Resumo de Contabilidade Geral - ACP

28.896 visualizações

Publicada em

1 comentário
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
28.896
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
594
Comentários
1
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resumo de Contabilidade Geral - ACP

  1. 1. CONTABILIDADE GERAL AZIENA = FAZENDA 1) ESCRITURAÇÃO Livro diário Livro razão 2) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Visualização da saúde financeira da empresa; Balanço Patrimonial - BP; Demostrações do Resultado do Exercício - DRE; Demonstração Mutação do Patrimônio Líquido - DMPL; Demonstração do Fluxo de Caixa – DFC; Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados – DLPA; Demonstrações das Origens e Aplicações dos Recursos – DOAR; Demonstração do Valor Agregado – DVA. 3) AUDITORIA Técnica para investigação financeira. 4) ANÁLISE FINANCEIRA Técnica que analisa o desempenho da empresa. PATRIMÔNIO ATIVO (APLICAÇÕES) Patrimônio Bruto; Capital Aplicado; Recursos Aplicados; Capital Investido. BENS É tudo aquilo para uso, troca ou consumo. Bens MATERIAIS: são veículos, terrenos imóveis, etc. Bens IMATERIAIS: são as marcas e patentes, fundo de comércio (luva ou ponto), benfeitorias em imóveis de terceiros e despesas pré-operacionais. OBSERVAÇÕES: Fabrica constrói galpão em terreno de terceiros é uma benfeitoria;
  2. 2. Despesas pré-operacionais são bens imateriais caracterizado como um gasto aplicado antes da empresa entrar em funcionamento. Lei 11.638/07 – gastos com PESQUISAS não é mais despesas pré-operacionais. DIREITOS São todos os créditos de um empresa contra terceiros. Observações: ... a receber Clientes Adiantamento A ... (PF ou PJ) Impostos a RECUPERAR Depósitos judiciais PASSIVO (ORIGENS) Capital de Terceiros; Recursos de Terceiros; Capital Alheio; Passivo Exigível. OBRIGAÇÕES São os débitos (dividas) da empresa com terceiros. Observações: ... a pagar Fornecedores Adiantamento DE ... (PF ou PJ) Impostos a RECOLHER Financiamentos IMPOTANTE!!! ICMS SOBRE VENDAS – NÃO É OBRIGAÇÃO E NEM DIREITO. É DESPESA. PATRIMÔNIO LÍQUIDO
  3. 3. São as contas de Capital e Lucro. Situação Líquida; Capital Próprio; Recursos Próprios; Passivo Não Exigível. BALANÇO PATRIMONIAL BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO - Bens - Obrigações PATRIMÔNIO LÍQUIDO - Direitos TOTAL ATIVO TOTAL PASSIVO PL = ATIVO - PASSIVO A > P (PL+) SL = Bens+Direitos - Obrigações A < P (PL -) ****** A = P (PL Zero) MACETES A = P + PL ---- A > P (PL +) P = A + PL ---- P > P (PL -) A – P – PL = O ----- A = P + PL (PL +) PL > A = IMPOSSÍVEL, somente poderá chegar a 0. Obs: O ativo e o passivo não pode ser menor que zero. (P = O; A=PL) Exemplo: BALANÇO PATRIMONIAL BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO (Aplicações) PASSIVO (Origens) - Caixa --- 100 - Obrigações --- 0000 PATRIMÔNIO LÍQUIDO - Móveis --- 50 - Capital Social ---200 - Mercadorias --- 50 Total Ativo --- 200 Total Passivo --- 200 EXERCÍCIOS Num dado momento, seja A o valor do ativo, P do passivo e PL o valor do patrimônio líquido de uma entidade. Sejam as equações:
  4. 4. I) A – P = PL --- A = P – PL (PL +) II) P = A- PL --- A = P + PL (PL +) III) A+ PL = P --- (PL -) IV) A – P – PL = 0 --- A = P + PL (PL +) Apenas as equações II e III são equivalentes As equações I e III são equivalentes Apenas as equações I e IV são equivalentes Apenas as equações I, II e IV são equivalentes BALANÇO PATRIMONIAL BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO (Aplicações) PASSIVO (Origens) - Bens - Débitos Financiamentos - Direitos - Débitos Funcionamento PATRIMÔNIO LÍQUIDO - Créditos financiamento - Investimento Proprietário - Créditos funcionamento - Giro Normal Total Ativo Total Passivo 4) Da leitura atenta dos balanços gerais da Cia. Emile, levantados em 31.12.01 para publicação, e dos relatórios que os acompanham, podemos observar informações corretas que indicam a existência de: Capital de Giro no valor de R$ 2.000,00 (AC) Capital Social no valor de R$ 5.000,00 (PL) Capital Fixo no valor de R$ 6.000,00 (AP) Capital Alheio no valor de R$ 5.000,00 (PASSIVO) Capital Autorizado no valor de R$ 5.500,00 (Contrato) Capital a Realizar no valor de R$ 1.500,00 (PL) Capital Investido no valor de R$ 8.000,00 (Total Ativo) Capital Integralizado no valor de R$ 3.500,00 Lucros Acumulados no valor de R$ 500,00 (PL)
  5. 5. Prejuízo Líquido do Exercício no valor de R$ 1.000,00 A partir das observações acima, podemos dizer que o valor do Capital Próprio da Cia. Emile é de a) R$ 5.500,00 b) R$ 5.000,00 c) R$ 4.000,00 d) R$ 3.500,00 e) R$ 3.000,00 BALANÇO PATRIMONIAL BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO (Aplicações) PASSIVO (Origens) - Capital Investido 8.000 - Capital Alheio 5.000 PATRIMÔNIO LÍQUIDO - Capital Próprio 3.000 Total Ativo 8.000 Total Passivo 8.000 5) Em relação ao patrimônio de uma empresa e às diversas situações patrimoniais que pode assumir de acordo com a equação fundamental do patrimônio, indique a opção incorreta. a empresa tem passivo a descoberto quando o ativo é igual ao passivo menos a situação líquida A = P – SL ----- P = A + PL a situação líquida negativa acontece quando o total do ativo é menor que o passivo exigível P = A+ SL --- P > A (PL -) na constituição da empresa, o ativo menos o passivo exigível é igual a zero a situação em que o passivo mais o ativo menos a situação líquida é igual a zero é impossível de acontecer P + A – SL = 0 ---- SL = P + A (Impossível) a situação líquida é positiva quando o ativo é maior que o passivo exigível P + A – SL = 0 ---- SL = P + A (Impossível) CONTAS PATRIMONIALISTAS Patrimoniais = Bens , direitos, obrigações e patrimônio líquido. Resultado = Receitas e despesas.
