SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Baixar para ler offline
Experiência da ArcelorMittal Brasil com Projetos de MDL  (créditos de carbono)  Luciana Corrêa Magalhães www.editoraforum.com.br
Curitiba, 09/11/2011 Luciana Corrêa Magalhães Analista Sênior de Meio Ambiente  ArcelorMittal Aços Longos – Américas do Sul e Central Congresso Brasileiro de Direito e Sustentabilidade III Fórum Brasileiro de Altos Estudos de Direito Público
[object Object],PERFIL ARCELORMITTAL MAIOR GRUPO SIDERÚRGICO DO MUNDO
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],ARCELORMITTAL BRASIL VALORES                      Constituída em dezembro de 2005, reúne três das mais competitivas empresas siderúrgicas do País -  ArcelorMittal Aços Longos  (incluindo a Acindar da Argentina e a ArcelorMittal Costa Rica),  ArcelorMittal Tubarão e ArcelorMittal Vega .
ARCELORMITTAL BRASIL LOCALIZAÇÃO
ARCELORMITTAL MONLEVADE   ARCELORMITTAL JUIZ DE FORA ARCELORMITTAL AÇOS LONGOS UNIDADES   1.250 Kton de aço bruto 1.000 Kton de aço bruto
ARCELORMITTAL PIRACICABA ARCELORMITTAL CARIACICA ARCELORMITTAL AÇOS LONGOS UNIDADES  1.050 Kton de aço bruto 600 Kton de aço bruto
ARCELORMITAL AÇOS PLANOS UNIDADES ARCELORMITTAL TUBARÃO   ARCELORMITTAL VEGA 7.500 Kton de aço bruto 1.400 Kton de aço bruto
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],ARCELORMITTAL BRASIL PRODUTOS 6,5 milhões tons/ano 10.500 empregados 7,5 milhões tons/ano 4.900 empregados
POLÍTICA AMBIENTAL DIRETRIZES Gerenciamento e redução, onde tecnicamente e economicamente viável, das origens das emissões de CO 2  na produção de aço.
MUDANÇAS DO CLIMA PRINCIPAIS QUESTÕES
MUDANÇAS DO CLIMA EFEITO ESTUFA
MUDANÇAS DO CLIMA PRINCIPAIS GASES DE EFEITO ESTUFA
MUDANÇAS DO CLIMA PRINCIPAIS MARCOS Data Marco 1988 A WMO e o UNEP  estabelecem o IPCC.  1990 O Primeiro Relatório de Avaliação do IPCC é publicado.  4 de junho de 1992 A Convenção é aberta a assinaturas na "Cúpula da Terra", no Rio de Janeiro. 21 de março de 1994 A Convenção entra em vigor. 7 de abril de 1995 A COP1  inicia uma nova rodada de negociações sobre um "protocolo ou outro instrumento legal". 11 a 15 de dezembro de 1995 O IPCC aprova seu Segundo Relatório de Avaliação. Suas conclusões salientam a necessidade de ações políticas fortes. 19 de julho de 1996 A COP2  toma nota da Declaração Ministerial de Genebra, que funciona como um impulso adicional às negociações em andamento. 11 de dezembro de 1997 A COP3 adota o  Protocolo de Quioto  à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima em Quioto, Japão. 16 de março de 1998 O Protocolo de Quioto é aberto a assinaturas na sede das Nações Unidas em Nova York. Recebe 84 assinaturas em um período de um ano. 2002 "Rio+10" "Cúpula da Terra 2002", dez anos após a "Cúpula da Terra" de 1992. 2003 Entrada em vigor do Protocolo de Quioto 2008 a 2012 Primeiro período de compromisso no âmbito do Protocolo de Quioto. 2013 a 2017 Segundo período de compromisso?
Fonte: IPCC 2007 4th Assessment Report Existe uma forte correlação entre o aumento da temperatura média do planeta e as emissões de Gases Efeito Estufa (GEE). Resultados reais observados. Modelagem com influência natural. Modelagem com influência natural e antropogênica. MUDANÇAS DO CLIMA EFEITOS OBSERVADOS DO AQUECIMENTO GLOBAL
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],MUDANÇAS DO CLIMA PROTOCOLO DE QUIOTO
MUDANÇAS DO CLIMA GERAÇÃO E OFERTA DE CRÉDITOS DE CARBONO Rio 92 CQNUMC 186 PARTES 3ª COP/MOP Protocolo de Quioto Mecanismos de Flexibilidade Comércio de Emissões (Anexo I) Implementação Conjunta (Anexo I) MDL (Não Anexo I) 7ª COP/MOP Acordos de Marraqueche Meta de Redução (1990: -5%) 1º Período de Compromisso (2008-2012) Países Anexo I Países Não Anexo I Greenhouse gases x Global warming potential
Compra de UR  (Unidades de Redução) Cessão dos Créditos REDUÇÕES  LIMITADAS (alto custo,  limitação tecnológica,  etc.) REDUÇÕES  EXCEDENTES REINO UNIDO URSS Com é rcio Internacional de Emissões International Emissions Tradings (entre Pa í ses Anexo 1)
Tecnologias Limpas Ganhos de Créditos CUSTOS ALTOS CUSTOS BAIXOS Investimentos França Polônia Implementa ç ão Conjunta Joint Implementation  (entre Pa í ses Anexo 1)
Mecanismos de Desenvolvimento Limpo Clean Development Mechanism (entre os pa í ses Anexo 1 e não Anexo 1) Emissão de CER no mercado. BRASIL Alemanha CUSTOS ALTOS CUSTOS BAIXOS Promoção do Uso de Tecnologias Limpas Desenvolvimento   Sustentável Investimentos Externos
