     2.2    PRINCÍPIOS  FUNDAMENTAIS     Na   doutrina   brasileira   (BASTOS,   2001),   os   Princípios   Fundamentais   são   aqueles   que   guardam   os   valores   da   ordem   jurídica,   não   objetivando   regular   situações   específicas,   mas   para   servir   como   critério   de   interpretação   das   normas   constitucionais  para  o  legislador,  para  o  juiz  e  para  os  próprios  cidadãos.  Objetivam   (BULOS,  2007,  p.  384):   F garantir  a  unidade  da  Constituição;   F orientar   a   ação   do   intérprete,   balizando   a   tomada   de   decisões,   tanto   de   particulares  quanto  dos  Legislativo,  Executivo  e  Judiciário;   F preservar  o  Estado  democrático  de  direito.    
  17. 17. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  17   2.2.1  Fundamentos  da  República  Federativa  do  Brasil  (Art.  1.º )       I  -­‐  SOBERANIA   Na  acepção  de  Marcelo  Caetano  (1987,  p.  169),    trata-­‐se  de  um  poder  político   supremo,  ou  seja,  aquele  que  não  é  limitado  por  nenhum  outro  na  ordem  interna  e   nas  relações  internacionais.    Consiste  no  fato  de  não  acatar  regras  que  não  sejam   voluntariamente  aceitas  e  em  igualdade  com  os  poderes  supremos  dos  outros  povos.     II  -­‐  CIDADANIA     Não  é  incomum  o  conceito  de  cidadania  como  sendo  a  condição  do  brasileiro   nato   ou   naturalizado   de   utilizar   seus   direitos   junto   ao   poder   público   estatal,   tais   como:  ser  eleitor  ou  candidato,  ter  acesso  a  cargos  públicos  etc.  (art.  14  da  CF/88).   Enfim,  cidadão  seria  o  resultado  do  somatório:  brasileiro  +  direitos  políticos.   Nada   obstante,   não   parece   ser   essa   a   melhor   interpretação,   mesmo   para   quem  se  prepara  para  concursos  públicos,  especialmente  face  à  inserção  do  conceito   de  cidadão  no  rol  do  art.  1.º  da  Constituição  Federal.    Na  medida  em  que  é  um  dos   “Princípios  Fundamentais”,  restringir  CIDADANIA  ao  fato  puro  e  simples  do  exercício   dos  Direitos  Políticos  por  brasileiros,  é  reduzir  muito  o  caráter  de  vetor  interpretativo   que  deve  ser  emprestado  a  esse  referencial  constitucional.   Por   essa   razão,   a   doutrina   brasileira   tem   conferido   interpretação   mais   abrangente,  concluindo  que,  cidadania  seria  o  “direito  de  ter  direitos”,  ligada  à  idéia   de  dignidade  da  pessoa  humana  (ARAÚJO,  2004,  p.  79;  NOVELINO,  2009,  p.  503;  ).   Com   essa   visão,   não   apenas   os   brasileiros   estariam   alcançados,   mas   também   os   estrangeiros  aqui  residentes,  pois  a  cidadania  advém  da  qualidade  do  ser  humano,   que  o  faz  merecedor  da  tutela  do  Estado  (NASCIMENTO,  1997,  p.  169).       III  -­‐  DIGNIDADE  DA  PESSOA  HUMANA   Segundo   o   Supremo   Tribunal   Federal   (HC   85.988-­‐MC),   o   postulado   da   dignidade   da   pessoa   humana,   que   representa   significativo   vetor   interpretativo,   verdadeiro   valor-­‐fonte   que   conforma   e   inspira   todo   o   ordenamento   constitucional   vigente  no  País  e  que  traduz,  de  modo  expressivo,  um  dos  fundamentos  em  que  se   assenta,   entre   os   brasileiros,   a   ordem   republicana   e   democrática   consagrada   pelo   sistema  de  direito  constitucional  positivo.            