  6. 6. RAZONETES Caixa Caixa Fornecedores Fornecedores D C D C 1000 600 1000 5000 400 4000 CONTA DEVEDORA + D -C (Ativo) CONTA CREDORA + C -D (Passivo) Saldo = D – C ou C – D BALANÇO PATRIMONIAL BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO (Natureza Devedora) (Natureza Credora) - Bens - Obrigações - Direitos +C +D -D PATRIMÔNIO LÍQUIDO -C +C Caixa – 100 -D (Devedor do Capital Próprio) Capital Próprio – 100 (Credor do Caixa) RETIFICADORAS RETIFICADORAS +C -C -D +D TOTAL ATIVO TOTAL PASSIVO BALANCETE BALANCETE DÉBITOS CRÉDITOS - Bens - Obrigações - Direitos PATRIMÔNIO LÍQUIDO
  7. 7. RETIFICADORAS DO PASSIVO E PL RETIFICADORAS DO ATIVO TOTAL ATIVO TOTAL PASSIVO 9) Numa empresa comercial, o montante do saldo devedor das contas patrimoniais foi de R$ 229.530,00. Ao iniciar os procedimentos para levantamento do balanço patrimonial, o contador verificou existirem contas retificadoras do ativo no valor de R$ 38.430,00 e contas retificadoras do patrimônio líquido no valor de R$ 14.890,00. Com base nestas informações, podemos afirmar que o total do ativo será de: a) 214.640,00 b) 229.530,00 c) 191.100,00 d) 176.210,00 e) 244.420,00 BALANCETE BALANCETE DÉBITOS CRÉDITOS Bens e Direitos - Obrigações 229.530 (Total Ativo) 229.530 (Total Passivo) Retificadoras Passivo e PL (14.890) Retificadoras Ativo (38.430) TOTAL – 214.640 TOTAL – 191.100 BALANÇO PATRIMONIAL BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO TOTAL Bens e Direitos - TOTAL Obrigações 214.640 191.100 Retificadoras ATIVO Retificadoras PASSIVO E PL (38.430) (14.890) TOTAL – 176.210 TOTAL – 176.210
  8. 8. 7) O Patrimônio da empresa XMW é constituído (em R$) por: Máquinas - 600,00; Nota Promissória de sua emissão - 500,00; Duplicatas de seu aceite - 1.500,00; Fornecedores - 400,00; Estoques - 3.000,00; Bancos - 200,00; Caixa - 100,00. Sabendo-se que o lucro corresponde a 20% do capital de terceiros, determinar o valor do Capital Social: a) R$ 1.500,00; b) R$ 3.900,00; c) R$ 1.020,00; d) R$ 480,00; e) R$ 2.400,00. ATIVO PASSIVO Máquinas - 600 Nota Promissória – 500 Estoques – 3000 Duplicatas aceite – 1500 Bancos – 200 Fornecedores – 100 Caixa – 100 Total = 2400 PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social – 1020 Lucros – 480 (20% 2400) TOTAL - 3900 TOTAL - 3900 RECEITAS O fato gerador da receita é o serviço prestado ou a mercadoria vendida. RECEITAS À VISTA (RECEBIDAS) ATIVO PASSIVO - Caixa ---- 20.000 PATRIMÔNIO LÍQUIDO - Lucro ----- 20.000 Receitas -------- $ 20.000 (-) Despesas --- $ 0 (=) Lucro ------ $ 20.000
  9. 9. Caixa Caixa L.P.A. L.P.A. D C D C 20.000 20.000 2) À PRAZO REALIZADAS (NÃO RECEBIDAS) ATIVO PASSIVO Duplicatas A receber ---- 20.000 PATRIMÔNIO LÍQUIDO - Lucro ----- 20.000 Receitas -------- $ 20.000 (-) Despesas --- $ 0 (=) Lucro ------ $ 20.000 Duplicatas A receber Duplicatas A receber L.P.A. D C L.P.A. 20.000 D C 20.000 3) RECEITA ANTECIPADA (NÃO REALIZADA) ATIVO PASSIVO Caixa ---- 20.000 Adiantamento DE Clientes ----- 20.000 PATRIMÔNIO LÍQUIDO - Não há apuração de resultado, assim, sem lucro. Caixa Caixa Adiantamento DE Clientes Adiantamento DE Clientes D C D C 20.000 20.000 DESPESAS GASTOS
  10. 10. Investimentos → Ativo Despesas → Consumo: Bens ou Serviços Custos → Consumo : Bens ou Serviços Despesas = Objeto: Receita Maior → Outro setor Custos = Objeto: Novo Bem → Produção Obs: Não há de se falar em custos numa empresa comercial, pois não existirá atividades de produção. Sendo assim, só haverá custos no setor fábril (produção). Ativo Passivo Ativo Passivo negativo positivo PL PL negativo negativo Despesa a vista - Despesa a prazo Incorrida e paga - Incorrida e não paga Ativo Passivo Caixa: negativo PL Adiantamento despesa: positivo Despesa Antecipada : paga e não incorrida ATIVO ATIVO PASSIVO Caixa PASSIVO Caixa Salários a pagar D C Salários a pagar 100 K (1) D C 20k (2) 5 K (3) PATR. LÍQUIDO PATR. LÍQUIDO Capital C LPA a LPA D C pD C 100K i (1) 5k 20k t (3) (2) a l 15k TOTAL – 120.000 TOTAL – 120.000
  11. 11. DRE Lucro Prejuízo Receita 20.000 (2) 0 (-) Despesa 0 (5.000) (3) (=) Resultado 20.000 (5.000) Exercício 11 11) Jorge Henrique, atacante do Botafogo, resolveu medir contabilmente um dia de sua vida começando do “nada” patrimonial. De manhã cedo nada tinha. Vestiu o traje novo (calça, camisa, sapatos, etc.), comprado por R$ 95,00, mas que sua mãe lhe deu de presente. Em seguida tomou R$ 30,00 emprestados de seu pai, comprou o jornal por R$ 1,20, tomou o ônibus pagando R$ 1,80 de passagem. Chegando ao CONIC, comprou fiado, por R$ 50,00, várias caixas de bombons e chicletes e passou a vendê-los no calçadão. No fim do dia, cansado, tomou uma refeição de R$ 12,00, mas só pagou R$ 10,00, conseguindo um desconto de R$ 2,00. Contou o dinheiro e viu que vendera metade dos bombons e chicletes por R$ 20,00. Com base nessas informações, podemos ver que, no fim do dia, Jorge Henrique possui um “capital próprio” no valor de: a) R$ 120,00 b) R$ 189,00 c) R$ 77,00 d) R$ 187,00 e) R$ 107,00 RESOLUÇÃO 11 Receitas = 20.000 Despesas = 1,20+1,80+10,00+ 25,00 (metade fiado) = 38,00 Empréstimos = 30,00 (passivo) Fiado = 50,00 (passivo) Receita – Despesa = 20,00 – 38,00 = (18,00) PL – Prejuízo = 95,00 – 18,00 = 77,00 (Resposta C) ATIVO PASSIVO CAIXA CAIXA D C 100.000 (1) 20.000 (2)
  12. 12. DESP. ANTECIPADA DES CAPITAL P. CAPITAL D C ANT ECI D C 20.000 (2) PAD 100.000 (1) A EXERCÍCIO 10 10) No sistema contábil abaixo apresentado só faltou anotar as despesas incorridas no período. Todavia, considerando as regras do método das partidas dobradas, podemos calcular o valor dessas despesas. Componentes valores Capital R$ 1.300,00 Receitas R$ 1.000,00 Dívidas R$ 1.800,00 Dinheiro R$ 1.100,00 Clientes R$ 1.200,00 Fornecedores R$ 1.350,00 Prejuízos Anteriores R$ 400,00 Máquinas R$ 1.950,00 Com base nos elementos apresentados, pode-se afirmar que o valor das despesas foi a) R$ 200,00 b) R$ 400,00 c) R$ 800,00 d) R$ 1.200,00 e) R$ 1.400,00 ATIVO PATIVO - 3.150 Caixa – 10.000 Dívidas – 1.800 Clientes – 1.200 Fornecedores - 1350
  13. 13. Máquinas - 1950 PL – 1.100 TOTAL – 4.250 Capital – 1.300 Prejuízo - (400) Receita – 1.000 (-) Despesas – (800) (=) Lucro – 200 [1.100 – (1.300 – 400)] ALGUNS MACETES: . . . Ativos → Receitas (ex: Aluguéis ativos) . . . Passivos → Despesas (ex: Aluguéis passivas) Despesa Antecipada: . . . a vencer . . . a apropriar Ex: Aluguéis Passivos A VENCER Despesa Antecipada Receitas Antecipadas: . . . a vencer . . . a apropriar Apostila Teorica – 17 Contas Retificadoras (Questão B) Ativo (Bens + Direitos) (-) Contas retificadoras Ver o que é – 1.800 Adiantamento – 2.000 Aluguéis ativos a receber – 1.000 Caixa – 2.200 Cliente – 4.600