ArcelorMittal A ç os Planos PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE Gestão Interna Consultoria  Técnica Partes  Interessadas Atendimento  Legal Pesquisa e  Desenvolvimento Inspeção  Ambiental Engenharia  Ambiental Mitigação de emissões de GEE Geração de Créditos  de Carbono Sistema de  Gestão Ambiental Educação  Ambiental PROCESSOS
ArcelorMittal A ç os Longos PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE Desenvolvimento sustentável Licenciamento Ambiental ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],ArcelorMittal Juiz de Fora Fundação ArcelorMittal Brasil ArcelorMittal Juiz de Fora Comunidade Industrial Florestal Créditos de Carbono ArcelorMittal BioFlorestas Lucratividade -  Segurança e Saúde  -  Proteção do Ambiente  -  Diálogo com todos os parceiros  Desenvolvimento de Competências  -  Inovação e Qualidade  -  Governança Coorporativa  -  Empresa Cidadã ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Princípios ArcelorMittal ArcelorMittal Brasil
Outra Entidade Operacional Designada Atividades de Projeto Conselho Executivo  (ONU) (2) DCP (PDD) – Documento  de Concepção de Projeto (3) Validação (5) Registro das Atividades de Projeto (6) Monitoramento Emissão Reduzida Certificada (8) Emissão Entidade Operacional Designada (7) Verificação/ Certificação Metodologia de Projeto Autoridade Nacional (4) Aprovação Painel de Metodologia (ONU) Participantes do Projeto (1) Construção da Metodologia de Linha de Base e de Monitoramento Painel de Metodologia (ONU) Conselho Executivo  (ONU) Carbonização Programa Produtor Florestal Gás Natural no Alto Forno PROJETOS DE CARBONO Etapas de Desenvolvimento Mudança de Modal Projeto Industrial Recuperação de Calor - HRCP Recuperação de Gás LDG (9) Comercialização
[object Object],[object Object],ArcelorMittal A ç os Planos COGERA Ç ÃO DE ENERGIA EL É TRICA COM G Á S LDG Registro do Projeto:   2006 Geração de Créditos de Carbono:  45.000 tonCO 2 eq/ano . Status: Concluída 2ª Verificação ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],75 MW GERADOR 80 MVA TURBINA LDG Limpeza  dos Gases Gasômetro CTE #4
Objetivo Recuperar o calor gerado na produção de coque de forma a produzir vapor através de trocadores de calor e turbo-geradores, e produção de energia elétrica. Logo, haverá o deslocamento das emissões equivalentes da parcela de geração térmica do grid nacional. ArcelorMittal A ç os Planos COGERA Ç ÃO DE ENERGIA EL É TRICA NA PRODU Ç ÃO DE COQUE PELO PROCESSO HEAT RECOVERY Registro do Projeto (Estimado):   2011  HRSG 2 HRSG 3 HRSG 4 HRSG 5 HRSG 1 CALOR HRSG 6 HRSG 7 HRSG 8 ENERGIA ELÉTRICA Geração de Créditos de Carbono:  250.000 tonCO 2 eq/ano .(10 anos) Status: Aprovação - DNA 98 MW GERADOR 115 MVA TURBINA 98 MW GERADOR 115 MVA TURBINA
[object Object],[object Object],ARCELORMITTAL PLANOS MUDAN Ç A DE MODAL DE TRANSPORTE DE PRODUTOS SIDER Ú RGICOS Registro do Projeto:   Não Definido Geração de Créditos de Carbono:  125.000 tonCO 2 eq/ano . Status: Desenvolvimento de PDD ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],VITÓRIA CST SÃO PAULO SÃO FRANCISCO DO SUL RS SC PR SP MG RJ Atlantic Ocean ES Ocean Barges VEGA
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],ArcelorMittal A ç os Longos  REDU Ç ÃO DE METANO NA CARBONIZA Ç ÃO Objetivo Queima dos gases da Carbonização, evitando a emissão do metano na atmosfera Observações: Metodologia foi apresentado anteriormente ao Meth Panel e não foi aprovada devido à necessidade de rever o plano de monitoramento proposto. Atualmente estão sendo realizadas medições de gases (CO, CO 2 , O 2  e CH 4 ) nos fornos e chaminé para evidenciar a eficiência na redução das emissões de CH 4  na chaminé do queimador. Está prevista de reunião do Meth Panel para avaliação / aprovação em Fev/2012.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],ArcelorMittal A ç os Longos  SEQUESTRO DE CO 2  EM FLORESTAS PLANTADAS Objetivo Plantar 30,000 hectares de eucalipto com o seqüestro e armazenamento de CO 2  em florestas plantadas. ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],ArcelorMittal A ç os Longos  PROJETO INDUSTRIAL: USOS DE BIO-REDUTOR EM ALTOS FORNOS Objetivo Utilização de bio-redutor em dois altos-fornos na unidade de Juiz de Fora. Uma vez que o mesmo é produzido a partir de fontes renováveis, o balanço de emissões de CO 2  é zero. ,[object Object],[object Object],[object Object]
Conclusões ,[object Object],[object Object],[object Object]
Obrigada! Luciana C. Magalhães [email_address]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2Belmira Baptista
 
