1A prática da educação continuada écolaborativa no desenvolvimento do fazerbibliotecário?”Elenise Maria de Araújo06 de jun...
2Lato Sensu- UsoEstratégico dasTecnologias daInformação -UNESPLato Sensu- AgenteSócio-ambiental-USP2007MestradoEngenharia ...
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULOESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOSA gestão do conhecimento e avaliação daaprendizagem em fóruns e...
Agenda• Contexto• Lacuna• Objetivos• Hipóteses• Arquitetura Teórica• Presença cognitiva• Pensamento crítico• Indexação• Mo...
ContextoEAD•Construção do Conhecimento coletivo•Interação (aluno,tutor,professor)•Processo de avaliação do aluno•Relevânci...
LacunaQuestão6- Subutilização dos fóruns como estratégias educacionais e comlimitação de critérios para avaliação, geram a...
Arquitetura cognitiva da pesquisa7
Marco Teórico8Web of Science- Citation Maps
ObjetivoshipótesesPropor um modelo sistemático de desenvolvimento defóruns de discussão que tem como foco a presençacognit...
HipótesesmarcoH1- Os termos/alunos são indicadores reais da absorvência de conceitos abordados(Presença Cognitiva)H2- Os t...
Modelos conceituais11•o referente: aquilo que se pretende conceituar; o objeto.•as características: os atributos do refere...
Practical Inquiry ModelModelo de aprendizagem e presença cognitivaInício dainvestigação:problemalançadoF-EVOCATIVAD-Evocat...
Diretrizes para avaliação da presença cognitivaEventosdesencadeadosDescritor Indicador Processo SociocognitivoEvocativaRec...
Questionamento socráticoPalavras são símbolos que evocam representaçõesconcretas e abstratas dos conceitos• função normati...
Categorias Exemplos de perguntas(i)- Perguntas sobre a perguntaprincipalO que significa isso? Qual foi o ponto desta quest...
O Modelo de fórum socráticocognitivoCorelaciona oselementos do modeloPractical Inquiry aostópicos socráticos + frase-indíc...
Metodologia• Organização: tópicos socráticos• Avaliação: análise estatística textual e de conteúdo• Instrumentos: SPHINX (...
I II III IV V VISocrático Categorias Indicador Processo Sociocognitivo Frase- indícioTermosrecorrentesEsclarecimentoA-Even...
Resultados – Pré-teste- 1ª. faseCorpus-mensagem: fórum da sala (S1) do curso de 2011 dadisciplina 1 (Po)32 alunos - 100 me...
Resultados – Pré-testeCorpus-mensagemPalavras-chave Frequência Palavras-chave Frequênciaaluno 79 módulo 23celular 76 deskt...
Palavras-chave no corpus-referência ecorpus-mensagem21
Retomando as hipótesesH1- Os termos utilizados pelos alunos, nos fóruns dediscussão, são indicadores reais da absorvência ...
Retomando as hipótesesH5-o desenvolvimento das habilidades do pensamento críticoé estimulado pela estratégia do questionam...
Análise comparativaO desempenho do alunoque obteve maior médiatambém corresponde ao seualto desempenho no fórum aoutilizar...
Resultado finalI II III S1 S2... ...SnTexto-referênciaFrequênciaabsolutaAnáliseFatorialSocrático Categorias IndicadorTermo...
Considerações parciais• Dinâmica do questionamento socrático promove aomelhor desempenho nas discussões, e do pensamentocr...
27Obrigadaelenisea9@gmail.com
ReferênciasAKYOL, Z.; GARRISON, D.R. (2011). Understanding cognitive presence in an online and blendedcommunity of inquiry...
ReferênciasDe LENG, B.A. et al. (2009). Exploration of an e-learning model to Foster critical thinking on basicscience con...
ReferênciasPARK, C.L. (2009). Replicating the use of a cognitive presence measurement tool. Journal ofInteractive Online L...
Extras31
Esclarecimentos“Creio que as dificuldades de acesso as tecnologiasem diversos locais, bem como a possibilidade demanter-se...
Esclarecimentos“Realmente o telefone celular agrega novaspossibilidades de estudar, que deve ser como vocêsmesmo disseram ...
Suposições“Uma forma de aviso tudo bem, mas ficar restrito eaprisionado aos recados seria estafante, tipomensagem de telem...
Pontos de Vista“Teríamos uma situação de falta de oportunidade desocialização de conhecimento por falta de talferramenta, ...
Implicações“No meu ponto de vista, esta é uma questão fácil de responder, vistoque o monitoramento das atividades estão re...