  14. 14. Depreciação acumulada – (1.500) Móveis e utensílios – 10.000 TOTAL – 20.100 (RESPOSTA D) ATIVO PASSIVO - Circulante - Circulante - Realizavel longo prazo - Exigível a longo prazo - Permanete - Resultado exercícios futuros PL * Investimentos * Imobilizados *Intangível (novo) *Diferido Lei 11.638 Ordem decrescente do grau de liquideza. Circulante ELP Menor ← Prazo → Maior (crescente) Maior ← Exigibilidade → Menor (decrescente) 19) O Balancete de Verificação de uma empresa apresenta as seguintes contas e respectivos saldos ao final do exercício social (31.12.20X8): Com base nos dados abaixo e nas regras de apuração de resultado, pode-se afirmar que: Móveis e Utensílios 530 Bancos 4.000 Vendas 50.000 Duplicatas a Pagar 6.000 Despesa de Salários 10.000 Contas a Receber 8.000
  15. 15. Despesas de Juros 2.000 Receitas de Serviços 17.000 Despesa de Aluguel 3.000 Prejuízos Acumulados 4.000 Edifícios de Uso 12.000 Custo das Vendas 40.000 Empréstimos a Pagar 3.000 a) após a apuração do resultado, os Prejuízos Acumulados foram transformados em lucros acumulados de 12.000. b) o Lucro do Período foi de 52.000. c) o Capital Social é de 7.530. d) o Patrimônio Líquido é de 8.000. e) o Ativo e o Passivo somam 33.000. ATIVO PATIVO – 9.000 Móveis/Utens. -------- 530 Duplicatas A pagar – 6.000 Bancos -------------- 4.000 Empréstimos A pagar- 3.000 PL – 15.530 Contas A receber --- 8.000 Capital – 7.530 Edífios em uso ---- 12.000 Lucro – 12.000 TOTAL – 24.530 Prejuízo – (4.000) Receitas - 50.000 + 67.000 = 67.000 Despesas – 10.000 + 2.000 + 3.000 + 40.000 = 55.000 Lucro – 67.000-55.000 = 12.000 GRUPOS DO ATIVO OBS: CURTO PRAZO X LONGO PRAZO CURTO PRAZO 01/01/08 ---------ATUAL ----------31/12/08
  16. 16. 01/01/09------SEGUINTE----------31/12/09 LONGO PRAZO 01/01/10---------LONGO PRAZO----------31/12/10 ATIVO CIRCULANTE DISPONIBILIDADE (Bens numéricos): Caixa: dinheiro em poder da empresa; Banco Conta Movimento-BCM: dinheiro em C/C; Aplicações: rendimentos a juros (ex: Poupança) DIREITOS A CURTO PRAZO ESTOQUES: qualquer tipo de estoque; DEPESAS ANTECIPADAS DE CURO PRAZO Despesas até o exercício social seguinte Ex: 12.000 seguro (se 01/01/2009 – AC. Se 01/01/2010 - RLP) RETIFICADORAS DO ATIVO CIRCULANTE (Contas credoras) (-) Provisão para ajuste ao valor de mercado; Ex: Fornecedor reduz o valor da mercadoria para R$90 Estoque – compra = R$ 100 – Ativo circulante (-) Provisão p/ ajuste = (R$ 10) – Retificadora Valor real da mercdoria=R$ 90 (-) Duplicatas descontadas Ex: Venda da duplicata a receber em 120 dias ao banco Duplicatas a receber – 10.000 (-) Duplicatas descontadas – (10.000) (-) Provisão para crédito da liquidação duvidosa ou Provisão para devedores duvidosos (PCLD ou PDD) Ex: Devedores duvidosos ao pagamento das duplicatas Duplicatas a receber – 100.000 (-) PCLD -------------------(10.000)
  17. 17. (=) Duplicatas recebidas – 90.000 REALIZÁVEL A LONGO PRAZO – RLP DIREITOS A LONGO PRAZO DESPESAS ANTECIPADAS A LONGO PRAZO ADIANTAMENTO A ou EMPRÉSTIMOS A São operações não usuais da empresa; Independente de PRAZO; Sócios; Acionistas; Proprietários; Diretores; Coligadas; Controladas. ATIVO PERMANENTE INVESTIMENTOS (NÃO USO) Obras de Arte; Imóveis NÃO de uso; Participações em outras sociedades (-) RETIFICADORAS: (-)Provisão para perdas em investimentos (ex; baixa da cotação de ações em poder da empresa) IMOBILIZADO (DE USO) São todos os bens materiais e tangíveis (ex: móveis e equipamentos, veículos, fábrica, etc) (-) RETIFICADORAS: (-)Depreciação acumulada: veículos, máquinas, equipamentos, imóveis, etc. (-) Exaustão acumulada: direito de exploração das concessionárias ou até esgotamento de recursos minerais. INTANGÍVEIS (NOVA LEI 11.638) Marcas e patentes; Benfeitorias em imóveis de terceiros; Fundo de comércio (Luva). (-) RETIFICADORA: (-) Amortização acumulada: bens imateriais
  18. 18. DIFERIDO Despesas pré – operacionais: Antiga Lei 6404 – Prazo: Máximo de 10 anos Mínimo de 5 anos Despesas com projetos Nova Lei 11.638/07 – Prazo: Mínimo de 5 anos; Máximo é a e da estruturação da empresa no mercado, segundo projeto. Gastos com projetos: dando certo ou errado o projeto, todas as despesas vão ser incorridas no DRE. (-) RETIFICADORAS: (-) Amortização acumulada GRUPOS DO PASSIVO PASSIVO CIRCULANTE Obrigações a curto prazo (até o término seguinte do exercício) EXIGÍVEL A LONGO PRAZO Obrigações a longo prazo (ultrapassa o término do exercício seguinte) RESULTADOS DE EXERCÍCIOS FUTUROS Aluguéis ativos A VENCER (ou A APROPRIAR); OBSERVAÇÕES: 1) Deve ser uma RECEITA ANTECIPADA; 2) Deve estar deduzido de TODOS os CUSTO e DESPESAS; 3) Não sujeitos a devolução de bens ou serviços (não devolverá o dinheiro se o bem for devolvido ou serviço não prestado) 4) NÃO É UMA OBRIGAÇÃO (só entrará no PL depois do fato gerador) PATRIMÔNIO LÍQUIDO
  19. 19. (+) Capital Social (+) Recursos: Lucro Capital (-) Capital a Realizar (-) Ações da Tesouraria (-) Prejuízos Acumulados (+ ou -) Ajuste de Avaliação Patrimonial Ativo Passivo Ativo Passivo positivo negativo PL PL positivo negativo ESCRITURAÇÃO MÉTODO DAS PARTIDAS DOBRADAS Para todo débito deverá haver um crédito de igual valor (vice-versa) CONTAS ATIVO PASSIVO e PL Débito Aumenta o Ativo Diminui o Passivo e PL Crédito Diminui o Ativo Aumenta o Passivo e PL Ex: Compra de um automóvel à vista no valor de $ 80.000 Débito – Veículo – aumenta o Ativo Crédito – Caixa – diminui o Ativo: R$ 80.000 OU ( Débito) Veículo ( Crédito) a Caixa – R$ 80.000 Respostas da questão 30 – Novidade Ltda Entrada:
  20. 20. R$ 40.000 (Cheque) R$ 10.000 (dinheiro) R$ 200.000 (obrigação) D – Veículo – R$ 250.000 (aumenta o Ativo) C – BCM – R$ 40.000 (diminui o Ativo) C – Caixa – R$ 10.000 (diminui o Ativo) C – Títulos a pagar – R$ 200.000 (aumenta o Passivo) Resposta da questão 31 – Emissão cheques D – Duplicata a pagar – R$ 400 (diminui o Passivo) D – Despesas de juros – R$ 100 C – BCM (cheque) – 500 (diminui o Ativo) RECEITAS X DESPESAS REGRA Despesas – sempre debitadas Receita – sempre creditadas EXCEÇÃO: quando for estorno ou apuração de resultado Resolução do exercício da apostila teórica (pág. 28) LIVRO DIÁRIO BCM A) a Capital Social 50.000 Caixa B) a BCM 2.000 Estoque de mercadorias C) a Duplicatas a pagar 12.000 Aluguéis passivos (despesa) D) a Caixa 800 E) Duplicatas a receber