Rede bacia hidrográfica - acidentes do litoral
Rede   bacia hidrográfica - acidentes do litoralRede   bacia hidrográfica - acidentes do litoral
Rede bacia hidrográfica - acidentes do litoralabarros
 
Regras básicas de segurança na utilização de circuitos eletrónicos
Regras básicas de segurança na utilização de circuitos eletrónicos Regras básicas de segurança na utilização de circuitos eletrónicos
Regras básicas de segurança na utilização de circuitos eletrónicos MatildeGodinho
 
Dia da Internet Segura
Dia da Internet SeguraDia da Internet Segura
Dia da Internet SeguraRosa Duarte
 
A confissão de leoa, Mia Couto
A confissão de leoa, Mia CoutoA confissão de leoa, Mia Couto
A confissão de leoa, Mia CoutoIsabelPereira2010
 
A lua de joana
A lua de joana A lua de joana
A lua de joana Ana Sousa
 
Leandro, rei da helíria
Leandro, rei da helíriaLeandro, rei da helíria
Leandro, rei da helíriaanatss
 
Ana maria magalhães e isabel alçada
Ana maria magalhães e isabel alçadaAna maria magalhães e isabel alçada
Ana maria magalhães e isabel alçadamartamedeiros
 
Ficha de-verificacao-de-leitura o-colar
Ficha de-verificacao-de-leitura o-colarFicha de-verificacao-de-leitura o-colar
Ficha de-verificacao-de-leitura o-colarflorinda almeida
 
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breynerinessalgado
 
A lua de joana
A lua de joana A lua de joana
A lua de joana Ana Sousa
 
Recursos hídricos2
Recursos hídricos2Recursos hídricos2
Recursos hídricos2manjosp
 
A viúva e o papagaio
A viúva e o papagaioA viúva e o papagaio
A viúva e o papagaioÂngela Silva
 
Trabalho mia couto
Trabalho mia coutoTrabalho mia couto
Trabalho mia coutomafaldagrego
 

Mais procurados (20)

Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2Leandro rei da heliria   caracterização das personagens2
Leandro rei da heliria caracterização das personagens2
 
Rede bacia hidrográfica - acidentes do litoral
Rede   bacia hidrográfica - acidentes do litoralRede   bacia hidrográfica - acidentes do litoral
Rede bacia hidrográfica - acidentes do litoral
 
Regras básicas de segurança na utilização de circuitos eletrónicos
Regras básicas de segurança na utilização de circuitos eletrónicos Regras básicas de segurança na utilização de circuitos eletrónicos
Regras básicas de segurança na utilização de circuitos eletrónicos
 
Dia da Internet Segura
Dia da Internet SeguraDia da Internet Segura
Dia da Internet Segura
 
A confissão de leoa, Mia Couto
A confissão de leoa, Mia CoutoA confissão de leoa, Mia Couto
A confissão de leoa, Mia Couto
 
A lua de joana
A lua de joana A lua de joana
A lua de joana
 
Leandro, rei da helíria
Leandro, rei da helíriaLeandro, rei da helíria
Leandro, rei da helíria
 
Ana maria magalhães e isabel alçada
Ana maria magalhães e isabel alçadaAna maria magalhães e isabel alçada
Ana maria magalhães e isabel alçada
 
Ficha de-verificacao-de-leitura o-colar
Ficha de-verificacao-de-leitura o-colarFicha de-verificacao-de-leitura o-colar
Ficha de-verificacao-de-leitura o-colar
 
Marco Civil da Internet
Marco Civil da InternetMarco Civil da Internet
Marco Civil da Internet
 
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
"História da gata borralheira", de Sophia de Mello Breyner
 
A lua de joana
A lua de joana A lua de joana
A lua de joana
 
Recursos hídricos2
Recursos hídricos2Recursos hídricos2
Recursos hídricos2
 
Aspetos do relevo
Aspetos do relevoAspetos do relevo
Aspetos do relevo
 
A viúva e o papagaio
A viúva e o papagaioA viúva e o papagaio
A viúva e o papagaio
 
HistóRias Da Terra E Do Mar
HistóRias Da Terra E Do MarHistóRias Da Terra E Do Mar
HistóRias Da Terra E Do Mar
 
Trabalho mia couto
Trabalho mia coutoTrabalho mia couto
Trabalho mia couto
 
Mariza
MarizaMariza
Mariza
 
Cheias e inundações
Cheias e inundaçõesCheias e inundações
Cheias e inundações
 
Apartheid - Bantustões e Townships
Apartheid - Bantustões e TownshipsApartheid - Bantustões e Townships
Apartheid - Bantustões e Townships
 

Destaque

Apresentação da ArcelorMittal
Apresentação da ArcelorMittalApresentação da ArcelorMittal
Apresentação da ArcelorMittalVereador Serjão
 
Amb mdl 2011 guilherme 16 40
Amb mdl 2011 guilherme 16 40Amb mdl 2011 guilherme 16 40
Amb mdl 2011 guilherme 16 40forumsustentar
 
ArcelorMittal - A transformação do ser humano nas organizações
ArcelorMittal - A transformação do ser humano nas organizaçõesArcelorMittal - A transformação do ser humano nas organizações
ArcelorMittal - A transformação do ser humano nas organizaçõesAndré Augusto Damasceno Mendes
 
Aula presencial 2011.1
Aula presencial 2011.1Aula presencial 2011.1
Aula presencial 2011.1UNIPÊ
 
Dificuldade Oportunidade
Dificuldade OportunidadeDificuldade Oportunidade
Dificuldade Oportunidadeciro pere
 
ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES ; EMPRESA ARCELORMITTAL ; UNIPAC BOM DESPACHO MG ; ...
ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES ; EMPRESA ARCELORMITTAL ; UNIPAC BOM DESPACHO MG ; ...ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES ; EMPRESA ARCELORMITTAL ; UNIPAC BOM DESPACHO MG ; ...
ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES ; EMPRESA ARCELORMITTAL ; UNIPAC BOM DESPACHO MG ; ...Ricardo Albert
 