Evidências“Nós mesmos solicitamos, muitas vezes, lembretes de cartões decrédito ou até mesmo da restituição do imposto de ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

"A prática da educação continuada é colaborativa no desenvolvimento do fazer bibliotecário?" - Elenise Maria de Araújo

1.094 visualizações

Publicada em

Apresentação realizada no "III seminário: O saber profissional" Oferecido pelo programa de educação tutorial de Biblioteconomia e Ciência da Informação (PETBCI)

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.094
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
808
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

"A prática da educação continuada é colaborativa no desenvolvimento do fazer bibliotecário?" - Elenise Maria de Araújo

  1. 1. 1A prática da educação continuada écolaborativa no desenvolvimento do fazerbibliotecário?”Elenise Maria de Araújo06 de junho de 2013
  2. 2. 2Lato Sensu- UsoEstratégico dasTecnologias daInformação -UNESPLato Sensu- AgenteSócio-ambiental-USP2007MestradoEngenharia deProdução- EADDoutoradoEngenharia deProdução- EADEstágio naBPMSC
  3. 3. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULOESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOSA gestão do conhecimento e avaliação daaprendizagem em fóruns educativos online:uma proposta metodológicaOrientador: Prof. Dr. José Dutra de Oliveira Neto3DOUTORADOInício: 2010Defesa: junho de 2014
  4. 4. Agenda• Contexto• Lacuna• Objetivos• Hipóteses• Arquitetura Teórica• Presença cognitiva• Pensamento crítico• Indexação• Modelo proposto• Metodologia• Resultados do Pré-teste• Retomando hipóteses• Considerações parciais4
  5. 5. ContextoEAD•Construção do Conhecimento coletivo•Interação (aluno,tutor,professor)•Processo de avaliação do aluno•Relevância do fórum•Uso do fórum em todos os AVAsQuestão5
  6. 6. LacunaQuestão6- Subutilização dos fóruns como estratégias educacionais e comlimitação de critérios para avaliação, geram análise superficialdos resultados- Tentativas limitadas de mensuração dos níveis de habilidadescognitivas dos alunos em fóruns – utilizam predominantementetécnicas e métodos quantitativos para análise das mensagens- Alguns estudos apresentam instrumentos de análise qualitativapara a avaliação das mensagens ... mas não são objetivas esistemáticas- Presença cognitiva: aprendizagem acontece por modelagem;vivência das experiências; observação do própriocomportamento ou alheio; troca de experiências- Pensamento crítico: promove desenvolvimento do aluno emhabilidades de reflexão e de pensamento crítico
  7. 7. Arquitetura cognitiva da pesquisa7
  8. 8. Marco Teórico8Web of Science- Citation Maps
  9. 9. ObjetivoshipótesesPropor um modelo sistemático de desenvolvimento defóruns de discussão que tem como foco a presençacognitiva e o pensamento crítico9
  10. 10. HipótesesmarcoH1- Os termos/alunos são indicadores reais da absorvência de conceitos abordados(Presença Cognitiva)H2- Os termos/textos científicos são indicadores reais dos conceitos pré-definidos peloprofessor (Presença cognitiva)H3- A lexicografia permite uma análise fatorial entre os indicadores de absorvência e deconceitos, expondo as relações de crescimento vocabular, a frequência de léxicos e adependência entre as variáveis manifestadas e latentes nos fóruns (Método)H4- O padrão discursivo do aluno (traços da identidade) na análise estatística textualrepresenta os níveis de cognição e de comunicação (Presença Cognitiva)H5- o desenvolvimento das habilidades do pensamento crítico é estimulado pelaestratégia do questionamento socrático nos fóruns (Pensamento Crítico)10
  11. 11. Modelos conceituais11•o referente: aquilo que se pretende conceituar; o objeto.•as características: os atributos do referente; soma dos enunciadosverdadeiros sobre o referente•o termo: o termo é a designação do conceito; léxico ou forma verbal.