  21. 21. a Estoque de mercadorias 2.000 Despesa material expediente F) a BCM (cheque) 80 Estoque de mercadorias G) a BCM (cheque) 1.500 Caixa H) a Receita de serviços 3.000 Empréstimo a sócio I) a BCM (cheque) 3.000 Impostos a pagar (despesa) J) a Caixa 300 Imóveis 100.000 K) a BCM 25.000 a Promissórias a pagar 75.000 Móveis e Utensílios L) a BCM 1.700 Estoque material expediente M) a BCM 2.500 Caixa N) a Aluguéis ativos a vencer 5.000 LIVRO RAZÃO BCM BCM CAIXA CAIXA D C D C 50.000 (A) 2.000 (B) 2.000 (B) 800 (D) 80.000 (F) 3.000 (H) 300 (J) 1.500 (G) 5.000 (N) 3.000(I) 25.000 (K) 1.700 (L) 2.500 (M) 8.900 1820 (6)*** 14.220 7.080 DUPLICATAS A PAGAR DUP CAPITAL SOCIAL LIC CAPITAL SOCIAL D C ATA
  22. 22. 12.000 (C) SA D C PAG 12.000 AR 50.000 (A) 50.000 DESP. MAT. EXPEDIENTE DES DUPLICATAS A RECEBER P. DUPLICATAS A RECEBER D C MAT . D C 80 (F) EXP 2.000 (E) 80 80 (3) EDI ENT 2.000 E ALUGUÉIS PASSIVOS ALU IMÓVEIS GUÉ IMÓVEIS D C IS PAS D C 800 (D) SIV 100.000 (K) 800 800 (2) OS 100.000 ESTOQUE MERCADORIAS EST EST. MAT. EXPEDIENTE OQU EST. MAT. EXPEDIENTE D C E MER D C 12.000 (C) 2.000 (E) CAD 2.500 (M) 1.500 (G) ORI AS 11.500 2.500 RECEITA DE SERVIÇOS REC EMPRÉSTIMO A SÓCIO EIT EMPRÉSTIMO A SÓCIO D C A DE SER D C 3.000 (H) VIÇ 3.000 (I) 3.000 (1) 3.000 OS 3.000 DESPESAS IMPOSTOS DES PROMISSÓRIAS A PAGAR PES PROMISSÓRIAS A PAGAR D C AS IMP D C 300 (J) OST 75.000 (K) 300 300 (4) OS 75.000 ALUGUÉIS ATIVOS A VENCER ALUG MÓVEIS E UTENSÍLIOS UÉIS MÓVEIS E UTENSÍLIOS D C ATIV OS A 5.000 (N) VENC D C ER 5.000 1.700 (L) 1.700 ***OBS: NOVA LEI 11.632/07 Não poderá haver saldo remanescente no PL, ou seja, todo lucro deverá ser remetido aos dividendos.
  23. 23. O) LIVRO DIÁRIO RESULTADO RESULTADO DÉBITO CRÉDITO Aluguéis Passivos ------ 800 (2) Receita de serviços -- 3.000 (1) Desp. Mat. Expediente – 80 (3) Despesa impostos ------ 300 (4) 1.820 (5) Lucro --------------- 1.820 LIVRO RAZÃO (Nova Lei 11.632/07) LPA LPA *** CAIXA D C (registrado lá em cima) 1.820 (5) *** CAIXA 1.820 (6) 1.820 (registrado lá em cima) D C 8.900 1.820 (6) 7.080 BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO CIRCULANTE CIRCULANTE - Caixa ------------------------- 7.080 - Duplicatas a pagar --------- 12.000 - BCM -------------------------14.220 - Promissórias a pagar ------ 75.000 - Duplicatas a receber -------- 2.000 EXIGÍVEL LONGO PRAZO - Estoque de mercadorias –- 11.500 - xxxxxx - Estoque mat. Expediente -– 2.500 RESULTADOS EXERCÍCIOS FUTUROS REALIZÁVEL LONGO PRAZO - Aluguéis ativos a vencer –-- 5.000 PATRIMÔNIO LÍQUIDO - Empréstimo a sócio --------- 3.000 Capital Social ---------------- 50.000 PERMANETE - IMOBILIZADO
  24. 24. - Imóveis ------------------ 1000.000 - Móveis e utensílios –------- 1.700 TOTAL --------------------- 142.000 TOTAL --------------------- 142.000 29) Observe os eventos a seguir... Capital social: 2 x 100.000 = 200.000 Dia 24/01 Caixa: 30.000 Mercadoria: 60.000 Capital a Realizar (integralizar): 110.000 a Capital Social: 200.000 Dia 25/01 BCM a Caixa: 20.000 Dia 26.01 Veículos: 140.000 a BCM: 20.000 a Títulos a pagar: 120.000 Dia 30/01 Caixa (40%): 40.000 Clientes: 60.000 a Receita de Vendas: 100.000 LIVRO RAZÃO Caixa Cai Capital a Realizar xa Capital a Realizar D C D C 30.000 20.000 100.000 40.000 50.000 100.000 Estoque Esto Capital Social que Capital Social D C D C 60.000 60.000 200.000 0
  25. 25. 20.000 BCM BCM CMV CMV D C D C 20.000 20.000 60.000 0 Veículos Veíc Títulos a pagar ulos Títulos a pagar D C 140.000 D C 140.000 120.000 120.000 RESULTADOS Receita de Vendas – R$ 100.000 (-) CMV ------------- R$ (60.000) (=) Lucro ------------ R$ 40.000 (1) LPA LPA Dividendos a pagar D C Dividendos a pagar 40.000 (1) D C 40.000 (2) 40.000 40.000 (2) ATIVO PASSIVO - Caixa ----------------------------- 50.000 - Títulos a pagar ------------120.000 - Clientes ----------------------60.000 - Dividendos a pagar -------- 40.000 PATRIMÔNIO LÍQUIDO - Veículos --------------------140.000 - Capital Social ------------- 200.000 (-) Capital a Realizar -----(110.000) 90.000 TOTAL --------------------- 250.000 TOTAL --------------------- 250.000 27) JOSÉ RODRIGUES ... ATIVO PASSIVO - Caixa --------------------------2.000 - * Duplicatas emitidas ------ 2.500
  26. 26. - Títulos a receber ------------ 4.000 - Empréstimo A pagar -------- 5.800 - * Duplicatas aceitas -------- 6.000 - Aluguéis A pagar ------------ 1.000 PATRIMÔNIO LÍQUIDO - Móveis ----------------------- 5.000 Ativo – Passivo = PL - Adiantamento A emp. -------- 200 32.400 – 9.300 = 23.100 - Adiantamento A sócio ------1.800 Letra C - Mercadorias ----------------- 5.300 - Veículos ---------------------- 8.100 TOTAL ---------------------- 32.400 TOTAL ----------------------- 32.400 28) Empresa Livre Comércio Caixa I) a Receita de Vendas 300 CMV I) a Estoque 260 Duplicatas a pagar 100 II) Juros passivos (despesa) 15 a Caixa 115 Caixa 160 III) Clientes 240 a Receita 400 Títulos a pagar 200 IV) a Desconto obtido (10%) 20 a Caixa 180 a) Ativo b) Ativo c) PL d) Passivo d) Passivo 300 300 60 0 (100) 160 (240) (15) (200) (IV) 240 (III) (115) 400 (III) (300) 700 400 (III) 20 (IV) (180) (IV) 465 165 Errado Errado Errado Certo Errado DEMONSTRATIVO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO - DRE 1. RECEITA BRUTA
  27. 27. 2. (-) DEDUÇÕES Vendas anuladas (canceladas) Descontos Incondicionais concedidos (comercial) Abatimentos PIS COFINS ICMS s/ venda 3. (-) CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS – CMV 4. (=) LUCRO/PREJUÍZO (RESULTADO) BRUTO OBSERVAÇÕES: Base de Cálculo Tributação Vendas = 115.000 PIS (1%) = 1.000 Vendas anuladas = (10.000) COFINS (2%) = 2.000 DIC = (5.000) ICMS (18%) = 18.000 Total de vendas = 100.000 Abatimento não entra, pois houve circulação da mercadoria e não houve devolução. CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS: Inventário Permanente Controle da entrada e saída das mercadorias do estoque (concomitante) Inventário Periódico É aquele que no final do exercício é feita a contagem do estoque CMV = Estoque Inicial + Compras* - Estoque Final *Compras Líquidas = Compra Bruta* + Frete da Compra - Deduções* *Deduções Compras anuladas; Descontos incondicionais OBTIDOS (na hora da compra); Abatimentos sobre compras