Resumo plano de_manejo_2012_anexo_161
Resumo plano de_manejo_2012_anexo_161Resumo plano de_manejo_2012_anexo_161
Resumo plano de_manejo_2012_anexo_161alex.nogueira
 

Destaque (9)

1 ciclo rankine
1  ciclo rankine1  ciclo rankine
1 ciclo rankine
 
Apresentação da ArcelorMittal
Apresentação da ArcelorMittalApresentação da ArcelorMittal
Apresentação da ArcelorMittal
 
Amb mdl 2011 guilherme 16 40
Amb mdl 2011 guilherme 16 40Amb mdl 2011 guilherme 16 40
Amb mdl 2011 guilherme 16 40
 
ArcelorMittal - A transformação do ser humano nas organizações
ArcelorMittal - A transformação do ser humano nas organizaçõesArcelorMittal - A transformação do ser humano nas organizações
ArcelorMittal - A transformação do ser humano nas organizações
 
Aula presencial 2011.1
Aula presencial 2011.1Aula presencial 2011.1
Aula presencial 2011.1
 
Dificuldade Oportunidade
Dificuldade OportunidadeDificuldade Oportunidade
Dificuldade Oportunidade
 
Luiz antonio 16 00
Luiz antonio 16 00Luiz antonio 16 00
Luiz antonio 16 00
 
ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES ; EMPRESA ARCELORMITTAL ; UNIPAC BOM DESPACHO MG ; ...
ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES ; EMPRESA ARCELORMITTAL ; UNIPAC BOM DESPACHO MG ; ...ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES ; EMPRESA ARCELORMITTAL ; UNIPAC BOM DESPACHO MG ; ...
ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES ; EMPRESA ARCELORMITTAL ; UNIPAC BOM DESPACHO MG ; ...
 
Resumo plano de_manejo_2012_anexo_161
Resumo plano de_manejo_2012_anexo_161Resumo plano de_manejo_2012_anexo_161
Resumo plano de_manejo_2012_anexo_161
 

Semelhante a Experiência da Arcelor Mittal Brasil com Projetos de MDL

Claudio guedes coelho
Claudio guedes coelhoClaudio guedes coelho
Claudio guedes coelhoLCA promo
 
Apresentação 47 OAB - mercado carbono
Apresentação 47 OAB - mercado carbonoApresentação 47 OAB - mercado carbono
Apresentação 47 OAB - mercado carbonoVinicius Carneiro
 
AULA 10 - PROTECÇÃO DO AMBIENTE - lEGISLAÇÃO.ppt
AULA 10 - PROTECÇÃO DO AMBIENTE - lEGISLAÇÃO.pptAULA 10 - PROTECÇÃO DO AMBIENTE - lEGISLAÇÃO.ppt
AULA 10 - PROTECÇÃO DO AMBIENTE - lEGISLAÇÃO.pptTonyMuhate
 
A Mudanca Climatica e o Protocolo de Kyoto
A Mudanca Climatica e o Protocolo de Kyoto A Mudanca Climatica e o Protocolo de Kyoto
A Mudanca Climatica e o Protocolo de Kyoto neodo
 
Apresentação da EDP no Brasil
Apresentação da EDP no BrasilApresentação da EDP no Brasil
Apresentação da EDP no BrasilAmbiente Energia
 
Fórum Aquecimento Global - Soluções Viáveis, 17/08/2009 - Apresentação de Mar...
Fórum Aquecimento Global - Soluções Viáveis, 17/08/2009 - Apresentação de Mar...Fórum Aquecimento Global - Soluções Viáveis, 17/08/2009 - Apresentação de Mar...
Fórum Aquecimento Global - Soluções Viáveis, 17/08/2009 - Apresentação de Mar...FecomercioSP
 
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...Bruno Oliveira
 
Atlas portugues 2013
Atlas portugues 2013Atlas portugues 2013
Atlas portugues 2013patrick miola
 
Projeto de compostagem lixo zero
Projeto de compostagem lixo zeroProjeto de compostagem lixo zero
Projeto de compostagem lixo zeroPaulo Henrique
 
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbono
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbonoPerspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbono
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbonoSustentaí
 
Thales ii simposio cer
Thales  ii simposio cerThales  ii simposio cer
Thales ii simposio cerLCA promo
 

Semelhante a Experiência da Arcelor Mittal Brasil com Projetos de MDL (20)

Claudio guedes coelho
Claudio guedes coelhoClaudio guedes coelho
Claudio guedes coelho
 
Thiago
ThiagoThiago
Thiago
 
Apresentação 47 OAB - mercado carbono
Apresentação 47 OAB - mercado carbonoApresentação 47 OAB - mercado carbono
Apresentação 47 OAB - mercado carbono
 
AULA 10 - PROTECÇÃO DO AMBIENTE - lEGISLAÇÃO.ppt
AULA 10 - PROTECÇÃO DO AMBIENTE - lEGISLAÇÃO.pptAULA 10 - PROTECÇÃO DO AMBIENTE - lEGISLAÇÃO.ppt
AULA 10 - PROTECÇÃO DO AMBIENTE - lEGISLAÇÃO.ppt
 
Apresentação eqao[1] 0
Apresentação eqao[1] 0Apresentação eqao[1] 0
Apresentação eqao[1] 0
 
A Mudanca Climatica e o Protocolo de Kyoto
A Mudanca Climatica e o Protocolo de Kyoto A Mudanca Climatica e o Protocolo de Kyoto
A Mudanca Climatica e o Protocolo de Kyoto
 
Demétrio flores14 40
Demétrio flores14 40Demétrio flores14 40
Demétrio flores14 40
 