  18. 18. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  18     IV  -­‐  VALORES  SOCIAIS  DO  TRABALHO  E  DA  LIVRE  INICIATIVA   Os  valores  sociais  do  trabalho  defluem  diretamente  da  dignidade  da  pessoa   humana.      Conjugados  em  um  único  inciso,  demonstrou  o  constituinte  de  1998  a   intenção  de  relacioná-­‐los  para  de  que  haja  harmonia  e  cooperação  entre  a  mão  de   obra  e  os  detentores  do  capital  (CHIMENTI,  2005).   A  livre  iniciativa,  portanto,  está  ligada  diretamente  ao  regime  capitalista  de   mercado,  sobre  o  qual  repousa  a  ordem  econômica  e  social  para  a  consecução  do   desenvolvimento   nacional   e   para   a   construção   de   uma   sociedade   livre,   justa   e   solidária  (CRETELLA  JÚNIOR,  1998).   Importante,   contudo,   que   a   intervenção   do   Estado   no   domínio   econômico,   sob  a  forma  de  fiscalização,  incentivo  e  planejamento,  antes  de  vedada,  é  prevista  no   art.  174  da  Constituição  da  República.    O  próprio  STF  (ADI  2163)  se  pronunciou  no   sentido  de  que,  para  que  sejam  realizados  os  fundamentos  do  art.  1.º  e  os  fins  do  art.   3.º  da  CF,  é  necessário  que  o  Estado  atue  sobre  o  domínio  econômico,  sendo  essa   intervenção  não  só  adequada,  mas  indispensável  à  consolidação  e  preservação  do   sistema  capitalista  de  mercado.     V  -­‐  PLURALISMO  POLÍTICO   O   pluralismo   político,   instituído   como   fundamento   Estado   democrático   de   direito,  não  está  restrito  à  questão  do  pluralismo  político-­‐partidário.   Na  doutrina  (ROZICKI,  2005),  pluralismo  político  liga-­‐se  ao  reconhecimento  de   que  a  sociedade  é  multidiversificada,  composta  pela  pluralidade  de  vários  centros  de   poder  em  diferentes  setores:  “[...]  As  diversas  comunidades  de  pessoas  com  idênticos   interesses  que  se  constituem,  pretendendo  facilitar  a  participação  de  seus  membros   no  acompanhamento  e  deliberação  relativa  a  toda  a  ação  estatal,  conferindo  a  esta,   ou   não,   legitimidade,   naturalmente,   no   ambiente   democrático,   assumem   a   representação  de  interesses  determinados,  específicos  e  delimitados  através  de  sua   organização  em  distintas  associações.  [...]”.   Para   Gilmar   Ferreira   Mendes   (2010,   p.   220),   o   princípio   fundamental   do   pluralismo  político  assume  função  de  um  direito  fundamental  à  diferença,  inerente  à   própria  dignidade  da  pessoa  humana,  compreendendo:   F inicialmente,  tolera-­‐se  aquilo  que  se  desaprova  as  não  se  pode  impedir;   F a   seguir,   tenta-­‐se   compreender   as   convicções   contrárias   às   nossas,   mas   sem   aderir  a  elas;   F finalmente,  reconhece-­‐se  o  direito  ao  erro,  ou  seja,  o  direito  de  todo  indivíduo  de   acreditar   no   que   bem   entender   e   de   levar   a   vida   como   lhe   convier,   com   a   só   condição  de  que  as  suas  escolhas  pessoais  não  causem  prejuízo  a  outrem,  nem   impeçam  o  exercício  de  igual  direito  pelos  demais  integrantes  do  grupo.    
  19. 19. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  19   2.2.2  Separação  dos  Poderes  (Art.  2.º)   Constitucionalmente   analisado,   PODER   é   o   princípio   unificador   da   ordem   jurídica.  Significa  dizer  que  sem  Poder  o  Estado  não  se  organiza  e,  por  isso,  não  há,   nem   pode   haver,   Estado   sem   Poder.     Segundo   Cretella   Júnior   (1998),   o   Poder,   no   início,  seria  uno.  Aos  poucos,  contudo,  foi  partilhado,  sendo  seu  exercício  distribuído   entre   vários   tipos   de   órgãos,   cada   um   com   sua   competência   graduada.   Assim,   a   separação   dos   Poderes   pressupõe   a   tripartição   das   funções   do   Estado,   ou   seja,   a   distinção  das  funções  “legislativa”,  “executiva”  e  “judiciária”.     Nesse   sentido,   explica,   cada   Poder   tem   o   exercício   de   funções   que   lhe   são   próprias  –  funções  orgânicas  ou  formais  –  além  de  outras  funções  –  funções  materiais   –   normalmente,   e   por   excelência,   exercidas   pelos   outros   dois   Poderes.   Trata-­‐se,   enfim,  da  tradicional  distinção  de  funções  TÍPICAS  e  ATÍPICAS  de  cada  Poder.     