PROCESSO DE  CÁLCULO DA  ILUMINAÇÃO  NATURAL
INSOLAÇÃO Primeiro aprendemos a proteger as aberturas da radiação direta do sol
Aprendemos a desenhar uma máscara simples...
A estudar as trajetórias aparentes do sol  na frente da abertura
A dimensionar uma proteção de acordo com a quantidade de  insolação   direta desejada
Até a pensar em paisagismo para controlar o desempenho do sombreamento
MAS QUANDO QUEREMOS AVALIAR A ILUMINAÇÃO NATURAL LATERAL  EM UM AMBIENTE é preciso desconsiderar o sol  (a radiação direta...
 
Devemos considerar a porção de céu visível  em frente à janela, usando, para tanto, o gráfico de máscara com  todas  as ob...
Queremos estimar o aclaramento  em um plano de trabalho horizontal através de uma janela vertical,  ou seja, a quantidade ...
Primeiro, precisamos saber qual o aclaramento do céu Tabela de aclaramentos de céu médios em diversas  latitudes latitude ...
Para avaliarmos a quantidade de luz disponível em cada porção da abóbada celeste, utilizamos o diagrama de Pleyel Neste di...
Assim é possível verificar a quantidade de luz natural disponível na face exterior da janela, utilizando para tanto o diag...
Com esta “continha”, achamos o aclaramento do lado externo da janela. E EXTERNO  = E CÉU  x N o  de bolinhas   / 1004   (e...
Agora, identificamos os fatores que impedem a entrada de luz pela janela: 1  Caixilhos
Determinamos a área de transmissão da janela,  isto é, o  coeficiente de caixilhos C C , opacos, que impedem a entrada de ...
2  Vidros
2  Vidro fumê
2  Vidro martelado
Determinamos  o coeficiente de transmissão do vidro C V Tabela de coeficientes de transmissão de planos transparentes / tr...
3  Manutenção
Determinamos o coeficiente de manutenção C M Tabela de coeficientes de manutenção em função dos intervalos de limpeza tipo...
4  Ambiente
Determinamos o coeficiente do ambiente C A Mas, primeiro, calculamos o índice do recinto   <ul><li>c x L </li></ul><ul><ul...
Depois determinamos as cores dos revestimentos internos: teto e paredes Tabela para determinação do coeficiente de ambient...
5  Espessura das paredes
Finalmente, determinamos o coeficiente de perda pela espessura das paredes C P Tabela para coeficiente de parede   C P esp...
PODEMOS ENTÃO CÁLCULAR    O FLUXO INTERNO ÚTIL F INT.UTIL  = E EXTERNO  x S JANELA  x C C  x C V  x C M  x C A  x C P   ( ...
E PARA OBTERMOS O ACLARAMENTO INTERNO MÉDIO E INTERNO  =  F INT.UTIL  /  S AMBIENTE     (em lux)
Podemos agora comparar o resultado  obtido com as recomendações de    acordo com a função desejada.
Tabela de aclaramentos recomendados para o plano de trabalho atividade Aclaramento  (lux) Visão casual 100 Leitura, trabal...
PROCESSO DE  CÁLCULO DA  ILUMINAÇÃO  NATURAL
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Processo de calculo_para_iluminacao_2003

4.619 visualizações

Publicada em

Processo de cálculo para iluminação natural. Conforto ambiental.

1 comentário
3 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.619
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
25
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
267
Comentários
1
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Processo de calculo_para_iluminacao_2003