Apresentação da EDP no Brasil
Apresentação da EDP no BrasilApresentação da EDP no Brasil
Apresentação da EDP no Brasil
 
Eqao 13.03.21-gpmai
Eqao 13.03.21-gpmaiEqao 13.03.21-gpmai
Eqao 13.03.21-gpmai
 
Planos Setoriais de Redução de Emissões na Indústria
Planos Setoriais de Redução de Emissões na IndústriaPlanos Setoriais de Redução de Emissões na Indústria
Planos Setoriais de Redução de Emissões na Indústria
 
Logística Reversa - Dra. Zila Maria Faria Veloso
Logística Reversa - Dra. Zila Maria Faria VelosoLogística Reversa - Dra. Zila Maria Faria Veloso
Logística Reversa - Dra. Zila Maria Faria Veloso
 
Fórum Aquecimento Global - Soluções Viáveis, 17/08/2009 - Apresentação de Mar...
Fórum Aquecimento Global - Soluções Viáveis, 17/08/2009 - Apresentação de Mar...Fórum Aquecimento Global - Soluções Viáveis, 17/08/2009 - Apresentação de Mar...
Fórum Aquecimento Global - Soluções Viáveis, 17/08/2009 - Apresentação de Mar...
 
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...
 
Atlas portugues 2013
Atlas portugues 2013Atlas portugues 2013
Atlas portugues 2013
 
Projeto de compostagem lixo zero
Projeto de compostagem lixo zeroProjeto de compostagem lixo zero
Projeto de compostagem lixo zero
 
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbono
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbonoPerspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbono
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbono
 
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 -  impactos no macroambienteGestão Ambiental 02 -  impactos no macroambiente
Gestão Ambiental 02 - impactos no macroambiente
 
Thales ii simposio cer
Thales  ii simposio cerThales  ii simposio cer
Thales ii simposio cer
 
A comin
A cominA comin
A comin
 
Alexandre 14 30
Alexandre 14 30Alexandre 14 30
Alexandre 14 30
 

Mais de Editora Fórum

Ampla defesa e defesa técnica nos Tribunais de Contas
Ampla defesa e defesa técnica nos Tribunais de ContasAmpla defesa e defesa técnica nos Tribunais de Contas
Ampla defesa e defesa técnica nos Tribunais de ContasEditora Fórum
 
Apontamentos sobre o Regime de Pessoal e Terceirização por parte das Entidade...
Apontamentos sobre o Regime de Pessoal e Terceirização por parte das Entidade...Apontamentos sobre o Regime de Pessoal e Terceirização por parte das Entidade...
Apontamentos sobre o Regime de Pessoal e Terceirização por parte das Entidade...Editora Fórum
 
Fiscalização das Obras Relativas à Copa do Mundo de 2014: Estratégias de Info...
Fiscalização das Obras Relativas à Copa do Mundo de 2014: Estratégias de Info...Fiscalização das Obras Relativas à Copa do Mundo de 2014: Estratégias de Info...
Fiscalização das Obras Relativas à Copa do Mundo de 2014: Estratégias de Info...Editora Fórum
 
Controle Interno e Externo das Entidades do Terceiro Setor
Controle Interno e Externo das Entidades do Terceiro SetorControle Interno e Externo das Entidades do Terceiro Setor
Controle Interno e Externo das Entidades do Terceiro SetorEditora Fórum
 
Desafios da teoria do equilíbrio econômico-financeiro de contratos administra...
Desafios da teoria do equilíbrio econômico-financeiro de contratos administra...Desafios da teoria do equilíbrio econômico-financeiro de contratos administra...
Desafios da teoria do equilíbrio econômico-financeiro de contratos administra...Editora Fórum
 
Interesse Público e Continuidade de Obras Públicas: Medidas Alternativas à Su...
Interesse Público e Continuidade de Obras Públicas: Medidas Alternativas à Su...Interesse Público e Continuidade de Obras Públicas: Medidas Alternativas à Su...
Interesse Público e Continuidade de Obras Públicas: Medidas Alternativas à Su...Editora Fórum
 
O uso indireto da contratação pública: a regulação sem controle
O uso indireto da contratação pública: a regulação sem controleO uso indireto da contratação pública: a regulação sem controle
O uso indireto da contratação pública: a regulação sem controleEditora Fórum
 
Fiscalização das Receitas Públicas e Controle de Resultado
Fiscalização das Receitas Públicas e Controle de ResultadoFiscalização das Receitas Públicas e Controle de Resultado
Fiscalização das Receitas Públicas e Controle de ResultadoEditora Fórum
 
Controlando o Controlador: Conselho Nacional dos Tribunais de Contas e o Aper...
Controlando o Controlador: Conselho Nacional dos Tribunais de Contas e o Aper...Controlando o Controlador: Conselho Nacional dos Tribunais de Contas e o Aper...
Controlando o Controlador: Conselho Nacional dos Tribunais de Contas e o Aper...Editora Fórum
 
Inação Pública Regulatória – VIII Fórum Brasileiro de Controle da Administraç...
Inação Pública Regulatória – VIII Fórum Brasileiro de Controle da Administraç...Inação Pública Regulatória – VIII Fórum Brasileiro de Controle da Administraç...
Inação Pública Regulatória – VIII Fórum Brasileiro de Controle da Administraç...Editora Fórum
 
Boas Práticas - Experiências bem sucedidas em Gestão Pública
Boas Práticas - Experiências bem sucedidas em Gestão PúblicaBoas Práticas - Experiências bem sucedidas em Gestão Pública
Boas Práticas - Experiências bem sucedidas em Gestão PúblicaEditora Fórum
 