A  divisão  do  Poder,  assim,  consiste  em  repartir  o  exercício  do  Poder  Político   entre  vários  órgãos  diferentes  e  independentes,  por  diversos  critérios,  de  modo  que   nenhum   órgão   possa   agir   livremente   sem   ser   freado   por   outro,   impedindo,   dessa   forma,  o  arbítrio  antidemocrático.     2.2.3    Objetivos  Fundamentais  do  Brasil  (Art.  3.º)     Diversamente  dos  “fundamentos”  (art.  1.º),  os  objetivos  lançados  no  art.  3.º   da   Constituição   Federal   afiguram-­‐se   normas   de   natureza   programática   (SOUZA,   2006),  fornecendo  ao  governante  vetores  da  realização  de  suas  políticas  públicas.     São   destinatários,   assim,   dos   comandos-­‐valores   previstos   no   art.   3.º   da   Constituição  Federal,  não  diretamente  os  brasileiros  e  estrangeiros  aqui  residentes,   mas   especialmente   os   Poderes   Legislativo   e   Executivo,   a   quem   cabe,   respectivamente,   a   inovação   da   ordem   jurídica   e   a   execução   das   políticas   governamentais.     2.2.4  Princípios  do  Brasil  em  suas  Relações  Internacionais  (Art.  4.º)     O   art.   4.º   da   Constituição   da   República   traça   quais   são   os   princípios   que   o   Brasil   propugna   em   suas   relações   internacionais.    Por   relações   internacionais   (SEITENFUS,  2004),  define-­‐se  o  conjunto  de  contratos  que  se  estabelecem  através   das   fronteiras   nacionais   entre   grupos   socialmente   organizados.   Portanto,   são   internacionais   todos   os   fenômenos   que   transcendem   as   fronteiras   de   um   Estado,   fazendo  que  os  sujeitos,  privados  ou  públicos,  individuais  ou  coletivos,  relacionem-­‐se   entre  si.     A   constitucionalização   de   princípios   tradicionais   do   Direito   visa,   sobretudo,   permitir,  com  relação  aos  atos  decorrentes  da  política  externa  nacional,  a  fiscalização   e  o  controle  através  de  órgãos  constitucionalmente  competentes.    
  20. 20. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  20   Em  síntese,  o  art.  4.º  da  CF/88  possibilita  o  controle  (político)  da  ação  Estatal   por  parte  do  Poder  Legislativo  que  pode,  como  exemplo,  negar  aprovação  a  Tratado   internacional  celebrado  pelo  Presidente  da  República  e,  ainda,  o  controle  repressivo   pelo   Poder   Judiciário   que   poderá,   balizado   por   tais   princípios,   censurar   qualquer   desvio  porventura  ocorrido  nessa  seara.       2.2.4.1    Asilo  Político     O  instituto  do  Asilo  Político  é  regulado  pela  Lei  6.815/80  (art.  28),  o  “Estatuto   de   Estrangeiro”,   segundo   o   qual   o   estrangeiro   admitido   no   território   nacional   na   condição  de  asilado  político  ficará  sujeito,  além  dos  deveres  que  lhe  forem  impostos   pelo  Direito  Internacional,  a  cumprir  as  disposições  da  legislação  vigente  e  as  que  o   Governo  brasileiro  lhe  fixar.     Não  deve  ser  confundida,  contudo,  a  condição  de  ASILADO  POLÍTICO,  com  a   de  REFUGIADO.  Diferenças:       ASILO  POLÍTICO   REFUGIADO   Lei  6.815/80   Lei  9.474/97   Constitui  exercício  de  um  ato  soberano  do   Estado,  sendo  decisão  política  cujo   cumprimento  não  se  sujeita  a  nenhum   organismo  internacional.   Trata-­‐se  de  instituição  convencional  de  caráter   universal,  aplicando-­‐se  de  maneira  apolítica,   visando  à  proteção  de  pessoas  com  fundado   temor  de  perseguição.   O  asilo,  normalmente,  é  utilizado  em  casos  de   perseguição  política  individualizada.   Tem  sido  aplicado  a  casos  em  que  a   necessidade  de  proteção  atinge  a  um  número   elevado  de  pessoas,  onde  a  perseguição  tem   aspecto  mais  generalizado.   Visa  à  proteção  frente  à  perseguição  atual  e   efetiva.   É  suficiente  o  fundado  temor  de  perseguição.   O  asilo  pode  ser  solicitado  no  próprio  país  de   origem  do  indivíduo  perseguido.   O  refúgio,  por  sua  vez,  somente  é  admitido   quando  o  indivíduo  está  fora  de  seu  país  de   origem.   Não  veda  extradição  (STF,  Ext.  524).   Veda  a  extradição  do  refugiado  (art.  33  da  Lei   9.474/97).              