  12. 12. Practical Inquiry ModelModelo de aprendizagem e presença cognitivaInício dainvestigação:problemalançadoF-EVOCATIVAD-EvocativoQuestionamento,exploração dasfontes deinformaçãoF-INQUISITIVAD-DivergenteConstrução designificados-cognitiva. Fase dereflexão e diálogoF-EXPERIMENTALD-ConvergenteConstruçãoconhecimento eaplicação emproblemas práticos(testar hipóteses)F-COMPROMETIDAD-Dedutivo12
  13. 13. Diretrizes para avaliação da presença cognitivaEventosdesencadeadosDescritor Indicador Processo SociocognitivoEvocativaReconhecimento do problema Apresentação de experiências que conduzem a uma questãoSenso de confusãoRealizar perguntas; mensagens que conduzem a discussão parauma nova direçãoExploração InquisitivaDivergente na comunidade online Falsa contradição de ideias préviasDivergente em uma única mensagemMuitas ideias diferentes ou temas apresentados em uma únicamensagemTroca de informaçõesNarrativas, fatos e descrições pessoais (não utilizam as evidênciaspara apoiar a conclusão)Sugestões para consideraçãoAutor explicitamente caracteriza a mensagemcomo exploração (ex.:O que parece ser o correto?)BrainstormingAdiciona outros pontos a discussão sem defender / justificar /desenvolver sistematicamente algoSalta para conclusões Oferece opiniões sem suporteIntegração ExperimentalConvergência entre os membros do grupoReferência para a mensagem anterior, seguido por fundamentadaacordo, por exemplo, "Eu concordo por que ... "Convergência dentro de uma única mensagem Justificado, desenvolvido, defensávelConectando ideias, sínteseIntegração de informações de várias fontes: livros didáticos,artigos, experiência pessoalCriando soluçõesCaracterização explícita da mensagem como uma solução porparticipanteResolução ComprometidaVicário- tomar o lugar de outro. Relatar conceito paraaplicação no mundo realNenhumTestando soluções CodificadoDefendendo soluções Codificado13
  14. 14. Questionamento socráticoPalavras são símbolos que evocam representaçõesconcretas e abstratas dos conceitos• função normativa e reguladora que gera mecanismos deorganização e sistematização de saberes, estratégias epráticas.• Promove desenvolvimento do aluno em habilidades dereflexão e de pensamento crítico• Questionamento socrático: dinâmica de organização queincentiva “o pensar” (gera efeitos, levanta questões,utiliza informações, utiliza conceitos, faz inferências, fazsuposições, gera implicações, incorpora um ponto devista)14
  15. 15. Categorias Exemplos de perguntas(i)- Perguntas sobre a perguntaprincipalO que significa isso? Qual foi o ponto desta questão?Porque você acha que eu fiz estapergunta?1- Perguntas de esclarecimento O que você quer dizer quando afirma que _ ? Qual é o ponto crucial? Qual é a relação entre _e_ ? Você pode explicar isto de outra maneira? Pode me dar um exemplo?2- Perguntas que verificamsuposiçõesQual é a sua suposição aqui? Qual é a suposição de Maria?O que poderíamos supor em vez disto?Parece que você supõe ___. Entendi corretamente?3- Perguntas sobre pontos devista ou perspectivasEm que implica esta afirmação? Quando você diz __________, você subentende _________?Mas se isto acontecesse, quais seriam os outros resultados? Por quê? Quais seriam os efeitosdisto?4- Perguntas que verificamimplicações e consequênciasComo podemos descobrir isto? Qual é a suposição desta pergunta? Como alguém poderiaesclarecer esta questão? É possível subdividir esta questão?5- Perguntas que verificamevidências e raciocínioVocê pode explicar a sua Linha de raciocínio? Como isso se aplica a este caso? Existe umarazão para duvidar desta evidência? Quem pode saber que isto é verdade?Dinâmica do fórum socrático15
  16. 16. O Modelo de fórum socráticocognitivoCorelaciona oselementos do modeloPractical Inquiry aostópicos socráticos + frase-indício do processo dequestionamento + termosrecorrentes querepresentam conceitos16
  17. 17. Metodologia• Organização: tópicos socráticos• Avaliação: análise estatística textual e de conteúdo• Instrumentos: SPHINX (análise) e princípios da Indexação• Corpus17• Análise dos dados• Corpus-mensagem- 3 fases (frequência, crescimento vocabular esegmentos repetitivos)• Corpus-referência- 2 fases (frequência e análise fatorial)• Análise comparativa
