SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Baixar para ler offline
D i s c e n t e s : K e l l y S i g n o r, M a n u e l a S c h u c h o w s ky,
M a r c e l o Tr i n d a d e e S t e p h a n y L a w
D o c e n t e : P r o f . ª K a t h l e e n D a l l B e l l o
D i s c i p l i n a : E n g e n h a r i a
Ar q u i t e t u r a e U r b a n i s m o – 7 º p e r í o d o N o t u r n o A
ESTRUTURAS EM MADEIRA
LAMINADA COLADA
CENTRO UNIVERSITÁRIO DINÂMICA DAS CATARATAS
Missão: Formar profissionais capacitados, socialmente
responsáveis e aptos a promoverem as transformações
futuras.
Estruturas em Madeira Laminada Colada
Madeira Laminada Colada
 A fabricação da madeira laminada colada reúne duas
técnicas bastante antigas: colagem + laminação
 Tratam-se de peças de madeira reconstituídas a
partir de lâminas (tábuas), unidas por colagem.
 1906: aparecimento da cola de caseína (derivada do
leite) Otto Hetzer.
 1940: aparecimento das colas sintéticas.
 Utilizada madeira de reflorestamento (Pinus), de
fácil trabalhabilidade.
 Encontrado em abundância em países do hemisfério
norte.
Madeira Laminada Colada
Fabricação
Fabricação
Fabricação
Fabricação
Fabricação
Fabricação
Fabricação
Fabricação
Centre Pompidou Metz – Arquiteto Shigeru Ban
Localização: França
Área: 11330.0 m2
Ano Do Projeto: 2010
Centre Pompidou Metz – Arquiteto Shigeru Ban
Centre Pompidou Metz – Arquiteto Shigeru Ban
Centre Pompidou Metz – Arquiteto Shigeru Ban
Detalhes Construtivos
Detalhes Construtivos
Detalhes Construtivos
Detalhes Construtivos
Detalhes Construtivos
Centre Pompidou Metz – Arquiteto Shigeru Ban
Centre Pompidou Metz – Arquiteto Shigeru Ban
Centre Pompidou Metz – Arquiteto Shigeru Ban
Vantagens x Desvantagens
 Alta capacidade de carga e baixo peso próprio.

 Grande flexibilidade em curvaturas, arqueadas e
dobradas em sua forma, versatilidade de formas livres.

 Uma estrutura de MLC é mais segura que de aço
desprotegido em caso de incêndio. Altamente resistente
ao fogo, tendo seu comportamento perfeitamente
previsível durante o incêndio.
 Boa resistência a materiais químicos e agressivos.
 Comparando com outras estruturas, exige um número bem menor
de ligações.

 Maior facilidade de montagem, desmontagem e possibilidade de
ampliação. Além disso, menor peso significa economia nas
fundações.

 A matéria prima vem de florestas manejadas e funciona sob o
princípio da sustentabilidade para as gerações.

 Uma viga de madeira e uma de aço, com a mesma massa, observa-se
a mesma capacidade de resistência. Da mesma maneira, se for feita
a comparação entre uma viga de madeira e uma de concreto, com o
mesmo volume, observa-se que as duas possuem o mesmo poder de
resistência, sendo que neste caso a de madeira fica
aproximadamente cinco vezes mais leve que a de concreto.
Vantagens x Desvantagens
 • A madeira laminada colada é produzida em umidade de 12%,
o que corresponde a uma umidade de equilíbrio de 20ºC e
65% de umidade relativa. O comportamento de contração e
inchamento se reduz ao mínimo, apresentando grande
estabilidade dimensional e uma variação insignificante diante
o teor de umidade.

 • Facilita o manuseio e ligações químicas ou mecânicas com
outros materiais de construção.

 • Apresenta uma baixa condutibilidade e dilatação térmica,
garantindo qualidade e segurança.

 • Atenua a variação das propriedades mecânicas da madeira.
Vantagens x Desvantagens
 A madeira utiliza menos energia na sua fabricação agredindo
menos o meio ambiente.

 Permite vencer grandes vãos livres e apresenta uma qualidade
estética indiscutível.