  21. 21. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  21   2.2.4.2    MERCOSUL                  Nas  palavras  da  Comissão  do  MERCOSUL  da  Assembléia  Legislativa  do  Estado  do   Rio  Grande  do  Sul,  o  Mercado  Comum  do  Sul  constitui    "uma  etapa  importante  nos   esforços   de   integração   econômica   da   América   Latina   e   tem   seu   marco   básico   no   Tratado  de  Assunção,  firmado  em  26  de  março  de  1991,  na  Capital  Paraguaia  [...]”   (Cartilha  do  Mercosul  –  ALRGS).                    Foi   fixada,   então,   a   data   de   31   de   dezembro   de   1994   para   que   os   países   signatários   decidissem   a   estrutura   institucional   definitiva   do   MERCOSUL,   as   respectivas  atribuições  e  as  formas  de  deliberação.  Com  o  Protocolo  de  Ouro  Preto,   em   1994,   o   MERCOSUL   adquiriu   personalidade   jurídica   internacional.   Essa   foi   a   grande  inovação.                    Sendo   assim,   respeitando   divergências   doutrinárias   muitas,   ainda   se   está   progredindo   em   direção   a   um   "mercado   comum".   Diversas   etapas   de   cooperação   econômica   e   de   integração   econômica   são   necessárias,   preparando   os   Estados   signatários  à  realidade  de  um  verdadeiro  mercado  comum.                  Importantes    observações  de  BASSO  (1997,  p.  20),    segundo  a  qual  "Quando  o   Tratado  de  Assunção  faz  referência  expressa  à  intenção  dos  signatários  de  criar  um   ‘mercado  comum’,    deixa  claro  que  os  Estados,  mais  do  que  ‘cooperação’  econômica,   buscam  a  ‘integração’.  Isto  é,    a  livre  circulação  de  pessoas,  bens,  serviços  e  capitais   (arts.  1.º  e  5.º  do  Tratado  de  Assunção)."                      Note-­‐se  que,  estando  em  marcha  a  integração  do  mercado  comum  do  sul,  deve-­‐ se  considerá-­‐la  como  uma  idéia  pendente  de  ser  viabilizada  em  termos  práticos.                      Finalmente,  cumpre  esclarecer  que  o  STF  (CR  8.279-­‐AgR)   já  teve  oportunidade   de  se  manifestar  no  sentido  de  que,  mesmo  cuidando-­‐se  de  tratados  de  integração,   ainda  subsistem  os  clássicos  mecanismos  institucionais  de  recepção  das  convenções   internacionais  em  geral,  não  bastando,  para  afastá-­‐los,  a  existência  da  norma  inscrita   no   art.   4.º,   parágrafo   único,   da   Constituição   da   República,   que   possui   conteúdo   meramente   programático   e   cujo   sentido   não   torna   dispensável   a   atuação   dos   instrumentos  constitucionais  de  transposição,  para  a  ordem  jurídica  doméstica,  dos   acordos,  protocolos  e  convenções  celebrados  pelo  Brasil  no  âmbito  do  Mercosul.    
  22. 22. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  22   QUESTÕES  SOBRE  A  MATÉRIA     1)  (Defensor  Público  –  SP  –  2009)  Assinale  a  afirmativa  correta.   (A) Nosso  federalismo  prevê  a  atuação  do  poder  constituinte  derivado  decorrente,  por  meio   de  instituições  que  correspondam  à  idéia  centralizadora  de  afirmação  do  estado  que  atua   em  bloco  único.   (B) A   teoria   da   ‘tripartição   de   poderes’   confirma   o   princípio   da   indelegabilidade   de   atribuições,   por   isso   qualquer   exceção,   mesmo   advinda   do   poder   constitucional   originário,  deve  ser  considerada  inconstitucional.   (C) O  princípio  do  pluralismo  político  refere-­‐se  à  ideologia  unitária  da  preferência  político-­‐ partidária,  já  que  nesse  terreno  é  imperativa  a  aplicação  da  reserva  da  constituição.   (D) Nas   relações   internacionais   aplica-­‐se   o   princípio   constitucional   da   intervenção,   com   repúdio  ao  terrorismo  e  defesa  da  paz,  além  da  solução  pacífica  dos  conflitos.   (E) O   princípio   republicano,   que   traduz   a   maneira   como   se   dá   a   instituição   do   poder   na   sociedade   e   a   relação   entre   governantes   e   governados,   mantém-­‐se   na   ordem   constitucional,  mas  hoje  não  mais  protegido  formalmente  contra  emenda  constitucional.     2)   (MP/CE   –   2011)   A   invocação   à   proteção   de   Deus,   constante   do   Preâmbulo   da   Constituição  da  República  vigente,   (A) é  inconstitucional.     (B) é  ilícita.     (C) não  tem  força  normativa.   (D) não  foi  recepcionada  pelo  texto  constitucional.   (E) é  expressão  de  reprodução  obrigatória  nas  Constituições  estaduais.     3)    Assinale  a  alternativa  correta  (AFTN  -­‐  96):   (A) Entre  os  princípios  fundamentais  da  ordem  constitucional,  no  que  respeita  às  relações   internacionais,  não  se  encontra  a  concessão  de  asilo  político.   (B) O   texto   constitucional   reconhece   expressamente   a   possibilidade   de   transferência   de   parcela  de  soberania  a  entes  supranacionais.   (C) A  igualdade  entre  os  Estados  é  princípio  fundamental  da  República  Federativa  em  suas   relações  internacionais.   (D) O   direito   editado   por   autoridades   supranacionais   integra   a   ordem   jurídica   brasileira   independentemente  de  qualquer  processo  de  recepção  ou  de  transformação.   (E) Os   princípios   gerais   de   direito   internacional   público   tem   preeminência   em   relação   ao   direito  positivo  ordinário  no  sistema  constitucional  brasileiro.          