  18. 18. I II III IV V VISocrático Categorias Indicador Processo Sociocognitivo Frase- indícioTermosrecorrentesEsclarecimentoA-EventodesencadeadoDescritor:evocativaA1-Reconhecimento do problemaApresentação de experiências queconduzem a uma questãoA2- Senso de confusãoRealizar perguntas; mensagens queconduzem a discussão para uma novadireçãoSuposiçãoePonto de VistaB-ExploraçãoDescritor:InquisitivaB1-Divergente na comunidade online Falsa contradição de ideias préviasB2-Divergente em uma únicamensagemMuitas ideias diferentes ou temasapresentados em uma únicamensagemB3-Troca de informaçõesNarrativas, fatos e descriçõespessoais (não utilizam as evidênciaspara apoiar a conclusão)B4-Sugestões para consideraçãoAutor explicitamente caracteriza amensagemcomo exploraçãoB5-BrainstormingAdiciona outros pontos a discussãosem defender / justificar / desenvolversistematicamente algoB6-Salta para conclusões Oferece opiniões sem suporteImplicaçõesC-IntegraçãoDescritor:ExperimentalC1-Convergência entre os membrosdo grupoReferência para a mensagem anterior,seguido por fundamentada acordoC2-Convergência dentro de uma únicamensagemJustificado, desenvolvido, defensávelC3-Conectando ideias, sínteseIntegração de informações de váriasfontes: livros didáticos, artigos,experiência pessoalC4-Criando soluçõesCaracterização explícita da mensagemcomo uma solução por participanteEvidênciasD-ResoluçãoDescritor:ComprometidaD1-Vicário- tomar o lugar de outro,relatar conceito para aplicação nomundo realNenhumD2-Testando soluções CodificadoD3-Defendendo soluções CodificadoAvaliação do fórum socrático cognitivoInstrumentodeavaliação18
  19. 19. Resultados – Pré-teste- 1ª. faseCorpus-mensagem: fórum da sala (S1) do curso de 2011 dadisciplina 1 (Po)32 alunos - 100 mensagens nos 5 tópicos socráticos do fórum;Base Esclarecimento: 336 formasBase Suposições: 339 formasBase Ponto de Vista: 391 formasBase Implicações: 372 formasBase Evidências: 445 formasCorpus-referência: 1 texto-base de leitura obrigatóriaConceito de EAD: História, Comunicação, Ambientes Virtuais,Mobilidade, Ambiente Ativo, Arquitetura Ambiente Ativo.Conceito sobre Telefonia Celular: Celular-EAD, Telefonia,Vantagens, Desvantagens, Evolução, Ferramenta de Autoria,Motivação, Utilização.19
  20. 20. Resultados – Pré-testeCorpus-mensagemPalavras-chave Frequência Palavras-chave Frequênciaaluno 79 módulo 23celular 76 desktop 21Uso/aplicação 75 móvel 20rede 62 transmissão 20ambiente 61 ativo 16sistema 59 autoria 14telefone 56 comunicação 14usuário 55 conteúdo 13mensagem 44 arquitetura 12interação 35 aula 12dispositivo 34 teste 12professor 34 abordagem 10serviço 30 desenvolvimento 10forma 30 localização 10curso 29 tecnologia 10processo 26 tela 10aprendizado 24 tipo 10geração 24 vantagem 10ensino 23 acompanhamento 10Corpus-referênciaMétodo Indexação por extração20
  21. 21. Palavras-chave no corpus-referência ecorpus-mensagem21
  22. 22. Retomando as hipótesesH1- Os termos utilizados pelos alunos, nos fóruns dediscussão, são indicadores reais da absorvência deconceitos abordados durante a disciplina (Presença Cognitiva).Os termos mais utilizados pelos alunos durante as discussões nos fóruns também sãoaqueles de maior frequência no texto-base da disciplina.H2- validação de especialistas em indexação para esse pré-teste (Presença Cognitiva)H3- é necessário um corpus maior para realizar essa comprovação (Método)H4- O padrão discursivo do aluno na análise estatísticatextual representa os níveis de cognição e de comunicação(Presença Cognitiva).Termos sinônimos em mensagem (ex.monitorar, controlar, conduzir= acompanhar docorpus-referência). Reflete a particularidade do discurso dos alunos que utilizamsinônimos para expressar conceitos, demonstrando liberdade, o desenvolvimentocognitivo e o crescimento vocabular.22
  23. 23. Retomando as hipótesesH5-o desenvolvimento das habilidades do pensamento críticoé estimulado pela estratégia do questionamento socráticonos fóruns (Pensamento Crítico)Análise comparativa entre o desempenho de dois alunos da sala 1 da disciplina(Po) da turma de 2011.Aluno A19 = média final 50 (71% das palavras-chaves indexadas)Aluno A2 = média final 20 (28,5% das palavras-chaves indexadas)23
  24. 24. Análise comparativaO desempenho do alunoque obteve maior médiatambém corresponde ao seualto desempenho no fórum aoutilizar palavras-chaves querepresentam a absorvência deconceitos na disciplinahipótese (H1).24
  25. 25. Resultado finalI II III S1 S2... ...SnTexto-referênciaFrequênciaabsolutaAnáliseFatorialSocrático Categorias IndicadorTermosrecorrentesTermosrecorrentesTermosrecorrentesConceitosTermos xConceitosTermos xConceitosEsclarecimentos A A1-A2 R1 R1 R1Suposições ePonto de VistaB B1-B6 R2 e R3 R2 e R3 R2 e R3Implicações C C1-C4 R4 R4 R4Evidências D D1-D3 R5 R5 R5•Gerar uma lista de termos utilizados pelos alunos nos fóruns•Cadastrá-los como indicadores reais da absorvência de conceitos•Realizar a análise fatorial para a composição de um conjunto de termos ede variáveis utilizadas pelos alunos nos fórum para controle professor25
