SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
UniSantos-Curso de Serviço Social Alunas: Poliane Ferreira Da Silva Priscila Brito dos Santos Orientadora: Profª.Ms. Clélia Maria da Silva Perazza  2009 15° Seminário de Sistematização do Agir Profissional
Objeto de Estudo Conhecer as formas de violência contra o Idoso  no Município de Santos e Guarujá e as  respectivas políticas sociais e o trabalho do Assistente Social frente a esta demanda.
Agradecimentos: Agradecemos primeiramente a Deus por nos ter dado forças, sabedoria e entendimento  para estar aqui concluindo este trabalho. Aos nossos Familiares que nos apoiaram nestes quatro anos de graduação. Aos nossos queridos Professores que com suas competênciascontribuíram para nossa formação. E aos profissionais Assistentes Sociais que encontramos nos estágios supervisionados que nos ajudaram a trilhar essa etapa das nossas vidas. Aos profissionais Assistentes Sociais e Idosos sujeitos da nossa Pesquisa. A  nossa orientadora Professora Clélia Perazza. Muito obrigado a  todos.
Objetivo Geral Focalizar as causas e tipologias da violência contra o idoso no município de Santos e Guarujá e o processo de trabalho do profissional de Serviço Social com essa demanda. Objetivo Específico  a) Conhecer as causas e tipologias mais freqüentes da violência contra o idoso nos respectivos municípios e suas formas de enfrentamento. b) Estudar e analisar os desafios do profissional de Serviço Social com essa demanda.
Metodologia O trabalho apresenta uma pesquisa de caráter qualitativo exploratório visando conhecer e esclarecer as particularidades deste processo em específico. A pesquisa foi realizada através de entrevista com profissionais do setor de Assistência Social do município de Santos e Guarujá, duas Assistentes Sociais que responderam um questionário de perguntas abertas e uma Psicóloga que forneceu dados qualitativos, além de uma análise de prontuários em uma determinada organização.
Hipótese ,[object Object]
A intervenção do Profissional Assistente Social e equipe técnica podem favorecer a diminuição da prática abusiva da violência a pessoa idosa.
Existe falta de informações refletidas, que se tornam conhecimentos introjetados sobre o conjunto de leis, programas e normas, enfim, políticas públicas, que garantem os direitos dos idosos.,[object Object]
Ressaltamos a interface necessária com as outras Políticas como: Saúde, Previdência , Habitação, Esporte, Lazer e Cultura.
Abordamos o significado do envelhecimento e fizemos um breve histórico sobre como foi formulado e conquistado os direitos da pessoa idosa.
Constituição Federal (1988 - art. 230)
Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS - 7/12/1993)
Política Nacional do Idoso (PNI  - 04/01/1994)
Estatuto do Idoso (Lei 10.741de  01/10/2003)
Política Nacional de Assistência Social  (PNAS / nov. 2004)
Norma Operacional Básica (NOB - SUAS  / julho 2005),[object Object]
Pontuamos as várias formas de violência praticadas contra o idoso, bem como a violência dentro da família e como romper com o silêncio denunciando tais abusos, além de compreender a atuação do Assistente Social junto a esta demanda.,[object Object]
ESTRUTURA DO TRABALHO CAPITULO III  - A PESQUISA  Realizamos entrevistas com a Assistente Social que é Presidente do Conselho Municipal do Idoso do Guarujá e representante do Abrigo aonde à pesquisa foi realizada; uma Assistente Social de Santos, que é responsável pela coordenação da assistência social do idoso, e uma Psicóloga na qual obtivemos dados estatístico sobre o índice de violência no município de Santos.  Contatamos com a Gestora de uma organização no município de Guarujá,onde estão abrigados  idosos do sexo masculino.Após o consentimento procedemos a coleta de dados nos prontuários objetivando entender as causas do abrigamento e conhecer os antecedentes de vida e de violência.
Sistematização e Análise dos Dados ,[object Object],[object Object]
  Organização Indicadores Freqüência Percentual Naturalidade Paraná 1 4,35%   Rio de Janeiro 1 4,35% Ceara 1 4,35% Pernambuco 1 4,35% Minas Gerais 2 8,69% Alagoas 2 8,69% Bahia 3 13,05% Sergipe 4 17,39% São Paulo 8 34,78% Total 23 100%         Sexo masculino 23 100%         Idade 45 anos 1 4,35 %   60 a 65 6 26,08 % 66 a 70 5 21,74 % 71 a 75 6 26,08 % 76 a 80 3 13,05 % 81 a 89 2 8,69 % Total 23 100%  Anos de Abrigamento   0 a 2 anos   11   47,82 %   3 á 5 anos 6 26,08 % 6 á 8anos 5 21,74 % 9 anos 1 4,35 % Total 23 100%          Estado Civil Divorciado 2 8,69% Viúvo 3 13,05% Separado 5 21,74% Solteiro 13 56,52 Total 23 100% Caracterização dos Idosos do “Lar Residencial Eno Gregori Antunes” em Guarujá.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estereótipos da velhice
Estereótipos da velhiceEstereótipos da velhice
Estereótipos da velhiceSonia Sousa
 