  23. 23. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  23   4)   (Juiz   Federal   -­‐   4a .   Região)   Considerar   as   seguintes   afirmações   indicando,   adiante,   a   alternativa  correta:   I  -­‐  Nas  suas  relações  internacionais,  a  República  Federativa  do  Brasil  rege-­‐se,  entre  outros,   pelo  princípio  da  prevalência  dos  direitos  humanos  e  da  igualdade  entre  os  Estados,  sendo   objetivo  explicitamente  previsto  na  Constituição  o  da  formação  de  uma  comunidade  latino-­‐ americana  de  nações.   II  -­‐  Constituem  valor  e  objetivo  expressamente  referidos  na  Constituição  o  estabelecimento   de  uma  “sociedade  fraterna”  e  a  construção  de  “uma  sociedade  solidária”.   III  -­‐  Constitui  valor,  objetivo  ou  fundamento  expressamente  referidos  no  preâmbulo  e  nos   princípios  fundamentais  da  Constituição,  a  erradicação  do    “sectarismo  ideológico”,  a    “busca   do  pleno  emprego”    e  a    “solução  pacífica  dos  conflitos”  .   (A) As  três  afirmações  estão  inteiramente  corretas;   (B) Apenas  as  afirmações  I  e  II  estão  inteiramente  corretas;   (C) Apenas  a  afirmação  II  está  inteiramente  correta;   (D) Apenas  a  afirmação  I  está  inteiramente  correta.     5)   (MPU   –   2004)   Sobre   os   princípios   fundamentais,   na   Constituição   de   1988,   marque   a   única  opção  correta:   (A) Em  razão  do  princípio  republicano,  adotado  na  Constituição  de  1988,  os  Estados  podem   instituir  seus  impostos  e  aplicar  suas  rendas.   (B) Como   decorrência   da   adoção   do   princípio   do   Estado   Democrático   de   Direito,   temos   o   princípio  da  independência  do  juiz,  cujo  conteúdo  relaciona-­‐se,  entre  outros  aspectos,   com  a  previsão  constitucional  de  garantias  relativas  ao  exercício  da  magistratura.   (C) A  adoção  do  princípio  da  separação  dos  poderes,  na  Constituição  brasileira,  impõe  uma   independência   absoluta   entre   os   Poderes,   impedindo   que   haja   qualquer   tipo   de   interferência  de  um  Poder  sobre  o  outro.   (D) Em  decorrência  do  princípio  federativo,  há,  na  Constituição  brasileira,  a  previsão  de  que   os  Estados  possuirão  constituições  e  os  municípios,  leis  orgânicas,  por  força  de  expressa   disposição   constitucional,   após   dois   turnos   de   votação,   respectivamente,   nas   Assembléias  Legislativas  e  nas  Câmaras  municipais.   (E) A   concessão   de   asilo   político,   um   dos   princípios   que   rege   o   Brasil   em   suas   relações   internacionais,  tem  sua  aplicação  restringida,  nos  termos  da  Constituição,  por  questões   de  ideologia  e  de  independência  nacional     6) (AFRF  –  2002)  Assinale  a  opção  correta.   (A) A   República   Federativa   do   Brasil   é   formada   pela   união   dos   Estados   e   Municípios   e   do   Distrito  Federal,  que  devem  ser  considerados  entidades  soberanas.   (B) O  desenvolvimento  nacional  é  objetivo  fundamental  da  República  Federativa  do  Brasil,   devendo   sempre   preponderar   sobre   medidas   que   tenham   por   objetivo   a   redução   das   desigualdades  regionais  brasileiras.   (C) O  princípio  da  independência  entre  os  Poderes  não  impede  que,  por  vezes,  o  membro  de   um  Poder  escolha  os  integrantes  de  outro  Poder.  