  28. 28. *Compra Bruta CB = Compras – ICMS – IPI Ex. ICMS por dentro: Compras = 100.000 ICMS (18%) = 18.000 CB = 100.000 – 18.000 – 0 CB = 82.000 Base de Cálculo Tributação Compras = 115.000 ICMS (18%) = 18.000 Compras anuladas = (10.000) DIO = (5.000) Total Compras = 100.000 CB = 115.000 – 18.000 CB = 97.000 CL = 97.000 – 10.000 – 5.000 CL = 82.000 5.(-) DESPESAS OPERACIONAIS A. (+) Despesas Administrativas O que não é despesas de vendas e despesas financeiras (ex: pagamento de salários, despesas de aluguéis, despesa com material de escritório, etc) B. (+) Despesa de Vendas É toda despesa que está ligada à venda e não for uma demissão; Frete sobre vendas; Comissões aos vendedores; Despesas com marketing; Provisão para devedores duvidosos, etc. C. (+) Despesas Financeiras Juros Passivos; Descontos Concedidos (pgto antes do vencimento);
  29. 29. Despesas bancárias. D. (-) Receitas Financeiras Juros Ativos Descontos Obtidos. E. (+) Outras Despesas Operacionais Despesa de Equivalência Patrimonial; Ex: perda em ações de outras cias. F. (-) Outras Receitas Operacionais Ganhos de Equivalência Patrimonial; Ex: perda em ações de outras cias. OBS: Desp. Operacional = (A + B + C – D + E - F) 6. (=) LUCRO / PREJUÍZO OPERACIONAL 7. (+/-) RECEITAS / DESPESA NÃO OPERACIONAIS Ganho / Perda na venda de um bem cujo pertencente ao patrimônio imobilizado da empresa; 8. (-) CONTRIBUIÇÃO SOCIAL 9. (-) IMPOSTO DE RENDA 10. (-) PARTICIPAÇÕES Debêntures → distribuição dos lucros aos acionistas; Empregados → Participação nos lucros; Administradores; Partes Beneficiárias; 11. (=) LUCRO LÍQUIDO RESUMO DA ESTRUTURA DRE RECEITA OPERACIONAL BRUTA ( - ) DEDUÇÕES DA RECEITA BRUTA = RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA
  30. 30. ( - ) CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS = LUCRO OPERACIONAL BRUTO ( - ) DESPESAS OPERACIONAIS: Despesas De Vendas Despesas Administrativas Despesas Financeiras (-) Receitas Financeiras = LUCRO OU PREJ. OPERACIONAL + Receitas Não Operacionais ( - ) Despesas Não Operacionais = RESULTADO DO EXERCÍCIO ANTES DA PROVISAO P/ O IR E CS ( - ) Provisão P/ Imposto De Renda ( - ) Provisão P/ Contribuição Social = RESULTADO DO EXERCÍCIO APÓS A PROVISAO P/ O IR E CS ( - ) Participações ( - ) Contribuições ( - ) Doações = LUCRO / PREJ. LÍQUIDO DO EXERCÍCIO 37) Dados parciais retirados do Razão da Companhia Sertão S/A, ao final de um mês de operações (em reais): Compra de Mercadorias 82.000,00 Contribuição Social s/Lucro 760,00 Despesas Administrativas 9.000,00 Despesas com Vendas 5.000,00
  31. 31. Dividendos 4.000,00 Estoque Final 7.500,00 Estoque Inicial 5.500,00 Imposto de Renda 1.240,00 Participação dos Administradores 720,00 Participação dos Empregados 800,00 Provisão para Devedores Duvidosos 1.080,00 Receita de Vendas 104.000,00 Reserva Legal 300,00 Considerando exclusivamente as informações acima, qual o lucro líquido da Companhia Sertão, em reais? (A) 8.000,00 (B) 6.480,00 (C) 6.180,00 (D) 5.400,00 (E) 2.180,00 1º Calcular CMV CMV = EI + CL – EF CMV = 5.500 + 82.000 – 7.500 CMV = 80.000 Receita Bruta 104.000 (-) Deduções 0 (=) Receita Líquida 104.000 (-) CMV (80.000) (=) Lucro Bruto 24.000 (-) Despesas Operacionais (14.000)
  32. 32. * Despesas Administrativas – 9.000 * Despesas de Vendas -------- 5.000 (=) Lucro Operacional 10.000 (-) Contribuição Social (760) (-) Imposto de Renda (1.240) (-) Participações (1.520) * Empregados ------- 800 * Administradores ---720 (=) Lucro Líquido 6.480 39) A empresa Iguaçu apresentava em seu balancete, em 31.12.2006, para fins de apuração de resultado, os seguintes dados, em reais: Compra de mercadorias 1.200,00 Venda de mercadorias 4.000,00 Estoque inicial de mercadorias 500,00 ICMS sobre vendas 700,00 Estoque final de mercadorias 1.100,00 Despesas com vendas 600,00 Devolução de vendas 400,00 A Receita Líquida e o Lucro Bruto, respectivamente, em reais, são: (A) 3.400,00 e 2.800,00 (B) 3.300,00 e 1.700,00 (C) 2.900,00 e 2.300,00 (D) 2.800,00 e 1.700,00 (E) 2.300,00 e 2.300,00 Receita Bruto 4.000 (-) Deduções (1.100)
  33. 33. * ICMS ---------------- 700 * Vendas anuladas ---- 400 (=) Receita Líquida 2.900 (-) CMV (600) (=) Lucro Bruto 2.300 CMV = 500 + 1.200 – 1.100 CMV = 600 40) A firma Rinho Ltda. apresenta as seguintes rubricas vinculadas ao resultado do exercício: COFINS R$ 180,00 Custo da Mercadoria Vendida R$ 2.800,00 Despesas Financeiras R$ 600,00 ICMS s/ Vendas R$ 720,00 PIS s/ Faturamento R$ 60,00 Receita Operacional Bruta R$ 6.000,00 Salários e Ordenados R$ 1.000,00 Com base nos dados apresentados, pode-se dizer que a empresa apresenta: a) Receita Líquida de Vendas R$ 5.280,00 b) Receita Líquida de Vendas R$ 2.240,00 c) Lucro Operacional Bruto R$ 5.040,00 d) Lucro Operacional Líquido R$ 2.240,00 e) Lucro Operacional Líquido R$ 640,00 Receita Bruta 6.000 (-) Deduções (960) * Cofins -------------- 180
  34. 34. * ICMS -------------- 720 * PIS ------------------ 60 (=) Receita Líquida 5040 (-) CMV (2.800) (=) Lucro Bruto 2.240 (-) Despesas Operacionais * Financeira -------- 600 (1.600) * Administrativa --- 1.000 (=) Lucro Operacional Líquido 640 48) As contas abaixo representam um grupo de receitas e despesas e, embora distribuídas aqui aleatoriamente, compõem a demonstração do resultado do exercício da empresa Boapermuta S/A. Receitas Não-Operacionais R$ 2.000,00 Provisão para Contribuição Social 10% Juros Recebidos R$ 1.500,00 Depreciação R$ 700,00 Participação de Administradores 5% Impostos e Taxas R$ 500,00 Propaganda e Publicidade R$ 1.800,00 Vendas Canceladas R$ 20.000,00 PIS/PASEP 1% Despesas Bancárias R$ 800,00 Estoque Inicial R$ 30.000,00 Comissões sobre Vendas de Mercadorias R$ 3.000,00 Descontos Incondicionais Concedidos R$ 20.000,00 Estoque Final R$ 37.000,00
  35. 35. Descontos Condicionais Concedidos R$ 2.000,00 Participação de Partes Beneficiárias 5% Juros Pagos R$ 500,00 Vendas de Mercadorias R$ 100.000,00 COFINS 2% Salários e Encargos R$ 3.000,00 Água e Energia R$ 200,00 Provisão para Imposto de Renda 15% Compras de Mercadorias R$ 50.000,00 ICMS s/ Compras e Vendas 12% Descontos Obtidos R$ 15.000,00 Ordenando-se as contas acima, adequadamente e em conformidade com as regras de elaboração da Demonstração do Resultado do Exercício, vamos encontrar a) Receita Líquida de Vendas de R$ 48.000,00. b) Lucro Operacional Bruto de R$ 4.000,00. c) Lucro Operacional Líquido de R$ 15.000,00. d) Lucro Líquido antes da Contribuição Social e do Imposto de Renda de R$ 20.000,00. e) Lucro Líquido do Exercício de R$ 13.500,00. CMV = EI + CL - EF CL = 60.000 – 7.200 + 5.000 CL = 57.800 CMV = 30.000 + 57.800 – 40.000 CMV = 47.800 Receita Bruta 100.000