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...Allan Vieira
 
Violencia contra o idoso
Violencia contra o idosoViolencia contra o idoso
Violencia contra o idosoJP ABNT
 
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
 QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia  QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia Stefane Rayane
 
Envelhecer com Direitos (TCC)
Envelhecer com Direitos (TCC)Envelhecer com Direitos (TCC)
Envelhecer com Direitos (TCC)GlauciaAS
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeJesiele Spindler
 
Slide violência contra o idoso
Slide violência contra o idosoSlide violência contra o idoso
Slide violência contra o idosoKarolina Peixoto
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Ana Hollanders
 
Promoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idosoPromoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idosoJoice Lins
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularIsmael Costa
 
O Idoso Na Sociedade Atual
O Idoso Na Sociedade AtualO Idoso Na Sociedade Atual
O Idoso Na Sociedade AtualWilson Rodrigues
 
Projeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singularProjeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singularCENAT Cursos
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saudedavinci ras
 

Mais procurados (20)

Estatuto do Idoso
Estatuto do IdosoEstatuto do Idoso
Estatuto do Idoso
 
Saúde do Idoso
Saúde do IdosoSaúde do Idoso
Saúde do Idoso
 
Estereótipos da velhice
Estereótipos da velhiceEstereótipos da velhice
Estereótipos da velhice
 
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
 
Violencia contra o idoso
Violencia contra o idosoViolencia contra o idoso
Violencia contra o idoso
 
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
 QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia  QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
 
Saúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagemSaúde do Adulto: enfermagem
Saúde do Adulto: enfermagem
 
Terceira Idade
Terceira IdadeTerceira Idade
Terceira Idade
 
Envelhecer com Direitos (TCC)
Envelhecer com Direitos (TCC)Envelhecer com Direitos (TCC)
Envelhecer com Direitos (TCC)
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
Slide violência contra o idoso
Slide violência contra o idosoSlide violência contra o idoso
Slide violência contra o idoso
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)
 
Promoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idosoPromoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idoso
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regular
 
Cartilha de politicas publicas para idosos
Cartilha de politicas publicas para idososCartilha de politicas publicas para idosos
Cartilha de politicas publicas para idosos
 
O Idoso Na Sociedade Atual
O Idoso Na Sociedade AtualO Idoso Na Sociedade Atual
O Idoso Na Sociedade Atual
 
Projeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singularProjeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singular
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
 

Destaque

Inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho
Inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalhoInclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho
Inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalhoAriovaldo Vieira da Silva
 
Slides TCC 2015.1 - UNICAP - Aplicações de Algoritmos Genéticos em Otimização...
Slides TCC 2015.1 - UNICAP - Aplicações de Algoritmos Genéticos em Otimização...Slides TCC 2015.1 - UNICAP - Aplicações de Algoritmos Genéticos em Otimização...
Slides TCC 2015.1 - UNICAP - Aplicações de Algoritmos Genéticos em Otimização...Philippe Norbert Cavalcanti Aussourd
 
Maus tratos violência e negligência contra os idosos
Maus tratos violência e negligência contra os idososMaus tratos violência e negligência contra os idosos
Maus tratos violência e negligência contra os idososDaniela Monteiro
 
Temas para TCC- curso Serviço Social
Temas para TCC- curso Serviço SocialTemas para TCC- curso Serviço Social
Temas para TCC- curso Serviço SocialRosane Domingues
 

Destaque (6)

Slide idoso tcc
Slide idoso tccSlide idoso tcc
Slide idoso tcc
 
Inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho
Inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalhoInclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho
Inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho
 
Slides TCC 2015.1 - UNICAP - Aplicações de Algoritmos Genéticos em Otimização...
Slides TCC 2015.1 - UNICAP - Aplicações de Algoritmos Genéticos em Otimização...Slides TCC 2015.1 - UNICAP - Aplicações de Algoritmos Genéticos em Otimização...
Slides TCC 2015.1 - UNICAP - Aplicações de Algoritmos Genéticos em Otimização...
 