  26. 26. Considerações parciais• Dinâmica do questionamento socrático promove aomelhor desempenho nas discussões, e do pensamentocrítico estimulando a articulação e a aplicação dosprincípios de análise, síntese e avaliação.• Instrumento proposto e a metodologia de análisesistemática mais objetiva para avaliação da presençacognitiva e do pensamento crítico• Utilização de técnicas de análise de conteúdo com apoioda indexação e da lexicometria26
  27. 27. 27Obrigadaelenisea9@gmail.com
  28. 28. ReferênciasAKYOL, Z.; GARRISON, D.R. (2011). Understanding cognitive presence in an online and blendedcommunity of inquiry: Assessing outcomes and processes for deep approaches to learning. BritishJournal of Educational Technology, v.42, n.2, p.233-50.ARAUJO, E.M. (2009). Design instrucional de uma disciplina de pós-graduação em Engenharia deProdução: uma proposta baseada em estratégias de aprendizagem colaborativa em ambientevirtual. 219 f. Dissertação (Mestrado) Engenharia de Produção, Escola de Engenharia de SãoCarlos, Universidade de São Paulo.ARAUJO, E.M.; MEDEIROS, F.; SANTOS, E.M. dos. (2011). Fóruns de discussão socráticos: ummodelo para cursos online. In: CONGRESSO INTERNACIONAL ABED DE EDUCAÇÃO ADISTANCIA. 17., Manaus, 2011. Anais eletrônicos... Manaus: ABED. Disponível em:<http://www.abed.org.br/congresso2011/cd/92.pdf>. Acesso em: 12 jun. 2012.ARBAUGH, J.B. et al. (2008). Developing a community of inquiry instrument: Testing a measure of theCommunity of Inquiry framework using a multi-institutional sample. Internet and higher education,v.11, n.3-4, p.133-36.BAKHTIN, M.M. (1994). Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M.M. Estética da criação verbal. SãoPaulo: Martins Fontes.BARDIN, L. (1977). Análise de conteúdo. Tradução de Luis A.Reto; Augusto Pinheiro. Lisboa: Ed.70.BERGE, Z.L. (1995). Facilitating computer conferencing: recommendations from the field. EducationalTechnology, Saddle Broak, v.35, n.1, p.22-30.BIENIACHESKI, F. M. (2004). Discussões argumentativas em um ambiente virtual de aprendizagem.81 f. Mestrado (Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Paraná.BLOOM, B.S. et al. (1983). Taxonomia de objetivos educacionais: compêndio primeiro-domíniocognitivo. Porto Alegre: Globo.BLUE, C.M.; LOPEZ, N. (2011). Towards Building the Oral Health Care Workforce: Who Are the NewDental Therapists? Journal of dental education. v.75, n.1, p.36-45, jan.BOULANGER, Jean-Claude. (1995). Alguns componentes linguísticos no ensino da terminologia.Ciência da Informação. Brasília, v.24, n.3, p.313-18, set.dez.BOULTER, M.L. (2010). The influence of socratic questioning in online discussions on the criticalthinking skills of undergraduate students: an exploratory study based on a business course ate aproprietary university. Thesis (The George Washington University- Higher Education Administration)2010.BRUZINGA, G.S.; MACULAN, B.C.M. S.; LIMA, G.A.B.O. (2007). Indexaçãoautomática e semântica: estudo da análise do conteúdo de teses e dissertações. In:ENANCIB – Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 8., Salvador,BA. Anais eletrônicos... Salvador, BA.: UFBA. Disponível em: <http://www.enancib.ppgci.ufba.br/artigos/GT2--117.pdf> Acesso em: 12 jul. 2012.CAMPOS, Claudinei José Gomes. (2004). Método de análise de conteúdo:ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. RevistaBrasileira de Enfermagem, Brasília, v. 57, n. 5, Oct. 2004 . Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672004000500019&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 12 jul. 2012.CASARIN, M. L. R. S. ; ARAUJO, E. M. ; OLIVEIRA NETO, J. D. (2011). Discussionforums: relevance lost? In: 24th ICDE World Conference is Expanding Horizons NewApproaches to Open and Distance Learning ., Proceedings… 2011, Bali, Indonesia:Universitas Terbuka. p. 1-14.CERVO, A.L.; BERVIAN, P.A. (1996). Metodologia científica. 4.ed. São Paulo:Makron Books.CHRISTOPHER, M.M.; THOMAS, J.A.; TALLENT-RUNNELS, M.K. (2004). Raisingthe bar: encouraging high level thinking in online discussion forums. Roeper Review,v.26, n.3, p.166-171.CONDE, Dirceu Cleber. (2008). A alternância da referência do sujeito-enunciadorcomo expressão da identidade e seus efeitos de sentido. 