  36. 36. (-) Deduções (12.000) * ICMS ----- 12.000 (=) Receita Líquida 88.000 (-) CMV (47.800) (=) Lucro Bruto 40.200 44) A Companhia Comercial Cruzeiro do Norte adquiriu 10 unidades de um produto manufaturado, pagando R$ 10.000,00 pelo lote, mais R$ 1.000,00 de IPI, tributo que não é recuperável para a companhia. Posteriormente, vendeu 6 unidades desse lote pelo preço unitário de R$ 1.500,00. Sabendo- se que houve incidência do ICMS a uma alíquota de 18% tanto na compra como na venda, o lucro bruto auferido nas duas operações descritas equivaleu, em R$, a: a) 1.760,00 b) 1.860,00 c) 2.460,00 d) 3.480,00 e) 4.080,00 Compras – 10.000 IPI – 1.000 – Por fora (adicionar as compras ICMS (18%) - 1.800 – Por dentro CL = 10.000 + 1.000 – 1.800 = 9.200 Quantidade Valor Unitário Total 10 920 9.200 Receita Bruta (6 x 1.500) 9.000 (-) Deduções (1.620) * ICMS (18% x 9.000) (=) Receita Líquida 7.380 (-) CMV (6 x 920) (5.520) (=) Lucro Bruto 1.860 43) A Empresa S/A Modelo de indústria emitiu a N.F. nº 1.234 para vender à CIA Comercial de varejo 400 bandejas inox, modelo 2, ao preço unitário de R$ 50,00, com IPI de 10% e ICMS de 17%. A empresa Cia. Comercial de varejo emitiu a N.F. 0172 para vender ao Sr. Jose Maria 40 bandejas compradas da S/A Modelo de Indústria.
  37. 37. Obteve um preço de R$ 100,00 por unidade, com ICMS de 17% Baseados apenas nas informações constantes das notas fiscais acima, podemos afirmar com certeza que a Cia. Comercial de varejo obteve um Lucro Operacional Bruto de: a) R$ 2.000,00 b) R$ 1.660,00 c) R$ 1.460,00 d) R$ 1.120,00 e) R$ 2.140,00 Compras = 50 (+) IPI (10%) - 5 (-) ICMS (17%) - 8,50 Total = 46,50 Quantidade Valor Unitário Total 400 46,50 18.600 Receita Bruta (40 x 100) 4.000 (-) Deduções (680) * ICMS (17% x 4.000) (=) Receita Líquida 3.320 (-) CMV (40 x 46,50) (1.860) (=) Lucro Bruto 1.460 ICMS COMPRAS ------ 10.000 ICMS(18%) ----- (1.800) Custo aquisição – 8.200 VENDAS ----- 20.000 ICMS ---------- 3.600 ICMS a recuperar ICM ICMS a recolher
  38. 38. D C Sa ICMS a recolher recu 1.800 1.800 (1) pera D C r 0 1.800 (1) 3.600 1.800 41) Uma máquina, adquirida pela Cia. Enluarada, é utilizada para A Comercial das Chaves Ltda., sem estoque de mercadorias em 30 de abril, realizou as seguintes operações com mercadorias, no mês de maio: Dia 18 – Compra, conforme nota fiscal do fornecedor comercial: R$ 220.000,00; Dia 22 – Compra, conforme nota fiscal de outro fornecedor comercial: R$ 250.000,00; Dia 30 – Venda a prazo de 80% das mercadorias compradas, para diversos clientes, conforme notas fiscais de venda: R$ 520.000,00. Considerando que todas as operações foram realizadas no mesmo Estado e que as operações com mercadorias estão sujeitas à incidência do ICMS, alíquota de 20%, o valor do ICMS a Recuperar, em reais, a que a Comercial das Chaves tem direito é: (A) 10.000,00 (B) 28.800,00 (C) 75.200,00 (D) 94.000,00 (E) 104.000,00 Compras = 470.000 x 20% = 94.000 (ICMS a recuperar, já pago nas compras) Vendas = 520.000 x 20% = 104.000 (ICMS a recolher) Se ICMS de compensação? = 104.000 – 64.000 = 10.000 PROVISÃO PARA CRÉDITO DE LIQUIDAÇÃO DUVIDOSA – PCLD OU PDD Absorve os possíveis não recebimentos da venda à prazo, ou seja, antecipação do prejuízo cujos devedores são duvidosos; Geralmente, é calculado sobre a média de perda dos últimos 3 anos. Ex: PCLD – 5% PCLD = 100.000 x 5% = 5.000 (31/12/2008)
  39. 39. Duplicata a receber Duplicata a receber Despesa com PCLD D C a PCLD ------------ 5.000 100.000 ATIVO RESULTADO Duplicatas a receber ---100.000 Despesas Operacionais (-) PCLD ----------------- (5.000) * Vendas -Despesas c/ PCLD – 5.000 ANO DE 2009 Novembro – 3.000 (Duplicata incobrável) PCLD a Duplicatas a receber – 3.000 (1) PCLD PCL Duplicatas a receber D Duplicatas a receber D C 3.000 (1) 5.000 D C 2.000 100.000 3.000 (1) 97.000 Exemplo 2 Novembro/2009 – 6.000 (Duplicata incobrável) Duplicata a receber Duplicata a receber PCLD -------------------5.000 D C Despesas Eventuais – 1.000 100.000 6.000 (2) 94.000 a Duplicatas a receber – 6.000 PCLD PCL Despesas Eventuais D Despesas Eventuais D C 5.000 (2) 5.000 D C 1.000 (2) Exemplo 3 PCLD 2008 – 5.000 perdas
  40. 40. PCLD PCLD Antiga provisão – 5.000 D C Nova provisão – 3.000 3.000 5.000 2.000 Método da Reversão PCLD Resultado a Reversão da PCLD – 2.000 (receita) (-) Despesa Operacional Despesa c/ PCLD * Vendas -------------- 1.000 a PCLD ------- 3.000 Desp. PCLD – 3.000 (-) Reversão --- (1.000) DEPRECIAÇÃO É o desgaste de bens duráveis contidos no patrimônio permanente da empresa. É uma DESPESA ADMINISTRATIVA. DEPRECIAÇÃO ACUMULADA é classificado no ATIVO PERMANETE. Ex: Máquinas, equipamentos, veículos, etc. Veículos – 20.000 20.000 Vida útil – 5 anos x 20% Taxa de vida útil – 20% a.a. 4.000 Depreciação a Depreciação acumulada – 4.000 ATIVO * Permanente Veículos ------------------------20.000 (-) Depreciação acumulada – (4.000) Obs: Máquinas desmontadas ou que não esteja em uso, este não sofre depreciação. Máquinas ------------ 12.000 12.000 Valor residual --------- 2.000 (2.000) Taxa depreciação – 10% a.a. 10.000
  41. 41. x 10% 1.000 → Depreciação ATIVO Obs; * Permanente Se vender o bem por 12.000, teria um lucro não operacional de 1.000 Máquinas ------------ 12.000 (-) Depreciação acumulada – (1.000) (=) Valor contábil --- 11.000 Valor Residual É o valor que de alguma forma não será depreciada. Máquinas ------------ 100.000 100.000 Valor residual --------- 10.000 (10.000) Taxa depreciação – 10% a.a. 90.000 x 10% 9.000 → Depreciação Despesa com depreciação (conta de resultado) a Depreciação acumulada - 9.000 (conta de ativo) Ativo Máquinas ----------------- 100.000 (-) Depreciação Acumulada – (9.000) Depreciação Acelerada 1º Turno – taxa normal 2º Turnos – taxa x 1,5 3º Turnos – taxa x 2 Ex: Máquinas ----------------- 100.000 Taxa ---------------------- 10% a.a. 3 turnos ( o dia inteiro, com isso a depreciação irá acelerar. Então x 2)