Maus tratos violência e negligência contra os idosos
Maus tratos violência e negligência contra os idososMaus tratos violência e negligência contra os idosos
Maus tratos violência e negligência contra os idosos
 
Temas para TCC- curso Serviço Social
Temas para TCC- curso Serviço SocialTemas para TCC- curso Serviço Social
Temas para TCC- curso Serviço Social
 
Apresentação TCC Fernando Espírito Santo - UFSC
Apresentação TCC Fernando Espírito Santo - UFSCApresentação TCC Fernando Espírito Santo - UFSC
Apresentação TCC Fernando Espírito Santo - UFSC
 

Semelhante a TCC - Idosos

Idosos albamaria violência
Idosos albamaria violênciaIdosos albamaria violência
Idosos albamaria violênciaAnna Trina
 
Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social
Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social
Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social Rosemeire Rocha D. Fukue
 
Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social
 Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social  Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social
Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social Rosemeire Rocha D. Fukue
 
2 cartilha os direitos das crianças autistas no amazonas
2 cartilha os direitos das crianças autistas no amazonas2 cartilha os direitos das crianças autistas no amazonas
2 cartilha os direitos das crianças autistas no amazonasSimoneHelenDrumond
 
Plano de-trabalho-abrigo-de-idosos-2018 modelo
Plano de-trabalho-abrigo-de-idosos-2018 modeloPlano de-trabalho-abrigo-de-idosos-2018 modelo
Plano de-trabalho-abrigo-de-idosos-2018 modeloRita Silva
 
Violência Intrafamiliar contra o idoso: A atuação da DEAIT (BA)
Violência Intrafamiliar contra o idoso: A atuação da DEAIT (BA)Violência Intrafamiliar contra o idoso: A atuação da DEAIT (BA)
Violência Intrafamiliar contra o idoso: A atuação da DEAIT (BA)GlauciaAS
 
UFCD - 6559- Cuidados Saúde no Idoso
 UFCD - 6559- Cuidados Saúde no Idoso UFCD - 6559- Cuidados Saúde no Idoso
UFCD - 6559- Cuidados Saúde no IdosoNome Sobrenome
 

Semelhante a TCC - Idosos (20)

TCC
TCCTCC
TCC
 
Idosos albamaria violência
Idosos albamaria violênciaIdosos albamaria violência
Idosos albamaria violência
 
Amar e proteger2
Amar e proteger2Amar e proteger2
Amar e proteger2
 
Amar e Proteger2
Amar e Proteger2Amar e Proteger2
Amar e Proteger2
 
Amar e proteger2
Amar e proteger2Amar e proteger2
Amar e proteger2
 
Amar e proteger2
Amar e proteger2Amar e proteger2
Amar e proteger2
 
Apresentação Amar e Proteger2
Apresentação Amar e Proteger2Apresentação Amar e Proteger2
Apresentação Amar e Proteger2
 
Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social
Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social
Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social
 
Apresentação Amar e Proteger2
Apresentação Amar e Proteger2Apresentação Amar e Proteger2
Apresentação Amar e Proteger2
 
Amar e Proteger2
Amar e Proteger2Amar e Proteger2
Amar e Proteger2
 
Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social
 Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social  Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social
Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social
 
Apresentação Amar e Proteger2
Apresentação Amar e Proteger2Apresentação Amar e Proteger2
Apresentação Amar e Proteger2
 
Apresentação amar e proteger2
Apresentação amar e proteger2Apresentação amar e proteger2
Apresentação amar e proteger2
 
Apresentação amar e proteger2
Apresentação amar e proteger2Apresentação amar e proteger2
Apresentação amar e proteger2
 
Apresentação amar e proteger2
Apresentação amar e proteger2Apresentação amar e proteger2
Apresentação amar e proteger2
 
2 cartilha os direitos das crianças autistas no amazonas
2 cartilha os direitos das crianças autistas no amazonas2 cartilha os direitos das crianças autistas no amazonas
2 cartilha os direitos das crianças autistas no amazonas
 
Plano de-trabalho-abrigo-de-idosos-2018 modelo
Plano de-trabalho-abrigo-de-idosos-2018 modeloPlano de-trabalho-abrigo-de-idosos-2018 modelo
Plano de-trabalho-abrigo-de-idosos-2018 modelo
 