Sustentabilidade na Administração Pública: Valores e práticas de gestão socio...
Sustentabilidade na Administração Pública: Valores e práticas de gestão socio...Sustentabilidade na Administração Pública: Valores e práticas de gestão socio...
Sustentabilidade na Administração Pública: Valores e práticas de gestão socio...Editora Fórum
 
Tema: Licitações Sustentáveis: Aspectos relevantes
Tema: Licitações Sustentáveis: Aspectos relevantes Tema: Licitações Sustentáveis: Aspectos relevantes
Tema: Licitações Sustentáveis: Aspectos relevantes Editora Fórum
 
LICITAÇÕES NÃO SUBMETIDAS INTEGRALMENTE AO REGIME DA LEI Nº 8.666 / 93
LICITAÇÕES NÃO SUBMETIDAS INTEGRALMENTE AO REGIME DA LEI Nº 8.666 / 93 LICITAÇÕES NÃO SUBMETIDAS INTEGRALMENTE AO REGIME DA LEI Nº 8.666 / 93
LICITAÇÕES NÃO SUBMETIDAS INTEGRALMENTE AO REGIME DA LEI Nº 8.666 / 93 Editora Fórum
 
Painel de Debate – O Regime Diferenciado de Contratações Públicas
 Painel de Debate – O Regime Diferenciado de Contratações Públicas Painel de Debate – O Regime Diferenciado de Contratações Públicas
Painel de Debate – O Regime Diferenciado de Contratações PúblicasEditora Fórum
 
Desafios à manutenção do sigilo das propostas
Desafios à manutenção do sigilo das propostasDesafios à manutenção do sigilo das propostas
Desafios à manutenção do sigilo das propostasEditora Fórum
 
PAINEL DE DEBATE – RDC ORÇAMENTO SIGILOSO
PAINEL DE DEBATE – RDC ORÇAMENTO SIGILOSO PAINEL DE DEBATE – RDC ORÇAMENTO SIGILOSO
PAINEL DE DEBATE – RDC ORÇAMENTO SIGILOSO Editora Fórum
 
PAINEL DE DEBATE – RDC CONTRATAÇÃO INTEGRADA
PAINEL DE DEBATE – RDC CONTRATAÇÃO INTEGRADA PAINEL DE DEBATE – RDC CONTRATAÇÃO INTEGRADA
PAINEL DE DEBATE – RDC CONTRATAÇÃO INTEGRADA Editora Fórum
 
Aplicação de Penalidades ao Particular Contratante pelos Tribunais de Contas
 Aplicação de Penalidades ao Particular Contratante pelos Tribunais de Contas  Aplicação de Penalidades ao Particular Contratante pelos Tribunais de Contas
Aplicação de Penalidades ao Particular Contratante pelos Tribunais de Contas Editora Fórum
 
Direito dos Contratos Administrativos: Entre o estímulo às boas práticas e o...
Direito dos Contratos Administrativos: Entre o estímulo às boas  práticas e o...Direito dos Contratos Administrativos: Entre o estímulo às boas  práticas e o...
Direito dos Contratos Administrativos: Entre o estímulo às boas práticas e o...Editora Fórum
 

Mais de Editora Fórum (20)

Ampla defesa e defesa técnica nos Tribunais de Contas
Ampla defesa e defesa técnica nos Tribunais de ContasAmpla defesa e defesa técnica nos Tribunais de Contas
Ampla defesa e defesa técnica nos Tribunais de Contas
 
Apontamentos sobre o Regime de Pessoal e Terceirização por parte das Entidade...
Apontamentos sobre o Regime de Pessoal e Terceirização por parte das Entidade...Apontamentos sobre o Regime de Pessoal e Terceirização por parte das Entidade...
Apontamentos sobre o Regime de Pessoal e Terceirização por parte das Entidade...
 
Fiscalização das Obras Relativas à Copa do Mundo de 2014: Estratégias de Info...
Fiscalização das Obras Relativas à Copa do Mundo de 2014: Estratégias de Info...Fiscalização das Obras Relativas à Copa do Mundo de 2014: Estratégias de Info...
Fiscalização das Obras Relativas à Copa do Mundo de 2014: Estratégias de Info...
 
Controle Interno e Externo das Entidades do Terceiro Setor
Controle Interno e Externo das Entidades do Terceiro SetorControle Interno e Externo das Entidades do Terceiro Setor
Controle Interno e Externo das Entidades do Terceiro Setor
 
Desafios da teoria do equilíbrio econômico-financeiro de contratos administra...
Desafios da teoria do equilíbrio econômico-financeiro de contratos administra...Desafios da teoria do equilíbrio econômico-financeiro de contratos administra...
Desafios da teoria do equilíbrio econômico-financeiro de contratos administra...
 
Interesse Público e Continuidade de Obras Públicas: Medidas Alternativas à Su...
Interesse Público e Continuidade de Obras Públicas: Medidas Alternativas à Su...Interesse Público e Continuidade de Obras Públicas: Medidas Alternativas à Su...
Interesse Público e Continuidade de Obras Públicas: Medidas Alternativas à Su...
 
O uso indireto da contratação pública: a regulação sem controle
O uso indireto da contratação pública: a regulação sem controleO uso indireto da contratação pública: a regulação sem controle
O uso indireto da contratação pública: a regulação sem controle
 
Fiscalização das Receitas Públicas e Controle de Resultado
Fiscalização das Receitas Públicas e Controle de ResultadoFiscalização das Receitas Públicas e Controle de Resultado
Fiscalização das Receitas Públicas e Controle de Resultado
 
Controlando o Controlador: Conselho Nacional dos Tribunais de Contas e o Aper...
Controlando o Controlador: Conselho Nacional dos Tribunais de Contas e o Aper...Controlando o Controlador: Conselho Nacional dos Tribunais de Contas e o Aper...
Controlando o Controlador: Conselho Nacional dos Tribunais de Contas e o Aper...
 