354 f. Tese (Doutoradoem Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina.CORICH, S.; KINSHUK, I.; HUNT, L.M. (2006). Measuring critical thinking withindiscussion forums using a computerised content analysis tool. Networked LearningLancaster University.COSTA, S.R. (2005). (Hiper) textos ciberespaciais: mutações do/no ler-escrever.Caderno Cedes, Campinas, v. 25, n. 65, p. 102-116, jan./abr. Disponível em:<http://www.cedes.unicamp.br>. Acesso em: 01 dez. 2006.THE CRITICAL THINKING COMMUNITY. (2011). Foundation for Critical Thinking.Disponível em: <http://www.criticalthinking.org/articles/the-role-socratic-questioning-ttl.cfm>DAHLBERG, I. (1978). Teoria do conceito. Ciência da Informação, Brasília, DF,Brasil, 7 dez. Disponível em:http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/view/1680/1286. Acesso em: 15 jul.2012.DALEY, B.J. et al. (1999). Concept maps: a strategy to teach and evaluate criticalthinking. Journal of nursing education, v.38, n.1, p. 42-47.DAMASCENO,E.A.D. (2008). Lexicometria, geração de descritores, construção deontologias e ensino de línguas: implicações e perspectivas. In: Magalhães, J. S. de;Travaglia, L. C.. (Org.). Múltiplas Perspectivas em Linguísticas. Uberlância:EDUFU.28
  29. 29. ReferênciasDe LENG, B.A. et al. (2009). Exploration of an e-learning model to Foster critical thinking on basicscience concepts during work placements. Computers & Education, v.53, p.1-13.De WEVER, B. et al. (2006). Content analysis schemes to analyze transcripts of online asynchronousdiscussion groups: a review. Computers & Education, v. 46, p.6-28.De WEVER, B. et al. (2007). Applying multilevel modelling to content analysis data:Methodologicalissues in the study of role assignment in asynchronous discussion groups. Learning andInstruction, v.17, p. 436-447.DEWEY, J. (1991). How we think. Edition review by 1933). Boston: D.C. Heath.FERREIRA, M.C.L. (2004). As Interfaces da análise de discurso no quadro das Ciências Humanas.Disponível em: <http://www.discurso.ufrgs.br/article.php3?id_article=3>. Acesso em: 30 jan. 2007.FLOWERS, J.; COTTON, S.E. (2007). Impacts of student categorization of their online discussioncontributions. The American Journal of Distance Education, v.21, n.2, p.93-104.FOSKETT, A.C. (1973). A Abordagem temática da informação. São Paulo, Polígono: Brasília, Ed. daUnB.FOUCAULT, M. (1972). A arqueologia do saber. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. Petrópolis: Vozes;Lisboa: Centro do Livro Brasileiro.FUCKS, H.; GEROSA, M.A.; LUCENA, C.J.P. (2002). Usando a categorização e estruturação demensagens textuais em cursos pelo Ambiente AulaNet. Revista Brasileira de Informática naEducação. n.10, abr. p. 33-44.GARRISON, D.R.; ANDERSON, T.; ARCHER, W. (2000a). Critical inquiry in a text-based environment:computer conferencing in higher education. The Internet and Higher Education, New York, v.2,n.2/3, p.87-105, Spring.GARRISON, D. R.; ANDERSON, T.; ARCHER, W. (2000b). Critical Thinking in a Text-basedEnvironment: Computer conferencing in higher education. Internet and Higher Education, v.11,n.2, p. 1 – 14.GARRISON, D. R.; ANDERSON, T.; ARCHER, W. (2001). Critical thinking, cognitive presence, andcomputer conferencing in distance education. American Journal of Distance Education, v.15, n.1,p.7 – 23.GIL, A.C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5.ed. São Paulo: Atlas.GONÇALVES, J.A.; SOUZA, R.R. (2008). Relações e conceitos em Ontologias: teorias de Farradane eDahlberg. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL, 1., Rio de Janeiro, 2008.Anais eletrônicos... Rio de Janeiro: UFF. Disponível em: <http://www.uff.br/ontologia/artigos/15.pdf>. Acesso em: 12 jul. 2012.GUNAWARDENA, C.N.; LOWE, C.A.; ANDERSON, T. (1997). Analysis of a globalon-line debate and the development of an interaction analysis model for examiningsocial construction of knowledge in computer conferencing. Journal EducationalComputing Research, Amityville, v.17, n.4, p.397-431.HARA, N.; BONK, C.J.; ANGELI, C. (2000). Content analysis of on-line discussion inan applied educational psychology course. Instructional Science, Berlin, v.28, n.2,p.115-152, Mar.HENRI, F. (1992).Computer conferencing and content analysis. In: KAYE, A.R. (Ed.).Collaborative learning through computer conferencing: the najaden papers. NewYork: Springer. p.115-136.KENG, L.T. (2006). Critical thinking and Socratic inquiry in the classroom1.Disponível em: <https://www.aare.edu.au/96pap/limtk96605.txt>.LIU, Chien-Jen; YANG, Shu Ching. (2012). Applying the Practical Inquiry Model toinvestigate the quality of students online: discourse in an information ethics coursebased on Bloom s teaching goal and Bird´s 3C model. Computers & Education,v.59, p.466-480.MAINGUENEAU, D. (1997). Novas tendências em análise do discurso. 