Violência Intrafamiliar contra o idoso: A atuação da DEAIT (BA)
Violência Intrafamiliar contra o idoso: A atuação da DEAIT (BA)Violência Intrafamiliar contra o idoso: A atuação da DEAIT (BA)
Violência Intrafamiliar contra o idoso: A atuação da DEAIT (BA)
 
Livreto seminario dupla_af1
Livreto seminario dupla_af1Livreto seminario dupla_af1
Livreto seminario dupla_af1
 
UFCD - 6559- Cuidados Saúde no Idoso
 UFCD - 6559- Cuidados Saúde no Idoso UFCD - 6559- Cuidados Saúde no Idoso
UFCD - 6559- Cuidados Saúde no Idoso
 

TCC - Idosos

  • 1. UniSantos-Curso de Serviço Social Alunas: Poliane Ferreira Da Silva Priscila Brito dos Santos Orientadora: Profª.Ms. Clélia Maria da Silva Perazza 2009 15° Seminário de Sistematização do Agir Profissional
  • 2. Objeto de Estudo Conhecer as formas de violência contra o Idoso no Município de Santos e Guarujá e as respectivas políticas sociais e o trabalho do Assistente Social frente a esta demanda.
  • 3. Agradecimentos: Agradecemos primeiramente a Deus por nos ter dado forças, sabedoria e entendimento para estar aqui concluindo este trabalho. Aos nossos Familiares que nos apoiaram nestes quatro anos de graduação. Aos nossos queridos Professores que com suas competênciascontribuíram para nossa formação. E aos profissionais Assistentes Sociais que encontramos nos estágios supervisionados que nos ajudaram a trilhar essa etapa das nossas vidas. Aos profissionais Assistentes Sociais e Idosos sujeitos da nossa Pesquisa. A nossa orientadora Professora Clélia Perazza. Muito obrigado a todos.
  • 4. Objetivo Geral Focalizar as causas e tipologias da violência contra o idoso no município de Santos e Guarujá e o processo de trabalho do profissional de Serviço Social com essa demanda. Objetivo Específico a) Conhecer as causas e tipologias mais freqüentes da violência contra o idoso nos respectivos municípios e suas formas de enfrentamento. b) Estudar e analisar os desafios do profissional de Serviço Social com essa demanda.
  • 5. Metodologia O trabalho apresenta uma pesquisa de caráter qualitativo exploratório visando conhecer e esclarecer as particularidades deste processo em específico. A pesquisa foi realizada através de entrevista com profissionais do setor de Assistência Social do município de Santos e Guarujá, duas Assistentes Sociais que responderam um questionário de perguntas abertas e uma Psicóloga que forneceu dados qualitativos, além de uma análise de prontuários em uma determinada organização.
  • 6.
  • 7. A intervenção do Profissional Assistente Social e equipe técnica podem favorecer a diminuição da prática abusiva da violência a pessoa idosa.
  • 8.
  • 9. Ressaltamos a interface necessária com as outras Políticas como: Saúde, Previdência , Habitação, Esporte, Lazer e Cultura.
  • 10. Abordamos o significado do envelhecimento e fizemos um breve histórico sobre como foi formulado e conquistado os direitos da pessoa idosa.
  • 12. Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS - 7/12/1993)
  • 13. Política Nacional do Idoso (PNI - 04/01/1994)
  • 14. Estatuto do Idoso (Lei 10.741de 01/10/2003)
  • 15. Política Nacional de Assistência Social (PNAS / nov. 2004)
  • 16.
  • 17.
  • 18. ESTRUTURA DO TRABALHO CAPITULO III - A PESQUISA Realizamos entrevistas com a Assistente Social que é Presidente do Conselho Municipal do Idoso do Guarujá e representante do Abrigo aonde à pesquisa foi realizada; uma Assistente Social de Santos, que é responsável pela coordenação da assistência social do idoso, e uma Psicóloga na qual obtivemos dados estatístico sobre o índice de violência no município de Santos. Contatamos com a Gestora de uma organização no município de Guarujá,onde estão abrigados idosos do sexo masculino.Após o consentimento procedemos a coleta de dados nos prontuários objetivando entender as causas do abrigamento e conhecer os antecedentes de vida e de violência.
  • 19.