 Pré-fabricada, permite uma melhor racionalização da
construção, diminuindo o tempo de montagem e de entrega
da obra.

 • Possibilita realizar seções de peças, não limitadas pelas
dimensões de geometria do tronco das árvores e a obtenção de
peças com raio de curvatura reduzido, variável e até mesmo
em planos diferentes.
Vantagens x Desvantagens
Curiosidades
Referencias
http://estruturasdemadeira.blogspot.com.br/
http://www.archdaily.com.br/br/617797/centre-pompidou-metz-shigeru-ban-architects
http://assenotec.blogspot.com.br/2012/10/estruturas-em-madeira-centre-pompidou.html
OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Técnica Construtiva : Adobe
Técnica Construtiva : AdobeTécnica Construtiva : Adobe
Técnica Construtiva : AdobePaula Bianchi
 
Aula4 materiais
Aula4 materiaisAula4 materiais
Aula4 materiaisTiago Cruz
 
Detalhamento - Madeiras Transformadas
Detalhamento - Madeiras TransformadasDetalhamento - Madeiras Transformadas
Detalhamento - Madeiras Transformadasdanilosaccomori
 
Aula - Aglomerantes.pdf
Aula - Aglomerantes.pdfAula - Aglomerantes.pdf
Aula - Aglomerantes.pdfrodrigo428042
 
Materiais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptx
Materiais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptxMateriais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptx
Materiais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptxCleisianne Barbosa
 
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptxAula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptxrodrigo428042
 
1º lista de exercício avaliativo sobre cimento e aglomerantes
1º lista de exercício avaliativo sobre cimento e aglomerantes1º lista de exercício avaliativo sobre cimento e aglomerantes
1º lista de exercício avaliativo sobre cimento e aglomerantesprofNICODEMOS
 
Isolamento termico acustico e impremiabilizante pdf
Isolamento termico acustico e impremiabilizante pdfIsolamento termico acustico e impremiabilizante pdf
Isolamento termico acustico e impremiabilizante pdfJulioHerysonSilva
 
Alvenaria estrutural
Alvenaria estruturalAlvenaria estrutural
Alvenaria estruturalAndré Lira
 

Mais procurados (20)

Técnica Construtiva : Adobe
Técnica Construtiva : AdobeTécnica Construtiva : Adobe
Técnica Construtiva : Adobe
 
Aula de construções
Aula de construçõesAula de construções
Aula de construções
 
Estruturas de madeira aula
Estruturas de madeira aulaEstruturas de madeira aula
Estruturas de madeira aula
 
Aula4 materiais
Aula4 materiaisAula4 materiais
Aula4 materiais
 
Sistemas estruturais ii
Sistemas estruturais iiSistemas estruturais ii
Sistemas estruturais ii
 
Detalhamento - Madeiras Transformadas
Detalhamento - Madeiras TransformadasDetalhamento - Madeiras Transformadas
Detalhamento - Madeiras Transformadas
 
Steel frame slide
Steel frame slideSteel frame slide
Steel frame slide
 
Aula - Aglomerantes.pdf
Aula - Aglomerantes.pdfAula - Aglomerantes.pdf
Aula - Aglomerantes.pdf
 
Materiais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptx
Materiais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptxMateriais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptx
Materiais aglomerantes, agregados e adições minerais.pptx
 
Madeiras
MadeirasMadeiras
Madeiras
 
Madeiras
MadeirasMadeiras
Madeiras
 
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptxAula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
 
1º lista de exercício avaliativo sobre cimento e aglomerantes
1º lista de exercício avaliativo sobre cimento e aglomerantes1º lista de exercício avaliativo sobre cimento e aglomerantes
1º lista de exercício avaliativo sobre cimento e aglomerantes
 
agregados
agregados agregados
agregados
 
Isolamento termico acustico e impremiabilizante pdf
Isolamento termico acustico e impremiabilizante pdfIsolamento termico acustico e impremiabilizante pdf
Isolamento termico acustico e impremiabilizante pdf
 
Alvenaria estrutural
Alvenaria estruturalAlvenaria estrutural
Alvenaria estrutural
 
Alvenaria estrutural
Alvenaria estruturalAlvenaria estrutural
Alvenaria estrutural
 