  42. 42. 32) A Cia Estrela da Manhã adquiriu um equipamento industrial por R$ 162.000,00. A previsão do valor residual do equipamento, ao término da vida útil estimada de 12 (doze) anos, é de R$ 6.000,00. A quota anual de depreciação a ser lançada pela companhia, adotando-se o método da linha reta, é, em R$, de: a) 12.500,00 b) 13.000,00 c) 13.500,00 d) 14.000,00 e) 14.500,00 → 169.000 – 6.000 = 156.000 / 12 meses = 13.000 34) A Indústria Alvorada, no Balanço encerrado em 31 de dezembro de 2006, apresentou a seguinte informação parcial, em reais, de seu Ativo Permanente / Imobilizado: Computadores 50.000,00 Máquinas operatrizes 80.000,00 Notas Explicativas apresentadas pela Alvorada relativas ao Imobilizado: • todos os bens imobilizados foram adquiridos novos, na mesma data do ano de 2005; • em 2007 não foram comprados nem vendidos bens do Imobilizado; • vida útil dos computadores: 5 anos; • vida útil das máquinas operatrizes: 10 anos; • valor de venda dos computadores estimado para o final de sua vida útil: R$ 8.000,00; • em 2007, as máquinas operatrizes trabalharam em regime de três turnos; • a Companhia adota o método linear de depreciação. Considerando-se estas informações, o valor da depreciação a ser contabilizado, em 2007, em reais, é: (A) 16.400,00 (B) 18.000,00 (C) 22.000,00
  43. 43. (D) 24.400,00 (E) 26.000,00 (10.000 + 16.000) Computador Máquina 50.000 10anos 5 anos 3 turnos x 20 % 10% a.a. 10.000 X 2 (3 turnos) = 20% 80.000 x 20% = 16.000 RESERVAS RESERVA DE LUCRO Reserva legal; É destinado e obrigatório 5% do lucro líquido onde não é pago em dividendos. Reserva legal LPA Lucro Líquido-100.000 a Reserva legal ---- 5.000 x5% 5.000 D C D C 5.000 100.000 5.000 95.000 OBS: O MONTANTE da Reserva Legal não poderá ultrapassar 20% do CAPITAL SOCIAL Reserva Estatutária; Percentual decidido em estatuto da empresa. Reserva Contingências Lucro a Realizar É o excesso de dividendos sobre o lucro, ou seja, são as receitas que a empresa ainda vai receber (longo prazo).
  44. 44. Retenção de Lucros * Incentivos Fiscais Ex: Reserva Legal 53) A empresa Dag Mar e Serra S/A, em 31.12.01, apresentava o patrimônio líquido abaixo demonstrado, quando apurou o lucro líquido final no valor de R$ 65.000,00. Patrimônio Líquido em 31.12.01 Capital Social R$ 100.000,00 Reservas de Capital R$ 12.000,00 Reservas Estatutárias R$ 8.000,00 Reserva para Contingência R$ 61.000,00 Reserva Legal R$ 17.000,00 Lucros Acumulados R$ 10.000,00 Agora a empresa deverá constituir a reserva legal requerida por lei no caso de haver lucro no exercício de referência. Assinale a opção que indica o procedimento correto a ser adotado neste caso. a) Deverá, obrigatoriamente, ser constituída uma reserva legal de R$ 3.250,00, pois 5% do lucro líquido do exercício deverão ser aplicados na constituição dessa reserva. b) Não poderá ser constituída uma reserva legal de valor superior a R$ 2.000,00, pois o saldo das reservas não pode ultrapassar o valor do capital social. c) Poderá ser constituída uma reserva legal de R$ 3.250,00, pois a soma das reservas de lucros, inclusive a reserva legal, não excederá de 30% do capital social. d) Só poderá ser constituída uma reserva legal de R$ 1.000,00, pois, nesse caso, o saldo da reserva legal somado às reservas de capital atingirá a 30% do capital social. e) Deverá, obrigatoriamente, ser constituída uma reserva legal de apenas R$ 3.000,00, pois o saldo dessa reserva não poderá exceder de 20% do capital social. RESOLUÇÃO Lucro Líquido ----------- 65.000 Reserva Legal (5%) ---- 3.250
  45. 45. Montante de Reserva Legal = 3.250 + 17.000 = 20.250 Capital Social = 100.000 x 20% = 20.000(Reserva Legal) Então, 20.250 – 20.000 = 250 Reserva Legal = 3.250 – 250 = 3000 56) Considere as seguintes informações extraídas da contabilidade da Cia. Moinho de Outro, relativas ao exercício findo em 31/12/2005: Lucro Líquido do exercício 340.000,00 Resultado positivo da equivalência patrimonial 169.000,00 Lucro com realização financeira a ocorrer em 2007-13.000,00. Se o dividendo obrigatório da companhia, calculado de acordo com o disposto na Lei das Sociedades por Ações, for de R$ 166.000,00, ela poderá constituir reserva de lucros a realizar no valor de, em R$: a) 1.000,00 b) 4.500,00 c) 8.000,00 d) 16.500,00 e) 21.000,00 RESOLUÇÃO Lucro Líquido ----------- 340.000 REP ----------------------- (169.000) Lucro --------------------- ( 13.000) 158.000 Dividendo -- 166.000 LPA (158.000) a Reserva de lucros a realizar – 8.000 8.000 RESERVA DE CAPITAL
  46. 46. 1) Ágio na emissão de ações Quando cobra-se a mais sobre o valor nominal da ação; EX: Capital Social - 100.000 Nº ações ------- 10.000 Valor Nominal – 10.000 Valor Emissão – 15,00 x 10.000 ações = 150.000 Ativo Passivo Caixa - 150.000 PL Capital Social – 100.000 Reserva Capital – 50.000 2) Alienação de Partes Beneficiárias Proibido para as cias de capital aberto Existe somente nas outras formas jurídicas. Venda de títulos para parte beneficiária – 20.000 Caixa a Reserva de Capital – 20.000 Ativo Passivo Caixa – 120.000 PL Capital Social – 100.000 Reserva de Capital - 20.000 3) Bônus para subscrição É uma troca do título de bônus por ações; Quando o bônus se tornar ações, com a tomada de decisão do novo estatuto, este valor sairá da reserva de capital e se integralizará no capital social da empresa. Bônus subscrito – 20.000 Caixa a Reserva de Capital – 20.000
  47. 47. Ativo Passivo Caixa – 120.000 PL Capital Social – 100.000 Reserva de Capital - 20.000 51) A Nova redação da Lei no 6.404/76, dada pela Lei no 11.638/07, estabelece as seguintes reservas de lucros: I - Reserva Legal II - Reserva Estatutária III - Reserva para Contingências IV- Reserva de Incentivos Fiscais V - Reserva de Lucros a Realizar VI - Retenção de Lucros A Lei estabelece, igualmente, que o saldo das reservas de lucros não poderá ultrapassar o capital social, EXCLUINDO desse total APENAS as reservas identificadas acima como: (A) I, II e III (B) I, III e V (C) II, III e IV (D) III, IV e V (E) IV, V e VI Legal + Estatutária + Retenção de Lucro ≤ Capital Social 30 50 20 ≤ 100 PRINCÍPIOS DA CONTABILIDADE 1) PRUDÊNCIA Antecipar despesas (ex: PDD) Despesas com PCLD ou Despesas com provisão a PCLD -------- XXXX Provisão p/ Contingência