  24. 24. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  24   (D) Como  o  Brasil  se  rege,  nas  relações  internacionais,  pelo  princípio  da  não-­‐intervenção,  é   contrária  à  Constituição  a  participação  brasileira  em  qualquer  missão  militar  promovida   pela  Organização  das  Nações  Unidas  (ONU).   (E) Um  Estado-­‐membro  da  Federação  brasileira  pode-­‐se  desligar  da  União  Federal  (direito  de   secessão),   invocando   o   princípio   da   autodeterminação   dos   povos,   inscrito   na   Constituição  Federal.     7)  (Téc.  Rec.  Fed.  -­‐  2002)  Assinale  a  alternativa  correta.   (A) Na   Federação   brasileira,   os   Estados-­‐membros   dispõem   do   direito   de   secessão,   como   expressão  do  princípio  da  autodeterminação  dos  povos.   (B) A  Constituição  Federal,  ao  proclamar  o  princípio  da  separação  de  Poderes,  cria  obstáculo   absoluto  a  que  um  poder  fiscalize  o  outro.   (C) Lei   que   viesse   a   instituir   o   regime   de   partido   político   único   entre   nós   feriria   princípio     fundamental  da  República  Federativa  do  Brasil.   (D) A  Constituição  Federal  em  vigor  é  toda  ela  voltada  para  a  defesa  de  valores  sociais  e  da   cidadania,   por   isso   mesmo,   os   valores   da   livre   iniciativa   não   são   arrolados   como   princípios  fundamentais  da  República  Federativa  do  Brasil.   (E) Embora  diga  que  todo  poder  emana  do  povo,  a  Constituição  estabelece  que  o  poder  é   exercido  pelos  representantes  do  povo,  não  admitindo  hipótese  de  exercício  do  poder   diretamente  pelo  povo.     8)   (MP/GO   –   2009)   O   preâmbulo   é   o   pórtico   da   Constituição   e   revela   a   síntese   do   pensamento  do  legislador  constituinte.  Acerca  de  sua  natureza  jurídica,  marque  a  resposta   correta:   (A) Para   o   STF   o   preâmbulo   constitucional   deve   ser   contado   como   norma   constitucional,   integrando  o  articulado  constitucional,  possuindo  eficácia  jurídica  plena.   (B) Preâmbulo  na  CF/88  é  dotado  de  força  normativa  cogente,  fazendo  parte  da  declaração   de  direitos  e,  por  isso,  tomado  como  cláusula  pétrea.   (C) Preâmbulo,  por  expressa  disposição  constitucional,  tem  como  finalidade  a  resolução  das   chamadas  lacunas  ocultas,  que  são  aquelas  decorrentes  de  erro  do  Poder  Constituinte  ou   de  desatualização  da  Constituição.   (D) Para  o  STF  o  preâmbulo  constitucional  situa-­‐se  no  domínio  da  política  e  reflete  a  posição   ideológica   do   constituinte.   Logo,   não   contém   relevância   jurídica,   não   tem   força   normativa,   sendo   mero   vetor   interpretativo   das   normas   constitucionais,   não   servindo   como  parâmetro  para  o  controle  de  constitucionalidade.     9)  (Téc.  Rec.  Fed.  -­‐  2003)  Assinale  a  opção  correta,  a  respeito  das  relações  internacionais  do   Brasil  com  os  outros  países  à  luz  da  Constituição  Federal  de  1988.   (A) Repúdio   à   violação   aos   direitos   humanos   para   com   países   nos   quais   o   Brasil   não   mantenha  relações  comerciais.   (B) Apoio   à   guerra,   quando   declarada   para   a   proteção   de   direitos   humanitários   desrespeitados  por  determinadas  autoridades  de  determinados  países.   (C) Busca  de  soluções  bélicas  em  repúdio  ao  terrorismo.  
  25. 25. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  25   (D) Interferência  na  escolha  de  dirigentes  de  outras  Nações  que  sejam  vinculados  a  grupos   racistas.   (E) Colaboração  como  árbitro  internacional  na  busca  de  solução  pacífica  de  conflitos.     10)  (Defensor  Público  –  RS  –  2011)  É  correto  afirmar:   (A) As  normas  do  ADCT  não  podem  ser  alteradas  por  meio  de  emendas  constitucionais,  pois   são  de  natureza  transitória.   (B) O  preâmbulo  da  Constituição  Federal,  ao  referir-­‐se  expressamente  ao  pacto  federativo,   está  a  indicar  a  intenção  do  constituinte  em  instituir  um  Estado  Democrático  e,  por  isso,   deve  ser  considerado  quando  da  interpretação  das  normas.   (C) São  objetivos  fundamentais  da  República  Federativa  do  Brasil  previstos  e  assim  descritos   no   artigo   3°.   da   Constituição   Federal,   construir   uma   sociedade   livre,   justa   e   pluralista,   garantir  o  desenvolvimento  regional,  erradicar  a  pobreza  e  a  marginalização  e  reduzir  as   desigualdades  sociais  e  locais,  promover  o  bem  de  todos,  sem  preconceitos  de  origem,   raça,  sexo,  cor,  idade  e  quaisquer  outras  formas  de  discriminação.   (D) São  fundamentos  da  República  Federativa  do  Brasil  a  soberania,  a  cidadania,  a  dignidade   da  pessoa  humana,  a  livre  concorrência,  o  voto  direto  e  secreto  e  o  pluralismo  político.   (E) Os  direitos  sociais  estão  expressamente  referidos  no  preâmbulo  da  Constituição  Federal   de  1988,  assim  como  os  direitos  fundamentais  e  o  pluralismo  político.     GABARITO   1   E   2   C   3   C   4   C   5   B   6   C   7   C   8   D   9   E   10   E  