Aula 03 sistemas estruturais 1 alexandre
Aula 03 sistemas estruturais 1  alexandreAula 03 sistemas estruturais 1  alexandre
Aula 03 sistemas estruturais 1 alexandre
 
Alvenaria
AlvenariaAlvenaria
Alvenaria
 
Villa Savoye - Estrutura.pdf
Villa Savoye - Estrutura.pdfVilla Savoye - Estrutura.pdf
Villa Savoye - Estrutura.pdf
 

Destaque

Trabalho de coberturas
Trabalho de coberturasTrabalho de coberturas
Trabalho de coberturasIala Almeida
 
Pompidou centre,metz
Pompidou centre,metzPompidou centre,metz
Pompidou centre,metzbansaldhruv
 
EL_4_Laminares madera_Balmond
EL_4_Laminares madera_BalmondEL_4_Laminares madera_Balmond
EL_4_Laminares madera_BalmondConstruccion_III
 
Holy Spirit University Kaslik - Structural Conception - Centre pompidou metz
Holy Spirit University Kaslik - Structural Conception - Centre pompidou metzHoly Spirit University Kaslik - Structural Conception - Centre pompidou metz
Holy Spirit University Kaslik - Structural Conception - Centre pompidou metzGhady Khalil
 
Madeiras Industrializadas
Madeiras IndustrializadasMadeiras Industrializadas
Madeiras IndustrializadasDirk Henning
 
Tipos de madeiras
Tipos de madeirasTipos de madeiras
Tipos de madeirasonaibaf2003
 
The Singapore Engineer - NTU Sports Hall Cover Story
The Singapore Engineer - NTU Sports Hall Cover StoryThe Singapore Engineer - NTU Sports Hall Cover Story
The Singapore Engineer - NTU Sports Hall Cover StoryT.Y. Lin International
 
Indústria de Painéis, Madeira Sólida e Móveis, por Roberto Szachnowicz, Vice ...
Indústria de Painéis, Madeira Sólida e Móveis, por Roberto Szachnowicz, Vice ...Indústria de Painéis, Madeira Sólida e Móveis, por Roberto Szachnowicz, Vice ...
Indústria de Painéis, Madeira Sólida e Móveis, por Roberto Szachnowicz, Vice ...Instituto Besc
 
Green Roofed University Building
Green Roofed University BuildingGreen Roofed University Building
Green Roofed University Buildingarqperezarriola
 
Revista CONSTRUIR & decorar | Ed. nº 03
Revista CONSTRUIR & decorar | Ed. nº 03Revista CONSTRUIR & decorar | Ed. nº 03
Revista CONSTRUIR & decorar | Ed. nº 03Priscila Mendes Gobbi
 
Architect shigeru ban
Architect shigeru banArchitect shigeru ban
Architect shigeru banaziz khan
 

Destaque (20)

Trabalho de coberturas
Trabalho de coberturasTrabalho de coberturas
Trabalho de coberturas
 
Pompidou centre,metz
Pompidou centre,metzPompidou centre,metz
Pompidou centre,metz
 
Madeira 2
Madeira 2Madeira 2
Madeira 2
 
Apresentacao madeira
Apresentacao madeiraApresentacao madeira
Apresentacao madeira
 
Madeiras
MadeirasMadeiras
Madeiras
 
EL_4_Laminares madera_Balmond
EL_4_Laminares madera_BalmondEL_4_Laminares madera_Balmond
EL_4_Laminares madera_Balmond
 
Holy Spirit University Kaslik - Structural Conception - Centre pompidou metz
Holy Spirit University Kaslik - Structural Conception - Centre pompidou metzHoly Spirit University Kaslik - Structural Conception - Centre pompidou metz
Holy Spirit University Kaslik - Structural Conception - Centre pompidou metz
 
Madeiras Industrializadas
Madeiras IndustrializadasMadeiras Industrializadas
Madeiras Industrializadas
 
Tipos de madeiras
Tipos de madeirasTipos de madeiras
Tipos de madeiras
 
Tipos de madeiras
Tipos de madeirasTipos de madeiras
Tipos de madeiras
 
Picture window House
Picture window HousePicture window House
Picture window House
 