3. ed.Campinas, SP: Pontes.MAIORANA, V.P. (1991). The road from rote to critical thinking. Community review,v.11, n.1-2, p.53-63, Fall/Spring.NEWMAN, D.R.; WEBB, B.; COCHRANE,C. (1995). A Content analysis method tomeasure critical thinking in face-to-face and computer supported group learning.Interpersonal Computing and Technology Journal, Bloomington, v.3, n.2, p.56-77,Apr.NUANKHIEO, P. (2005). On-line discussion. In: ADVANCED learningtechnologies in education consortia. Disponívelem:<http://rubistar.4teachers.org/index.php?screen=showRubric&rubric_id=1129543&>. Acesso em: 14 Jan. 2009.ORIOGUN, P.K.; CAVE, D. (2008). Using code-recode to detect critical thinkingaspects of asynchronous small group CMC collaborative learning. Journal ofInteractive Online Learning. v.7, n.3, winter , p.208.226.ORLANDI, E.P. (2003). Análise do discurso: princípios e procedimentos. 5.ed.Campinas, SP: Pontes.OTSUKA, J. L. et al. (2002). Suporte à avaliação formativa no ambiente deEducação a distância TelEduc: todas as 6 versões. In: CONGRESSOIBEROAMERICANO DE INFORMÁTICA EDUCATIVA, 6., Vigo. Anais eletrônicos...Disponível em: <http://www.dcc.unicamp.br>. Acesso em: 03 jun.2006.29
  30. 30. ReferênciasPARK, C.L. (2009). Replicating the use of a cognitive presence measurement tool. Journal ofInteractive Online Learning, v.8, n.2, Summer. Disponível em: <http://www.ncolr.org/jiol/issues/pdf/8.2.3.pdf>. Acesso em: 12 jul 2012.PAUL, R. (1993). Critical Thinking: What every person needs to survive in a rapidly changing world,Rohnert Park: C.A.: Centre for Critical Thinking and Moral Critique.PAUL, R.; ELDER, L. (2007). A Guide for educators to critical thinking competency standards:standards, principles, performance indicators, and outcomes with a critical thinking master rubric.California: The Foundation for Critical Thinking.PAUL, R.; ELDER, L. (2009). The miniature guide to critical thinking: concepts and tools. 6thed.California: The Foundation for Critical Thinking.PAUL, R.; ELDER, L. (2010). The thinker´s guide to analytic thinking. California: The Foundation forCritical Thinking.PAWAN, F. et al. (2003). Online learning: patterns of engagement and interaction among in-serviceteachers. Language learning & Technology, v. 7, n. 3, p.119-140.PERVIN, L.A. (1978). Personalidade: teoria, avaliação e pesquisa. São Paulo: EPU. p. 583-513.PICKLER, Maria Elisa Valentim. (2007). Web semântica: ontologias como ferramentas derepresentação do conhecimento. Perspectivas da Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 12,n. 1, p. 65-83, jan./abr.PINTO, V. B. (2001). Indexação documentária: uma forma de representação do conhecimentoregistrado. Perspectivas da Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 6, n. 2, p. 223 - 234,jul./dez.POPESCU-MITROI, M.M. (2010). Bloom’s taxonomy – valences and utility in pedagogical practice.Journal Plus Education, v.6, n.2, p. 289-300.RICHARDSON, J.C.; ICE, P. (2010). Investigating students level of critical thinking across instructionalstrategies in online discussions. Internet and Higher Education, v.1, n. 1-2, p. 52-59.RIVIER, A. (1992). Construção de linguagens de indexação: aspectos teóricos. Revista Escola deBiblioteconomia da UFMG, BH, v.21, n.1, p.56-99, jan.-jun.ROBLYER, M.D.; WIENCKE, W.R. (2003). Design and use of a rubric to assess and encourageinteracti interactive qualities in distance courses. The American Journal of Distance Education,University Park, v.17, n.2, p.77-98.RODRIGUES, Maria Anunciada Nery (2007). O processo da referênciação naatividade discursiva. Letras & Letras, Uberlândia, v.23, n.1, p.75-85, jan./jun.ROURKE, L. et al. (2001). Assessing social presence in asynchronous text-basedcomputer conferencing. Journal of Distance Education, v.14, n.21, p.50-71.SAMPIERI, R.H.; COLLADO, C.F.; LUCIO, P.B. (2006). Metodologia de pesquisa.3.ed. São Paulo: McGraw-Hill.SAUSSURE, Ferdinand de. (1998). Curso de linguística geral. Tradução de AntônioChelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. São Paulo : Cultrix, 1998.SCHRIRE, S. (2004). Interaction and cognition in asynchronous computerconferencing. Instructional Science, v.32, p. 475–502.SELLTIZ, Claire et al. (2005). Métodos de pesquisa nas relações sociais.Tradutores Maria Martha Hübner DOliveira, Miriam Marinotti Del Rey. São Paulo:E.P.U.SHEA, P.; BIDJERANO, T. (2009). Community of inquiry as a theoretical frameworkto foster "epistemic engagement" and "cognitive presence" in online education.Computers & Education, v. 52, n.3, p.543-553, apr.SHIN, K. et al. (2006). Critical thinking dispositions and skills of senior