Inação Pública Regulatória – VIII Fórum Brasileiro de Controle da Administraç...
Inação Pública Regulatória – VIII Fórum Brasileiro de Controle da Administraç...Inação Pública Regulatória – VIII Fórum Brasileiro de Controle da Administraç...
Inação Pública Regulatória – VIII Fórum Brasileiro de Controle da Administraç...
 
Boas Práticas - Experiências bem sucedidas em Gestão Pública
Boas Práticas - Experiências bem sucedidas em Gestão PúblicaBoas Práticas - Experiências bem sucedidas em Gestão Pública
Boas Práticas - Experiências bem sucedidas em Gestão Pública
 
Sustentabilidade na Administração Pública: Valores e práticas de gestão socio...
Sustentabilidade na Administração Pública: Valores e práticas de gestão socio...Sustentabilidade na Administração Pública: Valores e práticas de gestão socio...
Sustentabilidade na Administração Pública: Valores e práticas de gestão socio...
 
Tema: Licitações Sustentáveis: Aspectos relevantes
Tema: Licitações Sustentáveis: Aspectos relevantes Tema: Licitações Sustentáveis: Aspectos relevantes
Tema: Licitações Sustentáveis: Aspectos relevantes
 
LICITAÇÕES NÃO SUBMETIDAS INTEGRALMENTE AO REGIME DA LEI Nº 8.666 / 93
LICITAÇÕES NÃO SUBMETIDAS INTEGRALMENTE AO REGIME DA LEI Nº 8.666 / 93 LICITAÇÕES NÃO SUBMETIDAS INTEGRALMENTE AO REGIME DA LEI Nº 8.666 / 93
LICITAÇÕES NÃO SUBMETIDAS INTEGRALMENTE AO REGIME DA LEI Nº 8.666 / 93
 
Painel de Debate – O Regime Diferenciado de Contratações Públicas
 Painel de Debate – O Regime Diferenciado de Contratações Públicas Painel de Debate – O Regime Diferenciado de Contratações Públicas
Painel de Debate – O Regime Diferenciado de Contratações Públicas
 
Desafios à manutenção do sigilo das propostas
Desafios à manutenção do sigilo das propostasDesafios à manutenção do sigilo das propostas
Desafios à manutenção do sigilo das propostas
 
PAINEL DE DEBATE – RDC ORÇAMENTO SIGILOSO
PAINEL DE DEBATE – RDC ORÇAMENTO SIGILOSO PAINEL DE DEBATE – RDC ORÇAMENTO SIGILOSO
PAINEL DE DEBATE – RDC ORÇAMENTO SIGILOSO
 
PAINEL DE DEBATE – RDC CONTRATAÇÃO INTEGRADA
PAINEL DE DEBATE – RDC CONTRATAÇÃO INTEGRADA PAINEL DE DEBATE – RDC CONTRATAÇÃO INTEGRADA
PAINEL DE DEBATE – RDC CONTRATAÇÃO INTEGRADA
 
Aplicação de Penalidades ao Particular Contratante pelos Tribunais de Contas
 Aplicação de Penalidades ao Particular Contratante pelos Tribunais de Contas  Aplicação de Penalidades ao Particular Contratante pelos Tribunais de Contas
Aplicação de Penalidades ao Particular Contratante pelos Tribunais de Contas
 
Direito dos Contratos Administrativos: Entre o estímulo às boas práticas e o...
Direito dos Contratos Administrativos: Entre o estímulo às boas  práticas e o...Direito dos Contratos Administrativos: Entre o estímulo às boas  práticas e o...
Direito dos Contratos Administrativos: Entre o estímulo às boas práticas e o...
 