Pompidou centre - metz
Pompidou centre - metz Pompidou centre - metz
Pompidou centre - metz
 
The Singapore Engineer - NTU Sports Hall Cover Story
The Singapore Engineer - NTU Sports Hall Cover StoryThe Singapore Engineer - NTU Sports Hall Cover Story
The Singapore Engineer - NTU Sports Hall Cover Story
 
Indústria de Painéis, Madeira Sólida e Móveis, por Roberto Szachnowicz, Vice ...
Indústria de Painéis, Madeira Sólida e Móveis, por Roberto Szachnowicz, Vice ...Indústria de Painéis, Madeira Sólida e Móveis, por Roberto Szachnowicz, Vice ...
Indústria de Painéis, Madeira Sólida e Móveis, por Roberto Szachnowicz, Vice ...
 
ARCH417 Shigeru Ban
ARCH417 Shigeru BanARCH417 Shigeru Ban
ARCH417 Shigeru Ban
 
Apresentacao jrods projetos
Apresentacao jrods projetosApresentacao jrods projetos
Apresentacao jrods projetos
 
Green Roofed University Building
Green Roofed University BuildingGreen Roofed University Building
Green Roofed University Building
 
Centro Pompidou
Centro PompidouCentro Pompidou
Centro Pompidou
 
Revista CONSTRUIR & decorar | Ed. nº 03
Revista CONSTRUIR & decorar | Ed. nº 03Revista CONSTRUIR & decorar | Ed. nº 03
Revista CONSTRUIR & decorar | Ed. nº 03
 
Architect shigeru ban
Architect shigeru banArchitect shigeru ban
Architect shigeru ban
 

Semelhante a Madeira laminada colada: fabricação, aplicações e vantagens

Proj Final Pós Graduação_espaço comercial
Proj Final Pós Graduação_espaço comercialProj Final Pós Graduação_espaço comercial
Proj Final Pós Graduação_espaço comercialPatricia Graziano
 
Especialidade de Arquitetura item 3
Especialidade de Arquitetura  item 3Especialidade de Arquitetura  item 3
Especialidade de Arquitetura item 3' Paan
 
Matérias não convencionais utilizados na construção
Matérias não convencionais utilizados na construção Matérias não convencionais utilizados na construção
Matérias não convencionais utilizados na construção Marcelo Daniel Trindade
 
aulainicialmadeira_20180223174719.pptx
aulainicialmadeira_20180223174719.pptxaulainicialmadeira_20180223174719.pptx
aulainicialmadeira_20180223174719.pptxEngChristopherdosSan
 
Palestra de Caio Bonatto
Palestra de Caio BonattoPalestra de Caio Bonatto
Palestra de Caio BonattoADEMI-BA
 
Boletim Informativo Junho 2023.pdf
Boletim Informativo Junho 2023.pdfBoletim Informativo Junho 2023.pdf
Boletim Informativo Junho 2023.pdfFerreira Lapa
 
sistema construtivo inovador (drywall)
sistema construtivo inovador (drywall)sistema construtivo inovador (drywall)
sistema construtivo inovador (drywall)JulioHerysonSilva
 
Construção com Fardos de Palha
Construção com Fardos de PalhaConstrução com Fardos de Palha
Construção com Fardos de PalhaBiaEsteves
 
Boletim Informativo Junho 2023.pdf
Boletim Informativo Junho 2023.pdfBoletim Informativo Junho 2023.pdf
Boletim Informativo Junho 2023.pdfFerreira Lapa
 
Materiais e Design - Compósitos e Processos.
Materiais e Design - Compósitos e Processos.Materiais e Design - Compósitos e Processos.
Materiais e Design - Compósitos e Processos.HUMBERTO COSTA
 
Gb2011 silvia scalzo_arcelormittal
Gb2011 silvia scalzo_arcelormittalGb2011 silvia scalzo_arcelormittal
Gb2011 silvia scalzo_arcelormittalGalvabrasil
 
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdfMATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdflaurabrt2002
 

Semelhante a Madeira laminada colada: fabricação, aplicações e vantagens (20)