  48. 48. A P A A PL _ _ _ PL _ Ex: Adiantamento de perdas na justiça trabalhista 2) REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL Registrar o fato gerador no valor da nota (original). 3) ENTIDADE Bens da empresa DIFERENTE Bens dos sócios Empréstimos a sócios Adiantamento de 4) COMPETÊNCIA Registro pelo princípio da competência, ou seja, no momento do fato gerador. 5) OPORTUNIDADE O contador não pode perder o fato e deixa-lo de fazer o registro, na INTEGRIDADE da transação, TEMPESTIVIDADE, e valores estimados em casos de depreciação, provisão, etc., sendo que estes não existem documentos. 6) CONTINUIDADE Vida definida da empresa. 7) ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA No momento, este princípio está suspenso, porém, é utilizado na época de inflação. 62) Analise as assertivas abaixo a respeito dos Princípios Fundamentais de Contabilidade. I - O Princípio do Registro pelo Valor Original diz que a avaliação dos componentes patrimoniais deve ser feita com base nos valores de entrada, considerando-se como tais os resultantes do consenso com os agentes externos. II - O Princípio da Prudência determina a escolha da hipótese que resulte em maior patrimônio líquido, quando se apresentarem alternativas igualmente válidas.
  49. 49. III - O Princípio da Competência diz que todas as despesas devem ser registradas quando efetivamente pagas. Está(ão) correta(s) APENAS a(s) afirmativa(s) (A) I (B) II (Prudência não antecipa lucro) (C) III (somente no período do fato gerador) (D) I e II (E) II e III 58) O princípio da oportunidade refere-se, simultaneamente, à tempestividade e à integridade do registro do patrimônio e das suas mutações, determinando que este seja feito de imediato e com a extensão correta, independente das causas que originaram as mutações. Como resultado da observância desse princípio, a norma determina que: (A) o Patrimônio da entidade não deve ser confundido com aqueles dos seus sócios ou proprietários, no caso de sociedade, instituição ou, ainda, fundação. ( Falso – é Entidade) (B) o registro das variações patrimoniais deve ser feito mesmo na hipótese de somente existir razoável certeza de sua ocorrência, desde que tecnicamente estimável. (integridade e tempestividade – oportunidade) (C) o reconhecimento simultâneo das receitas e despesas, quando correlatas, deverá se aplicar em conseqüência natural do respeito ao período em que ocorrer sua geração. (Falso – é o princípio da competência) (D) o valor original do bem deve ser mantido enquanto o componente permanecer como parte do patrimônio, inclusive quando da saída deste. ( registro da valor original) (E) o valor econômico dos ativos e, em muitos casos, o valor ou o vencimento dos passivos, especialmente quando da extinção da entidade, deve ter prazo determinado, previsto ou previsível. ( Continuidade) REGIME DE CAIXA X REGIME DE COMPETÊNCIA
  50. 50. Regime de Competência: o registro do documento se dá na data do fato gerador (ou seja, na data do documento, não importando quando vou pagar ou receber) A Contabilidade se utiliza do Regime de Competência, ou seja, são contabilizados como Receita ou Despesa, os valores dentro do mês de Competência (qdo Gerados), na data onde ocorreu o fato Gerador, na data da realização do serviço, material, da venda, do desconto, não importando para a Contabilidade quando vou pagar ou receber, mas sim quando foi realizado o ato. Regime de Caixa: diferente do regime de competência o Regime de Caixa, considera o registro dos documentos quando estes foram pagos, liquidados, ou recebidos, como se fosse uma conta bancária. Porém para se medir os resultados de uma companhia, recomendo que se utilize do Regime de Competência, onde além de se considerar as vendas efetuadas, as despesas realizadas, também considera-se a depreciação, que no Regime de Caixa não se considera. E talvez a depreciação do bens parece não ser importante, mas é, uma vez que no futuro você precisará repor esse bem, por isso há necessidade de averiguar se o que você ganha hoje, o seu lucro, cobre também essa depreciação. Regime de caixa é o regime contábil que apropria as receitas e despesas no período de seu recebimento ou pagamento, respectivamente, independentemente do momento em que são realizadas. 1) A despesa só é considerada Despesa Incorrida quando for paga, independente do momento que esta foi realizada. O que considera aqui é o momento que foi paga. 2) A receita só é considerada Receita Ganha quando for recebida, independente do momento que esta foi realizada. O que considera aqui é o momento que foi recebida. Exemplos: 1) Vamos supor que a assinatura anual de um jornal custou R$ 120,00 e esta quantia foi paga para a editora em 4 vezes sem juros de R$ 30,00. No regime de caixa os valores pagos serão considerados Despesas Incorridas no momento de seu pagamento, ou seja, R$ 30,00 por mês. Já no regime de competência a despesa deverá ser apropria R$ 10,00 por mês perfazedo um total de R$ 120,00 (período de um ano de assinatura), independente de como ela foi paga. 2) Vamos supor que houve a venda de um bem para pagamento futuro. No regime de caixa a receita só será considera ganha quando for recebida, ou seja, no dia que a parcela correspondente for quitada pelo cliente. Já no regime de competência a receita é considerada receita ganha no momento da negociação, independente do momento que será paga. O regime de caixa é oposto ao regime de competência, pois considera as saídas e entradas de caixa como "gatilho" para o registro contábil da transação. No Brasil não é utilizado em função da legislação fiscal, tributária e societária que estabelece o regime de competência como obrigatório.
  51. 51. Existem ainda mais dois regimes contábeis: o de competência e o misto, sendo este último utilizado na contabilidade pública. Regime de competência (do inglês accrual-basis) é o que apropria receitas e despesas ao período de sua realização, independentemente do efetivo recebimento das receitas ou do pagamento das despesas. Como exemplo podemos citar uma compra de mercadorias a prazo: Se a compra ocorreu no mês de janeiro com pagamento em fevereiro, a despesa deverá constar nos registros de janeiro, embora o pagamento seja feito em fevereiro. Contabilmente, em janeiro, computa-se a despesa e como contra-partida (vide partidas dobradas), cria- se uma obrigação em Contas a pagar. Em fevereiro, por ocasião do pagamento, deduz-se o valor pago de Contas a pagar e reduz-se o valor do caixa. Existem ainda outros dois regimes contábeis: o de caixa (do inglês cash-basis) e o misto, sendo este último utilizado na contabilidade pública brasileira.

×