  26. 26. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  26   Capítulo  3   Direitos  e  Garantias  Fundamentais     3.1  A  QUESTÃO  TOPOGRÁFICA  DOS  DIREITOS  E  GARANTIAS  FUNDAMENTAIS   A   Constituição   da   República   classifica   o   gênero   Direitos   e   Garantias   Fundamentais  em  cinco  espécies,  quais  sejam  (LENZA,  2011,  p.  859):       Direitos  Individuais   Art.  5.º   Direitos  Coletivos   Art.  5.º   Direitos  Sociais   Arts.  6.º  a  11   Direitos  de  Nacionalidade   Art.  12   Direitos  Políticos   Arts.  14  a  17       3.1.1 Rompimento  da  Tradição  Constitucional     Formalmente,  a  Constituição  destinou  aos  Direitos  e  Garantias  Fundamentais   todo  o  “Título  II”,  que  inicia  no  art.  5.º  e  se  conclui  no  art.  17.       Ressalta-­‐se,   contudo,   que   essa   topografia   é   inovadora   em   relação   a   todas   anteriores  Constituições.      Ocorre  que,  até  1988,  a  tradição  do  Direito  Constitucional   Brasileiro  era  de  inscrever  tais  direitos  na  parte  final  da  Constituição.       3.2  A  EVOLUÇÃO  DOS  DIREITOS  E  GARANTIAS  FUNDAMENTAIS  -­‐  AS  DIMENSÕES     A   doutrina   tradicional   procura   classificar,   quanto   à   evolução,   os   direitos   em   gerações.  Contudo,  cada  vez  mais,  ganha  força  a  classificação  em  DIMENSÕES  e  não   em   “gerações”,   considerando-­‐se   que   entre   cada   dimensão   não   existe   uma   rígida   e   clara  separação  como  a  expressão  “gerações”  pode  dar  ensejo.     De  qualquer  forma,  assim,  a  evolução  dos  direitos  fundamentais  aponta,  hoje,   para  diversos  momentos  históricos:   Observação:   a   literatura   aponta   advertência   ao   reconhecimento   imediato   da   4ª   dimensão   (e   da   5ª   dimensão)   dos   direitos   fundamentais,   pois   “...ainda   aguarda   a   consagração  na  esfera  do  direito  internacional  e  das  ordens  constitucionais  internas...”   (entre  outros,  SARLET,  2012,  p.  263).     TÍTULO  II   da   Constituição  Federal  
  27. 27. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  27     DIMENSÃO   DIREITOS  RECONHECIDOS   DIREITO-­‐CHAVE   1.ª   Civis  e  políticos   Liberdade   2.ª   Econômicos,  sociais  e  culturais   Igualdade   3.ª   Difusos  e  titularidade  coletiva   Fraternidade  ou  solidariedade   4.ª   Engenharia  genética  (BOBBIO,   2004)   Democracia  direta,  informação   e  ao  direito  ao  pluralismo   (BONAVIDES,  )   “Direito  dos  povos”   5.ª   Direitos  ligados  à  realidade   virtual  (MOTTA,  2007)   Paz  mundial  (BONAVIDES)   Não  estabelecido     3.3  A  CONDIÇÃO  EXEMPLIFICATIVA  DO  “CATÁLOGO  DE  DIREITOS  FUNDAMENTAIS”   O   art.   5.º   da   Constituição   Federal,     por   muitos   chamado   de   o     “Catálogo   de   Direitos”,  não  tem  a  pretensão  de  ser  exaustivo,  ou  seja,  nomear  ali  todos  os  direitos   e   garantias   fundamentais.       Diz   Pinto   Ferreira   (1989,   p.   219)   que   “O   enunciado   dos   direitos  e  garantias  fundamentais  não  é  um  catálogo  completo,  nem  se  apresenta  com   um  numerus  clausus.”  A  condição  de  “numerus  abertus”  do  art.  5.º  pode  ser  justificada   especialmente  pela  norma  do  art.  5.º,  §§  2.º  e  3.º  da  Constituição  Federal.     3.4  O  PRINCÍPIO  DA  RELATIVIDADE  DAS  LIBERDADES  PÚBLICAS     Os   direitos   fundamentais   não   são   absolutos   ou   ilimitáveis,   ao   contrário,   são   relativos   e   passíveis   de   restrição   (STF,   MS   23.452).       Nesse   sentido,   um   direito   fundamental  pode  ser  limitado  internamente  por  seu  próprio  alcance  material  ou  por   uma   norma   restritiva   infraconstitucional   (restrições   indiretamente   constitucionais),   desde  que  prevista  no  próprio  enunciado  do  dispositivo  constitucional  (reserva  legal),   obedecendo  regras  de  competência  para  edição  de  tal  ato  (OLIVEIRA,  2000)  e,  ainda,   havendo  justificação  constitucional  para  a  restrição  (STEINMETZ,  2001,  p.  32).         3.5  COLISÃO  ENTRE  DIREITOS  FUNDAMENTAIS   Segundo  José  Carlos  Vieira  de  Andrade,  “[...]  haverá  colisão  ou  conflito  sempre   que   se   deva   entender   que   a   Constituição   protege   simultaneamente   dois   bens   ou   valores  em  contradição  concreta  [...]”      Ocorre  que  não  há  hierarquia  normativa  entre   os  preceitos  constitucionais,  pois  que  estão  todas  inseridas  dentro  do  mesmo  corpus   constitucional  (CANOTILHO).        