Experiência da Arcelor Mittal Brasil com Projetos de MDL

  • 1. Experiência da ArcelorMittal Brasil com Projetos de MDL (créditos de carbono) Luciana Corrêa Magalhães www.editoraforum.com.br
  • 2. Curitiba, 09/11/2011 Luciana Corrêa Magalhães Analista Sênior de Meio Ambiente ArcelorMittal Aços Longos – Américas do Sul e Central Congresso Brasileiro de Direito e Sustentabilidade III Fórum Brasileiro de Altos Estudos de Direito Público
  • 3.
  • 4.
  • 6. ARCELORMITTAL MONLEVADE ARCELORMITTAL JUIZ DE FORA ARCELORMITTAL AÇOS LONGOS UNIDADES 1.250 Kton de aço bruto 1.000 Kton de aço bruto
  • 7. ARCELORMITTAL PIRACICABA ARCELORMITTAL CARIACICA ARCELORMITTAL AÇOS LONGOS UNIDADES 1.050 Kton de aço bruto 600 Kton de aço bruto
  • 8. ARCELORMITAL AÇOS PLANOS UNIDADES ARCELORMITTAL TUBARÃO ARCELORMITTAL VEGA 7.500 Kton de aço bruto 1.400 Kton de aço bruto
  • 9.
  • 10. POLÍTICA AMBIENTAL DIRETRIZES Gerenciamento e redução, onde tecnicamente e economicamente viável, das origens das emissões de CO 2 na produção de aço.
  • 11. MUDANÇAS DO CLIMA PRINCIPAIS QUESTÕES
  • 12. MUDANÇAS DO CLIMA EFEITO ESTUFA
  • 13. MUDANÇAS DO CLIMA PRINCIPAIS GASES DE EFEITO ESTUFA
  • 14. MUDANÇAS DO CLIMA PRINCIPAIS MARCOS Data Marco 1988 A WMO e o UNEP estabelecem o IPCC. 1990 O Primeiro Relatório de Avaliação do IPCC é publicado. 4 de junho de 1992 A Convenção é aberta a assinaturas na "Cúpula da Terra", no Rio de Janeiro. 21 de março de 1994 A Convenção entra em vigor. 7 de abril de 1995 A COP1 inicia uma nova rodada de negociações sobre um "protocolo ou outro instrumento legal". 11 a 15 de dezembro de 1995 O IPCC aprova seu Segundo Relatório de Avaliação. Suas conclusões salientam a necessidade de ações políticas fortes. 19 de julho de 1996 A COP2 toma nota da Declaração Ministerial de Genebra, que funciona como um impulso adicional às negociações em andamento. 11 de dezembro de 1997 A COP3 adota o Protocolo de Quioto à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima em Quioto, Japão. 16 de março de 1998 O Protocolo de Quioto é aberto a assinaturas na sede das Nações Unidas em Nova York. Recebe 84 assinaturas em um período de um ano. 2002 "Rio+10" "Cúpula da Terra 2002", dez anos após a "Cúpula da Terra" de 1992. 2003 Entrada em vigor do Protocolo de Quioto 2008 a 2012 Primeiro período de compromisso no âmbito do Protocolo de Quioto. 2013 a 2017 Segundo período de compromisso?
  • 15. Fonte: IPCC 2007 4th Assessment Report Existe uma forte correlação entre o aumento da temperatura média do planeta e as emissões de Gases Efeito Estufa (GEE). Resultados reais observados. Modelagem com influência natural. Modelagem com influência natural e antropogênica. MUDANÇAS DO CLIMA EFEITOS OBSERVADOS DO AQUECIMENTO GLOBAL
  • 16.
  • 17. MUDANÇAS DO CLIMA GERAÇÃO E OFERTA DE CRÉDITOS DE CARBONO Rio 92 CQNUMC 186 PARTES 3ª COP/MOP Protocolo de Quioto Mecanismos de Flexibilidade Comércio de Emissões (Anexo I) Implementação Conjunta (Anexo I) MDL (Não Anexo I) 7ª COP/MOP Acordos de Marraqueche Meta de Redução (1990: -5%) 1º Período de Compromisso (2008-2012) Países Anexo I Países Não Anexo I Greenhouse gases x Global warming potential
  • 18. Compra de UR (Unidades de Redução) Cessão dos Créditos REDUÇÕES LIMITADAS (alto custo, limitação tecnológica, etc.) REDUÇÕES EXCEDENTES REINO UNIDO URSS Com é rcio Internacional de Emissões International Emissions Tradings (entre Pa í ses Anexo 1)
  • 19. Tecnologias Limpas Ganhos de Créditos CUSTOS ALTOS CUSTOS BAIXOS Investimentos França Polônia Implementa ç ão Conjunta Joint Implementation (entre Pa í ses Anexo 1)
  • 20. Mecanismos de Desenvolvimento Limpo Clean Development Mechanism (entre os pa í ses Anexo 1 e não Anexo 1) Emissão de CER no mercado. BRASIL Alemanha CUSTOS ALTOS CUSTOS BAIXOS Promoção do Uso de Tecnologias Limpas Desenvolvimento Sustentável Investimentos Externos
  • 21. ArcelorMittal A ç os Planos PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE Gestão Interna Consultoria Técnica Partes Interessadas Atendimento Legal Pesquisa e Desenvolvimento Inspeção Ambiental Engenharia Ambiental Mitigação de emissões de GEE Geração de Créditos de Carbono Sistema de Gestão Ambiental Educação Ambiental PROCESSOS
  • 22.
  • 23. Outra Entidade Operacional Designada Atividades de Projeto Conselho Executivo (ONU) (2) DCP (PDD) – Documento de Concepção de Projeto (3) Validação (5) Registro das Atividades de Projeto (6) Monitoramento Emissão Reduzida Certificada (8) Emissão Entidade Operacional Designada (7) Verificação/ Certificação Metodologia de Projeto Autoridade Nacional (4) Aprovação Painel de Metodologia (ONU) Participantes do Projeto (1) Construção da Metodologia de Linha de Base e de Monitoramento Painel de Metodologia (ONU) Conselho Executivo (ONU) Carbonização Programa Produtor Florestal Gás Natural no Alto Forno PROJETOS DE CARBONO Etapas de Desenvolvimento Mudança de Modal Projeto Industrial Recuperação de Calor - HRCP Recuperação de Gás LDG (9) Comercialização
  • 24.
  • 25. Objetivo Recuperar o calor gerado na produção de coque de forma a produzir vapor através de trocadores de calor e turbo-geradores, e produção de energia elétrica. Logo, haverá o deslocamento das emissões equivalentes da parcela de geração térmica do grid nacional. ArcelorMittal A ç os Planos COGERA Ç ÃO DE ENERGIA EL É TRICA NA PRODU Ç ÃO DE COQUE PELO PROCESSO HEAT RECOVERY Registro do Projeto (Estimado): 2011 HRSG 2 HRSG 3 HRSG 4 HRSG 5 HRSG 1 CALOR HRSG 6 HRSG 7 HRSG 8 ENERGIA ELÉTRICA Geração de Créditos de Carbono: 250.000 tonCO 2 eq/ano .(10 anos) Status: Aprovação - DNA 98 MW GERADOR 115 MVA TURBINA 98 MW GERADOR 115 MVA TURBINA
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31. Obrigada! Luciana C. Magalhães [email_address]