  • 20. Organização Indicadores Freqüência Percentual Naturalidade Paraná 1 4,35%   Rio de Janeiro 1 4,35% Ceara 1 4,35% Pernambuco 1 4,35% Minas Gerais 2 8,69% Alagoas 2 8,69% Bahia 3 13,05% Sergipe 4 17,39% São Paulo 8 34,78% Total 23 100%         Sexo masculino 23 100%         Idade 45 anos 1 4,35 %   60 a 65 6 26,08 % 66 a 70 5 21,74 % 71 a 75 6 26,08 % 76 a 80 3 13,05 % 81 a 89 2 8,69 % Total 23 100% Anos de Abrigamento   0 a 2 anos   11   47,82 %   3 á 5 anos 6 26,08 % 6 á 8anos 5 21,74 % 9 anos 1 4,35 % Total 23 100%         Estado Civil Divorciado 2 8,69% Viúvo 3 13,05% Separado 5 21,74% Solteiro 13 56,52 Total 23 100% Caracterização dos Idosos do “Lar Residencial Eno Gregori Antunes” em Guarujá.
  • 21. Causas e Tipologias do Abrigamento Constatamosque a maioriados usuários tem comocausa de abrigamentoa falta de vínculo familiar, sendo que muitos deles sairãmcedo de casa, forammorar em outracidadeouestado e acabaram não retornandoparasuacidade de origem, perdendocontato e vínculoafetivo com seusentesqueridos. Hátambém um númerosignificativos de idososadvindo do alberguetotalizandoseis deles, essessão os que moravamnarua e que não tinhamvínculos de parentesnacidade. E,os usuários que tinhamvínculos não foramacolhidospelosfamiliares. Os idososabrigados por solicitação familiar sãoaqueles que a famíliatrabalha e não tem condições de dar os cuidadosnecessários. Estesencontram- se debilitadospor algumproblema de saúde, vindoentãoa seremabrigados. E háidosos, que moravamsozinhos e não tinhamcondições de se cuidarem ,por motivo de doença, vieramparao abrigo.
  • 22. Conteúdo das respostas das Assistentes Sociais: Qual o tipo de violência com maior freqüência nos atendimentos?
  • 23. Quais as necessidades do município em relação aos cuidados com o idoso?
  • 24. - De acordo com dados estatísticos o número de idosos que vem sendo vitimas de violência vem crescendo, o que leva alguém agredir um idoso?
  • 25. - O município está preparado para atender esta demanda?
  • 26. CONSIDERAÇÕES FINAIS Em Santos,os cuidados com o Idosocomocoloca a Assistente Social é: “Ampliar os serviços de auto cuidado – vigilânciajuntoaosidosos; Ampliar os serviços de apoiopsicológico do idoso e familiares. Em Guarujá,os serviçossãotodoslimitados e a responsabilidade em atender as denúnciassãotransferidas as Organizações não Governamentaishavendoumainversão de papéis, pois a obrigatoriedade, o dever é do Município (Estado) . Em Santos,há um sistemaimplantadoparalidar com a denúnciase fazeros atendimentos. Em Guarujá o acesso é através de serviços públicos e privados, não tendoumaestruturapara a redede serviços. As duasassistentessociaisconcordam que as intervenções dos profissionaissãoessenciaisparadiminuira práticadaviolência, atendendo não só o idoso, mastodasuafamília.
  • 27. Diante do expostopropomos:   Garantira intencionalidade no processo de trabalhoqueimplicaemcontemplar a integralidade do idosoemsuasdimensões: física, moral, psicológica, cognitivaafetiva e espiritual, observando-se a necessidade de atendimentosócio – psíquico -pedagógicoterapêutico e interdisciplinar. Para estáreestruturaçãopressupõem-se sensibilizar e mobilizar o poderpúblicoparaquesejamasseguradosproteção social efetiva, quepossibilitem a redução das desigualdadessociais e a inclusão do idoso, com direitosviolados. Dispondoinvestimentoparapossibilitar a reconstrução de vínculossociais e conquistarmaiorgrau de independência individual e social. Deve-se ainda, defender a dignidade e osdireitoshumanos e monitorar a ocorrência dos riscos e de agravamento e, também, a viabilização de espaços de lazer e entretenimentosadiosaosmesmos, afastando-os de ocorrências de vitimização e agressões; possibilitando o resgate de suadignidade e cidadania e pressupondosuaefetivainclusão social, a partirdainterrupção do sofrimento com osváriostipos de violência e o desenvolvimentosaudável, seguro e dignonasuacaminhada, semrestrições. PORTANTO, CONSIDERAMOS QUE A INTERRUPÇÃO DO SOFRIMENTO DOS ATOS DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO IMPLICA ASSEGURAR DIREITOS, QUE É UM DEVER DO ESTADO.