Proj Final Pós Graduação_espaço comercial
Proj Final Pós Graduação_espaço comercialProj Final Pós Graduação_espaço comercial
Proj Final Pós Graduação_espaço comercial
 
Assuntos de Interesse - Março 2019
Assuntos de Interesse - Março 2019Assuntos de Interesse - Março 2019
Assuntos de Interesse - Março 2019
 
Presentation - New
 Presentation - New Presentation - New
Presentation - New
 
Presentation Rocher
 Presentation Rocher Presentation Rocher
Presentation Rocher
 
Especialidade de Arquitetura item 3
Especialidade de Arquitetura  item 3Especialidade de Arquitetura  item 3
Especialidade de Arquitetura item 3
 
Tijolo Ecológico
Tijolo EcológicoTijolo Ecológico
Tijolo Ecológico
 
Matérias não convencionais utilizados na construção
Matérias não convencionais utilizados na construção Matérias não convencionais utilizados na construção
Matérias não convencionais utilizados na construção
 
aulainicialmadeira_20180223174719.pptx
aulainicialmadeira_20180223174719.pptxaulainicialmadeira_20180223174719.pptx
aulainicialmadeira_20180223174719.pptx
 
Palestra de Caio Bonatto
Palestra de Caio BonattoPalestra de Caio Bonatto
Palestra de Caio Bonatto
 
Boletim Informativo Junho 2023.pdf
Boletim Informativo Junho 2023.pdfBoletim Informativo Junho 2023.pdf
Boletim Informativo Junho 2023.pdf
 
sistema construtivo inovador (drywall)
sistema construtivo inovador (drywall)sistema construtivo inovador (drywall)
sistema construtivo inovador (drywall)
 
Construção com Fardos de Palha
Construção com Fardos de PalhaConstrução com Fardos de Palha
Construção com Fardos de Palha
 
Terrapalha2011
Terrapalha2011Terrapalha2011
Terrapalha2011
 
Alternativas
AlternativasAlternativas
Alternativas
 
Boletim Informativo Junho 2023.pdf
Boletim Informativo Junho 2023.pdfBoletim Informativo Junho 2023.pdf
Boletim Informativo Junho 2023.pdf
 
Materiais e Design - Compósitos e Processos.
Materiais e Design - Compósitos e Processos.Materiais e Design - Compósitos e Processos.
Materiais e Design - Compósitos e Processos.
 
Informativo insp 36
Informativo insp   36Informativo insp   36
Informativo insp 36
 
Gb2011 silvia scalzo_arcelormittal
Gb2011 silvia scalzo_arcelormittalGb2011 silvia scalzo_arcelormittal
Gb2011 silvia scalzo_arcelormittal
 
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdfMATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
 
O cubo
O cuboO cubo
O cubo
 

Mais de Marcelo Daniel Trindade

Mais de Marcelo Daniel Trindade (7)

Brasilia mitos e realidades
Brasilia mitos e realidadesBrasilia mitos e realidades
Brasilia mitos e realidades
 
Serfhau
SerfhauSerfhau
Serfhau
 
CONJUNTO HABITACIONAL PEDREGULHO
CONJUNTO HABITACIONAL PEDREGULHOCONJUNTO HABITACIONAL PEDREGULHO
CONJUNTO HABITACIONAL PEDREGULHO
 
Trabalho estética história da arte -
Trabalho estética história da arte -Trabalho estética história da arte -
Trabalho estética história da arte -
 
Urbanismo Progressista
Urbanismo Progressista Urbanismo Progressista
Urbanismo Progressista
 
Conjunto Habitacional do Pedregulho, 1947-Affonso Reidy
Conjunto Habitacional do Pedregulho, 1947-Affonso ReidyConjunto Habitacional do Pedregulho, 1947-Affonso Reidy
Conjunto Habitacional do Pedregulho, 1947-Affonso Reidy
 
Mobiliarios urbanos
Mobiliarios urbanosMobiliarios urbanos
Mobiliarios urbanos
 

Último

Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 

Último (20)

Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 

Madeira laminada colada: fabricação, aplicações e vantagens

  • 1. D i s c e n t e s : K e l l y S i g n o r, M a n u e l a S c h u c h o w s ky, M a r c e l o Tr i n d a d e e S t e p h a n y L a w D o c e n t e : P r o f . ª K a t h l e e n D a l l B e l l o D i s c i p l i n a : E n g e n h a r i a Ar q u i t e t u r a e U r b a n i s m o – 7 º p e r í o d o N o t u r n o A ESTRUTURAS EM MADEIRA LAMINADA COLADA CENTRO UNIVERSITÁRIO DINÂMICA DAS CATARATAS Missão: Formar profissionais capacitados, socialmente responsáveis e aptos a promoverem as transformações futuras.
  • 2. Estruturas em Madeira Laminada Colada
  • 3.
  • 4. Madeira Laminada Colada  A fabricação da madeira laminada colada reúne duas técnicas bastante antigas: colagem + laminação  Tratam-se de peças de madeira reconstituídas a partir de lâminas (tábuas), unidas por colagem.  1906: aparecimento da cola de caseína (derivada do leite) Otto Hetzer.  1940: aparecimento das colas sintéticas.
  • 5.  Utilizada madeira de reflorestamento (Pinus), de fácil trabalhabilidade.  Encontrado em abundância em países do hemisfério norte. Madeira Laminada Colada
  • 6.
  • 15.
  • 16. Centre Pompidou Metz – Arquiteto Shigeru Ban Localização: França Área: 11330.0 m2 Ano Do Projeto: 2010
  • 17. Centre Pompidou Metz – Arquiteto Shigeru Ban
  • 18. Centre Pompidou Metz – Arquiteto Shigeru Ban
  • 19. Centre Pompidou Metz – Arquiteto Shigeru Ban
  • 25. Centre Pompidou Metz – Arquiteto Shigeru Ban
  • 26. Centre Pompidou Metz – Arquiteto Shigeru Ban
  • 27. Centre Pompidou Metz – Arquiteto Shigeru Ban
  • 28.
  • 29.
  • 30. Vantagens x Desvantagens  Alta capacidade de carga e baixo peso próprio.   Grande flexibilidade em curvaturas, arqueadas e dobradas em sua forma, versatilidade de formas livres.   Uma estrutura de MLC é mais segura que de aço desprotegido em caso de incêndio. Altamente resistente ao fogo, tendo seu comportamento perfeitamente previsível durante o incêndio.  Boa resistência a materiais químicos e agressivos.
  • 31.  Comparando com outras estruturas, exige um número bem menor de ligações.   Maior facilidade de montagem, desmontagem e possibilidade de ampliação. Além disso, menor peso significa economia nas fundações.   A matéria prima vem de florestas manejadas e funciona sob o princípio da sustentabilidade para as gerações.   Uma viga de madeira e uma de aço, com a mesma massa, observa-se a mesma capacidade de resistência. Da mesma maneira, se for feita a comparação entre uma viga de madeira e uma de concreto, com o mesmo volume, observa-se que as duas possuem o mesmo poder de resistência, sendo que neste caso a de madeira fica aproximadamente cinco vezes mais leve que a de concreto. Vantagens x Desvantagens
  • 32.  • A madeira laminada colada é produzida em umidade de 12%, o que corresponde a uma umidade de equilíbrio de 20ºC e 65% de umidade relativa. O comportamento de contração e inchamento se reduz ao mínimo, apresentando grande estabilidade dimensional e uma variação insignificante diante o teor de umidade.   • Facilita o manuseio e ligações químicas ou mecânicas com outros materiais de construção.   • Apresenta uma baixa condutibilidade e dilatação térmica, garantindo qualidade e segurança.   • Atenua a variação das propriedades mecânicas da madeira. Vantagens x Desvantagens
  • 33.  A madeira utiliza menos energia na sua fabricação agredindo menos o meio ambiente.   Permite vencer grandes vãos livres e apresenta uma qualidade estética indiscutível.   Pré-fabricada, permite uma melhor racionalização da construção, diminuindo o tempo de montagem e de entrega da obra.   • Possibilita realizar seções de peças, não limitadas pelas dimensões de geometria do tronco das árvores e a obtenção de peças com raio de curvatura reduzido, variável e até mesmo em planos diferentes. Vantagens x Desvantagens