  28. 28. Prof. Otávio Piva Direito  Constitucional   www.acasadoconcurseiro.com.br Prof.  Otávio  Piva                                          Página  28     Assim,  se  houver  conflito  entre  dois  direitos  fundamentais,  deverá  o  intérprete   utilizar   o   princípio   da   concordância   prática   ou   da   harmonização   que   nada   mais   significa  que  a  aplicação,  ao  caso  prático,  dos  direitos  com  a  necessária  ponderação   (MENDES,  1998)  de  forma  a  reduzir  o  alcance  de  um  deles,  evitando,  assim,  a  completa   destruição  de  um  ou  de  outro.       3.6  A  CONDIÇÃO  DE  CLÁUSULA  PÉTREA  DOS  DIREITOS  E  GARANTIAS  INDIVIDUAIS   Os   direitos   e   garantias   individuais,   por   disposição   do   art.   60,   §   4.º,   IV,   da   Constituição   Federal,   é   núcleo   essencial   imodificável   pela   vontade   do   legislador   constituinte    derivado.  Gilmar  Ferreira  Mendes  (MORAES,  2008,  p.  664),  aponta  que     “[...]  tais  cláusulas  de  garantia  traduzem,  em  verdade,  um  esforço  do  constituinte  para   assegurar   a   integridade   da   constituição,   obstando   a   que   eventuais   reformas   provoquem   a   destruição,   o   enfraquecimento   ou   impliquem   profunda   mudança   de   identidade  [...]”       Oportuna,  contudo,  é  a  observação  de  Manoel  Gonçalves  Ferreira  Filho  (2001),   segundo   a   qual   a   proteção   das   cláusulas   pétreas   não   significa   proibição   de   toda   e   qualquer   modificação   nessas   matérias,   mas   apenas   a   proibição   de   emendas     “tendentes   a   abolir”,   permitindo-­‐se,   com   a   devida   cautela   e   proporcionalidade,   e   sempre  sem  prejudicar  o  núcleo  essencial,    venha  a  emenda,    “  [...]  reequacioná-­‐los,   modificá-­‐los,   alterar   suas   condições   ou   efeitos,   pois   isso   não   é   vedado   pelo   texto   constitucional.”       3.7   SUJEITOS   E   O   ÂMBITO   DE   VALIDADE   DOS   DIREITOS   E   GARANTIAS   FUNDAMENTAIS     Determina  o  art.  5.º,  caput,  da  Constituição  Federal  que  aos  brasileiros  e  aos   estrangeiros   residentes   no   país   são   assegurados   o   direito   à   vida,   à   liberdade,   à   igualdade,  à  segurança  e  à  propriedade.    Contudo,  está  consagrado  que  o  gozo  dos   direitos   fundamentais   por   parte   dos   brasileiros   não   depende   sequer   da   efetiva   residência   no   Brasil,   pois   a   titularidade   dos   direitos   fundamentais   está   ligada   exclusivamente  ao  vínculo  jurídico  da  nacionalidade  (SARLET,  2012,  p.  305).       Esclareça-­‐se  que  a  expressão  constitucional  “estrangeiros  residentes  nos  país”   deve   ser   entendida   no   sentido   de   que   a   “[...]   validade   e   a   fruição   dos   direitos   fundamentais  se  exercem  dentro  do  território  brasileiro  [...]”  (FERREIRA,  1989,  p.  59),  o   que  não  exclui  o  estrangeiro  em  trânsito  pelo  Brasil  (BASTOS,  1989).      Quantos  aos   estrangeiros   não   residentes,   ou   seja,   aqueles   que,   não   estão   em   trânsito   ou   temporariamente  no  Brasil,  a  doutrina  é  sensível  a  também  estender  a  titularidade  dos   direitos  fundamentais,  em  especial  invocando  o  princípio  da  universalidade  (SARLET,   2012,  p.  307).  

×