nursingstudents in associate, baccalaureate, and RN-to-BSN programs. Journal of NursingEducation, v.45, n.6, p. 233-237, jun.SORENSEN, H.A.J.; YANKECH,L. R. (2008). Precepting in the Fast Lane: ImprovingCritical Thinking in New Graduate Nurses. Journal of continuing education innursing. v.39, n.5 p.208-216, may.STRANG, K. D. (2011). How can discussion forum questions be effective in onlineMBA courses? Campus-Wide Information Systems, v. 28, n. 2, p.80 – 92.STREHL, Leticia. (2011). As folksonomias entre os conceitos e os pontos de acesso:as funções de descritores, citações e marcadores nos sistemas de recuperação dainformação. Perspectivas em Ciência da Informação, v.16, n.2, p.101-114, abr/jun.VASCONCELOS, C.; PRAIA, J.F.; ALMEIDA, L.S. (2003). Teorias de aprendizageme o ensino/aprendizagem das Ciências: da instrução à aprendizagem. PsicologiaEscolar e Educacional, v.7, n. 1, p. 11-19. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/pee/v7n1/v7n1a02.pdf>. Acesso em: 12 jul 2012.VITAL, Luciane Paula; CAFE, Ligia Maria Arruda. (2011). Ontologias e taxonomias:diferenças. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 16, n. 2,jun.VYGOTSKY, L.S. (1986). Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. SãoPaulo: Ícone.YUAN, H.; et al. (2008). Improvement of nursing students critical thinking skillsthrough problem-based learning in the Peoples Republic of China: A quasi-experimental study. Nursing & Health Sciences, v.10, n.1, p. 70-76, mar.30
  31. 31. Extras31
  32. 32. Esclarecimentos“Creio que as dificuldades de acesso as tecnologiasem diversos locais, bem como a possibilidade demanter-se constantemente conectado ao seuambiente de ensino-aprendizagem, podem setransformar em obstáculos para a plena utilização datelefonia celular no ensino a distância e a motivaçãoesperada não ser alcançada”.Remete a experiênciaprópriaReconhece o problemaEvento desencadeador32
  33. 33. Esclarecimentos“Realmente o telefone celular agrega novaspossibilidades de estudar, que deve ser como vocêsmesmo disseram ter bom senso, ser motivacionalsem se tornar cansativo. Imagina, recebermensagens a respeito de prazos e atividades a cadahora, acredito que ninguém gostaria”.Senso de confusãoConduz a discussão paraoutra direçãoEvento desencadeador33
  34. 34. Suposições“Uma forma de aviso tudo bem, mas ficar restrito eaprisionado aos recados seria estafante, tipomensagem de telemarketing e promoção” .Divergente nacomunidadeSugestão paraconsideraçãoExploraçãoConcordo com o aviso via celular mastambém não basta, o tutor enviar asmensagens lembrando, é importante que oaluno cumpra com a sua parte, que é ler efazer as atividades propostas. Vocês nãoconcordam?34
  35. 35. Pontos de Vista“Teríamos uma situação de falta de oportunidade desocialização de conhecimento por falta de talferramenta, o que causaria um desnivelamentosocial.”Divergente em uma únicamensagemSalta para conclusõesExploraçãoA adequação do processo pedagógicomediante a utilização de um ferramentadeveria ser ofertado baseado em umanálise dopúblico alvo, condicionando parte dasatividades ao perfil dos acadêmicos e suaspossibilidades.35
  36. 36. Implicações“No meu ponto de vista, esta é uma questão fácil de responder, vistoque o monitoramento das atividades estão restristas à utilização dosistema (programa) e não interferirá nas vidas dos alunos. Destaforma, o monitoramento é realizado para verificar se o aluno "estápresente" em suas (...) Entretanto, deve-se salientar que a forma demonitoramento das atividades deve ser exposta (...)para que nãohaja interpretação equivocada de invasão de privacidade.Conectando idéias,realizando sínteseCriando soluçõesIntegraçãoDifícil.Vejo nesta ferramenta duasdificuldades, a primeira, a confiabilidade dosistema de envio e confirmação derecebimento de mensagem (...)dada aproblemas técnicos (...)p.ex não gostariade receber mensagens nos fins de semanaou em horários não reservados ao trabalhoou estudo.36
  37. 37. Evidências“Nós mesmos solicitamos, muitas vezes, lembretes de cartões decrédito ou até mesmo da restituição do imposto de renda; vejocomo um conforto e todo o conforto aumenta a participação, oupelo menos, incentiva.Tomar o lugar do outroe aplicação ao mundorealDefendendo soluçõesResoluçãoReforçando o que muitos colegas professores jádisseram, me parece que a utilização do SMS comoferramenta pedagógica pode funcionar, sobretudo,na hora de lembrar os alunos de trabalhos econteúdos, e mesmo para chamar a atenção delespara notícias ou assuntos em discussão na mídiaque somente poderão ser tratados na aula seguinte.37

×