Idosos albamaria violência

959 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
959
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Idosos albamaria violência

  1. 1. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICASECRETARIA ESPECIAL DOS DIREITOS HUMANOS Plano de Ação para oenfrentamento da Violência e Maus Tratos contra o idoso / Centros Integrados de Prevenção – Uma Nova abordagem de atuação
  2. 2. Público Alvo Profissionais que interagem com a pessoa idosa (EU) Pessoas idosas. Familiares. Cuidadores de idosos (formais e informais) Profissionais da rede de parceria Gestores públicos das três esferas de governo
  3. 3. Declaração Direitos Humanos Toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e à sua família saúde e bem-estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez,velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência em circunstâncias fora de seu controle.( art. XXV)
  4. 4. Fundamentos legais/Pessoa Idosa Plano Internacional sobre o envelhecimento 2002; Constituição Federal art. 203 e 204-sistema de proteção social; Lei Orgânica da Assistência Social/8742/73 Política Nacional do Idoso/8842/94 Conselho Nacional dos direitos do Idoso/dec.4227/2002. Estatuto do Idoso – Lei nº 10.741 de 03/10/2003.
  5. 5. Formas de abuso, violência e maus-tratos Abuso físico, maus-tratos ou violência física. Abuso psicológico, violência e maus-tratos psicológicos. Abuso sexual e violência sexual. Abandono. Negligência Abuso financeiro e econômico. Auto-negligência
  6. 6. Fatores causais de abuso e maus tratos Aumento do número de idosos frágeis ; Falta de preparação da sociedade para enfrentar suas necessidades; Discriminação; Aceitação social e cultural da violência; Desvalorização da velhice; Mudança na dinâmica familiar(dependência súbita e não desejada; Envelhecimento da família; e exclusão social
  7. 7. Diretrizes do plano de ação Ter como foco de intervenção a normativa legal e principalmente a Política Nacional do Idoso – PNI e o Estatuto do Idoso. Garantir o protagonismo do idoso. Considerar o pacto federativo, a descentralização, o co-financiamento, a rede de parceria, e a intersetorialidade. Considerar o processo de acompanhamento e avaliação.
  8. 8. Metodologia de atuação / proposta de intervenção / eixos temáticos Realizar o diagnóstico situacional da pessoa idosa e a sua interação com o espaço sócio-ambiental. Espaço cultural coletivo  A imagem do processo de envelhecimento, de ser velho.  A qualidade das políticas públicas.  A oferta e o acesso aos serviços.• Espaço Público  O direito de ir e vir (transporte, cidade acessível).
  9. 9. • Espaço Familiar Locus de moradia e de cuidados dos idosos Relacionamento intergeracional conflituoso Ambiente da casa. Cuidador familiar Espaço Institucional  Redes de serviços – OG e ONGs – (saúde, assistência social, previdência, educação e de atendimento: modalidades de programas, projetos e serviços.
  10. 10. Procedimentos que devem ser adotados pelo profissional Entrevistar o idoso particularmente evitando que seja influenciado pelo familiar que o acompanha; Fazer perguntas simples e objetivas, sem ameaça e sem julgamento ; Evitar confrontos.Quanto menos o profissional falar mais informações obterá ;
  11. 11. Procedimentos Registrar as palavras exatas usadas pelo idoso e pelo familiar entre aspas; Evitar responder perguntas feitas pelos membros da família que sugere determinadas respostas; Estar atenta a alguma conduta tomada pelo familiar como exemplo, considerar o idoso Propenso a acidentes, desastrado ou incontinente de propósito só para lhe contrariar, relatar detalhes dos acidentes sofridos e evitar o atendimento domiciliar.
  12. 12. Procedimentos Fazer exame físico completo do idoso; Perguntar onde e como lhe ocorrem as lesões; Relatar todos os achados relativos ao exame de pele. Apresentação de fraturas indica uma história de violência; Observar ainda sinais de depressão, agitação, baixa auto-estima, contusões ou sangramento que indique agressão.
  13. 13. Desafios Auto capacitação constante. Ampla articulação com os Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário. Considerar os procedimentos profissionais Implementar o Plano de Ação para o enfrentamento da violência contra a pessoa idosa Trabalhar a intersetorialidade e a interdisciplinariedade.
  14. 14. Medidas para prevenir o abuso e maus tratos Educação na família sobre o processo de envelhecimento; Fomentar o desenvolvimento de grupos de apoio comunitário para assistir às famílias dos idosos; Capacitar os familiares para enfrentar situações que os levam ao estresse ; Fortalecer programas de cuidados diurnos e de atendimento domiciliar;
  15. 15. Medidas Promover assistência técnica e profissional para pessoas que necessitam apoio adicional; Promover serviços de apoio aos cuidadores de idosos que requeiram cuidados contínuo; Capacitar recursos humanos das instituiçoes de atendimento ao idoso.
  16. 16. A velhice com dignidade e justiça socialde um país revela ação ou omissão dogoverno, da família, da sociedade e dopróprio idoso como vivencia o processo deeducação e de envelhecimento econquista o sistema econômico deseguridade social. Albamaria Abigalil

×