  1. 1. PROCESSO DE CÁLCULO DA ILUMINAÇÃO NATURAL
  2. 2. INSOLAÇÃO Primeiro aprendemos a proteger as aberturas da radiação direta do sol
  3. 3. Aprendemos a desenhar uma máscara simples...
  4. 4. A estudar as trajetórias aparentes do sol na frente da abertura
  5. 5. A dimensionar uma proteção de acordo com a quantidade de insolação direta desejada
  6. 6. Até a pensar em paisagismo para controlar o desempenho do sombreamento
  7. 7. MAS QUANDO QUEREMOS AVALIAR A ILUMINAÇÃO NATURAL LATERAL EM UM AMBIENTE é preciso desconsiderar o sol (a radiação direta) e considerar apenas a luz, ou seja, a radiação difusa emitida ou refletida pela abóbada celeste.
  8. 9. Devemos considerar a porção de céu visível em frente à janela, usando, para tanto, o gráfico de máscara com todas as obstruções existentes
  9. 10. Queremos estimar o aclaramento em um plano de trabalho horizontal através de uma janela vertical, ou seja, a quantidade de luz que chega no plano de trabalho.
  10. 11. Primeiro, precisamos saber qual o aclaramento do céu Tabela de aclaramentos de céu médios em diversas latitudes latitude E CÉU (lux) 1º 18.000 5º 16.500 10º 15.000 15º 13.500 20º 12.000 23,5º (SP) 11.000 25º 10.500 30º 9.000 33º 8.000
  11. 12. Para avaliarmos a quantidade de luz disponível em cada porção da abóbada celeste, utilizamos o diagrama de Pleyel Neste diagrama há 502 bolinhas A abóbada celeste contém 1.004 bolinhas
  12. 13. Assim é possível verificar a quantidade de luz natural disponível na face exterior da janela, utilizando para tanto o diagrama de máscaras da janela sobreposto ao diagrama de Pleyel (bolinhas) E contamos o número de bolinhas contidas na porção de céu visível.
  13. 14. Com esta “continha”, achamos o aclaramento do lado externo da janela. E EXTERNO = E CÉU x N o de bolinhas / 1004 (em lux)
  14. 15. Agora, identificamos os fatores que impedem a entrada de luz pela janela: 1 Caixilhos
  15. 16. Determinamos a área de transmissão da janela, isto é, o coeficiente de caixilhos C C , opacos, que impedem a entrada de luz S JANELA – S CAIXILHO C C = --------------------------- S JANELA
  16. 17. 2 Vidros
  17. 18. 2 Vidro fumê
  18. 19. 2 Vidro martelado
  19. 20. Determinamos o coeficiente de transmissão do vidro C V Tabela de coeficientes de transmissão de planos transparentes / translúcidos descrição C V vidro plano liso 0.80 a 0.90 acrílico transparente claro 0.80 a 0.92 acrílico translúcido branco 0.20 a 0.50
  20. 21. 3 Manutenção
  21. 22. Determinamos o coeficiente de manutenção C M Tabela de coeficientes de manutenção em função dos intervalos de limpeza tipo de construção intervalo de limpeza locação em área não industrial locação em área industrial escritórios 12 meses 0,7 0,6 hospital 6 meses 0,7 0,6 escolas 12 meses 0,7 0,6 fábricas 3 meses 0,6 0,5 laboratórios e fábricas especiais 1 mês 0,6 0,5
  22. 23. 4 Ambiente
  23. 24. Determinamos o coeficiente do ambiente C A Mas, primeiro, calculamos o índice do recinto <ul><li>c x L </li></ul><ul><ul><li>i = -------------- </li></ul></ul><ul><li>(c + L) x h </li></ul>Onde: i é o índice do recinto c é o comprimento da sala L é a largura da sala H é a altura do plano de trabalho até o teto
  24. 25. Depois determinamos as cores dos revestimentos internos: teto e paredes Tabela para determinação do coeficiente de ambiente C A em recintos com janelas laterais. Teto Cor clara Cor média Paredes Cor clara Cor média Cor escura Cor clara Cor média Cor escura Índice do recinto i Coeficiente do ambiente C A (em %) 0,6 45 36 30 42 35 28 0,8 51 44 38 48 37 30 1,0 58 52 46 55 49 43 1,25 62 56 50 58 52 47 1,5 65 59 53 60 55 49 2,0 69 63 58 63 58 53 2,5 70 65 61 65 60 55 3,0 71 67 63 66 61 57 4,0 72 69 65 67 62 59 5,0 73 70 67 68 63 60
  25. 26. 5 Espessura das paredes
  26. 27. Finalmente, determinamos o coeficiente de perda pela espessura das paredes C P Tabela para coeficiente de parede C P espessura da parede C P 25 cm 0,90 15 cm 0,95
  27. 28. PODEMOS ENTÃO CÁLCULAR O FLUXO INTERNO ÚTIL F INT.UTIL = E EXTERNO x S JANELA x C C x C V x C M x C A x C P ( em lumens = lux / m 2 )
  28. 29. E PARA OBTERMOS O ACLARAMENTO INTERNO MÉDIO E INTERNO = F INT.UTIL / S AMBIENTE (em lux)
  29. 30. Podemos agora comparar o resultado obtido com as recomendações de acordo com a função desejada.
  30. 31. Tabela de aclaramentos recomendados para o plano de trabalho atividade Aclaramento (lux) Visão casual 100 Leitura, trabalhos de escritório 200 Leitura prolongada e detalhamentos médios 400 Desenhos de precisão 600 Trabalhos prolongados e rigorosos (exigindo percepção de pequenos detalhes) 900 Trabalhos excepcionalmente rigorosos 2000 - 3000
  31. 32. PROCESSO DE CÁLCULO DA ILUMINAÇÃO NATURAL

×